A INFLUÊNCIA DO VENCIMENTO DE DERIVATIVOS NO MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES. por ALEXANDRE MACHADO SILVA. Dissertação de Mestrado em Administração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DO VENCIMENTO DE DERIVATIVOS NO MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES. por ALEXANDRE MACHADO SILVA. Dissertação de Mestrado em Administração"

Transcrição

1 A INFLUÊNCIA DO VENCIMENTO DE DERIVATIVOS NO MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES por ALEXANDRE MACHADO SILVA Dissertação de Mestrado em Administração apresentada ao Instituto COPPEAD de Administração - Universidade Federal do Rio de Janeiro Orientador: Professor Eduardo Facó Lemgruber Junho de 2002

2 ii FOLHA DE APROVAÇÃO A INFLUÊNCIA DO VENCIMENTO DE DERIVATIVOS NO MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES ALEXANDRE MACHADO SILVA Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto COPPEAD de Administração - Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre. Aprovada por Professor Eduardo Facó Lemgruber, Ph.D Orientador Professor Eduardo Saliby, Ph.D. Professor Eucherio Lerner Rodrigues, Doutor Rio de Janeiro Junho de 2002

3 iii FICHA CATALOGRÁFICA Silva, Alexandre Machado. A influência do Vencimento de Derivativos no Mercado Brasileiro de Ações. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, x, 65p.il. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD, Finanças. 2. Derivativos. 3. Vencimento de Derivativos. 4. Tese (Mestrado UFRJ/COPPEAD). I. Título.

4 iv RESUMO SILVA, Alexandre Machado. A influência do Vencimento de Derivativos no Mercado Brasileiro de Ações. Orientador: Eduardo Facó Lemgruber. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertação (Mestrado em Administração). Este estudo analisa o comportamento do mercado de ações brasileiro face ao vencimento de contratos derivativos, opções sobre ações da Petrobrás e Telebrás, e contratos futuro de IBOVESPA, no período de janeiro de 1998 a junho de As variáveis utilizadas na mensuração de efeitos anormais são o volume, financeiro e em número de títulos negociados, e o preço, através dos retornos diários e da volatilidade. Foram aplicados três métodos distintos na análise, comparação entre médias, reversão dos retornos e modelos de regressão. A hipótese avaliada em todos os métodos foi o comportamento no período do vencimento ser similar ao comportamento de um benchmark representativo dos dias normais de negociação. No período analisado foram encontrados efeitos significativos apenas no volume, o que pode ser explicado pelas estratégias de arbitragem utilizadas pelos participantes do mercado. O preço não apresentou comportamentos distintos no período do evento e no período de comparação, o que impossibilita a criação de estratégias vencedoras baseadas no comportamento dos ativos no período do vencimento de derivativos.

5 v ABSTRACT SILVA, Alexandre Machado. A influência do Vencimento de Derivativos no Mercado Brasileiro de Ações. Advisor: Eduardo Facó Lemgruber. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertation (Mastership in Administration). This study analyzes the Brazilian stock market behavior caused by derivatives expiration, Petrobrás and Telebrás options, and IBOVESPA s futures, between January, 1998 and June, The variables used to investigate abnormal effects were volume, measured as value in Reais and number of shares traded, and stock price, through daily returns and volatility. Three different methods were applied in this analisys: comparison of means, stock returns reversals and regression models. The hypothesis that was tested by all methods was that the behavior in the expiration period is similar to a benchmark representative of normal days of negotiation. The effects found were relevant only for the volume, which may be explained by arbitrage strategies. Stock prices do not shown different behavior in the event and comparative period, which represents an impossibility to create wining strategies based on stocks behavior in the expiration period.

6 Aos meus pais, ao meu avô e à Annette, pelo carinho e apoio em todos os momentos. vi

7 vii Tabelas Tabela 1 - Maiores Bolsas de Derivativos do Mundo ano 2000 Tabela 2 - Volume geral de contratos derivativos negociados na BM&F durante o ano 2000 Tabela 3 - Características dos principais contratos negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros Tabela 4 - Comparação entre a média do número de ações da Petrobrás negociadas no período do vencimento e no período de comparação Tabela 5 - Comparação entre a média do número de ações da Telebrás negociadas no período do vencimento e no período de comparação Tabela 6 - Comparação entre a média do número de títulos negociados do IBOVESPA no período do vencimento e no período de comparação Tabela 7 - Comparação entre a média do volume financeiro de ações da Petrobrás negociadas no período do vencimento e no período de comparação Tabela 8 - Comparação entre a média do volume financeiro de ações da Telebrás negociadas no período do vencimento e no período de comparação Tabela 9 - Comparação entre a média do volume financeiro de títulos do IBOVESPA negociados no período do vencimento e no período de comparação Tabela 10 - Comparação entre a média dos retornos diários das ações da Petrobrás no período do vencimento e no período de comparação Tabela 11 - Comparação entre a média dos retornos diários das ações da Telebrás no período do vencimento e no período de comparação Tabela 12 - Comparação entre a média dos retornos diários do IBOVESPA no período do vencimento e no período de comparação Tabela 13 - Comparação entre a reversão dos retornos das ações da Petrobrás no período do vencimento e no período de comparação Tabela 14 - Comparação entre a reversão dos retornos das ações da Telebrás no período do vencimento e no período de comparação Tabela 15 - Comparação entre a reversão dos retornos das ações do IBOVESPA no período do vencimento e no período de comparação

8 viii Tabela 16 - Comparação entre a volatilidade dos retornos diários das ações da Petrobrás no período do vencimento e no período de comparação Tabela 17 - Comparação entre a volatilidade dos retornos diários das ações da Telebrás no período do vencimento e no período de comparação Tabela 18 - Comparação entre a volatilidade dos retornos diários do IBOVESPA no período do vencimento e no período de comparação Tabela 19 Parâmetros do modelo de regressão do volume financeiro negociado de ações da Petrobrás Tabela 20 - Parâmetros do modelo de regressão do volume financeiro negociado de ações da Telebrás Tabela 21 - Parâmetros do modelo de regressão do volume financeiro negociado de títulos do IBOVESPA Tabela 22 - Parâmetros do modelo de regressão do retorno dos títulos do IBOVESPA

9 ix SUMÁRIO 1 O PROBLEMA Introdução Objetivo Relevância do Estudo 4 2 O MERCADO DE DERIVATIVOS Definição O Surgimento do Mercado de Derivativos As Bolsas de Valores e Câmaras de Compensação Os Participantes do Mercado O Mercado Brasileiro de Derivativos 13 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Fontes do Efeito Vencimento Algumas Evidências Arbitragem Liquidação Financeira Procedimentos do Mercado Manipulação Evidências do Efeito Vencimento Os Primeiros Indícios A Introdução de Derivativos sobre Índices Modelos de Regressão 33 4 METODOLOGIA Amostras Metodologia Utilizada Comparação entre médias Reversão Análise da Regressão 41 5 RESULTADOS Efeito no Volume Efeito no Retorno 48

10 x 5.3 Efeito na Volatilidade Modelos de Regressão 52 6 CONCLUSÃO 58 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 61

11 1 O PROBLEMA 1.1 Introdução Os derivativos são os instrumentos financeiros que apresentaram o maior desenvolvimento nos últimos anos, principalmente a partir do surgimento dos contratos futuro sobre índices de ações, no início dos anos oitenta, nos Estados Unidos (Edwards, 1986; Stoll e Whaley, 1997). A razão para o seu rápido crescimento deve-se a sua importância para os participantes do mercado de capitais, podendo ser utilizados como instrumentos de hedge, a fim de reduzir os riscos das operações (Stoll e Whaley, 1986; Leite e Sanvicente,1995). Também são uma forma efetiva para o registro das opiniões sobre o valor de mercado das ações, como meio para redução dos custos na aquisição de posições nos ativos (Stoll e Whaley, 1986) e um meio rápido e barato para alterar exposições a riscos de mercados (Stoll e Whaley, 1997). Uma razão adicional para o sucesso dos derivativos sobre índice é a sua liquidação financeira, eliminando os custos e as dificuldades de se negociar com todas as ações componentes do índice no período de vencimento (Stoll e Whaley, 1997). Existe uma relação de equilíbrio entre o valor dos derivativos e o valor dos contratos negociados à vista. No mercado de opções esta é a conhecida equação put-call parity e no mercado futuro, é a relação de arbitragem entre o contrato futuro e o contrato à vista. Qualquer desequilíbrio nesta relação permitirá aos participantes do mercado se aproveitarem da situação, caso façam negócios em ambos os mercados. Por exemplo, se um contrato a termo estiver superavaliado, será uma estratégia lucrativa vendê-lo e comprar o ativo, mantendo esta posição até o vencimento.

12 2 Devido ao mercado futuro ser mais volátil que o à vista, existe uma preocupação que, através da relação existente entre estes, a volatilidade possa ser transmitida para o mercado de ações (Hodgson e Nicholls, 1991). Aliado a um desconhecimento generalizado das vantagens encontradas nas negociações de derivativos, os quais normalmente são relacionados a transações de baixo custo e especulativas (Karolyi, 1996). Diversos estudos foram realizados para avaliar a influência do mercado de derivativos no mercado de ações, onde o vencimento de futuros e opções, por ser o momento em que as posições arbitradas devem ser desfeitas, se caracteriza como o ideal para este tipo de análise. Os efeitos normalmente são analisados através da comparação entre o comportamento do volume e do preço próximo ao vencimento e em períodos representativos dos demais dias de negociação. Os estudos desenvolvidos para diversos países, como: E.U.A., Canadá, Austrália, Japão, Hong Kong e Noruega, mostraram-se coerentes em relação aos seus resultados, apesar de variações na intensidade dos efeitos, e em determinados pontos, algumas contradições. O Brasil também já mereceu a atenção de estudos desta natureza, onde foram avaliados tanto o impacto do vencimento de opções, como o impacto do vencimento de contratos futuro sobre ações. Este trabalho pretende verificar se o mercado brasileiro de ações apresenta comportamentos anormais relacionados ao vencimento de contratos derivativos. Avaliando não só o efeito de derivativos sobre ações, mas também o efeito de derivativos sobre índices, sendo o efeito sobre as primeiras analisado no mercado de opções e sobre os segundos no mercado de futuros.

13 3 No primeiro capítulo foi apresentado o problema, através de uma breve introdução e da clara apresentação do objetivo e da relevância do estudo. O capítulo seguinte apresenta o mercado de derivativos, através das principais definições e sua forma de funcionamento, além de uma breve descrição do mercado brasileiro. O objetivo fundamental deste capítulo é introduzir os elementos básicos do mercado de derivativos, havendo uma definição prévia de alguns termos freqüentemente utilizados e suporte para os leitores com menor domínio sobre o assunto. O capítulo três trata especificamente da revisão bibliográfica do tema influência do vencimento de contratos derivativos sobre o mercado de ações, apresentando estudos realizados para o Brasil e diversos outros países. O capítulo quatro é dedicado à metodologia utilizada, onde os três métodos aplicados no estudo são apresentados, além da amostra e da forma como os dados foram tratados. O capítulo cinco é referente aos resultados. De uma forma geral, apenas o volume foi sensível ao efeito vencimento, o preço não apresentou comportamento anormal no período analisado. Por fim, o capítulo seis apresenta a conclusão, tendo o mercado brasileiro de ações se comportado basicamente da mesma forma que o mercado de outros países, sendo o volume a única variável sensível ao vencimento de derivativos, o que resulta na impossibilidade de se construir estratégias vencedoras baseadas nas informações do efeito vencimento. 1.2 Objetivo O objetivo deste estudo é verificar a forma como o mercado brasileiro de ações se comporta face ao vencimento de contratos derivativos, analisando a existência de alterações no volume e no preço das ações negociadas no período do vencimento. Além de buscar comportamentos distintos dos encontrados em outros países.

14 4 1.3 Relevância do Estudo O estudo da forma como o mercado de derivativos influencia o mercado de ações é relevante para que os investidores e bancos possam montar suas estratégias em bases mais sólidas e também para que as câmaras de negociação e órgãos de regulamentação tenham um melhor entendimento do funcionamento do mercado, e assim exerçam suas funções de forma mais eficiente.

15 5 2 O MERCADO DE DERIVATIVOS O objetivo deste capítulo, conforme mencionado na introdução, é apresentar os elementos básicos do mercado de derivativos, onde serão definidos termos freqüentemente utilizados, e fornecidas informações que possam suportar os leitores com menor domínio sobre o assunto. 2.1 Definição "Derivativos são títulos financeiros cujo preço deriva do preço de mercado de outro ativo real ou financeiro - preço da saca de café, preço da arroba da carne bovina, preço da ação, taxa de juros, taxa de câmbio, índices ou quaisquer instrumentos financeiros aceitos para serem negociados nesse mercado". (LOZARDO, 1998) A definição derivativos não se refere a um tipo específico de contrato, mas tradicionalmente a um conjunto, formado por quatro modalidades: opções, termos, futuros e swaps (Lozardo, 1998). A característica básica é a sua negociação (compra e venda) não apresentar simultaneidade com sua liquidação física e financeira, diferenciando-os dos contratos à vista. Contudo, a tarefa de se definir precisamente estes instrumentos é relativamente complexa, pois, como mencionado por Silva Neto (1999), há discussões até mesmo quanto a sua denominação correta, onde uns defendem o usual derivativos e outros a tradução do inglês, derivados. A motivação para que haja uma negociação no mercado de derivativos também é um diferencial em relação ao mercado à vista (Lozardo, 1998). Neste mercado, os investidores normalmente buscam a aquisição de bens para sua utilização ou para ganhos futuros. Já no mercado de derivativos, o principal objetivo é a sua utilização como forma de minimizar os riscos

16 6 inerentes às atividades de cada um dos participantes (Lozardo, 1998), embora existam investidores com objetivos distintos. As opções podem ser divididas em dois subgrupos, as opções de compra, também chamadas de calls, e as opções de venda, puts. São contratos que dão ao seu titular o direito de comprar ou vender um determinado produto por um valor estipulado, denominado preço de exercício, até uma determinada data ou em uma determinada data. Tal direito é adquirido através do pagamento de uma fração do valor do produto, denominada prêmio, no momento do fechamento do contrato. As opções que permitem ao seu titular utilizá-las durante todo período de sua existência são conhecidas por americanas, já as que só podem ser exercidas no seu vencimento são as européias. Vale ressaltar que as opções representam um direito para o seu titular, o qual fará uso apenas se lhe convier, e uma obrigação para o seu vendedor. Atualmente o mercado de opções está organizado em bolsa, onde os contratos apresentam ativos-objeto, tamanhos, preços de exercício e prazos de vencimento padronizados e sua liquidação garantida. Os contratos a termo normalmente são negociados no mercado de balcão, ou seja, fora do ambiente organizado das bolsas de valores. Todavia, não há nenhum impedimento para que sejam negociados em bolsa. Os contratos a termo representam um acordo entre duas partes, onde define-se o valor a ser pago por uma determinada quantidade de um bem, em uma certa data futura. Por serem negociados no mercado de balcão, estes contratos ganham muita flexibilidade, adequando-se às necessidades dos contratantes. Os termos diferem das opções pelas partes envolvidas estarem obrigadas a cumprí-los na data do vencimento, a menos que haja acordo entre estas. Os contratos futuro são instrumentos muito semelhantes aos contratos a termo, também sendo constituídos por compromissos para entrega em uma certa data de uma quantidade determinada de um bem, por um valor específico. Porém, os futuros são contratos padronizados, negociados em

17 7 bolsa, apresentando quantidades, datas de vencimento, qualidade, forma de liquidação e garantias especificadas, como margens de garantia e ajustes diários, o que lhes confere maior liquidez. Um investidor pode facilmente encerrar uma posição no mercado futuro, bastando para isto adquirir uma posição oposta a sua, com a mesma data de vencimento. Os contratos futuro apresentam como diferença adicional em relação aos contratos a termo, a possibilidade da sua liquidação ser financeira, ou seja, ao invés de se entregar o objeto do contrato, entrega-se o seu valor de mercado. Swaps são contratos bilaterais cujo objetivo é a troca de fluxos financeiros, sem que, no entanto, haja permuta entre o principal dos envolvidos (Silva Neto, 1999). Normalmente os negócios envolvendo swaps estão relacionados com taxas de juros ou moedas, como por exemplo: uma taxa pré-fixada por uma taxa pós-fixada ou dólar por marco alemão. Os swaps são negociados no mercado de balcão, sendo assim contratos não padronizados, que por um lado perdem a liquidez e as garantias oferecidas pelas bolsas, mas por outro apresentam as vantagens da flexibilidade. Sua principal utilização é na redução dos riscos referentes ao descasamento entre o passivo e o ativo das empresas, ou seja, quando os recebimentos não estão atrelados à mesma referência dos pagamentos, quer seja esta referência uma moeda ou uma taxa de juros. 2.2 O Surgimento do Mercado de Derivativos Precisar o momento onde os derivativos surgiram é uma tarefa que não encontra unanimidade entre os diversos autores que se ocupam desta área. Silva Neto (1999, p.20) demonstra sua incerteza quanto o referido momento na seguinte passagem: "Como não poderia deixar de ser, não há unanimidade sobre quando estes instrumentos financeiros surgiram. Alguns autores consideram que surgiram na China

18 8 antiga, com a negociação de commodities básicas, outros registram seu surgimento na Idade Média, com a especialização do comércio e finalmente, outros autores consideram que surgiram na Europa, no início da década de 70, com o aparecimento dos swaps, em resposta a uma necessidade de proteção contra o risco de oscilação de moedas. Acredito que todos eles estão corretos". São vários os indícios de que tais instrumentos foram utilizados em tempos bastante remotos. Como o trecho da obra Política de Aristóteles, apresentado por Kerr (1988), onde Tales de Mileto teria se utilizado de artifícios similares a opções para obter ganho com o aluguel de prensas de oliva, ou uma referência às opções sobre cargas transportadas por navios nas civilizações romana e fenícia. Kerr (1988) também cita a utilização de opções no início do século XVII na Holanda, onde os produtores e comerciantes de tulipas firmavam acordos para garantia de um preço mínimo e entrega da mercadoria, através de instrumentos semelhantes às opções. Como pode-se observar, a negociação com derivativos já vem sendo utilizada há bastante tempo. No entanto, a experiência mais antiga que pode se constituir em um mercado organizado de derivativos é a negociação de contratos futuro de arroz no Japão do século XVII. Lozardo (1998 p.17) trata esta questão da seguinte forma: "A existência do mercado futuro é anterior ao século XVII. No entanto, um mercado organizado com o compromisso de liquidação futura em commodity - produtos agrícolas como o arroz - data do século XVII, no Japão". Segundo Lozardo (1998), a forma atual de organização dos mercados de derivativos teve origem nos mercados de gêneros agrícolas, onde o objetivo das negociações era a comercialização destes produtos e os derivativos eram ferramentas para garantia da entrega, por parte dos comerciantes, e de um preço mínimo, por parte dos produtores.

19 9 Apesar dos primeiros mercados futuros organizados terem surgido na Europa, foi com a criação da Bolsa de Chicago - Chicago Board of Trade (CBOT) - que o setor apresentou grande desenvolvimento (Mellagi Filho, 1995). A função dos derivativos nesta bolsa, mais especificamente a função dos contratos futuro, era diluir a comercialização da produção no decorrer do ano, visando a sua racionalização. No Brasil, a primeira bolsa de mercadorias surgiu em 1917, a Bolsa de Mercadorias de São Paulo (BMSP), cujo objetivo era a negociação de produtos agropecuários. Em 1983 foi fundada a Bolsa Brasileira de Futuros (BBF), com sede no Rio de Janeiro e em 1986 a Bolsa Mercantil & de Futuros (BM&F), sediada em São Paulo. Em 1991 ocorre a fusão da BMSP com a BM&F, a qual resulta na Bolsa de Mercadorias & Futuros, também sob a sigla BM&F. Finalmente, em 1997, ocorre a fusão da BM&F com a BBF, a qual resultou na maior câmara de negociações de derivativos do Mercosul. 2.3 As Bolsas de Valores e Câmaras de Compensação A comercialização de gêneros agrícolas, metais, moedas e derivativos associados a estes e outros bens, por ser realizada em mercados não organizados, encontrava diversos tipos de problemas, como: risco de crédito, falta de padronização da qualidade, sistemas de armazenagem inadequados ou insuficientes, falta de divulgação ampla de preços e impossibilidade de transferência de posições (Bessada, 2000). Desta forma, as bolsas de valores representaram um passo fundamental no desenvolvimento deste setor. Silva Neto (1999) menciona que a organização de um sistema de bolsa, para negociação de bens, proporcionou o surgimento de diversas vantagens, tais como: transparência na formação de preços, facilidade na negociação, criação de centros de liquidez, formalização do sistema e garantias na realização e liquidação do negócio.

20 10 O objetivo das bolsas é proporcionar um ambiente organizado para as negociações, com regras claras e garantias para os participantes. A Bolsa de Mercadorias & Futuros demonstra as vantagens relacionadas a estas câmaras de negociação através de seus objetivos: "desenvolver, organizar e operacionalizar um mercado de derivativos livre e transparente". E de suas atividades: "manutenção de local e de sistemas eletrônicos adequados à realização de operações, fiscalização das operações realizadas em pregão e em sistema eletrônico, regulamentação e fiscalização das atividades de seus associados, divulgação rápida e ampla das operações realizadas em pregão e em sistema eletrônico, aplicação de penalidades aos infratores das normas, concessão de crédito operacional a seus associados, defesa de seus interesses, bem como de seus associados, junto às autoridades constituídas e disseminação da cultura dos mercados de liquidação futura", (BM&F). Uma forma de aumentar a garantia de que os contratos serão cumpridos foi a criação de câmaras de compensação ou clearing houses, as quais podem ser uma instituição independente ou um departamento da bolsa e são responsáveis pelo registro, compensação e liquidação dos negócios. Apesar de as câmaras de compensação serem responsáveis pela liquidação dos negócios, são as corretoras de valores que se responsabilizam pelas posições de seus clientes, assumindo os riscos na eventualidade destes não honrarem seus compromissos. As câmaras de compensação montam estruturas de salvaguarda para garantirem o cumprimento de suas funções. A fim de ilustrar os instrumentos utilizados nesta tarefa, será apresentada de forma sucinta a estrutura de salvaguarda da BM&F, a qual possui pontos tradicionalmente utilizados por bolsas do mundo inteiro e está disponível no site desta instituição,

21 11 - liquidação da operação no dia útil seguinte ao de sua realização (D+1), visando reduzir o risco de inadimplência dos participantes, pois após computadas as posições, se um destes não honrar seus débitos, as providências serão tomadas imediatamente, evitando que o problema se propague; - ajustes diários, este instrumento tem por finalidade atualizar diariamente os contratos futuro a valor de mercado, evitando o acúmulo de um débito elevado ao final do contrato; - margem de garantia, os participantes são obrigados a fazerem depósitos como forma de garantia que efetuarão seus pagamentos. Os valores das margens de garantia foram reduzidos muito com a introdução dos ajustes diários; - limites operacionais, são três limites diferentes impostos aos participantes: limite de posição em aberto, de oscilação de preço e alavancagem do membro de compensação. São instrumentos utilizados para evitar a concentração do mercado e outros eventos que venham a interferir na sua competitividade; - caução de títulos, o quadro social é constituído por detentores de títulos patrimoniais e não-patrimoniais, em caso de inadimplência de um dos membros a bolsa executará a sua caução; - fundos, a bolsa apresenta três tipos de fundos como mais uma forma de garantia, em mais de um nível, da liquidação dos negócios. Os fundos são: Fundo Especial de Liquidez dos Membros de Compensação, Fundo de Liquidação de Operações e Fundo de Garantia dos Investidores.

22 Os Participantes do Mercado Os participantes do mercado de derivativos apresentam características próprias e podem ser classificados a partir de seus objetivos ou da finalidade pela qual negociam no mercado de derivativos. Os hedgers buscam a minimização do risco de seus negócios. Normalmente, são produtores ou investidores que não pretendem especular, apenas se protegerem de mudanças adversas no cenário em que se encontram. O hedge pode ser feito através da compra ou da venda de derivativos. Por exemplo, um produtor de café pode garantir o preço de sua produção vendendo contratos a termo, e assim receber o valor contratado para sua colheita, independente do comportamento do mercado. Ou um empresário que assumiu uma dívida em moeda estrangeira, e receoso com a variação da taxa de câmbio, compra futuros desta moeda e garante pagar a dívida através da cotação no momento do contrato. Especuladores são investidores, pessoas físicas ou jurídicas, que buscam obter lucro com a oscilação do mercado, mesmo que para isso incorram em riscos (Lozardo, 1998). Os especuladores podem ser divididos em três subgrupos: os traders, investidores que mantêm suas posições por períodos mais longos, podendo chegar até a meses, mas normalmente não as levam até o vencimento, os day-traders, investidores de curto prazo, os quais liquidam suas posições diariamente, não as mantendo após o término do pregão, e os scalpers, investidores de curtíssimo prazo, que obtêm ganhos reduzidos em intervalos de tempo muito curtos, normalmente mantêm suas posições apenas por alguns minutos. Apesar do termo especulador aparentemente ser pejorativo, a presença destes agentes no mercado é de suma importância, pois são eles que assumem os riscos indesejados pelos hedgers, aumentando a liquidez do mercado. Não se deve confundir os especuladores com os manipuladores do mercado, sendo a presença destes

23 13 danosa, por produzirem comportamentos artificiais, e portanto, sendo alvo de regras para coibir a sua atuação. O mercado de derivativos guarda uma relação de equilíbrio com o mercado à vista. Sempre que esta relação for desrespeitada será possível obter ganhos, caso o desequilíbrio seja superior aos custos de negociação. Os investidores que negociam simultaneamente no mercado à vista e no mercado de derivativos, valendo-se do desequilíbrio na relação existente entre estes, são chamados de arbitradores. Uma função importante dos arbitradores é, ao aproveitarem-se das oportunidades, manter o equilíbrio entre os mercados. Os market makers ou especialistas normalmente são instituições financeiras, bancos ou corretoras, que se especializaram em tipos específicos de contratos, mantendo posições próprias volumosas (investindo o seu próprio capital) (Silva Neto, 1999). Apresentam como vantagem o spread no momento da negociação, diferença entre o valor de compra e venda, e como desvantagem a obrigação, de acordo com regras da bolsa, de sempre oferecerem cotação de compra e venda. A participação dos market makers é de fundamental importância na formação de preços e geração de liquidez do mercado. 2.5 O Mercado Brasileiro de Derivativos O mercado brasileiro de derivativos apresenta-se bastante desenvolvido. Mesmo não oferecendo uma grande diversidade de contratos, o volume de negócios realizados é elevado, fazendo com que a Bolsa de Mercadorias & Futuros, BM&F, figure entre as maiores do mundo. A Tabela 1 exibe as dez maiores bolsas de derivativos no ano 2000.

24 14 Tabela 1 - Maiores Bolsas de Derivativos do Mundo - ano 2000 Classif. Bolsa Volume de contratos* 1 a Eurex Deutschland (EUREX) a Chicago Board of Trade (CBOT) a Chicago Mercatile Exchange (CME) a Korea Stock Exchange (KSE) a Euronext Paris** a London Intl. Finl. Futures & Options Exchange (LIFFE) a New York Mercantile Exchange (NYME) a Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) a London Metal Exchange (LME) a Tokyo Commodity Exchange (TOCOM) Fonte: Resenha BM&F *Exclui contratos de opções sobre ações, spot e fracionários. ** Fusão das bolsas de Amsterdã, Bruxelas e Paris. No Brasil, o mercado de derivativos está dividido em duas câmaras de negociação, a Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) e a Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA). Na BM&F são negociados tanto contratos de commodities como financeiros, e na BOVESPA, apenas contratos financeiros. Estas duas bolsas também negociam alguns instrumentos tradicionalmente encontrados no mercado de balcão, como contratos a termo e swaps. Porém, os volumes são pequenos e a iniciativa parece ser uma tentativa de organização destas modalidades de negócio. Os contratos financeiros transacionados na BM&F superam por larga margem os contratos de commodities. Destacando-se os referentes a taxas de juros, os quais foram responsáveis por 59,75% do volume negociado e 65,64% do volume financeiro no ano Sendo seguidos pelos referentes a taxas de câmbio, com 29,45% e 28,84%, e pelos referentes a índice de ações, com 9,55% e 5,34%, totalizando 98,74% dos títulos negociados e 98,82% do volume negociado na BM&F, ou seja, quase a totalidade dos negócios da bolsa. O volume acumulado de cada modalidade de contrato negociado na BM&F encontra-se na Tabela 2.

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito 239 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS : 239 questões com gabarito. São

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178. INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.421/0001-64) O cliente, devidamente qualificado em sua ficha cadastral,

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge 1 Hedge no Mercado a Termo No Brasil, são muito comuns as operações a termo real/dólar. Empresas importadoras, exportadoras, com dívidas ou ativos

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e significa mercadoria. É usado para designar bens sem diferenciação (por não possuírem valor agregado), e são habitualmente extraídas

Leia mais

Guia Rápido. Como negociar Commodities Agrícolas. Leandro Benitez

Guia Rápido. Como negociar Commodities Agrícolas. Leandro Benitez Guia Rápido Como negociar Commodities Agrícolas Leandro Benitez O objetivo deste artigo é apresentar-lhe os princípios dos contratos agrícolas para que você possa iniciar suas negociações neste segmento.

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

César Frade Finanças Aula 02

César Frade Finanças Aula 02 César Frade Finanças Aula 02 Olá Pessoal. Estamos nós aqui mais uma vez para tentar entender essa matéria. Concordo que a sua compreensão não é das mais fáceis, mas vocês terão que concordar comigo que

Leia mais

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F.

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. MERCADO DE CÂMBIO Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. Vale ressaltar que o câmbio futuro pode ser

Leia mais

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos 6.A.1 Apresentação do capítulo Nesta unidade, é abordado o estudo dos diferentes tipos de mercados derivativos. O objetivo deste capítulo é dar ao leitor uma visão

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS

MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS 11. Mercados de Derivativos 11.1. Conceitos Básicos Derivativos é o nome dado à família de mercados em que operações com liquidação futura são realizadas, tornando possível a

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

FUTUROS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL

FUTUROS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL FUTUROS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos mercados futuros de açúcar e álcool negociados

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com Boi - Mercado Mercado de Boi gordo - Brasil: * Maior exportador mundial, * Consumo interno: mais de 70%, * Maior rebanho comercial, * Perda de área para outras culturas. - Mundo:

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

Mercado de Derivativos

Mercado de Derivativos Mercado de Derivativos Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com 8141-4045 I. Mercado de Derivativos 1. Conceito de Derivativos 2. Mercado a Termo 2.1 Mercado a Termo de Derivativos Sobre Commodities 2.2

Leia mais

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA! O que é hedge?! Como estar protegido de um eventual prejuízo de uma operação financeira da empresa no futuro?! Como podemos hedgear uma operação efetuada em dólar?! Como

Leia mais

DERIVATIVOS DE Balcão. Termo de Moedas

DERIVATIVOS DE Balcão. Termo de Moedas DERIVATIVOS DE Balcão Termo de Moedas Termo de Moedas Registro de negociação de taxas de câmbio ou de paridade futura O produto O Contrato a Termo de Moedas possibilita a negociação de taxa de câmbio ou

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados.

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. ANÁLISE DE RISCO E DERIVATIVOS Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 09.11.2012 OBJETIVOS DA AULA Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. 1 Relembrando a aula de VAR... O

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Apresentação. Edemir Pinto Diretor Geral

Apresentação. Edemir Pinto Diretor Geral FUTURO DE DI Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados ao mercado futuro de taxa de juro negociado na BM&F. O que é o contrato futuro de DI, para que

Leia mais

Mercado Futuro de Índice de Ações

Mercado Futuro de Índice de Ações Derivativos de Índice de Ações A apresentação resumida dos principais índices de ações, mostrando como eles representam um conjunto de ações de companhias listadas para negociação em Bolsa, dá inicio ao

Leia mais

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos 6.A.1 Apresentação do capítulo Nesta unidade, é abordado o estudo dos diferentes tipos de mercados derivativos. O objetivo deste capítulo é dar ao leitor uma visão

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Derivativos Agropecuários Mercado Futuro

Derivativos Agropecuários Mercado Futuro 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...Pág. 01 2. A BM&FBOVESPA...Pág. 01 3. CONCEITOS DE MERCADO À VISTA E MERCADOS DE DERIVATIVOS...Pág. 01 4. DIFERENÇA ENTRE MERCADO BALCÃO, ORGANIZADO, NÃO ORGANIZADO, E MERCADO

Leia mais

3 A forma de funcionamento do mercado cambial

3 A forma de funcionamento do mercado cambial 27 3 A forma de funcionamento do mercado cambial Neste Capítulo, apresentar-se-á a forma de funcionamento do mercado cambial, algumas das suas principais instituições, seus participantes e algumas especificidades

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e significa mercadoria. É usado para designar bens sem diferenciação (por não possuírem valor agregado), e são habitualmente extraídas

Leia mais

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL AUTORES: Marcelo Cabus Klötzle André Cabus Klötzle Antônio Carlos Figueiredo - 1 - CAPÍTULO 1 - Introdução 1) Contextualização: Este livro, diferente

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Boi Gordo Futuro de Boi Gordo Ferramenta que permite a gestão financeira do risco existente nas operações realizadas no mercado físico. O Contrato Futuro de Boi Gordo é

Leia mais

Capítulo 7 Fundos de Investimentos

Capítulo 7 Fundos de Investimentos Capítulo 7 Fundos de Investimentos 7.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e classificações de um fundo de investimento. Ao final, você terá visto:

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO Introdução O Gerenciamento do Risco de Mercado no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está fundamentado

Leia mais

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 8c. MERCADO DE CUPÕES CAMBIAIS (Dólar doméstico) 1 Cupões Cambiais São aplicações financeiras em dólares teóricos, chamados de dólares domésticos.

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

FUTURO DE ÍNDICE BOVESPA

FUTURO DE ÍNDICE BOVESPA FUTURO DE ÍNDICE BOVESPA Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados ao mercado futuro de Índice Bovespa negociado na

Leia mais

INTRODUÇÃO. Índice. 1 Introdução. 2 Definição. 2 Por que participar do Mercado Futuro de Ações? 3 Benefícios da negociação com futuros de ações

INTRODUÇÃO. Índice. 1 Introdução. 2 Definição. 2 Por que participar do Mercado Futuro de Ações? 3 Benefícios da negociação com futuros de ações Índice 1 Introdução 2 Definição 2 Por que participar do Mercado Futuro de Ações? 3 Benefícios da negociação com futuros de ações 5 Que tipo de investidor atua no Mercado Futuro de Ações? 6 Mercado Futuro

Leia mais

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB)

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) Subsistema de Margem para Ativos Líquidos Opções com Ajuste sobre Disponível e sobre Futuro Setembro 2006 .ii. 1. Introdução Neste documento, apresenta-se a nova metodologia

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos da

taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos da Contrato Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira Especificações 1. Definições Contrato: termos e regras específicos sob os quais os negócios serão realizados e liquidados. Day trade compra e venda,

Leia mais

O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS COM NDF

O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS COM NDF UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Leonardo Marmitt O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições Instituto Educacional BM&F MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições São Paulo, 2007 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros) B67m Mercado de opções:

Leia mais

Contratos Derivativos. Futuro de Soja Brasil

Contratos Derivativos. Futuro de Soja Brasil Contratos Derivativos Futuro de Soja Brasil Futuro de Soja Brasil Proteja o seu preço e administre os riscos da produção O produto A produção de soja atende a uma cadeia de diversos produtos acabados derivados

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO ANÁLISE DOS MERCADOS FUTUROS DE CÂMBIO NO BRASIL Carlos Fernando Martins Miranda Nº de matrícula:

Leia mais

MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGROPECUÁRIAS

MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGROPECUÁRIAS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGROPECUÁRIAS Márcio Aleixo da Cruz Graduado em Administração pela UFRRJ Rod. BR 465, Km 07 - Seropédica - RJ - CEP 23.890-000 Marcelo Alvaro da Silva Macedo Professor da

Leia mais

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados.

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados. Mercados Derivativos IBEF PAULO LAMOSA BERGER 1 Instrumentos do Mercado Financeiro Emissão Os ativos de renda fixa são emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia. Existem no Brasil

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MERCADO DE DERIVATIVOS UMA VISÃO GERAL Por: Ana Paula Loureiro Santos Orientador Prof. Ana Paula Alves Ribeiro Rio de Janeiro

Leia mais

CAPÍTULO 2. O QUE SÃO DERIVATIVOS? CAPÍTULO 3. PARA QUEM OS DERIVATIVOS SERVEM? CAPÍTULO 5. COMO SE REALIZAM AS OPERAÇÕES NA BM&F?

CAPÍTULO 2. O QUE SÃO DERIVATIVOS? CAPÍTULO 3. PARA QUEM OS DERIVATIVOS SERVEM? CAPÍTULO 5. COMO SE REALIZAM AS OPERAÇÕES NA BM&F? Índice INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. O QUE É A BM&F E PARA QUE ELA SERVE? 3 4 CAPÍTULO 2. O QUE SÃO DERIVATIVOS? 8 CAPÍTULO 3. PARA QUEM OS DERIVATIVOS SERVEM? 14 CAPÍTULO 4. COMO SE FORMAM OS PREÇOS NA BM&F?

Leia mais

Conheça o mercado da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Conheça o mercado da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1) OBJETIVO A BM&F foi criada para desenvolver, organizar e operacionalizar mercados livres e transparentes para negociação de títulos e/ou contratos que possuam como referência ativos financeiros, índices,

Leia mais

Futuros e Opções de Grãos e Oleaginosas

Futuros e Opções de Grãos e Oleaginosas Produtos de Commodities Futuros e Opções de Grãos e Oleaginosas Os produtos de benchmark de desempenho global que você já opera. Agora com a qualidade do CME Group. Visão Geral Grãos e sementes oleaginosas

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 O que é uma Bolsa de Futuros? Local organizado para administrar risco; Organização sem fins lucrativos; Dar visibilidade nos preços;

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 9 - Mercado de Capitais Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Leia mais

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e significa mercadoria. É usado para designar bens sem diferenciação (por não possuírem valor agregado), e são habitualmente extraídas

Leia mais

SOJA COMENTÁRIO. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MARGEM: R$ 2.473,00. MÉDIAS 16 Exp. e 51 Exp SUPORTE 2 $ 22,00

SOJA COMENTÁRIO. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MARGEM: R$ 2.473,00. MÉDIAS 16 Exp. e 51 Exp SUPORTE 2 $ 22,00 SOJA GRÁFICO SOJA MAIO BM&F (SOJK10) Análise Gráfica - SOJA Médias Móveis - SOJA MÉDIAS NOVAS!!! Tempo 60 minutos. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MÉDIAS 16 Exp. e 51

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

O CAPM e futuros de setores selecionados

O CAPM e futuros de setores selecionados Introdução O Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (Capital Asset Pricing Model - CAPM) determina a taxa de retorno teórica que o investidor espera extrair do investimento em um ativo financeiro.

Leia mais

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Fabio Dutra Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercados 16/06/2015 1 AGENDA DESAFIOS DO AGRONEGÓCIO MERCADO DE CAPITAIS

Leia mais

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA DELIBERAÇÃO Nº 550, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008: Dispõe sobre a apresentação de informações sobre instrumentos financeiros derivativos em nota explicativa

Leia mais

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica 13 2 Mercado Futuro Este capítulo tem como objetivo fazer um breve resumo sobre o Mercado Futuro, mostrando sua origem e evolução, importância e seus principais contratos. 2.1 Conceituação Básica Um contrato

Leia mais

Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING

Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING WebTranding Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING BM&FBOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS BM&FBOVESPA S/A Sociedade anonima, que organiza,

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE Mercado a Termo e Futuro I Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas-EBAPE Contratos a Termo O Contrato a Termo é um acordo OTC (Over The Counter), é dizer negociado no Mercado de Balcão, entre 2 companhias

Leia mais

Características e Utilização para Hedge

Características e Utilização para Hedge CAPÍTULO 3 Mercados Futuros: Características e Utilização para Hedge Os mercados futuros possibilitam a redução de risco dos agentes econômicos, de forma semelhante aos mercados a termo. Eles podem ser

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

FUTURO E OPÇÕES DE CAFÉ ARÁBICA

FUTURO E OPÇÕES DE CAFÉ ARÁBICA FUTURO E OPÇÕES DE CAFÉ ARÁBICA Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos mercados futuro e de opções de café arábica

Leia mais

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Módulo 2 Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Mercados organizados e de balcão Bolsas de Derivados Principais Características Padronização

Leia mais

Política. Gestão de Risco de Mercado

Política. Gestão de Risco de Mercado Política de Gestão de Risco de Mercado Superintendência de Riscos Aprovada no Comitê de Riscos e Liquidez de 30/09/2010 Índice 1. OBJETIVO 3 2. PERÍMETRO 3 2.1 CARTEIRA DE NEGOCIAÇÃO 3 2.2 CARTEIRA ESTRUTURAL

Leia mais

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 A História da BM&F Uma história de Sucesso criada em Junho de 1985. Constituída sob a forma de sociedade por ações. Desenvolver, organizar e operacionalizar

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

AJUSTE DE STRIKE PARA LANÇAMENTO COBERTO DE CALL (PETR4)

AJUSTE DE STRIKE PARA LANÇAMENTO COBERTO DE CALL (PETR4) ISSN 1984-9354 AJUSTE DE STRIKE PARA LANÇAMENTO COBERTO DE CALL (PETR4) Aneli Cristiana de Oliveira, Alexandre Lemes Sanches (Fatec de Bragança Paulista - Jornalista Omair Fagundes de Oliveira) Resumo:

Leia mais