Sofrimento e dor no autismo: quem sente?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sofrimento e dor no autismo: quem sente?"

Transcrição

1 Sofrimento e dor no autismo: quem sente? BORGES, Bianca Stoppa Universidade Veiga de Almeida-RJ Resumo Este trabalho pretende discutir a relação do autista com seu corpo, frente à indissociabilidade do pensamento do homem com o corpo, cuja imagem o captura como afirma Lacan em sua Conferência de Genebra sobre o sintoma (LACAN, 1975). E ainda, associar esta discussão aos diferentes posicionamentos dentro da psicanálise com relação à constituição da criança autista, e, consequentemente ao que diz respeito à posição do analista nesta clínica. Introdução Sabe-se que a formação da imagem especular para o infans pressupõe o surgimento de um corpo pulsional, desenhado pelos significantes do Outro, que uma vez inscritos neste corpo poderão fazê-lo palco da encenação de sua história inconsciente. No autismo, o fracasso da instauração do circuito pulsional (LAZNIK, 2004), faz com que reste um corpo não marcado pelo desejo, um corpo que não atravessando o estádio do espelho, não alcança a constituição subjetiva e fica sem consistência, sem borda. Diante das automutilações das crianças autistas percebemos que não parecem sentir dor. Vemos uma série de leituras sobre o autismo, que se ocupam, de certa forma, em responder ao enigmático nestas crianças. Em que posição está o analista, ou ao que é convocado quando testemunha as agressões desta criança ao próprio corpo? O que isto provoca? Constituição do sujeito Antes mesmo de nascer, a criança é investida de falas que a atravessam. Assim, as condições para que a constituição subjetiva se dê estão postas a partir de uma história

2 anterior ao surgimento do próprio sujeito, relacionada à fantasia dos pais, dirigida a seu filho. Esse processo de divisão subjetiva tem como importante precedente a linguagem que atravessa o infans a partir do momento em que ele é falado. No entanto, algo neste processo pode não se dar, o que impediria a criança de formular a pergunta acerca do desejo do Outro: o que queres (de mim)? (LACAN, ). Esta interrupção não se dá apenas pelo não endereçamento destas falas ao infans. Freud em seu Projeto para uma psicologia científica diz que a ação especifica como alteração do mundo externo possibilita o movimento reflexo e que sem ela não há experiência de satisfação. No entanto, é preciso destacar, que esta ação específica, externa, que se efetua por meio de uma assistência alheia, ocorre como forma de uma intervenção mediante à uma alteração interna (expressão das emoções, grito, inervação vascular) (FREUD, 1950, p.421). Lacan, em sua releitura do Projeto freudiano, afirma que este momento trata-se daquilo que pode representar o funcionamento normal do aparelho. (LACAN, 1959, p.56). E ainda que a reação motora que se produz é efetivamente reação, ato puro, descarga de uma ação (idem, p.56). Desta forma, é visível tanto na obra de Freud como de Lacan, que é preciso que haja uma ação do bebê, que precipite o que Freud chamou de ação específica. A ação específica responde a algo de enigmático que surge do bebê. Este movimento só pode se tornar enigmático se houver um Outro que o perceba desta forma. O movimento do bebê só é apelo quando é respondido, senão retorna ao vazio, ao silêncio. Mas que ele seja respondido com palavras, olhar, um gesto, desde aí se torna demanda (BERGÉS E BALBO(1994), apud NASCIMENTO, E. 2001, p.59). A relação do autista com seu corpo A constituição de um corpo simbólico passa necessariamente pelo Outro e sem este corpo não se é mais que seu real, não há sujeito, não há demanda. No autismo não parece haver efeitos do Outro no campo da palavra, antecipando significações ao choro do bebê, choro esse que não pode ser pensado no nível da demanda. Se não há passagem pelo espelho, fracassa a dimensão imaginária que lançaria as coordenadas da constituição subjetiva. O que resta então é puro organismo. (NASCIMENTO, 2001, p.58). Ao falar das vozes que alguns autistas escutam (LACAN, 1975) Lacan parece se

3 referir às falas que não encontram ancoragem num outro e por este motivo o invadem. Essas sensações que atravessam o corpo do autista, não podem ser por ele nomeadas, por não ter aonde se alojar. A criança autista não se situa nem no olhar nem na voz do outro para poder construir sua imagem. Desta forma, ao supor que não há Outro para o autista, sabe-se que isto torna impossível sua constituição enquanto sujeito do inconsciente. Torna impossível a constituição de um corpo que vá além do orgânico. Qual o trabalho possível então nesta clínica? O que pode a psicanálise diante do autismo? A fala do autista e a posição do psicanalista Há claramente uma inversão quando se trata da clínica com autistas. O autista não coloca o analista no lugar de sujeito suposto saber, como ocorre na clínica da neurose. Além disso, a não produção de uma cadeia de significantes no autismo, impede o analista de ocupar seu lugar tradicional de escuta. Por sua condição humana, o autista está no campo da linguagem. No entanto, não opera para ele a função da fala como Lacan a determina em Função e Campo da fala e da linguagem em psicanálise (LACAN, 1953). Ele está congelado, preso, não podendo ser representado num intervalo entre significantes. Este ponto em que se encontra o impossibilita de ser representado, que é o que acontece quando falamos. Fala-se a maior parte do tempo para significar algo de si ao outro (STRAUSS, 2001). Para além dos enunciados há uma demanda ao outro, há o desejo daquele que fala. Por este motivo, na clínica com autistas, ao lhe falarmos isto parece ser da ordem do insuportável. O desejo do psicanalista que escuta autistas o faz seguir tentando alternativas nesta clínica. Esta inversão/invenção faz com que o analista seja aquele que produz ditos. O autista faz com que o analista fale fale inclusive sobre o autismo e isto pode produzir efeitos. Portanto, o analista sendo aqui aquele que se propõe a escutar uma criança que não fala ou não se representa através de sua fala, passa a dar sentido às verbalizações desta criança. Significações do analista, que se põe a falar. Lacan em sua Conferência de Genebra sobre o sintoma, nos alerta para o fato de que o autista não conseguirá escutar o que temos a lhe dizer, enquanto nos ocuparmos

4 dele, assim como, da mesma forma, não conseguiremos escutar o que eles tem a nos dizer. (LACAN, 1975). O que o enigmático do autismo, ou a ausência de fala, ou de demanda, produz no psicanalista que tenta responder a isso? Maria Anita C. Ribeiro contribui com esta reflexão quando fala do momento em que algo se produz no autista frente ao vacilo do analista. Segundo ela, a clínica com autistas, exige que o analista opere com o coração de seu ser, uma vez que é no vacilo, no tropeço, na pisada de bola, na interpretação inadequada, em suma, no momento em que, ao acaso, a castração do analista se põe a nu, que algo acontece. (RIBEIRO, 2001, p.9). Conclusão Há, certamente, muito o que avançar nos estudos sobre o autismo e nas possibilidades de intervenção nesta clínica. No entanto, é importante lembrar, que a produção de saberes deve sempre buscar a possibilidade de trabalho com estas crianças, e não um saber que as congele em determinações e enquadramentos. Lacan, ainda em sua Conferência de Genebra sobre o sintoma, nos alerta: não há necessidade de saber que se sabe para se gozar de um saber (LACAN, 1975). As diversas produções e diferentes posicionamentos sobre o autismo parecem tentar responder a algo do qual não se sabe, não se conhece, e que produz ações, na clínica e na escrita. De certa forma, é a partir destes incômodos, desta movimentação, que algo pode ser compreendido, para que se produzam efeitos de um trabalho que se dê a partir da psicanálise, mesmo que não se configure uma análise, pois como nos ensina Lacan, apesar de todas as dificuldades que temos encontrado, há sem dúvida algo a dizer aos autistas (LACAN, 1975). Referências Bibliográficas FREUD, S. [1895] Projeto para um psicologia científica. In: Obras Completas. v.i, Rio de Janeiro: Imago Editora, p LACAN, J. [1953] Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., p

5 . [1964] Posição do Inconsciente. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., p [1975] Conferência de Genebra sobre o sintoma. LAZNIK, M.C. A voz da sereia: o autismo e os impasses na constituição do sujeito. Salvador: Ágalma, NASCIMENTO, E.M.V. "A questão da pulsão na clínica do autismo". In: Marraio, nº2, Autismo o último véu. Rio de janeiro: Rios Ambiciosos, 2001, p RIBEIRO, M.A.C Editorial da revista Marraio, nº2, Autismo o último véu. Rio de janeiro: Rios Ambiciosos, 2001, p STRAUSS, M. O autismo. In: Marraio, nº2, Autismo o último véu. Rio de janeiro: Rios Ambiciosos, 2001, p

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE Pauleska Asevedo Nobrega Assim como na Psicanálise com adultos, as entrevistas preliminares na psicanálise com crianças, sustentam um tempo

Leia mais

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA?

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? Maurício Eugênio Maliska Estamos em Paris, novembro de 1968, Lacan está para começar seu décimo sexto seminário. Momento

Leia mais

Incurável. Celso Rennó Lima

Incurável. Celso Rennó Lima 1 Incurável Celso Rennó Lima Em seu primeiro encontro com o Outro, consequência da incidência de um significante, o sujeito tem de lidar com um incurável, que não se subjetiva, que não permite que desejo

Leia mais

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS Curso de Formação em Pasicanálise Ciclo IV 3ª Noite O atravessamento da Psicanálise em meu cotidiano Nathália Miyuki Yamasaki 2014 Chego para análise e me ponho a

Leia mais

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica

Leia mais

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1 O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da Arlete Mourão 2 identificação 1 Na formação do analista, o lugar e a função do estudo da psicanálise são conseqüências lógicas da

Leia mais

Sinais Precoces do Transtorno do Espectro Autista. Autora: Thamara Bensi

Sinais Precoces do Transtorno do Espectro Autista. Autora: Thamara Bensi Sinais Precoces do Transtorno do Espectro Autista Autora: Thamara Bensi Conteúdo 3 Sinais Precoces do Transtorno do Espectro Autista 8 REFERÊNCIAS 3 SINAIS PRECOCES DO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA Sinais

Leia mais

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 15 novembro 2014 ISSN 2177-2673 e o amor no real Gresiela Nunes da Rosa Diante da constatação de que o menino ou o papai possui um órgão fálico um tanto quanto

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1 Alejandro Luis Viviani 2 Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos importantes na obra de Lacan; falar deles implica fazer uma

Leia mais

Quando o inominável se manifesta no corpo: a psicossomática psicanalítica no contexto das relações objetais

Quando o inominável se manifesta no corpo: a psicossomática psicanalítica no contexto das relações objetais Apresentação em pôster Quando o inominável se manifesta no corpo: a psicossomática psicanalítica no contexto das relações objetais Bruno Quintino de Oliveira¹; Issa Damous²; 1.Discente-pesquisador do Deptº

Leia mais

A constituição do sujeito e a análise

A constituição do sujeito e a análise Berenice R. Fontes C. de Morais A constituição do sujeito e a análise Este trabalho parte de um texto de Colette Soler em que ela escreve sobre o sujeito desejante: [...] o sujeito que começa uma análise

Leia mais

O QUE SE PEDE NÃO É O QUE SE DESEJA: OS EFEITOS DA ESCUTA DO PSICANALISTA NO HOSPITAL. Aline da Costa Jerônimo i, Roseane Freitas Nicolau ii.

O QUE SE PEDE NÃO É O QUE SE DESEJA: OS EFEITOS DA ESCUTA DO PSICANALISTA NO HOSPITAL. Aline da Costa Jerônimo i, Roseane Freitas Nicolau ii. O QUE SE PEDE NÃO É O QUE SE DESEJA: OS EFEITOS DA ESCUTA DO PSICANALISTA NO HOSPITAL Aline da Costa Jerônimo i, Roseane Freitas Nicolau ii Resumo Este trabalho é parte dos resultados da pesquisa realizada

Leia mais

MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM OLHAR PSICANALÍTICO. Sara Guimarães Nunes 1

MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM OLHAR PSICANALÍTICO. Sara Guimarães Nunes 1 MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM OLHAR PSICANALÍTICO Sara Guimarães Nunes 1 1. Aluna Especial do Mestrado em Psicologia 2016.1, da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Tipo de Apresentação: Comunicação

Leia mais

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 Joseane Garcia de S. Moraes 2 Na abertura do seminário 20, mais ainda, cujo título em francês é encore, que faz homofonia com en corps, em corpo,

Leia mais

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano:

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano: CRÉDITOS Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano: 2015.2 TOTAL DE AULAS(h/a) CARGA HORÁRIA ATIVIDADES EM ESPAÇOS DIVERSIFICADOS CARGA

Leia mais

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 APRESENTAÇÃO O Corpo de Formação em Psicanálise do Instituto da Psicanálise Lacaniana- IPLA trabalhará neste ano de 2009 a atualidade clínica dos quatro conceitos fundamentais

Leia mais

Mesa redonda intitulada: A escuta de um corpo na experiência clínica

Mesa redonda intitulada: A escuta de um corpo na experiência clínica Mesa redonda intitulada: A escuta de um corpo na experiência clínica Título: O Corpo e a Criança Autista Autora: Rosângela de Faria Correia Co-autor: Prof. Dr. Manoel Tosta Berlinck Esse trabalho tem como

Leia mais

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina O corpo e os objetos (a) na clínica dos transtornos alimentares Lázaro Elias Rosa Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina Com este título, nomeamos o conjunto de nossos trabalhos, bem como o rumo

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

A INCOMPREENSÃO DA MATEMÁTICA É UM SINTOMA?

A INCOMPREENSÃO DA MATEMÁTICA É UM SINTOMA? A INCOMPREENSÃO DA MATEMÁTICA É UM SINTOMA? ROSELI MARIA RODELLA DE OLIVEIRA rrodella@gmail.com A proposta deste trabalho é explicar o sintoma de incompreensão da matemática. Ela está inspirada em uma

Leia mais

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO Altair José dos Santos Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado necessariamente à linguagem, implica

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 55 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2010-2013. Departamento de Endocrinologia Descompensação diabética Pais e bebê: interface entre Pediatria e Psicanálise

Leia mais

O real no tratamento analítico. Maria do Carmo Dias Batista Antonia Claudete A. L. Prado

O real no tratamento analítico. Maria do Carmo Dias Batista Antonia Claudete A. L. Prado O real no tratamento analítico Maria do Carmo Dias Batista Antonia Claudete A. L. Prado Aula de 23 de novembro de 2009 Como conceber o gozo? Gozo: popularmente, é traduzido por: posse, usufruto, prazer,

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD. Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de

O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD. Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD Mariana Rocha Lima Sonia Leite Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de Pós Graduação em Psicanálise da UERJ, cujo objetivo

Leia mais

NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI

NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI Rachel Rangel Bastos 1 No meu nascimento Eu não cheguei sendo nada Eu já estava moldado Vestido Cultivado Culturado Antes mesmo de escutar Eu tinha já escutado dizer Antes

Leia mais

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor?

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Rita de Cássia dos Santos Canabarro 1 Eros e Ananke são, segundo Freud (1930/1987), os pais da civilização. De um lado, o amor foi responsável por reunir

Leia mais

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUTIDO PELA ESCOLA FREUDIANA DA ARGENTINA NOEMI SIROTA O trabalho permite

Leia mais

3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos.

3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos. 3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos. Yzabelle dos Anjos Almeida (IP-UERJ), Rita Maria Manso de Barros (IP-UERJ) Resumo: Este trabalho pretende tratar da ética

Leia mais

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora:

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A dor física Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A alucinação E outros estudos lacanianos Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan Como trabalha um psicanalista? A criança do espelho

Leia mais

A estranheza da psicanálise

A estranheza da psicanálise Antonio Quinet A estranheza da psicanálise A Escola de Lacan e seus analistas Rio de Janeiro Prefácio: Ex-tranha Não ficaria surpreso, diz Freud, em ouvir que a psicanálise, que se preocupa em revelar

Leia mais

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Alexandre Rambo de Moura Nosso trabalho se desdobra das questões que emergem a partir do livro Desejos Secretos,

Leia mais

5 Referências bibliográficas

5 Referências bibliográficas 82 5 Referências bibliográficas BAKER, L. R. Attitudes in Action. Separata de: LECLERC, A.; QUEIROZ, G.; WRIGLEY, M. B. Proceedings of the Third International Colloquium in Philosophy of Mind. Manuscrito

Leia mais

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão DESEJO DE ANALISTA Ana Lúcia Bastos Falcão 1 O x da questão O desejo do analista sempre acompanhado de uma questão é o próprio x da questão. Tratando-se de escolha de profissão, carreira... O importante

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e identificação Lenita Bentes Ondina Machado * Abordaremos alguns aspectos do tema de nossa oficina, que dá título ao texto, através de dois pequenos escritos.

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez *

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez * Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental Stella Jimenez * A palavra sinthoma aparece na obra de Lacan relacionada às psicoses, quando ele toma James Joyce como seu exemplo

Leia mais

8 Referências bibliográficas

8 Referências bibliográficas 8 Referências bibliográficas ANDRÉ, S. A impostura perversa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995. BARANDE, R. Poderemos nós não ser perversos? Psicanalistas, ainda mais um esforço. In: M UZAN, M. et al.

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN FPS e sinthome. Paola Salinas

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN FPS e sinthome. Paola Salinas Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 1 Paola Salinas Este texto visa clarear algumas indagações a respeito do fenômeno psicossomático a partir da noção de sinthome

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura)

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) Arlete Mourão Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

PARA ALÉM DA ANGÚSTIA DE CASTRAÇÃO. O texto que segue expõe os resultados parciais do grupo de trabalho O Conceito

PARA ALÉM DA ANGÚSTIA DE CASTRAÇÃO. O texto que segue expõe os resultados parciais do grupo de trabalho O Conceito PARA ALÉM DA ANGÚSTIA DE CASTRAÇÃO Ana Carolina Borges Leão Martins Laéria Fontenele O texto que segue expõe os resultados parciais do grupo de trabalho O Conceito de Objeto a, desenvolvido no Laboratório

Leia mais

O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu o entend

O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu o entend A CLÍNICA DA PSICOSE Profª Ms Sandra Diamante Dezembro - 2013 1 O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT Carla Maria Lima Braga Inicio a minha fala agradecendo o convite e me sentindo honrada de poder estar aqui nesta mesa com o Prof. Rezende

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X A PSICANÁLISE APLICADA EM UMA CLÍNICA-ESCOLA: TRATAMENTO DA HISTERIA Alessandra Elisa Gromowski* Marana Tamie Uehara de Souza Rosane Zétola Lustoza O presente trabalho consiste na apresentação das reflexões

Leia mais

Tentativas de Suicídio: abordagens na Atenção Primária. Prof. Dr. Maurício Eugênio Maliska

Tentativas de Suicídio: abordagens na Atenção Primária. Prof. Dr. Maurício Eugênio Maliska Tentativas de Suicídio: abordagens na Atenção Primária Prof. Dr. Maurício Eugênio Maliska Aspectos Históricos e Culturais O suicídio já foi motivo de admiração, tolerância, discriminação e condenação ao

Leia mais

O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos

O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos diferentes daquele no qual ela foi originalmente pensada,

Leia mais

PSICANÁLISE E SAÚDE MENTAL

PSICANÁLISE E SAÚDE MENTAL PSICANÁLISE E SAÚDE MENTAL Trabalho apresentado na Letra-Associação de Psicanálise em outubro de 2009. Considerando a grande quantidade de impasses relativos à relação entre a psicanálise e a saúde mental,

Leia mais

III Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG I Salão de Extensão & I Mostra Científica O SINTOMA E O BRINCAR DA CRIANÇA NA CLÍNICA

III Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG I Salão de Extensão & I Mostra Científica O SINTOMA E O BRINCAR DA CRIANÇA NA CLÍNICA III Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG I Salão de Extensão & I Mostra Científica http://ojs.fsg.br/index.php/pesquisaextensao ISSN 2318-8014 O SINTOMA E O BRINCAR DA CRIANÇA NA CLÍNICA Ana Paula Rabello

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 102 7. Referências Bibliográficas ANSERMET, François. Clínica da Origem: a criança entre a medicina e a psicanálise. [Opção Lacaniana n 02] Rio de Janeiro: Contra capa livraria, 2003. ARAÚJO, Marlenbe

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 3 outubro de 2003

Latusa digital ano 0 N 3 outubro de 2003 Latusa digital ano 0 N 3 outubro de 2003 Perguntas e respostas Sara Perola Fux * Sabemos que toda pergunta já contém em si mesma a resposta. Então, se deduz que a resposta antecede à pergunta é esta a

Leia mais

O INTERMINÁVEL DAQUILO QUE TERMINA

O INTERMINÁVEL DAQUILO QUE TERMINA O INTERMINÁVEL DAQUILO QUE TERMINA Por Arlete Mourão Simpósio de Olinda (agosto de 2005) Existem dois tipos de análises termináveis: aquelas cuja saída se dá pela père-version e aquelas cuja saída se dá

Leia mais

Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004

Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004 Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004 Política do medo versus política lacaniana Mirta Zbrun* Há três sentidos possíveis para entender a política lacaniana 1. Em primeiro lugar, o sentido da política

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Patrício Alvarez, Diretor do VI ENAPOL.

Almanaque on-line entrevista Patrício Alvarez, Diretor do VI ENAPOL. Almanaque on-line entrevista Patrício Alvarez, Diretor do VI ENAPOL. A insensatez do sintoma: os corpos e as normas será o tema de trabalho da Seção Clínica do Instituto, neste semestre. Sua escolha se

Leia mais

AUTISMOS: UM GRITO DE SILÊNCIO FAZ APELO A SE FAZER ESCUTAR. Sonia Pereira Pinto da Motta

AUTISMOS: UM GRITO DE SILÊNCIO FAZ APELO A SE FAZER ESCUTAR. Sonia Pereira Pinto da Motta AUTISMOS: UM GRITO DE SILÊNCIO FAZ APELO A SE FAZER ESCUTAR Sonia Pereira Pinto da Motta O que chamamos a vida é esse empuxo progressivamente estruturado por um significante originário o significante do

Leia mais

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 (Pontuações do livro de Collete Soler A Psicanálise na Civilização ) Sonia Coelho 2 Lendo essa afirmativa Os trabalhos artísticos não são produtos

Leia mais

Transferência e desejo do analista

Transferência e desejo do analista Transferência e desejo do analista Doris Rinald 1 i Originalmente a transferência é descoberta por Freud como um fenômeno espontâneo que, ao ser vinculado ao desenvolvimento da experiência psicanalítica,

Leia mais

SIGNOS DE PERCEPÇÃO, RESTOS INDIZÍVEIS E MEMÓRIA: A FANTASIA E A ELABORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA CLÍNICA

SIGNOS DE PERCEPÇÃO, RESTOS INDIZÍVEIS E MEMÓRIA: A FANTASIA E A ELABORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA CLÍNICA SIGNOS DE PERCEPÇÃO, RESTOS INDIZÍVEIS E MEMÓRIA: A FANTASIA E A ELABORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA CLÍNICA Francisco Ramos de Farias 1 Acerca da noção de fantasia A fantasia, os signos de percepção e a memória

Leia mais

Os efeitos de (não) sentido do autismo para o sujeito ideológico

Os efeitos de (não) sentido do autismo para o sujeito ideológico Os efeitos de (não) sentido do autismo para o sujeito ideológico Cynara Maria Andrade Telles ** Resumo: Apresentar do conceito de sujeito ideológico proposto pela Análise do Discurso é o nosso objetivo.

Leia mais

Diante do suicídio: A Psicanálise

Diante do suicídio: A Psicanálise T I P Diante do suicídio: A Psicanálise Mental. Revista Internacional de Psicanálise, nº 17, 2006 Pesquisa de trabalho em Cartel sobre o tema A escuta do corpo em psicanálise Abril de 2013 Claudete Prado

Leia mais

A clínica dos bebês em tempos de autismo

A clínica dos bebês em tempos de autismo A clínica dos bebês em tempos de autismo Maria Cristina Kupfer A consulta às estatísticas sobre a incidência do autismo no mundo contemporâneo revela um aumento crescente dos casos de crianças atingidas

Leia mais

A POSIÇÃO DO TERAPEUTA NA DIREÇÃO DO TRATAMENTO 1. Tassia Theves 2.

A POSIÇÃO DO TERAPEUTA NA DIREÇÃO DO TRATAMENTO 1. Tassia Theves 2. A POSIÇÃO DO TERAPEUTA NA DIREÇÃO DO TRATAMENTO 1 Tassia Theves 2. 1 Artigo realizado no curso de psicologia da Unijuí 2 Acadêmica de psicologia na Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande

Leia mais

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 : uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Introdução Nesse trabalho, proponho-me a falar

Leia mais

SINTOMA DA CRIANÇA: MANIFESTAÇÃO DO SUJEITO FRENTE AO OUTRO. ao Programa de Mestrado da Universidade Federal de São João del Rei.

SINTOMA DA CRIANÇA: MANIFESTAÇÃO DO SUJEITO FRENTE AO OUTRO. ao Programa de Mestrado da Universidade Federal de São João del Rei. SINTOMA DA CRIANÇA: MANIFESTAÇÃO DO SUJEITO FRENTE AO OUTRO Jane Mara dos Santos Barbosa Wilson Camilo Chaves Esse texto é resultado de alguns apontamentos feitos em meu anteprojeto apresentado ao Programa

Leia mais

NOME DO PAI E REAL. Jacques Laberge 1

NOME DO PAI E REAL. Jacques Laberge 1 NOME DO PAI E REAL Jacques Laberge 1 Na época em que estava proferindo seu Seminário As formações do inconsciente, Lacan retomou pontos de seu Seminário III, As psicoses em De uma questão preliminar a

Leia mais

... um caçador do deserto

... um caçador do deserto ... um caçador do deserto Benita Losada A. Lopes Resumo: Trata-se de artigo sobre a estruturação do sujeito, onde se faz a distinção entre fala e linguagem entre signo e significante, que remete-se ao

Leia mais

O amor: esse encontro faltoso

O amor: esse encontro faltoso O amor: esse encontro faltoso Profa. Ms. Célia Ferreira Carta Winter 1 Sumário: 1.Contextualização.2 O amor em Freud e Lacan 3. O amor e a Linguagem. 4. Considerações Finais 1.Contextualização: O tema

Leia mais

O FENÔMENO PSICOSSOMÁTICO COMO DEMANDA DE AMOR: NOTAS A PARTIR DE UM CASO

O FENÔMENO PSICOSSOMÁTICO COMO DEMANDA DE AMOR: NOTAS A PARTIR DE UM CASO 1 O FENÔMENO PSICOSSOMÁTICO COMO DEMANDA DE AMOR: NOTAS A PARTIR DE UM CASO Jamile Luz Morais 1 Roseane Freitas Nicolau 2 Mayumi Aragão Fujishima 3 a doença é a única arma que lhe resta para afirmar-se

Leia mais

Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno

Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno Centro de Estudos Psicanalíticos - CEP Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno Laura Maria do Val Lanari Ciclo II, terça-feira à noite O presente trabalho tem por objetivo relatar as primeiras

Leia mais

Fonoaudiologia e Psicanálise: Interlocuções Clínicas - Limites e Possibilidades

Fonoaudiologia e Psicanálise: Interlocuções Clínicas - Limites e Possibilidades Fonoaudiologia e Psicanálise: Interlocuções Clínicas - Limites e Possibilidades Christian Ingo Lenz Dunker 1. A Formação da Clínica Fonoaudiológica Fonoaudiologia e psicanálise são duas atividades que

Leia mais

Desejo do analista e a intervenção analítica

Desejo do analista e a intervenção analítica Desejo do analista e a intervenção analítica A função do escrito não constitui então o catálogo, mas a via mesma da estrada de ferro. E o objeto (a), tal como o escrevo, ele é o trilho por onde chega ao

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS

CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS ANTES DE TUDO, O AMOR: CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRANSFERÊNCIA EM FREUD E LACAN. Cláudia Sampaio Barral Ciclo V quarta feira/manhã São Paulo 2013 1 A primeira aparição do termo

Leia mais

FORMULAÇÕES FREUDIANAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO INCONSCIENTE PARA O PSICANALISTA EM FORMAÇÃO

FORMULAÇÕES FREUDIANAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO INCONSCIENTE PARA O PSICANALISTA EM FORMAÇÃO FORMULAÇÕES FREUDIANAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO INCONSCIENTE PARA O PSICANALISTA EM FORMAÇÃO Marcus Kleredis Monteiro Vieira O presente trabalho resulta da pesquisa realizada no Programa de Mestrado em Psicologia

Leia mais

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Prof. Dr. Mario Eduardo Costa Pereira PROGRAMA - Io. SEMESTRE Março/2014 14/03/2014 CONFERÊNCIA INAUGURAL : Contextualização do seminário

Leia mais

A política do sintoma na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi

A política do sintoma na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi 1. A política e a clínica A saúde mental é definida

Leia mais

Título: O lugar do analista enquanto suporte dos processos introjetivos Autor: Ricardo Salztrager

Título: O lugar do analista enquanto suporte dos processos introjetivos Autor: Ricardo Salztrager 1 Título: O lugar do analista enquanto suporte dos processos introjetivos Autor: Ricardo Salztrager A proposta do trabalho é questionar qual o lugar do analista no atendimento a pacientes que apresentam

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 A clínica do sintoma em Freud e em Lacan Ângela Batista * O sintoma é um conceito que nos remete à clínica, assim como ao nascimento da psicanálise. Freud o investiga

Leia mais

CCC Sereia Miolo:CCC Sereia Miolo 7/24/13 5:06 PM Page 1

CCC Sereia Miolo:CCC Sereia Miolo 7/24/13 5:06 PM Page 1 CCC Sereia Miolo:CCC Sereia Miolo 7/24/13 5:06 PM Page 1 CCC Sereia Miolo:CCC Sereia Miolo 7/24/13 5:06 PM Page 2 coleção de calças curtas CCC Sereia Miolo:CCC Sereia Miolo 7/24/13 5:06 PM Page 3 A voz

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7 A CASTRAÇÃO E O TEMPO Autora: Renata Lucindo Mendonça Psicóloga, aluna do Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais, pós-graduada em saúde mental e psicanálise E-mail: renatalucindopsi@yahoo.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO - GENERALIDADES SOBRE AS ADICÇÕES

INTRODUÇÃO - GENERALIDADES SOBRE AS ADICÇÕES SUMÁRIO PREFÁCIO - 11 INTRODUÇÃO - GENERALIDADES SOBRE AS ADICÇÕES DEFINIÇÃO E HISTÓRICO...14 OBSERVAÇÕES SOBRE O CONTEXTO SOCIAL E PSÍQUICO...19 A AMPLIDÃO DO FENÔMENO ADICTIVO...24 A ADICÇÃO VISTA PELOS

Leia mais

Medicina e psicanálise: elogio do mal-entendido 1

Medicina e psicanálise: elogio do mal-entendido 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 3 março 204 ISSN 277-2673 Medicina e psicanálise: elogio do malentendido François Ansermet Enquanto a psiquiatria tende a fechar suas portas à psicanálise,

Leia mais

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Imaginário, Simbólico e Real Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Roteiro: 1) Breve relato sobre a primeira concepção de inconsciente em Freud - o corte epistemológico.

Leia mais

O Efeito Depressivo Eduardo Mendes Ribeiro

O Efeito Depressivo Eduardo Mendes Ribeiro O Efeito Depressivo Eduardo Mendes Ribeiro As estatísticas médicas e farmacêuticas indicam que vivemos em tempos de depressão. Nada de novo nesta constatação. Entretanto, chama a atenção o fato de outras

Leia mais

O conceito de angústia em Lacan

O conceito de angústia em Lacan O conceito de angústia em Lacan Doris Rinaldi As formulações apresentadas por Lacan no seminário de 1962-63 a propósito da concepção de angústia apresentam algumas diferenças em relação à teoria freudiana

Leia mais

Entrevista com Taciana Mafra Revista Antígona, Na sua opinião, como se dá a formação de um psicanalista?

Entrevista com Taciana Mafra Revista Antígona, Na sua opinião, como se dá a formação de um psicanalista? Entrevista com Taciana Mafra Taciana de Melo Mafra - Psicanalista, membro fundadora do Toro de Psicanálise em Maceió, editora da Revista Antígona, autora dos livros Um Percurso em Psicanálise com Lacan,

Leia mais

TECENDO AS MALHAS DO VÉU

TECENDO AS MALHAS DO VÉU TECENDO AS MALHAS DO VÉU Mônica Palacio de Barros Correia 1 "Um forte olhar mantém unido o mundo e não deixa cairse. Meus olhos buscam isso, isso que nos faz tirar-mos os sapatos para ver se tem algo mais

Leia mais

silêncio e de ruído. Falar de música é então falar de prazer e falar de prazer depois de Freud é falar de pulsão. O que é a pulsão?

silêncio e de ruído. Falar de música é então falar de prazer e falar de prazer depois de Freud é falar de pulsão. O que é a pulsão? 130 8 Conclusão No doutor Fausto de Thomas Mann, o Diabo, esse que o autor chama de Outro, aparecendo ao compositor Adrian Leverkhun, lhe diz: a música é a mais cristã das artes, ainda que às avessas,

Leia mais

EDSON SIQUARA DE SOUZA. O olhar do autista e a contemplação do Belo na Obra de Arte

EDSON SIQUARA DE SOUZA. O olhar do autista e a contemplação do Belo na Obra de Arte EDSON SIQUARA DE SOUZA O olhar do autista e a contemplação do Belo na Obra de Arte 2016 Neste artigo pretendo relacionar o olhar de formação do sujeito, aquele discutido no texto da Lia Fernandes 1 para

Leia mais

Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres

Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres Gabriella Valle Dupim da Silva Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Psicologia(PPGP/UFRJ)/Bolsista CNPq. Endereço: Rua Belizário Távora 211/104

Leia mais

Esperam que o analista tenha um saber sobre a causa de seus males que trazem tanta dor e lhes responda para que essa dor cesse. Simples assim...

Esperam que o analista tenha um saber sobre a causa de seus males que trazem tanta dor e lhes responda para que essa dor cesse. Simples assim... Dor convoca piedade? Graziela Rebouças Há algum tempo tenho me atentado às observações de muitos pacientes sobre o processo de análise. Dizem eles que a análise é um processo doloroso, pois implica em

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise

O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise Palavras-chave: Amor de transferência; Escrita; Literatura; Relação Sexual. Márcia de Souza Mezêncio O amor é transferência " Amor será

Leia mais

De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise

De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise Joana Souza Psicanalista. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Psicanálise da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Especialização

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA VISÃO PSICANALÍTICA

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA VISÃO PSICANALÍTICA O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA VISÃO PSICANALÍTICA Flávia Angelo Verceze (Discente do Curso de Pós Graduação em Clínica Psicanalítica da UEL, Londrina PR, Brasil; Silvia Nogueira

Leia mais

IDEOLOGIA E DESEJO. Fernando HARTMANN Universidade Federal do Rio Grande do Sul

IDEOLOGIA E DESEJO. Fernando HARTMANN Universidade Federal do Rio Grande do Sul 1 IDEOLOGIA E DESEJO Fernando HARTMANN Universidade Federal do Rio Grande do Sul Ao relacionarmos duas ou mais teorias, visando criar uma terceira, devemos levar em conta a estrutura significante de modo

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas Referências bibliográficas BARTHES, R. (1980) A Câmera Clara. Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1984. BARROS, R. R. (2004 a) O medo, o seu tempo e a sua política. In: A política do medo e o dizer

Leia mais

O entrelaçamento do sujeito do inconsciente com o Outro 1

O entrelaçamento do sujeito do inconsciente com o Outro 1 O entrelaçamento do sujeito do inconsciente com o Outro 1 Maria José Carvalho Nós, seres falantes, somos recebidos num discurso que nos precede. Nem que seja com o nosso próprio nome, temos nossa inscrição

Leia mais

CDD: CDU:

CDD: CDU: da autora, 2011 Ágalma, 2011 Projeto gráfico da capa e primeiras páginas Homem de Melo & Troia Design 2ª Edição: maio de 2014 Editor Marcus do Rio Teixeira Direção desta coleção Daniele de Brito Wanderley

Leia mais