SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL..."

Transcrição

1 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS Introdução Posições Padronização dos Contratos Margem e Ajustes Diários Custos Operacionais Diferenças entre os Mercados Futuro e a Termo CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL Introdução Especulação Hedge Hedge de Mínima Variância Arbitragem Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos CAPÍTULO 4 MERCADO FUTURO DE TAXA DE JURO DI DE UM DIA Introdução Especulação Hedge Hedge: vencimento da operação igual ao vencimento do DI futuro Hedge: vencimento da operação diferente do vencimento do contrato DI-1 futuro Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos vii

2 viii Introdução aos Derivativos EDITORA THOMSON CAPÍTULO 5 MERCADO FUTURO DE CUPOM CAMBIAL SUJO (DDI) Introdução Especulação Hedge Utilização do DDI Futuro em Hedge Sintético do Risco Cambial Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos CAPÍTULO 6 MERCADO FUTURO DE CUPOM CAMBIAL LIMPO (FRA) Introdução Especulação Hedge Exercícios Propostos CAPÍTULO 7 MERCADO FUTURO DE IBOVESPA Introdução Especulação Hedge Arbitragem Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos CAPÍTULO 8 CONCEITOS BÁSICOS DE OPÇÕES Opções de Compra Opções de Venda Mercado de Opções no Brasil Opções Americanas e Européias Variáveis que Afetam o Preço das Opções Paridade entre Opções de Compra e Opções de Venda Européias Classificação das Séries de Opções Exercícios Propostos CAPÍTULO 9 MODELO DE BLACK & SCHOLES Introdução Hedge Delta Neutro Arbitragem de Opção com Ibovespa Futuro

3 Sumário ANTONIO CARLOS FIGUEIREDO ix 9.4 Modelo de Black & Scholes Generalizado Exercícios Propostos CAPÍTULO 10 MODELO BINOMIAL Introdução Árvore Binomial Simplificada Generalização da Árvore Binomial Simplificada Árvores Binomiais na Prática Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos CAPÍTULO 11 OPERAÇÕES ESTRUTURADAS COM OPÇÕES Trava de Alta com Opções de Compra Trava de Baixa com Opções de Compra Butterfly Condor Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos CAPÍTULO 12 OPERAÇÕES DE FINANCIAMENTO COM OPÇÕES Introdução Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos CAPÍTULO 13 OPERAÇÕES DE SWAP Introdução Cupom Cambial Sujo e Limpo em Operações de Swap de Dólar Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos CAPÍTULO 14 VALUE AT RISK Introdução Covariância Simulação Histórica Simulação de Monte Carlo Exercícios Propostos RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS BIBLIOGRAFIA

4 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Derivativos são títulos cujos valores dependem dos valores de outras variáveis mais básicas. Por exemplo, um derivativo de dólar comercial tem o seu valor derivado do comportamento do dólar comercial à vista. Os derivativos foram criados para que os agentes econômicos possam se proteger contra riscos de oscilações de preços: um importador que teme a alta do dólar, uma empresa com dívida indexada ao CDI, preocupada com uma eventual alta das taxas de juros etc. Como se dá a proteção com derivativos? A idéia básica é a de obter ganho financeiro nas operações com derivativos, de forma a compensar uma perda nas operações da empresa, por causa de oscilações de preços de matériasprimas, da taxa de câmbio, da taxa de juros etc. Vários acontecimentos recentes na economia ilustram a importância da utilização de derivativos. A desvalorização do real em janeiro de 1999 talvez seja o mais dramático. Com o abandono do regime anterior de bandas cambiais, a cotação do dólar subiu mais de 65% entre 13 de janeiro de 1999 e o final daquele mês, provocando pesados prejuízos para importadores e empresas com dívida em dólar. Essas perdas poderiam ter sido evitadas se as empresas utilizassem derivativos de dólar para proteção contra o risco cambial. Outro exemplo importante aconteceu em setembro de O Banco Central do Brasil, para evitar uma fuga de capitais do país, elevou drasticamente as taxas de juros internas. Essa medida causou enormes perdas para investidores com aplicações prefixadas e para empresas com dívida a taxas flutuantes. Entretanto, se eles estivessem usando derivativos de taxas de juros os prejuízos com a alta do juro teriam sido compensados com ganhos financeiros nessas operações. Os derivativos podem ser financeiros e não financeiros. Os derivativos financeiros estão principalmente relacionados com taxas de juros, moedas e índices de Bolsa. Os derivativos não financeiros estão associados, por exemplo, a petróleo, café, soja, milho etc. Neste livro, serão estudados os derivativos financeiros mais negociados no mercado brasileiro. 1

5 2 Introdução aos Derivativos EDITORA THOMSON Os principais agentes econômicos que operam com derivativos são: o hedger; o especulador; o arbitrador. O hedger opera com derivativos com o objetivo principal de se proteger contra riscos de preços, como já mostramos anteriormente. O especulador aposta na tendência. Ele busca realizar lucro com a compra e venda de derivativos, segundo sua crença de alta ou de baixa dos preços. Sua participação no mercado é muito importante, pois contribui para dar liquidez ao mercado. Quanto maior o número de negócios, melhor para aqueles que querem se proteger, pois encontram sempre um mercado ativo para operar. As operações especulativas são muito arriscadas. O leitor deve estar lembrado dos problemas surgidos com alguns bancos em janeiro de 1999, logo após a flutuação do real. O arbitrador monta uma operação em que obtém ganho sem risco, a partir da constatação da existência de distorção no preço do derivativo. Nos próximos capítulos mostraremos algumas operações desse tipo que, eventualmente, podem ser feitas no Brasil. Os derivativos são negociados em Bolsa e também no chamado mercado de balcão (over-the-counter). Nas Bolsas, os contratos transacionados são padronizados para facilitar a liquidez. As principais Bolsas que negociam derivativos no Brasil são a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). No mercado de balcão, os contratos são negociados normalmente entre uma instituição financeira e um cliente, podendo ser registrados nas Bolsas. São operações flexíveis, que atendem às necessidades específicas do cliente. Entretanto, são mais caros, em função do lucro da instituição financeira e dos custos que ela tem para fazer seu hedge. Os derivativos financeiros mais negociados no mercado brasileiro são: futuros; opções; swaps; termos. Os contratos futuros são compromissos de compra ou de venda de determinado ativo, em uma data futura, a um preço certo. No entanto, na prática, poucas operações terminam com a entrega efetiva do bem negociado. A maioria das operações é liquidada mediante pagamento ou recebimento de moeda, pela diferença entre o valor de compra e o de venda. Os acertos dessas diferenças são feitos diariamente, por meio do mecanismo de ajustes diários.

6 Introdução ANTONIO CARLOS FIGUEIREDO 3 Os capítulos 2, 3, 4, 5, 6 e 7 estão dedicados aos mercados futuros. No capítulo 2, apresentamos os conceitos básicos de mercados futuros. No capítulo 3, discutimos o mercado futuro de dólar comercial e mostramos como os importadores, exportadores e empresas com ativos e dívidas em dólar podem se proteger das oscilações da moeda norte-americana. No capítulo 4, apresentamos o mercado futuro de taxa de juros e mostramos como as empresas, os investidores e as instituições financeiras se defendem das incertezas associadas à evolução da taxa de juros interna. O capítulo 5 está dedicado ao mercado futuro de cupom cambial sujo (DDI), que negocia o diferencial entre a taxa do CDI e a variação cambial para determinado período. No capítulo 6, apresentamos o mercado futuro de cupom cambial limpo (FRA) e, no capítulo 7, discutimos o mercado futuro de Ibovespa. As opções são direitos. Existem dois tipos de opções: opção de compra (call) e opção de venda (put). Uma opção de compra representa o direito de comprar um ativo em determinada data por um certo preço. Uma opção de venda representa o direito de vender um ativo em determinada data, por um certo preço. Muitos investidores não chegam a exercer o direito. Eles fecham a posição antes do vencimento da opção, e o resultado da operação é a diferença entre os valores pagos e recebidos pelo direito. Nos capítulos 8, 9, 10, 11 e 12 apresentamos o mercado de opções. O capítulo 8 contém conceitos básicos. No capítulo 9, discutimos o modelo de Black & Scholes, que é largamente utilizado, na prática, para a determinação de preços teóricos de opções. No capítulo 10, apresentamos o modelo binomial, que também é muito usado no apreçamento (ou precificação, como é mais comum no mercado de opções). O capítulo 11 mostra as principais operações especulativas com opções, como as travas, o butterfly e o condor. No capítulo 12, discutimos as operações de financiamento com opções de compra. O swap é um contrato derivativo no qual as partes trocam indexadores de operações ativas e passivas, sem trocar o principal. No capítulo 13, mostramos as principais operações de swap que são feitas no mercado brasileiro. O termo (forward) é uma operação de compra e venda de um ativo acertada na data zero, para liquidação física e financeira em uma data futura. O termo é um contrato derivativo muito semelhante ao contrato futuro. A principal diferença entre eles está na liquidação financeira. Ao contrário dos contratos futuros, os contratos a termo não são ajustados diariamente. As operações a termo são citadas nos capítulos 2 e 13. Risco de mercado é o risco de perda decorrente de oscilações no valor de ativos negociados no mercado. No capítulo 14, mostramos como quantificar esse risco, por meio do chamado value at risk (VAR).

7 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS 2.1 INTRODUÇÃO Em uma operação no mercado futuro, o investidor se compromete contratualmente a comprar ou vender determinado ativo, em certa data futura, a um preço previamente estipulado. Na prática, no entanto, apenas cerca de 2% das operações terminam com a entrega efetiva do bem negociado. A maioria dos contratos é liquidada mediante pagamento ou recebimento de moeda, pela diferença entre o valor de compra e o de venda, sem entrega física do bem ou ativo. No Brasil, a instituição responsável pela organização e manutenção desse mercado é a Bolsa de Mercadorias e Futuros, com sede em São Paulo, capital. Os contratos futuros representam mais de 90% dos contratos negociados na Bolsa, sendo o principal derivativo transacionado no mercado brasileiro. Os principais contratos futuros negociados na BM&F, por ordem de quantidade de contratos e volume financeiro, são: 1 o ) DI 1 : DI de um dia; 2 o ) DOL: dólar comercial; 3 o ) DDI e FRA: cupom cambial sujo e limpo; 4 o ) IND: Ibovespa. Os contratos futuros de DI de um dia negociam a taxa de juro efetiva dos depósitos interfinanceiros (DI), definida, para esse efeito, pela acumulação das taxas médias diárias de DI de um dia, calculadas pela Central de Custódia e Liquidação de Títulos (Cetip), para o período compreendido entre o dia da operação no mercado futuro, inclusive, e o último dia de negociação, inclusive. Os contratos futuros de dólar comercial negociam a taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos para pronta entrega, no último dia de negociação do contrato. 5

8 6 Introdução aos Derivativos EDITORA THOMSON Os contratos futuros de cupom cambial têm por objeto o diferencial entre a taxa do CDI e a variação cambial para determinado período, ou seja, o chamado cupom cambial. Existem dois tipos de contratos futuros de cupom cambial na BMF: DDI que negocia o chamado cupom cambial sujo, em que a variação cambial é medida a partir do dólar PTAX (média apurada pelo Banco Central) do dia anterior; FRA que negocia o chamado cupom cambial limpo, em que a variação cambial é medida a partir do dólar à vista do dia. Os contratos futuros de Ibovespa negociam o índice de ações da Bolsa de Valores de São Paulo para o último dia de negociação do contrato. Esses contratos representam mais de 90% dos contratos futuros negociados na Bolsa e serão detalhadamente estudados nos capítulos seguintes. Os outros contratos futuros transacionados na BM&F são: C-BOND, álcool anidro, boi gordo, café arábica, milho, açúcar etc. Os contratos futuros são comprados e vendidos principalmente pelo pregão de viva-voz (mais de 95% dos negócios). As demais operações são feitas pelo pregão eletrônico. 2.2 POSIÇÕES Quando o investidor entra no mercado futuro, diz-se que está abrindo uma posição. A abertura da posição se dá por meio de uma ordem de compra ou de venda de contratos, através de uma corretora de valores em que ele esteja cadastrado e tenha conta. O fechamento da posição no mercado futuro se dá por meio da operação inversa à original, a qualquer momento até o último dia de negociação do contrato. Se o investidor entrou comprando, ele sai vendendo. Se o investidor entrou vendendo, ele sai comprando. Abertura de Posição Compra ou Vende Fechamento de Posição Vende ou Compra É importante ressaltar que, no fechamento da posição, o investidor deve negociar o contrato que tenha a mesma especificação (ativo e data de vencimento) do contrato negociado na abertura da posição. Por exemplo, se na data zero o investidor abriu posição vendendo 20 contratos futuros de dólar com vencimento em fevereiro de 2001, para fechar a posição, ele deve comprar 20 contratos futuros de dólar com vencimento em fevereiro de 2001.

9 Conceitos Básicos de Mercados Futuros ANTONIO CARLOS FIGUEIREDO 7 Grande parte das posições é fechada antes do último dia de negociação. Na prática, inclusive, são comuns as operações chamadas de day trade, nas quais o investidor abre e fecha a posição no mesmo pregão. 2.3 PADRONIZAÇÃO DOS CONTRATOS Os contratos futuros são padronizados pela Bolsa quanto ao seu tamanho, último dia de negociação e vencimento. Esse procedimento visa proporcionar liquidez aos contratos, pois facilita as negociações. As especificações atuais dos quatro contratos futuros mais negociados na BM&F, que destacamos antes, são: Contrato Valor Último Dia de Vencimento Negociação (UDN) DI 1 R$ Último dia útil do mês Primeiro dia útil do anterior ao mês de vencimento mês de vencimento DOL US$ Último dia útil do mês Primeiro dia útil do anterior ao mês de vencimento mês de vencimento DDI US$ Último dia útil do mês Primeiro dia útil do e FRA anterior ao mês de vencimento mês de vencimento IND cotação a Quarta-feira mais próxima Quarta-feira mais próxima futuro do dia 15 dos meses pares do dia 15 dos meses pares R$ 3,00 Na BM&F, os contratos futuros são especificados pelo mês de vencimento e pelo ano de vencimento. Por exemplo, o contrato futuro de DI de um dia MAR 1 vence no primeiro dia útil de março de O contrato futuro de DDI ABR 2 vence no primeiro dia útil de abril de MARGEM E AJUSTES DIÁRIOS Ao abrir uma posição no mercado futuro, seja comprando ou vendendo contratos, o investidor deve depositar garantias do dia útil subseqüente (D + 1). O cálculo dessa margem de garantia é relativamente complexo e procura cobrir perdas potenciais nas posições em aberto, por dois ou três dias úteis. Quanto maior a volatilidade do ativo-objeto, maior o valor da margem de garantia exigida pela BM&F. Esse valor pode mudar a qualquer momento, em função das condições do mercado.

10 8 Introdução aos Derivativos EDITORA THOMSON Vários ativos são aceitos pela Bolsa como margem de garantia: dinheiro, ouro, cotas do FIF e, a critério da BM&F, títulos públicos e privados, cartas de fiança, apólices de seguro, ações e cotas de fundos fechados de investimentos em ações. Na prática, essa exigência da Bolsa dificilmente é atendida por meio de depósitos em dinheiro. Entretanto, caso o investidor prefira colocar a garantia dessa maneira, a BM&F aplicará a quantia equivalente no mercado financeiro, e os recursos terão alguma correção. Todas as posições em aberto no mercado futuro são ajustadas diariamente. Ou seja, os ganhos e perdas obtidos pelos investidores em determinado pregão são recebidos ou pagos em dinheiro em D + 1, por meio de crédito ou débito em conta corrente na corretora pela qual foi feito o negócio. O valor em que a Bolsa se baseia para calcular esses ganhos e perdas, nos diversos contratos, é obtido através de uma média ponderada dos negócios que acontecem com esses contratos nos últimos 15 ou 30 minutos do pregão (ou outro tempo qualquer especificado no contrato). O objetivo principal desses acertos diários de ganhos e perdas é o de reduzir o risco do mercado. Na medida em que as perdas têm que ser pagas em D + 1, o risco de o investidor não ter como pagá-las fica bastante reduzido. Caso o pagamento não seja efetuado, a Bolsa lança mão das margens de garantias depositadas e encerra a posição do investidor, ao evitar que as perdas se acumulem. Os pagamentos de ajustes diários são isentos de Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). 2.5 CUSTOS OPERACIONAIS Ao abrir e fechar posições no mercado futuro, o investidor incorre nos seguintes custos operacionais, que devem ser pagos em D + 1: TOB: taxa operacional básica; taxa de emolumentos; taxa de registro. A taxa operacional básica é a taxa de corretagem da operação. A BM&F divulga no seu BD (Boletim Diário) as informações sobre percentuais cobrados e bases de cálculo para cada tipo de contrato. Na prática, é comum a negociação com a corretora de uma devolução de parte do valor devido. Os percentuais da TOB são diferenciados pelo tipo de operação. Se a operação é um day trade, o percentual é menor do que o de uma operação normal. Nas operações que são encerradas na eventual entrega física, no caso de commodities, a taxa operacional básica é substituída pela TL (Taxa de Liquidação).

11 Conceitos Básicos de Mercados Futuros ANTONIO CARLOS FIGUEIREDO 9 A taxa de emolumentos é a receita da BM&F com os negócios realizados nos mercados futuros. A taxa de registro é cobrada sempre que um contrato futuro é negociado, pelo registro na Câmara de Derivativos. Além desses custos, os participantes dos mercados futuros devem pagar uma taxa de permanência, que incide sobre o número de contratos mantidos em aberto no dia anterior. 2.6 DIFERENÇAS ENTRE OS MERCADOS FUTURO E A TERMO A definição de contrato a termo (forward) é igual a do contrato futuro. A principal diferença que existe entre eles está na liquidação financeira. Ao contrário dos contratos futuros, os contratos a termo não são ajustados diariamente. Como exemplos de mercado a termo, no Brasil, podemos citar dois produtos da BM&F: contrato a termo de taxa média de depósitos interfinanceiros sem ajuste periódico a liquidação financeira se dá apenas na data de vencimento; contrato a termo de taxa média de depósitos interfinanceiros com ajuste periódico a liquidação financeira se dá no primeiro dia útil dos meses subseqüentes. No Brasil, são também comuns as operações a termo de dólar, fechadas com as instituições financeiras.

12 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL 3.1 INTRODUÇÃO Os contratos futuros de taxa de câmbio de reais por dólar comercial são negociados na BM&F, segundo os termos da Resolução 1 690/90 do Conselho Monetário Nacional (CMN). Esse mercado serve, na prática, para que importadores, exportadores, empresas com ativos ou dívidas em dólar possam se proteger do risco cambial. A Bolsa padroniza os contratos quanto ao objeto de negociação, tamanho e data de vencimento. O objeto de negociação é a taxa de câmbio de reais por dólar dos EUA, para pronta entrega. Os contratos são de US$ ,00 e a data de vencimento é o primeiro dia útil (dia de pregão) do mês de vencimento. Sua negociação se dá até o último dia útil (dia de pregão) do mês anterior ao mês de vencimento. São cotados em reais por US$ 1.000,00, com até três casas decimais, e seu preço de negociação pode sofrer oscilação de até 5% sobre o valor do vencimento negociado, calculado sobre o preço de ajuste do pregão anterior. Para o primeiro vencimento, a BM&F não fixa limite de oscilação dos preços nos três últimos dias de negociação. Os ajustes são estabelecidos pela média ponderada dos negócios realizados nos últimos 15 minutos do pregão ou por um preço arbitrado pela Bolsa. Ao abrir uma posição, o investidor deve depositar uma margem de garantia na BM&F, cujo valor para cada contrato e tipo de participante veremos nos exercícios. Essa margem serve para cobrir o risco de oscilação de preço de dois ajustes diários e é devolvida ao cliente quando a operação é liquidada. O investidor ainda incorre nos seguintes custos operacionais: Taxa Operacional Básica (TOB) é a taxa de corretagem, estipulada pela BM&F, devendo ser paga no dia seguinte ao da abertura e do fechamento (antes do vencimento do contrato) de posição (D + 1). Seu valor é 0,2% do total negociado, tendo como preço-base o valor 11

13 12 Introdução aos Derivativos EDITORA THOMSON do ajuste do primeiro vencimento do dia anterior ao da operação realizada. TOB = 0,002 n V Onde: n número de contratos V valor do ajuste do primeiro vencimento do dia anterior ao da abertura de posição Taxas de Emolumentos (Taxa da Bolsa): taxas cobradas pela BM&F, que incidem sobre o valor da TOB e da TL. Na abertura de posição, o investidor paga 1,5% do valor da TOB e, no fechamento, também 1,5% do valor da TOB ou da TL. Taxa de Permanência (quando a posição fica em aberto) Taxa de Registro As corretoras, usualmente, negociam com seus clientes uma porcentagem de devolução das taxas de corretagem (p. ex.: retorna para a conta do cliente x% das taxas de corretagem). 3.2 ESPECULAÇÃO O investidor (especulador) que aposta que o dólar comercial à vista subirá abre sua posição comprando contratos futuros. Assim, se sua previsão se concretizar, ele terá um ganho financeiro. Caso o dólar venha a cair, ele terá uma perda. Analogamente, o investidor (especulador) que aposta que o dólar comercial à vista cairá abre sua posição vendendo contratos futuros. Se sua previsão se concretizar, terá um ganho financeiro. Caso o dólar venha a subir, ele terá uma perda. No exemplo a seguir, mostramos os detalhes de uma operação especulativa nesse mercado, incluindo toda a movimentação financeira e os custos envolvidos. Exemplo 3.1 No pregão de 08/08/2000, um investidor compra 20 contratos de dólar futuro SET 0 na abertura do pregão. O investidor fecha essa posição em 11/08/2000 no final do pregão. Qual o ganho/perda do investidor na operação? Cotação do dólar futuro na compra = 1,815.

14 Mercado Futuro de Dólar Comercial ANTONIO CARLOS FIGUEIREDO 13 Em 09/08/2000: a) Depósito de Margem de Garantia De acordo com a tabela Margens de Garantia Mercado Futuro Sistema Pregão do Boletim Diário da BM&F, temos que, para dólar comercial com vencimento para setembro, para investidor comum, a margem de garantia era de R$ 7.000/contrato. Margem de garantia = R$ = R$ ,00 b) Taxa Operacional Básica Supondo que a corretora fornece um desconto de 80% sobre essa taxa: Ajuste do dia anterior: R$ 1, TOB = 0, R$ 1, US$ = R$ (3.620,67) Devolução da TOB: R$ 2.896,54 Desembolso total referente à TOB = R$ (724,13) c) Taxa de Registro (na época): R$ 0,12 por contrato = R$ 0,12 20 = R$ (2,40) d) Taxa da Bolsa (na época) Taxa da Bolsa = 0,015 R$ 3.620,67 = R$ (54,31) e) Ajuste Diário Ajuste diário = (Ajuste de 08/08/2000 Cotação da abertura de posição) n o de contratos valor do contrato Ajuste diário = (R$ 1,80596 R$ 1,815) 20 US$ = R$ (9.040,00) Logo, no dia 09/08/2000, o investidor terá que depositar como margem de garantia R$ ,00 e desembolsar R$ 724,13 + R$ 2,40 + R$ 54,31 + R$ = R$ (9.820,84). Em 10/08/2000: Ajuste Diário: Ajuste diário = (Ajuste de 09/08/2000 Ajuste de 08/08/2000) n o de contratos valor do contrato Ajuste diário = (R$ 1, R$ 1,80596) = R$ 936,00 Logo, no dia 10/08/2000, serão creditados na conta do investidor R$ 936,00.

15 14 Introdução aos Derivativos EDITORA THOMSON Em 11/08/2000: Ajuste Diário: Ajuste diário (Ajuste de 10/08/2000 Ajuste de 09/08/2000) n o de contratos valor do contrato Ajuste diário = (R$ 1, R$ 1,806896) = R$ (605,00) Logo, no dia 11/08/2000, o investidor terá que desembolsar R$ 605,00. Em 14/08/2000: Preço de venda no final do pregão de 11/08/2000 = R$ 1,8105. a) Taxa Operacional Básica Como a corretora fornece um desconto de 80%, a TOB = 0, R$ US$ = (R$ 3.612,58) Devolução da TOB = R$ 2.890,06 Desembolso total referente à TOB = R$ (722,52) b) Taxa da Bolsa (na época) Taxa da Bolsa = 0, ,58 = R$ (54,19) c) Taxa de Registro (na época) R$ 0,12 por contrato = R$ 0,12 20 = (R$ 2,40) d) Ajuste Diário Ajuste diário = (Valor de venda Ajuste de 10/08/2000) n o de contratos valor do contrato Ajuste diário = (R$ 1,8105 R$ ) 20 US$ = R$ 4.209,00 Logo, no dia 14/08/2000, serão creditados na conta do investidor R$ 4.209,00 R$ 722,52 R$ 54,19 R$ 2,40 = R$ 3.429,89. Conclusão: O investidor teve um prejuízo de R$ 6.059,95 na operação, representado pela soma dos ajustes diários e das taxas. 3.3 HEDGE As empresas que desejam se proteger contra uma desvalorização do real em relação ao dólar, tais como importadores e empresas que possuem passivos

16 Mercado Futuro de Dólar Comercial ANTONIO CARLOS FIGUEIREDO 15 em dólar, devem abrir posição comprando contratos futuros de dólar comercial. Assim, se houver uma desvalorização maior do real no período, a empresa que efetuou a operação de hedge comprará os dólares ao preço da operação no mercado futuro na data zero, não sofrendo os efeitos da desvalorização. B C À vista Futuro A R$/US$ Figura 3.1 Tempo Data de vencimento do futuro A Figura 3.1 representa uma empresa importadora que comprou contratos futuros de dólar comercial à taxa B (R$/US$). Se a empresa não tivesse realizado o hedge, seu desembolso, na data de vencimento, seria de acordo com a taxa C. Assim, com a realização dessa operação, a empresa deixou de desembolsar (C B) valor da operação em US$ que corresponde ao seu ganho no mercado futuro. Exemplo 3.2 Uma empresa importadora pretende fechar câmbio de US$ 2 milhões em 31/08/2000. Em 08/08/2000, ela fez a seguinte operação de hedge no mercado futuro: Compra de 40 contratos de dólar futuro SET 0 a 1,8045 (operação feita no final do pregão). Supondo que o dólar à vista estivesse a 1,86 em 31/08, a operação ficaria: Pagamento da importação = US$ 2 milhões 1,86 = R$ ( ) Ganho no hedge = (1,86 1,8045) = R$ R$ o que corresponde a US$ 2 milhões 1,8045. Ou seja, ao fazer o hedge em 08/08, a empresa garantiu a taxa de câmbio que iria pagar em 31/08, independentemente do que pudesse acontecer com o dólar à vista.

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge 1 Hedge no Mercado a Termo No Brasil, são muito comuns as operações a termo real/dólar. Empresas importadoras, exportadoras, com dívidas ou ativos

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes

Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Assunto: Derivativos Prof. Ms Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Assunto: DERIVATIVOS Objetivos da aula: Conceito

Leia mais

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados.

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados. Mercados Derivativos IBEF PAULO LAMOSA BERGER 1 Instrumentos do Mercado Financeiro Emissão Os ativos de renda fixa são emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia. Existem no Brasil

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) 1º Encontro Presencial 01 hora - Presencial - Apresentação do Curso e Ferramentas do E-Learning

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL AUTORES: Marcelo Cabus Klötzle André Cabus Klötzle Antônio Carlos Figueiredo - 1 - CAPÍTULO 1 - Introdução 1) Contextualização: Este livro, diferente

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados.

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. ANÁLISE DE RISCO E DERIVATIVOS Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 09.11.2012 OBJETIVOS DA AULA Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. 1 Relembrando a aula de VAR... O

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Diretoria de Agronegócios

Diretoria de Agronegócios Proteção de Preços no Mercado Agropecuário Renato Barreto Riscos da atividade agropecuária Climáticos e/ou intempéries Preço Crédito... Mitigadores de Risco de Preço Risco: Oscilação nos preços das mercadorias

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito 239 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS : 239 questões com gabarito. São

Leia mais

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica 13 2 Mercado Futuro Este capítulo tem como objetivo fazer um breve resumo sobre o Mercado Futuro, mostrando sua origem e evolução, importância e seus principais contratos. 2.1 Conceituação Básica Um contrato

Leia mais

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Quais alternativas um produtor rural tem para diminuir os riscos de preços na hora de vender sua safra? Modelo tradicional: contato direto com o

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MERCADO DE CAPITAIS. 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MERCADO DE CAPITAIS 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS PARA OS ALUNOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 Mercado de Capitais

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Agronegócio. Derivativos. Mercado Futuro. Mercado de Opções. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Agronegócio. Derivativos. Mercado Futuro. Mercado de Opções. ABSTRACT MERCADO FUTURO E DE OPÇÕES FUTURE AND OPTIONS MARKET Aline Cristina Leal - lininhacl@hotmail.com Luciléia Mary Santos de Matos - lu.msmatos@hotmail.com Márcia Cristina Carvalho - marcynha_01@yahoo.com.br

Leia mais

ESTUDO DA RACIONALIDADE DOS INSTRUMENTOS DE HEDGE CAMBIAL OFERECIDOS PELO BANCO SANTANDER BANESPA

ESTUDO DA RACIONALIDADE DOS INSTRUMENTOS DE HEDGE CAMBIAL OFERECIDOS PELO BANCO SANTANDER BANESPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO - EA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS - DCA CRISTIANO KÖHLER SILVA ESTUDO DA RACIONALIDADE DOS INSTRUMENTOS DE HEDGE CAMBIAL OFERECIDOS

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO

A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O F I N A N Ç A S A UTILIZAÇÃO DO CONTRATO FUTURO DE TAXA DE CÂMBIO COMO INSTRUMENTO DE HEDGE EM IMPORTAÇÕES UM ESTUDO DE CASO Autores: EDUARDO BRAGA e-braga@uol.com.br

Leia mais

O emolumento refere-se ao serviço de negociação. Essa tarifa incide nas seguintes situações:

O emolumento refere-se ao serviço de negociação. Essa tarifa incide nas seguintes situações: Emolumentos O emolumento refere-se ao serviço de negociação. Essa tarifa incide nas seguintes situações: Negociação do contrato (abertura ou encerramento de posição antes do vencimento); Exercício de opções;

Leia mais

1) Swap USD+cupom X Pré

1) Swap USD+cupom X Pré 1) Swap USD+cupom X Pré 1.a) Objetivos Proteção contra oscilações positivas ou negativas futuras do dólar versus o real. 1.b) Aspectos Operacionais Resultante de uma operação de troca de taxas, conhecida

Leia mais

Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING

Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING WebTranding Índice BM&FBOVESPA S/A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MERCADO FUTURO WEBTRADING BM&FBOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS BM&FBOVESPA S/A Sociedade anonima, que organiza,

Leia mais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais 1. Objeto de negociação Boi gordo acabado para abate. Tipo: bovinos machos, castrados, bem acabados (carcaça convexa), em pasto ou confinamento.

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia Agosto 2014 Bibliografia 2 Funções e atividades de tesouraria A finalidade básica da Tesouraria é assegurar os recursos e instrumentos financeiros necessários

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS 2.1. Introdução 2.2. Posições 2.3. Padronização dos Contratos 2.4. Margem e Ajustes Diários 2.5. Custos Operacionais 2.6.

Leia mais

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO Nome do Documento Manual de Marcação a Mercado - MaM Código de Acesso SCI- 12 CONTEÚDO DO DOCUMENTO O presente documento fornece instruções obrigatórias para a execução dos processos de marcação a mercado

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

MERCADO FUTURO: BOI GORDO

MERCADO FUTURO: BOI GORDO MERCADO FUTURO: BOI GORDO Sergio De Zen Mestre em Economia Aplicada, Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Os anos noventa têm sido marcados por termos modernos na terminologia do mercado financeiro. Dentre essas

Leia mais

Contratos Derivativos Opções sobre Dólar Comercial

Contratos Derivativos Opções sobre Dólar Comercial Opções Sobre Futuro de Milho Contratos Derivativos Derivativos que auxiliam no gerenciamento de risco e na criaça o de estrate gias de negociaça o do do lar comercial. O produto Os contratos de opções

Leia mais

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Finanças Internacionais exercícios

Finanças Internacionais exercícios Finanças Internacionais exercícios Paulo Lamosa Berger Exemplo Suponha que no dia 20/10/2000 (sexta-feira) um importador deseje uma taxa para liquidação D0. Calcule a taxa justa para esse cliente. Dados:

Leia mais

Instituto Educacional BM&F. MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições

Instituto Educacional BM&F. MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições Instituto Educacional BM&F MERCADO FUTURO: Conceitos e Definições São Paulo, 2007 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros) B67m Mercado futuro: conceitos

Leia mais

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II

Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II Mercado de Renda Fixa Títulos Públicos Módulo II Professor: Paulo Lamosa Berger Agenda O valor do dinheiro referese ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta afirmação

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

Sicredi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Prime Longo Prazo (CNPJ n 08.252.576/0001-58) (Administrado pelo Banco

Sicredi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Prime Longo Prazo (CNPJ n 08.252.576/0001-58) (Administrado pelo Banco Sicredi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Prime (CNPJ n 08.252.576/0001-58) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE DERIVATIVOS: MERCADOS, ESTRATÉGIAS E GESTÃO DE RISCOS Por: Paulo Fernando Garrido da Costa Rodrigues Orientador Prof. Luciano

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

Mercado de Derivativos $

Mercado de Derivativos $ Mercado de Derivativos SWAPS Prof. Bertolo O que são SWAPS? São acordos estabelecidos entre duas partes visando a uma troca de fluxos de caixa futuros (sem trocar o principal) por um certo período de tempo.

Leia mais

Queluz Trader Fundo de Investimento Multimercado (CNPJ nº 09.052.643/0001-53) (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários

Queluz Trader Fundo de Investimento Multimercado (CNPJ nº 09.052.643/0001-53) (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Queluz Trader Fundo de Investimento Multimercado (CNPJ nº 09.052.643/0001-53) (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.) Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

Janeiro Fevereiro Março Abril. Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

Janeiro Fevereiro Março Abril. Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Como especular com contratos de dólar futuro Assim como as opções, o contrato futuro de dólar é um derivativo. No caso do contrato de dólar negociamos, através da Bolsa, contratos futuros da moeda americana

Leia mais

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA! O que é hedge?! Como estar protegido de um eventual prejuízo de uma operação financeira da empresa no futuro?! Como podemos hedgear uma operação efetuada em dólar?! Como

Leia mais

Contratos Derivativos Futuro Míni de Dólar Comercial

Contratos Derivativos Futuro Míni de Dólar Comercial Opções Sobre Futuro de Milho Contratos Derivativos Proteção contra variações do dólar comercial em datas futuras. O produto O Contrato Futuro de Do lar Comercial e o segundo contrato derivativo mais negociado

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03

TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03 TAXAS DE JURO ÍNDICE Contratos Pag. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03 2. Alterado pelo Ofício Circular 015/2002-DG, DE 01/02/2002 04 3. Novos procedimentos

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO DO MERCADO DE CAPITAIS BDMG CURSO ONLINE TEORIA E EXERCÍCIOS PROFESSOR CÉSAR FRADE

SISTEMA FINANCEIRO DO MERCADO DE CAPITAIS BDMG CURSO ONLINE TEORIA E EXERCÍCIOS PROFESSOR CÉSAR FRADE Olá pessoal! Alerto vocês para essa aula de hoje. É uma aula muito complicada e cheia de conceitos importantes e necessários para a perfeita compreensão da aula subseqüente. Estou colocando uma aula mais

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Conteúdo Introdução ao Termo de Moedas... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos Botões das Telas... 4 Registros... 5 Registro de Contrato a Termo Simples -

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com Boi - Mercado Mercado de Boi gordo - Brasil: * Maior exportador mundial, * Consumo interno: mais de 70%, * Maior rebanho comercial, * Perda de área para outras culturas. - Mundo:

Leia mais

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira DERIVATIVOS Por Abraão Maia Ulisses Malveira REVISÃO DE DERIVATIVOS Contratos a Termo O que é? Um contrato que lhe dá o direito de receber uma quantidade X de um produto Y. Quem? Duas pessoas, um comprador

Leia mais

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições

Instituto Educacional BM&F. MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições Instituto Educacional BM&F MERCADO DE OPÇÕES: Conceitos e Definições São Paulo, 2007 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros) B67m Mercado de opções:

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS COM NDF

O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS COM NDF UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Leonardo Marmitt O MERCADO DE DERIVATIVOS: ANÁLISE DE CASO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS

Leia mais

MAYCON BARION SOARES ESTRATÉGIA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE BOVINA: HEDGE DE COMPRA E VENDA

MAYCON BARION SOARES ESTRATÉGIA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE BOVINA: HEDGE DE COMPRA E VENDA MAYCON BARION SOARES ESTRATÉGIA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE BOVINA: HEDGE DE COMPRA E VENDA Monografia apresentada para conclusão do Curso de Zootecnia, Setor de Ciências Agrárias, da Universidade Federal

Leia mais

ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO CNPJ/MF 03.469.407/0001-50 REGULAMENTO

ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO CNPJ/MF 03.469.407/0001-50 REGULAMENTO ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ/MF 03.469.407/0001-50 REGULAMENTO CAPÍTULO I DO FUNDO 1.1 O ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS

Leia mais

O HEDGE COMO FERRAMENTA PARA DIMINUIÇÃO DOS RISCOS NAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA COOPERATIVA DE AGROALIMENTOS

O HEDGE COMO FERRAMENTA PARA DIMINUIÇÃO DOS RISCOS NAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA COOPERATIVA DE AGROALIMENTOS 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 O HEDGE COMO FERRAMENTA PARA DIMINUIÇÃO DOS RISCOS NAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA COOPERATIVA DE AGROALIMENTOS Edson Miguel Forigo (SEG) e_forigo@yahoo.com.br

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do Lotus Fundo de Investimento em Renda Fixa Brasília - DF Examinamos as demonstrações financeiras

Leia mais

ANEXO 4 PREMISSAS GERAIS DA CENTRAL DE EXPOSIÇÃO A DERIVATIVOS - CED

ANEXO 4 PREMISSAS GERAIS DA CENTRAL DE EXPOSIÇÃO A DERIVATIVOS - CED ANEXO 4 PREMISSAS GERAIS DA CENTRAL DE EXPOSIÇÃO A DERIVATIVOS - CED Capítulo I Premissas Gerais 1. O relatório da CED é uma consolidação, conforme critérios abaixo definidos pela CED, das informações

Leia mais

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 8c. MERCADO DE CUPÕES CAMBIAIS (Dólar doméstico) 1 Cupões Cambiais São aplicações financeiras em dólares teóricos, chamados de dólares domésticos.

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

Manual de Apreçamento da BM&FBOVESPA

Manual de Apreçamento da BM&FBOVESPA Classificação das Informações [ ] Confidencial [ ] Uso Interno [ x ] Uso Público ÍNDICE CONTRATOS FUTUROS FINANCEIROS E AGROPECUÁRIOS... 3 1. CONTRATOS FUTUROS SOBRE ATIVOS FINANCEIROS... 3 1.1. Contrato

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O. MARATONA PROGRAMADO FIA - BDR NIVEL I 21.363.225/0001-82 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O. MARATONA PROGRAMADO FIA - BDR NIVEL I 21.363.225/0001-82 Informações referentes a Maio de 2016 MARATONA PROGRAMADO FIA BDR NIVEL I 21.363.225/000182 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o MARATONA PROGRAMADO FUNDO DE INVESTIMENTO EM

Leia mais

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb

Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Análise da Necessidade e Periodicidade de Resgates para Aportes Periódicos Mensais em Cdb Fabiana de Jesus Peixoto fabi.contato@hotmail.com FATEC-BP Priscila Gandolfi Dell Orti priscilagandolfi@hotmail.com

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

Mecanica Operacional dos Mercados Futuros e a Termo. EAD Caderno 2 FEA / USP

Mecanica Operacional dos Mercados Futuros e a Termo. EAD Caderno 2 FEA / USP 2.1 Mecanica Operacional dos Mercados Futuros e a Termo EAD 733 - Caderno 2 FEA / USP 2.2 Contratos Futuros vs Contratos a Termo TERMO Contrato particular entre duas partes Contrato não padronizado Usualmente

Leia mais

2 Opções e Carteiras não lineares

2 Opções e Carteiras não lineares 22 2 Opções e Carteiras não lineares 2.1 Distinção entre derivativos lineares e não-lineares No capítulo 1 foram apresentados os principais derivativos utilizados no mercado de petróleo e derivados. Neste

Leia mais

Mercado de Derivativos

Mercado de Derivativos Mercado de Derivativos Contratos de Opções Prof. Bertolo OBJETIVOS Conceituar opções, Titular e Lançador, prêmio, valor intrínseco e extrínseco. Tipologia, modalidades e classificação de opções identificar

Leia mais

Atualizações da Versão... 3. Introdução às Opções Flexíveis... 5 Conhecendo o produto... 6 Ações dos botões das telas... 8. Lançamentos...

Atualizações da Versão... 3. Introdução às Opções Flexíveis... 5 Conhecendo o produto... 6 Ações dos botões das telas... 8. Lançamentos... Conteúdo Atualizações da Versão... 3 Introdução às Opções Flexíveis... 5 Conhecendo o produto... 6 Ações dos botões das telas... 8 Lançamentos... 9 Registro de Contrato... 10 Registro de Mercadoria...

Leia mais

Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias)

Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias) PERFIL DOS CLIENTES Pessoa Física: Investidores Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias) ATUAÇÃO Não Financeiros (Exportadores, Tradings, Indústria) Não Residentes (Agentes Financeiros,

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO 1. Classificação dos Títulos 1.1. Títulos públicos e privados 1.2. Títulos de crédito e de propriedade 1.3. Títulos de renda fixa e de renda variável

Leia mais

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos.

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos. Índice 1. Ações Quantidade de Ações Subscrição de Direito de Subscrição Custos Tributação Fatores de Risco Liquidação Leilão 2. Termo Mais sobre Termo Ordens Margens e Garantias Liquidação Fatores de Risco

Leia mais

www.leandrostormer.com.br

www.leandrostormer.com.br 1 OPERANDO OPÇÕES: CONCEITOS E ESTRATÉGIAS I. Introdução: Em primeiro lugar gostaria de deixar claro que este é apenas um resumo, uma pequena introdução a uma forma diferente de operar no mercado financeiro,

Leia mais

Simulado CPA 20 Gratis

Simulado CPA 20 Gratis 1 Simulado CPA 20 Gratis Question 1. O risco de crédito está associado a capacidade do emissor de um título em não honrar os pagamentos: ( ) Somente dos Juros ( ) Dos juros e do principal da dívida ( )

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F.

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. MERCADO DE CÂMBIO Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. Vale ressaltar que o câmbio futuro pode ser

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de outubro de 2011 para a apuração dos

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Informações referentes a novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de abril 2014 para a apuração dos preços

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Renda Fixa BRB Mais Brasília - DF Examinamos as demonstrações financeiras

Leia mais

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11.

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. O Lucro Líquido do 1T09 (sem ajustes) apresentou queda de 1,4%

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) Março 2011 GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro II. Exemplo de um Negocio com Futuros. Possíveis Resultados. Prf. José Fajardo Barbachan FGV-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro II. Exemplo de um Negocio com Futuros. Possíveis Resultados. Prf. José Fajardo Barbachan FGV-EBAPE Mercado a Termo e Futuro II Prf. José Fajardo Barbachan FGV-EBAPE Exemplo de um Negocio com Futuros Um investidor adquiere uma posição longa, no 3 de Junho, em 2 contratos futuros de Ouro para Dezembro

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio João Basilio Pereima Neto A combinação de política monetária com elevada taxa de juros em nível e política cambial está conduzindo o país à uma deterioração

Leia mais

PAGAMENTOS INTERNACIONAIS E TAXA DE CÂMBIO

PAGAMENTOS INTERNACIONAIS E TAXA DE CÂMBIO Pagamentos internacionais Como são feitos? Quais moedas são aceitas como meio de pagamento e em que proporção são trocadas umas pelas outras? Alterações da taxa de câmbio: afetam os preços relativos dos

Leia mais