Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Projeto Experimental Empresarial em Relações Públicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Projeto Experimental Empresarial em Relações Públicas"

Transcrição

1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Projeto Experimental Empresarial em Relações Públicas Ana Paula Fontoura Pereira Fabiana Fernandes Fernanda Guimarães Pablo Rocha Patricia Lima da Silva Porto Alegre 2009

2 2 Ana Paula Fontoura Pereira Fabiana Fernandes Fernanda Guimarães Pablo Rocha Patricia Lima da Silva Projeto Experimental Empresarial em Relações Públicas Trabalho acadêmico considerado requisito para obtenção de grau na disciplina Projeto Experimental Empresarial do curso de Relações Públicas da Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Orientadoras: Professoras Dra. Ana Baseggio e Ms Marisa Soares Revisora: Izabel Cristina de Freitas Ferreira Graduada em Língua Portuguesa, Literatura em Língua Portuguesa e Bacharel em Latim pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre 2009

3 3 Sumário INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO Dados de identificação Presidência e Diretoria Negócio da organização Produtos Serviços Organograma Construído para o Grupo ROE Histórico do Grupo ROE PRINCÍPIOS NORTEADORES Missão Valores da Missão Visão ANÁLISE DE AMBIENTES Análise do Macro ambiente Variáveis econômicas Variáveis Tecnológicas Variáveis Sociais e Culturais Variáveis demográficas Variáveis ecológicas Variáveis político-legais Análise do Setor Variáveis da Indústria Ciclo de vida do setor Atratividade do setor Análise micro ambiente Comunicação interna ANÁLISE DE PÚBLICOS Classificações de Públicos A Classificação de Públicos escolhida para o Grupo ROE Situação do Relacionamento do Grupo ROE com seus Públicos Diagnóstico Conclusões sobre a análise dos ambientes Relato dos pontos fortes e fracos analisando a comunicação da empresa com os diversos públicos comparando-a com a concorrência (setor de atuação); Público/problema a ser trabalhado... 40

4 Tabulação, análise e interpretação dos resultados Análise da pesquisa padronizada Prognóstico Políticas de Ações Quadro dos Pontos Fortes do Grupo ROE Quadro dos Pontos Fracos do Grupo ROE A COMUNICAÇÃO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES Aplicação no contexto do Grupo ROE PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO Programa I Arrumando a Casa Considerações finais Referências Apêndices Apêndice 1 Calendário de Reuniões com o cliente Apêndice 2 Modelo do formulário de pesquisa qualitativa aplicada com o Grupo ROE Apêndice 3 Tabulação da Pesquisa realizado com o Público Problema Anexos Anexo 1 Fotos da sede do Grupo ROE Anexo 2 Imagens do Site do Grupo ROE Anexo 3 Carta Acordo... 65

5 5 INTRODUÇÃO O trabalho a seguir surgiu na disciplina de Projeto Experimental Empresarial em Relações Públicas da Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. A partir deste projeto, teve-se a oportunidade de estudar e orientar o Grupo ROE (Robótica Educacional) quanto às ações Relações Públicas. A escolha pelo Grupo ROE justifica-se pelo encantamento do grupo por um dos valores que norteiam a organização: a sustentabilidade. Este é tema atual e que está em vogue na atuação de empresas do mundo todo e constantemente é abordado, em revistas, matérias de jornal e na mídia em geral. Esse conceito se aplica ao trabalho de Robótica Educacional desenvolvido pelo Grupo ROE, uma vez que eles utilizam materiais descartados para elaboração de projetos, tornando esse, o principal diferencial de sua atuação no mercado; diferente dos concorrentes, que trabalham com kits prontos industrializados. O presente projeto pesquisou, analisou e buscou compreender o setor da Robótica Educacional, um mercado até então desconhecido pelos realizadores deste projeto. Apesar de difícil e instigante teve-se a preocupação de apresentá-lo de forma clara e acessível ao leigo. Nas próximas páginas, apresentam-se análises de macro e micro ambientes, setor, públicos, diagnóstico, prognóstico e programas de comunicação sugeridos ao Grupo ROE. Este projeto pretende servir de auxílio à organização estudada, provendo informações para implementação das sugestões que foram desenvolvidas no período de agosto a dezembro de 2009.

6 6 RESGATE HISTÓRICO DA ROBÓTICA 1 Para compreender o contexto em que a robótica se insere nos dias atuais, é preciso retornar ao passado e analisar a criação e evolução da máquina. O século era o XVIII e a produção de bens materiais era concebida manualmente. Em 1775, com a Revolução Industrial, surgiram as primeiras máquinas industriais a vapor. Essa revolução marcou a história por introduzir a máquina no lugar de trabalho do homem, passando a ser caracterizada pela maquinofatura. No século XIX, aconteceu a segunda Revolução Industrial, que era abastecida pela exploração do petróleo e utilizava-se da eletricidade, acelerando os processos de produção e denominada como produção em escala. A Globalização e a Revolução Técnico-Científica trouxeram, além dos conseqüentes avanços nos transportes e nas telecomunicações, um processo novo de logística o qual as indústrias não precisam se instalar próximas ao mercado consumidor. O ano de 1970 foi o marco desse novo contexto capitalista, cujo mundo começa a consumir as novas tecnologias e passa a ser conhecedor dos produtos hi tech. A robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica, eletrônica e computação, que atualmente trata de sistemas compostos por máquinas e partes mecânicas automáticas e controladas por circuitos integrados, tornando sistemas mecânicos motorizados, controlados manualmente ou automaticamente por circuitos elétricos. Esta tecnologia, hoje adotada por muitas fábricas e indústrias, tem obtido de um modo geral, êxito em questões levantadas sobre a redução de custos e aumento de produtividade. O termo Robótica foi pela primeira vez usado pelo Checo Karel Capek ( ) numa Peça de Teatro - R.U.R. (Rossum's Universal Robots) - estreada em Janeiro de 1911 (Praga). Foi mais tarde popularizado pelo escritor de Ficção Cientifica Isaac Asimov, na sua ficção "I, Robot" (Eu, Robô), de Neste mesmo livro, Asimov criou leis que, segundo ele, regeriam os robôs no futuro: Leis da robótica. 1ª) Um robô não pode fazer mal a um ser humano e nem, por omissão, permitir que algum mal lhe aconteça. 2ª) Um robô deve obedecer às ordens dos seres humanos, exceto quando estas contrariarem a Primeira lei. 1 Fontes: Acessado em 18/11/2009.

7 7 3ª) Um robô deve proteger a sua integridade física, desde que, com isto, não contrarie a Primeira e a Segunda leis. A idéia de se construir robôs começou a tomar força no início do século XX com a necessidade de aumentar a produtividade e melhorar a qualidade dos produtos. Foi nesta época que o robô industrial encontrou suas primeiras aplicações, o pai da robótica industrial foi George Devol. Atualmente, devido aos inúmeros recursos que os sistemas de microcomputadores nos oferecem, a robótica atravessa uma época de contínuo crescimento que permitirá, em um curto espaço de tempo, o desenvolvimento de robôs inteligentes fazendo assim a ficção do homem antigo se tornar a realidade do homem atual. O país que mais tem investido na robotização das atividades industriais é o Japão, que possui uma indústria bastante diversificada, pesquisa e desenvolvimento de alto grau em tecnologia, pesquisas voltadas para o aprimoramento das tecnologias já existentes; destacado pelo desenvolvimento na produção automobilística, eletroeletrônica e informática. Possui também uma abundante mão de obra especializada, porém carece de matéria prima. Há alguns ramos da robótica que geram impacto social positivo. Quando um robô é na realidade uma ferramenta para preservar o ser humano, como robôs bombeiros, submarinos, cirurgiões, entre outros tipos. O robô pode auxiliar a re-integrar algum profissional que teve parte de suas capacidades motoras reduzidas devido à doença ou acidente e, a partir da utilização da ferramenta robótica, ser reintegrado ao mercado. Além disto, estas ferramentas permitem que seja preservada a vida do operador. A robótica educacional visa levar o aluno a questionar, pensar e procurar soluções, a sair da teoria para a prática usando ensinamentos obtidos em sala de aula, na vivência cotidiana, nos relacionamentos, nos conceitos e valores. Possibilita que a criança, como ser humano concebido capaz de interagir com a realidade, desenvolva capacidade para formular e equacionar problemas. Nesse ponto, a robótica educacional mais uma vez segue Piaget, filósofo da educação que trabalhou a conceito de interdisciplinaridade ( ), para quem o objetivo da educação intelectual não é saber repetir verdades acabadas, mas aprender por si próprio. Na teoria construtivista, o conhecimento é entendido como ação do sujeito com a realidade. Em ambientes de robótica educacional os alunos constroem sistemas compostos por modelos e programas que os controlam para que eles funcionem de uma determinada forma. Há forte necessidade de interação com o grupo. Não é impossível, mas um trabalho de robótica educacional levado a cabo apenas por um aluno terá grande

8 8 chance de insucesso, portanto a colaboração é indispensável. O grupo deve pensar em um problema e chegar à solução usando conceitos básicos de engenharia, componentes eletrônicos e programação de computadores. A robótica educacional vale-se de um sistema de exploração do conhecimento tradicional, pois sugere que o grupo conceba um projeto, levante hipóteses e faça levantamento de campo, bibliográfico e experimental, para depois confirmar ou refutar as hipóteses através da construção de um dispositivo robótico.

9 9 1. APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO «... as organizações surgem para desempenhar uma função que é sentida como necessária por outros agentes do meio ambiente.» António de Sousa O ROE é um grupo de pesquisas e desenvolvimento em robótica educacional, cuja proposta de sua atuação no mercado é auxiliar na formação e educação de crianças. Em síntese, o grupo ROE propõe-se a incentivar a criação, o desenho, o desenvolvimento e a programação através de projetos de elaboração de robôs, que está intimamente interligada com a solução de problemas do "mundo real", podendo proporcionar a cada um de seus alunos um embasamento sólido para o desenvolvimento de seus próprios projetos sustentáveis no futuro Dados de identificação Nome: Grupo ROE Razão social: Grupo de Pesquisa e Desenvolvimento em Robótica Educacional Sigla: ROE CNPJ: Em processo de regulamentação Localização: Av. Protásio Alves, 1041 sala 202. Bairro: Rio Branco. CEP Site: Descrição das instalações 2 : O Grupo ROE utiliza uma sala de 80m², no terceiro andar de um prédio comercial na Avenida Protásio Alves. O prédio pertence à ESC Informática e a sala utilizada pelo ROE é cedida através de parceria firmada no início de Este espaço compreende uma sala ampla e sem divisórias no qual todo o material utilizado está acomodado em pilhas de caixas no centro da sala e junto às paredes formando dois corredores. O local é também utilizado como depósito dos equipamentos da empresa ESC Informática. A sala é bem iluminada e possui uma bancada de trabalho próxima a janela, 2 Fotos da sede do Grupo ROE, conforme anexo 1.

10 10 onde há um computador, ferramentas utilizadas para testes dos projetos, uma cafeteira, um aparelho de som e um microondas. Na extremidade oposta à janela, ao lado da porta de entrada, existe um pequeno banheiro Presidência e Diretoria Wagner Prates Sócio-proprietário responsável pela Gerência administrativa administrativo Vinícius Cene Sócio-proprietário responsável pela Gerência Técnica Leandro Acácio Esvael Sócio-proprietário responsável pela Gerência de Criação e Pesquisa Negócio da organização Auxiliar na formação e educação das crianças através da aplicação de Robótica, em atividades lúdicas, onde serão apresentados problemas que devem ser solucionados e transformados em objetos concretos que terão movimentos autônomos Produtos Aproximadamente 90% dos materiais utilizados são reciclados (compreendem peças mecânicas, eletrônicas e elétricas que possibilitam a criação de outras peças, como demonstram as fotos abaixo). A maioria das peças provém de equipamentos eletrônicos descartados pela indústria eletrônica. O acesso a estes produtos ocorre na forma de parcerias com a empresa do ramo eletrônico, a ESC Informática.

11 11 Fotos dos projetos em construção, registradas pelos realizadores do projeto 1.5. Serviços Atividade extraclasse para alunos de ensino médio e fundamental, com aplicação de conceitos de robótica, relacionando-os com as disciplinas vistas no currículo convencional e com ambientes existentes na sociedade Organograma Construído para o Grupo ROE GRUPO ROE Leandro Esvael Gerência de Criação e Pesquisa Vinícius Cene Gerência Técnica Wagner Prates Gerência Administrativa Nome Leandro Acácio Esvael Vinícius Cene Wagner Prates Funções Criação do Site; Pesquisa para novos projetos; Assistência nas aulas Montagem eletrônica; Assistência nas aulas e Logística (motorista) Primeiro contato com o cliente; Controle financeiro; Escrever documentos; Gerenciar aulas; controlar matéria-prima

12 Histórico do Grupo ROE A idéia de trabalhar a robótica com materiais descartados surgiu em 2008 durante uma das aulas de Filosofia, Ética e Cidadania do curso de engenharia mecatrônica, cursado pelos sócios, em que o professor instigava muito a questão: Para que irá servir nosso conhecimento? Um dos sócios do ROE, Wagner Prates, instigado pelas indagações do professor, viu surgir a oportunidade de colocar está idéia em prática quando outro atual sócio, Vinícius Cene, trouxe a proposta de participar do Torneio Empreendedor promovido pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. Para tanto era preciso mais pessoas trabalhando neste projeto. Foi quando surgiu o terceiro sócio, Leandro Esvael, colega de aula de Vinícius. A participação no torneio não foi concluída, mas o desejo de trabalhar com robótica educacional permaneceu vivo. Em dezembro de 2008 já com o grupo formado, começaram a entrar em contato com escola, porém o período não era propício, e as escolas solicitaram que entrassem em contato no início do próximo período letivo. No principio do mês de janeiro de 2009, o Centro Integrado de Desenvolvimento (CID) recebeu o grupo e depois de ouvir a proposta fechou a parceria. Em março, o grupo passou a aplicar aulas extraclasses para 32 alunos, na escola. O Grupo ROE continuou buscando mais escolas para desenvolver seu trabalho, no entanto se deparou com algumas questões organizacionais, uma delas, não ser uma empresa juridicamente constituída, mostrou-se ser uma grande barreira. Atualmente o ROE continua trabalhando com apenas um cliente, o CID, e o contrato é somente verbal. O processo de regulamentação jurídica da organização está em andamento a partir de consultoria realizada com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE.

13 13 2. PRINCÍPIOS NORTEADORES "Seja flexível e, quando não puder aceitar os termos, aceite os meios termos. Porém, não confunda meios-termos com meios princípios. Meios princípios não existem". Ilie Gilbert Princípios norteadores das organizações são balizamentos para o processo decisório e para o comportamento da empresa no cumprimento de sua Missão. Os princípios orientam sua existência e a função que exerce na sociedade. Ao analisar o Grupo ROE, o presente projeto sugere pequenas modificações na missão, visão e valores Missão Auxiliar na formação de cidadãos responsáveis social e ambientalmente, através da educação e da construção do conhecimento, tornando-os capazes de aplicar soluções sustentáveis para o planeta. Sugestão do grupo Por meio da Robótica educacional, auxiliar na formação de cidadãos responsáveis social e ambientalmente, através da educação e da construção do conhecimento, tornando-os capazes de aplicar soluções sustentáveis para o planeta Valores da Missão O Grupo ROE não possuía registro dos valores que os norteariam, porém em pesquisa 3 aplicada com os sócios, foi formulada uma questão que perguntava quais os valores que orientariam o Grupo ROE e as respostas foram: 3 O formulário de pesquisa e as tabulações podem ser conferidas nos apêndices 2 e 3.

14 14 Responsabilidade social e ambiental; Desenvolvimento intelectual e social de casa indivíduo; Preocupação com o meio ambiente; Respeito ao ser humano; Comprometimento social e ambiental Visão Ser referência como ferramenta para melhoria da educação e no desenvolvimento de material educacional baseado na utilização de software livre e de produtos descartados pela sociedade. Sugestão grupo: Até 2015 ser referência como ferramenta de apoio à educação e no desenvolvimento de material educacional baseado na utilização de software livre e de sucata proveniente de materiais eletrônicos.

15 15 3. ANÁLISE DE AMBIENTES Segundo KOTLER e ARMSTRONG (2000) o ambiente de uma empresa consiste em atores e forças externas que afetam a capacidade da administração de marketing de desenvolver e manter relacionamentos bem-sucedidos com seus clientes-alvo. O ambiente em que uma organização está inserida oferece tanto oportunidades quanto ameaças, e, as empresas bem-sucedidas sabem que são vitais a observação e a adaptação constantes às mudanças do ambiente. Para analisar a conjuntura de uma organização, devem ser analisados o macro ambiente, o setor onde a organização está inserida e o seu macro ambiente Análise do Macro ambiente Segundo CHIAVENATO e SAPIRO (2003) a análise do macro ambiente é o contexto que envolve externamente a organização. É a situação dentro da qual uma organização está inserida. Assim, foi analisado o contexto atual da educação nacional, para situar o negócio do Grupo ROE. Ainda segundo os autores, a organização, sendo um sistema aberto, mantém transações e intercâmbios com o ambiente que a rodeia. Por decorrência disto, tudo que ocorre externamente influencia a organização. Para melhor compreensão do macro ambiente, a análise deste projeto separa suas esferas em variáveis. São elas: econômicas, tecnológicas, sociais e culturais, demográficas, ecológicas e político-legais Variáveis econômicas Para a análise das variáveis econômicas este projeto leva em consideração os seguintes aspectos: a globalização, o crescimento e oferta de serviços e o acirramento da concorrência no ambiente macro econômico. Vivemos em um mundo onde o intercâmbio de informações é amplo e globalizado. Tudo está conectado, possibilitando que a informação seja transmitida a todos, em âmbito nacional ou global. A economia sofre influência direta da

16 16 globalização, podendo oscilar em todo o mundo em função de um único fato isolado, uma pequena crise iniciada em algum ramo econômico. O Brasil apresenta um nível de desenvolvimento que cresce a cada dia. Em vários setores da sociedade, como economia e política, é visível a velocidade das mudanças. A organização que não acompanha o ritmo destas mudanças acaba ficando obsoleta. Considerando a estreita ligação entre economia e política, é possível estabelecer um parâmetro para analisar a educação pública, que ainda necessita de intensos investimentos econômicos e mudanças políticas para que no futuro possa ser considerada de boa qualidade. Em contra partida, o sistema educacional privado apresenta números bastante animadores, com um crescente ingresso de novos alunos nas escolas. Há uma diferença que deve ser levada em consideração no momento de analisar essas duas realidades: enquanto o setor público busca melhorar a educação do Brasil, o setor privado se aprimora e traz novidades para dentro da escola. Como afirma Cobra (2004, p. 33): Na educação está ocorrendo um verdadeiro processo de revolução, com acelerado crescimento em alguns setores e completa mudança de rumo de outros. Este crescimento acelerado demonstra a urgência em utilizar novos instrumentos para manter a família e os alunos fiéis às instituições de ensino. O que provoca uma busca crescente de ferramentas de comunicação e divulgação para criar credibilidade perante os públicos. No que se refere à educação pública, observa-se um declínio nas condições de ensino, o que já é percebido pelos públicos como baixa qualidade, além da falta de professores, infra-estrutura precária e sensação de insegurança. Estes fatos fazem com que o ensino público perca credibilidade e as pessoas desacreditem na educação de base, oferecida como um direito de todo cidadão. Fonte: SCHOFFEN (2006) 4. Este panorama favorece as instituições de ensino privado, que conquistam o público preocupado com a educação de seus filhos e que investe parte do orçamento doméstico para garantir uma boa educação. (Ibdem 4 ). As escolas particulares oferecem atividades extraclasses dos mais variados segmentos, abrindo espaço no mercado para organizações terceirizadas que aliam conhecimento na área humana ou tecnológica à educação básica. 4 Programa de Pós-Graduação da Unisinos. SCHOFFEN Leocádia Inês Historicizando a (des)construção da gestão democrática em São Leopoldo: um olhar sobre o papel do CEPROL Sindicato, do Executivo Municipal e das direções das escolas.

17 17 No segmento da robótica educacional, a concorrência ainda é pequena, mas com a velocidade de atualização da tecnologia, em breve será um setor com poderes para afetar o macro ambiente. O Grupo ROE, por apresentar uma proposta diferenciada de robótica educacional, tem grandes chances de se inserir nas escolas de ensino privado, pois estas buscam oferecer o maior número possível de atividades extraclasse. Hoje, poucas escolas oferecem atividade de robótica extracurricular, portanto, analisa-se uma grande oportunidade de atuação do Grupo ROE, podendo assim, aumentar seu número de clientes, auxiliando na formação e na educação das crianças Variáveis Tecnológicas 5 Em qualquer sociedade ou indústria, o nível de tecnologia exerce um papel significativo na determinação dos produtos, dos serviços, dos equipamentos e de como diversas operações serão administradas. (STONER, 1999). A tecnologia é um componente do ambiente na medida em que as organizações precisam absorver e incorporar as inovações tecnológicas externas em seu interior. É também parte interna das organizações na medida em que é pesquisada, desenvolvida ou transferida e aplicada internamente para atingir objetivos organizacionais. Desse modo, a tecnologia é uma variável ambiental que influencia o comportamento das organizações e uma variável interna, através da qual a organização influencia o seu ambiente e as demais organizações nele inseridas. O grau de influência que uma organização sofre das inovações ou junto com elas age sobre o ambiente, depende de alguns fatores, como o ramo de atividade da organização, os produtos ou serviços por ela produzidos, as tecnologias de processos de produção e de operações e os equipamentos utilizados, a amplitude e variedade das atividades, mercados abrangidos pelos produtos ou serviços, matérias-primas ou informações utilizadas como insumos. As organizações que atuam num ambiente tecnológico incerto e dinâmico apresentam estruturas e processos internos diferentes das que atuam num ambiente tecnológico mais certo e imutável. Isso foi observado nas organizações estudadas por Lawrence, Lorsch, nas quais havia departamentos com pesquisa fundamental e pesquisa aplicada para mantê-las atualizadas (HALL, 1984; LAWRENCE, 1973). 5 Fundamentação extraída do site

18 18 Projetos de desenvolvimento tecnológico em qualquer área chegam às organizações prontos para serem executados. Ao deixarem de ser propriedades privadas de um indivíduo ou organização, as idéias começam a circular e tornam-se parte do ambiente. Uma idéia inovadora quando atinge o ambiente externo é passiva de ser copiada e até melhorada por outras organizações. Estas variáveis consideram melhorias científicas, invenções e mudanças tecnológicas no setor, internet, automação e informática. Esta é a força com maior expressão atualmente, em razão das novas tecnologias utilizadas na fabricação de produtos que geram grandes oportunidades de mercado e proporcionam um valor superior à satisfação das necessidades dos consumidores e estimulam cada vez mais os investimentos no setor. O Grupo ROE integra o uso da tecnologia com a educação, pois através de conhecimentos técnicos da mecatrônica é possível desenvolver e transmitir aos alunos os projetos propostos pela organização. Em função da importância da internet nas variáveis tecnológicas, um capítulo a respeito deste assunto foi incluído para melhor analisar tais variáveis. Relações Públicas e Internet - Em sua essência, as atividades de relações públicas oferecem informação para fornecer subsídios aos componentes de seus diversos públicos na tomada de decisão. Na medida em que as estatísticas mostram que 81% dos usuários usam a rede para pesquisar novos produtos; 84% dos internautas sentem que a internet os ajuda a tomar melhores decisões e 63% das pessoas navegam com um propósito específico, a conclusão óbvia é: as relações públicas precisam estar na rede mundial disponibilizando a informação que irá auxiliar a uma infinidade de pessoas nas tomadas de decisões, conforme afirmam Sherwin e Avila (1999). Para Pinho (2003), a própria natureza da rede mundial oferece características que favorecem o trabalho de relações públicas. A comunicação, por exemplo, deixou de ser um monólogo para transformar-se em um diálogo, aproximando-se do modelo mais efetivo de comunicação em relações públicas, como uma via dupla: emissor-receptor e receptor-emissor. As características de velocidade e de instantaneidade da internet também são positivas, pois o profissional de relações públicas tem a possibilidade de responder de imediato a situações de crise, de reagir logo às notícias e de capitalizar rapidamente certas situações favoráveis.

19 19 Assim, Pinho (2003, p. 19) ressalta: As novas tecnologias causam significativas transformações na sociedade, provocando mudanças de hábitos e de comportamento. Não foi diferente com a internet, caracterizada como tecnologia emergente, de manejo relativamente simples e como uma promissora ferramenta de comunicação, um meio bastante diferenciado da mídia tradicional: televisão, rádio, cinema, revista e jornal. O termo internet surgiu com base na expressão inglesa Interaction ou interconnection between computer networks. Assim, internet é a rede das redes, o conjunto das centenas de redes de computadores conectados em diversos países, explica Pinho (2003). Os benefícios que a internet pode trazer para os programas e para as estratégias de relações públicas decorrem, principalmente, de características e aspectos próprios. Entre eles, sua condição de mídia de massa e de ferramenta para a comunicação com a imprensa, a sua capacidade de localização do público-alvo, a presença em tempo integral, a eliminação das barreiras geográficas e as facilidades que permite para a busca da informação e administração da comunicação em situações de crise. O Grupo ROE possui um site bem estruturado que deve ser amplamente explorado para estabelecer uma ferramenta de comunicação com seus públicos. A linguagem usada no momento não é a mais adequada, mas as ferramentas de relações públicas podem auxiliar a construção de uma linguagem que seja adequada para a comunicação com as escolas, os alunos e todos os públicos atingidos. Quadro: Intervalo entre a descoberta de um novo meio de comunicação e sua difusão Meio de comunicação Tempo de aceitação Período Imprensa 400 anos De 1454 ao século XIX Telefone 70 anos De 1876 até o período posterior à Segunda Guerra Mundial Rádio 40 anos 1895 até o período entre as duas guerras mundiais Televisão 25 anos 1925 até os anos 50 Internet 7 anos 1990 até 1997 Fonte: Pinho 2003, p. 39

20 Variáveis Sociais e Culturais Atualmente, as escolas inserem atividades extracurriculares para sanar a demanda que vem surgindo em virtude da mudança de comportamento nas famílias, com inserção da mulher no mercado de trabalho. No passado, a criança ia para escola em um único turno e ficava a cargo da mãe instruir e orientar os filhos para as decisões que tomariam ao longo de sua vida, apresentando um universo de possibilidades de enriquecimento cultural que direcionava a criança a descobrir e/ou desenvolver suas habilidades. Hoje, na ausência da mãe, que está ocupando grande parte do seu tempo no mercado de trabalho, as escolas suprem essas necessidades oferecendo a mesma proposta de educação, por meio de atividades complementares, para que o tempo e o aprendizado das crianças possam ser otimizados, despertando a curiosidade e o interesse para o que mais lhe atrai. Analisando o Relatório de Tendências de Faith Popcorn, é possível estabelecer relação entre a demanda provocada em virtude da mudança de comportamento nas famílias e a tendência SOS - Salve o social (POPCORN, 1993, p. 80/1): O que é exatamente a tendência S.O.S.? É qualquer esforço que contribua para tornar os anos 90 a primeira década realmente responsável em termos sociais: a Década da decência, dedicada aos três Es críticos: Ecologia, Educação e Ética. [...] Fazer o bem não é mais uma opção é um dever. As escolas particulares, seguindo esta tendência, aproximam a educação tradicional das novas tecnologias, unindo os conteúdos básicos às discussões sociais presentes atualmente. Assim, promovem a oportunidade dos estudantes interagirem durante as atividades extraclasse, focando os projetos de aula na preocupação com a sociedade, com o meio ambiente e com os princípios éticos. É possível perceber que as escolas oferecem cada vez mais cedo estes serviços, buscando envolver e atrair os estudantes desde o ensino fundamental. A tendência S.O.S. descreve a linha norteadora da missão e os valores do Grupo ROE, ajustando-se claramente à missão da organização: Auxiliar na formação de cidadãos responsáveis social e ambientalmente, através da educação e da construção do conhecimento, tornando-os capazes de aplicar soluções sustentáveis para o planeta. Além da tendência S.O. S, ainda é possível estabelecer relação com a

21 21 Tendência A Aventura da Fantasia, do mesmo relatório. Esta tendência sugere uma forma de fugirmos um pouco do casulo, mas voltando a ele depois, escapando fisicamente para nossos casulos em busca de conforto; escapando emocionalmente para nossas fantasias em busca de alívio. Esta tendência trata exatamente da saída indireta através do consumo, pois até mesmo na experiência mais comum queremos ser transportados com segurança para fora de nossas vidas. As aulas de robótica permitem uma viagem ao mundo da tecnologia. Criar um robô é uma fantasia que permite sair do casulo sem correr riscos. Assim o Grupo ROE pode se beneficiar desta tendência, explorando a fantasia dos alunos e de seus pais. Atualmente, a criança também é consumidora e exigente, explicando a relação que se estabelece Variáveis demográficas 6 Referem-se às pessoas que constituem os mercados, isto é, o público-alvo. As empresas têm muito interesse no tamanho e na taxa de crescimento populacional em diferentes mercados, assim como na distribuição etária, no composto étnico, nos níveis educacionais, nos padrões de moradia, nas características regionais, etc. Através de um aprofundamento em pesquisas demográficas é possível que a empresa concentre seus esforços em determinadas ações com vistas a atender características próprias de públicos específicos, por exemplo: crianças com poder de compra, casais jovens com dupla fonte de renda e sem filhos, profissionais liberais solteiros, universitários, etc. O Grupo ROE tem grande oportunidade neste sentido, pois quanto mais aumentar a taxa de natalidade, maiores as chances de atuação nas escolas de ensino fundamental. Tamanho, densidade e distribuição geográfica populacional (panorama recente) - A distribuição da população do País por faixas etárias mostrou, com os resultados da PNAD 2006, que a tendência observada, em anos anteriores, de envelhecimento populacional persistiu. Enquanto as faixas etárias mais jovens, de uma forma geral, registraram 6 Extraído da pesquisa nacional por amostra de domicilio síntese de indicadores 2006 Disponível em: Acesso em: 06 set

22 22 percentuais menores do que os observados em 2005, as faixas de idade mais elevadas mostraram aumento na participação da população total residente. A taxa de fecundidade, em 2006, estimada em 2,0 nascimentos por mulher, confirmou a tendência de queda, uma vez que, em 2005, esta taxa foi de 2,1 nascimentos por mulher. Todas as regiões tiveram comportamento similar na estrutura etária, ou seja, redução no percentual de crianças e aumento do percentual de pessoas com idade mais avançada, o que é verificado a partir das proporções de pessoas de 0 a 9 anos e de 40 anos ou mais de idade no total da população residente para Brasil e Grandes Regiões. De acordo com estes dados, o movimento foi ainda mais acentuado nas Regiões Sudeste e Sul do que o observado para o País. Nessas regiões, a diferença entre as participações dos grupos de idade apresentados ultrapassou 20 pontos percentuais. Nível de escolaridade - Em 2006, do total de pessoas de 5 anos ou mais de idade no Brasil (173 milhões, aproximadamente), cerca de 54,9 milhões eram estudantes. Houve um aumento de 0,9% do número total de estudantes em relação ao ano de Elevação que foi maior nas Regiões Norte e Centro-Oeste (1,3%, em ambas). Ao observar os percentuais das pessoas de 5 anos ou mais de idade, segundo os grupos de idade e sexo, que freqüentavam escola em 2006, a presença na escola foi maior no grupo de 7 a 14 anos de idade. Em 2006, 97,6% das pessoas de 7 a 14 anos de idade estavam na escola, ou 0,3 ponto percentual acima do registrado em Este aumento da presença escolar é uma oportunidade para o Grupo ROE. Nas Regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, mais de 98% das pessoas de 7 a 14 anos de

23 23 idade estavam na escola. Nas Regiões Norte e Nordeste, este percentual foi de 96,0% e 96,9%, respectivamente. Crescimento e envelhecimento populacional - Nos últimos anos, o Brasil vem apresentando um novo padrão demográfico que se caracteriza pela redução da taxa de crescimento populacional e por transformações profundas na composição de sua estrutura etária, com um significativo aumento do contingente de idosos. Estas modificações, por seu turno, têm imprimido importantes mudanças também no perfil epidemiológico da população, com alterações relevantes nos indicadores de morbimortalidade, juntamente com outros temas relacionados sobre saúde e demografia. As doenças infecto-contagiosas, que representavam cerca de metade das mortes registradas no País em meados do Século XX, hoje são responsáveis por menos de 10%, ocorrendo o oposto em relação às doenças cardiovasculares. Em menos de 50 anos, o Brasil passou de um perfil de mortalidade típico de uma população jovem para um desenho caracterizado por enfermidades complexas e mais onerosas, próprias das faixas etárias mais avançadas. (Fonte: IBGE 7 ). Em contrapartida a variável de nível de escolaridade, o envelhecimento da população configura-se como uma ameaça ao Grupo ROE Variáveis ecológicas 8 Referem-se à situação ecológica geral que cerca a organização (Hall, 1984), incluindo as condições físicas e geográficas (tipo de terreno, clima, vegetação, etc.) e sua utilização pelo homem. Oliveira (1988) e Vasconcellos Filho (1985) citam como componentes das variáveis ecológicas o nível de desenvolvimento ecológico; o índice de poluição (sonora, atmosférica, hidrológica, visual) e a legislação sobre uso do solo e meio ambiente. Vasconcellos Filho (1985) lembra que existem outros componentes a serem considerados de acordo com o âmbito de atuação de cada organização. 7 Site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Indicadores Sociodemográficos e de Saúde no Brasil Disponível em: < Acesso em: 06 set Adaptado da Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia de Produções e Sistemas. Disponível em: Acesso em 06 set

24 24 Pode-se considerar estas variáveis ecológicas sob dois aspectos: ecologia natural e ecologia social. (HALL, 1984). A ecologia natural diz que as organizações operam dentro de ecossistemas naturais e físicos que podem, em algum grau, ser modificados pelo homem, ou seja, trata especificamente dos aspectos ecológicos relacionados com o efeito sobre os seres vivos (Stoner, 1985). As relações entre as organizações e a ecologia ficam mais evidentes com a recente preocupação com o sistema ecológico total (Hall, 1984). Há alguns anos, a ecologia não era considerada um componente ambiental importante, talvez em decorrência da industrialização brasileira ainda incipiente. Hall (1984) comenta que um aspecto mais sutil das condições ecológicas é que o ambiente afeta as organizações. O clima e a geografia, por exemplo, estabelecem limites sobre a forma como as organizações distribuem seus recursos. Quando uma organização está distante de seu mercado ou clientes, os custos de transportes e comunicação se elevam. Deve-se considerar como limites de uma organização até mesmo despesas de aquecimento e refrigeração. Já a ecologia social trata das condições decorrentes da proximidade de outras organizações. Hall (1984) explica que as organizações com quem uma organização mantém contatos e relações e o ambiente em que se localiza, constituem elementos que compõem o sistema social ecológico da mesma. Observa que numa área urbana a probabilidade de contatos de uma organização com outras é maior do que numa área rural. O ROE utiliza matéria-prima reciclada. Todo o seu trabalho demonstra a preocupação com o meio ambiente e o fim adequado de materiais que poderiam ser descartados inadequadamente, aumentando a poluição. Sua ação demonstra a responsabilidade ambiental, além de incentivar a consciência ecológica nas crianças Variáveis político-legais 9 Constituídas por leis, normas, decretos, acordos, tratados e afins que são outorgados por governos e grupos de pressão que possuem influência sobre várias organizações e indivíduos da sociedade. Algumas vezes, oportunidades são criadas em virtude de leis que beneficiam determinados setores, como as leis ambientais que exigem 9 Adaptado da Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia de Produções e Sistemas. Disponível em: Acesso em 06 set

25 25 o reaproveitamento de refugos de produção, o que beneficia a indústria da reciclagem. Assim como leis que regem as ações de empresas em relação às suas políticas sociais. Elas dependem do contexto político-econômico-social, mas qualquer que seja seu fundamento, a legislação vigente (seja a tributária, trabalhista, comercial, etc.) tem influência acentuada sobre o comportamento das organizações (Hall, 1984). Hall (1984) comenta que quase todas as organizações são afetadas pelo sistema legal, de forma direta ou indireta. A maioria das organizações precisa conviver constantemente com leis federais, estaduais e municipais. Estas leis estabelecem as condições de operação de muitas organizações, como a proibição de determinados tipos de comportamentos até regulamentos que exigem a comunicação da renda e condições de pessoal em certos períodos do ano. A importância das leis pode ser observada pelo staff jurídico e outros especialistas contratados especialmente para interpretar e proteger as posições da organização. É importante observar o aspecto dinâmico do sistema legal, quando uma nova lei é aprovada ou uma interpretação é modificada ou, ainda, quando ocorrem mudanças fundamentais na lei. As organizações precisam fazer as alterações necessárias, caso a lei seja relevante para elas (HALL, 1984). As variáveis políticas decorrem das políticas e critérios de decisão adotados pelos governos federal, estaduais e municipais, como também pelos governos estrangeiros quando suas decisões têm influência sobre as atividades da organização (HALL, 1984, STONER 1985). As variáveis políticas influem o clima político e ideológico geral que o governo pode criar e a estabilidade ou instabilidade política e institucional do país em geral, já que estes fatores repercutem em algum grau no comportamento das organizações. Isso pode ser melhor compreendido através da visualização dos componentes destas variáveis políticas, arrolados por Vasconcellos Filho (1985). São eles: partidos políticos, sindicatos, instituições religiosas, forças armadas, associações de classe, empresas multinacionais, empresas estatais, ministérios, secretarias de Estado, poder legislativo, poder judiciário, poder executivo, regime de governo, importância relativa dos fatores de poder, tipos de relacionamentos entre fatores, tipos de participação dos fatores, política monetária, política tributária, política de distribuição de renda, política de relações internacionais, legislação (federal, estadual, municipal), política de estatização, política de segurança nacional, etc. Para Hall (1984), as leis não são aprovadas sem que haja pressão política, que repercute sobre as organizações. Uma das ações políticas de maior pressão é o lobby que, em períodos eleitorais, afetam organizações.

26 26 As organizações do setor privado são menos afetadas do que as organizações do setor público, o que não as isenta de ficar sintonizadas com o clima político. Uma prova da importância do fator político para as organizações são as contribuições empresariais ilegais feitas a partidos políticos, indivíduos nacionais e estrangeiros. Também a "propaganda institucional", a qual busca gerar apoio público para a organização envolvida, revelando a importância das variáveis políticas na sociedade maior no que tange às organizações que nela estão contidas. Para obter uma atuação dentro das leis e das normas, o Grupo ROE precisa constituir-se juridicamente, investindo assim no seu crescimento empresarial e adequando-se as exigências legais impostas à atuação das organizações de qualquer natureza Análise do Setor Segundo Chiavenato e Sapiro (2003), a análise setorial se refere à investigação, monitoramento e previsões a respeito do setor de negócio da organização. Ao analisar seu setor de atuação, a organização precisa ter uma percepção mais definida das oportunidades e ameaças ambientais que podem influenciar seu desempenho competitivo. Algumas variáveis devem ser analisadas isoladamente, como variáveis da indústria, ciclo de vida e atratividade do setor. Para situar o setor, um panorama geral aborda a educação: As necessidades do mundo atual exigem uma formação que permita o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes de pessoas que saibam lidar com mudanças e situações inesperadas. Para preparar os alunos para uma sociedade cada dia mais tecnológica, em que as habilidades de tomada de decisão e competência técnica serão um diferencial, o Grupo ROE trabalha estas habilidades com as turmas do ensino fundamental. Hoje, Porto Alegre conta com muitas escolas que disponibilizam aos seus alunos cursos e atividades extracurriculares. Mas poucas oferecem a robótica educacional entre as atividades. A inserção de recursos tecnológicos como forma de auxílio na educação é um dos grandes debates dos educadores no Brasil. Em países de primeiro mundo esse assunto já foi superado, pois a maioria da população já tem acesso a recursos como computador, internet e programas educativos na escola e até na própria residência.

27 27 O Grupo ROE possui grande concorrência com empresas que disponibilizam Kits prontos para trabalhar com robótica para as escolas. Porém, possui o diferencial de estar presente com orientadores das atividades propostas. Os Kits desenvolvidos pelos concorrentes possuem preços elevados para alguns seguimentos de público, todavia o material utilizado pelo ROE é sucata de materiais eletrônicos, eliminando o custo dos kits. Para possibilitar o diferencial no mercado são necessários alguns conceitos de marketing, contudo, cada empresa aplica o que se adapta a sua filosofia e realidade. Kotler (2004, p. 62) escreve: Instituições educacionais variam no uso de idéias modernas de marketing. Algumas universidades e faculdades estão começando a aplicar ativamente idéias de marketing, enquanto muitas escolas particulares estão ainda se conscientizando sobre o que marketing tem a oferecer. Escolas públicas, em geral, não têm mostrado qualquer interesse em marketing, mas gostariam de maior apoio público. Diversos profissionais da educação vêm buscando compreender melhor como o marketing educacional funciona. As instituições de ensino não vendem um produto, mas sim, um serviço, e este precisa satisfazer às necessidades dos clientes. Atualmente este tem sido um mercado muito concorrido, faculdades e escolas privadas travam uma briga acirrada por alunos, e o marketing vem sendo considerado como uma força poderosa. Segundo Cobra (2004, p. 68): O marketing está se tornando matéria de interesse crescente nas escolas, universidades, faculdades e outras instituições educacionais. O declínio de matriculas, o aumento de custos operacionais e as incertezas sobre o futuro do setor contribuem para o aumento desse interesse. Instituições outrora passivas no atendimento e na captação de alunos têm sido forçadas a se tornar mais ativas nesse processo. Não raro são os departamentos de marketing dentro das organizações, pois é necessário manter-se atento às mudanças do mercado e dos consumidores, como completa Cobra (2004, p. 55): Esse cenário torna propício a construção e o desenvolvimento de modelos de marketing que sejam adequados às especialidades do setor educacional, considerando idiossincrasias e particularidades. Como o ensino se tornou um produto e sua oferta é grande, as instituições têm usado de muitas estratégias para atrair clientes, no caso alunos, para suas instituições. No exterior, muitos estudiosos vêm tratando deste assunto por perceber que as organizações estão buscando profissionais desta área para trabalhar a comunicação que é feita dentro e fora da organização.

28 28 Kotler (1994, p. 70) escreve: Faculdades e universidades americanas, outrora passivas no atendimento de quaisquer que fossem os estudantes que batessem em suas portas, têm sido forçadas a tornarem-se mais ativas no recrutamento de alunos devido à redução no número de candidatos a seus cursos. A mudança de táticas tem levado a uma variedade de novas abordagens para atrair alunos. A situação apresentada no Brasil é de forte concorrência. Tendo em vista que o ensino público no nosso país não está recebendo a atenção que merece. Cobra (2004, p. 65) é um dos autores brasileiros que vem dando atenção a este assunto e afirma: No Brasil os problemas de marketing enfrentados pelas instituições de ensino são muitos porque poucos se deram conta de sua importância. As organizações, especialmente as educacionais, precisam focar não só na oferta e a disponibilidade, mas também as necessidades do seu público. Mas as organizações, mesmo sem entender direito sobre a conceitualização do marketing, já aplicam suas ferramentas para atrair novos públicos ou mesmo manter satisfeitos os já existentes. A preocupação em fidelizar os clientes tem sido constante nas instituições de ensino. Não Somente a concorrência pode afetar a organização, fatores internos, como boatos, ruídos na comunicação, entre outros, podem prejudicar a instituição. As empresas que utilizam ferramentas de marketing já entenderam que o cliente está atento e extremamente exigente Variáveis da Indústria Concorrentes - O mercado de robótica educacional cresce visivelmente, hoje no Rio Grande do Sul existem pelo menos quatro empresas que atuam neste segmento, são elas: Lego, Vex Robótica, Fisher e Price, que encontraram um nicho de mercado nas escolas particulares, geralmente as empresas atuam com atividade extraclasse como complementação das matérias ministradas em sala de aula.

29 29 Tabela de análise da concorrência do Grupo ROE Concorrente Localização Como atuam Canais de comunicação VEX LEGO FISCHER PRICE Greenville USA América e Europa Brasil São Caetano do Sul (SP) América, Ásia e Europa A VEX fornece a seus clientes um kit completo e pronto do projeto a ser desenvolvido. Não há profissionais da empresa diretamente envolvidos com os alunos EDAcom é representante da LEGO Education no Brasil. Fornece os Kits completos e prontos. Não há profissionais da Lego diretamente envolvidos com os alunos Fornece o kit completo e pronto. Faz treinamento com os professores e se isenta do ensino ao aluno. representantes mostras competitivas Modelix Inglaterra e Brasil Fornece Kits prontos Escolas em que atuam em Porto Alegre Colégio Americano Colégio Marista Assunção Escola Liberato Escola Salzano Viera da Cunha Emílio Meyer Escola José Mariano Beck Fundação Bradesco- Gravataí Santa Inês site em construção Todas as escolas da rede Marista Produtos e serviços substitutos - Identificamos que a maioria das escolas de ensino fundamental e ensino médio possuem outras atividades extraclasse, tais como: atividades físicas (natação, futebol, balé, entre outros) oficinas de teatro, música, oficinas de botânica, etc. Essa demanda de atividade que o mercado oferece às escolas como serviços que não fazem parte do currículo escolar, logo os alunos terão liberdade de escolha quanto a estas atividades, escolhendo a que mais se identificam. Poder de compra dos clientes - O mercado da Robótica está inserido nas classes A e B, pois são as escolas particulares que oferecem este tipo de serviço. O poder de compra está ligado ao nível financeiro dos pais dos alunos. No contexto da Robótica, uma das dificuldades são os custos elevados dos produtos, pois são importados e caros, o que pode dificultar o poder de compra mesmo entre a classe média. O Grupo ROE transpõe essa barreira econômica, pois trabalha com sucata eletrônica.

30 Ciclo de vida do setor A robótica atualmente é uma área de pesquisa que se encontra em plena expansão, onde cada vez mais robôs são empregados em soluções de problemas cotidianos. Como a robótica é uma área multidisciplinar, ela permite que todos os conceitos teóricos adquiridos em um curso sejam aplicados para soluções de problemas reais. É nesse contexto que a robótica educacional se insere, pois ela possibilita vivenciar experiências que até o momento só eram possíveis no campo teórico e, concomitante a isto, estar em contato com uma tecnologia atual e desafiadora. Nesta etapa serão explorados conceitos-chave necessários para o trabalho com sistemas. Segundo Paulo Blikstein, Dr. em Educação pela Northwestem University, a robótica é uma ferramenta fantástica porque permite que a criança construa projetos que antes eram inviáveis. Para ele, a robótica educativa deve acontecer em comunhão com o ambiente escolar promovendo a interdisciplinaridade, assim o conhecimento que a criança venha a adquirir será completo e amplo. Por fim, este setor mostra-se em pleno crescimento. Ainda há muito que ser desenvolvido e investido em pesquisas e projetos Atratividade do setor O crescimento atual da robótica tanto educacional como competitiva demonstra que este setor merece maior atenção. Analisando o crescimento deste mercado, percebe-se que nos últimos anos vem ganhando espaço nas escolas brasileiras, e desperta interesse entre crianças e jovens de todas as idades além dos adultos, já que a robótica aborda noções de informática, lógica, física e matemática, estimulando o aprendizado e a multidisciplinaridade Análise micro ambiente De acordo com Kotler e Armstrong (2000), o micro ambiente consiste em forças próximas à empresa, ou seja, os fornecedores, as empresas do canal de

31 31 marketing, os concorrentes e os públicos, etc. Estas forças podem afetar a capacidade de servir seus clientes. Para Kotler (2000) analisar o micro ambiente incide em avaliar periodicamente as forças e fraquezas internas. E estar sempre observando as oportunidades e ameaças que surgem no macro ambiente. O Grupo ROE é constituído por três sócios, estudantes de engenharia mecatrônica e elétrica, sendo dois deles formados em curso técnico de elétrica. Possuem o mesmo nível hierárquico, porém cada um exerce sua função dentro da empresa. Por ser uma empresa nova, ainda não existe uma cultura solidificada, gerando certa dificuldade na captação de clientes. Um fator negativo para o Grupo ROE é possuir apenas uma escola como cliente, o que dificulta sua atuação e permanência no mercado de trabalho. Um diferencial dentro da concorrência é trabalhar com sucata eletrônica, assim sua principal matéria-prima não gera custos para a manutenção da organização, não dependendo de fornecedores formais e não conta com a atuação de intermediários. O ROE utiliza uma sala de 80m² no terceiro andar de um prédio comercial na Avenida Protásio Alves, nº 1041, cedida através de parceria com a ESC Informática. Os clientes potenciais do Grupo ROE são as escolas particulares com atividades extraclasse. O Centro Integrado de Desenvolvimento, seu atual cliente, é uma escola que une a ação transdisciplinar entre educação e saúde. São públicos da organização os diretores e orientadores pedagógicos das escolas particulares, responsáveis pelo poder de decisão quanto às atividades extraclasse, os alunos e os pais dos alunos, além da comunidade onde a escola está inserida. Como meio de comunicação, o Grupo ROE possui um site para interação com os públicos externo: Comunicação interna A Comunicação Interna são as interações, os processos de trocas, os relacionamentos dentro de uma empresa ou instituição, que se tornam responsáveis por fazer com que as informações circulem dentro da organização. 10 Conforme imagens do site no anexo 2.

32 32 A comunicação interna deve ocorrer em primeiro momento de forma vertical, ou seja, da direção para os níveis subordinados; e num segundo momento de forma horizontal, entre os subordinados; no entanto, no caso da organização estudada neste projeto, o Grupo ROE, ela ocorre horizontalmente, pois todos se encontram no mesmo nível hierárquico. Para Marchiori, (2001, p. 46) [...] a busca da valorização da comunicação interna deve ser entendida como estratégia básica dos empresários que desejam a efetividade de sua organização. Chega a ser irônico pensar que neste novo mundo, altamente tecnológico, com tantas transformações, o sucesso de um empreendimento continua a estar centrado nas pessoas. É por meio da comunicação que uma organização recebe, oferece, canaliza informação e constrói conhecimento, tomando decisões mais acertadas. a) Comunicação Interna: O grupo ROE tem como ferramenta de comunicação interna o uso de e reuniões. b) Cultura: A fragilidade da estrutura organizacional do grupo ROE dificulta a percepção quanto a sua cultura; entretanto, podemos dizer que os princípios e valores que estão intrínsecos no desempenho de suas atividades seriam a cultura adotada por eles. c) Estrutura da organização: a estrutura está sendo construída, atualmente ela é constituída apenas pelos sócios. Estilo de liderança - Embora a estrutura organizacional proposta pelo grupo ROE se mostre horizontal, há uma disfunção no papel de liderança, onde um dos membros assume este papel de forma autocrática. Este tipo de liderança se caracteriza pelo foco nas tarefas e pelas tomadas de decisão sem consulta aos outros membros do grupo.

33 33 4. ANÁLISE DE PÚBLICOS Público, segundo Kotler (1998) citado por Fortes (2003), é qualquer grupo que tem interesse ou impacto real ou potencial sobre as condições de a empresa atingir seus objetivos. Para Andrade (2001, p.91), temos o seguinte conceito de público: É um agrupamento espontâneo, constituído de pessoas, encarando uma controvérsia ou interesse, com idéias divididas quanto à solução ou medidas a serem tomadas, com oportunidade para discutir e emitir sua opinião, mediante a interação pessoal ou o uso dos veículos de comunicação. Além disso, o autor ainda cita que cabe às Relações Públicas a importante tarefa de caracterizar públicos às instituições, facilitando a discussão e fornecendo as informações que são características fundamentais e indispensáveis para criar um verdadeiro público. Complementando, Hirschman (1973) acrescenta que cuidar do público é se preocupar com o patrimônio da empresa e seu sucesso futuro, pois é dele que vem o lucro adquirido Classificações de Públicos O modelo de Hirschman (1973) classifica os públicos como de saída, de voz e de lealdade. O público do tipo saída caracteriza-se pela ação dos públicos de saírem do sistema, caso não legitimem as ações organizacionais. O público do tipo voz tem origem na ação dos públicos de se manterem no sistema, tentando intervir nas decisões organizacionais. Já o tipo de público lealdade caracteriza-se pela ação dos públicos de manterem-se no sistema, colaborando com a consecução dos objetivos da organização, sem tentarem alterar as decisões organizacionais.

34 34 França (2004, p. 105;9;11) classifica seus públicos em três categorias: essenciais, não-essenciais e de redes de interferência. Os essenciais são aqueles públicos juridicamente ligados à organização e dos quais depende para a sua constituição, manutenção de sua estrutura, sobrevivência e para a execução de suas atividades-fim. Os públicos não-essenciais definem-se como redes de interesse específico pelo grau de maior ou menor participação nas atividades da organização; são considerados não-essenciais, pois, não participam das atividadesfim, mas tão-somente das atividades-meio; não estão ligados aos fatores produtivos, mas à prestação de serviços ou à intermediação política ou social. Atuam externamente na promoção institucional, corporativa e mercadológica da organização ou intermediando os relacionamentos com o mercado. Públicos de redes de interferência representam públicos especiais do cenário externo das organizações, que pelo seu poder de liderança operacional ou representativa junto ao mercado e à opinião pública podem gerar interferências indesejáveis para a organização ou podem apoiá-ias, como seria esperado. Essa classificação inclui públicos do cenário externo. Há ainda, a teoria apresentada pelo Professor Simões que resgatou o teórico francês, Lucien Matrat que diz que os públicos podem exercer maior ou menor poder nas organizações dependendo da conjuntura em que estão inseridos. Matrat (Simões, 1995) baseado no critério de poder, estabelece até que ponto determinado público pode influenciar uma organização ou ser influenciado por ela, e contempla os constantes deslocamentos dos públicos em relação às fronteiras organizacionais (que são móveis). Ou seja, o público que apóia a organização, é seu parceiro em uma situação, na semana seguinte, devido a determinadas circunstâncias, pode ser aquele que inicia um processo de desgaste da imagem ou gera comprometimento nas relações do sistema social organização - públicos. Matrat classificou os públicos quanto ao tipo de poder que exercem sobre as organizações. Enquadrou-os em quatro tipos distintos: Decisão Situa os públicos que pelo seu poder permite o surgimento e a permanência legal da organização por meio de leis pré-estabelecidas e aplicadas através de registros e alvarás. Consulta São os públicos que a organização costuma consultar antes de agir. Conselhos diretivos, órgãos parceiros, etc. Comportamento Destes depende o avanço ou retrocesso das ações da organização. Como os funcionários, fornecedores, empregados terceirizados. Opinião Exercem poder pela simples manifestação de seu julgamento e seu ponto de vista. Os formadores de opinião são capazes de influenciar o modo de pensar

35 35 de outros indivíduos. Podem ser jornalistas, especialistas, ou pessoas que exercem liderança sobre outros A Classificação de Públicos escolhida para o Grupo ROE Analisando o contexto em que o Grupo ROE está inserido e mapeando seus públicos, este projeto de comunicação se baseia na classificação de Matrat. Os alunos responsáveis por este trabalho defendem que a classificação de públicos apresentada por Matrat, baseada no critério da relação de poder, é a que melhor contempla os constantes deslocamentos dos públicos em relação às fronteiras organizacionais. Esses públicos podem exercer maior ou menor poder nas organizações dependendo da conjuntura em que estão inseridos. O critério de poder deixa claro até que ponto determinado público pode influenciar uma organização ou ser influenciado por ela. E isso pode mudar. Em suma, o público que apóia a organização, é seu parceiro em uma situação, na semana seguinte, devido a determinadas circunstâncias, pode ser aquele que inicia um processo de desgaste da imagem ou gera comprometimento nas relações do sistema social organização - públicos. Em função das fronteiras organizacionais serem facilmente transponíveis, Matrat está sendo considerado como o teórico que melhor contempla as diferentes níveis de relacionamento com os públicos.

36 Consulta Decisão Situação do Relacionamento do Grupo ROE com seus Públicos Segmentos de Públicos Sóciosproprietários Prefeitura Municipal CREA/RS SEBRAE Professores de Engenharia da PUCRS Publicações Especializadas Perfil Estudantes de Engenharia Mecatrônica, do sexo masculino, com idade entre 22 e 32 anos, Poder executivo representado pelos órgãos de fiscalização e controle de alvarás Conselho Regional responsável pela fiscalização e regulamentação dos profissionais de engenharia e arquitetura Entidade privada e de interesse público, apóia a abertura e expansão dos pequenos negócios Mestres e doutores da PUCRS do curso de engenharia, que são professores dos sócios Revistas mensais, de circulação nacional, especializadas em mecatrônica e robótica Relacionamento (ações e instrumentos) Poder decisório compartilhado entre os sócios Eficácia (ações e instrumentos) A organização cumpre aquilo a que se propõe Problemas de Relacionamento Não foram identificados Não há relacionamento - Processo de regulamentação Não há relacionamento - Consultoria, orientações Suporte e orientação Leitura dos periódicos especializados para atualização dos projetos Contato conforme demanda Contato conforme demanda Proporcione diversidade na construção dos projetos desenvolvidos Ainda são estudantes, não possuem registro no CREA/RS Não há Não há Não possuem assinatura dos periódicos

37 Opinião Comportamento 37 Sóciosproprietários Cliente Alunos Familiares dos Alunos Sociedade Imprensa Imprensa especializada Formadores de Opinião Escolas Particulares Estudantes de Engenharia Mecatrônica e elétrica, do sexo masculino, com idade entre 22 e 32 anos Diretores e orientadores pedagógicos da Escola Particular de Porto Alegre Centro Integrado de Desenvolvimento CID Crianças de 5 a 14 anos estudantes do ensino fundamental de escola particular Diversas faixas etárias, não sendo possível estabelecer perfil preciso Pela variedade de públicos, não é possível estabelecer um perfil Jornais e revistas do RS Revistas focadas no universo da tecnologia Professores e Profissionais da área de engenharia que expressam sua opinião Escolas que não são clientes Divisão das tarefas conforme habilidades de cada sócio Contrato verbalmente firmado para formalização do serviço Aulas expositivas e participativas nas escolas clientes com material reciclável para confecção dos projetos. Não há ações para este público Postura ética, responsabilidade social Não possuem relacionamento com este segmento de público Não há ações dirigidas a este público Não há ações dirigidas a este público Não há ações dirigidas a este público Os projetos atendem as expectativas do cliente A relação cumpre o acordo verbal estabelecido As crianças respondem favoravelmente aos projetos propostos - Reaproveitamento de sucata eletrônica redimensionando sua utilização Dificuldade quando eles não conseguem resolver alguma demanda técnica Não há formalização jurídica da prestação dos serviços Não há material de apoio para todas as crianças / falta de técnica pedagógica para melhor condução das aulas Relacionamento indireto, através dos alunos Materiais que não podem ser reaproveitados ficam sem um destino correto - Falta de relacionamento - Falta de relacionamento - Falta de relacionamento - Falta de relacionamento

38 38 5. Diagnóstico Para compreender melhor a atuação do GRUPO ROE no mercado de trabalho é imprescindível diagnosticar o processo organizacional. Conforme Simões (2001, p. 36; 37): O diagnóstico é a conclusão da análise de como se encontra a organização em face dos interesses de todos os seus públicos ou de um, especificamente. Isto implica de início, a busca de dados, ou seja, pesquisar sobre a organização, sua missão, seus públicos, seus interesses, os canais de comunicação com o público e também sobre a conjuntura local, regional, do país e muitas vezes, mundial. Todos os dados necessitam ser analisados para se chegar à informação, isto é, a síntese de tudo: o problema é suas inúmeras facetas. O diagnóstico auxiliará o profissional de Relações Públicas a decidir sobre as vitaminas ou remédios que deverão ser colocados no processo. Se bem que, antes da medicação, ele deverá imaginar os fatos no futuro, em cada uma das possíveis circunstâncias. A partir de visitas realizadas à estrutura do ROE e reuniões com os integrantes da organização, elaborou-se o seguinte diagnóstico: após observação do setor da Robótica e a atuação do Grupo ROE, percebe-se que o mesmo não possui uma estrutura empresarial que a caracterize ou a denomine como uma organização. Embora internamente não haja essa estrutura, o Grupo ROE conhece seus concorrentes e o trabalho que desenvolvem no mercado atualmente. Organização é a maneira como se organiza o sistema (um conjunto de partes, interligadas e coordenadas para realizar determinados objetivos). Segundo Montana (2003, p.170), organizar é o processo de reunir recursos físicos e humanos essenciais à consecução dos objetivos de uma empresa. Segundo March e Simon (1970), a organização é uma rede de tomadas de decisões. A eficiência dessa rede depende da articulação de diversos fatores estruturais e comportamentais. Nas organizações, da mesma forma que existe uma hierarquia de objetivos e cargos, existe uma hierarquia do processo de decisão. Esta tomada de decisão é atribuída aos líderes da organização. O Grupo ROE desenvolve seu trabalho sem apoio de planejamento, plano de aulas, verificação de materiais necessários para sustentação das aulas. Além de não possuir material de apresentação para prospectar novos clientes ou proposta de contrato sugerida. A partir destas constatações e análise da concorrência, é possível afirmar que o

39 Externo Interno 39 Grupo ROE trabalha sem os elementos apontados por Montana quanto ao que uma organização precisa ter. Foi diagnosticado também, que o Grupo ROE, por toda a sua proposta de trabalho, apresenta plenas condições, se mudar de postura, de crescer e posicionar-se junto ao mercado onde atua Conclusões sobre a análise dos ambientes O Grupo ROE atua em um segmento pouco explorado atualmente, porém existem empresas bem estruturadas que já atuam neste mercado. Os concorrentes apresentam uma proposta diferente da realizada pelo grupo ROE, mas boa parte das escolas de ensino privado acaba aderindo aos KITS de Robótica da Lego, da VEX, etc., diminuindo a chance de crescimento do Grupo ROE. Além desta concorrência no mesmo segmento, podem-se considerar outras atividades extraclasses como concorrentes, pois são atividades substitutas. A tabela abaixo apresenta as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças dos ambientes do Grupo ROE. Forças O material utilizado pelo Grupo ROE é sucata de materiais eletrônicos; Integração das aulas de robótica com as disciplinas inseridas no currículo escolar; Aulas ministradas por profissionais da área de robótica; Carisma com as crianças; Oportunidades Kits prontos possuem o preço elevado; Grandes números de escolas oferecem atividades extracurriculares, mas poucas oferecem a atividade de robótica; Fraquezas Não estão estruturados como uma organização; Escassez no material escolar para a elaboração dos projetos propostos; Contrato verbal com as escolas; Pouco planejamento das aulas; Pouco tempo de aula para elaborar um projeto; Ameaças Concorrência acirrada; Outras disciplinas inseridas como atividade complementar;

40 Relato dos pontos fortes e fracos analisando a comunicação da empresa com os diversos públicos comparando-a com a concorrência (setor de atuação); Por ser uma empresa de pequeno porte, porém ainda não registrada, sua rede de relacionamento é restrita. O público-alvo do Grupo ROE são as escolas particulares de ensino fundamental que possuem atividade extraclasse, e a comunicação com este público é estabelecida informalmente. Como ferramenta de comunicação, o Grupo ROE possui um site de fácil navegação e de contato. Os concorrentes do Grupo ROE trabalham com Kits prontos de robótica, diferente da sua proposta de trabalho, facilitando a atuação do ROE em algumas escolas. Além disso, nenhum dos concorrentes possui o diferencial de manter os profissionais dentro da sala de aula, transferindo para a escola, na figura do professor, a responsabilidade de transmitir os conceitos de robótica. Este sem dúvida é um diferencial que deve ser explorado na divulgação do trabalho do Grupo ROE Público/problema a ser trabalhado A partir do diagnóstico realizado, identificou-se que o público a ser trabalhado deve ser o interno, por entender-se que o Grupo ROE não possui estrutura organizacional adequada, faltando elementos fundamentais para seu crescimento. A pesquisa realizada pretendia confirmar a observação e mensurar até que ponto os sócios do Grupo tinham consciência da falta de estrutura Tabulação, análise e interpretação dos resultados Para a realização da pesquisa com o público problema a ser trabalho foi utilizada a técnica de entrevista padronizada. Entrevista padronizada é aquela em que o entrevistador segue um roteiro previamente estabelecido; as perguntas feitas ao indivíduo são predeterminadas. Realiza-se de acordo com um formulário elaborado e é efetuada de preferência

41 41 com pessoas selecionadas de acordo com um plano. Neste caso, com os três sócios do Grupo ROE. O motivo da padronização é obter, dos entrevistados, respostas às mesmas perguntas, permitindo que todas elas sejam comparadas com o mesmo conjunto de perguntas, e que as diferenças devem refletir diferenças entre os respondentes e não diferenças nas perguntas (MARCONI, 2009 p. 16). O pesquisador não tem liberdade de modificar a ordem dos tópicos ou de fazer outras perguntas. O objetivo desta pesquisa é mensurar o grau de consciência dos sócios do Grupo ROE a respeito da estrutura organizacional de seu negócio. O formulário confeccionado e as tabulações obtidas a partir da pesquisa padronizada encontram-se no apêndice 2 e 3 deste documento Análise da pesquisa padronizada As análises da pesquisa aplicada estão separadas por pergunta realizada, na mesma ordem do formulário utilizado: Todos os sócios estão alinhados no que diz respeito a sustentabilidade, referência feita na missão da empresa. Porém cada um utiliza um enfoque diferente. Foi analisado que o um dos sócios quer passar conceitos de tecnologia e vinculá-lo ao respeito ao meio ambiente. Outro quer auxiliar na formação de pessoas responsáveis que saibam gerar soluções sustentáveis para problemas cotidianos e o terceiro relaciona a educação à consciência ambiental. Quase a totalidade respondeu que os valores que norteiam o ROE são responsabilidade social e ambiental. Conclui-se que os sócios não compartilham na sua totalidade, dos mesmos valores. Não houve unanimidade em relação aos valores citados pelos sócios e a aplicabilidade no cotidiano. Conclui-se que os sócios não estão alinhados no que diz respeito a valores da empresa, sendo assim, não há convergência para uma mesma prática de valores. Através das respostas obtidas com a questão 4, que solicitava a descrição das atividades desempenhadas na empresa, conclui-se que cada sócio tem estabelecido uma atividade específica na administração organizacional.

42 42 A próxima pergunta questionava sobre eventuais dificuldades em desempenhar suas atividades. Todos os sócios apresentam dificuldades em desempenhar suas atividades. Dentre as apresentadas foram apontadas atividades administrativas e teóricas, a falta de interesse pela parte burocrática e na execução de algumas montagens mecânicas. Ao serem questionados sobre quais características identificavam na organização, entre várias escolhas, todos os dos sócios apontaram o empreendedorismo, diferencial competitivo, conhecimento na área de atuação e flexibilidade. Quando questionados sobre as dificuldades encontradas pelo Grupo ROE, foram apontadas a comunicação com os clientes, a captação de novos clientes e a falta de profissionais capacitados em outras áreas para atuação no Grupo. Conclui-se que cada sócio tem uma percepção diferente das dificuldades da empresa. Cada sócio apontou uma percepção diferente do mercado que estão inseridos. Dentre as respostas apresentadas está a forte expansão do setor, a falta de informação sobre as escolas que se interessam pela robótica e como ponto positivo a pouca concorrência. Quando questionados sobre as principais barreiras do mercado, os sócios apresentaram pontos diferentes, dois ressaltaram a concorrência forte de empresas solidificadas e mais atrativas e um relatou que a principal barreira são as atividades extraclasse. Conclui-se que todos percebem que há concorrência para seus negócios, seja por uma empresa concorrente direta, ou por atividades que podem substituir a robótica enquanto atividade extracurricular. Cada sócio tem uma visão de futuro diferente. Conclui-se que eles não estão, teoricamente, alinhados quanto à visão da empresa. Porém as opiniões convergem para um posicionamento de reconhecimento de mercado e significativa carteira de clientes.

43 43 6. Prognóstico Após o diagnóstico, faz parte de um trabalho completo apresentar o prognóstico e na seqüência a política de ação. Conforme Simões, (2001, p. 37). Após o diagnóstico, deve-se inferir o que acontecerá no futuro, prever, caso nada ou algo seja feito pelos lideres organizacionais, em termos de modificações nas políticas organizacionais. O prognostico é o fenômeno mental de juntada de dados do aqui e agora com as possibilidades das evoluções internas e externas da organização para o futuro. O raciocínio abstrato é extremamente exigido e a prática com os casos passados pode ajudar. A previsão do fenômeno do futuro não é absolutamente um ato adivinhatório, mas um processo científico. Uma previsão científica é racional ao máximo (intuitiva ao mínimo), pois é uma conclusão de premissa explicitamente afirmada (Bunge, 1974, p.220). O prognóstico confirmará o que deverá ser, ou não, realizado e a urgência da intervenção. Há correlação positiva entre o correto prognóstico e o êxito da assessoria e dos projetos de comunicação. Ao se ter estes elementos partem para dar pareceres às lideranças organizacionais sobre suas políticas e, conforme as decisões tomadas por elas, implementam-se os projetos de comunicação. Conforme apresentado acima no diagnóstico, o grupo ROE precisa ampliar sua visão organizacional e aproximar profissionais de outras áreas para fundamentar melhor as suas propostas de trabalho, além de estruturar-se em todos os âmbitos necessários (jurídico e organizacional). Caso o Grupo não resolva essas questões, está fadado a não sobrevivência nesse mercado, pois só serão vistos pelas escolas (seus clientes diretos) como uma empresa legitima e confiável quando se apresentarem de tal forma.

44 44 7. Políticas de Ações Para Pereira (1999, p. 135), as políticas de ações não consistem em uma lista arbitrária de dados, mas em uma construção elaborada capaz de fornecer informações sobre o momento atual e um referencial preditivo para o comportamento futuro da empresa. Destaca ainda que o diagnóstico organizacional pode ser definido como uma avaliação do estado atual de uma organização e objetiva: 1) descobrir suas forças, vantagens ou pontos fortes, bem como as estratégias para explorá-los ao máximo ; e 2) identificar suas fraquezas, desvantagens ou pontos fracos, buscando eliminá-los ou pelo menos abrandar os seus efeitos (ibidem). Analisando o Grupo ROE, foi possível destacar alguns pontos fortes e propor estratégias para maximizar estes pontos. Da mesma forma, foi possível verificar pontos fracos, que podem significar o futuro fracasso da organização e também propor estratégias para contornar estes pontos, evitando problemas maiores decorrentes destas fragilidades. Para melhor visualização dos pontos fortes e fracos do Grupo ROE, estes foram organizados em forma de quadros Quadro dos Pontos Fortes do Grupo ROE Pontos Fortes Diferencial entre a concorrência Matéria prima sem custo Aulas ministradas por profissionais da área da robótica Estratégias (ações para capitalizar) Maximizar a utilização de sucata eletrônica / divulgação do trabalho com crianças especiais Campanhas de arrecadação de matéria prima, envolvendo a comunidade escolar Evidenciar aos públicos de interesse a presença integral do profissional da área em sala de aula Comunicação - Instrumentos Profissionalizar o evento da mostra de trabalhos dos alunos realizada no final do ano, convidando públicos estratégicos Divulgação nas aulas e materiais explicativos do que pode ser arrecado, estimulando a consciência ecológica Na proposta de prospecção de clientes, apresentar este diferencial valorizando este benefício.

45 Quadro dos Pontos Fracos do Grupo ROE Pontos Fracos Falta de material de apoio Falta de estrutura organizacional Aula sem planejamento Linguagem técnica, não atinge o público alvo Atendimento a crianças especiais, sem orientação pedagógica especializada Possuir apenas um cliente Falta de material para prospecção de clientes Estratégias (ações para capitalizar) Criar uma lista de materiais para cada aluno trazer nas aulas Formalização da organização Elaboração de planejamento das aulas e dos projetos para o ano Aproximação da organização com seus públicos de interesse através de linguagem adequada Contratar um consultor de pedagogia Prospecção de novos clientes Elaborar material para prospecção Comunicação Instrumentos Pasta com plano de aula, cronogramas e materiais necessários para o curso Criação do plano estratégico da organização Documento entregue à área pedagógica das escolas com o planejamento de aula completo para o ano Readequar a linguagem do site e seguir a mesma linha aos materiais de apoio Elaborar plano pedagógico e evidenciá-lo no planejamento de aula Através do plano estratégico e adequação de linguagem Incluir este item no planejamento estratégico

46 46 8. A COMUNICAÇÃO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES A palavra comunicação deriva de communicare que, em latim, significa tornar comum, partilhar, repartir, associar, trocar opiniões ; portanto, pode ser entendida como um processo social dinâmico, contínuo e complexo, que se apresenta no dia-a-dia das organizações em distintas dimensões. Lesly (2002) diz que a habilidade de se comunicar é uma parte tão básica da experiência humana que é isso que faz possível tudo aquilo que diferencia o homem do resto da criação. A habilidade de uma pessoa de se inter-relacionar com outra, através da troca de idéias, é o primeiro passo que diferencia o ser humano das outras criaturas. A comunicação comunitária surgiu com as necessidades locais e serve aos interesses aglutinados em torno das associações comunitárias. Quando desenvolvida em bases democráticas, configura não só o acesso a ela, como também a partilha do poder de difundir conteúdos e de gerir a instituição, como afirma Peruzzo (2007). A comunicação comunitária ganha papel de relevo na construção da cidadania, pois possibilita novas formas de atuação para as relações públicas, oferecendo alternativas à sociedade civil e aos grupos populares organizados. Como afirma Murade (2007, p. 160): A comunicação/relações públicas tem por função desenvolver a inquietude social e, assim, formar a cidadania. O dissenso é um meio para chegar à cidadania, que só será efetivada quando se conseguir formar agentes de mudança dispostos a correr riscos para construir um mundo melhor. Para Kunsch (2007), as relações públicas comunitárias pressupõem uma atuação interativa, em que o profissional é um articulador e um incentivador mais do que um simples transmissor de saberes e aplicador de técnicas aprendidas na universidade. São inúmeras atividades que o profissional de relações públicas disponibiliza para desenvolver políticas sociais dentro das organizações. Além das mais conhecidas e rotineiras, adaptadas às questões sociais, ele pode usar novos instrumentos, condizentes não só com a imposição do atual panorama social, como também com as novas tecnologias e as novas exigências da sociedade, como afirma Oliveira (2007). Kunsch (2003) continua a afirmar que as Relações Públicas, como área profissional, se aplicam em qualquer tipo de organização. Tradicionalmente estavam mais centradas no âmbito empresarial e governamental. Mas, nas últimas décadas, o panorama mudou. E com o fortalecimento da sociedade civil, a valorização do

47 47 terceiro setor, o crescimento do número de organizações não-governamentais, além da existência de inúmeras outras entidades com ou sem fins lucrativos, as possibilidades aumentaram muito. Fortes (2003) assegura que a sociedade atual se caracteriza por um ambiente que privilegia o conhecimento e a informação, devido às mudanças e às evoluções tecnológicas, constata que as organizações que procuram obter êxito em seus empreendimentos devem consolidar os relacionamentos com públicos. O sistema, conforme o autor, é gerenciado pela área de Relações Públicas que possui conhecimento necessário para desenvolver e implementar políticas de comunicação entre as organizações e seus diversos públicos Aplicação no contexto do Grupo ROE A comunicação para as organizações possui estratégias e ferramentas específicas para o desenvolvimento da missão e que a mesma seja de compreensão de todos os públicos da organização. A comunicação interna do Grupo ROE possui apenas um mural 11 próximo a mesa de trabalho que não é atualizado e os s dos sócios proprietários para troca de informações. Para os demais públicos o ROE possui um e- mail de atendimento e o site de fácil navegação. O Grupo ROE não possui outros canais formais de comunicação com seus públicos. 11 Foto do mural no anexo 1.

48 48 9. PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO Após as análises de ambiente e a elaboração do diagnóstico, identificou-se a necessidade de propor um programa de comunicação que auxilie o Grupo ROE a organizar e estruturar a empresa de forma coordenada e planejada Programa I Arrumando a Casa Principio das Relações Públicas: antes de tudo arrumar a casa e, somente depois divulgá-la. Roberto Simões No diagnóstico apresentado neste projeto, foi ressaltado que o Grupo ROE não possui estrutura organizacional adequada. Porém, o serviço que o ROE oferece é de interesse pertinente à sociedade moderna em que vivemos por aliar a tecnologia ao respeito com o meio ambiente. Toda empresa precisa ter uma organização bem estruturada, identidade e funcionalidade definidas. Desta forma, os realizadores deste trabalho propuseram ao ROE a melhoria da estrutura organizacional, adequando-a as exigências do mercado para assim terem condições de atingir seus objetivos. Stoner (1992), afirma que estrutura organizacional é a forma pela qual as atividades de uma organização são divididas, organizadas e coordenadas. Ou seja, o planejamento que se estabelece a fim de guiar o trabalho a ser desenvolvido. O objetivo deste programa é oferecer ao ROE, uma proposta de estruturação que uma vez concluída, abra espaço para ações de comunicação a fim de divulgar seu trabalho e legitimá-los perante seus públicos. Este programa é direcionado aos membros do Grupo ROE. Período de realização: Dezembro de 2009 a janeiro de Este programa deve ser iniciado em dezembro, pois em janeiro de 2010 deve ser enviado às escolas prospectadas o material de divulgação, uma vez que este é o prazo limite para contratações de serviços extraclasse para o ano letivo.

49 49 Estratégias 12 : 1) Revisar e ampliar o plano de negócios; 2) Traçar as estratégias imediatas e as de médio e longo prazo a fim de identificar o que é importante e o que é urgente; 3) Criar apresentação do Grupo ROE para prospecção de clientes; 4) Elaborar o plano de aulas que será apresentado à coordenação pedagógica das escolas e futuros clientes; 5) Elaborar pasta para os alunos, podendo chamá-lo de kit escolar contendo: informativo sobre o Grupo ROE, plano de aulas para acompanhamento dos pais, lista de materiais necessários para o desenvolvimento das aulas, cartão de visitas do ROE; 6) Elaborar um manual de prospecção e apresentação do negócio do Grupo ROE a novos clientes, com os seguintes pontos: Quadro: Pontos a serem seguidos para criação de um manual de prospecção de clientes Prospecção de clientes Apresentação - Examinar fontes de dados (jornais, catálogos de setor); Mapeamento dos possíveis clientes 13 - Indicação qualificada; - Levantamento de possíveis clientes na internet; - Colocar estandes em feiras setoriais; Contato com empresas do - Realizar visitas aos possíveis clientes; segmento - Participar de eventos do setor; - Banco de dados atualizado, Investir no marketing de - Unificação da identidade visual; relacionamento - Postura pró ativa vendas ; - Primeiro contato por telefone para agendar visita; Abordagem do cliente - Envio da apresentação da empresa via ; - Visita pessoal e apresentação do projeto; - Apresentar dados da estrutura da organização; - Apresentar trabalhos já desenvolvidos no atual cliente; - Apresentar planejamento de aula para o ano letivo; Material de apoio - Lista de materiais necessários por cada aluno; - Apresentar a proposta de custos com a identificação de todos os compromissos que estão cobertos - Elaborar um marketing com informações sobre robótica; Acompanhamento do setor - Assinar revistas especializadas e utilizá-las para fundamentar seus projetos; Comunicação/Instrumentos para acompanhamento visual das estratégias traçadas e sua concretização, o mural interno pode ser utilizado como ferramenta de comunicação, dando motivação e servindo de referência aos membros do Grupo ROE. 12 A avaliação destas estratégias deve ser realizada em períodos pré-determinados pelos sócios e revisadas conforme os objetivos da organização. A cada passo superado, uma revisão deverá ser efetuada a fim de garantir a eficiência das estratégias. 13 O Guia de Escolas de Porto Alegre elaborado pelo Grupo RBS, foi entregue ao Grupo ROE para colaborar na mapeamento dos novos clientes.

50 50 Recursos necessários Humanos e tecnológicos Custos a organização da estrutura do Grupo ROE, por tratar-se basicamente de alternativas administrativas e comportamentais, não depende de orçamentos para ser realizada. Todas as ações necessitam apenas de aprovação e boa vontade por parte dos sócios. Cronograma com lista de providências e controle AÇÃO DEZ JAN FEV MAR Revisar e ampliar o plano de negócios X Traças as estratégias X Apresentação para prospecção de clientes X Plano de aulas X Pasta alunos Kit Escolar X Manual de Prospecção constante revisão X X X X Sistema de avaliação A proposta do Programa Arrumar a Casa é tornar-se um processo permanente de gestão organizacional do Grupo ROE. Em função deste caráter permanente, não será possível mensurar os resultados dentro do período de elaboração deste projeto. Como sugestão de avaliação periódica dos resultados obtidos e mensuração do desempenho da organização, o projeto propõe: 1) Prospecção de novos clientes. A aceitação no mercado e o conseqüente aumento de clientes é a forma eficaz de mensurar os resultados do programa. 2) A partir da aplicação da proposta, o crescimento econômico do Grupo ROE será o maior indicativo de sucesso do programa.

51 51 Considerações finais A movimentação do mercado exige que as organizações, para manterem-se atuantes, devem acompanhar e adaptarem-se as constantes mudanças, mantendo sua carteira de clientes, porém sem deixar de investir na estrutura organizacional. Para suprir esta demanda e conquistar novas fatias de mercado é necessário inovar e apresentar atraentes propostas de trabalho. Neste contexto, o Grupo ROE apresenta ao mercado um diferencial relevante na área da Robótica Educacional, que instiga a capacidade de criação de crianças por trabalhar com um produto não convencional na área: sucata eletrônica. Realizar este projeto junto ao Grupo ROE foi um desafio extenuante. A fim de compreender o mercado, foi necessário mergulhar no universo da robótica, inclusive, realizando um resgate histórico, pois se tratava de uma área completamente alheia ao conhecimento do grupo de alunos realizadores deste projeto. Nesta construção, esbarrou-se em várias dificuldades, dentre elas, falta de informações quanto às estatísticas referentes à robótica no Brasil, principalmente no tocante a robótica educacional. A bibliografia específica existente é de difícil assimilação para os leigos, transformando-se em barreira no momento de analisar e compreender suas particularidades. As dificuldades, para análise do setor, situam-se na restrição do número de concorrentes, porém, ao mesmo tempo, na amplitude geográfica de atuação destes. Os principais concorrentes atuam internacionalmente e por serem organizações bem solidificadas e com propostas diversas à do Grupo ROE, distanciam-se da realidade da organização estudada. Em relação ao Grupo ROE, as dificuldades centram-se na estrutura organizacional inadequada e na restrição de sua carteira de clientes. Parte desta

52 52 restrição deve-se à falta de planejamento na condução das ações frente aos públicos. No momento de realizar o diagnóstico, percebeu-se que não seria possível desenvolver plenamente a proposta da disciplina de Projeto Experimental Empresarial em Relações Públicas, pois a organização escolhida não tem suporte para assumir e sustentar ações de comunicação que poderiam resolver seu maior problema: a escassez de clientes. Simões, afirma que o princípio das relações públicas é, antes de qualquer iniciativa, estruturar a organização, ou parafraseando-o arrumar a casa e, somente depois divulgá-la. Concluir que a deficiência do Grupo ROE quanto à organização estruturada inviabilizava o desenvolvimento de ações de comunicação foi frustrante. Por outro lado, foi gratificante viver aquilo que pode ser considerado um momento de maturidade profissional: diagnosticar tal problema, mostrando aos membros do ROE a necessidade de primeiro cuidar da estrutura organizacional para depois captar novos clientes e posteriormente implementar ações de comunicação. A gratificação vem da constatação do que sempre foi transmitido pelos professores, de que o relações públicas deve atuar em conjunto com os gestores, apontando as fragilidades da organização para que todas as áreas convirjam para o mesmo caminho, antes mesmo de cuidar da imagem externa e das ações de comunicação. Outro ponto positivo foi transmitir ao Grupo ROE o papel do profissional de relações públicas, fazendo-os entender o porquê de não partir para ações de captação de clientes e divulgação da organização e sim cuidar da casa. Ao final deste projeto, os realizadores consideram que o objetivo da proposta da disciplina foi atingido: experimentar na prática toda a teoria até então estudada e aplicá-la no contexto real de uma organização que precisa da atuação da atividade de Relações Públicas.

53 53 Referências ANDRADE, Cândido Teobaldo de Souza. Para entender relações públicas. 3. ed. São Paulo : Loyola, p. CHIAVENATO, I; SAPIRO, A. Planejamento estratégico. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, COBRA, Marcos. Marketing educacional: ferramentas de gestão para instituições de ensino. São Paulo: Cobra, c p. FORTES, Waldyr Gutierrez. Relações públicas: processo, funções, tecnologia e estratégias. São Paulo : Summus, c p. FRANÇA, Fábio. Públicos: como identificá-los em uma nova visão estratégica. São Caetano do Sul : Difusão, p. HIRSCHMAN, Albert. Saída, voz e lealdade: reações ao declínio de firmas, organizações e Estados. São Paulo: Perspectiva, KOTLER, Philip e ARMSTRONG, Gary. Janeiro: Editora LTC S/A, Introdução ao Marketing. 4ª ed. Rio de KOTLER, Philip. Dez Pecados Mortais do Marketing. Campus, 1ª edição, 2004, 152p KOTLER, Philip; FOX, Karen F. A. Marketing estratégico para instituições educacionais. São Paulo: Atlas, KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Obtendo resultados com relações públicas: como utilizar adequadamente as relações públicas em benefício das organizações e da sociedade em geral. 2. ed.rev. São Paulo : Thomson, p. LESLY, Philipe. Os fundamentos de relações públicas e da comunicação. São Paulo: Thomson, p. MARCH, James G. e SIMON H. A. Teoria das Organizações. 2. Ed. Rio de Janeiro. Fundação Getúlio Vargas

54 54 MARCHIORI, Marlene Regina. Cultura organizacional: conhecimento estratégico no relacionamento e na comunicação com os empregados, Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) Universidade de São Paulo, São Paulo. MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo : Atlas, p. MURADE, José Felício Goussain. Relações Públicas na construção da cidadania dos grupos populares. In: KUNSCH, Margarida Maria Krohling; KUNSCH, Waldemar Luiz (orgs.). Relações Públicas Comunitárias: a comunicação em uma perspectiva dialógica e transformadora. São Paulo: Summus, OLIVEIRA, Diana Suzuki. Além do terceiro setor: as contribuições das Relações Públicas nos novos contextos midiáticos Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação Social, habilitação em Relações Públicas) Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, PEREIRA. M. J. L B. Na cova dos leões: o consultor como facilitador do processo decisório empresarial. São Paulo. Makron Books, PERUZZO, Cicilia Maria Krohling. Rádio comunitária na Internet: empoderamento social das tecnologias. Revista Famecos (Porto Alegre), Porto Alegre, n.30, p , PINHO, J. B. Relações Públicas na Internet: técnicas e estratégias para informar e influenciar públicos de interesse. São Paulo. Summus, POPCORN, Faith. O Relatório Popcorn: centenas de idéias novos produtos, empreendimentos e novos mercados. 20. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p. SCHOFFEN, Leocádia Inês. Historicizando a (des)construção da gestão democrática em São Leopoldo: um olhar sobre o papel do CEPROL Sindicato, do Executivo Municipal e das direções das escolas, Programa de Pós-Graduação da Unisinos, São Leopoldo. SIMÕES, Roberto Porto. Relações públicas: função política. 5. ed. São Paulo: Summus, c p.. Relações públicas e micropolítica. São Paulo : Summus, c p. STONER, James A. F. Administração. 5. ed. Rio de Janeiro : LTC, c p.

55 55 Sites Consultados Site da Enciclopédia Livre Disponível em: e <http://pt.wikipedia.org/wiki/rob%c3%b3tica_educacional> Acesso em 18 nov Site da Escola Padre Reus Disponível em: <http://www.escolapadrereus.com.br/material/industria.doc> Acesso em 18 nov Site da Universidade Federal de Santa Catarina; disponível em: <http://www.eps.ufsc.br/disserta99/sarda/cap2.html> Acesso em 19 nov Site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Indicadores Sociodemográficos e de Saúde no Brasil Disponível em: <www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/indic_sociosaude/2009/indicsaude.pdf> Acesso em 06 set Site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Síntese de indicadores 2006 Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2006/sinte sepnad2006.pdf> Acesso em 19 nov

56 Apêndices 56

57 57 Apêndice 1 Calendário de Reuniões com o cliente Mês Sábados Setembro Outubro 03* 10* Novembro *Feriado Apêndice 2 Modelo do formulário de pesquisa qualitativa aplicada com o Grupo ROE

58 58 Apêndice 3 Tabulação da Pesquisa realizado com o Público Problema 1) O que você identifica como Missão do Grupo ROE Total Levar ensino tecnológico de qualidade a jovens, estabelecendo conexões entre a teoria vista em aula (curricular) com as aulas de robótica. Tudo isso feito com um foco ambiental muito forte, visando a sustentabilidade Formar cidadãos responsáveis social e ambientalmente capazes de gerar soluções sustentáveis para o planeta 1 33,33% 1 33,33% Auxiliar na educação de jovens criando consciência ambiental 1 33,33% BASE 3 100% 2) Quais os valores que norteiam o ROE Total Responsabilidade Social 2 66,67% Responsabilidade ambiental 2 66,67% Desenvolvimento intelectual e social de cada indivíduo 1 33,33% Preocupação com o meio ambiente 1 33,33% Respeito ao ser humano 1 33,33% BASE 3 100% 3) Dos valores citados quais são aplicados no dia-a-dia do trabalho? Total Todos 2 66,67% Comprometimento social e ambiental 1 33,33% BASE 3 100% 4) Em algumas palavras descreva suas atividades na empresa Total Projetos e execuções de tarefas práticas, teóricas e administrativas 1 33,33% Pesquisa de novos projetos, desenvolvimento dos mesmos 1 33,33% Montagem e confecção das peças que serão utilizadas nos projetos. Projeto e monto os circuitos eletrônicos utilizados nos projetos. Ministro aulas. Organizo a parte financeira. Realizo alguns contatos com as escolas 1 33,33% BASE 3 100% 5) Você sente dificuldade em desempenhar alguma das suas atividades? Total a) Sim 3 100% b) Não 0 0,00% BASE 3 100% 5.1) Quais Total Algo relacionado a confecção de tarefas práticas, teóricas e administrativas 1 33,33% Interesse (falta de) pela parte burocrática 1 33,33% Em algumas montagens mecânicas 1 33,33% BASE 3 100%

59 59 6) Quais dessas características você identifica na empresa? Marque quantas quiser Total Empreendedorismo 3 100% Diferencial diante da concorrência 3 100% Visão de negócio 2 66,67% Sede Própria 0,00% Conhecimento específico na área de atuação 3 100% Flexibilidade na aceitação de idéias 3 100% Comprometimento 2 66,67% Linguagem de comunicação apropriada aos clientes 0,00% Profissionalismo 2 66,67% Planejamento Estratégico 1 33,33% BASE 3 100% 7) Quais as dificuldades que o ROE encontra como empresa? Total Comunicação com os clientes potenciais 1 33,33% Disponibilidade de profissionais capacitados disponíveis, necessidades de mais clientes 1 33,33% Captação de clientes 1 33,33% BASE 3 100% 8) Como você percebe o mercado em que atua? Total Em forte expansão, mas com fortes concorrentes, porém com focos diferentes dos nossos 1 33,33% Parece ser grande, mas faltam informações sobre as escolas (quais têm robótica, valores...) 1 33,33% É um mercado amplo com pouquíssima concorrência 1 33,33% BASE 3 100% 9) Quais as principais barreiras deste mercado? Total Concorrentes que oferecem um serviço mais atrativo aos olhos dos clientes, embora não com o mesmo foco na sustentabilidade A concorrência já estabelecida há anos (Lego) com modelo de trabalho bem definidos, com kits... As escolas recebem muitas propostas de diversos tipos de projetos, logo não conseguimos apresentar o projeto pessoalmente 1 33,33% 1 33,33% 1 33,33% BASE 3 100% 10) Qual o futuro do ROE como empresa daqui há 5 anos? Total Uma empresa que gerencia vários profissionais trabalhando no desenvolvimento de projetos e nas salas de aula. Tudo isso envolvendo uma ampla rede com escolas e profissionais de todo o Estado Com uma boa parcela do mercado, reconhecido por um trabalho diferente e com muitos colaboradores Pretendemos ampliar a quantidade de clientes; aumentar a complexidade dos projetos; criaremos uma rede entre escola 1 33,33% 1 33,33% 1 33,33% BASE 3 100%

60 Anexos 60

61 61 Anexo 1 Fotos da sede do Grupo ROE Fotos registradas pelos realizadores do projeto em visita a sede do Grupo ROE

62 62 Anexo 2 Imagens do Site do Grupo ROE Capa Quem Somos

63 Projetos 63

64 64 Multimídia Fale Conosco

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L : Diagnóstico A realidade é como ela é e não como gostaríamos que ela fosse. (Maquiavel) INTRODUÇÃO O Diagnóstico Estratégico de uma organização, também chamado por muitos autores de Análise do Ambiente,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA Prof. Marcelo Lisboa Luz Aula 5 Análise do Ambiente Externo VISÃO Aonde a empresa quer chegar Explicitação do que se idealiza Envolve desejos,

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESCOLA DE IDIOMAS PARA CRIANÇAS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESCOLA DE IDIOMAS PARA CRIANÇAS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESCOLA DE IDIOMAS PARA CRIANÇAS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA Material de estudo 2010 INTRODUÇÃO À ROBÓTICA André Luiz Carvalho Ottoni Introdução à Robótica Capítulo 1 - Introdução Robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica, eletrônica e computação, que

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA.

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. Francisca Fabiana Ferreira da Silva 1 fabiana.igor@hotmail.com Francisca Mônica Paz de Sousa Dantas 2 monnyka@hotmail.com

Leia mais

Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP)

Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA (PIP) Itu/SP 2013 SUMÁRIO 1) INTRODUÇÃO...04 A) Etapa 1: Proposta...05 B) Etapa

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Gestão Estratégica. Gestão Estratégica

Gestão Estratégica. Gestão Estratégica Gestão Estratégica Aula 3 Diagnóstico Estratégico marcopereira@usp.br Diagnóstico Se conhecemos o inimigo ( ) e a nós mesmos ( Interno), não precisamos temer o resultado de uma centena de combates. Se

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO MELHOR IDADE - SERVIÇOS DE CUIDADOR

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO MELHOR IDADE - SERVIÇOS DE CUIDADOR OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO MELHOR IDADE - SERVIÇOS DE CUIDADOR 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fabiane Silveira GOMES 2 Claudia Nociolini REBECHI 3 Universidade Metodista de São Paulo - UMESP, São Paulo, SP RESUMO Em posse de dados cruciais

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

ANÁLISE DO AMBIENTE DE MARKETING

ANÁLISE DO AMBIENTE DE MARKETING ANÁLISE DO AMBIENTE DE MARKETING SISTEMA DE MARKETING O Sistema de Marketing como foi apresentado até agora compreende o chamado micro-ambiente de marketing. Além da própria empresa e de seu mercado, também

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. Princípios Organizacionais

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. Princípios Organizacionais Princípios Organizacionais Elementos do Propósito Visão Negócio Missão Princípios e Valores Visão Organizacional É um modelo mental claro e luminoso de um estado ou situação altamente desejável, de uma

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento Estratégico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento Estratégico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES 1 APRESENTAÇÃO Educadores(as) da Faculdade Canção Nova, Este Manual tem o propósito de aprimorar a aplicação da Pedagogia de Projetos nos períodos previstos

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas, exponenciais

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos.

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos. BACHARELADO Administração O curso de Administração tem como objetivo formar profissionais que poderão atuar como executivos, técnicos em funções administrativas e/ou empreendedores, com capacidade de alinhar

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 O PAPEL DA UNIVERSIDADE DE FORTALEZA NA PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO CONTINUADA COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Ensino Médio em Questão José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Introdução O ensino médio tem sido debatido em todos os países Trata com adolescente e jovens que estão decidindo seus destinos.

Leia mais

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO educação para o trabalho Equipe Linha Direta DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO Evento realizado na CNI apresentou as demandas da indústria brasileira aos principais candidatos à Presidência da República Historicamente

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

USO DA ROBÓTICA PARA O ESTUDO DE ALGORITMOS Pesquisa em andamento

USO DA ROBÓTICA PARA O ESTUDO DE ALGORITMOS Pesquisa em andamento USO DA ROBÓTICA PARA O ESTUDO DE ALGORITMOS Pesquisa em andamento Larissa Rozza Peluso 1 ; Cátia dos Reis Machado 2 RESUMO A aprendizagem do conteúdo da disciplina de Algoritmos e Programação de Computadores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Entre cursos com maior reprovação estão pedagogia, jornalismo e turismo. Falta de leitura e hábitos gerados pela internet são fatores motivadores.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

MBA EM BRANDING (GESTÃO DE MARCAS) APOIO: INFOBRANDING O MAIOR PORTAL DE BRANDING DO BRASIL

MBA EM BRANDING (GESTÃO DE MARCAS) APOIO: INFOBRANDING O MAIOR PORTAL DE BRANDING DO BRASIL MBA EM BRANDING (GESTÃO DE MARCAS) APOIO: INFOBRANDING O MAIOR PORTAL DE BRANDING DO BRASIL O programa irá prepara-lo para especializar-se no desenvolvimento e planejamento da gestão de marcas; capacitando-o

Leia mais

Pesquisa Mercadológica para Lançamento do serviço e-commerce da Drogaria Araújo 1

Pesquisa Mercadológica para Lançamento do serviço e-commerce da Drogaria Araújo 1 Pesquisa Mercadológica para Lançamento do serviço e-commerce da Drogaria Araújo 1 Felipe Schepers Santos MELO 2 Bruno Cassimiro SILVA 3 Eduardo José Braga FILHO 4 Felipe Nolasco REGO 5 Geanderson Roriz

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais