AS ÁGUAS DOS RIOS NEGRO E SOLIMÕES COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS ÁGUAS DOS RIOS NEGRO E SOLIMÕES COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS"

Transcrição

1 AS ÁGUAS DOS RIOS NEGRO E SOLIMÕES COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Mauro Melo Costa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas IFAM (Campus Manaus Centro CMC) Avenida 7 de setembro, Centro. Manaus Amazonas Rosa Oliveira Marins Azevedo Ana Mena Barreto Bastos Maria Lucia Tinoco Pacheco Resumo: Este trabalho apresenta impressões e considerações a respeito da utilização da água dos rios Negro e Solimões como tema gerador para o Ensino de Química. Tem como objetivo apontar algumas contribuições referentes ao uso de tema gerador para ensinar Química, a partir da experiência com estudantes do Ensino Médio em um Centro de Educação de Jovens e Adultos, localizado em Manaus AM, no ano de Desenvolveu-se uma metodologia de ensino com sustentação no pensamento pedagógico de Paulo Freire, cujos dados coletados foram divididos e discutidos, a partir três categorias que representam as etapas vividas com a metodologia proposta. São elas: 1) Problematização; 2) Organização, adaptação e registro dos conhecimentos; 3) Avaliação da proposta de ensino. A partir dos momentos vivenciados e considerando-se o conhecimento da natureza que os cercam e de si mesmos, concluise que a experiência contribuiu para a formação do pensamento crítico, reflexivo, participativo e para o processo de identificação dos estudantes como cidadãos, corroborando com o Ensino de Química na Educação de Jovens e Adultos. Palavras-chave: Tema gerador, Ensino de química, Educação de Jovens e Adultos, Metodologia de ensino. 1 INTRODUÇÃO A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é uma modalidade de ensino amparada por lei e voltada para pessoas que não tiveram acesso, por algum motivo, ao ensino regular

2 na idade apropriada. Essas pessoas, conforme Gadotti e Romão (2007), têm a necessidade de ver a aplicação imediata do que está aprendendo e, ao mesmo tempo, precisam ser estimuladas e criarem autoestima. Diante dessa necessidade, percebe-se que o ensino de Química precisa ser tratado dentro de uma perspectiva social, na qual o trabalho do educador prime pela consciência do papel político do ato de ensinar, assumindo a sua posição como professor crítico a serviço de uma classe social, estando assim engajado na tarefa de transformação da sociedade e do modo de produção. Fundamentada nas concepções de Educação Libertadora de Freire (1987), a proposta de ensino teve como foco tratar da importância da Química no contexto social, a partir de uma proposição metodológica que possibilitasse melhorias no processo de ensino e aprendizagem, considerando o contexto social do educando como ponto de partida para sua aprendizagem, tendo como premissa básica a dialogicidade e a problematização. Para isso, buscou-se: a) investigar a utilização das águas dos rios Negro e Solimões como tema gerador; b) desenvolver a proposta metodológica, adotando-se o pensamento pedagógico de Paulo Freire; e, por fim, c) aplicar e analisar a viabilidade dos momentos desenvolvidos. As águas dos rios são, de acordo com Zeidemann (2001), o produto de interações físicas e químicas ocorridas durante o processo de infiltração e escoamento. Na região amazônica, a relação entre a química dos sistemas dos rios e a geologia da área é notavelmente nítida. De acordo com características visuais como cor e transparência as águas da região são classificadas de três tipos, dentre as quais se destacam as águas brancas e negras. As águas brancas caracterizam-se por apresentarem grandes quantidades de sólidos suspensos, o que determina a aparência lamacenta, e as águas negras caracterizam-se por grandes quantidades de substâncias orgânicas dissolvidas, o que lhes conferem a coloração escura. São exemplos de águas negras e brancas respectivamente os rios Negro e Solimões. Diante das características físico-químicas e por serem responsáveis por um dos espetáculos naturais mais conhecidos de Manaus-AM (o encontro das águas), surgiu a ideia de se trabalhar com as águas destes rios como tema gerador. 2 PERCURSO METODOLÓGICO A pesquisa foi desenvolvida durante o Estágio Curricular Supervisionado, em um Centro de Educação de Jovens e Adultos (CEJA) localizado em Manaus AM, com uma turma do Ensino Médio, no primeiro semestre de Os dados relativos ao estudo foram coletados por meio de observação direta (BOGDAN; BIKLEN, 1994) do ambiente escolar, como um todo e das aulas do estagiário, em particular. Diante da necessidade de se desenvolver um Trabalho Pedagógico Coletivo na escola, a partir da implementação de uma atividade transversal com a temática Água, e entendendo a educação como instrumento de conscientização e humanização, na superação das relações injustas de opressão, realizou-se a investigação da realidade que é um processo operacionalizado por meio da Investigação Temática (FREIRE, 1987). Conforme sistematizado por Delizoicov (1982, 2008), a Investigação Temática é desenvolvida em cinco etapas que correspondem a: a) Primeira: reconhecimento preliminar, que consiste em reconhecer o contexto nas bases sócio-histórica e econômico-cultural em que vive o aluno; b) Segunda: Escolha de contradições vividas pelo aluno que expressam de forma sintetizada o seu modo de pensar e de ver/interagir com o mundo, bem como a escolha de codificações; c) Terceira: Obtenção dos Temas Geradores a partir da realização de diálogos descodificadores;

3 d) Quarta: Redução Temática - trabalho em equipe interdisciplinar, com o objetivo de elaborar o programa curricular e identificar quais conhecimentos são necessários para o entendimento dos temas; e) Quinta: Desenvolvimento do programa em sala de aula. O tema gerador, obtido na terceira etapa da Investigação Temática, é entendido como o assunto que centraliza o processo da educação, que é fruto de uma mediação entre as responsabilidades dos professores e os interesses dos alunos. Ou seja, é assunto que centraliza o processo de ensino-aprendizagem, sobre o qual acontecem estudos, pesquisas, análises, reflexões, discussões e conclusões (CORAZZA, 1992). A proposta de se trabalhar com tema gerador é perfeitamente possível em qualquer disciplina, uma vez que aborda conhecimentos diversos, além de suas interações, não perdendo o referente do tema pelo qual é originado. Esse tema chama-se gerador porque qualquer que seja a natureza de sua compreensão como a ação por ele provocada, contém em si a possibilidade de desdobrar-se em outros tantos temas que, por sua vez, provocam novas tarefas a serem cumpridas (FREIRE, 1987). Após a definição do tema gerador desenvolveram-se ações pedagógicas com sustentação no pensamento freireano, explicitadas a seguir: 1º Momento: Identificação das concepções dos alunos momento em que se identificaram os conhecimentos trazidos pelos alunos, a partir de questões-problemas relacionadas ao conteúdo, associando sempre com o seu cotidiano. As questões buscaram potencializar a possibilidade de dúvidas e perguntas. Além disso, o debate entre os alunos proporcionou a explicitação de suas próprias teorias, promovendo uma reflexão sobre o próprio conhecimento, que se estendeu e aprofundou quando este conhecimento foi contrastado com o dos colegas. Esse primeiro momento foi desenvolvido na primeira aula, concomitante ao processo de Investigação Temática que resultou na escolha das águas dos rios Negro e Solimões como Tema Gerador. 2 Momento: Organização, adaptação e registro dos conhecimentos neste momento foram trabalhados os conteúdos referentes à temática, tendo em vista os objetivos estabelecidos. Os alunos, comparando o conhecimento trazido com o aprendido após as aulas, registraram as diferenças e responderam de forma que se pôde avaliar e identificar o conhecimento adquirido. Os conceitos científicos foram selecionados a partir da necessidade de serem trabalhados para o entendimento de uma situação real e significativa. Esse segundo momento foi implementado na segunda, terceira e quarta aula em que foram desenvolvidas as seguintes atividades, respectivamente: Estudo dirigido em grupo, aula expositiva dialogada sobre O ciclo da água e A qualidade da água. Os conteúdos conceituais trabalhados na terceira aula foram: Os estados físicos da água; As mudanças de estado físico da água; Calor; e Temperatura. Os conteúdos conceituais trabalhados na quarta aula foram: Solvente universal; Soluto; Solvente; Solução; Misturas; Tipos de misturas; Tipos de água; Etapas do tratamento de água; ph; e Etapas do tratamento de esgoto. 3 Momento: Reflexão e avaliação a partir de suas próprias impressões e interpretações os alunos avaliaram o desenvolvimento da proposta de ensino, o que proporcionou um diagnóstico do processo. Esse terceiro momento foi realizado na quinta aula na qual os alunos participantes foram avaliados, a partir da resolução do questionário avaliativo. Outros critérios utilizados como requisitos avaliativos foram o envolvimento durante as aulas e a participação nas discussões.

4 3 RESULTADO E DISCUSSÕES A implementação da pesquisa ocorreu no decorrer de cinco aulas, no período de março e abril de 2014, com a participação de 22 alunos do Ensino Médio. Destacam-se para análise três momentos: 1) problematização; 2) organização, adaptação e registro dos conhecimentos; e 3) Avaliação da proposta de ensino. 1) Problematização Problematizar, segundo Capecchi (2013), é superar o olhar fundado no senso comum, o que envolve, de acordo com Freire (1996, p. 35), criticizar a curiosidade ingênua por meio da possibilidade de condições para que os estudantes aproximem-se de forma cada vez mais metodicamente rigorosa do objeto cognoscível que envolve aprender a falar e se expressar por meio de ferramentas específicas. Na Tabela 1, estão expressas as perguntas elaboradas pelo professor e as que surgiram no debate e foram utilizadas para a problematização inicial voltada para as situações significativas envolvidas com a temática. Tais questões têm por objetivo estabelecer uma relação dialética com o mundo, o que possibilita uma reflexão e ação sobre a realidade e o sujeito (FREIRE, 1987). Tabela 1 Questões problematizadoras Fonte Apresentadas pelo professor Surgiram no debate Questões De onde vem a água que entra em nossas casas? Para onde vai a água que sai de nossas casas? Como a água é tratada? Porque a água é tratada? Que doenças podem ser transmitidas pela água? Por que os rios Negro e Solimões não se misturam? Por que a água do Rio Negro é preta? Por que a água do rio Solimões é barrenta? Por que o Rio Negro é conhecido como água morta? Por que o Rio Solimões é conhecido como água viva? A problematização, na Abordagem Temática Freireana, consiste em fazer com que os alunos, de forma reflexiva, sintam a necessidade de adquirir novos conhecimentos, indo além dos saberes cotidiano (DELIZOICOV; ANGOTTI; PERNAMBUCO, 2011). De acordo com Solino e Gehlen (2013), na Abordagem Temática Freireana, a contextualização perpassa todo o processo didático pedagógico, uma vez que os problemas locais vivenciados pelos alunos e sintetizados no Tema Gerador são os que vão direcionar a contextualização no seu sentido social. Este momento foi de fundamental importância, pois os alunos expuseram suas dúvidas, opiniões e compartilharam suas experiências relacionadas à sua vivência, uma vez que os mesmos apresentaram, em suas falas, situações que faziam parte do seu contexto conforme é possível constatar na Tabela 1.

5 Além disso, é possível observar que a contextualização, nesse primeiro momento da aula, apresenta um direcionamento social, uma vez que o problema proposto aos alunos está relacionado à temática geradora. 2) Organização, adaptação e registro dos conhecimentos A organização do conhecimento ocorreu a partir das aulas planejadas, tomando sempre como base uma situação-problema investigativa voltada para uma questão do tema gerador. Foram implementadas três aulas com o objetivo de desenvolver ações pedagógicas que possibilitassem aos alunos o desenvolvimento do diálogo, da autonomia, da iniciativa e da pesquisa para uma aprendizagem que fosse além dos conhecimentos que já possuíam, buscando a construção de conceitos. A construção do saber no ambiente escolar se faz, de acordo com Oliveira (2013), a partir do envolvimento efetivo do educando diante dos desafios a ele apresentado pelo professor. Na primeira aula, realizou-se um estudo dirigido com um capítulo do livro intitulado Florestas do Rio Negro (OLIVEIRA; DALY, 2001). Com o capítulo 2 intitulado O Rio das Águas Negras (ZEINDEMANN, 2001) foram discutidos os seguintes tópicos: características climáticas e físicas da região, tipos de água da Amazônia, conservação da água, gêneses da água preta e o ciclo do mercúrio. A Figura 1 apresenta o momento da realização do estudo dirigido e a capa do texto utilizado na aula. Figura 1: Desenvolvimento do estudo dirigido e o texto O Rio das Águas Negras Fonte: Os métodos de ensino, de acordo com Libâneo (1994), são conjunto de ações, passos, condições externas e procedimentos dirigidos por professores para estimular o processo de ensino em função da aprendizagem dos alunos. O estudo dirigido foi desenvolvido por acreditar ser esta estratégia de ensino uma ação didático-pedagógica capaz de possibilitar melhorias no processo de ensino-aprendizagem através da leitura e escrita. Durante a implementação da atividade percebeu-se a necessidade de se trabalhar a habilidade leitora escritora dos alunos, visto que apresentaram dificuldades na interpretação do texto e, consequentemente, na resolução das questões propostas. Na segunda aula sobre O ciclo da água buscou-se constantemente oportunizar o diálogo e a reflexão diante das questões levantadas. De acordo com Lemke (2014), cada conceito científico oferece um meio de interpretação a partir de nossa experiência no mundo, pois nenhum conceito científico representa uma realidade pré-existente absoluta. Percebe-se que o momento de discussão proporciona aos alunos oportunidades para que novos conhecimentos sejam construídos. Não se trata apenas de propor questões

6 que possibilitem a aplicação de conceitos estudados anteriormente, mas de criar condições para a aprendizagem de novos conteúdos (DELIZOICOV, 2001). Com o intuito de possibilitar a identificação da presença da Química no dia a dia, além de relacioná-la a outras disciplinas, os alunos tiveram a oportunidade de realizar uma reflexão acerca do vídeo De onde vem a garrafa d água e socializar seu conhecimento, construindo explicações causais para o problema proposto, uma vez que apresentaram, em suas falas, ainda que de forma elementar, situações que representam explicações científicas. Percebeu-se no decorrer da aula a participação ativa dos alunos com suas ideias, opiniões e manifestação sobre o que eles sabiam e o que gostariam de saber a mais. A Figura 2 apresenta o vídeo utilizado na aula. Figura 2: Vídeo De onde vem a garrafa d água Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=g91c7huhics Na aula em que se trabalhou A qualidade da água inicialmente foi apresentado um vídeo intitulado Água, saneamento e qualidade de vida, com Libras, para que houvesse, por meio do debate, a organização e identificação dos conhecimentos científicos. O vídeo utilizado está representado na Figura 3. Figura 3: Vídeo utilizado para iniciar a segunda aula Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=tc9hefzrzgk Promover interações discursivas não é tarefa fácil, pois demanda saber perguntar e saber ouvir. É na argumentação dos alunos, segundo Oliveira (2013), que o professor pode tomar consciência das relações que são realizadas, das ideias trocadas e do conhecimento que seus alunos estão construindo a partir da atividade. A partir do debate, posterior a apresentação do vídeo, foi possível perceber a concepção dos alunos em relação à importância do saneamento básico para a promoção da qualidade da água que é consumida. Foram trabalhados posteriormente os conteúdos conceituais, intervindo de forma a incentivar a apresentação de ideias por parte dos alunos e o aprimoramento de suas descrições.

7 3) Avaliação da proposta de ensino Além de ensinar Química, a escola exige também do professor outras funções, como, por exemplo, a de avaliar seus alunos (JIMÉNNEZ-ALEXANDRE et al., 2000). As inovações didáticas devem estar ligadas a inovações na avaliação (CARVALHO, 2013), pois uma nova postura metodológica em sala de aula torna-se inconsistente aliada a uma postura tradicional de avaliação. Assim, foi proposto um questionário como instrumento avaliativo da metodologia implementada. Este foi aplicado ao término do ciclo de atividades. A Figura 4 apresenta a avaliação dos alunos em relação a cinco critérios: A didática do professor; o uso do Tema Gerador; o grau de conhecimento do assunto e da disciplina apresentado pelo professor; os materiais utilizados me sala de aula; o tempo das aulas. Figura 4: Avaliação dos alunos sobre o processo educativo vivenciado Na questão que consistia identificar a viabilidade da proposta de ensino com o tema gerador, 100% dos alunos aprovaram a proposta, justificando da seguinte forma: foi muito bom, porque a sala conversava e debatia sobre o tema, dava suas opiniões e o professor era bem explicativo ; porque nos dá mais conhecimento, achei superimportante, aprendi coisas que eu não sabia em pouco tempo com o professor ; revelando-se mais que eficaz no trabalho para o engrandecimento mental pro aluno, que vivencia de forma majestosa, uma matéria que mexe com o imaginário de todos ; foi uma forma de conhecermos mais sobre nossos rios ; o tema foi muito importante para esclarecer algumas dúvidas que eu tinha sobre a água ; porque ele explica da maneira pra gente entender. Além disso, os alunos sugeriram: Sugiro que se aprofundem mais para descobrir mais os mistérios das nossas águas ; eu sugiro que tivesse mais aulas dele, pois ele é bom, explica muito bem ; Que sempre aconteça esse tipo de trabalho nas escolas ; Sugiro que explique sempre assim para que outros alunos possam entender ; que prestemos mais atenção na nossa riqueza que é a água do planeta. Ao serem questionados se a forma como os conteúdos estavam sendo trabalhados ajudava a aprender de modo mais fácil Química, 20 alunos responderam que sim, justificando da seguinte maneira: utilizando palavras de simples entendimento e com formas de explicação voltada pro dia a dia do aluno, sem pensar que poderia ser mais fácil, entende-se na interpretação do indivíduo como sendo o cliente principal de um estudo vanguardista e itinerante ; Porque ele fala bem e sabe se expressar de forma que o aluno entenda de forma bem clara ; porque o professor explica muito bem ; pela paciência de explicar ; pelo modo dele explicar, foi muito bom ; porque o professor

8 tinha uma forma fácil de ensinar e tirar as dúvidas dos alunos ; por que o modo que ele ensina é bem claro ; por que apesar de termos pouco tempo de aulas tivemos um ótimo professor que se deu o maior valor em ensinar de uma forma mais fácil ; porque não tinha números para atrapalhar minha mente. Entretanto, 2 dos alunos afirmaram que a proposta não contribuiu para facilitar a apreensão dos conteúdos de Química de maneira mais fácil, devido a uma dificuldade pessoal, justificando da seguinte forma: eu entendi mais ou menos, é um pouco difícil química e um pouco complicado ; não, por que eu tenho muitas dificuldades de aprendizagem. Ao responderem a questão O que você achou dos materiais utilizados?, 21 alunos acharam bom justificando da seguinte forma: recriando um arsenal educativo para atender de forma excepcional, os melhores produtos e assim um ciclo de esperança em uma nova etapa até o próximo futuro ; achei ótimo as demonstrações com os materiais ; muito bom porque fica mais fácil de aprender ; eram bons e modernos ; porque deu para entender os conteúdos. Porém, 1 aluno achou ruim justificando da seguinte forma: tivemos muitos materiais para pouco tempo de aula. Quando questionados sobre o conhecimento aprendido, os estudantes disseram: Aprendi que iniciativas que agreguem valor para minha vida, são mais importantes como, qualquer conceito criado por pensadores da Europa ; aprendi muitas coisas que eu não sabia ; que gostei muito, tinha dúvidas sobre as águas, hoje não tenho mais ; aprendemos diferentes temas e eu gostei ; com certeza, prestando atenção estudando ; que apesar da matéria ser bem complicada para mim eu consegui me interessar mais pelo assunto ; bom eu aprendi sobre o tratamento da água de maneira diferente ; aprendi sobre o uso das águas, tubulação de esgotos, canos, caixa de água ; Eu diria que aprendi como a água é tratada ; Muitas coisas relacionadas ao nosso tema Rio Negro e Solimões, de onde vem a água, para onde vai, como é tratada... ; Eu aprendi muita coisa como por exemplo o tratamento do esgoto e como água do rio Negro é rica em ferro e ácida ; Aprendi sobre a importância da água, como ele chega às nossas casas, qual a maneira certa de uso e muito mais ; Aprendi sobre a água, a formação da chuva. Para a quinta questão O que você mais gostou e do que não gostou nas aulas?, destacam-se as justificativas: pensei que fosse mais um universitário de banco de faculdade, mas eu estava enganado, era sim um de nós, só que em um nível melhorado ; eu gostei de todas as aulas que ele desenvolveu ; ele foi muito atencioso, e explica com clareza as nossas dúvidas e o relacionamento com ele foi ótimo porque ele é muito carismático ; supereducado, paciente, ensina bem com atenção ; gostei muito das aulas dele, ele daria um ótimo professor de Química, é bastante atencioso, e tem muita paciência ; muito bom porque ele pergunta muito sobre dúvida ; bom, o professor é muito bacana, atencioso, não tive muito relacionamento com ele porque ele não dava atenção só pra mim, ele dava atenção pra todos ; Ele foi bastante esforçado pra passar pros alunos os conteúdos, foi bem comunicativo, eu gostei bastante dele porque ele tratou superlegal todos nós ; muito bom o relacionamento dele com os alunos, foi muito bom, explica super bem ; O professor Mauro é um ótimo lecionador, bem explicativo, desembaraçado, sabe ensinar de maneira divertida e séria ao mesmo tempo. Ao responderem a questão Como você avalia sua participação e interesse pelas aulas? Por quê? O que fiz? O que poderia ter feito? Que nota você se daria?, 100% afirmaram ter participado de forma satisfatória. As notas atribuídas pelo próprio estudante a si mesmo ficou no intervalo entre 5 N 10, sendo que as justificativas apresentadas estão expostas a seguir: Sempre achei que a química era um bicho de 7 cabeças, na verdade, era uma ciência que eu não dava muito valor ; Interagi mais, falei

9 mais, e participei mais. Eu aprendi pelo menos 80% ; fui muito participativa, aprendi o tema. Quando questionados sobre o que poderiam ter feito responderam: me esforçar ; Poderia ter mais tempo ; eu poderia estudar mais ; Poderia ter participado mais. O aluno que se deu nota 5, avaliou de forma negativa sua participação e interesse pelas aulas: deixei de fazer perguntas, deveria ter interagido mais. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerando que a Ciência apresenta linguagem própria e uma forma particular de ver o mundo, construída e validada socialmente, é preciso que situações que possibilitem aos alunos familiarizar-se com suas práticas sejam criadas. Portanto, a utilização de temas geradores deve ser entendida como uma maneira de envolvimento dos alunos na identificação, contextualização da Ciência, em particular da Química. Pode-se considerar um desafio para os professores desenvolver metodologias que sejam adequadas para o Ensino de Química. No entanto, identificou-se na utilização das águas dos rios Negro e Solimões, como tema gerador, uma proposta capaz de contribuir para o processo de ensino e aprendizagem por apresentar momentos que potencializam e instigam o desenvolvimento do conhecimento nos alunos. Acreditando que a qualidade da aprendizagem e o ato de aprender dependem de um ambiente facilitador, o uso do tema, nesse caso particular para a EJA, possibilitou uma organização curricular mais flexível por meio da qual foi possível envolver conhecimentos interdisciplinares e também vários aspectos do conteúdo químico. Os rios Negro e Solimões foram tratados não apenas no que se refere a aspectos químicos, mas também aspectos históricos, biológicos e sociais. Trabalhando com o tema proposto pela turma, e que tem relação com a realidade dos alunos, percebeu-se a possibilidade de se trabalhar com conteúdos de disciplinas diversas, ao mesmo tempo, e relacioná-los com o dia a dia de cada um. Observou-se também que o ensino dos conceitos fundamentais de química geral facilitou a compreensão do processo que envolve o ciclo e tratamento da água e esgoto, valorizando o contexto. Além disso, houve uma motivação gerada pelos debates, durante as aulas, permitindo um ambiente facilitador de aprendizagem. Nesse ambiente, foi possível identificar posturas críticas e participativas por parte dos alunos. Com isso, é possível inferir que a metodologia desenvolvida possibilitou a construção de novos conhecimentos e contribuiu na formação do pensamento crítico e no processo de identificação dos estudantes como cidadãos reflexivos e participativos, corroborando com a função do Ensino de Química na EJA. Agradecimentos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - IFAM REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma investigação às teorias e aos métodos. Portugal: Porto Editora, CARVALHO, A. M. P. de. O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, A. M. P. de (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, Cap. 1, p

10 CAPECCHI, M. C. V. de M. Problematização no ensino de Ciências. In: CARVALHO, A. M. P. de (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, Cap. 2, p CORAZZA, S. M. Tema gerador: concepções e práticas. Ijuí: UNIJUÍ DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNANBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 4 ed. São Paulo: Cortez, DELIZOICOV, D. La Educación em Ciências y La Perspectiva de Paulo Freire. Alexandria, v. 1, n. 2, p.37-62, DELIZOICOV, D. Concepção Problematizadora do Ensino de Ciências na Educação Formal f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, USP/FAE, DELIZOICOV, D. Problemas e problematizações. In: PIETROCOLA, M. (Org.). Ensino de Física: Conteúdo, metodologia e epistemologia numa concepção integradora. Florianópolis: Editora da UFSC, p FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GADOTTI, M.; ROMÃO, J. E. (Orgs.). Educação de Jovens e Adultos: teoria, prática e proposta. 9ª ed. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, JIMÉNEZ-ALEXANDRE, M. P.; BUGALLO RODRIGUEZ, A.; DUSCHI, R. A. Doing the lesson or doing science : Argument in High School Genetics. Science Education, v.84, p , LEMKE, J. Teaching All the Languages of Science: Words, Symbols, Images, and Actions. Disponível em: <http://academic.brooklyn.cuny.edu/education/jlemke/papers/b arcelon.htm>. Acesso em: 19 maio LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, OLIVEIRA, A. A.; DALY, D. C. Florestas do Rio Negro. São Paulo: Companhia das Letras: UNIP, OLIVEIRA, C. M. A. de. O que se fala e se escreve nas aulas de Ciências? In: CARVALHO, A. M. P. de (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, Cap 4, p SOLINO, A. P.; GEHLEN, S. T. A contextualização na abordagem temática Freireana e no Ensino de Ciências por Investigação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 9., 2013, Águas de Lindóia. Atas... São Paulo: ENPEC, p ZEIDEMANN, V. K. O Rio das Águas Negras. In: OLIVEIRA, A. A.; DALY, D. C. Florestas do Rio Negro. São Paulo: Companhia das Letras: UNIP, Cap 2, p

11 THE WATERS OF RIVERS AND BLACK THEME AS SOLIMÕES GENERATOR FOR THE TEACHING OF CHEMISTRY IN YOUTH AND ADULT EDUCATION Abstract: This paper presents impressions and considerations regarding the use of water of the Negro and Solimões rivers as my theme for the Teaching of Chemistry. Aims to point out some contributions concerning the use of generative theme to teach Chemistry, from experience with high school students in a Center of Adult Education, located in Manaus - AM, in the year 2014 developed a teaching methodology to support the pedagogical thinking of Paulo Freire, whose collected data were divided and discussed from three categories that represent the steps experienced with the proposed methodology. They are: 1) Curriculum; 2) Organization, adaptation and recording of knowledge; 3) Evaluation of the teaching proposal. From the experienced moments and considering the knowledge of nature surrounding them and themselves, it is concluded that the experience contributed to the formation of critical thinking, reflective, and participatory process for the identification of students as citizens, corroborating with the Chemistry Teaching in Adult Education. Key-words: Theme generator, Teaching chemistry, Youth and Adult Education, Teaching Methodology.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

PIBID QUÍMICA PROJETO UIRAPURU: REFLEXÃO SOBRE A EXPERIÊNCIA NO ENSINO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO

PIBID QUÍMICA PROJETO UIRAPURU: REFLEXÃO SOBRE A EXPERIÊNCIA NO ENSINO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO PIBID QUÍMICA PROJETO UIRAPURU: REFLEXÃO SOBRE A EXPERIÊNCIA NO ENSINO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO Mauro Melo Costa 1, Kelry Cristina Muniz Barbosa 2, Daisy Amed das Chagas 3, Kátia Maria Guimarães Costa 4,

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

Os registros, obtidos através das observações, foram divididos em grupos e analisados separadamente e em conjunto.

Os registros, obtidos através das observações, foram divididos em grupos e analisados separadamente e em conjunto. PRIMEIRAS OBSERVAÇÕES A RESPEITO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE GEOGRAFIA EM LICENCIATURA PLENA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI ANNA CRISTINA CORRÊA SILVEIRA 1 e VICENTE DE PAULA LEÃO

Leia mais

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE: CONCEPÇÕES DE PROFESSORES NO ENSINO DE GASES Helena Cristina Aragão de Sá 1 (FM) Roberto Ribeiro da Silva 2 (PQ) 1 SEEDF/E.C. 803 - Recanto das Emas, helenaaragaosa@gmail.com

Leia mais

PIBID: Análise do rendimento escolar dos alunos-monitores do laboratório de química da Escola Estadual Professor Abel Freire Coelho em Mossoró-RN

PIBID: Análise do rendimento escolar dos alunos-monitores do laboratório de química da Escola Estadual Professor Abel Freire Coelho em Mossoró-RN PIBID: Análise do rendimento escolar dos alunos-monitores do laboratório de química da Escola Estadual Professor Abel Freire Coelho em Mossoró-RN Tatiana Lucas de Oliveira* Altamira Taisa Soares Santos

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO COMPUTADOR EM ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DESENVOLVIDAS NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA ACEG FAHU: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

UTILIZAÇÃO DO COMPUTADOR EM ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DESENVOLVIDAS NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA ACEG FAHU: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS Resumo Diante do conhecimento de condições propiciadas no período de formação inicial de professores, faz-se

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO PAIXÃO LINHARES 1, MARÍLIA e MACEDO REIS 2, ERNESTO 1 Laboratório de Ciências Físicas, UENF 2 Coordenação de Física, CEFET-Campos Palavras

Leia mais

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005.

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005. USO DE SITES VISANDO A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DE FÍSICA NO CURSO SEMIPRESENCIAL DA EJA INTRODUÇÃO Francinaldo Florencio do Nascimento Governo do Estado da Paraíba fran.nice.fisica@gmail.com Vivemos

Leia mais

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA Lilliane Miranda Freitas (Faculdade de Biologia/Universidade Federal do Pará) Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Palavras- chaves: Formação de Professores, Estágio Supervisionado, Saberes, Ensino Fundamental.

Palavras- chaves: Formação de Professores, Estágio Supervisionado, Saberes, Ensino Fundamental. ESTÁGIO SUPERVISIONADO: DESAFIOS E CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO INICIAL DO DOCENTE NO CURSO DE PEDAGOGIA. 1 Autora: Ariana da Silva Medeiros 2 ariana.bombom@bol.com.br Coautor: Gilmara Gomes da Silva gilmaragomes@hotmail.com

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA ÁGUA E CRIANÇAS: MUITAS DESCOBERTAS E APRENDIZAGENS

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA ÁGUA E CRIANÇAS: MUITAS DESCOBERTAS E APRENDIZAGENS RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA ÁGUA E CRIANÇAS: MUITAS DESCOBERTAS E APRENDIZAGENS FONSECA, Karla Madrid 1 ;UEIIA/UFSM SILVEIRA, Lidiane Gripa 2 ;UEIIA/UFSM MOMBELLI,

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia do Ensino na Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 Introdução O presente estudo tem por objetivo refletir sobre o ensino da didática, inspirado no pensamento de Paulo Freire, no contexto

Leia mais

OS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELOS DOCENTES E DISCENTES DA EJA NA ÁREA DA MATEMÁTICA DA ESCOLA JOSÉ LUIZ NETO DE BARRA DE SANTA ROSA PB

OS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELOS DOCENTES E DISCENTES DA EJA NA ÁREA DA MATEMÁTICA DA ESCOLA JOSÉ LUIZ NETO DE BARRA DE SANTA ROSA PB OS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELOS DOCENTES E DISCENTES DA EJA NA ÁREA DA MATEMÁTICA DA ESCOLA JOSÉ LUIZ NETO DE BARRA DE SANTA ROSA PB Francilene Almeida SOUSA 1 Universidade Federal de Campina Grande francy.1511@hotmail.com

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A INSERÇÃO DA PESQUISA EM CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: limites e possibilidades

A INSERÇÃO DA PESQUISA EM CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: limites e possibilidades A INSERÇÃO DA PESQUISA EM CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: limites e possibilidades Cassiano Lazarotto Rambo 1 Maria Lúcia Marocco Maraschin 2 Iône Inês Pinsson Slongo 3 Resumo: Esta pesquisa buscou

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DE UM MATERIAL DIDÁTICO QUE AUXILIE NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO VIÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS.

EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DE UM MATERIAL DIDÁTICO QUE AUXILIE NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO VIÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DE UM MATERIAL DIDÁTICO QUE AUXILIE NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO VIÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. José Fernandes Silva; Kamila Costa Santos; Kelly Letícia Andrade Viana

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 Marinez Cargnin-Stieler UNEMAT/NEED marinez@unemat.br Resumo: Este trabalho é uma análise parcial dos dados

Leia mais

EDUCAÇÃO, PEDAGOGIA E A IDENTIDADE DOCENTE

EDUCAÇÃO, PEDAGOGIA E A IDENTIDADE DOCENTE EDUCAÇÃO, PEDAGOGIA E A IDENTIDADE DOCENTE CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESUMO Este texto tem como objetivo apresentar alguns pontos que possa contribuir para reflexão e problematização da pedagogia como

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo Elaine Carvalho de Campos Abib¹ Este trabalho foi realizado com base nas características das Tendências Pedagógicas e nas

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS.

CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS. CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Brayan Paiva Cavalcante¹; Clécio Danilo Dias da Silva²; Dalvan Henrique Luiz Romeiro³;

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. ALVES, Patrícia Cristina Discente do 7º Período do Curso de Pedagogia da Faculdade

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

ANEXO I - Transcrição das entrevistas

ANEXO I - Transcrição das entrevistas 147 ANEXO I - Transcrição das entrevistas ENTREVISTA 1 Nome: L.C. Idade: 58 anos. Formação: Pedagogia. Tempo de experiência em cursos de Licenciatura: 7 anos. Pq - A pesquisa em questão trata da ação docente

Leia mais

Química Ambiental para Jovens e Adultos (EJA): Estratégias de ensino em busca da identidade ambiental

Química Ambiental para Jovens e Adultos (EJA): Estratégias de ensino em busca da identidade ambiental Química Ambiental para Jovens e Adultos (EJA): Estratégias de ensino em busca da identidade ambiental Patrícia Alves de Abreu e Sousa 1, Luciana Nobre de Abreu Ferreira Universidade Federal do Piauí, Centro

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA Janice Silvana Novakowski Kierepka - janicekierepka@bol.com.br Tamini Wyzykowski - tamini.wyzykowski@gmail.com Tatiane Cristina Possel Greter tati.cris2010@gmail.com

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PORTELA, Caroline Dorada Pereira UFPR cdp_fisica@yahoo.com.br HIGA, Ivanilda UFPR ivanilda@ufpr.br

Leia mais

DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA

DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA Antonia Natanayana Lima Mesquita Universidade do Estado da Bahia - UNEB natanayana@hotmail.com Daniela Batista Santos Universidade do Estado da Bahia - UNEB dansantosd@yahoo.com.br

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

III Seminário Web Currículo PUC-SP Educação e Mobilidade

III Seminário Web Currículo PUC-SP Educação e Mobilidade III Seminário Web Currículo PUC-SP Educação e Mobilidade Seminário de Pesquisa A CURIOSIDADE EPISTEMOLÓGICA EM PAULO FREIRE COMO SUPORTE PARA A REFLEXÃO SOBRE A EDUCAÇÃO ONLINE David de Sousa Oliveira

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE UM DISCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA DA UAB/ UNB SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DOCENTE

A PERCEPÇÃO DE UM DISCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA DA UAB/ UNB SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DOCENTE A PERCEPÇÃO DE UM DISCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA DA UAB/ UNB SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DOCENTE José Divino Guedes 1, Alice Melo Ribeiro 2, Carla Mercês da Silva 3 INTRODUÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS RESUMO Poliana de Brito Morais 1 Silvanio de Andrade 2 Este artigo tem como objetivo discutir nossa

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Energias, Transformações e Tecnologias: desenvolvimento de uma sequência didática

Energias, Transformações e Tecnologias: desenvolvimento de uma sequência didática Energias, Transformações e Tecnologias: desenvolvimento de uma sequência didática José Pedro Simas Filho (Universidade Federal de Santa Catarina - Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica/UFSC

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS QUANTO ÀS TEMÁTICAS ASTRONOMIA E INFORMÁTICA: REFLEXÕES E POSSIBILIDADES

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS QUANTO ÀS TEMÁTICAS ASTRONOMIA E INFORMÁTICA: REFLEXÕES E POSSIBILIDADES 945 FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS QUANTO ÀS TEMÁTICAS ASTRONOMIA E INFORMÁTICA: REFLEXÕES E POSSIBILIDADES Fernando Temporini Frederico 1, Dulcinéia Ester Pagani Gianoto 2 1 Mestrado em Educação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011 Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO Andeson Lisboa de Oliveira AZEVEDO 1, Kleyfton Soares da SILVA 2 1 Departamento de Química, Instituto Federal da Paraíba-IFPB, João Pessoa-PB. E-mail:

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Interações Intermoleculares; Metodologia de Ensino; perspectivas de aprendizado.

PALAVRAS CHAVE: Interações Intermoleculares; Metodologia de Ensino; perspectivas de aprendizado. AVALIANDO O DESEMPENHO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO DA UFRN EM DISCIPLINAS DE QUÍMICA COM APLICABILIDADE DE METODOLOGIA INTERATIVA Gilberlândio Nunes da SILVA 1, Maria Aparecida Medeiros MACIEL 1, Ana Cristina

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

Palavras-chave: aprendizagem da docência, formação inicial, sala de aula

Palavras-chave: aprendizagem da docência, formação inicial, sala de aula A OBSERVAÇÃO DE AULA COMO CAMPO DE APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA: Relato de experiencia T. A. Silva ¹; F. J. Lima 2 1 Aluna do Curso de Licenciatura em Matemática do IFCE campus de Cedro e- mail: thamy.2019@gmail.com

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A Abordagem CTS no Ensino de Ciências: Reflexões sobre as Diretrizes Curriculares Estaduais do Paraná

A Abordagem CTS no Ensino de Ciências: Reflexões sobre as Diretrizes Curriculares Estaduais do Paraná A Abordagem CTS no Ensino de Ciências: Reflexões sobre as Diretrizes Curriculares Estaduais do Paraná STS Approach in Science Teaching: Reflections on the Curricular Parameters of the State of Paraná Silmara

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO: qual é o movimento do acadêmico?

PROJETO DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO: qual é o movimento do acadêmico? PROJETO DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO: qual é o movimento do acadêmico? Área Temática: Educação Denise Puglia Zanon 1 Kelly Cristina Ducatti-Silva 2 Palavras-chave: Formação de Professores, Docência,

Leia mais

A LINGUAGEM CIENTÍFICA EM SALA DE AULA E O USO DO CHEMSKETCH

A LINGUAGEM CIENTÍFICA EM SALA DE AULA E O USO DO CHEMSKETCH A LINGUAGEM CIENTÍFICA EM SALA DE AULA E O USO DO CHEMSKETCH Galvani Pereira Alves* Unifal-MG Thúlio Silva Bastos* Unifal-MG Sessão Temática: 1. Metodologias de ensino-aprendizagem; Palavras-Chaves: Ensino

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

O ENSINO DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS O ENSINO DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ROMERO *, Danielle D avila danvila@ig.com.br Resumo O trabalho se propõe a discorrer sobre algumas concepções acerca da resolução de problemas em

Leia mais

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA?

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA? A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA? Alessandro Tomaz Barbosa (Bolsista PROLICEN/PRG/UFPB Programa de Pós-Graduação em Educação Científica

Leia mais

A PRODUÇÃO DE JORNAL CIENTÍFICO ESCOLAR, COMO FERRAMENTA MOTIVADORA NO ENSINO DE BIOLOGIA.

A PRODUÇÃO DE JORNAL CIENTÍFICO ESCOLAR, COMO FERRAMENTA MOTIVADORA NO ENSINO DE BIOLOGIA. A PRODUÇÃO DE JORNAL CIENTÍFICO ESCOLAR, COMO FERRAMENTA MOTIVADORA NO ENSINO DE BIOLOGIA. Maria Célia Cavalcante de Paula e Silva Licenciada em Ciências Biológicas pela UEPB. Mestre em Ciência e Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores AS DIFICULDADES DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS DOS ALUNOS DE PEDAGOGIA NOS PRIMEIROS

Leia mais

AS TIC NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA PESSOAL

AS TIC NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA PESSOAL AS TIC NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA PESSOAL João da Silveira Guimarães; Ingrid Dittrich Wiggers; Julia Luetz Universidade de Brasília - UnB joaoedf.guimaraes@gmail.com;

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL Márcia Regina de Andrade Universidade Federal de Sergipe - UFS Este trabalho pretende refletir sobre a importância

Leia mais

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem 91 Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem ET-06-015 INFLUÊNCIA DA MONTAGEM DE UM JOGO DIDÁTICO DO SISTEMA DIGESTÓRIO PARA A MELHORIA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Jéssica Maria Bernardo da Silva,

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS Frederico Silva Lopes AGUIAR; Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia (FaFil) - Universidade

Leia mais

MEMORIAL REFLEXIVO. Ana Teresa Scanfella Fabrícia Cristina Paulo Karina Teodoro Renata Pierini Ramos

MEMORIAL REFLEXIVO. Ana Teresa Scanfella Fabrícia Cristina Paulo Karina Teodoro Renata Pierini Ramos MEMORIAL REFLEXIVO Indisciplina: tema tratado/discutido pela comunidade escolar em um espaço virtual (blog) desenvolvido pelas formadoras de uma escola na periferia do município de São Carlos. Ana Teresa

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DA INFORMÁTICA EM SAÚDE: A SIGNIFICAÇÃO DE CONTEÚDOS ATRAVÉS DE CENÁRIOS

UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DA INFORMÁTICA EM SAÚDE: A SIGNIFICAÇÃO DE CONTEÚDOS ATRAVÉS DE CENÁRIOS UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DA INFORMÁTICA EM SAÚDE: A SIGNIFICAÇÃO DE CONTEÚDOS ATRAVÉS DE CENÁRIOS Yuuky Cláudio Iwata 1, Rosalie Barreto Belian 2 1 Curso de Medicina/Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

UTILIZANDO RECURSOS AUDIOVISUAIS COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

UTILIZANDO RECURSOS AUDIOVISUAIS COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS UTILIZANDO RECURSOS AUDIOVISUAIS COMO ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Thayna Rhayssa Batista da Silva¹, Joaklebio Alves da Silva, Luiz Antonio de Sales 1. thaynarbs@bol.com.br

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais