ANÁLISE PROBABILÍSTICA DE ÁRVORE DE FALHAS NA GESTÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGENS BLOCO D38 DA BARRAGEM DE ITAIPU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE PROBABILÍSTICA DE ÁRVORE DE FALHAS NA GESTÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGENS BLOCO D38 DA BARRAGEM DE ITAIPU"

Transcrição

1 ANÁLISE PROBABILÍSTICA DE ÁRVORE DE FALHAS NA GESTÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGENS BLOCO D38 DA BARRAGEM DE ITAIPU Fernando Mucio BANDO Professor Assistente Universidade Estadual do Oeste do Paraná Acadêmico de Doutorado Programa de Pós-Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia Dinter UFPR-Unioeste Jair Mendes MARQUES Bolsista Sênior Universidade Federal do Paraná Josiele PATIAS Engenheira Civil Itaipu Binacional RESUMO A Usina Hidrelétrica de Itaipu tem mantido desde seu projeto, constante atenção sobre a segurança de sua barragem. Durante a execução de sua obra e também após o início do seu funcionamento, vários instrumentos foram instalados tanto na barragem como nas fundações para monitorar diversos parâmetros, gerando diariamente um volume de dados armazenados. Esse trabalho consiste na apresentação da técnica de Análise de Árvores de Falhas (FTA) através de métodos estatísticos para o tratamento dos dados de monitoramento armazenados do bloco D38 da barragem de Itaipu. Como resultado, foi possível a determinação de um índice que representa a probabilidade de ocorrência de um nível de alarme desse bloco, e destaca quais são os principais eventos básicos que contribuem para o possível evento, auxiliando na gestão de segurança de barragem. ABSTRACT The Itaipu Hydroelectric Plant has maintained from its inception, constant attention on its dam safety. During the building of its paint and also after its operation start, several instruments were installed in both the dam and in the foundation to monitor various parameters, creating a daily data volume. This work consists of the presentation of the Fault Tree Analysis (FTA) technique through statistical treatment methods of the stored data for monitoring of the Itaipu Dam key block D38. As a result, it was possible to determine an index that represents of occurrence of an alarm that block, and highlights what are the main basic events that contribute to the event possible, assisting in dam safety management. XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 1

2 1. INTRODUÇÃO A construção da Hidrelétrica de Itaipu foi de grande importância para o desenvolvimento do país e demonstrou grande capacidade da engenharia brasileira. Uma obra muito avançada para época que envolveu em sua construção profissionais de alta capacidade. No entanto, uma obra tão grande requer muita vigilância. No mundo todo a segurança de barragens é um assunto muito discutido, e o Brasil mostra-se preocupado com a saúde de suas barragens. O sinal de alerta veio com o rompimento da barragem de Algodões, no Piau, em 2009, onde os responsáveis demoraram no diagnóstico e subestimaram o problema [1]. Em outubro de 2002, o banco mundial publicou o livro Regulatory frameworks for dam safety: A comparative study; contendo modelo de regulamento, operação, manutenção e inspeção de barragens. Neste documento, o significado de segurança de barragens engloba fatores que contribuem para a operação como a segurança da estrutura e as obras complementares, o risco potencial para a vida humana, aspectos sanitários e de saúde pública, danos a propriedades e proteção da área no entorno do reservatório. Nessa obra a segurança tem a ver com a operação adequada, manutenção, inspeção e planos de emergência para lidar com situações de risco ao meio ambiente, assim como definição das medidas mitigadoras dos impactos ambientais. Segundo o IE (Instituto de Engenharia), anualmente, muitas barragens rompem no país, e destaca que em reunião técnica realizada na ANA (Agência Nacional de Águas), horas antes da tragédia do Piauí, falou-se em 800 acidentes ou incidentes com barragens brasileiras nos últimos oito anos. Ou seja, em média, a cada três ou quatro dias, uma barragem apresenta graves problemas no Brasil. O 3º Simpósio de segurança de barragens realizado nos dias 18 e 19 de novembro de 2008 em Salvador, teve como tema principal Barragens Contemporâneas: Conhecimento, Durabilidade, Riscos e Falhas. Nesse evento foram discutidos os acidentes ocorridos em barragens nos últimos 50 anos, fato que ocasionou a busca de providências como elaboração de manuais de inspeção e segurança, análises refinadas por processos computacionais, uso de sistemas remotos de auscultação, análises de riscos e implementação de planos emergenciais. Em 20 de setembro de 2010 entrou em vigor a lei n o [2], que estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água para quaisquer usos, à disposição final ou temporária de rejeitos e à acumulação de resíduos industriais, e criou o Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens (SNISB). No art. 2 o item III dessa lei a segurança de barragens é definida como sendo a providência de condições que vise a manter a sua integridade estrutural e operacional e a preservação da vida, da saúde, da propriedade e do meio ambiente. Em seguida veio a resolução n o. 144 de 10 de julho de 2012, que estabelece diretrizes para implantação da política nacional de segurança de barragens, aplicação de seus instrumentos e atuação do sistema nacional de informação sobre segurança de barragens, em atendimento ao artigo 20 da lei n o mencionada anteriormente. Em função da sua binacionalidade, a hidrelétrica de Itaipu está isenta das obrigações dessa lei, mas segundo Neumann Jr et al. [3], a Itaipu pretende adequar alguns de seus procedimentos, alinhando suas ações à legislação, além de reforçar sua colaboração com o tema disponibilizando seu know-how às entidades nacionais e internacionais interessadas. Para isso, a Itaipu possui atualmente cerca de XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 2

3 instrumentos instalados e dentre esses foram selecionados por volta de 270 instrumentos considerados mais importantes que receberam um sistema de aquisição automática de dados, que tem o objetivo de supervisionar os comportamentos citados anteriormente. Esses instrumentos possibilitam a aquisição das leituras com uma frequência parametrizável de 5 a 30 minutos, esses valores são processados, armazenados e transmitidos para uma estação central, que é responsável pelo tratamento dos dados envolvendo análises, comparações e acionamento de alarmes [4]. Com esse volume de dados armazenados diariamente, especialistas da área buscam através deles construir modelos matemáticos que descrevam os fenômenos medidos pelos instrumentos, pois assim poderão identificar e prever possíveis falhas e gerir da melhor forma possível a segurança de sua barragem. Diante disso, um meio para diagnosticar a segurança da barragem através de um índice numérico seria de grande valia. Para tanto, seria necessário a construção de um modelo matemático, que utiliza-se dos dados obtidos dos vários instrumentos instalados na barragem e mais algumas características da região. Um bom modelo seria capaz de fazer previsões futuras, possibilitando a melhor tomada de decisão em tempo hábil. Existem várias técnicas de análise de riscos que permitem modelar as possíveis falhas de uma barragem. Uma metodologia que vem se destacando é a de Análise de Árvore de Falhas (FTA Fault Tree Analysis). Esta técnica tem se mostrado uma ferramenta eficiente que permite através de uma representação de fácil interpretação, reconhecer e ponderar quais os principais eventos que possam contribuir para a ocorrência de falhas, tornando-se uma ferramenta de auxílio ao setor responsável pela segurança da barragem [5]. Atualmente a Itaipu já possui Árvores de Falhas que modelam as falhas de interesse em bloco-chaves de sua barragem. Porém, ainda não são totalmente baseadas nas informações numéricas geradas pelos diversos instrumentos de monitoramento. A proposta desse artigo é de apresentar técnicas matemáticas e estatísticas que permitam que a análise das árvores de falhas existentes seja baseada nas informações numéricas geradas pelos instrumentos de monitoramento. 2. ÁRVORE DE FALHAS Análise da árvore de falhas foi concebida e desenvolvida na Bell Telephone Laboratories por H.A. Watson em 1961, a técnica surgiu da necessidade em avaliar a confiabilidade de um sistema complexo associado ao controle de lançamento de mísseis guiados e de alcance intercontinental. Sua publicação apareceu pela primeira vez no relatório Launch Control Safety Study in Vol.1, section III on Method of Inadvertent Launch Control Analysis. Os resultados foram muito próximos aos dados observados e o estudo forneceu confiança suficiente e encorajamento para, utilizar esta técnica no projeto de Minuteman II [6]. Após o trabalho inicial no Bell Telephone Laboratories, a análise de árvore de falhas continuou a ser usada na Boeing Company, onde foi aplicada nas técnicas de simulação de aeronaves tripuladas. Os relatórios de árvore de falhas do Minuteman II foram publicados pela Boeing e AVCO em março 1963 e janeiro 1964, respectivamente. Mais tarde, em junho de 1965, a empresa Boeing e Universidade XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 3

4 de Washington patrocinaram um simpósio sobre a segurança de sistema, em Seattle, onde uma série de trabalhos sobre FTA foram apresentados [7]. Outro uso extensivo e prático de análise de árvore de falhas (FTA) foi feita pelo prof. N. Rasmussen, enquanto preparava o documento histórico, WASH Esta foi a primeira tentativa científica para fornecer uma análise quantitativa de risco associado com usinas nucleares. WASH-1400 utilizou a análise de árvore de falhas para estimar a probabilidade de cada evento no caminho do acidente e assim, gerando probabilidade total de vários tipos de acidentes. A análise da árvore de falhas do prof. Rasmussen cobriu todo o sistema de segurança envolvido na redução do efeito da perda de refrigeração em acidentes grandes e pequenos. A partir desse estudo, a análise da árvore de falhas deu uma compreensão muito útil no funcionamento dos sistemas utilizados para a redução dos efeitos de acidentes [8]. Desde então, os conceitos e as técnicas utilizadas na análise de árvore de falhas continuaram a ser desenvolvidas, e hoje é considerada como uma metodologia estabelecida para os estudos de segurança e confiabilidade de sistemas grandes e complexos. 2.1 CARACTERÍSTICAS A FTA é um processo dedutivo que consiste na construção de um diagrama lógico (árvore de falhas), partindo de um evento indesejado, chamado de evento topo, busca as possíveis causas de tal evento. O processo segue investigando as sucessivas combinações de falhas dos componentes até atingir as chamadas falhas básicas (ou eventos primários da FT), as quais constituem o limite de resolução da análise. A principal função da FTA é traduzir um processo físico em um diagrama lógico estruturado, chamado árvore de falhas, em que eventos mais simples conduzem a um evento mais complexo. A popularidade da FTA se dá devido as diversas vantagens encontradas: (i) Fornece um registro organizado de todos os eventos que contribuem para a falha; (ii) Apresenta uma estrutura gráfica que possibilita várias avaliações (qualitativas e quantitativas); (iii) Destaca os pontos fracos de um sistema; (iv) Prioriza os principais contribuintes para a falha. A árvore de falhas é uma representação gráfica para identificar como as combinações dos eventos básicos, podem conduzir a um resultado não desejado [9]. Provê uma estrutura com a qual pode considerar a probabilidade destas ocorrências. Isto pode ser útil onde a contribuição de particular evento pode ser importante, onde deseja-se conhecer como a probabilidade do evento topo é afetada pela probabilidade dos vários fatores contribuintes. Usando procedimentos da Álgebra Booleana, pode-se idealmente derivar a probabilidade do evento topo. A hipótese é que uma vez que se tenha razoável ideia a respeito da probabilidade de ocorrência dos fatores que contribuem potencialmente, deve-se ter uma melhor ideia a respeito do que focar na tomada de decisão e ação corretiva que se apresente. Uma análise de árvore de falhas é normalmente dividida nas seguintes etapas: Etapa 01: Definição do Sistema; XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 4

5 Etapa 02: Definição do Evento Topo; Etapa 03: Construção da Árvore de Falhas; Etapa 04: Avaliação Qualitativa; Etapa 05: Avaliação Quantitativa; Etapa 06: Avaliação da Importância dos eventos básicos; Etapa 07: Análise dos resultados obtidos; Etapa 08: Conclusões. O diagrama lógico de uma FT é construído através de símbolos lógicos descritos abaixo. 2.2 ELEMENTOS DE UMA ÁRVORE DE FALHAS Para este estudo foi utilizado apenas quatro símbolos para a construção da árvore de falhas, são eles: - Evento Topo ou Intermediário: Evento que pode ser decomposto por eventos antecedentes. - Evento Básico: Evento que não é mais necessária a decomposição em eventos antecedentes. De modo geral, ocorre quando o analista dispõe dos dados básicos de falhas. - Porta Lógica E : O evento de saída ocorre somente se todos os eventos de entrada ocorrem. - Porta Lógica OU : O evento de saída ocorre somente se um ou mais dos eventos de entrada ocorrem. Uma vez construída a árvore de falhas de um sistema para a análise do evento de topo especificado, é possível através de regras da álgebra booleana efetuarmos avaliações qualitativas e quantitativas para um melhor entendimento do evento indesejado. Para árvores de falhas pequenas e simples isto pode ser feito manualmente, para sistemas grandes e complexos são necessários códigos computacionais. XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 5

6 2.3 ANÁLISE QUALITATIVA A análise qualitativa da árvore de falhas visa, por um lado, apresentar informações sobre a importância dos eventos básicos e, por outro, identificar as combinações de eventos básicos que contribuem para o evento de topo, garantindo dessa forma árvores de falhas mais simples porém equivalentes as construídas inicialmente. Existem diversas técnicas que possibilitam uma análise qualificativa de uma FT, convertendo seu formato gráfico em equações por meio de álgebra booleana, para o nosso estudo aplicaou-se a técnica dos conjuntos de cortes mínimos (MCS Minimal Cut Sets), considerada uma das técnicas mais utilizadas na análise de árvore de falhas [10] Conjunto de Cortes Mínimos Um conjunto de cortes (CS - Cut Set) corresponde a uma coleção de eventos básicos, de tal modo, que se estes eventos ocorrerem então é certo que também ocorre o evento topo. A transformação da árvore para a forma booleana possibilita a determinação dos conjuntos mínimos de cortes. Um MCS constitui um conjunto mínimo de eventos básicos, ou combinações destes, que, quando ocorrem, originam a ocorrência do evento topo, ou seja, um conjunto de cortes é considerado mínimo se não puder ser reduzido sem perder o estatuto de conjunto de cortes. A técnica para determinar o MCS de uma árvore de falha, consiste em aplicar conceitos da álgebra booleana para transformar seu formato gráfico em equações. As portas lógicas E e OU são traduzidas através das regras: Portas Lógicas Teoria de Conjuntos Álgebra Booleana X E Y X Y X. Y X OU Y X Y X + Y TABELA 1: Portas Lógicas representadas na álgebra booleana. Desse modo, o evento topo é descrito por uma equação desenvolvida através da interpretação da porta lógica (E ou OU) que o conecta aos seus eventos antecedentes, em seguida, cada evento que aparece na equação é decomposto também pelos seus eventos antecedentes usando a regra adequada para a porta lógica que os conecta a esses eventos, e assim por diante, até que o evento topo seja descrito em uma equação que só tenha eventos básicos. Em seguida, a equação encontrada pode ser simplificada através da aplicação das leis da álgebra booleana: Leis Comutativas Associativas Distributiva Inalterabilidade Representação X. Y = Y. X X + Y = Y + X X. (Y. Z) = (X. Y). Z X + (Y + Z) = (X + Y) + Z X. (Y + Z) = X. Y + X. Z X. X = X X + X = X XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 6

7 Absorção X + X. Y = X Complementaridade X + X = Ω (X ) = Ω De Morgan (X. Y) = X + Y (X + Y) = X. Y TABELA 2: Leis da Álgebra Booleana Aplicando as leis apresentadas, é possível simplificar a equação eliminando: (i) Todos os parênteses da expressão; (ii) Os conjuntos de cortes repetidos; (iii) Os conjuntos supérfluos. Assim, o evento topo T é representado por uma equação da forma T = C 1 + C C n, (1) onde cada C i, i = 1,2,, n, é um conjunto de corte mínimo que corresponde à operação booleana (. ) de uma determinada sequência de eventos básicos, ou seja, a equação (1) apresenta uma combinação simplificada de alguns eventos básicos, que garante a ocorrência do evento topo quando esses eventos básicos ocorrerem. 2.4 ANÁLISE QUANTITATIVA É comum em uma análise de árvore de falhas que a análise quantitativa seja feita atendendo aos resultados obtidos na análise qualitativa. Os resultados podem ser a estimativa numérica da probabilidade de ocorrência do evento topo, e também a mensuração da importância que cada evento básico tem na contribuição do evento topo. Para isso, é necessário conhecer as estimativas confiáveis das probabilidades de ocorrência dos eventos básicos que compõem os conjuntos de cortes mínimos [10] Conceitos Básicos de Probabilidade A teoria matemática de probabilidade se relaciona completamente com os fundamentos da lógica booleana utilizados na análise qualitativa de uma árvore de falhas [9]. Enquanto a lógica booleana é utilizada para expressar o evento topo na forma de uma equação que possibilita uma avaliação qualitativa, a teoria probabilística permite uma análise quantitativa do evento topo. Para uma análise de árvore de falhas, utilizamos as relações básicas da probabilidade que estão relacionadas aos conectivos lógicos apresentados anteriormente. São eles: União de eventos: P(X 1 X 2 ) = P(X 1 ) + P(X 2 ) P(X 1 X 2 ) e (2) XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 7

8 Intersecção de eventos: P(X 1 X 2 ) = P(X 1 ). P(X 2 X 1 ), (3) onde P(X 2 X 1 ) é a probabilidade condicional de ocorrer o evento X 2 sabendo que ocorreu o evento X 1. Alguns resultados dentro da teoria de probabilidade auxiliam para uma melhor análise do evento topo: (i) Se os eventos X 1 e X 2 são mutuamente exclusivos, então P(X 1 X 2 ) = 0 e temos pela equação (2) que P(X 1 X 2 ) = P(X 1 ) + P(X 2 ), logo, se todos os eventos X 1, X 2,, X n são mutuamente exclusivos, então P(X 1 X 2 X n ) = P(X 1 ) + P(X 2 ) + + P(X n ); (4) (ii) Se os eventos X 1 e X 2 são independentes, então P(X 2 X 1 ) = P(X 2 ), assim P(X 1 X 2 ) = P(X 1 ). P(X 2 ), logo, se se todos os eventos X 1, X 2,, X n são independentes, então P(X 1 X 2 X n ) = P(X 1 ). P(X 2 ) P(X n ); (5) (iii) Pela lei De Morgan na teoria de conjuntos, X 1 X 2 = (X 1 X 2 ), assim, temos que P(X 1 X 2 ) = 1 P(X 1 X 2 ), e se assumirmos a independência dos eventos, temos que P(X 1 X 2 ) = 1 (1 P(X 1 ))(1 P(X 2 )). Desse modo, P(X 1 X 2 X n ) = 1 (1 P(X i )) n i=1 (6) A equação (1) determinada a partir da técnica de conjunto de cortes mínimos, descreve o evento topo T, numa equação booleana. Aplicando as regras de probabilidades apresentadas acima, podemos calcular o valor exato da probabilidade do evento topo a partir das probabilidades dos eventos básico. Assim, desenvolvendo a equação (2) para a equação (1), a probabilidade do evento topo P(T) será dada por n P(T) = i=1 P(C i ) i<j P(C i. C j ) + i<j<k P(C i. C j. C k ) +( 1) n+1 P(C 1 Cn). (7) n A partir dessa equação, pode-se demonstrar a seguinte desigualdade n i=1 P(C i ) i<j P(C i. C j ) P(T) i=1 P(C i ). (8) n Portanto, temos que a i=1 P(C i ) representa um limite superior de P(T) que denota-se por aproximação de eventos raros. Assim adota-se para o cálculo da probabilidade do evento topo a aproximação P(T) P(C i ) n i=1. (9) XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 8

9 Essa aproximação se baseia no fato de que a probabilidade de ocorrer dois eventos simultaneamente é menor ou igual que as probabilidades individuais de ambos. Em seguida, será necessário calcular a probabilidade de cada conjunto de corte mínimo, P(C i ). Como cada C i é composto por um número de intersecções de eventos básicos, ou seja, C i = X 1i. X 2i X mi, (10) onde X 1i. X 2i X mi são alguns eventos básicos da árvore de falhas. Se os eventos básicos forem independentes, temos que: P(C i ) = P(X 1i ). P(X 2i ) P(X mi ). (11) Assim, de modo geral, quando as probabilidades dos eventos básicos são baixas, então a aproximação por eventos raros resulta em uma boa estimativa de para a probabilidade do evento topo. 3. ANÁLISE DA ÁRVORE DO FALHAS DO BLOCO D38 DA BARRAGEM DE ITAIPU Itaipu é considerado um dos maiores projetos hidrelétricos do mundo, é resultado dos esforços e empenho de dois países vizinhos, Brasil e Paraguai. Encontra-se localizado no rio Paraná, onde os dois países fazem fronteira, 14 km a montante da ponte internacional que liga a cidade de Foz do Iguaçu, no Brasil, à Ciudad del Este, no Paraguai [11]. A Barragem de Itaipu é uma estrutura (concreto, enrocamento e terra) que serve para represar a água e obter o desnível de 120 m (queda brutal nominal) que permite a operação das turbinas. Na parte superior da barragem principal, estão situadas as tomadas de água, estruturas com comportas que permitem que a água, passando por elas e pelos condutos forçados, alcance a caixa espiral, onde faz a turbina girar. A barragem da Itaipu tem metros de extensão e altura máxima de 196 metros, o equivalente a um prédio de 65 andares. Consumiu 12,3 milhões de metros cúbicos de concreto, dimensões que transformaram a usina em referência nos estudos de concreto e na segurança de barragens [4]. Este estudo foi aplicado no bloco D38, um dos blocos de contrafortes de um conjunto de 64 blocos que se encontram na margem direita, entre o vertedouro e a barragem principal de gravidade aliviada, todos são blocos idênticos em configuração estrutural e perfil, e têm 17m de largura no eixo [11]. Atualmente a Itaipu já possui uma árvore de falhas para o bloco D38, que foi construída por engenheiros e consultores que trabalham com a segurança de barragem. O trabalho nesse artigo, foi aplicar nessa árvore de falhas existente a metodologia apresentada anteriormente, com o propósito de exemplificar uma análise qualitativa e quantitativa. A árvore de falhas para a aplicação deste estudo é apresentada pela figura 01 abaixo. XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 9

10 FIGURA 1: Árvore de Falhas do Bloco D38. O evento topo definido para o estudo está relacionado aos critérios de alarmes utilizados no monitoramento do bloco, neste caso, estamos analisando o estado de alarme amarelo do bloco, este alarme ocorre quando instrumentos definidos na base do diagrama da árvore de falhas apresentam medidas maiores que o máximo histórico do instrumento, porém menores que o limite máximo de projeto. As portas lógicas da árvore de falhas, além de carregarem as informações lógicas já apresentadas no artigo, algumas também representam eventos físicos. G1: Porta Lógica OU / Alarme amarelo (Evento Topo); G2: Porta Lógica OU / Risco de Tombamento; G3: Porta Lógica OU / Risco de Escorregamento; G4: Porta Lógica E ; G5: Porta Lógica E ; G6: Porta Lógica E ; G7: Porta Lógica E ; G8: Porta Lógica E / Aumento de subpressões a montante; G9: Porta Lógica OU ; G10: Porta Lógica E / Aumento de subpressões a montante; G11: Porta Lógica E / Aumento de subpressões a montante; G12: Porta Lógica OU / Aumento no deslocamento horizontal da base; G13: Porta Lógica OU ; G14: Porta Lógica E / Aumento de subpressões a montante; G15: Porta Lógica OU / Aumento no deslocamento horizontal da base. Todos os eventos básicos representam instrumentos de monitoramento do bloco que geram dados para a análise dos eventos físicos descritos acima nas portas lógicas ou nos próprios eventos básicos. E1: Piezômetro; E2: Piezômetro; E3: Piezômetro; E4: Extensômetro / Distensão da fundação a montante; E5: Medidor de Vazão / Aumento de vazão; E6: Pêndulo Invertido; E7: Pêndulo Invertido; XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 10

11 Para a análise qualitativa da árvore de falhas, aplicaremos a técnica de conjuntos de cortes mínimos: T = G1 = G2 + G3 = (G4 + G5) + (G6 + G7) = (G8. E4. E5 + G9. E5) + (G11. G12. E4 + G13. E4) = (E1. E3. E4. E5 + (G10 + E4). E5) + (E1. E2. E3. (E6 + E7). E4 + (G14 + G15). E4) = ( E1. E3. E4. E5 + (E1. E2. E3 + E4). E5) + (E1. E2. E3. (E6 + E7). E4 + (E1. E2. E3 + (E6 + E7)). E4) = E1. E3. E4. E5 + E1. E2. E3. E5 + E4. E5 + E1. E2. E3. E4. E6 + E1. E2. E3. E4. E7 + E1. E2. E3. E4 + E4. E6 + E4. E7 Aplicando a regra de absorção da tabela 2, a equação acima fica simplificada por T = E4. E5 + E4. E6 + E4. E7 + E1. E2. E3. E4. (12) A equação (12) representa o conjunto de cortes mínimos da árvore de falhas. Denotando C1 = E4. E5, C2 = E4. E6, C3 = E4. E7 e C4 = E1. E2. E3. E4, os cortes mínimos, tem-se que T = C1 + C2 + C3 + C4. (13) Para efetuar a análise quantitativa da árvore de falhas, foi desenvolvido um estudo dos dados gerados pelos instrumentos de monitoramento que aparecem na equação (12), e assim, foi possível determinar a probabilidade de cada instrumento atingir o estado de alarme amarelo, ou seja, foi calculada a razão entre a quantidade de medidas que ultrapassaram o máximo histórico e o número total de medidas do instrumento. As probabilidades de alarme amarelo de cada evento básico são: Evento Básico Probabilidade E1 0, E2 0, E3 0, E4 0, E5 0, E6 0, E7 0, TABELA 3: Probabilidades dos eventos básicos A partir dos valores da tabela acima, podemos calcular uma aproximação da probabilidade do bloco D38 apresentar um alarme amarelo. Para isso, utilizaremos a equação de aproximação de eventos raros (9). Assim, P(T) P(C1) + P(C2) + P(C3) + P(C4) XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 11

12 onde, P(C1) = P(E4). P(E5) = 0, , = 0, ; P(C2) = P(E4). P(E6) = 0, , = 0, ; P(C3) = P(E4). P(E7) = 0, , = 0, ; P(C4) = P(E1). P(E2). P(E3). P(E4) = 0, , , , = 0, Logo, P(T) 0, , , , , então, P(T) 0, ,056% Portanto, a probabilidade do bloco apresentar estado de alarme amarelo é de aproximadamente 0,056%, isto mostra que a chance de ocorrência de alarme amarelo para todo o bloco estudado é muito pequena, um alarme desse nível ocorreria por perto de medidas geradas por cada instrumento associados aos eventos básicos. 4. CONCLUSÕES Através do exemplo apresentado nesse artigo, podemos entender como a análise de arvore de falhas se tornou uma ferramenta fundamental, eficiente e confiável para o tratamento da confiabilidade e segurança de sistemas complexos em diversas áreas. Sua forma organizada e a possibilidade de entendimento completo do processo para a possível ocorrência de um evento indesejado são pontos que destacam essa metodologia para a utilização em estudos de riscos. Apesar de todas as vantagens apresentadas, é importante destacar que esse artigo se trata de um trabalho inicial, que ainda está em fase de desenvolvimento, portanto, algumas incertezas em relação a metodologia apresentada ainda não foram totalmente resolvidas. A consideração da independência dos eventos básicos, no cálculo da probabilidade dos cortes mínimos pode alterar significativamente o resultado da probabilidade do evento topo. Melhoras para esta situação estão sendo analisada, estudos de correlações entre os eventos básicos dos conjuntos de cortes mínimos serão feitos para um melhor entendimento da dependência entre esses eventos. Outra dificuldade do trabalho que ainda está em fase de estudo, é a consideração das incertezas relacionadas ao que vem a ser os critérios de falhas de cada evento básico, pois, como um caso de falha de um bloco pode nunca ter ocorrido, ou ocorrido tão raramente, não temos certeza exata do que vem a ser um critério para o início da falha. Pesquisas indicam que a teoria de conjuntos Fuzzy aliada com conhecimento de especialistas vem se tornando uma ótima ferramenta para trabalhar com esse nível de incerteza [12], [13]. Sendo assim, acreditamos que melhorias na teoria de análise de arvore de falhas possa ser fundamental para obtermos uma ótima ferramenta de auxílio no gerenciamento da segurança de barragens. XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 12

13 5. PALAVRAS-CHAVE Segurança de Barragem, Conjunto de Cortes Mínimos, Probabilidade. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] SAYÃO, A. (2009) - A Segurança das Barragens Brasileiras Em: <http://ie.org.br/site/noticias/exibe/id_sessao/5/id_noticia/1643/a-seguran%c 3%A7a-das-barragens-brasileiras>. Acesso em : 29-Nov [2] BRASIL (2010) - Lei no , de 20 de Setembro [3] NEUMANN JR, C., OSAKO, C., PATIAS, J. E PORCHETTO, C. (2011) - Reflexos da Lei de Segurança de Barragens na Itaipu Binacional", XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens, pp [4] ITAIPU (2008) - "Usina Hidrelétrica de Itaipu: Aspectos Técnicos das Estruturas". Foz do Iguaçu - Pr, p [5] NASA: OFFICE OF SAFETY AND MISSION ASSURANCE. (2002) - "Fault tree Handbook with Aerospace Applications". Washington, DC: NASA Headquarters, p [6] MISRA, K. B. (1992) - "Reliability Analysis and Prediction: A Methodology Oriented Treatment", vol. 11, no Elsevier Science B.V, p [7] MISRA, K. B. e WEBER, G. G. (1989) - A New Method for Fuzzy Fault Tree Analysis Microelectron. Reliab., vol. 29, no. 2, pp [8] SIMÕES FILHO, S. (2006) - Análise de Árvore de Falhas Considerando Incertezas na Definição dos Eventos Básicos, Universidade Federal do Rio de Janeiro, p [9] SANTOS, R. N. C. dos. (2006) - Enquadramento das Análises de Riscos em Geotecnia, Universidade Nova de Lisboa, p [10] U. S. NUCLEAR REGULATORY COMMISSION (1981) - "Fault Tree Handbook". Springfield, VA, p [11] ITAIPU: USINA HIDRELÉTRICA (2009) - "Projeto: Aspectos de Engenharia", Foz do Iguaçu - Pr, p [12] DESHPANDE, A. (2011) - Fuzzy Fault Tree Analysis: Revisited, J. Syst. Assur. Eng. Manag., vol. 2, no. 1, pp XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 13

14 [13] MAHMOOD, Y. A., AHMADI, A., VERMA, A. K., SRIVIDYA, A. E KUMAR, U. (2013) - Fuzzy Fault Tree Analysis: A Review of Concept and Application, J. Syst. Assur. Eng. Manag., vol. 4, no. 1, pp XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 14

Sistema de Alarme para Monitoramento Estrutural da Barragem de Itaipu. Airton Bordin Junior

Sistema de Alarme para Monitoramento Estrutural da Barragem de Itaipu. Airton Bordin Junior Sistema de Alarme para Monitoramento Estrutural da Barragem de Itaipu Presented by Adriano Coutinho da Silva Airton Bordin Junior Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. Agenda Sobre nós; Desafio de negócio; PI

Leia mais

MÓDULO 6 ÁRVORE DE FALHAS. Curso de Especialização em Transporte Ferroviário de Carga

MÓDULO 6 ÁRVORE DE FALHAS. Curso de Especialização em Transporte Ferroviário de Carga MÓDULO 6 ÁRVORE DE FALHAS . Árvore de Falhas O Método de Análise da Árvore de Falhas (FailureTree Analysis - FTA) foi desenvolvido por volta de 96, por W.A.Watson, da Bell Laboratories e aperfeiçoada pela

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.334, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água

Leia mais

Considerando o contido no Relatório à Diretoria 114/2015/C, que acolhe,

Considerando o contido no Relatório à Diretoria 114/2015/C, que acolhe, Decisão CETESB nº 279 DE 18/11/2015 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 20 nov 2015 Dispõe sobre procedimentos relativos à segurança de barragens de resíduos industriais. A Diretoria Plena da

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES RESOLUÇÃO N o 143, DE 10 DE JULHO DE 2012. Estabelece critérios gerais de classificação de barragens por categoria de risco, dano potencial associado e pelo seu volume, em atendimento ao art. 7 da Lei

Leia mais

A análise de riscos ZHA Zurich Hazard Analysis

A análise de riscos ZHA Zurich Hazard Analysis A análise de riscos ZHA Zurich Hazard Analysis A análise de riscos - ZHA Zurich Hazard Analysis UMA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DIRIGIDA AO CLIENTE A avaliação de risco tem objetivo de tornar

Leia mais

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA ITAIPU BINACIONAL FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU CURSO SEGURANÇA DE BARRAGENS PLANO DE ENSINO

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA ITAIPU BINACIONAL FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU CURSO SEGURANÇA DE BARRAGENS PLANO DE ENSINO Versão 12/07/13 AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA ITAIPU BINACIONAL FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU CURSO SEGURANÇA DE BARRAGENS PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: SEGURANÇA DE BARRAGENS Público:

Leia mais

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Pedro Luis Faggion, Luis A. Koenig Veiga, Silvio Rogério Correia de Freitas, Carlos Aurélio Nadal Universidade

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA PARA O ACESSO À INSTRUMENTAÇÃO DA BARRAGEM DE ITAIPU

REALIDADE AUMENTADA PARA O ACESSO À INSTRUMENTAÇÃO DA BARRAGEM DE ITAIPU COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXX - SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS FOZ DO IGUAÇU PR, 12 A 14 DE MAIO DE 2015 RESERVADO AO CBDB REALIDADE AUMENTADA PARA O ACESSO À INSTRUMENTAÇÃO DA BARRAGEM DE

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Tema DoE Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Introdução O DoE Design of Experiments é uma ferramenta

Leia mais

Gestão de Segurança de Barragens de Mineração

Gestão de Segurança de Barragens de Mineração Gestão de Segurança de Barragens de Mineração FIEMG, Novembro 2014 Paulo Franca Tópicos Sistema de gestão conceitos fundamentais Oportunidades/ pontos a serem considerados Tamanho do problema A cada ±30

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

Projete uma barragem

Projete uma barragem Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca os diferentes usos de barragens e como elas são projetadas. Os estudantes trabalham em equipe para desenvolver um sistema de represamento de

Leia mais

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Resumo Marcos Henrique de Carvalho 1 Gabriel Alves da Costa Lima 2 Antonio Elias Junior 3 Sergio Rodrigues

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Risco O risco é medido por sua probabilidade de ocorrência e suas consequências; Pode se realizar uma análise qualitativa ou quantitativa;

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

FAG Easy Check FAG Easy Check Online. Informação técnica

FAG Easy Check FAG Easy Check Online. Informação técnica FAG Easy Check FAG Easy Check Online Informação técnica A linha de produtos Easy Check compreende monitores de vibração de custo acessível para máquinas críticas. Falhas incipientes em rolamentos, eixos,

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL Engº Fernando Só e Silva, Diretor da Deggy Brasil, fso@deggy.com.br Numa análise histórica da segurança privada, temos registrado seu surgimento,

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO Antônio Marcos Mendonça 1, Alessandro Sarmento Cavalcanti 2, Antônio do Nascimento Oliveira 2, Fábio Hochleitner 2, Patrícia

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

AUTOMAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE BARRAGEM, UM SISTEMA CADA VEZ MAIS NECESSÁRIO

AUTOMAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE BARRAGEM, UM SISTEMA CADA VEZ MAIS NECESSÁRIO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GGH - 30 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH AUTOMAÇÃO DOS INSTRUMENTOS

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil.

INAC 2009, Rio de Janeiro, RJ, Brazil. 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

MODELO ESTATÍSTICO DE CONTROLE DO DESLOCAMENTO MONITORADO NA BARRAGEM CASCA DA UHE FUNIL

MODELO ESTATÍSTICO DE CONTROLE DO DESLOCAMENTO MONITORADO NA BARRAGEM CASCA DA UHE FUNIL COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T101 A08 MODELO ESTATÍSTICO DE CONTROLE DO DESLOCAMENTO MONITORADO NA BARRAGEM CASCA DA UHE

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS Aluno: Julia Chueke Rochlin Orientador: Silvio Hamacher Introdução Reservas de óleo e gás são ativos estratégicos não somente para avaliação

Leia mais

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para:

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para: IBC BRASIL Prof. Dr. Roberto Kochen Diretor Técnico Dezembro/2009 55 11 4195- FUNDAÇÔES DE BARRAGENS 2 problemas principais podem requerer tratamento: Deformabilidade Permeabilidade / Fluxo na Fundação

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná

Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná Carina Pirolli COPEL - Companhia Paranaense de Energia, Curitiba, Brasil, carina.pirolli@copel.com

Leia mais

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional I Simpósio de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciência da Informação Universidade Estadual de Londrina - UEL Londrina 06 de março de 2010

Leia mais

RELATÓRIO DE VIAGEM ITAIPU BINACIONAL 17 A 20/10/2014 AUTOR: MARIO KENJI TAMURA DIA 17 PARA DIA 18/10

RELATÓRIO DE VIAGEM ITAIPU BINACIONAL 17 A 20/10/2014 AUTOR: MARIO KENJI TAMURA DIA 17 PARA DIA 18/10 RELATÓRIO DE VIAGEM ITAIPU BINACIONAL 17 A 20/10/2014 AUTOR: MARIO KENJI TAMURA DIA 17 PARA DIA 18/10 Iniciamos nossa viagem às 19h30 minutos em frente à ETEC e chegamos no dia 18/10 sábado às 09h45min.

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

CAPITULO I DO OBJETIVO

CAPITULO I DO OBJETIVO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 144, DE 10 DE JULHO DE 2012 (Publicada no D.O.U em 04/09/2012) Estabelece diretrizes para implementação da Política Nacional

Leia mais

Manifestações patológicas no concreto do caminho de rolamento da ponte rolante

Manifestações patológicas no concreto do caminho de rolamento da ponte rolante Manifestações patológicas na construção Manifestações patológicas no concreto do caminho de rolamento da ponte rolante de 1000 kn em ITAIPU SILVA, João Menezes (1), FREITAS, João B. S.(2) (1) Engenheiro

Leia mais

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Introdução à Algebra de Boole Em lógica tradicional, uma decisão é tomada

Leia mais

SOBRE A MINUTA DA RESOLUÇÃO QUE ESTABELECE CRITÉRIOS PARA O ENQUADRAMENTO DE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO NA CONDIÇÃO DE PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA

SOBRE A MINUTA DA RESOLUÇÃO QUE ESTABELECE CRITÉRIOS PARA O ENQUADRAMENTO DE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO NA CONDIÇÃO DE PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA ANEEL AP - 017/2002 COMENTÁRIOS DA CFLCL SOBRE A MINUTA DA RESOLUÇÃO QUE ESTABELECE CRITÉRIOS PARA O ENQUADRAMENTO DE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO NA CONDIÇÃO DE PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA está descrito

Leia mais

Entrevista Jorge M. Samek Diretor Geral Brasileiro - Itaipu Binacional Curitiba, 13 de abril de 2015

Entrevista Jorge M. Samek Diretor Geral Brasileiro - Itaipu Binacional Curitiba, 13 de abril de 2015 1 Entrevista Jorge M. Samek Diretor Geral Brasileiro - Itaipu Binacional Curitiba, 13 de abril de 2015 P - O que significa para a Itaipu Binacional, para Foz do Iguaçu e região trinacional (Argentina,

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

Influência dos recalques do radier na edificação

Influência dos recalques do radier na edificação Influência dos recalques do radier na edificação The influence of vertical displacement in the foundation raft for the building Cícero Isac de Alencar de Lima¹; Ricardo José Carvalho Silva²; Francisco

Leia mais

3 Método de Monte Carlo

3 Método de Monte Carlo 25 3 Método de Monte Carlo 3.1 Definição Em 1946 o matemático Stanislaw Ulam durante um jogo de paciência tentou calcular as probabilidades de sucesso de uma determinada jogada utilizando a tradicional

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SIMULADOR VIRTUAL INTEGRADO APLICADO AO TREINAMENTO OPERACIONAL DE PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS

DESENVOLVIMENTO DE SIMULADOR VIRTUAL INTEGRADO APLICADO AO TREINAMENTO OPERACIONAL DE PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS DESENVOLVIMENTO DE SIMULADOR VIRTUAL INTEGRADO APLICADO AO TREINAMENTO OPERACIONAL DE PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS D. Z. G. MAZZALI e F. V. DA SILVA. Faculdade de Engenharia Química, Departamento de

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS PARA SEMINÁRIOS, SIMPÓSIOS E WORKSHOPS ORGANIZADOS PELO CBDB 1. INTRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS PARA SEMINÁRIOS, SIMPÓSIOS E WORKSHOPS ORGANIZADOS PELO CBDB 1. INTRODUÇÃO DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS PARA SEMINÁRIOS, SIMPÓSIOS E WORKSHOPS ORGANIZADOS PELO CBDB 1. INTRODUÇÃO Os trabalhos a serem apresentados deverão ser inéditos, não tendo sido publicados em

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS PARA ESTÁDIOS DA COPA DO MUNDO FIFA DE FUTEBOL A PARTIR DA ANÁLISE DE ÁRVORE DE FALHAS

EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS PARA ESTÁDIOS DA COPA DO MUNDO FIFA DE FUTEBOL A PARTIR DA ANÁLISE DE ÁRVORE DE FALHAS EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS PARA ESTÁDIOS DA COPA DO MUNDO FIFA DE FUTEBOL A PARTIR DA ANÁLISE DE ÁRVORE DE FALHAS Felipe Correia Goncalves (UFBA) fc_goncalves@hotmail.com Marcos Vinicius Almeida

Leia mais

Inspeção visual por modos de falha: um instrumento eficaz de manutenção de barragens. Glauco Gonçalves Dias Teresa Cristina Fusaro - Cemig GT

Inspeção visual por modos de falha: um instrumento eficaz de manutenção de barragens. Glauco Gonçalves Dias Teresa Cristina Fusaro - Cemig GT Inspeção visual por modos de falha: um instrumento eficaz de manutenção de barragens Glauco Gonçalves Dias Teresa Cristina Fusaro - Cemig GT Introdução O intercâmbio de conhecimentos entre as distintas

Leia mais

Universidade Federal do ABC. Sinais Aleatórios. Prof. Marcio Eisencraft

Universidade Federal do ABC. Sinais Aleatórios. Prof. Marcio Eisencraft Universidade Federal do ABC Sinais Aleatórios Prof. Marcio Eisencraft São Paulo 2011 Capítulo 1 Probabilidades Neste curso, trata-se dos fenômenos que não podem ser representados de forma determinística

Leia mais

Cidade Universitária, Ilha Fundão,Rio de Janeiro bernardo_spitz@hotmail.com. Cidade Universitária, Ilha Fundão, Rio de Janeiro luquetti@ien.gov.

Cidade Universitária, Ilha Fundão,Rio de Janeiro bernardo_spitz@hotmail.com. Cidade Universitária, Ilha Fundão, Rio de Janeiro luquetti@ien.gov. 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 METODOLOGIA

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio.

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio. 1 Disciplina de Sistemas de Controle Prof. Luciano Menegaldo e-mail: lmeneg@ime.eb.br home-page: http://lmeneg-aulas.tripod.com Aula 1 Introdução 1. Idéias gerais e exemplos de sistemas de controle - Assunto

Leia mais

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Circuitos Digitais Prof. José dos Santos Garcia Neto São Paulo 2014 Prof. José dos Santos Garcia Neto 1 Introdução Esta apostila tem como objetivo

Leia mais

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Universidade Federal de Uberlândia Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Prof. Dr. Alan Petrônio Pinheiro Faculdade de Engenharia Elétrica Curso de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações (campus

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Bioestatística Aula 3

Bioestatística Aula 3 Aula 3 Castro Soares de Oliveira Probabilidade Probabilidade é o ramo da matemática que estuda fenômenos aleatórios. Probabilidade é uma medida que quantifica a sua incerteza frente a um possível acontecimento

Leia mais

APRESENTADOR: ENG. ADEMAR SÉRGIO FIORINI CURSO: SEGURANÇA DE BARRAGENS

APRESENTADOR: ENG. ADEMAR SÉRGIO FIORINI CURSO: SEGURANÇA DE BARRAGENS MINI-CURSO: SEGURANÇA DE BARRAGENS APRESENTADOR: ENG. ADEMAR SÉRGIO FIORINI CURSO: SEGURANÇA DE BARRAGENS VI SPMCH ABRIL/2008 OBJETIVO Apresentar uma abordagem sobre as melhores práticas brasileiras de

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

Teste de Gravidez. Série Matemática na Escola

Teste de Gravidez. Série Matemática na Escola Teste de Gravidez Série Matemática na Escola Objetivos 1. Exercitar a regra do produto e a construção da árvore de probabilidades; 2. Apresentar e exercitar o conceito de probabilidade condicional; 3.

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Curso de treinamento do PAE

Curso de treinamento do PAE Curso de treinamento do PAE Conteúdo do PAE Maria Teresa Viseu LNEC 1 Curso de Treinamento do PAE > ÍNDICE > Enquadramento legal > Introdução à Lei 12.334 e resoluções relacionadas > Implicações da legislação

Leia mais

Exercícios: Potência

Exercícios: Potência Exercícios: Potência Cursinho da ETEC Prof. Fernando Buglia 1. (Fuvest) A energia que um atleta gasta pode ser determinada pelo volume de oxigênio por ele consumido na respiração. Abaixo está apresentado

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Modo Execução. Modo Parametrizacão

Modo Execução. Modo Parametrizacão 1/7 Introdução O HM206 é um indicador para operar com comunicações RS485. O HM206 pode operar como escravo (slave) de rede fornecendo os dados ou operando comandado por outros sistemas ou como mestre (master)

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA O desenvolvimento das sociedades tem sido também materializado por um progresso acentuado no plano científico e nos diversos domínios

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO

ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO Carlos Alberto Zocolotti Filho 1 Pedro Luis Faggion 1

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

Estatística e Probabilidade. Aula 4 Cap 03. Probabilidade

Estatística e Probabilidade. Aula 4 Cap 03. Probabilidade Estatística e Probabilidade Aula 4 Cap 03 Probabilidade Estatística e Probabilidade Método Estatístico Estatística Descritiva Estatística Inferencial Nesta aula... aprenderemos como usar informações para

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Redução de Custos com a Automação da Dosagem de Coagulante Setembro - 2012 Organograma Unidade

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe 1 SUMÁRIO PROJETOS ESTRATÉGICOS... 3 Linha de Pesquisa 1... 5 Linha de Pesquisa 2... 6 Linha de Pesquisa 3... 7 Linha de Pesquisa 4... 8 PROJETOS PRÓPRIOS...

Leia mais

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes.

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Regra do Evento Raro p/ Inferência Estatística:

Regra do Evento Raro p/ Inferência Estatística: Probabilidade 3-1 Aspectos Gerais 3-2 Fundamentos 3-3 Regra da Adição 3-4 Regra da Multiplicação: 3-5 Probabilidades por Meio de Simulações 3-6 Contagem 1 3-1 Aspectos Gerais Objetivos firmar um conhecimento

Leia mais

Lógica e Raciocínio. Decisão sob Risco Probabilidade. Universidade da Madeira. http://dme.uma.pt/edu/ler/

Lógica e Raciocínio. Decisão sob Risco Probabilidade. Universidade da Madeira. http://dme.uma.pt/edu/ler/ Lógica e Raciocínio Universidade da Madeira http://dme.uma.pt/edu/ler/ Decisão sob Risco Probabilidade 1 Probabilidade Em decisões sob ignorância a probabilidade dos diferentes resultados e consequências

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

Aplicação de Lógica Fuzzy à avaliação de cursos, em particular dos cursos do sistema Arcu-Sul

Aplicação de Lógica Fuzzy à avaliação de cursos, em particular dos cursos do sistema Arcu-Sul Convenit Internacional 9 mai-ago 2012 CEMOrOc-Feusp / IJI - Univ. do Porto Aplicação de Lógica Fuzzy à avaliação de cursos, em particular dos cursos do sistema Arcu-Sul Ricardo Rhomberg Martins 1 Resumo:

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 052/2005

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 052/2005 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 052/2005 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: RESOLUÇÃO NORMATIVA EMENTA

Leia mais

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto Gerenciamento de Tempo Principal objetivo garantir que o projeto seja concluído dentro do prazo determinado; O cronograma do projeto é sempre

Leia mais

1º período. 2º período

1º período. 2º período 1º período Eixo Disciplina CH Pré-requisito Correquisito (C) 1 Cálculo I 90 9 Contexto Social e Profissional do Engenheiro Civil 30 7 Desenho Técnico 30 1 Geometria Analítica e Álgebra Vetorial 90 2 Laboratório

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais