"Do ponto de vista tecnico, 0 balan~o e positivo"

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Do ponto de vista tecnico, 0 balan~o e positivo""

Transcrição

1 ENTREVISTA I ZELIA PINHEIRO "Do ponto de vista tecnico, 0 balan~o e positivo" A rede urbana de frio e calor do Parque das Na~oes ja tern onze anos e Joao Castanheira, director-geral da Clirnaespa~o, faz 0 balan~o. Garante que os pre~os SaGcornpetitivos com elevada eficiencia energetica, mas diz que a recupera~ao do investimento esta ser rnais lenta do que 0 esperado. A crise imobiliaria, com os edificios ocupados ainda a 50%, afectou 0 turn-over do projecto. Mas considera que 0 pior e a falta de ernpenho dos poderes publicos: mantem-se a penaliza~ao fiscal em sede de IVA e a Cidade Judiciaria, que devia ser urn dos maiores dientes, esta em tribunal por ter decidido nao se ligar it rede. Qual 0 conceito e objectivos do projecto de rede de frio e calor do Parque das Na~oes? o projecto Climaespa~o surgiu no ambito da Expo 98. Na altura em que se pensou organizar a exposi~ao mundial pensouse em reabilitar um espa~o degradado da cidade e tambem, nas diferentes areas, em ir buscar aquilo que fosse state of the art na gestao urbana. Por exemplo, nesta zona nao existe a normal recolha de lixo em contentores, mas um sistema de recolha pneumatica de resfduos Foi af que surgiu 0 conceito da distribui~ao centralizada de frio e de calor, que e um conceito muito antigo - existem redes de distribui~ao de calor com mais de 100 anos. 0 conceito da distribui~ao centralizada de frio e um pouco mais recente mas tambem ja existem redes de frio com umas decadas. Em Lisboa articulamos os dois e construfmos uma rede que distribui simultaneamente frio e calor. 0 conceito basico e que em vez de existir uma produ~ao localizada em cada edificio com os seus pr6prios sistemas de climatiza~ao, existe uma central unica para toda esta zona da cidade onde e produzida a energia. 0 objectivo primordial deste projecto foi ter uma produ~ao de frio e calor que consumisse 0 mlnimo de energia primaria possivel e que tivesse 0 minimo de emissoes poluentes. 0 sistema proporciona uma economia de emissoes de CO 2 na ordem dos 40%. Houve depois um segundo objectivo, de limpar as fachadas dos ediffcios dos aparelhos de ar condicionado que descaracteri-

2 zam as fachadas. Nesta zona, uma vez que nao ha produ~ao localizada de frio e calor nos ediffcios, as fachadas sao completamente limpas. Como e que 0 sistema funciona? Existe uma central de produ~ao de energia, existe uma rede de distribui~ao aos ediffcios utilizadores e depois existem as chamadas subesta~oes, dentro de cada um dos edificios utilizadores, onde se processa a transferencia de frio e de calor para 0 interior dos ediffcios. A central utiliza uma tecnologia de trigera~ao, 0 que significa que e uma central on de se produz electricidade, mas ao contrario das centra is electricas convencionais, 0 calor que e libertado da produ~ao de electricidade nao e desperdi~ado. Uma central termoelectrica como a de Sines, onde se produz electricidade com base em carvao, tem um rendimento de cerca de 37%, 0 que significa que quase 2/3 da energia que e queimada e desperdi~ada sob a forma de calor. As centra is de cicio combinado como a do carregado ou da tapada do outeiro tem rendimentos da ordem dos 55%. N6s temos uma central que ao produzir simultaneamente frio e calor tem um rendimento de 84%. I Por que motivo estas tecnologias de cogera~ao nao sao usadas em maior escala? Para haver co e trigera~ao tem que haver quem consuma a componente termica, ou seja 0 calor e 0 frio. Quando se constr6i uma central electrica em Sines, ha uma quantidade enorme de electricidade que e produzida, mas 56 se houvesse ali ao lado um grande complexo ou uma grande cidade e que podia haver uma rede de distribui~ao a fazer uso do calor. Caso contra rio, 0 calor e libertado e nao ha consumidores. 0 que n6s fazemos com este tipo de centrais que sao de pequena dimensao e construir a central Junto aos consumidores - a central esta aqui, no Parque das Na~oes - e com isso diminuimos as perdas de distribui~ao porque se encontram consumidores mesmo a volta da central. Trata-se de uma central em meio urbano, que produz decerto emissoes... A central fica na zona Norte, ja a caminho da ponte Vasco da Gama, bem disfar~ada, porque esta em ambiente urbano e tera sempre emissoes, que sao sempre controladas, e muito inferiores as de qualquer outra tecnologia. Quantas pessoas estao ligadas a rede da Climaespa~o? o Parque das Na~oes esta concebido para uma popula~ao de pessoas, entre habita~ao e terciario, que ainda esta longe de ser atingida. Mas temos ligados cerca de l20 ediffcios ou conjuntos de edihcios e temos cerca de 3000 clientes / frac~oes, que correspondem a muito mais pessoas do que isso. Dentro dos clientes temos os muito grandes clientes - Centro Comercial Vasco da Gama, Oceanario, sede da Vodafone, Casino Lisboa - mas tambem temos o pequeno cliente - 0 apartamento, a loja, 0 escrit6rio individual e isso e uma mais-valia deste projecto. Normalmente neste tipo de redes no resto da Europa o que acontece quanta aos ediffcios de habita~ao e que existe um contrato com o condominia do ediffcio, 0 fornecedor de energia entrega energia ao condomfnio e a factura e repartida por todos os cond6minos. 1550desresponsabiliza as pessoas pelos seus consumos e nao incentiva a economia e a eficiencia, pois a factura e indexada a permilagem. 0 que nos fizemos aqui foi levar a entrega de energia a porta de cada consumidor, cada cliente tem 0 seu contador de energia e cada pessoa, cada casa ou cada loja e responsavel pelo seu consumo. [550e mais uma forma de incentivar a utiliza~ao racional de energia que e a nossa preocupa~ao de base.

3 cionamento. Qual e 0 balan~o? Do ponto de vista tecnico 0 balanco e muitfssimo positivo. E evidente que quando um conceito novo e introduzido as pessoas tem alguma desconfianca e isso aconteceu em 1998 e na altura foi um bocado diffcil de ultrapassar, mas hoje em dia, passados onze anos, podemos dizer que foi um sucesso. Temos um servico com uma fiabilidade elevadissima, com pouquissimas horas de interrupcao do servico e sob 0 ponto de vista tecnico os clientes estao muito satisfeitos. Os objectivos em termos de ligacao de editrcios estao alcancados. Praticamente todos os edifrcios climatizados do Parque das Nacoes tem ligacao a Climaespa~o e quem la habita, na maioria, tem 0 servico. A dificuldade que temos e que uma parte dos ediffcios ja esta construida mas nao esta ainda habitada. Ha uma grande quantidade de escrit6rios que nao estao ocupados e de apartamentos que nao estao vendidos e isso tem a ver com a conjuntura econ6mica do Pais e com o excesso de oferta imobiliaria que ha no mercado. Mas parece haver pessoas que desistiram do contrato com a Climaespa~o, porque nao estao satisfeitas com os tarifarios. A Climaespa~o nao tem liberdade de escolher pre~os, os nossos precos de venda de energia depend em de um conjunto de indices que sad indices publicados oficialmente, um dos quais e o pre~o do gas natural. Fruto da recente evolucao e da liberaliza~ao do mercado do gas baixamos 0 preco de venda da nossa energia ja a partir deste mes de Julho 24%. Ou seja, se 0 servico ja era competitivo a partir de agora vai ser ainda mais. Mas temos que recusar a questao da tarifa com numeros. Neste momenta temos uma tarifa de venda de calor que e de cerca de 0,035 euros por KW jhora, que e igual para 0 aquecimento ambiente e para 0 aquecimento de aguas. 0 valor da electricidade ou do gas e varias vezes superior A tarifa da electricidade e na casa dos 0,11, ou 0,12 euros por KWjhora, ou seja, varias vezes mais caro. Nao e verdade que o servi~o seja mais caro, sendo certo que com a Climaespa~o nao existem equipamentos de producao de energia nos pr6prios ediffcios, 0 que significa que as pessoas nao tem que se preocupar com a sua aquisicao, substituicao e manuten~ao. Simplesmente, as pessoas abrem a "torneira" e sai agua quente e sai agua fria. Esta ideia de que haveria um pre~o mais card tem mais a ver com a parte de frio: o aquecimento e muito mais barato do que qualquer algum tipo de alternativa. Na parte do frio, e n6s corrigimos isso a meio do percurso, 0 tarifario foi pensado inicialmente sobretudo para grandes clientes, ediffcios de escrit6rios, museus, hoteis, que precisam de muita climatizacao durante grande parte do ~no - a estrutura tinha uma componente fixa da factura elevada, com um preco da energia muito baixo. Para quem 56 usa frio durante 3 ou 4 meses por ana podia estar a pagar uma componente fixa da qual nao tirava vantagem, enquanto um grande cliente que usa frio todo 0 ana beneficia de 0 preco da energia ser muito baixo. N6s resolvemos esse problema ha varios anos mas admito que a informacao nao esteja ainda disponivel no mercado, criando um tarifario opcional para os clientes residenciais que baixou ao mlnimo esta componente fixa e hoje em dia 0 unico custo fixo para a componente frio e na casa dos 5 euros por meso Oepois pagase aquilo que se consumir. Pode entao afirmar positivamente Que e compensador para um c1iente residencial contratar 0 servi~o da Climaespa~o face as demais op~oes de c1imatiza~ao do mercado, mesmo incluindo 0 frio? Sim, com nfveis de custo fixo tao baixos - no frio estamos a falar de 60 eurosj ano, 56 mesmo para alguem que nao esteja a habitar a casa e nao use 0 servi~o e que eu admito que nao seja. Tendo em conta 0 Quediz, parece que 56 por falta de informa~ao e que nao estao ainda todas as pessoas ligadas ao sistema da Climaespa~o... o numero de pessoas que nao estao utilizar 0 servico e muito baixo. Temos taxas de utilizacao que sad muito pr6- ximas das taxas de ocupa~ao dos ediflcios. Se eu tiver uma taxa de liga~ao do editrcio de 70%, essa taxa e muito Nao e verdade que 0 servi~o seja mais caro, sendo certo que com a Climaespa~o nao existem equipamentos de produ~ao de energia nos pr6prios edificios, o que significa que as pessoas nao tern que se preocupar com a sua aquisi~ao, substitui~ao e manuten~ao. Simplesmente, as pessoas abrem a "torneira" e sai agua quente e sai agua fria.

4 proxima da taxa de ocupaeao do edificio. as outros 30% nao estao a utilizar o servieo e simplesmente porque nao vivem la, porque de facto ha um certo numero de apartamentos que foram comprados para investimento, outros que nao foram ainda vendidos. E certo tambem que 0 numero de clientes de calor e superior ao numero de clientes de frio. Em que termos esta prevista a liga- {ao dos edificios desta zona a rede da Climaespa{o? Quem quiser pode optar pelo gas para agua quente e por outros sistemas de c1imatiza{ao? Nesta zona da cidade ha uma legislaeao especffica Ha uma porta ria que regu- / la 0 plano de urbanizaeao, prevendo a questao da climatizaeao e diz que, se os edifrcios desta zona da cidade tiverem aquecimento ou arrefecimento ambiente, entao devem usar ou energias renovaveis ou a rede de frio e calor fornecida pela Climaespaeo. Nao ha uma obrigaeao de ligaeao a rede, ha duas alternativas que san oferecidas e que san ambientalmente comparaveis. Mas a agua quente nao tem nenhum tipo de limitaeao, as pessoas pod em usar os sistemas que quiserem. Se quiserem usar esquentadores a gas ou acumuladores electricos, podem usar E evidente que existindo uma rede de frio e calor, ela e, do ponto de vista economico, mais vantajosa do que estes sistemas. Usar a electricidade para fazer aquecimento de agua e, para alem de um crime ambiental, quase um crime economico, pelo que isso custa. E ha uma outra questao que e a da seguranea - pelo facto de existir esta rede de frio e calor significa que nao existem esquentadores e caldeiras dentro das casas e isso significa uma redueao de riscos que tem a ver com a queima de gas para aquecimento de agua. A Climaespa{o esta sujeita a regula{ao da ERSE(Entidade Reguladora dos Servi{os Energeticos)? A nossa actividade nao e regulada pela ERSE,mas como existe um contrato de concessao existe um concedente, que em nome do Estado portugues regula a nossa actividade. A Parque EXpo, que tem ainda a gestao dos servieos urbanos desta zona, e a ainda a entidade que regula a nossa actividade, pensa-se que no futuro possam ser as camaras municipais. Passando a questoes mais globais. Como avalia hoje a execu{ao do contrato de concessao celebrado em 1997? Isto e um investimento totalmente privado, sem nenhuma comparticipaeao do Estado portugues, e a contra partida que nos foi dada foi a de poder operar este sistema durante 25 anos, findos os quais havera um novo concurso e podera ser escolhida uma outra entidade. Este projecto quando surgiu aqui em Lisboa foi pioneiro em muitas coisas. Ja existiam muitas redes de calor pelo mundo inteiro, ja existiam algumas redes de frio, mas nao existia este conceito ter frio e calor no mesmo sistema e diferentes tecnologias na mesma central, tanto e que 0 nosso grupo - 0 grupo GDF Suez - tem construfdo varias outras redes em varios pafses a imagem de Lisboa e nos temos muito orgulho nisso. Construfmos redes semelhante a esta em Barcelona na zona do Forum 2004, em Saragoea, para a Expo 2008, e estamos a construir uma rede bastante maior em Londres, para a zona dos jogos Olfmpicos de E aprendemos muito com este projecto, para 0 bem e para 0 mal. Houve de facto coisas que correram menos bem neste projecto. Desde logo, ha uma nota importante: neste projecto de Lisboa todo 0 investimento foi feito Desde logo, ha urna nota irn tante: neste projecto de Usb - todo 0 investirnento foi feito pelo operador privado, 0 que significa que todo 0 investirre - to e repercutido nas tarifas a consurnidores finais. A verda _ e que a rnais-valia arnbienta e energetica que este projec tern para 0 pais nao e levada em conta, nao houve nenhli tipo de participa~ao das enti - des publicas neste projecto.

5 pel a operador privado, a que significa que todo a investimento e repercutido nas tarifas aos consumidores finais. A verdade e que a mais-valia ambiental e energetica que este projecto tem para a pais nao e levada em conta, nao houve nenhum tipo de participa~ao das entidades publicas neste projecto. As tarifas sao entao tarifas rea is, em linha do que tem sido defendido como boa pratica em materia de consumo de recursos natura is... As tarifas sao reais, elas reflectem as custos do servi~o, mas nao a beneficia ambiental deste servi~o. Aquilo que acontece em projectos semelhantes a este mais recentes e que pel a facto de a projecto contribuir para a redu~ao das emissoes de CO 2 do pais, para a redu~ao das importa~oes de petr61eo e de gas, os pr6prios Estados participam e sag financiadores do projecto, e isso permite que as tarifas de energia sejam um pouco mais baixas. Este tipo de projecto e de capital intensivo, tem um investimento enorme na constru~ao da central, da rede e das subesta~oes, e a recupera~ao deste investimento e feita a muito longo pram Nem todos as investidores estao preparados para trabalhar neste tipo de projectos e e preciso saber esperar para conseguir recuperar 0 investimento em muito longo pram E por isso que, onze anos depois, esta continua a ser a (mica rede de frio e calor em Portugal? Esta e uma questao importante, sendo este tipo de sistemas bom para a ambiente. Por um lado, 0 conceito e ainda novo em Portugal e ha alguma relutancia em aceitar este conceito. Par outro lado, ha algumas barreiras importantes, de que posso dar um exemplo paradigmatico: os clientes da Climaespa~o pagam IVA a 20% enquanto que os consumidores de electricidade ou de gas natural pagam IVA a 5%, a que significa que em Portugal temos uma fiscalidade que em vez de ser verde e ~ Quinta sao loa<> NUdeo Empresarial de Arruda Vinhos Escr. E ARRUDA DOS VINHOS

6 vermelha. Ha um incentivo a electricidade e ao gas. Somos 0 unico pais da Europa onde isto acontece Ja fizemos exposi~6es ao governo portugues e explicamos que nao e justa que os consumidores de uma energia amiga do ambiente sejam penalizados face aos consumidores de electricidade e de gas, mas, mais do que isso, um pais que impoe estas barreiras e um pais que nao quer receber mais investimentos deste tipo. Ha apoios especiais para as energias renovaveis, que estao muito em voga, mas a eficiencia energetica, e e disso que estamos aqui a fa/art e ainda um parente pobre em Portugal. Enos dias de hoje, nao e possfvel suprir todas as nossas necessidades energeticas com recurso as energias renovaveis. Vamos ter ainda, durante nao sabemos quantos anos, que usar combustrveis fosseis e temos que 0 fazer da forma mais eficiente possfvel. E af que a eficiencia energetica e fundamental, e por isso que a politica europeia na area da energia promove a cogera~ao, a trigera~ao, as redes de frio e calor. E somos 0 unico pais da Uniao que nao 0 faz? Em 2006 foi alterada a directiva do IVA, passando a permitir baixar 0 IVA para a electricidade e para 0 gas e tambem para 0 aquecimento urbano. Em Portugal nao se fez uso desta possibilidade e somos neste momento 0 unico pais onde 0 IVA do aquecimento urbano e superior. Esta descida teria peso praticamente zero em termos de receita fiscal perdida, porque os grandes consumidores ja recuperam 0 IVA e teria impacto apenas para os clientes residenciais. E em term os do sinal que se da ao mercado era importante, estamos a dar a mensagem errada. Nao e apenas a rede de frio e calor do Parque das Na~oes que esta em causa - enquanto houver este tipo de barreiras em Portugal os investidores VaG escolher outros parses. As entidades publicas deviam envolver-se mais nestes projectos, se calhar nem sempre financiando ou subsidiando, mas nao faz sentido que vivam a margem destes projectos - faz sentido que ajudem a resolver os problemas, por exemplo nesta questao do IVA. oar que, no passado, a (lirnaespa~o tenha cornprado electricidade a EDP, em vez de a produzir? Isso continua a ser cornpensador? Nos produzimos a electricidade que consumimos, mas ha situa~oes em que, se tivermos que parar a nossa turbina durante dois dias para fazer manuten- ~ao, paramos de produzir electricidade e temos que a comprar. Isso acontece, mas apenas pontualmente. A questao tem a ver com 0 interesse economico em comprar electricidade em vez de a produzir e de facto houve uma fase em que isso aconteceu, a trigera~ao deixou de funcionar e nos passamos nessas semanas a adquirir electricidade para p(odu~ao de frio e 0 gas era apenas para produ~ao de calor foi uma situa~aolimite em que as tarifas de venda de gas eram de tal forma inadequadas que tornavam impossivel a opera~ao. Foi uma decisao polftica, para marcar uma posi~ao, mas 0 nosso objectivo nao e esse, mas sim 0 de ter a trigera~ao a funcionar e a nao ser que haja condi~oes absolutamente anormais, 0 que nao e 0 caso, nos vamos funcionar de acordo com 0 principio que definimos a partida e e isso que temos feito em 99,99% da nossa opera~ao. A nao existencia de obriga~ao de liga~ao dos edificios e urn factor Iirnitante? A liberdade de contratar deve existir. Eu nao digo que se deva obrigar uma pessoa ou uma empresa a contratar um servi~o que nao quer. Agora, quem pretender ter um servi~o deve respeitar as regras existentes. As regras san suficientes: quem quer ter um sistema de climatiza~ao, usa a rede, que e um sistema eficiente, ou usa energias renovaveis - nao pode e usar outra coisa. E preciso e que isto seja cumprido e eu diria que e quase sempre cumprido, mas nem sempre. 0 sistema e mais vantajoso para os utilizadores finais, mas para quem constroi ele nao e necessariamente mais barato. Quem beneficia e quem usa, e ha quem pense assim: 0 meu edificio nao precisa de climatiza~ao, e depois quem vem habitar aquele edificio vai chegar a conclusao de que ate precisa. E ainda existe um diferendo com um promotor desta zona que decidiu nao se ligar a Climaespa~o A liberdade de contratar deve existir. Eu nao digo que se deva obrigar uma pessoa ou uma empresa a contratar urn servi- ~oque nao quer. Agora, quem pretender ter urn servi~o deve respeitar as regras existentes. As regras SaDsuficientes: quem quer ter urn sistema de c1imatiza~ao, usa a rede, que e urn sistema eficiente, ou usa energias renovaveis - nao pode e usar outra coisa.

7 Visto a luz daquilo que nos sabemos hoje, se soubessemos que ia ser assim e que ia levar tanto tempo a recuperar o investimento, se calhar nao tinhamos feito 0 investimento - essa e a questao. N6s vamos la chegar, mas s6 ao fim de muitos anos. nem utilizar um sistema com recurso a energias renovaveis. A cidade judicia ria? Sim. Esse complexo, que seria um cliente da dimensao do Vasco da Gama, de facto nao tem liga~ao a rede da Climaespa~o nem energias renovaveis, tem um sistema convencional, 0 que e como ter um edifrcio numa cidade com uma rede de esgotos que em vez de se ligar a rede faz uma fossa I 0 problema aqui foi que a propria Camara Municipal de Lisboa licenciou 0 edifrcio nestas condi~oes, em nossa opiniao em clara viola~ao da lei, que recentemente foi refor~ada pela propria regulamenta~ao energetica que diz que se existir na zona ou nas proximidades uma rede de frio e calor, entao a liga~ao e obrigatoria, desde que economicamente justificavel 0 caso esta em tribunal porque a Climaespa~o accionou a Camara com 0 argumento de que foi licenciada uma constru~ao que nao respeita a legisla~ao aplicavel nesta zona da cidade, mas para alem da questao legal, ha aqui uma questao de conceito - que sentido e que faz numa zona destas on de existe esta rede nao ter aquele conjunto de edifrcios ligado a esta rede 7 Isto acontece porque ha ainda pouca consciencia destas questoes e ha outros valores que se sobrepoem apesar de 0 discurso ambiental e energetico estar muito presente no discurso politico. o que pode concluir-se entao do projecto de c1imatiza~ao do Parque das Na~oes, apesar de as condi~oes nao serem as idea is? Visto a luz daquilo que nos sabemos hoje, se soubessemos que ia ser assim e que ia levar tanto tempo a recuperar o investimento, se calhar nao tfnhamos feito 0 investimento - essa e a questao. Nos vamos la chegar, mas so ao fim de muitos anos. Essas contas nao estavam feitas a partida? Estavam feitas mas nao sarram como esperado, porque aconteceu uma serie de situa~oes que nao estavam previstas inicialmente, nomeadamente a crise economica e a excesso de oferta imobiliaria no mercado, a existencia de edificios sem consumidores. Essa questao nao estava equacionada. 0 resto das questoes, como a do IVA, que constitui mais uma barreira a replica~ao deste tipo de sistema, foi-se descobrindo posteriormente. Mesmo assim, a Climaespa~o vai continuar a apostar neste neg6cio em Portugal? o nosso grupo esta, apesar das barreiras, atento a este mercado e esta em vias de constituir uma nova empresa em Portugal, dedicada aos servi~os energeticos, que vai ter como prioridade precisamente a area da cogera~ao, da distribui~ao centralizada de frio e calor e em que vamos activamente procurar novas oportunidades de negocio nesta area. Nos proximos tempos havera novidades quanta a isso.

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

POUPE 1879 EM 10 ANOS

POUPE 1879 EM 10 ANOS Com o apoio do programa Energia Inteligente da Europa, da Comissão Europeia POUPE 1879 EM 10 ANOS 10 Proteste 375 janeiro 2016 Sala virada para o calor EM Usar aquecedor elétrico, ar condicionado, caldeira

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

Água Quente Solar para Portugal

Água Quente Solar para Portugal INICIATIVA PÚBLICA AQSpP Água Quente Solar para Portugal J. Farinha Mendes Presidente da SPES www.spes.pt Portugal - um dos países da Europa com maior disponibilidade de recurso solar Eficiência Energética

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

Eficiência energética Instalações automatizadas com ABB Niessen - KNX

Eficiência energética Instalações automatizadas com ABB Niessen - KNX Low Voltage Products Eficiência energética Os elevados preços da energia e as preocupações com as alterações climáticas produzidas pela intervenção humana colocaram a eficiência energética no topo das

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

Damos valor à sua energia

Damos valor à sua energia Damos valor à sua energia Invista em energias renováveis e eficiência energética e comece a poupar naturalmente. Energia O futuro do planeta está cada vez mais nas nossas mãos e a forma como obtemos e

Leia mais

A ENERGIA QUE FAZ SENTIDO RGIA AMBIENTE TECNOLOGIA INOVAÇÃO FUTU VA ÇÃO FUTURO RESPONSABILIDADE RESPEITO ABILIDADE RESPEITO FUTURO ENERGIA AMBIE

A ENERGIA QUE FAZ SENTIDO RGIA AMBIENTE TECNOLOGIA INOVAÇÃO FUTU VA ÇÃO FUTURO RESPONSABILIDADE RESPEITO ABILIDADE RESPEITO FUTURO ENERGIA AMBIE A ENERGIA QUE FAZ SENTIDO RGIA AMBIENTE TECNOLOGIA INOVAÇÃO FUTU VA ÇÃO FUTURO RESPONSABILIDADE RESPEITO ABILIDADE RESPEITO FUTURO ENERGIA AMBIE A Energia Que Faz Sentido QUEM SOMOS Somos uma Empresa vocacionada

Leia mais

Proposta de protocolo Benefícios aos associados

Proposta de protocolo Benefícios aos associados Proposta de protocolo Benefícios aos associados A LUZBOA A LUZBOA Comercialização de Energia Lda é uma empresa de comercialização de electricidade no mercado liberalizado sedeada em Viseu, que opera para

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

Apresentação por José Fernandes Quelhas Manica Moçambique Junho, 2008

Apresentação por José Fernandes Quelhas Manica Moçambique Junho, 2008 MINISTÉRIO DA ENERGIA ` Apresentação por José Fernandes Quelhas Manica Moçambique Junho, 2008 1 Difinir Educacao DISCUSSAO... Relação Energia e Educação 2 Relação Energia e Educação ODM 2: Alcançar o Ensino

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

Central de Biomassa de Portalegre

Central de Biomassa de Portalegre Central de Biomassa de Portalegre Paulo Preto dos Santos, Sobioen Soluções de Bioenergia, SA (Março 2008) Biomassa e Energia O aproveitamento energético da biomassa é cada vez mais relevante Aproxima-se

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS ENDÓGENAS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS ENDÓGENAS MINISTÉRIO DA ECONOMIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS ENDÓGENAS Resolução do Conselho de Ministros n.º 154/2001 de 27 de Setembro >Introdução >Estratégia >Medidas Enquadramento geral Eficiência energética

Leia mais

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal Nesta apresentação vou começar por partilhar alguma informação sobre a evolução da I&D empresarial e seus resultados. Os seus avanços são ainda pouco conhecidos,

Leia mais

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc:

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc: Ana Oliveira De: Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: erse@erse.pt Cc: anacris@isr.uc.pt Assunto: Comentarios Anexos: ERSE-Revisão dos Regulamentos.doc;

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Grécia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Março 2011 Índice 1. Oportunidades 3 1.1. Comércio 3 1.2. Investimento de Portugal na Grécia 3 1.3. Investimento da Grécia

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 H IPALAI.'I.)"S'.' HOlfc.O'.^INIHIA Corínthía Hotel Lisbon "Energy Performance Contracting" num hotel de cinco estrelas

Leia mais

A excelência ao serviço do cliente

A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE é uma resposta de excelência para as necessidades de empresas, instituições e particulares em tecnologias e soluções de engenharia, energia e

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada.

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada. O que é a geração fotovoltaica? A microgeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos.

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Página 1 de 23 INTRODUÇÃO A actividade da produção combinada de calor e de electricidade cogeração tem tido,

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

Sessão de informação. Janeiro de 2007

Sessão de informação. Janeiro de 2007 Sessão de informação Janeiro de 2007 Agenda Agenda 03 1. Enquadramento do tema Contexto do consumo energético em Portugal Protocolo de Quioto Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável 2. Apresentação

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Green Value Energy Building Solutions Janeiro de 2014 Índice Apresentação Áreas de Negócio Consultoria em Eficiência Energética e Ambiental Clientes Contactos Auditorias energéticas

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A

Relatório da Visita de Estudo à. Central Termoeléctrica da CEM em Coloane. Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Relatório da Visita de Estudo à Central Termoeléctrica da CEM em Coloane Escola Portuguesa de Macau Disciplina: Física e Química A Trabalho realizado por: António Sérgio Ribeiro, 10ºA, Nº3 Data: 19/03/2010

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 3 / 1. CONTEXTO 6 / 2. DIRECTIVA ECODESIGN (ErP) 7 / 3. ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 12 / 4. O MUNDO MUDA A ARISTON FICA A SEU LADO 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

Leia mais

especial CALOR EFRIO LAR DICAS PARA O 22/11/13 SOL l 39 GETTY IMAGES/BRAND X

especial CALOR EFRIO LAR DICAS PARA O 22/11/13 SOL l 39 GETTY IMAGES/BRAND X especial LAR DICAS PARA O CALOR EFRIO GETTY IMAGES/BRAND X 22/11/13 SOL l 39 02/ 03 CLIMATIZAÇÃO/ LAR GETTY IMAGES/STOCKTREK IMAGES POUPE NA FACTURA DA ELECTRICIDADE Aqueça e refresque a casa de forma

Leia mais

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos Seminário: Mobilidade Eléctrica: O Veículo Viabilidade da transformação de Veículos Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos (Experiência adquirida na ESTGV) Vasco Santos (vasco@estv.ipv.pt)

Leia mais

Acumuladores de Calor

Acumuladores de Calor Acumuladores de Calor Em virtude da atividade de muitas pessoas se desenvolver, diariamente, no interior de edifícios, tal obriga a que as condições de conforto, principalmente as relacionadas com a qualidade

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes:

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes: Energia Solar O Sol é a nossa principal fonte de energia, responsável pela manutenção das várias formas de vida existentes na Terra. Trata-se de um recurso praticamente inesgotável e constante, quando

Leia mais

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes Práticas de Responsabilidade Social nas Organizações da Economia social Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria Lucinda Maria Pereira Lopes A responsabilidade social das empresas é, essencialmente, um

Leia mais

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira Página Web 1 de 1 Ana Oliveira De: GEOTA [geota@mail.telepac.pt] Enviado: quarta-feira, 11 de Abril de 2001 20:53 Para: erse@erse.pt Assunto: Comentários do GEOTA à proposta de Revisão dos Regulamentos

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA RECUPERAÇÃO DE CALOR 31/05/2011 www.cofely-gdfsuez.pt Sumário COFELY Portugal Referências Serviços para Indústria: IFMS Projectos Recuperação de calor em caldeira de

Leia mais

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? O uso de biomassa florestal

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana.

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. O aumento da população humana é frequentemente citado como a principal causa de problemas para o planeta. De facto a humanidade está a crescer

Leia mais

Construção e Energias Renováveis. Volume IV Energia das Ondas. um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.com

Construção e Energias Renováveis. Volume IV Energia das Ondas. um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.com Construção e Energias Renováveis Volume IV Energia das Ondas um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização de.

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Morada / Situação: Localidade Concelho Data de emissão do certificado Nome

Leia mais

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life ENERGIA PARA A VIDA Energy for life A GREEN SOLUTIONS A ambição de uma empresa não se reflecte nos seus feitos individuais, mas antes na realização de projectos marcantes para sua indústria. O reconhecimento

Leia mais

MICROPRODUÇÃO Proposta Condomínio Pedras Altas Nossa ref. MP11 42053

MICROPRODUÇÃO Proposta Condomínio Pedras Altas Nossa ref. MP11 42053 MICROPRODUÇÃO Proposta Condomínio Pedras Altas Nossa ref. MP11 42053 08 de Agosto de 2011 Exmo/a. Sr(a).Administrador do Condomínio Pedras Altas, Queremos, desde já, agradecer o interesse e a confiança

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

Dr. Henrique Relógio

Dr. Henrique Relógio Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Dr. Henrique Relógio Jardins de S. Bartolomeu Case Study Renovar com Sustentabilidade Henrique Relógio henriquerelogio@gmail.com 1 Jardins São Bartolomeu Um

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA. Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora. www.omnitrade.

Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA. Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora. www.omnitrade. Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora www.omnitrade.pt Quality Media Press O que representa a empresa o mercado português? R.

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

alienspresent@hotmail.com a minha central energética http://www.pbase.com/image/28867977

alienspresent@hotmail.com a minha central energética http://www.pbase.com/image/28867977 alienspresent@hotmail.com a minha central energética http://www.pbase.com/image/28867977 Quem Somos Empresa surgiu em 2007 de 1 projecto desenvolvido no ISEG Concurso ISEG / IAPMEI PME Investimentos Missão:

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia.

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilização Racional de Energia (URE) Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilizar melhor a energia

Leia mais

Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3

Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3 Índice: Objectivo 1 Introdução teórica 2 Introdução ao percurso da Visita de Estudo 3 Descrição da Visita de Estudo 3 Conclusão 8 Bibliografia 8 Objectivo: Este trabalho é realizado no âmbito da disciplina

Leia mais

MAIS JANELAS EFICIENTES

MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Miguel S8lwell d Andrade Administrador EDP Lisboa, 4 de Julho de 2012 Os preços pra:cados pelos comercializadoras devem reflec:r os

Leia mais

Energia: Sustentabilidade e redução de custos.

Energia: Sustentabilidade e redução de custos. . dossier / Energia Pág: 36 Área: 15,00 x 20,27 cm² Corte: 1 de 6 Energia: Sustentabilidade e redução de custos. 2015 marca o ano Internacional da Luz. No que diz respeito ao consumo de energia, os hotéis

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL LINHAS ORIENTADORAS CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL

CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL LINHAS ORIENTADORAS CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL LINHAS ORIENTADORAS CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Parcerias para a Regeneração Urbana 2011 CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL A sustentabilidade e a cidade.

Leia mais

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04 PIRELIÓFORO e (P Himalaia) Água Quente Solar Jorge Cruz Costa para DER/INETI para PORTUGAL Como desenvolver o solar sem cometer os erros dos anos 80? O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Município de Torres Vedras 12 de Novembro 2013 Seminário: Sustentabilidade Energética nas Compras Públicas OesteCIM Supported by: Coordination: Partners: Resumo 1 - Território

Leia mais

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Alterações climáticas Emissão de gases de efeito de estufa -> agravamento do efeito de estufa -> aquecimento global -> alterações climáticas 4 relatórios

Leia mais

6168 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 204 24 de Outubro de 2005

6168 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 204 24 de Outubro de 2005 6168 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 204 24 de Outubro de 2005 Resolução do Conselho de Ministros n. o 169/2005 A política energética, nas suas diversas vertentes, é um factor importante do crescimento

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

Jose Ferraz Nunes (*) CONTRIBUICAO PARA ESTUDOS DE EFICIENCIA NOS SER VI<;OS DE SAUDE OCUPACIONAL. 1 - lntroduc;io

Jose Ferraz Nunes (*) CONTRIBUICAO PARA ESTUDOS DE EFICIENCIA NOS SER VI<;OS DE SAUDE OCUPACIONAL. 1 - lntroduc;io Estudos de Economia. vol. VIII, n.' 4, Jui-Set., 1988 CONTRIBUICAO PARA ESTUDOS DE EFICIENCIA NOS SER VI

Leia mais

A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL

A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL O processo de elaboração, tramitação, aprovação e regulamentação da lei

Leia mais

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável Sensibilização para o Sector Doméstico A DECO na Educação para o Consumo Sustentável 1 Quem somos A DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor é uma associação privada, sem fins lucrativos

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e Computadores Gestão de Energia A Eficiência Energética em projecto de edifícios tem sempre presente que existem questões importantes

Leia mais

Cogeração Motores a Gás e Diesel

Cogeração Motores a Gás e Diesel Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º Ano, 2º Semestre Gestão de Energia 2002/2003 Cogeração Motores a Gás e Diesel Afonso Oliveira,

Leia mais

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard Nomenclatura das caldeiras Buderus Exemplo: caldeira em ferro fundido (G) de condensação (B) potência entre 200kW a 400kW (4) de modelo original (0) estanque e queimador a gás (2) Logano Tipo de caldeira

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS Vasco Peixoto de Freitas LFC Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Vasco Peixoto de Freitas OASRN_2008-1

Leia mais

O consumidor e a mudança de paradigma

O consumidor e a mudança de paradigma O consumidor e a mudança de paradigma XIV Réunion Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energia 28 de Abril Maria Margarida Corrêa de Aguiar Índice 1. Envolvente do sector energético: tendências e

Leia mais

Soluções Empresariais. Business Remote Monitoring Solutions

Soluções Empresariais. Business Remote Monitoring Solutions Soluções Empresariais Business Remote Monitoring Solutions «A energia é hoje um bem escasso e dispendioso. Utilizá-la com rigor, de forma eficiente e sem desperdício, é o nosso desafio todos os dias» Isa

Leia mais

Se pensaram que a Directiva actual foi difícil de cumprir, preparem-se para a nova!

Se pensaram que a Directiva actual foi difícil de cumprir, preparem-se para a nova! por RITA ASCENSO Se pensaram que a Directiva actual foi difícil de cumprir, preparem-se para a nova! Para Eduardo Maldonado responsável pela transposição da directiva dos Edifícios para o nosso pais, a

Leia mais

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade A DIRETIVA EUROPEIA SOBRE INFRAESTRUTURAS DE COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da

Leia mais

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro O palácio de Belém Um exemplo pioneiro Workshop - TIC e Eficiência Energética: O Estado deve dar o exemplo Teresa Ponce de Leão 23 de Junho de 2010 Extracto do relatório 2009 O processo que conduziu à

Leia mais

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt O recurso energético e o mercado potencial Estado actual da tecnologia Custos A Energia das Ondas em Portugal Conclusões Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais