UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD JALDIR FREIRE LIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD JALDIR FREIRE LIMA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA: a percepção do trabalhador JALDIR FREIRE LIMA Tese de Mestrado Orientadora: Anna Maria Campos Rio de Janeiro (RJ) - Brasil Abril de 1995

2 \I ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA: A PERCEPÇÃO DO TRABALHADOR JALDIR FREIRE LIMA TESE SUBMETIDA AO. CORPO DOCENTE DO INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISAS EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS À OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M. SC.). APROVADA POR: --Sn PROFa. ANNA MARIA CAMPOS PRESIDENTE DA BANCA COPPEAD/UFRJ É PROFa HELoíSA BARBOSA LEITE COPPEAD/UFRJ PROF. EV [ RARDO ROCHA IPUC/RJ RIO DE JANEIRO (RJ) - BRASIL Abril de 1995

3 iii FICHA CATALOGRÁFICA LIMA, Jaldir Freire. Administração Participativa: a percepção do trabalhador Jaldir Freire Lima. Rio de Janeiro: COPPEAD, xii, 86 p. il. Dissertação - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD. 1. Administração Participativa. 2. Teoria Organizacional. 3. Tese (Mestrado - COPPEAD/UFRJ). I. Administração Participativa: a percepção do trabalhador.

4 IV DEDICATÓRIA Elaborar esta tese consumiu tempo, que foi obtido com o sacrifício de convívio com entes queridos. A estes, em especial Lydia Maria, Guilherme e Isabela, dedico esta tese.

5 v AGRADECIMENTOS Ao pessoal da B.Braun e a todos aqueles que de alguma maneira contribuíram para a conclusão desta tese, destacando a Professora Anna Maria que soprou uma brasa adormecida, levando-me a tirar os antolhos e o filtro com que eu olhava a vida.

6 vi RESUMO DA TESE APRESENTADA À COPPEAD/UFRJ COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M.Sc.) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA: a percepção do trabalhador JAlDIR FREIRE LIMA MARÇO DE 1995 ORIENTADOR: PROP. ANNA MARIA CAMPOS PROGRAMA: ADMINISTRAÇÃO O presente trabalho tem como pano de fundo a administração participativa. Em leituras sobre o assunto, percebi que essa prática organizacional, tão em moda nos dias de hoje, é estudada ou apresentada quase sempre do ponto de vista de executivos ou donos de empresas. Alguns estudos indicaram que poderia haver uma diferença na forma como estes e os trabalhadores percebem a administração participativa e seus resultados. Esta tese busca explorar a existência dessa diferença. Para tanto, foi realizado um estudo na empresa laboratórios B. Braun SA, com aplicação de questionário e realização de entrevistas. O questionário foi aplicado aos executivos responsáveis pela implantação de um programa de administração participativa. As questões versavam sobre as colocações tradicionais acerca da matéria. O mesmo questionário foi aplicado a 59 trabalhadores da mesma empresa, e as medianas das respostas foram comparadas com as respostas dos executivos. Essa comparação não foi concludente, mas mostrou o desencontro de percepções, que ficou mais evidente quando da análise das entrevistas.. Cumpre registrar que a pesquisa teve caráter qualitativo, sem rigor estatístico, tendo como principal mérito levantar a questão, demonstrando a necessidade de aparar as arestas, viabilizando que a administração participativa contribua para a melhoria das condições de trabalho dentro das empresas.

7 vii ABSTRACT OF THESIS PRESENTED TO COPPEAD/UFRJ AS PARTIAL FULFILLMENT FOR THE DEGREE OF MASTER OR SCIENCES (M.Sc.) PARTICIPATIVE MANAGEMENT: the way the worker see it JALDIR FREIRE LIMA MARCH OF 1995 CHAIRWOMAN: PROF8 ANNA MARIA CAMPOS DEPARTAMENT: ADMINISTRATION This study is about participative management. During my readings over the theme I realized that this organizational practice, that is so commom nowadays, is almost allaways studied or presented from the point of view of managers or owners of companies. A few studies, however, indicated that the workers could see the participative management and it's results in a different way. This tesis explores the existence of this diference. There was developed an application lo be applied to the executives that have been responsable for a participative management program and 59 workers of Laboratórios B. Braun SA. The comparison between the answers of the executive and the medium values of the 59 workers was not enough to conclude, but confirmed that the difference of perceptions may exist. The existence of the difference got stronger when I analizaed the enterviews. This study had a qualitative character, without statistic rigor. Although the results are not conclusive, they show the necessity of developing the practice and its concepts, to allow the participative managemenl lo conlribule lo be reached beller work condilions inlo lhe companies.

8 viii LISTRA DE ILUSTRAÇOES Quadro I - Quadro li - Quadro 111- Formas de administração participativa quanto aos graus de controle Resumo da participação no lucro no Brasil. Resumo da tabulação dos questionários pag. 25 pago 39 pag. 55

9 ix LISTA DE ANEXOS Anexo 1 - Regulamento dos Grupos Participativos pago 79 Anexo 2 - Regulamento dos Grupos Tarefa pag. 81 Anexo 3- Modelo do Qüestionário pago 83 Anexo 4- Modelo de Circular Intema pago 86

10 x SUMÁRIO Capítulo Título pago 1. INTRODUÇÃO 1 2. O TRABALHO Considerações iniciais Trabalho: conotações e significados A evolução do trabalho e a questão da alienação O trabalho nas teorias de organização As novas tendências ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA Considerações iniciais Conceitos básicos Definições Objetivos Condicionantes Tipos e formas Limites e possibilidades PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS Histórico Objetivos e definições Classificações e critérios 4.4. Controvérsia A prática brasileira Participação nos lucros x administração participativa A DIVERGÊNCIA DE PERCEPÇOES Referencial teórico O estudo A empresa estudada Características gerais O programa de administração participativa Metodologia Análise dos resultados Análise do questionário Percepção quanto à participação dos trabalhadores no desenvolvimento e implantação do programa Percepção quanto ao comprometimento com o sucesso do programa Percepção quanto ao espírito de trabalho em equipe

11 xi Percepção quanto ao sentimento "minha empresa" Percepção quanto à participação dos trabalhadores nas decisões da empresa Percepção quanto à consulta aos trabalhadores acerca dos problemas e decisões da empresa Percepção quanto à satisfação do trabalhador com seu grau de satisfação Percepção quanto à contribuição da administração participativa para a satisfação do trabalhador na empresa Percepção quanto à contribuição da administração participativa para a motivação do trabalhador na empresa Percepção quanto ao conhecimento da empresa como um todo Percepção quanto ao estabelecimento de canais de comunicação Percepção quanto à repercussão dos benefícios da administração participativa para os trabalhadores Percepção quanto à compatibilização da maximização do lucro com a humanização da empresa Percepção quanto à democratização da empresa Análise das entrevistas Percepção quanto à motivação para a implantação da administração participativa e seu alcance Percepção quanto à voluntariedade e importância da participação Percepção quanto às razões do desgaste do programa Análise geral vis a vis a teoria CONCLUSÓES 66 Bibliografia 69 Anexo 1 - Regulamento dos Grupos Participativos 79 Anexo 2- Regulamento dos Grupos Tarefa 81 Anexo 3- Modelo do Questionário 83 Anexo 4- Modelo de Carta Circular 86

12 xii HAGAR, o horrível DIZEM Que o Pl<ÓXIMO fo\ll..ê - IO RA' Gf2,4 pe$ }J.iJ rjc:;:ae' PAAA tjo CUL.. Tu- I2A... E,ALGo #,e. /Z... Que JoIe.tJHUMA DEl...A1? IMFClZTAAA' SEM,Al.GU MIe Gf?4t"llES Chris Browne CALVIN & HAROLDO peg' e;. l.tpr, "I""eJ.< P!'GO PA- Pe\..! Bill Watterson _ "

13 1 1. INTRODUÇÃO A administração participativa vem se espalhando pelo universo das empresas e sendo apresentada pelo meio acadêmico em geral como uma alternativa capaz de resgatar no trabalhador a identificação com seu trabalho e, em algumas opiniões mais extremadas, até representar a redenção do conflito capital-trabalho. A questão em foco nesta tese é uma possível divergência entre a percepção dos trabalhadores e dos gerentes/proprietários no que se refere à administração participativa. Na imprensa e em publicações especializadas em negócios e administração a prática tem sido defendida como alternativa moderna que permite ganhos significativos para a empresa e para o trabalhador. Ambos teriam a ganhar tanto quantitativa quanto qualitativamente. Os aspectos quantitativos significam reduções de custo, aumento de produtividade, maiores lucros etc para a empresa e aumentos de remuneração para o trabalhador, o que lhe permitiria uma melhoria de seu padrão material de vida. o lado qualitativo se relaciona à melhoria das condições de trabalho, maior democracia no ambiente de trabalho, redução da alienação, aumento da satisfação e da motivação do trabalhador com sua atividade produtiva etc. Na verdade os dois aspectos interagem formando um looping, sendo impossível discernir um do outro. Em praticamente toda a bibliografia consultada para elaboração desta tese, a administração participativa é vista da perspectiva do gerente/proprietário da empresa ou dos acadêmicos. Alguns autores identificaram a existência desse viés, questionando-se quanto à possível discordância dos trabalhadores com as colocações feitas por gerentes/proprietários e acadêmicos e até com os instrumentos por estes utilizados para medir o sucesso dos programas, sem, contudo, se aprofundarem no estudo da questão. Assim, me pareceu oportuno ouvir o trabalhador, sujeito e objeto dos programas de administração participativa, tentando aferir se existe diferença entre a forma como este e o gerente/proprietário percebem a administração participativa, no intuito de evitar que a falta de respeito pela sua opinião obstrua uma alternativa apresentada como caminho para melhorar as condições de trabalho dentro das organizações. Para explorar a possível existência dessa diferença de percepções foi realizado um estudo na LABORATÓRIOS B. BRAUN S.A.. A empresa, que adotou a administração participativa em 1985, foi selecionada do cadastro da Associação Nacional de Administração Participativa - ANPAR, entidade privada, de fins não lucrativos e adesão voluntária, que congrega a maioria das empresas brasileiras que implantaram ou pretendem implantar algum programa de administração participativa.

14 2 Os dez anos de existência do programa foram o fator principal para a escolha dessa empresa, uma vez que a imaturidade de um programa novo já é por si só capaz de gerar diferenças de percepção. O estudo foi dividido em duas partes distintas; a primeira parte envolveu entrevista com os responsáveis pelo programa de administração participativa da empresa, onde foram coletadas informações de ordem geral sobre a empresa (área de atuação, faturamento etc) e sobre o programa (histórico, forma, abrangência etc). A segunda parte, que se constitui no cerne da pesquisa, é representada por um questionário aplicado ao responsável e a funcionários da empresa com o objetivo de verificar a existência de diferença de percepção da administração participativa entre o primeiro e os últimos. No intuito de trazer um componente qualitativo ao estudo, foi aberto, durante a entrevista com os trabalhadores, espaço de tempo para colocações acerca de suas impressões gerais sobre o programa de administração participativa da empresa. O questionário aplicado aos responsáveis, que representaram a opinião da empresa, e aos trabalhadores foi o mesmo, visando permitir a comparação entre as respostas, para verificar se existe ou não divergência entre as percepções das duas partes quanto à administração participativa. Antecipe-se que a pesquisa teve caráter exploratório: as perguntas são de caráter geral e abordam pontos principais da teoria e prática da administração participativa. Previamente ao estudo propriamente dito, esta tese busca, na evolução do trabalho, as origens da administração participativa. Essa busca é apresentada no capítulo 2, que aborda o trabalho, seus desdobramentos e sua relação com as teorias de organização. O capítulo é dividido em quatro partes básicas. Na primeira, procuro conceituar e definir não só a palavra trabalho e suas diversas conotações mas, principalmente, o significado original do ato de trabalhar para o ser humano e o significado que o termo adquiriu na nossa cultura, quando se tomou sinônimo de emprego. Na segunda parte, apresento uma história da evolução do trabalho, englobando desde o trabalho individual e doméstico dos tempos remotos ao trabalho nas organizações nos dias de hoje, onde se destaca a questão da insatisfação e da alienação A terceira parte se constitui em tentativa de pinçar, nas diversas teorias de organização, a forma como era encarado o trabalho e qual o receituário das principais teorias para se lidar com o trabalhador. Destacam-se as maneiras como os administradores têm tentado manipular os trabalhadores para obter maior produtividade e melhores resultados econômicos, com conseqüente incremento de riqueza para os proprietários do capital. A quarta parte compila as tendências atuais e as diversas formas alternativas que as empresas vêm explorando para lidar com a questão do trabalho. Isto, a meu ver, implica que o objetivo básico das organizações deixe de ser a maximização da riqueza do seu proprietária e passe a ser o bem estar

15 3 social. Entre estas formas, temos a administração participativa, o trabalho em tempo parcial ou "em casa", as forças tarefa, o horário flexível etc. A teoria da administração participativa é coberta no capítulo 3, composto por duas partes. A primeira engloba os conceitos básicos, como definições, objetivos, condicionantes, tipos e formas; enquanto a segunda parte aborda os limites e possibilidades da administração participativa. A idéia básica deste capítulo é discutir se a administração participativa é um modismo administrativo, mais um paliativo temporário para o conflito, ou uma alternativa que, mesmo sem ser totalizante, contribuirá no sentido de tornar a atividade produtiva mais justa e recompensadora. Enquanto forma mais comum de administração participativa encontrada no Brasil, a participação dos empregados nos lucros das empresas mereceu um capítulo em separado. No capítulo 4 é apresentado um histórico da participação nos lucros, seus objetivos, definições, formas e critérios. Analisam-se, ainda, os prós e contras da prática, o quadro da participação nos lucros no Brasil, finalizando com uma discussão quanto à relação participação nos lucros e administração participativa. o capítulo 5 explora a existência da divergência de percepções. Para tanto é composto por duas partes: referencial bibliográfico, constituído de levantamento do material teórico disponível que aborda o tema ou apresenta indícios de sua existência, e um estudo de caso. A metodologia do estudo consistiu basicamente na comparação das percepções dos dois grupos. Os instrumentos utilizados para coleta de dados foram entrevista e questionário. O questionário aplicado foi o mesmo para todos os entrevistados, executivos e trabalhadores, objetivando, através da comparação das respostas, detectar divergências de percepção. Esse questionário abordou questões gerais acerca da administração participativa. A primeira entrevista foi com os executivos da empresa responsáveis pela criação, desenvolvimento e implantação do programa, onde foram obtidas informações gerais sobre a empresa e o programa. Nessa ocasião os executivos responderam ao questionário. A segunda entrevista, com os trabalhadores, foi coletiva. Na mesma ocasião os entrevistados responderam o questionário e colocaram livremente suas opiniões sobre a administração participativa e suas conseqüências. A análise dos resultados do estudo foi realizada sob duas perspectivas: qualitativa e quantitativa. Sem ter pretendido tirar conclusões ou propor generalizações sobre o tema, porquanto exploratório, o estudo colocou algumas luzes sobre a questão e concluiu pela necessidade de tratar, com maior profundidade, a administração participativa, bem como pela realização de outras pesquisas com maior número de empresas que adotam essa forma de gestão.

16 4 2. O TRABALHO 2.1. Considerações iniciais Há muito tempo a questão do por que trabalhar tem me inquietado. Nos últimos tempos, a questão estava apaziguada; trabalho para ganhar dinheiro, que me permite acesso ao mercado de consumo de bens materiais. No desenvolvimento de minhas atividades profissionais, previamente a meu ingresso na COPPEAD, participei da análise de um financiamento, solicitado pela SADIA, para ampliação de sua capacidade produtiva. o processo de análise dessa solicitação envolveu, entre outras atividades, visitas à empresa, onde pude acompanhar todo o processo produtivo, desde a criação e engorda de frangos, suínos e perus ao abate e industrialização dos animais. A última fase do processo, comercialização dos produtos, que fecha o ciclo produtivo, é facilmente observável e conhecida por todos: supermercados, mercearias, padarias, quitandas etc. Após a análise desse projeto intensifiquei meu consumo dos produtos da empresa. No decorrer das leituras e pesquisas bibliográficas pertinentes à elaboração da tese busquei nas origens das organizações e na teoria administrativa um melhor entendimento para meu comportamento. A primeira pista que encontrei foi a figura do prossumidor, de Alvin Toffler (1980), definido em seu livro A Terceira Onda, como o ser humano que produzia tudo de que necessitava e limitava seu consumo quase exclusivamente aos bens que produzia. Essa pista funcionou como alavanca para questões maiores, como as razões pelas quais trabalhamos, objetivos, motivação e, principalmente, o significado do trabalho. O que nos leva a aceitar, ou mesmo, desejar passar cerca de um terço de nossas vidas dentro das organizações? A lógica do capitalismo, que reificou a acumulação compulsória de riqueza material, explica parcialmente essa situação. O homem não mais trabalha para viver, mas vive para trabalhar. Com o advento da revolução industrial, o homem foi gradualmente perdendo a ligação efetiva e afetiva que tinha com o trabalho que, cada vez mais, foi se tornando uma atividade sem significado, com seu produto completamente desligado do trabalhador. Comecei a perceber que o meu interesse acima do normal pelos produtos da Sadia podia ser a busca de um significado para meu trabalho intelectual, uma forma de tangibilizá-io e, enquanto prossumidor, consumi-lo.

17 5 Tendo em vista que o trabalho é a célula básica de qualquer organização, e detectando que o grau de descontentamento e alienação do trabalhador nas organizações atingiu níveis insustentáveis, torna-se imperioso buscar alternativas que revertam esse quadro e permitam que o homem trabalhe não só para garantir seu sustento físico mas, principalmente, para gerar recursos que permitam o seu desenvolvimento e realização Trabalho: conotações e significado Iniciamos pelo significado da palavra encontrado no dicionário: "1 - aplicação das forças e faculdades humanas para alcançar um determinado fim; 2 - atividade coordenada de caráter físico ou intelectual, necessária à realização de qualquer tarefa, serviço ou empreendimento..."(buarque DE HOLANDA, 1975). Embora a definição se estenda por muitos outros significados, a parte transcrita já é suficiente, pois engloba os outros significados e trata da questão que interessa à tese. O desmembramento desta definição traz à tona alguns detalhes elucidativos. Na primeira definição, temos a palavra "humana", ou seja, animais não trabalham, pelo menos intencionalmente. Em seguida, "alcançar determinado fim", indicando que existe objetivo. A segunda definição vai além, trazendo "coordenação de atividades" e "empreendimento", que evidenciam a permeabilidade da palavra trabalho com o contexto em que se insere em nossa sociedade, dominada pelas organizações. Nesse sentido, creio eu que, nos tempos primitivos, o ser humano não trabalhava. Tal qual outros animais, ele existia. Para tanto, executava atividades que lhe permitiam tirar diretamente da natureza o seu sustento. A sua sobrevivência dependia, como ainda depende, do que a natureza lhe oferecia, e os atos humanos eram parte do equilíbrio ecológico (atualmente geram o desequilíbrio ecológico). Até hoje, para as tribos primitivas, que não foram contaminadas pelos valores economicamente ditados de nossa sociedade, a palavra trabalho não tem significado. Nessas tribos as pessoas simplesmente pescam, caçam, colhem etc, ou seja, vivem. Foi o desenvolvimento de nossa sociedade que determinou que a pescaria por passatempo é diferente daquela realizada por pescadores, ligados ou não a empresas, com motivação econômica. Cumpre esclarecer que a palavra desenvolvimento é aqui utilizada com o significado de mudança, sem conotação de melhora ou piora. Cabe aqui um parêntese de ordem antropológica. Classificar as sociedades primitivas como de subsistência não implica considerá-ias miseráveis. A função essencial do sistema de produção de qualquer sociedade é prover a subsistência dos indivíduos que a compõe. Nesse sistema social, não existe economia em termos estruturais, pois esta não se desenvolve de maneira autônoma no campo social. A própria sociedade impôs-se um limite que não pode

18 6 transpor, sob a pena de ver a esfera econômica escapar ao controle social e gerar distorções graves. A sociedade primitiva é de subsistência por opcão. Nela não se enfatiza progresso, excedente, acumulação, capital ou trabalho. A economia deve limitarse a produzir para manter a sociedade: é subordinada ao social, não busca a produção de excedentes nem a formação de estoques. "A sociedade primitiva aposta no ócio da natureza e jamais na sua compulsiva ou obrigatória transformação em riqueza" (ROCHA, 1989, p. 354). Diferentemente, a nossa sociedade crê no mito da produtividade: produção de excedentes para obtenção de lucro na sua comercialização. É uma sociedade de domínio econômico, uma máquina de produção, onde o progresso tecnológico, o domínio sobre a natureza e a idéia de produzir para acumular são vistos como corretos. Dentro da concepção historicamente construída do paradigma de mercado seguido por essa sociedade, o trabalho é mercadoria. No seu uso coloquial, a palavra trabalho tem inúmeros significados. Todos, entretanto, têm em comum o fato de serem relativos às formas ou resultados da ação humana. Em quase todas as línguas trabalhar tem mais de um significado. Em geral, um refere-se à obra, ao processo de criação, enquanto o outro ao esforço despendido nesse processo. Em português, apesar de existirem duas palavras distintas, labor e trabalho, a segunda pode abranger as duas conotações. Na nossa língua, a palavra trabalho deriva do latim, tripa/ium que, embora fosse uma ferramenta agrícola, é mais conhecida como instrumento de tortura. Na maioria das culturas, o trabalho é relacionado à dor, sofrimento, punição etc, e é forte a sua ligação com a religião. Na Grécia antiga, o trabalho era distinguido entre intelectual (ou contemplativo) e braçal. O primeiro era considerado humano, livre e gratuito, enquanto o segundo era desprezado, encarado como castigo e reservado aos escravos e às mulheres. Na tradição judaica, trabalho também é relacionado a castigo, pena à qual o homem foi condenado por ter cometido o pecado original. A bíblia o apresenta como uma penitência por este ato. Também para o catolicismo em geral, o trabalho é considerado uma tarefa penosa, que deve ser ardentemente procurada como penitência. Apesar disso, pode ser digno e gratificante, em função de sua ordenação ao louvor do senhor. Com a reforma protestante de Lutero, o trabalho é reavaliado dentro do cristianismo. Aqui o trabalho aparece como a base e a chave da vida, o ócio é uma evasão anti-natural e pemiciosa; trabalhar é servir a Deus. O trabalho tomase vocação, é visto como virtude e obrigação ao mesmo tempo.

19 7 As religiões, de um modo geral, contribuíram significativamente para a dominação dos valores econômicos, haja vista pregarem que é vontade divina que todos trabalhem, e que o trabalho árduo é o caminho da salvação. As diferenças entre os seres humanos ficam explicadas pela predestinação. A intensa atividade profissional garante o paraíso. Segundo Max Weber (apud BERGER, 1983) o conceito de trabalho para as religiões se constitui na principal alavanca do capitalismo. Na renascença, o trabalho ganha uma novo significado, cujos efeitos são sentidos ainda hoje. O trabalho passa a ser concebido como um estímulo e não como uma obrigação, torna-se a expressão do homem e de sua personalidade. As razões para trabalhar são intrínsecas ao trabalho e a satisfação não decorre de renda, salvação ou status, mas do próprio ato. Desta forma, ao contrário de escravizar, o trabalho é visto como uma condição necessária à libertação do ser humano. O desenvolvimento da idéia do valor e da transformação da natureza, guiada pela teoria e pela ciência, exalta o domínio do homem sobre a natureza, graças ao trabalho e à técnica. No século XVIII, a economia clássica identifica no trabalho humano e na natureza as fontes da riqueza social e do valor. Esses economistas, entretanto, se preocupam apenas com os resultados exteriores e materiais do trabalho, esquecendo o homem. Na passagem daquele século para o seguinte, Hegel (apud ALBORNOZ, 1988) define o trabalho como uma relação peculiar entre homens e objetos. O trabalho é processo de transformação. Para ele, o homem, para satisfazer suas necessidades, trabalha e transforma a natureza antes de consumi-ia, diferente do animal, que a consome na sua forma bruta, destruindo-a. A atual situação do meio ambiente, porém, indica que a percepção do filósofo foi equivocada. No século XIX, começam as reações à concepção clássica do trabalho, desconectada do homem. Entre os utopistas, destaca-se Charles Fourier (apud ALBORNOZ, 1988), que acreditava que trabalho e prazer não tinham que estar necessariamente separados. Para ele, os homens seguiriam um princípio universal de atração e aptidão natural, dedicando-se às tarefas que lhes fossem atraentes e recompensadoras. Temos então Karl Marx (apud ALBORNOZ, 1988), que analisou exaustivamente as relações de trabalho na sociedade capitalista do seu século. Para esse pensador, a essência do ser humano está no trabalho, o que os homens produzem é o que eles são. O trabalho seria o fator mediador da relação homem-natureza. A moderna teoria econômica restringe o conceito de trabalho à atividade produtiva, definida como aquela que gera produtos ou serviços monetariamente quantificáveis, o que gera injustiças e distorções. O trabalho doméstico, realizado pela dona de casa, sem remuneração, embora vital para a sociedade, é desconsiderado, enquanto a indústria de armamentos, que produz artefatos de destruição, é positivamente contabilizada.

20 8 Na nossa sociedade, trabalho virou sinônimo de emprego e emprego, de salário, donde vêm definições jocosas que definem trabalho como renúncia de tempo livre em troca de dinheiro. Mendonça (1987) define trabalho como uma atividade que se executa por conta de um terceiro, em troca de um salário, de acordo e com finalidade definida por quem paga esse salário. O conceito de trabalho como emprego é tão dominante que todo o sistema familiar e educacional está voltado para a preparação das crianças para "... que se consiga um emprego remunerado de tempo integral, a ser mantido por toda a vida" (SCHAWRZ, 1990, p. 07). O sistema está preocupado com que as crianças estudem para conseguir, quando adultos, bons empregos, entendidos como aqueles que pagam bons salários. Qualifica-se um emprego em função da remuneração que ele propicia; quanto maior a remuneração melhor o emprego. Acredita-se que isso é suficiente para a felicidade e a realização pessoal. O alto grau de alienação dos indivíduos, em suas atividades produtivas, assunto que será tratado no tópico seguinte, está levando a uma reformulação desse conceito. Fortifica-se a idéia de que o trabalho deve ser significante e gratificante para o trabalhador, útil para a sociedade e estar em harmonia com o meio ambiente A evolução do trabalho e a questão da alienação Cabe antecipar que essa evolução é contada com base nos parâmetros de referência da sociedade civilizada atual, assim suscetível de críticas de diversos matizes, destacando-se o antropológico. Um indivíduo, inserido isoladamente na natureza, apresenta-se, aparentemente, como um animal fraco, que encontra dificuldades quase intransponíveis para sua sobrevivência. Desta forma, dotado de inteligência superior, recorre, tal qual a maioria das espécies animais, à vida em grupo, dando origem ao que denominamos sociedade. Na primeira fase dessa evolução, a atividade produtiva do homem, ou seu trabalho, se resumia em extrair da natureza o sustento do grupo. O homem pescava, colhia e caçava; a natureza lhe provia o sustento, inclusive habitação. Nessa fase, o homem era nômade; e sua convivência com a natureza era passiva e harmônica. Posteriormente, o homem iniciou uma fase de interação ativa com a natureza, desenvolvendo formas de controle, ainda que parcial, sobre a mesma. Descobriu a agricultura e a domesticação de animais. Não mais precisava se deslocar continuamente em busca do alimento que lhe garantisse a sobrevivência. Nessas duas primeiras fases, o trabalho humano era artesanal e visava a suprir suas próprias necessidades de subsistência. O trabalho era apoiado por

21 9 ferramentas rústicas, que facilitavam o cultivo agrícola e o fabrico de peças de vestuário e utensílios domésticos. A fixação dos grupos permitiu o crescimento dos núcleos sociais e o surgimento das cidades e das organizações. A palavra organização vem do grego organom, que significa instrumento. De acordo com Wood Jr., "organizações são, portanto, uma forma de associação humana destinada a viabilizar a consecução de objetivos predeterminados" (WOOD Jr., 1992, p. 07). Anteriormente cada ser humano, ou pequeno grupo, produzia tudo que precisava para seu sustento. Agora produz para si próprio, para sua família e para a sociedade à qual pertence, especializando-se por atividades. Cabe ressaltar que o mercado, local onde se dá a troca de mercadorias, e as organizações são figuras de longo convívio com o homem. A sua importância, entretanto, era marginal e sua influência sobre os seres humanos, pouco significativa. o comércio pré industrial se limitava aos supérfluos, a subsistência era produzida localmente. Na sociedade contemporânea existe uma grande interdependência, até no que se refere a produtos básicos, com riscos de colapso de abastecimento. Após essa fase, a produção se caracteriza pelo artesanato, onde o homem, em seu próprio lar, trabalhava com ferramentas simples e produzia produtos de sua especialidade, trocando o excedente por produtos de que necessitava, mas não mais produzia. Surge o primeiro rompimento do homem com o trabalho puro. O homem não produz mais tudo que consome nem consome tudo que produz. A economia começa a ganhar força. Surge a figura do mercadoragenciador. O artesão não mais produz por conta própria, atende a pedidos do mercador, que lhe fornece matéria prima e remuneração pelo trabalho, que continua a ser realizado em casa. Temos o segundo rompimento com o trabalho puro: o homem não mais decide o quanto produzir e perde, parcialmente, o controle sobre os fatores de produção. Na etapa seguinte, o mercador tira o artesão de casa e o coloca, junto com outros, num espaço comum. O trabalho continua manual. O trabalhador, entretanto, está ainda mais distanciado do ato original, perdeu o controle sobre os fatores de produção. Na verdade, a situação se mostra ainda pior, pois o trabalhador foi transformado num fator de produção. Além disso, o trabalho saiu de casa, criando distinção entre vida pessoal e profissional. Com o advento da máquina a vapor, teve início a revolução industrial. O trabalho continua a ser manual, mas passa a ser movido mecanicamente. Isto significa um afastamento ainda maior com o trabalho original, uma vez que o ritmo da atividade agora é ditado pela máquina. A revolução industrial aumentou e reforçou o abismo entre estruturação e direção do trabalho e sua execução. Surge a tecnocracia e se intensifica a divisão do trabalho. O trabalhador não

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker O presente artigo busca destacar as principais contribuições teóricas que definiram a linha evolutiva da Administração que se desenvolveu desde

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 SUMÁRIO A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 Max Weber e o espírito do apitalismo...02 PRIMEIRO CONCEITO-Ética protestante

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho?

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho? A abordagem típica da Escola da Administração Científica é a ênfase nas tarefas; Objetivava a eliminação dos desperdícios e elevar os níveis de produtividade Frederick W. Taylor (1856-1915): Primeiro período

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR AULA 02: TERCEIRO SETOR (PARTE I) TÓPICO 01: EIXOS TEÓRICOS Os fundamentos da Gestão Social não se restringem a ideais históricos.

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Economia

Capítulo 1: Introdução à Economia 1 Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais Sistemas Econômicos Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção. Conceito de Custos de Oportunidade Análise

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

Gestão da Produção. 1- Histórico. Revolução Industrial:

Gestão da Produção. 1- Histórico. Revolução Industrial: Gestão da Produção Prof. Miguel Antonio Pelizan 1- Histórico 1.1 Produção e Administração Revolução Industrial: processo de transição de uma sociedade, passando de uma base fundamentalmente agrícola-artesanal

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 2.4 Abordagem das Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade,

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade, TEORIAS ADMINISTRATIVAS NA SAÚDE: A LÓGICA CAPITALISTA QUE SUBORDINA AS TEORIAS ADMINISTRATIVAS Sônia Maria Alves de Paiva 1 Cristiane Aparecida Silveira 2 Elizabeth Laus Ribas Gomes 3 Maísa Crivellini

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Abordagem Humanística. Abordagem Humanística. Abordagem Humanística da Administração. Enfatiza o homem e seu grupo social, dos

Abordagem Humanística. Abordagem Humanística. Abordagem Humanística da Administração. Enfatiza o homem e seu grupo social, dos Abordagem Humanística da Administração Abordagem Humanística Abordagem Humanística ocorre com o aparecimento da da Teoria das Relações Humanas, nos EUA, a partir da década de 1930. Teve seu início num

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA TEORIA GERAL DE SISTEMAS TGS Fundamentos Prof. Reginaldo Brito Egípcios e Babilônios (3000 a. C) Jacó e Labão (4000 a.c.) Frederick Taylor (1856-1915) 1890 - Modelo de Administração científica (taylorismo)

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 1. INTRODUÇÃO As origens da Abordagem Clássica da Administração remontam às conseqüências geradas pela Revolução Industrial e que poderiam ser resumidas

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 14: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E RELAÇÕES SINDICAIS 14.1 O processo de segurança e qualidade de vida O processo de segurança é o que visa estabelecer disciplina e segurança,

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organizar, no sentido comum, é colocar uma certa ordem num conjunto de recursos diversos para fazer deles um instrumento ou uma ferramenta a serviço de uma vontade que busca a realização

Leia mais

7. Teoria Estruturalista

7. Teoria Estruturalista 7. Teoria Estruturalista Conteúdo 2. Organização Formal e Organização Informal 3. Tipologia das Organizações 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração - Teoria, Processo e Prática Chiavenato,

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA: BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO Fundamentos da Fábio Júnio Ferreira Patos de Minas, 26 de novembro de

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012 Novembro de 2012 Aula baseada no livro Teoria Geral da Administração Idalberto Chiavenato 7ª edição Editora Campus - 2004 Nova ênfase Administração científica tarefas Teoria clássica estrutura organizacional

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL É muito comum ler em notas de jornais, revistas, internet sobre as classes sociais, geralmente são classificadas da seguinte maneira: classe A, B, C, D, E. No mês de julho de 2008,

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo 1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo A Sociologia nasceu como disciplina científica no século XIX, no contexto de formação e consolidação da sociedade capitalista. Tornou-se evidente que as

Leia mais

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações.

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. Introdução à Teoria Geral da Administração Organização É uma combinação intencional de recursos para atingir um determinado objetivo. O que são teorias? São explicações, interpretações ou proposições sobre

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA

A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA Celso Candido O processo de transformação do modo de produção industrial para o imaterial passa pelo reconhecimento do computador como a principal máquina-ferramenta

Leia mais

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO.

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. 1 IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. André Talhamento - UFPel Eixo 5: Trabalho-educação e a formação dos trabalhadores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

Tipos de gestão e suas respectivas lideranças

Tipos de gestão e suas respectivas lideranças Tipos de gestão e suas respectivas lideranças RODRIGUES, Ellen Laura Aparecida Associação Cultural Educacional de Itapeva Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RODRIGUES, Gabriel José Associação

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori)

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) TATIANA LOPES 2012 A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) PLANEJAMENTO: é uma ferramenta administrativa, que possibilita perceber

Leia mais

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa Gestão Empresarial Um Pouco de História... Aula 2 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br Comércio Exterior Administração Pré-Científica Administração Científica Maior interesse

Leia mais

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER Introdução França e Inglaterra desenvolveram o pensamento social sob a influência do desenvolvimento industrial e urbano, que tornou esses países

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Prof.: Mauricio Fernandes Lima

Prof.: Mauricio Fernandes Lima Disciplina: Curso: Prof.: Mauricio Fernandes Lima PROFESSOR-AUTOR: Mauricio Lima nasceu em São Luís MA, formado em Administração, CRA-MA nº 3510, dedica-se desde 2002 ao Serviço Público com foco especial

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Cassimiro Nogueira Junior

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Cassimiro Nogueira Junior UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Cassimiro Nogueira Junior CONCEITOS Administração é o processo de conjugar recursos humanos e materiais de forma a atingir fins

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA.

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais - UNIFA 218 CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. RESUMO Paulo Roberto de Castro Gomes 1 A pesquisa

Leia mais