A IMPORTÂNCIA DA PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO"

Transcrição

1 JOSÉ CARLOS OLIVEIRA A IMPORTÂNCIA DA PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO SENAC BELO HORIZONTE 2012 JOSÉ CARLOS OLIVEIRA

2 A IMPORTÂNCIA DA PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Projeto de intervenção apresentado a Faculdade do SENAC, como requisito obrigatório para obtenção do título de Especialista em Gestão Microrregional de Saúde. ORIENTADOR: João Paulo Aché de Freitas Filho SENAC BELO HORIZONTE 2012 JOSÉ CARLOS OLIVEIRA

3 A IMPORTÂNCIA DA PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Gestão Microrregional da Saúde SENAC MG, defendido e aprovado em de de 2012 pela seguinte banca examinadora: PRESIDENTE ORIENTADOR EXAMINADOR

4 RESUMO A importância social e econômica do setor de saúde pública no Brasil traz responsabilidades aos gestores, e manter um planejamento na gestão é um instrumento fundamental para a validação de qualquer processo de gestão. Desde a criação do Sistema Único de Saúde (SUS), muitos gestores têm despendido esforços para a discussão do planejamento, enquanto componente fundamental da gestão, e feito tentativas para institucionalizá-lo. No entanto, mesmo com os avanços, ainda existem aspectos que se colocam de forma prioritária e que constituem desafios para a institucionalização do planejamento no SUS. Nesse sentido, este estudo procura descrever sobre a Programação Anual de Saúde (PAS) e como esse planejamento é importante para a Saúde Pública, com o auxílio de documentos legais e materiais técnicos publicados pelo Ministério da Saúde. Este trabalho tem como intuito mostrar a importância do PAS, e como esse instrumento pode ajudar numa melhor gestão da Saúde Pública. O objetivo desse estudo é mostrar como o PAS pode auxiliar num planejamento eficaz para o município, em especial a Microrregião de Pouso Alegre MG, e como esse planejamento precisa ser levado em consideração pelos gestores. O presente trabalho diz respeito a um Projeto de Intervenção, o qual obedece a etapas como Discussão de Propostas, Treinamento, Implantação, Monitoramento e Avaliação de Resultados, com intuito de colocar em prática o tema proposto nesse projeto.

5 ABSTRACT The social and economic importance of the public health sector in Brazil brings responsibilities to managers, and maintain a management plan is an essential tool for the validation of any management process. Since the creation of the Unified Health System (SUS), many managers have made efforts to discuss the planning, management as a key component, and made attempts to institutionalize it. However, even with the advances, there are still issues that arise as a priority and that pose challenges to the institutionalization of planning in the SUS. Accordingly, this study describes about the Annual Health Program (SBP) and how this planning is important for health, with the assistance of legal documents and technical materials published by the Ministry of Health. This work has the intention to show the importance of PAS, and how this tool can help in better management of Public Health. The aim of this study is to show how PAS can help in effective planning for the city, especially Microregion Pouso Alegre - MG, and how this planning needs to be taken into consideration by managers. The present work concerns an Intervention Project, which follows the steps to talk for Proposals, Training, Implementation, Monitoring and Evaluation Results, with a view to putting into practice the theme proposed in this project.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 JUSTIFICATIVA... 3 OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos... 4 METODOLOGIA... 5 A GESTÃO NA SAÚDE PÚBLICA... 6 PLANEJAMENTO NO SUS O planejamento nos dias atuais... 7 PAS PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE... 8 PÚBLICO ALVO... 9 PLANO DE AÇÃO CRONOGRAMA CONSIDERAÇÕES FINAIS... REFERÊNCIAS

7 7 1 INTRODUÇÃO O tema proposto nesse estudo não pode ser tratado sem apresentar um argumento que justifique a importância do planejamento para os governos e para as organizações. E como cita Matus (1996) com um pensamento que resume sua relevância: "negar o planejamento é negar a possibilidade de escolher o futuro, é aceitá-lo seja ele qual for". Sob essa ótica, o planejamento assume um papel vital para o direcionamento de ações, com intuito de atingir um resultado escolhido e programado previamente. Por isso, pode-se dizer que o planejamento não se resume apenas a um conjunto de intenções ou à tomada de decisão em si, mas está ligado também a formalização de procedimento para a obtenção de resultado articulado, onde as decisões possam estar integradas umas às outras (MINTZBERG, 2004). Segundo Maximiano (2004) qualquer que seja o tipo de organização, ela adquiri recursos para produzir bens, ou seja, produtos ou serviços, com o objetivo de resolver problemas de seus clientes e dos próprios gestores. Sendo assim, para definir o desempenho das organizações, são usadas palavras, como eficácia e eficiência, onde a primeira é utilizada para indicar se a organização cumpre seus objetivos e a segunda indica se os recursos estão sendo utilizados de forma produtiva. Esse cenário não é diferente no setor público, em especial o setor da saúde, que também necessita de planejamento e cumprimentos de objetivos e metas. No contexto da saúde pública, sem a realização de um planejamento, as atividades acabam sendo executadas por inércia. Os serviços de saúde funcionam de forma desarticulada, onde muitos são orientados pela noção de qual seja seu papel e esta noção é produzida de acordo com a visão de mundo de cada gestor e colaborador, e também sob um entendimento particular sobre as diretrizes estabelecidas pela política setorial de cada Estado. Por isso, acaba sendo tratada de forma subjetiva, fragmentada e desordenada, como resultado de muitas visões e operações. No momento em que não há uma visão clara de onde se deseja chegar, cada indivíduo acaba conduzindo e realizando atividade com uma visão individual. Diante

8 8 de tantos caminhos e direções diversas, os avanços acabem se neutralizando pelos retrocessos de outros, sendo que, dificilmente percebe-se ganhos de qualidade, onde os recursos acabam sendo utilizados de forma menos eficiente. Nesse caso, a eficiência é muito importante, pois utiliza recursos disponíveis do melhor modo possível, evitando desperdícios, e buscando alcançar os melhores resultados possíveis através das ações pré-estabelecidas (FERREIRA, 2001). Com isso, é possível perceber que para considerar uma organização eficiente e eficaz requer um trabalho árduo e eficiente, onde o primeiro passo para atingir um bom resultado é o planejamento, ou seja, administrar o futuro de uma organização, onde envolve a escolha de decisões para atingir determinados objetivos ou resultados, com a chance de avaliar as alternativas existentes para selecionar um curso específico de ação (MAXIMIANO, 2004). Quando se analisa o planejamento no Sistema Único de Saúde, é possível perceber que existem iniciativas para ordená-lo e integrá-lo, a fim de consolidar o sistema no aspecto da unicidade, na busca pela a operação e integração das decisões, entre os gestores em suas esferas de governo, mas, infelizmente ainda encontram-se obstáculos que impedem esta unicidade e integração. O SUS já alcançou um progresso importante desde o seu surgimento na Constituição Federal da República de 1988, mas ainda existem muitas dificuldades e desafios no desenvolvimento desse sistema. Assim, para dar continuidade a esta evolução e enfrentar a crise é fundamental que haja um esforço planejado na execução dos serviços de saúde pública no Brasil. Mas vale lembrar, que há algumas décadas, a economia instável apagou da cultura brasileira o hábito de planejar, o que não deveria ter sido esquecido, em especial, pelos profissionais da saúde. Partindo dessa realidade, que também afetou o SUS, foram criadas algumas leis que tornaram a criação de planos e relatórios de gestão obrigatórios, que incluía esferas de gestão federal, municipal e estadual (BRASIL, 1990). Para auxiliar nesse processo de planejamento, os municípios e estados são apoiados pelo Ministério da Saúde (MS) a integrar-se ao Sistema de Planejamento do SUS, o PlanejaSUS, que é definido como uma atuação contínua, articulada, integrada e solidária das áreas de planejamento das três esferas de gestão do SUS. Entre as propostas deste sistema está o apoio na construção de três instrumentos

9 9 principais de planejamento: o Plano de Saúde (PS), a Programação Anual de Saúde (PAS) e o Relatório Anual de Gestão (RAG) (BRASIL, 2009a). No presente estudo, será realizada a pesquisa sobre a PAS, que é um planejamento das atividades dos gestores de saúde. Mas é preciso deixar claro que somente a elaboração desses documentos não consiste em um fator de mudança, pois é necessário realizar no final de cada período uma comparação entre o que foi planejado e o que foi executado ao longo desse período. O uso desse tipo de instrumentos de gestão permite que a organização aprenda com seus erros, aprimorando seus processos de planejamento continuamente.

10 10 2 JUSTIFICATIVA Um estudo pode ser justificado através de aspectos que explicitem a contribuição do mesmo em três principais critérios: originalidade, importância e viabilidade, onde esses três critérios devem ser satisfeitos simultaneamente. A originalidade de um tema, ou de uma pesquisa, advém de sua singularidade. O presente tema é singular no contexto apresentado, uma vez que envolve também um levantamento bibliográfico sobre a PAS, com ênfase na Microrregião de Pouso Alegre-MG, onde não há conhecimento de pesquisas semelhantes nesse dado contexto. É um tema de suma importância, pois está ligado a uma questão crucial que afeta um segmento substancial da sociedade, e tem ligação com uma questão teórica que merece atenção na literatura especializada. Vale salientar que o critério que julga esse tema importante, até certo ponto é subjetivo, estando diretamente associado aos valores daqueles que o julgam. O estudo bibliográfico é importante para o acadêmico que o realiza, pois o mesmo desenvolve e aprofunda seus conhecimentos no contexto estudado, e nesse caso o planejamento em saúde pública, envolvendo a criação e elaboração desse relatório exigido por lei, ou seja, onde o Estado e Municípios podem auxiliar na melhoria desse processo de controle do planejamento das secretarias de saúde. No caso da viabilidade desse estudo, ela pode ser confirmada ao se especificar questões como o papel do gestor e a importância da PAS, trazendo responsabilidade para o município, em cumprir uma lei e trazer resultados eficazes para a saúde pública e para todos que dela dependem. Por isso, a escolha desse tema, foi de suma importância, pois pode ser considerado um tema que pode trazer a tona um problema que pode ser resolvido de forma eficaz, assim como levar a uma conclusão cientificamente válida, utilizando-se dos recursos informativos, financeiros e temporais já disponíveis e, também, fazendo-se uso das competências existentes e outras que precisam ser adquiridas. Existem muitos outros propósitos numa pesquisa como esta, que validam esse estudo, como a consolidação de conhecimentos desenvolvidos na área de

11 11 planejamento em saúde pública, assim como a possibilidade de trazer novos conhecimentos, bem como a importância pessoal do tema para o mesmo, pela importância para a área na qual atua.

12 12 3 OBJETIVOS 3.1 Objetivo Geral Propor, a partir de revisão bibliográfica sobre a PAS, as possíveis medidas que podem ser implantadas na microrregião de Pouso Alegre MG, para o auxílio no planejamento da saúde pública. 3.2 Objetivos Específicos Pesquisar sobre o papel do gestor em saúde pública; Identificar a importância da PAS na gestão pública da saúde; Levantamento sobre o que é a PAS e como é implantado; Propor aos gestores dos municípios da microrregião de Pouso Alegre MG estratégias de implantação da PAS. Avaliar se a PAS foi corretamente implantada.

13 13 4 METODOLOGIA O projeto em questão será apresentado aos profissionais e gestores da saúde pública, que possa ser discutido e colocado em prática pela Microrregião de Pouso Alegre-MG. A sua implantação ocorrera no período de Abril de 2012 a Fevereiro de 2013 se dará da seguinte maneira: Mobilização dos gestores e equipes responsáveis pela área da saúde da Microrregião de Pouso Alegre- MG, chamando a atenção para a importância do PAS para o município, voltado às melhorias na saúde pública do município; Promover reunião com gestores e sua equipe de trabalho, apresentando a importância de se promover a PAS, e o que pode trazer benefícios para o município; Treinamento de profissionais ligados aos planejamentos da saúde pública, e a realização de oficinas, assim como o levantamento de necessidades da Microrregião de Pouso Alegre-MG, com base em dados do DATASUS; Incentivar a formação de uma equipe que seja especializada e esteja inteirada de todos os recursos e objetivos da PAS, voltados para as necessidades dos usuários da Microrregião de Pouso Alegre-MG, dando ênfase à importância do cumprimento de todos os itens que compõe a PAS.

14 14 5 A GESTÃO NA SAÚDE PÚBLICA A gestão é um tema antigo, quase tão antigo quanto a Saúde Pública, que sempre recorreu a várias especialidades e campos de conhecimento, como a medicina, microbiologia, zoologia, geologia, entre outras ciências, até mesmo no intuito de dar explicações para o processo saúde e doença. Dessa junção, surgiu a administração sanitária e também a epidemiologia. No entanto, foi nos primórdios da Saúde Pública que ocorreu a constituição de um campo de conhecimentos, que foi denominado administração sanitária e de práticas em saúde, que buscava práticas consideradas eficazes para debelar os problemas coletivos em saúde (GUALEJAC, 2007). Em seus primórdios, a administração sanitária, importou muitos conceitos e modos de operar do campo militar. Com o exemplo da gestão de conflitos armados e de guerras, a Saúde Pública importou a ideia de considerar a doença, os germes e as condições ambientais insalubres como inimigos que precisavam ser erradicados e controlados. Surgiu então o planejamento estratégico e tático e programas sanitários (GUALEJAC, 2007). Em suma, a gestão em saúde nada mais é que um desdobramento contemporâneo dessa tradição, sendo que, em meados do século XX houve uma ampliação do objeto e do campo de intervenção nessa área da saúde. Na mesma época, em alguns países como a Grã-Bretanha, Suécia e União Soviética e, mais tarde, em inúmeras outras nações da Europa, América e Oceania, foram construídos os Sistemas Nacionais e Públicos de Saúde, com cultura sanitária voltada para a organização de serviços e programas de saúde, abrindo espaço para uma nova realidade (GUALEJAC, 2007). O Estado passou então a ser responsabilizado pelo financiamento e gestão de uma rede de serviços constituída segundo o conceito de integração sanitária. Essa rede pública não executaria apenas ações de caráter preventivo e de relevância coletiva, mas assumiria também a atenção clínica, com uma assistência

15 15 individual em hospitais e outros serviços. A partir daí, foi concebido o conceito de hierarquização e regionalização dos serviços, inventando-se a modalidade de rede denominada de atenção primária (GUALEJAC, 2007). Sendo assim, os conhecimentos sobre a administração sanitária já estavam ultrapassados e se mostravam claramente insuficiente para dar conta da complexidade dessa nova política pública. Em função disso, em vários países, ao longo do século XX, ocorreu um esforço de investigação voltado para o desenvolvimento de novos arranjos organizacionais e novos modelos de gestão e atenção à saúde (GUALEJAC, 2007). Nesse sentido, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e Organização Pan- Americana de Saúde (OPAS) passaram a estimular a produção de conhecimentos nessa área, assim como a difusão de experiências e tecnologias sobre organização, planejamento e gestão dos serviços de saúde. Nesse período novos estudos foram propostos, voltados para o desenvolvimento de estudos sobre sistemas locais de saúde, modelos de atenção, gestão de pessoal, atenção primária, planejamento e programação em saúde (GUALEJAC, 2007).

16 16 6 PLANEJAMENTO NO SUS Como já foi citada, a criação do SUS resultou do movimento de reforma sanitária, que desde o começo reivindicava que o Estado assumisse maiores compromissos com a saúde, o que acabou constituindo um avanço para o setor no país, pois foi reconhecimento que o acesso aos serviços e ações deveria ocorrer de forma universal e igualitária, numa rede hierarquizada (BRASIL, 2007). Promulgada a Constituição Federal que prevê este direito, percebeu-se um desequilíbrio entre a oferta de serviços e a demanda, pois não ocorreu de forma antecipada uma preparação da administração pública para assumir essas novas responsabilidades. A oferta ainda estava limitada à rede assistencial existente até então, preparada apenas para atendimento de um público restrito e norteada somente pelo viés curativo, em que se privilegiavam, exclusivamente, os serviços de atenção hospitalar (BRASIL, 2007). Ocorreu o mesmo com a demanda, que de um dia para outro, ampliou-se para o conjunto de toda a população residente no território nacional. Infelizmente, o direito previsto em lei ficou restrito, tornando-se quase impossível, diante da impossibilidade de garanti-lo, pois apresentava restrições administrativas e orçamentárias (BRASIL, 2007). A Constituição Federal de 1988 estabeleceu ainda instrumentos de planejamento da gestão, aos quais deveriam se submeter todos os órgãos da administração pública, na busca de processos programados que pudessem estabelecer os recursos financeiros necessários à execução das atividades em cada setor (despesas e investimentos), em consonância com a receita arrecadada, em cada ente federado (BRASIL, 2007). Sendo assim, para a maioria dos municípios brasileiros, os gestores precisam estar cientes que uma boa elaboração de planos e a programação a assistência à saúde são bases para sua autonomia político-administrativa. Todo esse cenário revela a complexidade de efetivação do planejamento em saúde, inserido num sistema universal como o SUS (VIEIRA, 2009).

17 O planejamento nos dias atuais Recentemente, o Ministério da Saúde realizou uma revisão em todos os instrumentos de gestão do SUS e criou o Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS), por meio da Portaria GM nº 3.332, promulgada em 28 de dezembro de Esta revisão das diretrizes do planejamento foi muito importante, pois ocorreu num momento em que reformas institucionais foram implementadas, por meio do Pacto pela Saúde, o que redefiniu também as responsabilidades de cada gestor em função das necessidades de saúde da população e da busca de uma equidade social (BRASIL, 2006a). O PlanejaSUS tem como objetivos: a) pactuar as diretrizes gerais para o processo de planejamento no âmbito do SUS; b) formular metodologias unificadas e modelos de instrumentos básicos do processo de planejamento; c) implementar e difundir a cultura de planejamento que integre e qualifique as ações do SUS entre as três esferas de governo e subsidie a tomada de decisão por parte de seus gestores; d) promover a integração do processo de planejamento e orçamento no âmbito do SUS; e) monitorar e avaliar o processo de planejamento, das ações implementadas e dos resultados alcançados (BRASIL, 2006b). Diante disso, os instrumentos básicos do PlanejaSUS, definidos a partir desta perspectiva são: a) Plano de Saúde (OS); b) Programação Anual de Saúde (PAS); c) Relatório Anual de Gestão (RAG). No caso do PAS, ele é um instrumento que operacionaliza as intenções do PS e o RAG, que apresenta os resultados alcançados com a execução da PAS (BRASIL, 2006b).

18 18 7 PAS PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE A PAS - Programação Anual de Saúde pode ser definida como um instrumento que operacionaliza as intenções expressas no Plano de Saúde, a cada ano de sua vigência. É um instrumento que apresenta o detalhamento das ações, indicadores e metas anuais a serem atingidas, responsáveis e eventuais parcerias, bem como a previsão de recursos financeiros que podem ser disponibilizados no ano, para a execução das proposições do Plano de Saúde. Sua elaboração tem como base legal as normas do Ministério da Saúde, a Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO e a Lei Orçamentária Anual - LOA do respectivo exercício (BRASIL, 2010). Além de tudo isso, a PAS é instrumento que serve como referência para a construção do RAG (Relatório Anual de Gestão), delimitando o seu objeto. PAS e RAG representam, assim, recortes anuais do Plano de Saúde, sendo que o primeiro apresenta um caráter propositivo e o segundo um caráter analítico/indicativo (BRASIL, 2010). A PAS possui objetivos como: A integração do processo geral de planejamento das três esferas de governo de forma ascendente; A consolidação do papel do gestor na coordenação da política de saúde; A viabilização da regulação, o controle e a avaliação do sistema de saúde; Definição da macro-alocação dos recursos do SUS para o financiamento do sistema e para a contribuição do desenvolvimento de processos e métodos de avaliação de resultados e controle das ações e serviços de saúde. A metodologia escolhida para a disponibilização das informações constantes neste documento tem como base as diretrizes do PlanejaSUS, que também tem referência no Conselho de Saúde Estadual. Sua estrutura deve conter os seguintes itens: Identificação da esfera de gestão correspondente; Ato do conselho de saúde respectivo que aprovou o Plano de Saúde; Os objetivos, as diretrizes e as metas do Plano de Saúde;

19 19 As ações e as metas que, no ano correspondente, deverão ser desenvolvidas para o alcance dos objetivos e das metas plurianuais que fazem parte do Plano de Saúde; Os recursos orçamentários previstos para esse fim, especificando sua origem (orçamento próprio, fundos de saúde, convênios etc.), sobretudo para os estados e os municípios; A área responsável pelas ações e/ou metas; As parcerias estabelecidas ou a serem buscadas (BRASIL, 2009b). Sua publicação também propõe que esse seja apresentado em formato de quadro, da forma indicada a seguir. O quadro deve conter, para cada uma das metas estabelecidas, as seguintes especificações (BRASIL, 2010): Ano: Identificação (esfera de gestão correspondente); Ato ou reunião do conselho de saúde respectivo que aprovou o Plano de Saúde Objetivo do Plano de Saúde; Diretrizes (do Plano de Saúde para o alcance do objetivo); Metas (relativas ao Plano de Saúde). AÇÕES ANUAIS METAS ANUAIS RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS (R$1,00) ORIGEM DOS RECURSOS ÁREA RESPONSÁVEL PARCERIAS Quadro 1 Ações anuais (BRASIL, 2010). A elaboração da PAS é realizada por uma equipe de planejamento, sendo uma equipe de cada município e do estado, que deverá coordenar o processo, que é formulada nas distintas áreas técnicas, tendo por base as suas respectivas programações ou, na ausência destas, as necessidades próprias de cada uma. Enfim, essas programações específicas e/ou pactos são, assim, dados necessários para a Programação Anual de Saúde (BRASIL, 2009b).

20 20 Ainda de acordo com a Portaria GM/MS nº de 11 de novembro de 2009, é disposto sobre a integração dos prazos e processos de formulação dos instrumentos do Sistema de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) e Pacto pela Saúde, em seu anexo, onde é informado que a periodicidade da PAS é anual com a elaboração durante o ano, para execução no ano interior (BRASIL, 2009b). Segundo Vieira (2009) desde a criação do SUS, houve preocupação com a discussão do planejamento e tentativas de fazer entender como e um importante como componente de gestão. A definição desses tipos de instrumentos tais como os Planos de Saúde e as Programações Anuais de Saúde, obtidos por meio de planejamento e inspirados em abordagem teórico-metodológica do planejamento em saúde, vem para revelar o cuidado que se deu a esta questão. Enfim, mesmo com tantos avanços, existem muitos aspectos que se colocam de forma prioritária e ainda constituem desafios para a efetivação do planejamento em saúde, enquanto elemento da gestão no SUS. A superação dos obstáculos e a institucionalização do planejamento é um deles e se constitui como tema primordial para a consonância entre as ações de saúde nas três esferas de governo, alocando maior eficiência na busca por recursos para a saúde como um todo (VIEIRA, 2009).

21 21 8 PÚBLICO ALVO Gestores e equipe responsável pelo planejamento da saúde pública, em questão a PAS. 9 PLANO DE AÇÃO Mobilização dos gestores e equipes responsáveis pela área da saúde da Microrregião de Pouso Alegre-MG, chamando a atenção para a importância do PAS para o município, voltado à melhorias na saúde pública do município; Promover reunião com gestores e sua equipe de trabalho, apresentando a importância de se promover a PAS, e o que pode trazer benefícios para o município; Providenciar oficinas e cursos de aperfeiçoamento voltados para as propostas citadas nesse plano de ação; Incentivar a formação de uma equipe que seja especializada e esteja inteirada de todos os recursos e objetivos da PAS, voltados para as necessidades dos usuários da Microrregião de Pouso Alegre-MG, dando ênfase à importância do cumprimento de todos os itens que compõe a PAS.

22 22 10 CRONOGRAMA Cronograma de Execução Período: Abr/2012 a Fev2013 Mês Ação Reunião com os gestores e equipe para a discussão de propostas voltadas para a elaboração da PAS, assim como a apresentação da proposta presente nesse estudo. Mostrar os benefícios para a implantação desse projeto. X X X X Treinamento de profissionais ligados aos planejamentos da saúde pública, e a realização de oficinas, assim como o levantamento de necessidades da Microrregião de Pouso Alegre-MG, com base em dados do DATASUS. X X X Promover a implantação do projeto proposto e a supervisão dos objetivos presentes no plano de ação. Realizar monitoramento das etapas propostas até o presente momento. X X X X Avaliação geral do Projeto de Intervenção e apresentação dos resultados, e sugerir possíveis melhorias. X X

23 23 11 CONSIDERAÇÕES FINAIS O SUS surgiu, e com ele ocorreu uma sensível mudança nos serviços de saúde prestados à população brasileira. Programas como o Pacto pela Saúde, o Controle Social e o Sistema de Planejamento do SUS vêm contribuindo de forma significativa para essa evolução. Mas, infelizmente, ainda não é possível dizer que estão sendo efetivamente cumpridos os princípios doutrinários de Universalidade, Equidade e Integralidade desse sistema, o que pode ser comprovado pela comparação da qualidade na gestão da saúde entre diferentes municípios e estados. Sendo assim, é preciso aprimorar instrumentos de planejamento, tornando-os capazes de monitorar as ações e resultados da gestão na saúde, o que pode ser fundamental para identificar os erros e melhorar o que já vem sendo feito pelos gestores de saúde. Desde muito tempo, a cultura das organizações, como sistema de valores, ações e crenças compartilhadas, requer propósitos viáveis e investimento, principalmente na valorização do potencial humano. No caso da organização de saúde, o seu espaço de formação corresponde tanto ao ponto de partida, que dá suporte a gestão, até às ações administrativas, formando um esquema importante para uma gestão saudável. Por isso, é esperado que uma maior articulação entre meios e fins estabeleçam os limites das ações em saúde pública. Nesse cenário, a gestão pode significar transpor as barreiras das dificuldades e trabalhar com possibilidades de mudança, o que traz a tona um repensar num modelo burocrático pela articulação de planos, programas, projetos e atividades, procurando integrar a missão aos objetivos e esforços, que vão de encontro ao compromisso da melhoria da qualidade. Para que uma organização de saúde avance rumo a uma concepção inovadora, é preciso repensar formas de gestão que produzam sujeitos mais críticos, criativos, comprometidos, participativos e solidários. Sujeitos capazes de humanizar e humanizar-se. É preciso salientar que as decisões mais importantes na organização são as pessoas.

24 24 No entanto, uma gestão pública pensada dessa forma exige também um perfil mais abrangente do gestor, como profissionais especializados, seja, muitas vezes, em determinados níveis de decisão, como responsabilidade pelo ato de decidir a política a ser implementada, necessitando repensar a sua formação enquanto homens públicos, não neutros, comprometidos com as regras do jogo democrático. Tudo isso só poderá ser realizado través de um instrumental adequado, com a tarefa de administrar com um compromisso frente às regras do jogo democrático, onde a única garantia é ter setores organizados da sociedade pressionando seus representantes, com gestores preparados para enfrentar, com criatividade, os desafios da sociedade brasileira, em especial da saúde pública.

25 25 REFERÊNCIAS BRASIL. Lei Dispõe sobre a participação da Comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28/12/1990. BRASIL. Portaria GM nº de 28 de dezembro de Aprova orientações gerais relativas aos instrumentos do Sistema de Planejamento do SUS. Diário Oficial da União, 2006a. BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema de Planejamento do SUS. Uma construção coletiva. Organização e funcionamento. Brasília: Ministério da Saúde, 2006b. BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nº 1/1992 a nº 53/2006. Brasília: Senado Federal/Subsecretaria de Edições Técnicas; BRASIL. Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde. Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS): uma construção coletiva trajetória e orientações de operacionalização. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

Curso de Especialização PLANEJAMENTO EM SAÚDE

Curso de Especialização PLANEJAMENTO EM SAÚDE EXEMPLOS DE INDICADORES DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA 1. Taxa de mortalidade infantil. Número de óbitos de menores de 1 ano 2. Taxa de mortalidade infantil por causas evitáveis. Numero

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS NOTA TÉCNICA 34 2013 Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS Brasília, 24 de agosto de 2013 I NTRODUÇÃO NOTA TÉCNICA 34 2013 Nesta Nota Técnica vamos analisar a proposta do

Leia mais

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Brasil Sulpino Vieira, Fabíola Avanços e desafios do planejamento no Sistema

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

Congresso COSEMS RS 2013

Congresso COSEMS RS 2013 Congresso COSEMS RS 2013 Planejamento em Saúde no âmbito do SUS Porto Alegre, 22 de Julho de 2013 DECRETO 7.508/2011 Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES -( Art. 1ºe Art. 2º) Capítulo II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

PLANEJAMENTO. Sistema de Planejamento do SUS. Uma construção coletiva. Orientações gerais para elaboração de instrumentos de planejamento

PLANEJAMENTO. Sistema de Planejamento do SUS. Uma construção coletiva. Orientações gerais para elaboração de instrumentos de planejamento MINISTÉRIO DA SAÚDE SÉRIE Sistema de Planejamento do SUS Uma construção coletiva CADERNOS DE PLANEJAMENTO VOLUME 6 Orientações gerais para elaboração de instrumentos de planejamento Programação Anual de

Leia mais

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS LISY MOTA DA CRUZ Orientador: Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS Brasília, Julho de 2013 Planejamento do

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2 GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Planejamento, Programação, Pactuação e Monitoramento das ações de Visa Versão 1.2 ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO (APLAN/ANVISA)

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos II Seminário Multiprofissional sobre o Uso Racional de Medicamentos Maceió - 2014 Medicamentos e Uso Racional 1975 28ª Assembleia

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Sistema Único de Saúde. Uma construção coletiva

Sistema Único de Saúde. Uma construção coletiva Sistema Único de Saúde Uma construção coletiva Planejamento no arcabouço legal do SUS Leis Orgânicas da Saúde Portaria N. 399, de 22/02/2006 (divulga o Pacto pela Saúde) Portaria N. 699, de 30/03/2006

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA?

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? De acordo com a Constituição Federal do Brasil, no capítulo dos direitos sociais, todo cidadão tem o direito à saúde, educação, trabalho, moradia, lazer,

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html Página 1 de 17 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Gabinete do Ministro Comissão Intergestores

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência.

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência. ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO Nara FUKUYA 1 ; Ana Elisa Bauer Camargo SILVA 2 1,2 Universidade Federal de Goiás, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Núcleo de Estudo

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Porto Alegre/RS, agosto de 2011 Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa inistério da Saúde Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Brasília, março de 2014 Saúde Direito de todos e dever

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

2. Histórico do sistema de saúde, proteção social e direito à saúde

2. Histórico do sistema de saúde, proteção social e direito à saúde 2. Histórico do sistema de saúde, proteção social e direito à saúde Marly Marques da Cruz O Capítulo 2 da Parte I compreende os fundamentos teóricos e conceituais e os marcos legais de proteção social

Leia mais

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA Érica Fernanda Nascimento de Souza 1 Renilda Rosa Dias 2 RESUMO O estudo objetivou evidenciar a importância da Educação Popular

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

DAI/SGEP/MS. Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS

DAI/SGEP/MS. Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS Brasília DF, 06/03/2013 Saúde Direito de todos e dever do Estado CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508 Lei 12.401

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Conversando sobre Auditoria do SUS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Conversando sobre Auditoria do SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE Conversando sobre Auditoria do SUS Brasília - DF 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE CONVERSANDO SOBRE AUDITORIA DO SUS SÉRIE F. COMUNICAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE BRASÍLIA - DF 2011 2011 Ministério

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. 15:04 1

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. 15:04 1 ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. 15:04 1 Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão no SUS-PNH Processos de trabalho e a interdisciplinaridade nas organizações

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS Sobre o SUS A Constituição Federal do Brasil define, em seu artigo 196 que a saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas,

Leia mais

PLANEJASUS. A Importância do Planejamento na Gestão do SUS

PLANEJASUS. A Importância do Planejamento na Gestão do SUS PLANEJASUS A Importância do Planejamento na Gestão do SUS Sumário 1. A importância do planejamento 2. Antecedentes: a Saúde nos Planos de Desenvolvimento 3. Emergência do planejamento em saúde (75-79)

Leia mais

Roberto Requião de Mello e Silva. Orlando Pessuti. Secretário de Estado. Gilberto Berguio Martin

Roberto Requião de Mello e Silva. Orlando Pessuti. Secretário de Estado. Gilberto Berguio Martin PARTICIPASUS POLITICA NACIONAL DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NO SUS Plano de Ação de Aplicação do Incentivo Financeiro para Gestão Participativa no SUS ano II Estado do Paraná JULHO 2009 GOVERNO

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

INSTRUTIVO SES/MG COSEMS/MG Nº 01, EM 11 DE MAIO DE 2012

INSTRUTIVO SES/MG COSEMS/MG Nº 01, EM 11 DE MAIO DE 2012 Grupo Condutor do Processo de Implantação do Decreto 7508/2011 Subgrupo 3: Instrumentos de Gestão/Financiamento 1 INSTRUTIVO SES/MG COSEMS/MG Nº 01, EM 11 DE MAIO DE 2012 Orienta os gestores municipais

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE.

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE. CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE. INTRODUÇÃO Esta nota técnica se propõe a apresentar alguns conceitos e ações desenvolvidas na área de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde e a atual situação.

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM:

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA CENTRAL DE MARCAÇÃO DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS DE JOÃO PESSOA/PB: UMA

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP)

O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP) NORMAS

Leia mais

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS)

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) (PROPOSTA) Plano de Trabalho 10º Termo de Cooperação e AssistênciaTécnica MS Opas/OMS Brasília, maio de 2007. 1 1. Introdução A necessidade de organização de

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS)

Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Aluna: Ana Beatriz Cardoso da Luz 1 Orientador: Maurício Fernandes Pereira 2 Tutora: Maria Luciana Biondo Silva 3 Resumo Abstract

Leia mais

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Governo do Distrito Federal - GDF Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP Transferências voluntárias:

Leia mais

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados ALESSANDRO LUIZ CHAHINI ESCUDERO PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração Americana dos Direitos

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA PROJETO AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes Outubro de 2005 Justificativa A grande expansão da estratégia

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO SANITÁRIO. Daescio Lourenço Bernardes de Oliveira

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO SANITÁRIO. Daescio Lourenço Bernardes de Oliveira PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO SANITÁRIO Daescio Lourenço Bernardes de Oliveira 1 INTRODUÇÃO Uma leitura nos artigos 196 ao 200 da Constituição Federal de 1988, pode-se extrair seis princípios básicos

Leia mais

PACTO PELA SAÚDE. Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Seminário Pacto pela Saúde Agosto/2007. Departamento de Apoio à Descentralização

PACTO PELA SAÚDE. Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Seminário Pacto pela Saúde Agosto/2007. Departamento de Apoio à Descentralização PACTO PELA SAÚDE Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão Seminário Pacto pela Saúde Agosto/2007 Departamento de Apoio à Descentralização Secretaria Executiva PACTO PELA SAÚDE Pactuaçã ção o firmada

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL A Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco), desde meados de 2010, vem liderando

Leia mais

Rafaela Noronha Brasil

Rafaela Noronha Brasil Saúde Pública e Epidemiologia 2013.1 Rafaela Noronha Brasil Fonoaudióloga ESP/CE Mestre em Saúde, Ambiente e Trabalho Profa Adjunto FATECI/CE Economia agrícola: exportação café (e açúcar) Imigração de

Leia mais

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo O Financiamento da Saúde, de acordo com a Constituição Federal de 1988, é responsabilidade das três esferas de Governo, com

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Seminário de Licenciamento Ambiental de Destinação Final de Resíduos Sólidos Brasília, DF - Novembro de 2005 Coleta de resíduos

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

REIS, Vanessa2; EVANGELHO, Jane3 ; MORISSO, Tayane4

REIS, Vanessa2; EVANGELHO, Jane3 ; MORISSO, Tayane4 A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E O EMPREENDEDORISMO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 REIS, Vanessa2; EVANGELHO, Jane3 ; MORISSO, Tayane4 1 Trabalho de pesquisa Centro

Leia mais

Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS

Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS ENUNCIADOS SOBRE TERCEIRIZAÇÃO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE Enunciado

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

F. Tratamento fora do domicílio

F. Tratamento fora do domicílio F. Tratamento fora do domicílio artigos 197 e 198 da Constituição Federal de 1988; Lei Orgânica da Saúde nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, disciplinada pela Portaria Federal nº 055, de 24 de fevereiro

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

Experiência: Comitês Coordenadores de Auditorias por Especialidades Médicas

Experiência: Comitês Coordenadores de Auditorias por Especialidades Médicas Experiência: Comitês Coordenadores de Auditorias por Especialidades Médicas Nome da instituição: Departamento Nacional de Auditoria do SUS DENASUS Nome do responsável: Maria Aparecida Orsini Carvalho Fernandes

Leia mais

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006.

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. Define o processo da Programação Pactuada e Integrada da Assistência em Saúde seja um processo instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira A Importância do Planejamento na construção do SUS Carmen Teixeira A importância do planejamento O planejamento está voltando à moda, depois de mais de uma década de predomínio do ideologismo neoliberal

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato Salvador, da Delegacia Regional de P. Prudente do Conselho

Leia mais

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante O BICHO VI ONTEM um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato,

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais