Engajamento e Diálogo com Stakeholders

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engajamento e Diálogo com Stakeholders"

Transcrição

1 05 Engajamento e Diálogo com Stakeholders GRI 4.14, 4.15, 4.16, 4.17 A Roche considera que o relacionamento com seus diversos públicos é a essência de seu negócio. Por isso, a empresa mantém e procura aprimorar continuamente o diálogo com seus stakeholders, criando valor compartilhado, aumentando o acesso a seus produtos e possibilitando um maior conhecimento sobre temas de saúde e possibilidades de diagnóstico e tratamento. 34 Roche - Relatório de Sustentabilidade

2 5.1. Parcerias e Responsabilidades Os compromissos estabelecidos pela empresa estão baseados em relacionamentos éticos e transparentes, pautados por respeito, pelos valores da Roche e pelos códigos seguidos pela companhia. Os compromissos estabelecidos pela empresa estão baseados em relacionamentos éticos e transparentes, pautados por respeito, pelos valores da Roche e pelos códigos seguidos pela companhia: Código de Conduta Global, Política de Doações, Códigos Setoriais, Código de Ética Médica, Política de Compliance, Código de Boas Práticas no Relacionamento com Governos, Política Interna de Relacionamento com Profissionais da Área de Saúde e o Código de Conduta do Fornecedor. Para mais informações, acessar Códigos setoriais GRI PR6 A Roche Brasil segue os seguintes parâmetros internacionais e nacionais de conduta ética requeridos para o seu negócio: ICFR (Internal Control over Financial Reporting, ou Controle Interno sobre as Demonstrações Financeiras): Consiste em uma certificação eigida para as empresas que operam na Bolsa de Valores da Suíça, como é o caso do Grupo Roche, que verifica milhares de controles internos nos balanços fiscais e contábeis em todas as afiliadas do Grupo. O ICFR reforça a eplícita responsabilidade da administração pelos controles internos que garantam a integridade dos números contábeis e financeiros, através de processos contínuos, confiáveis, seguros e transparentes. Em 2011, o Brasil obteve o certificado com regularidade pelo quinto ano consecutivo. Código EDMA: o Código de Ética da EDMA (European Diagnostic Manufacturers Association, ou Associação Europeia da Indústria Diagnóstica) guia seus associados na interação com profissionais da saúde a fim de promover o avanço da ciência médica e aprimorar os cuidados com o paciente. O Grupo Roche, como líder mundial da indústria de diagnósticos in vitro, adota essas diretrizes para todas as suas afiliadas. Código de Conduta Interfarma: a Roche segue o Código de Conduta da Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa), comprometendo-se a realizar esforços para a educação e promoção de novas terapias que beneficiam os pacientes, e com programas e ações que valorizam a prática da medicina. Por meio deste código, as associadas também consideram imprescindível preservar a independência das decisões tomadas por profissionais da saúde ao prescrever medicamentos aos pacientes. 36 Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

3 Código IFPMA: Aplicado no mercado brasileiro desde 2008, a partir de uma adequação feita pela Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), o Código da IFPMA (International Federation of Pharmaceutical Manufacturers & Associations, ou Federação Internacional das Associações dos Fabricantes Farmacêuticos) estabelece os preceitos para a promoção de produtos farmacêuticos e para o relacionamento íntegro e transparente da indústria com médicos e profissionais da saúde, sem que haja qualquer vínculo comercial ou comprometimento com a prescrição de produtos. fazem parte das responsabilidades da área ambiental da Divisão Diagnóstica. A segurança da cadeia fria dos produtos, como reagentes, é preservada nos deslocamentos entre o centro de distribuição e o cliente, de acordo com as normas legais específicas. Para assegurar a procedência de seus produtos, a Divisão Farmacêutica da Roche desenvolveu um sistema de segurança com o qual é possível atestar a autenticidade dos medicamentos e identificar para quem a Roche os vendeu, proporcionando maior garantia e segurança aos pacientes. Segurança de produtos e proteção a pacientes GRI PR1 A fim de resguardar a segurança dos produtos e dos pacientes, a Roche Brasil adota como política atualizar, sempre que necessário, todos os materiais de comunicação dirigidos aos clientes, tais como rótulos, embalagens, bulas, entre outros. Dessa forma, a empresa visa, também, garantir a prescrição e o consumo responsáveis e desencorajar os ecessos e o uso inadequado de medicamentos. Os clientes da Roche Brasil também são alertados nos casos de alterações nas características dos produtos ou serviços, tais como composição, qualidade, prazos de validade e peso, inclusive para que a empresa siga medidas de caráter regulatório. Trata-se do selo de segurança Roche ID, desenvolvido e aplicado nas embalagens dos produtos de oncologia e hematologia: Avastin (bevacizumabe), Herceptin (trastuzumabe), MabThera (rituimabe), Tarceva (cloridrato de erlotinibe), Xeloda (capecitabina) e Actemra (tocilizumabe). O selo, que possuiu um número identificador individualizado para cada embalagem, pode ter sua autenticidade confirmada diretamente pelo telefone do Serviço de Informações Roche (SIR) ou, também, pelo website Selo de segurança Roche ID Cuidados no transporte de produtos laboratoriais perigosos e no manuseio de resíduos contaminados Política de Qualidade do Grupo Estamos comprometidos em melhorar a saúde e a qualidade de vida das pessoas através do desenvolvimento, da fabricação, da entrega, da segurança e eficácia dos nossos produtos e prestando serviços de alta qualidade em conformidade com os regulamentos aplicáveis. 37

4 Em 2011, não foram registrados casos de etravio ou roubo. Porém, quando isso acontece, a Roche tem condições de publicar no website a informação de quais são os selos envolvidos no etravio ou roubo, além de mantê-los como inválidos no banco de dados de autenticação. Tecnovigilância A Roche Diagnóstica realiza atividades regulares de tecnovigilância de acordo com a RDC nº 67, de 21 de dezembro de 2009, da Anvisa, que trata de normas aplicáveis aos detentores de registro de produtos para saúde no Brasil com vistas à segurança sanitária desses produtos após a sua comercialização. A tecnovigilância é um estudo, com análise e investigação, de uma série de casos definidos a partir da eposição a um risco comum, durante o uso de um produto médico, que poderia ocasionar ou levar a um agravo sério à saúde, desde que o usuário tenha seguido as orientações do fabricante. O relato desses eventos visa melhorar a segurança de pacientes e usuários por meio da disseminação dessas informações, prevenindo, minimizando ou reduzindo a repetição de tais incidentes. Os relatos podem ser feitos da seguinte forma: Eventos adversos: são queias em que, direta ou indiretamente, algum produto ou seu resultado possa levar ou ter levado a uma séria deterioração da saúde do paciente ou à sua morte. Reclamação ou queia técnica: trata-se de qualquer comunicação do cliente/usuário final com a Roche Diagnóstica ou qualquer outra forma de comunicação na fase pós-produção (incluindo publicações científicas negativas) que indique mau funcionamento, falha ou deterioração nas características/desempenho de produtos e equipamentos, como também qualquer inadequação na rotulagem ou instruções de uso de um produto colocado no mercado ou distribuído pela Roche Diagnóstica. Farmacovigilância A Farmacovigilância tem como missão garantir a proteção e a segurança dos pacientes, disponibilizando proativamente informações médicas sobre os medicamentos da Roche Farmacêutica, em todo o seu ciclo de vida. O monitoramento contínuo envolve os ensaios clínicos Fases I, II e III, realizados em seres humanos antes da aprovação para uso na população, e nos estudos Fase IV, de segurança, tolerabilidade e eficácia, continuando em toda a fase de comercialização, quando a utilização ocorre em grande escala. Seu objetivo é determinar a incidência, a gravidade e a relação de causalidade entre um evento adverso e um medicamento, com o intuito de promover o planejamento de pesquisas e análises que podem resultar em suporte para decisões regulatórias, bem como em atualizações na bula, permitindo uma melhor análise do risco-benefício, bem como o uso apropriado do produto. Na Roche, a área faz parte do Sistema Global Roche de Segurança de Medicamentos (Global Drug Safety) e, por isso, atua de acordo com políticas e procedimentos que visam ao cumprimento de regulamentações nacionais da Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa e Centro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo CVS-SP, bem como, as regulamentações e internacionais do Food and Drug Administration for United States FDA e European Medicines Agency for Europe, Middle East and Africa EMA. Além disso, a empresa utiliza metodologias, que incluem o QRM- Quality Risk Management, Inspection Preparediness e OPA Optimization of Pharmacovigilance in the Affiliate. 38 Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

5 Governo A Roche mantém relacionamentos com representantes do Governo Federal, principalmente do Ministério da Saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), organismos responsáveis pela gestão pública da saúde no Brasil, e também a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que regula as operadoras de saúde do País. Além disso, realiza parcerias com governos estaduais e municipais. Mantendo sempre a ideia de parceria e ética, a relação com esses diferentes órgãos do governo inclui: registro de novos produtos, ampliação de uso e novas indicações, aquisição de medicamentos e eames diagnósticos para hospitais e laboratórios públicos e discussão de políticas públicas na área da saúde. A companhia também colabora tecnicamente fornecendo informações em áreas mais gerais, como acesso ao Posicionamento da Roche sobre medicamentos biológicos similares Produtos biológicos inovadores, ou de referência, como, por eemplo, proteínas e anticorpos, estão perdendo suas patentes e uma segunda onda de produtos, alegando serem similares a um produto inovador, vem sendo desenvolvida e comercializada mundialmente. No entanto, a reprodução dos produtos biológicos é difícil, em função de suas estruturas moleculares compleas e por serem obtidos em sistemas vivos através de processos de produção altamente compleos, que são difíceis de reproduzir. As limitações dos métodos analíticos e dos testes pré-clínicos, para caracterizar integralmente um medicamento biológico torna obrigatório conhecer os dados clínicos para demonstrar a similaridade das propriedades moleculares, bem como a segurança e a eficácia do medicamento de referência. Por isso, a relação risco versus benefício deve ser cuidadosamente avaliada e monitorada, assim como é necessária a implementação de um marco regulatório transparente e bem definido, abrangendo o desenvolvimento, a aprovação e os procedimentos pós-registro. No Brasil, a RDC n 55, de 16 de dezembro de 2010, da Anvisa, estabelece as diretrizes para submissão e aprovação de produtos (biossimilares), que não recebem essa nomenclatura pelas autoridades regulatórias do país e são chamados de produtos biológicos. Assim, a Roche Brasil defende que a aprovação de um produto biológico (biossimilar) siga regras claras e bem definidas que garantam a proteção da saúde pública. A empresa apoia a eigência de processos rigorosos no desenvolvimento desses produtos, apresentando dados clínicos, não clínicos e os riscos de imunogenicidade para demonstrar a similaridade de qualidade ao produto biológico de referência, bem como sua segurança e eficácia clínica embasada em estudos comparativos específicos. Além disso, para a prescrição e distribuição segura e para o acompanhamento eficaz de farmacovigilância pós-aprovação, é importante também que os diferentes produtos possam ser claramente identificados e diferenciados. Além disso, a empresa acredita que a regulamentação para produtos biológicos (biossimilares) promoverá e servirá de incentivo para a realização de pesquisas inovadoras de novos medicamentos e para o progresso da medicina. Por isso, a companhia se envolveu ativamente, em 2011, nas discussões setoriais sobre a regulamentação destes produtos e pretende manter essa postura em

6 sistema de saúde (ver mais no tópico Acesso deste capítulo), e transferência de tecnologia e melhoria de equipamentos e serviços públicos (ver mais neste capítulo,, tópico Conscientização, Conhecimento e Campanhas). Participação na discussão de políticas públicas GRI SO5 Um dos focos da atuação da Roche Brasil em parceria com o governo é por meio da participação em discussões, compartilhando conhecimento científico e buscando dar suporte na elaboração de leis, regulamentos e políticas efetivas para a saúde pública. Os principais destaques de 2011 nesse sentido foram: realização do I Fórum de Políticas Públicas em Reumatologia, que envolveu diversas áreas da Roche Farmacêutica, contou com a presença de importantes reumatologistas e farmacêuticos e teve como objetivo abrir discussão sobre as prioridades da reumatologia no Brasil, gestão de recursos e financiamento da saúde; participação nas discussões e na consulta pública para a aplicação da nova regulamentação brasileira para medicamentos biológicos e biossimilares. Em Aprovação do Zelboraf (vemurafenibe)+ Teste cobas 4800 BRAF V600 Em 2011, a Roche Brasil comemorou a aprovação do registro no Brasil pela Anvisa do medicamento Zelboraf (vemurafenibe) e do teste diagnóstico cobas 4800 BRAF V600, que será lançado no mercado brasileiro em O medicamento é utilizado no tratamento de pacientes com melanoma metastático, ou seja, câncer de pele em fase avançada e inoperável, quando detectado por um teste diagnóstico também aprovado pela Anvisa para detectar tumores com a mutação do gene BRAF. O Zelboraf (vemurafenibe) destina-se apenas a pacientes cujas células tumorais do melanoma epressem nos seus genes a mutação BRAF V600. Este é o primeiro e único medicamento personalizado que identifica pacientes que poderão se beneficiar do tratamento aprovado no Brasil e que demonstrou melhorar a sobrevida dos pacientes com a mutação BRAF V600E em estágio avançado da doença. Além disso, é um caso de sucesso de parceria entre as duas divisões da Roche para o desenvolvimento da medicina personalizada. Como funciona o Zelboraf (vemurafenibe)? Nos melanomas positivos para a mutação BRAF, está presente uma forma anormal de BRAF, a BRAF V600E, que contribui para o desenvolvimento do câncer ao permitir a multiplicação não controlada das células tumorais. A substância ativa do Zelboraf, o vermurafenibe, é um inibidor dessa forma anormal de BRAF. Ao bloquear a ação da proteína BRAF V600E, o Zelboraf (vemurafenibe) bloqueia a via de crescimento e disseminação do câncer. 40 Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

7 Valéria Clemente (Acesso ao Mercado) dezembro de 2010, a Anvisa estabeleceu as diretrizes para submissão e aprovação desses produtos e, ao longo de 2011, foram promovidas discussões conjuntas entre o governo e diversas associações e empresas do setor para a definição de novos marcos regulatórios (guias específicos por tipos de moléculas). A Roche participou desse debate junto à Anvisa e em conjunto com a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) (ver mais sobre a posição da Roche sobre o tema no quadro na página 39 ); participação, por meio de entidades de classe, das discussões para elaboração de novas regulamentações da Anvisa, como as que dispõem sobre a garantia da qualidade de medicamentos importados, os procedimentos e condições de realização de estudos de estabilidade para o registro ou alterações pós-registro de produtos biológicos, entre outras. participação, diretamente e por meio de entidades de classe, nas discussões para elaboração de novas regulamentações da Anvisa referentes a instruções de uso de produtos médicos em meios não impressos, contribuindo para reduzir a utilização de papel, bem como para a definição de regras para ações de campo na pós-comercialização (tecnovigilância). Para 2012, a meta da empresa é continuar trabalhando em parceria com o governo e ser reconhecida como uma referência confiável no debate e aprimoramento de políticas públicas, principalmente de tratamento de diversos tipos de cânceres, da hepatite C, de artrite reumatoide, entre outras doenças. Registros e regulamentações Uma das principais áreas de relacionamento com governos também envolve o registro de medicamentos e de testes e produtos diagnósticos, bem como a submissão de dossiês para avaliação de tecnologias em saúde. Nesses dossiês, a Roche fornece informações completas e atualizadas sobre eficácia, segurança e farmacoeconomia dos produtos (ver mais no item Acesso). Esses protocolos, se aprovados, geram a inclusão de medicamentos e testes diagnósticos no sistema público de saúde brasileiro. Por meio de uma equipe técnica devidamente capacitada e com amplo domínio das legislações referentes ao tema, a empresa procura garantir que todos os requisitos necessários para o registro de seus produtos e equipamentos sejam cumpridos, buscando facilitar a atuação da Anvisa e possibilitar a aprovação e a chegada dos produtos ao mercado brasileiro no menor prazo possível. 41

8 Em 2011, a Roche Diagnóstica submeteu para aprovação da Anvisa 145 novas petições e, nesse mesmo período, conseguiu a aprovação de 162, dentre elas registro de novos itens, renovações e alterações de produtos. Entre estes, destacam-se: aprovação do cobas 4800 BRAF V600, utilizado em conjunto com o medicamento como Zelboraf (vemurafenibe); aprovação do HE 4, utilizado para avaliação do risco de câncer epitelial de ovário; e aprovação KRAS, utilizado para a identificação de mutações nos códons 12, 13 e 61 do gene KRAS em DNA derivado de tecido de câncer colorretal humano. Já em relação à Roche Farmacêutica, em 2011, foram submetidos 386 e aprovados 115 processos, entre alteração de bula, nova indicação, aprovação de medicamentos, alteração de rotulagem, renovação de registro, entre outros. Destaca-se a aprovação do Zelboraf (vemurafenibe) para o tratamento de melanoma metastático e a aprovação de novas indicações, segundo tabela abaio. PRODUTO INDICAÇÕES APROVADAS EM ANOS ANTERIORES AMPLIAÇÕES DE USO E NOVAS INDICAÇÕES APROVADAS EM 2011 HERCEPTIN (TRASTUZUMABE) Indicado para tratamento de câncer de mama metastático HER2+ e câncer de mama inicial HER2+ após cirurgia, quimioterapia (neoadjuvante ou adjuvante) e radioterapia (quando aplicável). Câncer gástrico MABTHERA (RITUXIMABE) Indicado para linfoma não-hodgkin e linfoma folicular como tratamento de manutenção e também para artrite reumatoide em combinação com metotreato. Leucemia linfoide crônica (primeira linha e recaída) TAMIFLU (FOSFATO DE OSELTAMIVIR) Indicado para o tratamento e para a profilaia de gripe em adultos e crianças com idade superior a um ano. Tratamento e profilaia da influenza em pacientes com insuficiência renal e profilaia da influenza em pacientes imunocomprometidos 42 Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

9 Fornecedores GRI EC6, HR1, HR2, HR6, HR7 Os fornecedores da Roche assumem um papel importante para que a companhia mantenha a qualidade de seus produtos e a sustentabilidade em suas operações. Por isso, a empresa procura firmar e manter parcerias sólidas com seus fornecedores, acompanhando de perto suas atividades. A seleção, a avaliação e a qualificação desses parceiros comerciais seguem diretrizes corporativas e locais, que visam respeitar a legislação trabalhista, os direitos humanos e o meio ambiente. Durante o processo de seleção de seus fornecedores, a Roche faz um levantamento geral de sua atuação e situação financeira, em que são avaliadas informações comerciais, débitos no mercado, pagamento de impostos, processos trabalhistas, etc. Quaisquer empresas fornecedoras dos serviços e produtos demandados estão aptas a participar da seleção, não havendo política específica para contratação de fornecedores locais. Ainda assim, na unidade administrativa da Divisão Farmacêutica, 90% dos produtos são adquiridos dentro do Estado de São Paulo e, na unidade administrativa da Divisão Diagnóstica, aproimadamente 17% do volume de transações são realizadas em São Paulo. Desde 2009, os contratos com os fornecedores mais representativos seguem com um aneo denominado Código de Conduta do Fornecedor, que incorpora princípios relacionados à ética, ao trabalho, a saúde e segurança, a questões ambientais e a sistemas de gestão, além de tópicos como inovação e estabilidade financeira. Além disso, buscando incentivar e compartilhar os seus valores, a Roche dá preferência a empresas que tenham incorporado a sustentabilidade à sua gestão. Esse é o critério de desempate utilizado para contratação, quando há fornecedores com as mesmas condições de negociação. E para garantir que os fornecedores atuem de acordo com os valores e diretrizes da empresa, foram inseridas cláusulas específicas nos contratos, que incluem, por eemplo, o compromisso de respeitar os direitos humanos, a legislação trabalhista e a não contratar mão de obra infantil ou em regime análogo ao trabalho escravo. Kathya Abissamra e Carolina Prieto (Finanças & Serviços) 43

10 Distribuidores GRI HR6, HR7 Os distribuidores têm um papel estratégico na cadeia de valor da Roche. Eles são responsáveis por etapas importantes da comercialização e distribuição dos produtos da empresa, como a armazenagem e o transporte, que eigem condições específicas para a manutenção da qualidade e eficácia dos produtos. Por isso, são estabelecidas obrigações compartilhadas, por meio de contratos claros e sempre observando as práticas de livre comércio e concorrência. Em 2011, os contratos com os distribuidores da Roche Diagnóstica foram alterados e passaram a também incluir as diretrizes do Código de Conduta de Fornecedores. Essa ação teve como objetivo incluir cláusulas de direitos humanos, legislação trabalhista, entre outras, e alinhar a atuação dos distribuidores às diretrizes da Roche no que se refere às principais práticas de sustentabilidade. Desde 2007, os parceiros de cadeia seca (sem refrigeração) e de cadeia fria (que necessitam de refrigeração) são avaliados para garantir que a qualidade, a segurança e a eficácia dos medicamentos e produtos diagnósticos sejam preservadas até a entrega aos clientes e consumidores. Na Divisão Farmacêutica, os processos internos são auditados anualmente pela equipe de Garantia de Qualidade e as não conformidades observadas são transformadas em plano de ação com acompanhamento posterior. Os parceiros eternos são auditados a cada dois anos, por uma equipe composta de colaboradores de diversas áreas, como Garantia de Qualidade, Distribuição e Segurança. A Divisão mantém um serviço próprio de entrega, o Roche Epress, que possibilita que todo pedido colocado até 10 horas da manhã, de segunda a quinta-feira, tenha sua entrega garantida em até 24 horas, saindo do Centro de Distribuição e Armazenamento de Anápolis, em Goiás. O transporte é gerenciado pela Roche, que contrata outras empresas para fazer a distribuição. Para aprimorar o processo de logística, a empresa reúne-se mensalmente com o operador logístico e as transportadoras para discutir os processos e potenciais reduções de riscos e custos. No caso da Divisão Diagnóstica, são realizadas duas auditorias nos processos dos parceiros eternos relativos às operações logísticas: uma vez ao ano é feita auditoria interna pela área de Qualidade Assegurada e uma vez a cada dois anos, auditoria corporativa, pela área de Logística da matriz. São verificadas questões de qualidade, saúde, segurança, respeito à legislação trabalhista, gestão de resíduos, consumo energético, entre outras, visando garantir o atendimento às diretrizes da Roche e à legislação local. Também foi realizada em 2011 uma auditoria no novo Centro de Distribuição em Itajaí (SC), com o intuito de averiguar o fluo de processos, as condições físicas e de higienização, a realização de inventários, treinamentos dos colaboradores e a análise de riscos para o local. Além disso, foi mantido em 2011 na Divisão Diagnóstica, o atendimento direto aos laboratórios clientes. As equipes da empresa trabalham junto ao cliente para a atualização de informações, realização de instalações, treinamentos e o acompanhamento de chamados. Já em 2012, a Logística pretende investir em ferramentas de Tecnologia da Informação, com intuito de melhorar a produtividade e obter maior controle dos dados em menor espaço de tempo. 44 Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

11 Operadoras de Saúde e Hospitais A Roche relaciona-se com diferentes categorias de clientes na condução dos seus negócios. Por conta da diversidade de ações, a empresa considera fundamental o desenvolvimento de estratégias segmentadas de diálogo, de modo a permitir maior efetividade em suas práticas comerciais, sempre mantendo seus princípios e valores éticos, pautados em uma conduta transparente Operadoras de Saúde A Roche estabeleceu uma relação de confiança com as operadoras de planos de saúde, levando informações técnicas sobre as indicações, propriedades, efeitos adversos e a eficácia dos produtos da empresa, assim como conceitos de gestão e farmacoeconomia. Dessa forma, é possível, muitas vezes, oferecer tecnologias inovadoras respeitando a lógica do mercado, algumas vezes diminuindo custos para as empresas, minimizando conflitos e, acima de tudo, contribuindo para que pacientes tenham acesso a tratamentos adequados (ver mais neste capítulo, Engajamento e Diálogo com Stakeholders, tópico Acesso). Para aprofundar esse diálogo, a empresa disponibiliza uma equipe de gerentes especializados, utilizando informações científicas e em alguns casos ferramentas farmacoeconômicas que customizam os dados de acordo com as necessidades de cada operadora, permitindo a decisão técnica e criteriosa dos gestores do mercado privado, tendo sempre como foco os pacientes. Outra ação de destaque de 2011 foi o II Fórum Nacional de Gestores em Saúde para eecutivos de Operadoras de Saúde, realizado em novembro, na cidade do Rio de Janeiro-RJ, onde aproimadamente 60 gestores e auditores das principais operadoras tiveram acesso a palestras de especialistas de vários segmentos do mercado de saúde suplementar provocando um debate construtivo. Os principais temas abordados foram medicina personalizada e a importância dos biomarcadores em oncologia, com base em dois pilares. No primeiro, Inovações, tendências e avanços em saúde, foram discutidos novos modelos de negócio e remuneração e o risco sanitário das cópias de biológicos. No segundo, Regulatório, foram abordados os impactos no novo Rol de Procedimentos da Agência Nacional de Saúde (ANS) para Além disso, houve intenso debate sobre o direcionamento do mercado privado, gestão por qualidade, compartilhamento de riscos e responsabilidades, contando com a presença de dois representantes da ANS e de uma consultora, especialista em mercado privado, representando uma real oportunidade de aproimação entre diversos agentes do setor Hospitais e Laboratórios Clínicos EC8 Com o objetivo de estabelecer políticas e parcerias que atendam às demandas específicas de cada cliente, a Roche possui estratégias personalizadas de ação, que consideram os mais diferentes aspectos de cada hospital e sua atuação, como porte, região, perfil de clientes atendidos, função social e compromisso público, entre outros. Para tanto, desde 2009, a Divisão Diagnóstica conta com uma área de consultoria laboratorial, formada por uma equipe especializada, que elabora diagnóstico e plano de trabalho para esses clientes. Assim, a oferta de produtos e serviços pode ser adequada às necessidades e aos recursos de cada centro de saúde, o que inclui equipamento, reagentes, instalação, apoio na adequação do espaço para receber o equipamento, treinamento técnico, assistência pós-venda e assessoria científica. Dessa forma, a Roche oferece a seus clientes uma solução integrada, evitando desperdício de recursos financeiros e físicos e tornando suas operações mais sustentáveis e eficientes. 45

12 Fabio Simões (Roche Professional Services) Pesquisa de Satisfação da Roche Diagnóstica A Roche Diagnóstica realiza anualmente, por meio de consultoria eterna, uma pesquisa de satisfação com clientes de suas unidades de negócio. O objetivo é aprimorar constantemente a prestação de serviços e medir o grau de satisfação dos clientes atendidos, seguindo metodologia do Grupo Roche no que se refere a planejamento, questionário e análise. Em 2011, os dados foram levantados via entrevistas telefônicas, por meio de questionário estruturado, com listagem fornecida pelo cliente. Além da avaliação da Roche, quando possível, o respondente avaliou outras empresas, para que a pesquisa também indicasse as forças e fragilidades do setor. A coleta de dados ocorreu em novembro e dezembro de 2011, com participação de 161 clientes em todo o território nacional, dentro de um total de 267. Foram avaliadas 10 áreas/processos: produtos, entregas e pedidos, faturas, suporte dos representantes de vendas, avaliação dos representantes de vendas, instalação de novo equipamento, treinamento, contato e atendimento técnico-científico, contato e atendimento de logística e comunicação. A partir dos resultados da pesquisa, identificou-se que os pontos fortes da companhia se concentram nas áreas de relacionamento com os clientes, e os pontos fracos estão nos serviços de dia a dia, como reparo de equipamento, serviços do coordenador técnico para o distribuidor, entregas e pedidos e atendimento técnico científico ao cliente por telefone. Para 2012, a Roche pretende fazer uma avaliação mais profunda destes pontos que não foram satisfatoriamente avaliados para definir um plano de ação que melhore o seu desempenho nesses processos Pesquisa de Satisfação da Roche Diabetes Care GRI PR5 A Roche Diagnóstica realizou uma pesquisa para medir o nível de satisfação dos principais clientes, entender pontos fracos e fortes da Roche e identificar ações de melhoria. A pesquisa quantitativa foi realizada com 43 principais clientes da Roche Diabetes Care, que representam 80% das vendas. Resultados gerais (variação de 0 a 10): Nota média 8,12 35% de avaliações com nota Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

13 Comunidade O relacionamento da Roche Farmacêutica com a comunidade do seu entorno acontece por meio do Programa Vizinho Legal. Criado em 2001, o programa tem como principal meta promover impactos sociais positivos por meio do compartilhamento de valores e conhecimento e do empoderamento de indivíduos e da comunidade do bairro do Jaguaré, em São Paulo. O programa adota como pilar conceitual as diretrizes do Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária ( ): centralidade da família nas políticas públicas; reconhecimento das competências da família na sua organização interna e na superação de dificuldades; e fortalecimento da autonomia do adolescente e do jovem adulto na elaboração do seu projeto de vida. O programa também adota o conceito de empoderamento como principal estratégia política e social de ação; e os de saúde, estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde (um estado de completo bem estar físico, mental e social e não meramente ausência de doença ou enfermidade) e presentes na Carta de Otawa (promoção da saúde é o nome dado ao processo de capacitação da comunidade para atuar na melhoria de sua qualidade de vida e saúde, incluindo uma maior participação no controle desse processo). Além disso, o programa estimula a prática da cidadania entre seus colaboradores, promovendo o trabalho voluntário em três frentes de trabalho: saúde, esporte e cultura Saúde Como propósito de ampliar os conhecimentos da comunidade sobre temas relacionados à saúde, o programa estimula hábitos saudáveis e prevenção de doenças. O objetivo é aumentar a conscientização sobre diversos temas, promovendo uma melhoria da saúde física, mental e emocional dos moradores da comunidade. Além de campanhas e capacitações, o programa oferece atendimento por meio de grupos psicoeducativos para jovens e famílias; plantão de psicólogos e grupos de orientação para 40 gestantes da comunidade. Esses atendimentos e capacitações são realizados por profissionais voluntários da área de saúde, assistentes sociais e técnicos de segurança do trabalho, além de duas psicólogas contratadas foi um ano importante para o programa, pois marcou o início de um alinhamento estratégico com as áreas de negócio e instituição de saúde local Esporte Esta frente de trabalho busca promover o desenvolvimento pessoal e habilidades sociais de crianças e jovens de 8 a 17 anos por meio da prática de esportes. O programa também promove mobilização comunitária na organização de espaços públicos para atividades de recreação e lazer. Com o apoio das escolas parceiras, instituições sociais e pais voluntários, são oferecidos: passeios comunitários; aulas de voleibol e futebol para crianças e jovens; participação em eventos e campeonatos; organização de ruas de lazer em família; e encaminhamento de jovens com desempenho destacado para clubes profissionais. Em 2011, foram beneficiados 250 jovens e crianças. 47

14 Visita do CEO do Grupo Roche, Severin Schwan, ao Programa Vizinho Legal Cultura Outra área do programa promove o desenvolvimento sociocultural e das habilidades artísticas de alunos das escolas públicas e de moradores do entorno, por meio do acesso a diferentes atividades artísticas e educacionais. Em 2011, foram oferecidas aulas de teatro, dança (ballet, Le parkour e Hip hop), música (banda, violão, violino, viola, violoncelo, contrabaio e canto) e aulas de inglês para 210 crianças e jovens de 7 a 21 anos. Além dessas atividades, os jovens envolvidos puderam ter acesso a passeios culturais; apresentações em eventos artísticos, sociais e de lazer; formação de grupos artísticos e encaminhamento de talentos para escolas profissionalizantes. Pelo quinto ano consecutivo, o Vizinho Legal manteve a parceria com o Projeto Coneões, organizado pelo National Theatre de Londres, pelo British Council, pelo Teatro Escola Célia Helena, pelo Colégio São Luís e pela Cultura Inglesa. Os jovens da Companhia de Teatro Vizinho Legal participam, anualmente, de uma mostra de teatro e, em 2011, 15 jovens apresentaram o espetáculo Contos que Cantam sobre Pousospássaros, de Cláudia Schapira. São parceiros do Vizinho Legal, para as ações citadas: Escola Estadual Deputado Augusto do Amaral, Escola Estadual Maria Eugênia Martins, CEU Jaguaré, União Cultural Brasil-Estados Unidos, Projeto Coneões, McDonald s (unidade Jaguaré), Projeto VIVO EnCena, Congregação Santa Cruz (Centro Cultural Profissionalizante, Programa Ação Família, Centro de Atendimento Interdisciplinar), Instituto Reciclar, Rede Interferência e UBS Vila Nova Jaguaré. 10 anos de Vizinho Legal GRI SO1 Em 2011, ao completar 10 anos, o Vizinho Legal realizou sua segunda pesquisa de avaliação (Pesquisa de Avaliação do Vizinho Legal - PAVIL), com o objetivo de mostrar os resultados e os impactos atingidos em uma década de investimento social da Roche. Realizada entre os meses de outubro de 2010 e maio de 2011, a Pesquisa de Avaliação valeu-se de técnicas quantitativas e qualitativas para a coleta de dados e análises e ouviu tanto os colaboradores da Roche como gestores, educadores, familiares, jovens e representantes de instituições da comunidade. Com o primeiro grupo, foi possível investigar as percepções e as epectativas da empresa em relação a esse investimento social. Já o segundo permitiu não só avaliar a eficácia, a eficiência e a efetividade do programa, mas também os impactos diretos e indiretos causados na comunidade e na população atendida. 48 Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

15 Em todos os aspectos avaliados do Desenvolvimento Pessoal dos participantes autoestima, autocontrole, habilidades sociais, perspectivas de futuro e resiliência, os índices de sucesso foram muito epressivos. A maioria dos participantes apresentou bom ou ótimo desenvolvimento nos quesitos avaliados, reforçando a causalidade entre participar do programa e desenvolver de forma positiva tais requisitos. Os depoimentos de familiares e e-participantes revelaram mudanças fundamentais em suas vidas com conquistas pessoais e profissionais como resultado direto de sua vivência no Programa Vizinho Legal. As escolas parceiras relataram mudanças importantes na estrutura pedagógica e no relacionamento escola-alunos e escola-famílias, em decorrência de ações e da eperiência de parceria com as equipes dos projetos que compõem o programa. O trabalho realizado com gestantes também se mostrou muito eficaz ao longo dos anos. Além de palestras informativas, os grupos de discussão e de sensibilização têm contribuído para mudanças nas relações entre as mães e seus filhos. A aproimação entre o projeto Saúde e as áreas de negócio da Roche vem gerando resultados significativos, como a realização de campanhas de saúde na comunidade. Além disso, hoje, o programa atua com maior eficácia em parceria com a Unidade Básica de Saúde do Jaguaré. Assim, o trabalho com famílias ganha escala e se fortalece com base nos pilares da sustentabilidade. Resultados da Pesquisa de Avaliação do Vizinho Legal (PAVIL) Como se observa no gráfico abaio, o Grupo Eperimental (jovens participantes do Vizinho Legal) alcançou melhores resultados nos testes em todos os quesitos, em comparação com o Grupo de Controle (jovens não participantes do Vizinho Legal). Os testes estatísticos realizados comprovam diferenças significativas entre os grupos, demonstrando claramente a influência positiva do Programa na vida dos jovens da comunidade Ações sociais na Divisão Industrial da Farmacêutica (RJ) Na unidade de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, foram doados dois mil quilos de alimentos não perecíveis e produtos de higiene para moradores de rua, famílias desabrigadas dos bairros de Jacarepaguá, Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes. Por meio de outras campanhas, também foram arrecadadas 350 unidades de material escolar para instituições educativas na comunidade de Cidade de Deus. Além disso, foram envolvidos 96 alunos no Programa de Educação Ambiental para escolas públicas de Jacarepaguá e visita às instalações da fábrica. Outras informações sobre o relacionamento da Roche Brasil com a comunidade e os resultados da Pesquisa de Avaliação do Vizinho Legal são acessíveis pelo portal Autoestima, Resiliência e Perspectiva de Futuro GRUPO EXPERIMENTAL (jovens participantes do vizinho Legal) GRUPO CONTROLE (jovens não participantes do Vizinho Legal) AUTOESTIMA NORMAL RESILIENTES ACEITAÇÃO DE SI SENSO DE COMPETÊNCIA PESSOAL ALTA perspectiva DE FUTURO 6% 22% 39% 57% 59% 57% 71% 69% 84% 92% 49

16 Nossa gente A Roche investe fortemente em seus colaboradores e busca ter em seus quadros profissionais qualificados, motivados e que incorporem cotidianamente os valores da companhia. Para isso, em 2011, a Roche Brasil teve como principiais focos o recrutamento e o desenvolvimento de seus profissionais. A companhia buscou identificar talentos eternos, mas principalmente aumentar as possibilidades de carreira para os seus talentos internos. Por meio de avaliações e programas de desenvolvimento, foram capacitados funcionários em todos os níveis, com o intuito de valorizar seu potencial e melhorar o desempenho de suas equipes e líderes. Além disso, em outubro de 2011, o Grupo Roche foi escolhido como uma das melhores empregadoras multinacionais pelo instituto Great Place to Work. Mais de 350 multinacionais foram selecionadas para participar e apenas três companhias de medicamentos foram selecionadas. Total de trabalhadores, por tipo de emprego, contrato de trabalho e região GRI LA1 Tipo de emprego Por contrato de trabalho Por região Por categoria funcional Especificação Integral Meio-período Prazo indeterminado Prazo determinado ou temporário São Paulo Rio de Janeiro Goiás Santa Catarina Diretoria Gerência Chefia / Coordenação Força de Vendas Administrativo Operacional Estagiários Terceirizados Divisão Diagnóstica * 312* 0* 0* 279* 312* N/A N/A N/A N/A Divisão Farmacêutica * 1.080* 51* 51* 1.148* 1.129* N/A N/A (*) O número total não inclui estagiários e terceiros. N/A: não se aplica. 50 Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

17 Marcelo Dourado (Qualidade), Marcelo Silva e Fernando Mazeo (Finanças & Serviços) Número de desligamentos (*) DIVISÃO DIAGNÓSTICA DIVISÃO FARMACÊUTICA POR FAIXA ETÁRIA POR GÊNERO POR REGIÃO Total de demissões no período Abaio 30 anos 30 a 50 anos Acima de 50 anos Masculino Feminino São Paulo Rio de Janeiro Goiás Santa Catarina N/A N/A N/A N/A N/A * N/A (*) O número total não inclui estagiários e terceiros. N/A: não se aplica. 51

18 Taa de rotatividade (%) (*) GRI LA2 Divisão Diagnóstica Divisão Farmacêutica Por faia etária Por gênero Por região Abaio 30 anos 30 a 50 anos Acima de 50 anos Masculino Feminino São Paulo Rio de Janeiro Goiás Santa Catarina ,89 9,39 0,72 7,58 5,42 3,97 N/A N/A 0, N/A N/A ,08 15,66 12,39 16,13 20,47 23,68 8,08 18,75 N/A ,89 11,86 13,64 13,39 15,79 19,15 7,66 9,09 N/A (*) O número total não inclui estagiários e terceiros. N/A: não se aplica Desenvolvimento e treinamentos O comprometimento da Roche com o desenvolvimento de seus funcionários faz parte da história e da cultura da companhia. Dessa forma, a Gestão de Talentos orienta as ações nessa área, como parte do Modelo Estratégico da empresa, oferecendo oportunidades de treinamento e desenvolvimento de carreira a todos os funcionários, desde capacitações técnicas até programas de coaching para lideranças. São oferecidos treinamentos técnicos de aprendizagem e atualização contínuas, que desenvolvem competências importantes para as necessidades do dia a dia, bem como para manutenção da empregabilidade no mercado farmacêutico e diagnóstico. Em 2011, destacam-se os seguintes cursos presenciais oferecidos para os funcionários do Jaguaré: Design de Apresentação, Diálogo de Interesse de Carreira CID, Empowerment, Molecules to Market, Planejamento e Organização, Relacionamento Interpessoal e Comunicação, Relatórios em Ecel e Reuniões Eficazes e Programa de Formação de Multiplicadores. Também são oferecidas oportunidades para os funcionários realizarem cursos eternos. Em 2011, mais de 20 funcionários das duas Divisões matricularam-se e frequentaram cursos de MBA por meio de convênios com a Fundação Getúlio Vargas e a Universidade de São Paulo, pelos quais a companhia oferece cursos de pós-graduação com descontos de até 35% em relação aos preços de mercado. Os funcionários também têm acesso a cursos de idiomas pagos pela companhia. Na Divisão Diagnóstica, foi feita, em 2011, uma avaliação para medir o nível de conhecimento em inglês e espanhol de mais de 50% dos funcionários, oferecendo cursos gratuitos para aqueles que demonstraram alguma deficiência. Ao todo, 110 alunos tiveram acesso a aulas de inglês presencial ou online na Divisão pelo Programa Global English. Já na Divisão Farmacêutica, os funcionários podem se candidatar voluntariamente e aqueles que apresentam maior necessidade, de acordo com o nível de conhecimento do idioma, são eleitos para receber o benefício. Em 2011, foram beneficiados 134 funcionários, sendo 92 de setores administrativos e 42 da Força de Vendas. Em 2011, a Roche Diagnóstica realizou mais de 460 treinamentos técnicos, científicos, sistemas e de suporte operacional, em linhas de produtos de todas as unidades de negócio da empresa. Com o objetivo de preparar a equipe de serviço e do laboratório para manusear nossas máquinas e testes, participam deste treinamento não só funcionários, mas também distribuidores Roche e alguns clientes 52 Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

19 O Programa de Formação de Multiplicadores é um programa da matriz, que começou a ser implementado na Divisão Industrial Farmacêutica em 2011 e terá continuidade ao longo de 2012, contando com três módulos. Ao todo, 394 funcionários passaram por pelo menos um desses cursos na Divisão Farmacêutica nas áreas administrativas no último ano. Além disso, os novos funcionários realizam cursos virtuais oferecidos pela matriz, relacionados ao Código de Conduta (ver mais no item Atuação Ética e Compliance), às normas de segurança da informação e às práticas de Segurança e Saúde do trabalho, com uma reciclagem anual para todos os integrantes do corpo funcional da empresa. A Roche também desenvolve treinamentos específicos para as equipes da Força de Vendas. Por meio do DAT (Diagnóstico Anual de Treinamento de Vendas), realizado pela primeira vez na Roche, toda a Força de Vendas, Representantes e Gerentes de Território foram submetidos a uma avaliação de conhecimentos com o objetivo de apoiar atividades de reciclagem ao longo do ano. Os resultados do DAT geraram insumos para a revisão do Plano Anual de Treinamento de 2011 e também para ações individuais de treinamento. Outros dois programas merecem destaque em O primeiro foi o programa de Indução para Novos Gerentes de Território, cujo objetivo é preparar os novos gerentes e capacitá-los para a gestão dos funcionários da sua equipe, no que tange a questões administrativas, de liderança e de negócios. Em 2012, um novo programa será oferecido a esses funcionários: o Strategic Commercial Leaders, que será realizado em parceria com o Insper, e tem como intenção capacitar os gerentes para a gestão estratégica dos recursos e para a criação de planos de negócio mais eficientes. Programas de treinamento para as lideranças A Roche Brasil procura sempre identificar, capacitar e desenvolver suas lideranças. Alinhado à Visão Roche, o Programa Líderes Construindo o Futuro, da Divisão Farmacêutica, aposta no desenvolvimento de pessoas para fazer da Roche um lugar melhor para se trabalhar. Com o intuito de auiliar os líderes da empresa no desafio de desenvolver suas equipes, o programa, criado em 2010, inclui workshops de formação, avaliações e sessões de coaching individual. Em 2011, foi ampliado para atender todos os profissionais em cargos gerenciais e contou com 169 participantes. Diversos resultados foram percebidos após os dois primeiros anos do programa, especialmente um maior alinhamento das práticas de gestão de pessoas na companhia, bem como maiores integração e sinergia entre o corpo gerencial, uma vez que os workshops são compostos de participantes de diferentes áreas da organização. Além disso, o alto grau de engajamento dos funcionários, demonstrado na pesquisa GEOS, é mais um indicador na constante melhoria das competências de gestão de pessoas por parte dos líderes da empresa. A meta do Programa para 2012 é abarcar também os coordenadores, o que significa incluir aproimadamente mais 100 colaboradores. Já na Roche Diagnóstica, o programa de líderes, envolvendo diretores e gerentes da companhia, teve início em 2010, com foco no desenvolvimento individual em capacidades de liderança, comunicação com eficácia, negociação e gestão financeira. Ao longo dos últimos dois anos, o programa capacitou 45 líderes e realizou os seguintes módulos de treinamento: o papel do líder, trabalho em equipe e colaboração, gerenciamento de conflitos, liderando para um melhor desempenho; treinando e desenvolvendo colaboradores e liderando mudanças. 53

20 Média de horas de treinamento por ano, por categoria funcional GRI LA10 Divisão Diagnóstica Divisão Farmacêutica Categoria funcional Carga horária total Total de trabalhadores na categoria Horas de treinamento por colaborador Carga horária total Total de trabalhadores na categoria Horas de treinamento por colaborador Diretoria Gerência Chefia /Coordenação Força de Vendas Administrativo Operacional Estagiários Total N/A N/A ,0 51,5 24,0 15,0 71,2 33,0 N/A ,9 49,9 20,9 69,3 24,7 37,1 18,8 38,7 N/A: não se aplica Reconhecimento, gestão e retenção de talentos GRI LA11, LA12 A avaliação de desempenho e competências faz parte da gestão de recursos humanos da Roche Brasil e encoraja a interação e o diálogo aberto e construtivo entre gestores e suas equipes. Esse processo está alinhado ao padrão global do Grupo Roche e inclui o reconhecimento financeiro, atrelado ao desempenho profissional. Seguindo o modelo corporativo de estabelecimento de metas e objetivos comuns e individuais, 100% dos colaboradores passam por análises de desempenho. No caso do desenvolvimento de carreira, o processo contempla: avaliação de competências, plano de desenvolvimento (foco no cargo atual) e Diálogo de Carreira (foco nas epectativas futuras de carreira). Em 2011, na Roche Farmacêutica, 76% de funcionários tiveram preenchida alguma dessas etapas de seu plano de desenvolvimento, sendo que 38% dos funcionários completaram as três etapas e outros 38% fizeram uma ou duas. A meta para 2012 é aumentar o percentual dos funcionários com plano de desenvolvimento completo. Na Roche Diagnóstica, 100% dos funcionários passaram pelo processo de avaliação de desempenho e feedback. Como fase final do processo de avaliação de desempenho, ocorre anualmente o que a empresa chama de calibração. O objetivo é balizar os conceitos e conhecimentos sobre avaliação de desempenho entre todos os funcionários, garantindo a equidade e mantendo níveis e padrões consistentes na avaliação. Além disso, parte importante da gestão de talentos e de carreiras é a identificação de profissionais com alto potencial de liderança. Para garantir que a Roche Farmacêutica tenha um conjunto robusto de candidatos qualificados para a sucessão de posições chaves, a companhia busca identificar sucessores em diferentes fases de carreira, permitindo que qualquer funcionário faça parte do processo, caso atenda aos requisitos necessários. Buscando dar as melhores oportunidades de desenvolvimento, a Roche Brasil incentiva que seus funcionários tenham oportunidades de trabalho em outras afiliadas da Roche. Em 2011, oito funcionários da Roche Farmacêutica estavam trabalhando na matriz na cidade da Basileia, Suíça. A partir de 2012, a Roche Brasil introduzirá uma nova abordagem de gestão de remuneração e desempenho para promover o crescimento e inovação, bem como compartilhar as recompensas do sucesso da empresa com todos os funcionários. Os novos princípios de gerenciamento de desempenho, visam relacionar as recompensas individuais dos funcionários ao 54 Roche - Relatório de Sustentabilidade 2011

Roche apresenta fortes resultados em 2013: crescimento de 6%

Roche apresenta fortes resultados em 2013: crescimento de 6% Roche apresenta fortes resultados em 2013: crescimento de 6% Demanda no Brasil registra aumento de 9,4%. Vendas totais do Grupo alcançam 46,8 bilhões de francos suíços A Roche anunciou hoje os seus resultados

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

acordo com as diferentes funções, competências e áreas de atuação dos nossos profissionais.

acordo com as diferentes funções, competências e áreas de atuação dos nossos profissionais. sustentabilidade Qualidade em serviços/aprendizagem e desenvolvimento O desenvolvimento profissional é essencial para mantermos a qualidade de nossos serviços, assegurarmos o crescimento da Organização

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo.

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Apresentação A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Nossa missão é promover o encontro entre pessoas e

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

CAMPANHA DE SUSTENTABILIDADE (mudança no título antes chamada de Campanha Indústria Farmacêutica & Iniciativas de Responsabilidade Corporativa)

CAMPANHA DE SUSTENTABILIDADE (mudança no título antes chamada de Campanha Indústria Farmacêutica & Iniciativas de Responsabilidade Corporativa) CAMPANHA DE SUSTENTABILIDADE (mudança no título antes chamada de Campanha Indústria Farmacêutica & Iniciativas de Responsabilidade Corporativa) A categoria SUSTENTABILIDADE é a antiga categoria Indústria

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros.

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros. Índice 1. Objetivo... 1 2. Escopo e Partes Afetadas... 1 3. Definições... 1 4. Princípios... 1 5. Objetivos, metas e programas... 2 6. Papéis e Responsabilidades... 5 7. Regulamentação Aplicável... 6 1.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 PERFIL DA EMPRESA A Premier Ambiental é uma empresa de Consultoria em Gerenciamento de Requisitos Legais, implantação e manutenção

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL GABRIELA ALMEIDA. Consultora Independente de RH Novembro/2014

APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL GABRIELA ALMEIDA. Consultora Independente de RH Novembro/2014 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL GABRIELA ALMEIDA Consultora Independente de RH Novembro/2014 Quem sou eu Psicóloga, Consultora de RH, Instrutora de treinamentos e Professora 8 anos de experiência em RH Pós-graduada

Leia mais

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013 Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos Junho, 2013 1 Contexto Concentração espacial, econômica e técnica; Indústria é de capital intensivo e business to business

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Responsável pela elaboração e realização de projetos em empresas de porte que foram reconhecidos

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Objetivo: Nosso negócio:

Objetivo: Nosso negócio: Informações sobre o Programa Nome do Programa Bob s Melhor Idade Início do Programa: 20 de Abril de 2003 Setor responsável: Responsabilidade Social Contato: Vinitius Fernandes Cargo: Coordenador de Responsabilidade

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Light: uma Empresa Diversa

Light: uma Empresa Diversa Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Um negócio sustentável é aquele capaz de reunir todas as áreas, produtos, serviços e demais públicos estratégicos de uma empresa de maneira

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional,

Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional, Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional, Planejamento Estratégico e Governança Corporativa Palestras Temáticas e Motivacionais v.03/15 Neurotreinamentos Neurobusiness

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Diretor de Administração e Finanças Escritório São Paulo

Diretor de Administração e Finanças Escritório São Paulo Diretor de Administração e Finanças Escritório São Paulo Identificação do Cargo Departamento / Área Cargo al que reporta (Chefe direto) Cargos sob sua responsabilidades Administração e Finanças Diretor

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Diagnosticar Sonhar Orçar Poupar FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Por que incluir a educação financeira na sua escola? Dados recentes

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1 Sistema RH1000 Gestão de Pessoas por Competências Foco em Resultados Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987 Atualizado em 01Set2015 1 Implantação do RH de Resultados (RHR ) Solução Completa Metodologia

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

Promover maior integração

Promover maior integração Novos horizontes Reestruturação do Modelo de Gestão do SESI leva em conta metas traçadas pelo Mapa Estratégico Promover maior integração entre os departamentos regionais, as unidades de atuação e os produtos

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais