ANÁLISE PROBABILÍSTICA DE ÁRVORE DE FALHAS NA GESTÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGENS BLOCO D38 DA BARRAGEM DE ITAIPU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE PROBABILÍSTICA DE ÁRVORE DE FALHAS NA GESTÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGENS BLOCO D38 DA BARRAGEM DE ITAIPU"

Transcrição

1 ANÁLISE PROBABILÍSTICA DE ÁRVORE DE FALHAS NA GESTÃO DE SEGURANÇA DE BARRAGENS BLOCO D38 DA BARRAGEM DE ITAIPU Fernando Mucio BANDO Professor Assistente Universidade Estadual do Oeste do Paraná Acadêmico de Doutorado Programa de Pós-Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia Dinter UFPR-Unioeste Jair Mendes MARQUES Bolsista Sênior Universidade Federal do Paraná Josiele PATIAS Engenheira Civil Itaipu Binacional RESUMO A Usina Hidrelétrica de Itaipu tem mantido desde seu projeto, constante atenção sobre a segurança de sua barragem. Durante a execução de sua obra e também após o início do seu funcionamento, vários instrumentos foram instalados tanto na barragem como nas fundações para monitorar diversos parâmetros, gerando diariamente um volume de dados armazenados. Esse trabalho consiste na apresentação da técnica de Análise de Árvores de Falhas (FTA) através de métodos estatísticos para o tratamento dos dados de monitoramento armazenados do bloco D38 da barragem de Itaipu. Como resultado, foi possível a determinação de um índice que representa a probabilidade de ocorrência de um nível de alarme desse bloco, e destaca quais são os principais eventos básicos que contribuem para o possível evento, auxiliando na gestão de segurança de barragem. ABSTRACT The Itaipu Hydroelectric Plant has maintained from its inception, constant attention on its dam safety. During the building of its paint and also after its operation start, several instruments were installed in both the dam and in the foundation to monitor various parameters, creating a daily data volume. This work consists of the presentation of the Fault Tree Analysis (FTA) technique through statistical treatment methods of the stored data for monitoring of the Itaipu Dam key block D38. As a result, it was possible to determine an index that represents of occurrence of an alarm that block, and highlights what are the main basic events that contribute to the event possible, assisting in dam safety management. XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 1

2 1. INTRODUÇÃO A construção da Hidrelétrica de Itaipu foi de grande importância para o desenvolvimento do país e demonstrou grande capacidade da engenharia brasileira. Uma obra muito avançada para época que envolveu em sua construção profissionais de alta capacidade. No entanto, uma obra tão grande requer muita vigilância. No mundo todo a segurança de barragens é um assunto muito discutido, e o Brasil mostra-se preocupado com a saúde de suas barragens. O sinal de alerta veio com o rompimento da barragem de Algodões, no Piau, em 2009, onde os responsáveis demoraram no diagnóstico e subestimaram o problema [1]. Em outubro de 2002, o banco mundial publicou o livro Regulatory frameworks for dam safety: A comparative study; contendo modelo de regulamento, operação, manutenção e inspeção de barragens. Neste documento, o significado de segurança de barragens engloba fatores que contribuem para a operação como a segurança da estrutura e as obras complementares, o risco potencial para a vida humana, aspectos sanitários e de saúde pública, danos a propriedades e proteção da área no entorno do reservatório. Nessa obra a segurança tem a ver com a operação adequada, manutenção, inspeção e planos de emergência para lidar com situações de risco ao meio ambiente, assim como definição das medidas mitigadoras dos impactos ambientais. Segundo o IE (Instituto de Engenharia), anualmente, muitas barragens rompem no país, e destaca que em reunião técnica realizada na ANA (Agência Nacional de Águas), horas antes da tragédia do Piauí, falou-se em 800 acidentes ou incidentes com barragens brasileiras nos últimos oito anos. Ou seja, em média, a cada três ou quatro dias, uma barragem apresenta graves problemas no Brasil. O 3º Simpósio de segurança de barragens realizado nos dias 18 e 19 de novembro de 2008 em Salvador, teve como tema principal Barragens Contemporâneas: Conhecimento, Durabilidade, Riscos e Falhas. Nesse evento foram discutidos os acidentes ocorridos em barragens nos últimos 50 anos, fato que ocasionou a busca de providências como elaboração de manuais de inspeção e segurança, análises refinadas por processos computacionais, uso de sistemas remotos de auscultação, análises de riscos e implementação de planos emergenciais. Em 20 de setembro de 2010 entrou em vigor a lei n o [2], que estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água para quaisquer usos, à disposição final ou temporária de rejeitos e à acumulação de resíduos industriais, e criou o Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens (SNISB). No art. 2 o item III dessa lei a segurança de barragens é definida como sendo a providência de condições que vise a manter a sua integridade estrutural e operacional e a preservação da vida, da saúde, da propriedade e do meio ambiente. Em seguida veio a resolução n o. 144 de 10 de julho de 2012, que estabelece diretrizes para implantação da política nacional de segurança de barragens, aplicação de seus instrumentos e atuação do sistema nacional de informação sobre segurança de barragens, em atendimento ao artigo 20 da lei n o mencionada anteriormente. Em função da sua binacionalidade, a hidrelétrica de Itaipu está isenta das obrigações dessa lei, mas segundo Neumann Jr et al. [3], a Itaipu pretende adequar alguns de seus procedimentos, alinhando suas ações à legislação, além de reforçar sua colaboração com o tema disponibilizando seu know-how às entidades nacionais e internacionais interessadas. Para isso, a Itaipu possui atualmente cerca de XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 2

3 instrumentos instalados e dentre esses foram selecionados por volta de 270 instrumentos considerados mais importantes que receberam um sistema de aquisição automática de dados, que tem o objetivo de supervisionar os comportamentos citados anteriormente. Esses instrumentos possibilitam a aquisição das leituras com uma frequência parametrizável de 5 a 30 minutos, esses valores são processados, armazenados e transmitidos para uma estação central, que é responsável pelo tratamento dos dados envolvendo análises, comparações e acionamento de alarmes [4]. Com esse volume de dados armazenados diariamente, especialistas da área buscam através deles construir modelos matemáticos que descrevam os fenômenos medidos pelos instrumentos, pois assim poderão identificar e prever possíveis falhas e gerir da melhor forma possível a segurança de sua barragem. Diante disso, um meio para diagnosticar a segurança da barragem através de um índice numérico seria de grande valia. Para tanto, seria necessário a construção de um modelo matemático, que utiliza-se dos dados obtidos dos vários instrumentos instalados na barragem e mais algumas características da região. Um bom modelo seria capaz de fazer previsões futuras, possibilitando a melhor tomada de decisão em tempo hábil. Existem várias técnicas de análise de riscos que permitem modelar as possíveis falhas de uma barragem. Uma metodologia que vem se destacando é a de Análise de Árvore de Falhas (FTA Fault Tree Analysis). Esta técnica tem se mostrado uma ferramenta eficiente que permite através de uma representação de fácil interpretação, reconhecer e ponderar quais os principais eventos que possam contribuir para a ocorrência de falhas, tornando-se uma ferramenta de auxílio ao setor responsável pela segurança da barragem [5]. Atualmente a Itaipu já possui Árvores de Falhas que modelam as falhas de interesse em bloco-chaves de sua barragem. Porém, ainda não são totalmente baseadas nas informações numéricas geradas pelos diversos instrumentos de monitoramento. A proposta desse artigo é de apresentar técnicas matemáticas e estatísticas que permitam que a análise das árvores de falhas existentes seja baseada nas informações numéricas geradas pelos instrumentos de monitoramento. 2. ÁRVORE DE FALHAS Análise da árvore de falhas foi concebida e desenvolvida na Bell Telephone Laboratories por H.A. Watson em 1961, a técnica surgiu da necessidade em avaliar a confiabilidade de um sistema complexo associado ao controle de lançamento de mísseis guiados e de alcance intercontinental. Sua publicação apareceu pela primeira vez no relatório Launch Control Safety Study in Vol.1, section III on Method of Inadvertent Launch Control Analysis. Os resultados foram muito próximos aos dados observados e o estudo forneceu confiança suficiente e encorajamento para, utilizar esta técnica no projeto de Minuteman II [6]. Após o trabalho inicial no Bell Telephone Laboratories, a análise de árvore de falhas continuou a ser usada na Boeing Company, onde foi aplicada nas técnicas de simulação de aeronaves tripuladas. Os relatórios de árvore de falhas do Minuteman II foram publicados pela Boeing e AVCO em março 1963 e janeiro 1964, respectivamente. Mais tarde, em junho de 1965, a empresa Boeing e Universidade XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 3

4 de Washington patrocinaram um simpósio sobre a segurança de sistema, em Seattle, onde uma série de trabalhos sobre FTA foram apresentados [7]. Outro uso extensivo e prático de análise de árvore de falhas (FTA) foi feita pelo prof. N. Rasmussen, enquanto preparava o documento histórico, WASH Esta foi a primeira tentativa científica para fornecer uma análise quantitativa de risco associado com usinas nucleares. WASH-1400 utilizou a análise de árvore de falhas para estimar a probabilidade de cada evento no caminho do acidente e assim, gerando probabilidade total de vários tipos de acidentes. A análise da árvore de falhas do prof. Rasmussen cobriu todo o sistema de segurança envolvido na redução do efeito da perda de refrigeração em acidentes grandes e pequenos. A partir desse estudo, a análise da árvore de falhas deu uma compreensão muito útil no funcionamento dos sistemas utilizados para a redução dos efeitos de acidentes [8]. Desde então, os conceitos e as técnicas utilizadas na análise de árvore de falhas continuaram a ser desenvolvidas, e hoje é considerada como uma metodologia estabelecida para os estudos de segurança e confiabilidade de sistemas grandes e complexos. 2.1 CARACTERÍSTICAS A FTA é um processo dedutivo que consiste na construção de um diagrama lógico (árvore de falhas), partindo de um evento indesejado, chamado de evento topo, busca as possíveis causas de tal evento. O processo segue investigando as sucessivas combinações de falhas dos componentes até atingir as chamadas falhas básicas (ou eventos primários da FT), as quais constituem o limite de resolução da análise. A principal função da FTA é traduzir um processo físico em um diagrama lógico estruturado, chamado árvore de falhas, em que eventos mais simples conduzem a um evento mais complexo. A popularidade da FTA se dá devido as diversas vantagens encontradas: (i) Fornece um registro organizado de todos os eventos que contribuem para a falha; (ii) Apresenta uma estrutura gráfica que possibilita várias avaliações (qualitativas e quantitativas); (iii) Destaca os pontos fracos de um sistema; (iv) Prioriza os principais contribuintes para a falha. A árvore de falhas é uma representação gráfica para identificar como as combinações dos eventos básicos, podem conduzir a um resultado não desejado [9]. Provê uma estrutura com a qual pode considerar a probabilidade destas ocorrências. Isto pode ser útil onde a contribuição de particular evento pode ser importante, onde deseja-se conhecer como a probabilidade do evento topo é afetada pela probabilidade dos vários fatores contribuintes. Usando procedimentos da Álgebra Booleana, pode-se idealmente derivar a probabilidade do evento topo. A hipótese é que uma vez que se tenha razoável ideia a respeito da probabilidade de ocorrência dos fatores que contribuem potencialmente, deve-se ter uma melhor ideia a respeito do que focar na tomada de decisão e ação corretiva que se apresente. Uma análise de árvore de falhas é normalmente dividida nas seguintes etapas: Etapa 01: Definição do Sistema; XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 4

5 Etapa 02: Definição do Evento Topo; Etapa 03: Construção da Árvore de Falhas; Etapa 04: Avaliação Qualitativa; Etapa 05: Avaliação Quantitativa; Etapa 06: Avaliação da Importância dos eventos básicos; Etapa 07: Análise dos resultados obtidos; Etapa 08: Conclusões. O diagrama lógico de uma FT é construído através de símbolos lógicos descritos abaixo. 2.2 ELEMENTOS DE UMA ÁRVORE DE FALHAS Para este estudo foi utilizado apenas quatro símbolos para a construção da árvore de falhas, são eles: - Evento Topo ou Intermediário: Evento que pode ser decomposto por eventos antecedentes. - Evento Básico: Evento que não é mais necessária a decomposição em eventos antecedentes. De modo geral, ocorre quando o analista dispõe dos dados básicos de falhas. - Porta Lógica E : O evento de saída ocorre somente se todos os eventos de entrada ocorrem. - Porta Lógica OU : O evento de saída ocorre somente se um ou mais dos eventos de entrada ocorrem. Uma vez construída a árvore de falhas de um sistema para a análise do evento de topo especificado, é possível através de regras da álgebra booleana efetuarmos avaliações qualitativas e quantitativas para um melhor entendimento do evento indesejado. Para árvores de falhas pequenas e simples isto pode ser feito manualmente, para sistemas grandes e complexos são necessários códigos computacionais. XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 5

6 2.3 ANÁLISE QUALITATIVA A análise qualitativa da árvore de falhas visa, por um lado, apresentar informações sobre a importância dos eventos básicos e, por outro, identificar as combinações de eventos básicos que contribuem para o evento de topo, garantindo dessa forma árvores de falhas mais simples porém equivalentes as construídas inicialmente. Existem diversas técnicas que possibilitam uma análise qualificativa de uma FT, convertendo seu formato gráfico em equações por meio de álgebra booleana, para o nosso estudo aplicaou-se a técnica dos conjuntos de cortes mínimos (MCS Minimal Cut Sets), considerada uma das técnicas mais utilizadas na análise de árvore de falhas [10] Conjunto de Cortes Mínimos Um conjunto de cortes (CS - Cut Set) corresponde a uma coleção de eventos básicos, de tal modo, que se estes eventos ocorrerem então é certo que também ocorre o evento topo. A transformação da árvore para a forma booleana possibilita a determinação dos conjuntos mínimos de cortes. Um MCS constitui um conjunto mínimo de eventos básicos, ou combinações destes, que, quando ocorrem, originam a ocorrência do evento topo, ou seja, um conjunto de cortes é considerado mínimo se não puder ser reduzido sem perder o estatuto de conjunto de cortes. A técnica para determinar o MCS de uma árvore de falha, consiste em aplicar conceitos da álgebra booleana para transformar seu formato gráfico em equações. As portas lógicas E e OU são traduzidas através das regras: Portas Lógicas Teoria de Conjuntos Álgebra Booleana X E Y X Y X. Y X OU Y X Y X + Y TABELA 1: Portas Lógicas representadas na álgebra booleana. Desse modo, o evento topo é descrito por uma equação desenvolvida através da interpretação da porta lógica (E ou OU) que o conecta aos seus eventos antecedentes, em seguida, cada evento que aparece na equação é decomposto também pelos seus eventos antecedentes usando a regra adequada para a porta lógica que os conecta a esses eventos, e assim por diante, até que o evento topo seja descrito em uma equação que só tenha eventos básicos. Em seguida, a equação encontrada pode ser simplificada através da aplicação das leis da álgebra booleana: Leis Comutativas Associativas Distributiva Inalterabilidade Representação X. Y = Y. X X + Y = Y + X X. (Y. Z) = (X. Y). Z X + (Y + Z) = (X + Y) + Z X. (Y + Z) = X. Y + X. Z X. X = X X + X = X XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 6

7 Absorção X + X. Y = X Complementaridade X + X = Ω (X ) = Ω De Morgan (X. Y) = X + Y (X + Y) = X. Y TABELA 2: Leis da Álgebra Booleana Aplicando as leis apresentadas, é possível simplificar a equação eliminando: (i) Todos os parênteses da expressão; (ii) Os conjuntos de cortes repetidos; (iii) Os conjuntos supérfluos. Assim, o evento topo T é representado por uma equação da forma T = C 1 + C C n, (1) onde cada C i, i = 1,2,, n, é um conjunto de corte mínimo que corresponde à operação booleana (. ) de uma determinada sequência de eventos básicos, ou seja, a equação (1) apresenta uma combinação simplificada de alguns eventos básicos, que garante a ocorrência do evento topo quando esses eventos básicos ocorrerem. 2.4 ANÁLISE QUANTITATIVA É comum em uma análise de árvore de falhas que a análise quantitativa seja feita atendendo aos resultados obtidos na análise qualitativa. Os resultados podem ser a estimativa numérica da probabilidade de ocorrência do evento topo, e também a mensuração da importância que cada evento básico tem na contribuição do evento topo. Para isso, é necessário conhecer as estimativas confiáveis das probabilidades de ocorrência dos eventos básicos que compõem os conjuntos de cortes mínimos [10] Conceitos Básicos de Probabilidade A teoria matemática de probabilidade se relaciona completamente com os fundamentos da lógica booleana utilizados na análise qualitativa de uma árvore de falhas [9]. Enquanto a lógica booleana é utilizada para expressar o evento topo na forma de uma equação que possibilita uma avaliação qualitativa, a teoria probabilística permite uma análise quantitativa do evento topo. Para uma análise de árvore de falhas, utilizamos as relações básicas da probabilidade que estão relacionadas aos conectivos lógicos apresentados anteriormente. São eles: União de eventos: P(X 1 X 2 ) = P(X 1 ) + P(X 2 ) P(X 1 X 2 ) e (2) XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 7

8 Intersecção de eventos: P(X 1 X 2 ) = P(X 1 ). P(X 2 X 1 ), (3) onde P(X 2 X 1 ) é a probabilidade condicional de ocorrer o evento X 2 sabendo que ocorreu o evento X 1. Alguns resultados dentro da teoria de probabilidade auxiliam para uma melhor análise do evento topo: (i) Se os eventos X 1 e X 2 são mutuamente exclusivos, então P(X 1 X 2 ) = 0 e temos pela equação (2) que P(X 1 X 2 ) = P(X 1 ) + P(X 2 ), logo, se todos os eventos X 1, X 2,, X n são mutuamente exclusivos, então P(X 1 X 2 X n ) = P(X 1 ) + P(X 2 ) + + P(X n ); (4) (ii) Se os eventos X 1 e X 2 são independentes, então P(X 2 X 1 ) = P(X 2 ), assim P(X 1 X 2 ) = P(X 1 ). P(X 2 ), logo, se se todos os eventos X 1, X 2,, X n são independentes, então P(X 1 X 2 X n ) = P(X 1 ). P(X 2 ) P(X n ); (5) (iii) Pela lei De Morgan na teoria de conjuntos, X 1 X 2 = (X 1 X 2 ), assim, temos que P(X 1 X 2 ) = 1 P(X 1 X 2 ), e se assumirmos a independência dos eventos, temos que P(X 1 X 2 ) = 1 (1 P(X 1 ))(1 P(X 2 )). Desse modo, P(X 1 X 2 X n ) = 1 (1 P(X i )) n i=1 (6) A equação (1) determinada a partir da técnica de conjunto de cortes mínimos, descreve o evento topo T, numa equação booleana. Aplicando as regras de probabilidades apresentadas acima, podemos calcular o valor exato da probabilidade do evento topo a partir das probabilidades dos eventos básico. Assim, desenvolvendo a equação (2) para a equação (1), a probabilidade do evento topo P(T) será dada por n P(T) = i=1 P(C i ) i<j P(C i. C j ) + i<j<k P(C i. C j. C k ) +( 1) n+1 P(C 1 Cn). (7) n A partir dessa equação, pode-se demonstrar a seguinte desigualdade n i=1 P(C i ) i<j P(C i. C j ) P(T) i=1 P(C i ). (8) n Portanto, temos que a i=1 P(C i ) representa um limite superior de P(T) que denota-se por aproximação de eventos raros. Assim adota-se para o cálculo da probabilidade do evento topo a aproximação P(T) P(C i ) n i=1. (9) XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 8

9 Essa aproximação se baseia no fato de que a probabilidade de ocorrer dois eventos simultaneamente é menor ou igual que as probabilidades individuais de ambos. Em seguida, será necessário calcular a probabilidade de cada conjunto de corte mínimo, P(C i ). Como cada C i é composto por um número de intersecções de eventos básicos, ou seja, C i = X 1i. X 2i X mi, (10) onde X 1i. X 2i X mi são alguns eventos básicos da árvore de falhas. Se os eventos básicos forem independentes, temos que: P(C i ) = P(X 1i ). P(X 2i ) P(X mi ). (11) Assim, de modo geral, quando as probabilidades dos eventos básicos são baixas, então a aproximação por eventos raros resulta em uma boa estimativa de para a probabilidade do evento topo. 3. ANÁLISE DA ÁRVORE DO FALHAS DO BLOCO D38 DA BARRAGEM DE ITAIPU Itaipu é considerado um dos maiores projetos hidrelétricos do mundo, é resultado dos esforços e empenho de dois países vizinhos, Brasil e Paraguai. Encontra-se localizado no rio Paraná, onde os dois países fazem fronteira, 14 km a montante da ponte internacional que liga a cidade de Foz do Iguaçu, no Brasil, à Ciudad del Este, no Paraguai [11]. A Barragem de Itaipu é uma estrutura (concreto, enrocamento e terra) que serve para represar a água e obter o desnível de 120 m (queda brutal nominal) que permite a operação das turbinas. Na parte superior da barragem principal, estão situadas as tomadas de água, estruturas com comportas que permitem que a água, passando por elas e pelos condutos forçados, alcance a caixa espiral, onde faz a turbina girar. A barragem da Itaipu tem metros de extensão e altura máxima de 196 metros, o equivalente a um prédio de 65 andares. Consumiu 12,3 milhões de metros cúbicos de concreto, dimensões que transformaram a usina em referência nos estudos de concreto e na segurança de barragens [4]. Este estudo foi aplicado no bloco D38, um dos blocos de contrafortes de um conjunto de 64 blocos que se encontram na margem direita, entre o vertedouro e a barragem principal de gravidade aliviada, todos são blocos idênticos em configuração estrutural e perfil, e têm 17m de largura no eixo [11]. Atualmente a Itaipu já possui uma árvore de falhas para o bloco D38, que foi construída por engenheiros e consultores que trabalham com a segurança de barragem. O trabalho nesse artigo, foi aplicar nessa árvore de falhas existente a metodologia apresentada anteriormente, com o propósito de exemplificar uma análise qualitativa e quantitativa. A árvore de falhas para a aplicação deste estudo é apresentada pela figura 01 abaixo. XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 9

10 FIGURA 1: Árvore de Falhas do Bloco D38. O evento topo definido para o estudo está relacionado aos critérios de alarmes utilizados no monitoramento do bloco, neste caso, estamos analisando o estado de alarme amarelo do bloco, este alarme ocorre quando instrumentos definidos na base do diagrama da árvore de falhas apresentam medidas maiores que o máximo histórico do instrumento, porém menores que o limite máximo de projeto. As portas lógicas da árvore de falhas, além de carregarem as informações lógicas já apresentadas no artigo, algumas também representam eventos físicos. G1: Porta Lógica OU / Alarme amarelo (Evento Topo); G2: Porta Lógica OU / Risco de Tombamento; G3: Porta Lógica OU / Risco de Escorregamento; G4: Porta Lógica E ; G5: Porta Lógica E ; G6: Porta Lógica E ; G7: Porta Lógica E ; G8: Porta Lógica E / Aumento de subpressões a montante; G9: Porta Lógica OU ; G10: Porta Lógica E / Aumento de subpressões a montante; G11: Porta Lógica E / Aumento de subpressões a montante; G12: Porta Lógica OU / Aumento no deslocamento horizontal da base; G13: Porta Lógica OU ; G14: Porta Lógica E / Aumento de subpressões a montante; G15: Porta Lógica OU / Aumento no deslocamento horizontal da base. Todos os eventos básicos representam instrumentos de monitoramento do bloco que geram dados para a análise dos eventos físicos descritos acima nas portas lógicas ou nos próprios eventos básicos. E1: Piezômetro; E2: Piezômetro; E3: Piezômetro; E4: Extensômetro / Distensão da fundação a montante; E5: Medidor de Vazão / Aumento de vazão; E6: Pêndulo Invertido; E7: Pêndulo Invertido; XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 10

11 Para a análise qualitativa da árvore de falhas, aplicaremos a técnica de conjuntos de cortes mínimos: T = G1 = G2 + G3 = (G4 + G5) + (G6 + G7) = (G8. E4. E5 + G9. E5) + (G11. G12. E4 + G13. E4) = (E1. E3. E4. E5 + (G10 + E4). E5) + (E1. E2. E3. (E6 + E7). E4 + (G14 + G15). E4) = ( E1. E3. E4. E5 + (E1. E2. E3 + E4). E5) + (E1. E2. E3. (E6 + E7). E4 + (E1. E2. E3 + (E6 + E7)). E4) = E1. E3. E4. E5 + E1. E2. E3. E5 + E4. E5 + E1. E2. E3. E4. E6 + E1. E2. E3. E4. E7 + E1. E2. E3. E4 + E4. E6 + E4. E7 Aplicando a regra de absorção da tabela 2, a equação acima fica simplificada por T = E4. E5 + E4. E6 + E4. E7 + E1. E2. E3. E4. (12) A equação (12) representa o conjunto de cortes mínimos da árvore de falhas. Denotando C1 = E4. E5, C2 = E4. E6, C3 = E4. E7 e C4 = E1. E2. E3. E4, os cortes mínimos, tem-se que T = C1 + C2 + C3 + C4. (13) Para efetuar a análise quantitativa da árvore de falhas, foi desenvolvido um estudo dos dados gerados pelos instrumentos de monitoramento que aparecem na equação (12), e assim, foi possível determinar a probabilidade de cada instrumento atingir o estado de alarme amarelo, ou seja, foi calculada a razão entre a quantidade de medidas que ultrapassaram o máximo histórico e o número total de medidas do instrumento. As probabilidades de alarme amarelo de cada evento básico são: Evento Básico Probabilidade E1 0, E2 0, E3 0, E4 0, E5 0, E6 0, E7 0, TABELA 3: Probabilidades dos eventos básicos A partir dos valores da tabela acima, podemos calcular uma aproximação da probabilidade do bloco D38 apresentar um alarme amarelo. Para isso, utilizaremos a equação de aproximação de eventos raros (9). Assim, P(T) P(C1) + P(C2) + P(C3) + P(C4) XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 11

12 onde, P(C1) = P(E4). P(E5) = 0, , = 0, ; P(C2) = P(E4). P(E6) = 0, , = 0, ; P(C3) = P(E4). P(E7) = 0, , = 0, ; P(C4) = P(E1). P(E2). P(E3). P(E4) = 0, , , , = 0, Logo, P(T) 0, , , , , então, P(T) 0, ,056% Portanto, a probabilidade do bloco apresentar estado de alarme amarelo é de aproximadamente 0,056%, isto mostra que a chance de ocorrência de alarme amarelo para todo o bloco estudado é muito pequena, um alarme desse nível ocorreria por perto de medidas geradas por cada instrumento associados aos eventos básicos. 4. CONCLUSÕES Através do exemplo apresentado nesse artigo, podemos entender como a análise de arvore de falhas se tornou uma ferramenta fundamental, eficiente e confiável para o tratamento da confiabilidade e segurança de sistemas complexos em diversas áreas. Sua forma organizada e a possibilidade de entendimento completo do processo para a possível ocorrência de um evento indesejado são pontos que destacam essa metodologia para a utilização em estudos de riscos. Apesar de todas as vantagens apresentadas, é importante destacar que esse artigo se trata de um trabalho inicial, que ainda está em fase de desenvolvimento, portanto, algumas incertezas em relação a metodologia apresentada ainda não foram totalmente resolvidas. A consideração da independência dos eventos básicos, no cálculo da probabilidade dos cortes mínimos pode alterar significativamente o resultado da probabilidade do evento topo. Melhoras para esta situação estão sendo analisada, estudos de correlações entre os eventos básicos dos conjuntos de cortes mínimos serão feitos para um melhor entendimento da dependência entre esses eventos. Outra dificuldade do trabalho que ainda está em fase de estudo, é a consideração das incertezas relacionadas ao que vem a ser os critérios de falhas de cada evento básico, pois, como um caso de falha de um bloco pode nunca ter ocorrido, ou ocorrido tão raramente, não temos certeza exata do que vem a ser um critério para o início da falha. Pesquisas indicam que a teoria de conjuntos Fuzzy aliada com conhecimento de especialistas vem se tornando uma ótima ferramenta para trabalhar com esse nível de incerteza [12], [13]. Sendo assim, acreditamos que melhorias na teoria de análise de arvore de falhas possa ser fundamental para obtermos uma ótima ferramenta de auxílio no gerenciamento da segurança de barragens. XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 12

13 5. PALAVRAS-CHAVE Segurança de Barragem, Conjunto de Cortes Mínimos, Probabilidade. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] SAYÃO, A. (2009) - A Segurança das Barragens Brasileiras Em: <http://ie.org.br/site/noticias/exibe/id_sessao/5/id_noticia/1643/a-seguran%c 3%A7a-das-barragens-brasileiras>. Acesso em : 29-Nov [2] BRASIL (2010) - Lei no , de 20 de Setembro [3] NEUMANN JR, C., OSAKO, C., PATIAS, J. E PORCHETTO, C. (2011) - Reflexos da Lei de Segurança de Barragens na Itaipu Binacional", XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens, pp [4] ITAIPU (2008) - "Usina Hidrelétrica de Itaipu: Aspectos Técnicos das Estruturas". Foz do Iguaçu - Pr, p [5] NASA: OFFICE OF SAFETY AND MISSION ASSURANCE. (2002) - "Fault tree Handbook with Aerospace Applications". Washington, DC: NASA Headquarters, p [6] MISRA, K. B. (1992) - "Reliability Analysis and Prediction: A Methodology Oriented Treatment", vol. 11, no Elsevier Science B.V, p [7] MISRA, K. B. e WEBER, G. G. (1989) - A New Method for Fuzzy Fault Tree Analysis Microelectron. Reliab., vol. 29, no. 2, pp [8] SIMÕES FILHO, S. (2006) - Análise de Árvore de Falhas Considerando Incertezas na Definição dos Eventos Básicos, Universidade Federal do Rio de Janeiro, p [9] SANTOS, R. N. C. dos. (2006) - Enquadramento das Análises de Riscos em Geotecnia, Universidade Nova de Lisboa, p [10] U. S. NUCLEAR REGULATORY COMMISSION (1981) - "Fault Tree Handbook". Springfield, VA, p [11] ITAIPU: USINA HIDRELÉTRICA (2009) - "Projeto: Aspectos de Engenharia", Foz do Iguaçu - Pr, p [12] DESHPANDE, A. (2011) - Fuzzy Fault Tree Analysis: Revisited, J. Syst. Assur. Eng. Manag., vol. 2, no. 1, pp XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 13

14 [13] MAHMOOD, Y. A., AHMADI, A., VERMA, A. K., SRIVIDYA, A. E KUMAR, U. (2013) - Fuzzy Fault Tree Analysis: A Review of Concept and Application, J. Syst. Assur. Eng. Manag., vol. 4, no. 1, pp XXVI Seminário Nacional de Grandes Barragens 14

Sistema de Alarme para Monitoramento Estrutural da Barragem de Itaipu. Airton Bordin Junior

Sistema de Alarme para Monitoramento Estrutural da Barragem de Itaipu. Airton Bordin Junior Sistema de Alarme para Monitoramento Estrutural da Barragem de Itaipu Presented by Adriano Coutinho da Silva Airton Bordin Junior Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. Agenda Sobre nós; Desafio de negócio; PI

Leia mais

MÓDULO 6 ÁRVORE DE FALHAS. Curso de Especialização em Transporte Ferroviário de Carga

MÓDULO 6 ÁRVORE DE FALHAS. Curso de Especialização em Transporte Ferroviário de Carga MÓDULO 6 ÁRVORE DE FALHAS . Árvore de Falhas O Método de Análise da Árvore de Falhas (FailureTree Analysis - FTA) foi desenvolvido por volta de 96, por W.A.Watson, da Bell Laboratories e aperfeiçoada pela

Leia mais

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA ITAIPU BINACIONAL FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU CURSO SEGURANÇA DE BARRAGENS PLANO DE ENSINO

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA ITAIPU BINACIONAL FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU CURSO SEGURANÇA DE BARRAGENS PLANO DE ENSINO Versão 12/07/13 AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA ITAIPU BINACIONAL FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU CURSO SEGURANÇA DE BARRAGENS PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: SEGURANÇA DE BARRAGENS Público:

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES RESOLUÇÃO N o 143, DE 10 DE JULHO DE 2012. Estabelece critérios gerais de classificação de barragens por categoria de risco, dano potencial associado e pelo seu volume, em atendimento ao art. 7 da Lei

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Gestão de Segurança de Barragens de Mineração

Gestão de Segurança de Barragens de Mineração Gestão de Segurança de Barragens de Mineração FIEMG, Novembro 2014 Paulo Franca Tópicos Sistema de gestão conceitos fundamentais Oportunidades/ pontos a serem considerados Tamanho do problema A cada ±30

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.334, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água

Leia mais

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO Antônio Marcos Mendonça 1, Alessandro Sarmento Cavalcanti 2, Antônio do Nascimento Oliveira 2, Fábio Hochleitner 2, Patrícia

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

A análise de riscos ZHA Zurich Hazard Analysis

A análise de riscos ZHA Zurich Hazard Analysis A análise de riscos ZHA Zurich Hazard Analysis A análise de riscos - ZHA Zurich Hazard Analysis UMA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DIRIGIDA AO CLIENTE A avaliação de risco tem objetivo de tornar

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

CAPITULO I DO OBJETIVO

CAPITULO I DO OBJETIVO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 144, DE 10 DE JULHO DE 2012 (Publicada no D.O.U em 04/09/2012) Estabelece diretrizes para implementação da Política Nacional

Leia mais

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Resumo Marcos Henrique de Carvalho 1 Gabriel Alves da Costa Lima 2 Antonio Elias Junior 3 Sergio Rodrigues

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Mineração O Papel do Órgão Ambiental, como Fiscalizador da Aplicação da Nova Legislação

14º Congresso Brasileiro de Mineração O Papel do Órgão Ambiental, como Fiscalizador da Aplicação da Nova Legislação 14º Congresso Brasileiro de Mineração O Papel do Órgão Ambiental, como Fiscalizador da Aplicação da Nova Legislação Rosangela Gurgel Machado Diretora de gestão de Resíduos Deliberação Normativa COPAM n.º

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos

Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação Análise de Ferramentas e Metodologias para Gerência de Riscos em Projetos RAFAEL MOREIRA

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS SEMINÁRIO SOBRE A GESTÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS EM MINERAÇÃO DNPM/IBRAM/SINDIEXTRA/FEAM/CREA-MG BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS ENG. JOAQUIM PIMENTA DE ÁVILA ENG. RICARDO

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014 ANAC INTRODUÇÃO Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional! AO CONCEITO 29/04/2014 DE SAFETY CASE A Ausência de Acidentes não é Garantia de Segurança E, mesmo que fosse como demonstrar a segurança

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN 1 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município:CASA BRANCA - SP Área Profissional: SAÚDE, AMBIENTE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Considerando o contido no Relatório à Diretoria 114/2015/C, que acolhe,

Considerando o contido no Relatório à Diretoria 114/2015/C, que acolhe, Decisão CETESB nº 279 DE 18/11/2015 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 20 nov 2015 Dispõe sobre procedimentos relativos à segurança de barragens de resíduos industriais. A Diretoria Plena da

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL SUMÁRIO RESUMO...4 1 INTRODUÇÃO...5 1.1 ESCOPO DO DOCUMENTO...5 1.2 APLICABILIDADE DO DOCUMENTO...5 1.3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...6 1.4 TERMINOLOGIA -

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO

ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO Carlos Alberto Zocolotti Filho 1 Pedro Luis Faggion 1

Leia mais

SIC 2007. A Engenharia de Confiabilidade Quebrando Paradigmas de Manutenção. João Luis Reis e Silva. Votorantim Metais

SIC 2007. A Engenharia de Confiabilidade Quebrando Paradigmas de Manutenção. João Luis Reis e Silva. Votorantim Metais SIC 2007 A Engenharia de Confiabilidade Quebrando Paradigmas de Manutenção João Luis Reis e Silva Eng o. Confiabilidade Sênior Votorantim Metais Negócio Zinco, unidade Três Marias Agenda Grupo Votorantim

Leia mais

Cálculo das Probabilidades e Estatística I

Cálculo das Probabilidades e Estatística I Cálculo das Probabilidades e Estatística I Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução a Probabilidade Existem dois tipos

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE Carlos Bruno Eckstein PETROBRAS/CENPES/PDEAB/Engenharia Básica de Equipamentos Edneu Jatkoski PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Com tecnologias Open Source, Itaipu alcança benefícios que potencializam o programa de sustentabilidade da empresa

Com tecnologias Open Source, Itaipu alcança benefícios que potencializam o programa de sustentabilidade da empresa Com tecnologias Open Source, Itaipu alcança benefícios que potencializam o programa de sustentabilidade da empresa Perfil A construção da Itaipu Binacional considerado um trabalho de Hércules pela revista

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

AUTOMAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE BARRAGEM, UM SISTEMA CADA VEZ MAIS NECESSÁRIO

AUTOMAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE BARRAGEM, UM SISTEMA CADA VEZ MAIS NECESSÁRIO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GGH - 30 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH AUTOMAÇÃO DOS INSTRUMENTOS

Leia mais

Estatística e Probabilidade. Aula 4 Cap 03. Probabilidade

Estatística e Probabilidade. Aula 4 Cap 03. Probabilidade Estatística e Probabilidade Aula 4 Cap 03 Probabilidade Estatística e Probabilidade Método Estatístico Estatística Descritiva Estatística Inferencial Nesta aula... aprenderemos como usar informações para

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS Gerenciamento de Riscos em Projetos Apresentação Fernando Simon fsimonbr@gmail.com.br Sócio proprietário da AFS Solutions www.afssolutions.com.br Consultor em Gerenciamento de Riscos em Projetos Docente

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina X-015 - MONITORAMENTO VIA INTERNET DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TIPO

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

Requisitos da Legislação Ambiental de Minas Gerais para barragens de rejeitos e resíduos

Requisitos da Legislação Ambiental de Minas Gerais para barragens de rejeitos e resíduos Requisitos da Legislação Ambiental de Minas Gerais para barragens de rejeitos e resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM Zuleika Stela Chiacchio Torquetti Presidente Novembro, 2014 Contextualização

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM Peterson Vieira Salme 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil petersonsalme@gmail.com, claudete@unipar.br

Leia mais

11 Conclusão. 11.1 Descobertas

11 Conclusão. 11.1 Descobertas 97 11 Conclusão 11.1 Descobertas Nesse trabalho apresentamos o McCloud Service Framework, um arcabouço para implementação de serviços baseados na Simulação de Monte Carlo na nuvem, disponibilizamos duas

Leia mais

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Pedro Luis Faggion, Luis A. Koenig Veiga, Silvio Rogério Correia de Freitas, Carlos Aurélio Nadal Universidade

Leia mais

Inspeção visual por modos de falha: um instrumento eficaz de manutenção de barragens. Glauco Gonçalves Dias Teresa Cristina Fusaro - Cemig GT

Inspeção visual por modos de falha: um instrumento eficaz de manutenção de barragens. Glauco Gonçalves Dias Teresa Cristina Fusaro - Cemig GT Inspeção visual por modos de falha: um instrumento eficaz de manutenção de barragens Glauco Gonçalves Dias Teresa Cristina Fusaro - Cemig GT Introdução O intercâmbio de conhecimentos entre as distintas

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE DO SETOR CERAMISTA DO NORTE DO MATO GROSSO DO SUL Yasmin Gomes Casagranda

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER José Luiz de França Freire DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Alberto

Leia mais

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Práticas atuais e perspectivas futuras Novembro 2013 Estrutura do Guia Capítulos 1 e 3 O conteúdo dos Capítulo 1 e 3 foi baseado nas perguntas

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

Cidade Universitária, Ilha Fundão,Rio de Janeiro bernardo_spitz@hotmail.com. Cidade Universitária, Ilha Fundão, Rio de Janeiro luquetti@ien.gov.

Cidade Universitária, Ilha Fundão,Rio de Janeiro bernardo_spitz@hotmail.com. Cidade Universitária, Ilha Fundão, Rio de Janeiro luquetti@ien.gov. 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 METODOLOGIA

Leia mais

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck INTRODUÇÃO A escolha das técnicas está condicionada ao Problema de Pesquisa. Três perguntas básicas devem ser respondidas

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná

Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná Carina Pirolli COPEL - Companhia Paranaense de Energia, Curitiba, Brasil, carina.pirolli@copel.com

Leia mais

Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS. 4º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico. Período: Outubro a Dezembro

Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS. 4º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico. Período: Outubro a Dezembro Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS 4º Relatório Trimestral Monitoramento Sismológico Período: Outubro a Dezembro 2009 I. Introdução Seguindo as recomendações especificadas para o monitoramento,

Leia mais

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA Controle disponibilizado pela solução da Elipse Software contribuiu para que a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos - COGERH

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

IBRAM INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO

IBRAM INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO IBRAM INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE GESTÃO E SEGURANÇA A DAS BARRAGENS DE REJEITOS Necessidade de uma boa gestão da segurança IBRAM- INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais