ÁFRICA E AFRICANIDADE EM LUANDA, BEIRA, BAHIA DE ADONIAS FILHO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁFRICA E AFRICANIDADE EM LUANDA, BEIRA, BAHIA DE ADONIAS FILHO."

Transcrição

1 ÁFRICA E AFRICANIDADE EM LUANDA, BEIRA, BAHIA DE ADONIAS FILHO. Luiza Nascimento dos REIS Graduada em História - UESC Em 1971, Adonias Aguiar Filho publicou Luanda, Beira, Bahia[1], obra que pode constituir-se, a partir de uma abordagem histórica, numa fonte para a construção do conhecimento no que diz respeito às relações entre Brasil e África. Ora na Bahia (Brasil), ora em Angola, passando por outros países africanos como Moçambique e São Tomé, vamos conhecendo em Luanda, Beira, Bahia a trágica história de amor entre Caúla e Iuta. Ele, o marinheiro brasileiro, nascido em Ilhéus, na Bahia e ela angolana, moradora no cais de Luanda. Irmãos carnais que se encontram, se apaixonam e se unem desconhecendo o parentesco. Os dois são filhos de João Joanes, o marinheiro brasileiro conhecido como Sardento, mas que, durante o tempo que viveu em Angola assumiu a identidade de Vicar. Os três descobrem em Ilhéus, ao mesmo tempo, os laços que os uniam e, diante de tamanha situação, o pai põe fim à vida dos filhos e à própria vida como forma de reparar a tragédia que havia promovido. Foi devido ao envolvimento involuntário de Sardento num esquema internacional de tráfico de pedras de diamantes da Bahia e de Luanda que ele constituiu uma segunda família em Angola, quando lá se refugiou. A leitura deste romance suscita algumas questões. De que forma as ligações que existem entre o Brasil e países da África presentes na narrativa ficcional podem ser representativas das relações existentes entre os dois lados do Atlântico? Como essa obra, que aborda certa proximidade econômica e cultural entre o Brasil e Angola, pode se fazer útil para compreendermos aspectos da africanidade que o Brasil possui? Nascido em Ilhéus, Adonias Filho construiu romances que corroboraram para a construção da identidade regional. Seus textos pertencem a 3 geração do modernismo, a fase regionalista, tendo como principal foco a produção cacaueira no sul da Bahia[2]. Luanda, Beira, Bahia, texto que a princípio desprivilegia este cenário, foi tomado para análise e nos serviu como um documento trazendo elementos importantes para a construção do conhecimento histórico, no que diz respeito a um momento específico de valorização do continente africano e das relações entre o Brasil, especialmente a Bahia para com alguns de seus países como Angola. Mestre Vitorino, mostrando a distância com a mão disse: - É lá que fica a África. [3] Num primeiro momento pudemos analisar em constantes paralelos o mundo africano Cultura Afro-brasileira e a contribuição das populações de matrizes africanas no Brasil. 1

2 representado em Luanda, Beira, Bahia e o mundo baiano[4] debruçando sobre aspectos culturais especialmente aqueles que dizem respeito à religiosidade de ambas as partes. Analisar algumas personagens da ficção romanesca nos permitiu dar uma dimensão da africanidade expressa no romance. A personagem de Maria da Hora, professora de Caúla ainda moleque em Ilhéus é quem traz, na obra em questão, as primeiras impressões a respeito do continente africano. - Mãe, é a professora Maria da Hora avisara. Beijou o rosto da mãe e aceitou o doce de caju. Ele de pé, junto ao armário, ouvia. A professora, agora em sua casa parecia mais magra, tranqüila, possuída de grande calma. Não era sempre assim na escola. Em certas horas, frente ao mapa do mundo para as lições de geografia, ela se comovia a ponto de, alterando a voz, também comover a classe. Tornava-se mesmo bonita aquela negra sem beleza alguma. O olhar brilhava, as mãos no ar, mostrava o mapa. - É o mundo! exclamava. Todos eles, os meninos, tinham pais, tios ou irmãos perdidos naquele mundo. A mão negra se abria sobre o mapa e, mostrando os continentes parava na África. A voz. A princípio suave e lenta, depois aguda e rápida, gerava paisagens e animais, pondo a selva e seus viventes dentro da sala. Não era apenas o sangue africano que a fazia assim uma feiticeira porque, logo a seguir, arrastava a mão para os vazios pintados de azul. Oceanos e mares que cercavam os continentes. Os meninos escutavam, na voz, as pancadas das águas. Peixes, os reinos submersos, as correntes. -Homens de Ilhéus estão nesses mares concluía. [5] Esta personagem, que chega a comover-se ao falar da África, é uma mulher negra a qual, nas rápidas passagens do texto que a ela se refere, podemos concluir pelo referendo de estereótipos negativos atribuídos não só a população negra como a todo o continente africano. A professora é negra e também pobre, magra, feia, trabalhadora e por fim denominada de feiticeira. O autor, neste momento não questiona preconceitos que fizeram e ainda fazem parte do cotidiano de africanos e afro-brasileiros de maneira a inferiorizá-los social, cultural, religiosamente. Pensando na relação que demonstra ter com o continente africano percebemos a presença de uma memória histórica que conhece e valoriza. Esta relação estreita-se mais quando tomamos um colar de contas que usa como indício de seu pertencimento ao candomblé. Entre a contradição de apresentar uma professora que mantém ligações tão fortes com o continente africano, mas que referenda estereótipos negativos sendo chamada de feiticeira, concluímos por um jogo ambíguo apresentado por Adonias Filho e que refletiria de certo modo o tratamento dispensado às populações afro-brasileiras adeptas a religiões de matriz africana. A personagem de mãe Filomena também permitiu perceber outros aspectos da africanidade brasileira. Comerciante no mercado do porto em Salvador e participante da quadrilha do tráfico de diamantes é sempre chamada de mãe. O uso desse termo pode referir-se ao fato da mesma ser uma mãe-de-santo. Embora o autor não exponha outras práticas rituais que reforcem esta idéia, exceção para um caruru batizado que a mesma oferece no mercado, percebemos que a personagem possue Cultura Afro-brasileira e a contribuição das populações de matrizes africanas no Brasil. 2

3 uma grande rede de influências. Mãe Filomena é mulher do mercado e, porque senhora do porto e da Bahia, tudo sabe e conhece. [6] Não seria novidade perceber no texto mais uma afro-brasileira relacionada a estereótipo negativo devido ao fato de trabalhar a serviço de uma atividade excusa, ilícita, no caso o tráfico de diamantes. A inovação do autor fica por conta do olhar lançado a uma negra enquanto agente social, sujeito histórico: ela tem toda uma área de atuação, utilizando-se das habilidades pessoais, no caso a rede de influências que tem, para enganar envolver as pessoas. Porém não está numa posição de comando, é uma peça na mão dos traficantes. Ao que podemos notar, as poucas personagens conhecidas envolvidas na quadrilha em postos de maior hierarquia são brancas, notadamente observada e ressaltada a ascendência lusa destes dirigentes. A maior expressão da religiosidade africana está, em Luanda, Beira, Bahia, na personagem de Xantu da Cabinda, um quimbanda. Ele é apresentado como um grande guia, um santo ; Um africano que vale a África ; um velho que tem força que assusta e poderes que amedronta [7] Tal figura assume na narrativa grande expressão de resistência à imposição do modo de vida do colonizador em terras africanas, já que sua prática está ligada a manutenção de costumes tribais que é possibilitada à medida que as populações se mantêm no interior. Xantu, tal como o nome indica, é de Cabinda, depois se mudará para Beira em Moçambique, terminando seus dias na Reserva do Gorongonça. Tanto Xantu quanto um outro quimbanda que surge pontualmente na narrativa são descritos como curandeiros, adivinhos, benzedeiros/feiticeiros. Mesmo percebendo que os dois quimbandas desenvolvam práticas que visam o bem-estar de suas comunidades, portanto para fins benéficos um prevê que o leopardo que os ameaçava seria morto e o outro que uma criança se salvaria de um acidente - sabemos que a feitiçaria constitui uma das marcas do continente africano vista sob estereotipação negativa pelos povos ocidentais. Nos recordemos que ele, o romancista, utiliza o mesmo termo para adjetivar a professora Maria da Hora em Ilhéus. Apresentar feiticeiros na África, da maneira como Adonias o faz, não foi suficiente para questionar esses estereótipos construídos e difundidos no Brasil ou impregnados na mentalidade brasileira. Neste aspecto, o autor não contribui para uma ressignificação do termo, nos possibilitando uma maior compreensão das práticas religiosas de povos bantos e, por conseguinte, empreender maior aproximação com o continente africano. Na África adoniana práticas culturais como reuniões para cantos e as danças estão sempre acontecendo. Deste modo, personagens dançam em Luanda: Há terreiros e neles se reúnem para os massembas e os cantos que não chegam à cidade... Fogueiras se existem podem retirar as mulheres das trevas. [8] Como também em Beira: Logo mais, à noite, quando os pescadores voltassem, a Cultura Afro-brasileira e a contribuição das populações de matrizes africanas no Brasil. 3

4 festa seria grande. As quiandas escutariam as puídas [...] Fogueiras, os mariscos com farinha, cozido de peixe, as mulheres pedindo umbigadas. [9] Assim como a personagem de Xantu, estas práticas estão na ficção, sempre relacionadas a localidades distantes do centro da cidade. Uma das formas de resistência dos povos africanos consistia na manutenção de suas religiões tradicionais ou em sua tentativa, entendendo que elas estiveram (e estão) indissociavelmente ligadas as suas concepções de vida e de mundo. Esse tipo de resistência, também aconteceu com as populações africanas na condição de escravas em que foram introduzidas no Brasil. Diante da perseguição que essas práticas religiosas sofreram, batuques e danças, em algum momento foram reprimidos ou limitados para serem praticados somente a noite.[10] Fazendo referência às citações anteriores, falar de divindades, ao som de instrumentos musicais, junto à degustação de comidas traz a imagens do candomblé. À noite, reforça muito mais esta idéia. Destaque no texto para as massembas, dança muito praticada em regiões de Angola e que influenciou quase todas as danças de batuque brasileiras[11]. Em Luanda, Beira, Bahia Adonias Filho inovou ao incorporar termos das línguas bantas quimbundo e umbundo no vocabulário.[12] Ao fazer isto podemos nos remontar a prática em terreiros de candomblé da utilização de línguas africanas de origem como língua ritual. Em terreiros de Candomblé Angola ou Casas-de-Angola são entoados cantos e ladainhas em banto. Foi essa prática, inclusive que possibilitou que muitos termos das línguas bantas fossem incorporados à língua portuguesa.[13] As expressões culturais relacionadas à religiosidade formam um mundo africano em Luanda, Beira, Bahia muito parecido e, portanto muito próximo a nossa Bahia. E Adonias Filho chega a dizer isso mais de uma vez....sabia que grande era o mundo dos africanos. Selvas por dentro, feras em liberdade, tribos dançando. Pedaços vivos desse mundo estavam na Bahia, as gordas velhas sentadas frente aos tabuleiros e panelas de acarajé, negras de Angola...[ 14] Embora diversas manifestações da cultura africana e afro-brasileira estejam colocadas no romance como desligadas do aspecto religioso, é exatamente sob este aspecto que pudemos trazer à tona e relacionar as ligações entre um lado e outro do oceano Atlântico.[15] Silenciar a respeito das interações a partir do aspecto religioso entre Bahia e Angola pode ser encarado como a maneira que Adonias Filho encontrou para valorizar as relações entre ambas as partes, mas desconstituir a idéia de que nossa grande africanidade se deva por conta da religião e por isso mesmo desvaloriza-la. Num segundo momento prevaleceu a análise que tomou como foco as intensas relações Cultura Afro-brasileira e a contribuição das populações de matrizes africanas no Brasil. 4

5 comerciais entre Brasil e Angola apresentadas na narrativa. Como se achavam as relações comerciais entre os dois países a época da publicação da narrativa? E como estas se achavam na temporalidade em que se desenrola o romance? Detendo-se nesta parte, foi possível perceber que o texto adoniano esteve inserido num momento específico de reaproximação comercial promovido pelo Brasil para com países africanos. No romance as ligações comerciais entre Brasil e Angola estão relacionadas a um grandioso esquema de contrabando de pedras de diamante.... o bando é organizado que chega a Angola... do outro lado do mundo. Marinheiros de navios brasileiros e portugueses armam os contatos nesse negócio sujo com uma só quadrilha movendo as pedras entre Bahia e Luanda. [16] Esse esquema ilegal feito por marinheiros sugere intensa atividade comercial oficial entre os dois países. Esta intensidade é reforçada quando sabemos que o tempo transcorrido entre o momento em que Sardento se esconde fugido em Salvador, na Bahia, depois de descoberto carregando pedras e o momento que embarca para Luanda pensando ser sua escapatória na verdade uma cilada dos traficantes para matá-lo é relativamente curto, questão de dias. Desde o século XVI, o Oceano Atlântico concentrou as trocas comerciais referentes ao império português, assumindo grande papel econômico. Embora fossem Angola e Brasil colônias da metrópole portuguesa, nos séculos, XVII e XVIII, a colônia africana submetia-se aos interesses da colônia brasileira, chegando José Honório Rodrigues a considerá-la uma dependente do Brasil.[17] Intercambiando escravos africanos, intercabiavam-se também outros produtos além de idéias e práticas culturais que influenciaram os dois lados do Atlântico. A partir de 1850 o comércio entre Brasil e África é oficialmente cessado, perdurando esta situação durante a segunda metade do século XIX e início do século XX. O interesse do Brasil retorna para a África quando alguns de seus países têm produtos concorrentes aos brasileiros. Angola durante no início do século XX era a mais rica das colônias portuguesa mantidas na África. Em sua economia sobressaiam-se as riquezas minerais. O fato de terras africanas ainda encontrarem-se na situação de possessões coloniais, a existência do monopólio metropolitano determinava que transações comerciais somente poderiam ser feitas com intermediação da metrópole. Raramente, assim de meio em meio ano, atracava um navio brasileiro [em Luanda][18] Na narrativa, sua temporalidade remonta imprecisamente à primeira metade do século XX. Superando a aparente contradição entre a raridade de comercio entre brasileiros e angolanos, na citação anterior ou a grande intensidade de comércio entre Brasil e Angola, cujo esquema do tráfico que sugeria o contrário, foi possível descortinar analisando as três viagens internacionais que Cultura Afro-brasileira e a contribuição das populações de matrizes africanas no Brasil. 5

6 surgem na narrativa, que o comércio era feito por navios portugueses. Tanto o comércio legal como o ilegal. Tal situação relembra o momento em que Brasil e Angola eram submetidos à metrópole portuguesa, no entanto, na narrativa o Brasil está colocado na situação de exportador enquanto Angola e os outros países como São Tomé e Moçambique como importadores de produtos brasileiros. Os portugueses estão sempre presentes na narrativa e em posição de comando. Sardento é descendente de portugueses, donde o autor justifica o doido sangue dos marinheiros. Paulo Nuno, agente do tráfico na Bahia, que recruta Sardento para embarcar como marinheiro também é descendente de português como o capitão do cargueiro que levou Sardento a Luanda, Lopo Quintas: vermelhão, a barba ruiva em ponta [...] Deveria ter sido um capitão de caravela a lutar contra o desconhecido com um descobridor [19]. A grande influência portuguesa na formação brasileira, assim com na formação das nações africanas é continuamente ressaltada ao longo do romance, incluindo o demonstrativo do desenvolvimento e modernidade que as cidades litorâneas têm em decorrência da colonização que sofreram: A cidade vai aos poucos, ocupando os espaços. Luanda timidamente se mostra à proporção que o barco se aproxima. Casas, sobrados e edifícios irrompem em ordem, antes que a baia se acurve, não um quadro de pintura porque há vida. Quando tudo finalmente se combina, o céu e as águas, as casas e a vegetação, é o porto que se vê, seus guindastes e navios. Há como uma rede em torno da Bahia, no fundo, cortando a brabeza do mar. E, talvez, por isso, ali, no porto, o marinheiro que chega sente o mais tranqüilo dos lagos. O vento é tão manso que parece um braço humano a empurrar o barco.[20] O intercâmbio entre Brasil e África que nunca cessou em LBB, acontecendo durante o século XX, pode ser visto como uma tentativa do autor em trazer à tona este passado de relações, porém numa perspectiva de um passado próximo, que chega ao tempo presente. Construindo íntimas relações comerciais entre Brasil e Angola, Adonias Filho trabalha para trazer à memória da época da publicação do romance (1971), grandes ligações que existiram e pelo contexto da época, necessitavam ser continuadas. Enveredando por ações e discursos empreendidos pelo governo brasileiro para efetivar as relações comerciais com partes do continente africano, discutimos um pouco desta política africana que começa a tomar corpo com o presidente Jânio Quadros (1961). Entendendo que o Brasil deveria construir uma política externa independente onde os países africanos entrariam como cooperadores, Quadros empreendeu uma série de ações para aproximar-se politicamente de países da África Atlântica. Assim, partindo para ações práticas cria a Divisão da África no Itamaraty, inclui o Relatório para os assuntos africanos e cria o Grupo de Trabalho para apresentar sugestões e estudar formas objetivas de como se efetivaria esta aproximação. Foi utilizado também um discurso construído com base em aproximações culturais entre os povos daqui Cultura Afro-brasileira e a contribuição das populações de matrizes africanas no Brasil. 6

7 e os de lá. Com relação à colônia portuguesa Angola, durante esta ofensiva africana, mesmo considerando-a como de suma importância no processo, o Brasil apresentou posições contraditórias. Afirmava continuar a lutar contra o colonialismo,[21] mas não apoiava abertamente Angola na sua luta pela independência pois reconhecia ter obrigações internacionais para com os portugueses. Esta política africana desenvolvida pelo Brasil tem seu ponto culminante com o apoio à Independência de Angola em [1] Adonias Filho. Luanda, Beira, Bahia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Farei uso da sigla LBB para me referir a esta edição. [2] É válido ressaltar que diante da recente produção historiográfica da região, foram autores regionais que responderam em determinado momento, pela construção desta identidade. [3]LBB, p.33. [4] No Brasil os espaços de ação da narrativa são compostos por Ilhéus e Salvador na Bahia. [5] LBB, p. 17(Grifos meus) [6] LBB, p. 66. (Grifos meus) [7] LBB, p. 88. [8] LBB, p. 40. (Grifo meu.) [9] LBB, p (Grifo meu). Seguindo as indicações dadas por Adonias Filho no romance massemba é um tipo de dança praticada em Angola, quiandas são sereias e puída,s variação de puíta é explicada como um tambor. [10] João José Reis. Rebelião Escrava no Brasil: a história do levante dos malês em São Paulo: Companhia das Letras, [11] Ney Lopes. A presença africana na música popular brasileira. Consulta ao site:http:// em [12] Olívia Gomes Barradas. Magia Banto. Consulta ao site [13] Yeda Pessoa de Castro. A Herança Banto e Suas Recriações in Crises e reconstruções: estudos afro-brasileiros, africanos e asiáticos. Wolfgang Döpcke (org.) Brasília: Linha Gráfica, Pp [14] LBB, p [15] É válido mencionar que o candomblé foi durante bastante tempo relacionado aos povos ioruba (África Ocidental). A historiografia brasileira, desconstruindo este estereótipo tem dedicado mais estudos a contribuição dos bantos no Brasil. Talvez não coincidentemente haja uma hegemonia das Casas de Angola no sul da Bahia [16] LBB, p. 76. [17] José Honório Rodrigues. Brasil e África: outros horizontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p 22. [18] LBB, p. 41. [19] LBB, p. 67. [20] LBB, p. 39. [21] Preceito estabelecido na Conferência de Bandung (1955) da qual o Brasil não participou. Cultura Afro-brasileira e a contribuição das populações de matrizes africanas no Brasil. 7

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

MISTIFICAÇÃO CARICATA DAS RELIGIÕES DE RAIZ AFRICANA NO QUADRO A GALINHA PRETA PINTADINHA DO PROGRAMA TÁ NO AR: A TV NA TV DA REDE GLOBO

MISTIFICAÇÃO CARICATA DAS RELIGIÕES DE RAIZ AFRICANA NO QUADRO A GALINHA PRETA PINTADINHA DO PROGRAMA TÁ NO AR: A TV NA TV DA REDE GLOBO MISTIFICAÇÃO CARICATA DAS RELIGIÕES DE RAIZ AFRICANA NO QUADRO A GALINHA PRETA PINTADINHA DO PROGRAMA TÁ NO AR: A TV NA TV DA REDE GLOBO José Wanderley Pereira Segundo UERN (wanderley.segundo@hotmail.com)

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Patrícia Cristina de Aragão Araújo 1 Thaís de Oliveira e Silva 2 A escola existe

Leia mais

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460.

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460. REIS, João José. Domingos Sodré: um sacerdote africano - Escravidão, Liberdade e Candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Jucimar Cerqueira dos Santos 1 Domingos Sodré:

Leia mais

Lindo e Triste Brasil

Lindo e Triste Brasil SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 07 / / 0 II AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA:

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

UMA BREVE SOBRE A PINCESA EMÍLIA DE OYA LAJA E A FORMAÇÃO DA NAÇÃO OYO-JEJE NO RIO GRANDE DO SUL

UMA BREVE SOBRE A PINCESA EMÍLIA DE OYA LAJA E A FORMAÇÃO DA NAÇÃO OYO-JEJE NO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE PÓS-RS SOCIEDADE, POLÍTICA E CULTURA Polo de Santo Antônio da Padrulha Disciplina: História e gênero ALEXANDRE SILVEIRA DOS REIS RONIE ANDERSON PEREIRA UMA BREVE SOBRE A PINCESA

Leia mais

TRABALHOS E PESQUISAS 1º B 9ºANO

TRABALHOS E PESQUISAS 1º B 9ºANO TRABALHOS E PESQUISAS 1º B 9ºANO Prezado aluno (a): Essas orientações serão importantes para a realização de seus TRABALHOS E PESQUISAS, esteja atento aos prazos de entrega e qualquer dúvida procure seu

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade,

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, AFRICANIDADES COMO VALORIZAR AS RAÍZES AFRO NAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva 1 escreveu: Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, Quem conhece

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Leia este texto para responder às questões de 1 a 4. Quando eu nasci, meu pai logo se encarregou de registrar este acontecimento.

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

RELATORIA DA TROCA DE EXPERIÊNCIAS

RELATORIA DA TROCA DE EXPERIÊNCIAS 1 RELATORIA DA TROCA DE EXPERIÊNCIAS Coordenação: Augusta Rosa Relatoria: Vanduir e Cida Diorio Reciclagem e Artesanato MOVA Guarulhos Meio Ambiente, Geração de Emprego e Renda Rio de Janeiro Projeto Acare

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: %

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus.

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus. Anexo 2 Primeiro momento: contar a vida de Jesus até os 12 anos de idade. Utilizamos os tópicos abaixo. As palavras em negrito, perguntamos se eles sabiam o que significava. Tópicos: 1 - Maria e José moravam

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa.

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa. 10 Fábula O que é: Trata-se de um gênero narrativo ficcional bastante popular. É uma história curta, vivida por animais e que termina com uma conclusão ético- moral. As fábulas eram narrativas orais, e

Leia mais

Conteúdo: Navegadores e comerciantes Sociedade e costumes APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: Navegadores e comerciantes Sociedade e costumes APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES A Conteúdo: Navegadores e comerciantes Sociedade e costumes A Habilidades: Compreender a organização política e administrativa da sociedade fenícia Identificar alguns elementos próprios da cultura fenícia

Leia mais

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 Apresentação do livro de Nuno Baptista-Afonso Nuno Baptista-Afonso nasceu em Mirandela, em 1979, mas é um Alfandeguense, pois aqui foi

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

Prefácio. Eduardo Silva

Prefácio. Eduardo Silva Prefácio Eduardo Silva SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SILVA, E. Prefácio. In: ARAÚJO, DO. O tutu da Bahia: transição conservadora e formação da nação, 1838-1850. Salvador: EDUFBA, 2009, pp.

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma Cultura Negra Cultura Negra Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade de aspectos: dança, música, religião, culinária e idioma. Essa influência se faz notar em grande parte

Leia mais

Rua Ângelo Provenzano, 705 B. Canudos Novo Hamburgo/RS

Rua Ângelo Provenzano, 705 B. Canudos Novo Hamburgo/RS Rua Ângelo Provenzano, 705 B. Canudos Novo Hamburgo/RS Coordenadora do LIE: Shanna Bortolotti Costa O TRABALHO NÃO COMEÇARIA, SEM ESTA PESSOA... Irmão Cláudio Despertar a noção de igualdade entre as diferentes

Leia mais

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros Relatório do 3 Encontro de Empreendedores de Cultura Afrobrasileiros São Paulo, 23 de julho de 2011 1 Introdução: Este relatório é produto do 3 Encontro de artistas e empreendedores negros, que discutem

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Religiosidade Africana

Religiosidade Africana UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRPPG MECM CONHECIMENTO E DIVERSIDADE CULTURAL Religiosidade Africana Douglas Aires GOIÂNIA, 2012 Religião Africana O africano tem a religião como um modo de vida que é caracterizada,

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Cruzeiro do Sul e o Sul

Cruzeiro do Sul e o Sul Atividade de Aprendizagem 17 Cruzeiro do Sul e o Sul Eixo(s) temático(s) Terra e universo Tema Estrelas / constelações / galáxias Conteúdos Constelações / pontos cardeais Usos / objetivos Problematização

Leia mais

Análise spot publicitário

Análise spot publicitário Análise spot publicitário Trabalho Realizado por: Carlos Nunes carlosmmnunes@gmail.com Nº 20240 Para a disciplina: Multimédia Scriptwriting Leccionada por: Profª Joana Carvalho Porto, 13 de Abril de 2011

Leia mais

Histórias em Sequência

Histórias em Sequência Histórias em Sequência Objetivo Geral Através das histórias em sequência fazer com que os alunos trabalhem com a oralidade, escrita, causalidade e vivências pessoais. Objetivos Específicos Trabalho envolvendo

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Nome: n.º 3ª série Barueri, / / 2009 Disciplina: ESTUDOS SOCIAIS 1ª POSTAGEM ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Querido aluno, segue a orientação para esta atividade. - Ler com atenção, responder

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 85 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II Aprendendo a ESTUDAR Ensino Fundamental II INTRODUÇÃO Onde quer que haja mulheres e homens, há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender. Paulo Freire DICAS EM AULA Cuide da

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Press Release 21 de junho de 2013

Press Release 21 de junho de 2013 Press Release 21 de junho de 2013 O Instituto Sacatar tem a satisfação de anunciar a chegada de um novo grupo de seis artistas premiados, cada um, com um período de residência de oito semanas de duração

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro

Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro para crianças Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro bem-estar da família humana e de todo o mundo

Leia mais

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky A vida em grupo é uma exigência da natureza humana É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky No processo de socialização a criança aprende as regras básicas, os valores e

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL AUTO DE NATAL OUTRO NATAL Escrito em conjunto com Cristina Papa para montagem pelo curso Técnico Ator 2007/2008 do SENAC Araraquara-SP, sob supervisão do professor Carlos Fonseca. PERSONAGENS: CORO / NARRADORES

Leia mais

AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL. META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural.

AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL. META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural. AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: ser capaz de abordar a religião

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento socioeconômico. Ao sul do continente, estão países

Leia mais

AS BONECAS ABAYOMI E AS NOVAS SENSIBILIDADES HISTÓRICAS: POSSIBILIDADES PARA UMA EDUCAÇÃO ANTI-RACISTA

AS BONECAS ABAYOMI E AS NOVAS SENSIBILIDADES HISTÓRICAS: POSSIBILIDADES PARA UMA EDUCAÇÃO ANTI-RACISTA AS BONECAS ABAYOMI E AS NOVAS SENSIBILIDADES HISTÓRICAS: POSSIBILIDADES PARA UMA EDUCAÇÃO ANTI-RACISTA RESUMO: Profa. Ma. Fernanda Laura Costa (fernandalaura.costa@unifan.edu.br) Patrícia de Sousa Santos

Leia mais

DESMISTIFICANDO JARGÕES, PIADAS, PROVÉRBIOS E DITOS POPULARES SOBRE AS PESSOAS NEGRAS

DESMISTIFICANDO JARGÕES, PIADAS, PROVÉRBIOS E DITOS POPULARES SOBRE AS PESSOAS NEGRAS DESMISTIFICANDO JARGÕES, PIADAS, PROVÉRBIOS E DITOS POPULARES SOBRE AS PESSOAS NEGRAS AMARAL, Amilton da Silva. EMUG/NHN. amiltonnh@hotmail.com Este relato é decorrente do Curso de Relações Raciais e Educação

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Luiza Wainer UMA REFLEXÃO SOBRE A CONDIÇÃO DO HOMEM LIVRE NO ROMANCE FOGO MORTO, DE JOSÉ LINS DO REGO São Paulo/SP

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais