UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD JALDIR FREIRE LIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD JALDIR FREIRE LIMA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA: a percepção do trabalhador JALDIR FREIRE LIMA Tese de Mestrado Orientadora: Anna Maria Campos Rio de Janeiro (RJ) - Brasil Abril de 1995

2 \I ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA: A PERCEPÇÃO DO TRABALHADOR JALDIR FREIRE LIMA TESE SUBMETIDA AO. CORPO DOCENTE DO INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISAS EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS À OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M. SC.). APROVADA POR: --Sn PROFa. ANNA MARIA CAMPOS PRESIDENTE DA BANCA COPPEAD/UFRJ É PROFa HELoíSA BARBOSA LEITE COPPEAD/UFRJ PROF. EV [ RARDO ROCHA IPUC/RJ RIO DE JANEIRO (RJ) - BRASIL Abril de 1995

3 iii FICHA CATALOGRÁFICA LIMA, Jaldir Freire. Administração Participativa: a percepção do trabalhador Jaldir Freire Lima. Rio de Janeiro: COPPEAD, xii, 86 p. il. Dissertação - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD. 1. Administração Participativa. 2. Teoria Organizacional. 3. Tese (Mestrado - COPPEAD/UFRJ). I. Administração Participativa: a percepção do trabalhador.

4 IV DEDICATÓRIA Elaborar esta tese consumiu tempo, que foi obtido com o sacrifício de convívio com entes queridos. A estes, em especial Lydia Maria, Guilherme e Isabela, dedico esta tese.

5 v AGRADECIMENTOS Ao pessoal da B.Braun e a todos aqueles que de alguma maneira contribuíram para a conclusão desta tese, destacando a Professora Anna Maria que soprou uma brasa adormecida, levando-me a tirar os antolhos e o filtro com que eu olhava a vida.

6 vi RESUMO DA TESE APRESENTADA À COPPEAD/UFRJ COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M.Sc.) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA: a percepção do trabalhador JAlDIR FREIRE LIMA MARÇO DE 1995 ORIENTADOR: PROP. ANNA MARIA CAMPOS PROGRAMA: ADMINISTRAÇÃO O presente trabalho tem como pano de fundo a administração participativa. Em leituras sobre o assunto, percebi que essa prática organizacional, tão em moda nos dias de hoje, é estudada ou apresentada quase sempre do ponto de vista de executivos ou donos de empresas. Alguns estudos indicaram que poderia haver uma diferença na forma como estes e os trabalhadores percebem a administração participativa e seus resultados. Esta tese busca explorar a existência dessa diferença. Para tanto, foi realizado um estudo na empresa laboratórios B. Braun SA, com aplicação de questionário e realização de entrevistas. O questionário foi aplicado aos executivos responsáveis pela implantação de um programa de administração participativa. As questões versavam sobre as colocações tradicionais acerca da matéria. O mesmo questionário foi aplicado a 59 trabalhadores da mesma empresa, e as medianas das respostas foram comparadas com as respostas dos executivos. Essa comparação não foi concludente, mas mostrou o desencontro de percepções, que ficou mais evidente quando da análise das entrevistas.. Cumpre registrar que a pesquisa teve caráter qualitativo, sem rigor estatístico, tendo como principal mérito levantar a questão, demonstrando a necessidade de aparar as arestas, viabilizando que a administração participativa contribua para a melhoria das condições de trabalho dentro das empresas.

7 vii ABSTRACT OF THESIS PRESENTED TO COPPEAD/UFRJ AS PARTIAL FULFILLMENT FOR THE DEGREE OF MASTER OR SCIENCES (M.Sc.) PARTICIPATIVE MANAGEMENT: the way the worker see it JALDIR FREIRE LIMA MARCH OF 1995 CHAIRWOMAN: PROF8 ANNA MARIA CAMPOS DEPARTAMENT: ADMINISTRATION This study is about participative management. During my readings over the theme I realized that this organizational practice, that is so commom nowadays, is almost allaways studied or presented from the point of view of managers or owners of companies. A few studies, however, indicated that the workers could see the participative management and it's results in a different way. This tesis explores the existence of this diference. There was developed an application lo be applied to the executives that have been responsable for a participative management program and 59 workers of Laboratórios B. Braun SA. The comparison between the answers of the executive and the medium values of the 59 workers was not enough to conclude, but confirmed that the difference of perceptions may exist. The existence of the difference got stronger when I analizaed the enterviews. This study had a qualitative character, without statistic rigor. Although the results are not conclusive, they show the necessity of developing the practice and its concepts, to allow the participative managemenl lo conlribule lo be reached beller work condilions inlo lhe companies.

8 viii LISTRA DE ILUSTRAÇOES Quadro I - Quadro li - Quadro 111- Formas de administração participativa quanto aos graus de controle Resumo da participação no lucro no Brasil. Resumo da tabulação dos questionários pag. 25 pago 39 pag. 55

9 ix LISTA DE ANEXOS Anexo 1 - Regulamento dos Grupos Participativos pago 79 Anexo 2 - Regulamento dos Grupos Tarefa pag. 81 Anexo 3- Modelo do Qüestionário pago 83 Anexo 4- Modelo de Circular Intema pago 86

10 x SUMÁRIO Capítulo Título pago 1. INTRODUÇÃO 1 2. O TRABALHO Considerações iniciais Trabalho: conotações e significados A evolução do trabalho e a questão da alienação O trabalho nas teorias de organização As novas tendências ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA Considerações iniciais Conceitos básicos Definições Objetivos Condicionantes Tipos e formas Limites e possibilidades PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS Histórico Objetivos e definições Classificações e critérios 4.4. Controvérsia A prática brasileira Participação nos lucros x administração participativa A DIVERGÊNCIA DE PERCEPÇOES Referencial teórico O estudo A empresa estudada Características gerais O programa de administração participativa Metodologia Análise dos resultados Análise do questionário Percepção quanto à participação dos trabalhadores no desenvolvimento e implantação do programa Percepção quanto ao comprometimento com o sucesso do programa Percepção quanto ao espírito de trabalho em equipe

11 xi Percepção quanto ao sentimento "minha empresa" Percepção quanto à participação dos trabalhadores nas decisões da empresa Percepção quanto à consulta aos trabalhadores acerca dos problemas e decisões da empresa Percepção quanto à satisfação do trabalhador com seu grau de satisfação Percepção quanto à contribuição da administração participativa para a satisfação do trabalhador na empresa Percepção quanto à contribuição da administração participativa para a motivação do trabalhador na empresa Percepção quanto ao conhecimento da empresa como um todo Percepção quanto ao estabelecimento de canais de comunicação Percepção quanto à repercussão dos benefícios da administração participativa para os trabalhadores Percepção quanto à compatibilização da maximização do lucro com a humanização da empresa Percepção quanto à democratização da empresa Análise das entrevistas Percepção quanto à motivação para a implantação da administração participativa e seu alcance Percepção quanto à voluntariedade e importância da participação Percepção quanto às razões do desgaste do programa Análise geral vis a vis a teoria CONCLUSÓES 66 Bibliografia 69 Anexo 1 - Regulamento dos Grupos Participativos 79 Anexo 2- Regulamento dos Grupos Tarefa 81 Anexo 3- Modelo do Questionário 83 Anexo 4- Modelo de Carta Circular 86

12 xii HAGAR, o horrível DIZEM Que o Pl<ÓXIMO fo\ll..ê - IO RA' Gf2,4 pe$ }J.iJ rjc:;:ae' PAAA tjo CUL.. Tu- I2A... E,ALGo #,e. /Z... Que JoIe.tJHUMA DEl...A1? IMFClZTAAA' SEM,Al.GU MIe Gf?4t"llES Chris Browne CALVIN & HAROLDO peg' e;. l.tpr, "I""eJ.< P!'GO PA- Pe\..! Bill Watterson _ "

13 1 1. INTRODUÇÃO A administração participativa vem se espalhando pelo universo das empresas e sendo apresentada pelo meio acadêmico em geral como uma alternativa capaz de resgatar no trabalhador a identificação com seu trabalho e, em algumas opiniões mais extremadas, até representar a redenção do conflito capital-trabalho. A questão em foco nesta tese é uma possível divergência entre a percepção dos trabalhadores e dos gerentes/proprietários no que se refere à administração participativa. Na imprensa e em publicações especializadas em negócios e administração a prática tem sido defendida como alternativa moderna que permite ganhos significativos para a empresa e para o trabalhador. Ambos teriam a ganhar tanto quantitativa quanto qualitativamente. Os aspectos quantitativos significam reduções de custo, aumento de produtividade, maiores lucros etc para a empresa e aumentos de remuneração para o trabalhador, o que lhe permitiria uma melhoria de seu padrão material de vida. o lado qualitativo se relaciona à melhoria das condições de trabalho, maior democracia no ambiente de trabalho, redução da alienação, aumento da satisfação e da motivação do trabalhador com sua atividade produtiva etc. Na verdade os dois aspectos interagem formando um looping, sendo impossível discernir um do outro. Em praticamente toda a bibliografia consultada para elaboração desta tese, a administração participativa é vista da perspectiva do gerente/proprietário da empresa ou dos acadêmicos. Alguns autores identificaram a existência desse viés, questionando-se quanto à possível discordância dos trabalhadores com as colocações feitas por gerentes/proprietários e acadêmicos e até com os instrumentos por estes utilizados para medir o sucesso dos programas, sem, contudo, se aprofundarem no estudo da questão. Assim, me pareceu oportuno ouvir o trabalhador, sujeito e objeto dos programas de administração participativa, tentando aferir se existe diferença entre a forma como este e o gerente/proprietário percebem a administração participativa, no intuito de evitar que a falta de respeito pela sua opinião obstrua uma alternativa apresentada como caminho para melhorar as condições de trabalho dentro das organizações. Para explorar a possível existência dessa diferença de percepções foi realizado um estudo na LABORATÓRIOS B. BRAUN S.A.. A empresa, que adotou a administração participativa em 1985, foi selecionada do cadastro da Associação Nacional de Administração Participativa - ANPAR, entidade privada, de fins não lucrativos e adesão voluntária, que congrega a maioria das empresas brasileiras que implantaram ou pretendem implantar algum programa de administração participativa.

14 2 Os dez anos de existência do programa foram o fator principal para a escolha dessa empresa, uma vez que a imaturidade de um programa novo já é por si só capaz de gerar diferenças de percepção. O estudo foi dividido em duas partes distintas; a primeira parte envolveu entrevista com os responsáveis pelo programa de administração participativa da empresa, onde foram coletadas informações de ordem geral sobre a empresa (área de atuação, faturamento etc) e sobre o programa (histórico, forma, abrangência etc). A segunda parte, que se constitui no cerne da pesquisa, é representada por um questionário aplicado ao responsável e a funcionários da empresa com o objetivo de verificar a existência de diferença de percepção da administração participativa entre o primeiro e os últimos. No intuito de trazer um componente qualitativo ao estudo, foi aberto, durante a entrevista com os trabalhadores, espaço de tempo para colocações acerca de suas impressões gerais sobre o programa de administração participativa da empresa. O questionário aplicado aos responsáveis, que representaram a opinião da empresa, e aos trabalhadores foi o mesmo, visando permitir a comparação entre as respostas, para verificar se existe ou não divergência entre as percepções das duas partes quanto à administração participativa. Antecipe-se que a pesquisa teve caráter exploratório: as perguntas são de caráter geral e abordam pontos principais da teoria e prática da administração participativa. Previamente ao estudo propriamente dito, esta tese busca, na evolução do trabalho, as origens da administração participativa. Essa busca é apresentada no capítulo 2, que aborda o trabalho, seus desdobramentos e sua relação com as teorias de organização. O capítulo é dividido em quatro partes básicas. Na primeira, procuro conceituar e definir não só a palavra trabalho e suas diversas conotações mas, principalmente, o significado original do ato de trabalhar para o ser humano e o significado que o termo adquiriu na nossa cultura, quando se tomou sinônimo de emprego. Na segunda parte, apresento uma história da evolução do trabalho, englobando desde o trabalho individual e doméstico dos tempos remotos ao trabalho nas organizações nos dias de hoje, onde se destaca a questão da insatisfação e da alienação A terceira parte se constitui em tentativa de pinçar, nas diversas teorias de organização, a forma como era encarado o trabalho e qual o receituário das principais teorias para se lidar com o trabalhador. Destacam-se as maneiras como os administradores têm tentado manipular os trabalhadores para obter maior produtividade e melhores resultados econômicos, com conseqüente incremento de riqueza para os proprietários do capital. A quarta parte compila as tendências atuais e as diversas formas alternativas que as empresas vêm explorando para lidar com a questão do trabalho. Isto, a meu ver, implica que o objetivo básico das organizações deixe de ser a maximização da riqueza do seu proprietária e passe a ser o bem estar

15 3 social. Entre estas formas, temos a administração participativa, o trabalho em tempo parcial ou "em casa", as forças tarefa, o horário flexível etc. A teoria da administração participativa é coberta no capítulo 3, composto por duas partes. A primeira engloba os conceitos básicos, como definições, objetivos, condicionantes, tipos e formas; enquanto a segunda parte aborda os limites e possibilidades da administração participativa. A idéia básica deste capítulo é discutir se a administração participativa é um modismo administrativo, mais um paliativo temporário para o conflito, ou uma alternativa que, mesmo sem ser totalizante, contribuirá no sentido de tornar a atividade produtiva mais justa e recompensadora. Enquanto forma mais comum de administração participativa encontrada no Brasil, a participação dos empregados nos lucros das empresas mereceu um capítulo em separado. No capítulo 4 é apresentado um histórico da participação nos lucros, seus objetivos, definições, formas e critérios. Analisam-se, ainda, os prós e contras da prática, o quadro da participação nos lucros no Brasil, finalizando com uma discussão quanto à relação participação nos lucros e administração participativa. o capítulo 5 explora a existência da divergência de percepções. Para tanto é composto por duas partes: referencial bibliográfico, constituído de levantamento do material teórico disponível que aborda o tema ou apresenta indícios de sua existência, e um estudo de caso. A metodologia do estudo consistiu basicamente na comparação das percepções dos dois grupos. Os instrumentos utilizados para coleta de dados foram entrevista e questionário. O questionário aplicado foi o mesmo para todos os entrevistados, executivos e trabalhadores, objetivando, através da comparação das respostas, detectar divergências de percepção. Esse questionário abordou questões gerais acerca da administração participativa. A primeira entrevista foi com os executivos da empresa responsáveis pela criação, desenvolvimento e implantação do programa, onde foram obtidas informações gerais sobre a empresa e o programa. Nessa ocasião os executivos responderam ao questionário. A segunda entrevista, com os trabalhadores, foi coletiva. Na mesma ocasião os entrevistados responderam o questionário e colocaram livremente suas opiniões sobre a administração participativa e suas conseqüências. A análise dos resultados do estudo foi realizada sob duas perspectivas: qualitativa e quantitativa. Sem ter pretendido tirar conclusões ou propor generalizações sobre o tema, porquanto exploratório, o estudo colocou algumas luzes sobre a questão e concluiu pela necessidade de tratar, com maior profundidade, a administração participativa, bem como pela realização de outras pesquisas com maior número de empresas que adotam essa forma de gestão.

16 4 2. O TRABALHO 2.1. Considerações iniciais Há muito tempo a questão do por que trabalhar tem me inquietado. Nos últimos tempos, a questão estava apaziguada; trabalho para ganhar dinheiro, que me permite acesso ao mercado de consumo de bens materiais. No desenvolvimento de minhas atividades profissionais, previamente a meu ingresso na COPPEAD, participei da análise de um financiamento, solicitado pela SADIA, para ampliação de sua capacidade produtiva. o processo de análise dessa solicitação envolveu, entre outras atividades, visitas à empresa, onde pude acompanhar todo o processo produtivo, desde a criação e engorda de frangos, suínos e perus ao abate e industrialização dos animais. A última fase do processo, comercialização dos produtos, que fecha o ciclo produtivo, é facilmente observável e conhecida por todos: supermercados, mercearias, padarias, quitandas etc. Após a análise desse projeto intensifiquei meu consumo dos produtos da empresa. No decorrer das leituras e pesquisas bibliográficas pertinentes à elaboração da tese busquei nas origens das organizações e na teoria administrativa um melhor entendimento para meu comportamento. A primeira pista que encontrei foi a figura do prossumidor, de Alvin Toffler (1980), definido em seu livro A Terceira Onda, como o ser humano que produzia tudo de que necessitava e limitava seu consumo quase exclusivamente aos bens que produzia. Essa pista funcionou como alavanca para questões maiores, como as razões pelas quais trabalhamos, objetivos, motivação e, principalmente, o significado do trabalho. O que nos leva a aceitar, ou mesmo, desejar passar cerca de um terço de nossas vidas dentro das organizações? A lógica do capitalismo, que reificou a acumulação compulsória de riqueza material, explica parcialmente essa situação. O homem não mais trabalha para viver, mas vive para trabalhar. Com o advento da revolução industrial, o homem foi gradualmente perdendo a ligação efetiva e afetiva que tinha com o trabalho que, cada vez mais, foi se tornando uma atividade sem significado, com seu produto completamente desligado do trabalhador. Comecei a perceber que o meu interesse acima do normal pelos produtos da Sadia podia ser a busca de um significado para meu trabalho intelectual, uma forma de tangibilizá-io e, enquanto prossumidor, consumi-lo.

17 5 Tendo em vista que o trabalho é a célula básica de qualquer organização, e detectando que o grau de descontentamento e alienação do trabalhador nas organizações atingiu níveis insustentáveis, torna-se imperioso buscar alternativas que revertam esse quadro e permitam que o homem trabalhe não só para garantir seu sustento físico mas, principalmente, para gerar recursos que permitam o seu desenvolvimento e realização Trabalho: conotações e significado Iniciamos pelo significado da palavra encontrado no dicionário: "1 - aplicação das forças e faculdades humanas para alcançar um determinado fim; 2 - atividade coordenada de caráter físico ou intelectual, necessária à realização de qualquer tarefa, serviço ou empreendimento..."(buarque DE HOLANDA, 1975). Embora a definição se estenda por muitos outros significados, a parte transcrita já é suficiente, pois engloba os outros significados e trata da questão que interessa à tese. O desmembramento desta definição traz à tona alguns detalhes elucidativos. Na primeira definição, temos a palavra "humana", ou seja, animais não trabalham, pelo menos intencionalmente. Em seguida, "alcançar determinado fim", indicando que existe objetivo. A segunda definição vai além, trazendo "coordenação de atividades" e "empreendimento", que evidenciam a permeabilidade da palavra trabalho com o contexto em que se insere em nossa sociedade, dominada pelas organizações. Nesse sentido, creio eu que, nos tempos primitivos, o ser humano não trabalhava. Tal qual outros animais, ele existia. Para tanto, executava atividades que lhe permitiam tirar diretamente da natureza o seu sustento. A sua sobrevivência dependia, como ainda depende, do que a natureza lhe oferecia, e os atos humanos eram parte do equilíbrio ecológico (atualmente geram o desequilíbrio ecológico). Até hoje, para as tribos primitivas, que não foram contaminadas pelos valores economicamente ditados de nossa sociedade, a palavra trabalho não tem significado. Nessas tribos as pessoas simplesmente pescam, caçam, colhem etc, ou seja, vivem. Foi o desenvolvimento de nossa sociedade que determinou que a pescaria por passatempo é diferente daquela realizada por pescadores, ligados ou não a empresas, com motivação econômica. Cumpre esclarecer que a palavra desenvolvimento é aqui utilizada com o significado de mudança, sem conotação de melhora ou piora. Cabe aqui um parêntese de ordem antropológica. Classificar as sociedades primitivas como de subsistência não implica considerá-ias miseráveis. A função essencial do sistema de produção de qualquer sociedade é prover a subsistência dos indivíduos que a compõe. Nesse sistema social, não existe economia em termos estruturais, pois esta não se desenvolve de maneira autônoma no campo social. A própria sociedade impôs-se um limite que não pode

18 6 transpor, sob a pena de ver a esfera econômica escapar ao controle social e gerar distorções graves. A sociedade primitiva é de subsistência por opcão. Nela não se enfatiza progresso, excedente, acumulação, capital ou trabalho. A economia deve limitarse a produzir para manter a sociedade: é subordinada ao social, não busca a produção de excedentes nem a formação de estoques. "A sociedade primitiva aposta no ócio da natureza e jamais na sua compulsiva ou obrigatória transformação em riqueza" (ROCHA, 1989, p. 354). Diferentemente, a nossa sociedade crê no mito da produtividade: produção de excedentes para obtenção de lucro na sua comercialização. É uma sociedade de domínio econômico, uma máquina de produção, onde o progresso tecnológico, o domínio sobre a natureza e a idéia de produzir para acumular são vistos como corretos. Dentro da concepção historicamente construída do paradigma de mercado seguido por essa sociedade, o trabalho é mercadoria. No seu uso coloquial, a palavra trabalho tem inúmeros significados. Todos, entretanto, têm em comum o fato de serem relativos às formas ou resultados da ação humana. Em quase todas as línguas trabalhar tem mais de um significado. Em geral, um refere-se à obra, ao processo de criação, enquanto o outro ao esforço despendido nesse processo. Em português, apesar de existirem duas palavras distintas, labor e trabalho, a segunda pode abranger as duas conotações. Na nossa língua, a palavra trabalho deriva do latim, tripa/ium que, embora fosse uma ferramenta agrícola, é mais conhecida como instrumento de tortura. Na maioria das culturas, o trabalho é relacionado à dor, sofrimento, punição etc, e é forte a sua ligação com a religião. Na Grécia antiga, o trabalho era distinguido entre intelectual (ou contemplativo) e braçal. O primeiro era considerado humano, livre e gratuito, enquanto o segundo era desprezado, encarado como castigo e reservado aos escravos e às mulheres. Na tradição judaica, trabalho também é relacionado a castigo, pena à qual o homem foi condenado por ter cometido o pecado original. A bíblia o apresenta como uma penitência por este ato. Também para o catolicismo em geral, o trabalho é considerado uma tarefa penosa, que deve ser ardentemente procurada como penitência. Apesar disso, pode ser digno e gratificante, em função de sua ordenação ao louvor do senhor. Com a reforma protestante de Lutero, o trabalho é reavaliado dentro do cristianismo. Aqui o trabalho aparece como a base e a chave da vida, o ócio é uma evasão anti-natural e pemiciosa; trabalhar é servir a Deus. O trabalho tomase vocação, é visto como virtude e obrigação ao mesmo tempo.

19 7 As religiões, de um modo geral, contribuíram significativamente para a dominação dos valores econômicos, haja vista pregarem que é vontade divina que todos trabalhem, e que o trabalho árduo é o caminho da salvação. As diferenças entre os seres humanos ficam explicadas pela predestinação. A intensa atividade profissional garante o paraíso. Segundo Max Weber (apud BERGER, 1983) o conceito de trabalho para as religiões se constitui na principal alavanca do capitalismo. Na renascença, o trabalho ganha uma novo significado, cujos efeitos são sentidos ainda hoje. O trabalho passa a ser concebido como um estímulo e não como uma obrigação, torna-se a expressão do homem e de sua personalidade. As razões para trabalhar são intrínsecas ao trabalho e a satisfação não decorre de renda, salvação ou status, mas do próprio ato. Desta forma, ao contrário de escravizar, o trabalho é visto como uma condição necessária à libertação do ser humano. O desenvolvimento da idéia do valor e da transformação da natureza, guiada pela teoria e pela ciência, exalta o domínio do homem sobre a natureza, graças ao trabalho e à técnica. No século XVIII, a economia clássica identifica no trabalho humano e na natureza as fontes da riqueza social e do valor. Esses economistas, entretanto, se preocupam apenas com os resultados exteriores e materiais do trabalho, esquecendo o homem. Na passagem daquele século para o seguinte, Hegel (apud ALBORNOZ, 1988) define o trabalho como uma relação peculiar entre homens e objetos. O trabalho é processo de transformação. Para ele, o homem, para satisfazer suas necessidades, trabalha e transforma a natureza antes de consumi-ia, diferente do animal, que a consome na sua forma bruta, destruindo-a. A atual situação do meio ambiente, porém, indica que a percepção do filósofo foi equivocada. No século XIX, começam as reações à concepção clássica do trabalho, desconectada do homem. Entre os utopistas, destaca-se Charles Fourier (apud ALBORNOZ, 1988), que acreditava que trabalho e prazer não tinham que estar necessariamente separados. Para ele, os homens seguiriam um princípio universal de atração e aptidão natural, dedicando-se às tarefas que lhes fossem atraentes e recompensadoras. Temos então Karl Marx (apud ALBORNOZ, 1988), que analisou exaustivamente as relações de trabalho na sociedade capitalista do seu século. Para esse pensador, a essência do ser humano está no trabalho, o que os homens produzem é o que eles são. O trabalho seria o fator mediador da relação homem-natureza. A moderna teoria econômica restringe o conceito de trabalho à atividade produtiva, definida como aquela que gera produtos ou serviços monetariamente quantificáveis, o que gera injustiças e distorções. O trabalho doméstico, realizado pela dona de casa, sem remuneração, embora vital para a sociedade, é desconsiderado, enquanto a indústria de armamentos, que produz artefatos de destruição, é positivamente contabilizada.

20 8 Na nossa sociedade, trabalho virou sinônimo de emprego e emprego, de salário, donde vêm definições jocosas que definem trabalho como renúncia de tempo livre em troca de dinheiro. Mendonça (1987) define trabalho como uma atividade que se executa por conta de um terceiro, em troca de um salário, de acordo e com finalidade definida por quem paga esse salário. O conceito de trabalho como emprego é tão dominante que todo o sistema familiar e educacional está voltado para a preparação das crianças para "... que se consiga um emprego remunerado de tempo integral, a ser mantido por toda a vida" (SCHAWRZ, 1990, p. 07). O sistema está preocupado com que as crianças estudem para conseguir, quando adultos, bons empregos, entendidos como aqueles que pagam bons salários. Qualifica-se um emprego em função da remuneração que ele propicia; quanto maior a remuneração melhor o emprego. Acredita-se que isso é suficiente para a felicidade e a realização pessoal. O alto grau de alienação dos indivíduos, em suas atividades produtivas, assunto que será tratado no tópico seguinte, está levando a uma reformulação desse conceito. Fortifica-se a idéia de que o trabalho deve ser significante e gratificante para o trabalhador, útil para a sociedade e estar em harmonia com o meio ambiente A evolução do trabalho e a questão da alienação Cabe antecipar que essa evolução é contada com base nos parâmetros de referência da sociedade civilizada atual, assim suscetível de críticas de diversos matizes, destacando-se o antropológico. Um indivíduo, inserido isoladamente na natureza, apresenta-se, aparentemente, como um animal fraco, que encontra dificuldades quase intransponíveis para sua sobrevivência. Desta forma, dotado de inteligência superior, recorre, tal qual a maioria das espécies animais, à vida em grupo, dando origem ao que denominamos sociedade. Na primeira fase dessa evolução, a atividade produtiva do homem, ou seu trabalho, se resumia em extrair da natureza o sustento do grupo. O homem pescava, colhia e caçava; a natureza lhe provia o sustento, inclusive habitação. Nessa fase, o homem era nômade; e sua convivência com a natureza era passiva e harmônica. Posteriormente, o homem iniciou uma fase de interação ativa com a natureza, desenvolvendo formas de controle, ainda que parcial, sobre a mesma. Descobriu a agricultura e a domesticação de animais. Não mais precisava se deslocar continuamente em busca do alimento que lhe garantisse a sobrevivência. Nessas duas primeiras fases, o trabalho humano era artesanal e visava a suprir suas próprias necessidades de subsistência. O trabalho era apoiado por

21 9 ferramentas rústicas, que facilitavam o cultivo agrícola e o fabrico de peças de vestuário e utensílios domésticos. A fixação dos grupos permitiu o crescimento dos núcleos sociais e o surgimento das cidades e das organizações. A palavra organização vem do grego organom, que significa instrumento. De acordo com Wood Jr., "organizações são, portanto, uma forma de associação humana destinada a viabilizar a consecução de objetivos predeterminados" (WOOD Jr., 1992, p. 07). Anteriormente cada ser humano, ou pequeno grupo, produzia tudo que precisava para seu sustento. Agora produz para si próprio, para sua família e para a sociedade à qual pertence, especializando-se por atividades. Cabe ressaltar que o mercado, local onde se dá a troca de mercadorias, e as organizações são figuras de longo convívio com o homem. A sua importância, entretanto, era marginal e sua influência sobre os seres humanos, pouco significativa. o comércio pré industrial se limitava aos supérfluos, a subsistência era produzida localmente. Na sociedade contemporânea existe uma grande interdependência, até no que se refere a produtos básicos, com riscos de colapso de abastecimento. Após essa fase, a produção se caracteriza pelo artesanato, onde o homem, em seu próprio lar, trabalhava com ferramentas simples e produzia produtos de sua especialidade, trocando o excedente por produtos de que necessitava, mas não mais produzia. Surge o primeiro rompimento do homem com o trabalho puro. O homem não produz mais tudo que consome nem consome tudo que produz. A economia começa a ganhar força. Surge a figura do mercadoragenciador. O artesão não mais produz por conta própria, atende a pedidos do mercador, que lhe fornece matéria prima e remuneração pelo trabalho, que continua a ser realizado em casa. Temos o segundo rompimento com o trabalho puro: o homem não mais decide o quanto produzir e perde, parcialmente, o controle sobre os fatores de produção. Na etapa seguinte, o mercador tira o artesão de casa e o coloca, junto com outros, num espaço comum. O trabalho continua manual. O trabalhador, entretanto, está ainda mais distanciado do ato original, perdeu o controle sobre os fatores de produção. Na verdade, a situação se mostra ainda pior, pois o trabalhador foi transformado num fator de produção. Além disso, o trabalho saiu de casa, criando distinção entre vida pessoal e profissional. Com o advento da máquina a vapor, teve início a revolução industrial. O trabalho continua a ser manual, mas passa a ser movido mecanicamente. Isto significa um afastamento ainda maior com o trabalho original, uma vez que o ritmo da atividade agora é ditado pela máquina. A revolução industrial aumentou e reforçou o abismo entre estruturação e direção do trabalho e sua execução. Surge a tecnocracia e se intensifica a divisão do trabalho. O trabalhador não

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 SUMÁRIO A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 Max Weber e o espírito do apitalismo...02 PRIMEIRO CONCEITO-Ética protestante

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organizar, no sentido comum, é colocar uma certa ordem num conjunto de recursos diversos para fazer deles um instrumento ou uma ferramenta a serviço de uma vontade que busca a realização

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Teoria das Relações Humanas Professor: Roberto César Abordagem Humanística Ênfase Tarefas Estrutura Pessoas Preocupação Máquina e Método Organização formal e princípios O

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009.

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. 13 Marco Antonio Gonçalves * Num ensaio sobre nossa temporalidade qualificada como

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA TEORIA GERAL DE SISTEMAS TGS Fundamentos Prof. Reginaldo Brito Egípcios e Babilônios (3000 a. C) Jacó e Labão (4000 a.c.) Frederick Taylor (1856-1915) 1890 - Modelo de Administração científica (taylorismo)

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Introdução. Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO

Introdução. Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS 1 Introdução Uma forma comum de estabelecimento de metas usada nas organizações é a Administração por Objetivos - APO Este processo é uma tentativa de alinhar metas pessoais

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 2 1.2-História

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES Bruna Maria Jacques Freire de Albuquerque, Universidade Católica de Pernambuco, exbolsista de Iniciação

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais