METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio"

Transcrição

1 METÁFORAS Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio Para falar de histórias terapêuticas precisamos primeiro falar sobre metáforas. - Metáforas. O que são metáforas? - pergunta o carteiro do filme O Carteiro e o Poeta (1). - Bem, metáforas... como posso explicar... é quando se fala uma coisa comparando-a a outra responde o poeta, Pablo Neruda. - È uma coisa que se usa na poesia? Pergunta o carteiro. - Sim, também _ diz Pablo Neruda. - Por exemplo?. - Por exemplo,... quando se diz que o céu chora, o que significa? Pergunta o poeta. - Que está chovendo! Fala o carteiro. - Então, isto é uma metáfora - diz Pablo Neruda. - Então é fácil. Bom, mas para que um nome tão complicado para uma ocasião tão simples? Retruca o carteiro. (1) O carteiro e o poeta Título original do filme: Il Postino (1994) Sim, as metáforas são simples. E são simples porque fazem parte do nosso universo cotidiano, pertencem à natureza humana e às experiências universais. Referindo-me novamente a Gregory Bateson, este dizia que as metáforas são a linguagem da natureza, o padrão que une todas as coisas. A metáfora é um instrumento indispensável do pensamento e da expressão, uma característica de toda comunicação humana, até mesmo dos homens da ciência (Bateson, 1972, p 235). Quando dizemos que determinada pessoa tem um sorriso quente como o sol, todos nós entendemos seu significado porque já experimentamos o calor do sol, ou por outro lado quando falamos fulano é um bloco de gelo, podemos estar expressando sua frieza emocional ou mesmo aparente dureza. Podemos nos referir às diferenças entre as pessoas,e a forma única de nos relacionarmos com elas dizendo que é impraticável vestir mãos diferentes com a mesma luva,ou ainda, usar frases do

2 tipo: estou num beco sem saída, vi passarinho azul, a vida é um mar de rosas, estou engolindo sapos, vivo nas nuvens, etc. O certo é, que as metáforas fazem parte de nosso linguajar cotidiano e são capazes de representar simbolicamente e experiencialmente, de uma forma totalizadora, uma situação, problema e sentimento. As metáforas conseguem expressar de uma maneira confortável e suave, o que seria difícil de se dizer diretamente; elas surgem quando não encontramos palavras para expressar nossas experiências. Ou seja, muitas vezes em nosso dia a dia não é possível nos comunicarmos de forma lógica e racional, assim necessitamos de uma comunicação mais plástica, próxima ao campo da imaginação. Neste sentido então, as histórias, contos de fadas, parábolas e fábulas, nada mais são do que a expressão metafórica daquilo que sentimos e vivemos. O que tenho dito até agora pode ser mais bem compreendido se enfocarmos as funções que possuem os dois hemisférios do nosso cérebro. Nossos hemisférios cerebrais, direito e o esquerdo, funcionam de modo distinto na sua capacidade de processar informação. O esquerdo é analítico, lógico e linear, enquanto o direito é holístico, simbólico e analógico. Os dois hemisférios possuem linguagens diferentes, mas complementares. Podemos dizer que o lado esquerdo constrói nossa realidade objetiva, nomeando e justificando logicamente nossos comportamentos; já o lado direito constrói nossa realidade subjetiva, influenciando e participando dos nossos comportamentos. A linguagem do lado esquerdo é digital e a do direito analógica. Quando falamos por metáforas utilizamos os recursos do lado direito do nosso cérebro onde se encontram nossos registros emocionais, a gravação de todas as sensações físicas de cada momento (cores, imagens, sons, cheiros, posição do corpo ou seu movimento), assim como os afetos que estiveram ligados à ela, nossa criatividade,nossas aprendizagens automatizadas e capacidade de entender os símbolos (Robles,2001) Portanto, quando em psicoterapia escolhemos utilizar a linguagem metafórica estamos entrando em contato com a uma realidade subjetiva e com a representação simbólica desta. Se esta realidade subjetiva e seus símbolos são alterados, também podem se alterar os comportamentos e afetos com relação às situações e à vida. Segundo Jorge Ábia, as metáforas, linguagem das histórias e poesias, possuem um

3 arranjo de palavras que dispara um contato de redes em ambos os cérebros, um transe mínimo e revelador em si mesmo, uma tradução do cérebro direito em termos do esquerdo (...) intercambia códigos, não da emoção às palavras ou das palavras à emoção, mas a partir de palavras que tocam a emoção ou, talvez, a emoção contida em palavras... ( em Robles,2001,p 70) Assim, quando contamos e criamos histórias em psicoterapia, aproximamos dois mundos internos construídos e significantes: o do cliente e do terapeuta. Desta forma há uma rede de contatos em pelo menos quatro direções: o hemisfério esquerdo do terapeuta hipotetiza, analisa, diagnostica; o lado direito traduz tudo isso para a linguagem metafórica criando uma história; ao contar a história enviamos a mensagem para o hemisfério direito do cliente, que poderá resignificar suas dificuldades, alterando sua realidade subjetiva e conseqüentemente sua realidade objetiva, com a participação de seu hemisfério esquerdo. O cliente é guiado então, para um caminho de auto-ajuda, onde ele próprio pode encontrar novas formas de estar no mundo.

4 HUI ZI Hui Zi está sempre usando parábolas, queixou-se um súdito ao príncipe de Liang. Se o senhor o proibir de falar assim, pode ser que ele se torne mais claro no que diz. O príncipe concordou. No dia seguinte, ao ver Hui Zi, disse-lhe: De agora em diante, fale de modo direto e não por parábolas. Suponha que um homem não saiba o que é uma catapulta. Se ele lhe perguntasse com o que ela se parece, e o senhor lhe dissesse que ela se parece com uma catapulta, será que ele entenderia?, perguntou Hui Zi. Claro que não, respondeu o príncipe. Mas suponha que o senhor lhe dissesse que uma catapulta se parece com um arco, e que é feita de bambu. Será que ele entenderia melhor?. Sim, seria mais claro, admitiu o príncipe. Comparamos algo que uma pessoa não sabe com algo que ela sabe, para ajudá-la a entender, disse Hui Zi. Se o senhor não me deixar usar parábolas, como poderei lhe explicar as coisas com clareza?. O príncipe reconheceu que ele estava certo..

5 Bibliografia: Eutrópio, M. T. S. (2004). Construindo Histórias Terapêuticas. Campinas: Editora Livro Pleno. SP

OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS

OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS UMA COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE CADA HEMISFÉRIO esquerdo Verbal: usa palavras para nomear, descrever e definir; Analítico: decifra as coisas de maneira sequencial e por partes;

Leia mais

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias TEXTOS SAGRADOS Noções introdutórias A ORIGEM Os Textos Sagrados, via de regra, tiveram uma origem comum: Experiência do sagrado. Oralidade. Pequenos textos. Primeiras redações. Redação definitiva. Organização

Leia mais

Uma cena pode ser incompleta ou com falhas, mas usando a edição correta podemos torna-la a uma cena muito empolgante. O oposto também pode acontecer

Uma cena pode ser incompleta ou com falhas, mas usando a edição correta podemos torna-la a uma cena muito empolgante. O oposto também pode acontecer Uma cena pode ser incompleta ou com falhas, mas usando a edição correta podemos torna-la a uma cena muito empolgante. O oposto também pode acontecer podemos filmar uma cena incrível mas se não a editamos

Leia mais

AS DIMENSÕES DA INTELIGÊNCIA HUMANA. Livro Fonte: Educação: A Arte de Manejar o Caráter.

AS DIMENSÕES DA INTELIGÊNCIA HUMANA. Livro Fonte: Educação: A Arte de Manejar o Caráter. AS DIMENSÕES DA INTELIGÊNCIA HUMANA. Livro Fonte: Educação: A Arte de Manejar o Caráter. 1905 INTELIGÊNCIA RACIONAL - ALFRED BINET VISÃO UNITÁRIA DA INTELIGÊNCIA CÉREBRO INTELECTUAL TESTES DE QI INTELIGÊNCIA

Leia mais

Série: Inteligência Emocional - 1º e-book. O que é inteligência

Série: Inteligência Emocional - 1º e-book. O que é inteligência Série: Inteligência Emocional - 1º e-book O que é inteligência Emocional? Sobre o autor Paulo Vieira Escritor e conferencista internacional, Paulo Vieira é Ph.D. em coaching pela Florida Christian University

Leia mais

E-BOOK 7 PASSOS PARA FALAR FLUENTE

E-BOOK 7 PASSOS PARA FALAR FLUENTE E-BOOK 7 PASSOS PARA FALAR FLUENTE SOBRE O AUTOR Max Prado Maximiliano é professor de Inglês e Português e pós-graduado em Língua Inglesa. É, portanto, especialista no ensino de Língua Inglesa. Leciona

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo (gravewild@yahoo.com.br) APRESENTAÇÃO Fabiano Silva Cruz Graduado em composição e arranjo

Leia mais

Sem luz não existe cor

Sem luz não existe cor Estudo da cor Sem luz não existe cor Aristóteles, um filósofo grego, que viveu de 384 a 322 ac, parece ter sido o primeiro a perceber que os olhos não podem ver a cor sem luz. A cor está presente na nossa

Leia mais

ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES

ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES LUDWIG WITTGENSTEIN Texto 2 LUDWIG WITTGENSTEIN 1889-1951 Estudou o significado conceitos filosóficos através da análise lógica da natureza das proposições da linguagem.

Leia mais

EXERCICIOS COMPLEMENTARES OS CONJUNTOS NUMÉRICOS

EXERCICIOS COMPLEMENTARES OS CONJUNTOS NUMÉRICOS NOME: TURMA: SANTO ANDRÉ, DE DE EXERCICIOS COMPLEMENTARES OS CONJUNTOS NUMÉRICOS Conjunto dos números naturais -Representado pela letra N, este conjunto abrange todos os números inteiros positivos, incluindo

Leia mais

Língua Falada e Língua Escrita

Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada é a linguagem que usamos para nos comunicar, pronunciada pela boca, muitas vezes de modo informal, sem muitas regras e com algumas gírias; muito diferente da

Leia mais

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

Estudo da cor [breve síntese]

Estudo da cor [breve síntese] Estudo da cor [breve síntese] Sem luz não existe cor Aristóteles, filósofo grego que viveu de 384 a 322 ac, parece ter sido o primeiro a perceber que os olhos não podem ver a cor sem luz. A cor está presente

Leia mais

Série: Inteligência Emocional - 1ª ebook. O que é inteligência

Série: Inteligência Emocional - 1ª ebook. O que é inteligência Série: Inteligência Emocional - 1ª ebook O que é inteligência Emocional? Sumário (Clique e vá direto para a página) Sobre o Autor 3 O que é Inteligência Emocional? 5 Equilíbrio dos dois lados do cérebro

Leia mais

AZEITE DANIFICADO. 17 de Outubro de 2011 Ministério Loucura da Pregação. "...e não danifiques o azeite e o vinho.

AZEITE DANIFICADO. 17 de Outubro de 2011 Ministério Loucura da Pregação. ...e não danifiques o azeite e o vinho. AZEITE DANIFICADO 17 de Outubro de 2011 Ministério Loucura da Pregação "...e não danifiques o azeite e o vinho." (Apocalipse 6:6) 1 / 5 Há poucos anos atrás, tive uma experiência muito interessante sobre

Leia mais

Noções de conjunto. Aluno (a): Data: / /

Noções de conjunto. Aluno (a): Data: / / Conjuntos Noções de conjunto Aluno (a): Data: / / Um grupo de alunos de uma mesma escola e de uma mesma turma. Você sabe o que é um conjunto? Quando escolhemos ou selecionamos coisas semelhantes, parecidas,

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT Carla Maria Lima Braga Inicio a minha fala agradecendo o convite e me sentindo honrada de poder estar aqui nesta mesa com o Prof. Rezende

Leia mais

Quadro de competências - Grupo. Áreas Competências previstas e realizadas Adquiridas

Quadro de competências - Grupo. Áreas Competências previstas e realizadas Adquiridas Quadro de competências - Grupo Áreas Competências previstas e realizadas Adquiridas Sabe que a escrita e os desenhos transmitem informação Descreve pessoas, objetos e ações Faz perguntas e responde, demonstrando

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

Seus Pensamentos Criam Seu Futuro

Seus Pensamentos Criam Seu Futuro Seus Pensamentos Criam Seu Futuro AS PESSOAS FREQUENTEMENTE ME PERGUNTAM, "O que são afirmações e como eu posso usá-las?" Uma afirmação é uma declaração que fazemos - seja positiva ou negativa. Se as afirmações

Leia mais

Sofrimento e dor no autismo: quem sente?

Sofrimento e dor no autismo: quem sente? Sofrimento e dor no autismo: quem sente? BORGES, Bianca Stoppa Universidade Veiga de Almeida-RJ biasborges@globo.com Resumo Este trabalho pretende discutir a relação do autista com seu corpo, frente à

Leia mais

TESTE DAS 5 LINGUAGENS DE AMOR

TESTE DAS 5 LINGUAGENS DE AMOR TESTE DAS 5 LINGUAGENS DE AMOR Livro 5 Linguagens do Amor Prepare o perfil quando estiver relaxado e sem pressão de tempo. Depois de fazer suas escolhas, volte e conte o número de vezes que marcou cada

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

FENÔMENOS DE EFEITOS INTELIGENTES

FENÔMENOS DE EFEITOS INTELIGENTES UNIDADE 4 FENÔMENOS DE EFEITOS INTELIGENTES AULA 21-a Psicofonia 1 2 Psicofonia é a comunicação mediúnica por meio da fala 3 Vantagens e desvantagens 4 Vantagens 5 Permite o diálogo direto, vivo e dinâmico

Leia mais

Av. Pres. Kennedy, 1333/606 - S. José - SC - Brasil Tel./Fax: (048) home page:

Av. Pres. Kennedy, 1333/606 - S. José - SC - Brasil Tel./Fax: (048) home page: A PNL é uma ciência que estuda o como o cérebro funciona, ou seja, procura descobrir o como as pessoas aprendem, pensam, decidem, motivamse e conseguem amar suas vidas com mais intensidade. A PNL é a arte

Leia mais

Linguagem e comunicação interpessoal

Linguagem e comunicação interpessoal Linguagem e comunicação interpessoal Aspectos pragmáticos uso da linguagem Aspectos contextuais Significado social do sentido Elementos não verbais da comunicação COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Design de Comunicação,

Leia mais

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

FLUXOGRAMA. Nickerson Fonseca Ferreira

FLUXOGRAMA. Nickerson Fonseca Ferreira 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA FLUXOGRAMA Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Introdução 2 Um algoritmo pode ser representado

Leia mais

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f Comunicação em Cuidados Paliativos Ana Valeria de Melo Mendes Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte

Leia mais

Matemática Conjuntos - Teoria

Matemática Conjuntos - Teoria Matemática Conjuntos - Teoria 1 - Conjunto: Conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma de representar

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

pra nós, arquiteto de sucesso é aquele feliz com a própria profissão, que recebe um valor justo pelo seu trabalho, é valorizado e respeitado pela

pra nós, arquiteto de sucesso é aquele feliz com a própria profissão, que recebe um valor justo pelo seu trabalho, é valorizado e respeitado pela pra nós, arquiteto de sucesso é aquele feliz com a própria profissão, que recebe um valor justo pelo seu trabalho, é valorizado e respeitado pela sociedade e tem tempo pra si mesmo e pra sua família +

Leia mais

Projeto: Brincando Eu também Aprendo.

Projeto: Brincando Eu também Aprendo. VÁRZEA GRANDE MATO GROSSO Parceria: OSC- ASSOCIAÇÃO SOCIAL CIVIL ABAIUC- ASCA E EMEB SENHORA DIRCE LEITE DE CAMPOS Projeto: Brincando Eu também Aprendo. Introdução Durante muito tempo, a brincadeira no

Leia mais

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa CONVERSAREMOS SOBRE JOGOS E BRINQUEDOS: Veremos como sua utilização contribui para o desenvolvimento da criança.

Leia mais

A auto-sabotagem na mente e no corpo do paciente. Jaime Ferreira da Silva, CBT APAB

A auto-sabotagem na mente e no corpo do paciente. Jaime Ferreira da Silva, CBT APAB an A auto-sabotagem na mente e no corpo do paciente Jaime Ferreira da Silva, CBT APAB A Análise Bioenergética como Psicoterapia Uma psicoterapia é um processo de auto-descoberta, auto-afirmação e auto-conhecimento

Leia mais

SUMÁRIO. 3 Alguns elementos para a conclusão 58 CAPÍTULO 2 60 ENCONTRO COM OS SALMOS DE PEREGRINAÇÃO

SUMÁRIO. 3 Alguns elementos para a conclusão 58 CAPÍTULO 2 60 ENCONTRO COM OS SALMOS DE PEREGRINAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 13 1. A caminho do tema 15 1.1. De onde partimos estado atual da questão 16 1.2. Sinais para o caminho referencial teórico 17 2. Demarcando as pretensões 21 3. O jeito de caminhar metodologia

Leia mais

ARTE: Conceito, Origem e Função

ARTE: Conceito, Origem e Função ARTE: Conceito, Origem e Função Irama Sonary de Oliveira Ferreira Lívia Freire de Oliveira INTRODUÇÃO Arte é conhecimento, e partindo deste princípio, pode-se dizer que é uma das primeiras manifestações

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 12 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

ANAMNESE (ENTREVISTA)

ANAMNESE (ENTREVISTA) 1 ANAMNESE (ENTREVISTA) Anamnese (Ana = trazer de volta; mnesis = memória) significa trazer de volta à mente todos os fatos relacionados com o doente e a pessoa doente. Se bem feita, acompanha-se de decisões

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FÍSICO, COGNITIVO E PSICOSSOCIAL NA SEGUNDA INFÂNCIA

DESENVOLVIMENTO FÍSICO, COGNITIVO E PSICOSSOCIAL NA SEGUNDA INFÂNCIA DESENVOLVIMENTO FÍSICO, COGNITIVO E PSICOSSOCIAL NA SEGUNDA INFÂNCIA SEGUNDA INFÂNCIA DOS TRÊS AOS SEIS ANOS; ANOS PRÉ-ESCOLARES; MUDANÇAS NA APARÊNCIA, HABILIDADES MOTORAS E MENTAIS FLORESCEM E PERSONALIDADE

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM ÁLGEBRA: UM BREVE OLHAR SOB O PONTO DE VISTA DA NEUROCIÊNCIA

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM ÁLGEBRA: UM BREVE OLHAR SOB O PONTO DE VISTA DA NEUROCIÊNCIA DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM ÁLGEBRA: UM BREVE OLHAR SOB O PONTO DE VISTA DA NEUROCIÊNCIA Autor: Danilo Wagner de Souza Gomes Galdino, Co Autora: Ellen Carla Lucena Galdino Universidade Estadual da

Leia mais

CRIANÇAS DAS ESTRELAS CHOCA MÃE AO FALAR LÍNGUAS ESTRANHAS: ALGO IMPORTANTE VAI ACONTECER NOS PRÓXIMOS CINCO ANOS NESTE PLANETA

CRIANÇAS DAS ESTRELAS CHOCA MÃE AO FALAR LÍNGUAS ESTRANHAS: ALGO IMPORTANTE VAI ACONTECER NOS PRÓXIMOS CINCO ANOS NESTE PLANETA CRIANÇAS DAS ESTRELAS CHOCA MÃE AO FALAR LÍNGUAS ESTRANHAS: ALGO IMPORTANTE VAI ACONTECER NOS PRÓXIMOS CINCO ANOS NESTE PLANETA Criança de nove anos de idade, do Norte da Europa que fala sobre sua capacidade

Leia mais

Lógica Formal. Matemática Discreta. Prof Marcelo Maraschin de Souza

Lógica Formal. Matemática Discreta. Prof Marcelo Maraschin de Souza Lógica Formal Matemática Discreta Prof Marcelo Maraschin de Souza Implicação As proposições podem ser combinadas na forma se proposição 1, então proposição 2 Essa proposição composta é denotada por Seja

Leia mais

A JORNADA ASTROLÓGICA E A MÍDIA

A JORNADA ASTROLÓGICA E A MÍDIA A JORNADA ASTROLÓGICA E A MÍDIA A presença da Astrologia na mídia Ana Cristina Vidal de Castro Ortiz O MITO HOJE O mundo nos coloca em contato com os assuntos cotidianos e nos afasta da leitura do espírito

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: Aula 1: O ponto e a linha Aula 2: Logotipos e símbolos

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: Aula 1: O ponto e a linha Aula 2: Logotipos e símbolos CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: Aula 1: O ponto e a linha Aula 2: Logotipos e símbolos 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA

Leia mais

2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }.

2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. ASSUNTO DE MATEMATICA=CONJUNTOS REAIS E ETC. 2 - Conjunto: conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma

Leia mais

A cor das vogais. A cor das vogais. Vergílio Alberto Vieira. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho

A cor das vogais. A cor das vogais. Vergílio Alberto Vieira. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho A cor das vogais Vergílio Alberto Vieira Fichas de leitura Criação intelectual: Fátima Patronilho 27 Fichas de leitura Ficha 1 1. Lê os poemas Sofia cotovia, História de um chapéu, O golfinho almirante,

Leia mais

Ano lectivo 2011/12 MIPSI. 1.º Ciclo 1.º ano novo plano de estudos. 1º Semestre

Ano lectivo 2011/12 MIPSI. 1.º Ciclo 1.º ano novo plano de estudos. 1º Semestre Ano lectivo 2011/12 MIPSI 1.º Ciclo 1.º ano novo plano de estudos Grandes ideias da Psicologia (Armando Machado) Introdução às Neurociências (Escola de Medicina) Métodos de Investigação em Psicologia -

Leia mais

Língua Portuguesa. Funções da Linguagem. Prof. Luquinha

Língua Portuguesa. Funções da Linguagem. Prof. Luquinha Língua Portuguesa Funções da Linguagem Prof. Luquinha Qual o objetivo de um texto? Por meio da linguagem, realizamos diferentes ações: transmitimos informações tentamos convencer o outro a fazer (ou dizer)

Leia mais

Avaliação de Comunicabilidade e Inspeção Semiótica (Revisitada)

Avaliação de Comunicabilidade e Inspeção Semiótica (Revisitada) 1 Avaliação de Comunicabilidade e Inspeção Semiótica (Revisitada) Aula 12 15/04/2013 2 Perspectiva de Mídia M e a Engenharia SEMIÓTICA O sistema representa os seus designers e desenvolvedores na hora da

Leia mais

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I 4 MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I MINISTRADA PELO PROFESSOR MARCOS PEIXOTO MELLO GONÇALVES PARA A TURMA 1º T NO II SEMESTRE DE 2003, de 18/08/2003 a 24/11/2003 O Semestre

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Pós-Graduação em Ciência da Computação Inteligência Artificial Aprendizagem (Redes Neurais - Complementar) Prof. a Joseana Macêdo

Leia mais

Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações.

Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações. Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações Mirieli Colombo, Fga Fga. Especialista em Voz Especialista em Dinâmica dos Grupos Master em PNL Personal e Profissional Coaching EUA, 70

Leia mais

COMUNICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE CONCEITOS

COMUNICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE CONCEITOS COMUNICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE CONCEITOS I. Crianças sem deficiência A. Todos os seres humanos precisam se comunicar instintivo 1. 0 12 meses balbucia, recebe input dos pais e outras pessoas, TV / Rádio

Leia mais

História da Igreja. Prof. Dener I Aula 1 I 19/03/2017

História da Igreja. Prof. Dener I Aula 1 I 19/03/2017 História da Igreja Prof. Dener I Aula 1 I 19/03/2017 1. O que é a Igreja? É um edifício construído com pedras vivas. Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes

Leia mais

ABORDAGEM JUNGUIANA PSICOLOGIA CURSO DE

ABORDAGEM JUNGUIANA PSICOLOGIA CURSO DE CURSO DE PSICOLOGIA ABORDAGEM Torne se uma Analista Junguiano, empreendendo na jornada mais importante da sua vida, a sua jornada pessoal, a busca da compreensão de si mesmo, uma vivencia profunda, um

Leia mais

Prof. a : Patrícia Caldana

Prof. a : Patrícia Caldana CONJUNTOS NUMÉRICOS Podemos caracterizar um conjunto como sendo uma reunião de elementos que possuem características semelhantes. Caso esses elementos sejam números, temos então a representação dos conjuntos

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro Elevar? Libertar? O que é arte? Do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) pode ser entendida como a atividade humana ligada às manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada por meio

Leia mais

TERAPIA DE INTELIGÊNCIA SISTÊMICA: RELACIONAMENTOS INTRAPESSOAL, INTERPESSOAL E SISTÊMICO

TERAPIA DE INTELIGÊNCIA SISTÊMICA: RELACIONAMENTOS INTRAPESSOAL, INTERPESSOAL E SISTÊMICO RESUMO TERAPIA DE INTELIGÊNCIA SISTÊMICA: RELACIONAMENTOS INTRAPESSOAL, INTERPESSOAL E SISTÊMICO José Fernando de Freitas Demonstração do modelo de Inteligência Sistêmica utilizando uma série de ferramentas

Leia mais

O senso comum e o conhecimento científico. Beatriz Alvarenga Álvares

O senso comum e o conhecimento científico. Beatriz Alvarenga Álvares O senso comum e o conhecimento científico Beatriz Alvarenga Álvares As prováveis veis preocupações, no século s XXI, com os conhecimentos de Física F e com seu ensino As atenções dos Físicos no século

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula 2. Prof. Carlos Café Dias

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula 2. Prof. Carlos Café Dias CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL Aula 2 Prof. Carlos Café Dias REFORÇANDO REPOSITÓRIO docente.ifrn.edu.br/carlosdias O QUE É CRIATIVIDADE? Criatividade é uma forma de loucura. Platão Inspiração

Leia mais

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin Resumo: O objetivo deste artigo é tecer questões acerca da Semiótica, relacionando-a com o curso Artes Visuais.

Leia mais

Dicas do livro Como gerenciar s, David Brake

Dicas do livro Como gerenciar  s, David Brake Dicas do livro Como gerenciar e-mails, David Brake Etiqueta na rede O e-mail é um meio de comunicação diferente dos demais. Ao redigir suas mensagens, observe as instruções a seguir e crie uma impressão

Leia mais

NEUROCIÊNCIA NA EDUCAÇÃO: Desafios e conhecimentos

NEUROCIÊNCIA NA EDUCAÇÃO: Desafios e conhecimentos NEUROCIÊNCIA NA EDUCAÇÃO: Desafios e conhecimentos por Adriana Fóz DESAFIOS DO CÉREBRO DA INFÂNCIA À ADOLESCÊNCIA QUEM É A CRIANÇA DO SÉC. XXI? QUEM É O ADOLESCENTE? COMO ENTENDEM, PERCEBEM, APRENDEM?

Leia mais

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula COMUNICAÇÃO, ARGUMENTAÇÃO E A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Profª Drª Regina Maria Pavanello Universidade Estadual de Maringá reginapavanello@hotmail.com Resumo: Os professores mostram,

Leia mais

O SEGREDO ESTÁ AQUI! 4 PASSOS DEFINITIVOS PARA O SUCESSO

O SEGREDO ESTÁ AQUI! 4 PASSOS DEFINITIVOS PARA O SUCESSO http://principiosdesucesso.com O SEGREDO ESTÁ AQUI! 4 PASSOS DEFINITIVOS PARA O SUCESSO Sumário Você sabia que os hábitos que temos são chamados de paradigmas?... 3 Que hábitos são esses?... 5 Aprenda

Leia mais

TEORIA DOS CONJUNTOS. Professor: Marcelo Silva Natal - RN, agosto de 2013.

TEORIA DOS CONJUNTOS. Professor: Marcelo Silva Natal - RN, agosto de 2013. TEORIA DOS CONJUNTOS Professor: Marcelo Silva marcelo.silva@ifrn.edu.br Natal - RN, agosto de 2013. 1 INTRODUÇÃO Um funcionário do departamento de seleção de pessoal de uma indústria automobilística, analisando

Leia mais

No mundo da lua A importância da ludicidade na educação infantil.

No mundo da lua A importância da ludicidade na educação infantil. No mundo da lua A importância da ludicidade na educação infantil. Jackeline Barboza Ayres Affonso/UFF Mariana Calache Emmerick/UFF Resumo: O presente trabalho foi baseado em vivências dentro de sala de

Leia mais

MTBI Myers Briggs Type Indicator Katehrine Cook Briggs and Isabel Briggs Myers tipologia de Jung Quatro dimensões: Extroversão Introversão Sensação

MTBI Myers Briggs Type Indicator Katehrine Cook Briggs and Isabel Briggs Myers tipologia de Jung Quatro dimensões: Extroversão Introversão Sensação MTBI Myers Briggs Type Indicator Katehrine Cook Briggs and Isabel Briggs Myers tipologia de Jung Quatro dimensões: Extroversão Introversão Sensação Intuição Pensamento Sentimento Julgamento Percepção E

Leia mais

Pensamento Radiante. E isso é possível, pois os mapas mentais ativam os dois hemisférios cerebrais que temos:

Pensamento Radiante. E isso é possível, pois os mapas mentais ativam os dois hemisférios cerebrais que temos: www.mapamental.org 1 De forma bem clara e objetiva, o Mapa Mental é um método criado para auxiliar na geração e memorização de informações que irá te ajudar a ser mais produtivo, aumentar o seu foco e

Leia mais

PNL. Programação Neurolinguística. A arte e a ciência da excelência, ou seja, das qualidades pessoais.

PNL. Programação Neurolinguística. A arte e a ciência da excelência, ou seja, das qualidades pessoais. PNL Programação Neurolinguística A arte e a ciência da excelência, ou seja, das qualidades pessoais. Efsrosa 09/07/2013 A HISTÓRIA DA PNL Inicio anos 1970 Richard Bandler estudava matemática, inspirado

Leia mais

INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE

INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE Profa Dra IVONISE FERNANDES DA MOTTA * Profa Dra SANDRA CONFORTO TSCHIRNER ** RESUMO Um tema bastante abordado na contemporaneidade é a inclusão de pessoas com algum tipo

Leia mais

Objetivo principal: ajudar os alunos a enxergar a fre quência com que a abstração é usada em suas rotinas diárias.

Objetivo principal: ajudar os alunos a enxergar a fre quência com que a abstração é usada em suas rotinas diárias. 14 NOME DA AULA: Abstração Duração da aula: 45 60 minutos Preparação: 5 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a enxergar a fre quência com que a abstração é usada em suas rotinas diárias. RESUMO

Leia mais

[Voz] Com o especialista em Oratória, Persuasão e Influência. RICARDO SILVA

[Voz] Com o especialista em Oratória, Persuasão e Influência. RICARDO SILVA [Voz] Com o especialista em Oratória, Persuasão e Influência. RICARDO SILVA Autor Ricardo Silva é hoje uma das maiores autoridades de comunicação assertiva do Brasil. Especialista em oratória, persuasão

Leia mais

1ª Série do ensino médio

1ª Série do ensino médio 1ª Série do ensino médio Texto I O VIAJANTE (Compositor Desconhecido) Eu me sinto um tolo Como um viajante Pela sua casa Pássaro sem asa Rei da covardia E se guardo tanto Essas emoções Nessa caldeira fria

Leia mais

Interação entre ímãs e bússolas

Interação entre ímãs e bússolas Interação entre ímãs e bússolas Maria Christina Introdução Esses experimentos são parte de uma seqüência de atividades para ensinar Eletromagnetismo após ter trabalhado a Eletricidade no terceiro ano do

Leia mais

Quando o Sol se apaixonou pela Lua. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais 2016

Quando o Sol se apaixonou pela Lua. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais 2016 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais 2016 Quando o Sol se apaixonou pela Lua Letícia Cruz RA00178896 Linguagem Audiovisual e Games Eliseu Lopes Desenho

Leia mais

ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO

ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO FUNÇÕES DA LINGUAGEM ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite, codifica a mensagem Receptor recebe, decodifica a mensagem Mensagem- conteúdo transmitido pelo emissor Código conjunto de signos usado na transmissão

Leia mais

Introdução. Homens buscam uma mulher que tenha algo a lhes a acrescentar, que traga valor pra vida dele. Nada diferente do que

Introdução. Homens buscam uma mulher que tenha algo a lhes a acrescentar, que traga valor pra vida dele. Nada diferente do que 0 Introdução Sim. Existem muitas mulheres disponíveis, mulheres inclusive mais jovens que você e com aquele brilho natural dos 20 e poucos anos de idade. Mas isso não precisa ser um problema para você.

Leia mais

David Boadella, Heiden, 2004 International Institute for Biosynthesis

David Boadella, Heiden, 2004 International Institute for Biosynthesis David Boadella, Heiden, 2004 International Institute for Biosynthesis www.biosynthesis.org CENTRO DE PSICOTERAPIA SOMÁTICA EM BIOSSÍNTESE Sede: Av. 5 de Outubro, Nº 122 5º Esq 1050-061 Lisboa Portugal

Leia mais

NOÇÕES DE PSICOLOGIA DO RELACIONAMENTO

NOÇÕES DE PSICOLOGIA DO RELACIONAMENTO NOÇÕES DE PSICOLOGIA DO RELACIONAMENTO A INTELIGÊNCIA A inteligência tem significados diferentes para pessoas diferentes. É a capacidade de usar a experiência e o conhecimento que constitui o comportamento

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. MATEMÁTICA 7º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. MATEMÁTICA 7º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR MATEMÁTICA 7º Ano OBJETIVOS ESPECÍFICOS TÓPICOS SUBTÓPICOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período - Multiplicar e dividir números inteiros. - Calcular o valor de potências em que

Leia mais

Em Defesa de um Criador

Em Defesa de um Criador Em Defesa de um Criador Zé e Ana Tavares 27 de Julho de 2008 A hipótese de Darwin Evolução das espécies Selecção natural Primata Homem Neo-darwinismo O nada produz tudo O inanimado produz vida A adaptação

Leia mais

Um olhar para o Poema PCNP LP Aline Cristina do Prado PCNP LP Cristiane Aparecida Nunes

Um olhar para o Poema PCNP LP Aline Cristina do Prado PCNP LP Cristiane Aparecida Nunes Um olhar para o Poema PCNP LP Aline Cristina do Prado PCNP LP Cristiane Aparecida Nunes 16 de outubro de 2013 Dimensões discursivas, textuais e linguísticas do poema: um caminho para orientar a reescrita

Leia mais

O que é afasia? - actos de consciência - observação dos meios rodeantes - concentração, tomada de iniciativa e memória

O que é afasia? - actos de consciência - observação dos meios rodeantes - concentração, tomada de iniciativa e memória Provavelmente foi confrontado/a com afasia pela primeira vez há pouco tempo. No inicio a afasia levanta certas questões, tais como: o que é afasia, como é que se desenvolve, e que problemas adicionais

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório final é o documento de caráter obrigatório que revela a experiência do aluno, deve retratar todas as suas reflexões sobre a prática vivenciada, estabelecer

Leia mais

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR.

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. LEWIS CARROL Elaborado pelas assessoras Patrícia Ribeiro e Rosinara Nascimento, em 2011, nas oficinas pedagógicas para as educadoras, ocorridas nas Livrarias

Leia mais

MOVIMENTO O PODER DOS GATILHOS MENTAIS

MOVIMENTO O PODER DOS GATILHOS MENTAIS MOVIMENTO COACHING O PODER DOS GATILHOS MENTAIS INTRODUÇÃO Todas as nossas decisões são tomadas, primeiro, no inconsciente, e só depois vêm à consciência, normalmente acompanhadas de uma justificativa

Leia mais

Prof. a : Patrícia Caldana

Prof. a : Patrícia Caldana CONJUNTOS ESPECIAIS Conjunto Vazio O Conjunto vazio é o conjunto que não possui elementos. Para representarmos o conjunto vazio usaremos os símbolos: { } ou. Atenção: Quando os símbolos { } ou, aparecerem

Leia mais

Scout Sistema Numérico Face do Relógio. Questões Analíticas

Scout Sistema Numérico Face do Relógio. Questões Analíticas Scout Sistema Numérico Face do Relógio. Data: /. / 20... Nome:...... D E Questões Analíticas D E Problemas Espaciais D olho direito, E olho esquerdo Estabelecer o Hemisfério de Processamento Mental (Dominante)

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? Houve uma proliferação das ofertas de nuvem pública, e a nuvem privada se popularizou. Agora, a questão é como explorar o potencial

Leia mais

QUAL O TEMPLO QUE DEUS HABITA AGORA?

QUAL O TEMPLO QUE DEUS HABITA AGORA? SÉRIE Por que precisamos ser cheios do Espírito Santo mais do que tudo? QUAL O TEMPLO QUE DEUS HABITA AGORA? Espírito Santo grego: parakletos CONSOLADOR CONSELHEIRO AUXILIADOR AMIGO Aquele que está ao

Leia mais

Lógica Matemática Elementos de Lógica Digital. Sistema de numeração 09/08/2016 1

Lógica Matemática Elementos de Lógica Digital. Sistema de numeração 09/08/2016 1 Sistema de numeração 09/08/2016 1 Você já pensou sobre: Sistema de numeração a) O modo como surgiram os números? b) Como foram as primeiras formas de contagem? c) Como os números foram criados, ou, será

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO. A Geografia Levada a Sério

A REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO.  A Geografia Levada a Sério 1 Mapa É a representação dos elementos de um determinado espaço na superfície plana, tornando-se um importante instrumento de orientação e de localização; O mapa de Ga-Sur é o mapa mais antigo que se tem

Leia mais