A emergência de uma nova relação homem-trabalho na sociedade atual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A emergência de uma nova relação homem-trabalho na sociedade atual"

Transcrição

1 out. nov. dez. l 2009 l A X, º 59 l I GRAÇÃ 333 A emergência de uma nova relação homem-trabalho na sociedade atual antônio fernando almeida gomes* Resumo l A sociedade atual elevou no campo corporativo uma relação bilateral homem-organização ou a triangulação homem-organização-sociedade emergente nos dias atuais. A retórica do paradigma emergente nos recursos humanos destaca a importância da criação dessa relação intersubjetiva. Na relação desenhada nos cenários corporativos, os trabalhadores são chamados a integrar essa dinâmica capitalista para contribuir numa relação de trocas econômicas e sociais. O discurso da organização convoca o trabalhador a apropriar-se da organização, embora a prática mostre que essa relação por parte do dono do capital é unilateral. O panorama da administração de recursos humanos, como desde o nascimento da visão tradicional até os dias atuais, aponta um nó entre o prescrito e as práticas na organização, nó que impede os trabalhadores de construir relações de satisfação, de criar uma identidade que os valorize no e pelo trabalho. Este artigo trata desta relação e de como a organização modela uma nova gramática no campo das relações produtivas. Palavras-chave l Relações homem-trabalho. Identidade. Recursos humanos Title l The emergence of a new relationship between man and work in today's society Abstract l Current society raised in the corporate field a bilateral relationship - man-organization - or triangulation - man-organization-society emerging today. The rhetoric of the emerging paradigm in human resources highlights the importance of establishing this "intersubjective" relationship. In relation drawn in corporate settings, workers are required to integrate this dynamics capitalist contribute to a relationship of economic and social exchanges. The discourse of the organization calls the employee to take over the organization, although experience shows that this relationship by the owner of capital is unilateral. The panorama of human resources management, as since the birth of the traditional view to the present day, points to a node between the prescribed and the practices in the organization, which prevents workers from building relationships with satisfaction, to create an identity that enhances in and by work. This article deals with this relationship and how to organize a new grammar modeling in the field of productive relations. Keywords l Human-work relations. Identity. Human resources 1. apresentação O desenvolvimento da tecnologia de informação, as descobertas de novos materiais e as mudanças nas estruturas do mercado marcaram significativamente o nível de competitividade entre e nas organizações em todo o mundo, daí advindo consequências importantes para as organizações, como a busca quase obsessiva, por parte destas, de maiores vantagens sobre a concorrência, marca Data de recebimento: 22/06/2009. Data de aceitação: 10/08/2009. * Bacharel em Economia e Filosofia, mestre em Economia Política, doutorando em Estudos e Pesquisas da Psicologia Social do Trabalho, professor da graduação, coordenador e professor da Pós-Graduação em Recursos Humanos e Negócios na USJT e Universidade Municipal de São Caetano do Sul. inequívoca de sua sustentabilidade (Christensen; Raynor, 2003). Essa perseguição à competitividade provocou alterações significativas na relação homem-trabalho. A base de tal sustentabilidade marcada pela acumulação cognitiva é o conhecimento, sinônimo aqui de inovação permanente, sobre a qual se sustenta o processo de valorização nas relações subjetivas e intersubjetivas da criação do conhecimento, ou seja, na relação entre o trabalho vivo e o trabalho coletivo, neste século XXI de transformações críticas no capitalismo industrial (Jarzabkowski, 2003). Uma nova solução, um novo software ou uma peça inovadora eram sinônimo e garantia de vantagem competitiva para o mundo corporativo. Ao se darem conta de que inovar não se restringia, contudo, ao elemento técnico, mas estendia-se às

2 334 I GRAÇÃ gomes l Relação homem-trabalho relações intra e interpessoais, ou seja, à cultura da empresa, as organizações passaram a modificar cultura e as estratégias de maximização e a procurar incansavelmente novas formas de relacionar o capital e o trabalho. Existe, nas definições de capital e trabalho, uma discordância fundamental que data dos primórdios da sociedade industrial: o chamado conflito entre capital e trabalho, nascido de princípios e práticas que mostram o capitalista como explorador de quem lhe vende seu trabalho, submetendo-o a uma total dependência, vizinha, no limite, do escravagismo. Nas primeiras décadas do século XX, trabalhar em organizações industriais do Primeiro Mundo era um ato realmente sacrificante. Jornadas de mais de 12 horas (às vezes ininterruptas), absoluta falta de segurança e saúde no trabalho, salários baixos, nenhuma garantia de justiça e uma relação de extrema competitividade entre os próprios trabalhadores: eis o panorama de que provêm as insa- -tisfações históricas vivas, até hoje na memória dos trabalhadores. Ao descrever esse cenário do século passado, as condições não parecem distantes das atuais, como revelam fatos marcados da sociedade do trabalho. Dizer que está emergindo uma nova relação homem-trabalho seria lançar suspeita de que tempos sombrios se reapresentam sob novo disfarce? Não seriam essas novas relações aquelas já vistas no passado, agora agravadas pelo progresso tecnológico? Nos países em desenvolvimento, como é o caso do nosso, essa realidade ainda persiste em muitas organizações e nas relações do homem com o trabalho. Por terem sido de extrema angústia e privação, tais experiências e memórias foram transmitidas geração após geração, fazendo crescer o abismo entre capital e trabalho e erguendo uma barreira real entre os interesses do capitalista e os do trabalhador. Apesar da distância entre capital e trabalho, as inovações tecnológicas pareciam facilmente reproduzíveis, por serem um produto comum a todos. No entanto, não estavam tão acessíveis como apregoavam os defensores da sociedade moderna. Importa considerar que as novas tecnologias não se reduzem a máquinas, equipamentos e processos, mas incorporam de forma essencial aqueles que as operam os trabalhadores. Vale dizer que o status das empresas em termos competitivos e de valor de mercado é resultado de um conjunto de variáveis, entre as quais o conhecimento tácito como ativo intangível das relações capitalistas. Vivemos numa economia do conhecimento, num capitalismo cognitivo em que o trabalho ativo, social e abstrato dos indivíduos é fruto de uma energia intelectual e linguística capaz de produzir bens intangíveis (Nonaka; Takeuchi, 1997; Choo, 2003; Hanashiro et al., 2006). Nessa capacidade de produção, o insumo básico é a informação, objeto da atribuição de valor nas relações entre capital e trabalho, ou seja, nos arranjos produtivos e na composição dos recursos das organizações, isto é, o conhecimento, entendendo-se conhecimento como a informação processada ou sistematizada pelo pensamento humano (Davenport, 1998). Essa diferenciação do conhecimento é relativa, ao passo que a mente processa tudo o que capta no meio externo. A mente, aqui, inclui a capacidade de aprender e usar símbolos na mediação e inter-relação entre os indivíduos da organização, na construção da subjetividade. Dessa forma, pode-se interpretar a prática da atividade humana como a construção inteligente de seres humanos, o que ultrapassa a mera utilização de manufaturas com artefatos ou ferramentas e inclui ações cognitivas, como ler, escrever, interpretar, refletir e falar (Hessen, 2003; Minayo, 2006). Exposto a tais condições, altera-se o protótipo do homem da modernidade, perseguindo objetivos construídos por uma sociedade que ensina que ser é ter, que as relações afetivas são construídas sobre as bases de trocas numa sociedade com alicerces na prática individualista. Sennett (2000) inova ao descrever categoricamente a rua e o escritório como construção das identidades dos trabalhadores e ao afirmar que o capitalismo alterou significativamente a experiência do trabalho das pessoas e o ambiente corporativo. As empresas estão-se transformando de burocracias piramidais densas e frequentemente rígidas para redes mais flexíveis em um constante

3 out. nov. dez. l 2009 l A X, º 59 l I GRAÇÃ 335 estado de revisão interna. No capitalismo flexível, as pessoas trabalham em tarefas de curto prazo e mudam com frequência de empregador; o emprego vitalício em uma firma é coisa do passado. Como resultado disso, as pessoas não conseguem identificar-se com um determinado trabalho ou com um único empregador. Tal protótipo de homem na sociedade atual e na relação com o ambiente produtivo é muitas vezes fragmentado. A emergência de uma cultura imediatista e efêmera, contextualizada pelas mudanças trazidas pela globalização, produz consequências nas relações do trabalho, como exigências de horários flexíveis, que interferem na rotina da convivência familiar, distúrbios psicossomáticos que o prejudicam, irritabilidade e aceleração da ansiedade pelas exigências das competências funcionais no ambiente de trabalho, entre outras, alterações provocadas pelas novas tecnologias, novas formas da relação entre capital e trabalho e uma nova relação com o conhecimento. É fato incontestável e indisfarçável que vivemos numa sociedade consumista, individualista e maniqueísta. O mundo separado pelo discurso econômico tendo, de um lado os detentores do poder econômico e de outro os sobreviventes do poder econômico produziu uma gramática capaz de subverter a ordem das prioridades, minimizando a valorização do humano e maximizando as exigências estruturais e financeiras. É nesse cenário do capitalismo que o indivíduo incorpora valores, invertendo a lógica da construção da identidade, na busca por uma subjetividade crítica e humana. Enquanto esta busca não atinge seu objetivo, o ser perde precedência para o ter, e as relações do homem com o trabalho estabelecem-se numa cadência rigidamente artificial e mecânica, que terminou por gestar a globalização trabalho no contexto da cultura da fragmentação A fragmentação do trabalho revela-se na emergência de uma cultura imediatista e efêmera. Entenda-se aqui trabalho no sentido definido pelo que escreveu Marx (1975), no contexto do capitalismo: trabalho tornado produtivo em decorrência do valor que se atribui à mercadoria, valor que, transformado em lucro, acumula-se nas mãos do capitalista. Conceituado como trabalhador produtivo por Braverman (1987), ele representa as relações sociais entre o capital e o trabalho, visto que esse trabalhador era o meio direto de criar mais-valia. Ora, os tempos são outros desde a construção da definição marxista, mas os problemas persistem, e as relações acontecem em condições de exploração capitalista. Num mundo de relações trabalhistas globalizadas devido às novas tecnologias, a relação homem-trabalho não poderia ter ficado incólume. Nessa exigência de modificação, o binômio homem-trabalho altera endógena e exogenamente as relações produtivas. Endogenamente, em relação às mudanças provocadas nas organizações e, consequentemente, no ambiente corporativo, demandando desse homem moderno novos comportamentos, posicionar-se e pensar em face das mudanças e desafios corporativos; exogenamente, nas relações que ele estabelece fora da organização, no ambiente familiar, cotidiano ou mesmo social. Tais exigências modificam a aplicação e a formação da ética na relação social, alteram prioridades e comprimem espaços de convivência, modificando significativamente a formação da subjetividade crítica e humana necessária à sociedade. Surge um homem de valores individuais, imediatistas e simbolicamente baseados nas relações de troca. Característica dos tempos modernos, a individualização devora a capacidade de construir o bem comum, o espaço comum de convivência, tendendo invariavelmente ao singular, o particularismo das necessidades construídas em que os fins justificam os meios. Santos (1996) discute a ciência pós-moderna como o movimento de superação da crise do paradigma científico dominante desde o século XVII, superação do modelo de racionalidade cartesiana, de separação do sujeito e do objeto, a busca da ordem, a separação dos elementos constituintes da realidade. Esse movimento é fruto das crises geradas com a evolução e a aplicação do conhecimento científico, tais como os regimes totalitários, a

4 336 I GRAÇÃ gomes l Relação homem-trabalho exclusão do acesso ao conhecimento, o reforço das desigualdades socioeconômicas, a sofisticação dos instrumentos de dominação. Eis o cenário em construção de uma nova ciência, formatada na evolução de uma nova economia. 3. a relação homem-trabalho na nova economia Em primeiro lugar, a nova economia deve estar contextualizada pela transição do capitalismo de base industrial para uma forma de capitalismo classificada como imaterial, em que a principal força produtiva é o conhecimento. Os produtos da atividade do trabalho passam a ter como medida a quantidade de conhecimento utilizada em sua produção. É o conhecimento, não o trabalho, que se cristaliza no produto, e é ele que determina o valor a ser dado ao mesmo produto. Essa nova versão do capitalismo desloca a produção industrial para a periferia do sistema e a substitui pelo chamado setor de serviços, acompanhado pelas relações humanas inerentes às práticas do trabalho. A produção capitalista permanece, mas o trabalho característico desse setor evidencia muito mais um esforço intelectual-cognitivo do que propriamente físico. É nesses dois pressupostos que a nova economia vem-se moldando e assegurando a manutenção de transferência e ampliação da riqueza mundial. Os diversos atores sociais esforçam-se para promover as adaptações exigidas por esses novos determinantes. Em tempos de fortes mudanças tecnológicas, o debate sobre o trabalho e as relações que dele se originam ganha novo fôlego. Uma das questões debatidas é o rompimento entre o tempo e espaço de aprendizagem e de trabalho. A ideia de que uma pessoa primeiro se forma em um ambiente educativo e depois se qualifica por meio do trabalho numa empresa ou organização faz hoje bem pouco sentido, ou seja, o processo de formação do trabalhador é visto atualmente como contínuo e sistemático e deve estar em consonância com as constantes transformações do mundo. Paradoxalmente, a evolução científica das dinâmicas tecnológicas em relação ao trabalho (e ao trabalhador) provocou considerável aumento de desemprego e restringiu seriamente a possibilidade de retornar em condições adequadas ao mercado de trabalho. Vogt (2003) afirma que não é possível converter tudo em valor econômico, num afã de utilitarismo prático, pois não se pode perder de vista os fundamentos éticos, estéticos e sociais sobre os quais se assenta a própria possibilidade do conhecimento e de seus avanços. A dinâmica evolutiva da tecnologia é preocupação permanente dos estudiosos da relação homem-trabalho. Nilton Vargas (1983) descreve com propriedade essa intervenção e modificação na relação entre homem e trabalho: a tecnologia passou a articular o conhecimento científico com o conhecimento produtivo. Em outros termos, a articular as leis da natureza com as leis do capital. Esse novo trabalhador, fruto da racionalização do tempo, invade a discussão atual, sendo subordinado a esse fator. Se é essa a tônica atual, compreende-se o entusiasmo tecnológico da sociedade pós-moderna, uma vez que sob as mais diversas formas a tecnologia visa o trabalho e maximiza as limitações humanas, acentuando a subordinação do trabalhador no processo de acumulação capitalista, aumentando o conflito existente entre capital e trabalho na busca pela excelência no trabalho. Essa lógica reafirma o conceito de ciência e a natureza do saber científico elaborados por Wersig (1993), ao destacar que o papel da ciência pósmoderna é buscar a melhor funcionalidade da ciência aplicada, pondo-a a serviço da resolução dos problemas causados pelas ciências e tecnologias clássicas. O conceito de pós-modernidade foi relativizado, porque deixa sem resposta plausível os problemas que criou perdendo eficácia e não explica tampouco os sobressaltos mais recentes da sociedade contemporânea. A exposição bem elaborada de Nicole Aubert (2006), ao substituir o conceito de pós-modernidade pelo de hipermodernidade, é primordial. Insistimos em que não houve nova ruptura com os fundamentos da

5 out. nov. dez. l 2009 l A X, º 59 l I GRAÇÃ 337 modernidade, mas exacerbação, radicalização da modernidade. Esse aspecto ampliado da exacerbação antevê no excesso, na superabundância de informações do mundo contemporâneo, a origem da dificuldade de pensar o tempo, dado que esse tempo está sobrecarregado de fatos que atulham tanto o presente quanto o passado recente. A cultura contemporânea faz emergir um indivíduo, ou mesmo o trabalhador, que relativizou a importância das relações familiares na construção de sua personalidade. Embebido no pragmatismo, o trabalhador cultiva a busca pela satisfação imediata, quase sempre em direção aos valores absolutos do mercado, refletidos na elevação do consumo, na busca pela satisfação imediata, na troca e nos valores instantâneos. Seria a falsa urgência que Nicole Aubert menciona em Le culte de l urgence resultado da ideologia moderna que dissemina uma gramática do pragmatismo, alterando as relações sociais? 4. com que óculos você vê o mundo? as lentes da identidade Para manter-se sadio no jogo das relações capitalistas, é fundamental que o trabalhador construa sua identidade, exposta inevitavelmente ao caldo cultural da hipermodernidade, seja no mundo do trabalho ou fora dele, o sujeito que está sempre submetido às consequências dessas relações ou estruturas mal construídas. Não é raro que seja acometido de desordens psicopatológicas capazes de comprometer sua saúde física e mental, levando- -o ao sofrimento, e, em muitos casos, implicando algum transtorno mental ou social. O sofrimento é parte integrante da relação homem-trabalho. Dejours (1999) enfatiza que o sofrimento no trabalho é expectativa com relação à auto-realização, ou seja, para ultrapassar os obstáculos que nossos pais não conseguiram nos fazer transpor. O sofrimento antecipa o futuro, prefigurando um futuro esperado. Entretanto, o sofrimento, tensionado entre o futuro e o passado, é vivido no presente. É no presente que se recapitulam o passado o que deixa o sujeito enfermo e o futuro que alimenta ao mesmo tempo esperança e decepção. O sofrimento é assim, antes de tudo, um drama, no sentido que o psicólogo e filósofo Politzer dá ao termo. O sofrimento, portanto, impele o sujeito no mundo e no trabalho, em busca das condições de auto-realização. O foco volta-se, portanto, para a organização. Particularmente, a gestão e o que se espera dos trabalhadores em termos de comportamento. Se o foco é a gestão, pode-se afirmar que estão em jogo as relações nascidas da cultura que se dá entre o capital e o trabalho, uma equação ainda não de todo explicada ou compreendida. Esse constructo da identidade foi moldado numa trama social em que se busca constantemente entender, decifrar o conceito de pessoa e as relações que dela se originam e transformam a sociedade. Numa relação que se estabelece e se transforma continuamente entre ambos de forma dialética: indivíduo e mundo social não são estruturas separadas, mas sim pólos extremos de um mesmo elo de continuidade (Ribeiro, 2004). As inovações e mudanças no contexto das relações econômicas e sociais ganham espaço na medida em que se considera a convivência humana o ingrediente inerente da evolução social. Tornou-se importante levar em conta que os novos conhecimentos não se reduzem a máquinas, equipamentos e processos, mas incorporam de forma essencial aqueles que as operam e diferenciam a sociedade atual: as pessoas. Reconstruindo a visão existencialista, a pessoa é sempre um vir-a-ser em permanente superação, realçada por seu projeto, como uma bússola para retomar o caminho: a pessoa é apenas o que ela projeta ser pelas opções e escolhas dos caminhos a seguir (Ribeiro, 2004). A palavra pessoa, do latim persona e do grego prósopon, refere-se ao ator mascarado, anônimo, mas com características comuns a um grande número de seres, razão por que se prende à ideia de personalidade. O conceito de personalidade definiu-se no momento histórico de grande impulso do capitalismo industrial e, dessa forma, atende a uma demanda social de desestruturação da condição precedente da pessoa, no Ocidente. Em seu sentido psicológico, é a consciência que o

6 338 I GRAÇÃ gomes l Relação homem-trabalho indivíduo desenvolve de si próprio como ser único, singular, embora integrante de um grupo no qual identifica características comuns às suas e em constante evolução. A construção desse conceito de pessoa assemelha-se à de um mosaico. Qual a analogia entre a pessoa e o mosaico? Pois bem, trata-se de mosaico entendido no sentido da multiplicidade de peças e encaixes. O mosaico é plural e somente existe porque se constrói a partir do singular, do encaixe único e perfeito, sem que as peças percam por isso suas formas e contornos, para compor a representação desejada. Não foram negadas ou danificadas, e integram um todo, o que jamais conseguiriam sozinhas. Da mesma forma, as pessoas, dotadas de subjetividade, completam o todo com base em suas singularidades e particularidades. Juntam-se aos outros para compor o todo, mas sem perder a consciência de si mesmas. É instigante pensar as relações. Cada pessoa é tocada o tempo todo por outra pessoa, e assim se constituem as relações, os encontros e a reciprocidade na sociedade. No cotidiano das relações entre homem e trabalho e das consequências que os envolvem diariamente, a subjetividade pode ser arranhada em sua construção, ou, não raro, ser negada pela relação social. Isso costuma acontecer quando a satisfação da vida não é vivenciada pelos seres humanos e acaba por desequilibrar a evolução social das espécies. Trata-se de perguntar ontologicamente: de onde viemos, e para onde vamos? A subjetividade, negada no mundo do trabalho, se fortalece pelo desrespeito à dignidade do trabalhador, obrigando-o a converter desejos em valores ou a sucumbir à estrutura dominante, e levando-o a tornar-se mecanismo de produção, sendo desconsiderada sua condição de homem, que merece benefícios e satisfações, acordados ou mesmo conquistados. Nesse cenário de incertezas, de flexibilização produtiva e trabalhista, em que se redefiniu o papel do trabalho, a virtualização das economias e suas intrínsecas valorizações econômicas, transformou-se o homem em peça descartável do sistema produtivo e social. Definido de maneira provisória, o homem está sujeito aos fenômenos decorrentes das modificações nas estruturas produtivas globais provocadas pelo avanço tecnológico. A instabilidade da produção e da lucratividade, o sistema financeiro ganancioso, os preços irrazoáveis praticados nas relações comerciais, tarefas insalubres ou não condizentes com a dignidade humana, entre outros, são fatores que estruturam e moldam a frágil identidade desse homem e erguem barreiras à satisfação na trajetória de vida do indivíduo na sociedade individualista e moderna (Bendassolli, 2007; Aubert, 1993; Dejours, 1999). Parafraseando Sennett, citado por Szwako (2006), um local de trabalho flexível provavelmente não seria o lugar onde alguém deseja construir um ninho. Construída sobre areia movediça no campo das relações de trabalho, a identidade não subsiste em base tão frágil e efêmera, desprovida de ferramentas capazes de transpor o inesperado, de competências que separam as incoerências da vida. Heidegger, discorrendo sobre a morada do ser, conjectura que o homem não é sujeito nem objeto, mas projeto. As ciências biológicas e humanas ainda tratam desse projeto de forma não relacional, ou seja, áreas de estudo como filosofia, bioética e genômica discutem as implicações socioculturais das transformações em andamento quase sem compartilhar os pressupostos que as embasam. Oscila-se então entre a postura apocalíptica e a postura integracionista (ou a favor das grandes corporações da área médica), quando uma discussão crítica no espaço público deveria ser firmada, como movimento democrático e participativo. A construção da identidade por meio da relação homem-trabalho perpassa essas temáticas e propõe a reflexão e o pensamento em estado (artístico) de criação e construção, sob a égide da ética e do campo do humano (ou, quem sabe, já do pós-humano). 5. relações homem-trabalho: gerenciadas ou construídas? Não é possível, entretanto, fugir da evidência de que os trabalhadores sofrem influência de uma

7 out. nov. dez. l 2009 l A X, º 59 l I GRAÇÃ 339 gramática corporativa difundida nos princípios elencados pela organização. Tais gramáticas, sob a inspiração de Recursos Humanos, visam a criar áreas-modelo que harmonizem pessoas e valorizem o capital humano. Esses princípios organizacionais revelam as expectativas das corporações em relação ao comportamento dos funcionários, a essa altura transformados em colaboradores. Redesenhar o sistema que modela a articulação entre o homem e o trabalho nas esferas produtivas reproduz resultados que determinam a condição evolutiva de todos na sociedade. Alcançar e compreender as relações no âmbito das organizações e a articulação com o surgimento das práticas na administração de recursos humanos a fim de manter a sustentabilidade no mercado concorrencial e elevar os lucros da organização suscita discussões sobre o conhecimento no processo de recursos humanos e sobre as relações ideais de trabalho no ambiente corporativo. Nesse cenário corporativo mundial, o paradigma emergente na administração de recursos humanos pressupõe necessariamente uma nova relação homem-trabalho? Reproduz práticas clássicas do modelo taylorista-fordista? Neste ponto, convém destacar os escritos de Walton (1985) e Foulkes (1986, citado em Legge, 2005), que têm ênfase na reciprocidade e no compromisso como elemento fundante de melhoria dessas práticas de trabalho. Associados à estratégia geral da organização nessa relação homem-trabalho e principalmente à prática dos objetivos propostos pela organização na manutenção dessa articulação recíproca, organização e trabalhador necessitam alinhar-se nos objetivos participativos a fim de construir um futuro comum e sustentável. O modelo ora exposto da visão da administração de recursos humanos congrega os modelos soft e hard estudados. Esses modelos elegem a comunicação, a motivação e a liderança como pilares desse framework conceitual que busca formar seres humanos mais criativos. A retórica do paradigma emergente revela que a organização precisa refinar a capacidade de manipulação dos recursos humanos ao mesmo tempo em que oferece um espaço de autonomia desse funcionário (Legge, 1989). Mas de que retórica se trata? Da que fornece a ideologia de legitimação, persuadindo a intensificar o trabalho a fim de aumentar a coisificação (transformação em matéria-prima) da mão de obra? O escravagismo que vigeu nos primórdios do capitalismo industrial ressurge dessa nova relação nova? 6. considerações finais Entender a relação bilateral homem-organização ou a triangulação homem-organização-sociedade que constitui esse sujeito no modelo emergente é fundamental. A retórica do paradigma emergente nos recursos humanos destaca a importância da criação dessa relação intersubjetiva. Na relação desenhada nos cenários corporativos, os trabalhadores são chamados a integrar essa dinâmica capitalista para contribuir numa relação de trocas econômicas e sociais. O discurso da organização convoca o trabalhador a apropriar-se da organização, embora a prática mostre que essa relação por parte do dono do capital é unilateral. O panorama da administração de recursos humanos, como desde o nascimento da visão tradicional até os dias atuais, aponta a existência de um nó entre o prescrito e as práticas organizacionais, nó que impede os trabalhadores de construir relações de satisfação, de criar uma identidade que os valorize no e pelo trabalho. Aquela visão otimista de melhorar as condições e oportunidades dos trabalhadores não é minimamente contemplada, expondo a máscara que encobre a face menos aceitável da cultura empresarial (Legge, 1989; Keenoy, 1990; Anthony, 1992). A relação conflituosa entre capital e trabalho espelha o entendimento do homem com o trabalho. Muito embora o foco da discussão se concentre na relação homem-trabalho, a gestão deveria absorver maior interesse de ambos homem e organização a fim de atenuar as distâncias e os conflitos ora existentes. As melhorias sugerem medidas de gestão participativa, um caminho a ser introduzido ou melhorado nas organizações. A tentativa nesse caso consiste em minimizar o conflito clássico entre capital e trabalho e incorporar as melhorias advindas dessa prática menos impactante e nociva

8 340 I GRAÇÃ gomes l Relação homem-trabalho sobre a saúde e a integridade do homem na sociedade do trabalho. Não há certezas diante do conflito clássico que opõe homem e trabalho, cenário cotidiano de todos os que trabalham na organização e deixa perplexos os estudiosos da sociedade no mundo do trabalho. Importa preparar-se para lidar com a instabilidade, vale dizer, estar apto para tomar decisões, ressignificar conceitos, atitudes e comportamentos. Apto a começar de novo e, talvez, do zero. Eis a única certeza. Reportagens apontam e discutem as grandes viradas individuais de executivos nessa crise. Por outro lado, excluem-se desse conjunto os que, por excesso de qualificação e experiência, passaram a pesar no quadro de funcionários, porque ganhavam demais, de acordo com os princípios de uma empresa enxuta e focada na eficiência. Superqualificados, mas malsucedidos, tais trabalhadores passaram meses, às vezes anos, batendo de porta em porta, até se esfacelarem por completo. Fraqueza de caráter ou algo em torno da ideia de qualificação, bem como dos requisitos e exigências do mercado de trabalho, precisam tornar-se objeto de outro tipo de reflexão? Como desatar o nó e incluir os trabalhadores no sistema capitalista? Eis o maior desafio trabalhista dos últimos 200 anos, desde a segunda Revolução Industrial. Alguns estudiosos, Lopes (2002) entre eles, apontam o fato de que o nó a ser desfeito situa-se nas relações que vinculam a pessoa, o indivíduo e/ou o sujeito aos movimentos que permitem apreender seus registros, como manifestação de uma consciência de pertencimento, de motivações racionais de ação, ou de constituição de lugares do humano. [...] Do ponto de vista da Antropologia, em suas interlocuções com a Psicologia, o problema parece assentar-se, ainda, na noção de pessoa e seus limites, pensados nas tendências à individualização e racionalização, onde a pessoa confronta-se com o indivíduo, como o eu, como ser de constrangimentos ou ser psicológico [...]. Na relação homem-trabalho, as características inconstantes e flexíveis tomam proporções assustadoras. Seu desenvolvimento profissional deixa de ser possível à medida que as fragilidades da sociedade pós-moderna se introduzem nas corporações e se assimilam à identidade dos homens por meio dos comportamentos. Deixou de ser possível o eu que se satisfaz com sua história de vida. Satisfazer pela escolha profissional passa agora forçosamente pela construção de um projeto (guia) (Malvezzi, 1995; Ribeiro, 2004) para a vida. Cada pessoa, a fim de superar a enorme fragmentação nas relações de trabalho e as consequências daí derivadas com o movimento do toyotismo na década de 80, as modificações impostas ao capitalismo industrial pelo avanço tecnológico, os atributos e exigências das novas profissões, entre outros, procura construir alternativas que modelem sua satisfação e sua realização oriunda da relação homem-trabalho. Assim, a busca pela satisfação no acontecimento produtivo do cotidiano é um ir e vir constante, um construir para desconstruir e reconstruir quase instantaneamente. O gerenciamento é quase inevitável, e nem sempre revela os anseios elencados. Não encontrando satisfação em sua trajetória de vida, cada indivíduo passa a orientar-se (e simultaneamente a tumultuar-se) por uma rede de insatisfações e de sofrimentos: as psicopatologias do mundo do trabalho (Dejours, 1999). Como é grande a insatisfação que os indivíduos manifestam nos momentos de crise rumo à construção da subjetividade (a subjetividade negada ), é lenta igualmente a resolução desses problemas, e os sinais de revitalização enviados pelas teorias do mundo do trabalho não dão motivo para grandes esperanças. Enfrentando crises cíclicas, o homem tenta reconstruir-se pela dialética na relação estabelecida com a estrutura subjetiva e com a estrutura social, articulando assim seu trabalho e incorporando-o à sua trajetória profissional. Retomar a questão do sentido do trabalho na vida de cada homem-trabalhador parece ser o primeiro passo. A tentativa de negar a perda do eu, a ausência da noção de comunidade, de partilha no sentido mais amplo da palavra comunitário, constitui para alguns a razão da falência ou da perda da esperança deste trabalhador.

A emergência de uma nova relação homem-trabalho na sociedade atual

A emergência de uma nova relação homem-trabalho na sociedade atual 6 INTEGRAÇÃO ALVES A emergência de uma nova relação A emergência de uma nova relação homem-trabalho na sociedade atual ANTONIO FERNANDO GOMES ALVES * Resumo A sociedade atual elevou no campo corporativo

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Redes Sociais: entre a teoria e a prática

Gestão do Conhecimento e Redes Sociais: entre a teoria e a prática Gestão do Gestão do e Redes Sociais: entre a teoria e a prática Na Universidade, as redes sociais e o conhecimento como ativo intangível são focos de estudo de diversos campos. Já nas empresas, a Gestão

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS CARVALHO, L.F. (CESUR 1 ) - P 2 GRZEBIELUCKAS, C. (UNEMAT) - P 3 Resumo Este trabalho tem como pano de fundo abordar questões dentro de uma das linhas

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade RESUMO INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW Thiago Favarini Beltrame, Andressa Rocha Lhamby e Victor K. Pires O que seria inovar?

Leia mais

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula A Imaginação Sociológica em Sala de Aula Natália Braga de Oliveira* Incentivar os estudantes a olhar a vida cotidiana a partir dos pressupostos da Sociologia, os desperta para a reflexão e elucidação do

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Aula 2: Seleção Por Competências. Professora Sonia Regina Campos

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Aula 2: Seleção Por Competências. Professora Sonia Regina Campos Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 2: Seleção Por Competências Professora Sonia Regina Campos Seleção por Competências Seleção por Competências A Gestão de Pessoas passou por uma alteração de paradigmas.

Leia mais

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA GARCIA, Joe UTP joe@sul.com.br Eixo Temático: Violências nas Escolas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este trabalho

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO 1 PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Daniele Almeida Duarte Mariana Devito Castro Francisco Hashimoto Resumo: É fato que o indivíduo, quando é

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Marco Antonio Ornelas Psicólogo com Especialização em Comportamento Organizacional pela Califórnia American University. Formação em Coaching pelo

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento O QUE QUEREMOS DIZER COM CONHECIMENTO? Helder Haddad Silva 16 de Março de 2003 Leitura Básica e Complementar:: O que queremos dizer com conhecimento in PRUSSAK L., e DAVENPORT T.,

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL - MODELO DE GESTÃO OU NOVA DOMINAÇÃO?

CULTURA ORGANIZACIONAL - MODELO DE GESTÃO OU NOVA DOMINAÇÃO? CULTURA ORGANIZACIONAL - MODELO DE GESTÃO OU NOVA DOMINAÇÃO? Artigo apresentado à universidade Estácio de Sá como requisito para avaliação de conclusão do curso de pós-graduação em gestão estratégica de

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

Por que a ausência do pensar e da visão estratégica tendem a anular a ética? Há dois fatores que limitam e amortecepm a consciência ética:

Por que a ausência do pensar e da visão estratégica tendem a anular a ética? Há dois fatores que limitam e amortecepm a consciência ética: presumo Aula-tema 04: Pensamento Ético e Visão Estratégica. Comecemos por uma indagação: Por que a ausência do pensar e da visão estratégica tendem a anular a ética? Há dois fatores que limitam e amortecepm

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento Como e por que aumentar a Potência de Aprendizagem nas organizações. Filipe M. Cassapo, Gerente de TI, SIEMENS, Filipe@siemens.com Competição e ciclos

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto Brasília, 26 de Agosto de 2014 Sumário APRESENTAÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ESTUDO

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL Ricardo de Miranda Deiró Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail: ricardo.deiro@light.com.br João Antonio da Silva Cardoso Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail:

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSICÓLOGO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSICÓLOGO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSICÓLOGO QUESTÃO 21 Todas as alternativas a seguir apresentam repertórios de ideal de pessoa, encontrados no discurso organizacional, EXCETO: a) Pessoa como ser histórico,

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL E A FORMAÇÃO DO ADMINISTRADOR Kétura Silva Paiva; Juliana Ricardo Bispo de Almeida; Rosamaria Cox Moura-Leite Área Temática: Estratégias Sustentáveis

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL

MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL CRIATIVIDADE, INOVAÇÃO E INFORMAÇÃO Prof. Gustavo Fernandes Ambrosio Emails: gus_ambrosio@yahoo.com.br gusambrosio@hotmail.com Objetivo do curso Será enfocado o tema

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

Proposta de Investigação para o Programa Doutoral em CTI. Escola ETA, ISCTE-IUL

Proposta de Investigação para o Programa Doutoral em CTI. Escola ETA, ISCTE-IUL Proposta de Investigação para o Programa Doutoral em CTI Escola ETA, ISCTE-IUL Título: A Influência das Tecnologias da Informação e Comunicação sobre o desenvolvimento da aprendizagem organizacional: um

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA PSICOLOGIA Quem nunca pensou em procurar ajuda de um psicólogo naqueles momentos mais difíceis? Ele com certeza é nossa principal referência nessas horas, pois é o profissional que cuida da nossa mente,

Leia mais

O Trabalhador do Conhecimento na Sociedade do Conhecimento

O Trabalhador do Conhecimento na Sociedade do Conhecimento O Trabalhador do Conhecimento na Sociedade do Conhecimento Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br Maria Salete Waltrick, Ms (UNIAO) salete@uniao.edu.br

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas AAKER, D. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, 2001. ABBAS, K. Gestão de Custos em Organizações Hospitalares. 2001. In COUTO, Renato e PEDROSA, Tânia. Hospital: Acreditação

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Max Weber e o Direito (1864-1920)

Max Weber e o Direito (1864-1920) 82 Max Weber e o Direito (1864-1920) Fontes: BILLIER, Jean-Cassiere MARYIOLI, Aglaé. História da Filosofia do Direito. Barueri: Manole, 2005. DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. RODRIGUES

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA Conteúdo Programático Módulo I 1) Teoria das Organizações Imagens das Organizações como Paradigmas Científicos

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Fashion Marketing & Communication

Fashion Marketing & Communication Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR AULA 02: TERCEIRO SETOR (PARTE I) TÓPICO 01: EIXOS TEÓRICOS Os fundamentos da Gestão Social não se restringem a ideais históricos.

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º Professor(es) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2015 2º 1. IDENTIFICAÇÃO: Código: 1.1. Disciplina:

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais