PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ALGUNS ELEMENTOS PARA ANÁLISE 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ALGUNS ELEMENTOS PARA ANÁLISE 1"

Transcrição

1 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ALGUNS ELEMENTOS PARA ANÁLISE 1 Introdução Ana Caroline De Oliveira Padilha 2 Andréia Florencio Eduardo 3 Débora Villetti Zuck 4 Márcia Sabina Rosa 5 Michely Pimentel 6 Sharon Russo 7 Ao tomarmos como princípio fundamental a inserção da escola na sociedade, consideramos o movimento de redemocratização" que é produzido na década de 1980 como, de certo modo, precursor da gestão democrática que se implementa na escola na década de 1990, através por exemplo, da elaboração do Projeto Político-Pedagógico. Uma concepção de gestão escolar democrática pressupõe a participação da comunidade escolar que compreende: Conselho Escolar, Associação de Pais, Mestres e Funcionários, Grêmio Estudantil, Equipe Pedagógica, alunos e Funcionários. Deste modo, quando se afirma que a elaboração do PPP deve se dar de forma coletiva, pressupõe-se que todos os envolvidos nesse processo devem ter claro quais os objetivos e as finalidades que a escola pretende realizar, considerando as condições concretas da mesma. Mas, essa participação coletiva de fato se concretiza? A elaboração do Projeto Político Pedagógico possibilita realmente a gestão democrática na escola? Que objetivos o Projeto Político Pedagógico realiza na escola? Tendo em vista, a discussão de questões como estas, organizamos o presente trabalho em três partes. Na primeira, apresentamos como a proposta de elaboração do Projeto Político Pedagógico revela-se na legislação federal: Constituição de 1988, Lei de Diretrizes e Bases da Educação 9394/1996 e Plano Nacional de Educação de Na segunda parte, apresentamos como alguns autores que tratam desta temática, concebem o PPP (concepção, finalidades, elementos que compõem, forma de elaboração e dificuldades encontradas no 1 Artigo elaborado na disciplina de Pratica de Ensino I a partir de atividades realizadas em uma escola da rede municipal de ensino, sob orientação da Professora Isaura Monica Souza Zanardini. 2 Acadêmica do 3º ano do curso de Pedagogia da UNIOESTE Campus Cascavel; 3 Acadêmica do 3º ano do curso de Pedagogia da UNIOESTE Campus Cascavel; 4 Acadêmica do 3º ano do curso de Pedagogia da UNIOESTE Campus Cascavel; Bolsista de Iniciação Científica e Integrante do Grupo de Pesquisa GPPS; 5 Acadêmica do 3º ano do curso de Pedagogia da UNIOESTE Campus Cascavel; Bolsista de Iniciação Científica e Integrante do Grupo de Pesquisa GEPPES; 6 Acadêmica do 3º ano do curso de Pedagogia da UNIOESTE Campus Cascavel; 7 Acadêmica do 3º ano do curso de Pedagogia da UNIOESTE Campus Cascavel;

2 processo de elaboração). Na última parte, apresentamos considerações a partir do Projeto Político Pedagógico analisado, confrontando-o, de certo modo, com a legislação abordada e os autores estudados. Para a realização do trabalho, utilizamo-nos da seguinte metodologia: leitura e análise de textos sobre o tema; leitura e análise do Projeto Político Pedagógico da escola campo de estágio, pautada na realização de atividades que possibilitaram a caracterização da organização escolar, enfatizando a forma de gestão que se pretende como gestão democrática, e discussões do grupo juntamente com a orientadora. As atividades realizadas possibilitaram desvelar que há uma ênfase no Projeto Político Pedagógico como instrumento de transformação da escola e possivelmente da sociedade, ao atribuir à escola um caráter de redenção. Mas evidenciou-se que há uma grande dificuldade na elaboração coletiva do PPP, sendo que sua construção se deu de forma fragmentada e como uma exigência burocrática. 1. Uma análise do PPP na legislação O processo de democratização na escola passa a ser ambicionado, mais precisamente na década de 1980, por ser um processo que emerge da redemocratização da sociedade brasileira que se inicia no final da década de 1970 culminando com o fim da Ditadura Militar em Sendo a escola um dos elementos constituintes da sociedade, esta democracia passa a ser formalizada a partir da Constituição de 1988, tendo como um dos princípios básicos a gestão democrática. Essa gestão está pautada em alguns princípios básicos como: autonomia, participação e descentralização. Na década de 1980 esses elementos aparecem de maneira efetiva em muitos documentos, federais e estaduais, com o intuito da participação nas deliberações das ações da escola, inclusive as pedagógicas. Mas na década de 1990 a participação, a descentralização e a autonomia passam a expressar as concepções neoliberais associadas a um processo de reestruturação do modo capitalista de produção, tendo como sustentação a ineficiência que esses princípios, na década anterior, ocasionaram na produtividade do Estado e das instituições que estão relacionadas a ele. É desta forma que a gestão democrática vem respaldada pela Reforma do Estado que acontece no Governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso ( ) redefinindo o papel e a organização da escola. Entende-se que para que uma escola seja eficiente há que se colocar ênfase na sua gestão, ou seja, no papel do diretor, que passa a dividir responsabilidades com as instâncias colegiadas (Conselho Escolar, Associação de Pais e Mestres, Grêmio Estudantil, Professores, e

3 Funcionários). Um meio de institucionalizar a gestão democrática é a elaboração, execução e avaliação do Projeto Político Pedagógico. Na Lei nº.9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, no que se refere aos Princípios e Fins da Educação Nacional, o Art. 3º vem falar dos princípios em que o ensino será ministrado, vale frisar que os incisos III e VIII se remetem ao indicativos que constam na Constituição Federal de Quanto a Organização da Educação Nacional, o Art. 12 da LDB. estabelece que os estabelecimentos de ensino terão a incumbência de: I - elaborar e executar sua proposta pedagógica; II - administrar seu pessoal e seus recursos materiais e financeiros; [...] VI - articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola; VII - informar os pais e responsáveis sobre a freqüência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica [...]. (BRASIL,, 1996) Já o Art. 13 explicita que os docentes terão como encargos: I - participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino [...] (Idem, ibidem). O Art. 14 afirma que: Os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino público na educação básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios: I - participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola; II - participação das comunidades escolar e local em conselhos escolares ou equivalentes (Idem, ibidem). Por fim, no Art. 15, afirma-se que [...] os sistemas de ensino assegurarão às unidades escolares públicas de educação básica que os integram, progressivos graus de autonomia pedagógica e administrativa e de gestão financeira, observadas as normas gerais de direito financeiro público (Idem, ibidem). No Plano Nacional de Educação, ao tratar dos objetivos e prioridades, a referência ao Projeto Político Pedagógico aparece enquanto: [...] democratização da gestão do ensino público, nos estabelecimentos oficiais, obedecendo aos princípios da participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola e a participação das comunidades escolar e local em conselhos escolares ou equivalentes (BRASIL, 2001, p. 4). E, ao tratar dos objetivos da gestão democrática, o Plano indica que cada sistema de ensino deve definir normas e diretrizes gerais de gestão democrática do ensino público, que sejam desburocratizantes e flexíveis, para desta forma, estimular a iniciativa e ações inovadoras. Recomenda ainda o desenvolvimento de um padrão de gestão que esteja pautado na

4 destinação de recursos para as atividades-fim, na descentralização, na autonomia da escola, na eqüidade, na aprendizagem dos alunos e na participação da comunidade. O Plano Nacional aponta ainda como objetivos da gestão democrática: 27. Apoiar tecnicamente as escolas na elaboração e execução de sua proposta pedagógica. 28. Assegurar a autonomia administrativa e pedagógica das escolas e ampliar sua autonomia financeira, através do repasse de recursos diretamente às escolas para pequenas despesas de manutenção e cumprimento de sua proposta pedagógica. (idem). Além desse entendimento, ressalta a importância de conter no Projeto Político Pedagógico, objetivos como a melhoria da infra-estrutura física das escolas e das condições de tecnologias educacionais, assim como, a qualificação de professores por meio de cursos e/ou programas de formação. O Plano Nacional de Educação retoma o que está posto na Constituição, ao reafirmar que o PPP é a expressão da organização de dada escola. Como instrumento de uma organização escolar pautada na gestão democrática, indica-se a instituição dos conselhos escolares. 2. Concepções de Projeto Político Pedagógico: uma análise a partir de alguns autores O processo de discussão em torno da necessidade de elaboração do PPP culminou com a institucionalização da gestão democrática a partir da Constituição de Em meio a esse movimento, diversos autores vem pesquisando esta temática e sustentando, deste modo, o processo de elaboração do Projeto Político Pedagógico nas escolas públicas. Diante disso, o texto apresenta nesta seção, a exposição e análise acerca da forma como os autores que elegemos para estudo concebem o PPP. Segundo Rios, [...] o Projeto Político Pedagógico é um norte para a organização das atividades escolares. De acordo com o dicionário, projeto significa lançar para adiante. Plano, intento, desígnio. Empresa, empreendimento. Redação provisória de lei. Plano geral de edificação (2007, s/p). Nessa mesma direção, a autora afirma que o PPP é o planejamento do trabalho que se tem a intenção de realizar, ou seja, uma relação com o futuro a partir do presente contexto; sendo assim, é um mapa de orientação para guiar a prática educativa.

5 O Projeto Político Pedagógico precisa apresentar a possibilidade de alcançar os objetivos propostos/traçados, planejando e encaminhando a busca por uma direção competente, considerando os recursos que a escola dispõe. A sua elaboração deve se dar de modo coerente e sistemático, prevendo como recurso um espaço para reflexão e disseminação de idéias, em que a situação da escola e o confronto do que se tem com o que se pretende construir sejam levados em consideração. Pois, [...] é no próprio real que se encontram as possibilidades de realização de algo ideal [...] (2007, s/p). Ainda segundo esta autora, o PPP precisa reconhecer os limites e as possibilidades do contexto escolar, definir os princípios que irão nortear as ações educativas, estabelecer caminhos e etapas para o trabalho e por fim designar tarefas para as pessoas envolvidas. Devem estar presentes no PPP os princípios que fundamentam o processo de trabalho, assim como o plano geral de edificação. Segundo Rios, o PPP deve ser um espaço para olhar para o futuro e considerar a provisoriedade contando com as eventuais interferências. Do mesmo modo, deve prever a ação, o empenho e o processo para a construção do trabalho. Portanto a escola precisa criar uma relação de interdependência com a sociedade e com os órgãos centrais do sistema educacional; e os diretores enquanto articuladores dos projetos não devem fazê-los isoladamente, nem por uma determinação pessoal, mas procurar estabelecer relações no trabalho coletivo. Conforme o texto Projeto Político Pedagógico da Escola Pública do Governo do Paraná, elaborado pela Secretaria de Educação, o PPP configura-se como um texto que representa os limites e as possibilidades de cada escola, ou seja, um referencial para a organização do trabalho pedagógico escolar, sendo uma síntese do processo vivido pelo coletivo. Propõe-se, nesse texto, como finalidade, repensar, refletir e incorporar novas idéias e formas democráticas à prática educativa, contribuindo para o fortalecimento do processo participativo e democrático no espaço escolar, pois é através da construção coletiva e de uma rigorosa análise da prática educativa que se dá elaboração de um Projeto Político Pedagógico. O PPP de acordo com a Secretaria de Educação, deve conter os seguintes elementos: apresentação, identificação, objetivos gerais, marco situacional, conceitual e operacional, avaliação institucional do Projeto Político Pedagógico, intencionalidades político-pedagógicas e por fim, valores, crenças e características da comunidade em que a escola está inserida. Marques (2003), descreve em seu texto os resultados de uma pesquisa realizada na Rede Municipal de Ensino de Cabo de Santo Agostinho, na qual procurou explicitar como os sujeitos que compõem a comunidade escolar, e de modo particular os membros do conselho escolar entendem a elaboração do PPP.

6 Conforme os diretores das escolas pesquisadas pela autora, o PPP baseia-se em organizar a escola; para os professores e funcionários é um instrumento de planejamento escolar de melhoria da escola e participação. Serve segundo os mesmos, para trabalharem juntos. Os membros da comunidade, pais e mães, afirmam ter em vista a melhoria e desenvolvimento da escola. Os alunos entendem o PPP como um planejamento, participação de todos e qualidade de ensino. Os participantes do conselho escolar, afirmam que o PPP é um projeto de melhoria, desenvolvimento e produtividade da escola se for elaborado coletivamente com a comunidade escolar. De acordo com Salmaso (2007), o PPP contribui na construção da autonomia das escolas, uma vez que leva a comunidade escolar a participar de seu planejamento, na medida em que pode estar intimamente articulado ao compromisso sócio-político e com os interesses reais e coletivos da população majoritária. O PPP aparece também na argumentação deste autor, como instrumento de autonomia e domínio do trabalho docente pelos profissionais da educação, com vistas à alteração de uma pratica conservadora vigente no sistema público de ensino. Para Fonseca (2003), o PPP é uma proposta nacional voltada para a organização e funcionamento da escola pública para traçar seu próprio caminho. Cabe destacar que dentre os textos analisados, este é o único que apresenta considerações acerca dos limites da elaboração do PPP pelas escolas diante da determinação da política educacional estabelecida de forma centralizada e com interesses mais financeiros que pedagógicos. Gonçalves e Abdulmassih (2001) afirmam que o PPP é a busca de conhecimento da realidade e seu contexto. O PPP representa a possibilidade de compartilhar responsabilidades para alcançar desenvolvimento em todos os sentidos. É a ação de cada um para transformar a realidade da escola. Para isso é necessário que sua elaboração seja de forma coletiva, ou seja, todos os seus membros devem ser agentes do processo de construção. Sua finalidade é concretizar os ideais da escola, visando intervenções responsáveis e conscientes em benefício da coletividade, reorganizando o seu saber fazer. O PPP deve envolver uma dimensão política, expressando o tipo de aluno que a escola almeja formar, e uma dimensão pedagógica, exprimindo a possibilidade de tornar real a intenção da escola para com o aluno. Essas autoras ainda dizem que o que torna difícil a elaboração do Projeto é colocar em prática o exercício da autonomia para que haja a construção de uma escola democrática. Baffi (2002), outra autora estudada, ainda revela que Projetar significa tentar quebrar um estado confortável para buscar uma estabilidade, buscar um estado melhor que o presente

7 Para ela o PPP deve ser entendido de uma maneira a situar o objetivo da escola, e faz referência a Veiga, que diz que o Projeto Político Pedagógico deve apresentar as seguintes características: Ser processo participativo de decisões; preocupar-se em instaurar uma forma de organização de trabalho pedagógico que desvele os conflitos e as contradições; explicitar princípios baseados na autonomia da escola, na solidariedade entre os agentes educativos e no estímulo à participação de todos no projeto comum e coletivo: conter opções explícitas na direção de superar problemas no decorrer do trabalho educativo voltado para uma realidade específica; explicitar o compromisso com a formação do cidadão; nascer da própria realidade, tendo como suporte a explicitação das causas dos problemas e das situações nas quais tais problemas aparecem; ser exeqüível e prever as condições necessárias ao desenvolvimento e à avaliação; ser uma ação articulada de todos os envolvidos com a realidade da escola; ser construído continuamente, pois como produto, é também processo (Cf. VEIGA apud BAFFI, 2002, s/p) No documento elaborado pela Coordenação de Apoio à Direção e Equipe Pedagógica - CADEP - que compõe a Secretaria Estadual de Educação, reafirma-se o que já fora dito no texto Projeto Político Pedagógico da Escola Pública do Governo do Paraná, onde o Projeto Político Pedagógico é considerado como a própria organização do trabalho pedagógico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis e modalidades, buscando a transformação da realidade social, na medida em que é ele quem alicerça o trabalho pedagógico, estabelece uma direção, fundamenta as transformações internas da organização escolar. Sob a ótica desses dois documentos, a construção do PPP representaria a possibilidade da passagem do sonho para a ação. Ainda de acordo com esse documento, representam dificuldades para a elaboração /execução do Projeto Político Pedagógico os seguintes aspectos: : Paralisia paradigmática X formação técnico-pedagógica; Confusões conceituais e imprecisão terminológica; Incoerência entre o discurso veiculado e a prática realizada; Resistência, insegurança e pouco envolvimento; Inexperiência em gestão democrática; Excesso de atividades burocráticas.

8 3. Algumas Considerações a partir da analise do PPP da escola campo de estagio a luz da legislação e dos autores estudados A proposta de estágio supervisionado, da disciplina Prática de Ensino, do curso de Pedagogia, encontra-se fundamentada no PPP do curso, que expressa o intuito de compreender a formação do educador numa perspectiva de refletir e articular as questões referentes ao contexto social onde a escola está inserida, como também de promover a relação entre a teoria e a prática educacional. Não obstante, apenas isso não basta, é preciso, também, intervir nessa realidade, sinalizando um posicionamento. A tarefa a que nos dedicamos, de análise do PPP da escola campo de estagio, esteve pautada nesse pressuposto Desse modo, a partir das leituras realizadas e da análise do PPP da escola, podemos dizer que em relação à categoria participação, componente da gestão democrática, parece haver duas perspectivas, requeridas por grupos de interesse distintos. A visão predominante é a de caráter liberal, onde a comunidade escolar estaria incumbida de executar tarefas para melhorar o nível de excelência da escola. A ideologia neoliberal, que perpassa esse discurso, evidencia a utilização de estratégias de manutenção como a distorção ou a restrição de conceitos como autonomia, descentralização e participação, que são inerentes ao PPP e a gestão democrática, a fim de enfraquecer e persuadir a organização dos educadores que lutam em prol de uma escola de qualidade. É na direção de implementar uma reforma de caráter neoliberal que a participação na elaboração do PPP é enfatizada na legislação e, de certo modo, é referendada pelos autores analisados, na medida em que, na sua grande maioria, não fazem uma discussão do contexto em que emerge o incentivo à elaboração do PPP, pois o tratam como instrumento de conquista de autonomia da escola, admitindo que há um processo de conflitos e negociações, já que sua construção constitui-se em um momento de aprendizagem democrática. Desse modo o projeto, calcado na participação coletiva, possibilita a organização da escola. Contrapondo-se a essa perspectiva, entende-se que a participação deveria se dar de forma efetiva, onde a comunidade escolar de fato teria o poder de decisão, para além da informação e de subsidiar financeiramente a escola (através da APMF), ou seja, também nas questões pedagógicas e administrativas. Essa participação leva a uma autonomia plena da escola, ultrapassando a autonomia que é institucionalizada, e que depende do compromisso político dos educadores, em não aceitar o que as esferas superiores impõe para a organização do trabalho pedagógico, afinal todas as escolas tem sua realidade específica. Dessa forma,

9 haveria uma descentralização real das decisões, onde a escola teria o poder efetivo de elaborar seu planejamento e receber o financiamento necessário para executá-lo. Na escola campo de estágio, a participação não se efetiva, pois de acordo com a observação realizada, percebeu-se que a construção do PPP não se deu desta forma, ainda que tenha envolvido toda a comunidade escolar em momentos fragmentados de elaboração do Projeto, não houve a discussão coletiva do mesmo em razão de questões burocráticas advindas de órgãos superiores e também a falta de professores. Percebeu-se, ainda, que o PPP tem por finalidade apenas executar ordens burocráticas e não aparece como norteador para os encaminhamentos pedagógicos como indicam os autores estudados. Há na escola, na verdade, um desconhecimento do PPP, visto que não há articulação entre a teoria indicada no documento sistematizado e a prática exercida na escola, e existem, também, divergências teóricas no interior do documento. Também é possível constatar que a participação e autonomia são restritas e se dão de forma intra-escolar, pois as instâncias superiores predeterminam as questões do currículo, por exemplo, e que se referem ao financiamento, visto que este é definido e direcionado tanto na quantidade que virá por aluno, quanto no que se refere a sua utilização. Por isso faz-se necessário uma prática cotidiana de discutir, decidir, trocar experiências, para então construir na escola um PPP que realmente seja a identidade da escola e não mero instrumento burocrático, feito para cumprir a norma e ser depois engavetado, mas que seja vivenciado por todos, em todos os momentos. Do jeito que está parece que a discussão estaria só no âmbito interno. Para superar a fragmentação do trabalho pedagógico é imprescindível que os educadores atuem no espaço escolar, tendo claro o significado do PPP, da importância da sua construção coletiva, da concepção de educação que tem em vista. Pois, conceber, coordenar, realizar e avaliar o PPP é de responsabilidade de todos que estão envolvidos com a escola. Logo, se democratizar a gestão das escolas implica condições de autonomia técnica, financeira e pedagógica, como indicam os autores estudados, para que as escolas possam administrar seu projeto educativo com responsabilidade, vemos que na escola pesquisada, assim como nas demais escolas públicas, essa gestão está longe de se concretizar, afinal, na sociedade em que a escola está inserida, o Estado busca o consenso entre as classes, a fim de manter e continuar reproduzindo o modelo capitalista. Para tanto, implementa políticas educacionais específicas que determinam o caráter e os limites da gestão democrática. Referências

10 BAFFI, Maria Adelia Teixeira. O planejamento em educação: revisando conceitos para mudar concepções e práticas. In.: BELLO, José Luiz de Paiva. Pedagogia em Foco, Petrópolis, Disponível em: <http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/fundam02.htm>. Acesso em: 23 de agost BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do. Brasília, Lei nº.9394, de 20 de dezembro de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, Lei nº , de 9 de janeiro de Plano Nacional de Educação, Brasília, DF, PARANÁ. CADEP - Coordenação de Apoio à Direção e Equipe Pedagógica. A Construção Coletiva do Projeto Político-Pedagógico. Disponível em <http://www.dia-adiaeducacao.pr.gov.br/portals/portal/cadep/projeto_construcao2005.pdf.> Acesso em: 23 de agost de FONSECA, Marília. Projeto político pedagógico e o Plano de Desenvolvimento da Escola: duas concepções antagônicas de gestão escolar. Cad. CEDES v.23 n.61. Campinas dez GONÇALVES, Gláucia Signorelli de Queiroz; ABDULMASSIH, Marília Beatriz Ferreira. O projeto político: algumas considerações. Revista Profissão Docente (online), Uberaba, v. 1, n. 1, fev Acesso em LIMA, Antonio Bosco. Políticas Educacionais e o Processo de Democratização da Gestão Educacional. In: LIMA, Antonio Bosco (org). Estado, políticas educacionais e gestão compartilhada. São Paulo: Xamã, p MARQUES, Luciana Rosa. O Projeto Político Pedagógico e a Construção da Autonomia e da Democracia na Escola nas Representações Sociais dos Conselheiros. Revista Educação e Sociedade, vol. 24, n. 83, Campinas, agosto p Disponível em <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 15 de agot. De RIOS, Terezinha Azerêdo. Significado e Pressupostos do Projeto Pedagógico. Disponível em: < Acesso em: 24 de agost. De SALMASO, José Luís; FERMI, Raquel Maria Bortone. Projeto Político-Pedagógico: Uma Perspectiva de Identidade no Exercício da Autonomia. Disponível em: <http://www.cefetsp.br/edu/sinergia/4p32c.html>. Acesso em 10 de agot. De VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto Político-Pedagógico da Escola: Uma construção Coletiva. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org). Projeto Político-Pedagógico da Escola: Uma construção Possível. Campinas-SP: Papirus, (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico). ZANARDINI, Isaura Mônica Souza; ROSA, Márcia Sabina; MICHELON, Edimor Antonio. A gestão Escolar no Paraná e no Brasil ( ): Alguns Elementos para análise. In: A organização do trabalho didático na história da Educação: Anais da VII Jornada do HISTEDBR História, Sociedade e Educação no Brasil, Campo Grande, 17 a 19 de setembro de 2007/ SAVIANI, Dermeval; et. al (orgs.). Campo Grande: UNIDERP, 2007.

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 BATISTA, Keila Cristina (UNIOESTE) ZANARDINI, Isaura Monica Souza (Orientadora/UNIOESTE) Pelas leituras realizadas para a elaboração

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO REFERENCIAL TEÓRICO PRODUZIDO ENTRE OS ANOS DE 1990 E 2008

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO REFERENCIAL TEÓRICO PRODUZIDO ENTRE OS ANOS DE 1990 E 2008 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO REFERENCIAL TEÓRICO PRODUZIDO ENTRE OS ANOS DE 1990 E 2008 Keila Cristina Batista 1 Introdução As discussões sobre o Projeto Político-Pedagógico

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

O PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO: REVISANDO CONCEITOS PARA MUDAR CONCEPÇÕES E PRÁTICAS

O PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO: REVISANDO CONCEITOS PARA MUDAR CONCEPÇÕES E PRÁTICAS O PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO: REVISANDO CONCEITOS PARA MUDAR CONCEPÇÕES E PRÁTICAS Maria Adelia Teixeira Baffi Petrópolis, 2002. Pedagoga - PUC-RJ. Mestre em Educação - UFRJ Doutoranda em Pedagogia Social

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DEPENDE DA OUSADIA DOS SEUS AGENTES, DA OUSADIA DE CADA INSTITUIÇÃO EM ASSUMIR-SE COMO TAL, PARTINDO DA CARA QUE TEM, COM O SEU COTIDIANO E O SEU

Leia mais

ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1

ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1 ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1 Eduarda Nicola 2 Gabriela Geron³ INTRODUÇÃO A gestão democrática escolar está prevista na

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO PARA IMPLANTAR UMA MUDANÇA EDUCACIONAL

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO PARA IMPLANTAR UMA MUDANÇA EDUCACIONAL O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO PARA IMPLANTAR UMA MUDANÇA EDUCACIONAL Sônia Regina Brum Pinheiro [soniarbp@yahoo.com.br) Eduardo A. Terrazzan [eduterrabr@yahoo.com.br] Universidade Federal

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

8º SIMPÓSIO I TER ACIO AL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO

8º SIMPÓSIO I TER ACIO AL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO 8º SIMPÓSIO I TER ACIO AL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO OVAS EXIGÊ CIAS DO PROCESSO CIVILIZADOR A CO TEMPORA EIDADE SEMI ÁRIO EDUCAÇÃO E TRÂ SITO: CAMI HA DO JU TOS A BUSCA DA EMA CIPAÇÃO HUMA

Leia mais

ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA ARTICULAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGOGICO INSTITUCIONAL.

ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA ARTICULAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGOGICO INSTITUCIONAL. ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA ARTICULAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGOGICO INSTITUCIONAL. THOMACHESKI * -Ermelina G. Bontorin- PUCPR Resumo O presente trabalho, parte do estudo realizado na Disciplina Políticas de Planejamento

Leia mais

O PEDAGOGO COMO ARTICULADOR POLÍTICO-PEDAGÓGICO DAS ÁREAS DO CONHECIMENTO

O PEDAGOGO COMO ARTICULADOR POLÍTICO-PEDAGÓGICO DAS ÁREAS DO CONHECIMENTO O PEDAGOGO COMO ARTICULADOR POLÍTICO-PEDAGÓGICO DAS ÁREAS DO CONHECIMENTO João Marcos V. Santos Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP João.vitorino@hotmail.com Luiz A.Oliveira Universidade Estadual

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM DIREITO DE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E UMA NECESSIDADE DA ESCOLA

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM DIREITO DE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E UMA NECESSIDADE DA ESCOLA 980 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM DIREITO DE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E UMA NECESSIDADE DA ESCOLA Claudia Pereira de Pádua Sabia, Cláudio Roberto Brocanelli, Márcia Parpinéli Moro Garcia Universidade

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Pensar e construir o Projeto Político-Pedagógico é refletir, numa primeira instância, sobre questões fundamentais que assegurem uma visão de totalidade

Leia mais

1. Justificativa. 2. Objetivos. 2.1. Objetivo Geral

1. Justificativa. 2. Objetivos. 2.1. Objetivo Geral 1. Introdução A gestão democrática é de suma importância para o desenvolvimento da rede pública de ensino tendo papel decisivo na vida das comunidades e no processo de emancipação dos cidadãos, pois como

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA GESTÃO ESCOLAR DE UMA ESCOLA ESTADUAL CATARINENSE: UMA VISÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR

PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA GESTÃO ESCOLAR DE UMA ESCOLA ESTADUAL CATARINENSE: UMA VISÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR 1 PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA GESTÃO ESCOLAR DE UMA ESCOLA ESTADUAL CATARINENSE: UMA VISÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR Daiana Silveira Colombo Dieter/UNESC; Antonio Serafim Pereira/UNESC Introdução Neste trabalho

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

Palavras-chave: Projeto Político-Pedagógico, Diálogos Conceituais, Veiga e Vasconcellos.

Palavras-chave: Projeto Político-Pedagógico, Diálogos Conceituais, Veiga e Vasconcellos. PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: DIÁLOGOS INTERCRUZADOS ENTRE VEIGA E VASCONCELLOS Laudicéa Vianei Cavalcante Caetano (UFAL) lauvianeicc@hotmail.com Elione Maria Nogueira Diógenes (UFAL) elionend@uol.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO DOS NOVE ANOS, CONTEÚDO FORMATIVO E CIDADANIA: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS

EDUCAÇÃO DOS NOVE ANOS, CONTEÚDO FORMATIVO E CIDADANIA: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCAÇÃO DOS NOVE ANOS, CONTEÚDO FORMATIVO E CIDADANIA: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Joselaine Andréia de Godoy Stênico (1) (1) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Campus Rio

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO E SUAS ARTICULAÇÕES COM AS AÇÕES DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO E SUAS ARTICULAÇÕES COM AS AÇÕES DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO E SUAS ARTICULAÇÕES COM AS AÇÕES DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO Ilma Passos Alencastro Veiga Universidade de Brasília Centro Universitário de Brasília Introdução

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES DE UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES DE UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES DE UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Grasiela Zimmer Vogt 1 Cineri Fachin Moraes 2 Resumo Este artigo apresenta um olhar reflexivo sobre a construção coletiva do Projeto Político-Pedagógico

Leia mais

A REESTRUTURAÇÃO DOS CURSOS DE PEDAGOGIA E A DIMENSÃO CURRICULAR

A REESTRUTURAÇÃO DOS CURSOS DE PEDAGOGIA E A DIMENSÃO CURRICULAR A REESTRUTURAÇÃO DOS CURSOS DE PEDAGOGIA E A DIMENSÃO CURRICULAR Ângela Maria Silveira Portelinha 1 Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar e discutir resultados parciais da pesquisa sobre o

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE PEDAGOGIA/2006: AVANÇOS OU RETROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE PEDAGOGIA/2006: AVANÇOS OU RETROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE PEDAGOGIA/2006: AVANÇOS OU RETROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO Resumo: BALDINI, Márcia Aparecida - FAG marcia.baldini@hotmail.com

Leia mais

1 REGIMENTO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ESPAÇOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DEMOCRÁTICA 1

1 REGIMENTO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ESPAÇOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DEMOCRÁTICA 1 1 REGIMENTO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ESPAÇOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DEMOCRÁTICA 1 Maria Beatriz Gomes 2 Mariângela Bairros 3 1. DESEJOS E REGRAS INSTITUCIONAIS Desde a aprovação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL: vivências e experiências

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL: vivências e experiências O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL: vivências e experiências Hayana Crislayne Benevides da Silva Graduanda de Pedagogia UEPB Hayana_benevides@yahoo.com.br Erlane Garcia Ferraz Graduanda de

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PROJETO DE EDUCAÇÃO DE CARÁTER EMANCIPADOR Jéssica de Lourdes Preti 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Elaine Vieira 3

REFLEXÕES ACERCA DO PROJETO DE EDUCAÇÃO DE CARÁTER EMANCIPADOR Jéssica de Lourdes Preti 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Elaine Vieira 3 1 REFLEXÕES ACERCA DO PROJETO DE EDUCAÇÃO DE CARÁTER EMANCIPADOR Jéssica de Lourdes Preti 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Elaine Vieira 3 Resumo Ainda nos dias atuais é possível notar um distanciamento das práticas

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, UM DESAFIO INOVADOR NO AMBIENTE ESCOLAR.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, UM DESAFIO INOVADOR NO AMBIENTE ESCOLAR. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, UM DESAFIO INOVADOR NO AMBIENTE ESCOLAR. Tineu Maia D. 1, Thomaz, R.A.M 2, Leite T. F 3, Andrade L. E 4., PAULA, M. T. D 5 1 UNIVAP/ IP&D/Mestrado Bioengenharia/Av. Shishima

Leia mais

REVISITA AO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO. Escolas e CMEIs SME /PMPG 2015

REVISITA AO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO. Escolas e CMEIs SME /PMPG 2015 REVISITA AO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO Escolas e CMEIs SME /PMPG 2015 QUAL O SIGNIFICADO E A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PARA A ESCOLA/CMEI? Não há ventos favoráveis para quem não sabe

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR.

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. 1 ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. Rute Regina Ferreira Machado de Morais Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG Este texto visa refletir sobre o papel

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Sinara Mota Neves Maristela Lage Alencar Rosa Maria Rebouças da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DE CEARÁ sinaramota@yahoo.com.br

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

DIRETORES INDICADOS PELO GOVERNO DEMOCRACIA NA EDUCAÇÃO ESTADUAL DE SANTA CATARINA

DIRETORES INDICADOS PELO GOVERNO DEMOCRACIA NA EDUCAÇÃO ESTADUAL DE SANTA CATARINA DIRETORES INDICADOS PELO GOVERNO DEMOCRACIA NA EDUCAÇÃO ESTADUAL DE SANTA CATARINA Resumo Sandra Simone Höpner Pierozan 1 - UFFS Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA ESCOLAR: UM BREVE DIÁLOGO

GESTÃO DEMOCRÁTICA ESCOLAR: UM BREVE DIÁLOGO 1 A CONSTRUÇÃO EFETIVA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DA ESCOLA ARTICULADO À GESTÃO DEMOCRÁTICA ESCOLAR: RELAÇÕES INTRÍNSECAS COM O CURRICULO E AS APRENDIZAGENS ESCOLARES. PINHEIRO, Cláudia Aparecida Vieira

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

A GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL

A GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL A GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL Resumo CORREIA, Vanessa Adriane PUCPR vanessaadriane@bol.com.br VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski PUCPR alboni@alboni.com

Leia mais

Palavras-chave: Centralização de poder. Gestão democrática. Conselhos Escolares.

Palavras-chave: Centralização de poder. Gestão democrática. Conselhos Escolares. CONSELHOS ESCOLARES: (DES) CENTRALIZAÇÃO DA GESTÃO ESCOLAR? Gabriele Maier 1 Natália Von Ende Cardias 2 Sueli Menezes Pereira 3 Resumo: Com a aprovação da Lei da Gestão Escolar Democrática Municipal de

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A GESTÃO COMPARTILHADA NO ESTADO DO PARANÁ

REFLEXÃO SOBRE A GESTÃO COMPARTILHADA NO ESTADO DO PARANÁ REFLEXÃO SOBRE A GESTÃO COMPARTILHADA NO ESTADO DO PARANÁ JANE APARECIDA PARAHYBA i LENI TEREZINHA MARCELO PINZAN ii RESUMO - Esse trabalho está vinculado a pesquisa A democratização da gestão educacional

Leia mais

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS (PPP) DAS ESCOLAS

Leia mais

POLÍTICA EDUCACIONAL, PODER MUNICIPAL E GESTÃO ESCOLAR: EXIGÊNCIAS E DIRETRIZES PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE MANAUS

POLÍTICA EDUCACIONAL, PODER MUNICIPAL E GESTÃO ESCOLAR: EXIGÊNCIAS E DIRETRIZES PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE MANAUS POLÍTICA EDUCACIONAL, PODER MUNICIPAL E GESTÃO ESCOLAR: EXIGÊNCIAS E DIRETRIZES PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE MANAUS Edla Cristina Rodrigues Caldas Universidade Federal do Amazonas edlacristina@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO PARTICIPATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DO DISTRITO DE ICOARACI SEGUNDO A VISÃO DE SEUS GESTORES

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO PARTICIPATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DO DISTRITO DE ICOARACI SEGUNDO A VISÃO DE SEUS GESTORES A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO PARTICIPATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DO DISTRITO DE ICOARACI SEGUNDO A VISÃO DE SEUS GESTORES Lena Núbia Bezerra Xavier 1, Adriana Leônidas de Oliveira 2 1

Leia mais

AS DIRETRIZES DO ACORDO DE METAS COMPROMISSO TODOS PELA EDUCAÇÃO E O TRABALHO DOCENTE

AS DIRETRIZES DO ACORDO DE METAS COMPROMISSO TODOS PELA EDUCAÇÃO E O TRABALHO DOCENTE 1 AS DIRETRIZES DO ACORDO DE METAS COMPROMISSO TODOS PELA EDUCAÇÃO E O TRABALHO DOCENTE ILMA DE ANDRADE BARLETA Universidade Federal do Pará UFPA ilmabarleta@bol.com.br RESUMO: este artigo objetiva analisar

Leia mais

CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013

CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013 CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013 LEGISLAÇÃO E NORMA LEGISLAÇÃO GENERALIDADE PRINCÍPIOS; NORMA ESPECIFICIDADE REGRAS; CONSELHO DE EDUCAÇÃO: - CONTROLE SOBRE O CUMPRIMENTO DA LEI; - NORMATIZADOR

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, EDUCAÇÃO FÍSICA E O PROFESSOR: MEDIAÇÕES NA PERSPECTIVA DE UMA EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, EDUCAÇÃO FÍSICA E O PROFESSOR: MEDIAÇÕES NA PERSPECTIVA DE UMA EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, EDUCAÇÃO FÍSICA E O PROFESSOR: MEDIAÇÕES NA PERSPECTIVA DE UMA EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA Francisco de Assis Cordeiro Custódio RESUMO: O objeto de estudo está focado no Projeto

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO LARSON, Sandra PUCPR. slarson@terra.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR elisa.matheussi@pucpr.br Resumo Esta pesquisa objetiva discutir o projeto político

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Gestão Democrática na Escola

Gestão Democrática na Escola Gestão Democrática na Escola INTRODUÇÃO Porque é importante estudar o processo de gestão da educação? Quando falamos em gestão da educação, não estamos falando em qualquer forma de gestão. Estamos falando

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR P L A N E J A M E N T O Projeto PolíticoPedagógico Proposta Pedagógica curricular Plano de Trabalho Docente Plano

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Susimara Santade

O PAPEL DO GESTOR ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Susimara Santade 1106 O PAPEL DO GESTOR ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Susimara Santade Discente do Mestrado em Educação da UNOESTE. E-mail: susisantade@uol.com.br RESUMO O texto baseia-se numa pesquisa bibliográfica que

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 PRINCÍPIOS E FUNDAMENTOS DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Marcos Luiz Wiedemer (UERJ/UNESP) mlwiedemer@gmail.com 1. Introdução Os Parâmetros

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFAM (2014-2018)

PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFAM (2014-2018) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO COMO MECANISMO PARA UMA EFETIVA GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO COMO MECANISMO PARA UMA EFETIVA GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO COMO MECANISMO PARA UMA EFETIVA GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA Arlete Moura de O. Cabral Universidade Estadual do Ceará - UECE arlete.cabral@oi.com.br Numa perspectiva

Leia mais

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

AÇÃO DOCENTE ENQUANTO UMA PRÁTICA REFLEXIVA: UMA PESQUISA-AÇÃO A PARTIR DA ÓTICA DO PIBID NUMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL

AÇÃO DOCENTE ENQUANTO UMA PRÁTICA REFLEXIVA: UMA PESQUISA-AÇÃO A PARTIR DA ÓTICA DO PIBID NUMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL AÇÃO DOCENTE ENQUANTO UMA PRÁTICA REFLEXIVA: UMA PESQUISA-AÇÃO A PARTIR DA ÓTICA DO PIBID NUMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL Maciane Rodrigues Feitosa-UNEAL Jailma Ramos da Silva-UNEAL Miriane Rodrigues

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS Resumo Diante do conhecimento de condições propiciadas no período de formação inicial de professores, faz-se

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Av. Água Verde, 2140 - Vila Izabel - CEP 80240-900 - Curitiba - PR

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Av. Água Verde, 2140 - Vila Izabel - CEP 80240-900 - Curitiba - PR O DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO PLANEJAMENTO NA ESCOLA E A QUALIDADE DE ENSINO: SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA PEDAGÓGICA Equipe do Departamento de Educação Básica 2 A ação consciente de planejar é inerente

Leia mais

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação DOCUMENTO PARA SUBSIDIAR DISCUSSÃO NA AUDIÊNCIA PÚBLICA REGIONAL RECIFE 21/03/01. ANÁLISE DA VERSÃO PRELIMINAR DA PROPOSTA DE DIRETRIZES

Leia mais

POLÍTICAS DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA A GESTÃO DA ESCOLA PÚBLICA

POLÍTICAS DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA A GESTÃO DA ESCOLA PÚBLICA POLÍTICAS DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA A GESTÃO DA ESCOLA PÚBLICA Resumo MALLMANN, Vera Carmosina da Silva Vera.mallmann@yahoo.com.br EYNG, Ana Maria ana.eyng@pucpr.br

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR: EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE NA GESTÃO DA EDUCAÇÃO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR: EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE NA GESTÃO DA EDUCAÇÃO Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XX Semana de Pedagogia da UEM VIII Encontro de Pesquisa em Educação / I Jornada Parfor ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR: EXPERIÊNCIAS

Leia mais

Palavras- chave: Avaliação; Qualidade do ensino; Eficiência.

Palavras- chave: Avaliação; Qualidade do ensino; Eficiência. INDICADORES DE EFICIÊNCIA, AVALIAÇÃO E QUALIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ: CASCAVEL, TOLEDO, MARECHAL CÂNDIDO RONDON, FOZ DO IGUAÇU E FRANCISCO BELTRÃO. ISAURA MONICA SOUZA

Leia mais

Eixo temático 5: A participação da comunidade educacional no projeto pedagógico como fator de melhoria da qualidade de educação

Eixo temático 5: A participação da comunidade educacional no projeto pedagógico como fator de melhoria da qualidade de educação Eixo temático 5: A participação da comunidade educacional no projeto pedagógico como fator de melhoria da qualidade de educação A GESTÃO DEMOCRÁTICA E A PARTICIPAÇÃO DOS EDUCADORES NA ELABORAÇÃO DO PROJETO

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO PROPOSITIVA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO PROPOSITIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 568 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES GUEDES, Shirlei Terezinha Roman 1 SCHELBAUER, Analete Regina 2 A proposta deste texto é compartilhar algumas idéias a título de primeiros

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais