Análise de Acessibilidade em Páginas Web Acessíveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Acessibilidade em Páginas Web Acessíveis"

Transcrição

1 Análise de Acessibilidade em Páginas Web Acessíveis Laís Falcade, Fabio Diniz Rossi, Andressa Falcade, Ana Paula Rodrigues Kuhls Lemos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Campus Alegrete RS- 377 Km 27 - Passo Novo - CEP Alegrete/RS {laisfalcade, fdrossi, andressafalcade, Abstract. Screen readers softwares allow visually impaired people to view the content of web pages. However, these pages should be developed following a reference standard that enables them to be displayed to allow full access to its information by blind person. This verification on compliance with the accessibility standards is attested by tools that analyze the web page based on the rules set out by the W3C. Though, multiple pages that receive the certificate of accessibility exhibit reading problems when used screen readers. This paper shows that although several web pages are accessibility as attested, are not fully displayed by screen readers Resumo. Softwares leitores de tela permitem que pessoas com deficiência visual possam visualizar o conteúdo de páginas web. Porém, estas páginas devem ser desenvolvidas seguindo um padrão de referência que atesta que as mesmas serão visualizadas de forma a permitir acesso total às suas informações pelo leitor deficiente visual. Esta verificação no cumprimento das normas de acessibilidade é atestado por ferramentas que analisam a página web baseando-se nas normas previstas pela W3C. No entanto, várias páginas que recebem o atestado de acessíveis, apresentam problemas de leitura quando utilizados os leitores de tela. Este artigo mostra que, embora várias páginas web sejam atestadas como acessíveis, não são totalmente visualizadas pelos leitores de tela. 1. Introdução A internet tornou-se um dos meios de comunicação mais importantes, uma vez que está espalhada por todo o mundo. A fim de permitir a todos o acesso a este meio, a acessibilidade de páginas web tornou-se um tema emergente, e muitas técnicas foram evoluindo para apoiar o desenvolvimento de conteúdo acessível. Dessa maneira, a acessibilidade tornou-se uma questão muito importante para promover a inclusão na sociedade da informação, e as pessoas envolvidas em projetos de desenvolvimento de páginas web têm um papel muito importante para contribuir com o desenvolvimento de conteúdos mais inclusivos. Neste contexto, pessoas com deficiência visual nos mais diferentes níveis, utilizam softwares leitores de tela para acessar documentos e páginas de internet. Estes

2 leitores de tela conseguem abstrair o texto da formatação padrão do arquivo e através de uma voz sintetizada, emitir o som das palavras ao leitor-ouvinte. Podemos ver alguns destes softwares em [Fidalgo-Neto et al. 2009] [McCarth et al. 2012] [Puzis et al. 2011] [Puzis 2012] [Ahamed et al. 2012] [Borodin et al. 2010]. Em páginas web, isto só é possível se a página foi desenvolvida baseada nos Web Standarts do World Wide Web Consortium (W3C) [Harper 2011]. Estes padrões de desenvolvimento aconselham ao desenvolvedor, separar as camadas da página em arquivos separados, o que permite ao leitor de tela visualizar o conteúdo de texto na camada de estrutura, separado das outras camadas, como a camada de comportamento e a camada de apresentação. Figura 1. Padrão para desenvolvimento de páginas web. Podemos ver na Figura 1 que o usuário acessa diretamente a camada de estrutura, composto por tecnologias (HTML, XHTML, XML) [Carey 2009] que permitem acesso às informações textuais e de conteúdo. Esta camada de estrutura é ligada à arquivos que contém as outras camadas, que são tratadas isoladamente. A camada de apresentação se utiliza de tecnologias que permitem uma formatação da página (CSS) [Schmitt and Meyer 2002] se adequando ao ambiente e ao dispositivo que estiver visualizando a mesma, enquanto a camada de comportamento (JavaScript, DOM) [Zametti 2007] realiza ações e animações necessárias ao entendimento do conteúdo. Podemos ver na Figura 2, um exemplo deste comportamento. Na Figura 2 (a) podemos ver um código-fonte em que o leitor de tela teria dificuldades de discernir o conteúdo relevante do script javascript inserido na página web. Isto se deve à maneira em que este script está sendo utilizado, junto ao código de formatação do HTML, e em texto puro. Já na Figura 2 (b), podemos ver que existe apenas uma chamada ao arquivo include.js, que mantém de forma externa ao HTML, o código javascript. Esta abordagem é a mais correta para o desenvolvimento de páginas web acessíveis, pois embora este javascript possa ser executado futuramente, seu código-fonte não interfere na leitura realizada pelos leitores de tela. O mesmo princípio deve ser utilizado para CSS.

3 (a) Javascript no html (b) Chamada de arquivo Javascript Figura 2. Html não acessível vs. Html acessível. Quando as páginas web são desenvolvidas obedecendo estes padrões, podem ser validadas como acessíveis. Algumas ferramentas web fazem essa validação online e atribuem ícones que comprovam o nível de acessibilidade da página. DaSilva 1 é um exemplo nacional destas ferramentas de validação, que permite verificar quais as limitações de acessibilidade existem em alguma página que se queira testar. Esta ferramenta realiza avaliações de páginas web de acordo com o WCAG (Web Content Accessibility Guidelines) da W3C. As diretrizes do WCAG são separadas em 3 tipos diferentes de prioridades, com métricas distintas em cada uma delas, que são: Prioridade 1: contempla todas as métricas que os desenvolvedores devem satisfazer plenamente; Prioridade 2: contempla todas as métricas que os desenvolvedores deveriam satisfazer; Prioridade 3: contempla todas as métricas que os desenvolvedores podem satisfazer. Baseando-se na satisfabilidade destas prioridades, os softwares que testam páginas web podem certificar selos com A, AA ou AAA (pode ser acompanhado um exemplo na Figura 3), em conformidade com as diretrizes abaixo: Nível A: contempla a prioridade 1; Nível AA: contempla as prioridades 1 e 2; Nível AAA: contempla as prioridades 1, 2 e 3. Figura 3. Selo de Acessibilidade AAA. Porém, as ferramentas de validação da acessibilidade de páginas web não conseguem abranger todo o conjunto de especificidades dos leitores de tela existentes, e 1

4 mesmo páginas que são validadas como acessíveis, podem ter conteúdo inacessível aos leitores de tela. Este artigo mostra algumas destas limitações. Para a visualização das limitações das páginas web pesquisadas, foi utilizada uma metodologia qualitativa, que verificou se as métricas de avaliação segundo DaSilva foram atendidas, abrangendo leitores de tela e revisão de código-fonte. Os dados foram organizados em uma tabela e, a partir dos resultados, visualizou-se os pontos de maior déficit na acessibilidade dessas páginas. O artigo está organizado da seguinte forma: Seção 2 com trabalhos relacionados, possibilitando posicionar nosso trabalho frente às pesquisas existentes; na Seção 3 apresentamos qual a ferramenta de validação de acessibilidade, as páginas avaliadas e o leitor de tela utilizado neste artigo; seguida da Seção 4 que mostra uma análise dos testes realizados; finalizando pela Seção 5 em que podemos ver algumas conclusões. 2. Trabalhos Relacionados A área de acessibilidade é bastante ampla, apresentando trabalhos de pesquisa nos mais diferentes contextos, utilizando as mais diversas ferramentas. A grande maioria dos trabalhos nesta área se preocupam em avaliar as ferramentas que servem para testar a acessibilidade das páginas web, como em [Bach et al. 2009] [Tanaka and Da Rocha 2011] [Bittar et al. 2011] O trabalho [de Sales and de Abreu Cybis 2003] mostra um checklist sobre acessibilidade, para o desenvolvedor de páginas web. Já os trabalhos [Huang and Sundaresan 2000] e [Intrator and de Souza 2008] apresentam técnicas e metodologias de como adaptar páginas já existentes, para suportar acessibilidade. O artigo [Freire et al. 2008b] explora projetos de páginas web no Brasil. Esta pesquisa foi realizada com cunho exploratório, através de um questionário baseado na web e uma amostra com indivíduos de academia, indústria e governo. O estudo teve 613 respostas válidas e representantes de todos os envolvidos de 27 estados do Brasil, mostrando que a acessibilidade ainda não era considerada como primordial pelos desenvolvedores. Com o interesse crescente em páginas acessíveis, as instituições governamentais tomaram frente no desenvolvimento voltado à acessibilidade, como podemos ver em [Maciel et al. 2005] [Ganzeli et al. 2012] [Freire et al. 2008a]. A pesquisa apresentada neste artigo também tem foco em páginas de instituições governamentais, porém com interesse especial nas páginas que mantêm o selo de acessibilidade AAA certificado pela ferramenta DaSilva. O diferencial deste trabalho é mostrar que, embora as páginas governamentais estudadas mantenham a certificação, ainda apresentam limitações de acessibilidade que esta ferramenta não encontra. 3. Ambiente de Teste Na página web da ferramenta DaSilva, são apresentadas 58 páginas certificadas como acessíveis por esta ferramenta, que fazem parte da categoria Governo/Setor Público. Para as análises deste artigo, foram escolhidas de forma aleatória 10 destas páginas, ou seja, mais de 17% das páginas disponíveis, que são: 1. Instituto Nacional da Propriedade Industrial (http://ecarta.inpi.gov.br) 2. Tribunal Regional Federal da 5º Região (http://www.trf5.jus.br) 3. Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (http://www.cdes.gov.br)

5 4. Tribunal Regional Eleitoral do RJ (http://www.tre-rj.gov.br) 5. Imprensa Nacional (http://portal.in.gov.br) 6. Conselho Nacional de Justiça (http://www.cnj.jus.br) 7. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (http://www.anvisa.gov.br) 8. Instituto Nacional de Tecnologia (http://www.int.gov.br) 9. Ministério da Educação (http://www.mec.gov.br) 10. Senado Federal (http://www.senado.gov.br) Todas estas páginas web apresentam certificado AAA de acessibilidade, o que significa que deveriam satisfazer todas as 3 prioridades que a WCAG preconiza como sendo aquelas necessárias para que estas páginas estejam totalmente acessíveis. Para analisar a acessibilidade destas páginas, foram escolhidas as 5 métricas de prioridade 1, que podem influenciar de forma direta na navegação com a utilização de leitores de tela. Podemos vê-las abaixo: 1. Imagens ou animações com o atributo alt, para descrever a função de cada um destes elementos visuais; 2. Legendas ou transcrições para áudio e descrições para vídeo; 3. Hiperlinks com texto mostrando o sentido, e não mensagens fora de contexto como clique aqui; 4. Tabelas com leitura linha a linha, apresentadas de forma compreensível; 5. Ordem do tab nos formulários e tabelas. As análises das páginas web escolhidas foram realizadas tanto de forma manual, quanto utilizando o software leitor de tela Orca [Walker 2008]. 4. Resultados Os resultados dos testes realizados podem ser acompanhados na Tabela 1, que mostra em cada página web analisada, qual métrica está plenamente satisfeita. Tabela 1. Avaliações de páginas acessíveis. Métrica 1 Métrica 2 Métrica 3 Métrica 4 Métrica 5 Página 1 - ok ok ok ok Página 2 ok - - ok ok Página 3 ok - ok ok ok Página ok ok Página ok ok Página 6 ok ok Página 7 - ok ok ok ok Página ok ok ok Página 9 ok ok ok ok ok Página 10 ok ok ok ok ok Na primeira métrica, uma das que demonstraram menor índice de acessibilidade, referente às imagens e animações encontradas nas páginas web, pôde-se notar que não havia falta do atributo alt, mas sim sua má utilização. Em muitos casos, eram encontradas descrições com pouco ou nenhum sentido referente ao que o usuário deveria entender da imagem.

6 A segunda métrica, que se refere às legendas de áudios e vídeos, apresentou algumas limitações na maioria das páginas web pesquisadas. Alguns dos vídeos são ativados na mesma página, não disponibilizando nenhuma descrição. Em outros casos, esses vídeos são encaminhados para links do youtube, também não disponibilizando descrição. No caso dos hiperlinks, terceira métrica avaliada, e terceira com menor índice de acessibilidade, foram encontrados links fora de contexto em várias situações, como por exemplo, acesso à formulários de cadastro e contato. Outros hiperlinks aparecem como possibilidade para acessar outras páginas web com informações relacionadas, mas que não apresentam essa informação aos leitores de tela, impossibilitando aos usuários saberem no que estão clicando. Foram encontradas também, imagens que eram links para outras páginas, como cartilhas, programas, relatórios, em que não existia descrição da imagem, além de capa1, capa2, dificultando ao usuário o seu entendimento. No quesito leitura e interpretação de tabelas referente a métrica quatro, apenas uma página web apresentou limitação. Foram encontrados formulários sem informação para leitura dos campos a serem preenchidos, além de tabelas em formato de imagem que não apresentavam descrição no alt, nem informação para leitura do seu conteúdo através de tag específica. Nesse sentido, também foram encontrados diagramas publicados em formato de figura sem descrição de alt, impossibilitando interpretação e leitura de seu conteúdo. A métrica cinco foi atendida por todos os sites pesquisados, tanto em formulários de cadastro quanto em sistemas de pesquisa de informações, e mesmo que sua leitura linha-a-linha não estivesse correta, sua estrutura era sequencial. Assim, podemos notar que, embora estas páginas web tenham sido aprovadas pela ferramenta que testa e garante acessibilidade, os leitores de tela não conseguem ler totalmente seu conteúdo. A maioria das páginas avaliadas deste trabalho mostram limitações quanto à acessibilidade, em grande parte no que tange aos atributos que servem para explicar imagens, legendas ou transcrições para vídeos e alguns hiperlinks desorganizados ou fora de contexto. Apenas uma destas páginas mostra limitações na apresentação de tabelas, ao passo que todas as páginas testadas apresentam formulários com características satisfatórias. 5. Conclusões e Trabalhos Futuros No contexto da educação inclusiva, modelos e ferramentas tentam romper com limitações que restringem e desestimulam o acesso à informação. Leitores de tela fazem parte deste rol de ferramentas, que possibilitam ao usuário com deficiência visual, ler informações apresentadas de forma eletrônica. Com o intuito de ser acessível a este tipo de ferramenta, a W3C apresentou um padrão para a criação de hipertextos, que ao ser seguido, afirma que a página web cumpre todas as diretrizes para suportar leitura de todo seu conteúdo. No mesmo caminho, existem ferramentas que testam as páginas web e emitem um certificado de garantia desta acessibilidade. Porém, embora algumas páginas web tenham sido avaliadas por estas ferramentas e possuam certificado de acessibilidade, estas páginas web não são totalmente acessíveis. Neste artigo, escolhemos 10 páginas com certificado de acessibilidade, as quais realizamos uma visualização e leitura minuciosa através de um software de leitura de tela. Nossos resultados mostram que, destas dez páginas

7 analisadas, somente duas cumprem totalmente todos os pré-requisitos de acessibilidade. Em todas as outras oito páginas testadas, podem ser notadas limitações ao leitor de tela, e consequentemente, ao usuário que utiliza este tipo de ferramenta. Este trabalho de pesquisa foi desenvolvido com o intuito de verificar e certificar que páginas web atestadas como acessíveis ainda não estão plenamente satisfatórias às especificações dos leitores de telas, além disso, foram testadas neste artigo apenas métricas de prioridade 1. Lembramos que as páginas web analisadas mantêm o selo de acessibilidade AAA, que significa que devem satisfazer todas as 3 prioridades do WCAG. Sugere-se assim para trabalhos futuros, uma metodologia de verificação das condições de acessibilidade que realmente reflita limitações visualizadas através da utilização de leitores de tela. 6. Referências Ahmed, F., Borodin, Y., Puzis, Y., and Ramakrishnan, I. V. (2012). Why read if you can skim: towards enabling faster screen reading. In Proceedings of the International Cross-Disciplinary Conference on Web Accessibility, W4A 12, pages 39:1-39:10, New York, NY, USA. ACM. Bach, C. F., Ferreira, S. B. L., and Silveira, D. S. (2009). Comparative study of accessibility evaluation mathods with visual impaired. In Proceedings of the XV Brazilian Symposium on Multimedia and the Web, WebMedia 09, pages 21:1_21:8, New York, NY, USA. ACM. Bittar, T. J., do Amaral, L. A., and Fortes, R. P. d. M. (2011). Accessibilityutil: a tool for sharing experiences about accessibility of web artifacts. In Proceedings of the 29 th ACM international conference on Design of communication, SIGDOC 11, pages 17:24, New York, NY, USA. ACM. Borodin, Y., Bigham, J. P., Dausch, G., and Ramakrishnan, I. V. (2010). More than meets the eye: a survey of screen-reader browsing strategies. In Proceedings of the 2012 International Cross Disciplinary Conference on Web Accessibility (W4A), W4A 10, pages 13:1-13:10, New York, NY, USA. ACM Carey, P. (2009). New Perspectives on Creating Web Pages with HTML, XHTML, and XML. Course Technology Press, Boston, MA, United States, 3rd edition. de Sales, M. B. and de Abreu Cybis, W. (2003). Development of a checklist for the evaluation of the web accessibility for the aged users. In Proceedings of the Latin American conference on Human-computer interaction, CLIHC 03, pages 125_133, New York, NY, USA. ACM. Fidalgo-Neto, A. A., Tornaghi, A. J. C., Meirelles, R. M. S., Berçot, F. F., Xavier, L. L., Castro, M. F. A., and Alves, L. A. (2009). The use of computers in Brazilian primary and secondary schools. Comput. Educ., 53(3); Freire, A. P., Bittar, T. J., and Fortes, R. P. M. (2008a). An approach based on metrics for monitoring web accessibility in Brazilian municipalities web sites. In Proceedings of the 2008 ACM symposium on Applied computing, SAC 08, pages , New York, NY, USA. ACM. Freire, A. P., Russo, C. M., and Fortes, R. P. M. (2008b). A survey on the accessibility awareness of people involved in web development projects in brazil. In

8 Proceedings of the 2008 international cross-disciplinary conference on Web accessibility (W4A), W4A 08, pages 87-96, New York, NY, USA.ACM. Ganzeli, H. d. S., Bressan, G., and Moreiras, A. M. (2012. Ict web: analysis of the Brazilian governmental web. In Proceedings of the 18th Brazilian symposium on Multimedia and the web, WebMedia 12, pages , New York, NY, USA. ACM. Harper, S. (2011). Introducing the w3c web accessibility initiative research and development working group. SIGACCESS Access. Comput., (101): Huang, A.W. and Sundaresan, N. (2000). A semantic transcoding system to adapt web services for users with disabilities. In Proceedings of the fourth international ACM conference on Assistive technologies, Assets 00, pages , New York, NY, USA.ACM. Intrator, C. and de Souza, C. S. (2008). Using web scripts to improve accessibility. In Proceedings of the VIII Brazilian Symposium on Human Factors in Computing Systems, IHC 08, pages , Porto Alegre, Brazil. Sociedade Brasileira de Computação. Maciel, C., Nogueira, J. L.T., and Garcia, A. C. B. (2005). Na x-ray of the Brazilian e-gov web sites. In Proceedings of the 2005 IFIP TC 13 international conference on Human-Computer Interaction, INTERACT 05, pages , Berlin Heidelberg. Springer-Verlag. McCarthy, T., Pal, J., Marballi, T., And Cutrell, E. (2012). An analysis of screen reader use in india. In Proceedings of the Fifth International Conference on Information and Communication Technologies and Development, ICTD 12, pages , New York, NY, USA. ACM. Tanaka, E. H. and Da Rocha, H. V. (2011). Evaluation of the accessibility tools. In Proceedings of the 10th Brazilian Symposium on Human Factors in Computing Systems and the 5th Latin American Conference on Human-Computer Interaction, IHC+CLIHC 11, pages , Porto Alegre, Brazil, Brazil. Brazilian Computer Society. Puzis, Y., Borodin, E., Ahmed, F., Melnyk, V., and Ramakrishnan, I. V. (2011). Guidelines for an accessible web automation interface. In The proceedings of the 13th international ACM SIGACCES Conference on Computers and accessibility, ASSETS 11, Pages , New York, NY, USA. ACM. Schmitt, C. and Meyer, E. A. (2002). Designing CSS Web Pages. Pearson Education, 1 edition. Walker, W. (2008). Orca-take the killer whale for a ride. Linux J., 2008(167). Zammetti, F. (2007). Practical JavaScript, DOM Scripting and Ajax Projects. Apress, Berkely, CA, USA.

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático Conceitos e Importância Projeto e desenvolvimento de Web acessível Acessibilidade É o processo e as técnicas usadas para criar

Leia mais

Siep / Renapi Campus Bento Gonçalves / RS Jucélia Almeida DESENVOLVENDO UM SITE ACESSÍVEL

Siep / Renapi Campus Bento Gonçalves / RS Jucélia Almeida DESENVOLVENDO UM SITE ACESSÍVEL Siep / Renapi Campus Bento Gonçalves / RS Jucélia Almeida DESENVOLVENDO UM SITE ACESSÍVEL Web para todos De acordo com Cifuentes(2000), Caplan(2002) e Dias (2003), entende-se por acessibilidade à rede

Leia mais

Acessibilidade na Web

Acessibilidade na Web Acessibilidade na Web Departamento de Computação - UFS Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Lucas Augusto Carvalho lucasamcc@dcomp.ufs.br Prof. Rogério Vídeo Custo ou Benefício? http://acessodigital.net/video.html

Leia mais

Acessibilidade no SIEP (Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica) Módulo de Acessibilidade Virtual CEFET Bento Gonçalves RS Maio 2008 ACESSIBILIDADE À WEB De acordo com Cifuentes (2000),

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos

Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos 10 Edição-2015 Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos Eduardo Dalcin¹, Ana Cláudia Pavão Siluk² ¹Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Leia mais

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Adaptação de materiais digitais Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Plano da sessão Tópicos Duração Documentos acessíveis: porquê e para quem. Diretrizes de acessibilidade Navegabilidade, legibilidade

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Acessibilidade: Uma questão de lei e direitos humanos 15/Mar/2010 Stephen Hawking um dos maiores

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Teste rveras@unip.br Aula 11 Agenda Usabilidade Compatibilidade Validação Resolução de tela Velocidade de carregação Acessibilidade Testes Nesta etapa do projeto do web site

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web Acessíveis

Desenvolvimento de Aplicações Web Acessíveis Desenvolvimento de Aplicações Web Acessíveis Lucinéia Souza Maia, Marcelo A. Santos Turine, Débora M. Barroso Paiva Departamento de Computação e Estatística Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS)

Leia mais

UMA ANÁLISE PRELIMINAR DA ACESSIBILIDADE WEB DOS SITES DE SERVIÇOS DE DIVULGAÇÃO E ACESSO A INFORMAÇÃO PÚ- BLICA NO BRASIL COM BASE NO E-MAG 1

UMA ANÁLISE PRELIMINAR DA ACESSIBILIDADE WEB DOS SITES DE SERVIÇOS DE DIVULGAÇÃO E ACESSO A INFORMAÇÃO PÚ- BLICA NO BRASIL COM BASE NO E-MAG 1 XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (XVI ENANCIB) ISSN 2177-3688 GT5 Política e Economia da Informação Pôster UMA ANÁLISE PRELIMINAR DA ACESSIBILIDADE WEB DOS SITES DE SERVIÇOS DE

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

ESTUDO DA ADERÊNCIA AOS PADRÕES WEB DOS 26 SÍTIOS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS

ESTUDO DA ADERÊNCIA AOS PADRÕES WEB DOS 26 SÍTIOS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS ESTUDO DA ADERÊNCIA AOS PADRÕES WEB DOS 26 SÍTIOS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS STUDY OF ADHERENCE TO STANDARDS OF WEB SITES OF 26 STATE GOVERNMENT MINISTRIES Alexandre Galvão Leite 1 (1) Pós-Graduando,

Leia mais

Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0

Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0 Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0 André Luiz Andrade Rezende ¹ ¹Rede de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais (RENAPI) Doutorando em Educação e Contemporaneidade (UNEB) Estes slides são concedidos sob uma

Leia mais

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para:

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para: Deficiências Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla Tem dificuldade para: ver a tela usar o mouse usar o teclado ler um texto ouvir um som navegar

Leia mais

Monday, January 23, 12. Introdução sobre Acessibilidade na web

Monday, January 23, 12. Introdução sobre Acessibilidade na web Introdução sobre Acessibilidade na web Acessibilidade na web é o consumo da informação por qualquer pessoa por qualquer tipo de meio de acesso. Para que serve a web? A web serve para compartilhar informação.

Leia mais

Estudo sobre acessibilidade em CMS

Estudo sobre acessibilidade em CMS Estudo sobre acessibilidade em CMS Matheus Ricardo Uihara Zingarelli Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ICMC Universidade de São Paulo São Carlos São Paulo - Brasil zinga@icmc.usp.br Resumo.

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Mitos da Acessibilidade Web

Mitos da Acessibilidade Web SAPO Codebits 2008 Magda Joana Silva magdajoanasilva@gmail.com Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com limitações Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Manoel Cardoso da Silveira Neto 1, Luciana Vescia Lourega 1 1 Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos RS - Brasil Caixa Postal 38 98.130-000

Leia mais

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Sérgio M. Baú Júnior* e Marco A. Barbosa* *Departamento de Informática

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO Timóteo Moreira Tangarife, Cláudia Mont Alvão Laboratório de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces LEUI Programa

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 215 Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. www.governoeletronico.gov.br Recomendações de Acessibilidade para

Leia mais

Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites

Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites Agebson Rocha Façanha, Renato Busatto Figueiredo, Phyllipe do Carmo Félix Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) Campus

Leia mais

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C Roteiro Oficina de Aula 10 s Selos de conformidade Prof. Vinícius Costa de Souza www.inf inf.unisinos..unisinos.br/~vinicius outubro de 2006 W3C São um conjunto de normas, diretrizes, recomendações, notas

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução Desenvolvimento em Ambiente Web HTML - Introdução O que é HTML? HTML é uma linguagem para descrever a estrutura de uma página WEB. Ela permite: Publicar documentos online com cabeçalhos, texto, tabelas,

Leia mais

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível SIEP / RENAPI Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Setembro de 2009 Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Cuidados em geral Separar adequadamente

Leia mais

A importância dos padrões para a WEB e o ASA. Palestrante: Heitor de Souza Ganzeli

A importância dos padrões para a WEB e o ASA. Palestrante: Heitor de Souza Ganzeli A importância dos padrões para a WEB e o ASA Palestrante: Heitor de Souza Ganzeli Agenda INTRODUÇÃO FUNCIONAMENTO MOTIVAÇÃO SISTEMA Siga os padrões Internet e Dê ASAs a seu site Castro no site: http://asa.nic.br

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 Regras e instruções O objetivo de uma página web é transmitir informação de uma maneira útil

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

AULA: BrOffice Impress terceira parte. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA: BrOffice Impress terceira parte. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA: BrOffice Impress terceira parte Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer a integração dos softwares do BrOffice; Aprender a trabalhar no slide mestre; Utilizar interação entre

Leia mais

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade Introdução M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade - Demo Esta parte é baseada no video em http://www.doit.wisc.edu/accessibility/video Liste os principais problemas

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações Manoel P. A. Junior, Marden E. Santos, Marcelo H. S. da Silva, Jhozefem S. Pontes Nokia de Ensino (FNE) Av. Ministro Mário Andreazza,

Leia mais

ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE WEB DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS DE PERNAMBUCO

ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE WEB DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS DE PERNAMBUCO Modalidade: Trabalho Completo ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE WEB DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS DE PERNAMBUCO Danielle Silva Gabriella Santos Gleice Kelly Oliveira Mariana Alves RESUMO O presente trabalho se propõe

Leia mais

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Maurício Covolan Rosito Gerente do Núcleo de Bento Gonçalves do projeto de Acessibilidade Virtual da RENAPI Everaldo Carniel Pesquisador

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

6º Semestre de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. - 6 Inscritos -

6º Semestre de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. - 6 Inscritos - 6º Semestre de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 6 Inscritos - Tema: [Área 9]: Comunidade - Tema: 4. Iniciativas para a redução das desigualdades sociais Título: Aplicação de IHC para Inclusão Social e Digital

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta sexta e penúltima edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos dos clientes

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Estudo Prospectivo da Aderência aos Padrões Web dos 27 sítios das Assembleias Legislativas

Estudo Prospectivo da Aderência aos Padrões Web dos 27 sítios das Assembleias Legislativas Estudo Prospectivo da Aderência aos Padrões Web dos 27 sítios das Assembleias Legislativas Prospective Study of Adherence to Standards of the 27 Web sites of the Legislative Assemblies Galvão, Alexandre;

Leia mais

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa Aplicativos Web e Webdesign Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa 1 Roteiro Apresentação da disciplina e Introdução ao HTML Desenvolvimento de Web sites e Sistemas Web; Projeto de sites web; 2 Quem é

Leia mais

Interface BVS-Site. Arquiteturta e Personalização da Interface

Interface BVS-Site. Arquiteturta e Personalização da Interface Interface BVS-Site Arquiteturta e Personalização da Interface Julio Takayama takayama@bireme.ops-oms.org Desenho Gráfico e Interfaces DGI-GA BIREME/PAHO/WHO Tópicos Arquitetura da BVS Modelo de Interfaces

Leia mais

Manual 2010 Webmaster

Manual 2010 Webmaster Manual 2010 Webmaster Menu 1. Acesso ao sistema 2. Campanhas 2.1 Ver Campanhas Disponíveis 2.2 Minhas Campanhas 3. Formatos 3.1 Banners Automáticos 3.2 Banners Manuais 3.3 E-mail Marketing 3.4 Vitrines

Leia mais

Análise de Acessibilidade Aplicada ao Website da Universidade Federal de Santa Maria

Análise de Acessibilidade Aplicada ao Website da Universidade Federal de Santa Maria 168 Análise de Acessibilidade Aplicada ao Website da Universidade Federal de Santa Maria Janaína Gomes 1, Paulo Henrique Vianna 1, Diego Carvalho 1, Sara Spolti Pazuch 1, Aline Lorini 1, Diego Carvalho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

www. inf.br Outubro/2008 5www.habisp.inf.br TREINAMENTO HABISP VERBA DE ATENDIMENTO

www. inf.br Outubro/2008 5www.habisp.inf.br TREINAMENTO HABISP VERBA DE ATENDIMENTO 5 www. HABISP. inf.br Outubro/2008 TREINAMENTO HABISP MÓDULO VERBA DE ATENDIMENTO 1 INTRODUÇÃO Este documento, tem por finalidade, permitir aos usuários a utilização das ferramentas do HABISP que possibilitam

Leia mais

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas 264 Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas Maria Helena Franciscatto 1 Adriana Soares Pereira 1 Roberto Franciscatto 1 Liliana Maria Passerino 2 1 Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Colégio

Leia mais

` Bacharelado em Ciências da Computação. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SITES ACADÊMICOS BASEADO NA NORMA NBR 13596 Trabalho de Conclusão de Curso

` Bacharelado em Ciências da Computação. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SITES ACADÊMICOS BASEADO NA NORMA NBR 13596 Trabalho de Conclusão de Curso ` Bacharelado em Ciências da Computação AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SITES ACADÊMICOS BASEADO NA NORMA NBR 13596 Trabalho de Conclusão de Curso Eliomar Russi Acadêmico 2002 / 2-16 Everaldo Artur Grahl Professor

Leia mais

Fórum da Acessibilidade Web 2014

Fórum da Acessibilidade Web 2014 Fórum da Acessibilidade Web 2014 27 de novembro de 2014 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações Apoio Patrocinadores Globais APDSI Fórum da Acessibilidade Web 2014 27 de novembro de 2014

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta quinta edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos o estudo do Windows Mail, um cliente

Leia mais

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS Elton Rabelo (Instituto de Ensino Superior e Pesquisa INESP, MG, Brasil) - eltonneolandia@yahoo.com.br Thiago Magela Rodrigues

Leia mais

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Leonardo Mariano Gravina Fonseca 1, Myriam Maia Nobre 1, Denis Teixeira da Rocha 1, Elizabeth Nogueira

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Tutorial Sistema de Eventos de Certificação e Capacitação

Tutorial Sistema de Eventos de Certificação e Capacitação Tutorial Sistema de Eventos de Certificação e Capacitação Junho 2014 Sumário 1 O que é o Sistema de Certificados?... 3 2 Como acessar o Sistema?... 3 3 - Pré-requisitos para a Geração dos Certificados...

Leia mais

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Motivação Motivação Motivação Roteiro Introdução Papéis e Responsabilidades Construindo um site

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

Push Technologies. Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970 Londrina PR Brasil. sean.alvarenga@gmail.com, brunozarpelao@uel.br

Push Technologies. Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970 Londrina PR Brasil. sean.alvarenga@gmail.com, brunozarpelao@uel.br Push Technologies Sean Carlisto de Alvarenga 1, Bruno Bogaz Zarpelão 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970 Londrina PR Brasil sean.alvarenga@gmail.com,

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente

WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente www.plugin.com.br 1 ÍNDICE Prefácio...3 Sobre Este Manual... 3

Leia mais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Governo Eletrônico Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

HATEMILE: A biblioteca para gerar páginas web mais acessíveis

HATEMILE: A biblioteca para gerar páginas web mais acessíveis HATEMILE: A biblioteca para gerar páginas web mais acessíveis Carlson Santana Cruz, Carlos A. Estombelo-Montesco Departamento de Computação (DCOMP) Universidade Federal de Sergipe (UFS) São Cristóvão,

Leia mais

Existem 109 questões nesta pesquisa

Existem 109 questões nesta pesquisa FASE 2: ANÁLISE DO WEBSITE INSTRUÇÕES Leia atentamente todas as questões Explore o website em avaliação, procurando pelas questões propostas Depois, responda cada questão Algumas questões precisam de informações

Leia mais

Sistemas gestores de conteúdo e suas aplicações em museus e centros de ciência

Sistemas gestores de conteúdo e suas aplicações em museus e centros de ciência Sistemas gestores de conteúdo e suas aplicações em museus e centros de ciência Fabio Castro Gouveia Museu da Vida COC Fiocruz Brasil Introdução Podemos considerar que os Museus são tradicionalmente provedores

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º EMENTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi -97110-767

Leia mais

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo.

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. Manual de Instruções ECO Editor de Conteúdo Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. O ECO é um sistema amigável e intui?vo, mas abaixo você pode?rar eventuais dúvidas e aproveitar

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

Certidão Online Manual do Usuário

Certidão Online Manual do Usuário JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Certidão Online Manual do Usuário Versão 3.1 Lista de Tópicos - Navegação Rápida CADASTRANDO O USUÁRIO... 3 ACESSANDO O SISTEMA... 5 CERTIDAO SIMPLIFICADA NADA

Leia mais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Samuel da Costa Alves Basilio, Gabriel de Oliveira Machado 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET MG, Unidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS NO AVEA MOODLE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS NO AVEA MOODLE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS NO AVEA MOODLE Autores: Ana Cláudia Pavão Siluk UFSM Eduardo Dalcin IFF Campus Santo Augusto RESUMO: Esse texto tem o objetivo de

Leia mais

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot. Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.com/ 2 Agenda Conceitos Acessibilidade Web Cenários Estudos de

Leia mais

Navegue e utilize as ferramentas do Portal do Professor

Navegue e utilize as ferramentas do Portal do Professor Navegue e utilize as ferramentas do Portal do Professor Aa Índice Como se inscrever no Portal Problemas com Login e Senha Descrição do Portal do Professor Descubra se sua escola ou Secretaria de Educação

Leia mais