Projeto Criando um Site com Wix

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Criando um Site com Wix"

Transcrição

1 Projeto Criando um Site com Wix Felipe de Luna Berto 1 (UFRPE) Emerson Morais Raimundo 2 (UFRPE) Aliete Gomes Carneiro Rosa 3 (UFRPE) Resumo: Este trabalho tem como objetivo relatar experiência de projeto realizado com estudantes de escola pública da cidade de Garanhuns-PE. O trabalho fez uso de ferramentas digitais, proporcionando aos alunos a experiência de aprendizagem por meio da plataforma WIX para criação de sites. 12 estudantes do Ensino Médio, divididos em grupos, interagiram com a plataforma e desenvolveram sites para consolidação e comunicação do resultado de suas pesquisas sobre quatro áreas temáticas relativas ao currículo do ensino médio. O projeto trouxe ainda como proposta a vivência multimidiática no planejamento, coleta, processamento e comunicação das informações estudadas pelas equipes. Os resultados apontam para o reconhecimento dos próprios estudantes sobre a importância da produção de conteúdo para a internet em que os mesmos se percebem como protagonistas e coautores na construção do conhecimento enquanto processo comunicativo. Palavras-chave: Plataforma WIX; Letramento Digital; Ensino; Tecnologia. Abstract: This project has the major point to report the experience made with students in public school in Garanhuns -PE. The paper made use of digital tools like the Wix platform, promoting to students the experience of learning to creating websites. Twelve high school students, was divided into groups to handle the platform and develop sites for consolidation and communication the result of his research about four themes related to high school. The project also brought as proposed other ways to experience in the planning, collection, processing and communication of information between studied by groups. The major effect this project was have made of the students notice the importance of producing for the internet in which they could notice themselves as protagonists and co-authors to making of knowledge as a communicative process. Keywords : WIX Platform, Digital Literacy, Teaching, Technology. 1 Felipe de Luna BERTO Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) 2 Emerson Morais RAIMUNDO Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) 3 Aliete Gomes Carneiro ROSA (Orientadora) Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) - 1 -

2 Introdução As constantes transformações tecnológicas inerentes ao mundo contemporâneo trazem a cada dia a necessidade de atualização dos processos e mecanismos que movem as novas atividades humanas de convivência e trabalho, dentre elas, a educação. Em uma sociedade que está cada vez mais interligada e movida pelos meios digitais de trocas de informação, a necessidade de treinamento para estar incluso nesta realidade é cada vez maior. Neste sentido, a educação tem a função de auxiliar o desenvolvimento de habilidades para que o maior número de pessoas esteja preparado para enfrentar os desafios do mundo digital (XAVIER, 2005). Também de acordo com Xavier (2005), é devido a isso que diversos estudiosos do tema têm desenvolvido o conceito de Letramento Digital: Este novo letramento, segundo eles, considera a necessidade do (sic) indivíduos dominarem um conjunto de informações e habilidade mentais que devem ser trabalhadas com urgência pelas instituições de ensino, a fim de capacitar o mais rápido possível os alunos a viverem como verdadeiros cidadãos neste novo milênio cada vez mais cercado por máquinas eletrônicas e digitais. (XAVIER, p.01). Esta, que pode ser chamada de Sociedade da Informação, tem desafiado também a escola às práticas digitais para apropriação de conhecimento (WERTHEIN, 2000), assim como para o desenvolvimento do letramento digital dos alunos, tornando os suportes digitais um aliado para as práticas de leitura e escrita (XAVIER, 2005). O trabalho com objetos virtuais de aprendizagem, portanto, é hoje uma prática de ensino fundamental para envolver e familiarizar os educandos com as novas Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). O uso dessas TICs na prática pedagógica, ao passo que torna o mundo digital mais acessível e palpável para diferentes realidades culturais e classes sociais, ainda impulsiona o processo de - 2 -

3 ensino-aprendizagem, ajudando a melhorar a aquisição do conhecimento pelos estudantes e tornando o ato de aprender mais interativo, descentralizado e com maior riqueza de informações. Imbuído das reflexões sobre a sociedade da informação, letramento digital e do uso das tecnologias na educação, este trabalho relata experiência de utilização da Plataforma Wix para criação de sites como objeto virtual de aprendizagem, com um grupo de estudantes da Escola de Referência em Ensino Médio de Garanhuns, em Pernambuco. Para referencial teórico, usamos a noção sobre Sociedade da Informação conforme pensada por Werthein (2000), o conceito de tecnologia e suas implicações na produção humana dado por Kenski (2012), as contribuições de Xavier (2005) e Soares (2002) sobre o conceito de letramento digital e a perspectiva de cibercultura levantada por Pierre Lévy (1999), dentre outros. Sociedade Tecnológica e Ensino Aspectos sociais, de produção e de relação entre pessoas na sociedade dos últimos anos têm apontado para diferenças substanciais entre a sociedade industrial e massificada que a antecedeu. De acordo com Kenski (2012), a personificação das iniciativas de comunicação e as novidades nas interações com a informação podem caracterizar esta nova sociedade. Estudiosos do assunto têm buscado explicar aspectos que definam este novo modelo de sociedade, através de uma base elementar que funcione como uma espécie de condição de existência para ela. Tortajada e Pelaez (1997, p. 252 apud KENSKI 2012, p ) respondem a esta questão afirmando que o elemento comum subjacente aos diversos aspectos de funcionamento das sociedades emergentes é o tecnológico

4 Para entender esta base comum, é preciso compreender antes o que é tecnologia. Para (KENSKI, 2012, p. 18), esta questão é respondida como o conjunto de conhecimentos e princípios científicos que se aplicam ao planejamento, à construção e à utilização de um equipamento em um determinado tipo de atividade. A autora utiliza também o Dicionário de filosofia de Nicola Abbagano (1982) para conceituar tecnologia, afirmando que ela é o estudo dos processos técnicos de um determinado ramo de produção industrial ou de mais ramos. (ABBAGANO, 1982, p. 906 apud KENSKI, 2012, p. 19). O senso comum traz enraizada uma concepção de tecnologia baseada apenas na ideia de equipamentos físicos. No entanto, alguns espaços ou produtos são utilizados como suportes para que ações de comunicação ocorram. Um exemplo são as tecnologias da comunicação e da informação. Através de seus suportes aqui consideradas como os meios de comunicação -, elas possibilitam a realização do acesso e da veiculação de informações e outras práticas comunicativas. (KENSKI, 2012). Se a tecnologia é base comum para o estabelecimento de uma nova sociedade baseada na informação, as novas tecnologias da informação de comunicação (TICs), enquanto mídias (meios), podem ser entendidas como algo a mais do que meros suportes: Elas [as novas tecnologias da informação e comunicação] interferem em nosso modo de pensar, sentir, agir, de nos relacionarmos socialmente e adquirirmos conhecimentos. Criam uma nova cultura e um novo modelo de sociedade. As mídias há muito tempo abandonaram suas características de mero suporte tecnológico e criaram suas próprias lógicas, suas linguagens e maneiras particulares de comunicar-se com as capacidades perceptivas, emocionais, cognitivas, intuitivas e comunicativas das pessoas. (KENSKI, 2012, p. 22). O desenvolvimento das pesquisas sobre o assunto vem contribuindo substancialmente na atualização e aperfeiçoamento dos processos de educação

5 Isso porque os estudiosos estão percebendo cada vez mais a relação entre tecnologia, comunicação e a atividade de educar. Para Gasparetti (2001), é possível criar sinergia entre o campo que compreende os estudos sobre comunicação, no que diz respeito, mais especificamente, às mídias, e as áreas de estudo da educação. Para ele, educar é substancialmente um processo de comunicação, que não é unívoco, mas é bidirecional. Comunicar pressupõe dispor de técnicas eficientes e, provavelmente, de uma certa predisposição (GASPERETTI, 2001, p. 21). Kenski (2012) atenta para a velocidade com que comportamentos e práticas de comunicação de informação e saberes são alterados. Neste movimento, a compreensão da educação enquanto processo comunicativo reflete nas maneiras convencionais de educar. Como as tecnologias estão permanentemente em mudança, o estado permanente de aprendizagem é consequência natural do momento social e tecnológico que vivemos. O atual estágio dessa sociedade tecnológica, baseado nas possibilidades de articulação entre diferentes mídias para acesso a informação e comunicação, caracteriza-se também pela articulação global do mercado econômico mundial. (KENSKI, 2012, p. 26). Neste sentido, é importante pensar que é tarefa desta nova sociedade estar aberta para novas práticas de educação, frutos de mudanças nas formas de ensinar e aprender sob a influência da tecnologia à disposição hoje (KENSKI, 2012). Se pensarmos sobre o que está disponível hoje no universo de equipamentos e meios tecnológicos, encontramos o computador e a internet como aliados em potencial nas práticas de ensino. Esses dispositivos tornam possíveis formas sociais e de comunicação inéditas, vistas apenas com o advento e intensificação do uso das novas tecnologias (XAVIER, 2005). A rede mundial de computadores traz experiências de conhecimento que excedem os limites físicos da sala de aula e dos materiais didáticos analógicos. Segundo Gasparetti (2001, p. 47), a internet é um mundo em que se pode viver - 5 -

6 uma outra forma de experiência, virtual, paralela à real, mas sempre de grande impacto emotivo, cultural e didático. Uma dessas experiências é a potencialização do hipertexto como forma de leitura. Para Marcuschi (2001, p. 83), fala-se em hipertexto quando: Um tal texto consiste numa rede de múltiplos segmentos textuais conectados, mas não necessariamente por ligações lineares. O escritor de um hipertexto produz uma série de previsões para ligações possíveis entre segmentos, que se tornam opções de escolha para os hipernavegadores. Compreendendo-o como ferramenta de aprendizagem, Xavier (2005) afirma que através do hipertexto estudantes se tornam mais autônomos na recepção e construção das informações às quais estão sendo expostos. Isto porque a ação de leitura ganha um caráter muito mais exploratório e autodescobridor. Para ele, as funções de autor e leitor são exercidas simultaneamente pelos usuários da internet, uma vez que a eles é dada a possibilidade de clicar em links dispostos na página e assim escolher o que vão ler (XAVIER, 2005). É interessante notar que esta navegação entre textos, na internet, não se restringe apenas à linguagem verbal. O computador possibilitou a convergência de diversas outras mídias que, buscadas pelo navegante e associadas por temas, constroem uma leitura mais dinâmica e interativa para quem procura a informação. Chega-se aí no conceito de Multimídia, defendido por Gasparetti (2001, p. 36) como uma linguagem que usa vários códigos de comunicação: visual, textual, sonoro. Quando há interatividade do receptor com as informações vindas de diferentes meios, passa-se a falar em multimídia secundária. Com a oportunidade de interagir, existe implicitamente a possibilidade de criarmos, em tempo real, o que nos torna protagonistas do processo multimídia (GASPERETTI, 2001, p. 36). Esta possibilidade de interação é o que torna o processo de ensinar e aprender mais democrático e descentralizado, introduzindo ao papel de estudante a concepção de coautor do conhecimento. O estudante deixa de ser um indivíduo - 6 -

7 vazio, passível apenas de recepção de conteúdos, para se tornar fundamentalmente ativo na ação de aprender. Nesta direção, já que o conhecimento está progressivamente além do monopólio da escola e da universidade para estar presente nas atividades sociais das pessoas, cabe aos sistemas públicos de educação a orientação dos percursos de aprender e a contribuição nas descobertas dos saberes inerentes às pessoas (LEVY, 1999). Tudo isto só pode ocorrer se houver nos professores e nos estudantes a habilidade de compreender a linguagem digital e, sobretudo, a capacidade de enxergar este processo de forma crítica e livre de automatizações. Bases para o conceito de Letramento Digital. Letramento Digital e Objetos Virtuais de Aprendizagem A prática social de ler e escrever que confere a um indivíduo a capacidade de participar ativa e criticamente em uma sociedade na qual estas habilidades sejam essenciais para interação, formação de atitudes e competências cognitivas que o incluam numa sociedade letrada é o que Soares (2002) considera como letramento. A experimentação de novas práticas de leitura e escrita proporcionada pelo advento das tecnologias da informação e comunicação tem chamado a atenção para uma ampliação deste conceito para o digital (SOARES, 2002). É possível que alguém devidamente alfabetizado e letrado ainda seja um iletrado digital. A condição de existência do letramento digital são os usos dados à leitura e à escrita de textos quer verbais (textos) ou não verbais (imagens e ilustrações) em que o suporte é a tela, ou seja, um meio digital (XAVIER, 2005). Tal experimentação cria um ambiente propício para entender, através da comparação, se esta forma de letramento efetivamente conduz a um estado ou condição distintos das formas tradicionais de letramento na cultura do papel - 7 -

8 (SOARES, 2002). Sobre esta questão, Xavier (2005) defende que é possível perceber, sim, uma maneira nova de aprender. Nesse sentido, o autor nota que Crianças e adolescentes que estão se auto letrando pela Internet desafiam os sistemas educacionais tradicionais e propõem, pelo uso constante da rede mundial de computadores, um jeito novo de aprender. Esta nova forma de aprendizagem se caracterizaria por ser mais dinâmica, participativa, descentralizada (da figura do professor) e pautada na independência, na autonomia, nas necessidades e nos interesses imediatos de cada um dos aprendizes que são usuários freqüentes das tecnologias de comunicação digital. (XAVIER, 2005, p. 3). O conceito de letramento digital, quando entendido como um dos novos desafios da escola contemporânea, traz consigo a necessidade do planejamento e da aplicação de mecanismos didáticos também diferenciados nas práticas de ensino. A estes recursos suplementares que podem ser reutilizados para fortalecer o processo de aprendizagem, Tarouco (2003 apud JORDÃO, 2008) atribui o nome de objeto virtual de aprendizagem. Para ela, o termo geralmente se aplica a materiais educacionais projetados e construídos em pequenos conjuntos com vista a maximizar as situações de aprendizagem onde o recurso pode ser utilizado (TAROUCO, 2003, p. 2 apud JORDÃO, 2008, p. 2). Ainda de acordo com Tarouco (2003 apud JORDÃO, 2008), os objetos virtuais de aprendizagem seguem algumas características. A primeira delas é o estabelecimento de metadados, que são o conjunto de aspectos capazes de caracterizar o objeto e catalogá-lo de forma que seja facilmente encontrado por outros usuários. Outra característica é a reutilização uma vez que os objetos de aprendizagem devem ser potencialmente aplicáveis em diferentes situações e por pessoas distintas. Quando esta reutilização se estende às plataformas de uso, estamos falando em interoperabilidade, outra característica que defende a possibilidade do objeto de aprendizagem ser compatível com diferentes - 8 -

9 plataformas. E, por último, a durabilidade que permitirá o uso do objeto de aprendizagem em rede por maior tempo no que respeita ao uso. A Plataforma Wix Para Criação de Sites O Wix é hoje a única plataforma de criação de sites do tipo "arrastar e soltar" que oferece recursos em HTML5, além de centenas de templates prontos, isto é, modelos de designs de sites os quais podem ser personalizados pelo criador do site, permitindo a troca de cores, textos, fotos etc. Além disso, oferece hospedagem profissional totalmente grátis e aplicativos inovadores, como por exemplo, as redes sociais, que permitem integração com o site. Outros serviços também são oferecidos pela plataforma, como a disponibilização do site para smatphones, a criação de blogs e um serviço Premium, o qual é pago por oferecer algumas funcionalidades extras que não são oferecidas para o serviço gratuito. No entanto, todas as funções liberadas no serviço nesta modalidade permitem a construção de qualquer site. Ao entrar no site da plataforma, deve-se primeiramente realizar o login se já for registrado(a) ou então fazer o registro para ter acesso à construção de sites. Feita a identificação, o ambiente automaticamente redireciona o usuário para a página de templates e lá ele tem a opção de escolher aquele que melhor se encaixa a seu projeto, guiando-se pelas categorias que ficam em um menu vertical. Escolhido o template, o usuário irá para a página de edição clicando no botão Editar. Neste momento a página de edição deverá ser carregada. Após o carregamento, o template escolhido é visualizado seguido de quatro menus básicos, que ajudarão o usuário a personalizar o seu site. Dos quatro menus disponíveis, existe apenas um menu vertical, que é também o mais importante, pois é ele que possibilita adicionar fotos, vídeos, aplicativos etc., além de permitir personalizar o site adicionando novas cores ou mudando-as, escolher tipos de - 9 -

10 fontes, backgrounds imagens de fundo - etc. Os outros três menus, que são horizontais e ficam no topo superior da tela, têm poucas funções, mas todas são importantes para o processo de personalização. Da esquerda para direita, o primeiro deles permite apenas a mudança de páginas para que seja feita a edição. O segundo possui seis funções, que realizam tarefas básicas como refazer ou desfazer uma ação, copiar, colar etc. E o terceiro e último, permite ao usuário, pré-visualizar seu site, salvá-lo, publicá-lo e/ou mudá-lo da versão gratuita para a versão paga. Utilizando a plataforma Wix, é possível criar sites para fotógrafos, músicos, pequenos empresários, empreendedores, estudantes, escolas, entre outros, pois o site disponibiliza centenas de templates prontos que são separados por categoria e destinados a todos que desejam construir sua página na internet, seja pessoa física ou jurídica. Métodos e Resultados Este projeto é resultado de atividades desenvolvidas na disciplina Tecnologia e Linguagem ministrada no curso de Letras da UFRPE-UAG que tem como objetivo desenvolver competências para o uso do computador como ferramenta para trabalho acadêmico e para fins de ensino. As reflexões sobre o uso das mídias no ensino superior para os cursos de licenciatura permitem que o aluno neste contexto reflita sobre as implicações dos usos das tecnologias da informação na escola. Ao longo das discussões na academia, os discentes são estimulados à elaboração de propostas de uso do computador que devem ser aplicadas em escolas públicas com estudantes do Ensino Fundamental e Médio. Assim, este projeto consistiu na apresentação do Wix.com para estudantes da Escola de Referência em Ensino Médio de Garanhuns (EREMG) como ferramenta de trabalho baseada na interatividade, participação, colaboração e auxílio na

11 compreensão de conteúdos vivenciados em sala de aula. Treze alunos foram convidados a conhecer e manusear a plataforma, sendo divididos em grupos em que cada grupo ficou responsável por um tema para a produção da atividade. As áreas preestabelecidas foram: Arte, Esporte, Educação e Saúde. A proposta levou os estudantes a pesquisarem e refletirem sobre os temas diversos que seriam socializados através de uma página no Wix.com. Enquanto aprendiam a utilizar uma nova ferramenta digital, os estudantes ainda tinham uma experiência multimidiática, uma vez que essa plataforma on-line requer uso de textos, vídeos, fotografias, podcasts e outras mídias que o usuário ache pertinente para o conteúdo da página. A aplicação da atividade ocorreu em dois momentos distintos. No primeiro dia, a equipe visitou a Escola de Referência em Ensino Médio de Garanhuns que, já recém-contatada, havia selecionado internamente os estudantes para participação. A equipe deixou livre para a escola os critérios para esta seleção, e foram escolhidos os representantes de cada sala. Já com todos os participantes no laboratório de informática da escola, a equipe propôs uma dinâmica de integração para apresentação dos participantes. Em seguida foram apresentados os objetivos do trabalho, os conteúdos abordados, a metodologia que seria empregada nos dois dias de aplicação do projeto e foi levantado um pequeno debate sobre a importância dos recursos digitais para aprendizagem e para o letramento digital dos alunos. Ao final, os estudantes se mostraram motivados para imergir no trabalho. A etapa seguinte consistiu na apresentação da ferramenta adotada para o trabalho: o Wix.com. Um dado que chamou atenção da equipe foi o fato de apenas um participante ter ouvido falar desta plataforma para criação de sites, sem, contudo, jamais ter tido contato direto com ela. Neste momento os alunos participantes puderam conhecer a ferramenta através de um passo a passo objetivo e ilustrado de como entrar no site, fazer login, manusear as principais ferramentas e explorar as funcionalidades da

12 plataforma, desde a concepção do que pretende ser comunicado até a apresentação visual e didática, disposição dos elementos e criação de possibilidades de navegação (de acordo com a Figura 1). Figura 1: Estudantes sendo treinados para o trabalho com a Plataforma Wix Foto: Ubiralange Araújo Cumprida esta etapa, a equipe dividiu os grupos, definiu os temas e explicou como seria a atividade que os participantes precisariam desenvolver. Com cada grupo formado, o tempo que restou da visita foi destinado para a primeira tarefa da equipe: realizar um planejamento do site que iriam criar. Eles receberam um modelo sucinto de planejamento em que precisaram registrar o nome dos integrantes da equipe, o tema que iriam desenvolver, o nome do site e a metodologia que iriam adotar na produção do site. Cada equipe ficou com a responsabilidade de pesquisar na internet o conteúdo para o seu site e levar para o próximo encontro. A proposta foi que este

13 conteúdo contemplasse quantas mídias fossem possíveis para apresentação do tema. O primeiro encontro foi encerrado com uma avaliação oral dos participantes sobre as atividades cujo resultado foi bastante positivo. A equipe registrou os contatos de todos os participantes, distribuiu o material da apresentação apostilas contendo os slides projetados -, criou um grupo no Facebook para dar suporte e deixou também disponível na rede a apresentação com o passo a passo da criação do site para todos os grupos. No segundo encontro, a equipe encontrou algumas dificuldades para realização da atividade. Dos quatro grupos formados no encontro anterior, apenas um cumpriu com a tarefa de pesquisar previamente o conteúdo: o grupo responsável pela área de Arte. Este grupo, inclusive, estava com o trabalho pronto já no início da atividade e, a pedido da equipe, apresentou o resultado, o que motivou os demais participantes. Figura 2: Estudantes produzindo os sites Foto: Raphael Lopes

14 O não cumprimento da tarefa de pesquisar previamente o conteúdo para o site foi agravado pelas condições da conexão de internet da escola no dia. A solução encontrada foi usar a rede sem fio através dos notebooks da equipe e de alguns participantes. Dessa forma, foi possível que cada grupo tivesse seu equipamento para desenvolver a atividade. Ao final da produção, foi realizada uma avaliação on-line, através do Google Docs, composta por 25 campos de resposta, dos quais 23 eram de múltipla escolha e dois de escrita, visto que os dois primeiros campos tratavam-se do nome e série e turma dos participantes respectivamente. A realização dessa avaliação ficou para a última visita, quando fosse concluído todo o trabalho, mas em virtude da oscilação da rede não foi possível que todos os participantes presentes respondessem o questionário. Sendo assim, disponibilizamos o formulário no grupo do Facebook para aqueles que ainda não tivessem feito. Dos nove participantes presentes na última visita, três conseguiram responder o questionário ao final da atividade, faltando serem registradas as respostas de seis participantes, que se comprometeram a responder em casa. No entanto, nem todos responderam. Dos seis restantes, apenas três o fizeram. Os resultados da avaliação foram muito positivo para a equipe, pois todos os respondentes apontaram satisfação com o projeto desenvolvido de modo geral. As Figuras 3, 4 e 5 abaixo a apresentam as páginas dos sites criados pelos alunos

15 Figura 3: Site produzido pelo grupo de Arte. Tema: a história da fotografia em preto e branco. O grupo utilizou imagens e textos. Foto: Print de tela Figura 4: Site produzido pelo grupo de Educação. Tema: literatura. Foram utilizados imagens e textos. Foto: Print de tela

16 Figura 5: Site produzido pelo grupo de Esportes. Tema: a história do futebol Foto: Print de tela Considerações Finais O compromisso da chamada Sociedade da Informação necessariamente passa pela formação do aluno na escola porque é nesse espaço de maior alcance que é possível letrar digitalmente um grande número de sujeitos através da inserção da tecnologia no espaço escolar. O desenvolvimento deste projeto na sala de aula e o contato direto com os estudantes possibilitaram a percepção de que as novas tecnologias da informação e comunicação já estão inseridas no cotidiano dos estudantes que constituíram a amostra pesquisada, sob o ponto de vista de diversas atividades de lazer e entretenimento que compõem suas rotinas. Isso facilitou a introdução, no ambiente escolar, de recursos tecnológicos aplicados como suporte para a educação, a fim de auxiliar o professor no processo de ensino-aprendizagem dos alunos

17 A partir disso, o projeto Criando Um Site Com O Wix cumpriu com o objetivo de apresentar a um grupo de estudantes do ensino médio da cidade de Garanhuns-PE a plataforma Wix como ferramenta pedagógica, assim como ensinálos a manusear os recursos disponíveis na página para construir uma página na internet. Ao passo que os estudantes foram sendo apresentados a uma nova atividade em ambiente virtual, transpuseram barreiras da exclusão digital, obtiveram contato com formas digitais de produção de conhecimento e se tornam coautores na efetivação do processo de ensino-aprendizagem. Todo o trabalho visou à utilização da plataforma na construção e socialização do conhecimento dos próprios alunos na rede mundial de computadores. A experiência, as avaliações dos estudantes e seus depoimentos demonstraram que eles ficaram interessados e motivados com o trabalho na plataforma Wix principalmente por dois motivos. O primeiro deles foi o contato com material didático digital que, longe das formas tradicionais de aprender, causou curiosidade sobre a aplicação de recursos habitualmente utilizados por eles para o entretenimento nas atividades formais da escola. Além da possibilidade de interação direta e autônoma com a informação, participando de processos de busca guiados, mas não tutelados nem tampouco limitados. O segundo foi a oportunidade de produzir o próprio conteúdo. No momento em que foram orientados a pesquisar, planejar e produzir o material que disponibilizaram na rede, os estudantes mostraram entusiamo por se sentirem autores do conhecimento, e não apenas receptores. Nesta condição, eles colocaram-se de maneira mais ativa face à coleta e processamento das informações, personalizando o conteúdo a partir de seus conhecimentos prévios com liberdade e criatividade. A aplicação da atividade foi fundamental para observar que o uso das tecnologias na educação é viável e substancialmente importante para o preparo frente aos novos desafios da educação hoje

18 Referências GASPERETTI, Marco. Computador na Educação: Guia para o ensino com as novas tecnologias. 1.ed. São Paulo: Esfera, p. JORDÃO, Teresa Cristina. Recursos Virtuais de Aprendizagem. Tecnologias na Educação, v. 1, n. 1, KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. 9.ed. Campinas-SP: Papirus, p. LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34 Ltda, MARCUSCHI, Luiz Antônio. O Hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. Linguagem & Ensino, v. 2, n. 2, p , SOARES, Magda.Novas Práticas de Leitura e Escrita: Letramento na Cibercultura. Educ. Soc., v. 23, n. 81, p , WERTHEIN, Jorge. A Sociedade da Informação e Seus Desafios. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p , XAVIER, A. C. S. Letramento Digital e ensino. In: SANTOS, Carmi Ferraz & MENDONÇA, Márcia. Alfabetização e Letramento: conceitos e relações. Belo Horizonte: Autêntica,

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ELABORAÇÃO DE MATERIAL, TUTORIA E AMBIENTES VIRTUAIS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Portal de conteúdos. Tecnologia a serviço da educação

Portal de conteúdos. Tecnologia a serviço da educação Portal de conteúdos Tecnologia a serviço da educação O trabalho do docente vai muito além do horário de aula. Estudantes possuem muitas atividades para pesquisar e não dispõem de fontes seguras. E se os

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO

MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL AS VANTAGENS DESSA MODERNA SISTEMÁTICA DO ENSINO SÃO: O PAPEL DO ALUNO PROFESSOR TUTOR AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ACESSO AO AMBIENTE

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Sumário Apresentação As Vantagens Dessa Moderna Sistemática do Ensino O Papel do Aluno Professor Tutor Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Dúvidas e Suporte

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Sumário Apresentação Ambiente Virtual As Vantagens Dessa Moderna Sistemática do Ensino O Papel do Aluno Professor Tutor Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade Amélia Maria Rodrigues Oliveira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) amelia.amiga@hotmail.com Joelson Alves Soares Universidade Estadual

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais

JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais O SENAI estimula e aperfeiçoa as tecnologias educacionais para suprir as necessidades

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS INTERATIVIDADE NA ESCOLA O USO DO APLICATIVO WHATSAPP COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE GEOGRAFIA DO ENSINO

Leia mais

Disciplina: Ambientes Sociotécnicos para Ensino/Aprendizagem de Línguas Professora: Dra. Maria Raquel de A. Bambirra Aluna: Ednalva Pereira da Silva

Disciplina: Ambientes Sociotécnicos para Ensino/Aprendizagem de Línguas Professora: Dra. Maria Raquel de A. Bambirra Aluna: Ednalva Pereira da Silva Disciplina: Ambientes Sociotécnicos para Ensino/Aprendizagem de Línguas Professora: Dra. Maria Raquel de A. Bambirra Aluna: Ednalva Pereira da Silva O uso Wallwisher/Padlet no ensino de L2 e sua complexidade

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

O CIBERESPAÇO NO ENSINO E GEOGRAFIA: A PROBLEMÁTICA DO USO/DESUSO DO GOOGLE EARTH EM ESCOLAS PÚBLICAS DE DIAMANTINA

O CIBERESPAÇO NO ENSINO E GEOGRAFIA: A PROBLEMÁTICA DO USO/DESUSO DO GOOGLE EARTH EM ESCOLAS PÚBLICAS DE DIAMANTINA O CIBERESPAÇO NO ENSINO E GEOGRAFIA: A PROBLEMÁTICA DO USO/DESUSO DO GOOGLE EARTH EM ESCOLAS PÚBLICAS DE DIAMANTINA Bernadeth Rocha de Araujo bernarocha2006@yahoo.com.br Bacharel em Humanidades e Licencianda

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA

IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA QUARESMA, Cíndia Rosa Toniazzo 1 Palavras-chave: Formação de Professores,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

A Aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no Ambiente Escolar

A Aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no Ambiente Escolar A Aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no Ambiente Escolar Tatiana Medeiros Cardoso Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de Maio, 141 95.520-000 Osório RS Brasil tati.info@gmail.com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO ADMINISTRATIVA INTEGRADA A TECNOLOGIA UnC INTRODUÇÃO A UnC interage com um mundo organizacional competitivo, inclusive com sua própria estrutura administrativa e geográfica que

Leia mais

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL Alcione Cappelin alcionecappelin@hotmail.com Cristiane Straioto Diniz cstraioto@gmail.com Eloisa Rosotti Navarro eloisa-rn@hotmail.com Renata Oliveira Balbino rebalbino@yahoo.com.br

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS SAYONARA RAMOS MARCELINO FERREIRA QUIRINO (UEPB) WILAVIA FERREIRA ALVES (UEPB) RAFAELA CORREIA DOS SANTOS (UEPB) PAULA ALMEIDA DE CASTRO (ORIENTADORA

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

TREINAMENTO WEB AO VIVO MANUAL DO ALUNO

TREINAMENTO WEB AO VIVO MANUAL DO ALUNO TREINAMENTO Prezado Aluno, Seja bem-vindo ao Grupo Impacta Tecnologia. A partir de agora você receberá instruções para participar com muita qualidade do nosso treinamento na modalidade. Este manual tem

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Unidade III TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Google: um mundo de oportunidades Os conteúdos abordados neste modulo são: Google: Um mundo de oportunidades;

Leia mais

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO 63 TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CARLOS FERNANDO DE ARAUJO JR 1 ÁDERSON GUIMARÃES PEREIRA 2 RESUMO O trabalho procura demonstrar que a aplicação das tecnologias

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Educação a Distância Definições

Educação a Distância Definições Educação a Distância Definições Educação a distância é o processo de ensino-aprendizagem, mediado por tecnologias, onde professores e alunos estão separados espacial e/ou temporalmente; Visa a interação

Leia mais

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO 1. Identificação do proponente 1.1. Nome: Moeses Andrigo Danner 1.2. Vínculo com a instituição: Docente permanente 1.3. Coordenação /

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz Como criar e editar Blogs Manual Básico do Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz São Carlos Setembro / 2008 Sumário Introdução...3 Criando um Blog no Edublogs...4

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais