Resenha da palestra de David Harvey O Enigma do Capital e as Crises do Capitalismo (Boitempo, 2011) * Salão Nobre IFCS/UFRJ 29 de fevereiro de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resenha da palestra de David Harvey O Enigma do Capital e as Crises do Capitalismo (Boitempo, 2011) * Salão Nobre IFCS/UFRJ 29 de fevereiro de 2012"

Transcrição

1 Resenha da palestra de David Harvey O Enigma do Capital e as Crises do Capitalismo (Boitempo, 2011) * Salão Nobre IFCS/UFRJ 29 de fevereiro de 2012 Mariana Bruce Mestre em História pela Universidade Federal Fluminense As origens da crise O último trabalho do geógrafo britânico David Harvey, O Enigma do Capital e as Crises do Capitalismo (Boitempo, 2011), visa explicar a crise econômica de 2007/2008 ocorrida nos EUA, a partir de uma abordagem marxista, de forma compreensível. Tratase de simplificar o argumento sem destruir as contribuições de Marx para a análise do capitalismo e suas crises sistêmicas. O autor defende que uma análise sobre a crise, os lucros e o consumo nos permite vislumbrar caminhos para travar a luta contrahegemônica na contemporaneidade. Harvey parte da premissa que o capitalismo não resolve a problemática da crise porque não é capaz de superar suas contradições. O que faz é contorná-la sucessivas vezes. O professor da City University of New York resgata F. Engels e seu trabalho sobre a burguesia e a crise imobiliária afirmando que desde o século XIX não havia como resolver o problema das moradias, este é transferido para outros setores e, eventualmente, volta à tona. Quer dizer, a crise acaba sendo contornada, porém jamais resolvida. Outro exemplo é a poluição. O capitalismo não resolve o problema, mas o contorna e cita o fato dos EUA enviarem navios cheios de lixo para serem despejados no mar ou em outros continentes. A crise, portanto, é empurrada de um setor para outro: do financeiro, é jogada para o Estado, posteriormente, para a população e assim por diante. Em essência, a história do capitalismo é o ato de contornar a crise de um setor para o outro, inclusive geográfico: começa em um país ou em um continente e, logo, é transportado para outro. Nos EUA em particular, o consumo e as hipotecas dobraram em 1999, bem como os refinanciamentos de imóveis. Isso representa uma capitalização do sistema financeiro * Resenha disponível no site do Núcleo de Estudos Contemporâneos/NEC, da Universidade Federal Fluminense. In:

2 e o aumento do valor das propriedades. Muita gente vive disso para gerar lucro (é certo também que muitos não têm opção; dependem disso para sobreviver). A crise começou nesse setor, pois o mercado imobiliário acabou explodindo. O ciclo vicioso das hipotecas/refinanciamentos começou com Bill Clinton ao dissimular o problema inerente que havia nesse procedimento, instigando o povo estadunidense no que diz respeito aos benefícios da propriedade privada. Uma onda de hipotecas tomou conta do país. O objetivo por trás dessa política era fundamentalmente o lucro. Ainda nos anos 90, muitos já haviam perdido suas casas, uma vez que não tinham condições de manter o pagamento das hipotecas. O mercado financeiro viu aí uma grande oportunidade de aumentar ainda mais seus lucros através de refinanciamentos. Vale notar que é o próprio mercado financeiro quem controla o fornecimento e a demanda por moradia no país. Portanto, quando se amplia a demanda por compra de propriedades, o preço das mesmas aumenta, mas como as condições de investimento são boas, mais pessoas inclusive aquelas que jamais teriam condições econômicas de arcar com os custos de uma hipoteca - acabam comprando (ou tentando comprar) sua casa própria. Com isso, o preço continua a aumentar. O que subjaz aí é um problema crítico, uma bola de neve, que acaba estourando em 2007/2008, quando não foi possível pagar mais pelas hipotecas ou refinanciá-las. Nesse momento, o valor ativo das propriedades despencou e passou a não valer mais nada. Muitas instituições não conseguiram vender esses ativos a tempo e foram à falência. A crise da moradia se converteu, então, num problema financeiro, num crise de acumulação capitalista. Como solucioná-la? O Estado, nesse caso, assumiu o papel de salvador, isto é, para injetar investimentos no mercado, os governos se endividam através de dívidas soberanas. Para o grande Capital, é mais interessante fazer empréstimos para países do que para empresas, já que os primeiros não podem desaparecer. Estão fadados a permanecer em seus territórios onde o credor tem condições de pressioná-lo no sentido do pagamento de suas dívidas. Feitos os empréstimos, a questão que se coloca em seguida é como solucionar o problema das dívidas soberanas. Ora, através medidas de austeridade (princípio neoliberal), nas quais a população é quem acaba pagando. Salvam-se os bancos e estrangulam-se os povos. Piora-se a vida das pessoas para pagar as dívidas dos bancos. Em 2005, os ajustes do Fundo Monetário Internacional/FMI eram controlados justamente pelo Estado.

3 Mas e quando as pessoas se revoltam e não aceitam pagar pela crise? Esta é a realidade de muitos países atualmente. Nesses casos, a crise vai para qual setor? Volta para o financeiro? Segundo Harvey, na China, nos primeiros meses da crise, houve a perda de cerca de 30 milhões de empregos (nos EUA, foram 7 milhões). O que fazer com essas pessoas? Afinal, são consumidores que deixam de investir na economia; interrompe-se, assim, o ciclo do mercado. O investimento em exportações é uma opção, porém, isolado, é incapaz de resolver o problema estrutural que há no mercado interno. Os chineses investiram, então, em obras de INFRAESTRUTURA, velho princípio keynesiano colocado em prática por Franklin Delano Roosevelt nos anos 30, nos EUA, no contexto da Grande Depressão provocada pela Crise de Na China, houve um investimento maciço nesse setor; pelo menos, duas cidades inteiras foram construídas para absorver o problema do trabalho. Além disso, o governo proibiu que os bancos emprestassem dinheiro para a população. Os recursos deveriam ser investidos nas obras dirigidas pelo Estado. Já nos EUA, o Estado injetou capital no mercado financeiro, salvou os bancos, porém, esses recursos não se espalharam pela economia. Ficaram nas mãos dos banqueiros. Ao contrário, portanto, do que ocorreu na China, onde os banqueiros não tinham condições de enfrentar as determinações do Estado. O resultado: os chineses viram um boom de investimentos e houve uma rápida recuperação da crise no país que, por sua vez, ajudou a recuperar vários dos países com os quais mantinha relações comerciais. Um boom de exportações de commodities para China permitiu que países, como o Brasil, por exemplo, não sentissem na mesma proporção a crise que teve início nos EUA e que se alastrou para a Europa. Para se ter uma ideia, nos últimos cinco anos, a China comprou metade de todos os estoques de cimento do mundo. Nunca houve tamanho investimento em urbanização. Em 6 meses/1 ano, o gigante da Ásia já havia superado a crise, bem como os países exportadores desses produtos. Portanto, podemos observar que houve duas experiências de soluções para a crise: uma parte do mundo adotou medidas de austeridade; outra, a fórmula keynesianachinesa. Esta última, que vem alimentando a expansão econômica da China, é a que sustenta metade do mundo. Se o modelo chinês quebrar... o mundo, de igual forma, sofrerá duras consequências.

4 Nesse sentido, cabe indagarmos se este modelo é realmente seguro. Isto é, quanto tempo esse quadro vai continuar? Para responder a esta pergunta, Harvey demonstra como esse processo atual de investimentos em infraestrutura de urbanização para superar crises econômicas - corresponde a um ciclo do capitalismo. Tal como ocorre na China atualmente, nos anos 20, nos EUA, também houve um boom imobiliário. O autor demonstra que a Crise de 1929 foi precedida por um colapso do mercado imobiliário e de construção. Nesse sentido, é possível relacionar ambas as dimensões: o boom imobiliário e a crise econômica. Roosevelt tentou recuperar o mercado imobiliário investindo no setor de construção, o que resolveu parcialmente o problema. Porém, é importante destacar que, em 1939, muitos estadunidenses ainda estavam desempregados. Quer dizer, o sistema capitalista requer um processo contínuo de investimentos em urbanização/reurbanização para gerar emprego e renda, alimentando, assim, o mercado. Não é à toa que muitos políticos são dependentes de empresas de construção civil. Vale notar que, nesse contexto, as cidades-olímpicas se converteram em espaços privilegiados para colocar em prática essa premissa do Capital. São alvos desses interesses capitalistas de urbanização. Grécia, Atlanta e outras, receberam um boom imobiliário. Porém, vítimas do ciclo econômico acima referido, depois, quebraram. Será este o futuro do Rio de Janeiro? Precisamos ficar atentos. Portanto, a urbanização é fundamental para a manutenção do sistema capitalista. Sendo assim, considerando essa dimensão, o que as pessoas pensam sobre isso? Possibilidades emancipatórias Diante dessa característica do capitalismo - isto é, de ter na urbanização sua peça chave de reprodução - que se torna cada vez mais evidente, o que percebemos no âmbito das lutas contra-hegemônicas é que há um aumento das contestações desse modelo de urbanização predatória. As cidades estão sendo transformadas para atender às demandas do capitalismo e não para o bem-viver. Se a urbanização é estrutural para o capitalismo, é preciso estar atento às lutas urbanas que, no contexto atual, devem ser entendidas ou tornadas, lutas de classes. Não há mais o operariado clássico das fábricas, mas sim, trabalhadores urbanos, dispersos e desorganizados. Nosso papel é compreender esses trabalhadores e

5 observar como se construiria uma identidade coletiva de classe. Como organizar essa classe trabalhadora para a luta contra-hegemônica? As cidades na história foram palco de importantes lutas: houve a experiência da Comuna de Paris de 1871; atualmente, vemos a tomada das praças no Mundo Árabe, o movimento de Ocupação de Wall Street. Quer dizer, as cidades são espaços de poder e de luta contra o sistema. Seu papel é central. Em relação ao movimento de Ocupação de Wall Street, Harvey reconhece sua importância, porém critica que seu princípio de atuar em exclusiva horizontalidade é uma fraqueza. Para o autor, qualquer forma de organização deve articular horizontalidade e verticalidade. Sem este último, que é o que, ao fim e ao cabo, garante a ação política de forma mais objetiva, os movimentos não conseguiriam se manter firmes durante muito tempo. O Ocupy Wall Street foi interessante também para identificarmos o real significado dos espaços públicos nas cidades. Haverá mesmo esses espaços? Harvey sugere que o que precisamos são de projetos de urbanização alternativos. No mundo contemporâneo, há bons exemplos disso. Alguns dos casos mais emblemáticos para o autor são as cidades de El Alto e Cochabamba, na Bolívia objetos do seu último livro lançado nos EUA. Ali, os movimentos indígenas foram capazes de articular a horizontalidade e verticalidade para a tomada de decisões e conseguiram derrubar dois presidentes, além de conquistar outra série de benefícios. As estruturas indígenas se fundiram com a realidade das cidades e permitiram a construção de um paradigma do que deveriam ser as lutas urbanas na contemporaneidade. Por fim, indagado sobre o papel do campo em toda essa história, Harvey afirma que não haveria mais essa distinção clássica entre campo X cidade. Hoje, o que consideramos como campo, na verdade, seriam extensões rurais das cidades uma vez que princípios da vida urbana são recorrentemente encontrados nessas regiões (utilização de celulares, televisão, internet etc.). Harvey resgata a obra de Lefebvre, quando o autor analisa a Revolução Urbana na Europa e previu que essa transformação ocorreria. Em El Alto, para voltar ao exemplo, as formas originárias rurais indígenas se metamorfosearam com a ocupação das cidades. Portanto, atualmente, tudo é urbano de alguma forma e a luta contra-hegemônica deve ser organizada partindo dessa premissa.

Leia a palestra de David Harvey sobre o direito à cidade Por FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2009 13/02/2009 às 16:15

Leia a palestra de David Harvey sobre o direito à cidade Por FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2009 13/02/2009 às 16:15 Leia a palestra de David Harvey sobre o direito à cidade Por FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2009 13/02/2009 às 16:15 No dia 29 de janeiro o geógrafo David Harvey fez a palestra inaugural do seminário "Lutas pela

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

AMANDA GRANDE ALVES RA: A7607C2 GABRIELA DE OLIVEIRA LIMA RA: A819IB0 JOSÉ RICARDO DE ARAÚJO FILHO RA: A941018

AMANDA GRANDE ALVES RA: A7607C2 GABRIELA DE OLIVEIRA LIMA RA: A819IB0 JOSÉ RICARDO DE ARAÚJO FILHO RA: A941018 AMANDA GRANDE ALVES RA: A7607C2 GABRIELA DE OLIVEIRA LIMA RA: A819IB0 JOSÉ RICARDO DE ARAÚJO FILHO RA: A941018 VANESSA LAÍS BARBOSA DE CASTRO RA: B048638 A GRANDE DEPRESSÃO São Paulo Maio 2011 AMANDA GRANDE

Leia mais

Nacional e internacional

Nacional e internacional Nacional e internacional Crise de 2008 Explosão do mercado imobiliário nos EUA (subprime) Colapso no sistema econômico mundial Quebradeira de bancos e grandes empresas Queda vertiginosa nas taxas de lucratividade

Leia mais

Crise de 1929 um período de instabilidade do capitalismo

Crise de 1929 um período de instabilidade do capitalismo Crise de 1929 um período de instabilidade do capitalismo Introdução Crise de 1929, queda do índice geral da bolsa de Nova York em 1929. Em 1927, após um período de fortes investimentos no estrangeiro e

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

American Way Of Life

American Way Of Life Crise de 1929 Ao final da Primeira Guerra, a indústria dos EUA era responsável por quase 50% da produção mundial. O país criou um novo estilo de vida: o american way of life. Esse estilo de vida caracterizava-se

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano CRISE DE 29 Colapso do sistema financeiro americano Antecedentes: Europa destruída pela grande guerra depende do capital americano; EUA responsável por 50% de toda produção industrial do mundo; American

Leia mais

O enigma do capital. David Harvey

O enigma do capital. David Harvey O enigma do capital David Harvey Ermínia Maricato Eu quero agradecer à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, pela cessão do auditório, agradecer à Comissão de Pós-Graduação, pela tradução simultânea, e

Leia mais

DINHEIRO VINDO DO NADA: Saiba a Verdade Sobre o Sistema Financeiro Mundial. Por David Icke

DINHEIRO VINDO DO NADA: Saiba a Verdade Sobre o Sistema Financeiro Mundial. Por David Icke DINHEIRO VINDO DO NADA: Saiba a Verdade Sobre o Sistema Financeiro Mundial (Texto Traduzido na Íntegra) Por David Icke Uma sociedade sem dinheiro vivo e os microchips são parte de uma ferramenta fundamental

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III 1 Funções como Dinheiro Funções básicas: a) medida de valores; b) meio de circulação. Funções próprias: a)

Leia mais

A comida entrou na roda financeira

A comida entrou na roda financeira A comida entrou na roda financeira Brasil de Fato - seg, 2011-05-02 15:06 admin Para Walter Belik, especulação e irresponsabilidade dos governos neoliberais levou a crise que ainda deve durar vários anos

Leia mais

UNIDADE 4 A CRISE DO GUERRA MUNDIAL. CAPITALISMO E A SEGUNDA. Uma manhã de destruição e morte.

UNIDADE 4 A CRISE DO GUERRA MUNDIAL. CAPITALISMO E A SEGUNDA. Uma manhã de destruição e morte. UNIDADE 4 A CRISE DO CAPITALISMO E A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL. Uma manhã de destruição e morte. No início de agosto de 1945, os Estados Unidos tentavam, sem resultado, conseguir a rendição japonesa. A solução

Leia mais

O privilégio exorbitante dos EUA

O privilégio exorbitante dos EUA O privilégio exorbitante dos EUA Michael Pettis Valor Econômico, 15.9.2011. O status dominante de uma moeda levou a desequilíbrios que criaram um sério risco para o sistema financeiro global. Alguns países

Leia mais

Crise de 1929 IDADE CONTEMPORÂNEA

Crise de 1929 IDADE CONTEMPORÂNEA IDADE CONTEMPORÂNEA Crise de 1929 Nos anos 1920, os Estados Unidos viveram uma prosperidade nunca antes vivenciada. Ao longo da Primeira Guerra Mundial haviam se tornado a maior economia do mundo e depois

Leia mais

Grande crise do liberalismo econômico. Profª Karoline Rebouças

Grande crise do liberalismo econômico. Profª Karoline Rebouças Grande crise do liberalismo econômico Profª Karoline Rebouças Antes da Crise Fim da 1ª Guerra Mundial (1918) Europa arrasada Economia desestruturada Diminuição da mão-de-obra EUA patrocinam a reconstrução

Leia mais

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Noção do Subprime Causas da crise Consequências da crise A crise subprime em Portugal Previsões para as economias

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

Cenários para o Atlântico Norte

Cenários para o Atlântico Norte Cenários para o Atlântico Norte Por Samuel Pessôa Valor Econômico, 20.9.2012 A economia de mercado na China é o fenômeno mais marcante do capitalismo desde a revolução industrial. O Valor pediu- me para

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

Minha Casa, Meu Capital

Minha Casa, Meu Capital Sumário Executivo A casa própria é o ativo físico mais decisivo no processo de acumulação de capital das famílias. Ele desempenha papel de reserva de valor para fazer face às incertezas e a necessidades

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca Ana Tavares Lara Pereira José Gomes Armindo Fernandes Dezembro de 2011 COMO TUDO COMEÇOU

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Sendo manifesto que estas incertezas e insegurança económica sentidas por. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o

Sendo manifesto que estas incertezas e insegurança económica sentidas por. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o equilíbrio das famílias, crianças e jovens Europeus e Portugueses. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o milhões de cidadãos Europeus e Portugueses, o receio quanto ao

Leia mais

HARVEY, David. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. Trad. João Alexandre Peschanski. São Paulo: Boitempo, 2011.

HARVEY, David. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. Trad. João Alexandre Peschanski. São Paulo: Boitempo, 2011. AGRÁRIA, São Paulo, No. 14, pp. 140-145, 2011 HARVEY, David. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. Trad. João Alexandre Peschanski. São Paulo: Boitempo, 2011. José Arnaldo dos Santos Ribeiro

Leia mais

Imagem 1 Imagem 2. Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./ Imagem 2 Le Monde Diplomatique ano 2, nº16 novembro de 2008

Imagem 1 Imagem 2. Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./ Imagem 2 Le Monde Diplomatique ano 2, nº16 novembro de 2008 Nome: Nº: Turma: Geografia 3º ano Gabarito - Prova Augusto Mar/10 1. Observe as imagens abaixo e faça o que se pede: Imagem 1 Imagem 2 Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO: NOVA ORDEM MUNIDAL PROFESSOR: WISLER JULIANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA

GLOBALIZAÇÃO: NOVA ORDEM MUNIDAL PROFESSOR: WISLER JULIANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA GLOBALIZAÇÃO: NOVA ORDEM MUNIDAL PROFESSOR: WISLER JULIANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA GLOBALIZAÇÃO? É um fenômeno capitalista de aprofundamento da integração econômica, social, cultural e política, que teria

Leia mais

Data: HISTÓRIA TUTORIAL 14B. Aluno (a): Equipe de História. Entreguerras: Crise Liberal de 1929 e fascismo

Data: HISTÓRIA TUTORIAL 14B. Aluno (a): Equipe de História. Entreguerras: Crise Liberal de 1929 e fascismo Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 14B Ensino Médio Equipe de História Data: HISTÓRIA Entreguerras: Crise Liberal de 1929 e fascismo Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/OUT/2014 1346 Colégio

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

Trabalho feio pela acadêmica MSR, do curso de Ciências Contábeis Contatos: gerfisio@yahoo.com.br 1)- Cenário Anterior à Crise:

Trabalho feio pela acadêmica MSR, do curso de Ciências Contábeis Contatos: gerfisio@yahoo.com.br 1)- Cenário Anterior à Crise: Trabalho feio pela acadêmica MSR, do curso de Ciências Contábeis Contatos: gerfisio@yahoo.com.br 1)- Cenário Anterior à Crise: De forma resumida, o que se presenciava no cenário anterior à crise atual

Leia mais

ATIVIDADES PROVINHA PERÍODO ENTREGUERRAS

ATIVIDADES PROVINHA PERÍODO ENTREGUERRAS ATIVIDADES PROVINHA PERÍODO ENTREGUERRAS 1-O "crack" da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 1929, provocou falências de centenas de indústrias, de bancos, de companhias de comércio e de transportes e um

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015/2 DIREITO HISTÓRIA

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015/2 DIREITO HISTÓRIA HISTÓRIA Questão 01 (Imagem disponível em: . Acesso em: 02 maio 2015) Leia atentamente o fragmento de texto a seguir:

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

Unic Sorriso Economia

Unic Sorriso Economia Professor FÁBIO TAVARES LOBATO Economista(UFRGS) MBA Gestão em Agribusiness(FGV) MBA Gestão Empresarial(UFRJ) MBA Finanças Empresariais (UNIC) MBA Liderança e Coaching (UNIC) 3. Evolução do Pensamento

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Identificação Disciplina: TEORIA ECONÔMICA I Corpo Docente: ÁLVARO EDUARDO

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

É só mais uma crise JORGE MIGLIOLI *

É só mais uma crise JORGE MIGLIOLI * É só mais uma crise JORGE MIGLIOLI * A atual crise não é uma novidade. Além do movimento cíclico usual de subidas e descidas do nível de produção, às vezes também ocorrem crises. Até recentemente, a mais

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

O fundador do PP reassume o comando do Banco Itaú preocupado com as incertezas que rondam a economia do país neste ano.

O fundador do PP reassume o comando do Banco Itaú preocupado com as incertezas que rondam a economia do país neste ano. O ESSENCIAL É SOBREVIVER O fundador do PP reassume o comando do Banco Itaú preocupado com as incertezas que rondam a economia do país neste ano. Há exatamente um ano, quando presidia a sessão paulista

Leia mais

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Um pouco de história: Em 1934, Charles B. Darrow da cidade de Germantown no estado da

Leia mais

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29

Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Capitalismo, Revolução Russa e Crise de 29 Revolução Russa de 1917 A Revolução Russa de 1917 foi uma série de eventos políticos na Rússia, que, após a eliminação da autocracia russa, e depois do Governo

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

Países Emergentes e Crise Ecológica Global. Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário

Países Emergentes e Crise Ecológica Global. Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário Países Emergentes e Crise Ecológica Global Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário Brasil, Rússia, Índia, China: Grandes países Estratégias de transição para o capitalismo Globalização

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

RESOLVIDO 1º SIMULADO DISCURSIVO PROVA 02. GEOGRAFIA Horário: das 9h às 12h Dia: 01 de julho.

RESOLVIDO 1º SIMULADO DISCURSIVO PROVA 02. GEOGRAFIA Horário: das 9h às 12h Dia: 01 de julho. RESOLVIDO 2012 1º SIMULADO DISCURSIVO PROVA 02 GEOGRAFIA Horário: das 9h às 12h Dia: 01 de julho. GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO As figuras a seguir apresentam os mapas com a atuação das massas de ar no inverno

Leia mais

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015?

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista econômico da Rádio Bandeirantes Atibaia 17/05/2014 Qual

Leia mais

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis.

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis. David Ricardo David Ricardo nasceu em Londres, em 18 ou 19 de abril de 1772. Terceiro filho de um judeu holandês que fez fortuna na bolsa de valores, entrou aos 14 anos para o negócio do pai, para o qual

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

China precisa crescer para manter a coesão interna

China precisa crescer para manter a coesão interna Veículo: Folha de S.Paulo Data: 13/4/2009 Autor: Raul Juste Lores China precisa crescer para manter a coesão interna Consultor diz que a própria estabilidade do governo depende da criação de empregos e

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

O Serviço Social em Defesa pelo Direito à cidade: Limites e Possibilidades da Intervenção Profissional

O Serviço Social em Defesa pelo Direito à cidade: Limites e Possibilidades da Intervenção Profissional O Serviço Social em Defesa pelo Direito à cidade: Limites e Possibilidades da Intervenção Profissional Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Londrina, Agosto de 2011 O direito à cidade é um direito coletivo,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

ESTUDO SOBRE A GESTÃO TERRITORIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DA JUNÇÃO: ESTADO, CAPITAL IMOBILIÁRIO E FINANCEIRO.

ESTUDO SOBRE A GESTÃO TERRITORIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DA JUNÇÃO: ESTADO, CAPITAL IMOBILIÁRIO E FINANCEIRO. ESTUDO SOBRE A GESTÃO TERRITORIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DA JUNÇÃO: ESTADO, CAPITAL IMOBILIÁRIO E FINANCEIRO. Nicolau Martins Graduado em geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade 28 r e v i s t a revenda construção entrevista_ed.indd 28 14/05/10 22:05 País rico e já estável era rricardo Amorim, economista formado

Leia mais

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Boletim Econômico Edição nº 91 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Neste ano de 2014, que ainda não terminou o Governo

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio.

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. 01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. Sobre essa questão, leia atentamente as afirmativas abaixo: I. Em 11 de setembro de 2001, os EUA sofreram um violento

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO Indicadores de fragilidade da era da prosperidade nos Estados Unidos da América Endividamento e falência de muitos agricultores. Estes tinham contraído empréstimos para

Leia mais

09/10/2011-08h05 Movimentos refletem era de exclusão, diz sociólogo

09/10/2011-08h05 Movimentos refletem era de exclusão, diz sociólogo 09/10/2011-08h05 Movimentos refletem era de exclusão, diz sociólogo PUBLICIDADE ELEONORA DE LUCENA DE SÃO PAULO Movimentos que aparecem e desaparecem, fluidos e persistentes. Fragmentados, gravitam em

Leia mais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C C A E A A E C B A

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C C A E A A E C B A GABARITO 2ª CHAMADA DISCIPLINA: FÍS./GEO. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax:

Leia mais

DÉCADA DE 80. Profa. Dra. Regina S. A. Martins

DÉCADA DE 80. Profa. Dra. Regina S. A. Martins Eventos Marcantes: Guerra das Malvinas Guerra nas Estrelas Glasnost e Perestroika Queda do Muro de Berlim Massacre da Praça da Paz Celestial (Tiananmen) Tragédias sociais e ambientais ESTADOS UNIDOS 1981-1988:

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Quais são as contradições da crise do Euro?

Quais são as contradições da crise do Euro? Quais são as contradições da crise do Euro? Lucas Braga de Melo Logo após o colapso financeiro dos subprimes nos EUA em 2008, foi deflagrada a crise europeia. Essa última, entretanto, tem suas origens

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

VII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS TITULO:

VII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS TITULO: VII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS TITULO: Programa Minha Casa Minha Vida: uma solução burguesa para a questão da habitação no Brasil. AUTOR: Jadson Pessoa da Silva Mestrando em Desenvolvimento Socioeconômico

Leia mais

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA Núcleo de Educação Popular 13 de Maio - São Paulo, SP. CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA www.criticadaeconomia.com.br EDIÇÃO Nº 1224/1225 Ano 29; 1ª 2ª Semanas Fevereiro 2015. País rico é país com pobreza Enquanto

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Oriente Médio Oceania

Oriente Médio Oceania 1 Fonte: Para viver juntos: Geografia, 9º ano: ensino fundamental. São Paulo: Edições SM, 2008, p. 206. O mapa acima nos mostra uma região que tem sido motivo de disputas e conflitos entre os europeus

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA NO CONTEXTO DA MUNDIALIZAÇÃO DO CAPITAL.

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA NO CONTEXTO DA MUNDIALIZAÇÃO DO CAPITAL. PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA NO CONTEXTO DA MUNDIALIZAÇÃO DO CAPITAL. Vanilza da Costa Andrade Doutoranda em Geografia NPGEO/UFS e-mail: vanilza.geo@gmail.com INTRODUÇÃO O Estado é a base que dá sustentação

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

Papel do Pará será de vanguarda para o Brasil :: Thiago Vilarins (O Liberal, em 14.06.2015)

Papel do Pará será de vanguarda para o Brasil :: Thiago Vilarins (O Liberal, em 14.06.2015) Papel do Pará será de vanguarda para o Brasil :: Thiago Vilarins (O Liberal, em 14.06.2015) O desenvolvimento do País passa pelo aproveitamento das potencialidades da região amazônica, em particular, pelo

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas Anita Santos Diogo Gautier Helena Santos Eurico Alves Dezembro de 2011 1 A Crise Atual:

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais