FILANTROPIA DE IMPACTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FILANTROPIA DE IMPACTO"

Transcrição

1 Nota de Investigação #6 Nota de Investigação #6 JULHO

2 Esta nota de investigação foi desenvolvida em Julho de 2014 por Pedro Sampaio, com a supervisão científica do Professor Filipe Santos do INSEAD. Tem como objectivo explicar o conceito moderno de filantropia de impacto, apresentar alguns casos de estudo internacionais, e explorar recomendações concretas para o desenvolvimento da prática de filantropia de impacto em Portugal. Laboratório de Investimento Social O Laboratório de Investimento Social é uma iniciativa promovida pelo IES e pela Fundação Calouste Gulbenkian em parceria com a Social Finance UK. Pretende ser um centro de conhecimento de referência na área do investimento social, procurando difundir as melhores práticas internacionais e instrumentos financeiros inovadores e estudando a sua aplicabilidade à realidade portuguesa. Nota introdutória da Fundação Calouste Gulbenkian O Programa Gulbenkian de Desenvolvimento Humano incentiva e facilita a inclusão dos grupos mais vulneráveis da população, através de uma aposta na inovação social, no empreendedorismo e na capacitação de pessoas e organizações como chaves de desenvolvimento. Existe em Portugal e no Mundo Lusófono um grande número de projetos com elevado impacto que enfrentam inúmeras dificuldades financeiras que não lhes permitem realizar todo o seu potencial. Felizmente, a inovação financeira dos últimos anos tem apresentado soluções e novos instrumentos adequados às necessidades específicas das organizações e empreendedores sociais, especialmente nos países anglo-saxónicos. Estes mecanismos financeiros inovadores têm como objetivo aumentar os montantes disponíveis e diversificar as fontes de capital para financiar o setor social. Os principais problemas sociais desde a institucionalização de crianças e jovens, desemprego, abandono escolar, pessoas sem-abrigo, reincidência criminal, isolamento social de idosos, entre outros representam um enorme custo económico e social. Se por um lado, temos a sorte de ter organizações e empreendedores sociais que dedicam o seu esforço, competências e trabalho à procura de soluções que mitiguem estes desafios sociais, por outro lado, faltam instrumentos financeiros adequados que apoiem estas entidades no longo prazo e que garantam sustentabilidade financeira, para poderem maximizar o seu impacto e melhorar a qualidade de vida dos seus beneficiários. O apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, através do Programa Gulbenkian de Desenvolvimento Humano, ao Laboratório de Investimento Social está completamente alinhado com a nossa missão e pretende propor soluções para que aqueles que trabalham com as populações mais vulneráveis, possam fazê-lo de uma forma cada vez mais eficiente, capacitada e com maior impacto. Este é um processo de aprendizagem conjunta, com o envolvimento dos principais atores dos setores social, público e financeiro, para propor soluções que melhorem a qualidade de vida das populações mais vulneráveis, reduzam o nível de pobreza e reforcem a coesão social. 2

3 Nota de Investigação #6 Filantropia de Impacto A Filantropia de Impacto ao serviço da inovação social A insatisfação perante o menor impacto e fraca sustentabilidade dos métodos tradicionais de filantropia tem impelido fundações de todo o mundo num caminho de experimentação e adoção de novas práticas. Estes filantropos inovadores procuram resultados tangíveis, alavancando ao máximo os seus recursos financeiros e não financeiros e adotando um processo de financiamento orientado para os resultados. Esta é a abordagem da Filantropia de impacto (FI) - a combinação do financiamento orientado para os resultados juntamente com serviços de capacitação e mentoria com o objectivo de ajudar as organizações apoiadas a aumentarem a sua capacidade de gerar impacto social. Traduz-se num relacionamento de parceria entre o investidor e a organização social, com algumas semelhanças à abordagem da indústria de capital risco (venture capital) no apoio ao crescimento das organizações que recebem investimento. O movimento moderno de FI desenvolveu-se em meados da década de 1990 nos Estados Unidos, com a adoção do modelo de investimento de capital de risco por parte de algumas fundações americanas. Este movimento expandiu-se para o Reino Unido em 2002, com a criação do Impetus Trust, primeiro fundo de FI europeu e tem crescido por toda a Europa Continental. Os 7 elementos da Filantropia de Impacto, segundo a EVPA: 1 Parceria envolvimento ao nível estratégico e operacional. Alguns investidores podem assumir um papel não executivo na direção das organizações sociais. Capacitação foco no desevolvimento da capacidade operacional e sustentabilidade da organização. É reconhecida a importância de financiar os custos de estrutura da organização para que possa alcançar maior eficiência e maximizar o impacto social gerado. Plurianual investimentos num número reduzido de organizações, normalmente durante 3 a 5 anos, com vista assegurar a sustentabilidade financeira destas organizações no final do período de investimento. Facilitação de contactos os investidores sociais facilitam oportunidades de parceria, negócio, e acesso a outros investidores, disponibilizando os seus contactos nos setores público, privado e social. Apoio não financeiro apoio através de serviços e assistência técnica ao nível do planeamento estratégico, marketing, comunição, acesso a consultores pro bono, coaching e mentoring à equipa de gestão, e ajuda no recrutamento. Instrumentos financeiros customizados os investidores sociais utilizam diferentes tipos de instrumentos financeiros (donativos, empréstimos, quasi-capital e investimentos de capital) de acordo com as necessidades e missão da organização social. Gestão orientada para os resultados rigor na seleção, acompanhamento, e avaliação dos resultados, traduzindose na avaliação das competências organizacionais, negociação de plano de negócios, validação de resultados operacionais e avaliação de impacto social Adaptado de evpa.eu.com/knowledge-centre/what-is-vp. EVPA - European Venture Philanthropy Association. O Laboratório é desde Novembro de 2012 membro da EVPA. 3

4 A Filantropia de Impacto e o Investimento Social Originalmente, o conceito de filantropia de impacto estava associado a uma nova prática de grant-making (uso de donativos) por parte das fundações. Hoje em dia porém, a filantropia de impacto e o investimento social estão cada vez mais interligados, com fundações e investidores a usarem combinações de donativos e investimentos (através de empréstimos e capital) adaptados às necessidades e ciclo de vida das organizações sociais. 2 Tipos de investimento Casos de estudo analisados nesta nota: Filantropia de Impacto versus Filantropia Estratégica: Diferentes ou iguais? Nesta nota de investigação, a equipa do Laboratório achou importante fazer a distinção entre filantropia de impacto (venture philanthropy) e filantropia estratégica (strategic philanthropy). A filantropia de impacto, explicada em detalhe nesta nota, na sua essência aplica o modelo de capital de risco (venture capital) ao setor social, identificando, apoiando financeiramente, e capacitando para a sustentabilidade organizações sociais com elevado potencial de impacto. A filantropia estratégica reflete uma abordagem diferente na qual uma fundação identifica um problema ou setor emergente e se assume como líder e catalista na criação e amadurecimento desse setor. Para isso, desenvolve projetos próprios e dinamiza o desenvolvimento do ecosistema através do apoio a projetos estruturantes. O papel da Rockefeller Foundation na criação do setor de Investimento de Impacto à escala global é um exemplo de filantropia estratégica. Um exemplo português atual é a Fundação Francisco Manuel dos Santos que assumiu a liderança do problema da falta de discussão informada dos problemas sociais pela sociedade civil, criando projetos internos como o PORDATA para acesso fácil a informação rigorosa e de qualidade, bem como contratando a realização de estudos e conferências. A abordagem de filantropia estratégica será o tema de uma futura nota de investigação do Laboratório de Investimento Social. Evolução da Filantropia de Impacto O movimento moderno de FI ganhou forma e expressão no artigo publicado pela Harvard Business Review, Virtous Capital: What Foundations Can Learn from Venture Capitalists (Letts, et al., 1997). Nesse artigo de referência, recomendava-se a adoção dos instrumentos de venture capital como a gestão do risco, gestão de desempenho, gestão do relacionamento, e estratégias de saída, de forma a maximizar o impacto social. Num subsequente artigo também publicado na Harvard Business Review, Philanthropy s New Agenda: Creating Value, Michael Porter e 2- Para saber mais sobre Investimento Social, consulte Nota de Investigação #2, Fevereiro

5 Nota de Investigação #6 Mark Kramer apelam à responsabilidade das fundações para a criação de valor social, não só ao selecionar as melhores organizações e a sinalizar oportunidades a outros investidores, mas também investindo na melhoria da eficiência das organizações e dissiminando o conhecimento e as boas práticas no setor (Porter e Kramer, 1999). As primeiras organizações dedicadas à FI foram criadas nos Estados Unidos por uma nova geração de filantropos: os empresários de sucesso da era dotcom. Motivados em aplicar a abordagem empresarial ao setor social, fundaram organizações como a Social Venture Partners em 1997 (Seattle) ou Venture Philanthropy Partners em 2000 (Washington). Ao mesmo tempo, as fundações americanas procuravam acompanhar este novo movimento, como foi o caso da Edna McConnell Clark Foundation (ver caixa). Fundações americanas e a Filantropia de Impacto: exemplos de sucesso que inspiram políticas públicas A Edna McConnell Clark Foundation (EMCF) foi criada em 1969 em Nova Iorque pela família herdeira dos produtos Avon. No final de 2013, tinha um património de $955 milhões, tendo distribuído $761 milhões desde Até 1999, a EMCF atuava à semelhança de outras fundações, com uma abordagem generalista através de diferentes programas independentes em áreas que incluiam a investigação em doenças tropicais, o bem-estar das crianças, ou a justiça criminal. Em 1996, quando Michael Bailin assumiu a presidência da EMCF trouxe uma nova perspectiva e vontade de inovar, questionando a dispersão de recursos em áreas tão diversas e procurando instituir a disciplina de doing good well em vez de simplesmente doing good de forma a maximizar o impacto social. Bailin presidiu a um dos mais ousados planos de transformação na história das fundações, que culminou na criação de um fundo de FI dedicado ao desenvolvimento de crianças e jovens (Kohler S., 2007). O Youth Development Fund, tem como missão identificar as melhores organizações, torná-las mais eficientes e aumentar a sua escala de atuação. Um dos maiores investimentos foi no Harlem Children s Zone (HCZ), uma rede integrada de serviços de apoio às crianças e famílias dos bairros mais pobres de Nova Iorque. O sucesso desta intervenção levou o U.S. Department of Education lançar a iniciativa Promise Neighborhoods em 2010 para tentar replicar o modelo noutros locais. A Filantropia de Impacto na Europa 3 Na Europa, tal como nos Estado Unidos, é possível apontar exemplos históricos de práticas de FI anteriores ao movimento surgido na década de 90. No Reino Unido, filantropos como Sir Alec Reed (fundador da agência de recrutamento REED) ou Lord Joffe (fundador da segurador Allied Dunbar e antigo chairman da Oxfam) desenvolveram um estilo próprio de filantropia, atuando como business angels do setor social, financiando start ups e investindo muito da sua experiência e contactos (John, R., 2006). O Reino Unido foi pioneiro na adoção do novo modelo de FI na Europa na viragem do novo milénio. Este foi um período de grande inovação no setor, em parte estimulado pelas iniciativas do governo inglês, criando condições para o aparecimento de novos agentes no mercado. Em 2002, surgiu o New Philanthropic Capital, um centro de investigação, consultoria, e intermediação, ao serviço da filantropia. Nesse mesmo ano, foi criado o Venturesome, um fundo de capital de risco dedicado ao setor social. Também em 2002, surgia no Reino Unido a primeira organização a procurar assumidamente replicar os modelo de FI dos Estados Unidos, a fundação Impetus Trust ver Caso de Estudo #1. Na Europa Continental, o movimento da FI ganhou expressão sobretudo devido ao trabalho de divulgação de duas associações europeias: a EVPA e a European Foundation Centre, ambas sediadas em Bruxelas. A EVPA foi fundada em 2004 por profissionais da indústria de Private Equity como resposta ao crescente interesse pela FI. Nos primeiros 12 meses mobilizou 30 organizações associadas e hoje conta com mais de 170 organizações que praticam ou têm interesse na FI ou investimento social. A EVPA tem como missão aumentar o número de praticantes de FI na Europa, promovendo a aprendizagem e a disseminação de boas práticas e facilitando a troca de experiências entre os membros através de eventos e seminários. A EVPA procura mapear a prática de FI e produzir estatísticas para a Europa, através de questionários anuais. O 2012 EVPA Industry Survey, revelou um investimento em FI de 278 milhões pelas 61 entidades que responderam, constituindo menos de 1% do financimento total de 46 mil milhões disponibilizado pelas fundações na Europa. Note-se que estes valores advêm das respostas recebidas e não incluem a totalidade dos investidores europeus numa lógica de FI, que se estima serem cerca de 80 a 100 organizações (Buckland L. et al., 2013). 3- Para mais informações sobre Edna McConnell Clark Foundation, consulte: 5

6 Assim sendo, a FI constitui cerca de 1% dos recursos alocados pelas fundações Europeias, embora possa, dado o rápido crescimento do setor, aumentar muito o seu peso durante esta década. A diversidade da Filantropia de Impacto Os casos de estudo que se seguem ilustram a diversidade de abordagens de FI na Europa. O primeiro caso (Impetus PEF) apresenta uma fundação criada de raíz para replicar o modelo de capital de risco no setor social com a missão de capacitar as organizações sociais, sem expectativa de retorno financeiro. O segundo caso (Esmeé Fairbairn Foundation) descreve o papel catalisador de uma das maiores fundações privadas no Reino Unido na promoção de fundos de FI e investimento social. O último caso (Inspiring Scotland) apresenta um programa de desenvolvimento regional através da FI. Caso de Estudo #1 Impetus The Private Equity Foundation 4 A criação do primeiro fundo de FI no Reino Unido A Impetus-PEF é considerada a pioneira da FI no Reino Unido e Europa. A Impetus Trust foi criada em 2002 em Londres com a missão de quebrar o ciclo intergeracional de pobreza no Reino Unido. A sua estratégia inicial era capacitar as organizações sociais que atuavam nos pontos críticos do ciclo de pobreza: desde o apoio a programas de prevenção que acompanham o nascimento e a infância das crianças mais carenciadas, até programas de reinserção social de adultos ex-reclusos. Em 2013, deu-se uma fusão (evento raro no setor flantrópico) entre a Impetus Trust e a Private Equity Foundation, uma organização que tinha sido criada por um consórcio de empresas de private equity para atuar no problema social dos jovens em risco. A nova organização Impetus-PEF foca a sua atuação nos jovens com idades compreendidas entre os 11 e os 24 mais desfavorecidos economicamente. Tem como missão garantir a esses jovens a educação e preparação necessárias para encontrar e manter um emprego estável. A Impetus-PEF tem uma equipa de cerca de 30 profissionais com experiência na indústria financeira, consultoria, e terceiro setor, divididos internamente entre duas funções: 1) a equipa de investimentos, focada em selecionar e acompanhar as organizações sociais; 2) as equipas de comunicação e fundraising que gerem a relação com os financiadores do fundo no último ano, a Impetus PEF angariou cerca de 10 milhões em donativos junto de fundos de private equity, empresas financeiras, filantropos particulares e fundações. Capacitação para o investimento social: exemplo de organizações suportadas pela Impetus-PEF ThinkForward: apoio a jovens entre os anos em risco de se tornarem NEET (Not in Employment, Education, or Training). Parceira de empregadores e escolas, foi escolhida para pilotar o primeiro Título de Impacto Social (TIS) na área da empregabilidade. 6 Teens and Toddlers: adolescentes em risco recebem a responsabilidade de apoiar crianças vulneráveis num ambiente seguro. Programa com sucesso a aumentar as aspirações dos jovens, foi também escolhido para receber um contrato TIS junto do governo inglês. Family Nurse Partnership (FNP): apoio a mães adolescentes que recebem visitas domiciliárias por enfermeiras especialistas. Modelo americano com 3 décadas de resultados positivos. Impetus-PEF colaborou no consórcio que recebeu 17.5 milhões do ministério inglês da saúde para replicar o programa. Portfolio e estratégia de investimento - A Impetus-PEF procura identificar as organizações com maior potencial e apoiar a sua capacitação e gestão de performance, de forma a tornar as organizações sociais mais eficientes a melhorar a vida dos jovens carenciados. O portfolio atual conta com cerca de 20 organizações e o objetivo é selecionar entre 6 a 8 novos investimentos por ano. 4- O autor da presente nota, Pedro Sampaio, é colaborador da Impetus-PEF 6

7 Nota de Investigação #6 Seleção de investimentos - A Impetus-PEF procura organizações com potencial e alguma evidência de impacto (normalmente entre os 2 e os 3 anos de resultados operacionais) e capacidade/dimensão para absorver um pacote de apoio intensivo (i.e., existência de uma equipa de gestão e receitas anuais superiores a 250 mil). Os candidatos são identificados através da investigação e mapeamento do setor, ou através do encaminhamento de candidaturas de outras fundações e investidores sociais. As organizações que cumprem os requisitos operacionais e financeiros são convidadas a entrar num processo rigoroso de due diligence onde se procura conhecer melhor a organização em 3 áreas: a evidência do impacto do programa, a qualidade da liderança e da equipa de gestão, e a vontade/ compromisso em melhorar os sistemas de gestão de performance. Fases de investimento: O modelo de investimento da Impetus-PEF está dividido em 4 fases que poderão durar até 10 anos: Foco (1 ano): clarificação da missão e teoria de mudança, criação de uma cultura de performance e compromisso para um processo de mudança (i.e. orientação para a gestão de desempenho) Consolidação (2-3 anos): implementação de um sistema de gestão de desempenho, i.e., codificação e implementação de processos, responsabilidades, competências, e sistemas de informação, necessárias para assegurar a melhoria contínua dos programas e garantir que estes geram resultados de forma consistente e previsível. Avaliação (2-3 anos): após os programas estarem suficientemente codificados e a gerarem resultados positivos de forma consistente, avaliação do impacto social gerado - idealmente através da utilização de randomized control trials. Crescimento e replicação (flexível): caso os resultados da avaliação sejam positivos, procura-se a replicação em grande escala. Nesta fase, haverá previsivelmente a colaboração com outros investidores sociais e, possivelmente, o governo inglês. Acompanhamento e apoio concedido: 1) Capacitação da equipa de gestão: a equipa da Impetus-PEF trabalha em parceria na definição da estratégia e ajudando o processo de mudança através de coaching e mentoring. 2) Acesso a especialistas pro bono que ajudam na definição de plano de negócios, modelagem financeira, sistemas de informação, apoio legal, comunicação e marketing, recrutamento e coaching à equipa de gestão. 3) Investimento na estrutura das organizações, normalmente donativos entre mil por ano para aumentar a eficiência e preparar o crescimento das organizações. O financiamento é associado a etapas na execução do plano de negócios previamente combinadas e revistas trimestralmente. Avaliação de impacto - A Impetus-PEF desenvolveu o seu próprio balanced scorecard para avaliar a liderança, impacto, performance management e sustentabilidade das organizações. A seleção de investimentos e a progressão entre as fases de investimento dá-se em função destes indicadores. O sucesso do trabalho da Impetus-PEF será avaliado na contribuição para a transformação das organizações sociais e na produção/disseminação de resultados sobre o que resulta (ou não) no setor da educação e empregabilidade. 7

8 Caso de Estudo #2 Esmée Fairbairn Foundation O papel catalisador das fundações no desenvolvimento da Filantropia de Impacto A Esmée Fairbairn Foundation (EFF) é uma das maiores fundações independentes no Reino Unido, com uma dotação superior a 800 milhões e investindo cerca de 25 milhões por ano. Tem como objetivo melhorar a qualidade de vida no Reino Unido, trabalhando nas àreas da cultura, educação, meio ambiente e inclusão social, e investindo em negócios sociais e organizações sem fins lucrativos. A adoção da FI pela EFF foi um desenvolvimento natural e uma extensão do seu trabalho que já incluía apoio à capacitação, além dos donativos, através do seu programa Grant Plus. Criando as bases da Filantropia de Impacto... Apesar de já incorporar elementos de FI antes mesmo do movimento moderno de FI, a EFF assumiu que a forma de maximizar o seu impacto no setor seria encorajando a criação de novas organizações e fundos dedicados à FI. A EEF providenciou capital inicial à Impetus Trust, e foi também dos primeiros investidores do Pilotlight e New Philanthropy Capital. Apoiou ainda os nomes mais sonantes do investimento social como o Triodos Bank, Bridges Community Ventures, Venturesome, UnLtd e Big Issue Invest. Nalguns casos, o financiamento de fundos como o Inspiring Scotland (Caso de Estudo #3), foi também uma forma de ganhar acesso a uma região sem ter recursos directamente dedicados localmente. O papel catalisador das fundações As fundações de maior dimensão estarão mais abertas a assumir o risco de apostar em projetos mais inovadores, podendo financiar organizações que outros investidores não apoiam. A inovação e empreendedorismo social requer investidores capazes de aceitar risco e os donativos e subvenções assumem um papel vital. No caso do mercado emergente do investimento social, a combinação de donativos com o aconselhamento de uma fundação com experiência no setor pode ser um fator decisivo. As fundações tendem a assumir também uma visão holística do ecossistema. Quando financiou a Impetus Trust, a EFF podia ter criado o seu próprio fundo de FI, mas preferiu ajudar a criar uma nova organização no setor, permitindo a especialização e criando espaço à entrada de novos investidores....e do Investimento Social A EFF procura também atuar estrategicamente na ligação entre a filantropia e as novas práticas de investimento social. Em 2008, criou o Finance Fund - um fundo de 35 milhões dedicado ao financimento numa lógica de impact first, i.e., investimentos com objectivo de gerar retorno financeiro juntamente com impacto social positivo. Este fundo agrupa os investimentos da EFF em intermediários financeiros que investem no setor social, os investimentos diretos em organizações sociais e os investimentos em iniciativas de desenvolvimento de mercado por exemplo, a EFF investe na Social Finance UK que desenvolve novos produtos financeiros, e na plataforma digital de financiamento Ethex. Estratégias de co-financiamento - Outra forma de alavancar os seus recursos e maximizar o impacto é através do trabalho em parceria. Em 2009, a EFF financiou a iniciativa Reducing Reoffending, promovida por um consórcio de fundações (Impetus, EFF, Indigo Trust, Henry Smith) num projeto a 10 anos para reduzir a taxa de reincidência criminal. Este tipo de iniciativas temáticas a longo prazo tem como vantagem permitir a especialização e aprofundar competências e conhecimento num problema específico. Caso de Estudo #3 Inspiring Scotland Programa regional de Filantropia de Impacto dinamizado pelo setor social A Inspiring Scotland é uma iniciativa promovida por organizações do setor social, liderada pela Lloyds TSB Foundation for Scotland. Tornou-se numa organização independente em 2009 e, desde então, ajudou a captar 8

9 Nota de Investigação #6 mais de 50 milhões em donativos que foram investidos em mais de 100 organições sociais, através de cinco fundos e ajudando mais de 60 mil escoceses. O problema - O projeto teve como motivação a necessidade de trabalhar de uma forma diferente para resolver problemas sociais que persistiam entre gerações. Apesar de reconhecer o contributo das 23 mil organizações sociais na Escócia, havia também a consciência do reduzido impacto alcançado. O consórcio reuniu parceiros com um profundo conhecimento do setor e das dificuldades enfrentadas por organizações de dimensão reduzida, locais e subcapitalizadas. Um dos maiores desafios identificado foi o tipo de financiamento disponível, quase sempre a curto prazo (não superior a um ano). A solução - Procurou-se replicar experiências da Austrália e Estados Unidos e desenvolver um modelo de FI com os seguintes objetivos: (1) Alavancar ao máximo os donativos dos parceiros do fundo; (2) Combater os problemas sociais de forma estratégica, concertada e orientada para os resultados; (3) Oferecer apoio continuado às organições mais capazes de combater os problemas sociais; (4) Atrair novos financiadores ao evidenciar as necessidades e demonstrando os resultadsos obtidos; (5) Desenvolver um modelo de avaliação rigorosa, partilhando os sucesso e fracassos de forma aberta com os parceiros e o público em geral; (6) Criar diferentes fundos temáticos, sendo o maior o 14:19 Fund que tem como objetivo assegurar o sucesso na transição para o emprego/ensino superior dos jovens dos anos (ver caixa). Resultados do 14:19 Fund ( ) 29.4m investidos diretamente em organizações sociais 27.5m alavancados com sucesso via match funding jovens apoiados através do trabalho das organizações sociais etapas de progresso (progression milestones) alcançadas pelos jovens jovens com progressão positiva para: (23%) emprego; (53%) educação; (24%) formação profissional Modelo de investimento: Investidores - Grupo heterógeneo de investidores dos setores público, privado, e social, de forma a alavancar ao máximo o capital investido. De destacar o financiamento proveniente de fundos europeus (FEDER/FSE representam 16% do financiamento total), de receitas próprias (10%), e contratos com setor público (30%). Estudo do problema social - As necessidades sociais são examinadas de forma independente, dando uma visão clara da dimensão do problema, qual a provisão e as falhas nos serviços existentes, permitindo uma gestão estratégica do portfolio de organizações apoiadas. Seleção - Processo aberto e intensivo de candidaturas, durante o qual as organizações recebem apoio ao nível da capacitação. Este método permite descobrir as organizações sociais que estão melhor preparadas para receber um pacote extensivo de ajuda e conhecer melhor as suas competências e capacidades operacionais. Investimento - A duração do investimento varia em função das necessidades. O fundo 14:19 oferece apoio até 10 anos, permitindo um trabalho mais estratégico com as organizações. Acompanhamento - Relação de parceria com objetivos, expectativas elevadas e responsabilização das organizações sociais. Avaliação final - Desde o primeiro momento, o apoio é orientado para garantir a sustentabilidade no longo prazo e evitar a dependência da organização. O sucesso é medido em função da capacidade em gerar impacto social depois de terminado o pacote de apoio da Inspiring Scotland. Disseminação do conhecimento - Comunicação pública do progresso em relação aos objetivos traçados com a organização social e da aprendizagem sobre os problemas sociais e resultados alcançados. 9

10 A Filantropia de Impacto em Portugal Apesar da FI estar ainda em desenvolvimento em Portugal, o nosso país apresenta alguns dos ingredientes fundamentais para a sua implementação e disseminação: disponibilidade de capital, promotores com perfil indicado e necessidade de capacitação por parte das organizações da economia social. Disponibilidade de capital O Relatório de Avaliação das Fundações, publicado pelo Secretário de Estado da Administração Pública em Janeiro de 2012, indica que existiam nesse ano mais de 200 Fundações não IPSS com um património de cerca de 5,1 mil milhões de euros. Com as devidas limitações dos dados, por serem agregados e incluírem realidades muito diversas, é possível estimar que caso 0,5% desse património fosse canalizado anualmente para práticas de FI, ficariam disponíveis cerca de 25 milhões de euros por ano. Se assumirmos que um apoio a médio-longo prazo (entre 3 a 5 anos) a uma organização social através de FI tem um custo de 500 mil euros, o valor acima referido seria suficiente para capacitar anualmente cerca de 50 organizações promotoras de inovações socias, o que se traduziria num fortalecimento da Economia Social e Solidária em Portugal e em respostas mais ageis e inovadoras aos problemas sociais com que Portugal se defronta. Promotores com perfil indicado para Filantropia de Impacto Existem em Portugal fundações que já adoptam algumas práticas de FI e que estão bem posicionadas para liderar este processo. Exemplos incluem fundações com um papel fundamental no setor social Português como a Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação EDP, a Fundação Montepio, entre outras. Capacitação organizacional Uma das principais necessidades identificadas pelas organizações sociais em Portugal é a capacitação, principalmente a nível organizacional. Estas organizações reconhecem a necessidade de existirem quadros de gestão com experiência e competências adequadas às suas funções, uma estratégia de longo-prazo com atividades e objetivos bem definidos, assim como sistemas de gestão e monitorização adequados às atividades que desempenham. As organizações devem procurar programas de mentoria e coaching e partilhar recursos humanos especializados através de parcerias com empresas e outras organizações, de forma a melhor se capacitarem para o desempenho das suas atividades (Sousa, S., 2010), corroborando assim a relevância da FI para o setor. Sou uma fundação ou empresa e gostava de adotar a abordagem de Filantropia de Impacto Existem três passos fundamentais a seguir dentro da sua organização que refletem uma aposta crescente na FI: 1. Desenvolver um programa específico de Filantropia de Impacto, complementar às suas práticas tradicionais, onde o financiamento por donativos é acompanhado por apoio especializado: capacitação da organização, facilitação de contactos e acesso a recursos especializados. Neste sentido, a organização atualiza a sua estratégia de Filantropia, cria critérios de eligibilidade e separa entre os projetos apoiados via donativos e os projetos apoiados via FI. Esta é uma abordagem pragmática e serve de experimentação sem alterar drasticamente as práticas dentro da organização. 2. Criar uma equipa dedicada e com experiência relevante e com um orçamento dedicado a médio prazo. Esta equipa deve estar exclusivamente dedicada a projetos apoiados através de FI e ter os recursos suficientes para a sua implementação. Esta equipa deve ter experiência e competências de gestão, estratégia, marketing, gestão de desempenho e medição de impacto social, entre outras, de forma a garantir que o apoio prestado às organizações é adequado. A equipa deve também ter uma componente dedicada ao recrutamento de apoio especializado, através de um recursos focado na gestão de apoios externos em regime pro bono. 3. Lançar um Fundo de Filantropia de Impacto. Com base na experiência acumulada, os promotores de FI podem decidir focar-se numa área social ou especializar-se numa fase de desenvolvimento específica das organizações sociais. Para tal poderão criar um fundo de FI com equipa própria, a sós ou em parceria com outras entidades, de forma a aprofundar competências e obter maior impacto no foco escolhido. 10

11 Nota de Investigação #6 Dado o investimento, competências e escala necessários para realizar a atividade de FI com seriedade e impacto, é possível e desejável que várias entidades financiadores se juntem para criar um fundo de FI com escala, gerido por uma equipa dedicada contratada para o efeito e com experiência no setor. Além do papel dos promotores de FI principalmente fundações e empresas através dos seus orçamentos de responsabilidade social corporativa também o setor público pode desempenhar um papel fundamental em Portugal na disseminação deste conceito. Um exemplo em Portugal do papel do setor público na dimanização de uma nova forma de financiamento foi feito através do Programa COMPETE com a criação do Fundo de Co-investimento para Business Angels. Este fundo proporciona uma partilha de risco e alavancagem de investimento de forma a dinamizar o investimento em projetos em fase de arranque (start-ups). A Equipa do Laboratório de Investimento Social acredita que existe potencial para desenvolver mecanismos semelhantes que atraiam capital para a prática de FI em Portugal, de forma a incentivar promotores com perfil indicado a criarem programas específicos de apoio e capacitação de longo-prazo a organizações sociais. A FI representa a utilização de capital de forma inteligente para desenvolver organizações sociais mais resilientes. Ao apostar em FI, os principais financiadores do setor social irão ajudar as organizações em Portugal a tornarem-se mais eficientes nas atividades que desempenham. O resultado será um setor social em Portugal com mais inovação social e com maior impacto na resolução dos principais problemas da nossa sociedade. Referências: Buckland L, Hehenberger L, and Hay M (2013). The Growth of European Venture Philanthropy. Stanford Social Innovation Review, Summer pp Buckland, L (2014). Social Impact Strategies For Banks Venture Philanthropy And Social Investment. EVPA. Cummings, A. and Hehenberger, L. (2010). Strategies for Foundations: When, Why and How to use Venture Philanthropy. EVPA, October John, R. (2006). Venture Philanthropy: The evolution of high engagement philanthropy in Europe. Oxford: Oxford Said Business School Kohler, Scott (2007), Youth Development Program: Edna McConnell Clark Foundation, Center for Strategic Philanthropy and Civil Society (Duke) Letts, C, Ryan, W., and Grossmann, A (1997). Virtuous capital: what foundations can learn from venture capital, Harvard Business Review, HBR 97207, Cambridge, MA: US. Porter, Michael E., and Kramer, Marc R. (1999). Philanthropy s New Agenda: creating value, Harvard Business Review, HBR 99610, Cambridge, MA: US Sousa, Sónia et al. (2010). As Instituições Particulares de Solidariedade Social num contexto de crise económica. IPI Consulting Network Portugal 11

12 Esta Nota de Investigação faz parte de uma série desenvolvida pelo Laboratório de Investimento Social. Estes conteúdos pretendem chegar a organizações, empreendedores sociais, investidores e diferentes órgãos do setor público, ajudando a criar conhecimento de referência sobre o investimento social. Os objetivos das Notas de Investigação são identificar as necessidades do setor, introduzir novos conceitos e instrumentos, refletir no que já foi feito em outros países e promover a discussão sobre a potencial implementação do investimento social à realidade Portuguesa e ao Mundo Lusófono. Convidamos os leitores a colocarem questões, fazerem sugestões e partilharem ideias para o Promotores: Instituto de Empreendedorismo Social IES O IES é uma Associação sem fins lucrativos que tem como objetivo estimular a inovação, a eficiência e o crescimento do impacto de projetos transformadores que quebram ciclos de problemas na nossa sociedade. A visão do IES é ser a referência do empreendedorismo social para o mundo Lusófono, promovendo a inovação, o conhecimento, a aprendizagem e o impacto social. O trabalho do IES consiste na identificação, apoio, formação e promoção de iniciativas de alto potencial de empreendedorismo social, com organizações e indivíduos excecionais e comprometidos para mudar o mundo de forma mais eficiente e inovadora. A missão do IES é inspirar e capacitar para um mundo melhor, através do Empreendedorismo Social. Fundação Calouste Gulbenkian A Fundação Calouste Gulbenkian é uma instituição portuguesa de direito privado e utilidade pública, cujos fins estatutários são a Arte, a Beneficência, a Ciência e a Educação. Com mais de 50 anos de existência, a Fundação Calouste Gulbenkian desenvolve uma vasta atividade em Portugal e no estrangeiro através de iniciativas próprias, ou em parceria com outras entidades, e através da atribuição de subsídios e bolsas. O Programa Gulbenkian de Desenvolvimento Humano, criado em 2009, tem como missão incentivar e facilitar a inclusão dos grupos mais vulneráveis da população. Social Finance UK A Social Finance foi criada em 2007 e é uma organização sem fins lucrativos que trabalha com organizações sociais, investidores e setor público no desenvolvimento de mecanismos financeiros adaptados às necessidades do setor social. A Social Finance lançou a primeira Social Impact Bond, no estabelecimento prisional de Peterborough, angariando um investimento de 5 milhões de libras junto de 17 investidores com o objetivo de reduzir a taxa de reincidência de reclusos. A equipa da Social Finance é composta por especialistas dos setores financeiro, social, público e privado. Esta equipa apoiou desde o início a UK Social Investment Taskforce, a Commission of Unclaimed Assets e esteve na conceção da Big Society Capital, o banco social do Reino Unido. 12

FILANTROPIA DE IMPACTO

FILANTROPIA DE IMPACTO Nota de Investigação #6 Nota de Investigação #6 1 Esta nota de investigação foi desenvolvida em Julho de 2014 por Pedro Sampaio, com a supervisão científica do Professor Filipe Santos do INSEAD. Tem como

Leia mais

Nota de Investigação #2 FUNDAMENTOS DO INVESTIMENTO SOCIAL FUNDAMENTOS DO INVESTIMENTO SOCIAL

Nota de Investigação #2 FUNDAMENTOS DO INVESTIMENTO SOCIAL FUNDAMENTOS DO INVESTIMENTO SOCIAL Nota de Investigação #2 FUNDAMENTOS DO INVESTIMENTO SOCIAL Nota de Investigação #2 FUNDAMENTOS DO INVESTIMENTO SOCIAL 2014 1 Esta nota de investigação foi desenvolvida por Joana Cruz Ferreira e António

Leia mais

Nota de Investigação #3. Nota de Investigação #3 TÍTULOS DE IMPACTO SOCIAL (SOCIAL IMPACT BONDS)

Nota de Investigação #3. Nota de Investigação #3 TÍTULOS DE IMPACTO SOCIAL (SOCIAL IMPACT BONDS) Nota de Investigação #3 Títulos de Impacto Social Nota de Investigação #3 TÍTULOS DE IMPACTO SOCIAL (SOCIAL IMPACT BONDS) MARÇO 2014 1 Esta nota de investigação foi desenvolvida em Janeiro de 2014 por

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL. Catalisar um mercado de investimento social em Portugal GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O

GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL. Catalisar um mercado de investimento social em Portugal GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O INVESTIMENTO SOCIAL Reunião de sub-grupo 2 Outubro 2015 GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL Catalisar um mercado de investimento social em Portugal GRUPO DE

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O INVESTIMENTO SOCIAL

GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O INVESTIMENTO SOCIAL GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O INVESTIMENTO SOCIAL Reunião de sub-grupo 3 Outubro 2015 REUNIÃO INTERMÉDIA 7 de Novembro de 2014 GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL O Grupo de Trabalho (GT)

Leia mais

Nota de Investigação #5 CRIAÇÃO DO ECOSSISTEMA DE INVESTIMENTO. Nota de Investigação #5 CRIAÇÃO DO ECOSSISTEMA DE INVESTIMENTO SOCIAL

Nota de Investigação #5 CRIAÇÃO DO ECOSSISTEMA DE INVESTIMENTO. Nota de Investigação #5 CRIAÇÃO DO ECOSSISTEMA DE INVESTIMENTO SOCIAL Nota de Investigação #5 CRIAÇÃO DO ECOSSISTEMA DE INVESTIMENTO Social Nota de Investigação #5 CRIAÇÃO DO ECOSSISTEMA DE INVESTIMENTO SOCIAL MAIO 2014 1 Esta nota de investigação foi desenvolvida em Maio

Leia mais

PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Apoio à Inovação e Empreendedorismo Social

PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Apoio à Inovação e Empreendedorismo Social Alto Minho 2020 : Por uma nova visão territorial das políticas públicas 2014-2020 Inclusão Social & Capital Humano: Que Instrumentos de Financiamento 2014-2020? PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Apoio à Inovação

Leia mais

Portugal Inovação Social

Portugal Inovação Social Portugal Inovação Social Inovação e Empreendedorismo Social no Portugal2020 Filipe Santos Presidente da Portugal Inovação Social II fórum de empreendedorismo social AMP2020 29 de Junho de 2015 Fundação

Leia mais

Nota de Investigação #1 GLOSSÁRIO PARA A ECONOMIA CONVERGENTE. Nota de Investigação #1 GLOSSÁRIO PARA A ECONOMIA CONVERGENTE

Nota de Investigação #1 GLOSSÁRIO PARA A ECONOMIA CONVERGENTE. Nota de Investigação #1 GLOSSÁRIO PARA A ECONOMIA CONVERGENTE Nota de Investigação #1 GLOSSÁRIO PARA A ECONOMIA CONVERGENTE Nota de Investigação #1 GLOSSÁRIO PARA A ECONOMIA CONVERGENTE JANEIRO 2014 1 Esta nota de investigação foi desenvolvida em Janeiro de 2014

Leia mais

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Santa Casa da Misericórdia de Santarém 28 Maio 2015 Tema ENTIDADES PÚBLICAS PORTUGAL 2020 Objetivos

Leia mais

SUBGRUPO #2 CAPACITAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES PARA O IMPACTO E INVESTIMENTO SOCIAL

SUBGRUPO #2 CAPACITAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES PARA O IMPACTO E INVESTIMENTO SOCIAL GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL O Grupo de Trabalho (GT) para o Investimento Social dividiu-se em três subgrupos: (1) Conhecimento e inteligência de mercado, (2) Capacitação das organizações

Leia mais

INOVAÇÃO E INVESTIMENTO SOCIAL OPORTUNIDADES E DESAFIOS NA REGIÃO DO ALTO ALENTEJO

INOVAÇÃO E INVESTIMENTO SOCIAL OPORTUNIDADES E DESAFIOS NA REGIÃO DO ALTO ALENTEJO INOVAÇÃO E INVESTIMENTO SOCIAL OPORTUNIDADES E DESAFIOS NA REGIÃO DO ALTO ALENTEJO Portalegre, 13 de Julho 2015 APRESENTAÇÕES / ESTRUTURA DA SESSÃO Horário Desrição 09:30-10:00 Apresentação dos participantes

Leia mais

Portugal Inovação Social

Portugal Inovação Social Portugal Inovação Social Inovação e Empreendedorismo Social no Portugal2020 Sessão de Divulgação na Região Centro: Penacova novembro de 2015 Alexandra Neves Portugal : Pioneiro na União Europeia na aposta

Leia mais

COMO CAPACITAR AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS PARA SE TORNAREM APTAS PARA RECEBER INVESTIMENTO? Carlos Azevedo carlos@ies-sbs.org Diretor Académico IES- SBS

COMO CAPACITAR AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS PARA SE TORNAREM APTAS PARA RECEBER INVESTIMENTO? Carlos Azevedo carlos@ies-sbs.org Diretor Académico IES- SBS COMO CAPACITAR AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS PARA SE TORNAREM APTAS PARA RECEBER INVESTIMENTO? Carlos Azevedo carlos@ies-sbs.org Diretor Académico IES- SBS ECONOMIA CONVERGENTE ONDE NASCE A INOVAÇÃO SOCIAL?

Leia mais

Investimento Social A visão do Laboratório

Investimento Social A visão do Laboratório Investimento Social A visão do Laboratório António Miguel antonio@ies-sbs.org João Santos joao@ies-sbs.org GREENFEST, OUTUBRO 2015 1. O QUE É O INVESTIMENTO SOCIAL? RESPOSTA ÀS FALHAS DE MERCADO O financiamento

Leia mais

SUBGRUPO #3 MECANISMOS FINANCEIROS PARA A INOVAÇÃO SOCIAL E INCENTIVOS PARA ATRAIR NOVAS FONTES DE CAPITAL PARA O SETOR

SUBGRUPO #3 MECANISMOS FINANCEIROS PARA A INOVAÇÃO SOCIAL E INCENTIVOS PARA ATRAIR NOVAS FONTES DE CAPITAL PARA O SETOR GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL O Grupo de Trabalho (GT) para o Investimento Social dividiu-se em três subgrupos: (1) Conhecimento e inteligência de mercado, (2) Capacitação das organizações

Leia mais

Nota de Investigação #4. Nota de Investigação #4 APTIDÃO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL

Nota de Investigação #4. Nota de Investigação #4 APTIDÃO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL Nota de Investigação #4 APTIDÃO para O INVESTIMENTO Social Nota de Investigação #4 APTIDÃO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL ABRIL 2014 1 Esta Nota de Investigação foi desenvolvida em Abril de 2014 por Joana

Leia mais

Startups na UE. Startups na UE. Da idealização à concretização

Startups na UE. Startups na UE. Da idealização à concretização Startups na UE Da idealização à concretização 1 DO QUE TRATAMOS HOJE? Subvenções, instrumentos financeiros e outros mecanismos que potenciem a criação e o reconhecimento de startups. As novas empresas,

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional são uma forma eficiente

Leia mais

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo FUNDAÇÃO AEP Fomentar uma verdadeira cultura de empreendedorismo, da valorização e dignificação do papel social do empresário e da modernização

Leia mais

Relatório de Gestão 2014

Relatório de Gestão 2014 Relatório de Gestão 2014 Índice I. Introdução...3 II. Actividade...4 Eixos de ação... 4 Governação Integrada... 4 Liderança Servidora... 4 Participação e cidadania... 4 Empregabilidade solidária... 4 Migrações

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Nota de Investigação #7 CROWDFUNDING E INVESTIMENTO SOCIAL. Nota de Investigação #7 CROWDFUNDING E INVESTIMENTO SOCIAL

Nota de Investigação #7 CROWDFUNDING E INVESTIMENTO SOCIAL. Nota de Investigação #7 CROWDFUNDING E INVESTIMENTO SOCIAL Nota de Investigação #7 CROWDFUNDING E INVESTIMENTO SOCIAL Nota de Investigação #7 CROWDFUNDING E INVESTIMENTO SOCIAL SETEMBRO 2014 1 Esta nota de investigação foi desenvolvida em Setembro de 2014 por

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Social Europeu são uma forma eficiente e sustentável de investir no crescimento

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

Grupo de Trabalho Português para o Investimento Social

Grupo de Trabalho Português para o Investimento Social Grupo de Trabalho Português para o Investimento Social Resumo da primeira reunião da Equipa de Trabalho 2 Capacitação das organizações para o impacto e investimento social Contacto para questões sobre

Leia mais

II Fórum de Empreendedorismo Social AMP 2020 Inovação Social e a Criação de Emprego

II Fórum de Empreendedorismo Social AMP 2020 Inovação Social e a Criação de Emprego II Fórum de Empreendedorismo Social AMP 2020 Inovação Social e a Criação de Emprego Luís Sousa, GRACE em representação da BioRumo 30 de Junho, Fundação Doutor António Cupertino de Almeida, Porto Maio 2012

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Edição 2011 Uma iniciativa desenvolvida com o apoio da Caixa Geral de Depósitos, da Fidelidade Mundial e da Império

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais.

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais. QUEM SOMOS O Business Angels Club de Lisboa é constituído por um grupo de pessoas ligadas há mais de 20 anos ao mundo empresarial e ao empreendedorismo com larga experiência no desenvolvimento e triagem

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL Ponte de Lima, 27 Junho 2015 www.hqnstrategyconsulting.com 1 PLANO REGIONAL DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL O desenvolvimento de um Plano Regional para

Leia mais

A INICIATIVA PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL NO PORTUGAL 2020

A INICIATIVA PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL NO PORTUGAL 2020 A INICIATIVA PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL NO PORTUGAL 2020 A INICIATIVA PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL NO PORTUGAL 2020 25.632.043.983 Total de Fundos de Estruturais UE (FEEI) para Portugal 42% Fundo Social Europeu

Leia mais

PALESTRA O DESENVOLVIMENTO DO ECOSSISTEMA DE FINANÇAS SOCIAIS NO MUNDO: DA CONCEITUAÇÃO À EXPERIÊNCIA PRÁTICA

PALESTRA O DESENVOLVIMENTO DO ECOSSISTEMA DE FINANÇAS SOCIAIS NO MUNDO: DA CONCEITUAÇÃO À EXPERIÊNCIA PRÁTICA Social Entrepreneurship Initiative Fórum Brasileiro de Finanças Sociais e Negócios de Impacto PALESTRA O DESENVOLVIMENTO DO ECOSSISTEMA DE FINANÇAS SOCIAIS NO MUNDO: DA CONCEITUAÇÃO À EXPERIÊNCIA PRÁTICA

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Progress together. Outubro 2015

Progress together. Outubro 2015 Progress together Outubro 2015 Progress Together O papel que queremos desempenhar na sociedade, enquanto líderes, passa pela forma como nos relacionamos com todos os agentes: comunidade empresarial, sector

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

i9social Social Innovation Management Sobre

i9social Social Innovation Management Sobre i9social Social Innovation Management A inovação social é uma solução inovadora para um problema social, que é mais eficaz, eficiente e sustentável do que as soluções existentes, e a qual incrementa a

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

Cooperação Universidade Empresa

Cooperação Universidade Empresa INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CERIMÓNIA DE ABERTURA DO ANO LECTIVO 2010/2011, DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO, SOB O TEMA «CONTRIBUIÇÃO DO ENSINO

Leia mais

Relatório de Execução do Projeto MENTOR. Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation

Relatório de Execução do Projeto MENTOR. Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation Relatório de Execução do Projeto MENTOR Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation Junho de 2014 Índice Índice... 2 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos... 4 3. Âmbito do

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Apresentação de 4 anos de actividade. DNA Cascais. Apoiamos Empreendedores

Apresentação de 4 anos de actividade. DNA Cascais. Apoiamos Empreendedores Apresentação de 4 anos de actividade DNA Cascais Apoiamos Empreendedores 7 de Fevereiro 27 de Outubro de 2011 de 2010 ECOSSISTEMA EMPREENDEDOR COMO INDUTOR DO TALENTO E DA SUSTENTABILIDADE ECONÓMICA E

Leia mais

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática Investir na ação climática investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020 Ação Climática O que é o novo subprograma LIFE Ação Climática? Em fevereiro de 2013, os Chefes de

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

INaudax incubação 360

INaudax incubação 360 INaudax incubação 360 Incubação Necessidades, Conceitos INaudax Valores, Orientações Etapas, Soluções INCUBAÇÃO necessidades, conceitos Portugal necessita de plataformas para a inovação baseadas no empreendedorismo.

Leia mais

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores?

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores? O que é uma start-up? As empresas que criam modelos de negócio altamente escaláveis, a baixos custos e a partir de ideias inovadoras são normalmente consideradas empresas startups. Concebidas para crescerem

Leia mais

SE CHALLENGE. Ideias e projectos de empreendedores sociais ATREVE-TE A CONCORRER! És interessado, dedicado e comprometido com a transformação social?

SE CHALLENGE. Ideias e projectos de empreendedores sociais ATREVE-TE A CONCORRER! És interessado, dedicado e comprometido com a transformação social? SE SIM És interessado, dedicado e comprometido com a transformação social? Ideias e projectos de empreendedores sociais És um agente de mudança social? Se sim, este concurso é a oportunidade ideal para

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

POTENCIAL DE INOVAÇÃO SOCIAL NO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA. Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa Fevereiro 2015

POTENCIAL DE INOVAÇÃO SOCIAL NO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA. Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa Fevereiro 2015 POTENCIAL DE INOVAÇÃO SOCIAL NO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa Fevereiro 2015 AGENDA 1 Conceptualização sobre Inovação Social 2 Problemas Sociais e Barreiras de Inovação Social

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

BIS - Banco de Inovação Social

BIS - Banco de Inovação Social BIS - Banco de Inovação Social Natureza do BIS Missão do BIS Instrumentos do BIS Iniciativas e Programas do BIS Os Membros do BIS Orgânica Estratégico Executivo MEMBROS MEMBROS 5 Empresários inovadores

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020 PROGRAMA OPERACIONAL INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO 18 de fevereiro de 2015 1 Coesão económica social e territorial Enquadramento Crescimento inteligente sustentável e inclusivo Estratégia Europa 2020 Agenda

Leia mais

Programa de Empreendedorismo Tecnológico

Programa de Empreendedorismo Tecnológico PROGRAMA EIBTnet O QUE É? Programa de Empreendedorismo Tecnológico de apoio ao desenvolvimento, implementação, criação e consolidação de novas empresas inovadoras e de base tecnológica. 1 OBJECTIVOS Facilitar

Leia mais

A Relevância das Empresas Sociais e dos Negócios Sociais. Margarida Couto Lisboa, 26 de Maio de 2015

A Relevância das Empresas Sociais e dos Negócios Sociais. Margarida Couto Lisboa, 26 de Maio de 2015 A Relevância das Empresas Sociais e dos Negócios Sociais Margarida Couto Lisboa, 26 de Maio de 2015 O mundo mudou Com o deflagrar da crise económico-financeira em 2008, as fontes tradicionais de financiamento

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

INOVAÇÃO SOCIAL: TENDÊNCIAS

INOVAÇÃO SOCIAL: TENDÊNCIAS INOVAÇÃO SOCIAL: TENDÊNCIAS A NOSSA VISÃO DA INOVAÇÃO SOCIAL A EVOLUÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL A VIRAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA A ECONOMIA E A INOVAÇÃO SOCIAL Todas as recomendações das instituições

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

GRAIS GRUPO DE REFLEXÃO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO SOCIAL. 27 de janeiro 2015

GRAIS GRUPO DE REFLEXÃO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO SOCIAL. 27 de janeiro 2015 GRAIS GRUPO DE REFLEXÃO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO SOCIAL 27 de janeiro 2015 EVERIS A NOSSA FORMA DE ESTAR Utilizamos o nosso conhecimento adquirido enquanto empresa de consultoria em prol da sociedade

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

MASTER INNOVATION MANAGEMENT SYSTEMS SGS. Duração 112 Horas / 3 meses. Edição 1ª Edição. Calendário outubro dezembro 2015

MASTER INNOVATION MANAGEMENT SYSTEMS SGS. Duração 112 Horas / 3 meses. Edição 1ª Edição. Calendário outubro dezembro 2015 Edição 1ª Edição Calendário outubro dezembro 2015 Duração 112 Horas / 3 meses Regime Pós-laboral e ao sábado MASTER INNOVATION MANAGEMENT SYSTEMS Em parceria com: SGS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS COORDENAÇÃO

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo específico... 3 2. A área

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011 ESPECIAL PMEs Volume III Fundos europeus 2ª parte O Portal de Negócios Rua Campos Júnior, 11 A 1070-138 Lisboa Tel. 213 822 110 Fax.213 822 218 geral@oportaldenegocios.com Copyright O Portal de Negócios,

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos.

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Formada por uma Equipa de Consultores com uma consolidada e diversificada experiência, quer na área

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

Portugal Inovação Social

Portugal Inovação Social Portugal Inovação Social Carla Pedro 7º Seminário Fund Rasing Call to Action Lisboa, 11 de março 2015 A crisis is a terrible thing to waste PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Paul Romer Diogo Vasconcelos (1968 2011)

Leia mais

Institutional Skills Development. Diretrizes para Propostas

Institutional Skills Development. Diretrizes para Propostas Institutional Skills Development Sumário da chamada Público-alvo: instituições públicas e da sociedade civil brasileira, museus de ciência e jardins botânicos Prazo para envio de propostas: 20 de janeiro

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

Guia do Voluntário EDP

Guia do Voluntário EDP Apresentação O presente é uma das três partes distintas do Manual do Voluntariado EDP. O Manual do Voluntariado foi concebido desta forma, conforme o público-alvo a que se destina, para facilitar a sua

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE À IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP. Manual de suporte à implementação da metodologia

MANUAL DE SUPORTE À IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP. Manual de suporte à implementação da metodologia SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP Manual de suporte à implementação da metodologia 1 SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP Manual de suporte à implementação da metodologia FICHA TÉCNICA Identificação do Projeto: Social Hub Fundação

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

AS INSTITUIÇÕES E O DESENVOLVIMENTO LOCAL. Junho 2015

AS INSTITUIÇÕES E O DESENVOLVIMENTO LOCAL. Junho 2015 AS INSTITUIÇÕES E O DESENVOLVIMENTO LOCAL Junho 2015 PROBLEMAS SOCIAIS Objetivos do Milénio Acesso à habitação Reduzida Esperança média de vida Drogas Doenças cardiovasculares Isolamento Mudança Climática

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital Carlos Brazão Fernando Resina da Silva 28-06-2012 1 Quem somos? Uma plataforma das associações e players de referência das TIC, juntos por uma missão para

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES CONSELHO 26.4.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 120/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 22 de abril de 2013 relativa ao estabelecimento de uma Garantia

Leia mais

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas Os Business Angels O contexto de internacionalização das start-ups Os desafios dos BA s e suas participadas Possíveis apoios governamentais Os BA s têm um papel fundamental no desenvolvimento de ideias

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais