+ +! "# "#!! "' " ( '( $ $ " " %% ) & &,, ) )!! * *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "+ +! "# "#!! "' " ( '( $ $ " " %% ) & &,, ) )!! * *"

Transcrição

1

2

3

4

5 + "#!! "'( $" % &, ) )! *

6 -! Controles / Riscos Auditoria (Freqüente) (Pontual) (Periódico) Conferência das Atividades - Monitoração freqüente (diária, semanal) realizada nas unidades de negócio em conjunto com as atividades operacionais, para assegurar a aderência às políticas estabelecidas. Avaliações Periódicas - Monitoração não freqüente (mensal, trimestral) definida para avaliação periódica da estrutura de controles internos.

7 !"# #$" %) + '#" "#! "" ""# ))# +," -*# #"' $# ) %0! #% )! ' ""/')" # % ". ")"# #." "#!"%&' ( %)#*#

8

9

10 "

11 . /* )8 + /67

12 " Escala de Avaliação da Eficácia dos controles Grau Impacto Escala Atribuição Descrição Alto Médio Baixo Perdas que acarretam em acentuado declínio da lucratividade da Companhia. Perdas que afetam, de forma razoável, o resultado da Companhia. Pequenas perdas que não afetam significantemente o resultado da Companhia. acima de 1 milhão até 1 milhão até 200 mil N/A O controle não é aplicável 1 O controle não está sendo executado O controle está sendo executado, porém de maneira não uniforme ou com freqüência inferior a ideal O controle está sendo executado na maioria das vezes de maneira uniforme O controle está sempre sendo executado de maneira uniforme Escala de Probabilidade de materialização de Risco Grau Probabilidade Escala Alto Médio Baixo Eventos comuns, facilmente observáveis e de amplo conhecimento dos envolvidos no processo. Eventos ocasionais, as vezes inesperados, mas com histórico disponível na Companhia. Eventos não esperados para gestão e operação do processo, cujo histórico nem sempre é disponível, mas é de conhecimento dos gestores do processo. mais de 1 por mês até 1 por mês até 1 por ano Escala de Avaliação da Eficiência dos controles Atribuição Descrição N/A O controle não é aplicável A execução do controle demanda um grande volume de 1 trabalho e consequente aumento dos custos em função da quantidade de operações A execução do controle é compatível com a quantidade de 2 operações podendo ser impactado caso haja um aumento temporário ou permanente destas operações A execução do controle demanda um volume reduzido de 3 trabalho e consequentemente representa um baixo custo

13 )12 Acompanhamento dos Indicadores Histórico de Perdas Avaliação dos Controles Implementação dos Planos de Ação Alto Planejamento Recursos Humanos ALTO Mudança da Avaliação dos Riscos Impacto Médio Baixo Disponibilidade Processos Trabalhistas Fraude Interna BAIXO Regulamentação MÉDIO Custo de Oportunidade Atividade Não Autorizada Segurança das Informações Integridade Baixa Média Alta Probabilidade

14 3 Registro da Proposta Início R01 R02 R03 R01 R02 R01 Ambiente Externo Cliente Agência Gerentes Comerciais Agência Gerentes Comerciais Agência SUPAG/Gerente Envio à agência da solicitação de crédito e documentos iniciais. Registro das informações dos clientes no Sistema SUC e envio da documentação à GESEA. Registro da proposta de crédito no Sistema SGC. Análise e emissão do parecer de aprovação no Sistema SGC. Sistema SUC Sistema SGC Aprovação da proposta? Sim 1 Não Fim Legenda Processo Manual/Área Fluxo Inf. Sistema Decisão Risco

15 3 Análise de Crédito 1 DICRE Analistas de Crédito Registro das informações financeiras dos clientes no Sistema legado PAF (Planilha Análise Financeira) Sistemas Legados Sistema PAF Envio das informações financeiras ao Sistema SGC Central Administrativa Back Office Técnicos Envio de parecer técnico para operações específicas. Ambiente Externo Sisbacen Envio de informações de endividamento ao Sistema SGC. Ambiente Externo Serasa Envio de informações de restrições financeiras ao Sistema SGC. R01 R03 R01 R01 R06 R01 2 R03 DICRE Analistas de Crédito Fim Sim Proposta aprovada? Não Sistema SGC R06 Atribuição do nível do cliente no Sistema SCR. Notas: R01 R07 R08 Comitê Superior Crédito Presidente e Comitê Exec. R09 Análise e emissão de parecer final à proposta de crédito no Sistema SGC. R01 Comitê Executivo DIREG/DIREX e DICRE Análise das informações disponíveis e emissão de parecer de crédito final ou parcial, conforme alçada. R07 R08 R09 R01 DIREG/DIREX Diretores Análise das informações disponíveis e emissão de parecer de crédito final ou parcial, conforme alçada. R07 R09 R08 DICRE Analistas/Diretor Crédito R01 Análise das informações disponíveis e emissão de parecer de aprovação no Sistema SGC. Nota b R07 R08 Sistemas Legados Sistema SCR Envio do rating e do nível do cliente ao Sistema SGC. R01 R09 Legenda Processo Manual/Área Fluxo Inf. Sistema Decisão Risco

16 + Alto Concentração Inadimplência Regulamentação País Fraude Externa Formalização Integridade Atividade Não Autorizada ALTO & Médio Fraude Interna Garantias MÉDIO Baixo Recursos BAIXO Humanos Disponibilidade Baixa Média Alta Probabilidade

17

18

19

20

21 $# &")7 " :9 9:9,7&) &-, &9 &999 " " ),""& )"+9, ; "<& "<& ")&6>7?, ")&6= )- )- ))"&9""& ")&6 )) ))

22 ! 3)! :3.

23 ";6

24 <= Histórico Distribuição Numero de Eventos (Freqüência) + /> Freqüência de Acontecimento Severidade Histórico Lognormal 3 "5 Simulação de Monte Carlo. +):46 +1? )+ 73>

25 ) )&"," )" - )"+",," ="C7; )9

26 ) )&"," )" - )

27 ) )&"," )" - ='!

28 ) )&"," )" -

29 ) )&"," )" -

30 ) )&"," )" -

31 Internos: D

32 1L "* ) )&"&E - F!!1* G H =! I9J9K9BA9AA9BB9ABL,*'! I9J9K9BA9AA9BB9AML =*! I9J9K9BA9AA9BB9KKL!

33 1L "* ) )&"&E - F!!1* G H =!"# "#$%&&&%'&%() "#$%&&&%'&'()*+ ) "#$%&&&%'$$(,*+

34 1L "* ) )&"&E - F!!1* G H,&2 -. //01 "%2##&&'&&&( 3 /-,H1'!N!) - "#$%&&&%4#&( 5/ /6 "#$%&&&%4#%( "#$%&&&%4$$(,

35 1L "* H,O!7! +/ "#$%&&&%8$$(, *H"! )-. 359:,;9<! 3=!! "#$%&&&%>$$(, H=2)&* - +-??/ 359:,;9<! 3=!! "#$%&&&%2$$(,

36 1L "* 2H=2"#!!F / 65*: 6:*B ) )&","&7),"",)" ) 5! 31-*+ 3/6 0,! 1/1 7

37 ))"756 ",O"!!

38 PRODUTOS FINAIS Relatório de Asseguração

39 =

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

j i Liquidez FRAM Capital DTVM S.A. Política de Controle de Risco de Liquidez FRAM CAPITAL DTVM S.A. Data de Atualização: 31/07/2012 Versão 1.

j i Liquidez FRAM Capital DTVM S.A. Política de Controle de Risco de Liquidez FRAM CAPITAL DTVM S.A. Data de Atualização: 31/07/2012 Versão 1. j i ; l.' I / Política de Controle de Risco de Liquidez FRAM Capital DTVM S.A. Política de Controle de Risco de Liquidez FRAM DTVM S.A. Este Documento foi desenvolvido e é atualizado pela Finanças e Riscos

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Transformando conhecimento em resultados. Alocação de força de trabalho

Transformando conhecimento em resultados. Alocação de força de trabalho Transformando conhecimento em resultados Alocação de força de trabalho Transformando conhecimento em resultados Conceitos O que é alocação de força de trabalho? A capacidade de uma organização representa

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE APURAÇÃO DE FREQUÊNCIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE APURAÇÃO DE FREQUÊNCIA 22/0/203. INTRODUÇÃO A Política de Apuração de Frequência tem por objetivo estabelecer as regras para falta e atraso, além de estabelecer controles relativos à apuração de informações de frequência de

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL Diga-me como me medes que eu te digo como me comportarei Eliyahu Goldtratt Agenda Alinhamento

Leia mais

Estruturas de Gerencimento de Riscos

Estruturas de Gerencimento de Riscos Risco Operacional O Banco CNHI Capital trabalha de forma a atender a Resolução do Conselho Monetário Nacional 3.380, de 29 de junho de 2006, que dispõe sobre a implementação de estrutura para gerenciamento

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS DIRETORIA

GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS DIRETORIA 1.Apresentação GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS O Banco Tricury tem seu foco de atuação voltado ao financiamento de pequenas e médias empresas. Os principais produtos oferecidos são: Depósito a prazo com

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito Data base 31/12/2014 WU Brasil Rua Tabapuã, 1227, 7º andar - Itaim

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 1 Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015 Índice: 1. Objetivo... 3 2. Conceito/Definição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING

MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING OUTUBRO DE 2014 MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING A atenção com os controles e procedimentos internos na atividade de classificação

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO)

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO) Página: 1 de 5 NOME DO PROCESSO: GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SUBPROCESSO: Capacitação e Desenvolvimento de Servidores. 1. Objetivos do. Principais benefícios esperado pelos clientes; Razão da existência

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA Malcolm McLelland, Ph.D. 23 June

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA Vigência: 08/09/2015 POLÍTICA DE Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A Haitong Securities do Brasil CCVM S/A Haitong do Brasil DTVM S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...

Leia mais

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Ratings - Rio de Janeiro, xx de outubro de 2015: A Fitch Ratings publicou, hoje, o Rating Nacional de Longo Prazo A-(bra) (A menos(bra))

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PÁGINA: 1 de 20 CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 91:28 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos gerais. A TIVOLITUR estabelece, documenta, implementa e mantêm seu sistema de gestão da qualidade, visando

Leia mais

Trabalhamos na aula passada:

Trabalhamos na aula passada: Gestão de Projetos Profa. Tatiana Maia Iniciamos as Etapas de Planejamento... Trabalhamos na aula passada: 1. Declaração de Escopo 2. Definição de atividades 1 Para que serve a Declaração de Escopo? Para

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Malcolm McLelland, Ph.D. Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA 16 October

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control RISCO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Este documento formaliza a estrutura organizacional e as principais atividades da área de Permanent Control and Operational Risk, responsável pela detecção, monitoramento,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS Ano 2009 Índice APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS 04 1.1. CULTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 04 1.2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS COPRPORATIVOS 04 1.3. REPORTES DA ÁREA

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 RESOLUÇÃO 3.721 RISCO DE CRÉDITO Possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas

Leia mais

EVIDENCIAÇÃO DO PLANO ORÇAMENTÁRIO NOS RELATÓRIOS DE FLUXO FINANCEIRO E SUA EXPORTAÇÃO PARA PLANILHAS

EVIDENCIAÇÃO DO PLANO ORÇAMENTÁRIO NOS RELATÓRIOS DE FLUXO FINANCEIRO E SUA EXPORTAÇÃO PARA PLANILHAS EVIDENCIAÇÃO DO PLANO ORÇAMENTÁRIO NOS RELATÓRIOS DE FLUXO FINANCEIRO E SUA EXPORTAÇÃO PARA PLANILHAS 1. Entendendo o Negócio: Para um melhor controle e visualização dos Relatórios de Fluxo Financeiro,

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

Agência Bradesco Praça Panamericana

Agência Bradesco Praça Panamericana Agência Bradesco Praça Panamericana Presença em todos os municípios brasileiros A B C D E 03 Crescimento Orgânico dos Canais de Distribuição 4.634 4.650 3.160 3.359 3.454 3.628 2007 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Manual de Risco Operacional

Manual de Risco Operacional Manual de Risco Operacional Atualizado em maio/2014 Índice 1. Definição 3 2. Política e Premissas 4 3. Estrutura de Gestão de Risco Operacional 5 3a. Competências 6 3b. Modelo de Gestão do Risco Operacional

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra.

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Mercado no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Planejamento do fluxo de caixa para um crescimento sustentado

Planejamento do fluxo de caixa para um crescimento sustentado Planejamento do fluxo de caixa para um crescimento sustentado Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores O Forecast de fluxo de caixa prevê o caixa líquido da empresa em um

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14 EMPRESTA Capital.

Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14 EMPRESTA Capital. ATA DE REUNIÃO REV.1 1/11 LOCAL: EMPRESTA Data: 25/02/2014 Horário: 10:30 a 11:30 Capital Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito. RB Capital DTVM

Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito. RB Capital DTVM Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção de sistema de Gerenciamento de

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO BALANÇO 213/2 RELATÓRIO SEMESTRAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO As incertezas do mercado econômico brasileiro no primeiro semestre de 213 jogaram para baixo as projeções do Produto Interno Bruto (PIB) e elevaram

Leia mais

GRO GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL

GRO GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL GRO GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL O Sistema Automatiza o processo de Gestão de Riscos Apresenta base de Dados de Perdas Utiliza metodologias Internacionais (COSO / COBIT) Nas instituições financeiras e Seguradoras:

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

Cadastro Positivo. Mariana Macri

Cadastro Positivo. Mariana Macri Mariana Macri Julho/2013 Agenda Benefícios O que é Principais Pontos da Legislação Abertura/Cancelamento Papel e Apoio da Serasa Experian 2 Benefícios Benchmarking 3 Benefícios O cadastro positivo traz

Leia mais

AGÊNCIAS DE FOMENTO. Tudo para que a sua instituição financeira tenha uma gestão de qualidade, com abrangência, eficiência e confiabilidade.

AGÊNCIAS DE FOMENTO. Tudo para que a sua instituição financeira tenha uma gestão de qualidade, com abrangência, eficiência e confiabilidade. Segmento FINANCIAL SERVICES AGÊNCIAS DE FOMENTO As soluções de software de gestão para o segmento financial services da TOTVS oferecem controle, planejamento, execução e gestão para as atividades finais

Leia mais

Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle

Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle Instrumentos Financeiros Derivativos Gerenciamento e Controle Agenda Objetivos e Visão Geral da Tesouraria; Principais Funções da Tesouraria; Mesas de Operação; Processos de Tesouraria; Mercados. Instrumentos

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO)

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO) Página: 1 de 5 NOME DO PROCESSO: COMUNICAÇÃO COM O CLIENTE. SUBPROCESSO: Ouvidoria/sic, Serviço de Protocolo administrativo e Protocolo legislativo. 1. Objetivos do Processo. Razão da existência do processo;

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Roteiro Operacional do Crédito Consignado Exército do Brasil

Roteiro Operacional do Crédito Consignado Exército do Brasil 1. DEFINIÇÃO DO PRODUTO Operação de Crédito Consignado em Folha de Pagamento para os Militares do Exército (ativos e pensionistas), abrangendo o Comando do Exército do, mediante convênio com o Banco Industrial.

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

Como Garantir a Eficácia do Trabalho de Auditoria Interna Através do Follow-Up

Como Garantir a Eficácia do Trabalho de Auditoria Interna Através do Follow-Up O valor da Auditoria Interna e imperativos para o sucesso. 29 de julho de 2011 Como Garantir a Eficácia do Trabalho de Auditoria Interna Através do Follow-Up Tiago Lima Coordenador de Auditoria Forjas

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS Banco do Estado do Pará S.A SUMÁRIO Pág. APRESENTAÇÃO... 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 1.1 Cultura

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes, os princípios e a estrutura a serem considerados no processo de gerenciamento de riscos do Magazine

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Tecnologia no Mundo das Viagens Corporativas

Tecnologia no Mundo das Viagens Corporativas Tecnologia no Mundo das Viagens Corporativas C o m i t ê d e T e c n o l o g i a e I n o v a ç ã o ALAGEV & ABRACORP Associação Latino Americana de Gestores de Eventos e Viagens Corporativas é uma associação

Leia mais

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO. CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEL IMOBILIÁRIO Lastro Pulverizado

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO. CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEL IMOBILIÁRIO Lastro Pulverizado BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEL IMOBILIÁRIO Lastro Pulverizado 1 Brazilian Securities 8 Emissões de CRI s 8 Estrutura da Operação 8 Empresas envolvidas na Operação

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Automático Fundo de Investimento Curto Prazo e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras e 2013 Índice

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRATIVO DE CREDITOS ADICIONAIS Z33NDKYP 04/03/2015 PAG. 1 03 44612 19/02/2014 135400 00059 0,00 5622.167,24 13540 20601016620910000 449000 013 0,00 44612 19/02/2014

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

DOCUMENTO OPERACIONAL PROCESSO: ANÁLISE DE CRÉDITO E CADASTRO DE CLIENTES CORPORATIVOS. SETOR RESPONSÁVEL: ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO.

DOCUMENTO OPERACIONAL PROCESSO: ANÁLISE DE CRÉDITO E CADASTRO DE CLIENTES CORPORATIVOS. SETOR RESPONSÁVEL: ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO. DE S CORPORATIVOS. PÁGINA: 1 de 5 1 1.0 OBJETIVO: Analisar criticamente a situação de crédito e as condições comerciais a serem praticadas junto aos clientes, por meio das informações cadastrais, e permitir

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos Comercial.

Manual de Normas e Procedimentos Comercial. Manual de Normas e Procedimentos Comercial. Gerência Comercial. Referência: Versão: Revisado 1.1 Data: 21/07/2014 21de Julho de 2014 Sumário Definição da Área Comercial.... 3 Representação da área comercial....

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Manual do sistema. Serasa Empresas Credito e Risco. Manual de operações. Belo Horizonte

Manual do sistema. Serasa Empresas Credito e Risco. Manual de operações. Belo Horizonte Manual do sistema Serasa Empresas Credito e Risco Manual de operações Belo Horizonte Agosto - 2007 Sumário Introdução ------------------------------------------3 Consulta --------------------------------------------4

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 B R A S I L Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 Participantes da Conference Call em 26 de fevereiro de 2008 Wagner Roberto Pugliese - Brasil Gilson Oliveira Marques

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 ÍNDICE 1. FINALIDADE...2 2. AMPLITUDE...2 3. CONCEITOS RELACIONADOS A RISCO...2 3.1. Risco... 2 3.1.1. Risco Residual... 2 3.2. Natureza do Risco... 3 3.3. Categoria

Leia mais

Evolução dos modelos de risco do sistema financeiro nacional

Evolução dos modelos de risco do sistema financeiro nacional Evolução dos modelos de risco do sistema financeiro nacional O avanço da modelagem de risco de empresas nova técnica com uma nova necessidade de processamento no ambiente Big Data julio.guedes@br.experian.com

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

AUDITORIA PREVENTIVA MONITORAMENTO CONTÍNUO

AUDITORIA PREVENTIVA MONITORAMENTO CONTÍNUO MONITORAMENTO CONTÍNUO VANESSA LOPES {DIRETORA DA AUDITORIA INTERNA CORPORATIVA TAM S/A (HOLDING) Pauta 1 APRESENTAÇÃO 2 OBJETIVO 3 CONTEXTUALIZAÇÃO 4 AS 5 FORÇAS PRIMORDIAS 5 POR ONDE COMEÇAR? 6 TÉCNICAS

Leia mais

Indicadores de Risco. Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras

Indicadores de Risco. Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras Indicadores de Risco Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras Agenda Ambiente Atual de Negócios Indicadores de Risco Inteligência em Riscos Abordagem de Implementação

Leia mais

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 1 Agenda Parte I Risco de Crédito Parte II Estrutura de Cobrança 2 I. Risco de Crédito Visão Geral de Basiléia II Regulamentação Adequação à Resolução

Leia mais

Formação Profissional

Formação Profissional Formação Profissional (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos @rildosan http://rildosan.com/ Exercícios Analista de Processo de Negócio As melhores práticas, técnicas e ferramentas para Gestão por

Leia mais

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS INTEGRADOS PARA ASSEGURAR O CONTROLE COMPLETO DO PROCESSO DE VENDAS, COM ACESSO COMPARTILHADO POR TODAS AS PARTES ENVOLVIDAS. NOSSA PLATAFORMA WEB

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Extra Fundo de Investimento Renda Fixa (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - e 2011 Com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

Potencializar futuros, subtraindo riscos

Potencializar futuros, subtraindo riscos Potencializar futuros, subtraindo riscos QUEM SOMOS O Risk Office é uma consultoria cujo objetivo é a prestação de serviços em gestão de riscos financeiros e operacionais. Criado em 1999, na cidade de

Leia mais

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RESUMO DESCRITIVO Princípios, Diretrizes e Instrumentos de Gerenciamento de Risco de Mercado. 1) Objetivo 2) Abrangência 3)

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A.. Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito Data base 31/12/2012

Banco Western Union do Brasil S.A.. Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito Data base 31/12/2012 Banco Western Union do Brasil S.A.. Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito Data base 31/12/2012 Índice 1. Introdução... 2 2. Risco de Crédito... 2 2.1. Gerenciamento de Risco de Crédito... 2 2.2.

Leia mais