NO REINO DO SUPÉRFLUO: porcelanas, sedas e balagandãs: uma história dos produtos de luxo em circulação no Atlântico - Recife do século XVIII

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NO REINO DO SUPÉRFLUO: porcelanas, sedas e balagandãs: uma história dos produtos de luxo em circulação no Atlântico - Recife do século XVIII"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NO REINO DO SUPÉRFLUO: porcelanas, sedas e balagandãs: uma história dos produtos de luxo em circulação no Atlântico - Recife do século XVIII RELATÓRIO PARCIAL PIBIC / CNPq / UFRPE 2012/2013 Bolsista: Luanna Maria Ventura dos Santos Oliveira Orientadora: Drª Suely Creusa Cordeiro de Almeida Fevereiro 2013

2 2

3 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO TÍTULO DO PROJETO RESUMO INTRODUÇÃO OBJETIVOS METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÕES CONCLUSÕES REFERÊNCIAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO BOLSISTA DIFICULDADES ENCONTRADAS OBSERVAÇÕES DO PROFESSOR ORIENTADO

4 IDENTIFICAÇÃO Bolsista: Luanna Maria Ventura dos Santos Oliveira Curso: Licenciatura em História Departamento de História Programa: PIBIC/CNPq/UFRPE Orientadora: Drª Suely Creusa Cordeiro de Almeida Área: Ciências Humanas Período de Vigência da Bolsa: 01/08/2012 a 31/07/2013 4

5 TÍTULO DO PROJETO NO REINO DO SUPÉRFLUO: porcelanas, sedas e balagandãs: uma história dos produtos de luxo em circulação no Atlântico - Recife do século XVIII. 5

6 RESUMO O subprojeto No Reino do Supérfluo: porcelanas, sedas e balagandãs: uma história dos produtos de luxo em circulação no Atlântico - Recife do século XVIII, que está vinculado ao projeto NEGOCIADORAS DA VIDA: agência de sobrevivência em Lisboa, Luanda e Olinda no XVIII, conduzido pela Profª Drª Suely Creusa Cordeiro de Almeida, tem como objetivo analisar os produtos considerados de luxo que estavam em circulação no Atlântico setecentista e desembarcavam no porto do Recife. Dentro desse subprojeto estamos analisando a circulação desses produtos e qual parcela da sociedade absorvia o mesmo; o envolvimento de funcionário da Coroa portuguesa entre as questões da legalidade e ilegalidade das cargas desembarcadas, tentando desvendar as engrenagens que permitia a existência desse comércio. A pesquisa está sendo realizada através de fontes bibliográficas e manuscritas, encontradas no Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano (APEJE), na Biblioteca Pública Estadual de Pernambuco (BPE), do Arquivo Histórico Ultramarino (AHU) e no Instituto Histórico Geográfico de Pernambuco ( IAHGP). Palavras-chave: Circulação no Atlântico, Artigos de Luxo, Relações de Poder 6

7 INTRODUÇÃO O Projeto de pesquisa surgiu das interlocuções desenvolvidas ao longo da disciplina de História do Brasil Colonial. Nesse momento as questões que envolviam o comércio ilegal de produtos chegados aos portos brasileiros, nos chamaram atenção e, principalmente as porcelanas. O que nos instigou foi, sobretudo, o desejo de saber como chegavam a Pernambuco, quem as utilizava e que produtos compunha o elenco transportado pelos barcos. Outra questão, que envolve esse tema é o fato de que há uma carência historiográfica quanto a problemática. A curiosidade de saber, como os produtos importados entravam no Recife do século XVIII? Quais eram as leis que limitavam esse comércio? E quais pessoas tiveram grande importância para esse comércio, entre outras variáveis que pretendemos reconstruir nesse projeto. Com a orientação da Profª Drª Suely Creusa Cordeiro de Almeida, amadurecemos essa ideia e expandimos a pesquisa para os artigos de luxo e não somente as porcelanas a pesquisa consiste num subprojeto denominado No Reino Do Supérfluo: Porcelanas, sedas e balagandãs: uma história dos artigos de luxo em circulação no Atlântico no Recife Setecentista, vinculado ao projeto NEGOCIADORAS DA VIDA: agência de sobrevivência em Lisboa, Luanda, Recife e Olinda no XVIII, conduzido pela Profª Drª Suely Creusa Cordeiro de Almeida. No presente relatório, pretendemos mostrar o resultado dos trabalhos realizados nos últimos meses e ilustrar as perspectiva da pesquisa. Que foi introduzida com leituras diversas, onde através da bibliografia existente e dos documentos encontrados na APEJE e AHU pudemos embasar os alicerces desse projeto. Primeiramente tivemos que entender as engrenagens que existiam no comércio Atlântico, estruturas de governo, administração da colônia portuguesa e da relação de jurisprudência que existe nessa sociedade estamental, onde ser nobre é um diferencial de qualidade sobre o resto da sociedade. Silvia Lara ilustra como se comportava essa sociedade, onde as autoridades e a nobreza local participavam de um espetáculo de legitimação dessa diferenciação social perante a população, sendo ao mesmo tempo as camadas inferiores parte 7

8 importantes desse espetáculo, pois eram eles que atestavam essa nobreza e afirmava esse poder. 1 Nessa sociedade podemos perceber que o ser nobre é fazer parte de uma elite colonial, necessitando de manutenção através de instrumentos que os diferenciem das camadas inferiores. Já que nesse período era através das roupas, adornos e dos escravos que possuíam que mostravam a sociedade sua classe social. Nosso tema tenta analisar esses instrumentos que diferenciavam as classes sociais onde possuir artigos de luxo, não era para qualquer pessoa. No artigo de Cláudia Maria das Graças Chaves ela cita o mais famoso dicionário de comércio corrente: naturelle ET dês arts ET métiers, por Jacques Savary. Vejamos o que diz esse dicionário acerca do termo luxo: inicialmente o autor diz que o luxo sempre foi tradicionalmente identificado como o que é supérfluo nos gastos, pois como já diria o famoso Padre Vieira, todos aspiram ao supérfluo e isto é o que se chama luxo ; logo a palavra seria imediatamente associada à ideias de consumo. 2 Assim o luxo era reservado para quem poderia pagar por ele, mas antes disso a pessoa deveria poder usar desse privilegio de diferenciação. Silvia Lara cita a pragmática de 1749 que seguiu a lei 1677 que fala sobre a necessidade de se cuidar, dos bons costumes e de limitar o uso de artigos de luxo, por pessoas que não fizessem parte da elite. Entre esse artigos estão enfeites, botões, tecidos com ouro e prata entre outros itens. 3 De tal modo a relação hierárquica que os produtos de luxo expressavam na sociedade colonial, além de diferenciar ricos de pobres, também separa brancos de pretos, como no artigo de Silvia Lara: 1 Lara, Silvia Hunold. Fragmentos Setecentistas: escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.p CHAVES, Cláudia. O Outro lado do Império: as disputas mercantis e os conflitos de jurisdição no Império Lusobrasileiro. Topoi (Rio de Janeiro), v. 7, p. 163, Lara, Silvia Hunolt. Op. Cit., p.89. 8

9 [...] é a necessidade de distinção entre brancos e negros: mais que a condição social tout court, Temos aqui a ideia de que o luxo era atribuído exclusivamente dos brancos e que os negros e mulatos das Conquistas, fossem livres, libertos ou escravos, não podiam dele se utilizar sem causar inconveniências. 4 Segundo José Roberto Teixeira ele cita o caso de um inventário de Maria Gonçalves na vila de São Paulo, em 1599 que fala em Três porcelanas da índia e duas malaguas, avaliadas em duzentos e cinqüenta réis e cita também o autor Brancante, que em sua obra O Brasil e a louça da índia, que investiga alguns inventários paulistas e tira a conclusão dos diferentes valores das louças das índias sobre as louças fabricadas na Europa. As louças das índias (pratos) valiam cerca de 220 até 480 réis e as de origem europeias não iam além de 50 réis. 5 Podemos concluir através dessas informações que já existia um comércio legal e ilegal de mercadorias com o Brasil e através desses inventários, são a prova nítida que existiam pessoas que consumiam esse tipo artigos de luxo. José Roberto também cita o livro Diálogo das Grandezas do Brasil, de 1618 que fala sobre o comércio legal desses artigos entre eles louçaria, sedas, brocados nas cidades e vilas mais ricas e prósperas. Onde fazer parte de um grupo de pessoas que tinha um jogo de porcelanas das índias era de um status e de um grande diferencial, visto que louças do tipo europeias fossem de um valor bem a baixo. 6 Como sabemos que era proibido que as colônias negociassem produtos vindos do oriente, podemos supor que esses produtos entravam de forma ilegal através do Contrabando. Pretendemos nessa pesquisa descobrir como se articulava esse comércio, e quais pessoas estavam articulando esse negócio tão lucrativo. Percebemos através 4 S. H. LARA. Sedas, Panos e Balangandãs: o traje de senhoras e escravas nas cidades do Rio de Janeiro e Salvador (século XVIII). In: Maria Beatriz N. da Silva (org) - Brasil: Colonização e Escravidão. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2000, pp LEITE, José Roberto Teixeira. As Companhias das Indias e a Porcelana Chinesa de Encomenda. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, P idem 9

10 de leituras, a existência de indícios muito concisos de que realmente existia esse comércio e ele era continuo, onde existia um mercado consumidor ativo para esses produtos. Sobre quem seriam esses indivíduos que participavam diretamente desse comércio ilegal, Kenneth Maxwell fala sobre os comissários volantes, os caixeirosviajantes portugueses comparavam mercadorias na metrópole, vendiam-nas pessoalmente na América e retornavam com a receita. Eles eram um dos elementos essenciais na conexão comercial transatlântica. Ele fala também que esses levavam as mercadorias em suas cabines, sem ter que pagar desse modo despesas com fretes e armazenagem. 7 Kenneth Maxwell também expõe que grande parte das manufaturas vindas da Inglaterra e que entrava no Brasil acaba escoando para as colônias espanholas na forma de contrabando. 8 A consequência desse comércio ilegal para o Brasil e Portugal era o escoamento dos lucros para a Inglaterra e a saturação do mercado de crédito entre Brasil e Portugal, onde os comerciantes legais estabelecidos no Brasil acabavam sendo afetados pela escassez de moeda de troca, pois o ouro e a prata iam para nas mãos dos comissários volantes e os comerciantes legais acabavam tendo de aceitar vender por produtos de troca como o tabaco, o açúcar e o couro, desestabilizando gravemente o comércio regular da Colônia. 9 Foi encontrada documentação no Arquivo Publico Jordão Emerenciano que comprova a preocupação do Rei e dos seus magistrados sobre essa questão do contrabando e dos prejuízos fiscais e morais que o mesmo vinham dando para a Colônia e a Metrópole, pedindo para que o governador Luis Diogo Lobo examine e inspecione caixas e volumes que entrarem na alfândega dessa cidade. No decorrer da pesquisa percebemos que o comércio de artigo de luxo vai muito além, de uma análise de comercial de produtos, mas uma forma de se estudar e 7 Maxwell, Kenneth. Chocolate, piratas e outros malandros: ensaios tropicais. São Paulo: Paz e Terra, p idem 9 Ibidem. p

11 analisar a sociedade colonial como um todo, o contrabando tornou-se instrumento chave para podemos fazer essa analise. 10 Ernst Pijning fala em seu artigo sobre dois tipos de contrabando: o que era tolerado pelas autoridades e o que estava sujeito a uma condenação universal. 11 A sociedade colonial era baseada em privilégios onde uma pessoa que estivesse num nível social elevado, poderia ser perdoado, e a coroa poderia fazer vista grossa, dependendo qualidade de seus serviços a coroa. Dessa forma se julgavam os casos de contrabando de forma diferente, os indivíduos que não tivessem qualidade poderiam ser condenados severamente para dá exemplo aos outros. Pretendemos nesse trabalho encontrar indícios e provas de que altos funcionários da coroa estariam envolvidos no contrabando de artigos de luxo, como no caso do Governador D. Lourenço de Almeida onde Ernst Pijning questiona a aquisição de uma fortuna lendária, conseguida durante seu governo na província de Pernambuco e de Minas gerais. 12 As Companhias de Comércio de Grão Pará e Maranhão e de Pernambuco e Paraíba foram criadas como estratégia do Ministro Marquez de Pombal para controlar o contrabando na colônia e de resolver o grande problema de mão- de - obra existente, além de ser uma estratégia de proteger o mercado colônia- Metrópole. 13 A companhia do Grão-Pará e Maranhão foi fundada em 1755 e a de Pernambuco e Paraíba foi criada em 1760 e entrou em extinção em 1780 sendo está companhia que daremos ênfase na pesquisa. Porém a Companhia de Pernambuco e Paraíba não foi aceita de uma forma muito agradável pelos grupos influentes da economia colonial pernambucana, pois a mesma tolhia alguns privilégios que esses grupos tinham no comércio local PIJNING, E.. Contrabando, ilegalidade e medidas políticas no Rio de Janeiro do século XVIII. Revista Brasileira de História, Sao Paulo, SP, v. 21, p. 398, Ibidem. p Ibidem. p Maxwell, Kenneth. Op.Cit., p Dias, Èrika.A capitania de Pernambuco e a instalação da companhia geral de Comércio.p.5. Encontrado no site: 11

12 Encontramos documentação no Arquivo Histórico Ultramarino onde se tem listado uma Relação das fazendas de sedas, ouro e prata que a companhia de Pernambuco e Paraíba tem comprado a Real fábrica da seda desde o ano de 1760 até 1776 que analisaremos os itens listados e os artigos de luxo encontrado nessa relação. Érika Dias cita em seu artigo: O governador Luís teve dificuldades em convencer os grupos locais mais ricos de Pernambuco a tornarem-se acionistas da Companhia criada por Pombal, uma vez que isso prejudicava os interesses da terra. 15 Podemos encontrar no livro Ser Nobre na colônia de Maria Beatriz Nizza uma tabela onde mostra os acionistas da companhia de Pernambuco e Paraíba. Analisando a tabela podemos perceber que apenas dois acionistas eram naturais do Brasil um de Santos, Francisco Aurélio Teixeira que morava em Lisboa que tinha dez ações e um natural de Recife, Tomé Correia de Araújo que morava no Brasil e também possuía dez ações. 16 O trabalho está sendo desenvolvido através da leitura de diversas fontes em buscar de reconstruir o momento histórico e analisar junto à documentação, indícios que possam comprovar nossas suspeitas perante o desenrolar da história dos artigos de luxo em circulação no Atlântico no Recife setecentista. No decorrer da pesquisa conseguimos descobrir algumas rotas e como circulavam as porcelanas, além de conseguir distinguir as diferentes nomenclaturas dadas às mesmas. Sendo a porcelana um tipo de Cerâmica, já que a Cerâmica se divide em três grandes classes: barro, pó de pedra e a porcelana. 17 Os chineses para criar a porcelana que conhecemos foi fruto de uma longa trajetória, de dificuldades e tentativas de aperfeiçoamento. A Origem da palavra Cerâmica vem de Cera, Seres e Serico que significa china até o século XVI e a porcelana provém da palavra 15 Ibidem.p Silva, Maria Beatriz Nizza da. Ser Nobre na Colônia. São Paulo: Editora UNESP, p Brancante, Eldino da Fonseca. O Brasil e a louça da Índia. São Paulo, 1950.p

13 italiana porcella que seria uma concha lisa e branca, é também diminutivo de porco, associando-se ao leitão que tem a pele branca e lisa. 18 Segundo o autor E. F. Brancante, quem inventou a porcelana foram os chineses, mas foram os portugueses que divulgaram as mesmas. 19 As porcelanas chinesas faziam o caminho da China para a Índia e da Índia para o Ocidente. 20 Por conta desse caminho percorrido pela porcelana Chinesa, ela acabou sendo conhecida por Porcelana da Índia. A Classificação de Cia.das Indias originou-se do fato desse tipo de porcelana ser transportado, mormente pelas companhias de comércio e navegação holandesas, inglesas e também francesa (as famosas companhias das Indias Orientais). 21 Porém não podemos confundir a expressão que designar Louça ou Porcelana da India e louça ou Porcelana Cia. Das Indias a primeira significa qualquer porcelana vinda da china após a abertura do caminho das Indias, já a segunda e especificamente a determinados tipos de porcelana chinesa. 22 No estudo sobre as porcelanas chinesas, as nomeclaturas são muito parecidas sendo que existe um grande diferencial entre elas referente à qualidade, beleza e perfeição. A Louça da Cia. Das Indias comumente apresentava imperfeições, a matéria prima o caulim utilizada, não era devidamente tratado, que causava grânulos na peça. 23 Já a porcelana chinesa que erroneamente chamam de louça da India por conta das rotas de navegação. São de altíssima qualidade, não tinham imperfeições e suas pinturas eram verdadeiras obras de arte que eram assinadas, como sinal de orgulho da produção da mesma, diferente da Cia das Indias que comumente não eram assinadas por conta da sua qualidade inferior. 24 Devemos-nos ater aos diferentes nomes dado as porcelanas no Brasil e em Portugal onde pode aparecer com diversas denominações, porcelana, porcelana da china ou de forma errada como louça da índia e porcelana da índia Idem 19 Ibidem.p Ibidem. p Ibidem. P Idem 23 Ibidem.p Ibidem.p Ibidem.p

14 A Porcelana ficou conhecida na Europa por volta do século XIII e XIV. 26 As peças que chegavam à Europa nessa época eram raridades, muito apreciadas e disputadas por príncipes. 27 Sendo a trajetória da Porcelana muito admirada e rara, levando ao seu alto custo é a sua utilização como ostentação social. Mesmo depois dos portugueses já haverem iniciado em apreciável escala a importação da porcelana e tê-la disseminado pela Europa, ainda em meados do século XVI era ela tida de alta valia. 28 Em Portugal, principalmente, a louça chinesa era de uso corrente entre a nobreza, pois foi esse o país que primeiro apreciou sua beleza, adotando-lhe logo o uso e promovendo a sua distribuição. 29 Através dessa citação percebemos de onde vem o gosto pela porcelana do Brasil, além de ser um artigo de luxo que expõem um grande diferencial, perante a sociedade, a colônia herdou da metrópole o gosto aguçado pelo requinte e tentava imitá-la de todas as formas, pelos trajes, pelo comportamento e pelos objetos de desejo que são os artigos de luxo, entre eles a porcelana chinesa. O Autor Eldino Brancante afirma em seu livro O Brasil e a louça da Índia o seguinte: havemos de convir que a presença de artigos supérfluos ou de luxo assume outra significação, e só se explica ou por um índice de relativa prosperidade ou pelo grau apurado de tratamento dessas elites primevas. Existe um significado muito importante na utilização dos artigos de luxo, e através deles podemos legitimar e analisar como se comportava a sociedade colonial no Recife setecentista. Sabemos que pessoas e famílias faziam questão de mostrar e ostentar sua riqueza, e seu refinamento que supostamente foram trazidas por seus antepassados que já gozavam anteriormente desses utensílios e do costume a mesa. O costume de utilizar utensílios à mesa já existia antes da porcelana, o utensílios de estanho era o mais utilizado até a segunda metade do XVIII, porém a expansão do mercado Inglês na fabricação de faiança de cor clara e preço acessível (Queen s Ware), 30 mudou o costume é a utilização de porcelana verdadeiras que 26 Ibidem.p Ibidem.p Idem 29 Ibidem.p Tânia Andrade p

15 diferem em sua qualidade e beleza, sejam elas da China ou da Inglaterra (Marca Stanffordshire), foram substituindo gradativamente os utensílios de estanho da mesa. Outro ponto relevante de se comentar é a comparação dos valores dos utensílios a mesa, de porcelana, de estanho e da prata no Brasil. Como já comentamos anteriormente as louças europeias tem um valor inferior às louças da Índia. O estanho era muito utilizado no Brasil, seja pela sua praticidade e durabilidade, porém seu valor era bem elevado, muitas vezes igual ou superior à louça da Índia, sendo seu valor inferior somente ao da prata. 31 Que além de ter seu valor e prestigio, o utensílio de prata tinha valor de cachê que serve como moeda de troca e de investimento, já que no Brasil eram escassas as moedas e as trocas eram feitas por produtos. 32 As joias além de adornarem e demonstrarem o poder aquisitivo de seus donos, esse artigo de luxo tinha a mesma utilidade comercial que os utensílios de prata, eram uma aplicação de capital. 33 Segundo Silvia Lara, a utilização de joias e de vestimentas de luxo podia mostrar a presença ou a ausência de riqueza perante a sociedade, que funcionava como instrumento diferenciador de uma escrava de uma forra. Poderia ser visto com maus olhos perante a sociedade e aos religiosos onde o que era luxo e poder, em um corpo branco, podia torna-se luxúria e submissão, se usado sobre uma pele mais escura. 34 Existia um combate das autoridades e dos religiosos em proibir e coibir a utilização de artigos de luxo por escravas e pessoas de cor não branca. Dentro do universo da sociedade colonial a utilização desses artigos era uma guerra pelo espaço social como explica perfeitamente Silvia Lara Entre o mundo dos senhores e o da escravidão abria-se um enorme espaço para o embate entre intenções e sentidos, de lutas travadas com pedaços de panos e enfeites, em busca de identidades e 31 Brancante, Eldino da Fonseca. O Brasil e a louça da Índia. São Paulo, 1950.p Ibidem.p Idem. 34 LARA, Silvia H. Sedas, panos e balangandãs: o traje de senhoras e escravas nas cidades do Rio de Janeiro e de Salvador (século XVIII). In: SILVA, Maria Bratriz Nizza da (Org.). Brasil: colonização e escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p

16 diferenças afastamentos e aproximações. Um espaço minado e escorregadio, em que estavam imbricadas questões morais, raciais, de gênero e, sobretudo, culturais. 35 Dentro das várias interpretações feitas pela sociedade, pelas pessoas que utilizavam os artigos de luxo, a utilização dos mesmos por uma mulher sozinha na rua poderia ser interpretada por desonra, sendo rapidamente resignificado o luxo por luxúria se a cor da pele for menos clara que a branca. 36 A utilização pelos negros de brincos, colares e balangandãs poderiam significar a sua devoção e culto a alguma entidade. Que não eram facilmente codificadas pelo seu senhor. 37 O Balangandã é uma penca de miniaturas que pode ser de prata ou de ouro que se unem em uma fivela, muito decorada e ligada em uma corrente. 38 Sendo também considerada como uma joia, que as negras utilizavam. Alguns artigos de luxo como panos finos e louça que eram conhecidos como fazendas de Negro além de outros itens como as geribitas (um tipo de cachaça) e das armas de fogo que devido a sua importância no tráfico negreiro recebeu esse nome. 39 Sendo esses produtos trazidos para o Brasil de Goa e com passagem por Luanda. Esses produtos deveriam seguir para a metrópole Portugal, porém a viagem para Goa era muito longa e necessitava paradas para reparos nos navios. Dessa forma a viagem deveria ser de Goa para Portugal, sendo que com essas duas paradas os negociantes acabavam suprindo as necessidades desses dois entrepostos. Os artigos que entravam no Brasil eram os panos finos e as louças e em Angola eram as fazendas de negros que eram trocadas por escravos. O principal ponto de desembarque e distribuição de desses artigos era Salvador Idem. 36 Lara,Silvia H.op cit. p Idem. 38 Idem 39 FERREIRA, Roquinaldo. Dinâmica do comércio intracolonial; Geribitas, panos asiáticos e guerra no tráfico angolano de escravos (século XVIII), p Ibidem.p

17 Desde o primeiro século da descoberta do Brasil, a porcelana está presente na colônia, sendo ela utilizada de diversas formas, como adorno de casas e de Igrejas, aparecem como pagamento de dote, de escrivão de inventários e penhoradas. Podendo ser também emprestadas, para melhorar a apresentação da mesa em determinados momentos. 41 O poeta satírico Gregório de Matos ( ), já cita em um de seus poemas o caso em que pede suas porcelanas emprestadas de volta. Que no poema as porcelanas se referem às palanganas que são travessas. Dizem que as almas que vão, A este mundo não vêm: E as minhas palanganas Fizeram-se almas também? 42 Através dessas informações, percebemos como era importante a porcelana no meio privado da sociedade, onde sua utilização era um diferencial de riqueza e prestigio. Além de nos mostrar que existia um mercado que abastecia a colônia onde para se manter os conjuntos de porcelanas a mesa existia a necessidade de se repor com outras peças, por conta da sua fragilidade. Segundo Brancante a produção de cerâmica dura brasileira, tipo chinesa se iniciou ainda nos setecentos, com a fábrica de João Manso Pereira que destacou nosso país comparado com os outros países na América do sul. Ele era químico e mineralogista, morava no Rio de Janeiro, apareceu em uma ordem régia de Dona Maria I de 5 de setembro de Não se pode falar em uma produção de larga escala, mas de algumas peças de uma qualidade admirável. Alguns autores já escreveram sobre ele como: Yolanda Marcondes que afirmou: alguns dos mais considerados habitantes do Rio de Janeiro se desvaneciam de possuir louça do país fabricada pelo célebre João Manso Pereira. Moreira de Azevedo afirma que ao rei Dom João VI, ofertou um aparelho de porcelana e uma caixinha de sabão de barba que fabricara com argila encontrada na Ilha do governador. 43 Percebemos como era importante e de alta qualidade as Cerâmicas produzidas por eles que se o Rei 41 Brancante, Eldino da Fonseca. O Brasil e a louça da Índia. São Paulo, 1950.p Ibidem.p Brancante,E.F. Brasil e a Cerâmica antiga.são Paulo: Lithographia Ypiranga, p

18 dava-lhe como um presente estava esse produto de uma altíssima qualidade e cobiçada pela sociedade da época. Brancante também cita uma correspondência da Real Junta de Comércio de Lisboa com João Manso Pereira, de 31 de abril de 1795, agora remeto outros barros em rama, próprio para elas, enviando também algumas pessas(sic) já fabricadas, em camafeus, cadilhos e outros vasos de diferentes Kaolins e argilas, transparentes e opacas. 44 Através dessa correspondência intuímos que existia um comércio dessa porcelana e que ela era de tão boa qualidade que lidava diretamente com a Real Junta de comércio de Lisboa. No universo dos artigos de luxo, as fazendas de tecidos eram muito importantes na sociedade colonial onde a cor do tecido poderia significar a condição do individuo, sabendo da importância da cor e da necessidade de se obter corantes que possibilitassem a obtenção da mesma se tinha um comércio voltado para isso no século XVIII e XIX que a Companhia do Grão Pará e maranhão, explorava a urzela em Cabo Verde e nas Ilhas adjacentes que era um tipo de musgo que servia para tingir que deu bastantes lucros a companhia. 45 E seu preço do quintal de urzela variava de a mil reis dependendo do lugar. 46 Porém só durou esse comércio até a criação de corantes químicos. Na nossa pesquisa ainda não encontramos a urzela como produto de nossa companhia, mas encontramos Anil como forma de corante. No livro de Antonio Carreira expõem a importância dos tecidos, dos panos no continente africano: No continente africano, além de vestuário, o pano tem grande uso nos funerais, para o amortalhamento de cadáveres. Por vezes um mesmo defunto vai para a sepultura embrulhado em panos cujo número pode oscilar de escassas dezenas até uma centena. Tudo depende do poder econômico do morto ou da família, ou ainda da categoria social- se régulo ou sacerdote, se simples chefe de família ibidem 45 CARREIRA, António. As Companhias Pombalinas. Lisboa: Editorial Presença, 1982, p Ibidem p Ibidem p

19 Através de nossa pesquisa estamos tentando entender as engrenagens sociais que estavam por traz da utilização e comércio que os produtos de luxo exerciam na sociedade colonial. Compreendemos que para cada sociedade o supérfluo, o luxo era para mostrar um diferencial social que cada uma delas exerce de maneiras diferentes e até mesmo exóticas. Quando falamos de fazendas de negros 48, não podemos deixar de lado, a relação de comércio que existia, das fazendas pelos escravos; sendo esse comércio ultramarino era muita complexo, onde Portugal deveria controlar todo o comércio de suas colônias, porém sabemos que elas tinham uma certa autonomia. Que excluía a metrópole em varias relações de comércio. No artigo de Corcino Medeiros ele fala sobre o comércio português da Bahia com a Costa da Mina. Onde ele vai falar sobre a consequência para Portugal da união Ibérica nas perdas de território e invasões Holandesas, que temos o período holandês em nosso estado além das outras invasões no nosso território. Portugal também perdeu seu principal entreposto na Costa da mina, O Castelo de São José. Que acarretou vários transtornos para o comércio de escravos, Porém Portugal tinha o produto que mais era desejado e apreciado na permuta pelos escravos. O tabaco da Bahia 49 que era diferente dos outros tabacos, segundo Corcilio: Mesmo tomando em Lisboa o mesmo tabaco da Bahia, porém de primeira folha. Esse tabaco, no entanto, não era bem aceito. O tabaco de maior aceitação na Costa da Mina era o de terceira folha, o rejeito que não podia ser mandado para Lisboa. Então na Bahia esse tabaco era refeito sob um caldo de melaço e transformado em rolos menores de 2 ou 2,5 arrobas. Ele cita que Pernambuco tinha também esse tipo de tabaco 50, porém em um grau inferior, podendo ter esse artigo tão especifico e importante no comércio de escravos. Tinha-se que pagar um tipo de pedágio aos holandeses e uma parte era paga com esse tabaco da Bahia. 48 FERREIRA, Roquinaldo. Dinâmica do comércio intracolonial; Geribitas, panos asiáticos e guerra no tráfico angolano de escravos (século XVIII), p Santos, Corcino Medeiros dos. A Bahia no comércio português da Costa da Mina e a concordância estrangeira. In: Silva, Maria Beatriz.Nizza da (org.). Brasil: colonização e escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p Idem. p

20 Além de se obrigados a permutar esse tabaco por fazendas de difícil aceitação dos negros 51 e serem atacados por outras nações e obrigados a trocarem violentamente o tabaco por fazendas que os negros normalmente não querem. 52 Por conta desse produto supérfluo, se ver uma dinâmica de varias estruturas econômicas, sociais perante o quadro em vigência. Que influenciou na sociedade escrava da Bahia onde No século XVIII, cerca de 70% dos escravos desembarcados na Bahia eram da Costa da Mina e os outros 30% de Angola Idem.p Idem.p Idem.p

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014 A Alfândega de Pernambuco: dinâmicas comerciais e burocracia Luanna Maria Ventura dos Santos Oliveira Mestranda em História, PPGH/UFRPE luannaventura@gmail.com Suely Creusa Cordeiro de Almeida Professora

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 Unidade 7 Nome: Data: 1. Leia o trecho a seguir e faça o que se pede. Depois de estabelecer colônias na África e chegar à Índia e à América, os navegadores

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral O convite que me foi feito por João Lopes Filho para apresentar o livro Cabo Verde abolição da escravatura subsídios

Leia mais

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas.

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas. América Portuguesa Aspecto político/formas de governo Capitanias hereditárias É um sistema descentralizado. A metrópole quer gastar o mínimo possível com a exploração, por isso dão a nobres a serviço do

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste?

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? 1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? Na escolha do Brasil como alvo do ataque empresado pela wic pesou uma variedade de motivos. A América portuguesa constituiria o elo frágil do sistema imperial castelhano,

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII)

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) 1) Período Pré-Colonial Trinta anos sem projeto de colonização (1500-1530) Interesses voltados para o comércio com o Oriente Desapontamento quanto às potenciais

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil BRASIL COLÔNIA Independência do Brasil Enquanto o governo absolutista português reprimia com vigor os movimentos republicanos no Brasil, o absolutismo na Europa era contestado pela Revolução Francesa,

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas.

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL Capítulo 1 No século XVI, a Península Ibérica se mostrava importantíssima para o capitalismo comercial. O Brasil funcionava como um pólo exportador de riquezas para todo o continente europeu, por intermédio

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

As descobertas do século XV

As descobertas do século XV As descobertas do século XV Expansãomarítima: Alargamento do espaço português procurando terras noutros continentes através do mar; O acontecimento que marca o início da expansão portuguesaéaconquistadeceutaem1415;

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS Século XVI e XVII início da ocupação e colonização das Américas COLONIZAÇÃO definição é a ocupação e povoamento das terras americanas pelos europeus

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU O jantar no Brasil, de Jean Baptiste Debret Com este material de apoio é possível entender como os fragmentos arqueológicos nos ajudam a decifrar

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU»

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» «ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» No espólio museológico da CGD A partir do século XVI Macau tornou-se um ponto central na comunicação e divulgação entre a Civilização Europeia e Chinesa, uma fronteira

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês 1. (Enem) O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. rei burguesia senhor feudal leis centralização política moeda feudos 2.

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Histórias da capitania de São Paulo SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Denise A Soares de Moura * São Paulo de 1532 a 1822. 290 anos

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

A história do açúcar

A história do açúcar A história do açúcar Século VI a.c. O berço de uma cana muito doce Antes de existir o açúcar, tal como o conhecemos hoje, existiam apenas duas fontes de sabor doce no mundo: o mel e a cana-de-açúcar. No

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil A UA UL LA MÓDULO 3 Independência do Brasil Nesta aula No dia 7 de setembro, comemoramos a Independência do Brasil. Por isso, é feriado nacional. Todos nós sabemos que os feriados significam algo mais

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 (Do Senado Federal Senador Marco Maciel) Inscreve os nomes de Francisco Barreto de Menezes, João Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros,

Leia mais

MANILA Uma disputa por negócios no extremo oriente para 3 a 5 jogadores acima de 10 anos

MANILA Uma disputa por negócios no extremo oriente para 3 a 5 jogadores acima de 10 anos MANILA Uma disputa por negócios no extremo oriente para 3 a 5 jogadores acima de 10 anos Estamos em 1821 e há 250 anos as Ilhas Filipinas estão sob o controle da Coroa Espanhola. Entretanto, na verdade,

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento).

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). HB. Expansão territorial da colônia. Expansão territorial Bandeirantes. 1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). Mão-de-obra indígena.

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: ASSUNÇÃO, P. Negócios Jesuíticos: O cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004. 512 p. por Flávio Massami Martins Ruckstadter Mestrando

Leia mais

Recuperação Final História 7º ano do EF

Recuperação Final História 7º ano do EF COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO Recuperação Final História 7º ano do EF Aluno: Série: 7º ano Turma: Data: 08 de dezembro de 2015. LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Esta prova

Leia mais

Expansão da metrópole e Iluminação da colônia: As Memórias de Ambrósio Joaquim dos Reis e a política Imperial Portuguesa.

Expansão da metrópole e Iluminação da colônia: As Memórias de Ambrósio Joaquim dos Reis e a política Imperial Portuguesa. Expansão da metrópole e Iluminação da colônia: As Memórias de Ambrósio Joaquim dos Reis e a política Imperial Portuguesa. 1 Wélington Silva 1 Dr.ª Cláudia Chaves 2 I A política imperial portuguesa apresentava

Leia mais

A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA

A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA O sucesso da lavoura canavieira passou a exigir cada vez mais mão-de-obra, assim, os Senhores de Engenho começaram a importar escravos negros da África

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL A COLONIZAÇÃO DO BRASIL OS FUNDAMENTOS DO COLONIALISMO PORTUGUÊS O processo de ocupação e formação do Império Colonial Lusitano baseou-se dentro da ótica mercantilista. Essa forma de organização ficou

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA Fixação 1) (UNESP) Se bem que a base da economia mineira também seja o trabalho escravo, por sua organização geral ela se diferencia amplamente

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

A comida entrou na roda financeira

A comida entrou na roda financeira A comida entrou na roda financeira Brasil de Fato - seg, 2011-05-02 15:06 admin Para Walter Belik, especulação e irresponsabilidade dos governos neoliberais levou a crise que ainda deve durar vários anos

Leia mais

A Formação do Território Brasileiro.

A Formação do Território Brasileiro. A Formação do Território Brasileiro. A primeira fronteira do Brasil Fernando e Isabel 1492 - Colombo 1493 papa Alexandre VI (espanhol) editou a Bula Inter Coetera 1494 - Tratado de Tordesilhas. 1530 no

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais