UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI VERA LUCIA PACHECO DE MELLO A REPRESENTAÇÃO DO CONSUMO NO CINEMA ATRAVÉS DOS SENTIDOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI VERA LUCIA PACHECO DE MELLO A REPRESENTAÇÃO DO CONSUMO NO CINEMA ATRAVÉS DOS SENTIDOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI VERA LUCIA PACHECO DE MELLO A REPRESENTAÇÃO DO CONSUMO NO CINEMA ATRAVÉS DOS SENTIDOS São Paulo 2013

2 VERA LUCIA PACHECO DE MELLO A REPRESENTAÇÃO DO CONSUMO NO CINEMA ATRAVÉS DOS SENTIDOS Dissertação de Mestrado apresentada à Banca Examinadora, como exigência parcial para a obtenção do título de Mestre em Comunicação, área de concentração em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação da Profa. Dra. Maria Ignês Carlos Magno. São Paulo 2013

3 M482r Mello, Vera Lúcia Pacheco de A representação do consumo no cinema através dos sentidos / Vera Lúcia Pacheco de Mello f.: il.; 30 cm. Orientador: Maria Ignês Carlos Magno Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, Bibliografia: f Comunicação. 2. Cinema. 3. Sentidos. 4.Comportamento do consumidor. I. Título. CDD 302.2

4 VERA LUCIA PACHECO DE MELLO A REPRESENTAÇÃO DO CONSUMO NO CINEMA ATRAVÉS DOS SENTIDOS Dissertação de Mestrado apresentada à Banca Examinadora, como exigência parcial para a obtenção do título de Mestre em Comunicação, área de concentração em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação da Profa. Dra. Maria Ignês Carlos Magno. Aprovado em 02/04/2013 Profa. Dra. Maria Ignês Carlos Magno Prof. Dr. Vicente Gosciola Profa. Dra. Selma Peleias Felerico Garrini

5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho ao Rafael, meu filho, pela ajuda financeira, que possibilitou a continuidade do curso e a família pela compreensão da ausência.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço, primeiramente, aos professores do Programa de Mestrado em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi, que além de me proporcionarem uma experiência de aprendizado, acreditaram no meu potencial e motivaram a minha linha de pesquisa. Um agradecimento especial à minha orientadora Profa. Dra. Maria Ignês Carlos Magno, que desde o primeiro momento em que nos falamos em entrevista, me assumiu como pesquisadora, filha, irmã, amiga, consolando-me em momentos difíceis da minha vida, me orientando, motivando com seu carinho e, principalmente, com sua capacidade e humildade intelectual incomparável na área acadêmica. Agradeço aos meus professores queridos, Prof. Dr Vicente Gosciola e Profa. Dra. Laura Loguercio pelo apoio durante o curso e no auxilio na minha pesquisa quanto a adaptação do tema e a linha de pesquisa da Universidade. Agradeço ao Prof. Ms Camilo D Angelo Braz colega de trabalho, meu mentor intelectual, cuja genialidade e cultura, me proporcionaram a pesquisa bibliográfica além de colaborar com críticas construtivas a linha de raciocínio referente ao do tema.

7 RESUMO O presente trabalho tem por objetivo estudar como o cinema representa práticas de consumo através da persuasão e comportamento do consumidor nas narrativas apresentadas em vários exemplos de filmes. A pesquisa pretende traçar um caminho da linguagem do cinema instaurada na experiência humana que emergem temas que dialogam com o consumo com o repertório de maior ênfase no comportamento do consumidor através do processo da compra por impulso e da sequencia dos estímulos aos sentidos como decisão de compras. Para cumprir esse objetivo, estudamos com mais detalhes o filme intitulado no Brasil de Delírios de consumo, de Rebeca Bloom (Confessions of a shopaholic, EUA, 2009), comédia romântica dirigida por P. J. Hogan. A escolha do filme e da cena específica à qual chamamos de compra da echarpe verde baseou-se no propósito do estudo das relações de consumo e da sequência dos estímulos aos sentidos como impulsionador da compra por impulso. Na sequência de textos e imagens na cena da compra da echarpe verde, destacam-se os estímulos aos sentidos, visão, audição e tato. O recorte proposto inclui a concentração dos esforços de estudos no aspecto sensorial, em que a combinação da imagem e do som, por meio de recursos notadamente relacionados com a decupagem do filme, influi na resposta do espectador, seja pelo viés crítico ou pelo mercadológico, no sentido de promover atitudes de consumo. Palavras-chave: Cinema. Sentidos. Comportamento do Consumidor.

8 ABSTRACT The objective of the work is to study pratices of comsumption in the process of impulse purchases. To this purpose, we will exemplify with the film entittedin Brazil "Delírio de Consumo" Rebecca Bloom, romantic comedy directed by P. J. Hogan. The choice of this film and its especific scene was based in thi consumes relantionship and. In the texts imagens, we can see (destacador) The propose includes, - specific scene - which we called " purchase of woolen scarf " - was based on purpose of studying the consumption relationships and the sequences of stimulus to the senses for impeling the impulse buying. At the sequences of texts and images in the purchase of green woolen scarf, it emphasizes the stimulus to the senses like vision, hearing and touch, wich follow the most desired criteria by the companies as regards to consumer behavior at the point of sale. The cutting proposed includes the study efforts concentration of image and sound, by recourses specially related with decoupage of the movie, influences the viewer`s answer, by the critical or commercial way, to promote consumption attitudes. Key-words: Movies. Consumption. Senses.

9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - HIERARQUIA DAS NECESSIDADES DE MASLOW FIGURA 2 - MODELO INTEGRADO DO PROCESSO DE DECISÃO DO CONSUMIDOR FIGURA 3 - MODELO INTEGRADO DO PROCESSO DE DECISÃO DO CONSUMIDOR FIGURA 4 - O PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR FIGURA 5 - TIPOS DE COMPORTAMENTO DE COMPRA EM RELAÇÃO À BUSCA DE INFORMAÇÃO E ENVOLVIMENTO FIGURA 6 - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DAS ALTERNATIVAS DE PRODUTO FIGURA 7 - O ATO DE COMPRA E SUAS SUBETAPAS FIGURA 8 - O PROCESSO PERCEPTIVO FIGURA 9 REBECA BLOOMWOOD INDO ÀS COMPRAS FIGURA 10 DESEJO DAS COMPRAS REALIZADO FIGURA 11 - RECUPERAÇÃO DO CONSUMO DESENFREADO DE REBECCA FIGURA 12 - UNIÃO DE REBECCA E LUKE BRANDON FIGURA 13 - VITRINA DA LOJA HENRI BENDEL COM ANÚNCIO DA GRIFE DENNY&GEORGE 76 FIGURA 14 IMPACTO VISUAL DE REBECCA COM O ANÚNCIO FIGURA 15 OLHAR FIXO DE REBECCA NO MANEQUIM FIGURA 16 ENTRADA DE REBECCA NA LOJA EM DIREÇÃO AO MANEQUIM FIGURA 17 ALERTA PARA O CONSUMO DESENFREADO FIGURA 18 - REBECCA CONVENCIDA A IR EMBORA DA LOJA FIGURA 20 REBECCA É SEDUZIDA PELO MANEQUIM A PROVAR A ECHARPE FIGURA 21 REBECCA CONVERSA COM O MANEQUIM, QUE A MANIPULA FIGURA 22 PROCESSO DE COMPRA PRATICAMENTE FINALIZADO

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O CINEMA E AS MARCAS DA CULTURA DE CONSUMO CULTURA DE CONSUMO REPRESENTAÇÃO DA METRÓPOLE DO CINEMA Haussmann e a nova Paris Consumidor no cinema Fatores culturais Fatores sociais Fatores pessoais Fatores Psicológicos O filme Mensagem para você e o processo de decisão do consumidor O reconhecimento do problema A busca de informações Avaliação de alternativas Decisão de compra DELÍRIOS DE CONSUMO, DE REBECA BLOOM E A COMPRA POR IMPULSO O CINEMA E OS SIGNIFICADOS IMAGINÁRIOS ATRAVÉS DOS SENTIDOS Conexões sensoriais representada no cinema O sentido visão O sentido audição O sentido tato O CINEMA VAI ÀS LOJAS - DELÍRIOS DE CONSUMO, DE BECKY BLOOM (2009) O FILME CENA A COMPRA DA ECHARPE VERDE MODUS DO CONSUMO NA CENA A COMPRA DA ECHARPE VERDE CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 87

11 11 INTRODUÇÃO A utilização do cinema como fonte de pesquisa não é algo recente, a pesquisa pretende traçar um caminho da linguagem do cinema instaurada na experiência humana que emerge temas que dialogam com o consumo, com repertório de maior ênfase no comportamento do consumir, através do processo da compra por impulso e da sequencia dos estímulos aos sentidos como processo de decisão de compras. Aproximar o cinema e o atravessamento mercadológico do consumo de forma transdisciplinar que converge o consumidor no cinema. Dessa forma incorporamos na pesquisa, a compreensão da cultura de consumo na contemporaneidade que tem sido um grande desafio nas mais diversas áreas. Compreender o consumidor, identificar suas preferências, atitudes, principalmente sob o aspecto do comportamento do consumidor, a cultura de consumo assume extrema relevância nos estudos mercadológicos com objetivo de cada vez mais obter o entendimento dos processos de decisão de compras. Na contemporaneidade, consideram-se as marcas e as nervuras espessas de uma forte cultura de consumo, ou de práticas sociais orientadas para o consumo (Featherstone). O conjunto de práticas que influenciam os processos de decisão de compras não deve ser entendido como simplesmente práticas de processos de compra e venda de mercadorias. Nesse aspecto, a cultura de consumo pode ser mais bem estudada como um conjunto de práticas que influenciam o discurso da modernidade, sua constituição simbólica e ideológica, manifestada em atitudes, visões do mundo, sensações e emoções do individuo contemporâneo. As práticas de consumo no contexto social foram dialogadas com conceitos de cultura sob a visão de Raymond Williams, modo de vida global, passando por conceitos, pensamentos sobre consumo e cultura de consumo. Para o desenvolvimento deste tema nos apoiamos em autores como Canclini (2005), Baccega (2008), Nicolau Sevcenko (2001), Bauman (2008), Featherstone (1995), entre outros. Partindo da noção que o filme representa formas de aprendizado na época e contexto que ele tenta representar, selecionamos o filme Delírios de consumo, de Rebeca Bloom (Confessions of a shopaholic, EUA, 2009), comédia romântica

12 12 dirigida por P. J. Hogan, como exemplo para se estudar as relações entre o cinema e as práticas de consumo da contemporaneidade. O recorte proposto é uma cena que antecede uma entrevista de emprego da personagem principal que, durante o percurso até o local, encanta-se com uma echarpe verde. O desejo de compra faz que Rebeca tenha uma conversa imaginária com um manequim. Esse manequim, que se apresenta como uma figura humanizada estimula sua compra e, no contexto da narrativa, segue padrões de persuasão no processo decisório de consumo nas lojas, abordados por autores renomados nesta área, como Paco Underhill, Martin Lindstrom, João De Simoni Ferracciu e Gilberto Strunck. Também, se fez necessário, para o entendimento desse processo decisório de compras o estudo sobre comportamento do consumidor baseado nas teorias de Philip Kotler considerado o papa do marketing, complementado pelos autores como Beatriz Santos Samara, Marco Louis E. Boone, David Kurtz, Eliane Karsaklian e Wayne D. Hoyer e Demorah J. Macinnis, pesquisadores e autores específicos sobre o comportamento do consumidor na atualidade. Um dos processos de decisão de compras, a tomada de decisão é feita na loja, as influencias situacionais acabam por abreviar o processo decisório e o indivíduo realiza a compra de forma a deixar-se influenciar por aspectos sensoriais, experiências, psicológicos entre outros que iremos estudar. Esse processo chamase compra por impulso, que entre várias definições optou-se pelo conceito do autor João De Somoni Ferraciu, considerado um dos maiores especialistas na área, devido à aplicação prática de maior aceitação, objetividade e adequação aos estudos aqui propostos. Para Ferraciu (2009): A compra por impulso ocorre quando o consumidor é atingido por algum estimulo suficientemente forte que o leve à compra, no momento em que passa em frente a exposição do produto.(ferraciu, 2009, p.51). O uso de estímulos sensoriais para despertar o interesse do consumidor por um produto fornece conexões e criam expectativas das quais se espera que sejam cumpridas e nesse sentido estudamos a influencia da utilização dos sentidos como persuasão no processo da compra por impulso, ilustrado na cena citada a compra da echarpe verde.

13 13 1. O CINEMA E AS MARCAS DA CULTURA DE CONSUMO 1.1. Cultura de Consumo A cultura evoca interesses multidisciplinares, sendo estudada em áreas como sociologia, antropologia, história, comunicação, administração, economia, entre outras. Em cada uma dessas áreas, é trabalhada a partir de distintos enfoques e usos. O termo suscita tantas interpretações que o dicionário Aurélio assim o define: 1. Ato, efeito ou modo de cultivar. 2. Cultivo. 3. O complexo dos padrões de comportamento, das crenças, das instituições e doutros valores espirituais e materiais transmitidos coletivamente e característicos de uma sociedade: civilização. 4. O desenvolvimento de um grupo social, uma nação, etc., que é fruto do esforço coletivo pelo aprimoramento desses valores; civilização, progresso. 5. Apuro, esmero, elegância. 6. Criação de certos animais, em particular os microscópicos. (FERREIRA,1980, p.512). De origem etimológica, do latim: colere de significados diversos como habitar, cultivar, proteger, honrar com veneração, o termo cultura até hoje é utilizado nas mais diversas situações. O conceito de cultura foi definido pela primeira vez por Edward Tylor ( ), que uniu o termo germânico Kultur utilizado para simbolizar todos os aspectos espirituais de uma sociedade e o termo Civilization de origem francesa que referia-se as realizações pessoais.tylor sintetizou os termos no vocábulo inglês como Culture que no sentido etnográfico inclui conhecimento, crenças, arte, moral, leis, costumes e capacidade de aprendizado do homem. É um termo complexo uma vez que historiadores, filósofos e estudiosos durante séculos refletiram sobre o assunto, nas mais diversas ciências. Essa dificuldade de conceituação é reconhecida também por Raymond Williams, que aponta raízes históricas nessa questão: Cultura é uma das duas ou três palavras mais complicadas da língua inglesa. Isso ocorre em parte por causa de seu intrincado desenvolvimento histórico em diversas línguas europeias, mas principalmente porque passou a ser usada para referir-se a conceitos importantes em diversas disciplinas intelectuais distintas e em

14 14 diversos sistemas de pensamento distintos e incompatíveis (WILLIAMS, 1969, p. 117) Nas ciências sociais, por exemplo, pode ser considerada como conjunto de ideias, comportamentos, símbolos e práticas sociais, aprendidos de geração em geração através da vida em sociedade. A cultura como herança que o homem recebe ao nascer, desde criança adquire influências da sociedade que nasceu vestuário, alimentação, língua, modo de vida. Conforme vai crescendo, recebe novas influências desse mesmo grupo, de modo a integrá-la na sociedade, da qual participa como uma personalidade em função do papel que nela exerce e de acordo com os seus padrões culturais, ele é resultado do meio em que foi socializado. A cultura nesse aspecto é um processo acumulativo, o homem recebe conhecimentos e experiências acumulados ao longo das gerações que o antecederam e, se estas informações forem adequada e criativamente manipuladas, permitirão inovações e invenções, não sendo um esforço isolado, mas um esforço de toda uma comunidade. De forma sociológica, a cultura se preocupa com aspectos da sociedade humana, aprendizados que são compartilhados entre os membros de uma sociedade. As diferentes formas de viver, as primeiras migrações humanas que saíram do continente africano e espalharam-se pelo mundo, os esquimós vivendo em locais mais frios do planeta, indígenas das Américas, povos do deserto, o homem urbano, as diversidades culturais com suas heranças físicas e biológicas, organiza-se em sociedades interagindo com o ambiente, formando assim sua identidade cultural. A identidade cultural, compartilhada com seus aspectos materiais, como utensílios, instrumentos, máquinas, tipo de habitação e não materiais, como religião, costumes, normas, valores, sociologicamente formam um padrão cultural, seguido pelos indivíduos que agem conforme esses padrões pré-estabelecidos. Muito se discute sobre as diferenças culturais e como elas podem interagir ou não, a pluralidade cultural, que nos faz pensar por que nós humanos, embora sejamos uma única espécie biológica, desenvolvemos modos de vida tão diferentes

15 15 e conflitantes. Diferenças muitas vezes vistas como absolutas e imutáveis, porém dinâmicas. São muitos os exemplos de filmes que abordam a pluralidade cultural, entre eles o filme Crash No limite (2005), que destaca pelos conflitos de indivíduos diferentes compartilhando o mesmo espaço, culturas de lados tão opostos que a comunicação e o convívio entre as pessoas tornam-se inviáveis. Outro filme que pode ser referenciado é Outsourced (2006), comédia romântica, que aborda as diferenças culturais americanas e indianas, quando o protagonista (Josh Hamilton), é obrigado a trabalhar na Índia e experimenta o choque cultual, porém a abertura gradual lhe possibilita durante a narrativa, a ampliação da percepção sobre aqueles que o cercam que a diferença está na base cultural. Na sociologia, a cultura é foco de estudo, uma vez que da mesma emana toda a natureza e aspectos da sociedade em questão. A Ciência Social afirma que nenhuma cultura é superior ou inferior à outra, uma vez que isso não existe na sociologia e sim, culturas diferentes. Seja em qualquer aspecto ela não toma uma conclusão contemplativa e conclusiva, mas expositiva onde apenas entendemos o porquê da realidade social de cada cultura, uma vez que ela é o reflexo do momento histórico e geográfico do homem no plano temporal. Da mesma forma que a sociologia expõe conceitos, estudos, sobre a cultura, também fala sobre a contracultura. A ideia parte do pressuposto de que se existe uma cultura vigente que precisa ser cobatida. Esse movimento que nasceu nos Estados Unidos no começo da década de 60 e se espalhou pelo mundo, era entendido como movimento de contestação de caráter social e cultural, ganhou força entre os jovens dessa década e valorizou a natureza, luta pela paz, comunidade, alimentação natural, liberdade sexual, anticomunismo e a forma despojada e livre de expressão artística, foi ao mesmo tempo informal e antinômica, sobretudo em questões de conduta pessoal. A música teve um papel decisivo e através do rock, o movimento ganhou força como, por exemplo, o Festival de Woodstock realizado em uma fazenda no Estado de Nova York, em 1969, os festivais exibidos no Brasil pela Rede Record na mesma década em que artistas como Elis Regina, Chico Buarque, Caetano Veloso, entre outros lutavam pela liberdade de expressão, seguido do movimento Tropicalismo que incorporaram elementos de outras culturas, experimentos que

16 16 acabaram com as fronteiras, tradição versos vanguarda uma maneira de acabar com o conservadorismo e o formalismo existentes na época. No cinema o filme Hair (1979), musical, que reproduz o espírito da revolva juvenil, um grupo de jovens identificados como hippies, desafiam o modelo de sociedade capitalista, tecnocrata e individualista norte americano. O ideário da contracultura é apresentado, principalmente, nas letras das músicas que retratam o enfrentamento das principais instituições do ocidente moderno. As ações destes jovens expressaram a insatisfação que precediam as grandes inovações culturais. Em termos gerais na filosofia a cultura é explicada como o conjunto de manifestações humanas que contrastam com a natureza ou o comportamento natural. Já em biologia a cultura é uma criação especial de organismos para fins determinados. Cultura na antropologia é compreendida como a totalidade dos padrões aprendidos e desenvolvidos pelo ser humano. Da formação intelectual, educação formal, do senso comum ao bom-senso, formação moral e estética, a percepção, a moda, a razão, sensibilidade, emoção, diante da multiplicidade de interpretações e usos do termo cultura, adotamos como referência neste trabalho abordagem de Raymond Williams, que coloca o termo como resposta ao modo de vida, uma vez que estudou a cultura partindo das experiências do trabalho da sociedade em sala de aulas. Em seu livro Cultura e Sociedade, a palavra cultura está entre as cinco palavras que considera pontos básicos de referencias para reexaminar modificações de vida e de pensamento entre o séc. XVIII e a primeira metade do séc. XIX, indústria, democracia, classe, arte e cultura, estas são as palavras que o autor coloca como sendo de grande importância nas transformações e maneira de pensar no período acima. A palavra cultura em sua evolução é a mais impressionante na alteração do seu significado. Séc 19 um estado geral ou disposição de espírito, em relação estreita com a ideia de perfeição humana. Depois, passou a corresponder a estado geral de desenvolvimento intelectual no conjunto da sociedade. Mais tarde corpo geral das artes Mais tarde ainda, ao final do século, veio a indicar todo um sistema de vida, no seu aspecto material, intelectual e espiritual (WILLIAMS, 1969.p.18) A esfera cultural, como um ponto de vista antropológico, é decisiva tanto para a compreensão literária quanto para estudos da sociedade. Partiu de convivências

17 17 concretas para a construção desta teoria, pois as raízes dos estudos culturais tem origem nas aulas que ministrava para trabalhadores no período noturno. Em sua obra Williams (1969), apontou a complexidade em conceituar o termo, sem antes colocar o contexto histórico. Tanto o problema quanto o interesse da sociologia da cultura podem ser percebidas de imediato na dificuldade do termo que obviamente a define: cultura. A historia e o uso desse termo excepcionalmente complexo podem ser estudados em Kroeber e Kluckhohn (1952) e Williams (1958 e 1976). Começando como nome de um processo cultura (cultivo) de vegetais ou (criação e reprodução) de animais e, por extensão, cultura (cultivo ativo) da mente humana ele se tornou, em fins do século XVIII, particularmente no alemão e no inglês, um nome para configuração ou generalização do espírito que informava o modo de vida global de determinado povo. (WILLIAMS, 1969, p.10). A formação do termo cultura adquiriu uma materialidade tal que instituiu práticas antes não realizadas e possíveis, estipulou mudanças nas relações entre homens e entre grupos de homens, gerando identidades, conflitos, relações de subordinação, alternativas de trabalho intelectual, em suma, uma infinidade de interações e, com elas, instituições, valores, modos de viver. A partir do séc.xix, o termo cultura passou a ter um sentido diferente, associado à religião, às artes, família, vida pessoal, significados e valores. As transformações do termo são articuladas conforme as manifestações da força do Ilusionismo, grandes dimensões do Romantismo e novos contornos com o Marxismo. O resultado deste processo, de acordo com Raymond Williams (1969), foi estabelecido três conceitos de cultura na contemporaneidade: 1 - cultura como um processo da perfeição humana com base em valores universais; 2 - relacionado a produção de obras, o pensamento e a experiência humana são como tesouros da cultura e; 3 - social que relaciona a cultura a um modo de vida com elementos significativos que envolvem todas as formas de atividade social. Na obra de Raymond Willian nos estudos das manifestações artísticas como expressão de cultura, o autor indica que já era possível observar certa convergência prática entre o sentido social e o sentido mais especializado de cultura como atividades artísticas e intelectuais, sendo que está não está aplicada apenas nas artes e produções intelectuais mais sim em práticas significativas como linguagem, artes, filosofia, jornalismo, moda e publicidade. Essas variações de sentido no uso do termo cultura, para Williams, não devem ser negativas, devem ser percebidas

18 18 como elementos da própria experiência uma vez que a cultura é dinâmica e compreendida como processo social geral. Culture is ordinary expressão usada por ele que refere-se à cultura como o processo social de dar e receber sentidos formados por aqueles já conhecidos e também pelos novos que serão testados.os sentidos comuns para significar um modo de vida global e para significar as artes e o aprendizado, processos de descoberta e esforço criativo.no mundo há sempre pessoas com potencial,capacidade, luta e experiência cultura é ordinária porque está em toda sociedade e em toda mente. As interconexões do social ao econômico, a ideia de cultura como modelo de valores e processos sociais, resulta uma visão contemporânea de cultura que Raymond Williams, nos permite o inicio das reflexões a respeito da cultura de consumo tão presente e comum na sociedade e como um modo de vida global. As práticas de consumo assumem particular relevância nas sociedades contemporâneas que são sociedades de consumo, por excelência. É através do consumo que se evidenciam dimensões afetivas, simbólicas e sociais. No entanto, nem sempre o consumo teve centralidade na vida social e nem sempre foi percebido como hoje, ato importante de significações na formação da sociedade. As preocupações com a dimensão do consumo passam a ser mais contextualizadas com o capitalismo, as transformações sociais ocorridas nos modos operantes de produção, os conceitos de alienação, opressão, a transformação do produto do trabalho em mercadoria, à exploração das forças de trabalho. O pensamento predominante de Marx cujo valor da mercadoria passa a ser definido pela quantidade de dinheiro que lhe é atribuída dissimulada do caráter social, o processo de produção domina o homem, enquanto deveria ser ao contrário o homem dominando o processo de produção. Costa & Vasconcelos (2008) coloca está questão de maneira esclarecedora. (...) a produção é imediatamente o consumo que, por sua vez, é imediatamente a produção. Cada um é imediatamente o seu oposto. Então,vejam bem, o consumo realiza o objetivo da produção e propõe novas finalidades para produção; portanto,de certa forma, o consumo produz a produção. Assim,segundo observa Marx, a produção não se torna produto efetivo se não houver consumo,ou seja, um vestido só é vestido quando consumido,senão é um pedaço de pano.ele só passa a existir quando é consumido,quando realiza a

19 19 produção.além disso, o consumo cria a necessidade de uma nova produção, ou seja, o fundamento ideal que move internamente a produção. (COSTA & VASCONCELOS, 2008, p.83) O termo consumo até então significava estudos voltados para o entendimento do mundo econômico, sob a ótica da produção e não da compreensão como demanda, dimensões afetivas e sociais. Após a fase da economia de mercado, a produção em massa de produtos, o consumo em larga escala, a relação com os conceitos de consumo se efetivam como uma construção social e ganham um novo impulso na metade do século XX. O consumo acabou se tornando um fator importante de construção de representações sociais: ao fazer uma compra, não apenas se adquire um produto ou serviço, mas define-se a identidade de um indivíduo e sua diferenciação entre classes e grupos sociais. Embora pesquisas tenham se multiplicado durante anos, estudos nas mais diversas áreas se aprofundado, vamos iniciar nossos estudos com uma pergunta simples, porém complexa em suas respostas; o que significa consumir? Para Canclini (2005, p.77), consumir é algo mais simples do que os julgamentos feitos por moralistas. O consumo é um conjunto de processos socioculturais em que se realizam a apropriação e o uso dos produtos. Nessa perspectiva o consumo está voltado à racionalidade econômica, a geração de produtos para expansão de capital e reprodução da força de trabalho, ao invés de enxergá-lo como simples cenário de gastos organiza a racionalidade econômica e sociopolítica nas sociedades. Canclini (2005, p.78) diz que: Consumir é participar de um cenário de disputa por aquilo que a sociedade produz e pelos modos de usá-lo. Suas reflexões tomam como base os aspectos políticos da cidadania e tentam entender como as mudanças na forma de consumir alteram as formas de sermos cidadãos. O autor vê o consumo não como um simples cenário de gastos supérfluos, mas algo para se pensar na organização econômica, psicológica nas sociedades contemporâneas. Canclini (2005, p. 59), também afirma que outros estudos apontam o consumo como lugar de diferenciação e distinção entre as classes e os grupos, é participar de um cenário de disputas pelo que a sociedade produz e pelos modos de usá-lo.

20 20 Segundo ele, o reconhecimento e a aceitação social dependem cada vez mais do consumo ou daquilo que se possua, ou seja, capaz de possuir, o consumo é um processo em que os desejos se transformam em demandas e em atos socialmente regulados. Não é algo privado, atomizado e passivo mas algo social, correlativo e ativo. Inclusive nessa obra o autor exemplifica esse aspecto com a introdução de novos objetos em uma comunidade indígena que só são aceitos se houver similaridades. Para ele, a tendência do consumo resulta na participação do que é produzido pela sociedade e seu modo de uso, como por exemplo, se determinado grupo consome certa marca, o indivíduo somente conseguirá se integrar ao grupo se consumir a marca em questão. O ato de consumir define o papel que se ocupa, o quê e quem se pretendem ser e como se quer ser visto pela sociedade. A capacidade de consumo permite a integração a um determinado grupo, que compartilha do ato da compra, essa manifestação do estilo de vida através do consumo de certos bens, produtos e serviços, exibidos socialmente é contextualizado por Nicolau Sevcenko (2001); As pessoas são aquilo que consomem. O fundamental da comunicação o potencial de atrair e cativar já não está mais nas qualidades das pessoas, mas na qualidade das mercadorias que ela ostenta [...]. Em outras palavras, sua visibilidade social e seu poder de sedução são diretamente proporcionais ao seu poder de compra (SEVCENKO, 2001, p. 64). Com as mudanças tecnológicas do século XX, Sevcenko (2001) coloca que há alteração no padrão do comportamento das pessoas e no quadro de valores da sociedade. Nas grandes metrópoles, por exemplo, as pessoas não têm mais tempo e nem espaço para serem avaliadas pela sua personalidade, a forma de identificar e conhecer umas as outras está na maneira de se vestir, objetos simbólicos que exibem, pelo modo e pelo tom com que falam, pelo seu jeito de se comportar. A transformação da sociedade moderna e a relação com o consumo também foram destacadas por Zygmunt Bauman (2008) de forma que o consumo deixou de ser uma simples prática, para se alcançar ao longo dos séculos padrões de relacionamento interpessoal. Para Bauman (2008, p. 41), na sociedade de consumidores, as pessoas são ao mesmo tempo consumidoras e mercadorias, o consumo tornou-se consumismo;

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO As necessidades humanas estão diretamente

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM 1 COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM Heliana Comin Vargas Publicado no Portal do Estado de São Paulo. www.estadao.com.br/ext/eleicoes/artigos31/08/2000 Desde o início das civilizações, comércio

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Abril, 2009. Clínica de Projetos

Abril, 2009. Clínica de Projetos Abril, 2009 Clínica de Projetos Apresentação O Programa Clínica de Projetos Dispositivos da Clínica Ampliada: - Tramando a Rede - Site - Interlocuções - Eventos Clínica de Projetos Clínica de Projetos

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO a sociedade e o indivíduo 1 Suemy Yukizaki

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO a sociedade e o indivíduo 1 Suemy Yukizaki SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO a sociedade e o indivíduo 1 Suemy Yukizaki A concepção de sujeito com todas as implicações que decorrem dela e das quais somos herdeiros seguindo a tradição filosófica do Ocidente

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

Construção de Marcas - Caso It's¹ Bruna MELO² Marília DIÓGENES³ Ms. Maria Iglê de MEDEIROS 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Construção de Marcas - Caso It's¹ Bruna MELO² Marília DIÓGENES³ Ms. Maria Iglê de MEDEIROS 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Construção de Marcas - Caso It's¹ Bruna MELO² Marília DIÓGENES³ Ms. Maria Iglê de MEDEIROS 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este estudo mostra o desenvolvimento da criação

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto).

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). O TRABALHO DOCENTE E A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO Uma análise de sua historicidade Maria Ciavatta* A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). SEMINÁRIO

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais