Prototipagem em Papel Desenvolver e testar interfaces antes de iniciar a programação. Ivo Gomes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prototipagem em Papel Desenvolver e testar interfaces antes de iniciar a programação. Ivo Gomes"

Transcrição

1 Prototipagem em Papel Desenvolver e testar interfaces antes de iniciar a programação Ivo Gomes 1

2 Novos desafios Interfaces cada vez mais complexos; Novos desafios através do uso de Rich Internet Applications: Prazos de desenvolvimento cada vez mais curtos; É necessário usar uma metodologia mais simples e rápida para modelação de interfaces. 2

3 Protótipos? Usados para identificar as interacções em rascunho e o design dos ecrãs; Podem ser feitos testes e simulações rápidas; Servem para transmitir aos designers/developers os ecrãs e/ou as funcionalidades que o interface deverá ter, bem como os fluxos de informação; Podem ser concebidos em papel ou outros formatos (PowerPoint/Keynote, Visio/OmniGraffle, etc...) 3

4 Porquê em Papel e não noutro formato? Porque em papel dá para apagar e voltar a escrever por cima, tirar notas, dobrar, recortar... (mesmo durante os testes de usabilidade); É mais rápido de desenhar do que usando qualquer software; É mais fácil transpor as ideias directamente para o papel; É mais fácil envolver outras pessoas no desenvolvimento dos protótipos; Os utilizadores conseguem ser mais críticos ao olharem para um protótipo em papel do que para uma página com um aspecto mais formal. 4

5 Poupar dinheiro usando protótipos As maiores melhorias no interface de um produto são obtidas através da recolha de dados de usabilidade nas fases iniciais do seu desenvolvimento. Os benefícios da aplicação de metodologias de usabilidade nas fases iniciais é 10 vezes maior do que se for apenas utilizada numa fase posterior (para correcção de erros e alteração de elementos no interface). É mais barato alterar um produto na sua fase inicial do que fazer alterações a um produto acabado. Estima-se que seja 100 vezes mais barato efectuar alterações antes de se começar a programar do que esperar que todo o desenvolvimento tenha sido efectuado. Jakob Nielsen; Alertbox, 14 de Abril de

6 Vantagens dos protótipos no geral A prototipagem é particularmente útil para recolher dados sobre: Conceitos e terminologia; Navegação; Conteúdo; Layout da página; Funcionalidade. 6

7 Vantagens dos Protótipos em Papel Testar o layout antes de começar a programar; Fazer alterações rapidamente; Eliminar variáveis tecnológicas nos testes de usabilidade.

8 Vantagens dos Protótipos em Papel Baixo custo de implementação; Documentação rápida.

9 Desvantagens dos Protótipos em Papel Difícil copiar o comportamento de alguns elementos do interface: scrollbars, transmissão de informação através do uso de cores, animações, Rich Applications, etc... Durante a concepção e testes aos protótipos, não é escrita nenhuma linha de código, o que pode atrasar o tempo total disponível para o projecto; O aspecto dos ecrãs pode fazer com que os utilizadores (e o cliente) sinta que é um método pouco profissional; Não permite encontrar todo o tipo de problemas de usabilidade. 9

10 Em que fases se pode aplicar a prototipagem? Podem-se criar e testar protótipos em qualquer fase do processo de desenvolvimento; Alterações nas fases iniciais são mais bem sucedidas e mais baratas do que correcções numa fase posterior; Podem fazer-se protótipos com base num interface já existente (para testar a implementação de novas funcionalidades). 10

11 Prototipagem de Rich Internet Applications Como mostrar em papel as interacções deste tipo de aplicações web?

12 Prototipagem de Rich Internet Applications O objectivo de testar um protótipo é o de criar um interface usável. Se for difícil de copiar o comportamento de algum efeito no papel, isso pode significar que o próprio efeito no site não será muito usável. Muitas vezes são usadas novas tecnologias, não necessariamente por serem mais usáveis, mas mais porque são cool. O objectivo da prototipagem não é testar se o site é cool, mas sim se os utilizadores conseguem realizar as suas tarefas. Os protótipos não precisam de incorporar todos os elementos da página. Apenas necessitam de capturar a funcionalidade do site e fornecer as informações correctas e dentro do mesmo contexto. 12

13 Prototipagem de Rich Internet Applications 13

14 Prototipagem de Rich Internet Applications 14

15 Prototipagem de Rich Internet Applications 15

16 Prototipagem de Rich Internet Applications 16

17 Case Study Como o uso de protótipos em papel pode ser um êxito no desenho de uma nova aplicação

18 O problema (deles) Uma empresa tinha a necessidade de informatizar todos os seus 9 departamentos que trocavam vários tipos de informação entre si; A informação era escrita em ficheiros XLS e DOC, impressa e enviada para outro departamento, que, por sua vez, copiava os dados para o computador, alterava, imprimia e passava para outro departamento; Relatórios financeiros e de contabilidade feitos à mão em folhas de cálculo; Necessidade de uma aplicação web que permitisse eliminar passos desnecessários, gerar relatórios automaticamente, ser fácil de usar. 18

19 O problema (nosso) Como convencer a empresa da necessidade de um estudo elaborado antes de implementar uma solução qualquer? Como explicar a importância do uso de entrevistas e protótipos em papel antes mesmo de começarmos a desenvolver a solução? Receio da reacção dos utilizadores e das chefias perante a apresentação de protótipos de baixa resolução e de aspecto tosco (em papel e desenhados à mão); 19

20 Entrevistas com os colaboradores Foram feitas entrevistas com os colaboradores dos 9 departamentos; Recolha de dados sobre as tarefas, procedimentos, workflows, dependências e métodos de trabalho;

21 Elaboração de Protótipos em Papel Com base nos resultados das entrevistas, foram elaborados protótipos em papel de uma futura aplicação web que permitisse informatizar todos os processos identificados; 21

22

23

24 Testes de Usabilidade Testes de usabilidade com todos os 9 departamentos usando os protótipos em papel; Durante os testes foram identificados possíveis problemas de usabilidade, correcção de alguns ecrãs, confirmação (ou não) da qualidade/precisão da informação disponibilizada, etc... Todos os participantes nas entrevistas estiveram presentes nos testes de usabilidade e deram sugestões para alterar alguns ecrãs. 24

25 Conhecer a linguagem dos utilizadores 25

26 Passagem para a equipa de desenvolvimento Após as correcções aos protótipos, foram desenhados wireframes (protótipos de resolução superior aos desenhos no papel) para passar à equipa de desenvolvimento; Através desta metodologia foi possível testar todos os ecrãs antes mesmo de se começar a programar; Redução da probabilidade de possíveis correcções ao interface no futuro; Satisfação elevada dos utilizadores por sentirem que também ajudaram a desenvolver o software que estão a usar e que foi feito por e para eles. 26

27

28 Com Protótipos em Papel... Poupámos tempo e dinheiro; Garantimos um nível elevado de satisfação dos utilizadores e diminuímos a probabilidade de ter que efectuar correcções no futuro; Fornecemos à equipa de desenvolvimento um conjunto de ecrãs e especificações que lhes permitiram desenvolver todo o interface tendo em conta as recomendações dos seus reais utilizadores; Temos um método simples e rápido para desenhar e testar interfaces. 28

29 Obrigado pela vossa atenção!

30 prototipagem-em-papel.pdf

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE. :: Professor ::

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE. :: Professor :: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE :: Professor :: Se é verdade que nenhuma tecnologia poderá jamais transformar a realidade do sistema educativo, as tecnologias de informação e comunicação trazem dentro de

Leia mais

PROTOTIPAGEM KIT DE CONTEÚDO TAKE A TIP. Inovação e Negócios

PROTOTIPAGEM KIT DE CONTEÚDO TAKE A TIP. Inovação e Negócios PROTOTIPAGEM KIT DE CONTEÚDO TAKE A TIP Inovação e Negócios 1 SOBRE O KIT DE CONTEÚDO Em uma missão de disseminar o conhecimento e a cultura de inovação, a Take a Tip lança seu primeiro kit de conteúdo.

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE PONTO DE FUNCIONÁRIOS

SISTEMA PARA CONTROLE DE PONTO DE FUNCIONÁRIOS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS JEAN CARLO CANTÚ SISTEMA PARA CONTROLE DE PONTO DE FUNCIONÁRIOS TRABALHO

Leia mais

Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML

Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML Lorena Borges Moreira Uberlândia, Dezembro/2000. Análise e Projeto Orientado a Objeto Usando UML Lorena Borges Moreira Monografia apresentada ao Curso de

Leia mais

PLM Software. A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças. Respostas para a indústria.

PLM Software. A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças. Respostas para a indústria. Siemens PLM Software A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças www.siemens.com/nx W h i t e p a p e r A eficiência de usinagem e a produtividade

Leia mais

Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO

Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO Como Elaborar um Plano de Negócios Ao pensar em procurar um parceiro de Capital de Risco, um empreendedor necessita de estruturar

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Software CAD Intuitivo e versátil para todas as suas necessidades de Desenho Eléctrico

Software CAD Intuitivo e versátil para todas as suas necessidades de Desenho Eléctrico Software CAD Intuitivo e versátil para todas as suas necessidades de Desenho Eléctrico O Especialista em software CAD dedicado à engenharia electrotécnica, sistemas, hidráulica e pneumática Versão BÁSICO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES. Projeto de Iniciação Científica: Visualizador Dinâmico para Estruturas de Representação de Subdivisões Planares

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES. Projeto de Iniciação Científica: Visualizador Dinâmico para Estruturas de Representação de Subdivisões Planares RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Projeto de Iniciação Científica: Visualizador Dinâmico para Estruturas de Representação de Subdivisões Planares Orientador: Prof. Dr. Pedro J. de Rezende Orientado: Flávio

Leia mais

"ENSINAR É APENAS AJUDAR A APRENDER"

ENSINAR É APENAS AJUDAR A APRENDER "Podemos e devemos tratar a educação como uma ciência. Eu encaro os dados das minhas experiências laboratoriais da mesma maneira que trato os resultados das minhas aulas, que também são um laboratório",

Leia mais

O que é Gestão de Projetos? Alcides Pietro, PMP

O que é Gestão de Projetos? Alcides Pietro, PMP O que é de Projetos? Alcides Pietro, PMP Resumo Nas próximas páginas é apresentado o tema gestão de projetos, inicialmente fazendo uma definição de projeto, destancando a diferença entre desenvolvimento

Leia mais

Optimize o seu processo CAD/CAM com software Tebis.

Optimize o seu processo CAD/CAM com software Tebis. Optimize o seu processo CAD/CAM com software Tebis. MODELOS PROTOTIPOS MOLDES CUNHOS E CORTANTES PRODUÇÃO DE MODELOS PRODUÇÃO EM SERIE AERONAUTICA 2 ÍNDICE Tebis processo em cadeia 4 Página 10 Tebis filosofia

Leia mais

Seu manual do usuário SHARP MX-2300N/2700N http://pt.yourpdfguides.com/dref/1289710

Seu manual do usuário SHARP MX-2300N/2700N http://pt.yourpdfguides.com/dref/1289710 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para SHARP MX-2300N/2700N. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual

Leia mais

Capítulo 10: Monitorização e Avaliação (M&A) GUIA

Capítulo 10: Monitorização e Avaliação (M&A) GUIA Capítulo 10: Monitorização e Avaliação (M&A) GUIA Foto de capa: Susan Thubi, oficial de saúde na clínica de Nazareth Holy Family em Limuru, no Quénia, verifica o registo dos pacientes que visitaram o centro

Leia mais

21 CFR Part11. Introdução. O que quer dizer. Glossário. Roney Rietschel

21 CFR Part11. Introdução. O que quer dizer. Glossário. Roney Rietschel 21 CFR Part11 Autor: Eng. Roney Ritschel, diretor técnico da Microblau Contato: roney.rts@microblau.com.br Roney Rietschel Introdução Recentemente entrou em vigor a nova RDC 17/2010 da ANVISA que substitui

Leia mais

SE Incident Gestão de Incidentes e Não Conformidades Visão Geral Incidentes de TI Não conformidade da Qualidade

SE Incident Gestão de Incidentes e Não Conformidades Visão Geral Incidentes de TI Não conformidade da Qualidade SE Incident Gestão de Incidentes e Não Conformidades Visão Geral Para aumentar a fidelidade do cliente, aprofundar o relacionamento com o cliente, aumentar a força da marca e diferenciação sólida, as empresas

Leia mais

Aplicação de software CAD/CAE na concepção de ferramentas de estampagem um estudo de caso

Aplicação de software CAD/CAE na concepção de ferramentas de estampagem um estudo de caso UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica e Industrial Aplicação de software CAD/CAE na concepção de ferramentas de estampagem um estudo de caso

Leia mais

Capítulo 1 Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas

Capítulo 1 Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas Capítulo 1 Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas 1.1 Por que as empresas precisam da TI 1.1.1 Por que os Sistemas de Informação São Importantes Entender a administração e o uso responsável

Leia mais

FMEA Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos

FMEA Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos Capítulo 5 1 FMEA Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos 4.1 Introdução Este capítulo apresenta uma revisão bibliográfica sobre o FMEA, tendo como tópicos as definições, descrição da equipe responsável

Leia mais

DDS-CAD Visão Geral de Produtos e Serviços. Planejar Calcular Simular Documentar

DDS-CAD Visão Geral de Produtos e Serviços. Planejar Calcular Simular Documentar DDS-CAD Visão Geral de Produtos e Serviços Planejar Calcular Simular Documentar Pag 2 Por que o DDS-CAD? Por que o DDS-CAD? Qualidade Planejar, calcular, simular e documentar serviços mecânicos, elétricos

Leia mais

A Tecnologia da Informação ERP e seus Benefícios na Gestão de Processos e Crescimento dos Negócios

A Tecnologia da Informação ERP e seus Benefícios na Gestão de Processos e Crescimento dos Negócios RESUMO A Tecnologia da Informação ERP e seus Benefícios na Gestão de Processos e Crescimento dos Negócios Autoria: Mágli Rodrigues, Lilian Moreira de Alvarenga Assolari Na busca pela competitividade, as

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento Desenvolvimento Iterativo Esta abordagem ao desenvolvimento assegura que o sistema cresce de forma incremental assegura que a complexidade se mantém controlada permite ainda obter rápido feedback de várias

Leia mais

técnicas com a utilização de

técnicas com a utilização de D O C U M E N T O T É C N I C O Modernização de comunicações técnicas com a utilização de dados CAD 3D Visão geral Hoje em dia, as empresas de produtos automatizaram seus processos de engenharia de projeto

Leia mais

Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos

Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos Margaret Crockett e Janet Foster Tradução: Gak, Luiz Cleber, Gak Igor, e Bellesse, Julia

Leia mais

Centro Atlântico DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO BASES DE DADOS COM MICROSOFT ACCESS XP

Centro Atlântico DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO BASES DE DADOS COM MICROSOFT ACCESS XP Centro Atlântico DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO DE BASES DE DADOS COM MICROSOFT ACCESS XP Ana Azevedo António Abreu Vidal de Carvalho DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO DE BASES DE DADOS COM MICROSOFT ACCESS XP Reservados

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais