PROPOSTA DE FORMAÇÃO EM E-LEARNING NO ESTABELECIMENTO PRISIONAL ESPECIAL DE SANTA CRUZ DO BISPO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE FORMAÇÃO EM E-LEARNING NO ESTABELECIMENTO PRISIONAL ESPECIAL DE SANTA CRUZ DO BISPO"

Transcrição

1 PROPOSTA DE FORMAÇÃO EM E-LEARNING NO ESTABELECIMENTO PRISIONAL ESPECIAL DE SANTA CRUZ DO BISPO Machado, P./Lencastre, J.A. /Monteiro, A./ Cardoso, N./Guimarães, C./Magalhães, C./Pinto, C. Instituto Piaget Vila Nova de Gaia/Portugal RESUMO O artigo versa a análise, desenho e implementação de um projecto de formação em e-learning no Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo. O objectivo é criar um modelo de intervenção integrado e estruturado, susceptível de replicação, que favoreça a (re)integração social de população reclusa. Realizou-se um diagnóstico de necessidades através de um inquérito por questionário a 45 reclusas que permitiu traçar o seu perfil e desenhar o referencial de formação. Posteriormente, elaboraram-se pacotes formativos que foram sujeitos a testes de usabilidade e que serão implementados no grupo seleccionado. Tecnologias de informação e comunicação, técnicas de procura de emprego, criação de empresas, inglês básico, higiene e segurança no trabalho e ainda educação cívica compõem as formações propostas. Cremos que o e-learning poderá solucionar alguns dos obstáculos identificados na formação de reclusos, nomeadamente a ausência de motivação, a falta de flexibilidade e adaptação a estilos e ritmos de aprendizagem, bem como à alteração das rotinas diárias dos estabelecimentos prisionais. O projecto resulta do reconhecimento da importância do trabalho em parceria e da urgência em encontrar formas inovadoras de actuar junto de populações vulneráveis, apostando na precocidade da intervenção e no envolvimento dos beneficiários na construção das respostas de reintegração social. Palavras-chave: E-learning nas prisões, Protótipos multimédia educativos, Usabilidade, Tecnologias de Informação e Comunicação, Sistemas de Gestão da Aprendizagem INTRODUÇÃO O ensino presencial e online nos estabelecimentos prisionais tem sido objecto de vários estudos a nível europeu (European Conference on Prison Education, 2010), e a relevância desta temática pode ser comprovada através de projectos financiados pela união europeia nos últimos anos, de que são exemplo: European re-settlement Training & Education for Prisioners, Blended Learning in Prisonn, a German Approach for Useing LMS in Prision, E-learning in Prison the Norwegian IFI System, entre outros (E- Learning platforms and Distance learning, 2010). Em Portugal, a população prisional tem acesso à formação directamente relacionada com o sistema educacional (Direcção Geral dos Serviços Prisionais DGSP, 2009; E-step, 2008) a todos os níveis de

2 ensino do 1.º ciclo ao ensino superior e à formação contínua através de acções que têm como objectivo fornecer aos reclusos instrumentos potenciadores de uma melhor reintegração sócio - profissional, nomeadamente através da aquisição de competências técnicas, sociais e relacionais, tendo em vista o desempenho profissional qualificado e o desenvolvimento pessoal e social (idem: 141), sendo esta a formação disponibilizada, maioritariamente, no interior dos estabelecimentos prisionais. Apesar do e-learning ser comummente assumido como resposta aos desafios do mundo globalizado, tais como a aprendizagem ao longo da vida e o desenvolvimento de competências tecnológicas e sociais havendo, inclusive, um protocolo entre a DGSP e Universidade Aberta a nível de formação universitária (DGSP, 2009) há fortes indícios de que a vertente da educação a distância em Portugal ainda não seja muito explorada a nível de possíveis contribuições para a formação profissional nos estabelecimentos prisionais. Tal facto não contribui para a desejável e socialmente necessária inclusão digital dos grupos minoritários que, por diversas razões, ou não têm acesso às Tecnologias de Informação e de Comunicação (TIC) ou esse acesso, pelo seu carácter aleatório e simplesmente lúdico, não se traduz na capacidade de manejar, seleccionar e produzir informação tendo como finalidade a aprendizagem permanente e o desempenho de um papel activo na sociedade da informação (Apostopoulou et al, 2004: 3). Estes autores referem, ainda, que o desígnio da inclusão digital deve levar em consideração os contextos sociais e culturais de forma a assegurar com maior grau de probabilidade que os sujeitos excluídos venham a utilizar as TIC para expandir as suas competências em auto-formação para uma melhor qualidade de vida. Acreditamos que este processo de formação contínua, que visa a aquisição de competências através das TIC, pode ser implementado e mediado por um «Sistema de Gestão da Aprendizagem (SGA)». Este SGA tem como objectivo centralizar e simplificar a gestão do ensino-aprendizagem através do e-learning. Por seu intermédio, oferecem-se funcionalidades a nível de disponibilização e acesso a conteúdos pedagógicos, comunicação entre os intervenientes, avaliação contínua e gestão dos processos de ensino/aprendizagem. É por esta razão que consideramos pertinente o desenvolvimento de um modelo de intervenção educativa integrado e estruturado, susceptível de replicação, que favoreça a (re)integração social de uma população em situação (transitória) de reclusão, através do e-learning mediado por um SGA. ENQUADRAMENTO O projecto que aqui apresentamos parte da constatação de que as TIC desempenham hoje, a par de outras tecnologias, um papel essencial no campo da educação e da formação. Esta constatação é ainda mais pertinente se considerarmos que as metodologias de trabalho a distância podem ser contributos fundamentais na formação de populações sob custódia. A educação a distância caracteriza-se pela flexibilidade e adaptação ao estilo e ritmo de aprendizagem de cada um. Acresce ainda a vantagem de não colidir com as rotinas diárias do estabelecimento prisional, o que sempre foi apontado como condição essencial para o desenvolvimento do estudo

3 Neste contexto, segundo Gabriel (2007), as prisões são locais de excelência para que as populações excluídas sejam alvo de intervenções de modelagem estruturantes, que permitam uma posterior reinserção na sociedade livre. Numa perspectiva de educação ao longo da vida e de reintegração, parece-nos que a formação a distância pode constituir-se como uma mais-valia, tal como tem vindo a ser para outros grupos sociais. O conceito de educação ao longo da vida deve ser encarado como uma construção contínua de todos os seres humanos, através da educação e a aprendizagem. E nesse sentido, as novas tecnologias da informação e comunicação apresentam-se como ferramentas essenciais para o êxito no trabalho e no desenvolvimento pessoal. O que se pretende com este projecto é implementar a utilização dessas tecnologias noutros contextos formativos que não as escolas ou centros de formação; no caso vertente, em estabelecimentos prisionais. Desenvolver e monitorizar formação a distância junto de um grupo de reclusas será o primeiro patamar deste projecto que, no limite, aposta na criação de um modelo de intervenção com potencial de disseminação para âmbitos e públicos homólogos. Como resultado, esperamos obter dados sólidos que permitam perceber a importância e viabilidade da introdução destas metodologias em contexto prisional. Acreditamos que a necessidade de ocupação do tempo um tempo que psicologicamente há-de parecer interminável e a vontade de preparação para um regresso mais seguro à vida em liberdade favorecem a adesão do públicoalvo aos meios de comunicação a distância e aos conteúdos de ensino que, por essa via, lhes são disponibilizados. Segundo Vidal (2002), proporcionar aprendizagens com eventual valor no mercado de trabalho a pessoas que estão afastadas de centros de formação presencial, e por isso impedidas de continuar os seus estudos por motivos sociais, é uma forma de levar à prática o princípio da flexibilidade do ensino. Em nosso entender é fundamental a promoção de formações que permitam o acesso a conteúdos práticos e optimizáveis, que possam ser importantes para dotarem as formandas/reclusas de ferramentas realmente facilitadoras de uma posterior reintegração de sucesso. Para isso procurámos, numa primeira fase da investigação Análise, saber quais as necessidades de formação para, a partir delas, elaborarmos um modelo de intervenção formativa. ANÁLISE Nesta fase, tratou-se de proceder ao diagnóstico das necessidades de formação do público-alvo do nosso projecto. A selecção dos conteúdos formativos estava, é claro, dependente dos prévios conhecimentos, interesses e expectativas dos potenciais participantes. Não se ensinam coisas já sabidas ou que não correspondam à motivação dos aprendentes. O facto de, por vezes, isto não ser equacionado é a razão pela qual muitos projectos de intervenção educativa não logram o impacto devido ou nem sequer chegam a concretizar-se. Lencastre (2009: 34) adverte a propósito que, para se começar bem um projecto que incorpora educação online, é necessário levar em consideração as competências que se pretendem obter, as aptidões das formandas, os recursos possíveis e disponíveis para serem utilizados, bem como é preciso

4 identificar que actividades podem ser uma mais valia, quais os objectivos comportamentais e os conteúdos existentes.. Depois de estabelecidos os primeiros contactos institucionais e aceites os termos em que pretendíamos desenvolver o projecto, foram necessárias algumas reuniões preliminares com os responsáveis do Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo (EPESCB) e da Santa Casa da Misericórdia do Porto (SCMP), no sentido de obtermos dados concretos sobre o tipo de público com o qual iríamos trabalhar. A escolha das reclusas participantes foi baseada em dois critérios fundamentais: (i) a disponibilidade e interesse em participarem no estudo e (ii) conhecimentos mínimos de informática na óptica do utilizador. Houve um terceiro critério, que ficou a cargo dos responsáveis do EPESCB e SCMP, relativo ao (iii) tempo de detenção, que teria de ser superior ao tempo necessário para implementar a primeira fase do projecto. Ou seja, as reclusas deveriam permanecer no estabelecimento prisional tempo suficiente para cada ciclo de formação. Para a obtenção dos dados relativos aos critérios (i) e (ii), elaborou-se um inquérito por questionário que foi distribuído a 50 reclusas seleccionadas pelas técnicas da SCMP. Foram validados 45 questionários que permitiram traçar o perfil psicológico, social e cultural das potenciais formandas. Caracterização do grupo Verifica-se que a idade média é de 45 anos, e este facto é revelador das dificuldades de reintegração social pós-reclusão, dado que os indicadores estatísticos revelam que a taxa de desemprego de longa duração é superior nesta faixa etária. Quanto ao nível de escolaridade, este encontra-se entre o 3º ciclo (36%) e o secundário (51%). Em termos de áreas de interesse, as TIC e áreas ligadas ao empreendedorismo, criação e desenvolvimento de empresas foram as áreas de formação identificadas como as mais emergentes em termos de vontade formativa (19% e 22% respectivamente), juntamente com Higiene e Segurança no Trabalho. Revelaram, ainda, interesse em frequentar acção de Técnicas Procura de Emprego (14%), pelo que podemos constatar que o emprego e a inserção no mercado de trabalho formam sem dúvida o acervo das preocupações mais significativas. Paralelamente, destacamos o interesse em formação de língua estrangeira Inglês (também 14%), o que exprime sintonia com uma sociedade cada vez mais globalizada em que o conhecimento de uma língua estrangeira é determinante para a inserção no mercado de trabalho. Em relação a Educação Cívica, esta acção de formação concitou o interesse de 9% das inquiridas. Destacadas as áreas de formação-chave a desenvolver, importa salientar que 67% das reclusas consideram esta oferta formativa extremamente relevante e 31% muito relevante. Assim, e atendendo a este indicador, consideramos que a oferta nas áreas de formação mencionadas não são apenas por nós apontadas como áreas de intervenção privilegiadas para o público-alvo, mas assim consideradas também pelas própria destinatárias da oferta

5 Paralelamente, a esmagadora maioria das reclusas inquiridas (96%) demonstrou disponibilidade/interesse em participar numa formação a distância em pelo menos numas destas áreas. Relativamente à utilização do computador, as percentagens são as seguintes: 4% das inquiridas nunca utilizaram o computador, 56% só raramente o utilizam e 16% dizem utilizá-lo com frequência. Não responderam 4%. O passo seguinte foi organizar turmas de formandas entre os 10 e os 15 elementos. A selecção destes grupos ficou a cargo das técnicas do IPESCB. DESENHO A fase do Desenho assegura a elaboração do programa de formação. Este processo deriva dos resultados da fase de Análise e termina no esboço do protótipo. Lencastre (2009: 35) refere que para se ser bem sucedido deve-se conceber um projecto como uma série de tarefas, sendo que cada tarefa tem um objectivo específico a ser alcançado. Mais refere que as experiências de aprendizagem são mais interessantes quando começam com um desafio. (...) com um início bem identificado e um fim que é mensurável, o que aumenta a autonomia e a latitude de acção de cada tarefa. Assim, após análise dos dados dos questionários iniciais, foram organizadas equipas multidisciplinares para o desenho de um modelo de formação que envolve questões pedagógicas e questões técnicas. Modelo pedagógico de formação Quanto às questões pedagógicas, corroboramos com Garrison & Anderson (2003) quando afirmam que mais do que uma ferramenta, o e-learning irá alterar a forma como experienciamos e vemos a aprendizagem, desde que seja utilizado como um novo meio de interacção comunicativa, para além do acesso à informação. Neste sentido, o recurso ao e-learning pode, por um lado, servir como forma de dominação e ser utilizado unidireccionalmente como instrumento de poder ou pode, diversamente, ser um valioso instrumento de discussão e partilha do poder, dando voz aos sujeitos, funcionando como um dispositivo pedagógico promotor de construção de aprendizagens, assentes em princípios de uma comunicação democrática (Monteiro, 2011). Tendo por base estes princípios, a aprendizagem é construída a partir de um processo de interacções constantes: com o ambiente online; com os conteúdos veiculados através dos objectos de aprendizagem; interacções inter-subjectivas entre formandos e entre estes e respectivos formadores; e, finalmente, interacções intra-subjectivas para personalizar as informações e construir os próprios significados (Ally, 2004). Este autor refere ainda que o ensino-aprendizagem online envolve diferentes etapas, tais como: - preparação do estudante/formando para a aquisição de novos conhecimentos; - apresentação de diversas actividades relacionadas com os resultados de aprendizagem previstos e que levem em consideração as necessidades individuais;

6 - observação das interacções; - transferência dos conhecimentos através da aplicação dos conceitos na vida real. No decorrer destas etapas, a tecnologia tem um papel de destaque nos aspectos que dizem respeito à autonomia dos formandos e ao processo de interacção social. Em suma, no modelo pedagógico de formação que adoptámos, a aprendizagem desenvolve-se através da participação activa dos sujeitos, da troca entre os pares, do estímulo à autonomia, mobilizando, para isto, os recursos tecnológicos disponíveis. Esta opção pedagógica levou-nos ao planeamento e concepção de protótipos multimédia de suporte à aprendizagem que atendessem às necessidades formativas e que, simultaneamente, levassem em consideração as característica dos sujeitos envolvidos. Esboço do protótipo No que concerne ao(s) protótipo(s), reunimos peritos na área de tecnologia e conhecedores dos conteúdos. Estas equipas foram constituídas por estudantes do 2º Ano do Mestrado em TIC, especialização em Comunicação Multimédia, da Escola Superior de Educação Jean Piaget (Instituto Piaget) de Vila Nova de Gaia. Estes investigadores juniores foram envolvidos no projecto com um duplo papel: em equipa, desenvolveram os protótipos e os testes de usabilidade associados e, em simultâneo, juntamente com os seus orientadores, utilizaram o projecto para as suas dissertações de mestrado. A opção por envolver os estudantes num trabalho em equipa foi capital para a consecução da primeira fase do projecto. Arquitectura, layout e navegação Arquitectura é a forma como o espaço de informação está estruturado. Isso determina se a informação é (ou não) fácil de encontrar através da navegação. Após a definição das actividades a desenvolver, procedeu-se à sua esquematização num storyboard. Este elemento de planificação revelou-se de extrema importância para o estudo do layout a ser utilizado bem como para a navegação. Como o layout é a distribuição física na página dos elementos que a compõem, foi fundamental ter de início todo o conteúdo, caso contrário ficaríamos com uma ideia errada do resultado final. Isto porque o que pode ter sentido visualmente pode não ser legível e usável (Lencastre, 2009: 158). Procedeu-se à adaptação do conteúdo ao novo meio, porque a leitura num ecrã é cerca de 25% mais lenta do que num suporte não digital (Nielsen & Loranger, 2006). Se os textos forem demasiado longos, não são lidos. O menu de navegação, os ecrãs de visualização e as situações de aprendizagem foram estudadas nos elementos que as constituem botões, animações, vídeos, imagens bem como o tipo de letra dos textos e títulos, a cor, a dimensão do ecrã e a resolução, procurando obter sempre uma estrutura visual forte e harmoniosa. A navegação resultou da concertação dos seguintes pressupostos: (i) convenções da Web (navegação pela posição no ecrã) e (ii) leitura tipográfica (Lencastre, 2009: 67), ou seja, os movimento dos olhos a percorrer o ecrã da esquerda para a direita, de cima para baixo,

7 numa sequência de linhas paralelas, como na leitura de um livro. Assim, o menu de navegação foi colocado do lado esquerdo do ecrã de visualização que dá acesso aos diversos conteúdos. Usabilidade A palavra usabilidade é habitual como sinónimo de funcionalidade do sistema e traduz-se no facto de ser fácil de usar, fácil de aprender a usar e pelo grau de satisfação sentido pelo utilizador (Lencastre, 2008). Os testes de avaliação de um protótipo têm como objectivo analisar e quantificar a sua usabilidade. A razão de ser destes testes é, segundo Rubin & Chisnell (2008), descobrir o que o utilizador quer e quais as dificuldades que experimenta, pois quanto mais se souber acerca das necessidades do utilizador melhor será o protótipo final. Sem esta avaliação o protótipo chegaria ao utilizador final reflectindo, apenas, as intenções de quem o desenhou, sem qualquer garantia de usabilidade. Neste artigo, a título de exemplo, apresentaremos dados recolhidos na avaliação de um dos primeiros protótipos a ser concluído, subordinado ao tema «Técnicas de procura de emprego». Testes usabilidade avaliação heurística A primeira avaliação externa do protótipo «Técnicas de Procura de Emprego» foi a avaliação heurística à versão alpha. Esta avaliação é uma apreciação do protótipo por um especialista com base num conjunto de princípios ou critérios de usabilidade (as heurísticas). [O protótipo] é examinado procurando a violação desses critérios (Lencastre, 2009: 139). Embora esta avaliação seja simples requer conhecimento profissional para que possa interpretar as heurísticas, relacionar os erros encontrados em cada uma delas e apontar soluções. Neste caso, a avaliação foi solicitada a três peritos na área do multimédia e no estudo de interfaces homem-computador e a sua análise foi efectuada com base numa grelha adaptada de Xerox: Heuristic Evaluation - A System Checklist. As dez heurísticas utilizadas nesta grelha consistem numa adaptação das criadas por Nielsen em 1993, a saber: 1. Tornar o estado do sistema visível 2. Falar a linguagem do utilizador 3. Utilizador controla e exerce livre-arbítrio 4. Consistência e Adesão a Normas 5. Evitar erros 6. Reconhecimento em vez de Memorização 7. Flexibilidade e Eficiência 8. Desenho de ecrã estético e minimalista 9. Ajudar o utilizador a reconhecer, diagnosticar e recuperar dos erros 10. Dar Ajuda e Documentação

8 Para avaliar as dez heurísticas foram efectuadas 62 questões às quais os peritos poderiam responder Sim/Não ou Não Avaliado. Em cada uma destas questões o perito poderia, ainda, efectuar comentários. Esta avaliação permitiu obter dados quantitativos através da análise estatística ao número de respostas positivas, negativas e não avaliadas às 62 questões colocadas e, também, obter dados qualitativos a partir das anotações efectuados pelos avaliadores. Obtivemos os seguintes resultados: Gráfico 1 Avaliação heurística Das dez heurísticas avaliadas, duas revelaram alguns problemas de usabilidade: Heurística n.º 3: o utilizador controla e exerce livre arbítrio; Heurística n.º 10: dar ajuda e documentação. Relativamente à Heurística n.º 3, os principais problemas encontrados são relativos aos seguintes itens: 3.1. Quando uma tarefa do utilizador está completa, o protótipo avança para uma nova tarefa sem necessitar da intervenção do utilizador?. As respostas dividem-se equitativamente entre sim, não e não avaliado Os utilizadores podem reverter com facilidade as suas acções? dois peritos afirmaram que não e um respondeu que sim. Na primeira situação, esta foi uma opção consciente porque foi tido em conta os diferentes ritmos de leitura das formandas. Se o protótipo avançasse automaticamente isto poderia causar embaraços ao utilizador com um ritmo de leitura mais lento. Outro motivo foi a inclusão da narração áudio do texto. Como esta funcionalidade é activada pelo utilizador, se o protótipo avançasse sem necessitar de intervenção externa corria-se o risco da narração ser interrompida

9 Quanto à possibilidade de reverter as suas acções, esta foi retirada na tarefa 6 pois, como o objectivo era avaliar os conhecimentos adquiridos, ao impossibilitar a reversão da acção os utilizadores ficam impedidos de acertarem pelo método de tentativa/erro. Relativamente à décima heurística, a principal lacuna na usabilidade é respeitante ao item: Utilizadores podem facilmente comutar entre a ajuda e o trabalho e recomeçar o trabalho onde tinham parado? 2 peritos afirmaram que não e um respondeu que sim. Na realidade, os utilizadores após consultarem a ajuda necessitam de, obrigatoriamente, seleccionar no menu a opção onde se encontravam anteriormente de forma a poderem retomar o seu trabalho. Após as correcções efectuadas à versão alpha, com base no feedback obtido na avaliação heurística, obteve-se a versão beta, versão que foi objecto de novos testes, desta vez com utilizadores semelhantes aos utilizadores reais. DESENVOLVIMENTO Segundo Lencastre (2009: 49) a fase de Desenvolvimento obriga a que haja produtos, o que leva a que seja muito mais demorada. É o ciclo de construção. Este ciclo deve confirmar todas as decisões da etapa anterior. Nesta fase, o conteúdo e o multimédia devem estar preparados. Todos os potenciais problemas devem ser testados. Este ciclo de produção deve ter como foco, quase exclusivamente, desenvolver o desenho aprovado.. É a altura em que o período de testes de usabilidade se intensifica. Testes usabilidade - avaliação com utilizadores semelhantes ao público-alvo Durante o ciclo de desenvolvimento de um protótipo a avaliação da usabilidade junto de utilizadores com um perfil semelhante ao público-alvo deve ser uma constante de forma a garantir a sua qualidade em termos educativos. Para que este teste seja válido a sua realização deve ser o mais aproximado possível do contexto real. Como não tivemos condições para testar o protótipo num ambiente prisional, foram recriadas as condições utilizando uma sala de aula com computadores com as mesmas características de hardware e software previstas para a formação. Para garantir a fiabilidade dos resultados obtidos seleccionámos participantes com as características do público-alvo relativamente à idade, género, habilitações académicas e experiência em TIC. No que concerne a este parâmetro, a experiência em TIC, esta pode ser medida em três dimensões user cube (Nielsen, 1993) a saber: experiência com os computadores em geral, experiência com o sistema (utilização de ferramentas multimédia) e conhecimento do conteúdo. Descrição do estudo O estudo de usabilidade foi realizado com cinco participantes porque cinco elementos são capazes de expor cerca de 80% dos problemas de um protótipo (Nielsen, 2000) em ambiente controlado e na presença de um monitor. Após a disponibilização do protótipo, o monitor entregou aos participantes um guião de participação dividido em três partes: (i) hábitos e costumes de utilização de protótipo online, (ii) descrição da

10 consulta e navegação pelo protótipo e (iii) opinião e satisfação dos utilizadores relativamente ao protótipo testado. Os métodos e as técnicas de recolha de dados utilizados foram o inquérito por questionário e a observação directa (na cronometragem do tempo de realização do teste, no registo das classificações obtidas nas tarefas propostas e no registo de ocorrências - erros cometidos, dúvidas colocadas, etc.). Os seis parâmetros da usabilidade avaliados pelo questionário foram os seguintes: (i) design, (ii) facilidade de utilização, (iii) funcionalidades, (iv) aprendizagem, (v) satisfação e (vi) erros. Os participantes, após a utilização do protótipo, responderam a treze questões com vista a avaliar os parâmetros referidos numa escala de 1=Mau a 5=Muito Bom. Com base nas respostas às questões obtivemos os seguintes dados: Design: 4,7; Facilidade de utilização: 4,5; Funcionalidades: 4,8; Aprendizagem: 4,0; Satisfação: 4,5; Erros: 4,5. Considerando os cinco critérios apresentados por Nielsen (1993) para medir a usabilidade e com base nesta análise podemos concluir que o protótipo é: Fácil de aprender (Easy to learn): as participantes, em média, terminaram as tarefas em 46 minutos, quando o tempo previsto era de 60 minutos. Apenas uma participante necessitou de 50 minutos. 80% sentiram-se sempre à-vontade a interagir com o protótipo enquanto 20% revelaram, por vezes, algumas dificuldades. Eficiente para usar (Efficiency): a avaliação à realização das tarefas foi muito positiva, com 80% de aprovação na primeira tarefa e uma média de 76 pontos em 100 na segunda. Todas as participantes indicaram que a informação fornecida pelo protótipo foi sempre fácil de entender. Todas as participantes afirmaram que a informação disponibilizada pelo protótipo foi útil para completar as tarefas, embora 20% tenha referido que nem sempre isso aconteceu. Fácil de lembrar (Memorability): este critério não pôde ser avaliado convenientemente porque o teste só foi realizado uma única vez. No entanto, sendo que uma das condições para que o protótipo seja fácil de memorizar é ter um bom design, a avaliação obtida neste parâmetro (4,7 em 5) permite-nos pensar que o protótipo possui estas características. Pouco sujeito a erros (Errors): 80% das utilizadoras conseguiram sempre recuperar dos erros que cometeram. Pela observação directa pudemos constatar que os erros que existiram deveram-se, principalmente, a distracções (fechar janela do browser em vez do separador, por exemplo). Agradável de usar (Satisfaction): 80% das participantes conseguiram sempre completar eficazmente as tarefas e, na globalidade, ficaram totalmente satisfeitas. Apesar desta avaliação da usabilidade ter sido positiva, existem algumas arestas a limar para uma próxima versão do protótipo. Como refere Lencastre (2009: 141) um único teste não é significativo para avaliar o trabalho e a prática mostra que a maior parte dos projectos precisa de múltiplos testes e redesenho dos materiais para alcançar um nível aceitável de usabilidade e qualidade.. Algumas das alterações são, por exemplo:

11 Melhorar a secção de ajuda com indicações sobre como utilizar alguns dos recursos do protótipo. Uma opção será apresentar uma introdução ao protótipo com algumas indicações sobre como interagir com os seus elementos principais. O protótipo quando está online pode revelar alguns problemas de utilização, principalmente a demora do carregamento dos vídeos e o tempo despendido na abertura dos flipbooks. Uma solução será diminuir o tamanho (em Kb) desses recursos ou disponibilizar o produto final na plataforma para utilização offline. CONCLUSÃO Com o objectivo de desenhar e implementar um projecto de formação em e-learning no Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo criámos um modelo de intervenção integrado e estruturado, com o objectivo final de favorecer a (re)integração social de população reclusa. Os problemas de exclusão e a dificuldade de (re)integração social são cada vez mais marcantes, pelo que todas as estratégias intervenção deverão ser valorizadas. O potencial do e-learning poderá ser uma solução sólida, pois permitirá promover uma formação adaptada e dirigida ao público em questão. Acreditamos que o e-learning poderá solucionar alguns dos obstáculos identificados na formação de reclusos, nomeadamente a ausência de motivação, a falta de flexibilidade e adaptação a estilos e ritmos de aprendizagem, bem como à alteração das rotinas diárias dos estabelecimentos prisionais. Depois de consultadas as potenciais formandas, foram desenhados e desenvolvidos pacotes formativos de forma a criar protótipos simples, apelativos, legíveis e com qualidade pedagógica. Acreditamos estar no caminho certo para acautelar as condições necessárias para o sucesso da aprendizagem uma vez que todos os protótipos foram sujeitos a avaliação da usabilidade. Se no decorrer da fase a análise os testes de avaliação tiveram como objectivo essencial o prognóstico da usabilidade, a percepção das exigências do utilizador e a testagem informal das ideias iniciais, já na fase do desenho e do desenvolvimento, as avaliações centram-se na identificação das dificuldades do utilizador e no ajustamento adequado do protótipo às suas necessidades (Dumas & Redish, 1999). Importa, ainda, referir que antes de se iniciarem as formações, todas as reclusas terão uma formação (presencial/online) sobre o SGA a ser utilizado com o objectivo de adquirem conhecimentos essenciais que lhes permitam explorar a plataforma e os protótipos de forma eficaz. Bibliografia Ally, M. (2004). Foundations of Educational Theory for Online Learning. In Anderson, T. & Elloumi,F. Theory and Practice of Online Learning (pp.3-31). Athabasca: Athabasca University. Apostopoulou, G. et al (2004). E-learning para a Inclusão Social. [online], charte.velay.greta.fr/pdf/charter_e-learning_para_inclusao_social.pdf, 6/06/

12 Direcção dos serviços prisionais (2009). Relatório de actividades. [online], 1/6/2011. Dumas, J. & Redish, J. (1999). A Pratical guide to Usability Testing. Exeter: Intellect Books. E-Learning platforms and Distance learning (2010). Workshop A5 In European Conference on Prison Education. [online], 6/06/2011. E-step (2008). Current Education and Training Provision in Portuguese Prisons. [online], 31/05/2011. European Conference on Prison Education (2010). Pathways to Inclusion Strengthening European Cooperation in Prison Education and Training. [online], 3/06/2011. Gabriel, D. (2007). (De) Formação de Adultos em Contexto Prisional: Um Contributo. Tese de Mestrado. Porto: Universidade do Porto. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. (Texto Policopiado) Garrison, D. Randy, & Anderson, Terry (2003). E-learning in the 21stcentury. London: RoutledgeFalmer. Lencastre, J. (2009). Educação On-line: Um estudo sobre o blended learning na formação pós-graduada a partir da experiência de desenho, desenvolvimento e implementação de um protótipo Web sobre a imagem. Tese de Doutoramento em Educação na especialidade de Tecnologia Educativa. Braga: Universidade do Minho. Instituto de Educação e Psicologia. (Texto Policopiado) Lencastre, J. & Chaves, J. (2008). Avaliação Heurística de um Sítio Web Educativo. In Ambientes Educativos Emergentes. Dias, P. & Osório, A. (org). Universidade do Minho: Centro de Competência Monteiro, A. (2011). O currículo e a prática pedagógica com recurso ao b-learning no ensino superior. Tese de doutoramento em Ciências da Educação. Porto: Universidade do Porto. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. (Texto Policopiado) Nielsen, J. (2000). Why You Only Need to Test With 5 Users. Nielsen, J. (1993). Usability Engineering. New Jersey: Academic Press. Nielsen, J. & Loranger, H. (2006). Prioritizing Web Usability. Berkeley CA: New Riders Press. Pearrow, M. (2007). Web Usability HandBook. Boston. Massachusetts: Charles River Media. Rubin, J. & Chisnell, D. (2008). Handbook of Usability Testing, Second Edition: How to Plan, Design, and Conduct Effective Tests. Indianapolis: Wiley Publishing, Inc. Vidal, E. (2002). Ensino a Distância vs Ensino Tradicional. Porto: Universidade Fernando Pessoa. Tese de Mestrado. (Texto Policopiado) Xerox: Heuristic Evaluation - A System Checklist

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado O Plano Tecnológico da Educação (PTE), aprovado pela Resolução de

Leia mais

SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS

SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS 1. Descrição Simuladores Virtuais no Ensino Experimental das Ciências 2. Razões justificativas da ação: Problema/Necessidade de formação identificado

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DOS

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Revista Formar n.º 43 Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Os dados estão lançados. O IEFP lançou-se na formação a distância. O balanço inicial do curso a distância de Gestão da Formação

Leia mais

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO

POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO ACÇÃO-TIPO: 2.3.1 ACÇÕES DE FORMAÇÃO NA ROTA DA QUALIFICAÇÃO VALORIZAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO SECTOR AGRO-ALIMENTAR E TURÍSTICO CURSO N..ºº 11 TTÉCNI

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Relatório de Avaliação da Acção de Formação

Relatório de Avaliação da Acção de Formação Relatório de Avaliação da Acção de Formação Este relatório resulta da análise de um questionário online administrado a todos os formandos de forma anónima. O questionário continha questões fechadas, que

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

PLANO DE APRESENTAÇÃO

PLANO DE APRESENTAÇÃO DEGEI Mestrado em Gestão de Informação AVALIAÇÃO DA ADOPÇÃO DA FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DE ESTUDO NA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA PLANO DE APRESENTAÇÃO TEMA CONTETO PROBLEMA HIPÓTESES CONTETO TEÓRICO

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DO QIMTERATIVO DE PORTUGUÊS: TESTES REALIZADOS. Teresa Vasconcelos J. António Moreira

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DO QIMTERATIVO DE PORTUGUÊS: TESTES REALIZADOS. Teresa Vasconcelos J. António Moreira AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DO QIMTERATIVO DE PORTUGUÊS: TESTES REALIZADOS Teresa Vasconcelos J. António Moreira A. de Escolas de Anadia Universidade Aberta teresavasconcelos74@gmail.com jmoreira@uab.pt RESUMO:

Leia mais

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design.

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design. Abordagem Formativa Web-Based Success does not happen by accident. It happens by Design. Objectivo, Processo, Resultado Objectivo desta Apresentação Introduzir as características e benefícios chave de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre:

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre: CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS e learning Uma parceria entre: Curso CEAD - Comunicação Empresarial e Análise de Dados NECESSITA DE PREPARAR PROPOSTAS, RELATÓRIOS OU OUTRAS COMUNICAÇÕES

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação

Relatório Final da Acção de Formação Acção de Formação: Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências Contexto: utilização da Web 2.0 aplicada à didáctica do ensino das Ciências Relatório Final da Acção de Formação Centro

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local Amarante - 2009 A sessão de hoje 3 Novembro2009 Objectivos gerais: 1. a) Enquadramento Teórico b) Actividade n.º 1: Descobrindo as Etapas de

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESENHO DE SISTEMAS DE E-LEARNING Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESENHO DE SISTEMAS DE E-LEARNING Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular DESENHO DE SISTEMAS DE E-LEARNING Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA 3. Ciclo de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning Público-Alvo Profissionais que pretendam adquirir competências de base para monitorizar formação na modalidade e-learning ou b-learning que sejam possuidores do

Leia mais

Instrumentos de Avaliação

Instrumentos de Avaliação Instrumentos de Avaliação 7 Questionário de expectativas Atendendo à integração do Curso "Formação de eformadores" no Projecto etrainers, que tem como objectivo a testagem de metodologias e ambientes inovadores

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O seu conhecimento em primeiro lugar! AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA INTRODUÇÃO No primeiro trimestre a Agência para a Modernização Administrativa

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas,

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, pois este é um dos meios de socialização e da aquisição das primeiras competências

Leia mais

Helpdesk - Um Mensageiro Escolar

Helpdesk - Um Mensageiro Escolar Helpdesk - Um Mensageiro Escolar Aquiles Boiça 1, João Paiva, 2 1 Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (Portugal), boica@prof2000.pt http://portal-escolar.com 2 Centro de Física Computacional

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID)

A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID) A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID) Ana Isabel Leitão, Técnica Superior de Educação Especial

Leia mais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Curso de Formação 2011 Índice PROPOSTA FORMATIVA... 3 Introdução... 3 Objectivo geral... 3 Estrutura... 3 Metodologias... 3

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto Virgínia Moreira Dias vmrmd@ddinis.net Sónia Rolland Sobral sonia@upt.pt Universidade Portucalense, Porto Resumo A integração

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING Anna Guerman, Humberto Santos, Pedro Dinis Gaspar, António Espírito Santo, Cláudia Santos Universidade da Beira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano Ano letivo 2014-201 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário RELATÓRIO Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Projecto de investigação/acção No âmbito da Portaria nº 350/2008,

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender João Torres, Miguel Figueiredo e Rosário Rodrigues Centro de Competência Nónio Séc. XXI da ESE de Setúbal 26 de Abril de 2005 1 2 3 4 5 24 Objectivos Debater

Leia mais

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Coimbra, Setembro de 2011 Solicitação para colaboração na preparação da Unidade Curricular Intervenção em Cuidados Continuados II - 4º

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO An 2-A Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

Universidade do Minho Mestrado em Ciências da Educação Especialização em Tecnologia Educativa Tecnologia e Comunicação Educacional

Universidade do Minho Mestrado em Ciências da Educação Especialização em Tecnologia Educativa Tecnologia e Comunicação Educacional Universidade do Minho Mestrado em Ciências da Educação Especialização em Tecnologia Educativa Tecnologia e Comunicação Educacional A autoria do professor O professor e o A Dimensão Tecnológica da comunicação

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO RELATÓRIO FINAL DO EVENTO Outubro 2010 1. INTRODUÇÃO Uma vez terminado o evento Start Me Up Alto Minho, apresentam-se de seguida um conjunto de elementos que, em jeito de conclusão, se revelam oportunos

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Regulamento para Candidatos provenientes de Moçambique

Regulamento para Candidatos provenientes de Moçambique Candidatura a Estágios Profissionais na Academia RTP Regulamento para Candidatos provenientes de Moçambique I. Contexto A Academia RTP, vocacionada para a formação de novos talentos em todas as áreas de

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4 1.1.

Leia mais