Método ágil de modelagem de processos orientada a serviços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Método ágil de modelagem de processos orientada a serviços"

Transcrição

1 Método ágil de modelagem de processos orientada a serviços Yara Rodrigues Lopes * A modelagem de processos demanda conhecimento do cenário de negócio e deve se adaptar à realidade da organização. Apesar de organizações de mesma natureza de negócio necessitarem de processos similares, cada uma delas precisa fazer as adaptações apropriadas para que suas práticas reflitam seus objetivos. Porém, se não há um modelo de referência, pode-se correr o risco de retrabalho desnecessário. Este trabalho apresenta uma proposta de adaptação na forma de modelagem de processos que agiliza o trabalho de levantamento e validação de informações. Dessa forma, as organizações se alinham com mais agilidade às tecnologias de negócio, inovações e técnicas atuais. Palavra-chave: Modelagem de processos. Introdução Com a evolução das tecnologias da informação e comunicação, principalmente após o advento da Internet, as organizações são obrigadas a buscar constantemente uma atualização das soluções adotadas, o que requer adaptações em seus processos produtivos e de suporte. A revisão dos processos prepara a organização para a adoção de novas tecnologias e a auxilia a identificar desperdícios e pontos de melhoria. Os processos revistos são usados para definição de requisitos de contratação, orientação da transição e implantação das novas soluções tecnológicas. Segundo Rummler e Brache (1994), a automação geralmente é uma tentativa de aperfeiçoar o desempenho dos processos. Entretanto, o investimento na automação raramente obtém o máximo retorno, pois não é feita a ligação entre o processo e os objetivos da organização a serem impactados com as mudanças. O resultado é um processo automatizado e ineficiente. A revisão de processos já documentados na forma de modelos é uma atividade de análise, que exige mais criatividade e bom senso do que esforço. A atividade que consome mais recursos é a primeira modelagem de processos, em que se explicita a forma de trabalho atual, ou seja, o conhecimento já existente, porém, muitas vezes, ainda encontrado na forma tácita e desestruturada. O tempo de modelagem é sensivelmente maior quando não se consegue manter o foco no levantamento dos processos que compõem o escopo de trabalho. Por conta disso, a reorganização de processos por vezes é relegada a segundo plano, uma vez que o processo de atualização ou elaboração de documentação pode ser demorado. Um fator que confere agilidade à modelagem de processos é o uso de modelos de referência. Esses modelos são geralmente desenvolvidos em cooperação por organizações que operam em determinado setor e refletem as melhores práticas ou elencam processos básicos por segmento de negócio. O uso de ferramentas específicas é outro fator que agiliza a modelagem. Essas ferramentas transformam a informação obtida em simbologia gráfica e em objetos de base de dados, facilitando a formalização e a manutenção, além de manterem a consistência dos processos. Além dessas, há muitas oportunidades de melhoria que podem agilizar a modelagem de processos. Este trabalho descreve uma forma mais eficiente de levantamento de informações da situação atual para modelagem de processos fim a fim, com o intuito de reduzir em até 50% o tempo total dedicado a uma modelagem de processos em relação ao tempo planejado para levantamento de informações e validação de entendimento. Trata-se de um método estruturado, que orienta o fornecimento de informações relevantes e permite que a visão da situação atual não se confunda com a expectativa de como os processos poderiam ou deveriam ser. Nas Seções 1 e 2, é feita uma breve abordagem sobre modelagem de processos e são apresentados os métodos mais utilizados, respectivamente. Na Seção 3, é apresentado o método com os ajustes propostos para levantamento de informações sobre processos atuais. Os resultados obtidos em um estudo de caso são apresentados na Seção 4. Por fim, a conclusão apresenta algumas considerações e os benefícios obtidos com a realização do trabalho. 1 Métodos de modelagem de processos No gerenciamento de processos de negócio, a modelagem é tipicamente realizada em duas etapas: *Autor a quem a correspondência deve ser dirigida: Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 1, p , jan./jun. 2012

2 a) modelagem do estado atual do processo (As Is), realizada uma vez; b) modelagem do estado desejado do processo (To Be), realizada para acomodar determinada mudança. A cada nova mudança, esse processo passa a ser usado como As Is. Davenport (1994) indica que o primeiro passo no gerenciamento de processos de negócio é identificar e entender o processo existente (As Is), de modo a: a) evitar rejeição imediata dos atuais usuários do processo; b) conhecer melhor os pontos de melhoria; c) dispor de métricas que permitam identificar, com clareza, as melhorias a serem proporcionadas pelo estado futuro; d) evitar erros cometidos no passado. Baldam e autores (2007) consideram a modelagem do tipo To Be em um segundo momento. Muitas equipes de processos são instruídas a se limitarem a uma descrição formalizada do estado atual do processo. Geralmente, o objetivo dessa restrição é ganhar tempo para uma abordagem mais cuidadosa das mudanças, em contextos organizacionais mais propensos a conflitos. Segundo Rummler e Brache (1994), uma das atividades destacadas para a melhoria de processos é a de definir representantes das funções (departamentos) que contribuam para o processo. Os benefícios mais importantes e duradouros vêm das ideias e do comprometimento de pessoas que implementarão aperfeiçoamentos e melhorias e trabalharão dentro do processo. Cada representante deve atender à maioria dos critérios a seguir: a) entender detalhadamente pelo menos uma das funções que contribuem para o processo; b) ser capaz de compreender o quadro geral (além da sua função); c) ser suficientemente criativo para visualizar um melhor modo de executar as atividades; d) ter alto nível de energia; e) ser capaz de trabalhar com eficácia em um ambiente de grupo de colegas; f) estar disponível para participar de reuniões; g) considerar importante sua participação na equipe. O modelo de Rummler e Brache (1994) propõe um método de aperfeiçoamento de processos que se divide em nove etapas, nas quais um modelo de processo é denominado mapa : a) identificação da questão crítica do negócio; b) seleção do processo crítico; c) seleção do líder e dos membros da equipe do processo; d) treinamento da equipe; e) desenvolvimento do mapa atual As Is que deve apresentar o modo como o trabalho (atividades) é executado atualmente, ou seja, o estado atual do processo; f) identificação dos fios desligados (problemas ou deficiências do processo); g) análise dos fios desligados (análise das desconexões na sequência de atividades); h) desenvolvimento do mapa ideal o To Be dos processos, ou seja, o estado futuro do processo. Deve ser o redesenho do processo, tratando as desconexões ou fios desligados ; i) estabelecimento de metas. Um método de modelagem IDEF0 (Integration Definition for Function Modeling definição de integração para modelagem de funções) define processo como a transformação de entradas (inputs), orientadas por controles (controls), em saídas (outputs), usando mecanismos (mechanisms). As melhores definições para os termos utilizados neste método são: a) processo conjunto de atividades, funções ou tarefas identificadas, que ocorrem em um período de tempo e que produzem algum resultado; b) entradas recursos modificados ou consumidos no processo; c) controles regras ou restrições na execução do processo (incluem-se aqui instrumentos legais); d) saídas resultados do processo; e) mecanismos recursos que possibilitam a execução do processo, mas não são consumidos (ex.: equipamentos e sistemas). O método IDEF0 se propõe a modelar processos de qualquer natureza. A visão macro do negócio é representada por um diagrama de contexto que pode ser desdobrado em outros diagramas 88 Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 1, p , jan./jun. 2012

3 detalhados de forma a atingir o objetivo da modelagem de processos. O objetivo maior da modelagem é conhecer o fluxo e os elementos do processo, de modo a viabilizar sua melhoria e, consequentemente, tornar a empresa mais eficiente e competitiva. Nesse sentido, podem ser identificados e corrigidos os processos modelados que: a) são mais complexos do que deveriam ser; b) são redundantes; c) não possuem resultados ou saídas; d) apresentam altos custos; e) têm tempos de ciclo exorbitantes. 2 Modelos de processos Modelos de processos e frameworks podem ser utilizados como direcionadores, para evitar que sejam criados processos desnecessários. Geralmente apresentam um foco específico em um segmento de mercado. Podem ser citados como frameworks de processos mais utilizados: etom (Enhanced Telecom Operations Map) do TeleManagement Forum (TMF, ): mapa de processos elaborado e aprimorado periodicamente por grupos compostos de representantes de empresas operadoras, fornecedoras e reguladoras do setor de telecomunicações. Melhores práticas são compartilhadas com o intuito de divulgar os processos que proporcionaram alto desempenho e, quando em consenso, passam a contemplar o modelo de processos do setor de telecomunicações. PCF (Process Classification Framework) do American Productivity & Quality Center (APQC, ): mapa dos principais processos de uma organização, com mapas temáticos desenvolvidos para diversos setores, incluindo o de telecomunicações. Trata-se de um padrão aberto para facilitar o gerenciamento de processos e as ações de benchmarking independentemente da indústria, da localização geográfica ou do tamanho. O PCF organiza processos operacionais e de gestão em 12 categorias de nível empresarial, 62 grupos de processos e mais de processos e atividades associadas. MIT Process Handbook: projeto que criou um método sistemático para compartilhamento de conhecimento de negócios. São bibliotecas ricas com vários tipos de conhecimento de negócios. O Manual MIT Processos apresenta as principais conclusões de um grupo de pesquisa multidisciplinar da MIT Sloan School of Management (2011). SCOR (Supply Chain Operations Reference): desenvolvido pelo Supply Chain Council (SCC, ), uma associação comercial de mais de 400 empresas interessadas na gestão da cadeia de abastecimento. O modelo SCOR contém definições de processos standard, terminologias-padrão, métricas-padrão, melhores práticas de cadeia de fornecimento e referências para prover tecnologias da informação. A versão completa está disponível no website apenas para os membros do Supply Chain Council. Lean Enterprise Manufacturing: este modelo possui uma estrutura de práticas que ajudam a promover processos enxutos. Lean é uma estratégia de negócios para aumentar a satisfação dos clientes através da melhor utilização dos recursos. A gestão lean procura fornecer, consistentemente, valor aos clientes com os custos mais baixos (PROPÓSITO), através da identificação de melhoria dos fluxos de valor primários, e de suporte (PROCESSOS), por meio do envolvimento das pessoas qualificadas, motivadas e com iniciativa (PESSOAS). O foco da implementação deve estar nas reais necessidades dos negócios e não na simples aplicação das ferramentas lean. As práticas envolvem a criação de fluxos contínuos e sistemas puxados, baseados na demanda real dos clientes, a análise e melhoria do fluxo de valor das plantas e da cadeia completa, desde as matérias-primas até os produtos acabados, e o desenvolvimento de produtos que efetivamente sejam soluções do ponto de vista do cliente (LEAN INSTITUTE BRASIL, ). O objetivo principal é ter o item necessário, na quantidade necessária, no momento necessário e no lugar necessário. 3 Modelagem de processos de negócio orientada a serviços Soluções tecnológicas orientadas a serviços agregam valor ao negócio e agilizam mudanças, com menor custo e maior foco nas necessidades. O mesmo conceito se aplica à modelagem de processos. Os métodos de modelagem comumente aplicados orientam a uma sequência de etapas, como apresentadas na Seção 1, sem, contudo, Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 1, p , jan./jun

4 explicitar possíveis paralelismos em sua execução. A estrutura de modelagem orientada a serviços visa antecipar parte da modelagem de processos no estado futuro, considerando as macroatividades que agregam valor ao processo. Neste trabalho são propostos ajustes em algumas atividades apresentadas pelo modelo de Rummler e Brache (1994), distribuídos em três das nove etapas listadas anteriormente: a) desenvolvimento do mapa atual; b) identificação das desconexões (ou fios desligados); c) análise dos fios desligados. Esses ajustes abrangem uma etapa de preparação da estrutura do trabalho, executada em paralelo com as cinco primeiras etapas do modelo Rummler e Brache (1994), além da estruturação de entrevistas de levantamento de informações orientado por serviços. O levantamento orientado por serviços analisa os produtos dos processos, facilitando posteriormente a construção de cenários para simulação de execução, geração de modelo de métricas e análises de impacto em outros serviços e processos. As métricas são oriundas dos desdobramentos de objetivos estratégicos de uma organização. Devem medir o desempenho dos processos no fornecimento de serviços ou produtos. Comumente numa modelagem são identificadas atividades, suas correlações e sequências, no intuito de montar o As Is. No entanto, pode haver o risco de dispersão do foco real que seria o resultado do processo. Partindo do foco do serviço resultante, a identificação das atividades que realmente agregam valor agilizam tanto a modelagem As Is como a identificação de desconexões. Desse modo, obtém-se a redução de tempo por conta de um paralelismo de atividades e a garantia de alinhamento com os objetivos e as estratégias pela orientação a serviços e resultados dos processos. 3.1 Preparação da estrutura do trabalho A preparação da estrutura do trabalho precede o desenvolvimento do mapa atual e configura um diferencial entre as metodologias apresentadas anteriormente. Tem o objetivo de antecipar parte da etapa de modelagem do mapa ideal (To Be), considerando apenas as melhores práticas e frameworks de processos. Essa visão permite a identificação de desconexões de forma mais ágil. Numa modelagem habitual, essa estrutura de informações seria obtida apenas após entrevistas com o envolvidos (stakeholders) nos processos atuais. Essa etapa abrange a pesquisa e a compilação da lista de serviços gerados nos processos, que são o escopo da modelagem. Os serviços devem ser agrupados por afinidade, se possível, para facilitar a identificação de macroatividades semelhantes e o possível reaproveitamento de processos. Com base em macroatividades de processos, obtidas em modelos ou frameworks, podem ser listadas atividades comuns e essenciais para a execução de cada serviço. A partir dessas macroatividades, devem ser verificados quais são os eventos relacionados. Alguns serão comuns a todos os processos, como, por exemplo: a) solicitação do serviço; b) emissão de comprovante; c) análise da solicitação; d) processamento da solicitação; e) verificação ou aprovação da solicitação; f) entrega do resultado da solicitação. Para cada serviço, devem ser identificados: a) os instrumentos legais e regulatórios que orientam o processamento do serviço; b) os eventos do serviço que são limitados por regras de negócio; c) os eventos do serviço que permitem automação ou exigem interferência humana para sua realização, uma vez que a forma de realização dos eventos pode variar, seja por conta do tipo de serviço ou mesmo da região onde o serviço é executado. Não é obrigatório que todos os eventos sejam mapeados a cada serviço identificado, mas é importante que todos os eventos que agreguem valor ao processo sejam identificados. Finalizada essa etapa, os serviços estão mapeados, segundo restrições legais ou de órgão regulador, para as automações permitidas. 3.2 Modelagem As Is e recomendações Na modelagem As Is são mapeados, com os envolvidos, os processos associados aos serviços disponíveis e os meios utilizados para a realização dos respectivos eventos, na situação atual dos processos. São ajustadas ainda as informações de legislação, com base em instrumentos legais e regulatórios locais (dependendo da região ou do país). O uso de uma ferramenta de modelagem é importante para a visualização dos processos mais complexos, e, além de apoiar a documentação, facilita a validação do entendimento dos processos com os envolvidos. 90 Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 1, p , jan./jun. 2012

5 Para as descrições de processos no estado atual, pode ser usado um padrão que remeta ao modelo IDEF0. Devem ser destacadas as informações relacionadas aos conceitos descritos anteriormente na Seção 1: transformação de entradas, indicação dos controles e recursos necessários para as saídas esperadas. A situação atual do processo (As Is) pode ser comparada com a situação futura (To Be) genérica, modelada na etapa de preparação da estrutura do trabalho, quanto às atividades automatizadas, permitindo delinear desconexões tecnológicas. As atividades excedentes às identificadas como essenciais, na etapa de preparação, podem ser questionadas quanto ao seu valor agregado ou à sua obrigatoriedade, podendo desencadear a identificação das desconexões de processo. Podem ser aplicados nessa etapa os quick wins, que são ajustes que podem ser feitos no processo imediatamente, melhorias a serem implementadas em curto prazo. As recomendações e os quick wins gerados nessa etapa baseiam-se nos fios desligados, ou desconexões identificadas. Respeitando objetivos e restrições definidas pelo cliente, essas recomendações podem ou não se transformar em ajustes nos processos atuais ou mesmo nos novos processos a serem implementados. 4 Resultados O método proposto foi utilizado na modelagem de processos As Is da Secretaria da Fazenda de um município com habitantes. De acordo com o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010), realizado em 2010, esse é o município que apresenta o maior PIB (Produto Interno Bruto) industrial de sua região geográfica. A secretaria em questão tem por finalidade promover, planejar, fiscalizar, executar e avaliar as ações de fomento, visando aumentar a arrecadação municipal e gerir as seguintes áreas: tributária, financeira, de atendimento ao contribuinte, de captação de recursos e de execução orçamentária. Como não há um framework específico de processos para a área financeira governamental, foram considerados os serviços disponíveis nos sites de prefeituras de diversos municípios, entre elas: a) Prefeitura de São Paulo; b) Prefeitura do Rio de Janeiro; c) Prefeitura de Belo Horizonte; d) Prefeitura Municipal de Salvador; e) Prefeitura de Curitiba; f) Prefeitura Municipal de Porto Alegre; g) Prefeitura Municipal de Camaçari; e h) Prefeitura Municipal de Campinas. Como parte da etapa de preparação, os serviços foram agrupados por áreas afins e instrumentos legais: inscrições e atualizações cadastrais; solicitações fiscais; débitos; impugnações. Com base nos serviços disponíveis ao contribuinte pela secretaria municipal de fazenda específica de cada munícipio, foram listadas atividades-padrão, essenciais para a execução de cada serviço, que agregam valor ao processo, como, por exemplo: solicitação de serviço, emissão de guia para pagamento, baixa de pagamento, análise, processamento, liberação ou aprovação e entrega de resultado. Ainda na etapa de preparação, para cada serviço foi identificada a possibilidade ou não de automação de atividades, conforme legislação vigente (federal, estadual e municipal). Neste caso, as atividades identificadas permitiam autoatendimento ou exigiam atendimento presencial, por exemplo. Na etapa de modelagem As Is, o levantamento de informações do fluxo atual do processo pôde ser orientado pelas atividades-padrão. À medida que o entrevistado descrevia o processo fim a fim relacionado ao serviço, era possível validar a forma como era executada a atividade, inclusive se era automatizada e, caso não fosse, qual o motivo. A partir da validação, para a maioria dos processos, foi imediatamente possível identificar gaps, inconsistências ou oportunidades de aplicação de melhorias (quick wins) no processo, comparando a situação atual com a situação ideal, elaborada na etapa de preparação. Essas desconexões identificadas foram apontadas na forma de recomendações, a serem tratadas num estado futuro do processo (To Be). A elaboração da situação ideal (similar a To Be), antes do levantamento da situação atual, permitiu validar processos de forma mais ágil com relação aos ajustes necessários apontados nas recomendações. O fato de as validações dos processos fim a fim terem sido orientadas por serviços oferecidos facilitou o entendimento por parte dos envolvidos e tornou o resultado da modelagem mais consistente, pois envolvia todo o fluxo, dando maior credibilidade às recomendações elaboradas. Isso demonstrou que os ajustes propostos às atividades do método originalmente usado para modelagem são válidos quando a modelagem é orientada por serviços ou entregas. Em uma comparação de tempos de execução com projetos anteriores, similares em termos de Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 1, p , jan./jun

6 volume de processos modelados, notou-se que o projeto demandou metade do tempo médio anteriormente necessário. Conclusão A composição de cenário ideal numa fase de preparação para a modelagem dos processos As Is permite avaliar as desconexões existentes, não apenas em termos de atividades de valor agregado, mas também de atividades tecnológicas. O mapeamento prévio pôde ser utilizado como guia norteador para reuniões de levantamento e permitiu manter foco nos processos associados aos serviços. Posteriormente, pôde ser utilizado também como guia de implantação de solução tecnológica de apoio aos processos, permitindo diminuir impactos em implantações, que foram direcionadas por serviços a serem disponibilizados aos contribuintes. Esse método também auxiliou na identificação de desconexões, dentro de processos e também entre eles, já que permite validar rapidamente o que foi identificado na fase de levantamento. Além disso, esse tipo de abordagem viabilizou a detecção de variações de processo para o mesmo serviço adaptações que alteravam aos poucos o processo, informalmente, validando o relacionamento serviço x evento x atividade, descrito por um entrevistado e ratificado ou não por outro. Foi possível verificar, portanto, que o método é aplicável a outros segmentos não ligados a telecom, que não possuam frameworks de processos divulgados. Esse método ainda não foi utilizado na modelagem completa, a qual inclui a modelagem do estado ideal dos processos (To Be), para avaliação de ganho real em modelagens que exijam essa etapa. Referências AMERICAN PRODUCTIVITY & QUALITY CENTER (APQC) <http://www.apqc.org>. Acesso em: 22 fev BALDAM, R. L. et al. Gerenciamento de processos de negócios: BPM Business Process Management. 1ª. ed. São Paulo: Érica, DAVENPORT, T. H. Reengenharia de processo. São Paulo: Campus, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) <http://www.censo2010.ibge.gov.br/dados_divulg ados/index.php?uf=29>. Acesso em: 05 jan LEAN INSTITUTE BRASIL <http://www.lean.org.br>. Acesso em: 22 fev MIT SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT <http://mitsloan.mit.edu/>. Acesso em: 22 fev PORTAL DA PREFEITURA DE CURITIBA. <http://www.curitiba.pr.gov.br/conteudo/equipesmf-secretaria-municipal-de-financas/73/18>. Acesso PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. <http://www.fazenda.pbh.gov.br/>. Acesso PREFEITURA DE SÃO PAULO. <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretaria s/financas/servicos/>. Acesso PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/smf/>. Acesso PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI. <http://www.camacari.ba.gov.br/sefaz>. Acesso PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. <http://www.campinas.sp.gov.br/governo/financas />. Acesso PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR. <http://www.sefaz.salvador.ba.gov.br>. Acesso PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. <http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smf/>. Acesso RUMMLER, G. A.; BRACHE, A. P. Melhores desempenhos das empresas: uma abordagem prática para transformar as organizações através da reengenharia. 2ª. ed. São Paulo: Makron Books,1994. SUPPLY CHAIN COUNCIL, INC. (SCC) <http://supplychain.org/scor>. Acesso em: 22 fev TM FORUM <http://www.tmforum.org>. Acesso em: 22 fev Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 1, p , jan./jun. 2012

7 Abstract The modeling of processes requires knowledge of the business scenario and must adapt to the organization s reality. Although organizations with same business characteristics require similar processes, appropriate adjustments are necessary so their practices reflect their goals. However, in the absence of a reference model, there might be the risk of unnecessary rework. This paper presents a proposal for adaptation of the process modeling way, which can reduce the lead-time for gathering and validating information. Thus, organizations can quickly align their business to technologies, innovations and up-to-date techniques. Key words: Process modeling. Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 1, p , jan./jun

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

A coleta de requisitos se refere ao processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas;

A coleta de requisitos se refere ao processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas; Aula 07 1 2 A coleta de requisitos se refere ao processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas; A principal vantagem deste processo é a criação de uma

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Versão 1.0 Setembro de 2015 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Felipe de Souza Leão Gabinete do Secretário

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

Transformação e Otimização de Processos

Transformação e Otimização de Processos Treinamentos em Gestão por Processos Transformação e Otimização de Processos Inovando processos através das melhores práticas em análise e melhoria, simulação e avaliação do retorno do investimento na

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Relato da experiência de remodelagem de um processo de controle de operações seguradas em um banco de fomento

Relato da experiência de remodelagem de um processo de controle de operações seguradas em um banco de fomento Gestão de Processos / BPM Relato da experiência de remodelagem de um processo de controle de operações seguradas em um banco de fomento Aline Vieira Malanovicz 06/abril/2009 Visão Estratégica / de Processo

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Avaliação de Processos Produtivos - APP

Avaliação de Processos Produtivos - APP Avaliação de Processos Produtivos - APP Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional Case APESC Assessoria de Desenvolvimento Organizacional PROGRAMA Assessoria de Desenvolvimento Organizacional DO Gestão de Processos na APESC Metodologia Novo Olhar Benefícios e desafios Sistema de Gestão

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Casos de Sucesso Cliente Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Perfil da empresa A Deloitte é uma das maiores empresas do mundo na prestação de serviços profissionais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Guia de Modelagem de Estruturas Organizacionais EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Exercício de mapeamento, avaliação, análise e melhoria 1 A gestão de processos permite identificar o conjunto

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Processos como elo entre a TI e estratégia

Processos como elo entre a TI e estratégia RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BRASÍLIA BELO HORIZONTE Processos como elo entre a TI e estratégia Leandro Jesus Copyright ELO Group 2012 - Confidencial Quem é a ELO Group? Consultoria de Transformação 1. Desdobramento

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras Hugo Queiroz Abonizio 1, Rodolfo Miranda de Barros 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

RELATÓRIO DE ENTREGA DO PROJETO DE BPM ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO-EMPREL

RELATÓRIO DE ENTREGA DO PROJETO DE BPM ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO-EMPREL Diretoria de Soluções em Tecnologia da Informação DSI Departamento Projetos, Processos e Requisitos - DEPR Unidade Operacional de Projetos e Processos UOPP RELATÓRIO DE ENTREGA DO PROJETO DE BPM ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO-EMPREL

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais