JORNAL JORNAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DERMATOLÓGICA ANO VII ABRIL, MAIO E JUNHO / 2002 Nº 32

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JORNAL JORNAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DERMATOLÓGICA ANO VII ABRIL, MAIO E JUNHO / 2002 Nº 32"

Transcrição

1 JORNAL JORNAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DERMATOLÓGICA ANO VII ABRIL, MAIO E JUNHO / 2002 Nº 32 Um marco na atualização e intercâmbio do conhecimento da Cirurgia Dermatológica 1

2 EDIÇÃO 32 Editorial Estamos próximos do grande evento da Cirurgia Dermatológica Brasileira a ser realizado em Goiânia nos dias 22 a 25 de junho Esperamos a participação do maior número possível de colegas para reciclagem de conhecimentos e troca de experiências. Toda a Sociedade vem trabalhando com o intuito de manter o reconhecimento e a valorização da nossa subespecialidade, principalmente nesse momento sócio-cultural onde observamos a banalização dos procedimentos cosméticos que foram arduamente conquistados e estudados ao longo de décadas. Cabe ressaltar que no último ano, em duas oportunidades, a capa do nosso jornal foi a respeito da ética na medicina e nos procedimentos cosméticos. Nesta edição, apresentamos uma revisão a respeito da Subcision no tratamento da celulite e os resultados obtidos a longo prazo. Na entrevista abordamos as dúvidas quanto à utilização da fosfatidilcolina. De igual interesse revisamos temas como melanoníquias, transplante de cabelo e ácido hialurônico, assim como apresentamos as respostas referentes ao fórum off-line sobre peelings químicos. Agradecemos as sugestões enviadas pelos colegas. Obrigada e até Goiânia. Nalu Iglesias Martins de Oliveira Fale Conosco Envie seus textos e sugestões através do nosso Sumário Mensagem do Presidente Pág. 03 Entrevista Fosfaltidicolina na Celulite Pág. 04 Parecer do Fórum Peeling Químico Pág. 05 Artigo Reparo de Fenda de Lóbulo Pág. 06 Melanoníquia Longitudinal Pág. 07 Subcision Pág. 08 Preenchimentos Faciais Pág. 10 Literatura Novo material de prenchimento Pág. 11 Dicas Laser para epilação Pág. 12 Pérolas Cirúrgicas Pág. 13 Eventos Congresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica Pág. 14 JORNAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DERMATOLÓGICA Esta é uma publicação da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica. Av. Paulista, 2073 Horsa I 8º andar-cj.804 São Paulo-SP Telefax: (11) / ou Presidente: Rogério Tércio Ranulfo Vice-presidente: Francisco Le Voci Secretários: Eliandre Costa Palermo e Ana Maria Quinteiro Robeiro Tesoureiros: Maurício Mendonça do Nascimento e Romes Batista Alves Editor Chefe: Nalu Iglesias Comissão Editorial: Carlos Roberto Antonio, Cassio Martins Villaça Neto, Gabriel Gontijo, Luiz Guilherme Martins de Castro, Sergio Serpa Coordenação Editorial: MedNews Jornalista Responsável: Maria Lúcia Mota Mtb Editoração Eletrônica: Comdesenho Tiragem: Exemplares É permitida a reprodução de matérias, desde que citada a fonte. A responsabilidade sobre as mesmas, assinadas, é de seus autores. Normas para Publicação Enviar material em disquete ou impresso, com os seguintes itens: título, autor(es), instituição e bibliografia. Existem as seguintes formas de publicação: dicas cirúrgicas, relatos de casos, artigos de revisão ou investigação. Nos minicasos, enviar além do relato, as considerações. Nos trabalhos de investigação ou revisão, enviar introdução, pacientes e métodos, resultados e discussão. As fotos devem ser enviadas em papel ou por (neste caso verificar antes a compatibilidade de formato) para Jornal SBCD, endereço: Al. Santos, São Paulo - SP CEP tel/fax: (11) Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica

3 MENSAGEM DO PRESIDENTE Acusações não-fundamentadas Estamos concluindo os preparativos para recebê-los em GOIÂNIA para o XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE CI- RURGIA DERMATOLÓGICA, entre os dias 22 e 26 de junho; as comissões trabalham com dedicação e afinco para que seu retorno a nossa cidade seja mais do que matar uma lembrança, queremos deixar saudades. Esperamos todos! Inscreva-se o mais breve e garanta sua participação nos cursos teórico-práticos, ainda dispomos de vagas. A Cirurgia Dermatológica, dentro de um contexto de má-pratica médica, tem sido alvo de acusações não fundamentadas e solicitamos aos colegas que nos enviem estas acusações para que possamos, juntamente à SBD, instituir processos éticos nos CRMs e CFM, por calúnia. As negociações da SBD com a AMB e CFM visam a definição das áreas de atuação de cada especialidade, com respectivas tabelas de honorários, e estamos empenhados em garantir o mais amplo campo para o cirurgião dermatológico, porém o processo exigirá seu tempo específico. Já apuramos os resultados da ELEIÇÃO DIRETA para os novos membros do CONSELHO DELIBERATIVO, conquista esta validada com a participação dos sócios no processo. Veja abaixo. Malas prontas, até Goiânia! SEMPRE BOM VOLTAR! Rogério Ranulfo Eleição dos membros temporários do Conselho Deliberativo da SBCD Data da apuração: 24 de maio de NÚMERO DE ENVELOPES Recebidos e Válidos (postados até 20 de maio) Nulos (postagem após 20 de maio)...20 Anulados (número de votos superior a 13)...05 Presidente da Apuração: Rogério Ranulfo COMISSÃO ELEITORAL Dr. Sebastião Almeida P. Sampaio, Dr. Luiz Henrique Paschoal e Dr. Eugênio R. Pimentel Resultados: Aos candidatos inscritos, nossos agradecimentos pela participação. Aos membros eleitos, nossos cumprimentos e a expectativa do vosso trabalho e empenho para o crescimento da SBCD. Eliandre Palermo Secretária SBCD 2001/2002 Prof. Paschoal, Prof. Sampaio e Dr. Rogério Ranulfo, durante apuração. Dr. Eugênio Pimentel e Dr. Rogério Ranulfo apuram os votos da eleição. CANDIDATO VOTOS Ana Maria Costa Pinherio 142 Ariene Pedreira Paixão 122 Bhertha Tamura 124 Carmélia Matos Santiago Reis 162 Clara Grazziotin 105 Cláudio Domingues das Neves 100 Denise Steiner 241 Eliandre Costa Palermo 97 Francisco Le Voci 219 Hamilton Stolf 255 Jacob Levites 129 João Roberto Antônio 217 José Edmundo Pereira 135 Luiz Alberto Fonseca de Lima 101 Maurício M. do Nascimento 91 Mauro Y. Enokihara 267 Nilton di Chiachio 230 Selma S. Cernea 170 Sérgio S. Serpa 123 Yassunobu Utiyama 228 MEMBROS ELEITOS 1. Mauro Y. Enokihara Hamilton Stolf Denise Steiner Nilton di Chiachio Yassunobu Utiyama Francisco Le Voci João Roberto Antônio Selma S. Cernea Carmélia Matos Santiago Reis Ana Maria Pinheiro José Edmundo Pereira Jacob Levites Bhertha Tamura 124 3

4 ENTREVISTA Uso da fosfatidilcolina no tratamento da celulite Dra. Patrícia Rittes Dermatologista com trabalho publicado sobre o assunto na revista Dermatologic Surgery Qual o real mecanismo de ação da fosfatidilcolina na celulite? Quando você diminui o tecido celular subcutâneo, derretendo a gordura, diminui muito a tensão e desaparecem os furinhos. Imagine uma rede de cabelo, aquela colocada nos bobs... se esta rede envolver um maço de algodão e você apertar o que você verá? muitas irregularidades e ondulações... A mulher incha e desincha todo mês, por conta do ciclo menstrual, os líquidos vão se acumulando ao redor das células, principalmente no subcutâneo, onde ficam as gordurinhas localizadas, porque o tecido gorduroso é muito mal irrigado e é difícil a drenagem desse líquido, então acaba sobrando, e o organismo, na tentativa de remover, acaba formando fibras que envolvem esta gordura e estas fibras prendem mais a gordura e dificultam a circulação, as toxinas se acumulam mais e mais e os buraquinhos vão aumentando. Quando injeto a fosfatidilcolina, ela derrete a gordura, diminui a tensão, os furinhos desaparecem. Qual a experiência clínica da senhora na utilização deste tratamento? O meu trabalho começou em 1995, quando iniciei a aplicação da fosfatidilcolina nas bolsas de gordura infrapalpebrais, aquelas que causam o olhar triste e cansado. Depois de quase 2 anos e meio injetando nas bolsas infrapalpebrais, uma paciente veio fazer um peeling e trouxe uma amiga que ia fazer uma lipo na quinta, era uma segunda, e o caso com a aquela modelo que quase morreu, a Claudia Liz, estava em todos os jornais e noticiários? Então fui arguida se existiria uma injeção que derretesse a gordura, e logo imaginei a fosfatidilcolina, e calculei a dose para a gordura, logo abaixo da nádega, a gente chama de "babaninha", e fiz no local. Depois de 15 dias a paciente voltou sem ela... fiquei impressionadíssima e comecei a indicar e fazer. Meu trabalho nos olhos foi publicado primeiramente no Congresso Brasileiro de Dermatologia, em Minas Gerais 1999, e no ano passado em abril na Dermatologic Surgery, uma revista Científica super conceituada. Por ser um trabalho original e super interessante foi publicado na capa da revista. O mundo todo leu, foi incrível a repercussão, demais você ser reconhecida por seu trabalho. O sucesso foi tão grande que fui convidada para fazer um trabalho científico com um dos melhores cirurgiões dermatológicos, o Dr. Norman Orentreich. Ele tem mais de 400 artigos publicados. Ele tem 80 anos, fiquei com ele no seu consultório, ensinei a técnica e começamos um trabalho no seu laboratório de pesquisas, OFAS em Spring, 60 milhas de Nova Iorque. Ele me diz que não tenho noção do que descobri, ele procura algo assim para tratar a diabetes tipo 2, uma doença que afeta pacientes na 3 a idade. Bom, o trabalho está em andamento e logo será publicado. Pena que no Brasil, por puro preconceito da área científica com a área estética, nem acreditam nos resultados e na boa indicação para o uso da fosfatidilcolina, temos que fazer sucesso no exterior para sermos reconhecidas, mas eles até têm um pouco de razão, porque quem trabalha com medicina estética são empresários que só visam lucros e acabam colocando esteticistas para fazer o trabalho do médico, e é logico que isso promove problemas, e bem sérios. O que ocorre é que a técnica não utilizada corretamente não surte efeito, ou pode causar problemas graves. Mas, isso não ocorre só no Brasil, é comum na França, Itália e até mesmo nos Estados Unidos. A senhora tem o parecer de colegas que já utilizaram o mesmo tratamento? Sim, colegas que fizeram o uso da minha técnica, tanto aqui no Brasil como em outros locais nos EUA e Canadá, com excelentes resultados. Quais os resultados? Existe retorno da gordura local após a suspensão do tratamento? Os resultados são muito bons, mas a indicação tem que ser precisa, não adianta fazer em obesos, ou em gorduras muito grandes, pois são necessárias muitas injeções. Se a paciente não engordar, a gordura localizada não volta, mas como existem receptores de gordura, determinados geneticamente, quando você engorda é sempre no mesmo local certo? Então é melhor fechar bem a boca para se manter sem aquela insuportável GL. Quais são as contra-indicações? Locais em que não existe gordura e sim músculos ou flacidez tecidual. Em obesos, grávidas. Visite o site da SBCD 4 Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica

5 Peeling Químico PARECER DO FORUM Ediléia Bagatin Opinião sobre as respostas apresentadas no Fórum Off-line da edição anterior 1. Paciente de 45 anos, pele tipo II (classificação de Fitzpatrick) com fotoenvelhecimento grupo II (classificação de Glogau), com necessidade de um resultado a curto prazo. Qual o melhor tratamento? O "peeling" químico superficial com tretinoína a 5% ou o "peeling" com ácido salicílico a 30% teriam efeitos semelhantes e poderiam ajudar. No caso, só se fossem aplicados de forma seriada - o número de aplicações dependeria da expectativa e da satisfação do paciente. De qualquer forma, o resultado seria a médio ou longo prazo pois seriam várias sessões e há sempre a necessidade de preparar a pele por 30 dias antes do primeiro "peeling". Apenas tratamento tópico e, ainda sem tretinoína, daria resultado menos significativo e muito a longo prazo. O melhor tratamento seria a esfoliação química combinada com solução de Jessner e ATA 35% - mas, é preciso ressaltar que para realizar um "peeling" médio é mais importante ainda que o paciente esteja bem orientado sobre medidas de fotoproteção e receba um esquema de tratamento domiciliar prévio que é o próprio preparo da pele - a utilização da tretinoína tópica isolada ou associada ao ácido ascórbico, no mínimo 30 dias antes do "peeling", melhora muito o resultado, tornando-o mais uniforme. 2. Paciente com 20 anos de idade, terminou tratamento com isotretinoína há 30 dias, apresentando discretas cicatrizes hipercrômicas. Com relação aos "peelings" qual a sua indicação? O "peeling" superficial pode ser feito 30 dias após o término do tratamento com isotretinoína, dependendo do tipo de pele. Às vezes é mais seguro esperar 6 meses. Sempre é preciso preparar a pele antes e observar a sua reação ao preparo (Ellis CN & Krach KJ. JAAD 45:S150-7, 2001). 3. Com relação às contra-indicações absolutas dos "peelings", assinale a incorreta: 4. Com relação às contra-indicações relativas dos "peelings", assinale a incorreta: 3 e 4. A resposta "verão" é correta somente para "peelings" médios ou profundos. Os "peelings" superficiais, em pacientes bem orientados e bem acompanhados, podem ser feitos no verão. Do mesmo modo, os fototipos IV e V não têm mais sido considerados contraindicações para os "peelings" superficiais, desde que a pele do paciente seja bem preparada e, pele e paciente, sejam bem conhecidos pelo médico - há algumas publicações a respeito (ex.: Grimes PE. Dermatol Surg 25:18-22, 1999). Idem para tendência para cicatrizes hipertróficas e quelóides, amamentação, tabagismo - não são contraindicações para os "peelings" superficiais. Ou seja, nas questões 3 e 4 valeria a pena acrescentar, "exceto os muito superficiais ou superficiais". 5. Com relação aos cuidados pós-"peeling", assinale a incorreta: O uso de antibiótico tópico não é rotina mesmo após um "peeling" médio ou profundo. Há autores experientes em "peelings" que acreditam que o uso só de vaselina pura melhora a hidratação da pele, acelera a reepitelização e diminui o risco de infecções, sem diferença com o uso de pomada de antibiótico, inclusive no resultado do "peeling". A hidrocortisona pode ser usada quando há lesões eczematosas e prurido que não possam ser controlados com compressas frias, água termal associadas ou não às loções apenas calmantes. Se for só para aliviar o ardor e o eritema, não se deve usar corticóide nenhum pois há diminuição da resposta inflamatória e isso pode retardar o processo de reepitelização e comprometer o resultado final do "peeling" (Brody HJ. Chemical peeling and resurfacing, 1997). 5

6 ARTIGO Reparo da Fenda de Lóbulo de Orelha Sergio Schrader Serpa Membro Efetivo da SBCD (RJ) e Prof. da Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá. O uso de brincos e piercings de orelha têm feito parte da moda feminina há vários séculos e, desta forma, a ocorrência de fendas e quelóides do lóbulo de orelha era quase exclusivamente vistas em mulheres. Recentemente, a utilização deste ornamento tem sido popular também entre os homens, bem como os problemas relacionados ao seu uso. 1 A fenda do lóbulo de orelha pode resultar de trauma agudo, resultante de arrancamento do brinco, acidente ou assalto, ou de um processo crônico em que o peso do ornamento causa progressivo aumento do furo. Menos freqüentemente observamos casos congênitos. As fendas do lóbulo da orelha podem ser completas ou incompletas. 2,3 O reparo cirúrgico deste problema é feito após anestesia local, através de desepitelização das bordas da fenda, e pelo reparo anterior e posterior com fio de sutura. A maioria dos pacientes deseja voltar a usar brincos logo após a cirurgia. Desta forma, alguns autores descreveram técnicas que mantêm o furo original, 4,5,6 mas isto pode provocar rápida recorrência da fenda, caso o paciente volte a usar brincos pesados. É preferível aguardar 60 dias e realizar novo furo, em área diferente da original, em conformidade com a vontade do paciente. O evertor de pálpebra de Desmarres de 20 mm pode ser utilizado para auxiliar o cirurgião no reparo da fenda de lóbulo de orelha. Ele deve ser colocado no eixo vertical da orelha, com o lado da fenestra posicionado no aspecto anterior do lóbulo e atarraxado até alcançar um campo sem sangramento. Faz-se a incisão no lóbulo, incluindo a fenda e, a seguir, reposiciona-se o evertor para se proceder a incisão no aspecto posterior do lóbulo. O uso do evertor de Desmarres traz maior precisão à incisão, devido à fixação do lóbulo e pelo efeito hemostático, reduz o tempo operatório e torna possível que seja realizada sem auxiliar. As fendas incompletas podem ser tratadas sem a necessidade de se completar a fenda para o seu fechamento. As técnicas consistem na eliminação do anel epitelizado que circunda a fenda e na síntese cirúrgica dos aspectos anterior e posterior do lóbulo. A retirada deste anel com lâmina de bisturi é dificultada pelo pequeno campo operatório, em geral requer dois cirurgiões, e provoca maior possibilidade de se deixar tecido epitelizado dentro da ferida cirúrgica. As alternativas para esta correção incluem o uso de punchs para a retirada da fenda e de certa quantidade de tecido em torno desta. A técnica é simples e deve ser utilizada contra um anteparo esterilizado de madeira ou resina plástica. Após a retirada do fragmento, procede-se à sutura dos aspectos anterior e posterior do lóbulo. Nas fendas até 3 mm pode-se utilizar punchs circulares e nas maiores deve-se utilizar punchs elípticos, a fim de se evitar "orelhas de cachorro". Nós temos utilizado uma técnica ainda não descrita para a correção das fendas incompletas, que consiste na utilização de um dermabrasor com lixa diamantada para a desepitelização da fenda, seguida de correção das margens livres com tesoura de íris delicada, ou tesoura de Castroviejo, e síntese cirúrgica. Esta técnica requer que um auxiliar tracione o lóbulo para a execução da dermabrasão pelo cirurgião. A fenda completa deve ser reparada após desepitelização dos bordos, através de incisão elíptica que a englobe totalmente. As fendas incompletas que se aproximam muito da margem inferior do lóbulo devem ser tratadas da mesma forma, pois se houver preservação do tecido inferior da fenda, a síntese causará irregularidade na margem inferior do lóbulo. O fechamento da fenda pode ser feito após realinhamento das margens através de tração com ganchos delicados por um auxiliar. No entanto esta cicatriz longitudinal costuma contrair, provocando algum tempo após uma indentação ou chanfradura na margem inferior do lóbulo. Para evitar esta complicação, alguns autores recomendam a execução de zetaplastia envolvendo toda a fenda ou apenas a margem inferior do lóbulo. No entanto, a zetaplastia torna a técnica mais complexa e demorada e deixa uma cicatriz mais evidente nos pacientes com pele tipo III ou IV. Nós temos observado que ao executarmos uma sutura intradérmica na margem inferior da fenda, com fio metacryl 5.0, e iniciarmos a sutura externa a partir desta margem inferior em direção ao centro do lóbulo evita a formação da indentação e produz uma cicatriz mais imperceptível. As suturas externas devem ser realizadas com prolene 6.0 ou mononylon 6.0 e devem ser removidas com 6 dias. Recomenda-se que se aguarde entre 45 e 60 dias para se fazer um novo furo. Bibliografia 1. ALOOR, RK, OFODILE FA. Cleft earlobes in males. Plast Reconstr Surg. 2001;108: HARAHAP M. Repair of split earlobes. J Dermatol Surg Oncol. 1982;8: BLANCO-DÁVILA F, VÁSCONEZ HC. The cleft earlobe: a review of methods of treatment. Ann Plast Surg. 1994;33: BOO-CHAI, K. The cleft earlobe. Plast Reconstr Surg. 1961;28: PARDUE AM. Repair of torn earlobe with preservation of the perforation for na earring. Plast Reconstr Surg. 1973;51: ELSAHY NI. Reconstruction of the cleft earlobe with preservation of the perfuration for na earring. Plast Reconstr Surg. 1986;77: SAMPER A, BAZAN A. Traumatic earlobe cleft repair by using a Desmarres clamp. Plast Reconstr Surg. 1999;103: HERSH SP. Repair of the incomplete earlobe cleft. Plast Reconstr Surg. 1996;97: ELEJABEITA J, LASSO JM. Elliptical punch to repair incomplete cleft earlobes. Ann. Plast Surg. 1998;41: HAMILTON R, LA ROSSA D. Method for repair of cleft earlobes. Plast Reconstr Surg. 1975;55: CASSON P. How do you repair a split earlobe? J Dermatol Surg. 1976;2:21. 6 Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica

7 ARTIGO Melanoníquia Longitudinal: Aspectos Gerais Para Diagnóstico Nilton Di Chiacchio Médico Assistente da Clínica de Dermatologia do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo. Prof. Adjunto da Disciplina de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. A melanoníquia longitudinal (ML) tem como causa o pigmento de melanina na placa ungueal. É mais freqüentemente observada em indivíduos melanodérmicos, indicando a relação da melanogênese da unha com a cor da pele. A incidência de ML é significativamente maior em pessoas de pele escura quando comparado com brancos. Aproximadamente 100% dos negros americanos tem ML acima dos 50 anos, ocorrendo em 20% dos japoneses e freqüentemente observado em hispânicos. Em brancos a incidência é de 1%, embora recentes estudos sugerem um aumento da incidência. A ML aumenta com a idade, existindo relatos da possibilidade de acometimento em crianças ou mesmo formas congênitas. O polegar, indicador e halux são os dedos mais atingidos, provavelmente refletindo a causa traumática para essa patologia. Principais diagnósticos diferenciais: hematoma subungueal; corpos estranhos; infecções fúngicas causadas pelo Trycophyton rubrum, Candida humicola e Wangiella dermatitidis; infecções bacterianas que produzem pigmentação; drogas como hidroxiuréia, minociclina, fluconazol e o 3 -azidodeoxitimidina (AZT); tumores, entre eles o carcinoma basocelular, a doença de Bowen e o carcinoma espinocelular; gravidez Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, sendo independente da medicação (zidovudine), estando associada com melanodermia difusa e níveis elevados de alpha MSH; Síndrome de Laugier-Hunziker (hiperpigmentação macular benigna da mucosa bucal e lábios e melanoníquia); fatores como onicofagia, onicotilomania e friccional. A importância do diagnóstico etiológico da ML é separar as lesões melanocíticas benignas (lentigos benignos, nevos, hiperplasia melanocítica benigna) e as de etiologia não melanocítica (hematomas, infecções fúngicas e bacterianas, farmacodermias etc.) da hiperplasia melanocítica atípica e melanoma subungueal. Critérios de Diferenciação das Melanoníquias 1- Sinal de Hutchinson O sinal de Hutchinson caracterizado pela coloração marrom ou preto no leito, matriz ou bordas ungueais não é patognomônico de melanoma, podendo estar ausente nessa condição. A certeza desse diagnóstico só é possível quando essa pigmentação está acompanhada de ulceração do leito e/ou granuloma. O sinal reflete o crescimento radial do tumor porém necessita de confirmação histopatológica sem o que torna-se um sinal apenas presuntivo. Pode aparecer em condições benignas denominado de "pseudo-sinal", na doença de Bowen ou por transparência nos nevos melanocíticos benignos da matriz ungueal. 2 Regra do "ABCDEF" Algumas tentativas de se estabelecer critérios de diferenciação clínicos são encontrados na literatura. Eyal (2000) relata que a regra do ABCD utilizada nos melanomas cutâneos não pode ser aplicada ao subungueal. Revisando os dados de literatura que tentam reunir informações capazes de identificar o melanoma subungueal, comparou os dados mais freqüentes e estabeleceu a regra do ABCDEF, como se segue: A=Age (idade): maior freqüência na 5ª a 7ª década. B=Black band: faixa marrom ou preta, com mais de 3 mm de largura, irregular C=Change: Crescimento rápido. D=Digit: dedo acometido por ordem decrescente de freqüência: Polegar > Halux > Indicador > Mínimo > Múltiplos. E=Extension: Sinal de Hutchinson. F=Family: História familiar. 3- Indagações Baran, Berker e Drawber aconselham a- nalisar as seguintes indagações: As faixas pigmentadas afetam um ou múltiplos dedos? Quais dedos (mãos/pés)? O pigmento pode ser exógeno? Um pododáctilo se sobrepõe a unha envolvida? Há pigmentação periungueal (sinal de Hitchinson)? O pigmento tem um bordo impreciso? O tamanho da faixa aumenta com o tempo? A faixa pigmentar atinge o bordo livre da unha? Há um hematoma linear não migratório? Há um corpo estranho? Apesar das tentativas de se elucidar clinicamente as ML, o diagnóstico preciso só poderá ser feito por meio do estudo histopatológico. Para isso devemos conhecer as técnicas de biópsia do aparelho ungueal bem como suas melhores indicações específicas para cada caso. 7

8 Subcision para correção de alterações do relevo corporal Dóris Hexsel e Rosemari Mazzuco Dermatologistas formadas pela Faculdade de Medicina da Universidade de Passo Fundo (RS). Em 1995, os dermatologistas americanos Drs. David e Norman Orentreich descreveram uma nova técnica cirúrgica para correção de cicatrizes deprimidas e rugas faciais. A técnica baseava-se na secção dos septos fibrosos dérmicos e subcutâneos, que exerciam tração sob a pele, e foi denominada e registrada com o nome de Subcision. Em 1997, as presentes autoras adaptaram a Subcision para a correção de alterações do relevo corporal, como a celulite e as seqüelas de lipoaspiração. A técnica e os resultados foram publicados em artigos nacionais e internacionais, entre os quais destacam-se o dos Anais Brasileiros de Dermatologia em 1997 e o do International Journal of Dermatology em A eficácia, a pequena incidência de complicações e a fácil realização são importantes características que tornaram a Subcision um procedimento com boa aceitação, no arsenal terapêutico da Dermatologia cosmética e da Cirurgia do contorno corporal, a nível mundial. Indicações e Mecanismos de Ação A Subcision está indicada para os casos de celulite graus III e IV, ou seja, quando existem depressões de relevo visíveis, estando a paciente em repouso. Também está indicada para corrigir as alterações de relevo pós-lipoaspiração e pós-traumáticas. A Subcision no tratamento da celulite age por três mecanismos já descritos: 1) secção dos septos fibrosos do sistema musculo-aponeurótico superficial, localizados na gordura subcutânea, liberando a tração imposta à pele; 2) neoformação de tecido conjuntivo, a partir dos hematomas, ocasionando um preenchimento autólogo da área deprimida; e, 3) redistribuição da gordura e das forças de tração e tensão nos lóbulos de gordura, após a secção dos septos. Entretanto a técnica não é eficaz no tratamento da flacidez e de gorduras localizadas, condições clínicas que freqüentemente acompanham e exacerbam a celulite. Pré-operatório O paciente é orientado para evitar o uso de analgésicos, anti-inflamatórios e outras drogas que possam interferir com a coagulação, uma semana antes e depois do procedimento. É, também, sugerido que diminua a ingesta de ferro, inclusive na alimentação, para controlar melhor a evolução dos hematomas e prevenir a hemossiderose. Solicita-se um coagulograma, para descartar alterações na coagulação. Sugerese antibiótico profilático, e a preferência das presentes autoras é pela ciprofloxacina na dose de 500 mg, cujo início é recomendado para 6 horas antes do procedimento. Outras orientações necessárias são fornecidas por escrito e a paciente assina um termo de consentimento informado. Técnica Inicialmente a paciente deve ser fotografada. Com a paciente em pé e a musculatura relaxada, são delimitadas as áreas deprimidas, utilizando-se uma caneta marcadora especial para pele. Somente serão marcadas as depressões visíveis ao repouso. A paciente é posicionada em decúbito ventral, e a antissepsia pode ser feita com qualquer dos antissépticos usuais disponível, sempre de maneira ampla e rigorosa. A anestesia é infiltrativa retrógrada e em leque. Deve se estender por alguns milímetros além da marcação, para garantir um procedimento livre de desconforto e dor. O anestésico de escolha é a lidocaína a 2% com vasoconstritor, sendo este último indispensável para o controle do tamanho dos hematomas. Após a vasoconstrição, evidenciada por palidez e piloereção da área, uma agulha é introduzida externamente à área marcada, a fim de permitir os movimentos adequados para a realização da Subcision. A agulha utilizada pode ser uma agulha de bisel comum, porém a mais adequada é a BD Nokor calibre 18G, que possui uma lâmina na sua extremidade. O nível de secção é o subcutâneo, portanto a agulha deve ser mantida num plano horizontal, na profundidade aproximada de 1,5 a 2,0 cm da superfície cutânea. A lâmina cortante deve estar voltada para o lado esquerdo. Após o posicionamento da agulha de bisel comum, iniciam-se os movimentos de látero-lateralização, da direita para a esquerda, seccionando as traves fibrosas. No caso da agulha BD Nokor, após o posicionamento no mesmo nível subcutâneo, pressiona-se o bisel cortante em direção aos septos e para a esquerda da mão do operador. Inicia-se um movimento de retirada da agulha, mantendose a pressão contra os septos, movimento este que permite a secção dos septos. Um teste do pinçamento cutâneo suave determinará a presença de septos residuais. Pela secção de pequenos vasos sangüíneos, que acompanham os septos conjuntivos, ocorre a formação de hematomas. A hemostasia é obtida pela com- 8 Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica

9 ARTIGO pressão local, imediatamente após a secção dos septos. No sentido de se obter uma compressão mais uniforme, preferese a utilização de bolsas de areia envoltas por campos estéreis, por alguns minutos. Um curativo com micropore direto sobre a pele ajuda a proteger a área operada. A compressão deve ser mantida pelo uso de calça ou bermuda elástica por quatro semanas. O número de lesões tratadas em cada sessão dependerá da dose anestésica, calculada de acordo com o peso corporal da paciente. Áreas extensas devem ser parcialmente corrigidas, a fim de e- vitar grandes descolamentos e hematomas de grandes proporções, com os riscos inerentes. Pós-operatório As seguintes recomendações devem ser observadas: 1. Uso de roupa compressiva durante quatro semanas; 2. Repouso relativo nas primeiras duas semanas; 3. Exercícios físicos moderados (caminhadas) somente a partir da segunda semana; ANTES 4. Analgésicos (acetaminofen) nas primeiras 48 horas ou se houver queixa de dor; 5. Antibiótico até o terceiro dia (ciprofloxacina 500 mg) de 12/12 horas. A primeira revisão pós-operatória é feita em 48 horas, quando os curativos são trocados e o antibiótico suspenso. Resultados Apresentados Em 6 anos de experiência clínica, respeitando-se as indicações apropriadas, as taxas de eficácia da Subcision são superiores a 90%. O risco de complicações graves ou intratáveis é praticamente nulo, desde que tomadas as medidas de segurança já citadas. Hematomas organizados (nódulos endurecidos e dolorosos à palpação, sob a área de equimose) e hemossiderose (coloração acastanhada da pele após a reabsorção dos hematomas) são as complicações mais freqüentes e tendem a regredir espontaneamente. Resposta sub-ótima pode ser corrigida em outro tempo operatório, com intervalo de dois meses. DEPOIS Excesso de resposta pode eventualmente ocorrer e é caracterizado pelo abaulamento da área tratada. Costuma regredir pela infiltração de triancinolona diluída (10 mg/ml) ou micro-lipoaspiração da área elevada. São complicações também descritas neste procedimento: infecção pós-operatória, sangramento excessivo, cicatrizes hipertróficas e hipercromia pós-inflamatória, não observadas na experiência das presentes autoras. Bibliografia 1. ORENTREICH DS, ORENTREICH N. Subcutaneous incisionless (Subcision) surgery for the correction of depressed scars and wrinkles. Dermatol Surg 1995;21: HEXSEL DM, MAZZUCO R. Subcision: uma alternativa cirúrgica para a lipodistrofia ginóide ("celulite") e outras alterações do relevo corporal. An Bras Dermatol 1997;72: HEXSEL DM, BOHN J, MAZZUCO R, RAMOS-E- SILVA M. Subcision for minor idiopathic lipodystrophy and other skin depressions (poster e apresentação oral). 19 Congresso Mundial de Dermatologia, Sydney, Austrália Jun/ HEXSEL DM, MAZZUCO R. Subcision: a treatment for cellulite. Int J Dermatol 2000; 39: SCHERWITZ C, BRAUM-FALCO O. So-called cellulite. J Dermatol Surg Oncol 1978;4: DRAELOS ZD, MARENUS KD. Cellulite: etiology and purported treatment. Dermatol Surg 1997;23: HAAS AF, GREKIN RC. Preoperative considerations for antibiotic prophylaxis and antisepsis. In: Robinson JK, Arndt KA, LeBoit PE, Wintroub BU, ed. Atlas of Cutaneous Surgery. Philadelphia: WB Saunders, 1996: LYNCH WS. Local anesthetics. In: Epstein E, Epstein E Jr, ed. Skin Surgery. Philadelphia: WB Saunders, 1987: COLEMAN WP III. Liposuction. In: Wheeland RG, ed. Cutaneous Surgery Philadelphia: WB Saunders, 1994:

10 O futuro dos Preenchimentos Faciais O que há de novo e o que virá Carlos Roberto Antonio Professor Responsável pela Cirurgia Dermatológica da Disciplina de Dermatologia da Faculdade de S. J. Rio Preto - SP Os primeiros materiais a serem tentados com objetivos de preenchimento e diminuição das rugas foram o teflon, parafina, silicone, ouro e, em um passado mais recente, o colágeno bovino. Todos estes materiais não respeitaram os quesitos básicos de preenchedor ideal e foram gradualmente substituídos por outros com características não-antigênicas, nãocarcinogênicas, inerte, de fácil aplicação, baixo custo, resultados duradouros - bons a excelentes, não fagocitáveis por macrófagos e outras boas características. Assim surgiu uma segunda geração, que hoje é a mais utilizada no Brasil, encabeçada pelo ácido hialurônico, derivados da acrilamida, politetrafluoretileno e silicone líquido injetável. No momento existem novas tendências em preenchimento que buscam no próprio organismo humano (preenchedores autólogos e homólogos) mecanismos que possam reverter o processo de envelhecimento. Associado a estes, também ocorre uma tendência em procurar reavivar, através de tecnologia moderna, substâncias sintéticas ou não, que foram abandonadas ou desacreditadas em um passado recente como é o caso do silicone, colágeno e teflon. Apresentaremos então um resumo dos principais preenchimentos que estão sendo lançados e utilizados em todo mundo. Lançados Recentemente e em Uso no Brasil ÁCIDO HIALURÔNICO + ACRILAMIDA (DERMALIVE ) Produzido na França e muito utilizado na Europa. Trata-se de uma associação de uma solução de ácido hialurônico com uma suspensão de fragmentos flexíveis e não reabsorvíveis de hidrogel acrílico. Os fragmentos de hidrogel acrílico apresentam característica de implante duradouro, já que o diâmetro médio, entre 45-65µm, é suficientemente grande para não migrar e nem ser fagocitado. Estas partículas se mantêm no local graças ao tecido conjuntivo que se forma progressivamente ao redor do material. Deve ser injetado na derme média. Estamos realizando estudos com este preenchimento há dez meses com resultados eficazes e duradouros até a presente data (maio 2002). É muito importante respeitar um intervalo de pelo menos três meses entre duas sessões para não correr risco de fibrose excessiva local. DIMETILSILOXANE (BIOPLASTIQUE ) Material copolímero bifásico constituído por uma fase sólida (dimetilsiloxane sólido completamente polimerizado, vulcanizado e texturizado) e outra à base de um gel veicular (polivinilpirridona- PVP) da famílias dos plasdones. No momento é mais utilizado por cirurgiões plásticos. A aplicação é realizada através de uma pistola de injeção, equipada com sistema de "catraca", que libera quantidades calculadas do material. Necessita anestesia local. Só pode ser executada por especialistas com experiência e treinamento prévio da técnica. Devem ser feitas correções discretas (sempre para menos) e em várias etapas. IMPLANTES À BASE DE COLÁGENO AUTÓLOGO (AUTOLOGEN ) Fabricado pela Collagenesis, Inc., Beverly - MA. Obtido a partir de colágeno retirado de biópsias do próprio paciente com posterior processo de extração e purificação do colágeno. Apresentado em três formas padrão (Autologen) - com solução de colágeno autólogo 4%; colágeno cross-linked* (Autologen XL 6%) e, além disso, pode ser feito conforme a necessidade do paciente: em concentração baixa 25mg/ml ou 2,5%, ou alta como 100mg ou 10%. A aplicação é realizada na derme médio-profunda e junção com o subcutâneo. ISOLAGEN Fabricado por Isolagen Technologies, Inc., Paramus - NJ, USA. Trata-se de uma solução de cultura de fibroblastos vivos e expandidos em solução, em uma matriz extracelular preparada pela Isolagen Technologies. Os fibroblastos são extraídos de espécimes de biópsias do próprio paciente e são expandidos posteriormente por uma técnica de cultura do tecido. São colocados após a retirada, em tubos de ensaio contendo gelo e rapidamente transportados em meio apropriado. Seis semanas após a chegada do fragmento doado, o paciente recebe uma amostra para a realização de um teste na porção interna do antebraço. Oito semanas da aquisição da biópsia é então realizado o procedimento. A aplicação deve ser feita no máximo em 24 horas após o transporte do produto para que se aproveite 95% dos fibroblastos vivos, 48 h após a eficácia cai para 85% e 72h após para 65%. Local a ser aplicado: derme superficial, média, médio-profunda, profunda e subcutâneo. Múltiplas aplicações podem ser feitas em várias camadas para que se criem bolsas de preenchimento e com isto melhora do resultado. Duração média de 2,5 anos. Não houve relato de resposta alérgica ao implante. Uma das vantagens do Isolagen é que após o envio do primeiro material não mais é necessário o envio de novos, já que os fibroblastos podem ser expandidos repetidamente sem adicional necessidade 10 Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica

11 ARTIGO de nova biópsia. Pode ser estocado indefinitivamente em nitrogênio líquido e pode ser renovado a qualquer hora. IMPLANTES DE COLÁGENO HOMÓLOGO 1. DERMALOGEN 2. FASCIAN 3. ALLODERM DERMALOGEN Produzido por Collagenesis, Inc., Beverly - MA, USA. Suspensão injetável acelular de fibras colágenas homólogas, humana, preparada de um doador humano de pele viva e obtida através de um banco de tecidos em New Jersey. Uma das vantagens do Dermalogen em relação ao Autologen e Isolagen é que está imediatamente disponível para uso. Através de um processo extremamente delicado é obtido uma suspensão essencialmente acelular sem alterar as fibras colágenas e sua matriz. Não há relatos de qualquer reação adversa. Deve ser injetado na derme média. ALLODERM Produzido por Life Cell Corporation, The Woodlands, TX - USA. Trata-se de um enxerto dérmico humano acelular e nãoimunogênico, processado da pele de cadáveres humanos, e comercializado em camadas implantáveis. Não há ainda relatos de reações adversas ou complicações. FASCIAN Fascia Biosystems, LLC, Beverly Hills, CA, USA. Suspensão injetável de colágeno derivado da fáscia lata humana preservada ou do gastrocnemico. Após a retirada é congelada seca, irradiada, fragmentada e colocada em vácuo. Antes do tratamento o produto deve ser hidratado com solução salina ou lidocaína, e agitada por 5-10 minutos para que forme-se uma solução homogênea e cristalina. Apresentado em partículas de tamanho 0,1mm, 0,25mm, 0,5mm, 1mm e 2mm em seringa Luer-Lock estéril pronta para injeção. Têm longa duração. Não é necessário teste prévio e não têm ocorrido casos de contaminação cruzada ou reações alérgicas. COLÁGENO KOKEN ATELOCOLLAGEN (não aprovado pelo FDA) Trata-se de um novo implante em solução aquosa não fibrilar, monomolecular, a 2% de colágeno bovino. É manufaturado pela Koken Company, em Tóquio no Japão. Apresenta semelhança na estrutura e indicações do Zyderm. Segundo a empresa a solução monomolecular forma uma matriz de colágeno com uma fina estrutura capaz de atrair mais água e glicosaminoglicanas, promovendo assim uma melhor correção que aquela conseguida através do Zyderm. OUTROS NOVOS IMPLANTES EM TESTE TEFLON PASTE POROUS MESH-FORM POLYETHYLENE (MARLEX ) HYDROXYAPATITE FIOS RUSSOS OUTROS e PTFE Muitos implantes apresentaram evolução quanto à segurança, à medida que procuram materiais do próprio organismo humano ou com estrutura molecular semelhante. Porém, mesmo surgindo constantemente novos implantes, estamos muito distantes do conceito de preenchedor ideal. O custo destes novos preenchedores autólogos e homólogos variam de dólares a ampola. A maioria deles ainda não é definitivo e alguns apresentam dificuldade na sua implantação. Assim concluímos que quanto mais um preenchedor aproximase de muitas das características ideais, mais este se distancia de outra primordial. The Value of a New Filler Material in Corrective and Cosmetic Surgery: DermaLive and DermaDeep Aesth. Plast. Surg. 25: , 2001 Resumos da Literatura DermaLive é um produto de longa permanência utilizado para redução de rugas e inclui dois componentes: ácido hialurônico puro, produzido em cultura de células, e um hidrogel acrílico. É utilizado na correção em longo prazo de depressões cutâneas adquiridas ou naturais (causadas pelo envelhecimento ou trauma) ou para aumento de volume de partes moles (lábios). A tolerância ao produto após 3 anos de experiência é considerada altamente satisfatória. As complicações observadas foram nódulos, edema, vermelhidão no local da injeção, podendo ocorrer até cerca de 6 meses após o procedimento. DermaLive e DermaDeep podem ser descritos como implantes semipermanentes. As indicações para o uso de DermaDeep são mais restritas: sulco naso geniano acentuado, mento e quando necessário à obtenção de volume pronunciado na região malar. Cutaneous Hyperpigmentation Following Venous Sclerotherapy Treated with Deferoxamine Mesylate Luis Lopez, Ralph B. Dilley and Jose A. Henriquez. Dermatol Surg 27: 9 Sep 2001 A Hiperpigmentação cutânea após escleroterapia venosa é uma seqüela adversa de difícil manejo. É referido que pode durar até 6 meses em 36% dos pacientes e mais de 6 meses em aproximadamente 10% dos pacientes tratados com polidocanol. Os autores utilizaram o Mesilato de Deferoxamine que é um agente quelante de ferro e forma um complexo estável que evita que o ferro entre na relação química completa. Foi inferido que o uso de uma substância quelante de ferro deva ter um efeito benéfico no tratamento da hiperpigmentação cutânea após escleroterapia venosa. Os autores investigaram o uso da DM quanto ao tempo de resolução da hiperpigmentação cutânea após escleroterapia venosa para telangiectasias e veias varicosas. 11

12 DICAS Laser para Epilação Selma Schuartz Cernea O crescimento de pelos em locais indesejáveis pode acarretar sérios problemas cosméticos. O hirsutismo e a hipertricose são decorrentes de fatores hereditários, endocrinopatias, medicamentos ou tumores. Uma vez esclarecida a sua etiologia, pode-se indicar a remoção dos pelos. Vários são os métodos disponíveis. As técnicas de depilação a cera, raspagem ou aplicação de cremes depilatórios, resultam em eliminação apenas temporária, além de serem irritantes. A eletrólise é uma técnica que pode ser definitiva, porém apresenta a desvantagem de ser dolorosa e demorada. Requer o tratamento de cada pêlo individualmente, além de eventualmente deixar cicatrizes. A eliminação de pelos através do laser pode ser temporária ou permanente. A primeira implica em uma ausência de pêlos por um período variável de um a três meses, dependendo da sua localização. A remoção permanente é definida como uma redução no número de pêlos terminais por um período de tempo maior que o ciclo do pêlo naquela determinada região. A utilização de laser para epilação se baseia no fenômeno da fototermólise seletiva, ou seja, absorção da luz de um determinado comprimento de onda pelo alvo desejado, o folículo piloso. A luz, ao atingir a pele, penetra na derme e vai através do aquecimento desnaturar as proteínas do folículo, levando a sua destruição. Para se obter a destruição definitiva do pêlo é necessária a destruição das células mãe (stem-cell), localizadas numa área denominada "bulge" que fica próxima à inserção do músculo eretor do pêlo. Algumas variáveis são necessárias para que se realize este processo. O comprimento de onda deve ter afinidade pela melanina, pois este é o cromóforo do pêlo. A energia deve ser adequada. A duração do pulso é um fator importante. Deve ser próxima ou menor que o tempo de relaxamento térmico do folículo (30-100ms) e maior que o tempo de resfriamento da epiderme (3-10ms), para que esta seja preservada. Neste sentido, os sistemas de resfriamento são fundamentais para evitar que a absorção da radiação pela melanina da pela leve à lesão epitelial. Vários aparelhos podem ser utilizados para a remoção dos pêlos, sendo que a sua escolha depende da cor de pele, da cor e da espessura do pêlo. A ausência de melanina no pêlo (pêlo branco) impede a ação do laser, pois o uso de cromógenos externos, como a pasta de carbono, mostrou-se ineficaz. Independentemente do equipamento a ser usado, são necessárias várias sessões para que se obtenham resultados satisfatórios. O intervalo entre as aplicações varia com o local e deve respeitar somente o tempo necessário para a repilação da área, pois a efetividade da aplicação depende da presença do pêlo no folículo. A seguir, faremos uma exposição sumária dos diferentes equipamentos: RUBY Estes aparelhos emitem energia com um comprimento de onda de 694nm, sendo que pela alta absorção que apresentam pela melanina, são eficientes para a destruição de pêlos finos e pouco pigmentados. Entretanto, não devem ser utilizados em pacientes morenos, pelo risco de causarem hipocromias na pele. ALEXANDRITA Emitem energia com comprimento de onda de 755nm e têm mecanismo de ação semelhante ao ruby. Porém, por terem penetração mais profunda com menor afinidade pela melanina, têm menor risco em pacientes de pele more- A tabela abaixo resume as características dos principais aparelhos disponíveis no mercado: Laser Nome comercial Fluência j/cm 2 Tamanho da ponteira Duração do pulso Indicação Ruby 694nm Epilaser (Palomar) 10-40j 7-10mm 3ms Pêlo fino e claro e pele clara Epitouch (Sharplan) 20-40j 3-6mm 1,2ms Idem E2000 (Palomar) 10-50j 10-20mm 3,100ms Idem Alexandrita LPIR (Cynosure) 40j/25j/30j 7mm/10mm/6x10mm 5, 10, 20ms Pêlos finos Pulso longo Apogee (Cynosure) 50j/35j/25j 7mm/10mm/12,5mm 5,10, 20ms 755nm Epitouch (Sharplan) 10 a 50j / 10 a 25j 5mm/7mm 2ms Diodo-800nm LightSheer (Lumenis) 10-60j 9x9 / 12x ms Pêlos escuros e grossos e pele morena ou bronzeada Q-switched Softlight (Thermolase) 2 a 3 j 7mm 10ns Pêlos finos e claros Nd:Yag (remoção temporária) Luz pulsada Epilight (ESC) 30-65j 8x 35mm / 10 x 45mm 2,5 a 7 ms Pêlos finos e grossos e nm pele escura 12 Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica

13 DICAS na, podendo ser utilizados em pêlos finos com quantidade moderada de pigmento. DIODO Aparelhos que emitem energia de comprimento de onda de 800nm e têm menor afinidade pela melanina, comparados aos anteriores (ruby e alexandrita). Seu uso é recomendado em pacientes morenos ou bronzeados. Este equipamento é bom para pêlos grossos, não se obtendo bons resultados em pêlos finos. LUZ PULSADA NÃO COERENTE Aparelhos cuja fonte de luz é não coerente e trabalham com comprimentos de onda de 550 a 1200nm, obtidos com a troca de filtros. São potencialmente úteis em diferentes tipos de pele e cor de pêlos, mas o sucesso dos resultados depende muito da habilidade do operador. Q-switched NEODÍMIO: Yag Tem comprimento de onda de 1064nm. É seguro para peles escuras. Contudo, a duração do pulso muito curta não permite a destruição do folículo, o que se traduz em remoção apenas temporária dos folículos. O preparo do paciente deve necessariamente incluir a orientação quanto à necessidade da presença do folículo na haste do pêlo. Deve ser evitado o arrancamento do mesmo na área a ser tratada, por um período médio de quatro semanas. A fotoproteção também é recomendável, pois quanto menor a quantidade de pigmento na pele menor o risco de danos epidérmicos. Em pacientes morenos, convém utilizar agentes despigmentantes para tornar o tratamento mais seguro. Os efeitos colaterais são pouco freqüentes e incluem: alterações da pigmentação, geralmente temporárias; infecções decorrentes de lesão epidérmica; presença de cicatrizes, felizmente raras, que decorrem de danos na derme. A escolha do laser adequado para cada tipo de pêlo e cor de pele e o treinamento para a utilização correta do equipamento são fundamentais para que se obtenham os melhores resultados. Devese ressaltar que a epilação a laser deve sempre ser executada sob a supervisão de um médico. Pérolas Cirúrgicas Artigos selecionados e comentados pelo Dr. Ival Peres Rosa É muito difícil criar de um ano para o outro grandes novidades na área cirúrgica mas existem trabalhos interessantes que valem a pena serem divulgados. Eleven pearls for cosmetic earlobe repair JOSEPH NIAMTU III, Dermatol. Surg. vol28, 2, feb 2002 Pg180-5 Este trabalho publicado estuda as causas e a reconstituição da dilatação ou abertura completa do orifício do lóbulo da orelha. As técnicas apresentadas pelo autor são de conhecimento de todos. Inclusive preconiza a colocação imediata do brinco na abertura que foi reavivada e ressuturada. O que eu não concordo, porque minha experiência mostra que se for recolocado no mesmo lugar sem rotação de retalho, alarga novamente. Porque a fibrose na linha de sutura não suporta o peso do brinco. O interessante na publicação são os itens sobre prevenção 1. não use brincos pesados por muito tempo 2. retire quando fala no telefone 3. idem no cabelereiro 4. evite crianças 5. troca de roupa: retire primeiro os brincos 6. nas crianças não coloque argolas Reducing pain during hair transplant lidocaine infiltration BERNARD P. NUSSBAUM, Dermatol. Surg. 28, 2, feb 2002, pg198 Todos sabem da dificuldade de se anestesiar sem reclamação, por parte do paciente, tanto na área doadora como na receptora. Por este motivo muitos cirurgiões fazem sedação. Este procedimento necessita de infra-estrutura para ser feito com segurança. A publicação é muito interessante porque através de um artifício simples procura enganar a percepção da dor. A técnica é a seguinte: durante a anestesia, na mesma região um vibrador a pilhas é encostado na pele e isto engana a sensação dolorosa. Por que? Estudos da condução nervosa mostram que a dor caminha pela fibras lentas e a vibração pelas rápidas no mesmo dermátomo. Mynocycline-induced hyperpigmentation of the tongue: successful treatment with the Q-Switched Ruby Laser ILYLSE S.FRIEDMAN, Dermatol. Surg.vol 28, 3, mar 2002 pg Pigmentação por minociclina pode permanecer por anos. Laser de rubi foi utilizado na mucosa oral. Neste caso foram 4 sessões de QSRL 694nm, nsec spot 6,5mm 3,6-4 jaules. O resultado final apresentado foi muito bom. Inclusive o autor comenta que em outras áreas do corpo as máculas pigmentadas por minociclina também são removidas com sucesso. Effective use of the glabella skin as a donor site for nasal tip grafts MICHAEL E.LUTZ, Dermatol. Surg. 28, 1, jan 2002 pg101-2 Qualquer área que possua pele pode ser doadora. A nossa tendência é escolher áreas que possuam pele de mesma espessura da receptora e escondam a cicatriz final da doadora. Por este motivo a região retroauricular é muito usada para reconstituição dos defeitos do nariz. Outra possibilidade seria que com a remoção da pele da área doadora teríamos uma melhor aparência do paciente. Como por exemplo sulco nasogeniano, região pré-auricular e agora esta publicação sugere a glabela. A justificativa seria que a textura e a cor são muito semelhantes da ponta do nariz. Minha opinião é de que uma vez removida a pele, teremos acesso direto a musculatura desta região, podendo enfraquecê-la com os mesmo objetivos da toxina botulínica. Prevention of temporal alopecia following rhytidectomia: the prophylatic use of minoxidil, a study of 60 patients SORIN EREMIA. Dermatol. Surg.vol 28, 1, jan 2002 pg Um trabalho interessante sobre uso de minoxidil profilático e pós cirúrgico na ritidectomia mostra que realmente tem ação neste tipo de alopécia. Minha opinião é de que este tratamento possa ser útil também em retalhos que mostrem risco de sofrimento. 13

14 XIVCongresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica Goiânia, GO 22 a 26 de junho, 2002 Sábado-22/06/02 CP-Cursos Práticos 08:00 às 12:00h CP01/CRIOCIRURGIA - Carmélia Reis (DF), Cleide Eiko Ishida (RJ), Dácio Burjato Júnior (SP) CP02/ DERMATOSCOPIA BÁSICA - Francisco Macedo Paschoal (SP), Maurício Mendonça do Nascimento (SP) CP03/ELETROCIRURGIA - Eliandre Costa Palermo (SP), João Roberto Antônio (SP), Laisny Soares Guimarães (MG) CP04/PEELINGS SUPERFICIAIS - Dolores Gonzales Fraga (SP), Lúcia Helena F. Arruda (SP), Sarita Maria F.M.C. Bezerra (PE) CP05/PREENCHIMENTOS COM ÁCIDO HIALURÔNICO - Ana Maria Pinheiro (DF), Denise Steiner (SP), Marina Yagima Odo (SP) CP06/TOXINA BUTOLÍNICA AVANÇADO Nalu Iglesias (SC), Malba Bertino (SP), Sérgio Talarico Filho (SP) 14:00 às 18:00h CP07/CRIOCIRURGIA - Carmélia Reis (DF), Dácio Burjato Júnior (SP), Sérgio Schrader Serpa (RJ) CP08/LASER EM DERMATOLOGIA Nuno Osório (SP), Valéria Barreto Campos (SP) Orientadores / Parte Teórica: Uso da luz azul no tratamento da Acne Ricardo Fenelon (SP) Rejuvenescimento não ablativo: o que há de novo e o que há de velho! Valéria Campos (SP) Uso de Laser e Outras fontes de Luz no tratamento da Psoríase e Vitiligo Christine Dierick (Belgica) Avanços na Epilação a Laser e outras fontes de luz - Nuno Osório (SP) Uso de Laser e Outras fontes de Luz em Lesões Vasculares / Luis Antonio Torezan (SP) Uso de Laser em Lesões Pigmentadas Roberto Mattos (SP) Tratamento de Olheiras Natalia Cymbalista (SP) Tratamento de Estrias, cicatrizes e verruga com laser e outras fontes de luz Suzana Schaimberg - (SP) Novidades práticas do último Congresso da Academia Americana de Laser (ASLMS) Atlanta 2002 Tereza Makaron (SP) Parte Prática e Discussão / Epilação: Quantum HR Gabriel Gontijo (MG) Lightsheer Adriana Fenelon (GO) Lesões Vasculares Vasculight: Paulo Barbosa (BA) Acne Clearlight: Ana Paula Fonseca (SP) Resurfacing não Ablativo: 1.Cooltouch: Emerson Vicenti Alves (SP) 2.Quantum: Áurea Lopes (SP) 3.NLITE: Christine Dierick (Bélgica) Aspectos Práticos do Bclear: Christine Dierick (Bélgica) CP09/ELETROCIRURGIA Eliandre Costa Palermo (SP), João Roberto Antônio (SP), Laisny Soares Guimarães (MG) CP10/PEELINGS SUPERFICIAIS Dolores Gonzales Fraga (SP), Lúcia Arruda (SP), Sarita Maria F.M.C. Bezerra (PE) CP11/PREENCHIMENTOS COM ÁCIDO HIALURÔNICO Malba Bertino (SP), Marina Odo (SP), Sérgio Talarico Filho (SP) CP12/TOXINA BOTULÍNICA AVANÇADO Denise Steiner (SP), Doris Maria Hexsel (RS), Shirlei Schnaider Borelli (SP) Hospital das Clínicas - UFG CP - Cursos Práticos 08:00 às 12:00h CP13/CORREÇÃO DE CICATRIZES DE ACNE (ESGOTADO) CP14/CORREÇÃO DE CICATRIZES DE ACNE (ESGOTADO) CP15/CORREÇÃO DE CICATRIZES DE ACNE Bogdana Victoria Kadunc-SP CP16/CORREÇÃO DE CICATRIZES DE ACNE Carlos D Aparecida Machado F o (SP) CP17/CIRURGIA DE UNHAS (ESGOTADO) CP18/CIRURGIA DE UNHAS Nilton Di Chiacchio (SP) CP19/DERMOABRASÃO Izelda Maria Carvalho Costa (DF) CP20/FENOL Ival Peres Rosa (SP) CONGRESSO CP21/FLEBOLOGIA Reinaldo Tovo F o (SP) CP22/LIPOASPIRAÇÃO Cássio Martins Villaça Neto (SP) CP23/LIPOENXERTIA Benjamin Golcman (SP) CP24/PEELINGS MÉDIOS Ediléia Bagatin (SP) CP25/PEELINGS MÉDIOS Lia Cândida Miranda de Castro (GO) CP26/SUBCISÃO Bertha Miyuki Tamura (SP) CP27/SUBCISÃO Doris Maria Hexsel (RS) 14:00 às 18:00h CP28/CORREÇÃO DE CICATRIZES DE ACNE (ESGOTADO) CP29/CORREÇÃO DE CICATRIZES DE ACNE (ESGOTADO) CP30/CORREÇÃO DE CICATRIZES DE ACNE Ada Trindade de Almeida (SP) CP31/CORREÇÃO DE CICATRIZES DE ACNE Ariene Pereira Paixão (BA) CP32/CIRURGIA DE UNHA Mauro Enokihara (SP) CP33/CIRURGIA DE UNHA (ESGOTADO) CP34/DERMOABRASÃO Nalu Iglesias Martins de Oliveira (SC) CP35/FENOL Chinobu Chisaki (SP) CP36/FLEBOLOGIA Reinaldo Tovo F o (SP) CP37/LIPOASPIRAÇÃO Yassunobu Utiyama (SP) CP38/LIPOENXERTIA Aroldo Takemi Nakaguma (MG) CP39/PEELINGS MÉDIOS Edileia Bagatin (SP) CP40/PEELINGS MÉDIOS Rossana Magalhães Rodrigues Alves (GO) CP41/SUBCISÃO Bertha Miyuki Tamura (SP) CP42/SUBCISÃO Rosemary Mazzuco (RS) Domingo-23/06/02 CV-Cursos em Vídeo 09:00 às 12:00h CV01/BLEFAROPLASTIA Carlos Machado Filho (SP) CV02/CIRURGIA MICROGRÁFICA-MOHS 14 Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica

15 Roberto Gomes Tarlé (PR) CV03/DERMOSUSTENTAÇÃO Marina Yagima Odo (SP) CV04/ENDOCOAGULAÇÃO Bertha Miyuki Tamura (SP) CV05/LASER-EPILAÇÃO Valéria Barreto Campos CV06/LASER-LESÕES VASCULARES Aldo Toschi (SP) CV07/LASER-PIGMENTOS Emmanuel Rodrigues de França (PE) CV08/LASER-RESURFACING Ricardo Fenelon das Neves (DF) CV09/LIPOASPIRAÇÃO Yassunobu Utyiama (SP) CV10/LIPOENXERTIA Aroldo Takemi Nakaguma (MG) CV11/MINILIFTING Bogdana Victoria Kadunc (SP) CV12/RETALHOS E ENXERTOS Hamilton Ometto Stolf (SP) CV13/TRANSPLANTE DE CABELOS/SOBRANCELHAS Francisco Le Voci (SP) CV14/CIRURGIA DE UNHAS Nilton Di Chiacchio (SP) CV-Cursos em Vídeo 15:00 às 18:00h Marina Yagima Odo (SP) CV15/BLEFAROPLASTIA Carlos Machado F o (SP) CV16/CIRURGIA MICROGRÁFICA - MOHS Roberto Gomes Tarlé (PR) CV17/DERMOSUSTENTAÇÃO Marina Yagima Odo (SP) CV18/ENDOCOAGULAÇÃO Bertha Miyuki Tamura (SP) CV19/LASER-EPILAÇÃO Valéria Barreto Campos (SP) CV20/LASER-LESÕES VASCULARES Aldo Toschi (SP) CV21/LASER-PIGMENTOS Emmanuel Rodrigues de França (PE) CV22/LASER-RESURFACING Ricardo Fenelon das Neves (DF) CV23/LIPOASPIRAÇÃO Yassunobu Utiyama (SP) CV24/LIPOENXERTIA Aroldo Takemi Nakaguma (MG) CV25/MINILIFTING Bogdana Victoria Kadunc (SP) CV26/RETALHOS E ENXERTOS Hamilton Ometto Stolf (SP) CV27/TRANSPLANTE DE CABELOS/SOBRANCELHAS Francisco Le Voci (SP) CV28/CIRURGIA DE UNHAS Nilton Di Chiaccio (SP) ICL - Instituto de Cirurgia a Laser CP-Cursos Práticos 08:00 às 12:00h CP43/RESURFACING Paulo Roberto Barbosa Silva (BA) Alcidarta dos Reis Gadelha (AM) CP44/EPILAÇÃO Roberto Adilson de Mattos (SP) CP45/LASER-LESÕES VASCULARES E PIGMENTARES Simão Cohen (SP) CP46/LASER EM ACNE Suzana Lerner C. Schainberg (SP) CP47/LASER-LESÕES PIGMENTARES (TRANSFERIDO PARA CP45) CP48/COBLATION Carlos Roberto Antônio (SP) CP49/RESURFACING NÃO-ABLATIVO Jacob Levites (SP) 14:00 às 18:00h CP50/RESURFACING Erasmo Tokarski (DF), Silvana Andrade (DF) CP51/EPILAÇÃO Roberto Adilson de Mattos (SP) CP52/LASER-LESÕES VASCULARES E PIGMENTADAS Simão Cohen (SP) CP53/LASER EM ACNE Suzana Lerner Schainberg (SP) CP54/LASER- LESÕES PIGMENTADAS (TRANSFERIDO PARA CP45) CP55/COBLATION Carlos Roberto Antônio (SP) CP56/RESURFACING NÃO-ABLATIVO Nuno Osório (SP) Centro de Convenções CT-CURSOS TEÓRICOS 08:00 às 12:00h CT01/ ASSISTENTES DE CONSULTÓRIO Vera Lúcia Costa Xavier (GO) Altiva Lobão Salgado (RJ) CT02/FOTOGRAFIA CONGRESSO Dácio Burjato Júnior (SP) CT03/INFORMÁTICA Chao Lung Wen (SP) CT04/MARKETING NO CONSULTÓRIO Lígia Kogos (SP) Shirlei Schnaider Borelli (SP) CT05/CENTRO CIRURGICO (RECOMENDAÇÕES) Giselle Ribeiro Pereira Seabra (RJ) Maria Alice Coelho (GO) 14:00 às 18:00h CT06/ASSISTENTES DE CONSULTÓRIO Vera Lúcia Xavier (GO) / Altiva Salgado (RJ) CT07/FOTOGRAFIA Dácio Burjato Júnior (SP) CT08/INFORMÁTICA Chao Lung Wen (SP) CT09/MARKETING NO CONSULTÓRIO Ligia Kogos (SP) Shirley S. Borelli (SP) CT10/CENTRO CIRÚRGICO (RECOMENDAÇÕES) Giselle Ribeiro Pereira Seabra (RJ) Maria Alice Coelho (GO) Segunda-24/06/02 Centro de Convenções CM- Cafés da Manhã 08:00 às 9:00h CM01/TERAPIA FOTODINÂMICA Luís Antônio Ribeiro Torezan (SP) CM02/ÁREAS CRÍTICAS PARA REPARO CIRÚRGICO Hamilton Ometto Stolf (SP) CM03/TRATAMENTO DE GORDURA LOCALIZADA COM FOS- FATILCOLINA (CANCELADO) CM04/MINILIFTING Carlos Machado F o (SP) CM05/ENDOCOAGULAÇÃO Marina Yagima Odo (SP) CM06/REJUVENESCIMENTO-REGIÃO CERVICAL Nalu Iglesias (SP) CM07/REJUVENESCIMENTO-BRAÇOS E MÃOS Izelda Maria Carvalho Costa (DF) CM08/REJUVENESCIMENTO-PÁLPE- MOBILIÁRIO PARA CLÍNICA CRIO CAUTÉRIO DE NITROGÊNIO LITRO (NITRO SPRAY) BOTIJÃO P/ NITROGÊNIO LÍQUIDO 18 L DERMATOSCÓPIO VÍDEO DERMATOSCÓPIO BISTURI DE RÁDIO FREQUÊNCIA /ALTA FREQUÊNCIA LUPA MANUAL COM LÂMPADA DE WOOD ESTUFAS E AUTOCLAVES FOTÓFOROS, LUMINÁRIAS, FOCOS COM UM E TRÊS BULBOS LUPA DE PALA, DE MESA, COM TRIPÉ E MANUAL Fábrica: Av. Otacílio Tomanik, Butantã - São Paulo - SP CEP Tel/Fax: (011)

16 BRAS Cássio Martins Villaça Neto (SP) CM09/LIPOENXERTIA Aroldo Takemi Nakaguma (MG) CM10/TRATAMENTO DE OLHEIRAS Bogdana Victoria Kadunc (SP) CM11/CONDUTA EM NEVOS Francisco Macedo Antônio (SP) CM12/VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ORIENTAÇÕES João Roberto Antônio (SP) Segunda-24/06/02 Centro de Convenções SESSÕES DO CONGRESSO SP01/SIMPÓSIO 01-SOLUÇÕES CRIATI- VAS EM CIRURGIA DEMATOLÓGICA/09:00-10:30h Jorge José de Souza Filho (SC), Ariene Pedreira Paixão (BA), Otávio de Moraes Junior (SP), Nilton Di Chiacchio (SP), Carlos Roberto Antônio (SP), Francisco Macedo Paschoal (SP), Sarita Maria Martins Bezerra (PE), Malba Bertino (SP), Ana Maria Pinheiro (DF) MR01/MESA REDONDA 01-EPILAÇÃO A LASER/10:30-11:15h Christine Dierick (Bélgica), Denise Steiner (SP), Emmanuel França (PE), Luis Torezan (SP), Gabriel Gontijo (MG) e Simão Cohen (SP) MR02/MESA REDONDA 02 - CRIOCIRURGIA/11:15-12:00h Tumores cutâneos de pequeno porte Sérgio Schrader Serpa (RJ) Granuloma Piogênico Luciana Rocha (PE) Hiperplastia sebácea Carmelia Reis (DF) Cryopeeling Dácio Burjato (SP) MR03/MESA REDONDA 03-PEELING E REJUVENESCIMENTO/12:00-12:45h Laser e Rejuvenescimento facial Christine Dierick (Bélgica) Peeling de Fenol Reginal Izelda Maria Carvalho Costa (DF) Outros Peelings em Rejuvenescimento Facial Humberto Antônio Ponzio (RS) SPT01/SIMPÓSIO:ATUALIZAÇÃO EM TOXINA BOTULÍNICA-BOTOX PATROCÍNIO:ALLERGAN/13:00-13:45h SP02/SIMPÓSIO 02:COMPLICAÇÕES / INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS EM CIRURGIA/14:00-15:30h O Impacto do Uso de "Ervas Medicamentosas" na Cirurgia Dermatológica Ana Carolina Junqueira Ferrolla (SP) Interações Medicamentosas e Anestesia na Cirurgia Dermatológica Bhertha Tamura (SP) Cirurgia Dermatológica em Pacientes Recebendo Terapia Anticoagulante Ana Cristina F. Alves (SP) Como Prevenir Complicações Cirúrgicas Cassio Martins Villaça Neto (SP) Preenchimentos-Complicações Eliandre Costa Palermo (SP) MR04/MESA REDONDA 04CICATRIZAÇÃO/15:30-16:15h Fisiopatologia da Cicatrização Carlos Augusto Z. Pereira Prevenção de Cicatrizes Inestéticas Ival Peres Rosa (SP) Antibióticos em Cirurgia Dermatológica Alice O. A. Alchorne (SP) Curativos João Roberto Antônio (SP) Tratamento de Cicatrizes Denise Steiner (SP) MR05/MESA REDONDA 05 QUEIMADURAS/16:15-17:00h Fisiologia do Grande Queimado Benjamin Golcman (SP) Curativos João Roberto Antônio (SP) Prevenção e Tratamento de Seqüelas Nelson Piccolo (GO) SI01/SESSÃO INTERATIVA-TESTANDO SEUS CONHECIMENTOS E APRENDEN- DO-ANATOMIA E SUTURAS/17:30-18:30h Bloqueios x Preenchimento de Lábios Jayme de Oliveira (SP) Musculatura de Expressão Facial x Toxina Botulínica Dolores Fraga (SP) Inervação Motora da Face x áreas de risco Carlos Machado (SP) Anatomia do Couro Cabeludo x Transplante Francisco Le Voci (SP) Anatomia Nasal x Rinofima Alcidarta dos Reis Gadelha (AM) FREL-01/FORUM ESPECIAL PREEENCHIMENTOS - APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO Atualização dos preenchimentos Marina E. Odo (SP) Ácido hialurônico - atualização Denise Steiner (SP) PDMS - Atualização, Técnica de aplicação e emprego adequado Doris Hexsel (RS) Terça-25/06/02 Centro de Convenções SESSÕES DO CONGRESSO SP03/SIMPÓSIO 03:ATUALIZAÇÃO EM ONCOLOGIA CUTÂNEA / 09:00-10:00h Nevo Congênito Pequeno e sua Relação com Melanoma Marcus Maia (SP) Resultado da Campanha Câncer de Pele Jayme de Oliveira Filho (SP) Protocolos e Perspectiva do GBM Mauro Y. Enokihara (SP) COO1/CONFERÊNCIA 01: MELANOMA O QUE HÁ DE NOVO/10:30-11:30h Ivan Durshee de Abranches O. Sanches (SP) SP04/SIMPÓSIO 04:PÉROLAS CIRÚRGICAS EM: CIRURGA DE UNHA, PREEENCHI- MENTOS, PEELINGS QUÍMICOS, RECONSTRUÇÃO, TOXINA BOTULÍNICA E VERRUGAS VIRAIS/11:45-12:45h Cirurgia de Unha Francisco Le Voci (SP) Preenchimentos Carlos Roberto Antônio (SP) Peelings Químicos Dolores Fraga (SP) Verrugas Virais Bhertha Miuki Tamura Cirurgia Reconstrutiva Rachel Menezes Guerra (MG) Toxina Botulínica Rodrigo Maia (MG) SP05/SIMPÓSIO 05:TERAPÊUTICAS NÃO CIRÚRGICAS EM CÂNCER CUTÂNEO /14:00-15:00h Indicações e Resultados com Fototerapia Dinâmica Luís A. Torezan (SP) Quimioterapia Tópica Marcus Maia (SP) CONGRESSO Imunoterapia: Tem futuro no tratamento de câncer cutâneo não melanoma? Mauro Y. Enokihara (SP) SP06/SIMPÓSIO 06: COMPARANDO TÉCNICAS E RESULTADOS /15:00-16:00h Melasma-Tratamento Invasivo Alcidarta dos Reis Gadelha (Peeling) x Yassunobu Uiytama (abrasão) Sulco Nasogeniano tem Solução? Izelda Maria da Costa (Preenchimento) x Benjamin Golcman (Enxerto de Gordura) Qual o Melhor tratamento na sua Opinião para Siringoma? Edileia Bagatin (Segunda Intenção) x Lauro Lourival Lopes Filho (Exerese + Sutura) SP07/SIMPÓSIO 07:CINEDERMA - APRESENTAÇÃO DE VIDEOS DE CIRURGIA /16:30-17:30h Cassio Martins Villaça (SP) / Jayme Oliveira Filho (SP) SPT02/SIMPÓSIO:LASER NO TRATAMENTO DO VITILIGO E PSORÍASE / 17:30-18:15h Christine Dierick (Bélgica) Quarta-26/06/02 TEMAS LIVRES E PREMIAÇÕES (GRUPOS) / 09:00-10:00h ASSEMBLEIA GERAL POSSE DIRETORIA 2002/2003 / 10:00-11:00h O QUE HÁ DE NOVO EM ONCOLOGIA CUTÂNEA/LASER CIRURGIA ESTÉTICA / 11:00-12:30h PRESIDENTE Rogério Tércio Ranulfo (GO) SECRETÁRIA Rossana Magalhães Rodrigues Alves (GO) COORDENADORES Luís Henrique Camargo Paschoal (SP) Sebastião de A. Prado Sampaio (SP) PALESTRANTES Oncologia Cutânea Gabriel Gontijo Laser Nuno E. S. Osório Cirurgia Cosmética Bogdana Victoria Kadunc (SP) Programação Social Domingo -23/06 Local:Centro de Cultura e Convenções Solenidade de Abertura / 20:00h Patrocínio: Allergan Coquetel de Inauguração da Área de Exposição: Goiás Patrimônio da Humanidade / 20:30 as 22:00h Segunda-24/06 Festa Junina Local: Clube Jaó / 20:30h Terça-25/06 21:00h Noite Stiefel Festa Fashion Local:Tennis Place Patrocínio:Stiefel Disporemos de brinquedoteca e berçario para os jovens dermatologistas no centro de convenções. 16 Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra LUZ INTENSA PULSADA Princípios Básicos - P arte II FOTOREJUVENESCIMENTO Dra Dolores Gonzalez Fabra O Que é Fotorejuvescimento? Procedimento não ablativo e não invasivo. Trata simultaneamente hiperpigmentações,

Leia mais

MOLIOR TECNOLOGIA MÉDICA LTDA. Manual do Usuário. Versão 1.0

MOLIOR TECNOLOGIA MÉDICA LTDA. Manual do Usuário. Versão 1.0 MOLIOR TECNOLOGIA MÉDICA LTDA Manual do Usuário Versão 1.0 1 Sumário 1. DIREITOS AUTORAIS... 3 2. INTRODUÇÃO... 4 3. TRATAMENTOS... 5 4. UTILIZAÇÃO... 5 5. ESCOLHA DO TAMANHO IDEAL... 6 6. CUIDADOS APÓS

Leia mais

LUZ INTENSA PULSADA. Princípios Básicos. Dra Dolores Gonzalez Fabra

LUZ INTENSA PULSADA. Princípios Básicos. Dra Dolores Gonzalez Fabra LUZ INTENSA PULSADA Princípios Básicos Dra Dolores Gonzalez Fabra Fazemos o Uso da L.I.P. ( não é laser) e do laser de Nd Yag, conforme a necessidade. * L.I.P. para lesões pigmentares, telangectasias,

Leia mais

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista Um novo conceito em peeling sequencial Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista O QUE É O PEELING 3D? Método diferenciado e patenteado de peeling superficial sequencial

Leia mais

O QUE É REJUVENESCIMENTO A LASER

O QUE É REJUVENESCIMENTO A LASER O QUE É REJUVENESCIMENTO A LASER O TITAN, A LUZ PULSADA e o ND: YAG Clínica Naturale 2008 Autor Prof. Dr. Miguel Francischelli Neto Clínica Naturale Av. Moema, 87 cj 51-52, Moema, São Paulo - SP, Brasil

Leia mais

Peeling Diamante. Auxiliando no rejuvenescimento e na limpeza de pele

Peeling Diamante. Auxiliando no rejuvenescimento e na limpeza de pele Auxiliando no rejuvenescimento e na limpeza de pele Promove o rejuvenescimento da pele Atenua rugas e linhas finas Eficaz no tratamento de estrias Altamente indicado no tratamento de cicatrizes de acne

Leia mais

O que é Depilação com Laser?

O que é Depilação com Laser? O que é Depilação com Laser? Autor Prof. Dr. Miguel Francischelli Neto Clínica Naturale Av. Moema, 87 cj 51-52, Moema, São Paulo - SP, Brasil Fone 11 50511075 Clínica Naturale 2008 Pêlos indesejáveis são

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide 05/07/2014 Nota Técnica 125/2014 Betaterapia para tratamento de queloide SOLICITANTE :Dra. Luciene Cristina Marassi Cagnin Juíza de Direito de Itajubá - MG NÚMERO DO PROCESSO: 0324.14.007196-4 SOLICITAÇÃO/

Leia mais

PARECER CREMEB 13/11 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 28/07/2011)

PARECER CREMEB 13/11 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 28/07/2011) PARECER CREMEB 13/11 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 28/07/2011) EXPEDIENTE CONSULTA 201.733/11 ASSUNTO: Registros de Empresas no CREMEB que utilizam Depilação a Laser, Peelings Químicos e Carboxiterapia.

Leia mais

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA BLEFAROPLASTIA (CIRURGIA DAS PÁLPEBRAS) A cirurgia estética das pálpebras tem por objetivo remover os excessos de pele, bolsas de gordura e parte das rugas desta região que fazem o olhar apresentar um

Leia mais

CARTA DE INFORMAÇÕES

CARTA DE INFORMAÇÕES Caro(a) paciente, CARTA DE INFORMAÇÕES É objetivo tanto do paciente e de familiares como também de seu cirurgião plástico que tudo dê certo com a cirurgia. Para que o paciente não se depare com surpresas,

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro PROTOCOLOS NA ESTÉTICA - Corporal 1 2 3 Papel da Luz no Estímulo ao Colágeno Leds Azuis: A absorção da luz pelas células leva ao aparecimento de radicais livres de oxigênio (O--)

Leia mais

PÓS- GRADUAÇÃO DERMOESTÉTICA

PÓS- GRADUAÇÃO DERMOESTÉTICA PÓS- GRADUAÇÃO DERMOESTÉTICA Programa Científico Módulo I A) Aspectos essenciais no exercício da Dermoestética 1. Exercício profissional e relações com outras especialidades 2. Ética Médica 3. Psicologia

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

Despigmentantes ou agentes clareadores:

Despigmentantes ou agentes clareadores: Despigmentantes ou agentes clareadores: Na pele os melanócitos estão presentes na camada basal da epiderme,na junção dermoepiderme e são responsáveis pela produção de melanina. Ocorrem numa taxa de aproximadamente

Leia mais

Procedimentos Estéticos

Procedimentos Estéticos Abaixo estão relacionados os procedimentos realizados pelo profissional biomédico habilitado em biomedicina estética de acordo com as resoluções e normativas vigentes do Conselho Federal de Biomedicina

Leia mais

GORDURA LOCALIZADA. Após o tratamento, seja ele cirúrgico ou clínico, consegue-se bons resultados com redução significativa das medidas corporais.

GORDURA LOCALIZADA. Após o tratamento, seja ele cirúrgico ou clínico, consegue-se bons resultados com redução significativa das medidas corporais. ACNE Acne é o resultado da obstrução e inflamação dos poros da pele, que, por razões hormonais e emocionais, de repente, produzem sebo em excesso. Um desequilíbrio na descamação natural da pele leva ao

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347, como profissional

Leia mais

Guia do Laser de Dióxido de Carbono Fracionado

Guia do Laser de Dióxido de Carbono Fracionado Os lasers de dióxido de carbono (CO 2 ) fracionados ou pixilados são um dos últimos avanços nos tratamento de rejuvenescimento cutâneo não cirúrgico. O CO 2 possui o comprimento de onda mais longo de todos

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO Eu,, identidade autorizo o Dr. Jorge Antônio de Menezes, médico cirurgião plástico, membro associado da Sociedade

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO A Estética da Mama A estética da mama responde a costumes étnicos, sociais e culturais. Há não muitos anos, no Brasil as mulheres solicitavam a diminuição do volume do seio, quando a aspiração do inconsciente

Leia mais

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Indicadas para modelar o corpo e reduzir medidas; além de ser importante no combate contra a celulite; TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Esta técnica,

Leia mais

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR INTRODUÇÃO Zeferina Alexandra Trizotti da Silva Talita de Oliveira da Silva A acne é uma das alterações cutâneas mais comuns, sua

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

CARBOXITERAPIA E MICROAGULHAMENTO

CARBOXITERAPIA E MICROAGULHAMENTO CARBOXITERAPIA E MICROAGULHAMENTO ESTIMULANDO A REGENERAÇÃO NA PELE Dra. Sandra Barbosa Fisioterapeuta Mestre em Ciências Médicas Especialista em Biomecânica Diretora Técnica do Spaço Dosha DEFINIÇÃO Técnica

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL

CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL Janeiro 2009 2 Índice Objetivo Metodologia Perfil da amostra Situação atual da cirurgia plástica Perfil do paciente Principais resultados 3 Objetivo Conhecer a situação atual

Leia mais

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras)

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) Fatores como: idade, textura da pele, distúrbios da acuidade visual, problemas emocionais, etc., poderão deixar como conseqüência sua marca no território

Leia mais

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml.

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. Tralen 28% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

MENOPAUSA E PELE. Dra Cintia Lima Procopio

MENOPAUSA E PELE. Dra Cintia Lima Procopio MENOPAUSA E PELE Dra Cintia Lima Procopio Graduação em Medicina pela Universidade de Cuiabá- UNIC. Pós-graduação em Dermatologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFRJ Titulo de Especialista

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA LIPOASPIRAÇÃO/LIPOESCULTURA (CIRURGIA DE CONTORNO CORPORAL) A lipoaspiração é um método cirúrgico desenvolvido na Europa, particularmente na Suíça e França a partir de 1977. Foi apresentado pela primeira

Leia mais

Dr. Renato Neves CATARATA

Dr. Renato Neves CATARATA Dr. Renato Neves CATARATA O cristalino é uma lente natural localizada no interior dos olhos, atrás da íris, e, juntamente com a córnea, é responsável pela convergência dos raios de luz para retina, formando

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

ESTADO DA ARTE. ALTA FREQUÊNCIA de 4MHz ISO13485 ISO 9001. www.loktal.com

ESTADO DA ARTE. ALTA FREQUÊNCIA de 4MHz ISO13485 ISO 9001. www.loktal.com Qualidade Precisão Segurança Experiência ESTADO DA ARTE ALTA FREQUÊNCIA de 4MHz Wavetronic 5000 Digital, Electrocirurgia de Alta Frequência tecnologia de 4MHz ISO13485 CERTIFIED CERTIFIED ISO 9001 l ta

Leia mais

ONICOMICOSE (Infecção Fúngica Ungueal) PROTOCOLO DE USO. Compromisso com a inovação. www.lbtlasers.com.br

ONICOMICOSE (Infecção Fúngica Ungueal) PROTOCOLO DE USO. Compromisso com a inovação. www.lbtlasers.com.br ONICOMICOSE (Infecção Fúngica Ungueal) PROTOCOLO DE USO Guia Clínico Módulo de Laser Nd:YAG 1064nm XL O módulo não refrigerado de Laser Nd:YAG 1064nm dos sistemas Harmony e Harmony pode ser usado para:

Leia mais

PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E ATENUAÇÃO DE LINHAS DE EXPRESSÃO PELO AUMENTO DA SÍNTESE DE COLÁGENO RESUMO

PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E ATENUAÇÃO DE LINHAS DE EXPRESSÃO PELO AUMENTO DA SÍNTESE DE COLÁGENO RESUMO PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E ATENUAÇÃO DE LINHAS DE EXPRESSÃO PELO AUMENTO DA SÍNTESE DE COLÁGENO MACIEL, D. 1 ; OLIVEIRA, G.G. 2. 1. Acadêmica do 3ºano do Curso Superior Tecnólogo em Estética

Leia mais

Catálogo de EQUIPAMENTOS

Catálogo de EQUIPAMENTOS Catálogo de EQUIPAMENTOS Estética Mais Setembro de 2015 comercial@esteticamais.com 1 Apresentação da Empresa A Revivre é uma marca italiana, fundada nos anos 70, e desde sempre fortemente orientada para

Leia mais

TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA. Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos

TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA. Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos A etnia confere características herdadas que devem ser valorizadas na indicação de procedimentos e tratamentos e na avaliação de

Leia mais

2. Da fundamentação e análise

2. Da fundamentação e análise PARECER COREN-SP 001/2013 CT PRCI n 100.546 e Ticket n 256.298 Assunto: Manuseio de equipamento de fototerapia em dermatologia por Auxiliar de Enfermagem. 1. Do fato A profissional questiona se o Auxiliar

Leia mais

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com FATORES QUE DETERMINAM A ESCOLHA VIA Tipo de ação desejada Rapidez de ação desejada Natureza do medicamento CLASSIFICAÇÃO Enterais Parenterais Tópica

Leia mais

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular O que são varizes? Varizes são veias que se tornaram dilatadas e tortuosas ao longo das pernas. Algumas varizes são calibrosas e evidentes na pele. Outras, de menor calibre, chamadas de microvarizes ou

Leia mais

Fungirox Esmalte Ciclopirox

Fungirox Esmalte Ciclopirox Fungirox Esmalte Ciclopirox Apresentação Frasco com 6 g de esmalte, 2 frascos com removedor de esmalte e 24 lixas para unha. Esmalte Uso tópico USO ADULTO COMPOSIÇÃO Ciclopirox... 80 mg Veículo q.s.p....1

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

1) O que é preciso levar em conta antes de se submeter a uma ritidoplastia?

1) O que é preciso levar em conta antes de se submeter a uma ritidoplastia? Arquivo de teste RITIDOPLASTIA Dúvidas frequentes 1) O que é preciso levar em conta antes de se submeter a uma ritidoplastia? A cirurgia de face lift pode deixar a aparência mais jovem ao tornar o semblante

Leia mais

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado.

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. Histórico A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. A pele bronzeada tornou-se moda, sinal de status e saúde. Histórico

Leia mais

PT IMPLANTES FACIAIS 1

PT IMPLANTES FACIAIS 1 PT IMPLANTES FACIAIS 1 2 PAIXÃO INSPIRANDO A CIÊNCIA. 3 SILIMED HÁ 35 ANOS LANÇANDO AS NOVAS GERAÇÕES DE IMPLANTES DE SILICONE NO MUNDO. Criada em 1978, no Rio de Janeiro, a Silimed atende as áreas de

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

Para o Rejuvenescimento Facial a Clínica Naturale oferece 3 tipos de tratamento :

Para o Rejuvenescimento Facial a Clínica Naturale oferece 3 tipos de tratamento : Tratamento para Rejuvenescimento Facial da Clínica Naturale. Autor: Prof. Dr. Miguel Francischelli Neto Mestre e Doutor em Cirurgia Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas Professor do

Leia mais

Pescoço de perua? Tô fora!

Pescoço de perua? Tô fora! Página 1 de 7 Plástica & Cia Pescoço de perua? Tô fora! Vamos combinar: dá para descobrir a idade de uma mulher através do pescoço! por mais que ela ande na moda, tenha um corte de cabelo jovem e use quilos

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

TREINAMENTO TÉCNICO PONTEIRAS DIAMANTADAS

TREINAMENTO TÉCNICO PONTEIRAS DIAMANTADAS TREINAMENTO TÉCNICO PONTEIRAS DIAMANTADAS BIOSET Indústria de Tecnologia Eletrônica Ltda. EPP Av. 55, 1212 -Jardim Kennedy - Rio Claro SP - CEP 13501-540 SAC: (19) 3534-3693 www.bioset.com.br CNPJ: 68.099.431/0001-90

Leia mais

EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL. 1,0 mg/g e 25,0 mg/g

EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL. 1,0 mg/g e 25,0 mg/g EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL 1,0 mg/g e 25,0 mg/g 1 EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla APRESENTAÇÕES Gel contendo adapaleno 1mg/g e peróxido de benzoíla 25mg/g. Apresentado em bisnagas

Leia mais

CURSOS PRÉ-CONGRESSO. 2.junho quarta-feira

CURSOS PRÉ-CONGRESSO. 2.junho quarta-feira CURSOS PRÉ-CONGRESSO 2.junho quarta-feira Local: Centro de Estudos da SBME Curso Prático [08.30-12.30h e 14.00-18.00h] CO1 TUDO O QUE VOCÊ DEVE SABER PARA APLICAÇÃO CORRETA E A BOA PRÁTICA DA TOXINA BOTULÍNICA

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA RINALDI, C. L.W.; SPESSATO, L. C. Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar o benefício da eletrolipoforese no tratamento

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

Os diferentes tratamentos que ajudam a preparar o bumbum para o verão

Os diferentes tratamentos que ajudam a preparar o bumbum para o verão Data: 14/11/2014 Cliente: THESKIN Site: Veja Rio Online Endereço: http://vejario.abril.com.br/ Assunto: TRATAMENTOS PARA O VERÃO Os diferentes tratamentos que ajudam a preparar o bumbum para o verão Com

Leia mais

Situação atual da cirurgia plástica

Situação atual da cirurgia plástica CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL Índice Objetivo Metodologia Perfil da amostra Situação atual da cirurgia plástica Perfil do paciente Principais resultados Objetivo Conhecer a situação atual da cirurgia plástica*

Leia mais

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS Por Dr.Marcelo Bonanza PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS O que é a aplicação de Plasma Rico em Plaquetas? As Plaquetas são formadas a partir do Megacariócito que tem origem na medula óssea. Cada Plaqueta guarda

Leia mais

Cirurgia nas mamas. Mamas femininas

Cirurgia nas mamas. Mamas femininas Cirurgia nas mamas Mamas femininas As mamas são glândulas que sofrem transformações fisiológicas ao longo da vida, em resposta a estímulos hormonais. Na juventude, têm consistência mais firme, forma mais

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CIRURGIA DERMATOLÓGICA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CIRURGIA DERMATOLÓGICA CHEFE DO SERVIÇO: DR. SÉRGIO COSTA LIMA DA SILVA COORDENADORES: DRª ANDRÉA MYCHELAYNE E RAPHAEL C. PERYASSÚ SETOR DE CIRURGIA DERMATOLÓGICA Local: Hospital da Gamboa/RJ Nível: Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO A mama é considerada um dos grandes símbolos da feminilidade, pois além de ser uma das partes mais sensuais do corpo feminino, também está fortemente ligada a maternidade.

Leia mais

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC Índice de Massa Corporal Classificação quanto a Distribuição de Gordura: Difusa: distribuição generalizada por todo o corpo Androide: relacionada a

Leia mais

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE UNIFESP UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIRURGIA PLÁSTICA REPARADORA Coordenadora e Professora Titular: Profa.Dra.Lydia Masako Ferreira RADIAÇÃO

Leia mais

5/9/2008. Beleza sob Medida Aliando Tendências, Tecnologia e Bom Senso UNIFESP

5/9/2008. Beleza sob Medida Aliando Tendências, Tecnologia e Bom Senso UNIFESP Beleza sob Medida Aliando Tendências, Tecnologia e Bom Senso UNIFESP 1 Dra. Alessandra Haddad Membro Titular Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP Especialização em Dermatologia pelo Hospital

Leia mais

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido Eu, RG n solicito e autorizo o Dr. Fausto A. de Paula Jr, CRM-SP 103073, medico otorrinolaringologista,

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro PROTOCOLOS NA ESTÉTICA - Facial 1 2 3 indicação de cada cliente ou resposta ao tratamento. Papel da Luz no Estímulo ao Colágeno Leds Azuis: A absorção da luz pelas células leva

Leia mais

i-cleanser MANUAL DO USUÁRIO www.basall.com.br

i-cleanser MANUAL DO USUÁRIO www.basall.com.br i-cleanser MANUAL DO USUÁRIO www.basall.com.br Obrigado por adquirir um produto Basall Leia este manual com atenção antes do uso e guarde-o de forma adequada para futuras consultas. Índice Introdução Introdução

Leia mais

Depilação a Laser da SKIN PLANET Planilha de Fatos Laser Tabela Comparativa de Dispositivos Laser

Depilação a Laser da SKIN PLANET Planilha de Fatos Laser Tabela Comparativa de Dispositivos Laser Depilação a Laser da SKIN PLANET Planilha de Fatos Laser Tabela Comparativa de Dispositivos Laser Baixe a versão em PDF da Tabela comparativa de Dispositivos Laser Dispositivo Descrição Fatos Falácias

Leia mais

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA Período de Seleção 10 de outubro a 07 de novembro de 2014 Taxa de Inscrição R$ 100,00 Taxa de Matrícula R$ 400,00 Mensalidade R$ 724,00 Forma(s)

Leia mais

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA)

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) Anualmente milhares de pessoas se submetem a rinoplastia. Algumas destas pessoas estão insatisfeitas com a aparência de seus narizes há muito tempo; outras não estão contentes

Leia mais

Clarifique Dermo Radiance

Clarifique Dermo Radiance Clareia e uniformiza o tom da pele Minimiza manchas Ilumina o rosto Protege Hidrata e nutre Treinamento Clareamento 100% seguro Resultados comprovados em 14 dias Clarifique Dermo Radiance é pura paixão

Leia mais

Elight + IPL 01. Fotodepilação Fotorejuvenescimento Tratamento de lesões vasculares Tratamento do acne e pigmentação

Elight + IPL 01. Fotodepilação Fotorejuvenescimento Tratamento de lesões vasculares Tratamento do acne e pigmentação Elight + IPL 01 Fotodepilação Fotorejuvenescimento Tratamento de lesões vasculares Tratamento do acne e pigmentação 1. ELIGHT VS IPL O IPL (Luz Pulsada Intensa) é a última tecnologia desenvolvida após

Leia mais

ESTE MATERIAL FAZ PARTE DO CURSO 2 em 1: Despigmentantes: Conhecimento, Automedicação Responsável e Visita ao Médico

ESTE MATERIAL FAZ PARTE DO CURSO 2 em 1: Despigmentantes: Conhecimento, Automedicação Responsável e Visita ao Médico ESTE MATERIAL FAZ PARTE DO CURSO 2 em 1: Despigmentantes: Conhecimento, Automedicação Responsável e Visita ao Médico FICHA RESUMO Hiperpigmentação da Pele Condições-chave Hiperpigmentação da pele: Excesso

Leia mais

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA TRICOLOGIA & ONICOPATIAS

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA TRICOLOGIA & ONICOPATIAS CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA TRICOLOGIA & ONICOPATIAS Período de Seleção 10 de outubro a 07 de novembro de 2014 Taxa de Inscrição R$ 100,00 Taxa de Matrícula R$ 400,00 Mensalidade R$ 724,00 Forma(s)

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Gomagem e Esfoliação Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Membrana que recobre toda a superfície corpórea Maior órgão do corpo humano (2m² e 4kg) Resistente e flexível

Leia mais

LOCERYL. cloridrato de amorolfina CREME. 2,5mg/g

LOCERYL. cloridrato de amorolfina CREME. 2,5mg/g LOCERYL cloridrato de amorolfina CREME 2,5mg/g 1 LOCERYL cloridrato de amorolfina APRESENTAÇÕES: Creme contendo amorolfina 2,5mg/g (na forma de cloridrato de amorolfina), apresentado em bisnaga de alumínio

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Rua Sebastião de Moraes 831 Jardim Alvorada São Carlos-SP Tel. (16) 107 33 Fax (16) 107 30 0800 94 8660 Um encontro com o futuro Catálogo de Produtos - ODONTOLOGIA ESTÉTICA OROFACIAL Elite Serinject Solução

Leia mais

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Suspensão oftálmica estéril de gatifloxacino (3 mg/ml) e acetato de prednisolona (10 mg/ml), contendo frasco plástico conta-gotas de 3 ml e 6 ml APRESENTAÇÕES

Leia mais

2- Causas A Acne é causada por alteração em 4 fatores principais

2- Causas A Acne é causada por alteração em 4 fatores principais ACNE Autor: Prof. Dr. Miguel Francischelli Neto Mestre e Doutor em Cirurgia Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas Professor do Curso de Pós-Graduação em Medicina Estética da Universidade

Leia mais

RITIDOPLASTIA (CIRURGIA DE REJUVENESCIMENTO FACIAL)

RITIDOPLASTIA (CIRURGIA DE REJUVENESCIMENTO FACIAL) RITIDOPLASTIA (CIRURGIA DE REJUVENESCIMENTO FACIAL) A identidade humana é determinada primeiramente pelo rosto sua estrutura, aparência e expressões. As alterações determinadas pela idade que afetam a

Leia mais

LUZ INTENSA PULSADA. Profile BBL. www.traderm.com.br

LUZ INTENSA PULSADA. Profile BBL. www.traderm.com.br LUZ INTENSA PULSADA 1 Profile BBL A Luz Intensa Pulsada (LIP) veio para ficar. Há cerca de 15 anos, quando foi lançada, havia um descrédito muito grande ao uso da LIP. A idéia inicial seria substituir

Leia mais

1. Ato de esfoliar ou descamar a pele. 2. Denominada esfoliação ou peeling. 3. Técnica utilizada em adição à limpeza da pele.

1. Ato de esfoliar ou descamar a pele. 2. Denominada esfoliação ou peeling. 3. Técnica utilizada em adição à limpeza da pele. 1. Ato de esfoliar ou descamar a pele. 2. Denominada esfoliação ou peeling. 3. Técnica utilizada em adição à limpeza da pele. 4. São preparações cosméticas que aceleram a descamação natural dos corneócitos

Leia mais

Tocar, Nutrir e Cuidar

Tocar, Nutrir e Cuidar Tocar, Nutrir e Cuidar Soluções adequadas para a prevenção e cicatrização de feridas tocar nutrir cuidar Quando falamos do cuidado integral do paciente precisamos pensar em vários fatores que afetam a

Leia mais

Acne. Como Podemos Tratar em Parceria

Acne. Como Podemos Tratar em Parceria Acne Como Podemos Tratar em Parceria Ademir Júnior - Médico Fabiana Padovez Esteticista Espaço de Medicina e Saúde Dr Ademir Júnior Universidade Anhembi Morumbi Acne Nome popular: Cravos e Espinhas Doença

Leia mais

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta 0,01% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 3 ml ou 5

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

The earlobe occupies a unique position among facial

The earlobe occupies a unique position among facial Rev Bras Otorrinolaringol 2006;72(4):447-51. Tratamento cirúrgico da fenda do lóbulo de orelha ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL ARTICLE Earlobe cleft reconstructive surgery Lucas Gomes Patrocínio 1, Rodrigo Márcio

Leia mais

LACRIFILM (carmelose sódica)

LACRIFILM (carmelose sódica) LACRIFILM (carmelose sódica) União Química Farmacêutica Nacional S.A. solução oftálmica 5 mg/ml LACRIFILM carmelose sódica Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

CIRURGIA DE RINOSSEPTOPLASTIA. Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE RINOSSEPTOPLASTIA. Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE RINOSSEPTOPLASTIA Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido O conhecimento e o entendimento das informações abaixo mencionadas são muito importantes antes da realização de qualquer

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Tratamento Pré e Pós Operatório Código: -- Pré-requisito: --

Leia mais

exceto para hipertensão. As pacientes responderam a dois questionários depois de terminado o tratamento. O questionário um perguntava qual q

exceto para hipertensão. As pacientes responderam a dois questionários depois de terminado o tratamento. O questionário um perguntava qual q AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO PARA REJUVENESCIMENTO COM O LED (LIGHT EMMITING DIODES) Bhertha M. Tamura (Assistente da Universidade de Santo Amaro, Colaboradora da Dermatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade

Leia mais