GENTE COM FIBRA PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GENTE COM FIBRA PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2009 1"

Transcrição

1

2 GENTE COM FIBRA PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

3 Este Relatório refere-se ao Grupo Portugal Telecom em Portugal, sendo que os dados de carácter económico, social e ambiental apresentados resultam da consolidação da realidade das empresas do Grupo. Portugal Telecom, SGPS Sociedade aberta Capital social euros Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e de Pessoa Colectiva n.º Contactos: Abílio Martins Membro do Comité de Sustentabilidade Av. Fontes Pereira de Melo, Lisboa Portugal Tel: Site:

4 Representa um acréscimo de 15% face a 2008 Clientes Internacionais 84% Nacionais16% 170 milhões de euros Investimento na Sociedade de Informação Representa 2,5% dos resultados operacionais 233 milhões de euros Investimento em Investigação e Desenvolvimento Representa um acréscimo de 42% face a milhões de euros Receitas Operacionais Representa um acréscimo de 0,9% face a 2008 Internacional 51,5% Nacional 48,5% milhões de euros EBITDA Representa um acréscimo de 0,9% face a milhões de euros Investimento Representa um acréscimo de 2% face a % Redução Emissões de CO2 Face a 2008

5

6 Notas metodológicas A apresentação deste relatório obedece aos seguintes critérios: Global Reporting Initiative O relatório de sustentabilidade empresarial da Portugal Telecom é elaborado de acordo com as directrizes da Global Reporting Initiative, G3, no nível A+. O índice referente aos indicadores da GRI encontra-se no final deste relatório e identifica o cumprimento dos requisitos que o nível exige, relativamente ao perfil e indicadores de desempenho e inclui ainda os indicadores relacionados com o sector das telecomunicações. Período da informação disponibilizada Este relatório contém dados relativos ao perfil da PT durante o ano de A PT publica anualmente o relatório de sustentabilidade empresarial a par do relatório e contas consolidadas, sendo que a última publicação refere-se ao ano de Âmbito do relatório A informação disponibilizada refere-se predominantemente à actuação da PT em Portugal, onde o Grupo detém participações superiores a 50%. Estrutura e informação disponibilizadas A estrutura e informação disponibilizadas neste relatório constituem um acto de transparência e partilha da PT para com os stakeholders, evidenciando as metas atingidas e as políticas adoptadas no sentido de garantir a sustentabilidade do negócio a longo prazo e, deste modo, responder às questões colocadas pelo mercado, especialmente pela comunidade financeira (investidores e analistas) a nível nacional e internacional. A identificação dos assuntos materiais da gestão sustentada da PT, que está integrada neste relatório, foi realizada em conformidade com a análise da informação recebida dos nossos stakeholders, através dos respectivos canais de comunicação e de uma consulta por amostragem. Auditoria e veracidade dos dados apresentados Este relatório é sujeito a um processo de verificação da totalidade da informação nele incluída, em linha com as directrizes da GRI, no que respeita à credibilidade e qualidade do conteúdo e à orientação da auditoria por parte de uma entidade externa e independente. Critérios utilizados na apresentação dos dados económicos, sociais e ambientais Os dados apresentados têm origem nos sistemas de informação do Grupo e têm por base as Normas Internacionais de Contabilidade IFRS, o sistema fiscal, a legislação do direito do trabalho e do ambiente, os princípios de conduta adoptados pelo Grupo e as directrizes da GRI. Sugestões de aperfeiçoamento Este relatório incorpora as sugestões de aperfeiçoamento que nos são transmitidas através do canal aberto para esse efeito em Contribua também. PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2009

7 3 NOTAs METOdolóGICAs 10 MensAGEM do PresidENTE Executivo CRIAR Valor de longo PRAzo 16 DESEMPEnho integrado DO ano 22 impactes na SOCiEDADE 27 Prémios e RECOnhecimenTOS 28 ObjECTivos e OPORTUniDADES DO negócio valorizar Gestão ÉTICA e ResPONsável 34 ESTRATégia DE SUSTEntabiliDADE 37 PolítiCAS DE GESTão 41 MODELO DE Governo 49 GESTão DE riscos e OPORTUniDADES 52 Compliance ValORIzar OS NEGÓCIOS 56 InvESTigação e DESEnvolvimento 61 PARCERias ValORIzar O AMBIENTE 66 PolítiCAS e DESEMPEnho AmbienTAL 72 CombATE às ALTERAções ClimátiCAS ValORIzar OS CLIENTES 76 RELACionAMEnto COM OS CLienTES 82 RESPEito PELA PRivaciDADE DOS CLienTES 83 SEGURAnça e PROTECção RELATivAMEnte a COnteúDOS ValORIzar OS COLABORADORES 86 MODELO InTEGRADO DE GESTão DE RECURSOS humanos 94 ATRACção e RETEnção DE TALEnto 95 RESPOnsabiliDADE SOCial interna 97 SEGURAnça e SAúde no TRAbalho ValORIzar OS FORNECEDORES 102 PERFil DOS FORnECEDORES 104 AlinhAMEnto ESTRATégico 106 verificação DE FORnECEDORES ValORIzar A SOCIEDADE 110 SociEDADE DA informação InCLUSão e literacia digital 117 RESPOnsabiliDADE Social Fundação PT 121 voluntariado 124 GRI 133 declaração de verificação

8 PORTUGAL TELECOM PortugaL Receitas (milhões de euros) Rede fixa Retalho, voz e dados para grandes empresas, ISP e banda larga [PT Comunicações 100%] milhões de euros Voz e dados para PME [PT Prime 100%] Móvel TMN 100% milhões de euros Principais activos internacionais Receitas (milhões de euros) Vivo 29,71% brasil Móvel Unitel 25% (*) Angola Móvel CTM 28% Macau Fixo, móvel 219 MTC 34% (*) namíbia Móvel 124 CVT 40% (*) Cabo Verde Fixo, móvel 71 Timor Telecom 41,12% Timor Fixo, móvel 35 CST 51% (*) São Tomé e Príncipe Fixo, móvel 12 UOL 28,78% brasil isp, conteúdos e internet n/d (*) Estas participações são detidas pela Africatel, a qual é controlada em 75% pela PT. empresas instrumentais Serviços de sistemas e TI [PT Sistemas de Informação 100%]; Inovação, investigação e desenvolvimento [PT Inovação 100%]; Serviços administrativos e de gestão partilhada [PT PRO 100%]; Serviços de negociação [PT Compras 100%]; Call centres e serviços de telemarketing [PT Contact 100%]; Gestão de fundos de pensões [Previsão 82,05%] PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

9 PORTUGAL TELECOM PORTUGAL CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE CVT Fixo, móvel, internet e dados Directel Cabo Verde Directórios BRASIL ANGOLA NAMÍBIA Vivo Móvel UOL ISP, conteúdos internet Dedic Serviços call centre CST Fixo, móvel, internet e dados MTC Móvel

10 HDT Operação VSAT Kenya Postel Directories Directórios HUNGRIA QUÉNIA MOÇAMBIQUE MACAU TIMOR Macau [RAEM-China] CTM Fixo, móvel, internet e dados Directel Macau Directórios Timor Telecom Fixo, móvel, internet e dados Unitel Móvel Elta Directórios Multitel ISP e dados LTM Directórios Teledata ISP e dados

11 MENSAGEM DO PRESIDENTE EXECUTIVO O ano que passou, e cujo percurso partilharei agora convosco, foi rico em concretização de metas e na preparação da empresa para enfrentar o futuro próximo. Os investimentos na progressiva cobertura do país com fibra óptica, a criação de plataformas de sinergias com as operações internacionais, o enfoque na melhoria de relacionamento com clientes, o sucessivo alinhamento da cadeia de valor com a sustentabilidade ambiental e com os princípios relacionados com direitos humanos, a manutenção do emprego directo e indirecto e a certificação energética dos edifícios foram os pilares da sustentabilidade da nossa empresa durante Os motivos que nos últimos anos garantiram o nosso sucesso já não bastam. O contexto que vivemos é adverso e a crise económica e social está generalizada. Por isso, na PT, continuámos a procurar fazer de cada obstáculo uma oportunidade e convictamente traçámos um rumo para o triénio que se avizinha. O nosso principal compromisso é o de fazer crescer os negócios, contribuindo para valorizar os nossos accionistas e a sociedade onde estamos inseridos. Mesmo sabendo que atravessamos momentos difíceis e que o mundo que nos rodeia está a sofrer grandes mudanças, continuamos a querer ser parte activa na construção dessa mudança e continuar a merecer a confiança de todos. Acreditamos que a gestão eficaz e sustentável dos negócios tem constituído o suporte da nossa liderança, da capacidade de investir no futuro, de inovar e de respeitar as expectativas dos nossos stakeholders. Acreditamos também que esta capacidade é uma vantagem competitiva que nos diferencia e que nos incute, a cada dia, uma maior responsabilidade. 10 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2009

12 Por isso, temos metas muito ambiciosas para o próximo triénio, quer no que se relaciona com o crescimento dos negócios, dos clientes, do investimento e do emprego, quer no que se relaciona com a atitude e a conduta com que iremos nortear esta actuação. Assumimos também o compromisso de nos tornarmos uma referência na área da sustentabilidade no próximo triénio: ética, direitos humanos, inovação, eficiência energética e responsabilidade social serão os principais focos de intervenção e aperfeiçoamento. A assinalar os novos desafios criámos uma nova marca e adaptámos a identidade gráfica da empresa. Na construção da nova marca, envolvemos os nossos stakeholders e agregámos a herança do passado, baseada na solidez e na confiança, a um futuro jovem, moderno e inovador. Quisemos, também deste modo, simbolizar o novo ciclo na vida da empresa. Em linha com a actual conjuntura, actualizámos o nosso Código de Ética As relações entre os vários públicos são necessariamente afectadas pela actual conjuntura socioeconómica. Conscientes desta realidade, resolvemos consultar alguns dos nossos stakeholders e conhecer a valorização que cada um atribui aos temas relacionados com a sustentabilidade. A ética e a satisfação no relacionamento foram os temas mais valorizados. O Código de Ética da PT norteia a actuação dos colaboradores da empresa e reflecte a personalidade do inter-relacionamento que mantemos com a sociedade em geral. Para reforçar este compromisso, em 2009 actualizámos o Código de Ética. Adaptámos os seus conteúdos e demos maior especificidade a aspectos relacionados com a mitigação de conflitos com partes interessadas e com os direitos humanos. Trabalhamos a acreditar que a desmaterialização do quotidiano tem efeitos positivos na pegada de carbono Os desafios que as alterações climáticas continuam a colocar levaram-nos a prosseguir com o nosso programa de eficiência energética e a colocá-lo à disposição das subsidiárias a nível internacional: à aquisição de equipamentos de menor dependência energética, a utilização de energia foto-voltaica nas antenas e sistemas de climatização mais eficientes nas áreas técnicas estiveram entre algumas das medidas implementadas e que progressivamente contribuirão para racionalizar a pegada de carbono da nossa empresa. Reduzimos em 21% as nossas emissões de CO2. Mas não ficámos por aqui. Os nossos clientes também podem beneficiar a pegada de carbono utilizando as funcionalidades proporcionadas pelos serviços que já disponibilizamos através da banda larga e da fibra óptica (em que fizemos investimentos avultados para garantir uma cobertura significativa do país). Factura electrónica, soluções adaptadas à área da saúde e da segurança de pessoas e bens e a disponibilização de conteúdos online para fomentar a sensibilização às melhores práticas nestes domínios são exemplos do que fazemos e que geram impactes positivos na preservação do ambiente, com efeitos directos na redução do consumo de papel e de meios de transporte terrestres e/ou aéreos. PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

13 MENSAGEM DO PRESIDENTE EXECUTIVO Estamos empenhados em contribuir para o bem-estar social Sabemos que vivemos tempos de mudança e de descontinuidade e que é crucial o envolvimento com todos os stakeholders no processo de construção de um futuro equilibrado e de bem-estar social. É um desígnio que encaramos com empenho e elevado sentido de responsabilidade sobretudo no que se relaciona com os nossos colaboradores, clientes e fornecedores. O crescimento e a fidelização dos nossos clientes dependem em muito da satisfação e do bem-estar dos colaboradores da empresa. Por isso, consolidámos um conjunto de programas de responsabilidade social interna, tendentes a promover o equilíbrio entre o trabalho, o lazer e a família e que incluíram, entre outras, iniciativas de apoio nas áreas da educação e da saúde a famílias de colaboradores com dificuldades económicas temporárias. A estabilidade de emprego foi também mantida em contra-ciclo com o que se verificou no panorama nacional. Decidimos reforçar os valores inerentes aos direitos humanos e do trabalho, estendê-los à nossa cadeia de valor, e prepararmos as principais empresas do grupo para, em 2010, se candidatarem à certificação na norma internacional de responsabilidade social SA Atendemos aos apelos de alguns clientes, que atravessam fases de desemprego com forte impacto no respectivo orçamento familiar, e encarámos o facto de termos de criar soluções comerciais que minorem os seus encargos com a facturação dos nossos serviços. Continuámos a acreditar que a via do conhecimento é também a via para um futuro de maior qualidade e, por isso, mantivemos os nossos programas de inclusão digital da população e iniciámos a preparação de um programa de sensibilização à utilização responsável, criteriosa e segura dos serviços e conteúdos disponibilizados através de banda larga. O reconhecimento que recebemos Foi com muita satisfação e com um sentimento de responsabilidade acrescida que recebemos o reconhecimento de entidades externas sobre a incorporação da sustentabilidade na gestão da nossa empresa. Continuámos a fazer parte do FTSE4Good, recebemos o Prémio de Desenvolvimento Sustentável, atribuído pela Heidrick & Struggles e pelo Diário Económico, também recebemos o 1º lugar do sector no Prémio de Cidadania das Empresas e Organizações, atribuído pela PwC e pela AESE e a avaliação do Sam Group à Sustentabilidade Corporativa das empresas atribuiu-nos uma Classe Prata no sector, a nível mundial. O nosso compromisso Temos consciência de que os desafios que enfrentamos e as metas a que nos propomos são ambiciosos. Sabemos também que temos de continuar a encarar a actual conjuntura com a firmeza e a determinação necessárias para transformarmos cada obstáculo numa oportunidade ímpar de construir, todos os dias, um futuro melhor. Estamos empenhados em fazer acontecer. 12 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2009

14 O caminho que já percorremos contou com o envolvimento de todos os que nos rodeiam e com os compromissos que assumimos em conjunto. Gostaria de expressar o meu especial agradecimento a todos os que têm colaborado na construção deste caminho e de convosco partilhar as mudanças, as evoluções e as questões com que nos debatemos ao longo do último ano, através da publicação deste relatório, elaborado de acordo com as directrizes da Global Reporting Initiative e da AA 1000 e que apresenta uma descrição equilibrada do impacte económico, ambiental e social da empresa na sociedade portuguesa. Conte connosco, nós continuamos a contar consigo. Zeinal Bava Presidente Executivo PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

15

16 01 CRIAR VALOR de LONGO PRAZO

17 01 Criar Valor de longo PRAzo As políticas de gestão, as decisões estratégicas tomadas, a concretização das metas do ano e o impacte que estas têm na sociedade são os pilares da sustentabilidade da PT a longo prazo. Por isso, este relatório é um acto de partilha com todos os stakeholders e pretende representar um balanço do desempenho na empresa durante o ano de Desempenho INTEGRAdo do ANO Os pilares estratégicos definidos pela gestão da PT a um horizonte de três anos, contêm objectivos ambiciosos e tendem a contrariar o ciclo conjuntural que a sociedade está a enfrentar. A sustentabilidade é um dos pilares definidos e está subjacente a toda a actividade da empresa. Por isso, em 2009 e rumo aos 5 objectivos estratégicos, atingimos o seguinte perfil: PILARES ESTRATÉGICOS METAS 2011 CLIENTES 100 MILHÕES DE CLIENTES NEGÓCIO INTERNACIONAL 2/3 DAS RECEITAS TOTAIS LIDERANÇA EM TODOS OS SEGMENTOS E GEOGRAFIAS DESEMPENHO 1º QUARTIL SUSTENTABILIDADE REFERÊNCIA ECONÓMICA, AMBIENTAL E SOCIAL 16 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2009

18 CLIENTES 100 MILHÕES DE CLIENTES O QUE FIZEMOS DE NOVO Relacionamento Aperfeiçoamento da plataforma de informação para os Call Centres; Aperfeiçoamento da plataforma de CRM, permitindo um conhecimento mais integrado de cada cliente. Segurança Estabelecimento de um protocolo com a Fundação de Computação Científica Nacional para garantir Segurança Informática e Utilização Segura da Internet. Serviços Criação de um plano de descontos para clientes em situação temporária de desemprego; Acrescemos novas funcionalidades aos serviços de IPTV - VoD, interactividade e personalização. RESULTADOS OBTIDOS Presença em 14 países e 4 continentes ,7 milhões de clientes* milhões de clientes 14,7% de acréscimo do parque de clientes Distribuição do parque de clientes nacional 16% África 12% Brasil 72% Tempo médio de atendimento a clientes Reclamações e avarias) reduziu 17% Índice de satisfação médio dos clientes 7,6% (acréscimo de 4%) *Deduzidos os clientes da Medi Telecom, SA, alienada durante o ano NEGÓCIO INTERNACIONAL 2/3 DAS RECEITAS TOTAIS O QUE FIZEMOS DE NOVO Relacionamento Visitas e reuniões de trabalho frequentes entre a Administração da PT e das empresas subsidiárias a nível internacional. RESULTADOS OBTIDOS Receitas Mercado Doméstico 49% Mercado Internacional 51% Partilha de Boas Práticas Partilha de know-how a nível tecnológico; Sinergias em projectos de inclusão digital da população através da Fundação PT; Partilha de Know how em Eficiência Energética; Levantamento de práticas sustentáveis existentes em cada uma das empresas. PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

19 01 CRIAR VALOR DE LONGO PRAZO DESEMPENHO INTEGRADO DO ANO DESEMPENHO LIDERANÇA 1º EM QUARTIL TODOS OS SEGMENTOS E GEOGRAFIAS O QUE FIZEMOS DE NOVO REconhecimentos obtidos I&D Iniciámos um novo programa de Investigação, Desenvolvimento e Inovação OPEN; Demos formação a colaboradores em técnicas de criação de novas ideias; Aumentámos em cerca de 42% os valores dispendidos em II&D. Serviços Instalámos fibra óptica (FTTH) em cerca de 1 milhão de casas a nível nacional. Comunicação Reformulámos o website corporativo e o portal do Grupo; Criámos uma nova imagem da empresa novo logótipo; Comunicámos com os mercados nacionais e internacionais com uma periodicidade regular e frequente. Captação de Talento Iniciámos um novo programa de recrutamento de jovens licenciados. I&D PT é a empresa que mais investe em II&D a nível nacional de acordo com o Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional (IPCTN). Serviço PT é a empresa a nível europeu que mais incrementou a infra-estrutura em fibra óptica no país durante o ano, de acordo com a FHHT Council e a Eurostat. Comunicação Website da PT em 1º lugar a nível nacional, de acordo com H&H Webranking; Portal Sapo em 1º lugar de acordo com Top Choice Awards na categoria motor de busca Marcas TMN e Sapo ADSL, marcas de Confiança da Europa 2009; PT entre as 500 marcas mais valiosas do mundo, de acordo com a Brand Finance. Captação de talento PT com categoria Ouro nos Top Performers World Awards 2009, nas categorias Melhor Tecnologia Inovadora e Processo de recrutamento em Call Centre. Eficiência Energética Substituímos equipamentos de iluminação e climatização por equipamentos de menor dependência energética e com menor pegada de carbono. Sustentabilidade PT em 1º lugar na categoria Melhor Relação com Investidores de acordo com IR Magazine UK & Continental Europe Awards 2009; 1º lugar do sector, no Prémio de Cidadania das Empresas e Organizações, de acordo com a AESE e PwC; Prémio de Desenvolvimento Sustentável 2009 de acordo com a Heidrick & Struggles e o jornal Diário Económico; PT é Silver Class em Sustentabilidade a nível mundial no sector de acordo com a avaliação da SAM Group. 18 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2009

20 DESEMPENHO 1º QUARTIL O QUE FIZEMOS DE NOVO Resultados obtidos I&D Aumentámos em 42% o valor dispendido em II&D. Crescemos 0,9% em receitas operacionais 6,785 milhões de euros Investimento O investimento efectuado globalmente foi de 745 milhões. Ambiente Reduzimos em 21% das emissões de CO2; Crescemos 18,7% em resultados líquidos 684 milhões de euros Mantivemos um elevado retorno accionista O,575 euros por acção Concluímos a certificação energética dos três edifícios a nível nacional. Clientes Melhorámos em 4% o nível médio de satisfação dos clientes; Reduzimos o tempo médio de atendimento de reclamações e avarias em 17%; Aumentámos em 15% o parque de clientes global; Aumentámos em 23% a quota de mercado de TV por subscrição. Colaboradores Melhorámos em 5% o índice de satisfação dos colaboradores clima organizacional; Recrutámos 128 novos estagiários. Fornecedores Verificámos 52% da base de fornecedores. Comunicação Difundimos 204 Comunicados de Imprensa e realizámos 42 Conferências de Imprensa; Liderámos a notoriedade genérica das marcas comerciais. PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

21 01 CRIAR VALOR DE LONGO PRAZO DESEMPENHO INTEGRADO DO ANO SUSTENTABILIDADE REFERÊNCIA ECONÓMICA, AMBIENTAL E SOCIAL O QUE FIZEMOS DE NOVO Responsabilidade Social Aderimos ao London Benchmark Group; Investimos 0,66% do resultado líquido em iniciativas da Fundação PT; Apoiámos uma ONG numa intervenção médica num país onde temos uma subsidiária e que foi afectado por uma epidemia; Iniciámos um programa de Responsabilidade Social Interna. Segurança Estabelecemos protocolos para garantir segurança informática e de utilização segura de internet; Preparámos e testámos uma iniciativa sobre Comunicar em segurança a ser implementada no próximo ano, por voluntários PT, na comunidade escolar do país; Construir o Futuro Contribuímos com 25% do resultado líquido para a construção da sociedade de informação; Iniciámos um programa de I&D extensível a todos os colaboradores e aumentámos em 42% os valores dispendidos nesta área. REconhecimentos obtidos A nível nacional: 1º lugar do sector no Prémio de Cidadania das Empresas e Organizações; 2º lugar nacional do Prémio de Desenvolvimento Sustentável; Top 10 do Accountability Rating Portugal. A nível internacional: PT permanece listada no DJ Stoxxx e no FTSE4Good; PT é Silver Class do sector, a nível mundial, de acordo com o Yearbook da SAM Group; PT entre as 50 melhores marcas do sector no mundo, de acordo com a Brand Finance. Consulta a Stakeholders Reforçámos o modelo de consulta a stakeholders. Códigos de Conduta Actualizámos o Código de Ética. Preparámos a Política de Sustentabilidade Empresarial e de Responsabilidade Social para ser implementada no próximo ano. Fornecedores Verificámos 52% dos fornecedores relativamente ao nível de alinhamento com as práticas sustentáveis da PT. Ambiente Substituímos equipamentos de iluminação e climatização por equipamentos de menor dependência energética; Instalámos energias alternativas em estações e antenas; Incentivámos a utilização da factura electrónica. Partilha Elaborámos o primeiro levantamento de nível de alinhamento em práticas sustentáveis das subsidiárias a nível internacional. Saúde Implementámos um forte plano de prevenção e combate à pandemia gripal. Comunicação Melhorámos os conteúdos disponíveis no website corporativo da empresa. 20 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2009

22 O modelo de consulta a stakeholders proporcionou também um conjunto de oportunidades estratégicas. Por isso, em 2009 e rumo às oportunidades identificadas na consulta a stakeholders, concretizámos os seguintes novos passos: Oportunidades estratégicas para 2009 resultantes da consulta a stakeholders STAKEHOLDERS OPORTUNIDADES IDENTIFICADAS RESULTADOS CLIENTES E SOCIEDADE Preparação de uma política de sustentabilidade e responsabilidade social da PT, com inclusão específica de aspectos relacionados com direitos humanos e saúde e segurança no trabalho; Preparação de uma iniciativa de sensibilização à utilização segura e responsável de conteúdos electronicamente disponíveis; Aperfeiçoamento das plataformas de interacção com os clientes; Avaliar a oportunidade de estabelecer uma parceria com entidade externa e especializada que contribua para salvaguardar a segurança informática e no acesso a conteúdos. COLABORADORES Preparar linhas de apoio a colaboradores que se encontrem em situações transitórias de dificuldade; Desenvolver um programa de iniciativas de Responsabilidade Social Interna; Dinamizar um programa de Inovação que incentive e envolva todos os colaboradores; Preparar a empresa para se candidatar à obtenção de certificação de acordo com a norma internacional de Responsabilidade Social (SA 8000). COMUNIDADE FINANCEIRA Revitalizar a informação disponibilizada online e por via de contacto directo nos temas considerados mais relevantes por este segmento; Efectuar um levantamento de políticas e práticas sustentáveis nas subsidiárias a nível internacional. FORNECEDORES Aferir o alinhamento entre os fornecedores e a PT nos aspectos considerados de maior relevância e preparar plano de intervenção para possíveis desajustamentos, sobretudo nas áreas ambientais e de direitos humanos; Preparar a PT para se candidatar à obtenção de certificação de acordo com a norma internacional de Responsabilidade Social (SA 8000), que implica a envolvência da respectiva cadeia de valor. MEDIA Revitalizar a informação disponibilizada online e por via de contacto directo nos temas considerados mais relevantes por este segmento. PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

23 01 CRIAR VALOR DE LONGO PRAZO Impactes na sociedade Todos os anos, a PT tem identificado um conjunto de indicadores que permitem enquadrar e contextualizar a performance da empresa no panorama nacional e sectorial, relativamente aos pilares económico, social e ambiental. A aferição destes impactes constitui o suporte e a âncora da gestão sustentável da organização. Impactes em PORTugal e no sector No ano de 2009, em contra-ciclo com a conjuntura de mercado, a PT continuou a ter um impacte crescente e positivo na empregabilidade e no investimento, tanto a nível nacional como sectorial, embora a respectiva percentagem de receitas tenha decrescido ligeiramente no PIB. IMPACTE DA PT NO PAÍS IMPACTE DA PT NO SECTOR 2,68% 2,59% 2,41% 2,09% 80,64% 85,76% 79,23% 54,29% 48,70% 43,14% 0,20% 0,22% PERCENTAGEM DAS RECEITAS PT NO PIB NACIONAL CONTRIBUIÇÃO PARA A EMPREGABILIDADE NACIONAL PERCENTAGEM DO INVESTIMENTO NO TOTAL DE INVESTIMENTOS DO PAÍS PERCENTAGEM DAS RECEITAS NO SECTOR PERCENTAGEM DE COLABORADORES NO SECTOR PERCENTAGEM DO INVESTIMENTO NO SECTOR TX CRESCIMENTO INVESTIMENTO 26,63% 18,57% PT 5,57% 10,08% 3,38% 13,16% -8,12% SECTOR COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS -26,87% Nota: Os dados nacionais relativos ao PIB e formação bruta do capital fixo (FBCF) ou investimento são referentes ao ano de 2008 e a sua fonte é o INE. Os dados do sector são referentes a 2008 e a sua fonte é a ANACOM. 22 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2009

24 Principais indicadores económicos da PT em 2009 Impostos pagos 233,2 milhões de euros Subsídios recebidos 0,949 milhões de euros Pagamentos relacionados com benefícios de reforma 89,6 milhões de euros Índice de satisfação dos clientes aumentou 8,2% Receitas totais do Grupo aumentaram 0,9% Receitas em Portugal reduziram 6% Investigação e desenvolvimento (I&D) sobre os resultados líquidos 31,2% Distribuição de riqueza a fornecedores em Portugal aumentou 8% Distribuição global de riqueza a fornecedores reduziu 3% Criação de valor para os accionistas Receitas operacionais milhões de euros Crescimento de receitas 0,9% Resultado líquido 684 milhões de euros Crescimento do resultado líquido 18,7% EBITDA milhões de euros Crescimento do EBITDA 0,9% Custos operacionais milhões de euros Crescimento dos custos operacionais 1% Distribuição de dividendos a accionistas 0,575 euros por acção Investigação e desenvolvimento aplicado (I&D) e renovação de oferta de serviços* Investimento em Portugal (Capex) 745 milhões de euros Investimento total (Capex) milhões de euros Capex em % das receitas operacionais 18,7% I&D 213,6 milhões de euros * Ver destaques no capítulo Valorizar os negócios. Contribuições para a sociedade Impostos pagos 233,2 milhões de euros Pagamentos relacionados com benefícios de reforma 89,6 milhões de euros Distribuição de riqueza a fornecedores em Portugal aumentou 8% Número de notícias originadas nos OCSs notícias Contributo para a empregabilidade em Portugal 0,22% Contributo do resultado líquido aplicado na comunidade 0,66% Percentagem de utilizadores de banda larga PT 44,5% Salário mais baixo pago pela PT salário mínimo nacional PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

25 01 CRIAR VALOR DE LONGO PRAZO IMPACTES NA SOCIEDADE Eco-eficiência Reduzimos 21% das emissões de CO2 Por cada milhão de euros de receitas operacionais a PT regista: Emissões de CO 2 53,36 ton de CO 2 Reduziu 21% das emissões face ao ano anterior (razões relacionadas com a substituição de equipamentos de iluminação e climatização) Consumo de energia Consumo de água Produção de resíduos Consumo de materiais 599 GJ de energia Aumentou 16% em relação ao ano anteriorr (razões relacionadas com o aumento de subscritores de IPTV) 124,6 m3 de água Aumentou 54% relativamente ao ano anterior (razões relacionadas com o aumento de subscritores de IPTV) 1,4 ton de resíduos Aumentou 41% a produção de resíduos (razões relacionadas com a substituição de equipamentos) 7,8 ton de materiais Reduziu 72% relativamente ao ano anterior (razões relacionadas com maior racionalização) Clientes no centro da organização Presença em 14 países e 4 continentes Parque de Clientes 72 milhões Acréscimo de 14,7% relativamente ao ano anterior Número médio de reclamações por clientes 31,7 Tempo médio de resolução de reclamações e avarias 3,93 dias Reduziu 17% relativamente ao ano anterior Índice de satisfação médio dos clientes (escala de 1 a 10) 7,6 Melhorou 4% relativamente ao ano anterior Captação e retenção de talento Custos e investimentos com os colaboradores 693,2 milhões de euros Custos e investimentos com os colaboradores em percentagem das receitas operacionais consolidadas 10,2% Trainees estagiários das áreas de gestão e áreas tecnológicas integrados no programa 128 Formação acções de formação 46,2 horas de formação por colaborador 3,3 milhões de euros em acções de formação Segurança e Saúde no TrabalhO Beneficiários do sistema de saúde e segurança no trabalho Acidentes de trabalho 184 Avaliação das condições de trabalho 110 Acções de formação em SST 696 Projecto a destacar na área da saúde: Prevenção da pandemia da Gripe H1N1 Iniciativas de prevenção e combate à Gripe H1N1: Campanha de sensibilização sobre os sintomas, as formas de contágio e as medidas de protecção; Instalação de equipamentos de higiene para as mãos; Identificação e vacinação dos grupos de risco colaboradores vacinados, dos quais em grupos de risco; Elaboração de um plano de contingência para todas as áreas da empresa. 24 PORTUGAL TELECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2009

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP 12 de Outubro 2005 Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP Neves de Carvalho EDP Energias de Portugal SA Existe globalmente uma crise de credibilidade nas instituições que

Leia mais

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010 PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom 17 de Junho de 2010 Agenda Missão e História da PT Compras Centralização da Função Compras Modelo de Compras da Portugal Telecom Um Modelo

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT A Responsabilidade Social Corporativa no Contexto da Internacionalização Abril, 2014 AGENDA QUEM SOMOS SUSTENTABILIDADE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Portugal Telecom, SGPS Contactos: Abílio Martins Membro do Comité de Sustentabilidade

Portugal Telecom, SGPS Contactos: Abílio Martins Membro do Comité de Sustentabilidade Este Relatório refere-se ao Grupo Portugal Telecom, em Portugal, sendo que os dados de carácter económico, social e ambiental apresentados resultam da consolidação da realidade das empresas do Grupo. Portugal

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social 7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social Mudança e inovação para novos estilos de vida Exemplos da aplicação dos 10 princípios pelos membros do GCNP - O caso do Ritz Four Seasons Hotel Lisboa - Menú

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2001

Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2001 Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2001 13 de Setembro de 2001 Princípios Contabilísticos Internacionais Síntese do 1º Semestre de 2001 Principais Acontecimentos do 1º Semestre Forte liderança

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Estratégia de Marketing na Comunicação Interna O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Conferência Mercator XXI Lisboa, 7 de Outubro 2004 O papel da comunicação no desenvolvimento dos negócios

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA A Inspira, uma joint-venture formalizada em 2006 entre o grupo Blandy, com sede na Madeira e larga experiência

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 1 / SAMA/ 2009 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) PROJECTOS-PILOTO SUSTENTADOS EM REDES DE NOVA GERAÇÃO OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Sustentabilidade e mercado de capitais Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Brisa e mercado de capitais Título Brisa 2000-2004 Dividendo por acção Cêntimos

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro. Orador: Carla Pinto

Certificar para Ganhar o Futuro. Orador: Carla Pinto Certificar para Ganhar o Futuro Agenda APCER Quem Somos? Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região da Beira Baixa como Mercado com Potencial Acções Previstas Quem Somos Início de actividade em 1996;

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

A excelência ao serviço do cliente

A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE é uma resposta de excelência para as necessidades de empresas, instituições e particulares em tecnologias e soluções de engenharia, energia e

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais