Avaliação de Risco à Saúde Humana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de Risco à Saúde Humana"

Transcrição

1 VI SEMINÁRIO DE POLÍTICAS DE GESTÃO DE QUALIDADE DO SOLO E DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS setembro/2008 Avaliação de Risco à Saúde Humana Exemplo PETROBRAS Cláudio Henrique Dias Guimarães PETROBRAS Coordenador do Programa de Resíduos e Áreas Impactadas

2 Objetivos Apresentar a experiência da PETROBRAS no uso de avaliação de risco à saúde humana Abordar, de forma comparativa, a avaliação de risco ecológico Para isto, irei: Contextualizar; Destacar aspectos teóricos importantes; Abordar o uso no mundo enobrasil; Apresentar como a Petrobras utiliza a AR.

3 Contextualização A sociedade humana e suas atividades vêm acumulando ao longo dos anos um expressivo passivo ambiental de solos e águas subterrâneas contaminados, principalmente após a Revolução Industrial, gerando uma questão de extrema importância para ser gerenciada pelas atuais e futuras gerações. E esse passivo não foi resultado somente de acidentes ambientais. Procedimentos que se consideravam em determinadas épocas aceitáveis tecnicamente, sendo por vezes aprovados ou autorizados pelos órgãos de controle ambiental, resultam hoje em áreas contaminadas perante os atuais critérios e níveis de exigência da sociedade. Os compromissos daquela época estão sendo cobrados e Os compromissos daquela época estão sendo cobrados e pagos pelos valores atuais.

4 Contextualização Altos custos individuais Para áreas menores, como postos de serviços valores da ordem de milhares de reais, podendo chegar a ordem de milhão ( R$10MM). Para grandes áreas valores da ordem de centenas de milhões de reais ( R$300MM) Para grandes acidentes, como o do Exxon Valdez, ocorrido no Alasca em março/1989 com o vazamento de mais de 40 milhões de litros de óleo, as cifras chegaram a US$3BB, entre ações de mitigação e indenização.

5 Contextualização Altos custos coletivos Alemanha áreas contaminadas (dados de 2001) (http://www.umweltbundesamt.de/) Mai/2006 sp br Holanda áreas contaminadas que necessitam ser remediadas urgentemente (http://www.vrom.nl/) Recursos necessários para identificação, investigação de áreas e remediação e para administração da função pública - Brasil: US$ 25 bi a US$ 31 bi ICF International e MMA - março/2008 Só no Estado de São Paulo estima-se que o número de áreas contaminadas está entre a áreas. MMA - março/2008 Estudo de 150 sítios contaminados, em 2000 nos EUA, estima que os gastos com remediação sob a atual política ambiental americana chegarão a US$1trilhão nos próximos 30 anos. HAMILTON, J. T., V ISCUSI, W.K., A Critical Review of Calculating Risks: The Spatial and Political Dimensions of Hazardous Waste Policy, In: Principles of Environmental Toxicology, University of Ida ho, EUA, 12/2000. STROUP, R. L. E ROGER, E. M., The Toxic Liability Problem: Whys is It Too Large?, In: Stroup, R. e R. Meiners, ed. Cutting Green Tape Toxic Pollutants, Environmental Regulation and the Law, New Brunswick, USA, Transaction Publishers, pp. 1-26, 2000.

6 Contextualização Limitaçõesi Técnicas Comportamento distinto dos contaminantes em meio heterogêneo fatores de ordem física, química, mineralógica e biológica análise local. Limites na medição das concentrações de contaminantes. Impossibilidade de limpeza integral das áreas contaminadas voltar ao original. Limitações de recursos para representar perfeitamente o problema real (modelagens). Limitações de Recursos Físicos e Financeiros Equipamentos. Tempo. Dinheiro.

7 Contextualização Altos custos individuais Grande número de áreas impactadas Limitações técnicas Limitações de recursos Necessidade de priorização GESTÃO BASEADA NO RISCO

8 Aspectos teóricos importantes 2 Possible pathways: Ingestion: of contaminated soil/dust 1 of contaminated food 2 of contaminates water 3 Inhalation: of contaminated soil particles/dust/vapours: 4 Direct Contact; with contaminated soil/dust or water: 5 EXAMPLES OF HUMAN EXPOSURE PATHWAYS Contaminated Soil Garden or Allotment River FONTE RISCO VIA RECEPTOR Groundwater flow Water Table

9 Aspectos teóricos importantes Inaceitável Aumento dos riscos Tolerável Aceitável Requer conceito do ALARP As Low As Reasonably Practicable Negligenciável Baseado na UKOOA, 1999

10 Aspectos teóricos importantes NÍVEIS ACEITÁVEIS DE RISCO Kirchhoff, Denis Tese Avaliação de Risco Ambiental... USP/2004

11 Aspectos teóricos importantes NÍVEIS ACEITÁVEIS DE RISCO EstimativasdeRiscosAssociadosaAçõesRotineiraseContaminações a Ações Rotineiras e Ação Risco para a Vida Ataque Cardíaco 1:300 Câncer 1:509 Acidente de Carro 1: AIDS 1: Atropelamento 1: Acidente de Trabalho 1: Acidente de Moto 1: Afogamento 1: Nível máximo de contaminação permitido pela 1: USEPA para sítios contaminados Atingido por um Raio 1: Avalanche 1: Atacado por um Tubarão 1: Fonte: Rede Globo de Televisão/Programa Fantástico 2003 Pesquisa da Conde Nast Traveler EUA

12 Aspectos teóricos importantes AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA MÉTODO NAS-US ESTIMATIVA DO RISCO Identificação da fonte Avaliação toxicologia Avaliação da exposição Caracter. do risco Fonte Potencial do Meio Receptor Contato com Índices de química composto Transporte substância Risco ESTIMATIVA DO NÍVEL DE REMEDIAÇÃO TOXICOLOGIA GEOTECNIA

13 AVALIAÇÕES DE RISCO ECOLÓGICO Aspectos teóricos importantes Problem formulation Define stressors, assessment endpoints, conceptual models, analysis plan Analysis Characterize exposure and ecological effects Risk Characterization Summarize information, describe risk p

14 QUESTÕES DURANTE O PLANEJAMENTO GERENCIADOR ANALISTA

15 AVALIAÇÕES DE RISCO ECOLÓGICO Aspectos teóricos importantes

16 AVALIAÇÕES DE RISCO ECOLÓGICO Aspectos teóricos importantes Summarizing planning agreements is the best way to make sure that the risk assessment stays true to its original intent. There is no predetermined format, length, or complexity for a planning summary.

17

18 Aspectos teóricos importantes AVALIAÇÕES DE RISCO À SAÚDE HUMANA E ECOLÓGICA AV. RISCO À SAÚDE HUMANA: AV. RISCO ECOLÓGICO: Efeitos no homem e no ambiente para seu uso Efeitos no meio biótico e abiótico Homem como vítima dos efeitos adversos Homem como agente estressor do meio Base: toxicologia Base: ecotoxicidade Toxicidade específica Biodispobilidade

19 Aspectos teóricos importantes AVALIAÇÕES DE RISCO À SAÚDE HUMANA E ECOLÓGICA AV. RISCO À SAÚDE HUMANA: AV. RISCO ECOLÓGICO: ASTM E e1 Standard Guide for Risk-Based Corrective Action ASTM - E Standard Guide for Risk-Based Corrective Action Applied at Petroleum Release Sites ASTM Guide for Risk Based Corrective Action at Chemical Release Sites (RBCA) USEPA 2005 Guidelines for Carcinogen Risk Assessment USEPA 1999 R isk Assessment Guidance for Superfund: V1 Human Health Evaluation Manual Supplement to Part A: Community Involvement in Superfund Risk Assessments USEPA 1989 Risk Assessment Guidance for Superfund, VI, Human Health Evaluation Manual (Part A). ASTM E e1 Standard Guide for Risk-Based Corrective Action ASTM E Standard Guide for RISK-Based Corrective Action for Protection of Ecological (eco-rbca) USEPA 1998 Guidelines for Ecological Risk Assessment USEPA 1996 Ecological Risk Assessment Guidelines p g U.S. Department of Energy EPA

20 Uso no mundo e no Brasil Tendências mundiais: Estabelecimento de valores orientadores não cabem padrões (standard), por não ser um único meio, homogêneo; Uso de legislação de proteção do solo e não para áreas contaminadas; Uso de análise de risco incorporada às listas e aos procedimentos; CLASSIFICAÇÃO Duas tendências principais: Valores numéricos pré-estabelecidos, com ou sem diferenciação de uso; Valores baseados na avaliação de risco, caso a caso. REMEDIAÇÃO

21 Uso no mundo e no Brasil Abordagem mundial Legislações há 25 anos Ações: Emergenciais Remediação e controle a médio e longo prazo Uso da avaliação de risco à saúde humana consolidade Uso de avaliação de risco ecológico em casos específicos Incorporação da proteção à saúde humana e ao meio ambiente na definição dos valores orientadores Abordagem Brasil Legislações: Ausência de legislação federal resoluções CONAMA em aprovação Iniciativas estaduais recentes (8 anos) Ações: Emergenciais Pressão para soluções imediatas Uso da avaliação de risco à saúde humana aceito de forma geral Discussão atual para incorporação da proteção ao meio ambiente nos valores orientadores.

22 Uso no mundo e no Brasil AVALIAÇÃO DE RISCO INCORPORADA À LEGISLAÇÃO EUA Legislação específica somente a partir da década de criação da EPA 1976 RCRA (Resource Conservation and Recovery Act) 1980 (11/12) CERCLA (Comprehensive Environmental Response, Compensation, and Liability Act ), comumente conhecido como Superfund 1986 SARA (Superfund Amendments and Reauthorization Act) emendou o CERCLA HOLANDA Legislação específica somente a partir da década de criado o Ministry of Social Affairs and Public Health 1971 primeiro ato sobre meio ambiente sem resposta da sociedade 1983 Valores orientadores para solo 1987 Lei de Proteção do Solo

23 Uso no mundo e no Brasil AVALIAÇÃO DE RISCO INCORPORADA À LEGISLAÇÃO BRASIL Não há legislação l específica 1981 Política Nacional de Meio Ambiente Lei Constituição Federal 1990 criação do IBAMA 1998 Lei de Crimes Ambientais Lei Resoluções CONAMA (e normas ABNT) em elaboração SÃO PAULO Legislação específica somente a partir da década d de Controle de poluição Lei Constituição Estadual 1997 Política Estadual de Meio Ambiente 2001 Valores Orientadores para Solo (revistos em 2005)

24 Como a PETROBRAS usa AR

25 Como a PETROBRAS usa AR Processo de apoio à decisão, considerando riscos aceitáveis estabelecidos pela sociedade. Dentro da gestão de áreas impactadas. Seleciona áreas prioritárias para intervenção. Avalia e classifica diferentes opções de controle/redução de riscos. Define metas de intervenção, embasando o projeto conceitual de remediação ou controle ou monitoramento. t Melhor aloca recursos de forma a trazer melhor relação custo/benefício para a empresa e para a sociedade.

26 Como a PETROBRAS usa AR PARA ISSO, Usa metodologia NAS-US com softwares no mercado para Tier 1 e 2, como RISC 4, RBCA TOOLKITS, CSOIL. Aplica modelagens mais complexas para Tier 3, quando indicado, através de uso de softwares de modelagem de transporte e de risco. Considera a inclusão da visão ecológica e de saúde pública (condições epidemiológicas), em casos específicos. Desenvolve sistema de informações georeferenciado, integrado. Desenvolve software específico SCBR Solução Corretiva Baseada no Risco para apoio à gestão, com simulação de transporte de contaminates e estratégias de remediação, com presença de etanol.

27 Descrição resumida do SCBR O SCBR - Solução Corretiva Baseada no Risco é um modelo bi-dimensional dimensional, numérico, que simula cenários de contaminação de aqüíferos não confinados, por derramamentos de combustíveis. Em caso de derramamentos de gasolina brasileira, o SCBR considera a interferência do etanol nos processos de solubilização e biodegradação; o que o diferencia diante dos demais softwares usados na simulação de poluentes em águas subterrâneas. Simula o escoamento e transporte de contaminantes nas zonas insaturadas e saturadas. O modelo simula também estratégias de remediação ativa, tais como barreiras físicas, sistemas de injeção, bombeamentob e processos que resultem no aumento da cinética de biodegradação. d Além disso, acomoda múltiplas fontes de contaminação, banco de dados de produtos e contaminantes, banco de dados hidrogeológicos, simula a intemperização da fonte, utiliza dados georeferenciados, dentre outras características. ti A versão atual SCBR foi avaliada por instituição idônea, independente e de altíssima reputação no meio cientifico, o Laboratorio Nacional de Computação Cientifica - LNCC. Avaliação realizada segundo protocolo estabelecido pela designação D da ASTM para avaliação de software para simulação de águas subterrâneas. Para análise dos requisitos necessários para o uso e funcionalidade do sofware, focando a qualidade dos produtos intermediários e finais do SCBR, foi usada a ABNT ISO/IEC Atualmente, está em validação interna na Petrobras. A ferramenta contempla metodologia inovadora e otimizada para caracterização e análise integrada de informações de impactos e riscos significativos (sócio-ambientais) a fim de subsidiar tomadas de decisão sustentáveis, e s, dentro de um sistema sse aestruturado u de gestão corporativa. a

28 Como a PETROBRAS usa AR PROCEDIMENTO TÍPICO DE GESTÃO DE ÁREAS IMPACTADAS Baseado na norma ASTM (ações necessárias a definir caso a caso): análise documental vistoria de campo análise expedita de gases ocluídos técnica não-invasiva em eixos principais da área sondagem exploratória nas áreas pré-identificadas como suspeitas Aplicação de técnicas de: geofísica geoquímica hidrogeologia Mapas potenciométricos Perfis geológicos g Modelagens Execução de hidrogeológicas Avaliação de Risco: e hidrogeoquímicas saúde humana foco: saúde humana e toxicologia Estudo interno para ecológico definição foco: das ações ecossistemas de remediação e epidemiologia e/ou controle remediação in situ remediação on site remediação ex situ Detalhamento do controles projeto conceitual físicos ou institucionais Tecnologias de remediação e/ou controle Acompanhamento da execução Cronograma físico-financeiro Plano de Encerramento e Monitoramento Executar conforme o cronograma físico-financeiro Acompanhar execução e rever projeto (se necessário) Realizar Avaliação de Risco Ambiental/Ecológica (se indicado) SCREENING AVALIAÇÃO INICIAL DO SOLO E DA ÁGUA SUBTERRÂNEA DE TODA A ÁREA FASE I da ASTM 1527 IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS SUSPEITAS DIAGNÓSTICO DETALHADO DE SOLOS E DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FASE II da ASTM 1903 AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA E/OU ECOLÓGICO PROJETO CONCEITUAL DAS AÇÕES DE REMEDIAÇÃO E/OU CONTROLE PROJETO DETALHADO DAS AÇÕES DE REMEDIAÇÃO E/OU CONTROLE IMPLANTAÇÃO DAS AÇÕES DE REMEDIAÇÃO E/OU CONTROLE Executar Plano de Encerramento e Monitoramento MONITORAMENTO DA ÁREA

29 COMO RESULTADOS: Como a PETROBRAS usa AR Avaliação de Risco à saúde Humana Uso em 100% dos casos com contaminação Executadas 150/ano, em média (incluindo a BR) Recomendações: Intervenção Confinamento do contaminante Controle de uso da área Monitoramento Avaliação de Risco Ecológico Uso em casos específicos EXEMPLO

30 Uso na PETROBRAS exemplo teórico Conhecimento do problema UN. INDUSTRIAL: Início da operação no final da década de 60 ÁREA CONTAMINADA 1,5ha Próximo ao extremo sul da Unidade Disposição de borras de limpeza de tanques de petróleo/derivados Paralisação do uso da área há 15 anos

31 Uso na PETROBRAS exemplo teórico Desenvolvimento de um modelo conceitual SEÇÃO AA SEÇÃO BB

32 Uso na PETROBRAS exemplo teórico Considerar todos os cenários atuais e futuros

33 Uso na PETROBRAS exemplo teórico Programa RISC 4.0

34 Uso na PETROBRAS exemplo teórico Cenários 3. Ingestão de água na área CH4 4. Inalação interna na área CH5 5. Ingestão de água à jusante CT2 e CH Ingestão solo na área CT1, CH1, CR2 Ingestão vegetais solo na área CH Inalação externa na área CH10 e CR6 Água irrigação na área CH3 SIMULAÇÕES BÁSICAS RISCOS CARCINOGÊNICOS 1,00E-02 RISCO CARCINO OGÊNICO 1,00E-04 1,00E E 1,00E-0808 ADULTO CRIANÇA TRABALHADO R 1,00E-10 CR R1 CR R2 CR R3 CR R4 CR R5 CR R6 CH H1 CH H2 CH H3 CH H4 CH H5 CH H6 CH H7 CH H8 CH H9 CH1 10 CT T1 CT T2 CENÁRIO

35 Análise crítica dados d toxicológicos i Uso na PETROBRAS exemplo teórico Deficiência iê i de RfD e SF para os COCs De 28 COC estudados, 36% não têm dados completos, 14% tiveram informações alteradas pelo IRIS, 18% tiveram informações alteradas pelo RBCA TOOLKIT e 21% têm divergência com o banco do RBCA TOOLKIT. Consideração de mesmos valores para exposição oral e dermal; há contaminantes com variações de 10 a 1000x entre vias

36 Uso na PETROBRAS exemplo teórico Análise crítica VARIAÇÕES V1 e V2 - TEMPO DE SIMULAÇÃO RISCOS TÓXICOS 1,00E+02 Tempo de modelagem CO TÓXICO RIS 1,00E+01 1,00E+00 1,00E-01 ADULTO - CT1 ADULTO - CT2 CRIANÇA - CT1 CRIANÇA - CT2 1,00E TEMPO DE S IMULAÇÃO (anos)

37 Uso na PETROBRAS exemplo teórico Análise crítica VARIAÇÕES V9 e V10 - DADOS DOS RECEPTORES RISCOS CARCINOGÊNICOS 1,00E-01 Dados dos receptores RISCO CARCINOGÊNICO O 1,00E-02 1,00E-03 1,00E-04 1,00E-05 ADULTO - CT1 CRIANÇA - CT1 1,00E-06 mínimo média perc. 99% RME máximo TRATAMENTO DOS DADO S DOS RECEPTO RES VARIAÇÕES V9 e V10 - DADOS DOS RECEPTORES RISCOS TÓXICOS 1,00E RISCO TÓXICO 1,00E+02 1,00E+01 ADULTO - CT1 CRIANÇA - CT1 1,00E+00 mínimo média perc. 99% RME máximo TRATAMENTO DO S DADOS DOS RECEPTO RES

38 Conclusões A metodologia de avaliacão de risco na área ambiental é baseada na necessidade de estarem presentes fonte, via e receptor. Avaliação de risco veio como suporte na gestão de áreas contaminadas, permitindo a priorização das ações. O risco é função de sua aceitação social há um conceito de risco aceitável ou tolerável. Avaliação de Risco é uma metodologia utilizada nos principais p países do mundo, com procedimentos sedimentados. Mundialmente, se usa a avaliação de risco à saúde humana para gestão de áreas contaminadas, com aplicação da avaliação ecológica e à saúde pública em casos específicos. O uso desta metodologia como de todas as demais deve ser O uso desta metodologia, como de todas as demais, deve ser criterioso e ético, assegurando dados e cenários consistentes fortalecimento da metodologia como poderosa ferramenta de gestão.

39 VI SEMINÁRIO DE POLÍTICAS DE GESTÃO DE QUALIDADE DO SOLO E DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS setembro/2008 OBRIGADO O Cláudio Henrique Dias Guimarães Petrobras Coordenador do Programa de Resíduos e Áreas Impactadas

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Análise de Risco como Ferramenta para tomada de decisões Eng. Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr.

Leia mais

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Experiência na aplicação da Resolução CONAMA 420 Rodrigo César de Araújo Cunha CETESB Companhia Ambiental

Leia mais

Investigação de Passivos Ambientais. Tiago Luis Haus, Msc

Investigação de Passivos Ambientais. Tiago Luis Haus, Msc Investigação de Passivos Ambientais Tiago Luis Haus, Msc Setembro / 2014 Apresentação Pessoal Formação: Engenheiro Ambiental (UFPR) Mestre em Engenharia de Recursos Hídricos (UFPR) Experiência Profissional:

Leia mais

Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011

Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011 Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011 Manipulação e armazenamento inadequados de resíduos e matéria prima; Vazamentos de linhas e tanques

Leia mais

Legislações para Solos

Legislações para Solos Legislações para Solos Biotecnologia Ambiental Prof. Denize Dias de Carvalho Solo e Água Subterrânea O solo pode atuar como um filtro (capacidade de autodepuração desse tipo de corpo receptor); Essa capacidade

Leia mais

III Seminário Nacional Sobre Dragagem

III Seminário Nacional Sobre Dragagem III Seminário Nacional Sobre Dragagem Engenharia, Tecnologia e Meio Ambiente Mª Luíza Almeida Gusmão Maio/2008 Painel: Monitoramento Ambiental das Dragagens Termo de Referência para o Planejamento das

Leia mais

CRITÉRIOS PARA QUALIDADE DA ÁGUA

CRITÉRIOS PARA QUALIDADE DA ÁGUA CRITÉRIOS PARA QUALIDADE DA ÁGUA Profa. Dra Gisela de Aragão Umbuzeiro FACULDADE DE TECNOLOGIA UNICAMP giselau@ft.unicamp.br CRITÉRIOS OU PADRÕES PARA SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS CRITÉRIOS DE QUALIDADE SÃO VALORES

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com Gerenciamento de Drenagem de Mina Soluções e Tecnologias Avançadas www.water.slb.com Buscando sempre desenvolver solução inovadoras, eficientes e econômicas. A Schlumberger Water Services é um segmento

Leia mais

Avaliação de Risco Ecológico

Avaliação de Risco Ecológico Seminário de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Avaliação de Risco Ecológico Cristiane Lima Analista de Risco Ambiental Engenheira Química, D.Sc. O que é Avaliação de Risco Ecológico? Processo em que

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Oficina de Trabalho do GT Proteção da Qualidade do Solo e Gerenciamento de Águas Contaminadas

Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Oficina de Trabalho do GT Proteção da Qualidade do Solo e Gerenciamento de Águas Contaminadas Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Oficina de Trabalho do GT Proteção da Qualidade do Solo e Gerenciamento de Águas Contaminadas Relatório dos Trabalhos de Grupo Brasília, 02 a 04 de abril de

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CIGRÉ - CE C5-Electricity Markets and Regulation Grupo Melhores Práticas de Gestão de Risco GESTÃO DE RISCOS NA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA: SITUAÇÃO ATUAL E PROPOSTA

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES ÁREAS CONTAMINADAS : RISCOS À SAÚDE HUMANA Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas 3 e 4 de setembro de 2012, Porto Alegre RS NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES P R O M O Ç Ã O DETERMINANTES

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental.

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. O SGA depende da auditoria para poder evoluir na perspectiva de melhoria contínua. Ao se implementar um

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

2 Remediação Ambiental 2.1. Passivo Ambiental

2 Remediação Ambiental 2.1. Passivo Ambiental 17 2 Remediação Ambiental 2.1. Passivo Ambiental O conceito de passivo ambiental vem das ciências contábeis, onde, Galdino et al. (2002) definem como sendo as obrigações adquiridas em decorrência de transações

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal DESAFIOS E CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Isabella Bueno Sócia- Fundadora da Martins & Bueno Assessoria em Recursos Humanos. Possui

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Problema Questionamentos no Brasil a respeito dos conceitos de cumulatividade

Leia mais

Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05. A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo

Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05. A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05 A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo Arcabouço Legal Federal: As resoluções CONAMA 357/05 e 397/08 Água Produzida de Petróleo O

Leia mais

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02

TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NA COMGAS AGOSTO/02 Sistema de Gerenciamento de SSM na Comgás Liderança e Comprometimento Política e Objetivos Estratégicos Organização, Responsabilidades, Recursos, Padrões

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Standard Chartered Bank, Brasil Página 1 de 8 ÍNDICE I. OBJETIVO... 3 II. CICLO DE REVISÃO... 3 III. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 IV. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA... 4

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Responsabilidade Civil e a Gestão de Áreas Contaminadas. Annelise Monteiro Steigleder

Responsabilidade Civil e a Gestão de Áreas Contaminadas. Annelise Monteiro Steigleder Responsabilidade Civil e a Gestão de Áreas Contaminadas Annelise Monteiro Steigleder Áreas Contaminadas Local onde há poluição ou contaminação, potencial ou efetiva, causada pela introdução de substâncias

Leia mais

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS Gestão de Riscos Como lidar com as incertezas do Projeto? Thomaz Ottoni da Fonseca 04/11/2015 FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS 2015 FATTO Consultoria e Sistemas www.fattocs.com 1 ORIENTAÇÕES INICIAIS Dê preferência

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

GESTÃO DE ÁREAS IMPACTADAS NA PETROBRAS Tiago C. Pizani AESAS - 20/09/2007

GESTÃO DE ÁREAS IMPACTADAS NA PETROBRAS Tiago C. Pizani AESAS - 20/09/2007 GESTÃO DE ÁREAS IMPACTADAS NA PETROBRAS Tiago C. Pizani AESAS - 20/09/2007 É de responsabilidade do SMS corporativo da Petrobras Padrão Corporativo de Gestão das Áreas Impactadas: Orientar e monitorar

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação Segurança da Água para Consumo Humano Como Moldar o Futuro da Água para as partes Interessadas 07 Maio de 2015 Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi. Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.net Sobre a SITAWI FINANÇAS DO BEM = Finanças Sustentáveis Assessoria

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Meio Amb.

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014 ANAC INTRODUÇÃO Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional! AO CONCEITO 29/04/2014 DE SAFETY CASE A Ausência de Acidentes não é Garantia de Segurança E, mesmo que fosse como demonstrar a segurança

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

(Environmental and Social Assessments and Audits / Due Diligences)

(Environmental and Social Assessments and Audits / Due Diligences) (Environmental and Social Assessments and Audits / Due Diligences) Agências Multilaterais Fundos de governos de países desenvolvidos para financiar projetos públicos e privados visando ao desenvolvimento

Leia mais

2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida R a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos 2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Santos-SP, 9

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos;

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos; Versão 1.1 - Última Revisão 16/08/2006 Porque estudar um Modelo de Maturidade? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS.

AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS. AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS. Ana Luiza Fávaro Piedade ACQUA CONSULTING SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA. Atualmente já se sabe que cumprir

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Apresentação do novo framework da ISACA Apresentação Este artigo tem como objetivo apresentar a nova versão do modelo de governança de TI, CobiT 5, lançado

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 193

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 193 Página 193 SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA PARA UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL Amaro Miguel da Silva Filho 1 ; Rafaela Ferreira Batista 2 ; James Correia de Melo 2 ; José Geraldo de Andrade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Química Ambiental. Grupo: João Fernando G. Barreto Marcio Michihiko Fujii

Química Ambiental. Grupo: João Fernando G. Barreto Marcio Michihiko Fujii Química Ambiental Grupo: João Fernando G. Barreto Marcio Michihiko Fujii Definição A Química Ambiental estuda os processos químicos (mudanças) que ocorrem no meio ambiente. Essas mudanças podem ser naturais

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO LASSU - LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Por que fazer um MBA LASSU USP? Grande parte do mercado e da sociedade ainda

Leia mais

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Nós, uma aliança de organizações não governamentais dedicadas à saúde e ao meio ambiente, temos sérias preocupações

Leia mais

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais