O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum"

Transcrição

1 Working Draft Last Modified 30/01/ :09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE / VER Lisboa, 25 de Novembro de 2009

2 LIS-ZXF Missão e enquadramento do projecto Modelo de funcionamento BEM COMUM 2

3 Working Draft Last Modified 30/01/ :09:06 GMT Standard Time Enquadramento Aumento da pobreza e do desemprego, ineficácia do seu combate. Novas formas de sofrimento social, afectando novos grupos sociais. Um desses novos grupos, os desempregados com mais de 40 anos comboa carreira profissional. Um grupo esquecido pelos apoios estatais existentes, cuja situação tem uma dupla agravante: - sofrem de uma incapacidade irremediável, a idade -quando écada vez maior o aumento de expectativa de vida. Uma realidade que desperdiça o trabalho e o saber daqueles que estão numa fase de maturidade e capacidade de contribuir activamente para o desenvolvimento das empresas e do país. Um verdadeiro escândalo de desperdício de valor acumulado de investimento 3

4 Working Draft Last Modified 30/01/ :09:06 GMT Standard Time Enquadramento A ACEGE acredita que a chave para combater a pobreza não são sóos apoios estatais, mas as próprias pessoas e a sua capacidade de empreender e desenvolver novos negócios. Nesse sentido acreditamos que o desemprego não éo fim, pode ser um recomeço. A ACEGE acredita que deve envolver-se no apoio às competências dessas pessoas, proporcionando esse recomeço. Um apoio que não se deve limitar ao apoio assistencial, deve criar as condições para o desenvolvimento futuro e integral de cada um. Um apoio que deve garantir a sustentabilidade e a independência futura de quem é apoiado, mas também de quem apoia, de forma a não hipotecar apoios futuros. 4

5 Working Draft Last Modified 30/01/ :09:06 GMT Standard Time Enquadramento Éneste contexto que a ACEGE se tem vindo a empenhar em três frentes de actuação: 1. Apelo àresponsabilidade social dos empregadores, assegurando a empregabilidade (técnica e humana) dos seus colaboradores 2. Frente Objectivo trabalho, fazendo o encontro entre desempregados e potenciais empregadores 3. Desenvolvimento do Fundo de Capital de Risco Bem Comum 5

6 LIS-ZXF ENQUADRAMENTO DO PROJECTO Com o Fundo a ACEGE pretende atingir os seguintes objectivos: Pedagogia do emprego Estimular desempregados com experiência profissional relevante a desenvolverem projectos empresariais e assim a passarem a ser actores da sua vida e do desenvolvimento de Portugal. Criação de emprego Apoiar os projectos capazes de potenciar o auto-emprego e a criação sustentável de postos de trabalho. Criação de valor Garantir a sustentabilidade da iniciativa, remunerando de forma adequada o capital investido e permitindo o futuro da sociedade de capital de risco. Criação de um fundo de capital de risco orientado a projectos liderados por indivíduos com mais de 40 anos, desempregados. Prestação de serviços de apoio e acompanhamento hands-on aos promotores do projecto alavancando nos recursos humanos e rede de contactos da ACEGE BEM COMUM 6

7 O PROJECTO DA ACEGE DE PROMOÇÃO DO EMPREENDORISMO TERÁ IMPACTOS SOCIAIS IMPORTANTES A DIVERSOS NÍVEIS LIS-ZXF Actividades do projecto Potencial impacto Criação de emprego Apoio continuado no desenvolvimento de negócios sustentáveis e de elevada rentabilidade Criação de postos de trabalho com o primeiro fundo em 5 anos (~15 projectos) Criação indirecta de emprego (estudos apontam para postos de trabalho*) Mobilização de quadros desempregados para a possibilidade de realização de projectos individuais Divulgação poderá atingir ~ desempregados em Portugal com mais de 40 anos ensino secundário ou superior Bem Comum tudo feito por todos Pedagogia do emprego Plataforma para partilha de ideias e experiências entre gestores experientes, aspirantes e especialistas Formação de participantes em temas de empreendedorismo e gestão Contribuição esperada de mais de 20 orientadores especialistas em diferentes áreas de gestão Prestação de apoio e material introdutório ao desenvolvimento de novos negócios a um potencial universo de ~1.000 candidatos Encaminhamento de potenciais empreendedores não financiados para outras alternativas de financiamento Financiamento e viabilização de projectos Criação de valor Financiamento de projectos de negócio com elevado potencial de rentabilidade, seleccionados através de um processo rigoroso Contribuição para a economia (EBIT) de mil euros/ano * Aplicando o multiplicador 0,8 (multiplicador do trabalho indirecto do sector dos serviços nos EUA) Fonte: Banco de Portugal; INE; Economic Policy Institute ( Updated economic multipliers for the US economy 2003 ); Análise da Equipa de Projecto BEM COMUM 7

8 LIS-ZXF MISSÃO, ÂMBITO E FINANCIAMENTO DO PROJECTO Missão e objectivos Âmbito Modelo de financiamento Missão: promover a criação de condições efectivas que permitam transformar quadros médios e superiores desempregados em empreendedores, alavancando na experiência dos associados da ACEGE e na sua disponibilidade de apoio ao bem comum Objectivo da iniciativa: promover a criação de emprego através da dinamização da iniciativa privada de desempregados financiando as necessidades de capital e desenvolvendo a capacidade de empreendedorismo Alvo: indivíduos desempregados com mais de 40 anos com bom curriculum profissional e características pessoais orientadas ao empreendedorismo Sectores: todos os sectores com preferência por projectos pouco intensivos em I&D (time-tomarket inferior a 1 ano) e com alguma componente diferenciadora projectos pouco inovadores e/ou financiáveis pela banca tenderão a ser rejeitados (restauração, pequeno comércio, etc.) Dimensão e natureza dos projectos: criação de empresas suportadas por investimentos de pequena-média dimensão ( mil euros) p.ex., serviços às empresas, ambiente, saúde, comércio especializado/inovador Meios financeiros: fundo de capital de risco no montante de 2,5 milhões de euros Fórmula de financiamento: entrada no capital social do projecto sem exigência de garantias reais, numa lógica de sociedade com o promotor, detendo até 80-90% do capital social Objectivos do fundo: maximização da taxa de sucesso dos projectos (sem prejuízo da rentabilidade do fundo) de forma a assegurar a efectiva criação de emprego BEM COMUM 8

9 A PROPOSTA DE VALOR DA ACEGE É DISTINTIVA FACE A OUTRAS ALTERNATIVAS EXISTENTES NO MERCADO LIS-ZXF Alvo de investimento Projectos em qualquer sector criados de raiz por indivíduos com mais de 40 anos Lógica de financiamento Partilha de risco com o promotor, com o objectivo de garantir o sucesso do projecto e não de maximizar o retorno do fundo Serviços prestados Apoio e aconselhamento permanentes aos promotores através de uma rede de pessoas e instituições com grande experiência em diversas áreas de gestão Claramente distintivo face a outras ofertas de capital de risco públicas ou privadas Operadores profissionais de capital de risco orientados a projectos de grande dimensão Programas públicos tendencialmente orientados a projectos de base tecnológica Fundos das universidades orientados a projectos saídos das suas próprias estruturas Lógica social distintiva face ao crédito bancário e a instituições privadas de capital de risco Operadores profissionais orientados à maximização do retorno do capital Bancos exigem garantias reais e prestações regulares de capital e juros Amplitude e qualidade da rede ACEGE sem comparação no mercado Português Operadores de capital de risco não concedem formação específica Universidades não têm acesso ao âmbito de competências de gestão da rede ACEGE Banca comercial e Estado não estão vocacionados para apoio à gestão BEM COMUM 9

10 LIS-ZXF Missão e enquadramento do projecto Modelo de funcionamento BEM COMUM 10

11 LIS-ZXF SÍNTESE DO MODELO DE FUNCIONAMENTO Selecção dos projectos Os projectos e os candidatos serão sujeitos a um rigoroso processo de avaliação predefinido, apoiado por membros da ACEGE com track record Orientadores e especialistas em recrutamento de executivos Acompanhamento dos projectos Os promotores terão acesso a formação, apoio especializado (contabilístico, jurídico, etc.) e consultoria de gestão prestados de forma continuada pela Sociedade Gestora, por Orientador designado e por parceiros contratados A monitorização dos projectos será assegurada pelo acompanhamento activo por parte da Sociedade Gestora Modelo de governance O projecto será coordenado por uma Sociedade Gestora profissional, especialmente criada para o efeito, com uma dimensão reduzida e irá alavancar fortemente na rede da ACEGE e em parceiros especializados ao longo das diversas fases do projecto BEM COMUM 11

12 LIS-ZXF O RIGOROSO PROCESSO DE SELECÇÃO DEVERÁ PERMITIR A ESCOLHA DE PROJECTOS VENCEDORES Linhas orientadoras para aprovação de candidaturas Projectos criados de raiz por desempregados com mais de 40 anos Projecto Promotor Formação académica Experiência profissional Competências empreendedoras Pessoal Time-to-market inferior a um ano Breakeven no 2º ano ROIC (rentabilidade do capital investido) Ensino superior ou secundário completo Experiência relevante para o projecto (gestão, sectorial, etc.) Domínio mínimo de ferramentas informáticas Experiência em actividades orientadas para o cliente Capacidade de liderança e comunicação Orientação a resultados Disponibilidade para trabalhar em equipa e partilhar tomada de decisão Capacidade para contribuir financeiramente (fundos próprios ou de terceiros) para o projecto Sólidas referências profissionais Avaliação por voluntários da ACEGE com track record Avaliação por especialistas em recrutamento de executivos Fonte: Entrevistas; Banco de Portugal; Análise da Equipa de Projecto BEM COMUM 12

13 AO LONGO DA SUA PREPARAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO, O PROJECTO CONTARÁ COM O APOIO DE DIVERSAS ENTIDADES Parceiros do projecto LIS-ZXF Natureza do apoio Construção e manutenção da infra-estrutura de IT de suporte ao projecto Avaliação dos promotores ao longo das diversas vagas de candidaturas Desenvolvimento da estratégia de comunicação Preparação de eventos e materiais promocionais Constituição do Fundo e da Sociedade Gestora Apoio jurídico à Sociedade Gestora ao longo do projecto Estudo de viabilidade e plano de implementação da iniciativa BEM COMUM 13

14 LIS-ZXF INVESTIDORES FUNDO BEM COMUM BEM COMUM 14

Com o Apoio de. Comissão de Coordenaçã e Desenvolvimento Regional do Centro

Com o Apoio de. Comissão de Coordenaçã e Desenvolvimento Regional do Centro OPEN Centro de Incubação de Oportunidades de Negócio Processo de Admissão de Utentes e Modelo de Incubação Centimfe, 2 de Março de 2005 Missão da OPEN Contribuir para a promoção da inovação e do emprego,

Leia mais

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial.

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial. PROGRAMA FINICIA POTENCIAR TALENTOS O tem por missão promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade e da produtividade das empresas,

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Quem Somos. www.microcredito.com.pt

Quem Somos. www.microcredito.com.pt Com o Apoio : Quem Somos Fundada em 1998, a ANDC Associação Nacional de Direito ao Crédito é uma associação sem fins lucrativos, pioneira na implementação do Microcrédito em Portugal. Foi criada com o

Leia mais

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014 MBA Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é um curso de pós-graduação desenvolvido pela Escola Superior de Ciências Empresariais

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo A Bolsa de Ideias CAIE (BI) é uma iniciativa desenvolvida pelo Projecto CAIE Centro de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo, financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL. Esta iniciativa

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Rua Comendador Raínho, 1192, 3700-231 S. João da Madeira Tlf.: +351 256 826 832/ 234 Fax: +351 256 826 252 geral@amrconsult.com www.amrconsult.

Rua Comendador Raínho, 1192, 3700-231 S. João da Madeira Tlf.: +351 256 826 832/ 234 Fax: +351 256 826 252 geral@amrconsult.com www.amrconsult. 1 s & amrconsult 2010 2 1- Enquadramento: No último estudo realizado pelo INE sobre em Portugal, conclui-se que Portugal é o terceiro país da EU com taxa de criação de empresas mais elevada (14,2%). No

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE Bruno Nunes brunonunes@anje.pt www.anje.pt 14 de Dezembro Gouveia 1ª Encontro de Jovem Produtor de Queijo da Serra da Estrela ANJE Introdução O que é: Associação

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Lisboa, Junho de 2014 Artigo 1º Âmbito A Incubadora StartUp Lisboa Comércio resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Montepio Geral, o IAPMEI

Leia mais

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 O parceiro das PME 2 Missão Visão Produtos e Serviços Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

Ser empreendedor em Portugal é ser:

Ser empreendedor em Portugal é ser: Ser empreendedor em Portugal é ser: Um pouco louco; Muito curioso; Muito persistente; Capaz de arriscar de forma sustentada; É ter noção das limitações do mercado nacional e das potencialidades do mercado

Leia mais

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO O Prémio do Jovem Empreendedor é um projecto da Câmara Municipal da Boa Vista, em parceria com a Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO CONSIDERANDO: A Portaria n^ 985/2009, de 4 de Setembro, criou o Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE),

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt 28 Fev 2008 LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 000 www@inescporto.pt www.inescporto.pt José

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Banca, Seguros e Mercados Financeiros

Banca, Seguros e Mercados Financeiros Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Vasco da Gama Sines Tecnopolo Pós-Graduação Banca, Seguros e Mercados Financeiros Edital 2ª Edição 2011 1 Enquadramento A Escola Superior

Leia mais

MBA - Executivo. Edital 2ª Edição 2013-2014

MBA - Executivo. Edital 2ª Edição 2013-2014 MBA - Executivo Edital 2ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 Enquadramento e Objectivos O MBA Executivo é uma realização da Escola Superior de Ciências Empresariais, do Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

ANDC. www.microcredito.com.pt

ANDC. www.microcredito.com.pt MICROCRÉDITO: uma ideia inovadora inclusão através da via económica Prof. Muhammad Yunus Associação Nacional de Direito ao Crédito Missão: Fomentar a inserção social e a autonomia de pessoas sem acesso

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais ÍNDICE CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS... 3 OBJECTIVOS...

Leia mais

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Plataforma Nacional de Ensaios Clínicos Lançamento Oficial Lisboa, 20 de Março 2012 Paula Martins de Jesus Grupo de Trabalho de Investigação Clínica

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO ECONOMIA VERDE REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO ECONOMIA VERDE REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO ECONOMIA VERDE REGULAMENTO A Câmara Municipal de São Lourenço dos Órgãos, o Centro de Juventude de São Lourenço dos Órgãos, a Direção Nacional do Ambiente MAHOT e a Agência

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo FUNDAÇÃO AEP Fomentar uma verdadeira cultura de empreendedorismo, da valorização e dignificação do papel social do empresário e da modernização

Leia mais

Núcleo de Estudantes Voluntários - FEP. A Nova Organização do NEV

Núcleo de Estudantes Voluntários - FEP. A Nova Organização do NEV Núcleo de Estudantes Voluntários - FEP A Nova Organização do NEV Consideramos que existe um grande potencial no NEV! Por isso propomos algumas novidades, relacionadas com a organização do NEV, no sentido

Leia mais

Apresentação de 4 anos de actividade. DNA Cascais. Apoiamos Empreendedores

Apresentação de 4 anos de actividade. DNA Cascais. Apoiamos Empreendedores Apresentação de 4 anos de actividade DNA Cascais Apoiamos Empreendedores 7 de Fevereiro 27 de Outubro de 2011 de 2010 ECOSSISTEMA EMPREENDEDOR COMO INDUTOR DO TALENTO E DA SUSTENTABILIDADE ECONÓMICA E

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

A PMConsultores, é uma trusted advisor, empenhada em ser um agente de valor acrescentado e elemento diferenciador para a competitividade das PMEs.

A PMConsultores, é uma trusted advisor, empenhada em ser um agente de valor acrescentado e elemento diferenciador para a competitividade das PMEs. Parcerias com valor A PMConsultores, é uma trusted advisor, empenhada em ser um agente de valor acrescentado e elemento diferenciador para a competitividade das PMEs. A nossa equipa de consultores é especialista,

Leia mais

1 - Rádio Ocidente.pt, 29-10-2010, Mais de cem empresas criadas pela DNA Cascais desde 2006. 2 - Diário Económico, 28-10-2010, A não perder

1 - Rádio Ocidente.pt, 29-10-2010, Mais de cem empresas criadas pela DNA Cascais desde 2006. 2 - Diário Económico, 28-10-2010, A não perder Revista de Imprensa 08-11-2010 DNA 1 - Rádio Ocidente.pt, 29-10-2010, Mais de cem empresas criadas pela DNA Cascais desde 2006 2 - Diário Económico, 28-10-2010, A não perder 3 - Diário Económico, 28-10-2010,

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais.

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais. QUEM SOMOS O Business Angels Club de Lisboa é constituído por um grupo de pessoas ligadas há mais de 20 anos ao mundo empresarial e ao empreendedorismo com larga experiência no desenvolvimento e triagem

Leia mais

Passaporte para o Empreendedorismo

Passaporte para o Empreendedorismo Passaporte para o Empreendedorismo Enquadramento O Passaporte para o Empreendedorismo, em consonância com o «Impulso Jovem», visa através de um conjunto de medidas específicas articuladas entre si, apoiar

Leia mais

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo. Auditório do Centimfe Marinha Grande

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo. Auditório do Centimfe Marinha Grande Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo Auditório do Centimfe Marinha Grande 02 de Março de 2005 O que é o negócio do Capital de Risco O Capital de Risco e o Crédito Bancário

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Soluções com valor estratégico

Soluções com valor estratégico Soluções com valor estratégico Contexto O ambiente económico e empresarial transformou-se profundamente nas últimas décadas. A adesão de Portugal à U.E., a adopção do euro e o mais recente alargamento

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental SUMÁRIO EXECUTIVO Optimização das políticas públicas de apoio ao empreendedorismo e inclusão social: estudando o acesso dos microempreendedores às medidas de promoção do auto-emprego 2 Sumário Executivo

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA A AMI é uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, privada, independente, apolítica e sem fins

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2014

Volta de Apoio ao Emprego 2014 Volta de Apoio ao Emprego 2014 Apoios ao Empreendedorismo 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3.O Ninho de Empresas de Loulé 2014-10-23

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

Microcrédito Damos Rumo à Vida

Microcrédito Damos Rumo à Vida Microcrédito Damos Rumo à Vida 1 Microcrédito no Millennium bcp O Microempreendedor e o seu perfil Empreendedorismo Dar Rumo à Vida Resultados Conclusões 2 Microcrédito no Millennium bcp Responsabilidade

Leia mais

Cidades Solidárias que Futuro?

Cidades Solidárias que Futuro? Cidades Solidárias que Futuro? Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Departamento de Empreendedorismo e Economia Social Lisboa, 26 de Novembro de 2010 Dr. António Santos Luiz Vice-Provedor da Santa Casa

Leia mais

BIS - Banco de Inovação Social

BIS - Banco de Inovação Social BIS - Banco de Inovação Social Natureza do BIS Missão do BIS Instrumentos do BIS Iniciativas e Programas do BIS Os Membros do BIS Orgânica Estratégico Executivo MEMBROS MEMBROS 5 Empresários inovadores

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento EDITAL Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento A difusão de informação e do conhecimento tem um papel fundamental na concretização de projectos inovadores e com grande

Leia mais

Medidas de apoio à inovação

Medidas de apoio à inovação Medidas de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Rede INOVAR The Portuguese Agro, Food and Forest Innovation Network Rede

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

O Conceito de Cluster

O Conceito de Cluster O Conceito de Cluster Conjunto de empresas, relacionadas entre si, que desenvolvem competências específicas, formando um pólo produtivo especializado e com vantagens competitivas. Antecedentes As empresas

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

Urbana. Urbana. Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 16 Nov 2010. Nuno Vitorino

Urbana. Urbana. Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 16 Nov 2010. Nuno Vitorino Inicia&va Iniciativa JESSICA JESSICA Financiamento Financiamento de de Projectos Projectos Sustentáveis Sustentáveis de Reabilitação de Reabilitação Nuno Vitorino Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 JESSICA

Leia mais

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

MBA especialização em GesTão De projectos

MBA especialização em GesTão De projectos MBA especialização em GESTão DE projectos FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA

Leia mais

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à Criação do Próprio Emprego e de Empresas 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

a)conteúdos do site e redes sociais Do Something (notícias, artigos, dicas de acção, etc.)

a)conteúdos do site e redes sociais Do Something (notícias, artigos, dicas de acção, etc.) GESTOR (A) DE COMUNICAÇÃO E IT DO PROJECTO DO SOMETHING Responsabilidades do Gestor(a) de comunicação e IT do Do Something: -Produzir, supervisionar e gerir diariamente todos os conteúdos do Do Something,

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A.

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Ficha de Produto Tipo de Produto: Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização Produto: Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Objectivo: Contribuir para o progresso

Leia mais

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS POWER-RH Gestão estratégica a de mudança organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS PARA EMPRESAS - A Power-rh Somos peritos em gestão estratégica de mudança organizacional e desenvolvimento humano.

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

O crescimento começa nas cidades

O crescimento começa nas cidades O crescimento começa nas cidades Fundo JESSICA Portugal: Balanço e Futuro 3 de junho de 2014 Nuno Vitorino Secretário-Geral - JHFP 03/06/2014 Apresentação do Modelo de Governação JESSICA HFP 1 Enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS Artigos: 1º OBJECTIVOS São objectivos do Concurso : a) Estimular o empreendedorismo qualificado e inovador junto da comunidade empresarial e académica da região Norte, Centro

Leia mais

O programa assenta em três eixos determinantes:

O programa assenta em três eixos determinantes: São vários os estudos europeus que apontam para um défice crescente de recursos especializados nas tecnologias de informação. Só em Portugal, estima-se que estejam atualmente em falta 3.900 profissionais

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

[objetivo do Projeto]

[objetivo do Projeto] [objetivo do Projeto] objetivo geral: Combater o elevado desemprego jovem que representa já mais de 35% dos jovens, sendo que 13,5% nem trabalha nem estuda. [objetivo do Projeto] objetivo específico: A

Leia mais

REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE

REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE REGULAMENTO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA AO PRÉMIO IDEIAS EM GRANDE ARTIGO I - INTRODUÇÃO O projeto Sem Fronteiras: formar, agir e empreender ( Behind the threshold. Improving migrants integration through

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Concurso de Ideias e Projectos

Concurso de Ideias e Projectos Concurso de Ideias e Projectos Regulamento Promotor Colaboração Apoios CONCURSO DE IDEIAS E PROJECTOS EMPREENDEDORISMO COMÉRCIO E SERVIÇOS Regulamento Art. 1º - Entidade Promotora O concurso de ideias

Leia mais