Projeto Criando um Site com Wix

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Criando um Site com Wix"

Transcrição

1 Projeto Criando um Site com Wix Felipe de Luna Berto 1 (UFRPE) Emerson Morais Raimundo 2 (UFRPE) Aliete Gomes Carneiro Rosa 3 (UFRPE) Resumo: Este trabalho tem como objetivo relatar experiência de projeto realizado com estudantes de escola pública da cidade de Garanhuns-PE. O trabalho fez uso de ferramentas digitais, proporcionando aos alunos a experiência de aprendizagem por meio da plataforma WIX para criação de sites. 12 estudantes do Ensino Médio, divididos em grupos, interagiram com a plataforma e desenvolveram sites para consolidação e comunicação do resultado de suas pesquisas sobre quatro áreas temáticas relativas ao currículo do ensino médio. O projeto trouxe ainda como proposta a vivência multimidiática no planejamento, coleta, processamento e comunicação das informações estudadas pelas equipes. Os resultados apontam para o reconhecimento dos próprios estudantes sobre a importância da produção de conteúdo para a internet em que os mesmos se percebem como protagonistas e coautores na construção do conhecimento enquanto processo comunicativo. Palavras-chave: Plataforma WIX; Letramento Digital; Ensino; Tecnologia. Abstract: This project has the major point to report the experience made with students in public school in Garanhuns -PE. The paper made use of digital tools like the Wix platform, promoting to students the experience of learning to creating websites. Twelve high school students, was divided into groups to handle the platform and develop sites for consolidation and communication the result of his research about four themes related to high school. The project also brought as proposed other ways to experience in the planning, collection, processing and communication of information between studied by groups. The major effect this project was have made of the students notice the importance of producing for the internet in which they could notice themselves as protagonists and co-authors to making of knowledge as a communicative process. Keywords : WIX Platform, Digital Literacy, Teaching, Technology. 1 Felipe de Luna BERTO Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) 2 Emerson Morais RAIMUNDO Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) 3 Aliete Gomes Carneiro ROSA (Orientadora) Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) - 1 -

2 Introdução As constantes transformações tecnológicas inerentes ao mundo contemporâneo trazem a cada dia a necessidade de atualização dos processos e mecanismos que movem as novas atividades humanas de convivência e trabalho, dentre elas, a educação. Em uma sociedade que está cada vez mais interligada e movida pelos meios digitais de trocas de informação, a necessidade de treinamento para estar incluso nesta realidade é cada vez maior. Neste sentido, a educação tem a função de auxiliar o desenvolvimento de habilidades para que o maior número de pessoas esteja preparado para enfrentar os desafios do mundo digital (XAVIER, 2005). Também de acordo com Xavier (2005), é devido a isso que diversos estudiosos do tema têm desenvolvido o conceito de Letramento Digital: Este novo letramento, segundo eles, considera a necessidade do (sic) indivíduos dominarem um conjunto de informações e habilidade mentais que devem ser trabalhadas com urgência pelas instituições de ensino, a fim de capacitar o mais rápido possível os alunos a viverem como verdadeiros cidadãos neste novo milênio cada vez mais cercado por máquinas eletrônicas e digitais. (XAVIER, p.01). Esta, que pode ser chamada de Sociedade da Informação, tem desafiado também a escola às práticas digitais para apropriação de conhecimento (WERTHEIN, 2000), assim como para o desenvolvimento do letramento digital dos alunos, tornando os suportes digitais um aliado para as práticas de leitura e escrita (XAVIER, 2005). O trabalho com objetos virtuais de aprendizagem, portanto, é hoje uma prática de ensino fundamental para envolver e familiarizar os educandos com as novas Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). O uso dessas TICs na prática pedagógica, ao passo que torna o mundo digital mais acessível e palpável para diferentes realidades culturais e classes sociais, ainda impulsiona o processo de - 2 -

3 ensino-aprendizagem, ajudando a melhorar a aquisição do conhecimento pelos estudantes e tornando o ato de aprender mais interativo, descentralizado e com maior riqueza de informações. Imbuído das reflexões sobre a sociedade da informação, letramento digital e do uso das tecnologias na educação, este trabalho relata experiência de utilização da Plataforma Wix para criação de sites como objeto virtual de aprendizagem, com um grupo de estudantes da Escola de Referência em Ensino Médio de Garanhuns, em Pernambuco. Para referencial teórico, usamos a noção sobre Sociedade da Informação conforme pensada por Werthein (2000), o conceito de tecnologia e suas implicações na produção humana dado por Kenski (2012), as contribuições de Xavier (2005) e Soares (2002) sobre o conceito de letramento digital e a perspectiva de cibercultura levantada por Pierre Lévy (1999), dentre outros. Sociedade Tecnológica e Ensino Aspectos sociais, de produção e de relação entre pessoas na sociedade dos últimos anos têm apontado para diferenças substanciais entre a sociedade industrial e massificada que a antecedeu. De acordo com Kenski (2012), a personificação das iniciativas de comunicação e as novidades nas interações com a informação podem caracterizar esta nova sociedade. Estudiosos do assunto têm buscado explicar aspectos que definam este novo modelo de sociedade, através de uma base elementar que funcione como uma espécie de condição de existência para ela. Tortajada e Pelaez (1997, p. 252 apud KENSKI 2012, p ) respondem a esta questão afirmando que o elemento comum subjacente aos diversos aspectos de funcionamento das sociedades emergentes é o tecnológico

4 Para entender esta base comum, é preciso compreender antes o que é tecnologia. Para (KENSKI, 2012, p. 18), esta questão é respondida como o conjunto de conhecimentos e princípios científicos que se aplicam ao planejamento, à construção e à utilização de um equipamento em um determinado tipo de atividade. A autora utiliza também o Dicionário de filosofia de Nicola Abbagano (1982) para conceituar tecnologia, afirmando que ela é o estudo dos processos técnicos de um determinado ramo de produção industrial ou de mais ramos. (ABBAGANO, 1982, p. 906 apud KENSKI, 2012, p. 19). O senso comum traz enraizada uma concepção de tecnologia baseada apenas na ideia de equipamentos físicos. No entanto, alguns espaços ou produtos são utilizados como suportes para que ações de comunicação ocorram. Um exemplo são as tecnologias da comunicação e da informação. Através de seus suportes aqui consideradas como os meios de comunicação -, elas possibilitam a realização do acesso e da veiculação de informações e outras práticas comunicativas. (KENSKI, 2012). Se a tecnologia é base comum para o estabelecimento de uma nova sociedade baseada na informação, as novas tecnologias da informação de comunicação (TICs), enquanto mídias (meios), podem ser entendidas como algo a mais do que meros suportes: Elas [as novas tecnologias da informação e comunicação] interferem em nosso modo de pensar, sentir, agir, de nos relacionarmos socialmente e adquirirmos conhecimentos. Criam uma nova cultura e um novo modelo de sociedade. As mídias há muito tempo abandonaram suas características de mero suporte tecnológico e criaram suas próprias lógicas, suas linguagens e maneiras particulares de comunicar-se com as capacidades perceptivas, emocionais, cognitivas, intuitivas e comunicativas das pessoas. (KENSKI, 2012, p. 22). O desenvolvimento das pesquisas sobre o assunto vem contribuindo substancialmente na atualização e aperfeiçoamento dos processos de educação

5 Isso porque os estudiosos estão percebendo cada vez mais a relação entre tecnologia, comunicação e a atividade de educar. Para Gasparetti (2001), é possível criar sinergia entre o campo que compreende os estudos sobre comunicação, no que diz respeito, mais especificamente, às mídias, e as áreas de estudo da educação. Para ele, educar é substancialmente um processo de comunicação, que não é unívoco, mas é bidirecional. Comunicar pressupõe dispor de técnicas eficientes e, provavelmente, de uma certa predisposição (GASPERETTI, 2001, p. 21). Kenski (2012) atenta para a velocidade com que comportamentos e práticas de comunicação de informação e saberes são alterados. Neste movimento, a compreensão da educação enquanto processo comunicativo reflete nas maneiras convencionais de educar. Como as tecnologias estão permanentemente em mudança, o estado permanente de aprendizagem é consequência natural do momento social e tecnológico que vivemos. O atual estágio dessa sociedade tecnológica, baseado nas possibilidades de articulação entre diferentes mídias para acesso a informação e comunicação, caracteriza-se também pela articulação global do mercado econômico mundial. (KENSKI, 2012, p. 26). Neste sentido, é importante pensar que é tarefa desta nova sociedade estar aberta para novas práticas de educação, frutos de mudanças nas formas de ensinar e aprender sob a influência da tecnologia à disposição hoje (KENSKI, 2012). Se pensarmos sobre o que está disponível hoje no universo de equipamentos e meios tecnológicos, encontramos o computador e a internet como aliados em potencial nas práticas de ensino. Esses dispositivos tornam possíveis formas sociais e de comunicação inéditas, vistas apenas com o advento e intensificação do uso das novas tecnologias (XAVIER, 2005). A rede mundial de computadores traz experiências de conhecimento que excedem os limites físicos da sala de aula e dos materiais didáticos analógicos. Segundo Gasparetti (2001, p. 47), a internet é um mundo em que se pode viver - 5 -

6 uma outra forma de experiência, virtual, paralela à real, mas sempre de grande impacto emotivo, cultural e didático. Uma dessas experiências é a potencialização do hipertexto como forma de leitura. Para Marcuschi (2001, p. 83), fala-se em hipertexto quando: Um tal texto consiste numa rede de múltiplos segmentos textuais conectados, mas não necessariamente por ligações lineares. O escritor de um hipertexto produz uma série de previsões para ligações possíveis entre segmentos, que se tornam opções de escolha para os hipernavegadores. Compreendendo-o como ferramenta de aprendizagem, Xavier (2005) afirma que através do hipertexto estudantes se tornam mais autônomos na recepção e construção das informações às quais estão sendo expostos. Isto porque a ação de leitura ganha um caráter muito mais exploratório e autodescobridor. Para ele, as funções de autor e leitor são exercidas simultaneamente pelos usuários da internet, uma vez que a eles é dada a possibilidade de clicar em links dispostos na página e assim escolher o que vão ler (XAVIER, 2005). É interessante notar que esta navegação entre textos, na internet, não se restringe apenas à linguagem verbal. O computador possibilitou a convergência de diversas outras mídias que, buscadas pelo navegante e associadas por temas, constroem uma leitura mais dinâmica e interativa para quem procura a informação. Chega-se aí no conceito de Multimídia, defendido por Gasparetti (2001, p. 36) como uma linguagem que usa vários códigos de comunicação: visual, textual, sonoro. Quando há interatividade do receptor com as informações vindas de diferentes meios, passa-se a falar em multimídia secundária. Com a oportunidade de interagir, existe implicitamente a possibilidade de criarmos, em tempo real, o que nos torna protagonistas do processo multimídia (GASPERETTI, 2001, p. 36). Esta possibilidade de interação é o que torna o processo de ensinar e aprender mais democrático e descentralizado, introduzindo ao papel de estudante a concepção de coautor do conhecimento. O estudante deixa de ser um indivíduo - 6 -

7 vazio, passível apenas de recepção de conteúdos, para se tornar fundamentalmente ativo na ação de aprender. Nesta direção, já que o conhecimento está progressivamente além do monopólio da escola e da universidade para estar presente nas atividades sociais das pessoas, cabe aos sistemas públicos de educação a orientação dos percursos de aprender e a contribuição nas descobertas dos saberes inerentes às pessoas (LEVY, 1999). Tudo isto só pode ocorrer se houver nos professores e nos estudantes a habilidade de compreender a linguagem digital e, sobretudo, a capacidade de enxergar este processo de forma crítica e livre de automatizações. Bases para o conceito de Letramento Digital. Letramento Digital e Objetos Virtuais de Aprendizagem A prática social de ler e escrever que confere a um indivíduo a capacidade de participar ativa e criticamente em uma sociedade na qual estas habilidades sejam essenciais para interação, formação de atitudes e competências cognitivas que o incluam numa sociedade letrada é o que Soares (2002) considera como letramento. A experimentação de novas práticas de leitura e escrita proporcionada pelo advento das tecnologias da informação e comunicação tem chamado a atenção para uma ampliação deste conceito para o digital (SOARES, 2002). É possível que alguém devidamente alfabetizado e letrado ainda seja um iletrado digital. A condição de existência do letramento digital são os usos dados à leitura e à escrita de textos quer verbais (textos) ou não verbais (imagens e ilustrações) em que o suporte é a tela, ou seja, um meio digital (XAVIER, 2005). Tal experimentação cria um ambiente propício para entender, através da comparação, se esta forma de letramento efetivamente conduz a um estado ou condição distintos das formas tradicionais de letramento na cultura do papel - 7 -

8 (SOARES, 2002). Sobre esta questão, Xavier (2005) defende que é possível perceber, sim, uma maneira nova de aprender. Nesse sentido, o autor nota que Crianças e adolescentes que estão se auto letrando pela Internet desafiam os sistemas educacionais tradicionais e propõem, pelo uso constante da rede mundial de computadores, um jeito novo de aprender. Esta nova forma de aprendizagem se caracterizaria por ser mais dinâmica, participativa, descentralizada (da figura do professor) e pautada na independência, na autonomia, nas necessidades e nos interesses imediatos de cada um dos aprendizes que são usuários freqüentes das tecnologias de comunicação digital. (XAVIER, 2005, p. 3). O conceito de letramento digital, quando entendido como um dos novos desafios da escola contemporânea, traz consigo a necessidade do planejamento e da aplicação de mecanismos didáticos também diferenciados nas práticas de ensino. A estes recursos suplementares que podem ser reutilizados para fortalecer o processo de aprendizagem, Tarouco (2003 apud JORDÃO, 2008) atribui o nome de objeto virtual de aprendizagem. Para ela, o termo geralmente se aplica a materiais educacionais projetados e construídos em pequenos conjuntos com vista a maximizar as situações de aprendizagem onde o recurso pode ser utilizado (TAROUCO, 2003, p. 2 apud JORDÃO, 2008, p. 2). Ainda de acordo com Tarouco (2003 apud JORDÃO, 2008), os objetos virtuais de aprendizagem seguem algumas características. A primeira delas é o estabelecimento de metadados, que são o conjunto de aspectos capazes de caracterizar o objeto e catalogá-lo de forma que seja facilmente encontrado por outros usuários. Outra característica é a reutilização uma vez que os objetos de aprendizagem devem ser potencialmente aplicáveis em diferentes situações e por pessoas distintas. Quando esta reutilização se estende às plataformas de uso, estamos falando em interoperabilidade, outra característica que defende a possibilidade do objeto de aprendizagem ser compatível com diferentes - 8 -

9 plataformas. E, por último, a durabilidade que permitirá o uso do objeto de aprendizagem em rede por maior tempo no que respeita ao uso. A Plataforma Wix Para Criação de Sites O Wix é hoje a única plataforma de criação de sites do tipo "arrastar e soltar" que oferece recursos em HTML5, além de centenas de templates prontos, isto é, modelos de designs de sites os quais podem ser personalizados pelo criador do site, permitindo a troca de cores, textos, fotos etc. Além disso, oferece hospedagem profissional totalmente grátis e aplicativos inovadores, como por exemplo, as redes sociais, que permitem integração com o site. Outros serviços também são oferecidos pela plataforma, como a disponibilização do site para smatphones, a criação de blogs e um serviço Premium, o qual é pago por oferecer algumas funcionalidades extras que não são oferecidas para o serviço gratuito. No entanto, todas as funções liberadas no serviço nesta modalidade permitem a construção de qualquer site. Ao entrar no site da plataforma, deve-se primeiramente realizar o login se já for registrado(a) ou então fazer o registro para ter acesso à construção de sites. Feita a identificação, o ambiente automaticamente redireciona o usuário para a página de templates e lá ele tem a opção de escolher aquele que melhor se encaixa a seu projeto, guiando-se pelas categorias que ficam em um menu vertical. Escolhido o template, o usuário irá para a página de edição clicando no botão Editar. Neste momento a página de edição deverá ser carregada. Após o carregamento, o template escolhido é visualizado seguido de quatro menus básicos, que ajudarão o usuário a personalizar o seu site. Dos quatro menus disponíveis, existe apenas um menu vertical, que é também o mais importante, pois é ele que possibilita adicionar fotos, vídeos, aplicativos etc., além de permitir personalizar o site adicionando novas cores ou mudando-as, escolher tipos de - 9 -

10 fontes, backgrounds imagens de fundo - etc. Os outros três menus, que são horizontais e ficam no topo superior da tela, têm poucas funções, mas todas são importantes para o processo de personalização. Da esquerda para direita, o primeiro deles permite apenas a mudança de páginas para que seja feita a edição. O segundo possui seis funções, que realizam tarefas básicas como refazer ou desfazer uma ação, copiar, colar etc. E o terceiro e último, permite ao usuário, pré-visualizar seu site, salvá-lo, publicá-lo e/ou mudá-lo da versão gratuita para a versão paga. Utilizando a plataforma Wix, é possível criar sites para fotógrafos, músicos, pequenos empresários, empreendedores, estudantes, escolas, entre outros, pois o site disponibiliza centenas de templates prontos que são separados por categoria e destinados a todos que desejam construir sua página na internet, seja pessoa física ou jurídica. Métodos e Resultados Este projeto é resultado de atividades desenvolvidas na disciplina Tecnologia e Linguagem ministrada no curso de Letras da UFRPE-UAG que tem como objetivo desenvolver competências para o uso do computador como ferramenta para trabalho acadêmico e para fins de ensino. As reflexões sobre o uso das mídias no ensino superior para os cursos de licenciatura permitem que o aluno neste contexto reflita sobre as implicações dos usos das tecnologias da informação na escola. Ao longo das discussões na academia, os discentes são estimulados à elaboração de propostas de uso do computador que devem ser aplicadas em escolas públicas com estudantes do Ensino Fundamental e Médio. Assim, este projeto consistiu na apresentação do Wix.com para estudantes da Escola de Referência em Ensino Médio de Garanhuns (EREMG) como ferramenta de trabalho baseada na interatividade, participação, colaboração e auxílio na

11 compreensão de conteúdos vivenciados em sala de aula. Treze alunos foram convidados a conhecer e manusear a plataforma, sendo divididos em grupos em que cada grupo ficou responsável por um tema para a produção da atividade. As áreas preestabelecidas foram: Arte, Esporte, Educação e Saúde. A proposta levou os estudantes a pesquisarem e refletirem sobre os temas diversos que seriam socializados através de uma página no Wix.com. Enquanto aprendiam a utilizar uma nova ferramenta digital, os estudantes ainda tinham uma experiência multimidiática, uma vez que essa plataforma on-line requer uso de textos, vídeos, fotografias, podcasts e outras mídias que o usuário ache pertinente para o conteúdo da página. A aplicação da atividade ocorreu em dois momentos distintos. No primeiro dia, a equipe visitou a Escola de Referência em Ensino Médio de Garanhuns que, já recém-contatada, havia selecionado internamente os estudantes para participação. A equipe deixou livre para a escola os critérios para esta seleção, e foram escolhidos os representantes de cada sala. Já com todos os participantes no laboratório de informática da escola, a equipe propôs uma dinâmica de integração para apresentação dos participantes. Em seguida foram apresentados os objetivos do trabalho, os conteúdos abordados, a metodologia que seria empregada nos dois dias de aplicação do projeto e foi levantado um pequeno debate sobre a importância dos recursos digitais para aprendizagem e para o letramento digital dos alunos. Ao final, os estudantes se mostraram motivados para imergir no trabalho. A etapa seguinte consistiu na apresentação da ferramenta adotada para o trabalho: o Wix.com. Um dado que chamou atenção da equipe foi o fato de apenas um participante ter ouvido falar desta plataforma para criação de sites, sem, contudo, jamais ter tido contato direto com ela. Neste momento os alunos participantes puderam conhecer a ferramenta através de um passo a passo objetivo e ilustrado de como entrar no site, fazer login, manusear as principais ferramentas e explorar as funcionalidades da

12 plataforma, desde a concepção do que pretende ser comunicado até a apresentação visual e didática, disposição dos elementos e criação de possibilidades de navegação (de acordo com a Figura 1). Figura 1: Estudantes sendo treinados para o trabalho com a Plataforma Wix Foto: Ubiralange Araújo Cumprida esta etapa, a equipe dividiu os grupos, definiu os temas e explicou como seria a atividade que os participantes precisariam desenvolver. Com cada grupo formado, o tempo que restou da visita foi destinado para a primeira tarefa da equipe: realizar um planejamento do site que iriam criar. Eles receberam um modelo sucinto de planejamento em que precisaram registrar o nome dos integrantes da equipe, o tema que iriam desenvolver, o nome do site e a metodologia que iriam adotar na produção do site. Cada equipe ficou com a responsabilidade de pesquisar na internet o conteúdo para o seu site e levar para o próximo encontro. A proposta foi que este

13 conteúdo contemplasse quantas mídias fossem possíveis para apresentação do tema. O primeiro encontro foi encerrado com uma avaliação oral dos participantes sobre as atividades cujo resultado foi bastante positivo. A equipe registrou os contatos de todos os participantes, distribuiu o material da apresentação apostilas contendo os slides projetados -, criou um grupo no Facebook para dar suporte e deixou também disponível na rede a apresentação com o passo a passo da criação do site para todos os grupos. No segundo encontro, a equipe encontrou algumas dificuldades para realização da atividade. Dos quatro grupos formados no encontro anterior, apenas um cumpriu com a tarefa de pesquisar previamente o conteúdo: o grupo responsável pela área de Arte. Este grupo, inclusive, estava com o trabalho pronto já no início da atividade e, a pedido da equipe, apresentou o resultado, o que motivou os demais participantes. Figura 2: Estudantes produzindo os sites Foto: Raphael Lopes

14 O não cumprimento da tarefa de pesquisar previamente o conteúdo para o site foi agravado pelas condições da conexão de internet da escola no dia. A solução encontrada foi usar a rede sem fio através dos notebooks da equipe e de alguns participantes. Dessa forma, foi possível que cada grupo tivesse seu equipamento para desenvolver a atividade. Ao final da produção, foi realizada uma avaliação on-line, através do Google Docs, composta por 25 campos de resposta, dos quais 23 eram de múltipla escolha e dois de escrita, visto que os dois primeiros campos tratavam-se do nome e série e turma dos participantes respectivamente. A realização dessa avaliação ficou para a última visita, quando fosse concluído todo o trabalho, mas em virtude da oscilação da rede não foi possível que todos os participantes presentes respondessem o questionário. Sendo assim, disponibilizamos o formulário no grupo do Facebook para aqueles que ainda não tivessem feito. Dos nove participantes presentes na última visita, três conseguiram responder o questionário ao final da atividade, faltando serem registradas as respostas de seis participantes, que se comprometeram a responder em casa. No entanto, nem todos responderam. Dos seis restantes, apenas três o fizeram. Os resultados da avaliação foram muito positivo para a equipe, pois todos os respondentes apontaram satisfação com o projeto desenvolvido de modo geral. As Figuras 3, 4 e 5 abaixo a apresentam as páginas dos sites criados pelos alunos

15 Figura 3: Site produzido pelo grupo de Arte. Tema: a história da fotografia em preto e branco. O grupo utilizou imagens e textos. Foto: Print de tela Figura 4: Site produzido pelo grupo de Educação. Tema: literatura. Foram utilizados imagens e textos. Foto: Print de tela

16 Figura 5: Site produzido pelo grupo de Esportes. Tema: a história do futebol Foto: Print de tela Considerações Finais O compromisso da chamada Sociedade da Informação necessariamente passa pela formação do aluno na escola porque é nesse espaço de maior alcance que é possível letrar digitalmente um grande número de sujeitos através da inserção da tecnologia no espaço escolar. O desenvolvimento deste projeto na sala de aula e o contato direto com os estudantes possibilitaram a percepção de que as novas tecnologias da informação e comunicação já estão inseridas no cotidiano dos estudantes que constituíram a amostra pesquisada, sob o ponto de vista de diversas atividades de lazer e entretenimento que compõem suas rotinas. Isso facilitou a introdução, no ambiente escolar, de recursos tecnológicos aplicados como suporte para a educação, a fim de auxiliar o professor no processo de ensino-aprendizagem dos alunos

17 A partir disso, o projeto Criando Um Site Com O Wix cumpriu com o objetivo de apresentar a um grupo de estudantes do ensino médio da cidade de Garanhuns-PE a plataforma Wix como ferramenta pedagógica, assim como ensinálos a manusear os recursos disponíveis na página para construir uma página na internet. Ao passo que os estudantes foram sendo apresentados a uma nova atividade em ambiente virtual, transpuseram barreiras da exclusão digital, obtiveram contato com formas digitais de produção de conhecimento e se tornam coautores na efetivação do processo de ensino-aprendizagem. Todo o trabalho visou à utilização da plataforma na construção e socialização do conhecimento dos próprios alunos na rede mundial de computadores. A experiência, as avaliações dos estudantes e seus depoimentos demonstraram que eles ficaram interessados e motivados com o trabalho na plataforma Wix principalmente por dois motivos. O primeiro deles foi o contato com material didático digital que, longe das formas tradicionais de aprender, causou curiosidade sobre a aplicação de recursos habitualmente utilizados por eles para o entretenimento nas atividades formais da escola. Além da possibilidade de interação direta e autônoma com a informação, participando de processos de busca guiados, mas não tutelados nem tampouco limitados. O segundo foi a oportunidade de produzir o próprio conteúdo. No momento em que foram orientados a pesquisar, planejar e produzir o material que disponibilizaram na rede, os estudantes mostraram entusiamo por se sentirem autores do conhecimento, e não apenas receptores. Nesta condição, eles colocaram-se de maneira mais ativa face à coleta e processamento das informações, personalizando o conteúdo a partir de seus conhecimentos prévios com liberdade e criatividade. A aplicação da atividade foi fundamental para observar que o uso das tecnologias na educação é viável e substancialmente importante para o preparo frente aos novos desafios da educação hoje

18 Referências GASPERETTI, Marco. Computador na Educação: Guia para o ensino com as novas tecnologias. 1.ed. São Paulo: Esfera, p. JORDÃO, Teresa Cristina. Recursos Virtuais de Aprendizagem. Tecnologias na Educação, v. 1, n. 1, KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. 9.ed. Campinas-SP: Papirus, p. LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34 Ltda, MARCUSCHI, Luiz Antônio. O Hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. Linguagem & Ensino, v. 2, n. 2, p , SOARES, Magda.Novas Práticas de Leitura e Escrita: Letramento na Cibercultura. Educ. Soc., v. 23, n. 81, p , WERTHEIN, Jorge. A Sociedade da Informação e Seus Desafios. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p , XAVIER, A. C. S. Letramento Digital e ensino. In: SANTOS, Carmi Ferraz & MENDONÇA, Márcia. Alfabetização e Letramento: conceitos e relações. Belo Horizonte: Autêntica,

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: website; jornalismo online; comunicação organizacional.

PALAVRAS-CHAVE: website; jornalismo online; comunicação organizacional. Contribuições para a comunicação organizacional de um curso de Jornalismo: Website do Curso de Comunicação Social - Jornalismo da UFSJ 1 Priscila NATANY 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

MÍDIA INFORMÁTICA E INTERNET NA EDUCAÇÃO INFANTIL: USO DE BLOG ESCOLAR

MÍDIA INFORMÁTICA E INTERNET NA EDUCAÇÃO INFANTIL: USO DE BLOG ESCOLAR 88 MÍDIA INFORMÁTICA E INTERNET NA EDUCAÇÃO INFANTIL: USO DE BLOG ESCOLAR Karine Queiroz Lagranha karinelagranha@ig.com.br 1 Resumo Este artigo apresenta um estudo de caso com uma turma de educação infantil

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL HILDA TEIXEIRA GOMES VILMA GOMES SAMPAIO ctbiha@rioeduca.net INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF 1 INTRODUÇÃO Pensando em uma escola

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL

MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL Recife, 05/2009 Resumo Ivanda Maria Martins Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco (DEINFO-EAD/UFRPE) martins.ivanda@gmail.com

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Andreia Solange Bos 2 Rodrigo Moreira 3 Instituto Federal Farroupilha- Campus Alegrete Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí,

Leia mais

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como AS NOVAS MÍDIAS COMO FERRAMENTA SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS 1. INTRODUÇÃO Waleska da Graça Santos (UFS) O ensino de línguas, assim como em qualquer outra esfera do saber

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão UFMA jbbj@terra.com.br 29 de Outubro de 2013 Contexto

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador Maceió AL, maio/2009 Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas lpmercado@oi.com.br Categoria: B- Conteúdos e

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 Manual do Moodle para alunos (Versão 1.0) 29/Junho/2009 Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 O que é?... 3 Acesso... 4 Atualizando suas informações... 4 Enviando Mensagens... 5 Acessando os seus cursos...

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ensino. Matemática. App Inventor. Aplicativos.

PALAVRAS-CHAVE: Ensino. Matemática. App Inventor. Aplicativos. 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf A voz ao seu alcance! Software de comunicação aumentativa e alternativa para smartphone e tablet Projeto co financiado

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

Introdução à informática no curso de letras: formação e uso da tecnologia no ensino

Introdução à informática no curso de letras: formação e uso da tecnologia no ensino Introdução à informática no curso de letras: formação e uso da tecnologia no ensino Aliete Gomes Carneiro Rosa 1 (UFRPE/UFPE) Resumo: Este trabalho discute a disciplina Introdução à Informática no curso

Leia mais

definição, conceitos e passo a passo

definição, conceitos e passo a passo Sites e blogs: definição, conceitos e passo a passo Ana Paula Bossler Pedro Zany Caldeira Diego Venturelli Introdução O suporte de comunicação mais utilizado em todo o mundo é a Internet, um repositório

Leia mais

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS R E S U M O Ana Paula Domingos Baladeli * Anair Altoé ** O presente trabalho é um recorte da análise de dados realizada em pesquisa de Mestrado

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado

Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado Leandro Avelino de SOUSA¹; Samuel Pereira DIAS²; Wanda Luzia CHAVES³; ¹ Estudante de Ciências Biológicas. Instituto Federal Minas

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

O USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA O USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Resumo MELO, Sérgio Correa SEED/PR sergiomelloscm@gmail.com BRANCO, Eguimara Selma SEED/PR eguibranco@gmail.com Eixo Temático:

Leia mais

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante:

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante: Módulo A Introdutório - Bases legais, ao Curso políticas, e ao conceituais Ambiente Virtual e históricas da educação Apresentação Este módulo tem por objetivo promover o conhecimento do Ambiente Virtual

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

PASSO A PASSO GOOGLE DOCS - FORMULÁRIOS GOOGLE DOCS

PASSO A PASSO GOOGLE DOCS - FORMULÁRIOS GOOGLE DOCS CEEBJA - PALOTINA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS NRE- Toledo MUNICÍPIO: PALOTINA PASSO A PASSO GOOGLE DOCS - FORMULÁRIOS GOOGLE DOCS O Google Docs é uma das recentes ferramentas

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL COMO CONSEQUÊNCIA DA ELABORAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

LETRAMENTO DIGITAL COMO CONSEQUÊNCIA DA ELABORAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA LETRAMENTO DIGITAL COMO CONSEQUÊNCIA DA ELABORAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Verônica Ribas CÚRCIO (UFSC) 1 Resumo em português A elaboração dos materiais didáticos para cursos

Leia mais

Leitura e Escrita do Gênero Notícia em Ambiente Virtual 1

Leitura e Escrita do Gênero Notícia em Ambiente Virtual 1 Leitura e Escrita do Gênero Notícia em Ambiente Virtual 1 Andre Cordeiro dos Santos 2 (UFRPE-UAG/CAPES) Resumo: Este trabalho trata da leitura e da escrita do gênero notícia em ambiente virtual para formar

Leia mais

COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1

COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Projeto Experimental COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1 Leonardo Ferreira COSTA 2 Pablo

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ELABORAÇÃO DE MATERIAL, TUTORIA E AMBIENTES VIRTUAIS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projeto de Extensão. Blog. Participação do público alvo.

PALAVRAS-CHAVE Projeto de Extensão. Blog. Participação do público alvo. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

ANATOMIA EM FOCO: UTILIZAÇÃO DE UM BLOG PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE ANATOMIA HUMANA NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

ANATOMIA EM FOCO: UTILIZAÇÃO DE UM BLOG PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE ANATOMIA HUMANA NO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 OÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS Luiz Antonio Schalata Pacheco schalata@cefetsc.edu.br Sabrina Moro Villela Pacheco sabrinap@cefetsc.edu.br EDIÇÃO PRELIMINAR Sumário 1 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Práticas do letramento digital e do escolar no Módulo Introdutório do curso Mídias na Educação 1

Práticas do letramento digital e do escolar no Módulo Introdutório do curso Mídias na Educação 1 Práticas do letramento digital e do escolar no Módulo Introdutório do curso Mídias na Educação 1 Karine Viana AMORIM (UFCG) 2 Este trabalho objetiva identificar as práticas letradas (Barton & Hamilton,

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Compartilhamento de Arquivos no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução...

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA Elenice KOZIEL (UEM) [1] Márcio Roberto do PRADO (UEM) [2] Introdução É perceptível que os sujeitos da pós-modernidade estão conectados, dedicando

Leia mais

A Biotecnologia e a Coleta Seletiva Solidária numa abordagem CTS utilizando Recursos Digitais

A Biotecnologia e a Coleta Seletiva Solidária numa abordagem CTS utilizando Recursos Digitais A Biotecnologia e a Coleta Seletiva Solidária numa abordagem CTS utilizando Recursos Digitais Beatriz Pinheiro Pinto (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, biappinheiro@hotmail.com) Sandra

Leia mais

O TEXTO NA ESCOLA ATUAL: DO LIVRO PARA AS REDES SOCIAIS

O TEXTO NA ESCOLA ATUAL: DO LIVRO PARA AS REDES SOCIAIS 1 O TEXTO NA ESCOLA ATUAL: DO LIVRO PARA AS REDES SOCIAIS Ana Cátia Alves da Silva (Aluna do PROFLETRAS- UERN) anacatiacr@hotmail.com Ana Maria Fernandes ANACLETO (Aluna do PROFLETRAS-UERN) anamariauirauna@hotmail.com

Leia mais

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 Naziozênio A. LACERDA (UFPI/UFMG) 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho é relatar uma experiência de uso da tecnologia do hipertexto

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

O LETRAMENTO E A ALFABETIZAÇÃO COM APOIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

O LETRAMENTO E A ALFABETIZAÇÃO COM APOIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O LETRAMENTO E A ALFABETIZAÇÃO COM APOIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Eloísia Amaral Sena - UNEB Romário Pereira Carvalho- UNEB Resumo: O objetivo deste estudo é Analisar os recursos das

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE *

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * 1 A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * Valéria Jane Siqueira Loureiro (Universidade Federal de Sergipe) RESUMO: Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária

Leia mais

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como:

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como: Manual do Aluno É com muita satisfação que apresentamos o Reunir Unopar. Ambiente Virtual de Aprendizagem Colaborativa que tem por objetivo principal ser um espaço colaborativo de construção do conhecimento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Informática Educativa no Ensino da Matemática Estudo de Geometria com o Software GeoGebra.

Informática Educativa no Ensino da Matemática Estudo de Geometria com o Software GeoGebra. Informática Educativa no Ensino da Matemática Estudo de Geometria com o Software GeoGebra. Orientador: Sérgio Antônio Wielewski Autora: Veridiana Cristina Soares de Melo e-mail: veridianacsm@gmail.com

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL COMO AUXILIO AS METODOLOGIAS DE ENSINO

O USO DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL COMO AUXILIO AS METODOLOGIAS DE ENSINO ISSN 2316-7785 O USO DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL COMO AUXILIO AS METODOLOGIAS DE ENSINO Gabriel Souza Germann da Silva Universidade Federal de Pelotas germann.gabriel.mat@gmail.com Antônio

Leia mais

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Ingrid S. T. Silva Caio J. M. Veloso Ester E. Jeunon y Regina M. S. Moraes Resumo Este projeto teve como propósito

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Plano de Curso 2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Plano de Curso 2012 1. EMENTA Origem e desenvolvimento dos conceitos e concepções de Letramento. Usos e funções sociais da escrita. Letramento e oralidade. Letramento, alfabetização e alfabetismo: conceitos, indicadores e

Leia mais

Biblioteca Virtual do NEAD/UFJF BLOGS E WIKIS: CONSTRUINDO NOVOS ESPAÇOS PARA A APRENDIZAGEM

Biblioteca Virtual do NEAD/UFJF BLOGS E WIKIS: CONSTRUINDO NOVOS ESPAÇOS PARA A APRENDIZAGEM BLOGS E WIKIS: CONSTRUINDO NOVOS ESPAÇOS PARA A APRENDIZAGEM Prezado Cursista, Nesta etapa do curso você vai experimentar o mundo dos Blogs e dos Wikis. Neste texto, navegaremos pelos pontos fundamentais,

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais