UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico"

Transcrição

1 Unidade Universitária: Escola De Engenharia Curso: Engenharia Produção Disciplina:Cálculo Diferencial E Integral Iii Professor(es): Affonso Sergio Fambrini Eneida Pescadinha Emery De Carvalho Silmara Alexandra Vicente Núcleo Temático: Nucleo De Matemática Código da Disciplina: DRT: Etapa: ª Carga horária: 04 HORAS ( 02 ) Teórica ( 02 ) Prática Semestre Letivo: 1º SEM Ementa: Estudo do cálculo diferencial de funções de duas ou mais variáveis. Análise e representações das funções de duas e três variáveis (domínio, imagem, gráficos, traços, curvas de nível e superfícies de nível). Estudo de limites e continuidade das funções de duas e três variáveis. Cálculo de derivadas parciais, estudo da regra da cadeia para derivar funções compostas de duas ou mais variáveis e busca de compreensão para a derivação das funções implícitas. Resolução de uma equação diferencial exata como aplicação direta do cálculo de derivadas parciais. Estudo e cálculo de: diferencial total, plano tangente, reta normal, derivada direcional, máximos e mínimos simples e condicionados (multiplicadores de Lagrange). Fórmula de Taylor para funções de várias variáveis. Estudo de operadores diferencial e vetorial (gradiente, divergente, rotacional e laplaciano)

2 Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes e Valores Conhecer os fundamentos elementares da matemática contínua aplicada à engenharia; fundamentar as bases necessárias às disciplinas de conteúdo profissionalizante e específico; compreender os conceitos e técnicas de cálculo diferencial e integral de duas e três variáveis. Utilizar a matemática como principal linguagem de comunicação e formação de modelos; revisar conceitos estudados em disciplinas anteriores que possam auxiliar no bom aproveitamento do curso; utilizar análise crítica, raciocínio lógico, intuição e criatividade na resolução de problemas integrando conhecimento de outras disciplinas e viabilizando o estudo de modelos abstratos e suas extensões genéricas a novos padrões e técnicas de resolução; identificar e resolver problemas práticos de engenharia. Ponderar sobre a utilização da matemática como linguagem e principal ferramenta para a resolução de problemas de engenharia; agir com ética na tomada de decisões que envolvam aspectos financeiros, econômicos e sociais; ter iniciativa, independência e responsabilidade no aprendizado; realizar, com consciência e de forma ética, trabalhos e listas de exercícios propostos, cumprindo os prazos determinados; conscientizar-se de um estudo contínuo e sistemático da disciplina durante o curso, para o aproveitamento do mesmo, com o auxílio dos livros indicados na bibliografia; manter uma postura correta quanto à frequência, participação e atenção às aulas, evitando conversas paralelas e mantendo o foco no conteúdo; respeitar os horários de início e fim de aula.

3 Conteúdo Programático: 1. Funções reais de várias variáveis (análise e representação para funções de duas e três variáveis- domínio, imagem, gráficos, traços e curvas de nível e superfícies de nível). 2. Limite e continuidade 3. Derivação parcial de funções nas formas explícita e implícita 4. Plano tangente e reta normal 5. Diferenciação total (cálculo do valor e do erro aproximado de uma função de duas e três variáveis) 6. Equações Diferenciais Exatas 7. Função composta e regra da cadeia 8. Derivada direcional 9. Campos escalares e vetoriais. Funções: gradiente, divergente, rotacional e laplaciano 10. Máximos e Mínimos simples e condicionados 11. Fórmula de Taylor Metodologia: Aulas teóricas expositivas com recursos áudio visuais e exposição na lousa. Aulas práticas encaminhadas à solução de problemas. Listas de exercícios para serem resolvidas fora do horário de aula.

4 Critério de Avaliação: I- Realização das seguintes avaliações: Uma (1) avaliação PAIE valendo de zero á dez e uma (1) avaliação intermediária (OAI) também de zero á dez durante o semestre, com datas pré-estabelecidas. Haverá uma prova final PAFE (marcada pela direção da faculdade). P art. =Participação. Quanto a nota de participação, definiu-se que os professores das aulas práticas realizarão em dupla um total de cinco (5) trabalhos executados em sala de aula, dos quais serão escolhidos as quatro (4) melhores notas (Nota de participação = n-1). As avaliações (participações) devem possuir o mesmo conteúdo abordado na aula de teoria, seguindo a programação semanal das aulas. II- A nota parcial fica assim constituída: MP 0,30* PAIE 0,20* avaliaçao int ermediária Part III- A média final será assim calculada: Mfinal MP 0,50* PAFE O critério de avaliação obedece ao Ato 6 da Reitoria da U.P.M. Bibliografia Básica: STEWART, James. Cálculo. 6.ed. São Paulo: Cengage Learning, v.(v.2) WEIR, M.D.; HASS, J.; Giordano,F.R. Cálculo [de] George B. Thomas. 11. ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, v.(v.2) GUIDORIZZI, Hamilton L. Um curso de Cálculo. 5.ed.Rio de Janeiro:LTC, v.(v.3) Bibliografia Complementar: ANTON, Howard. Cálculo: um novo horizonte. 6.ed. Porto Alegre: Bookman,2001.2v LEITHOLD, Louis. O Cálculo com geometria analítica. 3. ed.são Paulo:Habra,1994.2v PISKOUNOV, N. Cálculo diferencial e integral. 18.ed. Porto:Lopes da Silva,2000.2v. SIMMONS, G.F.; HARIKI, S. Cálculo com Geometria analítica. São Paulo: Makron Books, p. SWOKOWSKI, Earl W. Cálculo com Geometria analítica. 2.ed. São Paulo:Makron Books,1995.2v.

5 Unidade Universitária Curso: Disciplina: Professor(es): ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Marcelo de Almeida Carvalhal Carga horária: Ementa 02 CIÊNCIA DOS MATERIAIS DRT: ESCOLA DE ENGENHARIA (02) Teórica (00) Prática Núcleo Temático: Núcleo Geral de Engenharia Código da Disciplina: Etapa: Semestre Letivo: º semestre de 2013 Introdução à Ciência dos Materiais. Estrutura cristalina. Diagrama de fases. Propriedades Mecânicas. Ensaios. Polímeros. Cerâmicos. Compósitos. Objetivos Conceitos e Fatos Procedimentos e Habilidades Valores, Normas e Atitudes Conhecer os conceitos fundamentais dos materiais utilizados em Engenharia. Interpretar resultados de experiências sobre materiais. Estabelecer relações entre estruturas, propriedades e processos. Observar os fenômenos físicos, químicos e mecânicos dos materiais. Utilizar as técnicas de ensaios mecânicos e interpretar os resultados obtidos. Considerar os aspectos econômicos, sociais e ambientais na utilização de materiais dentro das engenharias; ter iniciativa, independência e responsabilidade no aprendizado; realizar, com consciência e de forma ética, trabalhos e listas de exercícios propostos, cumprindo os prazos determinados; conscientizar-se de um estudo contínuo e sistemático da disciplina durante o curso, para o aproveitamento do mesmo, com o auxílio dos livros indicados na bibliografia; manter uma postura correta quanto à frequência, participação e atenção às aulas, evitando conversas paralelas e mantendo o foco no conteúdo; respeitar os horários de início e fim de aula.

6 Conteúdo Programático 1. Introdução; 2. Estruturas cristalinas; 3. Defeitos cristalinos; 4. Difusão; 5. Diagrama de Fases; 6. Ensaios de materiais; 7. Polímeros, Cerâmicos e Compósitos; Metodologia As aulas serão expositivas e para cada assunto da disciplina os alunos desenvolverão atividades de resolução de exercícios. Aulas de laboratório complementarão os assuntos expostos em sala. Como atividade extra sala de aula serão propostos aos alunos, no decorrer do semestre letivo, exercícios complementares com aplicações práticas. Critério de Avaliação A avaliação consta de duas provas intermediárias (P1 e P2) e uma prova final (PAF). A média final (MF) do aluno é obtida pelo cálculo: MF = 0,30 P1 + 0,20 P2 + 0,50 PAF + 0,5 PART. O aluno é Aprovado quando a média MF 6,0 com frequência 75%, caso contrário, o aluno é Reprovado. Bibliografia Básica CALLISTER Jr, William D. Ciência e Engenharia de Materiais Uma Introdução. Ed. 8. LTC: Rio de Janeiro, GARCIA, A.; SPIM, J. A.; SANTOS, C. A. Ensaios dos Materiais. Ed. 2. LTC: Rio de Janeiro, VAN VLACK, L. H. Princípios de Ciência dos Materiais. Reimp. 18, Blucher: São Paulo, Bibliografia Complementar PADILHA, A. F. Materiais de Enegnharia. Hemus: São Paulo, CALLISTER Jr, W. D. Fundamentos da Ciência e Engenharia de Materiais. LTC: Rio de Janeiro, SHACKELFORD, J. F. Ciência dos Materiais. Pearson: São Paulo, SOUZA, S. A. Ensaios Mecânicos de Materiais Metálicos. Blucher: São Paulo, ASKELAND, D. R. Ciência e Engenharia dos Materiais. Cengage Learning: São Paulo, 2008.

7 Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Computação, Algoritmos e Programação III Núcleo Temático: NECEE (Núcleo de Ensino de Computação da Escola de Engenharia) Código da Disciplina: Professor(es): Ilana de A. Souza Concílio DRT: Etapa: 3ª Carga horária: 02 ( 00 ) Teórica ( 02 ) Prática Semestre Letivo: 1º / 2013 Ementa: Desenvolvimento de aplicações para a engenharia com utilização de linguagem de programação. Conceituação de Classes: encapsulamento, construtores, destruidor, operadores, hereditariedade e polimorfismo. Estudo de cadeias de caracteres, arquivos, algoritmos de ordenação, algoritmos de busca, grafos, algoritmos de caminho mínimo, cobertura mínima e fluxo máximo.

8 Objetivos: Oferecer oportunidade para desenvolvimento de três dimensões: conceitos; procedimentos e Habilidades; Atitudes e Valores. Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes e Valores Ampliar o conhecimento dos fundamentos básicos de informática, algoritmos, programação estruturada e estruturas de dados; aprofundar o estudo de programação orientada a objetos; fundamentar conhecimentos necessários às disciplinas de conteúdo profissionalizante e específico. Utilizar análise crítica na resolução de problemas concretos, integrando conhecimentos de outras disciplinas de conteúdo básico, viabilizando o estudo, planejamento, projeto e especificação de modelos abstratos e sua extensão genérica a novos padrões e técnicas de resolução; analisar, implementar e manter projetos de softwares aplicados a problemas concretos de engenharia, propiciando produção técnica e especializada, e incentivando o ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação. Ponderar sobre a utilização de uma linguagem de programação para auxiliar na resolução de problemas de engenharia; agir com ética na tomada de decisões que envolvam aspectos financeiros, econômicos, sociais etc.; possibilitar a adequada supervisão, coordenação e orientação técnica, por meio de apropriada padronização, mensuração e controle de qualidade; ter iniciativa, independência e responsabilidade no aprendizado; realizar, com consciência e de forma ética, trabalhos e listas de exercícios propostos, cumprindo os prazos determinados; conscientizar-se de um estudo contínuo e sistemático da disciplina durante o curso, para o aproveitamento do mesmo, com o auxílio dos livros indicados na bibliografia; manter uma postura correta quanto à frequência, participação e atenção às aulas, evitando conversas paralelas e mantendo o foco no conteúdo; respeitar os horários de início e fim de aula.

9 Conteúdo Programático: 1. Revisão de funções e programação estruturada (SP) 1.1. Abstração, formalidade, divisão e hierarquia 1.2. Passagem de parâmetros em funções por valor e referência 1.3. Arranjos e estruturas 1.4. Ponteiros e alocação dinâmica de memória 2. Programação Orientada a Objetos (OOP) 2.1. Classes, objetos, operações, atributos e métodos 2.2. Encapsulamento 2.3. Hereditariedade 2.4. Polimorfismo 2.5. Construtores, Destruidores e Atribuição 2.6. Alocação dinâmica, atributos estáticos e dinâmicos 3. Ordenação interna e seus algoritmos 3.1. Bubblesort 3.2. Selectionsort 3.3. Insertionsort 3.4. Shakersort 3.5. Shellsort 3.6. Quicksort 4. Ordenação e indexação (espalhamento) 5. Busca interna e externa 5.1. Sequencial 5.2. Binária 6. Cadeias de caracteres (manipulação) 7. Arquivos em disco 8. Grafos. 9. Algoritmos de caminho mínimo, cobertura mínima e fluxo máximo. Metodologia: Situações de resolução e organização de problemas de engenharia que oportunizem a reflexão do aluno em expor suas ideias, buscando algoritmos e estruturas de dados de forma a encontrar uma solução programável. Aulas expositivas dialogadas, estudos de pequenos casos, trabalhos em pequenos grupos e pesquisa bibliográfica. As aulas práticas utilizarão lousa, projetor multimídia, microcomputadores para os alunos e recursos de rede de computadores. A disciplina terá apoio do ambiente Moodle. Critério de Avaliação: O aluno será avaliado continuamente no decorrer do semestre letivo por meio de trabalhos e provas. Será considerado aprovado se obtiver uma média final igual ou superior a 6,0 e um mínimo de 75% de frequência. A média final MF será calculada da seguinte forma: MF = (45 P P T) / 100. Nesta fórmula, P1 e P2 são notas de provas individuais e sem consulta; T é uma nota composta de vários trabalhos e listas de exercícios individuais e em pequenos grupos. Será oferecida uma prova substitutiva (P3), também individual e sem consulta, para os alunos que não comparecerem a uma das provas (casos amparados por lei, atividades e competições esportivas e demais casos) e/ou para os alunos cuja média final MF seja maior ou igual a 3,0 e menor que 6,0. A nota da prova P3 substituirá a menor nota de prova entre P1 e P2 e, para o não comparecimento em mais de uma prova, substituirá apenas uma delas. Esta disciplina é considerada com enfoque prático, dispensando a Prova de Avaliação Final.

10 Bibliografia Básica: PAMBOUKIAN, Sergio Vicente D.; ZAMBONI, Lincoln César; BARROS, Edson de A. R. Aplicações científicas em C++: da programação estruturada à programação orientada a objetos. São Paulo: Páginas & Letras, p. DEITEL, Harvey M.; DEITEL, Paul J. C++: como programar. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, p. SAVITCH, Walter J. C++ absoluto. São Paulo: Pearson/Addison Wesley, p. Bibliografia Complementar: DEITEL, Paul J.; DEITEL, Harvey M. C how to program. 5. ed. Upper Saddle River, N.J.: Pearson Prentice Hall, p. JOYANES AGUILAR, Luis. Programação em C++: algoritmos, estruturas de dados e objetos. 2. ed. São Paulo: McGraw-Hill, p. MIZRAHI, Victorine Viviane. Treinamento em linguagem C++: módulo ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, p. MIZRAHI, Victorine Viviane. Treinamento em linguagem C++: módulo ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, p. KERNIGHAN, Brian W.; RITCHIE, Dennis M. C: a linguagem de programação. Rio de Janeiro: Campus, p. STROUSTRUP, Bjarne. The C++ programming language. Special ed., 12th printing Boston: Addison-Wesley, p. PRESS, William H. Numerical recipes in C: the art of scientific computing. 3. ed. Cambridge: Cambridge University Press, p.

11 Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Núcleo Temático: NEDEE Disciplina: Desenho Assistido por Computador Professor(es): Claudete Marques Machado Nelson Leopoldo Braghittoni DRT: Código da Disciplina: Etapa: 3ª Carga horária: Ementa: 2 ( ) Teórica ( X ) Prática Semestre Letivo: 1 semestre de 2013 Estudo da linguagem do Desenho Técnico. Compreensão do desenvolvimento e interpretação de projetos de Engenharia que tenham o desenho como instrumento de execução em conjunto com a fundamentação dos conceitos de geometria, construções geométricas, tangências, concordâncias e normas técnicas. Utilização da escala e da cotagem no dimensionamento dos elementos lineares do desenho. Construção das vistas ortogonais dos volumes nos planos de projeção e perspectivas. Domínio na utilização de um software de CAD, por meio do uso correto e adequado dos comandos desse aplicativo.

12 Objetivos: Conceitos Reconhecer o Desenho Técnico como linguagem fundamental da Engenharia. Ter a capacidade de aplicar o conhecimento do Desenho Técnico, em concordância com os requisitos das suas normas técnicas, no processo de leitura, interpretação e desenvolvimento de projetos de Engenharia. Capacitar o acadêmico na habilidade resolutiva de problemas concretos, viabilizando o estudo de modelos e sua extensão genérica a novos padrões e técnicas de resolução usando como ferramenta um software de CAD, proporcionando ao aluno condições de se adaptar rapidamente aos diversos produtos de CAD, existentes no mercado. Procedimentos e Habilidades Valer-se do conhecimento de um software de CAD para um melhor desempenho do uso da ferramenta e na aplicação de conceitos relacionados a padronização de desenhos, proporcionando ao aluno da representação gráfica, através do desenho técnico para a resolução de problemas. Desenvolver habilidades na visualização e construção de figuras geométricas planas e das vistas ortogonais dos volumes de acordo com os conceitos geométricos envolvidos. Conhecer e aplicar as normas do Desenho Técnico pertinentes. Atitudes e Valores Executar os desenhos de acordo com os requisitos das normas, explorando recursos e possibilidades da ferramenta CAD, como uma linguagem facilitadora, inevitável e universal no desenvolvimento de projetos de Engenharia. Ter a disposição de incluir constantemente os conhecimentos adquiridos na sua prática como engenheiro, bem como atualizar-se nesta prática. Pensar em como um projeto gráfico poderá contribuir da melhor forma no desenvolvimento ou adequação de um projeto de Engenharia e de que forma estaria contribuindo para o conforto do usuário direto ou da sociedade em geral.

13 Conteúdo Programático: 1. Introdução ao Editor Gráfico CAD - 2D. 2. Configuração e conceitos básicos. 3. Comandos de criação. 4. Métodos de visualização. 5. Sistemas de Coordenadas Cartesianas: absoluta e relativa. 6. Comandos de modificação. 7. Sistema de Coordenada Polar. 8. Tipos de linha. 9. Dimensionamento e Texto. 10. Utilização de camadas e cores. 11. Utilização de bibliotecas e símbolos. 12. Impressão e plotagem. 13. Introdução ao 3D.. Metodologia: Aulas expositivas e explicativas com exercícios de aplicação propostos. Acompanhamento e atendimento aos alunos na aplicação dos comandos do software. Avaliação contínua das práticas propostas finalizadas

14 Critério de Avaliação PAIE (Prova de Avaliação Intermediária Escrita): Peso 0,25 OAI (Outras Avaliações Intermediárias): Peso 0,35 P2: (Prova Final - prova prática+ escrita): Final Peso 0,40 MF = Media final MF = (PAIE x 0,25) + (OAI x 0,35) + (PF x 0,40) Bibliografia Básica: COSTA. L. e BALDAM R. L. Autocad Utilizando Totalmente. São Paulo: Erica, ROCHA, A. J. F.; GONÇALVES, R. S. Desenho Técnico. Vol. I. São Paulo: Plêiade, 2012/2013. ROCHA, A. J. F.; GONÇALVES, R. S. Desenho Técnico. Vol. II. São Paulo: Plêiade, 2012/2013. Bibliografia Complementar: GIESECKE, Frederick E. et al. Comunicação Gráfica Moderna. Porto Alegre: BOOKMAN, KATORI, R. Autocad 2011 projetos em 2D. São Paulo: SENAC, SAAD. A. L. Autocad D e 3D. São Paulo: Pearson, SOUZA, A. C. de. AutoCAD 2004: guia prático para desenhos em 2D. Florianópolis: Ed da UFSC, WIRTH, A. Autocad 2000/2002 2D e 3D. Rio de Janeiro: Maltabooks

15 Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Núcleo Temático: GERAL DE ENGENHARIA Disciplina: Eletricidade para Engenharia de Produção Professor (es): Vera Regina Gomes Luduvice Antunes e Luciana Chaves Barbosa DRT: Código da Disciplina: Etapa: 3ª Carga horária: 4 aulas Ementa: (02) Teórica (02) Prática Semestre Letivo: 1º de 2013 Estudo de circuitos em corrente alternada, de circuitos trifásicos, transformadores e motores elétricos. Introdução dos conceitos de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, segurança em eletricidade e sistemas de proteção contra descargas atmosféricas. Objetivos: Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes e Valores Fazer com que o aluno seja capaz de desenvolver e conhecer os conceitos de: - Geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. - Geradores, transformadores e motores elétricos. Instrumentos de medição. - Cálculo de circuitos em corrente alternada. - Proteção contra descargas atmosféricas. - Equipamentos de controle e proteção de instalações elétricas residenciais e industriais em baixa tensão. -Proporcionar ao aluno a aquisição de conceitos fundamentais na área de eletricidade; -Identificar situações reais nas quais o conteúdo da disciplina possa ser aplicado. - Iniciativa, independência e responsabilidade no aprendizado; - Rotina de estudo frequente, contínuo e sistemático da disciplina durante todo o semestre, para aproveitamento da mesma; - Considerar o esforço pessoal como técnica de aprendizado e utilizar de forma ética os conhecimentos adquiridos. - Sensibilidade quanto à importância da Eletricidade para a sociedade nas suas atividades cotidianas.

16 Conteúdo Programático: 01. Geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. Análise de um sistema GTD de energia elétrica. Gerador - turbina, linhas de transmissão, estações elevadora e abaixadora de tensão, linhas de distribuição aérea e subterrânea. Gerador elementar de corrente alternada. Princípio do gerador de corrente alternada senoidal. Equação da forma de onda senoidal e cossenoidal. 02. Parâmetros da forma de onda senoidal: valor máximo, valor eficaz, valor médio, valor de pico a pico, período, freqüência, ângulo de fase, equação das formas de onda de tensão e corrente no domínio do tempo. 03. Fasores e algebra fasorial. Teoria dos números complexos. Notação de fasores de grandezas alternadas: forma retangular e polar. Operações com fasores. 04. Conceito de impedância. Resistência em corrente alternada (CA). Impedância resistiva. Capacitância em CA. Reatância capacitiva. Impedância capacitiva. Indutância em CA. Reatância indutiva. Impedância indutiva. 05. Circuitos monofásicos em corrente alternada. Lei de Ohm na forma fasorial. Diagrama fasorial e diagrama senoidal. 06. Circuito resistivo puro. Resistor ligado à fonte CA. Impedância resistiva. 07. Circuito indutivo puro. Indutor ligado à fonte CA. Impedância indutiva. 08. Circuito capacitivo puro. Capacitor ligado à fonte CA. Impedância capacitiva. 09. Análise de circuitos RL, RC, e RLC ligados em série e em paralelo com uma fonte CA. Circuitos mistos. Diagrama fasorial e senoidal. 10. Potência monofásica, aparente, útil e reativa. Triângulo das potências. Potência complexa. Potência de N cargas em paralelo: motores, fornos trifásicos, banco de lâmpadas de descarga com reatores e lâmpadas incandescentes. 11. Fator de potência e correção do fator de potência de motores e reatores. Cálculo de capacitores. 12. Cálculo da tarifa de energia elétrica residencial e industrial. 13. Transformador monofásico. Características de um transformador ideal. Relação de espiras. Relação de tensão. Relação de corrente. Relação de impedâncias. Perdas e eficiência de um transformador real. 14. Sistemas trifásicos. Gerador trifásico. Motor de indução trifásico. Estator e rotor. O campo girante. Ligação triângulo e ligação estrela. Tensão de linha e tensão de fase. Corrente linha e corrente de fase. Potência em sistemas trifásicos. 15. Segurança em eletricidade e efeitos da corrente elétrica no corpo humano. Medidas de controle dos riscos. Tensão de passo e tensão de contato. 16. Sistema de proteção contra descargas atmosféricas. Métodos de proteção e suas características. Dimensionamento das cordoalhas de descida. Aterramento. 17. Fundamentos de instalações elétricas. Código de cores dos condutores. Interruptores de luz: simples, paralelo e intermediário monopolares (110V) e bipolares (220V). Tomadas monofásicas simples e aterradas e tomadas bifásicas. 18. Estudo dos tipos e características dos fusíveis. Fusíveis tipo rolha, cartucho, D e NH. Curvas características dos fusíveis. Arco voltaico com corrente alternada e corrente contínua. Limite de ruptura de fusíveis e chaves. 19. Introdução à instalação elétrica industrial. Partida de motores com chaves: interruptora, disjuntora e contatora. Proteção com fusíveis e relés de subtensão, térmico e magnético. Circuitos de sinalização e comando local e a distância.

17 Metodologia: Para obter os objetivos descritos acima serão utilizadas aulas teóricas e práticas na disciplina. Aulas Teóricas: - Aulas expositivas, com o auxílio de equipamentos mutimídia (quando necessário). - Exercícios realizados em classe para maior atendimento dos tópicos abordados. Aulas Práticas (laboratório): Nas aulas de laboratório serão realizadas experiências onde se utilizam equipamentos de uso residencial e industrial. É prevista, sempre que possível, a realização de uma visita às instalações dos sistemas de proteção contra descargas atmosféricas do Campus Itambé. Critério de Avaliação: Serão aplicadas 3 provas dissertativas (PAIE, P2 e PAFE). A avaliação será realizada da seguinte forma: MÉDIA FINAL= 0.3*PAIE+0.2*P2 +0.5*PAFE + PARTICIPAÇÃO PAIE: Prova de Avaliação Intermediária Escrita. P2: Prova Escrita. PAFE: Prova de Avaliação Final Escrita Todas as notas serão dadas de 0 a 10 e o aluno estará aprovado caso consiga média maior ou igual a 6,0. Bibliografia Básica: 1. GUSSOW, Milton. Eletricidade Básica. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Schaum McGraw-Hill, COTRIM, Ademaro A. M. B. Instalações Elétricas. Revisão e atualização técnicas Hilton Moreno, José Aquiles Baesso Grimoni. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, NISKIER, Júlio e MACINTYRE, A. J. Instalações Elétricas. 5 ed. Rio de Janeiro: LTC, Bibliografia Complementar: 1. CAVALIN, Geraldo e CERVELIN, Severino. Instalações Elétricas Prediais. 21 ed. São Paulo: Érica, CREDER, Hélio. Instalações Elétricas. Editora LTC Livros Técnicos e Científicos - São Paulo, 15ª edição, ALBUQUERQUE, Rômulo Oliveira. Circuitos em Corrente Alternada. 6 ed. São Paulo: Érica, MARKUS, Otávio. Circuitos Elétricos. 3 ed. São Paulo: Érica, p. 5. NORMAS TÉCNICAS da ABNT: - NBR Instalações Elétricas em Baixa Tensão. - NBR Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas.

18 Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: : Engenharia De Produção Núcleo Temático: Núcleo Geral de Engenharia Disciplina: Professor(es): Josefa Alvarez Alvarez DRT: Código da Disciplina: Etapa:3 Carga horária: 4 ( x ) Teórica Semestre Letivo: ( ) Prática 1º de 2013 Ementa: Amostragem. Organização de dados. Distribuições amostrais. Estimação de parâmetros: Intervalo de confiança. Testes de hipótese. Análise de variância para um planejamento de experimentos com um único fator. Regressão linear simples e correlação. Objetivos: Capacitar o aluno a compreender os conceitos básicos necessários à aplicação de técnicas estatísticas, fornecendo os fundamentos necessários para análise dos dados estatísticos obtidos na área de Engenharia; Promover uma visão ética de como se realizar uma estatística de forma isenta. Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes e Valores Conhecer os fundamentos teóricos que permitam o domínio dos conteúdos, habilidades e competências próprias da estatística. Apreender, analisar e interpretar dados estatístico Aplicar os conceitos dos métodos estatísticos através de problemas práticos, incluindo os conceitos que darão subsídios para a solução e/ou para a tomada de uma decisão. Observar a aplicação dos dados estatísticos no mundo em que vivemos, reconhecendo assim, a importância da estatística. Conteúdo Programático: 1. Organização de dados. 2. Distribuições amostrais. Estimação de parâmetros: Intervalo de confiança. 3. Teste de Hipótese: conceitos 4. Análise de variância. Análise de resíduos. Histograma dos resíduos, Gráfico de probabilidade Normal. Resíduos versus fator. Contrastes (DMS) Mínima Diferença significativa. Teste de Homocedasticidade. 5. Correlação Linear 6. Regressão linear simples. Estimação dos Parâmetros Avaliação dos Modelos. Análise de variância.. Análise dos Resíduos. Linearização 7. Regressão matricial Metodologia: Aulas expositivas com apoio de multimeios. Trabalhos para serem resolvidos fora do horário de aulas. Atividades disponíveis na Plataforma Moodle.

19 Critério de Avaliação: MF = 0,30PAIE + 0,20OAI + 0,5PAF Siglas: MF = Média Final; PAIE = Prova de Avaliação Intermediaria Escrita; OAI = Outras Avaliações Intermediárias; PAF= Prova de Avaliação Final Escrita; Onde: PAIE =Prova unificada Intermediaria cuja nota de 0 até 10. OAI = Prova Intermediaria P2, cuja nota de 0 até 10 Bibliografia Básica: 1. MONTGOMERY, Douglas C. e RUNGER, George C. Estatística Aplicada e Probabilidade para Engenheiros. 4 ed. Rio de Janeiro: LTC, MAGALHÃES, M. N.; LIMA, A. C. P. Noções de Probabilidade e Estatística. 7 ed. São Paulo: Edusp, DEVORE, JAY L. Probabilidade e Estatística para Engenharia e Ciências. 6 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2011 Bibliografia Complementar: 1. BUSSAB, W. O.; MORETTIN, P. A. Estatística Básica. 7 ed. São Paulo: Saraiva, WALPOLE, R. ; MYERS, R.; MYERS, S & YE, K. Probabilidade e Estatística para Engenharia e Ciências. Ed. Pearson, LEVINE,D.; STEPHAN, D.; BERENSON, M.;KREHBIEL, T. Estatística: Teoria e Aplicações - Utilizando Microsoft Excel Português. 6 ed. Rio de Janeiro: LTC, FREUND, J. E. ; SIMON, G. A Estatística aplicada. 11 ed Porto Alegre: Bookman, COSTA NETO, P. L. O. Estatística. 2 ed rev. São Paulo: Edgard Blücher, 2002.

20 Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Evolução do Pensamento Administrativo Núcleo Temático: Núcleo de Engenharia Organizacional e Econômica Código da Disciplina: Professor(es): Giancarlo S. R. Pereira Carga horária: 4hs/aula DRT: ( x ) Teórica ( x ) Prática Etapa: 3ª Etapa Semestre Letivo: 1/2013 Ementa: O surgimento da ciência administrativa. O movimento da racionalização do trabalho. O movimento das relações humanas/escola behaviorista. O movimento estruturalista/sistêmico. O movimento da contingência. Movimento contemporâneo. Os principais temas estudados pelos autores administrativos. Um modelo de diagnóstico organizacional com base nos temas administrativos. Objetivos: A disciplina pretende apresentar ao aluno os conceitos básicos e fundamentais da ciência administrativa. Trata-se do primeiro contato do engenheiro de produção com os princípios da administração, que serão aprofundados em outras disciplinas. Para isso, apresentam-se, de forma cronológica, as principais escolas do pensamento administrativo, contextualizando-as em seu tempo e espaço, e enfatizando o caráter mutável, adaptativo e evolutivo da ciência da Administração. Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes e Valores Desenvolver e conhecer os conceitos da teoria administrativa, efeitos das teorias sobre empresas e consumidores. Conhecer as estruturas organizacionais e o posicionamento estratégico decorrente dessa estrutura sobre as empresas. Comentar tecnicamente o efeito das diversas medidas administrativas sobre os negócios. Desenvolver e conhecer os fundamentos teóricos da matéria e reconhecer e interpretar as estruturas e demandas empresariais e o posicionamento estratégico decorrente dessa estrutura. Habilitar os alunos a observar de forma metódica e racional os aspectos considerados pela Administração. Habilitar os alunos a utilizar e executar análises consistentes sobre cenários questões organizacionais, empregando Entender as necessidades estruturais administrativas os mercados e posicionar uma empresa de forma consistente e estratégica. Observar o comportamento de agentes econômicos, consumidores e empresas concorrentes de forma a elaborar uma análise estratégica. Criar nos alunos o conhecimento das estruturas administrativas. Reconhecer os elementos de uma organização e seus intervenientes. Conscientizar-se da relevância da análise econômica empresa. Ter uma percepção ética e socialmente responsável das implicações dos diversos aspectos considerados pelos consumidores, empresas e governo. Estimular o interesse na leitura e no estudo constante da disciplina de forma a posicionarse com interesse nos assuntos administrativos e dos mercados. Desenvolver o espírito crítico decorrentes de situações mutantes diversas. Manter uma posição preocupada as decisões que envolvem os projetos empresariais e globais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Computação, Algoritmos e Programação I Professor(es) Sergio Vicente Denser Pamboukian Lincoln Cesar Zamboni Melanie Lerner

Leia mais

Um estudo dos principais Circuitos Elétricos utilizados na Engenharia Elétrica.

Um estudo dos principais Circuitos Elétricos utilizados na Engenharia Elétrica. Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Eletrônica e Engenharia Elétrica Disciplina Eletricidade I Professor Paulo Guerra Junior Carga horária 4 Código da Disciplina 161.1303.9 Etapa

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA 2º ANO Nome da disciplina: Física Geral II Carga horária: 90h Acústica e Ondas. Óptica Física e Geométrica. Lei de Coulomb; Campo Elétrico. Lei de Gauss. Potencial. Capacitância.

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA MACKENZIE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ESCOLA DE ENGENHARIA MACKENZIE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Unidade Universitária ESCOLA DE ENGENHARIA MACKENZIE Curso ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Disciplina CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL PARA ENGENHARIA III Professor(es) AFFONSO SÉRGIO FAMBRINI CARLA SILVA CAMPOS

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Universidade Anhanguera-Uniderp Pró-Reitoria de Graduação. Curso: Engenharia Civil PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

Universidade Anhanguera-Uniderp Pró-Reitoria de Graduação. Curso: Engenharia Civil PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Disciplina: Eletricidade Aplicada Universidade Anhanguera-Uniderp Pró-Reitoria de Graduação Curso: Engenharia Civil PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Série/Semestre: /5º Período Letivo: 2012-2 Turno: Noturno

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 2 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Eletrotécnica 0570098 1.2 Unidade: Centro

Leia mais

A disciplina de Eletricidade Geral garante ao educando subsídios para o entendimento das grandezas elétricas e seus fenômenos.

A disciplina de Eletricidade Geral garante ao educando subsídios para o entendimento das grandezas elétricas e seus fenômenos. I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Mecatrônica Industrial Disciplina Eletricidade Geral Professor Rogério Campos Semestre / Módulo Eletricidade Período Noturno Módulo 3GMTECA Carga Horária Semanal:

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO

PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO Componente Curricular: ELETROELETRÔNICA APLICADA Módulo I Professor: Danilo de Carvalho / Danilo Ramos Stein / Enrico André Santos Castro Carga Horária prevista: 60 horas

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Garça FATEC - Garça PLANO DE ENSINO. Curso: Tecnologia em Produção Disciplina: Sistemas Eletro-Eletrônicos Ano: 2009

Faculdade de Tecnologia de Garça FATEC - Garça PLANO DE ENSINO. Curso: Tecnologia em Produção Disciplina: Sistemas Eletro-Eletrônicos Ano: 2009 Faculdade de Tecnologia de Garça FATEC - Garça PLANO DE ENSINO Curso: Tecnologia em Produção Disciplina: Sistemas Eletro-Eletrônicos Ano: 2009 Semestre TURNO CARGA HORÁRIA 4 Termo Noturno 72 horas/aulas

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Plano de Ensino

Universidade Federal de Goiás. Plano de Ensino 01: Dados de Identificação da Disciplina: Plano de Ensino Disciplina: Cálculo Diferencial e Integral 3 Cod. da Disciplina: 60P2MB Curso: Engenharia de Computação Cod. do Curso: Turma: Cálculo Diferencial

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

3º SEMESTRE. Desenvolver no aluno uma visão factível da mecânica, criando no mesmo uma "intuição" correta dos fenômenos mecânicos.

3º SEMESTRE. Desenvolver no aluno uma visão factível da mecânica, criando no mesmo uma intuição correta dos fenômenos mecânicos. 3º SEMESTRE EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DISCIPLINA: Cinemática dos Sólidos CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 horas I - EMENTA Cinemática da partícula. Cinemática do sólido: translação, rotação em torno de

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Eletromecânica FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO IX ENGENHARIAS - 1º ANO CÁLCULO I

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO IX ENGENHARIAS - 1º ANO CÁLCULO I ANEXO IX ENGENHARIAS - 1º ANO CÁLCULO I 1 Funções de uma variável 2 Funções reais 3 Conceito, cálculo e aplicações de limites, continuidade, derivadas e diferenciais 4 Cálculos de pontos de máximos, mínimos

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2013 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletrônica Digital I... 5 Componente Curricular: Eletricidade

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NOME: SEL0302 Circuitos Elétricos II PROFESSORES: Azauri Albano de Oliveira Junior turma Eletrônica PERÍODO LETIVO: Quarto período NÚMERO DE AULAS: SEMANAIS: 04 aulas TOTAL: 60

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2014 1 Conteúdo 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 4 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

Plano de Ensino. 1.1 Este plano de ensino tem por objetivo organizar o trabalho pedagógico na disciplina de Física C para o semestre letivo vigente.

Plano de Ensino. 1.1 Este plano de ensino tem por objetivo organizar o trabalho pedagógico na disciplina de Física C para o semestre letivo vigente. Plano de Ensino Física C Plano de ensino da disciplina de Física C do Curso Superior de Licenciatura em Física do Instituto Federal do Paraná, Câmpus Paranaguá para o segundo semestre de 2015. Professor

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS CÓDIGO: EXA801 DISCIPLINA: ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO I CARGA HORÁRIA: 60h EMENTA: Classificação

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: Farmácia Disciplina: Economia e Administração Farmacêutica Professor(es): Renato Sebastião Saladino Carga horária:2h/a 34 semestral

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: ESCOLA DE ENGENHARIA Curso: ENGENHARIA MECÂNICA Disciplina: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Professor(es): Célia Mendes Carvalho Lopes Gisela Hernandes Gomes Carga horária: (04)

Leia mais

1 2 Curso: Licenciatura em Física Semi Presencial Código: 112. 5 Turno(s): ( ) Diurno ( ) Noturno ( x) Virtual. Nome da Disciplina

1 2 Curso: Licenciatura em Física Semi Presencial Código: 112. 5 Turno(s): ( ) Diurno ( ) Noturno ( x) Virtual. Nome da Disciplina Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Pesquisa e Acompanhamento Docente CPAD Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS 1

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno Engenharia da Computação Relação das s do Currículo Pleno O curso de Engenharia de Computação apresenta o seguinte currículo pleno, distribuído em 9 períodos letivos. 4 º Período 3 º Período 2 º Período

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 1º Sem. 2014 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 4 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: ELETRICISTA INSTALADOR PREDIAL DE BAIXA TENSÃO - PRONATEC 224 horas ÁREA: ENERGIA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa Bacharelado em Engenharia Civil bibliografia complementar ALMEIDA, Márcio de Souza S. Aterros sobre solos moles: projeto e desempenho. 1. reimpr.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA EMENTAS DA 3ª. ETAPA Núcleo Temático: PROGRAMAÇÃO Disciplina: ESTRUTURA DE DADOS 108 há ( 72 ) Teóricas ( 36 ) Práticas Tipos abstratos de dados. Estudo das estruturas lineares: pilhas, filas e listas

Leia mais

Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada

Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada Instituto de Matemática Departamento de Matemática Pura e Aplicada Dados de identificação Disciplina: MATEMÁTICA APLICADA II Período Letivo: 2015/1 Período de Início de Validade : 2015/1 Professor Responsável

Leia mais

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1º Semestre de 2009

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1º Semestre de 2009 PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1º Semestre de 2009 Departamento: Mecânica Disciplina: Eletricidade Aplicada II Sigla: ELET II Modalidade.: Projetos mecânicos. Carga Horária Semanal: 05 horas-aulas Carga

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PROCESSO nº. 039/10 Procedência: PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO. ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE ALTERAÇÃO NO EMENTÁRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PARECER nº. 035/10 DATA: 30/06/10 1 HISTÓRICO A

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Engenharia Elétrica e Eletrônica Disciplina: Dispositivos Lógicos Programáveis Núcleo Temático: Sistemas Digitais Código da Disciplina: 161.1654.2 Professor:

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013

NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013 NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013 CURSOS SUPERIORES DE - TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. CURSOS E VAGAS OFERECIDAS Cursos de

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 2. EMENTA Cinemática Dinâmica Estática Conservação da energia Conservação do momento linear

PLANO DE ENSINO. 2. EMENTA Cinemática Dinâmica Estática Conservação da energia Conservação do momento linear PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Engenharia de Controle e Automação - Mecatrônica Professor: Antônio Lúcio Turra Período/ Fase: 1ª Semestre:

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções:

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções: PLANO DE ENSINO 1. Identificação Curso: Tecnologia em Desenvolvimento de Software Disciplina: Estrutura de Dados Professor: Msc. Tiago Eugenio de Melo CPF: Regime de Trabalho: 40h CH. Semestral: 100h Siape:

Leia mais

Lei de Coulomb: Campo Elétrico:

Lei de Coulomb: Campo Elétrico: Lei de Coulomb: Método para distribuição de cargas: Dividir a distribuição em infinitos dq Analisar feito por dq Dividir em suas componentes dfx e dfy Analisar se há alguma forma de simetria que simplifica

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Associação de Ensino e Cultura Pio Décimo Faculdade Pio Décimo Engenharia Elétrica PROGRAMA DA DISCIPLINA Identificação Matéria de Ensino Matemática Código EE112 Disciplina Álgebra Linear Código MA100003

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais 5// :6 Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso: Ciência da Computação (Noturno) Currículo: 7/ CMP.8.- Introdução à Computação Ementa: O que é Ciência da Computação. História da Computação. Estrutura

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Construção de Máquinas I Professor(es) Ms. Carlos Oscar Corrêa de Almeida Filho Dr. Sergio Luis Rabello de Almeida Dr. Marco

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

FÍSICA GERAL III - 90 h

FÍSICA GERAL III - 90 h FÍSICA GERAL III - 90 h Em Física Geral III estudam-se os tópicos de Eletricidade, Magnetismo e Eletromagnetismo. A base tecnológica de nossa sociedade é o eletromagnetismo, por essa razão é de fundamental

Leia mais

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas Depto. de Física. Professor Luciano Camargo Martins PLANO DE ENSINO

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas Depto. de Física. Professor Luciano Camargo Martins PLANO DE ENSINO UDESC Joinville Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas Depto. de Física Grupo de Dinâmica Não-Linear Professor Luciano Camargo Martins PLANO DE ENSINO 1 Identificação

Leia mais

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa Bacharelado em Engenharia Civil Bibliografia básica ÁLGEBRA linear. 3. ed., Revista e ampliada. São Paulo: HARBRA, 1986. 411 p., il. Inclui bibliografia.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE - UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE - UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE - UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA 1ª SÉRIE - 2010/1 1. Curso: Curso: Missão do curso: Perfil profissiográfico: ENGENHARIA

Leia mais

Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente

Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente Programa de Pós-graduação em Economia Sub-Programa Mestrado Profissional CEEMA/ECO/UnB Disciplina: ECO 333051 Métodos Estatísticos e Econométricos Instrutores:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

BIBLIOGRAFIA BÁSICA PARA AS DISCIPLINAS DA ÁREA DE ENGENHARIA

BIBLIOGRAFIA BÁSICA PARA AS DISCIPLINAS DA ÁREA DE ENGENHARIA BIBLIOGRAFIA BÁSICA PARA AS DISCIPLINAS DA ÁREA DE ENGENHARIA 1. ALGEBRA LINEAR ANTON, H.; RORRES, C. Álgebra linear com aplicações. 10 ed. Rio de Janeiro: Bookman, 2012. 786p. BOLDRINI, J.L.; COSTA, S.I.R.,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração Financeira Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceitos gerais e uso atual

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 1º Semestre: 1º Ano: 2011 Disciplina: Programação de Computadores I (PGC21) Carga Horária: 72 horas/aula

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 1º Semestre: 1º Ano: 2011 Disciplina: Programação de Computadores I (PGC21) Carga Horária: 72 horas/aula PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistemas de Informação Professores: Carlos Alberto Zorzo zorzo@uniarp.edu.br Período/ Fase: 1º Semestre:

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 3º PERÍODO CÓDIGO PERÍ DISCIPLINAS DO CRÉDITOS PRÉ - CO- ODO TERCEIRO PERÍODO TEÓRICOS PRÁTICOS TOTAL REQUISITOS REQUISITOS LET 4101 3 Lingua portuguesa

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO Código: ADM 150 Pré-Requisito: ------ Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

CEL 062 - Circuitos trifásicos

CEL 062 - Circuitos trifásicos CEL 062 - Circuitos trifásicos Alexandre Haruiti alexandre.anzai@engenharia.ufjf.br Baseado no material dos Profs. Pedro Machado de Almeida e Janaína Gonçalves de Oliveira pedro.machado@ufjf.edu.br janaina.oliveira@ufjf.edu.br

Leia mais

MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ELETROSTÁTICA E MAGNETOSTÁTICA

MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ELETROSTÁTICA E MAGNETOSTÁTICA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ELETROSTÁTICA E MAGNETOSTÁTICA Danilo Nobre Oliveira danilonobre@danilonobre.eng.br Ginúbio Braga Ferreira ginubio@gmail.com Universidade

Leia mais

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36 Sumário Parte 1 CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2 1. Eletrização por atrito. Noção de carga elétrica, 2 Leitura A série triboelétrica, 4 2. Princípios da Eletrostática,

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ASSISTENTE 40 HORAS-DE ÁREA DO CONHECIMENTO: ELETROTÉCNICA

CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ASSISTENTE 40 HORAS-DE ÁREA DO CONHECIMENTO: ELETROTÉCNICA CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ASSISTENTE 40 HORAS-DE ÁREA DO CONHECIMENTO: ELETROTÉCNICA MATÉRIAS: ELETRICIDADE E MAGNETISMO, ELETROTÉCNICA, FUNDAMENTOS DE ELETRO-ELETRÔNICA ANEXO I PROGRAMA

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Física Prof. César Manchein PLANO DE ENSINO

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Física Prof. César Manchein PLANO DE ENSINO Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Física Prof. César Manchein PLANO DE ENSINO 1 Identificação Curso Engenharia Civil Ano 2015 Disciplina Física

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: AMPE - ADM DE MICRO E PEQ EMPRESAS Código: ADM 253 Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2013.2

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 1º PERÍODO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 1º PERÍODO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 1º PERÍODO CÓDIGO PERÍODO DISCIPLINAS DO CRÉDITOS PRÉ- CO- PRIMEIRO PERÍODO TEÓRICOS PRÁTICOS TOTAL REQUISITO REQUISITO ENG1080 1 Introdução à Engenharia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO (20140195) CURSOS A QUE ATENDE ADMINISTRACAO,

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. 72h 6º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. 72h 6º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1 ano EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1 ano EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Manutenção e Suporte em Informática - Integrado FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( )

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MODALIDADE MECÂNICA, COM ÊNFASE EM AUTOMOBILÍSTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação: Assistente Técnico de Processos Industriais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação: Assistente Técnico de Processos Industriais Plano de Trabalho Docente 015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica Qualificação:

Leia mais

CMP1060 INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO PLANO DE ENSINO - 2014/2. Profª Angélica da Silva Nunes

CMP1060 INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO PLANO DE ENSINO - 2014/2. Profª Angélica da Silva Nunes CMP1060 INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO PLANO DE ENSINO - 2014/2 Profª Angélica da Silva Nunes MINI CURRÍCULO Graduação: Engª Civil/UFG Pos-graduação latu sensu (especialização) Docência universitária/puc Goiás

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração de Sistemas de Informação Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6 1 - Ementa (sumário, resumo) Sistemas de

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Núcleo Temático: Disciplina:

Leia mais

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CURSO: ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS B CÓDIGO:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Faculdade de Computação e Informática. Faculdade de Computação e Informática

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Faculdade de Computação e Informática. Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS. ETAPA Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Código da 10011978. ( X ) Teórica 06 horas-aula ( ) Prática 1/2013 Estudo sobre as principais funções elementares e seus gráficos

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistema de Informações Professores: Izolema Maria Atolini izolema@hotmail.com Período/ Fase: 5ª. Semestre:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Matemática Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) História, contexto e aplicações da matemática.

Leia mais

ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@ifrn.edu.br

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

DISCIPLINA: CONSTRUÇÃO DE COMPILADORES

DISCIPLINA: CONSTRUÇÃO DE COMPILADORES Semestre 5 Válido somente com assinatura e carimbo do IFCE Cód. Disciplina Créditos Horas Nat. Prérequisitos Teóricos Práticos TELM.066 Construção de Compiladores 2 2 80 OBR TELM.061 TELM.067 Sistemas

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle em Processos Industriais CURSO: Técnico em Química Integrado ao Ensino Médio FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Direito Tributário Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 4 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução ao Direito Tributário

Leia mais