Projeto para o Desenvolvimento do Corredor Multimodal do Rio São Francisco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto para o Desenvolvimento do Corredor Multimodal do Rio São Francisco"

Transcrição

1 Projeto para o Desenvolvimento do Corredor Multimodal do Rio São Francisco Ralf-Michael Kaltheier Chefe de Projeto Banco Mundial Desafios e Perspectivas em Transporte e Logística no Brasil Brasília, 8 de Dezembro de 2011

2 Conteúdos da apresentação 1) Contexto geral do projeto 2) Desafios 3) Objetivos do projeto 4) Estrutura técnica dos trabalhos 5) Estado atual dos trabalhos 6) Próximos produtos e eventos do projeto 2

3 Conteúdos da apresentação 1) Contexto geral do projeto 2) Desafios 3) Objetivos do projeto 4) Estrutura técnica dos trabalhos 5) Estado atual dos trabalhos 6) Próximos produtos e eventos do projeto 3

4 Contexto geral do projeto: o rio São Francisco O rio da integração nacional km, potencialmente navegável em km Navegável em 600 km, mas com restrições na época de seca Atividades de transporte atuais, tons/ano Atividades de transporte nos 90s, tons/ano Potencial de acordo com o PNLT, tons/ano 4

5 Contexto geral do projeto: potencias benefícios Eixo de integração e desenvolvimento regional Corredor facilitador do comércio interno: produção do oeste Baiano transformação e consumo no nordeste Redução do volume de mercadorias nas estradas e dos custos unitários do transporte para o Nordeste Redução da dependência de importações no Nordeste Ganhos ambientais elevados5

6 Contexto geral do projeto: desafios atuais a) As operações de transporte da hidrovia são feitas em condições difíceis, as atividades de O&M nos últimos 15 anos tem sido muito limitadas b) Causa: as entidades públicas competentes não conseguiram garantir orçamentos sustentados para os trabalhos necessários c) As atividades de transporte hoje ( tons/ano) são uma fração das atividades realizadas há 20 anos ( tons/ano) d) São necessários investimentos iniciais para atualizar e por em funcionamento diversas infra-estruturas hidroviárias, até a própria hidrovia (dragagens e derrocamentos) e) Será necessário garantir recursos financeiros sustentados no futuro, para garantir a continuidade dos serviços de transporte 6

7 Conteúdos da apresentação 1) Contexto geral do projeto 2) Desafios 3) Objetivos do projeto 4) Estrutura técnica dos trabalhos 5) Estado atual dos trabalhos 6) Próximos produtos e eventos do projeto 7

8 Desafios: estado da hidrovia e suas infra-estruturas Escassos trabalhos de manutenção da hidrovia Múltiples pontos a precisar dragagem e derrocamento Portos hidroviários infra-utilizados ou abandonados (Juazeiro) Pontos intermodais não articulados 8

9 Desafios: estado atual das redes de transporte BR242, principal estrada de acesso dos produtos: tráfego de caminhões denso FCA: abandono das operações Ligações em falta: troço ferroviário Petrolina- Transnordestina (190 km), chave para o corredor 9

10 Desafios: potencial de cargas Potencial de cargas agrícolas (inputs/outputs) no oeste Baiano: Cargas Sul-Norte: Cullturas Area (ha) Productividade Producao (t) VBP (milhoes R$) Soja (sc) 1,060, ,243,600 2, Algodao /pluma) 362, ,611 2, Caroco algodao 9,il t) 881, Milho (sc) - area de cerrado 153, ,331, Café em porducao (sc de 60 kg) 12, , Café (formacao e renovacao) 2,557 Arroz (sc) 8, , Feijao (sc) irrigado e sequiero 15, , Capim - Prod. Sementes (kg) 40, , Sorgo (sc) 13, , Outras culturas 133, Total 1,800,166 6,175,715 6, Nota: outras culturas incluyen Eucalipto, Vigna (Feijao Gurutuba), frutas, pastagens, milheto e pousio). Fonte: AIBA Soja Milho Produtos do algodão Cargas Norte-Sul: Gipsita Fertilizantes Maquinaria 10

11 Desafios: desenvolvimento e integração regional Regiões do São Francisco: em geral, baixa renda e baixo dinamismo econômico Corredor multimodal como motor para quebra da tendência 11

12 Desafios: desenvolvimento e integração regional Espaços prioritários da PNDR 12

13 Comparação do Consumo Energético (distância pela qual um litro de combustível pode movimentar 1t de carga) Custos médios de externalidades em rotas de transporte selecionadas na Europa (estudos da Comissão Européia) 13

14 Conteúdos da apresentação 1) Contexto geral do projeto 2) Desafios 3) Objetivos do projeto 4) Estrutura técnica dos trabalhos 5) Estado atual dos trabalhos 6) Próximos produtos e eventos do projeto 14

15 Objetivos do projeto Objetivo estratégico geral: Proporcionar apoio à CODEVASF no desenvolvimento de um modelo de gestão e financiamento para o corredor multimodal, Estável, desde a perspectiva institucional e financeira Independente de ciclos e prioridades orçamentais Que consiga integrar os interesses de diversos agentes públicos e privados Que permita tornar o rio São Francisco um eixo para o desenvolvimento econômico e a integração regional 15

16 Objetivos do projeto Objetivos operacionais: Avaliação estratégica do potencial do corredor para a movimentação de cargas: demanda potencial existente Estudo da integração da hidrovia com os restantes modais, tanto nas redes atuais como futuras Avaliação das melhores práticas internacionais em transporte hidroviário, e potencial de transferibilidade e aplicação à realidade do São Francisco Desenvolvimento de um modelo de gestão e financiamento para a hidrovia, acompanhado de um plano de ação Desenvolvimento de ação de promoção da hidrovia do São Francisco e dos transportes hidroviários 16

17 Conteúdos da apresentação 1) Contexto geral do projeto 2) Desafios 3) Objetivos do projeto 4) Estrutura técnica dos trabalhos 5) Estado atual dos trabalhos 6) Próximos produtos e eventos do projeto 17

18 Organização geral dos trabalhos do projeto Trabalhos do projeto organizados em 5 blocos de ação: a) Fase de diagnóstico preliminar e desenvolvimento metodológico AT0 e AT1 Trabalhos finalizados b) Caracterização da área de influência do corredor do rio São Francisco: enquadramentopotencial de cargas, estado das redes de transporte (rodo, ferro, portos, hidrovia) c) Análise das melhores práticas internacionais em transporte hidroviário Início dos trabalhos d) Plano de ação para o desenvolvimento do corredor multimodal e) Coordenação institucional e ações de promoção do transporte hidroviário em geral e do corredor do São Francisco em particular 18

19 Estrutura geral do projeto AT0 - Diagnóstico preliminar e missão de reconhecimento AT2 - Análise estratégica do corredor multimodal do rio São Francisco AT1 - Fase de desenvolvimento metodológico AT3 - Melhores práticas do transporte hidroviário e corredores multimodais AT4 - Visitas de campo, melhores práticas e cooperação internacional AT5 - Opções estratégicas e táticas para o corredor multimodal do São Francisco AT6 - Desenvolvimento do plano de ação para o corredor multimodal AT7 - Coordenação interinstitucional e diálogo de políticas AT8 - Atividades de comunicação, consulta, disseminação e promoção 19

20 AT0 Diagnóstico preliminar e missão ao local Objetivo: realizar trabalhos de enquadramento prévio, visando à definição do escopo do projeto e a correta integração das necessidades da CODEVASF nos termos de referência técnicos, através de: Análise de estudos e trabalhos anteriores diretamente relacionados com o rio São Francisco Videoconferências com a CODEVASF Levantamento de documentos adicionais sobre transporte hidroviário e intermodal Organização de uma missão de reconhecimento ao rio São Francisco e suas áreas de influência 20

21 AT0 Diagnóstico preliminar e missão ao local Estrutura: 1) Tarefa 0.1 Pesquisa documental, criação do Banco de Dados Análise de trabalhos anteriores no São Francisco: 2004, 2005, 2007, 2010 Levantamento de informação internacional adicional e criação do Banco de Dados inicial do projeto 2) Tarefa 0.2 Missão de reconhecimento Visitas de campo às áreas de influência do corredor multimodal e reuniões com os agentes públicos e privados relevantes realizada de 3) Tarefa 0.3 Relatório de Diagnóstico Preliminar 21

22 AT0 Diagnóstico preliminar e missão ao local Grupo de Trabalho Interministerial Constituído para a Revitalização da Navegação de Carga no Médio Curso do Rio São Francisco MIN/MT/MME/MMA, 2004 Projeto de Gerenciamento Integrado das Atividades Desenvolvidas em Terra na Bacia do São Francisco ANA, 2004 Soluções para o Sistema Multimodal de Transporte do São Francisco CODEVASF, 2005 Sistema Multimodal de Transporte do São Francisco MMSO, 2006 Relatórios Booz Allen/Logit/MMSO, 2007 (Gov. de Bahia) How to Decrease Freight Logistics Costs in Brazil (draft version) Banco Mundial,

23 AT0 Diagnóstico preliminar e missão ao local Plano Nacional de Logística e Transportes. Sumário Executivo MT/MD, 2009 Competitividade da Navegação Interior no Brasil Carlos Riva, 2010 Plano de Ação Hidroviário DNIT, 2010 Estruturação do Projeto da Plataforma Logística do São Francisco (Juazeiro, BA). Estudo de Demanda Idom Consulting, 2010 Estruturação do Projeto da Plataforma Logística do São Francisco (Juazeiro, BA). Estudo de Transportes Idom Consulting,

24 AT1 Fase de desenvolvimento metodológico Objetivo: desenvolver o Relatório Metodológico do projeto, que apresenta a estrutura técnica pormenorizada do projeto, bem como as metodologias a ser utilizadas durante o desenvolvimento das diversas tarefas. O relatório apresenta: Estrutura técnica pormenorizada do projeto Metodologias e bases técnicas aprofundadas Definição pormenorizada dos calendários e produtos a ser desenvolvidos Relações entre as diversas áreas técnicas e tarefas, fluxos de inputs/outputs, responsabilidades, etc Definição das potenciais necessidades de subcontratação, perfil dos consultores, integração na equipe, etc 24

25 AT1 Fase de desenvolvimento metodológico Estrutura: 1) Tarefa 1.1 Definição do programa de trabalhos e preparação do Relatório Metodológico 25

26 AT2 Análise estratégica do corredor multimodal Objetivo: analisar as diferentes dimensões e componentes que constituem o corredor multimodal do rio São Francisco atualmente. Assim, serão analisados: O enquadramento legal e institucional do corredor O estado atual das redes de transporte (hidroviária, rodo, ferro e portuária), planos de investimento, projetos Os fluxos de carga estratégicos para o corredor multimodal, desde uma perspectiva inter e intra-regional Várias cadeias logísticas de produtos-chave para o sucesso do projeto, como poderão ser, por exemplo, a soja, os produtos do algodão, milho, fertilizantes, etc 26

27 AT2 Análise estratégica do corredor multimodal Estrutura: 1) Tarefa 2.1 Análise do enquadramento legal e institucional existente (relatório técnico) 2) Tarefa 2.2 Análise das redes de transporte para os diversos modais: estado atual, gargalos, ligações em falta (relatório técnico) 3) Tarefa 2.3 Análise dos fluxos de carga inter e intra-regionais, estratégicos para o sucesso do corredor (relatório técnico) 4) Tarefa 2.4 Análise de cadeias logísticas para produtos selecionados: soja, algodão, fertilizantes (relatório técnico) 5) Tarefa 2.5 Relatório Síntese, produto publicável externo 27

28 AT3 Melhores práticas internacionais Objetivo: análise de experiências internacionais de transporte hidroviário selecionadas, visando à adaptação e integração das melhores práticas no desenvolvimento do corredor multimodal. Os trabalhos dividem-se nas análises individualizadas de: Interação do transporte hidroviário: sociedade, meio ambiente, usos alternativos dos recursos hídricos Contribuição dos corredores hidroviários e multimodais à integração regional Modelos de gestão, financiamento e preços Fatores de otimização dos serviços de transporte hidroviário e da intermodalidade Medidas e incentivos à transferência modal 28

29 AT3 Melhores práticas internacionais Estrutura: 1) Tarefa 3.1 Interação com a sociedade, meio ambiente e usos alternativos dos recursos hídricos (relatório de políticas) 2) Tarefa 3.2 Contribuição dos corredores hidroviários e multimodais à integração regional (relatório de políticas) 3) Tarefa 3.3 Modelos institucionais, de gestão, financiamento e preços (relatório de políticas) 4) Tarefa 3.4 Questões operacionais do transporte hidroviário, interfaces modais (relatório de políticas) 5) Tarefa 3.5 Incentivos e suporte à transferência modal (relatório de políticas) 6) Tarefa 3.6 Relatório Síntese, produto publicável externo 29

30 AT4 Visitas de campo e cooperação internacional Objetivo: abrir uma plataforma de debate adicional a partir do conhecimento direto das melhores experiências mundiais no desenvolvimento de transportes hidroviários e a sua integração em soluções de transporte multimodal Os objetivos temáticos das visitas de campo e potenciais programas de twinning, relacionados com os temas desenvolvidos na AT3: Interação com o meio ambiente e recursos hídricos Corredores hidroviários e multimodais e integração regional Modelos institucionais, de gestão, financiamento e preços Questões operacionais, interfaces modais Incentivos e apoios para a transferência modal 30

31 AT4 Visitas de campo e cooperação internacional Estrutura: 1) Tarefa 4.1 Visitas de campo a corredores multimodais e hidroviários de sucesso Identificar melhores experiências mundiais no desenvolvimento do transporte hidroviário Organizar as correspondentes visitas de campo e entrevistas com as entidades públicas e privadas relevantes 2) Tarefa 4.2 Programas de twinning e outros esquemas de colaboração Esquemas de colaboração com atores internacionais Criar canais de colaboração e intercâmbio de informação 31

32 AT5 Opções estratégicas e táticas para o corredor Objetivo: fornecer opções para o modelo de desenvolvimento do corredor multimodal (opções estratégicas), bem como opções para a sua implantação e desenvolvimento (opções táticas) O desenvolvimento desses trabalhos: Combina as conclusões das AT2 (Análise estratégica do corredor multimodal do rio São Francisco) e AT3 (Análise estratégica do transporte hidroviário e corredores multimodais) Proporciona alternativas implementáveis (adaptadas) ao desenvolvimento do corredor 32

33 AT5 Opções estratégicas e táticas para o corredor Estrutura: 1) Tarefa 5.1 Avaliação das alternativas reais utilizando o pacote informático EIDOS, seminário aberto à participação dos agentes envolvidos no desenvolvimento do corredor mutimodal 2) Tarefa 5.2 Estimativas de custos para um orçamento autônomo de 30 anos: Modelo Excel a ser desenvolvidos com os diversos itens de custo: O&M, administrativos, novos investimentos... 3) Tarefa 5.3 Modelo institucional, estrutura e opções de financiamento Análise SWOT de modelos alternativos, escolha do modelo mais adequado, matriz de riscos, medidas de mitigação 33

34 AT6 Desenvolvimento do plano de ação Objetivo: desenvolver um plano de ação para a aplicação das recomendações de desenvolvimento do corredor do São Francisco, bem como estabelecer uma metodologia para a avaliação e acompanhamento da implementação do mesmo após a finalização dos trabalhos do projeto e durante a vida útil do plano AT final do projeto Plano de ação e metodologia de avaliação associada, resultados finais do projeto Permitem realizar um seguimento da implementação do modelo, bem como a aplicação de ações corretivas e medidas de contingência 34

35 AT6 Desenvolvimento do plano de ação Estrutura: 1) Tarefa 6.1 Plano de Ação do corredor multimodal Calendário e responsabilidades nas ações a serem realizadas até a implementação do modelo de gestão O Plano não substitui ou suplanta as atividades regulatórias ou de supervisão das diversas entidades públicas 2) Tarefa 6.2 Metodologia de avaliação e acompanhamento da implementação do Plano de Ação Acompanhamento e a avaliação da implementação do Plano de Ação após finalização do atual projeto Desenvolvimento de uma matriz de riscos, identificação dos 35 pontos críticos, criação de medidas de mitigação

36 AT7 Coordenação interinstitucional Objetivo: num enquadramento de elevada complexidade institucional e multiplicidade de atores socioeconômicos interessados no desenvolvimento do corredor multimodal, o objetivo desta AT é duplo, Coordenar os esforços das diversas instituições públicas e privadas diretamente envolvidas no desenvolvimento do projeto do corredor multimodal Gerir uma plataforma ampliada de acompanhamento e suporte do projeto, constituída por outros atores públicos e privados com interesse no desenvolvimento do projeto 36

37 AT7 Coordenação interinstitucional Estrutura: 1) Tarefa 7.1 Comitê Interinstitucional Permanente Criação, gestão e acompanhamento do Comitê Interinstitucional Permanente Constituído pelos atores públicos com envolvimento direto no desenvolvimento do corredor multimodal Atribuições dos membros nomeados: representante oficial da sua instituição, apoio técnico geral, revisão e validação de documentos resultantes das diversas fases do projeto, facilitador no acesso a informação, contatos, etc 37

38 AT7 Coordenação interinstitucional Estrutura: 1) Tarefa 7.1 Comitê Interinstitucional Permanente CODEVASF, Ministério da Integração DNIT, Ministério dos Transportes ANTAQ, Ministério dos Transportes ANA, Ministério do Meio Ambiente CHESF, Ministério de Minas e Energia Governo do Estado de Bahia Governo do Estado de Pernambuco BNDES Banco do Nordeste 38

39 AT7 Coordenação interinstitucional Estrutura: 2) Tarefa 7.2 Grupo Consultivo de Apoio (outros agentes públicos e privados) Criação, gestão e acompanhamento do Grupo Consultivo de Apoio Integrado por um conjunto ampliado de atores públicos e privados com interesse no desenvolvimento do corredor multimodal Especial importância para os trabalhos das AT5 (seminário EIDOS) e AT8 (comunicação e disseminação) 39

40 AT7 Coordenação interinstitucional Estrutura: 2) Tarefa 7.2 Grupo Consultivo de Apoio (outros agentes públicos e privados) Prefeituras Associações de produtores agrícolas Associações industriais Associações de transportadores Associações sociedade civil Grupos ambientalistas Empresas Universidades 40

41 AT7 Coordenação interinstitucional Estrutura: 3) Tarefa 7.3 Organização de conferências temáticas e workshops de políticas Organização de eventos de divulgação dos resultados do projeto, visando à promoção do corredor multimodal, principalmente a nível nacional Workshops técnicos: resultados específicos do projeto, e dirigidos a um público-alvo mais limitado Conferências: de caráter mais amplo, focadas na disseminação e divulgação geral dos resultados do projeto Dois eventos (meses 5 e 10); mais um após a finalização? 41

42 AT8 Atividades de comunicação, disseminação Objetivo: promover comunicação, disseminação e promoção dos trabalhos e resultados do projeto em duas vertentes: Coordenação e comunicação interna, e gestão do conhecimento do projeto, através da criação e da gestão da base de dados documental e da intranet Comunicação, disseminação externa e promoção do projeto (e do transporte hidroviário em geral), através da criação e gestão do website e de publicações periódicas 42

43 AT8 Atividades de comunicação, disseminação Estrutura: 1) Tarefa 8.1 Criação e gestão da base de dados documental Criação e a gestão da base de dados de documentos durante a vida útil do projeto Biblioteca digital, onde os diversos parceiros e técnicos poderão partilhar documentos relevantes 2) Tarefa 8.2 Definição da estratégia de comunicação, consulta e promoção Visando à difusão do projeto do corredor multimodal do São Francisco, em diversos âmbitos Divulgar os diversos aspectos do projeto do corredor 43 multimodal, desde as suas fases iniciais de desenvolvimento

44 Conteúdos da apresentação 1) Contexto geral do projeto 2) Desafios 3) Objetivos do projeto 4) Estrutura técnica dos trabalhos 5) Estado atual dos trabalhos 6) Próximos produtos e eventos do projeto 44

45 Estado atual dos trabalhos A Fase de Diagnóstico Preliminar e Desenvolvimento Metodológico foram finalizadas durante o mês de Novembro: AT0 Diagnóstico preliminar e missão de reconhecimento Tarefa 0.1, pesquisa documental Realizada de Março a Outubro Tarefa 0.2, visitas de campo e reuniões com os agentes públicos e privados relevantes Missão realizada em Abril Tarefa 0.3, apresentação sumária dos resultados da fase de diagnóstico preliminar Relatório entregue em Novembro AT1 - Fase de desenvolvimento metodológico Tarefa 1.1 Definição do programa de trabalho e preparação do Relatório Metodológico Relatório entregue em Novembro 45

46 Estado atual dos trabalhos Desenvolvimento do corredor multimodal do rio São Francisco Assinatura do contrato Calendário de atividades Mês -1 Mês 0 Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 Mês 7 Mês 8 Mês 9 Mês 10 Mês 11 Mês 12 AT0 - Diagnóstico preliminar e missão de reconhecimento Tarefa Pesquisa documental (criação do Banco de Dados) Tarefa Visitas de campo e reuniões com os agentes públicos e privados relevantes Tarefa Apresentação sumária dos resultados da fase de diagnóstico preliminar AT1 - Fase de desenvolvimento metodológico Tarefa Definição do programa de trabalhos e preparação do Relatório Metodológico AT2 - Análise estratégica do corredor multimodal do rio São Francisco Tarefa Análise do enquadramento legal e institucional existente Tarefa Análise das redes de transporte (estado, gargalos, ligações em falta) Tarefa Análise dos fluxos de carga estratégicos inter e intra-regionais Tarefa Análise de cadeias logísticas para produtos selecionados Tarefa Relatório de síntese AT3 - Melhores práticas do transporte hidroviário e corredores multimodais Tarefa Interação com a sociedade, ambiente e usos alternativos dos recursos hídricos Tarefa Contributo dos corredores hidroviários e multimodais à integração regional Tarefa Modelos institucionais, de gestão, financiamento e preços Tarefa Questões operacionais do transporte hidroviário, interfaces modais Tarefa Incentivos e apoios para a transferência modal Tarefa Relatório de síntese AT4 - Visitas de campo, melhores práticas e cooperação internacional Tarefa Visitas de campo a corredores multimodais e hidroviários de sucesso Tarefa Programas de twinning e outros esquemas de colaboração AT5 - Opções estratégicas e táticas para o corredor multimodal do São Francisco Tarefa Avaliação das alternativas reais utilizando o pacote informático EIDOS Tarefa Estimativas de custos para um orçamento autônomo de 30 anos Tarefa Modelo institucional, estrutura e opções de financiamento Tarefa Relatório de síntese AT6 - Desenvolvimento do plano de ação para o corredor multimodal Tarefa Plano de Ação para o corredor multimodal Tarefa Metodologia de avaliação e seguimento da implementação do Plano de Ação AT7 - Coordenação interinstitucional e diálogo de políticas Tarefa Comitê Interinstitucional Permanente Tarefa Grupo Consultivo de Apoio (agentes públicos e privados) Tarefa Organização de conferências temáticas e workshops de políticas AT8 - Atividades de comunicação, consulta, disseminação e promoção Tarefa Criação e gestão da base de dados documental Tarefa Definição da estratégia de comunicação, consulta e promoção Tarefa Criação e gestão dos sítios de inter e intranet Tarefa Newsletters, material promocional, comunicados de imprensa R Início dos trabalhos das ATs 2 e 3 R M1 R R R R R P P P P P W R R R M2 E R R R R R M3 R W R M4 R R Marcos do projeto P Relatório de políticas / relatório técnico R Relatório R Relatório de síntese M Reunião do Comitê Interinstitucional Permanente E Reunião do Grupo Consultivo de Apoio (seminário EIDOS) W Conferências e workshops técnicos 46

47 São Francisco Multimodal Corridor Technical Assistance Internal Project Organizational Setup Communication Expert Database Specialist N.N. Project Management Unit Territorial Development/ Transport Corridor Expert, TTL Ralf Kaltheier Transport Economy, Multimodal Transport Experts Fernando Crespo Diu, Co-TTL Stephen Muzira Program Assistant, N.N. Team1: Natural Resources and Social issues Team 2: Regional Development and Transport Integration Thematic Expert Teams Team 3: Industrial Infrastructure and Logistics Team 4: Institutional, Legal, Regulatory, Budgeting Financing, PPP Water Resource Management/ Hydrology, Environmental Expert Erwin de Nys Carbon Trade Expert Chandra Shekhar Sinha Agriculture/ Agroindustry Expert Edward Bresnyan Social Expert Jason Paiement Regional Planning Expert Taimur Samad Inland Waterway and Ports Transport Expert N.N. Local IWT/ Corridor Expert N.N. Local Transport Infrastructure Expert (Road/Rail) N.N. Local Agroindustry Expert N.N. Supply Chain, Logistics, Trade Expert Tomas Serebrisky Quality Management Public Policy/ Financing/ PPP Expert Xavier Cledan Mandri- Perrott Local Public Management/ Legal Firm N.N. CMU Interface Country Director, Makhtar Diop SL- LCSSD, Sameh Wahba SL- LCSAR, Marc Lundell LCSAR, Ethel Sennhauser LCSEN, Karin Erika Kemper LCSSO, Maninder Gill LCSTR, Aurelio Menendez Lead Econmist, Jordan Schwartz Steering Committee LAC SD Cross-Sector Coordination Anchor Trade, Transport, Finance TWI, Jose Luis Irigoyen, Marc Juhel International Trade Department (PRMTR), Bernard Hoekman FEUFS Financial Solutions Unit, Pankaj Gupta

48 Conteúdos da apresentação 1) Contexto geral do projeto 2) Desafios 3) Objetivos do projeto 4) Estrutura técnica dos trabalhos 5) Estado atual dos trabalhos 6) Próximos produtos e eventos do projeto 48

49 Próximos produtos do projeto AT2 Análise estratégica do corredor multimodal do rio São Francisco 4 relatórios técnicos, tarefas 2.1 a 2.4: enquadramento legal e institucional, redes de transporte, fluxos estratégicos de cargas, estudo de cadeias logísticas Fev/Mar de 2012 Relatório Síntese Fev/Mar de 2012 AT3 Melhores práticas internacionais do transporte hidroviário e corredores multimodais 5 relatórios de políticas, tarefas 3.1 a 3.5: interação com meio ambiente, desenvolvimento regional, modelos de gestão e financiamento, interfaces modais, transferência modal Relatório Síntese Fev/Mar de

50 Calendário de eventos públicos previstos Janeiro de 2012: Ativação da webpage do projeto Março de 2012: Conferência de apresentação dos resultados das ATs 2 e 3 Workshop do programa informático EIDOS (tarefa 5.1) Junho de 2012: Conferência de apresentação do modelo de gestão e financiamento para o corredor multimodal Setembro de 2012: Conferência de apresentação do plano de desenvolvimento do corredor multimodal 50

51 Muito obrigado pela vossa atenção! Para mais informações: Ralf-Michael Kaltheier chefe de projeto Banco Mundial 1818 H Street, NW Washington, DC USA Telef:

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS Rio de Janeiro 11 de Dezembro de 2012 PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PSTM - Lei 12.187/2009,

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima - PSTM Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de

Leia mais

Corredores Multi- e Sincromodais no Brasil. Acordo de Cooperação - Brasil-Holanda

Corredores Multi- e Sincromodais no Brasil. Acordo de Cooperação - Brasil-Holanda Corredores Multi- e Sincromodais no Brasil Acordo de Cooperação - Brasil-Holanda Seminário Internacional em Navegação Interior e Transporte Multimodal Brasília, 08/05/2014 Apresentação Competência da ANTT

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

Experiência dos corredores da rede transeuropeia. Panteia. Gert-Jan Lindeboom

Experiência dos corredores da rede transeuropeia. Panteia. Gert-Jan Lindeboom Experiência dos corredores da rede transeuropeia Panteia Gert-Jan Lindeboom 11/09/2015 Conteúdos Breve apresentação da Panteia Corredores da rede transeuropeia de transportes: experiência da Panteia Da

Leia mais

Evolução do Conceito de Logística

Evolução do Conceito de Logística CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR DISCIPLINA: Logística, Transportes e Seguros DOCENTE: Dd. Alberto Possetti A PERÍODO: 2º SEMESTRE/2004 Evolução do Conceito de Logística

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO SUMÁRIO DO PROJETO Contexto geral do projeto: potencias benefícios Eixo de integração e desenvolvimento regional Corredor facilitador do comércio interno: produção

Leia mais

Projeto de Cooperação Técnica Internacional para o Desenvolvimento do Turismo da Região Centro-Oeste Brasil - Barcelona

Projeto de Cooperação Técnica Internacional para o Desenvolvimento do Turismo da Região Centro-Oeste Brasil - Barcelona Projeto de Cooperação Técnica Internacional para o Desenvolvimento do Turismo da Região Centro-Oeste Brasil - Barcelona Objetivo Geral O presente Projeto visa proporcionar ao Setor de Turismo da Região

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba

Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba TRANS 2015 VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA Iana Araújo Rodrigues Setembro 2015 Agenda Conceitos

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

WP Council 242/13 Add. 1

WP Council 242/13 Add. 1 WP Council 242/13 Add. 1 1 julho 2014 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 113. a sessão 22 26 setembro 2014 Londres, Reino Unido Atividades de rotina Programa de Atividades da Organização

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO 1 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA MUNDIAL Rotterdam (5) (1) (4) Porto do Itaqui (3) (2) Itaqui China (Shangai) (1) Via Canal Panamá ~ 12.000

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhores Ministros Senhores Embaixadores Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhora representante da Comissão

Leia mais

1ro ENCONTRO INTERINSTITUCIONAL DE SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO BRASIL-FRANÇA PLENÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA/RS -18 DE OUTUBRO DE 2012

1ro ENCONTRO INTERINSTITUCIONAL DE SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO BRASIL-FRANÇA PLENÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA/RS -18 DE OUTUBRO DE 2012 1ro ENCONTRO INTERINSTITUCIONAL DE SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO BRASIL-FRANÇA PLENÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA/RS -18 DE OUTUBRO DE 2012 A Cooperação ambiental Franco Gaúcha e as contribuições do Rio Grande

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínio Temático CI Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 11.2 Aprovado

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento de dirigentes públicos: A experiência da ENAP

Perspectivas para o desenvolvimento de dirigentes públicos: A experiência da ENAP Painel 05 - A Atuação das Escolas de Governo na inovação na Gestão Pública Congresso CONSAD de Gestão Pública, Brasília, 27 de maio de 2008 Perspectivas para o desenvolvimento de dirigentes públicos: A

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes)

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes) Processo nº1-project Manager Construction Company Engenheiro Civil para ser Gerente de Projetos - Experiência de 5 anos em empresas relevantes (construção); Alto nível de habilidades organizacionais e

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil Sistema Ferroviário: Estagnação ou Desenvolvimento? Alberto Castanho Ribeiro Porto, 21 de Maio de 2011 Estrutura 1. Evolução do Caminho de Ferro 2. Desafios

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias Referência: CPA-002-2006 Versão: 2.0 Status: Ativo Data: 24/maio/2006 Natureza: Aberto Número de páginas: 26 Origem: Revisado por: Aprovado por: GEOPI Grupo Gestor xxx Título: Orientações gerais aos Grupos

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 + competitivo + inclusivo + sustentável Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Santarém, 26 de setembro de 2014 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA SÃO TOMÉ E PRINCIPE PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA 1. FINALIDADE Os objectivos da ENDE de São Tomé e Príncipe são reforçar o SEN

Leia mais

Planejamento Estratégico INPE. São José dos Campos, 15 de março de 2007

Planejamento Estratégico INPE. São José dos Campos, 15 de março de 2007 Planejamento Estratégico INPE São José dos Campos, 15 de março de 2007 Fases e documentos FASE 1: Preparação e Lançamento do processo de Planejamento Estratégico Documento 1: Proposta de planejamento estratégico

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

REGULAMENTO SEMANA UEMG

REGULAMENTO SEMANA UEMG REGULAMENTO SEMANA UEMG Belo Horizonte, abril de 2015 0 SUMÁRIO CAPÍTULO I DA SEDE, DATA E DA INSTITUIÇÃO PROMOTORA... 2 CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA DA SEMANA UEMG... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012 CONTEXTO O setor de florestas plantadas no Brasil éum dos mais competitivos a nível mundial e vem desempenhando um importante papel no cenário socioeconômico do País, contribuindo com a produção de bens

Leia mais

AGÊNCIA DE MARKETING DE CONTEÚDOS - CATÁLOGO DE SERVIÇOS 2015 -

AGÊNCIA DE MARKETING DE CONTEÚDOS - CATÁLOGO DE SERVIÇOS 2015 - AGÊNCIA DE MARKETING DE CONTEÚDOS - CATÁLOGO DE SERVIÇOS 2015-1 2 INBOUNDWARE Somos uma Agência de Marketing de Conteúdos. Ajudamos as marcas a comunicar através de ferramentas online e offline. A nossa

Leia mais

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONSULTORIA COORDENADOR/A DE CAPACITAÇÃO 1. Antecedentes Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional O Projeto Cooperação Humanitária Internacional tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB)

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. SEMOB 2. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA 3. PPA DA UNIÃO 2012-2015 4. PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DAS COMUNIDADES LINDEIRAS A PARQUES EÓLICOS

A SUSTENTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DAS COMUNIDADES LINDEIRAS A PARQUES EÓLICOS BWP 2014 A SUSTENTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DAS COMUNIDADES LINDEIRAS A PARQUES EÓLICOS TARCÍSIO BORIN JUNIOR DIRETOR DE SUSTENTABILIDADE CPFL RENOVÁVEIS CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais