5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho"

Transcrição

1 Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP e doutorado em Finanças pela FEA-USP. Atualmente é professor da FIA - Fundação Instituto de Administração e da Saint Paul Escola de Negócios. Experiência de 33 anos no mercado financeiro nas áreas de Tesouraria, Corretora de Valores e Gestão de Fundos de Investimento. Ex-Diretor de Asset Management nos Bancos Noroeste, Fibra e BMC. Atuação por quatro anos como especialista em investimentos no Banco Itaú. 2 Derivativos História Derivativos são instrumentos financeiros cujo preço deriva daí o nome, do preço de mercado de um ativo real ou um outro instrumento financeiro. Ex: Contrato futuro do ouro depende do ouro à vista. A existência do mercado futuro e anterior ao século XVII. Nesta época já havia no Japão um mercado organizado com o compromisso de liquidação futura de arroz. Mercados futuros organizados iniciaram-se com a Chicago Board of Trade CBOT, em No Brasil surgiu em 1917 uma Bolsa de Commodities a Bolsa de Mercadorias de São Paulo. Criação em 1986 da Bolsa Mercantil & de futuros. Em 1991 fusão da BM&F com a Bolsa de Mercadorias surgindo a Bolsa de Mercadorias & Futuros BM&F. Em 2008 integração da Bovespa com a BM&F tornando-se a BM&F Bovespa. B.G.O. 3 1

2 Tipos de mercado Mercado de balcão Mercado de bolsa B.G.O. 4 Segmentos do mercado de derivativos Mercado a Termo Mercados Futuros Mercado de Swaps Mercado de Opções B.G.O. 5 Tipos de liquidação financeira Operação à vista Operações com liquidação a prazo Operações por encomenda Operação a termo B.G.O. 6 2

3 Mercado a termo Mercado em que são realizados acordos privados de compra e venda de um ativo para liquidação em uma data futura por um preço determinado. Podem ocorrer tanto em Bolsa como também em balcão, sendo mais comum em balcão. B.G.O. 7 Operações a termo Data de negociação Características do ativo Data de liquidação Preço (pagamento único) Comprado a termo Vendido a termo B.G.O. 8 Contratos a termo de ações São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. Termo tradicional Termo Flexível Termo em Dólar B.G.O. 9 3

4 Exemplo de termo de ações Petrobrás à vista = R$ 25,00 Taxa do termo = 1,1% a.m Prazo do termo = 60 dias B.G.O. 10 Contrato a termo de moedas As operações a termo mais comuns são aquelas que envolvem negociação com moedas estrangeiras. Paridade a termo de equilíbrio PTE = US$ spot(1 + i (1 + i internacional local ) ) B.G.O. 11 Participantes do mercado Investidor (Risco do negócio) Entra em um negócio com base no domínio de expectativas dispondo de recursos monetários, assumindo posição comprada para posterior venda. B.G.O. 12 4

5 Participantes do mercado Hedger O hedger não deseja ficar exposto a movimentos adversos no preço de um ativo. Os produtores querem manter um hedge de preço para sua produção e os industriais querem garantir um preço para obter tal produto. Os contratos futuros, então, permitem, que ambas as partes atinjam seus objetivos. Especulador Aposta na alta ou na queda de preços; Os mercados futuros e as opções fornecem uma maneira de obter um tipo de alavancagem. A perda potencial do especulador, assim como o seu ganho potencial é muito grande. B.G.O. 13 Participantes do mercado Financiador Compra o ativo e vende a termo. Arbitrador O arbitrador é um participante de mercado que tem como objetivo o lucro, mas com baixo risco. Sua atividade consiste em buscar distorções de preços entre mercados, e tirar proveito dessa diferença ou da expectativa futura dessa diferença. A estratégia do arbitrador consiste em comprar no mercado onde o preço está mais barato e vender no mercado onde está mais caro, lucrando com a diferença. B.G.O. 14 Mercados Futuros B.G.O. 15 5

6 Diferenças entre os mercados futuros e a termo Mercado a Termo Negociações em Balcão ou em Bolsa Predomínio da entrega física Ativos customizados Dificuldade de se encerrar a posição antes do vencimento Ausência de ajuste diário Mercado Futuro Negociações somente em Bolsa Predomínio da liquidação financeira Ativos padronizados Intercambialidade de posições Presença de ajuste diário Os riscos devem ser assumidos pelas partes Operações garantidas pela Bolsa (Clearing) B.G.O. 16 Contratos Futuros Um contrato futuro é o compromisso de comprar ou vender determinado ativo numa data específica no futuro, por um preço previamente estabelecido. Futuros de mercadorias: O objeto de negociação é uma mercadoria (soja, boi, café, etc) Futuros financeiros : O objeto de negociação é um ativo financeiro, como um título, uma carteira de ações ou taxa de juros Os mercados futuros foram criados originalmente para atender as necessidades dos hedgers. B.G.O. 17 Exemplo: Produtor de café Um produtor de café espera colher 1000 sacas de café na próxima safra e resolve fazer hedge de 50% de sua produção estimada. Dados: Preço futuro do café para março/2013 = US$ 267,00 por saca Preço a vista do café = US$ 265,00 por saca Custo de produção = US$ 160,00 por saca B.G.O. 18 6

7 O sistema de garantias da BM&F A clearing BM&F: Câmara de registro, compensação e liquidação que opera mediante um sistema de compensação que chama para si a responsabilidade pela liquidação dos negócios, transformando-se no comprador para o vendedor e no vendedor para o comprador, com estruturas adequadas ao gerenciamento de risco de todos os participantes. Cadeia de riscos da BM&F Cliente Corretora Membro de Compensação Clearing Bolsa B.G.O. 19 O sistema de garantias da BM&F Medidas de segurança: Margem de garantia: A margem de garantia é uma espécie de caução, ou seja, um depósito que o participante deve fazer ao abrir uma posição A Bolsa tem um sistema para calcular a volatilidade do ativo e determina dentro de um intervalo de confiança, qual a sua flutuação máxima e quantos dias de flutuação a margem deverá cobrir: Ex: vol. =3,5% e nº de dias = 2. Então 3,5 x 2 =7,0% Ativos aceitos como margem: Dinheiro, ouro e a critério da Bolsa, títulos públicos e privados, cartas de fiança, ações e cotas de fundos. B.G.O. 20 O sistema de garantias da BM&F Medidas de segurança: Limite de oscilação diária de preços: Consiste no estabelecimento de uma variação máxima dos preços. Assim sendo estipula-se um limite percentual de alta ou de queda que se atingida não se registra nenhum negócio. Ex: O limite de oscilação do contrato de dólar para o 1º vencimento é de 4%. Limite de posições em aberto: Consiste em estipular um número máximo de contratos que um único participante pode deter: Ex: 20% dos contratos em aberto no mercado de Ibovespa futuro B.G.O. 21 7

8 O sistema de garantias da BM&F Ajuste Diário: Compara o preço da operação com o preço de fechamento (preço de ajuste). Se for favorável ao investidor ele recebe ajuste e se for desfavorável ele paga ajuste. Fundo Especial dos Membros de Compensação, Fundo de Liquidação de Operações e Fundo de Garantia: Visam assegurar a liquidação das operações. B.G.O. 22 Mecânica operacional dos mercados futuros Objeto de negociação: É a descrição do ativo cuja oscilação de preços está em negociação. Exemplo: Café, Dólar, Boi, etc Cotação: É a unidade de valor atribuída a cada unidade física da commodity em negociação. Exemplo: US$ por saca, reais por dólares Unidade de negociação: É o tamanho do contrato. Exemplo: O tamanho do contrato de café é de 100 sacas de 60 Kg, o de dólar é de US$ 50,000 Meses de vencimento: Meses em que serão liquidados os contratos. São determinados de acordo com a sazonalidade dos mercados B.G.O. 23 Mecânica operacional dos Mercados Futuros Mecânica operacional dos mercados futuros A convergência do preço do futuro para o preço à vista. Possibilidade de entrega final.no caso de entrega física a Bolsa determina os procedimentos As Bolsas asseguram que as informações de preços sejam transmitidas em segundos para qualquer parte do mundo; Clearing de Derivativos: Corretor que não é membro de compensação tem que contratar um membro. O preço de ajuste diário Liquidação financeira na BM& F: D+1 Liquidação física versus liquidação financeira: A maioria dos contratos é liquidado financeiramente Encerramento de posições: através de uma operação oposta à original; B.G.O. 24 8

9 Custos operacionais para o cliente Taxas de corretagem (receita da corretora): Taxa operacional básica (TOB): deve ser paga no dia seguinte à abertura e ao encerramento da posição. Varia de corretora para corretora. Taxa de liquidação (TL): Para os clientes que mantiveram contratos até o vencimento, o pagamento deve ser efetuado no dia seguinte ao vencimento do contrato. B.G.O. 25 Custos operacionais para o cliente Taxas da Bolsa Emolumentos: Variável para cada contrato conforme tabela da bolsa. Ex: Ibovespa futuro R$ 1,75 por contrato. Taxa de registro: taxa cobrada pela BM&F na abertura e no encerramento da posição e tem valor de R$ 0,10 por contrato B.G.O. 26 Contratos negociados na BM&F Principais contratos financeiros Ouro Ibovespa Futuro DI de 1 dia Dólar Comercial Global Bond futuro B.G.O. 27 9

10 Contratos negociados na BM&F Principais contratos agropecuários Boi Gordo, Café Arábica, Milho e Soja Balcão Swaps Opções flexíveis B.G.O. 28 Determinação do preço do contrato futuro F = P (1+i) t + C + Outros fatores Onde: F = Preço futuro determinado em t 0 P = Preço à vista I = taxa de juros anual para operações com prazo igual ao do contrato t = dias a decorrer até o vencimento C = Valor presente dos custos de carregamento (armazenagem, custódia,transporte e seguro do ativo objeto) Operações BM&F Códigos para os meses de vencimento Mês Código janeiro F fevereiro G março H abril J maio K junho M julho N agosto Q setembro U outubro V novembro X dezembro Z B.G.O

11 Contrato futuro de dólar Especificações do contrato futuro de taxa de câmbio de Reais por Dólar Comercial Objeto de negociação: A taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos, para entrega pronta; Cotação: Reais por US$ 1.000,00, com até três casas decimais; Contrato: US$ 50, Data de vencimento: 1º dia útil do mês Ultimo dia de negociação: Último dia útil do mês anterior Meses de vencimento: Todos os meses Obs: O contrato na íntegra encontra-se disponível no site da BM&FBovespa (www.bmfbovespa.com.br) B.G.O. 31 Exemplo: Empresa exportadora Uma empresa fabricante de calçados exporta para os Estados Unidos por US$ 30,00 o par. Seu custo de produção mais margem de lucro é de R$ 55,00. Dólar spot = R$ 1,70 Dólar futuro out/12 = R$ 1,80 B.G.O. 32 Contrato de Ibovespa Futuro Objeto de negociação: Cotação a futuro do Ibovespa x R$ 1,00; Cotação: pontos do índice; Data de vencimento: Quarta-feira mais próxima do dia 15 do mês de vencimento. Ibovespa míni webtrading Cotação a futuro do Ibovespa x R$ 0,20 B.G.O

12 Exemplo: Carteira de ações Um investidor tem uma carteira de ações de R$ ,00 e quer se proteger de uma queda no mercado. B.G.O. 34 Contrato de DI de 1 dia Objeto de negociação: Taxa de DI: Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (DI) calculada pela Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip), expressa em taxa efetiva anual, base 252 dias úteis. Contrato = R$ ,00 Data de vencimento: 1º dia útil do mês Ultimo dia de negociação: Último dia útil do mês anterior Meses de vencimento: Todos os meses B.G.O. 35 Exemplo: Estrutura temporal de taxas de juros Contrato vencimento março/12 = 10,25% a.a. Número de dias úteis de 24/02/12 a 01/03/12 = 4 Contrato com vencimento em abril/12 = 9,98% a.a. Número de dias úteis de 24/02/12 a 02/04/12 = 26 B.G.O

13 Exemplo de Compra de LTN com DI LTN vencimento em 02/01/2013 Taxa = 9,5% a.a. Número de dias úteis de 24/02/12 = 214 DI de 1 dia venc. em 02/01/2013 Taxa = 9,20% a.a. B.G.O. 37 Exemplo de empréstimos de Financeira Carteira de Financiamentos com taxa prefixada Prazo médio da carteira (Duration) = 18 meses Taxa média = 36% a.a. Captações em taxa de CDI DI Futuro janeiro/13 = 9,2 % a.a. B.G.O. 38 Mercado de Swaps B.G.O

14 Swaps Swap é uma operação onde ocorre a troca de fluxos relativos a um determinado período futuro. Os swaps são realizados em mercado de balcão Os swaps podem se referir: Moedas (R$ x US$) Taxas de Juros (prefixados x pós-fixados) Indexadores (Variação cambial x CDI) B.G.O. 40 Razões para realizar um swap Redução de riscos Casar indexadores em contas do ativo e do passivo B.G.O. 41 Modalidades de swap Swap com caixa: troca de fluxo de pagamentos ou de recebimentos em moedas internacionais: dólar por marco, dólar por iene, etc. Swap sem caixa: troca de indexadores de contas do ativo ou do passivo entre as contrapartes, sem a troca do valor principal. B.G.O

15 Exemplo 1 de swap A empresa A tomou um empréstimo de US$ 500, pelo prazo de 1 ano e pretende trocar o indexador para taxa do CDI. B.G.O. 43 Exemplo 2 de swap Um investidor Investiu R$ ,00 em um CDB prefixado por prazo de 2 anos e taxa de 10,50% a.a. e quer trocar o indexador para CDI. B.G.O. 44 Mercado de Opções B.G.O

16 Tipos de Opções Call - Opção de Compra O titular da opção de compra tem o direito de comprar um ativo em determinada data por certo preço. O lançador da opção de compra tem a obrigação de vender um ativo em determinada data por certo preço. Put - Opção de Venda O titular da opção de venda tem o direito de vender um ativo em determinada data por certo preço. O lançador da opção de venda tem a obrigação de comprar um ativo em determinada data por certo preço. B.G.O. 46 Estilos das Opções Americana As opções americanas podem ser exercidas a qualquer hora até a data do vencimento. Européia As opções européias podem ser exercidas somente na data do exercício. Valor intrínseco da opção O valor intrínseco da opção é igual à diferença entre o preço do ativo-objeto e o preço de exercício da opção, quando esta diferença representar ganho para o titular da opção. Opção de compra VI = Preço a vista Preço de exercício Opção de Venda VI = Preço de exercício Preço a vista B.G.O

17 Termos utilizados pelo mercado Spot = preço de mercado no dia Strike = preço de exercício Long = posição comprada Short = posição vendida Option at the money = no dinheiro; preço atual de mercado igual ao preço do exercício Option in the money = dentro do dinheiro; valor atual de mercado superior ao preço de exercício Option out of the money = fora do dinheiro; preço de exercício superior ao preço atual de mercado Volatilidade = Volatilidade de um ativo é a medida de variabilidade de seus retornos e é mensurada pelo desvio padrão dos retornos. B.G.O. 49 Resultado de uma opção de compra Investidor compra 100 PETRF50 Opção de compra de Petrobras PN Data do exercício 21/10/xx Preço de exercício de R$50,00 Preço atual R$ 50,40 Preço da opção R$3,40 Investimento R$340,00 Resultado No vencimento o preço da ação da Petrobras PN é R$55,00 A opção é exercida (R$55,00 - R$50,00) x 100 = R$ 500,00 Descontando o investimento, o ganho líquido foi de: R$500,00 - R$340,00 = R$160,00 B.G.O. 50 Gráfico do resultado da compra de uma opção de compra Lucro em R$ 10,00 5,00-3, Preço da ação no exercício B.G.O

18 Exemplo de opção de venda Investidor compra 100 opções de venda Preço de exercício R$60,00 Preço da ação R$50,00 Preço da opção R$13,50 Investimento 100 x R$13,50 = R$1350,00 Resultado No vencimento o preço da ação é R$45,00 O investidor adquire no mercado 100 ações por R$45,00 e exerce o direito de vender por R$60,00 (R$60,00 - R$45,00) x 100 = R$1500,00 O lucro líquido da operação é: R$1500,00 - R$1350,0 = R$150,00 B.G.O. 52 Gráfico do resultado da compra de uma opção de venda Lucro em R$ 46,5 Preço da ação no exercício 13, B.G.O Posição em opções de compra Opção de compra lançador titular -30 B.G.O

19 Posição em opções de venda Resultado opção de venda lançador titular B.G.O. 55 Propriedades dos preços das opções O valor de uma opção é sempre igual ou maior do que zero; No vencimento, uma opção de compra é igual ao preço de mercado da ação ou título (S) menos o preço de exercício (E), ou zero o que for maior; Uma opção será sempre vendida no mínimo pelo seu valor intrínseco; Uma opção com um longo prazo para vencer, valerá mais do que uma opção com o mesmo preço de exercício, mas com um prazo menor; Se duas opções de compra, são diferentes apenas nos preços de exercícios, a opção com menor preço de exercício sempre valerá mais do que a outra; Em termos percentuais, o preço de uma opção irá variar no mínimo igual a variação da ação objeto; B.G.O. 56 Propriedades dos preços das opções (Cont.) O preço de uma opção de compra aumentará com um aumento nas taxas de juros; O preço da opção é uma função crescente da volatilidade da ação objeto. B.G.O

20 Identificação das opções na Bovespa Opção Vencimento Compra Venda Mês A M Janeiro B N Fevereiro C O Março D P Abril E Q Maio F R Junho G S Julho H T Agosto I U Setembro J V Outubro K W Novembro L X Dezembro B.G.O. 58 Exemplo de financiamento com opções Cotação em 15/02/12 Preço a vista de Petrobrás PN = 23,39 Opção de compra PetrC22 = 2,12 Preço de exercício = 21,66 Vencimento da opção = 19/03/12 Número de dias úteis = 21 B.G.O. 59 Ex: Fundos com capital garantido Carência de 180 dias Taxa prefixada no mercado = 9,00% ao ano. B.G.O

21 Fórmula de Black Sholes simplificada C 0 ExN = A0 xn1 (1 + 2 n I F ) Onde: N 1 = Probabilidade de A 0 estar com preço justo N 2 = Probabilidade de dar exercício I F = Taxa livre de riscos B.G.O. 61 O modelo de Black e Scholes A equação original de Black e Scholes fornece o valor de uma opção européia de compra ou de venda de ações sem dividendos em função de cinco variáveis: preço da ação, preço de exercício, taxa de juro livre de risco, volatilidade e tempo para o vencimento. Algumas premissas adotadas: a ação não receberá dividendos durante a vida da opção, o comportamento da ação corresponde ao modelo lognormal, os investidores podem captar ou emprestar à mesma taxa de juros livre de risco. B.G.O. 62 Bibliografia LOZARDO, Ernesto Derivativos no Brasil Fundamentos e Práticas. BM& F São Paulo, HULL, John Introdução aos mercados futuros e de opções. 2 ed. rev. e amp. BM& F São Paulo, B.G.O

22 Obrigado! B.G.O

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados.

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados. Mercados Derivativos IBEF PAULO LAMOSA BERGER 1 Instrumentos do Mercado Financeiro Emissão Os ativos de renda fixa são emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia. Existem no Brasil

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito 239 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS : 239 questões com gabarito. São

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados.

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. ANÁLISE DE RISCO E DERIVATIVOS Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 09.11.2012 OBJETIVOS DA AULA Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. 1 Relembrando a aula de VAR... O

Leia mais

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Quais alternativas um produtor rural tem para diminuir os riscos de preços na hora de vender sua safra? Modelo tradicional: contato direto com o

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos 6.A.1 Apresentação do capítulo Nesta unidade, é abordado o estudo dos diferentes tipos de mercados derivativos. O objetivo deste capítulo é dar ao leitor uma visão

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge 1 Hedge no Mercado a Termo No Brasil, são muito comuns as operações a termo real/dólar. Empresas importadoras, exportadoras, com dívidas ou ativos

Leia mais

MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS

MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS 11. Mercados de Derivativos 11.1. Conceitos Básicos Derivativos é o nome dado à família de mercados em que operações com liquidação futura são realizadas, tornando possível a

Leia mais

O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS COM NDF

O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS COM NDF UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Leonardo Marmitt O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS

Leia mais

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos 6.A.1 Apresentação do capítulo Nesta unidade, é abordado o estudo dos diferentes tipos de mercados derivativos. O objetivo deste capítulo é dar ao leitor uma visão

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com Boi - Mercado Mercado de Boi gordo - Brasil: * Maior exportador mundial, * Consumo interno: mais de 70%, * Maior rebanho comercial, * Perda de área para outras culturas. - Mundo:

Leia mais

Mercado de Derivativos

Mercado de Derivativos Mercado de Derivativos Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com 8141-4045 I. Mercado de Derivativos 1. Conceito de Derivativos 2. Mercado a Termo 2.1 Mercado a Termo de Derivativos Sobre Commodities 2.2

Leia mais

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Assunto: DERIVATIVOS Objetivos da aula: Conceito

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE DERIVATIVOS: MERCADOS, ESTRATÉGIAS E GESTÃO DE RISCOS Por: Paulo Fernando Garrido da Costa Rodrigues Orientador Prof. Luciano

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178. INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.421/0001-64) O cliente, devidamente qualificado em sua ficha cadastral,

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 8c. MERCADO DE CUPÕES CAMBIAIS (Dólar doméstico) 1 Cupões Cambiais São aplicações financeiras em dólares teóricos, chamados de dólares domésticos.

Leia mais

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F.

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. MERCADO DE CÂMBIO Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. Vale ressaltar que o câmbio futuro pode ser

Leia mais

O MERCADO FUTURO E SUAS APLICAÇÕES

O MERCADO FUTURO E SUAS APLICAÇÕES O MERCADO FUTURO E SUAS APLICAÇÕES MESA DE OPERAÇÕES BM&F "O único homem que nunca comete erros é aquele que nunca faz coisa alguma. Franklin Roosevelt 1 Prezado (a) Investidor (a), Esse texto foi elaborado

Leia mais

TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03

TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03 TAXAS DE JURO ÍNDICE Contratos Pag. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03 2. Alterado pelo Ofício Circular 015/2002-DG, DE 01/02/2002 04 3. Novos procedimentos

Leia mais

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

Derivativos Agropecuários Mercado Futuro

Derivativos Agropecuários Mercado Futuro 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...Pág. 01 2. A BM&FBOVESPA...Pág. 01 3. CONCEITOS DE MERCADO À VISTA E MERCADOS DE DERIVATIVOS...Pág. 01 4. DIFERENÇA ENTRE MERCADO BALCÃO, ORGANIZADO, NÃO ORGANIZADO, E MERCADO

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) 1º Encontro Presencial 01 hora - Presencial - Apresentação do Curso e Ferramentas do E-Learning

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

CAPÍTULO 2. O QUE SÃO DERIVATIVOS? CAPÍTULO 3. PARA QUEM OS DERIVATIVOS SERVEM? CAPÍTULO 5. COMO SE REALIZAM AS OPERAÇÕES NA BM&F?

CAPÍTULO 2. O QUE SÃO DERIVATIVOS? CAPÍTULO 3. PARA QUEM OS DERIVATIVOS SERVEM? CAPÍTULO 5. COMO SE REALIZAM AS OPERAÇÕES NA BM&F? Índice INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. O QUE É A BM&F E PARA QUE ELA SERVE? 3 4 CAPÍTULO 2. O QUE SÃO DERIVATIVOS? 8 CAPÍTULO 3. PARA QUEM OS DERIVATIVOS SERVEM? 14 CAPÍTULO 4. COMO SE FORMAM OS PREÇOS NA BM&F?

Leia mais

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL AUTORES: Marcelo Cabus Klötzle André Cabus Klötzle Antônio Carlos Figueiredo - 1 - CAPÍTULO 1 - Introdução 1) Contextualização: Este livro, diferente

Leia mais

Swaps. Que é um Swap? Natureza dos Swaps. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE

Swaps. Que é um Swap? Natureza dos Swaps. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE Swaps Prf. José Fajardo FGV-EBAPE Que é um Swap? Um swap é um acordo para trocar fluxos de caixa num futuro determinado, na mesma ou em moedas diferentes, com certas regras establecidas, Os contratos de

Leia mais

MERCADOS DERIVATIVOS

MERCADOS DERIVATIVOS MERCADOS DERIVATIVOS Apresentação Os mercados derivativos vêm adquirindo importância para todos os agentes econômicos, impulsionados pela necessidade de encontrar mecanismos de proteção contra o risco

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES

LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS Ricardo Schio LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES Porto Alegre 2009 Ricardo Schio LANÇAMENTO COBERTO DE

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle

Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle Instrumentos Financeiros Derivativos Gerenciamento e Controle Agenda Objetivos e Visão Geral da Tesouraria; Principais Funções da Tesouraria; Mesas de Operação; Processos de Tesouraria; Mercados. Instrumentos

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Diretoria de Agronegócios

Diretoria de Agronegócios Proteção de Preços no Mercado Agropecuário Renato Barreto Riscos da atividade agropecuária Climáticos e/ou intempéries Preço Crédito... Mitigadores de Risco de Preço Risco: Oscilação nos preços das mercadorias

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

O HEDGE COMO FERRAMENTA PARA DIMINUIÇÃO DOS RISCOS NAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA COOPERATIVA DE AGROALIMENTOS

O HEDGE COMO FERRAMENTA PARA DIMINUIÇÃO DOS RISCOS NAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA COOPERATIVA DE AGROALIMENTOS 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 O HEDGE COMO FERRAMENTA PARA DIMINUIÇÃO DOS RISCOS NAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA COOPERATIVA DE AGROALIMENTOS Edson Miguel Forigo (SEG) e_forigo@yahoo.com.br

Leia mais

COMPRANDO AÇÕES E VENDENDO OPÇÕES

COMPRANDO AÇÕES E VENDENDO OPÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS REMO GEDIEL SONEGO COMPRANDO AÇÕES E VENDENDO OPÇÕES Porto

Leia mais

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia Agosto 2014 Bibliografia 2 Funções e atividades de tesouraria A finalidade básica da Tesouraria é assegurar os recursos e instrumentos financeiros necessários

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1 CODIFICAÇÃO DAS SÉRIES A codificação utilizada no mercado de opções é composto de 5 letras (as 4 primeiras correspondem

Leia mais

Mercado de Derivativos $

Mercado de Derivativos $ Mercado de Derivativos SWAPS Prof. Bertolo O que são SWAPS? São acordos estabelecidos entre duas partes visando a uma troca de fluxos de caixa futuros (sem trocar o principal) por um certo período de tempo.

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

Mercado de Opções Agropecuárias: Estratégias para o Lançador de Opções de Café

Mercado de Opções Agropecuárias: Estratégias para o Lançador de Opções de Café Mercado de Opções Agropecuárias: Estratégias para o Lançador de Opções de Café Vitor Caminha Faustino Dias 1 Leonardo Francisco Leonice Rosina 3 Flavia Rover Leão 4 Figueiredo Neto 2 vitorcfd@yahoo.com.br

Leia mais

ESALQ USP Cuiabá. Praticas de Trading. Carlos Alberto Widonsck 25/03/2011

ESALQ USP Cuiabá. Praticas de Trading. Carlos Alberto Widonsck 25/03/2011 ESALQ USP Cuiabá Praticas de Trading Carlos Alberto Widonsck 25/03/2011 Apresentação Engenheiro Elétrico FAAP Especialização de Matemática Financeira Aplicada FGV MBA em Derivativos - USP Atuação no mercado

Leia mais

Proteção de Preços do Agronegócio

Proteção de Preços do Agronegócio Proteção de Preços do Agronegócio Derivativos: conceitos básicos Derivativos são instrumentos referenciados em outros ativos; O objetivo primordial é permitir a gestão de riscos a que estão submetidos

Leia mais

Instituto Educacional BM&F. MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições

Instituto Educacional BM&F. MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições Instituto Educacional BM&F MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições São Paulo, 2007 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros) B67m Mercado futuro: conceitos

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

AJUSTE DE STRIKE PARA LANÇAMENTO COBERTO DE CALL (PETR4)

AJUSTE DE STRIKE PARA LANÇAMENTO COBERTO DE CALL (PETR4) ISSN 1984-9354 AJUSTE DE STRIKE PARA LANÇAMENTO COBERTO DE CALL (PETR4) Aneli Cristiana de Oliveira, Alexandre Lemes Sanches (Fatec de Bragança Paulista - Jornalista Omair Fagundes de Oliveira) Resumo:

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE Mercado a Termo e Futuro I Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas-EBAPE Contratos a Termo O Contrato a Termo é um acordo OTC (Over The Counter), é dizer negociado no Mercado de Balcão, entre 2 companhias

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

César Frade Finanças Aula 02

César Frade Finanças Aula 02 César Frade Finanças Aula 02 Olá Pessoal. Estamos nós aqui mais uma vez para tentar entender essa matéria. Concordo que a sua compreensão não é das mais fáceis, mas vocês terão que concordar comigo que

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições Instituto Educacional BM&F MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições São Paulo, 2007 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros) B67m Mercado de opções:

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Sócio Econômico Departamento de Ciências Econômicas BRUNO RESMINI SARTOR

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Sócio Econômico Departamento de Ciências Econômicas BRUNO RESMINI SARTOR Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Sócio Econômico Departamento de Ciências Econômicas BRUNO RESMINI SARTOR ESTRATÉGIAS NO MERCADO DE DERIVATIVOS: Foco no Mercado de Opções de Ações Florianópolis,

Leia mais

Análise do Capital Mínimo necessário para Estratégias Complexas viáveis envolvendo Opções

Análise do Capital Mínimo necessário para Estratégias Complexas viáveis envolvendo Opções Análise do Capital Mínimo necessário para Estratégias Complexas viáveis envolvendo Opções Raquel Aparecida Mendes kquelmendes@hotmail.com Fatec - Bragança Pau Resumo:Opção é um contrato que dá a seu titular,

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE RISCO 1. Tributação no mercado financeiro 1.1. Tributação de cotistas de fundo de investimento 1.2. Tributação

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Agronegócio. Derivativos. Mercado Futuro. Mercado de Opções. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Agronegócio. Derivativos. Mercado Futuro. Mercado de Opções. ABSTRACT MERCADO FUTURO E DE OPÇÕES FUTURE AND OPTIONS MARKET Aline Cristina Leal - lininhacl@hotmail.com Luciléia Mary Santos de Matos - lu.msmatos@hotmail.com Márcia Cristina Carvalho - marcynha_01@yahoo.com.br

Leia mais

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013 Veículo: Exame.com Os melhores e os piores investimentos de setembro Ibovespa fecha o mês com a maior alta, seguido pelos fundos de ações small caps; na renda fixa, a LTN, título do Tesouro prefixado,

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 O que é uma Bolsa de Futuros? Local organizado para administrar risco; Organização sem fins lucrativos; Dar visibilidade nos preços;

Leia mais

Conheça o mercado da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Conheça o mercado da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1) OBJETIVO A BM&F foi criada para desenvolver, organizar e operacionalizar mercados livres e transparentes para negociação de títulos e/ou contratos que possuam como referência ativos financeiros, índices,

Leia mais

TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA. Especificações

TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA. Especificações TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA Especificações 1. Definições Taxa de câmbio Objeto de negociação do contrato quando a relação for estabelecida em quantidade de reais por uma unidade de moeda estrangeira

Leia mais

Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias)

Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias) PERFIL DOS CLIENTES Pessoa Física: Investidores Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias) ATUAÇÃO Não Financeiros (Exportadores, Tradings, Indústria) Não Residentes (Agentes Financeiros,

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Sobre a Um Investimentos

Sobre a Um Investimentos Sobre a Um Investimentos A UM INVESTIMENTOS é uma instituição financeira independente e atua no mercado financeiro há 44 anos. Atualmente é a maior corretora de investimentos brasileira nas redes sociais,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MERCADO DE DERIVATIVOS UMA VISÃO GERAL Por: Ana Paula Loureiro Santos Orientador Prof. Ana Paula Alves Ribeiro Rio de Janeiro

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BNP PARIBAS ASSET MANAGEMENT ÚLTIMA VERSÃO: 24/06/2010 RESPONSÁVEL: MARIA CARLOTA SENGER MARIA.SENGER@BR.BNPPARIBAS.COM SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PROCESSOS E ESTRUTURAS

Leia mais

Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING

Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING WebTranding Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING BM&FBOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS BM&FBOVESPA S/A Sociedade anonima, que organiza,

Leia mais

Inovações e Reestruturação Financeira

Inovações e Reestruturação Financeira Inovações e Reestruturação Financeira Wilhelm Eduard Meiners UniBrasil/IBQP/Metápolis Sumário Transformações Estruturais e Inovações Principais Inovações de Produto Securitização Derivativos Investidores

Leia mais

FUTUROS AGRÍCOLAS: ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

FUTUROS AGRÍCOLAS: ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Cristina Zaniol FUTUROS AGRÍCOLAS: ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

3 A forma de funcionamento do mercado cambial

3 A forma de funcionamento do mercado cambial 27 3 A forma de funcionamento do mercado cambial Neste Capítulo, apresentar-se-á a forma de funcionamento do mercado cambial, algumas das suas principais instituições, seus participantes e algumas especificidades

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 i Conteúdo Conteúdo Introdução ao Swap... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos botões das telas... 5 Lançamento... 7 Registro de Contrato - Fluxo Constante...

Leia mais

A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL Leonardo B. Pupo Analista de Mercado de Capitais Gerência de Acompanhamento de Mercado 2 Superintendência de Acompanhamento de Mercado Agenda Intermediação Financeira

Leia mais

O MERCADO FINANCEIRO

O MERCADO FINANCEIRO O MERCADO FINANCEIRO O MERCADO FINANCEIRO O mercado financeiro é o mercado onde os recursos excedentes da economia (poupança) são direcionados para o financiamento de empresas e de novos projetos (investimentos).

Leia mais