ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único"

Transcrição

1 Teoria: um primeiro olhar ECONOMIA INTERNACIONAL II Paridade Poder de Compra Professor: André M. Cunha 1. Teoria da Paridade Poder de Compra (PPC) : a abordagem da paridade poder de compra (PPC) sugere que no longo prazo a taxa de câmbio nominal deve refletir os preços relativos de duas moedas. Ela está baseada na lei do preço único, segundo a qual, em condições de livre mobilidade de fatores, arbitragem faz com que os preços de um mesmo bem devam ser iguais em dois países. Assim, se (com livre concorrência e livre mobilidade): (i) um computador custa US$ nos EUA (ii) e R$ no Brasil A taxa de câmbio nada mais será do que R$ 3,00 para cada US$ ou US$ 0,33 para cada real, ou seja: E = P/P* Qualquer divergência de curto prazo nos preços seria eliminada pela arbitragem. Esta é a versão absoluta da PPC. Em sua versão relativa, a PPC sugere que: E = Π - Π*. Assim, para que a PPC se sustente ao longo do tempo, o câmbio nominal deve refletir as diferenças de inflação. Se ao longo de um ano qualquer, a inflação no Brasil for 10% e nos EUA 5%, a taxa de câmbio nominal deverá se depreciar em 5% para manter a PPC. A Lei do Preço Único Isto significa que o preço do bem i em dólar é o mesmo onde quer que seja vendido: Bens idênticos vendidos em países diferentes devem ser vendidos pelo mesmo preço quando seus preços são expressos em termos da mesma moeda. Esta lei se aplica apenas em mercados com concorrência, livres de custos de transporte e barreiras oficiais ao comércio. Exemplo: Se a taxa de câmbio dólar/libra é US$ 1,50 por libra, um suéter vendido a $US 45 em Nova York deve ser vendido a 30 em Londres. quando na P i EUA = (E US$/ ) x (Pi E ) onde: P i EUA é o preço em dólar do bem i vendido nos Estados. P i E é o preço correspondente em euro Europa E US$/ é a taxa de câmbio dólar/euro 1

2 Teoria da Paridade do Poder de Compra (PPC) A taxa de câmbio entre as moedas de dois países é igual à razão dos níveis de preços dos países. A PPC compara os preços médios dos países. A PPC prevê uma taxa de câmbio dólar/euro de: E US$/ = P EUA /P E (15-1) onde: P EUA é o preço em dólar de uma cesta de mercadorias de referência vendida nos Estados Unidos P E é o preço em euro da mesma cesta na Europa Se rearranjarmos a Equação (15-1), obtemos: P EUA = (E US$/ ) x (P E ) A PPC afirma que os níveis de preços de todos os países são iguais quando medidos em termos da mesma moeda. A Relação entre a PPC e a Lei do Preço Único PPC Absoluta e PPC Relativa A lei do preço único se aplica às mercadorias individuais, enquanto a PPC se aplica ao nível geral de preços. Se a lei do preço único é válida para todas as mercadorias, a PPC deve ser automaticamente válida para as mesmas cestas de referência nos países. Os defensores da teoria da PPC argumentam que sua validade independe de a lei do preço único ser exatamente válida ou não. PPC Absoluta A afirmação de que as taxas de câmbio são iguais aos níveis de preços relativos. PPC Relativa A afirmação de que a variação percentual na taxa de câmbio entre duas moedas em qualquer período é igual à diferença entre as variações percentuais nos níveis de preços nacionais. A PPC relativa entre os Estados Unidos e a Europa seria: (E US$/,t -E US$/, t 1 )/E US$/, t 1 = π EUA, t - π E, t (15-2) onde: π t = taxa de inflação Modelo de Determinação da Taxa de Câmbio no Longo Prazo Baseado na PPC A abordagem monetária utiliza o arcabouço de Oferta e Demanda de Moeda, no longo prazo (preços flexíveis) para determinar a taxa de câmbio. Segundo a abordagem monetária, a taxa de câmbio, que é o preço relativo da moeda doméstica e estrangeira, é totalmente determinada no longo prazo pelas ofertas relativas das mesmas. Partindo de 15.1: E = P/P* Utilizando 14.5, sabemos que: Ms = Md => Ms/P = L(R,Y), logo: P = Ms / L(R,Y) (15.3) E, no exterior: P* = Ms* / L(R*,Y*) (15.4) Os deslocamento das taxas de juros e dos níveis de produção, nesta abordagem, afetam a taxa de câmbio apenas por meio de suas influências sobre a demanda de moeda. 2

3 Previsões de longo prazo: (ii) ceteris paribus, um aumento da taxa de juros doméstica (R) reduz a demanda real por moeda. (i) ceteris paribus, um aumento permanente na oferta de moeda doméstica, eleva o nível de preços domésticos (P) Como pela PPC, E = P/P*, deriva-se que haverá um aumento proporcional em E (depreciação cambial). O aumento na oferta monetária no país estrangeiro gera o efeito contrário (apreciação de E). Por 15.3 isto implica uma pressão por aumento em P no longo prazo. Via PPC, isto tenderá a ampliar E (depreciação da moeda doméstica). Um aumento na taxa de juros estrangeira tem o efeito contrário. Esta é uma perspectiva exclusivamente monetária! (iii) ceteris paribus, um aumento da produção doméstica (Y) eleva a demanda real por moeda, o que, por 15.3 leva a uma queda de longo prazo no nível de preços domésticos (P). Pela PPC este efeito leva a uma queda de E (apreciação). Um aumento na produção estrangeira (Y*) leva a uma depreciação de longo prazo da moeda doméstica (E cai). Inflação Crescente, Paridade de Juros e PPC Tudo o mais igual, o crescimento da oferta de moeda a uma taxa constante resulta em um crescimento nos níveis de preço à mesma taxa. Mas mudanças nesta taxa de inflação de longo prazo não afetam o nível de produção e emprego ou os preços relativos dos bens e serviços no longo prazo -> neutralidade da moeda no longo prazo. Todavia, a taxa de juros não é independente da taxa de crescimento da oferta de moeda no longo prazo. Isto pode ser visto pela condição de paridade de juros: Formalizando: π e = (P e P)/P esta é a inflação doméstica esperada. Se a PPC relativa se mantém, então R = R* + E (depreciação cambial) -> se os agentes econômicos esperam que a PPC relativa se mantenha, então as diferenças entre R e R* deverão corresponder às diferenças de inflação, doméstica e externa. E = π - π* => (E e E)/E = π e - π e * Combinando esta versão esperada da PPC com a paridade de juros, temos: R = R* + E paridade de juros, que substituindo E R - R* = π e - π e * - Equação de Fischer (15.5) 3

4 Efeito Fisher -> A PPC prevê que a moeda doméstica deve ser depreciada para compensar diferenciais positivos entre a inflação doméstica e a externa; e a equação anterior sugere que os diferenciais de juros devem acompanhar os diferenciais de inflação. A equação 15.5 (R - R* = π e - π e *) sugere que: (i) ceteris paribus, um aumento na taxa de inflação esperada de um país causará uma elevação igual na taxa de juros que os depósitos em sua moeda oferecem; (ii) uma queda na inflação esperada causará uma queda na taxa de juros. (iii) Isto posto, gera-se um efeito contraditório, pois seria de se esperar que um aumento dos juros domésticos, gerasse uma apreciação cambial. Na abordagem monetária, como os juros são resultados de diferenciais de inflação, ocorre o contrário!!! A abordagem monetária da taxa de juros utiliza a PPC para explicar o comportamento da taxa de câmbio no longo prazo exclusivamente em termos de oferta e demanda de moeda. Naquela teoria, os diferenciais dos juros internacionais no longo prazo resultam das diferentes taxas nacionais de inflação. A abordagem monetária, portanto, aponta que um aumento na taxa de juros de um país está associado a uma depreciação de sua moeda!!!!! A figura 15.1 mostra o efeito Fischer em ação: (i) um aumento permanente no ritmo de crescimento da oferta de moeda gera A PPC relativa implica que as diferenças nos juros internacionais, que são iguais à variação percentual esperada da taxa de câmbio, também são iguais ao hiato de inflação esperada do país. (ii) um aumento na taxa de juros; (iii) o que está associado a um aumento na inflação; e (iv) na taxa de câmbio. 4

5 Figure 15-1 Trajetória de longo prazo das variáveis econômicas após um aumento permanente na taxa de crescimento da oferta de moeda (escala logarítmica). Os gráficos a seguir mostram a evolução da taxa de inflação e da taxa de juros em três economias selecionadas, com distintos padrões de inflação. Constata-se que: (i) em cada país as taxas de juros tendem a aumentar após elevações inflacionárias, conforme os preços se ajustam e conforme as pessoas passam a esperar taxas de inflação mais elevadas no futuro; (ii) com a queda da inflação, os juros tendem a cair, pelos mesmos motivos; (iii) quanto menor a taxa histórica de inflação, menor a taxa de juros (Suíça e EUA) e viceversa (Itália). Figure 15-2 Inflation and Interest Rates in Switzerland, the United States and Italy, Porém esse indício de Efeito-Fischer não legitima, per se, a PPC!!!!! continued... continued... 5

6 2. O que acontece se, coeteris paribus, o Brasil torna-se mais eficiente e o preço do automóvel cai para R$ 24 mil? e2= (2 * 12)/24 = 1 -> houve uma depreciação real da taxa de câmbio, de modo que os produtos brasileiros ficaram relativamente mais baratos. 3. E se houver inflação de 100% no Brasil e 0% nos EUA, sem que E se altere? e = (2 * 12)/60 = 0,4 -> temos uma apreciação real, o que implica produtos brasileiros mais caros. A PPC e a Lei do Preço Único na Prática Dados recentes mostram que a teoria da PPC e da lei do preço único está mal explicada. Os preços de cestas de bens idênticas, quando convertidos a uma única moeda, diferem substancialmente entre os países. Às vezes, a PPC relativa é uma aproximação razoável dos dados, mas no geral ela também apresenta fraco desempenho. F 15-3: Taxa de câmbio dólar/marco alemão e níveis de preços relativos EUA/Alemanha, F 15-4: O padrão hambúrguer (continua) A1 Explicando os Problemas com a PPC O insucesso empírico em explicar a PPC e a lei do preço único está relacionado com: Barreiras comerciais e produtos e serviços não comercializáveis Restrições à livre concorrência Diferenças internacionais entre as medidas do nível de preços 6

7 Slide 33 A1 Ver tradução na p. 298 do arquivo cap15.pdf ANDREA; 30/6/2005

8 1. Barreiras Comerciais e Produtos Não Comercializáveis Figura 15-5: Índices de preços dos Estados Unidos e de Hong Kong, Os custos de transporte e as restrições governamentais ao comércio encarecem o comércio e, em alguns casos, criam produtos não comercializáveis. Quanto maiores os custos do transporte, mais a taxa de câmbio pode variar. 2. Restrições à Livre Concorrência 3. Diferenças Internacionais entre as Medidas do Nível de Preços Quando coexistem barreiras comerciais e estruturas de mercado com concorrência imperfeita, a relação entre os níveis de preços nacionais fica ainda mais enfraquecida. Formação de preços para o mercado (pricing to market) Quando uma firma vende o mesmo produto a preços diferentes em diferentes mercados. Isso pode refletir diferentes condições de demanda diferentes em países diferentes. Exemplo: Países onde a demanda é mais preço-inelástica tenderão a ter maiores margens (markups) sobre o custo de produção de um vendedor monopolista. As medidas do nível de preços utilizadas pelo governo diferem de país para país porque as pessoas que moram em países diferentes gastam sua renda de formas distintas. A PPC no Curto Prazo e no Longo Prazo F 15-6: Níveis de preços e rendas reais, 1992 Os desvios da PPC podem ser ainda maiores no curto prazo do que no longo prazo. Exemplo: Uma depreciação abrupta do dólar em relação às moedas estrangeiras faz o preço dos equipamentos agrícolas dos Estados Unidos divergir dos estrangeiros até que os mercados se ajustem à mudança na taxa de câmbio. A2 7

9 Slide 42 A2 Ver tradução na p. 305 do arquivo cap15.pdf - atenção é Figura 15-6 ANDREA; 30/6/2005

10 Além da PPC: Um Modelo Geral das Taxas de Câmbio no Longo Prazo Taxa de Câmbio Real É uma medida ampla, que resume a relação entre os preços dos produtos e serviços de dois países. Ela é definida em termos de taxas de câmbio nominais e níveis de preços. A taxa de câmbio dólar/euro real é o preço do dólar da cesta européia em relação à americana: Exemplo: Se a cesta de mercadorias de referência custa 100, a cesta americana custa US$ 120 e a taxa de câmbio nominal é US$ 1,20 por euro, então a taxa de câmbio dólar/euro real é 1 cesta americana por cesta européia. (15-6) q US$/ = (E US$/ x P E )/P EUA 2. O que acontece se, coeteris paribus, o Brasil torna-se mais eficiente e o preço do automóvel cai para R$ 24 mil? Exemplo: Considere-se: (i) uma taxa de câmbio R$ = 2,00 para cada US$ 1; (ii) que só há um produto, o automóvel, que custa R$ 30 mil no Brasil e US$ 12 mil nos EUA. 1. Com essas informações pode-se calcular a taxa real de câmbio: e = (2 * 12)/30 = 0,8 e2= (2 * 12)/24 = 1 -> houve uma depreciação real da taxa de câmbio, de modo que os produtos brasileiros ficaram relativamente mais baratos. 3. E se houver inflação de 100% no Brasil e 0% nos EUA, sem que E se altere? e = (2 * 12)/60 = 0,4 -> temos uma apreciação real, o que implica produtos brasileiros mais caros. Demanda, Oferta e Taxa de Câmbio Real de Longo Prazo Depreciação real do dólar em relação ao euro Uma elevação na taxa de câmbio dólar/euro real Isto é, uma queda no poder de compra de um dólar dentro das fronteiras da Europa, em relação ao seu poder de compra dentro dos Estados Unidos Ou, alternativamente, uma queda no poder de compra dos produtos americanos em geral em relação aos europeus. Uma apreciação real do dólar em relação ao euro é o oposto de uma depreciação real. Em um mundo onde a PPC não é válida, os valores de longo prazo das taxas de câmbio reais dependem das condições de oferta e demanda. Existem duas causas específicas que explicam por que os valores de longo prazo das taxas de câmbio reais podem mudar: 8

11 Taxas de Câmbio Nominais e Reais no Equilíbrio de Longo Prazo 1. Uma mudança na demanda relativa mundial pelos produtos norte-americanos Um aumento (queda) na demanda mundial relativa por produtos norte-americanos causa uma apreciação (depreciação) real no longo prazo do dólar em relação ao euro. 2. Uma mudança na oferta relativa de produto Uma expansão relativa do produto norte-americano (europeu) causa uma depreciação real do dólar no longo prazo em relação ao euro. Mudanças nas ofertas de moedas nacionais e nas demandas por moedas nacionais ocasionam movimentos proporcionais de longo prazo das taxas de câmbio nominais e das razões entre os níveis de preços internacionais, todos previstos pela teoria da PPC. Da equação (15-6), pode-se obter a taxa de câmbio nominal dólar/euro como a taxa de câmbio dólar/euro real vezes a razão entre os níveis de preços dos Estados Unidos e da Europa: E US$/ = q US$/ x (P EUA /P E ) (15-7) A equação (15-7) implica que, para dada taxa de câmbio real dólar/euro, as mudanças na demanda ou oferta de moeda na Europa ou nos Estados Unidos afetam a taxa de câmbio nominal dólar/euro de longo prazo, como se dava no enfoque monetário. Mudanças na taxa de câmbio real de longo prazo, entretanto, também afetam a taxa de câmbio nominal de longo prazo. Os determinantes mais importantes das oscilações das taxas de câmbio nominais (supondo que todas as variáveis estejam inicialmente em seus níveis de longo prazo): Uma mudança nos níveis da oferta relativa de moeda Uma mudança nas taxas de crescimento da oferta relativa de moeda Uma mudança na demanda relativa por produto Uma mudança na oferta relativa de produto T15-1: Efeitos de mudanças no mercado monetário e no mercado de produto sobre EUS$/ de longo prazo, Quando todas as perturbações são monetárias por natureza, as taxas de câmbio obedecem à PPC relativa no longo prazo. No longo prazo, uma perturbação monetária afeta apenas o poder de compra geral de uma moeda. Essa mudança no poder de compra muda igualmente o valor da moeda em termos de bens domésticos e estrangeiros. A3 Quando as perturbações ocorrem nos mercados de produtos, é improvável que a taxa de câmbio obedeça à PPC relativa, mesmo no longo prazo. 9

12 Slide 54 A3 Ver tradução na p. 311 do cap15.pdf ANDREA; 1/7/2005

13 Figura 15-7: Taxa de câmbio real dólar/iene, F15-8: Diferenças de crescimento da produtividade setorial e a mudança no preço relativo dos bens não comercializáveis, A4 A5 Diferenças nas Taxas de Juros Internacionais e a Taxa de Câmbio Real Em geral, as diferenças entre as taxas de juros dos países dependem não somente das diferenças entre inflações esperadas, mas também das mudanças esperadas na taxa de câmbio real. Relação entre a mudança esperada entre a taxa de câmbio real, a variação esperada na taxa nominal e a inflação esperada: (q e US$/ - q US$/ )/q US$/ = [(Ee US$/ - E US$/ )/E US$/ ] (π e EUA - πe E ) (15-8) Combinando a equação (15-8) com a condição de paridade dos juros, a diferença nos juros internacionais é igual a: R US$ - R = [(q e US$/ - q US$/ )/q US$/ ] + (π e EUA - π e E) (15-9) Portanto, a diferença na taxa de juros dólar/euro é a soma dos dois componentes: A taxa esperada da depreciação real do dólar em relação ao euro A diferença entre a inflação esperada dos Estados Unidos e a da Europa Paridade dos Juros Reais O mercado espera que a PPC relativa vai prevalecer, a diferença de juros dólar/euro é simplesmente a diferença entre a inflação esperada dos Estados Unidos e a da Europa. A economia faz uma distinção importante entre dois tipos de taxas de juros: Taxas de juros nominais Medidas em termos monetários Taxas de juros reais Medidas em termos reais (em termos do produto de um país) Chamadas de taxas de juros reais esperadas 10

14 Slide 55 A4 Ver tradução na p. 313 do arquivo cap15.pdf - atenção, é Figura 15-7 ANDREA; 1/7/2005 Slide 56 A5 Ver traduçã na p. 314 do arquivo cap15.pdf - atenção: é Figura 15-8 ANDREA; 1/7/2005

15 A taxa de juros real esperada (r e ) é a taxa de juros nominal (R) menos a taxa de inflação esperada (π e ). Portanto, a diferença nas taxas de juros reais esperadas entre os Estados Unidos e a Europa é igual a: r e EUA re E = (R US$ - πe EUA ) - (R - πe E ) Combinando esta equação com a equação (15-9), pode-se obter a condição de paridade dos juros reais: r e EUA re E = (qe US$/ - q US$/ )/q US$/ (15-10) A condição de paridade dos juros reais explica as diferenças entre as taxas de juros reais esperadas dos Estados Unidos e da Europa por meio de movimentos esperados da taxas de câmbio real dólar/euro. Taxas de juros reais esperadas em diferentes países não precisam ser iguais, mesmo no longo prazo, caso se espere uma mudança contínua nos mercados de produto. F 15A-1: Como um aumento no crescimento monetário dos EUA afeta as taxas de juros do dólar e a taxa de câmbio dólar/euro, sendo os preços dos bens flexíveis Taxa de câmbio dólar/euro, E US$/ Linha de 45 E 2 US$/ 2' Retorno esperado dos depósitos em euro após um aumento da depreciação esperada do dólar E 1 US$/ 1' Retorno esperado inicial dos depósitos em euro Taxa de câmbio dólar/euro, E US$/ Relação da PPC E2 US$/ E 1 US$/ M 1 EUA P 2 EUA Taxas de retorno R 1 US$ R 2 US$ = R1 US$ + π (em termos de dólar) A6 2 Demanda por moeda, L(R US$, Y EUA) M 1 EUA P 1 EUA 1 Oferta de moeda real dos Estados Unidos Saldos em moeda real dos Estados Unidos 11

16 Slide 63 A6 Ver tradução na p. 321 do arquivo cap15.pdf ANDREA; 1/7/2005

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo A Taxa de Câmbio no Longo Prazo Organização do Capítulo Introdução A Lei do Preço Único Paridade do Poder de Compra Modelo da Taxa de Câmbio de Longo Prazo Baseado na PPC A PPC e a Lei do Preço Único na

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente)

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: Verão/2012 Segunda Prova Questões 1. Na sala de aula fizemos um exercício bem simples.

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

LISTA 6B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 6B Introdução à Economia 1. Conceitos importantes:

LISTA 6B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 6B Introdução à Economia 1. Conceitos importantes: LISTA 6B GABARITO Conceitos importantes: Relação entre Investimento Externo Líquido, Teoria da Paridade do Poder de Compra. Exportações Líquidas e Poupança Externa. Teoria Macroeconômica da Economia Aberta

Leia mais

Aula 24 24/05/2010 Bibliografia: Capítulo 31 MANKIW (2007)

Aula 24 24/05/2010 Bibliografia: Capítulo 31 MANKIW (2007) Aula 24 24/05/2010 Bibliografia: Capítulo 31 MANKIW (2007) Ao comprar um carro você pode optar por comprar um nacional ou um importado. Hoje iremos tentar verificar o que ocorre em uma economia que participa

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

LISTA 6B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 6B Introdução à Economia 1. Conceitos importantes:

LISTA 6B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 6B Introdução à Economia 1. Conceitos importantes: LISTA 6B GABARITO Conceitos importantes: Relação entre Investimento Externo Líquido, Teoria da Paridade do Poder de Compra. Exportações Líquidas e Poupança Externa. Teoria Macroeconômica da Economia Aberta

Leia mais

Notas sobre Taxas de Câmbio e Mercado Cambial

Notas sobre Taxas de Câmbio e Mercado Cambial Notas sobre Taxas de Câmbio e Mercado Cambial Introdução Flávio R. Versiani & Flávio de O. Gonçalves Universidade de Brasília Uma característica das relações econômicas internacionais é fato o de envolverem

Leia mais

PAGAMENTOS INTERNACIONAIS E TAXA DE CÂMBIO

PAGAMENTOS INTERNACIONAIS E TAXA DE CÂMBIO Pagamentos internacionais Como são feitos? Quais moedas são aceitas como meio de pagamento e em que proporção são trocadas umas pelas outras? Alterações da taxa de câmbio: afetam os preços relativos dos

Leia mais

Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional

Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional Revisão para Prova III UFS 2009/I A) 1. Regimes Cambiais - Regime cambial fixo - Regime de taxas de cambio flexíveis (flutuantes) - Ancoragem simétrico -

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS FINANÇAS INTERNACIONAIS

MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS FINANÇAS INTERNACIONAIS MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS MÓDULO II ISEG/UTL Objectivo Os Mercados Cambiais As Taxas de Câmbio Determinantes Cambiais 1 Arbitragem FINANÇAS INTERNACIONAIS

Leia mais

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo TEORIA MACROECONÔMICA II ECO7 Aula 4 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 7/04/006 Conteúdo Poupança e Investimento na Economia Aberta a Conta Consolidada de Capital do Sistema

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO Introdução O Gerenciamento do Risco de Mercado no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está fundamentado

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Taxas de câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio.

Taxas de câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio. De notar que a revalorização de uma moeda em termos de outra é superior à desvalorização desta última em termos da primeira. Veja-se a exemplificação no quadro. Ano 1 0 Tx. Var. Cambial (%) EURO/USD 0.8

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002?

POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002? POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002? Resenha produzida por Paulo Springer de Freitas 1 Este texto é uma resenha do estudo O câmbio no Brasil: perguntas e respostas, de autoria de

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA A PREÇO NOMINAL E A PREÇO REAL

FLUXOS DE CAIXA A PREÇO NOMINAL E A PREÇO REAL FLUXOS DE AIXA A PREÇO NOMINAL E A PREÇO REAL 1. Introdução Dois conceitos devem ser perfeitamente entendidos pelos alunos quando estiverem elaborando análises a partir de variáveis econômicas-financeiras,

Leia mais

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F.

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. MERCADO DE CÂMBIO Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. Vale ressaltar que o câmbio futuro pode ser

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

Aula Teórica nº 11 Sumário:

Aula Teórica nº 11 Sumário: Aula Teórica nº 11 Sumário: Macroeconomia em Economia Aberta Conceitos Básicos Exportações e importações Exportações líquidas e fluxos financeiros líquidos Taxa de câmbio nominal e taxa de câmbio real

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Serviço Móvel Pessoal Pré-Pago (Celular Pré-pago)

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Serviço Móvel Pessoal Pré-Pago (Celular Pré-pago) O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Serviço Móvel Pessoal Pré-Pago (Celular Pré-pago) São Paulo, Julho de 2014 2014 Teleco. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Forex

Conceitos básicos de negociação em Forex Conceitos básicos de negociação em Forex A GoBulling é uma marca do Banco Carregosa. EM 2012 O BANCO CARREGOSA É ELEITO O MELHOR EM BANCA PRIVADA EM PORTUGAL www.facebook.com/gobulling Produtos Financeiros

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Ajuste externo induzido por política cambial Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Sumário 1. Mudança na composição dos gastos 1. Enfoque de elasticidade 2. Enfoque de absorção 2. Mudança no

Leia mais

0101010100 Total da Exposição Ativa Comprada na Cesta de Moedas no País. 0101010101 Exposição Ativa Comprada em Dólares dos EUA no País

0101010100 Total da Exposição Ativa Comprada na Cesta de Moedas no País. 0101010101 Exposição Ativa Comprada em Dólares dos EUA no País Instruções de Preenchimento do documento 2011 Validade a partir de 02/01/2014 Código Nome Descrição 0101010000 Total da Exposição Ativa Comprada no 0101010100 Total da Exposição Ativa Comprada na Cesta

Leia mais

O que direciona bolsa, dólar e juros brasileiros? 25 de setembro de 2014

O que direciona bolsa, dólar e juros brasileiros? 25 de setembro de 2014 INTRODUÇÃO O presente trabalho que estamos distribuindo aos nossos clientes hoje foi fruto de esforços de de pesquisas do nosso departamento de research com o intuito de fornecer evidências mais consistentes

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 3 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Samuel Pessoa Tendências Consultoria 14 de abril, Hotel Unique ROTEIRO 1. Guerra cambial? 2. Desequilíbrio macroeconômico

Leia mais

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000 Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 17: O Setor Externo Logo WTO Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-7-Slide 1 de 47/2005.1 Sumário 1. Introdução; 1.

Leia mais

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Conceitos básicos de negociação em Forex N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fraqueza da indústria... Pág.3 Japão: Juros negativos...

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS. Introdução.

CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS. Introdução. CAPÍTULO 15 MOEDA E CÂMBIOS Introdução. Neste capítulo construímos o segundo e terceiro blocos do nosso modelo de uma macroeconomia aberta: os mercados da moeda e câmbios. No capítulo 14 exploramos o impacte

Leia mais

Administração Financeira. Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais

Administração Financeira. Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais Administração Financeira Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais Taxa de Câmbio - Conceito É o preço de uma unidade de moeda estrangeira denominado em moeda nacional Exemplos: A) Para comprar

Leia mais

Economia Conceitos e Exercícios

Economia Conceitos e Exercícios Economia Conceitos e Exercícios Noções gerais. Economia é a Ciência que estuda como os Agentes Econômicos (Empresas, Famílias, Governo) decidem utilizar recursos produtivos escassos para atender as necessidades

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL: NOTAS DE AULA

ECONOMIA INTERNACIONAL: NOTAS DE AULA CONOMIA INTRNACIONAL: NOTAS D AULA ste documento consiste em notas de aula para o capítulo 13 de Krugman & Obstfeld (conomia Internacional. 8 ā edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010). laboração:

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

Capítulo 1. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 1. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 1 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Gestoras de Activos

Prospecto Informativo Invest Gestoras de Activos Prospecto Informativo Invest Gestoras de Activos Agosto de 2014 Designação: Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de Remuneração: Factores de Risco: Invest Gestoras de

Leia mais

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O mercado de trabalho é fonte de indicadores muito importantes à condução da política monetária como, por exemplo, a taxa de desemprego, os níveis de salários

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia:

Leia mais

O privilégio exorbitante dos EUA

O privilégio exorbitante dos EUA O privilégio exorbitante dos EUA Michael Pettis Valor Econômico, 15.9.2011. O status dominante de uma moeda levou a desequilíbrios que criaram um sério risco para o sistema financeiro global. Alguns países

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO COPOM

A PROBLEMÁTICA DO COPOM A PROBLEMÁTICA DO COPOM Na ata de reunião terminada em 17 de outubro, em que houve a decisão unânime de manter a taxa SELIC em 11,25%, o COPOM dá uma indicação de sua motivação principal: 19. O Copom considera

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 1 Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 2 Taxas Bilaterais Taxas Efectivas 3 4 Bilateral Nominal and Real Exchange Rates: Rand/Meticais

Leia mais

15. CONTRATOS A TERMO (FORWARD)

15. CONTRATOS A TERMO (FORWARD) 18 15. CONTRATOS A TERMO (FORWARD) Por um contrato a termo ou forward, um vendedor e um comprador fixam hoje o preço de certo ativo que deverá ser liquidado em um prazo determinado ou data de exercício.

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

CONCEITO DE DINHEIRO FORMAS DE MOEDA FUNÇÕES DO DINHEIRO CRIAÇÃO E ENTRADA NA ECONOMIA FNC-IE-UNICAMP

CONCEITO DE DINHEIRO FORMAS DE MOEDA FUNÇÕES DO DINHEIRO CRIAÇÃO E ENTRADA NA ECONOMIA FNC-IE-UNICAMP CONCEITO DE DINHEIRO FORMAS DE MOEDA FUNÇÕES DO DINHEIRO CRIAÇÃO E ENTRADA NA ECONOMIA FNC-IE-UNICAMP Moeda não cresce em árvore Não se pode empregar mão de obra para plantar (produzir) moeda. Desde que

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Carta Eletrônica de Conjuntura Econômica

Carta Eletrônica de Conjuntura Econômica Carta Eletrônica de Conjuntura Econômica Ano 3, Número 24, fevereiro de 2005. Centro de Estudos e Pesquisas Econômicas - CEPE cepe@unisc.br...::editorial Ufa! Finalmente o ano de 2005 começou! Estamos

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Câmbio e Competitividade. Eliana Cardoso Roda de Conversa 24/09/2013

Câmbio e Competitividade. Eliana Cardoso Roda de Conversa 24/09/2013 Câmbio e Competitividade Eliana Cardoso Roda de Conversa 24/09/2013 1. Conceitos básicos que informam essa conversa: Câmbio nominal e real 1. Experiência brasileira 1. O que determina a competitividade?

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 9 de Junho de 2003 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais