Padrão de Análise de Sistemas Versão 2.5. Padrão de Análise de Sistemas Versão 2.5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Padrão de Análise de Sistemas Versão 2.5. Padrão de Análise de Sistemas Versão 2.5"

Transcrição

1 Padrão de Análise de Sistemas

2 Histórico de Atualizações Versão Data Alterações /03/2007 Definição de boas práticas para a Análise de Sistemas /04/2007 Alteração no diagrama de implementação de classes para componentes. Inclusão da forma de trabalho com documentos replicados na rede. Nomenclatura dos diagramas dentro da especificação (para conter o nome da funcionalidade e não mais apenas fluxo ou especificação ) /05/2007 Adicionado o apêndice no documento contendo diversas orientações rápidas para o desenvolvimento da atividade de análise de sistemas /09/2007 Padrão de Orientação a Objetos /12/2007 Adicionado padrão de solicitação ADO /01/2008 Inclusão de um novo controle nas solicitações ADO e inclusão dos mecanismos para Análise de Impacto /02/2008 Alterado padrão de solicitação ADO /02/2008 Inserido Rastreabilidade /02/2008 Inserido Relacionamento Entre Casos de Uso. 20/3/2008 Página 2 de 64

3 Índice INTRODUÇÃO ENTERPRISE ARCHITECT VISÃO GERAL LICENÇAS PADRÕES CONFIGURAÇÃO DIAGRAMAS, ELEMENTOS E LIGAÇÕES DIAGRAMAS ELEMENTOS E LIGAÇÕES Caso de Uso Requisitos Alterações Classes Tabelas Componentes Atividades ESTRUTURAS DOS PROJETOS PADRÕES DE ESTRUTURAS DE PROJETOS Manutenção Banco de Dados Funcionalidades Requisitos Implementação Casos de Uso Modelo Lógico Componentes Distribuição Relacionamento Entre Casos de Uso PROCEDIMENTOS LEVANTAMENTO DE REQUISITOS Identificar requisitos funcionais Identificar requisitos não funcionais /3/2008 Página 3 de 64

4 4.1.3 Identificar alterações no modelo ESPECIFICAÇÃO DO ITEM Atualizar diagramas de caso de uso, atividades e implementação Solicitar alterações à ADO e atualizar diagrama de entidades Atualizar diagrama de atividades DOCUMENTAÇÃO INICIAL Pré-documentação da funcionalidade a ser alterada TEMPLATES DISPONÍVEIS Solicitação à ADO Protótipo de Tela Protótipo de Relatório Caso de Uso MECANISMOS DE RASTREABILIDADE Uso do Elemento Hierarquia de Uso do Elemento Matriz de Rastreabilidade APÊNDICE AGREGAÇÃO CONTROLE DE VERSÃO (CVS) TRY..CATCH..END ADICIONAR AUTORES DIAGRAMA DE FONTE DE INCLUDE ( *.CH ) INCLUIR OPÇÃO DE MENU FONTES LOCALIZADOS NA PASTA RAIZ DOS SISTEMAS DOCUMENTAÇÃO DE JOB /3/2008 Página 4 de 64

5 Introdução Esse documento tem por objetivo estabelecer as melhores práticas para a elaboração de análises de sistemas na área de Desenvolvimento de Software do SICREDI, através da ferramenta Enterprise Architect (EA). 20/3/2008 Página 5 de 64

6 1. Enterprise Architect 1.1 Visão geral O Enterprise Arquitect é uma ferramenta CASE (Computer Aided Software Engineering) para desenhar e construir sistemas baseando-se na UML Licenças O EA possui duas licenças que serão utilizadas: - Corporate: utilizada pelos Analistas de Sistemas para criação dos diagramas. - Lite (viewer): utilizada pelos Programadores e Analistas de Testes para consulta dos diagramas. 1.3 Padrões Serão utilizados dois padrões distintos de projetos no EA: - padrão para linguagens de programação estruturada (PE); - padrão para linguagens orientadas a objetos (OO). 1.4 Configuração Para armazenar a documentação, podemos utilizar duas formas: - Banco de dados: o projeto é armazenado no Oracle (esta opção será utilizada em novos projetos). Para conexão no banco, será utilizado o Oracle Provider for OLE DB, na opção Connect to server..., disponível na tela principal. Nesta opção devem ser configurados o nome do banco e o schema para conectar, conforme exemplos abaixo: 20/3/2008 Página 6 de 64

7 Telas de conexão no banco de dados Oracle - Master e Réplicas: o projeto fica na rede em um arquivo Design Master e cada Analista cria um arquivo réplica para sincronizar. Para a criação do arquivo Master, já existe um template padrão, que deve ser solicitado à Qualidade de Software (esta opção não será mais utilizada). 20/3/2008 Página 7 de 64

8 2. Diagramas, Elementos e Ligações 2.1 Diagramas O EA trabalha com os diagramas padrões da UML e outros estendidos que serão utilizados. Os diagramas podem ser incluídos nas views e packages através da opção Add Diagram..., disponível no botão direito do mouse, conforme abaixo: Nos diagramas estruturais da UML, estaremos utilizando os seguintes: - Package: para agrupar diagramas ou outras packages; - Class: para diagramas de classes de sistemas orientado a objetos; - Component: para componentes de software e códigos-fonte; - Deployment: para diagramar as arquiteturas das aplicações. 20/3/2008 Página 8 de 64

9 Nos diagramas comportamentais da UML, estaremos utilizando os seguintes: - Use Case: para diagramar casos de uso, atores e seus relacionamentos; - Activity: para diagramar o fluxo de atividades dos casos de uso. Nos diagramas estendidos da ferramenta, estaremos utilizando os seguintes: 20/3/2008 Página 9 de 64

10 - Requirements: para diagramar os requisitos de cada caso de uso (funcionais, não-funcionais, protótipos, tabelas e componentes de software envolvidos, etc.); - Maintenance: para diagramar as alterações (change requests) efetuadas no modelo ou sistema; 2.2 Elementos e Ligações Nesta seção estaremos especificando os tipos de elementos utilizados nos diagramas, suas respectivas ligações e as cores padrões de cada tipo Caso de Uso Elemento Objetivo Utilizado nos Diagramas Especificará o caso de Casos de Uso e uso a da Requisitos. funcionalidade. Ligações Casos de uso podem estar ligados entre si através de include ou extend. Observações Requisitos Os requisitos utilizarão os elementos Requirement, sendo divididos nos tipos abaixo: 20/3/2008 Página 10 de 64

11 Elemento Objetivo Utilizado nos Diagramas Especifica os requisitos Requisitos e Atividades. de negócio necessários à funcionalidade. Geralmente são apontados na Análise de Negócio. Especifica o layout do relatório da funcionalidade. Especifica o layout de tela da funcionalidade. Especifica o layout do arquivo que o sistema está gerando ou importando. Especifica sugestões de Testes para auxiliar o Analista de Testes na identificação de impactos para validar a implementação Alterações Requisitos e Atividades. Requisitos e Atividades. Requisitos e Atividades. Manutenção Ligações Devem ser ligados com realisation no diagrama de requisitos, tendo como origem o caso de uso e destino o requisito, e com dependency no diagrama de atividades, tendo como origem a atividade e destino o requisito. Devem ser ligados com realisation no diagrama de requisitos, tendo como origem o caso de uso e destino o requisito, e com dependency no diagrama de atividades, tendo como origem a atividade e destino o requisito. Devem ser ligados com realisation no diagrama de requisitos, tendo como origem o caso de uso e destino o requisito, e com dependency no diagrama de atividades, tendo como origem a atividade e destino o requisito. Devem ser ligados com realisation no diagrama de requisitos, tendo como origem o caso de uso e destino o requisito, e com dependency no diagrama de atividades, tendo como origem a atividade e destino o requisito. Devem ser ligados com dependency ao change no diagrama de manutenção. Observações Deve possuir um documento vinculado utilizando o template Protótipo de Relatório, através da opção Linked Document. Deve possuir um documento vinculado utilizando o template Protótipo de Tela, através da opção Linked Document. Deve possuir um documento vinculado utilizando o template Protótipo de Arquivo, através da opção Linked Document. Sua utilização é opcional. As alterações utilizarão os elementos Change, conforme abaixo: Elemento Objetivo Utilizado nos Diagramas Especificar as Manutenção alterações realizadas no sistema (change requests). Ligações Devem ser ligadas sempre com trace em todos os diagramas. Observações Podem estar ligadas no caso de uso ou nos requisitos no diagrama de requisitos. 20/3/2008 Página 11 de 64

12 2.2.4 Classes As classes no padrão OO utilizarão poderão ser importadas de sistemas já existentes via engenharia reversa, e seguirão o padrão da ferramenta usando o elemento Class, conforme abaixo: Elemento Objetivo Utilizado nos Diagramas Especificar as classes Classes dos sistemas orientados a objetos Tabelas Ligações Devem ser ligadas entre si com os padrões UML no diagrama de Classes e com dependency nos diagramas de requisitos e atividades. Observações As tabelas e outros objetos do banco de dados utilizarão o elemento do tipo Class com stereotype Table na view Banco de Dados, conforme abaixo: Elemento Objetivo Utilizado nos Diagramas Especificar as tabelas e Classes outros objetos do banco de dados. Ligações Devem ser ligadas entre si e nos outros diagramas com dependency. Observações Componentes abaixo: Os componentes de software serão documentados utilizando os tipos de elementos Elemento Objetivo Utilizado nos Diagramas Especificar páginas Componentes WEB e outros códigosfontes da camada View da aplicação. Ligações Devem ser ligadas entre si e nos outros diagramas com os padrões UML. Observações Tipo do elemento é Class com stereotype web page. Especificar funções públicas (Clipper,PL/SQL e outras linguagens padrão PE). Especificar arquivos de configuração. Componentes Componentes ou Classe Devem ser ligadas nos diagramas com dependency. Deve ser ligadas através de trace ao change de alteração Deve ser utilizada a tecla F4 para alterar a cor da borda do componente para vermelho. 20/3/2008 Página 12 de 64

13 2.2.7 Atividades Nos diagramas de atividades serão utilizados os elementos abaixo: Elemento Objetivo Utilizado nos Diagramas ActivityInitial: Atividades Especifica o início do fluxo. ActivityFinal: Especifica Atividades o fim do fluxo. Ligações Control Flow Control Flow Observações FlowFinal: Especifica o encerramento do fluxo antes de chegar no final. Também é utilizado para encerrar iterações de loops. Activity: Especifica a execução de uma atividade no fluxo. Atividades Atividades Control Flow Control Flow Activity: Especifica a execução de uma atividade composta no fluxo, ou seja, redireciona para outro diagrama de atividades. Structured Activity: Especifica atividades compostas e estruturadas, como laços de repetição. Action: Especifica ações no fluxo, como por exemplo, controle de transações. Decision: Especifica desvios condicionais no fluxo (If e Case). Merge: Especifica o agrupamento de várias entradas do fluxo. Object: Especifica o fluxo de dados entre as atividades, como por exemplo, variáveis e arrays. Atividades Control Flow Para criar a atividade composta é utilizada a opção Advanced- >Composite Element, disponível clicando-se com o botão direito no elemento. Atividades Control Flow Para loops deve ser selecionado a opção Loop Node na criação do elemento. Atividades Control Flow Usada para cada passo do controle de transação: BEGIN TRANSACTION, ROLLBACK e COMMIT. Atividades Control Flow Atividades Control Flow Deve ser utilizado antes de um elemento que pode receber mais de uma entrada. Atividades Control Flow Na ligação com Control Flow, a cor do conector deve ser cinza ao invés de preto. A cor deve ser: Red: 210 Green: 230 Blue: 211 Seguem abaixo alguns exemplos de diagramas com seus elementos e ligações: 20/3/2008 Página 13 de 64

14 Diagrama de requisitos, seus elementos e tipos de ligações. Diagrama de atividades e seus elementos. 20/3/2008 Página 14 de 64

15 20/3/2008 Página 15 de 64

16 3. Estruturas dos Projetos 3.1 Padrões de Estruturas de Projetos O projeto conterá todos os sistemas de uma determinada família, e as views para separar os diagramas seguirão os padrões definidos por tipo de linguagem, conforme abaixo: - a estrutura padrão para linguagens de programação estruturada (PE) utilizará as seguintes views: Banco de Dados, Funcionalidades, Implementação, Manutenção e Relacionamento Entre Casos de Uso. - a estrutura padrão para linguagens orientadas a objetos (OO) utilizará as seguintes views: Banco de Dados, Requisitos, Casos de Uso, Modelo Lógico, Componentes, Distribuição e Manutenção. 20/3/2008 Página 16 de 64

17 O conteúdo de cada view será detalhado a seguir Manutenção A view Manutenção possui a finalidade de documentar as alterações (change requests) realizadas no modelo e por conseqüência, no sistema. Abaixo a estrutura no Project Browser: Estrutura da view Manutenção 20/3/2008 Página 17 de 64

18 Nesta view existirão packages para as versões, itens e Artefatos do PDS, facilitando a localização das implementações dentro do modelo. Para documentar estas alterações, o diagrama utilizado será do tipo Manutenção (Maintenance) e para as alterações serão utilizados os elementos do tipo Change. Segue abaixo exemplo do diagrama de manutenção e como fazer o rastreamento dos elementos. Diagramas de Manutenção com Alterações e Sugestões de Teste Pressionando-se CTRL+U sobre a alteração podemos rastrear os pontos de utilização da alteração, conforme abaixo: Tela de utilização dos elementos nos diferentes diagramas 20/3/2008 Página 18 de 64

19 Na package Artefatos do PDS será indicado os documentos que serão gerados durante o processo de desenvolvimento de software. AN (Análise de Negócio): independente de serem chamados de PI (projeto de implementação) ou serem anexados no SGDWeb com outro nome, ao entrar para o controle de versões deverão necessariamente receber o prefixo AN_*. CAR (Checklist de Avaliação de Requisitos) FER (Formulário de Entendimento de Requisitos) RAI (Relatório de Análise de Impacto) O objeto CAR deve estar linkado a versão do pacote através de dependency. Para o exemplo abaixo deverão ser utilizados os diagramas do tipo package diagram. Os objetos AN, FER E RAI devem estar linkados através de dependency ao change de manutenção do item. 20/3/2008 Página 19 de 64

20 3.1.2 Banco de Dados A view Banco de Dados conterá as tabelas e os objetos do banco utilizados pelo sistema. Para documentar estes objetos, o diagrama utilizado será do tipo Classes (Logical) e os elementos serão do tipo Class com stereotype Table. Já existe um objeto customizado com estas características que deverá ser utilizado. Nas tabelas não serão documentados os atributos, somente seus relacionamentos de forma simplificada, pois o modelo ER completo poderá ser solicitado à ADO. Segue abaixo a estrutura no Project Browser: Diagrama da View Banco de Dados Funcionalidades A view Funcionalidades será utilizada somente no padrão PE e conterá a especificação (requisitos) e fluxo (atividades) de cada funcionalidade do sistema. 20/3/2008 Página 20 de 64

21 As funcionalidades estarão agrupadas em packages pelo seu tipo específico: Biblioteca, Cadastros, Consultas, Movimentação, Parâmetros, Processamento e Relatórios. Cada funcionalidade conterá sempre duas packages: Especificação e Fluxo. View Funcionalidades Na Especificação, o diagrama utilizado será do tipo Requisitos (Requirements) e os elementos utilizados serão os seguintes: Class,Use Case e Requirements. Além de seus próprios elementos, o diagrama de requisitos possui elementos de outras views ligados no Caso de Uso. O diagrama de requisitos tem como objetivo especificar os requisitos funcionais e não funcionais necessários à funcionalidade, quais os componentes de software que implementam a mesma, quais tabelas serão impactadas e as alterações executadas na funcionalidade. 20/3/2008 Página 21 de 64

22 Diagrama de Requisitos e seus elementos Podem existir casos em que a funcionalidade que está sendo diagramada esteja duplicada no Legado e em PL/SQL. Somente nestes casos poderão existir dois componentes de software ligados a um Caso de Uso, conforme exemplo abaixo: Funções equivalentes no Legado e em PL/SQL 20/3/2008 Página 22 de 64

23 No Fluxo, o diagrama utilizado será do tipo Atividade (Activity) e os elementos utilizados serão os descritos na tabela vista anteriormente. Além de seus próprios elementos, o diagrama de atividades ainda poderá conter atividades com requisitos ligados, indicando a execução dos mesmos. Diagrama de atividades, com alguns requisitos vinculados à certas atividades O diagrama de atividades deve ser detalhado o suficiente para que o programador consiga implementar a rotina sem maiores dúvidas. 20/3/2008 Página 23 de 64

24 3.1.4 Requisitos A view Requisitos será utilizada somente no padrão OO será semelhante à view Funcionalidades, pois conterá a especificação (requisitos) de cada funcionalidade do sistema ou ainda requisitos padrões a todas as funcionalidades (Ex: campos padrões, etc.). As funcionalidades também estarão agrupadas em packages pelo seu tipo específico: Biblioteca, Cadastros, Consultas, Movimentação, Parâmetros, etc. View Requisitos O diagrama utilizado será do tipo Requisitos (Requirements) e os elementos utilizados serão os Requirements. Além de seus próprios elementos, o diagrama de requisitos possuirá elementos de outras views, tais como Class, Use Case e Components. O diagrama de requisitos tem como objetivo especificar os requisitos funcionais e não funcionais necessários à funcionalidade, quais os componentes de software (ou classe) que implementam a mesma, quais tabelas serão impactadas e as alterações executadas na funcionalidade. Diagrama de requisitos de sistemas orientados a objetos 20/3/2008 Página 24 de 64

25 3.1.5 Implementação A view Implementação será utilizada somente no padrão PE e conterá os fontes do do sistema. Cada código-fonte terá uma package com seu nome e extensão, separadas por packages da estrutura física do projeto. Na Implementação, o diagrama utilizado será do tipo Componentes (Components) e os elementos utilizados serão do tipo Component. Deverão ser documentadas somente as funções e procedures públicas do sistema, pois as estáticas ficaram sobre responsabilidade do codificador. View Implementação com suas packages e componentes Os componentes deverão ter sua cor da borda alterada para vermelho, através da tecla F4 com o componente selecionado. Os componentes serão utilizados para identificar qual função pública implementa um determinado caso de uso, conforme exemplo a seguir: Componente indica qual função implementa o caso de uso 20/3/2008 Página 25 de 64

26 3.1.6 Casos de Uso A view Casos de Uso será utilizada somente no padrão OO e conterá os Casos de Uso do sistema no padrão UML, somente com relacionamentos entre outros casos de uso e atores, separados em packages de acordo com sua funcionalidade. View Casos de Uso Na view Casos de Uso terá a package Relacionamento Entre Casos de Uso, que armazenará o relacionamento entre Casos de Uso. Nos Casos de Uso, o diagrama utilizado será do tipo Casos de Uso (Use Case) e os elementos utilizados serão do tipo Use Case e Actors. 20/3/2008 Página 26 de 64

27 Diagrama de Caso de Uso, seus elementos e relacionamentos Modelo Lógico A view Modelo Lógico será utilizada somente no padrão OO e conterá o Modelo Lógico do sistema no padrão UML, somente com suas classes e os relacionamentos entre elas, separados em packages de acordo com a estrutura do projeto. Nos projetos já existentes pode ser utilizada a opção de engenharia reversa para importar as classes, na opção do Code Engineering -> Import Source Directory do menu do botão direito. View Modelo Lógico 20/3/2008 Página 27 de 64

28 (Class). No Modelo Lógico, o diagrama e os elementos utilizados serão do tipo Classes Diagrama de Classes Componentes A view Componentes será utilizada somente no padrão OO será semelhante à view Implementação do padrão PE, contendo o restante dos componentes de software do sistema orientado a objetos (páginas, arquivos XML, fontes PL/SQL, etc.) e a relação destes componentes com as classes e as camadas da aplicação (view, model, controller, etc.), separados em packages de acordo com a estrutura do projeto. View Componentes Nos projetos já existentes, também pode ser utilizada a opção de engenharia reversa para importar os componentes. 20/3/2008 Página 28 de 64

29 Diagrama de componentes com as camadas da aplicação Distribuição A view Distribuição será utilizada somente no padrão OO e conterá a visão da arquitetura da aplicação (topologia, servidores, etc.). Esta view não será obrigatória por enquanto, mas é de grande valia para elucidar a arquitetura de produção para novos profissionais Relacionamento Entre Casos de Uso A view Relacionamento Entre Casos de Uso será utilizada somente no padrão PE, no padrão OO o Relacionamento Entre Casos de Uso estará na view Casos de Usos. Está view conterá os Relacionamentos entre os Casos de Uso mais importantes do Sistema. O tipo de relacionamento utilizado nos diagrama de Relacionamentos Entre Casos de Uso é dependency. 20/3/2008 Página 29 de 64

30 Diagrama Relacionamento Entre Casos de Uso 20/3/2008 Página 30 de 64

31 4. Procedimentos O processo de Análise de Sistemas está composto por duas principais etapas: Levantamento de Requisitos da Análise de Negócio e Especificação do Item para desenvolvimento. Além destas, também pode existir a necessidade de mais uma etapa de Documentação Inicial, caso não exista documentação de Análise de Negócios. act Inicial Funcionalidade documentada [Nao] Documentação inicial [Sim] Levantamento de Requisitos Especificação do item 20/3/2008 Página 31 de 64

32 4.1 Levantamento de Requisitos act Lev antamento de Requisitos Identificar requisitos funcionais Identificar requisitos nao funcionais Identificar alterações no modelo Identificar requisitos funcionais Sem dúvida esta é a atividade mais importante da Análise de Sistemas. Identificar os requisitos funcionais pode não ser tão simples quanto parece, pois podem estar escondidos no texto da Análise de Negócio ou, muitas vezes, implícitos. Um requisito pode ser definido como "uma condição ou uma capacidade com a qual o sistema deve estar de acordo". Os requisitos funcionais especificam ações que um sistema deve ser capaz de executar, sem levar em consideração restrições físicas. Especificam, portanto, o comportamento de entrada e saída de um sistema. São documentados na pasta Manutenção como requisito ou alteração (se o requisito já existir deve ser registrada uma alteração). Quando uma alteração é realizada deve ser vinculada com o link Trace ao requisito ou ao caso de uso. Abaixo um exemplo de um requisito de manutenção visando incluir um campo na tela do cadastro de finalidades. 1: ALT-001 é uma mudança do requisito REQ /3/2008 Página 32 de 64

33 4.1.2 Identificar requisitos não funcionais Requisitos não funcionais estabelecem restrições gerais do sistema em termos de usabilidade, performance, confiabilidade, documentação, entre vários outros. Estes podem estar diretamente ligados ao caso de uso (mediante Realisation ) ou a qualquer outro elemento. Abaixo um exemplo de requisitos não funcionais: As linhas vermelhas apontam os requisitos não funcionais. Isto é, os que não evitam que a rotina funcione, mas garantem sua qualidade Identificar alterações no modelo Uma vez que os requisitos funcionais e não funcionais foram identificados devem ser vinculados ao modelo existente. Para isto utiliza-se o link Trace. Veja exemplo abaixo: 20/3/2008 Página 33 de 64

34 Podemos visualizar que, para o item 2296, foi identificado uma alteração na rotina de atualização de base. O requisito de alteração (em verde) está ligado ao requisito funcional Atualização de Base. A leitura deste diagrama é que a Atualização de base da funcionalidade sofreu uma alteração no item No gráfico acima, observa-se que o item 2298 implementou uma atualização de base (requisito funcional) e uma alteração na tela do cadastro. 20/3/2008 Página 34 de 64

35 4.2 Especificação do Item Atualizar diagramas de caso de uso, atividades e implementação Neste ponto já estão todos os requisitos levantados e colocados dentro da pasta de manutenção (no respectivo item e versão) e ligados nos casos de uso impactados. Neste momento devemos detalhar cada implementação utilizando os templates fornecidos na ferramenta e comentários que sejam necessários para garantir que o programador capte o solicitado. Um exemplo de detalhamento por comentários pode ser observado abaixo: req Especificação REQ-0026: tecla [ESC] 20/3/2008 Página 35 de 64

36 A tela acima pode ser acessada com um duplo-click no requisito (ou em qualquer outro elemento). Quando o requisito for de tela, relatório, alteração de tabela ou algum outro que necessite de uma especificação mais complexa, utilizam-se os templates e documentos vinculados Solicitar alterações à ADO e atualizar diagrama de entidades Sempre que existir alteração ou criação de tabelas, deve-se utilizar um requisito de alteração com um documento vinculado através da opção do botão direito Linked Document..., utilizando o template de Solcitação ADO. Veja abaixo um exemplo: 20/3/2008 Página 36 de 64

37 req item 2298 ALT-0002: Nova tabela A alteração também deve ser ligada à tabela, para rastreamento dos objetos impactados. class ER grupo_empreendimento_ccrpfina «trace» ALT-0002: Nova tabela (from item 2298) Além disto, deve ser adicionada uma tag na change, através do botão direito, seleciondo-se a opção Add e em seguida Tagged Value..., conforme imagem abaixo: 20/3/2008 Página 37 de 64

38 Na combo box do campo Tag:, deve ser selecionado o valor ADO, que já estará previamente cadastrado, conforme imagem abaixo: No campo Value: deve ser informado o valor TRUE, em letras maiúsculas, conforme imagem abaixo: 20/3/2008 Página 38 de 64

39 Segue abaixo o template para solicitações à ADO: Para enviar esta solicitação à ADO, deve ser criada uma atividade avulsa no SGD com dos dados abaixo: Padrão que deve estar no campo Descrição da atividade Nome do repositório/equipe: <exemplo: eap_sicredi, eap_sis> Nome da pasta: <ex.:canais de Apoio> Sistema: <sigla do sistema> Versão do sistema: <onde está sendo realizada a alteração> Nº item: <nº do item no SGD que está saindo a alteração> Nº subitem: <nº do subitem da alteração caso exista> Nome do change: <change/requisito de alteração que contém o documento linkado> 20/3/2008 Página 39 de 64

40 4.2.3 Atualizar diagrama de atividades O diagrama de atividades é o mais importante para o desenvolvedor. Este valida e especifica o caso de uso e seus requisitos. O detalhamento do diagrama depende da necessidade de especificar certa funcionalidade. Exemplo: Observa-se que estão alocados os principais requisitos levantados na especificação e as tabelas impactadas no item. Isto é opcional, mas altamente recomendado. 20/3/2008 Página 40 de 64

41 4.3 Documentação Inicial act Documentação inicial Lev antamento de requisitos básicos Levantamento de tabelas env olv idas Esboço do protótipo de tela e relatório Atualizar diagrama de implementação Diagrama de ativ idades básico Montar diagrama de caso de uso com seus requisitos Pré-documentação da funcionalidade a ser alterada As primeiras especificações não terão documentação na ferramenta. Portanto, torna-se necessário realizar um pré-levantamento da funcionalidade impactada. Os diagramas que devem ser criados e mantidos são os mesmos mencionados neste documento, mas de uma forma simplificada evitando um impacto inicial alto. Ao passar do tempo estas análises serão complementadas elevando o nível de detalhamento. O primeiro passo é identificar o fonte e inseri-lo no diagrama de implementação. Depois, monta-se o caso de uso e realiza-se um levantamento básico de requisitos (ações da rotina e outros pontos que sejam relevantes para a alteração proposta pelo item). Realiza-se um mapeamento das principais tabelas envolvidas e criam-se (se ainda não existirem) no diagrama de Entidades. Com tudo isto pronto monta-se o diagrama de atividades básico visando suportar as alterações propostas. Abaixo, um exemplo do cadastro de finalidades do sistema de crédito, onde o item 2298 solicitou um novo campo na tela. 20/3/2008 Página 41 de 64

42 req item 2298 ALT-0001: Incluir campo para grupo de empreendimento REQ-0039: Os grupos devem ser selecionados mediante um browse ALT-0002: Nova tabela REQ-0049: Atualização de Base 2: levantamento das alterações necessárias para o item 2298 (no diagrama de manutenção) 3: Diagrama de caso de uso e requisitos da rotina. 20/3/2008 Página 42 de 64

43 20/3/2008 Página 43 de 64

44 4: Diagrama de atividades inicial da rotina. Observa-se que está simplificado mas esboça perfeitamente seu comportamento. 5: Protótipo básico da tela da rotina 4.4 Templates disponíveis O EA permite a inclusão de templates para facilitar a especificação das funcionalidades. Para vincular um template utilizar a opção Linked Document (ou CTRL+ALT+D) de cada objeto do diagrama. 20/3/2008 Página 44 de 64

45 Seleção de templates disponíveis Solicitação à ADO Este template visa documentar as alterações de estrutura de tabelas e a criação/ manutenção de índices. Sempre deve ser vinculado a um requisito de mudança de estrutura ou criação de tabelas/objetos no banco de dados Protótipo de Tela Protótipos de tela visam especificar, de forma completa, as telas e campos da funcionalidade. O template deve estar vinculado a um requisito de tela. Requisito de tela em azul no diagrama de requisitos. 20/3/2008 Página 45 de 64

46 Seleção do Tipo de Requisito Protótipo de Relatório A especificação funciona da mesma forma que o protótipo de tela, ou seja, é um requisito do tipo relatório e um template vinculado para esta finalidade Caso de Uso O caso de uso pode ser estendido vinculando-se a um template de caso de uso, especificando cenários e condições. 4.5 Mecanismos de Rastreabilidade Há três mecanismos de rastreabilidade que são recomendados para fins de análise de impacto ou mesmo entendimento e localização da utilização de elementos (casos de uso, requisitos, tabelas, etc.) Uso do Elemento É possível rastrear a utilização de um elemento em todos os diagramas que utilizam este elemento. Para isto, basta clicar sobre o elemento e utilizar uma das opções abaixo: Menu Element > Find in diagrams... 20/3/2008 Página 46 de 64

47 CTRL + U Seleção do Diagrama que está usando o elemento Hierarquia de Uso do Elemento Sintetizando, permite rastrear a utilização de um elemento segundo as visões: necessário para (needed by), depende de (depends on) e aponta para (links to). Menu View > Hierarchy CTRL + SHIFT + 4 A seguir seguem exemplos do uso deste recurso. 20/3/2008 Página 47 de 64

48 Hierarquia do objeto com profundidade nível 5 Hierarquia do objeto com profundidade nível 2 20/3/2008 Página 48 de 64

49 É possível fazer a configuração do nível de profundidade que se deseja adentrar quanto aos elementos relacionados. Quanto maior a profundidade, mais demorado tende a ser a montagem do resultado da pesquisa de hierarquia, contudo, mais ricos serão os resultados em termos de favorecer uma correta análise de impacto. A configuração padrão do EA faz a hierarquia até o 5º nível a partir do elemento pesquisado. Para realizar esta configuração deve-se acessar o menu Tools > Options > aba General > campo Max Hierarchy View Depth. 20/3/2008 Página 49 de 64

50 4.5.3 Matriz de Rastreabilidade Possibilita visualizar os relacionamentos entre todos os elementos, a partir de um pacote de origem e um pacote destino, sendo de um tipo (caso de uso, requisito, etc) versus outro, contendo ligações do tipo dependência, realização, etc.. Para o caso, recomenda-se que seja feito o uso deste recurso aplicado para o pacote (origem (source) e destino (target)) Caso de Uso > Funcionalidades (do sistema em questão), tipo (type) Use Case versus Use Case, e tipo de ligação (Link Type) dependência (dependency). Isto fará com que a matriz de rastreabilidade seja montada com a finalidade de exibir as dependências entre os casos de uso existentes a partir do pacote de origem e destino. Para fazer uso da matriz e informar estes parâmetros deve-se acessar o menu View > Relationship Matrix. Importante: após configurar e gerar a matriz use o botão Options > Profiles > Save as New Profile para salvar a configuração da matriz do sistema em questão (no exemplo, foi salvo como Matriz Site UFV). Matriz de rastreabilidade de dependências entre casos de uso 20/3/2008 Página 50 de 64

51 5. Apêndice 5.1 Agregação Um conceito que pode ser utilizado na diagramação é Agregação. Veja exemplo abaixo: act teste Tela do produto 01 Tela do produto 02 Tela do produto 03 Tela principal Funcionalidade Observamos que a tela principal do sistema está composta por três outras telas. Cada uma das três telas deve conter um protótipo de tela vinculado. Este recurso pode ser aplicado praticamente em qualquer elemento. Abaixo outro exemplo com requisitos da funcionalidade: req teste Permitir consulta de associados com [F4] Funcionalidade Seleciona com [Enter] e cancela com [ESC] Permitir consulta de títulos com [F4] 20/3/2008 Página 51 de 64

52 Selecionar com a tecla [Enter] e canelar com a tecla [ESC] deve ser atendido pelos dois requisitos. 5.2 Controle de Versão (CVS) O Controle de Versão do modelo será realizado via CVS e no mesmo repositório dos sistemas. Ao final de cada pacote, o projeto deve ser exportado para XML e armazenados no CVS, na pasta analise_sistemas de cada sistema. Estrutura do CVS para especificações EA 20/3/2008 Página 52 de 64

53 Para fazer a exportação os seguintes passos devem ser seguidos: Clicar com o botão direito no modelo do sistema, selecionem a opção Export Model to XMI... Na caixa de diálogo, informar o caminho e nome do arquivo XML a ser criado e na opção XMI Type selecionem UML 2.1 (XMI 2.1). Após clicar no botão Export. Os arquivos gerados devem ser commitados na pasta analise_de_sistemas de cada sistema. 20/3/2008 Página 53 de 64

54 5.3 Try..Catch..End Para documentar o Try..Catch..End deve ser utilizado o exemplo abaixo: 20/3/2008 Página 54 de 64

55 5.4 Adicionar Autores Para adicionar autores devem ser seguidos os passos abaixo: Selecionar a opção do menu Settings -> People -> Project Authors Para adicionar o autor nos diagramas, basta clicar no botão New Diagram Notes, e para mudar, clicar com o botão direito no diagrama e depois acessar Properties..., selecionando o autor na combo box. 20/3/2008 Página 55 de 64

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. UML Diagramas Um diagrama é a apresentação gráfica de um conjunto de elementos, onde os vértices são ITENS e os arcos RELACIONAMENTOS UML 2.0 possui os seguintes diagramas: Diagrama de Classes (Class Diagram)

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

1. Visual Paradigm for UML

1. Visual Paradigm for UML Sumário 1. Visual Paradigm for UML... 1 2. Criando o Perfil GeoProfile... 2 3. Adicionando Ícones aos Estereótipos... 10 4. Aplicando o perfil GeoProfile... 12 1. Visual Paradigm for UML Visual Paradigm

Leia mais

Iniciando o MySQL Query Brower

Iniciando o MySQL Query Brower MySQL Query Brower O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico. Assim como o MySQL Administrator foi criado

Leia mais

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos SUMÁRIO PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI... 2 1. CONFIGURANDO A FERRAMENTA... 2 2. GLOSSÁRIO... 2 3. OBJETIVO... 3 4. NOTAÇÃO... 3 5. REGRAS DE DESENHO... 3 5.1. Macroprocesso... 3 5.2. Sub-processo......

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Rational Requirements Composer Treinamento aos Analistas de Qualidade e Gestor das Áreas de Projeto

Rational Requirements Composer Treinamento aos Analistas de Qualidade e Gestor das Áreas de Projeto Rational Requirements Composer Treinamento aos Analistas de Qualidade e Gestor das Áreas de Projeto Objetivos do Treinamento Apresentar as principais funcionalidades do Rational Requirements Composer relacionadas

Leia mais

Sistema de Recursos Humanos

Sistema de Recursos Humanos Sistema de Recursos Humanos Projeto 1 O objetivo desse sistema é gerenciar a admissão e a demissão de funcionários. Esse funcionário pode ou não ter dependentes. Esse funcionário está alocado em um departamento

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

ONS - Enterprise Architect: Etapa: Estatística e Auditoria Relatório de Auditoria de Projetos

ONS - Enterprise Architect: Etapa: Estatística e Auditoria Relatório de Auditoria de Projetos ONS - Enterprise Architect: Etapa: Estatística e Auditoria Relatório de Auditoria de Projetos Rerum Engenharia de Sistemas Ltda Página 1 de 16 Quadro de versões Data Observação Autor Versão 25/05/2015

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES Aluno: André Luis Becker Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl. Mestre Orientador, FURB Roteiro da Apresentação Introdução;

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

GUIA DE USO FRAMEWORK APLANAR Versão 0.1 21/07/2014 Cópia distribuída e controlada

GUIA DE USO FRAMEWORK APLANAR Versão 0.1 21/07/2014 Cópia distribuída e controlada GUIA DE USO SUMÁRIO 1. Utilizando o FrameWork Aplanar... 2 1.1 GRID... 2 1.1.1 Barra de menus:... 2 1.1.2 Barra de ferramentas:... 3 1.1.3 Barra de pesquisa:... 3 1.2 MENU ADMINISTRATIVO... 4 1.2.1 Usuário:...

Leia mais

1. StarUML - UML/MDA Plataform

1. StarUML - UML/MDA Plataform Sumário 1. StarUML - UML/MDA Plataform... 1 2. Criando Perfis no StarUML... 2 3. Criando o perfil GeoProfile... 5 4. Aplicando o Perfil GeoProfile... 12 1. StarUML - UML/MDA Plataform Star UML (STAR UML,

Leia mais

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Por Edilberto Souza Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Agenda Introdução a alguns conceitos de ERP; Noções sobre o mercado de ERP; Arquitetura do Microsiga Protheus; Visão geral do ambiente

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza

Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza O Sql Server possui um recurso extremamente poderoso que é muito pouco utilizado pelos administradores e programadores. Com certeza, sendo

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4 Versão 4.6.4 Sexta-feira, 08 de fevereiro de 2008 ÍNDICE 3 4 EDITORIAL NOVAS FUNCIONALIDADES 4 12 13 14 15 16 Novo Cronograma 4 5 5 6 7 8 8 9 9 10 10 Edição Rápida do Cronograma Recurso de Arrastar e Soltar

Leia mais

Depuração de Código Utilizando o Dev-C++ - Dicas

Depuração de Código Utilizando o Dev-C++ - Dicas Depuração de Código Utilizando o Dev-C++ - Dicas Versão 1.0 Belo Horizonte Junho de 2009 Sumário Dicas... 2 Configuração do Dev-C++... 2 Como depurar um código no Dev-C++... 5 Referências Bibliográficas...

Leia mais

1. Clique no botão ou, na barra de menu principal, selecione File > New > New Method Content. O assistente New Method Content será aberto.

1. Clique no botão ou, na barra de menu principal, selecione File > New > New Method Content. O assistente New Method Content será aberto. Guia rápido de utilização Modden Este guia visa instruir o usuário a executar as principais funcionalidades da ferramenta. Modden Process Editor Criando um novo Method Content: 1. Clique no botão ou, na

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

Criando um Modelo Simples

Criando um Modelo Simples Criando um Modelo Simples o objetivo deste capítulo é apresentar alguns módulos do ARENA e construir o primeiro modelo: um pedágio. A figura abaixo mostra o sistema a ser modelado. Para o pedágio são disponíveis

Leia mais

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte.

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Omondo EclipseUML Ricardo Rodrigues Lecheta Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Introdução Neste tutorial será apresentado

Leia mais

Área de Administração

Área de Administração Área de Administração versão 1.1 Partir de 2012/01/14 aplica-se para a versão phpcontact 1.2.x www.phpcontact.net Geral A área de administração é utilizado para uma fácil configuração do software elaboraçao

Leia mais

Introdução aos Projectos

Introdução aos Projectos Introdução aos Projectos Categoria Novos Usuários Tempo necessário 20 minutos Arquivo Tutorial Usado Iniciar um novo arquivo de projeto Este exercício explica a finalidade ea função do arquivo de projeto

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES SUMÁRIO 1. PREENCHIMENTO DA PLANILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS...3 1.1 Menu...3 1.2 Termo de Abertura...4 1.3 Plano do Projeto...5 1.4

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

Integração Logix x Totvs Colaboração Compras e Vendas

Integração Logix x Totvs Colaboração Compras e Vendas Integração Logix x Totvs Colaboração Compras e Vendas 1 Data da revisão Responsável Descrição da revisão 21/09/2012 Roberta Patricio Postai Vieira Versão inicial 09/10/2012 Roberta Patricio Postai Vieira

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Eclipse Process Framework

Eclipse Process Framework Ins>tuto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Natal- Central Diretoria Acadêmica de Gestão e Tecnologia da Informação Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS LÍCIO SÉRGIO FERRAZ DE BRITO MARCELO AUGUSTO SANTOS TURINE

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Antes de iniciar o uso do mailchimp, é preciso realizar um rápido registro para criar uma conta de usuário.

Antes de iniciar o uso do mailchimp, é preciso realizar um rápido registro para criar uma conta de usuário. Tutorial Mailchimp O mailchimp é uma excelente ferramenta gratuita para a criação e envio de newslleters. Este documento é uma versão simplificada de como acessar e utilizar o recurso para envio de newsletters.

Leia mais

Ambientação JAVA. Versão 0.1 MICHEL CORDEIRO ANALISTA DE NEGÓCIO (NTI 2014) 1 UNIVERSIDADE CEUMA 08/01/2014

Ambientação JAVA. Versão 0.1 MICHEL CORDEIRO ANALISTA DE NEGÓCIO (NTI 2014) 1 UNIVERSIDADE CEUMA 08/01/2014 UNIVERSIDADE CEUMA Ambientação JAVA Versão 0.1 08/01/2014 Este é um modelo de configuração para desenvolvimento no ambiente Java. MICHEL CORDEIRO ANALISTA DE NEGÓCIO (NTI 2014) 1 Sumário Sumário... 2 1

Leia mais

Manual do Usuário Central de Agendamento. Versão 1.1

Manual do Usuário Central de Agendamento. Versão 1.1 Manual do Usuário Central de Agendamento Versão 1.1 Maio, 2014 Central de Agendamento Manual de utilização Tribunal de Justiça do Estado da Bahia Setor: Coordenação de Sistemas - COSIS Histórico de Revisões

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Manual de Integração

Manual de Integração Manual de Integração Versão 3.10 Conteúdo 1 Obtendo e Instalando o Emissor... 4 1.1 Obtendo o instalador... 4 1.2 Instalando o JAVA e o Framework.NET 2.0... 4 1.3 Instalando o Emissor... 5 2 Padrões de

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista EXPERIMENTO 1 INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO A. Introdução O Quartus II é um software utilizado para

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Prof. Edwar Saliba Júnior Como fazer uma apresentação utilizando o software Microsoft Power Point

Prof. Edwar Saliba Júnior Como fazer uma apresentação utilizando o software Microsoft Power Point Prof. Edwar Saliba Júnior Como fazer uma apresentação utilizando o software Microsoft Power Point - Conceitos Básicos - Faculdade de Tecnologia INED Julho de 2007 Responsável pela obra: Prof. Edwar Saliba

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Programação Web com Webdev 19 Julio Cesar Pedroso Conteúdo

Programação Web com Webdev 19 Julio Cesar Pedroso Conteúdo Conteúdo INTRODUÇÃO... 6 Como acessar a ajuda on line?... 6 Conhecendo o WebDev... 8 Iniciando o WebDev... 8 Ambiente de desenvolvimento... 8 O Editor... 8 A barra de menus... 10 Os botões... 10 Os painéis...

Leia mais

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br 2013 inux Sistemas Ltda. s MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br Sumário 1 Introdução... 2 2 Visão Geral do Sistema... 2 3 Tela de Configuração... 3 4 Tela de Mensagens... 5 5 Tela de Importação... 8 6 Tela

Leia mais

Importação de Arquivos XML no Recebimento Manual do Usuário Para o sistema Totvs 11/12 e EMS 2.06 Versão: 004 Data: 24/07/2015

Importação de Arquivos XML no Recebimento Manual do Usuário Para o sistema Totvs 11/12 e EMS 2.06 Versão: 004 Data: 24/07/2015 Importação de Arquivos XML no Recebimento Manual do Usuário Para o sistema Totvs 11/12 e EMS 2.06 Versão: 004 Data: 24/07/2015 Rua: Vice Prefeito Luiz Carlos Garcia, 217 Sala 04 CEP: 89.218-215 Santo Antônio

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

1998-2013 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2013 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.0A-01 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

Versão 6.0.1 Melhorias Melhorias Versão 6.0.1

Versão 6.0.1 Melhorias Melhorias Versão 6.0.1 Versão 6.0.1 Novembro 2010 Versão 6.0.1 Funcionalidade Completa de Planejamento do Trabalho Através dessa funcionalidade o usuário pode planejar quais tarefas e quanto tempo destinará para trabalhar em

Leia mais

NGIN Mobile Portal Gestão Usuário

NGIN Mobile Portal Gestão Usuário Relatório de Concepção P T Inovação NGIN Mobile Portal Gestão Usuário Nome do Ficheiro: Document1 Histórico de versões do Relatório de Concepção Versão Datas Responsabilidades Justificação Edição: Katia

Leia mais

Gerenciamento de Configuração. Treinamento OTRS ITSM

Gerenciamento de Configuração. Treinamento OTRS ITSM Gerenciamento de Configuração Treinamento OTRS ITSM Sumário Visão Geral do Módulo...3 Estado de Implantação...4 Estado de Incidente...4 Permissionamento...4 Gerenciando Itens de Configuração...5 Inclusão

Leia mais

Manual de Treinamento. Área do Membro

Manual de Treinamento. Área do Membro Manual de Treinamento Área do Membro 0 Contents Geral... 2 Transações... 3 Negociação e Estoque... 10 Licenças... 15 Mercado... 19 Finanças... 22 Fazer uma Declaração de Venda... 27 Fazer uma Declaração

Leia mais

(Nota Fiscal Eletrônica no Power Systems AS/400) Projeto Nacional Versão 1.0

(Nota Fiscal Eletrônica no Power Systems AS/400) Projeto Nacional Versão 1.0 Manual do usuário (Nota Fiscal Eletrônica no Power Systems AS/400) Projeto Nacional Versão 1.0 29-03-2011 1 de 32 Í ndice 1. Descrição Geral do Sistema 1.1 Descrição 1.2 Desenho do Processo 2. Aplicação

Leia mais

Laboratório 1 SQL Server Integration Services

Laboratório 1 SQL Server Integration Services Laboratório 1 SQL Server Integration Services Cenário: Você deseja construir um processo que irá realizar relatório sobre vendas. O relatório é um sumario das vendas anuais, mas poderia ser aplicado para

Leia mais

Desenvolvimento para Android Prá3ca 3. Prof. Markus Endler

Desenvolvimento para Android Prá3ca 3. Prof. Markus Endler Desenvolvimento para Android Prá3ca 3 Prof. Markus Endler Exercício 3.1 Solicitando permissão para abrir uma página Web ü Criaremos uma Ac.vity com um EditText (para entrada de uma URL), um Bu?on e uma

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

O Processo de Desenvolvimento de Software

O Processo de Desenvolvimento de Software O Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos Contextualizar Análise e Projeto de software dentro de uma metodologia de desenvolvimento (um processo de desenvolvimento de software) Um processo de

Leia mais

Diretrizes de Qualidade de Projetos

Diretrizes de Qualidade de Projetos Diretrizes de Qualidade de Projetos Versão 1.5 MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 15/01/2012 1.0 Criação do Artefato Pérsio Mairon 10/03/2012 1.1 Inclusão

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

Guia do Usuário. Versão 1.01.0.2. 2011. Desenvolvido por ofcdesk, llc. Todos os direitos reservados.

Guia do Usuário. Versão 1.01.0.2. 2011. Desenvolvido por ofcdesk, llc. Todos os direitos reservados. Guia do Usuário Versão 1.01.0.2 2011. Desenvolvido por ofcdesk, llc. Todos os direitos reservados. Índice Introdução... Propósito Abrangência Termos e definições Referências Visão geral... 3 3 content

Leia mais

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks Code::Blocks Conhecendo a IDE Programação de Computadores I Professor: Edwar Saliba Júnior Conhecendo a IDE Code::Blocks Apresentação: 1) Abra a IDE (Integrated Development Environment), ou seja, o Ambiente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Depurando aplicações Professor: Danilo Giacobo OBJETIVOS DA AULA Aprender dicas e técnicas para encontrar erros em aplicações Android. Conhecer os recursos que auxiliam

Leia mais

Versão 8.2C-01. Versão Final da Apostila de Novidades

Versão 8.2C-01. Versão Final da Apostila de Novidades Versão 8.2C-01 Versão Final da Apostila de Novidades Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA

Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA Manual do Usuário SisCommercePDV NFC-e Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA MANUAL DO USUÁRIO SisCommercePDV Emissor de Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) *Manual em desenvolvimento

Leia mais

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 12.09.2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline 20.10.2015 1.0 Atualização

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Requisitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Requisito O que é um REQUISITO? Em software: É a CARACTERIZAÇÃO do que o

Leia mais

Manual Usuário Sistema Audatex

Manual Usuário Sistema Audatex Manual Usuário Sistema Audatex Conhecimento global. Foco local. www.audatex.com.br / www.solerainc.com Versão 1.0 Histórico das versões VER DATA AUTOR DESCRIÇÃO DA MODIFICAÇÃO 2.0 24.08.2010 MT Versão

Leia mais

Primavera P6 EPPM 15.2

Primavera P6 EPPM 15.2 Primavera P6 EPPM 15.2 Conheça o mais novo release lançado pela Oracle. o Funcionalidade de Busca e Substituição Global (Global Search and Replace) A nova funcionalidade de busca e substituição global

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

INSTALAÇÃO DO AMBIENTE DW LC131

INSTALAÇÃO DO AMBIENTE DW LC131 INSTALAÇÃO DO AMBIENTE DW LC131 SUMÁRIO 1. Introdução... 4 2. Instalação da Instância SQL Express 2008... 6 2.1. Instalação... 6 2.2. Desinstalação... 9 3. Configuração Ambiente DW... 16 3.1. Pré-requisitos...

Leia mais

Oracle SQL Developer

Oracle SQL Developer BDDAD Bases de Dados Oracle SQL Developer Nelson Freire (ISEP LEI-BDDAD 2015/16) 1/30 SQL Developer Sumário Introdução Instalar Abrir Ligar à BD no Servidor Oracle SQL Worksheet Editar SQL Executar SQL

Leia mais

Manual do Instar Mail Sumário

Manual do Instar Mail Sumário Manual do Instar Mail Sumário 1 - Apresentação do sistema... 2 2 - Menu cliente... 2 3 - Menu Importação... 5 4 - Menu Campanhas... 9 5 - Menu banco de arquivos... 16 6 - Menu agendamento... 16 7 - Menu

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais

Sistema Banco de Preços Manual do Usuário OBSERVATÓRIO

Sistema Banco de Preços Manual do Usuário OBSERVATÓRIO Sistema Banco de Preços Manual do Usuário OBSERVATÓRIO da Despesa Pública 1 Sumário O Banco de Preços... 3 Acessando o Banco de Preços... 4 Funções do Banco de Preços... 5 Gerar Preço de Referência...

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais