Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos"

Transcrição

1 Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1

2 Fundamentos dos Derivativos 2

3 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem a um ativo financeiro de uma empresa e a um passivo financeiro ou equity, em uma outra empresa; Portanto, examinando-se esta definição com mais detalhes iremos encontrar três conceitos bem relevantes para o seu enunciado: Ativo Financeiro: representado por caixa, dinheiro a caixa, direito a troca por outro ativo financeiro ou direito a um instrumento de equity; Passivo Financeiro :obrigação de pagar em espécie ou com outro ativo financeiro, ou de trocar instrumentos financeiros; Instrumento de Equity: contrato que representa um interesse residual no ativo liquido, onde ativo liquido pode ser representado pela diferença entre ativos e exigibilidades; 3

4 O que são derivativos? Carvalho, em sua tese de doutorado classifica os instrumentos financeiros em primários e secundários: Primários: são aqueles que resultam das transações originais da entidade, ou seja : Compra; Venda; Emissão; Lançamento; Contratação; Secundários: são aqueles resultantes dos instrumentos financeiros primários; Na literatura financeira estes instrumentos são conhecidos como derivativos,porque resultam, dependem e se originam ou ainda derivam de instrumentos primários; 4

5 O que são Derivativos? Instrumentos Financeiros no Brasil: Fortuna, Apud Carvalho, comenta que os instrumentos ou produtos financeiros podem ser classificados no mercado bancário como sendo: Produtos de mesa de captação; `Produtos de mesa de aplicação; Investidor Instituição Financeira Tomador Mesa Captação Mesa Aplicação 5

6 O que são derivativos? Estendendo esta definição para o mercado de capitais teriamos a seguinte classificação: Produtos primários na forma de ações; Produtos secundários na forma de mercados futuros e opções; Estes produto secundários baseiam-se principalmente em juros e câmbio, através de taxas e índices de seus produtos primários; Assim pode-se definir que um instrumento financeiro derivativo é aquele que resulta de algum dos produtos primários já exemplificados ; Logo um derivativo deve ter o comportamento, em termos de preço, no exato sentido do apresentado pelo valor do ativo- base do qual é originado; 6

7 O que são derivativos? Portanto, um derivativo pode ser definido como sendo um título financeiro cujo preço deriva do preço de mercado de um outro ativo real ou financeiro; Os Derivativos de ativos reais, são na sua maioria papéis negociados sobre produtos agropecuários e outros produtos, tais como: Saca de Café Saca de Açúcar Arroba de Boi; Alcool Anidro; 7

8 O que são derivativos? Os derivativos financeiros são contratos que envolvem a negociação sobre, moeda, taxas de juros e ações; Os principais derivativos financeiros negociados no Brasil estão representados pelas seguintes modalidades de contratos : Futuros; Termo; Opções; Swaps; 8

9 Os Mercados dos Derivativos Mercados de Bolsa: Organizados para sequências de transações com caráter repetitivo; Requerem produtos ou instrumentos financeiros padronizados ; Estes produtos devem ter características formais e estáveis, transparentes e acessíveis para todos os participantes do mercado; São negociados produtos primários na forma de ações e produtos secundários na forma de operações a futuros com produtos secundários, sendo negociados em bolsa de futuros; A função básica das bolsas consiste em proteger os investidores, manutenção dos mercados justos e ordenados, execução eficiente das transações, competição justa e disponibilidade de informações relevantes de cotações e transações; 9

10 Os Mercados dos Derivativos O Mercado de Balcão: Os mercados de balcão têm a seguinte finalidade: Servem para atender a necessidades de usuarios especificos; Os produtos e instrumentos não tem a formalidade dos mercados de bolsa; São geralmente transações privadas de dois agentes; As transações geralmente são realizadas na forma de contratos entre estes dois agentes; 10

11 Os Mercados dos Derivativos No mercado a vista, compra-se, vende-se e liquida-se física e financeiramente a negociação no mesmo instante; No mercado dos derivativos negociam-se contratos com vencimentos e liquidações financeira e física numa data futura por um preço prédeterminado; O mercado dos derivativos difere do mercado á vista tanto pela sua característica de negociação, quanto pelos objetivos que vendedores e compradores desses contratos desejam obter: minimização de riscos de mercado inerentes a sua atividade econômica; Sendo que esta pode estar relacionada com a produção de bens industriais, agrícolas, de serviços ou ainda no setor financeiro; 11

12 Os Mercados dos Derivativos As transações nos mercados de bolsa e de balcão podem ter as seguintes características: Transações a vista: a liquidação é realizada de imediato, após a conclusão da operação; Transação a termo: o investidor se compromete a comprar ou vender ume certa quantidade de uma ação, chamada de ação objeto, por um preço fixado dentro de um prazo estabelecido ; Estas transações a termo, provém das diferentes expectativas de comprador e vendedor quanto ao comportamento provável do preço dessa ação no mercado a vista no momento da liquidação ou vencimento do termo; 12

13 Os Mercados dos Derivativos Transação no Mercado Futuro: uma alternativa para o mercado a vista é o mercado futuro, onde a bolsa fixa datas de vencimento periódico para a liquidação de transações com lote padrão de ações; Pode-se observar que tanto no mercado a termo como no mercado futuro as modalidades de negociação estão ancoradas na idéia de que alguém comprou e alguém vendeu o ativo base para pagamento a vista ou em uma data posterior; 13

14 Os Mercados dos Derivativos Principais Players do Mercado Observadores: retiram do mercado de derivativos, onde há mais liquidez, informações sobre o ativo objeto usam principalmente para a marcação a mercado de seus ativos e passivos Hedgers: buscam com o posicionamento em contratos derivativos reduzir a exposição ao risco de seus ativos e passivos estratégia denominada de ALM (Assets and Liabilities Manangement) Especuladores: Buscam obter lucro com o comportamento do mercado são os grandes provedores de liquidez do mercado 14

15 Mercados dos Derivativos Principais Players do Mercado Arbitradores: Atuam em operações de múltiplos mercados com o objetivo de lucrar com eventuais desequilíbrios de preços são importante reguladores de liquidez e observam o mercado em busca de diferenciais de preços Intermediários: Representam os seus clientes na busca de melhores preços ou são responsáveis pela elaboração de operações com derivativos líquidos que sintetizam os efeitos de derivativos de menor liquidez 15

16 Principais Aplicações dos Derivativos Fonte de Informações Um investidor deseja saber a taxa de juros de um CDB para um determinado prazo utiliza as taxas do mercado futuro de DI1 diretamente ou interpolando; Um exportador deseja saber o comportamento da cotação da taxa de câmbio de reais por dólar no dia observa o comportamento do primeiro vencimento do contrato futuro de taxa de câmbio de reais por dólar 16

17 Principais Aplicações dos Derivativos Hedge do Mercado a Vista Os derivativos são capazes de sintetizar o comportamento do ativo no mercado avista; O hedger ao assumir uma posição de natureza inversa (compra/venda) no derivativo neutraliza os efeitos dos movimentos de preços sem a necessidade de negociar os ativos com risco indesejáveis; Oferecem ao hedger proteção com liquidez, transparência e benefícios fiscais 17

18 Principais Aplicações dos Derivativos Operação de Hedge - Um produtor realizará uma compra de câmbio no início de agosto de A cotação atual no mercado futuro é R$2.288,00 / U$$ Produtor compra contratos futuros - Na data da compra = data do vencimento Preço a vista a R$2,50 resultado: -2,50 + 0,212 = 2,288 Preço a vista a R$2,00 resultado: -2,00 + 0,288 = 2,288 Preço a vista a R$2,28 resultado: -2,28 0,008 = 2,288 18

19 Principais Aplicações dos Derivativos Operação de Especulação de Preços Como os derivativos são capazes de sintetizar o comportamento do ativo no mercado a vista, é possível assumir uma posição de risco no ativo sem tê-lo fisicamente São evitados: problemas de qualidade, diferenças de preço por liquidez, impostos na transmissão do ativo a vista Os resultados finais são os mesmos de um investidor na transmissão do ativo a vista Os resultados finais são os mesmos de um investidor que tenha o ativo 19

20 Principais Aplicações dos Derivativos Especulação de Preços Um fundo de ações deve acompanhar o comportamento do Ibovespa Seu caixa deverá ser aplicado em ações, mas deverá existir uma reserva em caixa, para pagar os resgates O caixa poderá prejudicar o acompanhamento do índice O administrador resolve com a compra de contratos futuros de Ibovespa no valor do caixa 20

21 Os Mercados Futuros 21

22 Os Mercados de Futuros Definição Os Mercados de Futuros consistem em uma operação bem antiga; Suas origens remontam á transações na Grécia e em Roma onde produtores rurais querendo se proteger de flutuações de preços de suas safras, vendiam a produção a um determinado preço para entrega futura; O que daria origem anos mais tarde a chamada transação a termo (to arrive); Em tempos mais contemporâneos, os mercados futuros começam a tomar uma forma organizada ainda no Japão feudal, com o mercado de arroz de Osaka, e posteriormente com a fundação da Bolsa de Chicago em 1858.; 22

23 Os Mercados Futuros Modalidades de Contratos O Mercado Futuro na prática agrega dois mercados em que é possível transacionar-se ativos para a entrega futura: Mercado a Termo (forward); Mercado Futuro(future); 23

24 Os Mercados Futuros O Contrato a Termo È uma obrigação contratual, entre duas partes visando a troca em uma data futura de certo bem ou instrumento por um preço pré-determinado; Não há pagamento intermediário; Não há pagamentos diários Início Operação Vencimento Operação 24

25 Os Mercados Futuros O Contrato Futuro O contrato futuro consiste em uma obrigação contratual entre duas partes, visando a troca em uma determinada data, de certo bem ou instrumento, por um preço pré-determinado. No Brasil a BM&F é a contraparte de todas as operações de futuros; Os contratos são ajustados a seus valores de mercado diáriamente (ajuste diário); Pagamentos Diários Ìnicio Operação Vencimento Operação 25

26 Os Mercados Futuros Função Os Mercados Futuros do ponto de vista econômico, possuem duas funções peculiares: Sinalização de preços futuros (price discovery), onde o preço transacionado no mercado futuro, representa um entendimento de vendedor e comprador de qual deverá ser o preço a vista em uma determinada data do ativoobjeto; Transferência de Riscos (hedging), operação que na sua forma clássica de transação de commodities agrícolas é feita através da venda antecipada da safra do produtor, garantindo assim um preço mínimo para a sua comercialização, capaz de atender as suas expectativas; 26

27 Operações nos Mercados Futuros Conforme visto anteriormente, em uma operação no mercado futuro, o investidor se compromete, contratualmente a comprar ou vender um determinado ativo, em uma certa data a um preço préviamente estipulado; Na prática, no entanto, apenas 2% das operações são liquidadas mediante o pagamento ou recebimento do bem negociado; Geralmente a maioria dos contratos é liquidada mediante pagamento ou recebimento em moeda, pela diferença entre o valor da compra e o de venda, sem entrega física do bem ou ativo; 27

28 Operações nos Mercados Futuros Os principais contratos futuros negociados na BM&F, por ordem de quantidade de contratos e volume financeiro são: DI1: DI de um dia; DOL: dólar comercial; DDI: cupom cambial; IND: IBOVESPA; 28

29 Operações nos Mercados Futuros Posições Quando um investidor entra no mercado futuro, diz-se que ele está abrindo uma posição; Esta abertura se dá por meio de uma ordem de compra ou venda de contratos e de uma corretora de valores; O fechamento da posição no mercado futuro se dá por meio de operação inversa à original, a qualquer momento, até o último dia de negociação do contrato; Se o investidor entrou comprando, sairá vendendo; Se o investidor entrou vendendo, sairá comprando; 29

30 Operações no Mercado Futuro Posições Abertura Posição Fechamento Posição Compra Vende Vende Compra 30

31 Comprador: Operações nos Mercados Futuros Os Participantes Tem a obrigação de pagar o preço cobrado pelo ativo-objeto; Quando um investidor compra contratos futuros diz-se que ele assumiu uma posição comprada no mercado futuro; Esse investidor assume o risco de uma eventual queda de preço do ativo; Vendedor: Têm o dever de entregar a mercadoria na data combinada; O Investidor que efetuou a posição inversa assumiu uma posição vendida; 31

32 O Hedger: Operações nos Mercados Futuros Os Participantes Efetua transações com contratos futuros para reduzir os riscos de sua posição no mercado a vista; Se possui o ativo vende contratos futuros; Se possui uma dívida indexada ao ativo compra contratos futuros; O Especulador: Entra no mercado disposto a correr riscos mas no entanto é o grande responsável pela sua liquidez; Arbitrador : Consiste no investidor que atua em mais de um mercado simultaneamente, aproveitando as diferenças de preços para obter lucros sem correr riscos; 32

33 Operações nos Mercados Futuros Posições Deve ser ressaltado que o investidor no fechamento da posição deve negociar o contrato que tenha a mesma especificação em termos de ativo, e data de vencimento do contrato na sua abertura; Por exemplo, se na data zero o investidor abriu uma posição vendendo 20 contratos futuros de dólar de vencimento em fevereiro de 2008, ele deve comprar 20 contratos futuros de dólar com vencimento em fevereiro de 2008; Grande parte destas posições é fechada antes do último dia de negociação; São comuns na prática as operações de day trade, nas quais o investidor abre e fecha a posição no mesmo pregão; 33

34 Os Mercados Futuros Contratos a Termo Normalmente o vendedor e o comprador se conhecem; As clausulas do contrato, se ajustam as necessidades de vendedor e comprador; Não é preciso que as transações ocorram em um recinto específico como por exemplo uma bolsa; Em regra ocorre a liquidação física do bem; 34

35 Os Mercados Futuros Os Contratos Futuros Os negócios são realizados em bolsas; Os contratos futuros são padronizados; As bolsas de futuros possuem câmaras de compensação (clearing houses) para garantir o cumprimento das obrigações contratuais; Os contratos futuros exigem depósitos de margem e ajustes diários; As posições nos mercados futuros podem ser encerradas fácilmente; Os mercados futuros são regulamentados por agentes identificados, enquanto os a termo são auto-regulados; 35

36 Os Mercados Futuros Padronização dos Contratos Contrato Valor Último Dia de Negociação UDN Vencimento DI1 R$ Ùltimo dia mês anterior ao vencimento DOL US$ Ùltimo dia mês anterior ao vencimento DDI US$ Ùltimo dia mês anterior ao vencimento IND Cotação a Futuro x R$ 3,00 Quarta-feira mais próxima Do dia 15 dos meses pares Primeiro dia útil mês vencimento Primeiro dia útil mês vencimento Primeiro dia útil mês vencimento Quarta feira mais próxima do dia 15 dos meses pares 36

37 As Margens e Ajustes Diários Ao abrir uma posição no mercado futuro, seja comprando ou vendendo, o investidor deve depositar garantias no dia útil subsequente (D+1); O cálculo desta margem de garantia é relativamente complexo e procura cobrir perdas potenciais de posições em aberto por dois ou três dias úteis; Quanto maior a volatlidade do ativo objeto, maior o volume da margem de garantia exigida pela BM&F; Esse valor pode mudar a qualquer momento em função das condições de mercado; 37

38 As Margens e os Ajustes Diários Vários ativos são aceitos como margem de garantia, tais como dinheiro, ouro, e a critério da BM&F,títulos públicos e privados,cartas de fiança, apólices de seguros,ações e cotas de fundos fechados de investimentos de investimentos em ações, Na prática é bm incomum ocorrerem depósitos em dinheiro, neste caso a critério do investidor, a BM&F aplica um montante equivalente no mercado financeiro, proporcionando assim uma correção monetária destes recursos ao longo do tempo; 38

39 As Margens e os Ajustes Diários Todas as posições em aberto no mercado futuro são ajustadas diariamente; Ganhos e perdas obtidas pelos investidores em um determinado pregão são recebidos ou pagos e dinheiro em D+1, por meio de créditos ou débito em conta corrente da corretora pela qual foi feito o negócio; O valor no qual a bolsa se baseia para calcular esses ganhos e perdas, nos diversos contratos, é obtido por meio de uma média ponderada dos negócios que acontecem com esses contratos nos últimos 15 ou 30 minutos do pregão; 39

40 As Margens e os Ajustes Diários O objetivo principal desses acertos diários de ganhos e perdas é reduzir o risco do mercado; A medida que as perdas têm que ser pagas em D+1, o risco de o investidor não ter como pagá-las diminui bastante; Caso o pagamento não seja efetuado, a Bolsa lança mão das margens de garantias depositadas e encerra a posição do investidor, evitando que as perdas se acumulem; 40

41 Os Custos Operacionais Ao abrir e fechar posições no mercado futuro, o investidor incorre nos seguintes custos operacionais, que devem ser pagos em D+1: Taxa Operacional Básica TOB, consistindo na taxa de corretagem da operação, que é divulgada no boletim diário da BM&F Os percentuais da TOB são diferenciados pelo tipo de operação; Se a operação for um day trade, o percentual é menor que o de uma operação normal por exemplo Nas operações encerradas apenas no vencimento do contrato futuro, ou em uma eventual entrega física, no caso das commodities, a TOB, é substituída pela taxa de liquidação TL; Taxas da Bolsa: representadas por um % sobre a TOB e TL, também divulgada no Boletim Diário da BM&F; Taxa de Registro: consiste em um valor fixo em reais ou dólares, estipulado pela BM&F 41

42 Mercado Futuro de Dólar Comercial Os contratos futuros de dólar comercial, negociam a taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos para pronta entrega, no último dia de negociação do contrato; Esse mercado serve, na prática para que importadores, exportadores e empresas com ativos ou dívidas em US$ possam se proteger do risco cambial; A bolsa como já vimos, padroniza estes contratos quanto ao objeto de negociação, tamanho e data de vencimento; O objeto de negociação no caso, é a taxa de câmbio de reais por US$, para pronta entrega; 42

43 Mercado Futuro de Cupom Cambial (DDI) Os contratos futuros de cupom cambial tem por objetivo o diferencial entre as taxa do CDI e a variação cambial para determinado período, ou seja o chamado cupom cambial; Em termos mais específicos, o objeto de negociação do contrato é o spread entre: A taxa de juro efetiva de depósitos interfinanceiros, calculada a partir da acumulação das taxas médias diárias de DI de um dia, apuradas pela CETIP, para o período compreendido entre a data da operação no mercado futuro, e o último dia do mês anterior ao de vencimento do contrato inclusive; A variação cambial, medida pela taxa de câmbio de reais por dólar, para entrega pronta, apurada, e divulgada pelo BC, e observada entre o dia útil anterior à data da operação no mercado futuro inclusive, e no último dia do mês anterior ao de vencimento do contrato, inclusive; 43

44 O Mercado de Opções 44

45 Os Mercados de Opções No entanto existe uma alternativa a mecânica dos Mercados Futuros que consiste no chamado Mercado de Opções; Neste mercado se compra ou vende o direito de comprar ou vender um ativo base ou ação objeto; No Mercado de Opções existem dois agentes distintos: O titular que é o comprador da opção; O lançador que é o vendedor da opção; Ambos podem comprar/ vender opções de compra e venda; 45

46 Os Mercados de Opções Tipos de Opções: Opção de compra (CALL): dá ao seu titular o direito de comprar o ativo base; Opção de venda (PUT): dá ao seu titular o direito de vender o ativo base; Sempre os direitos serão do titular e as obrigações do lançador; Assim quem vende a opção tem a obrigação de entregar o ativo base nas condições pactuadas, caso o titular exerça a opção; Ao comprar uma opção, o titular têm um prazo para exercer ou não os seus direitos de compra/ venda; Expirado este prazo a opção perde a sua validade; 46

47 Os Mercados de Opções Tipos de Opções Existem tradicionalmente dois tipos de opções quanto ao seu tipo de exercicio: Opção Americana : pode ser exercida a qualquer tempo; Opção Européia que só pode ser exercida no seu vencimento; Os direitos de uma opção são negociados a partir de um preço base chamado prêmio, que é definido em função do prazo da opção, volatilidade do mercado do ativo objeto, e tipo da opção; 47

48 Nomenclatura de Opções Nomenclaturas utilizadas no mercado: A compra de uma CALL é chamada de uma posição long call, e a venda de uma CALL é chamada de uma posição short call; A compra de uma PUT é uma long put e a sua venda uma short put; A compra de uma ação é uma long stock e a sua venda uma short stock; 48

49 Identificação das Séries de Opções Opções de Compra Opção in the money: (opção dentro do dinheiro), quando o preço do ativo objeto é maior que o preço de exercício da CALL; Opção at the money :(opção no dinheiro) quando o preço do ativo objeto é igual ao preço de exercício da opção; Opção out of the money:(opção fora do dinheiro), quando o preço do ativo objeto é menor do que o preço de exercício da opção CALL ; 49

50 Identificação das Séries de Opções Opções de Venda Opção in the money: (opção dentro do dinheiro), quando o preço do ativo objeto é menor que o preço de exercício da PUT; Opção at the money :(opção no dinheiro) quando o preço do ativo objeto é igual ao preço de exercício da opção; Opção out of the money:(opção fora do dinheiro), quando o preço do ativo objeto é maior do que o preço de exercício da PUT; 50

51 O Mercado de Opções no Brasil No Brasil as opções são negociadas na BOVESPA e na BM&F; Na Bovespa, são negociadas opções de compra e venda de ações e de índice; A liquidez está concentrada nas opções de compra de ações, representando mais de 90% do volume negociado no mercado de opções; Na Bovespa, os vencimentos ocorrem na terceira segunda feira do mês de vencimento; Na BM&F existem várias modalidades de opções; As mais negociadas são as opções de compra e venda de US$ comercial; As transações ocorrem no pregão de viva-voz, e no mercado de balcão (opções flexíveis); 51

52 O Mercado de Opções no Brasil Opções Financeiras As opções financeiras disponíveis para negociação na BM&F são as seguintes: Opções de compra de ouro; Opções de venda de ouro; Opções de compra sobre futuro de IBOVESPA; Opções de venda sobre futuro de IBOVESPA; Opções de compra sobre futuro de taxas de câmbio; Opções de venda sobre futuros de taxas de câmbio; Opções de compra sobre índice de taxa média de depósitos interfinanceiros de um dia DI+1; Opções de venda sobre índice de taxa média de depósitos interfinanceiros de um dia DI+1; 52

53 O Mercado de Opções no Brasil Opções Flexíveis As chamadas opções flexíveis podem apresentar como um de seus parâmetros de negociação, as chamadas barreiras; Estas barreiras, têm a função de condicionar a validade da opção a uma determinada variação do preço do ativo objeto; A opção que apresenta alguma barreira como parâmetro de negociação tem refletida essa característica no preço de seu prêmio; Uma vez que o estabelecimento de um preço de barreira, limita a variação do preço do ativo-objeto da opção, o prêmio a ser pago por esta é menor, uma vez que apresenta menor risco para o lançador; Tipos de opções flexíveis: Opções de compra flexíveis de índice BOVESPA; Opções de venda flexíveis de índice BOVESPA; 53

54 Variáveis que afetam o Preço das Opções As Variáveis que afetam o preço de uma opção são as seguintes: S preço a vista do ativo objeto; E preço de exercício; R taxa de juros livre de risco; t tempo até o vencimento; v volatilidade do ativo objeto; Além destas variáveis o preço de uma opção de dólar é afetado também pela taxa de juros externa livre de risco; O preço de uma opção de ação pode ser afetado pelos dividendos esperados durante a vida da opção; 54

55 O Valor Intrínseco de uma Opção O valor intríseco de uma opção de compra (CALL) é o maior valor entre zero e a diferença entre a cotação do ativo-objeto St e o preço de exercício X da CALL: Máximo(0;St-X) O valor intrinseco de uma opção de venda (PUT) é o maior valor entre zero e a diferença entre o preço de exercício X da PUT e a cotação do ativo-objeto St; Máximo(0;X-St); 55

56 A operação de exercicio de uma CALL Uma CALL com preço de exercicio X foi comprada pelo preço c, denominado prêmio; Na data do exercicio o titular desta CALL tem duas situações bem definidas: Se o preço do ativo, por exemplo uma ação for menor que o preço de exercicio da opção, St<X não haverá vantagem em exercer o direito de compra da ação pelo valor X, pois será mais vantajoso comprar esta ação diretamente no mercado por um preço menor do que X; Não exercendo a CALL o titular terá um prejuízo igual ao preço de compra ou prêmio c da CALL; Se o preço da ação for maior que o preço de exercício, St>X, haverá vantagem em exercer o direito de compra da ação no valor X, pois o titular da opção poderá vender essa ação no mercado por um preço maior que X; 56

57 Exercicio de uma Opção de CALL Posição do Titular Lucro Legenda: PE Preço do Exercício P - Prêmio (0, 0) PE PE + P Preço à vista do Ativo Objeto no dia do Exercício P Opção deve ser exercida - Lucro Opção deve ser exercida - Prejuízo Opção não deve ser exercida - Prejuízo 57

58 Exemplo de uma Opção de Compra posição do Titular Opção de Compra - CALL Operação Compra Prêmio $ 6,00 Preço de Exercicio $ 120,00 Cotação da Ação $ 140,00 Lucro $ 20,00 Gráfico de Lucro Valor Inicial $ 80,00 Intervalo $ 10, $ 80,00 $ 90,00 $ 100,00 $ 110,00 $ 120,00 $ 130,00 $ 140,00 $ 150,00 $ 160,00 Cotação Ação $ 80,00 $ 90,00 $ 100,00 $ 110,00 $ 120,00 $ 130,00 $ 140,00 Lucro

59 Posição do Lançador no na venda de uma CALL P Legenda: PE Preço do Exercício P - Prêmio PE PE + P Opção será exercida - Prejuízo Opção será exercida - Lucro Opção não deve ser exercida - Lucro 59

60 Exemplo de Posição do Lançador na venda de uma CALL Opção de Compra - CALL Operação Venda Prêmio $ 5,00 Preço de Exercicio $ 120,00 Cotação da Ação $ 140,00 Lucro -$ 20,00 Gráfico de Lucro Valor Inicial $ 80,00 Intervalo $ 10, $ 80,00 $ 90,00 $ 100,00 $ 110,00 $ 120,00 $ 130,00 $ 140,00 $ 150,00 $ 160,00 Cotação Ação $ 80,00 $ 90,00 $ 100,00 $ 110,00 $ 120,00 $ 130,00 $ 140,00 Lucro

61 Opção de Venda PUT O titular de uma opção de venda PUT tem o direito mas não a obrigação de vender o ativo do qual deriva a opção em um certo preço e em uma determinada data. Quem vende a PUT é o lançador da opção que recebe um prêmio do titular. 61

62 Operação de Compra de uma PUT Posição do Titular Uma PUT com preço de exercicio X foi comprada pelo preço p denominado prêmio; Na data do seu exercício, o seu titular terá duas posições bem definidas: Se o preço da ação for menor que o preço de exercício da opção St<X, há vantagem em exercer o direito de venda da ação pelo valor X; Se o preço da ação for maior que o preço do exercício da opção St>X não haverá vantagem em exercer o direito de venda da ação pelo valor X; Não exercendo a PUT o titular incorre em um prejuízo igual ao prêmio da PUT; A expectativa do titular da PUT é que, até a data do exercício o preço da ação seja menor que o preço de exercício da opção; Se isso ocorrer evidentemente a opção será exercida com lucro; O titular da PUT terá lucro se o preço da ação for menor que a diferença entre o preço de exercício X e o prêmio p pago pela PUT quando St<X-p; 62

63 Exercicio de uma PUT Posição do Titular Lucro Legenda: PE Preço do Exercício P - Prêmio (0, 0) PE - P PE Preço à vista do Ativo Objeto no dia do Exercício P Opção não deve ser exercida - Prejuízo Opção deve ser exercida - Lucro 63

64 Exemplo de Exercício de uma PUT Posição do Titular Opção de Venda - PUT Operação Compra Prêmio $ 5,00 Preço de Exercicio $ 120,00 Cotação da Ação $ 80,00 Lucro $ 40,00 Gráfico de Lucro Valor Inicial $ 80,00 Intervalo $ 10, $ 80,00 $ 90,00 $ 100,00 $ 110,00 $ 120,00 $ 130,00 $ 140,00 $ 150,00 $ 16 Cotação Ação $ 80,00 $ 90,00 $ 100,00 $ 110,00 $ 120,00 $ 130,00 $ 140,00 Lucro

65 Operação de Venda de um PUT Posição do Lançador No caso da venda de uma PUT, podemos fazer as seguintes considerações: A expectativa do lançador da PUT é que, até a data de exercício, o preço da ação seja maior que o preço de exercício da opção; Se isso ocorrer, a opção não será exercida; Se o preço da ação for menor que o preço de exercicio d PUT St<X o lançador a opção deverá ser exercida e o seu lucro será dado por: Prêmio + Valor da Ação Preço de Exercicio : p +St X; Se o preço da ação for maior que o preço de exercicio da PUT, St>X o lançador não será exercido e o seu lucro será igual ao prêmio pago pelo titular da opção; O prejuízo do lançador da PUT começa a partir do ponto em que o preço da ação for menor que a diferença entre o preço do exercício X e o prêmio; 65

66 Posição do Lançador na venda de uma PUT Lucro Legenda: PE Preço do Exercício P P - Prêmio (0, 0) PE - P PE Preço à vista do Ativo Objeto no dia do Exercício Opção será exercida - Lucro Opção não será exercida - Prejuizo 66

67 Operação de Venda de uma PUT Posição do Lançador Opção de Venda - PUT Operação Venda Prêmio $ 5,00 Preço de Exercicio $ 120,00 Cotação da Ação $ 80,00 Lucro $ 40,00 Gráfico de Lucro Valor Inicial $ 80,00 Intervalo $ 10, $ 80,00 $ 90,00 $ 100,00 $ 110,00 $ 120,00 $ 130,00 $ 140,00 $ 150,00 $ 160,00 Cotação Ação $ 80,00 $ 90,00 $ 100,00 $ 110,00 $ 120,00 $ 130,00 $ 140,00 Lucro

68 Operações de Hedge com Opções As opções são operações bem versáteis, podendo ser usadas tanto para especulação quanto para arbitragem e logicamente para o hedge; Dão a cobertura adequada para o risco e, quando compradas, permitem que participemos do lucro no caso do preço do ativo objeto evoluir a favor do investidor; O hedge com opções pode ser dividido em duas modalidades distintas: Na primeira a posição com opções fica mantida em carteira até o seu vencimento; Esta operação é conhecida como sendo Hedge estático; Na segunda modalidade as opções são mantidas em carteira por um determinado período de tempo, anterior ao seu vencimento, havendo a necessidade de um acompanhamento diário da eficiência deste hedge; Temos portanto uma gestão ou hedge dinâmico; 68

69 Operações de Hedge com opções A forma mais básica de hedge com opções é a compra de PUTS pelo produtor de mercadorias, e a compra de CALLS pelos consumidores; O produtor ao adquirir uma PUT etsá segurando o seu preço de venda no longo prazo, independentemente do que venha a acontecer no mercado no futuro; Evidentemente ele tem o direito de vender a sua mercadoria pelo preço de exercício, o que só irá ocorrer se o preço do mercado for menor que o preço de exercício da opção; 69

70 Exemplo de Hedge com uma Opção de PUT Um fazendeiro de café está preocupado com o preço futuro de seu produto e quer uma proteção; Ele enxerga dois cenários distintos : Cenário 1 : o preço da commodity sobe muito por causa de uma quebra de safra geral; Ou o preço do produto pode cair muito com uma super safra; O mercado hoje se apresenta muito volátil; O fazendeiro optou por uma opção de venda; Se o preço do café cair ele está protegido se subir ele vende pelo valor de mercado; O preço de exercício acordado com o seu corretor é de $ 1.50 por libra e foi pago um prêmio de $ 0,10 por libra; 70

71 Exemplo de Hedge com uma PUT Opção de Venda - PUT Operação Compra Prêmio $ 0,10 Preço de Exercicio $ 1,50 Cotação da Ação $ 1,20 Lucro $ 0,30 Gráfico de Lucro Valor Inicial $ 1,20 Intervalo $ 0,10 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1-0,1 0-0,2-0,3-0,4-0,5 $ 1,20 $ 1,30 $ 1,40 $ 1,50 $ 1,60 $ 1,70 $ 1,80 $ 1,90 $ 2,00 Cotação Ação $ 1,20 $ 1,30 $ 1,40 $ 1,50 $ 1,60 $ 1,70 $ 1,80 $ 1,90 $ 2,00 Lucro 0,4 0,3 0,2 0,1-0,1-0,1-0,1-0,1-0,1 71

72 Exemplo de Hedge com uma Opção de CALL Vamos analisar agora o que acontece na ponta consumidora; Suponhamos que uma torrefadora de Café deseje manter um custo mínimo para a sua matéria prima, o Café, mas ao mesmo tempo ela também queira se beneficiar de eventuais baixas do Café; A sua estratégia de Hedge irá consistir em segurar os preços do café através de uma CALL; Vamos supor que ela compre CALLS com preço de exercicio de $1,40 a libra e pague um premio de $0,15 a libra; 72

73 Exemplo de Hedge com uma Opção de CALL Opção de Compra - CALL Operação Compra Prêmio $ 0,15 Preço de Exercicio $ 1,40 Cotação da Ação $ 1,45 Lucro $ 0,05 Gráfico de Lucro Valor Inicial $ 1,20 Intervalo $ 0,10 0,6 0,4 0,2 0-0,2 $ 1,20 $ 1,30 $ 1,40 $ 1,50 $ 1,60 $ 1,70 $ 1,80 $ 1,90 $ Cotação Ação $ 1,20 $ 1,30 $ 1,40 $ 1,50 $ 1,60 $ 1,70 $ 1,80 Lucro -0,15-0,15-0,15-0,15 0,05 0,15 0,25 73

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Quais alternativas um produtor rural tem para diminuir os riscos de preços na hora de vender sua safra? Modelo tradicional: contato direto com o

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MERCADO DE CAPITAIS 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS PARA OS ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 Mercado de Capitais

Leia mais

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados.

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados. Mercados Derivativos IBEF PAULO LAMOSA BERGER 1 Instrumentos do Mercado Financeiro Emissão Os ativos de renda fixa são emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia. Existem no Brasil

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Diretoria de Agronegócios

Diretoria de Agronegócios Proteção de Preços no Mercado Agropecuário Renato Barreto Riscos da atividade agropecuária Climáticos e/ou intempéries Preço Crédito... Mitigadores de Risco de Preço Risco: Oscilação nos preços das mercadorias

Leia mais

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Assunto: DERIVATIVOS Objetivos da aula: Conceito

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica 13 2 Mercado Futuro Este capítulo tem como objetivo fazer um breve resumo sobre o Mercado Futuro, mostrando sua origem e evolução, importância e seus principais contratos. 2.1 Conceituação Básica Um contrato

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) 1º Encontro Presencial 01 hora - Presencial - Apresentação do Curso e Ferramentas do E-Learning

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito 239 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS : 239 questões com gabarito. São

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge 1 Hedge no Mercado a Termo No Brasil, são muito comuns as operações a termo real/dólar. Empresas importadoras, exportadoras, com dívidas ou ativos

Leia mais

Instituto Educacional BM&F. MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições

Instituto Educacional BM&F. MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições Instituto Educacional BM&F MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições São Paulo, 2007 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros) B67m Mercado futuro: conceitos

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Derivativos de Balcão. Opções Flexíveis

Derivativos de Balcão. Opções Flexíveis Derivativos de Balcão Opções Flexíveis Opções Flexíveis Proteção contra a volatilidade de preços O produto Opção flexível é um contrato em que o titular tem direito, mas não obrigação, de comprar (ou vender)

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições Instituto Educacional BM&F MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições São Paulo, 2007 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros) B67m Mercado de opções:

Leia mais

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos.

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos. Índice 1. Ações Quantidade de Ações Subscrição de Direito de Subscrição Custos Tributação Fatores de Risco Liquidação Leilão 2. Termo Mais sobre Termo Ordens Margens e Garantias Liquidação Fatores de Risco

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais 1. Objeto de negociação Boi gordo acabado para abate. Tipo: bovinos machos, castrados, bem acabados (carcaça convexa), em pasto ou confinamento.

Leia mais

Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING

Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING WebTranding Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING BM&FBOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS BM&FBOVESPA S/A Sociedade anonima, que organiza,

Leia mais

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira DERIVATIVOS Por Abraão Maia Ulisses Malveira REVISÃO DE DERIVATIVOS Contratos a Termo O que é? Um contrato que lhe dá o direito de receber uma quantidade X de um produto Y. Quem? Duas pessoas, um comprador

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE DERIVATIVOS: MERCADOS, ESTRATÉGIAS E GESTÃO DE RISCOS Por: Paulo Fernando Garrido da Costa Rodrigues Orientador Prof. Luciano

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Agronegócio. Derivativos. Mercado Futuro. Mercado de Opções. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Agronegócio. Derivativos. Mercado Futuro. Mercado de Opções. ABSTRACT MERCADO FUTURO E DE OPÇÕES FUTURE AND OPTIONS MARKET Aline Cristina Leal - lininhacl@hotmail.com Luciléia Mary Santos de Matos - lu.msmatos@hotmail.com Márcia Cristina Carvalho - marcynha_01@yahoo.com.br

Leia mais

1) Swap USD+cupom X Pré

1) Swap USD+cupom X Pré 1) Swap USD+cupom X Pré 1.a) Objetivos Proteção contra oscilações positivas ou negativas futuras do dólar versus o real. 1.b) Aspectos Operacionais Resultante de uma operação de troca de taxas, conhecida

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006

Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 Luciano de Souza Vacari Mercado Futuro Hedging e Opções Novembro/2006 O que é uma Bolsa de Futuros? Local organizado para administrar risco; Organização sem fins lucrativos; Dar visibilidade nos preços;

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO

A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O F I N A N Ç A S A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO Autores: EDUARDO BRAGA e-braga@uol.com.br

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional

Leia mais

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia Agosto 2014 Bibliografia 2 Funções e atividades de tesouraria A finalidade básica da Tesouraria é assegurar os recursos e instrumentos financeiros necessários

Leia mais

ESTUDO DA RACIONALIDADE DOS INSTRUMENTOS DE HEDGE CAMBIAL OFERECIDOS PELO BANCO SANTANDER BANESPA

ESTUDO DA RACIONALIDADE DOS INSTRUMENTOS DE HEDGE CAMBIAL OFERECIDOS PELO BANCO SANTANDER BANESPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO - EA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS - DCA CRISTIANO KÖHLER SILVA ESTUDO DA RACIONALIDADE DOS INSTRUMENTOS DE HEDGE CAMBIAL OFERECIDOS

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados.

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. ANÁLISE DE RISCO E DERIVATIVOS Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 09.11.2012 OBJETIVOS DA AULA Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. 1 Relembrando a aula de VAR... O

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento em Renda Fixa DI Longo Prazo 1 Milhão

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

www.leandrostormer.com.br

www.leandrostormer.com.br 1 OPERANDO OPÇÕES: CONCEITOS E ESTRATÉGIAS I. Introdução: Em primeiro lugar gostaria de deixar claro que este é apenas um resumo, uma pequena introdução a uma forma diferente de operar no mercado financeiro,

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO CRISES CAMBIAIS E OS MECANISMOS DE DEFESA CONTRA ATAQUES ESPECULATIVOS Luís Felipe Barthel Ferraiolo

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Sócio Econômico Departamento de Ciências Econômicas BRUNO RESMINI SARTOR

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Sócio Econômico Departamento de Ciências Econômicas BRUNO RESMINI SARTOR Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Sócio Econômico Departamento de Ciências Econômicas BRUNO RESMINI SARTOR ESTRATÉGIAS NO MERCADO DE DERIVATIVOS: Foco no Mercado de Opções de Ações Florianópolis,

Leia mais

O HEDGE COMO FERRAMENTA PARA DIMINUIÇÃO DOS RISCOS NAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA COOPERATIVA DE AGROALIMENTOS

O HEDGE COMO FERRAMENTA PARA DIMINUIÇÃO DOS RISCOS NAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA COOPERATIVA DE AGROALIMENTOS 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 O HEDGE COMO FERRAMENTA PARA DIMINUIÇÃO DOS RISCOS NAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA COOPERATIVA DE AGROALIMENTOS Edson Miguel Forigo (SEG) e_forigo@yahoo.com.br

Leia mais

MERCADO FUTURO: BOI GORDO

MERCADO FUTURO: BOI GORDO MERCADO FUTURO: BOI GORDO Sergio De Zen Mestre em Economia Aplicada, Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Os anos noventa têm sido marcados por termos modernos na terminologia do mercado financeiro. Dentre essas

Leia mais

PROSPECTO CAIXA FI AÇÕES SMALL CAPS ATIVO

PROSPECTO CAIXA FI AÇÕES SMALL CAPS ATIVO PROSPECTO CAIXA FI AÇÕES SMALL CAPS ATIVO CLASSIFICAÇÃO DO FUNDO ANBIMA: AÇÕES SMALL CAPS ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES DO CÓDIGO ANBIMA DE

Leia mais

Finanças Internacionais exercícios

Finanças Internacionais exercícios Finanças Internacionais exercícios Paulo Lamosa Berger Exemplo Suponha que no dia 20/10/2000 (sexta-feira) um importador deseje uma taxa para liquidação D0. Calcule a taxa justa para esse cliente. Dados:

Leia mais

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Fabiana de Jesus Peixoto fabi.contato@hotmail.com FATEC-BP Priscila Gandolfi Dell Orti priscilagandolfi@hotmail.com

Leia mais

Mercado a Termo de Ações

Mercado a Termo de Ações Prof Giácomo Diniz Módulo I Dfiiã Definição Tradicional i São acordos fechados entre partes de compra e venda de um determinadoativo. Nahoradacontrataçãoaspartesestabelecemo preço para a liquidação em

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1/12 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1 - OBJECTIVO A presente directriz tem por objectivo o tratamento contabilístico dos contratos de futuros, negociados em mercados organizados com

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de outubro de 2011 para a apuração dos

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL AUTORES: Marcelo Cabus Klötzle André Cabus Klötzle Antônio Carlos Figueiredo - 1 - CAPÍTULO 1 - Introdução 1) Contextualização: Este livro, diferente

Leia mais

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO.

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CAIXA Cambial Dólar, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

2 Opções e Carteiras não lineares

2 Opções e Carteiras não lineares 22 2 Opções e Carteiras não lineares 2.1 Distinção entre derivativos lineares e não-lineares No capítulo 1 foram apresentados os principais derivativos utilizados no mercado de petróleo e derivados. Neste

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Conteúdo Introdução ao Termo de Moedas... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos Botões das Telas... 4 Registros... 5 Registro de Contrato a Termo Simples -

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA! O que é hedge?! Como estar protegido de um eventual prejuízo de uma operação financeira da empresa no futuro?! Como podemos hedgear uma operação efetuada em dólar?! Como

Leia mais

PROSPECTO CAIXA FI AÇÕES PETROBRAS PRÉ-SAL

PROSPECTO CAIXA FI AÇÕES PETROBRAS PRÉ-SAL PROSPECTO CAIXA FI AÇÕES PETROBRAS PRÉ-SAL CLASSIFICAÇÃO DO FUNDO ANBIMA: AÇÕES SETORIAIS FOCO DE ATUAÇÃO: PETROBRAS ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos 6.A.1 Apresentação do capítulo Nesta unidade, é abordado o estudo dos diferentes tipos de mercados derivativos. O objetivo deste capítulo é dar ao leitor uma visão

Leia mais

ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO

ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO Resumo Anna Paula Andratta 1 Denise Pigosso 2 Maurício Badia 3 Professor Eliandro Schvirck 4 Este trabalho teve por objetivo,

Leia mais

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro 2013 e 2012 BANCO FATOR S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em

Leia mais

MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS

MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS MERCADOS DE 11 DERIVATIVOS 11. Mercados de Derivativos 11.1. Conceitos Básicos Derivativos é o nome dado à família de mercados em que operações com liquidação futura são realizadas, tornando possível a

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

Artigo 2º - O FUNDO destina-se a acolher investimentos de pessoas físicas e pessoas jurídicas privadas e públicas, doravante designados, Cotista.

Artigo 2º - O FUNDO destina-se a acolher investimentos de pessoas físicas e pessoas jurídicas privadas e públicas, doravante designados, Cotista. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CAIXA Premium Renda Fixa Referenciado DI Longo Prazo, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento

Leia mais

O MERCADO FUTURO E SUAS APLICAÇÕES

O MERCADO FUTURO E SUAS APLICAÇÕES O MERCADO FUTURO E SUAS APLICAÇÕES MESA DE OPERAÇÕES BM&F "O único homem que nunca comete erros é aquele que nunca faz coisa alguma. Franklin Roosevelt 1 Prezado (a) Investidor (a), Esse texto foi elaborado

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE Mercado a Termo e Futuro I Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas-EBAPE Contratos a Termo O Contrato a Termo é um acordo OTC (Over The Counter), é dizer negociado no Mercado de Balcão, entre 2 companhias

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O. MARATONA PROGRAMADO FIA - BDR NIVEL I 21.363.225/0001-82 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O. MARATONA PROGRAMADO FIA - BDR NIVEL I 21.363.225/0001-82 Informações referentes a Maio de 2016 MARATONA PROGRAMADO FIA BDR NIVEL I 21.363.225/000182 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o MARATONA PROGRAMADO FUNDO DE INVESTIMENTO EM

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Área Temática: Gestão de Agronegócios. Título do Trabalho: Contratos Futuros e de Opções na gestão do Agronegócios. Autor: José A Moura Aranha

Área Temática: Gestão de Agronegócios. Título do Trabalho: Contratos Futuros e de Opções na gestão do Agronegócios. Autor: José A Moura Aranha Área Temática: Gestão de Agronegócios Título do Trabalho: Contratos Futuros e de Opções na gestão do Agronegócios Autor: José A Moura Aranha Mestrando em Contabilidade, Atuária e Finanças pela Pontifícia

Leia mais

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference CFDs sobre acções CFDs sobre Índices CFD s Contracts for Difference Introdução Caracteristicas O que são? 1 Vantagens 1 Alavancagem Flexibilidade Outras vantagens 2 Exposição mínima Inexistência de Liquidação

Leia mais

ALFA ORBIS DI FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO LONGO PRAZO. CNPJ nº 02.733.802/0001-36 REGULAMENTO CAPÍTULO I DO FUNDO

ALFA ORBIS DI FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO LONGO PRAZO. CNPJ nº 02.733.802/0001-36 REGULAMENTO CAPÍTULO I DO FUNDO CNPJ nº 02.733.802/0001-36 REGULAMENTO CAPÍTULO I DO FUNDO 1.1 O ALFA ORBIS DI FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO LONGO PRAZO ( FUNDO ), é um fundo de investimento constituído sob a forma de condomínio

Leia mais

Mercado de Derivativos

Mercado de Derivativos Mercado de Derivativos Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com 8141-4045 I. Mercado de Derivativos 1. Conceito de Derivativos 2. Mercado a Termo 2.1 Mercado a Termo de Derivativos Sobre Commodities 2.2

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular

Relatório de Estágio Curricular Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Camilo Bianchi Dezembro/2004 Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Infra-Estrutura

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras CNPJ : 09.195.701/0001-06 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações BRB

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

MAYCON BARION SOARES ESTRATÉGIA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE BOVINA: HEDGE DE COMPRA E VENDA

MAYCON BARION SOARES ESTRATÉGIA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE BOVINA: HEDGE DE COMPRA E VENDA MAYCON BARION SOARES ESTRATÉGIA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE BOVINA: HEDGE DE COMPRA E VENDA Monografia apresentada para conclusão do Curso de Zootecnia, Setor de Ciências Agrárias, da Universidade Federal

Leia mais

Mercado de Derivativos $

Mercado de Derivativos $ Mercado de Derivativos SWAPS Prof. Bertolo O que são SWAPS? São acordos estabelecidos entre duas partes visando a uma troca de fluxos de caixa futuros (sem trocar o principal) por um certo período de tempo.

Leia mais

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO.

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Ações CAIXA Brasil Ibovespa, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento constituído sob a forma de condomínio aberto, com prazo

Leia mais