PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA"

Transcrição

1 Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CASA DO MASSACRE DA LAPA Endereço: Rua Pio XI, 767, Lapa, São Paulo, SP. Classificação: Aparelho. Identificação numérica: O prédio número 767 da Rua Pio XI, onde atualmente funciona uma clínica de consultório médico, não possui nenhum vestígio material da casa de arquitetura californiana, com telhas em estilo francesa, da década de 70. Tratava-se de uma casa térrea com um muro baixo de alvenaria que separava o jardim da frente da casa à calçada. Um pequeno alpendre em forma de arco dava cobertura à porta da sala e um estreito corredor lateral à esquerda da casa, dava passagem para carros. Imagem 01: Frente da casa nº 767 da Rua Pio XI. Fonte: Instituto de Criminalística do Estado de São Paulo, Seção de Fotografia. Desde, pelo menos, meados de 1976 a casa estava alugada por membros do Comitê Central (CC) do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) que clandestinamente se reunia para debater possíveis ações contra a ditadura militar assim como o resultado desses combates. 1

2 Em dezembro de 1976 a casa foi cenário de um massacre. Metralhada por agentes militares, dois dirigentes do PCdoB foram mortos pela repressão, sem nenhum direito de defesa. Da ação militar, resultou ainda a prisão de sete integrantes do partido, dos quais, um foi assassinado sob tortura nas dependências do Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna DOI-Codi. O PCdoB atuava na clandestinidade, pois os militares perseguiam qualquer organização com vinculação comunista. No entanto, ainda possuía destaque no cenário político e em ações de combate a ditadura. O Partido Comunista do Brasil PCdoB foi fundando em 1922 em Niterói, com representantes de várias regiões do país. Em 1962 durante uma Conferência extraordinária em São Paulo seus integrantes decidem mudar o nome da organização para Partido Comunista Brasileiro PCB, mas a decisão, para além de uma questão política que desejava adequar juridicamente o partido para ser considerado legal, não foi unânime. No mesmo ano um grupo rompe com o PCB e funda o PCdoB. De acordo com informações do próprio partido 1, pouco mais de 100 companheiros participam dessa (re) organização do PCdoB, entre os quais, Amazonas, Mauricio Grabois, Wladimir Pomar, Elza Monnerat, Lincoln Oest, Carlos Danieli, entre outros. Nessa etapa de (re) organização do partido, a Ação Popular AP se vincula a organização, o que segundo Aldo Arantes 2 (2014) ampliou significativamente a força política do PCdoB. Porque no momento de incorporação, a Ação Popular era maior do que o PCdoB. A Casa da Lapa e o Massacre Uma prática bastante comum entre os militantes de organizações de esquerda durante o período ditatorial era a utilização de casas para reuniões, guarda de material de combate à repressão e para esconder perseguidos políticos. Também chamadas de aparelhos, essas casas eram cedidas por companheiros ou alugadas 1 Linha do Tempo do PCdoB. Disponível em: < acessado em 07/08/ Aldo Arantes foi membro da Comissão Executiva Nacional do PCdoB, e estava presente na reunião da casa da Lapa que teve fim com o massacre. Aldo foi preso depois de ter saído da casa, e preso no DOI- Codi. O mesmo, concedeu entrevista ao Memorial da Resistência em 08/08/

3 por militantes que usavam codinomes (nomes falsos) para formalizar a contratação. Para seguir uma suposta normalidade, geralmente era ocupada por casais. Os perseguidos políticos que se escondiam nelas deveriam permanecer na residência longe das janelas e em nenhuma hipótese se deixar ser visto. Darci Miyaki em entrevista ao Memorial da Resistência relata sobre estratégias utilizadas por ela quando morava sozinha em uma casa alugada em São Paulo. Eu tinha inventado uma história, de quê... (risos) Meu marido, ou noivo, sei lá o quê, estava trabalhando na Alemanha e viria depois. Você tem que inventar uma historinha pros vizinhos. Eu ia a casa dos vizinhos assistir televisão, eu fazia pastelzinho pra criançada, (...) então eu tinha que criar essa aparência de legalidade, né? (MIYAKI: 2014). Na Rua Pio XI, uma casa era utilizada por militantes do PCdoB. Seus ocupantes oficiais eram Maria Trindade e Joaquim Celso de Lima. Também moraram clandestinamente Elza Monerat, Ângelo Arroio e João Amazonas logo após a Guerrilha do Araguaia e o fechamento da área pelo Exército Brasileiro. A casa passou a ser utilizada para reuniões da Comissão Executiva e do Comitê Central do PCdoB. Maria Trindade era responsável pelas atividades domésticas e de infraestrutura e Joaquim era responsável pela segurança das reuniões. Seguindo normas rígidas, os militantes externos a casa eram, de olhos vendados, deslocados por Joaquim e Elza Monerat num automóvel. A Elza Monerat cabia o monitoramento dos militantes durante o translado, pois estes não poderiam saber a localização das reuniões. Foi seguindo essas normas de deslocamento que alguns dirigentes e integrantes do PCdoB se reuniram na casa da Rua Pio XI em outubro de Foram quatro dias de reunião. Houve reunião 12 e 13 reunião da Comissão Executiva, 14 e 15 reunião do Comitê Central. Então 12 e 13 quem estava presente era o Pomar, Ângelo Arroio, Haroldo, eu e o Jover Teles, cinco. Se somaram a esses cinco, a Elza Monerat, o Vladimir Pomar, João Batista Franco Drumond e o José Novais, então nove na reunião do comitê central. A reunião inicial da comissão executiva e a reunião do comitê central dava desdobramento as avaliações da Guerrilha do Araguaia, o centro da reunião era exatamente a Guerrilha do Araguaia (ARANTES:2014). 3

4 Na reunião do dia 15/12/1976 estavam presentes na casa: Maria Trindade, Joaquim Celso, João Batista Franco Drummond, Haroldo Lima, Aldo Arantes, Elza Monerat, Manoel Jover Teles, José Novaes, Pedro Pomar, Ângelo Arroio. O entrevistado Aldo Arantes (2014), relatou que durante a permanência na casa não podiam ficar próximos das janelas, e circulavam apenas no interior da residência. Por isso não reconheceu nenhuma das fotografias apresentadas pela equipe do Memorial da Resistência durante entrevista concedida ao Programa Lugares da Memória e Coleta Regular de Testemunhos. As imagens, obtidas no acervo do Arquivo Público do Estado, retratam a fachada da casa, o corredor lateral e os fundos. Mesmo imagens de espaços internos da casa, sobretudo a cozinha, o entrevistado não recordou. As reuniões ocorreram na sala, e os participantes permaneceram na casa por 3 dias. Imagem 02 e 03: Respectivamente da esquerda para direita, lateral da casa e quartos dos fundos. Fonte: APESP. No interior da casa havia uma sala, dois quartos, banheiro, cozinha e uma área envidraçada que permeava o acesso entre a cozinha e um quintal; atrás da casa havia um terreno em construção. 4

5 Imagem 04 e 05: Respectivamente da esquerda para direita, fundo da casa (porta da cozinha envidraçada) e terreno em construção. Fonte: APESP. Imagem 06 e 07: Respectivamente da esquerda para direita, cozinha e porta de acesso da cozinha ao quintal. Fonte: APESP. 5

6 Ao fim dos trabalhos os dirigentes do partido deixaram a casa, vendados e em duplas, Elza e Joaquim as conduziram, pois eram os únicos que conheciam a exata localização da casa. Embora os integrantes do partido soubessem dos riscos que corriam ao se encontrarem em reuniões, e que muitos já haviam morrido nas mãos dos órgãos de segurança; não sabiam, entretanto que a casa já estava sob vigilância policial e militar. Os primeiros a deixarem a casa foram Wladimir Pomar e João Drummond, mas logo que desembarcaram do carro foram surpreendidos e presos; ambos foram severamente torturados, mas Drummond não resistiu as torturas e morreu nas dependências do DOI-Codi na madrugada do mesmo dia. Elza e Joaquim não perceberam qualquer anormalidade e voltaram a casa para levar, dessa vez, Aldo Arantes e Haroldo Lima. Aldo foi preso pouco antes de seu embarque na estação paraíso; Haroldo retornou para casa, mas foi preso quando saiu na manhã seguinte. Os militares vigiavam a casa de Haroldo na expectativa de que algum militante o procurasse, mas ninguém o procurou. Já era madrugada do dia 16/12 quando guia e motorista voltaram à casa da Lapa, dessa vez para conduzir Jover Teles e José Novais. Pouco tempo depois que eles partiram da casa Joaquim percebeu que estavam sendo seguidos, procurou despistar os perseguidores e parou o carro rapidamente para que os passageiros pudessem fugir a pé. Ambos desembarcam e conseguiram escapar, mas há poucos metros dali policiais cercaram o carro e prenderam Elza e Joaquim. Atrelada a essa operação estava outro grupo de policiais e oficiais que aguardavam nas proximidades da casa da Lapa uma confirmação para agirem. Próximo às 7 horas da manhã do dia 16 de dezembro de 1976 o número 767 da Rua Pio Xi já estava cercado por policiais e militares dentro dela estava Maria Trindade, Pedro Pomar e Ângelo Arroyo ; a casa foi então metralhada. Pomar e Arroyo morreram com várias perfurações a bala e Maria Trindade consegue sobreviver, mas é presa e encaminhada ao DOI-Codi, como todos os demais sequestrados. 6

7 Imagem 08: O Massacre da Casa da Lapa. Fotos: APESP e Revista Veja (05/01/1977). Arte: Ana Paula Brito/ Memorial da Resistência. 7

8 A versão oficial dos militares responsáveis pela ação diz que Pomar e Arroyo responderam com tiros à voz de prisão e que neste momento teve inicio o tiroteio; contradições entre laudos periciais do prédio e das armas encontradas levantaram a suspeita de que os militares montaram uma cena que corroborou com a história oficial. Nas casas vizinhas os moradores não souberam (ou tiveram medo de) relatar se houveram tiros vindos de dentro da casa. O clima era de tensão, e em algumas casas, os militares chegaram a se dirigir pessoalmente afim de explicar a ação e de certo modo promover uma sutil intimidação. Na casa ao lado, a 765, os moradores acordam assustados. Nela há crianças, até mesmo um recém-nascido. É tiroteio, avisa logo o genro de Guiomar Issa, dona da casa. Em meio a fuzilaria, a filha Nice escuta os gritos de uma mulher e vozes masculinas. Pára, para!, berra Maria Trindade, atira no pé dela, ameaça um agente. A certeza de que tudo terminou vem com o toque da campainha. É o delegado Sérgio Fernando Paranhos Fleury, do Departamento Estadual de Ordem Politica e Social (DEOPS). Quer saber se tudo está bem e pede desculpas pelo susto causado à família. Com ele, agentes trajando coletes à prova de bala e chupando laranjas. Um diz a Dona Guiomar, à guisa de justificativa, que não avisaram sobre o ataque porque a família poderia estar ligada aos ocupantes da casa vizinha (POMAR, 1987, 18). Momentos depois os vizinhos puderam sair e saber o que havia acontecido, a frente da casa então é tomada de civis que buscavam informações sobre o acontecido. Segundo Pomar (1987, 18), o primeiro jornalista que chega ao local após o ataque é Nelson Veiga. O jornalista soube da anormalidade na rua e o grande aparato militar que fechou as vias de acesso. Ele então se dirige ao local, Ganha o alpendre da residência; vê os corpos de Arroyo e Pomar; não vê arma alguma ao lado deles. Está examinando tudo quando é interpelado por Fleury. Reconhecido pelo delegado como membro da impressa, Nelson foi agredido pelos policiais e levado preso para o DOI-Codi. 8

9 Imagem 09: O Massacre da Casa da Lapa. Fonte: Arquivo Estadão. Disponível em: < acessado em 14/08/2014. A operação na casa da lapa surpreendeu não só a imprensa que na época divulgou o massacre como uma operação rápida e bem sucedida no desmantelamento de um aparelho subversivo terrorista; mas também os dirigentes do PCdoB, que sobreviveram, por tempos se indagaram a respeito de possíveis falhas nos procedimentos de segurança; suspeitaram de oposições internas no comitê que poderiam ter dado abertura ao episódio. Provas circunstanciais fizeram com Manuel Jover Teles fosse apontado como delator das reuniões mediante suborno ele teria deixado que policiais o vigiassem e o seguisse até o local da reunião Manoel se desligou do partido por meio de uma carta, nela ele deu a versão do ocorrido a partir de seu ponto de vista. O dia 16 de dezembro de 1976 repercutiu internacionalmente, especialmente na China, na Albânia e em Portugal. Foram realizadas diversas manifestações de repudio às ações do exército brasileiro, incluindo um manifesto assinado por 40 mil pessoas. Em Lisboa a musica Sangue em Flor foi composta em homenagem aos militantes presos e mortos na operação. 9

10 Pedro Pomar foi enterrado no Cemitério Dom Bosco, em Perus e Ângelo Arroyo foi enterrado pela família no Cemitério da IV Parada em São Paulo, ambos com causa morte justificados por terem resistido a prisão. No atestado de óbito de João Batista Drummond expedido pelos militares lia-se falecido no dia 16 de dezembro de 1976 na Av. 9 de Julho c/r. Paim, com causa da morte traumatismo craniano encefálico. No entanto, a partir de reivindicações de seus familiares, no ano de 2012 a justiça civil através da 2ª Vara de Registros Públicos da Comarca de São Paulo retificação para falecido no dia 16 de dezembro de 1976 nas dependências do DOI-Codi II Exército, em São Paulo, causa da morte decorrente de torturas físicas. A casa onde sediou o massacre foi totalmente desconfigurada, e transformada em prédio comercial. A rua que era residencial converteu-se gradualmente em área comercial. As casas alteradas se tornaram lojas e escritórios empresariais. No local, não há nenhum vestígio material do que foi a antiga casa. No entanto, a memória do massacre, sobretudo para os familiares das vítimas, reconhece o espaço como um lugar de memória. Embora a casa tenha sido totalmente demolida, e nada de material tenha sobrevivido no espaço, a memória da violência do que ocorreu no espaço conduziu jovens a homenagear os que ali foram assassinados no ano de Em maio de 2012 jovens de alguns coletivos de direitos humanos realizaram uma série de atos de denuncia dos crimes da ditadura e de homenagens aos assassinados pelo regime militar no que chamaram de Semana Nacional de Luta por Verdade, Memória e Justiça, de 27 de abril a 3 de maio de Para finalizar os atos de memória, a intervenção foi no prédio da rua Pio XI, nº

11 Imagem 11 e 12: Respectivamente da esquerda para direita, estêncis dos mortos por ocasião do massacre da casa da Lapa no muro do prédio da clínica; e estêncis na calçada do lugar. Foto: Fernando Genaro. Fonte: Fotoarena. Disponível em: < acessado em 16/08/2014. Na calçada do local foi ainda escrito Aqui tombaram heróis da resistência à ditadura Massacre da Lapa, cravos foram deixados ao lado dos rostos pintados no chão e três velas foram acesas em homenagem aos mortos. O grupo atuou durante a noite, por medo de represálias, considerando que o lugar é de propriedade privada. O jornalista Pedro Estevam da Rocha Pomar, autor de livro sobre o tema e neto de Pedro Pomar escreveu um depoimento para a Comissão Nacional da Verdade afirmando que o massacre poderia ser evitado: O ataque foi premeditado e, se os militares quisessem, os dirigentes comunistas poderiam ter sido capturados, ao invés de fuzilados 3. A história sobre o massacre atravessou gerações, e segue como motivo de reivindicação de memória, verdade e justiça para a família Pomar e para a sociedade brasileira. 3 Para acesso a outros detalhes do depoimento, consultar em: acessado em 13/08/

12 ATUALMENTE E/OU ACONTECIMENTOS RECENTES A Comissão da Verdade do estado de São Paulo Rubens Paiva, realizou no dia 03/11/2013 em sua 60º Audiência Pública uma análise dos casos dos mortos no Massacre da Lapa. Em seu site, é possível acessar uma série de informações sobre a vida dos militantes mortos, bem como o vídeo da audiência na íntegra 4. O Portal do Professor 5 traz uma sugestão de Rafael da Cruz Alves e Lígia Beatriz de Paula Germano, de como o tema do Massacre da Casa da Lapa pode ser trabalhado em sala de aula. Sugerido, sobretudo para alunos do ensino médio, o tema apresenta relevância histórica, política e humanitária. O jornalista Pedro Estevam da Rocha Pomar, autor de livro sobre o tema e neto de Pedro Pomar escreveu um depoimento para a Comissão Nacional da Verdade afirmando que o massacre poderia ser evitado O ataque foi premeditado e, se os militares quisessem, os dirigentes comunistas poderiam ter sido capturados, ao invés de fuzilados 6. Valendo observar que o massacre atravessou gerações, e segue como motivo de reivindicação de memória, verdade e justiça para a família Pomar e para a sociedade brasileira. ENTREVISTAS RELACIONADAS AO TEMA O Memorial da Resistência possui um programa especialmente dedicado a registrar, por meio de entrevistas, os testemunhos de expresos e perseguidos políticos, familiares de mortos e desaparecidos e de outros cidadãos que trabalharam/frequentaram o antigo Deops/SP. O Programa Coleta Regular de Testemunhos tem a finalidade de formar um acervo cujo objetivo principal é ampliar o conhecimento sobre o Deops/SP e outros lugares de memória do estado de São 4 Para acesso ao vídeo da audiência acesso em: < https://www.youtube.com/watch?v=umobhep3a3q>. Para caso de Ângelo Arroio em: < para o caso de Pedro Pomar em: < e para o caso de João Batista Franco Drummond em: < acessados em 04/08/ Para acesso a sugestão da aula, consulta em: < acessado em 04/08/ Para acesso a outros detalhes do depoimento, consultar em: acessado em 13/08/

13 Paulo, divulgando desta forma o tema da resistência e repressão política no período da ditadura civil-militar. - Produzidas pelo Programa Coleta Regular de Testemunhos do Memorial da Resistência ARANTES, Aldo. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Teixeira e Ana Paula Brito em 08/08/ Outras entrevistas POMAR, Pedo Estevan. 60ª Audiência Pública da Comissão Estadual da Verdade Rubens Paiva - Chacina da Lapa. 11/09/2013. Disponível em: acessado em 26/08/2014. ARANTES, Aldo. 35 anos da Chacina da Lapa. Centro de Documentação e Memória da Fundação Maurício Grabois, Disponível em: acessado em 26/08/2014. REMISSIVAS Penitenciária Feminina da Capital; OBAN / DOI-Codi; DOPS; REFERENCIAS ARANTES, Aldo. Alama em fogo: memórias de um militante político. São Paulo: Anita Garibaldi. Fundação Maurício Grabois,

14 Comissão de Familiares e Desaparecidos Políticos, Instituto Estudos sobre a violência do Estado. Dossiê ditadura: mortos e desaparecidos políticos no Brasil ( ). São Paulo: Imprensa Oficial. 2ed GORENDER, Jacob. Combate nas Trevas. São Paulo: Ática, Cap. n 32. p Instituto Mauricio Grabois.. Chacina da Lapa 30 anos: a democracia renasceu a custa de muitas lutas e muitas vidas. São Paulo: Maria BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos. Habeas corpus: que se apresente o corpo. Secretaria de Direitos Humanos Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, pp MIYAKI, Darci. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar no DOI-Codi. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves em 24/04/2014. POMAR, Pedro Estevam da Rocha. Massacre na Lapa: como o exército liquidou o comitê central do PCdoB São Paulo, São Paulo: Busca Vida, COMO CITAR ESTE DOCUMENTO: Programa Lugares da Memória. Casa do Massacre da Lapa. Memorial da Resistência de São Paulo, São Paulo,

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Cemitério de Areia Branca Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 854 Areia Branca, Santos, SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA FAZENDA 31 DE MARÇO DE 1964 Situada entre os municípios de Itanhaém, Embu-Guaçu ao extremo sul da Grande São Paulo a fazenda, disfarçada

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA OBAN DOI-CODI Sediada na Rua Tutóia, no bairro da Vila Mariana a Operação Bandeirantes (Oban) serviu de modelo para a criação dos Departamentos

Leia mais

Discurso. Mais uma vez, quando chega a primavera é tempo de nascer uma nova imagem nestas paredes centenárias do Instituto dos Advogados Brasileiros.

Discurso. Mais uma vez, quando chega a primavera é tempo de nascer uma nova imagem nestas paredes centenárias do Instituto dos Advogados Brasileiros. Discurso Mais uma vez, quando chega a primavera é tempo de nascer uma nova imagem nestas paredes centenárias do Instituto dos Advogados Brasileiros. Mais um nome para compor, muito acima da Diretoria e

Leia mais

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Sobre a Mostra Este projeto tem como objetivo promover sessões públicas e gratuitas de cinema, ao longo de uma semana, dedicadas à memória e à

Leia mais

PRESIDENTE DEPUTADO ADRIANO DIOGO PT

PRESIDENTE DEPUTADO ADRIANO DIOGO PT COMISSÃO DA VERDADE PRESIDENTE DEPUTADO ADRIANO DIOGO PT 08/08/2013 1 COMISSÃO DA VERDADE BK CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. 08/08/2013 O SR. PRESIDENTE ADRIANO DIOGO PT Comissão da Verdade do Estado de São

Leia mais

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES Um relato de Elia Meneses Rola Eu, Elia Meneses Rola, brasileira, separada judicialmente, Servidora Pública Federal aposentada, CPF, CI, domiciliada e residente nessa

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Fazenda 31 de Março de 1964 Endereço: Bairro Emburá, ao sul da represa de Guarapiranga, entre Embu-Guaçu e a represa Billings, Grande São

Leia mais

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos por Por Dentro da África - quarta-feira, julho 29, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/brasileira-percorre-7-mil-quilometros-para-contar-historias-derefugiados-africanos

Leia mais

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro Durante o regime militar brasileiro, a organização Anistia Internacional (AI), trabalhou na defesa de presos políticos e na divulgação

Leia mais

Reparação e Memória na Justiça de Transição no Brasil. Paulo Abrão

Reparação e Memória na Justiça de Transição no Brasil. Paulo Abrão Reparação e Memória na Justiça de Transição no Brasil Paulo Abrão A Ditadura Militar no Brasil (1964-1985) Fases - 1ª fase: 64-68 (golpe e aliança civil-militar) - 2ª fase: 68-79 (terrorismo de Estado)

Leia mais

0059583-24.2011.8.26.0100 - Retificação Ou Suprimento Ou Restauração de Registro Civil Maria Ester Cristelli Drumond

0059583-24.2011.8.26.0100 - Retificação Ou Suprimento Ou Restauração de Registro Civil Maria Ester Cristelli Drumond fls. 1 CONCLUSÃO Em 12/04/2012, faço estes autos conclusos ao(à) MM. Juiz(a) de Direito da 2ª Vara de Registros Públicos, Dr(a). Guilherme Madeira Dezem. Eu, Escrevente, digitei. SENTENÇA Processo nº:

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Auditoria da Justiça Militar Endereço: Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, 1249 Bela Vista, SP Classificação: Aparato Repressivo. Identificação

Leia mais

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia 1 2015 VICE Media LLC Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia março 19, 2015 Por Matias Maxx Repórter Foto por Matias Max. No ano passado, poucas semanas antes do início

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

Manifesto da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG. 7 de novembro de 2012

Manifesto da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG. 7 de novembro de 2012 Manifesto da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG 7 de novembro de 2012 Nós, da Frente Independente pela Verdade, Memória e Justiça-MG, viemos a público manifestar nossa concepção sobre

Leia mais

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEMPO PRESENTE NÚCLEO DE HISTÓRIA ORAL Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil (UFRJ/ Comissão de Anistia-MJ) Ficha

Leia mais

Bandidos explodem Banco do Brasil de São Cristovão

Bandidos explodem Banco do Brasil de São Cristovão Bandidos explodem Banco do Brasil de São Cristovão Muita fumaça ainda pôde ser vista na explosão do Banco. Foto: Internauta A informação recebida pelo nosso Portal é que por volta das 22h30 deste domingo,

Leia mais

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 Dá o nome de Ponte Herbert de Souza Betinho, à atual Ponte Presidente Costa e Silva, localizada do km 321 ao 334, na BR 101/RJ. Autor: Deputado Chico

Leia mais

02ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP

02ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP 02ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP Unidade Territorial E Botafogo,, Laranjeiras, Urca e Glória (Clique no bairro para visualizar o relatório) a. Mídias em Geral ANÁLISE DE BOTAFOGO Ø Fonte:

Leia mais

CHACINA DA LAPA - 30 ANOS

CHACINA DA LAPA - 30 ANOS CHACINA DA LAPA - 30 ANOS Expediente Edição e produção: Instituto Maurício Grabois Organizador e editor: Adalberto Monteiro Colaboradores: Edvar Luiz Bonotto, Pedro de Oliveira, Osvaldo Bertolino Revisão:

Leia mais

COMISSÃO DA VERDADE DA UNE Relatório Preliminar nº 2

COMISSÃO DA VERDADE DA UNE Relatório Preliminar nº 2 COMISSÃO DA VERDADE DA UNE Relatório Preliminar nº 2 Helenira Rezende de Souza Nazareth. Codinome: Fátima. Nascida Cerqueira César, 19 de janeiro de 1944 Morte Araguaia, 29 de setembro de 1972. Líder estudantil

Leia mais

31º BATALHÃO. Avenida Salvador Allende nº 5.500 Barra da Tijuca/Cep: 22.783-127 Oficial de Dia 2332-7462. e-mail: 31bpm@operacional.pmerj.

31º BATALHÃO. Avenida Salvador Allende nº 5.500 Barra da Tijuca/Cep: 22.783-127 Oficial de Dia 2332-7462. e-mail: 31bpm@operacional.pmerj. 31º BATALHÃO Avenida Salvador Allende nº 5.500 Barra da Tijuca/Cep: 22.783-127 Oficial de Dia 2332-7462 e-mail: 31bpm@operacional.pmerj.org RESPONSABILIDADE DO SÍNDICO 1. Antes de contratar empregados,

Leia mais

Delegado diz não ter dúvida de que Mizael é o assassino de Mércia

Delegado diz não ter dúvida de que Mizael é o assassino de Mércia Delegado diz não ter dúvida de que Mizael é o assassino de Mércia O delegado Antônio Olim (sentado) (Foto: Reprodução) O delegado Antônio Assunção de Olim, ouvido como testemunha nesta terça-feira (12),

Leia mais

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Cidadão com Segurança Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público e Procurador-Geral da República Roberto Monteiro Gurgel Santos Comissão do Sistema Prisional,

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

Curso de Direito Atividades de aprofundamento acadêmico nº 04 2S2015

Curso de Direito Atividades de aprofundamento acadêmico nº 04 2S2015 Curso de Direito Atividades de aprofundamento acadêmico nº 04 2S2015 Professor responsável: Ricardo Lorenzi Pupin Aluno: Semestre/turma: Disciplina: Geral Tema da atividade: Arrastões nas praias do Rio

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

O Paraná Está Ligado!

O Paraná Está Ligado! VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER O Paraná Está Ligado! Lançamento de rede estadual marca o enfrentamento à violência contra a mulher no Paraná O lançamento simbólico de uma rede de atenção à mulher em situação

Leia mais

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS A SDS através da Gerência de Prevenção e Articulação Comunitária GPAC/UPP, apresenta a mensagem informativa, por meio de Literatura popular sobre a lei 11.340/06, Lei Mª. da Penha. Parabenizamos o NUPREV-Sertão

Leia mais

Laudo Pericial. Caso detenção ilegal de advogados Daniel Biral e Silvia Daskal

Laudo Pericial. Caso detenção ilegal de advogados Daniel Biral e Silvia Daskal Laudo Pericial Caso detenção ilegal de advogados Daniel Biral e Silvia Daskal Contextualização do local e da cena. O episódio ocorreu aproximadamente a 70 metros de onde estava acontecendo um debate publico

Leia mais

Vanessa Silva e Pedro Estevam da Rocha Pomar Jornalistas

Vanessa Silva e Pedro Estevam da Rocha Pomar Jornalistas Janeiro 2011 Revista Adusp Co m a n da n t e To l e d o, presente! Ag o r a e s e m p r e! Vanessa Silva e Pedro Estevam da Rocha Pomar Jornalistas Arquivo de família 66 O jornalista Joaquim Câmara Ferreira

Leia mais

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT)

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) Há dois anos, um grupo de trabalhadores ocupou um local abandonado próximo ao bairro Parque Cuiabá (Mato Grosso). O local era ponto de usuários

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS 01. Município: Uberlândia 02. Distrito: Sede 03. Designação: Estabelecimento de Uso Misto Comércio e Residência 04. Endereço: Rua Coronel Antônio Alves, nº 9.151

Leia mais

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Dos 56 detidos, 11 são adolescentes; 30 foram ouvidos e liberados. Manifestantes e polícia se enfrentaram em dois momentos neste sábado.

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 14ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 14ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0008677-45.2009.8.26.0053 - Procedimento Ordinário Requerente: José Carlos Machado e outros Requerido: Municipalidade de São Paulo Justiça Gratuita Juiz(ª) de Direito Dr.(ª):

Leia mais

Se a Ditadura acabou, onde está a Democracia?

Se a Ditadura acabou, onde está a Democracia? Se a Ditadura acabou, onde está a Democracia? Na Era da s Ch ac i n a s, Cr i m e s de Maio seguem sem c astigo Fausto Salvadori Jornalista Daniel Garcia No Sindicato dos Jornalistas, Débora Maria denuncia

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

A primeira coisa que eu me lembro é o Círio de Nazaré 69

A primeira coisa que eu me lembro é o Círio de Nazaré 69 quente, adentrei a casa desta família; uma grade alta fazia a limitação entre o espaço público e o privado, aquele afastamento frontal demonstrava que se tratava de uma edificação que não se enquadrava

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 15ª Promotoria Criminal Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 15ª Promotoria Criminal Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher A história da mulher é a história da pior tirania que o mundo conheceu: a tirania do mais forte sobre o mais fraco. 1 EXCELENTÍSSIMA JUÍZA DE DIREITO DA 1ª VARA ESPECIALIZADA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR

Leia mais

O poder da palavra impressa: os livros de denúncia da tortura após o golpe de 1964

O poder da palavra impressa: os livros de denúncia da tortura após o golpe de 1964 Revista Adusp Março 2009 O poder da palavra impressa: os livros de denúncia da tortura após o golpe de 1964 Flamarion Maués Doutorando em História na FFLCH-USP 67 Março 2009 Desde o golpe de 1964, a tortura

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS ANDRESSA FRANCIELLI ROCHA CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS IVAIPORÃ PR 2012 INTRODUÇÃO Como se há de verificar, por meio desse trabalho será apresentado modelos

Leia mais

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71?

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? Entrevista com Cecília Coimbra (CRP 05/1780), psicóloga, professora da UFF e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. 1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? No Brasil, de 1970 a 1974,

Leia mais

NÚMEROS DISQUE DEFESA HOMOSSEXUAL DDH

NÚMEROS DISQUE DEFESA HOMOSSEXUAL DDH 1 ANO EM NÚMEROS DISQUE DEFESA HOMOSSEXUAL DDH DISQUE DEFESA HOMOSSEXUAL RELATÓRIO 1 ANO Em 1 ano de funcionamento (1 de julho de 1999 a 28 de junho de 2000), foram atendidos 382 casos pelos voluntários

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

CRONOLOGIA DO CONFLITO NO QUILOMBO DE SÃO FRANCISCO DO PARAGUAÇU

CRONOLOGIA DO CONFLITO NO QUILOMBO DE SÃO FRANCISCO DO PARAGUAÇU CRONOLOGIA DO CONFLITO NO QUILOMBO DE SÃO FRANCISCO DO PARAGUAÇU Breve histórico da Região 1660 Início da construção do Convento de Santo Antônio, do qual remonta a origem da comunidade de São Francisco

Leia mais

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus - Oi, dona Jurema, como vai? - Tudo bem, e o senhor? - Dona Jurema, a senhora que lê a Bíblia, do que mais gosta? - Ah! Gosto do Apocalipse. O meu entendimento é fraco, mas, esse livro me traz conforto

Leia mais

Acidentes de trânsito causam transtorno no feriado

Acidentes de trânsito causam transtorno no feriado Editoria: Noticia www.acritica.com.br Coluna: -- Acidentes de trânsito causam transtorno no feriado Acidentes de trânsito causam transtorno no feriado -- Acidentes na capital e no interior marcam o feriado

Leia mais

Clipping FENTECT CORREIOS - BRASIL. BEM PÚBLICO Correios divulgam resultado de concurso

Clipping FENTECT CORREIOS - BRASIL. BEM PÚBLICO Correios divulgam resultado de concurso Página 1 CORREIOS - BRASIL BEM PÚBLICO Correios divulgam resultado de concurso Os Correios divulgaram nesta terça-feira (5) o resultado das provas objetivas para 9.190 vagas de emprego oferecidas pelo

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Prisões Politicas do Estado Novo

Prisões Politicas do Estado Novo Prisões Politicas do Estado Novo Formandos: Camila Batista Nádia Garcia Salomão Semedo Técnicos comerciais (ação 1) 2º ano INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos falar sobre as prisões políticas do estado novo,

Leia mais

ESTUDO DA VITIMOLOGIA 3ª Parte Estudo caso Izabella Nardoni/ 11/04/2008.

ESTUDO DA VITIMOLOGIA 3ª Parte Estudo caso Izabella Nardoni/ 11/04/2008. ORGANOGRAMA DO PROGRAMA DE CRIMINOLOGIA ACADEMIA DE ENSINO SUPERIOR SOROCABA-2008 TOMO V ESTUDO DA VITIMOLOGIA 3ª Parte Estudo caso Izabella Nardoni/ 11/04/2008. Informações e imagens obtidas de Jornais,

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SETOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL MANUAL DE AUTO PROTEÇAO DO CIDADÃO.

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SETOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL MANUAL DE AUTO PROTEÇAO DO CIDADÃO. POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SETOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL MANUAL DE AUTO PROTEÇAO DO CIDADÃO. (A Parte, que se segue, foi extraída do Manual acima. O Manual completo pode ser baixado via Internet

Leia mais

Cinco mitos que precisam ser quebrados

Cinco mitos que precisam ser quebrados Cinco mitos que precisam ser quebrados Há muitos avanços na luta contra a violência no Brasil. Contudo, ainda vivemos um triste círculo vicioso. Com base em alguns mitos sobre como vencer a violência,

Leia mais

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

Atualidade em foco. Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56

Atualidade em foco. Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56 Atualidade em foco Samuel Tosta/ADUFRJ SSind Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56 A materialização da violência do Estado A sociedade

Leia mais

Livro de Registro do DEOPS revela parceiros ilustres. Entrevista com Maria Carolina Bissoto 1

Livro de Registro do DEOPS revela parceiros ilustres. Entrevista com Maria Carolina Bissoto 1 Livro de Registro do DEOPS revela parceiros ilustres Entrevista com Maria Carolina Bissoto 1 O arquivo do DEOPS foi disponibilizado ao público motivado por enorme pressão social no contexto de abertura

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

Resistentes à ditadura militar são homenageados no Cidade Macapaba

Resistentes à ditadura militar são homenageados no Cidade Macapaba Resistentes à ditadura militar são homenageados no Cidade Macapaba Carlos Mariguela (1911-1969) O baiano Carlos Mariguela foi um dos maiores símbolos da luta política contra a ditadura. Cursou Engenharia

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 Cena 17 Jardim da casa dos Di Biasi/ Dia/ Externa O noivo já está no altar junto com os padrinhos e seus pais. Eis que a marcha nupcial toca e lá do fundo do

Leia mais

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). IMPTTE : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL ADV/PROC : OSWALDO PINHEIRO RIBEIRO JÚNIOR E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 8ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (SOUSA)

Leia mais

Casos envolvendo Policiais da Rota

Casos envolvendo Policiais da Rota Casos envolvendo Policiais da Rota Núcleo de Estudos da Violência - NEV - Universidade de São Paulo - USP Núcleo de Estudos da Violência - USP Banco de Dados da Imprensa sobre as graves violações de Direitos

Leia mais

Redes de comunicação comunista durante a ditadura militar brasileira 34

Redes de comunicação comunista durante a ditadura militar brasileira 34 Redes de comunicação comunista durante a ditadura militar brasileira 34 MÔNICA MOURÃO - Graduada em Comunicação Social Jornalismo pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em 2004. Mestra em Comunicação,

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

Entrevista com Ignácio Cano 1

Entrevista com Ignácio Cano 1 Entrevista com Ignácio Cano 1 Fundação Heinrich Böll: Ignacio, quais são os impactos da participação de membros das milícias no legislativo para o avanço da democracia em nosso país? Ignácio Cano: O impacto

Leia mais

Relatório da Pesquisa de Vitimização em São Paulo 2003-2013

Relatório da Pesquisa de Vitimização em São Paulo 2003-2013 Relatório da Pesquisa de Vitimização em São Paulo 2003-2013 Centro de Políticas Públicas (CPP) Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa São Paulo, 2013 CPP-Insper Vitimização em São Paulo: 2003 2013 Centro

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 17.9.2013 Local: CERES/UFRN Entrevistado: Joseilson Ferreira de Araújo

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Ian Gibson, irlandes, mas desde 1984, cidadão espanhol. Hispanista internacionalmente reconhecido por

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

1978-1981: ameaças e bombas contra a imprensa que disse não

1978-1981: ameaças e bombas contra a imprensa que disse não Câmara Municipal de São Paulo - 22/04/2012 1978-1981: ameaças e bombas contra a imprensa que disse não Audiência conjunta Comissão da Verdade Municipal Vladimir Herzog / Comissão da Verdade do Sindicato

Leia mais

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil.

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Arquivo do Estado de SP O Uso dos Documentos de Arquivo na Sala de Aula Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Mariana Ramos Apolinário 2º semestre 2013 São Paulo SP

Leia mais

MEMÓRIA REUNIÃO SASF 04/09/07

MEMÓRIA REUNIÃO SASF 04/09/07 MEMÓRIA REUNIÃO SASF 04/09/07 I - Abertura: Esclarecimentos sobre a pauta da reunião e apresentação dos novos representantes do SASF. II - Agenda Federativa: Apresentação da oferta do Programa Nacional

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

Este plano de aula proporciona uma abordagem ao tema dos refugiados e asilo para trabalhar com jovens dos 11 aos 16 anos (3º ciclo e Secundário).

Este plano de aula proporciona uma abordagem ao tema dos refugiados e asilo para trabalhar com jovens dos 11 aos 16 anos (3º ciclo e Secundário). Plano de Aula REFUGIADOS SOBRE ESTE PLANO DE AULA Este plano de aula proporciona uma abordagem ao tema dos refugiados e asilo para trabalhar com jovens dos 11 aos 16 anos (3º ciclo e Secundário). Esta

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Bancos descumprem lei e Sindicato de Campina Grande cobra vigilantes nas agências

Bancos descumprem lei e Sindicato de Campina Grande cobra vigilantes nas agências Confederação Nacional dos Vigilantes - Brasília - DF 24/04/2015 - Edição 1260 Bancos descumprem lei e Sindicato de Campina Grande cobra vigilantes nas agências De acordo com a legislação do município,

Leia mais

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985)

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985) OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI GEISEL COSTA E SILVA FIGUEIREDO CASTELLO BRANCO 1 - O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 1967): PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): Fim da Estabilidade no emprego.

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

Constituição da República Portuguesa. Artigo 65.º (Habitação e urbanismo)

Constituição da República Portuguesa. Artigo 65.º (Habitação e urbanismo) Constituição da República Portuguesa Artigo 65.º (Habitação e urbanismo) 1. Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que

Leia mais

Prevenção ao abuso sexual infantil Pedofilia

Prevenção ao abuso sexual infantil Pedofilia Segurança contra a pedofilia Orientações aos pais 1 2 Prevenção ao abuso sexual infantil Pedofilia 3 4 1 Nunca Atitudes preventivas deixe seu filho dormir fora de casa ainda que seja em casa de parentes

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais