O mercado em disparada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O mercado em disparada"

Transcrição

1 8MERCADO 20 O mercado em disparada EM 20, O MERCADO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL ACELEROU O RITMO DE CRESCIMENTO, QUE JÁ HAVIA SURPREENDIDO EM 2009, NO PÓS-CRISE DO FINAL DO ANO ANTERIOR. É O QUE MOSTRAM OS NÚMEROS APURADOS PELO ANUÁRIO INFORMÁTICA HOJE 2011, JUNTO A 215 EMPRESAS LOCAIS E MULTINACIONAIS. ESSE EXPRESSIVO UNIVERSO, FORMADO POR FABRICANTES DE HARDWARE, DESENVOLVEDORES DE SOFTWARE, CANAIS DE COMERCIALIZAÇÃO E PRESTADORES DE SERVIÇO, OBTEVE UMA RECEITA LÍQUIDA TOTAL DE US$ 38,9 BILHÕES, EXPRESSIVOS 47,9% ACIMA DE EM REAIS, A RECEITA LÍQUIDA CRESCEU 29,3%, ATINGINDO R$ 68,7 BILHÕES. A DIFERENÇA SE EXPLICA PELA FORTE DESVALORIZAÇÃO DO DÓLAR FRENTE AO REAL NO ANO PASSADO: - 12,53%. MAIS DA METADE (56,3%) DO TOTAL DA RECEITA FOI GERADA POR EMPRESAS DE SERVIÇOS: US$ 21,9 BILHÕES, COM AVANÇO DE 54%, SUPERIOR PORTANTO AO DO CONJUNTO DO MERCADO. O SETOR DE HARDWARE, QUE REPRESENTA UM TERÇO DO MERCADO TOTAL DE TI, CRESCEU 40%, PARA US$ BILHÕES. JÁ O SOFTWARE (,4% DO MERCADO) EXPERIMENTOU EVOLUÇÃO DE 41% EM UM ANO, PARA US$ 4 BILHÕES. PAG_08_20_ABRE_PORTUGUES.indd 8 31// :22:01

2 9 Aavaliação setorial que a Brasscom Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação faz de 20 só confirma o otimismo gerado por esses números. Em seu estudo Brasil TI-BPO Book, , a entidade considera que a indústria brasileira de TI vive um momento virtuoso no contexto pós-crise e pósglobalização, e o país tem capacidade e excelência para dobrar o faturamento do setor e se tornar um dos cinco principais centros de TI em Chama atenção na publicação da entidade, o peso da TI in house (desenvolvimentos feitos pelas próprias empresas públicas e privadas) no mercado brasileiro total de TIC (tecnologias da informação e da comunicação). Pelos dados da empresa de consultoria e pesquisas IDC, esse mercado, em 20, movimentou algo como US$ 166 bilhões, dos quais nada menos do que 25% representaram iniciativas dentro de casa. Por outro lado, ainda segundo a IDC, as exportações de TI (sobretudo serviços) alcançaram tímidos US$ 2,4 bilhões, valor que pode aumentar 11% em Há que considerar, ainda, aponta a Brasscom, que o Brasil tem o 8º maior mercado de TIC do mundo: o setor responde por 8% do PIB. No BRIC, é o 2º maior, atrás da China. Em 20, foi o segundo país com as maiores taxas de investimento em TI; o 4º maior mercado de PCs do mundo; o 7º maior mercado interno de TIC do mundo. E, para aumentar em 50% o peso relativo do setor de TI no PIB, o país precisará incorporar cerca de 750 mil novos profissionais ao mercado, na próxima década. O ano de 20 foi bom, a indústria contou com crédito à vontade, se beneficiou com o fortalecimento da moeda, o bolso do consumidor esteve mais forte, resume Hugo Valério, diretor do grupo setorial de informática da Abinee Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Entre os efeitos positivos da valorização do real ele aponta a redução de custos dos componentes, ainda importados em larga escala pelo país. O consumo aquecido, observa, aumentou a demanda às empresas que, de seu lado, tiveram de investir na expansão da produção para atender aos mercados. É similar a análise feita pelo presidente da subsidiária brasileira da Microsoft, Michel Levy. Na avaliação dele, o mercado de TI cresceu, as empresas investiram: O exercício foi positivo para todos os segmentos de atuação da empresa. De acordo com Michel, a base de PCs é um bom indicador da vitalidade do mercado, em especial os segmentos das pequenas e médias empresas e o de consumo. E, a tomar o indicador de PCs como sinal, aparentemente não há nuvens carregadas no horizonte, de O mercado do Anuário Informática Hoje em 20 US$ 38,9 bilhões (receita líquida) Hardware 33,3% US$ bilhões Serviços 56,3% US$ 21,9 bilhões Software,4% US$ 4 bilhões PAG_08_20_ABRE_PORTUGUES.indd 9 31// :22:23

3 MERCADO dades da economia mundial, o crédito tende a ficar mais dificil, e o consumidor a protelar suas compras: Tivemos um primeiro semestre positivo, mas o consumidor se mostrou mais arredio, dando sinais de desconfiança. O cenário também foi pontuado por eventos importantes, como a desoneração dos tablets, o avanço do Plano Nacional de Banda Larga e o anúncio pelo governo federal do programa Brasil Maior. Hugo Valério cita, ainda a MP 540, que entra em vigor a partir de 1º de dezembro, desonerando os encargos sobre a folha de pagamentos para as empresas de serviços e de tecnologia: A medida é importante no quesito competitividade. Anderson Figueiredo, analista da IDC Brasil, aponta mais eventos que marcaram 20. Foi o primeiro ano em que o número de equipamentos móveis (netbooks, tablets, notebooks) produzidos superou o de desktops. Um caminho sem volta, diz ele. Problemas na economia global existem, o Brasil não é uma ilha, mas é a maré deles que está em baixa, comenta. Marca considerável da importância do mercado brasileiro é o fato de lançamen- acordo com os números anunciados pela IDC. Desde o ano passado, o segundo trimestre de 2011 foi o melhor em vendas de PCs na América Latina. Tal desempenho, acima do esperado, resultou da volta às compras pelas corporações, e das aquisições governamentais destinadas à área educacional. No trimestre encerrado em junho de 2011, foram vendidos 9,1 milhões de PCs na região, com destaque para os notebooks, que representaram 57% dos equipamentos comercializados. As empresas adquiriram quase 4 milhões de computadores (7,5% a mais do que no mesmo trimestre de 20). Diante desses resultados, a IDC refez, para cima, as projeções para as vendas de PCs em 2011: crescimento de 21,6%, face à previsão anterior de %. Contudo, o presidente da Microsoft Brasil pondera que ainda não está claro quais as eventuais consequências da volatilidade do dólar. Michel Levy, porém, tem certeza de que as empresas têm de ser mais produtivas e competitivas, e que TI é sinônimo de competitividade. De seu lado, Hugo Valério considera que, com as dificul- Evolução do mercado 30,1 28,7 (Receita em US$ bilhões) 25 38,9 20,1 26,3 17,3 25,3 14,8 11,9 12,4 21,8 8,6 17,7 15,1 Obs: A partir de 20, deixamos de publicar o valor da receita bruta, porque as maiores empresas do setor passaram a divulgar apenas sua receita líquida. PAG_08_20_ABRE_PORTUGUES.indd,3,9 7, , // :22:51

4 MERCADO 12 tos de produtos serem feitos simultaneamente aqui e nos Estados Unidos. Se 2011 será tão bom quanto 20, há divergências. Mas as opiniões convergem quando o assunto são os portáteis. Relatório do Gartner informa que a avassaladora onda de tablets e as dificuldades da economia enfraquecem as vendas de PCs. Por isso, reduziu seus prognósticos para o mercado global de PCs em 2011 e 2012: anteriormente, eram de avanço de 9,3% este ano e 12,8% no ano que vem. Previsões feitas em setembro indicavam crescimento de 3,8% em 2011, para 352 milhões de unidades, e,9% em 2012, para 404 milhões. Segundo o Gartner, na Europa, há excesso de PCs, enquanto a volta às aulas nos Estados Unidos foi decepcionante. Some-se a esse quadro, o fato de que a nova geração de consumidores tem uma nova visão de computação pessoal. Não é que o mercado de PCs vá acabar, mas a chegada dos tablets transformou radicalmente a dinâmica do mercado. No segundo trimestre de 2011, as vendas mundiais de tablets somaram 15,1 milhões de unidades, dos quais 9,3 milhões de ipads Apple, o equivalente a 61% do mercado global, segundo a Strategy Analytics. No mesmo mercado de PCs, nuvens de um lado, céu claro de outro. Desbancamos o Japão do terceiro lugar na venda de PCs. Estamos atrás dos Estados Unidos e da China, diz Anderson Figueiredo, da IDC. Os números: no ano passado, foram comercializados 14 milhões de PCs no Brasil, 16 milhões no Japão; neste ano, teremos 16 milhões no Brasil, 15 milhões no Japão. Essa diferença só aumentará, prevê. Mais do que objeto de bate-papo no mundo de TI, há bons indícios de que a computação em nuvem não se resumirá a mais um hype. Mesmo porque, opinam especialistas, ressalvadas algumas diferenças, sua operação e Rentabilidade das vendas líquida (% de empresas) 22,9 21,7 19,4 20,2 20,8 20,8 21,1 19,1 15,3 35,2 23,3 33,8 29, ,1 30,9 29,7 28,8 21,3 23,4 11,3 33,3 33,3 32,5 26, ,6 30,5 23,8,8 33,1 26,3 29,6 30,3 11,5 25, ,8,4 28,7 34,4 23,6 9, negativo 0 a 5% Universo: 157 empresas que enviaram informações de 5 a % acima de % Untitled :28:46

5 MERCADO 14 funcionalidade lembram mesmo os velhos e bons birôs de serviços. De acordo com o analista da IDC Brasil, o país já incorpora algo de cloud computing: 18% das médias e grandes empresas têm algo de cloud, seja na modalidade de software como serviço (SaaS), infraestrutura como serviço (IaaS) ou plataforma como serviço (PaaS). Quer dizer, clouds privadas, híbridas ou públicas. Segundo a IDC Brasil, a nuvem pública movimentará US$ 490 milhões até 2014, com crescimento de 66% ao ano até lá. No futuro próximo, também haverá explosão de smartphones, que se tornam cada vez mais plataformas de computação. Além do crescimento exponencial de aplicativos. Eis a métrica da rapidez: em 25 anos, foram feitos 70 mil aplicativos para os sistemas cliente-servidor, ao passo que, em cinco anos, foram desenvolvidos 1,4 milhão de aplicativos para smartphones. Dados não estruturados, produzidos pelos usuários, proliferam nas redes sociais, e as empresas têm de tratar essas informações sob pena de se dar mal. A mobilidade é o grande direcionador da nuvem, resume o analista da IDC Brasil. A computação em nuvem, aliás, faz sorrir fabricantes que nunca desdenharam dos mainframes, ou da centralização de dados, de volta a todo vapor. A Bull Latin America se sente muito à vontade nesse campo, entre outros motivos porque provê infraestrutura como serviço (IaaS). A base da cloud computing são grandes computadores, essencialmente máquinas para processamento paralelo, de altíssima potência, explica Alberto Lemos de Araújo, principal executivo da companhia: Com cloud, temos novamente os mainframes e a centralização de dados, nos quais serão realizados grandes investimentos. A exemplo do computador de 1,2 Petaflops que a Bull Retorno sobre patrimônio líquido (% de empresas) 24,6 9,7 50,3 46,9 9,8 18,9 20,2 19,7 19,2 19,2 57,7 61,4 56,9 56,4 59,2 48,6 50,3 14, ,8,9,7,4,8 17,8 16,6 17,5 11,4 19,2 19,3,4,8 8,6 8,8,4,2 54,6 15,6 19,4, ,5 11, negativo 0 a 5% Universo: 156 empresas que enviaram informações de 5 a % acima de % Untitled :29:42

6 MERCADO 16 forneceu ao Centro de Energia Atômica da França, cujo datacenter tem 5 mil metros quadrados. Detalhe: mais potência com menos consumo de energia. Tendo como negócio principal a terceirização de infraestrutura de TI, Victor Arnaud, diretor de marketing e processos da Alog, garante que, desde 20, a computação em nuvem se tornou uma realidade: Antes, de 300 ligações pedindo informações sobre nuvem, % efetivamente contratavam o serviço, porcentagem que subiu para 40%. A demanda é, sobretudo, para cloud integrada ao ambiente de TI que a empresa já tem, sem ruptura. Também pesam na balança pró-cloud fatores como a possibilidade de redução dos custos de TI, ganhos de rapidez no time-to-market, elasticidade operacional e facilidade de uso. Segundo a Frost&Sullivan, mais da metade das empresas de grande porte do país já utilizam alguma solução em cloud a maioria absoluta (70%) recorre à nuvem privada, 19% à pública, 11% à híbrida. Se são muitos os prós, a segurança é a grande pedra no caminho para a disseminação da cloud computing. O mercado muda, as tecnologias mudam, as empresas também mudam. O ano passado foi um período ao longo do qual a Itautec passou por um grande processo de transformação. Precisávamos botar a casa em ordem, conta o presidente Mario Anseloni. Nem por isso, porém, acrescenta, a receita e as vendas deixaram de ser favoráveis. Para o executivo, o exercício de 2011 se mostra interessante. Há demanda, sim, em especial no varejo, mas a competição é muito maior. Na avaliação de Anseloni, as empresas estão investindo menos, o governo e os grandes bancos colocaram o pé no freio das compras: Sentimos que há muito mais precaução, mais zelo quanto aos investimentos em tecnologia, o que resulta em ciclos mais longos de vendas. Anseloni sente que em todos os Lucro x Prejuízo (% de empresas) lucro prejuízo 78,3 77,4 75,8 82, ,5 88,1 87,0 84,3 87, ,7 22,6 24,2 17, ,5 11,9 1 12, Universo: 154 empresas que enviaram informações PAG_08_20_ABRE_PORTUGUES.indd 16 31// :24:29

7 MERCADO 18 setores consumidores o nível de confiança é menor: Os anos de 20 e 2011 são muito distintos. Para este exercício ele não espera mais do que um crescimento moderado. O cenário deve melhorar a partir do segundo semestre de 2012, a depender do cenário externo : Ainda somos grandes importadores de componentes eletrônicos. Dependemos da cadeia de suprimentos asiática. A cautela de Mario Anseloni não é gratuita, a considerar os prognósticos feitos em setembro pelo Banco Central para a economia brasileira em Segundo o BC, o crescimento do PIB não deve ir além dos 3,5%, meio ponto percentual abaixo de projeção anterior. Essa revisão reflete, principalmente, a deterioração do cenário internacional. E a evolução do PIB no segundo trimestre do ano foi sustentada pela demanda doméstica. O reduzido crescimento da produção industrial no início do terceiro trimestre sugere que esse processo terá continuidade. Ressalte-se, além disso, a piora nos indicadores de confiança, na margem, e a elevação recente dos níveis de estoques industriais, avaliou o BC. Para o setor industrial, a estimativa de crescimento para 2011 recuou de 4,2% para 2,3%, em função de revisões, para baixo, em todos os subsetores da indústria, de acordo com os respectivos desempenhos registrados no segundo e no início do terceiro trimestre do ano. No caso da indústria de transformação, a projeção diminuiu de 3,6% para 1,5%. Paralelamente, o Banco Central projeta queda nos investimentos e ligeira alta na inflação. No primeiro semestre, mesmo com uma desvalorização do dólar na casa dos 9%, o faturamento da indústria eletroeletrônica cresceu 11% na comparação com igual período de 20. Uma evolução positiva, mas que ficou abaixo das expectativas da indústria, segundo a Abinee. No segmento de componentes elétricos e eletrônicos, a receita obtida no mercado interno avançou em torno de 2%, enquanto as importações, medidas em reais, cresceram 4%, o que resultou na perda de participação no front doméstico. O esforço da indústria local para continuar no mercado pode ser verificado pelo comportamento dos preços recebidos. Conforme o IPP Índice de Preços ao Produtor, calculado pelo IBGE, os preços dos bens eletrônicos, no 1º semestre de 2011, em relação a igual período do ano passado, caíram 11%. Quanto aos dos elétricos, subiram 5%, fato que, na análise da entidade, demonstrou a dificuldade competitiva setorial, devido, tanto ao maior valor de agregação local nos produtos, quanto ao aumento dos preços dos insumos, notadamente commodities metálicas. O aumento dos investimentos produtivos e das condições favoráveis ao consumo (baixo nível de desemprego, aumento da massa salarial) não chegou a beneficiar integralmente a indústria eletroeletrônica, em função da dificuldade de competição imposta pela valorização cambial. De outro lado, o aumento no consumo teve forte influência no faturamento das áreas de informática e de telecomunicações. De janeiro a junho, as vendas de PCs cresceram 17% em relação a igual período de 20, para 7,46 milhões de unidades, um nível recorde, que colocou o país como o 3º mercado mundial de computadores pessoais. Aqui, a Abinee destaca a importância dos programas governamentais de inclusão digital, que estabeleceram redução dos impostos dos computadores e condições favoráveis de aquisição para públicos específicos. As vendas externas de produtos elétricos e eletrônicos cresceram 2% no primeiro semestre em relação a igual período de 20, para US$ 3,7 bilhões. Em reais, a variação foi negativa em 7%, frente ao crescimento de 11% do faturamento da indústria. No primeiro semestre, as exportações de componentes aumentaram 17%, para US$ 1,6 bilhão. As de informatica recuaram 8%, para US$ 194 milhões. As importações de componentes cresceram 15%, para US$,4 bilhões, e as de informática subiram 19%, para USS 1,6 bilhão. Para 2011, o faturamento esperado pela indústria eletroeletrônica é de R$ 4,9 bilhões, mais 8% na comparação com 20. O mercado interno continuará sendo o suporte para o crescimento do setor, uma vez que não se esperam alterações significativas nas exportações, diante da perspectiva de continuidade da valorização do real. Para a indústria de componentes, a expectativa é de um avanço de 5%, para R$ bilhões. Por outro lado, e pela mesma razão, analisa a Abinee, as importações devem continuar em expansão e aumentando a participação no mercado interno. PAG_08_20_ABRE_PORTUGUES.indd 18 31// :25:36

8 MERCADO 20 A evolução do mercado por segmento hardware 7,8 7,5,1 7,86,5 6,3 (Receita em US$ bilhões),7,1 7,5 6,5 6,3 3,7 3,8,7 9,4 4,1 4,1 3,7 3,8 6,7 6,7 5,5 8,7 6,6 6,6 5,5 9,4 8,78,3 8,3 3,2 3,4 3, ,2 3,4 3, (Receita em US$ bilhões) software 1,9 3,1 2,8 2,8 2,4 7,8 2 1,8,1 2,2 6,5 1,45 2,64,1 2,5 3,7 3,8 1,6 1,09 9,4 8,7 8,3 Receita líquida emdebilhões Receita líquida em bilhões dólares de dólares 6,6 6,7 1,7 4 2,8 2,1 2,05 1,7 7,5 6,3 1,2,7 5,5 3,2 3,4 3,6 1, serviços 17,2 14,9 7,8 (Receita em US$ bilhões) 6,3 12,1 6,5 3,7 3,8 5 4,3 3,7 4,7 9,4 8,3 15,1,1 5,5 21,9 4,1 8,4,7 7,5,3 6,7,1 8,7 6,6,9 3,2 3,4 3, ,3 4,6 3,8 3,3 4,2 5 Obs: A partir de 20, deixamos de publicar o valor da receita bruta, porque as maiores empresas do setor passaram a divulgar apenas sua receita líquida Untitled :50:48

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Itautec S.A. Grupo Itautec. Guilherme Pereira Diretor Administrativo e Financeiro CFO 07.03.2013

Itautec S.A. Grupo Itautec. Guilherme Pereira Diretor Administrativo e Financeiro CFO 07.03.2013 Itautec S.A. Grupo Itautec Guilherme Pereira Diretor Administrativo e Financeiro CFO 07.03.2013 Sumário Executivo a mudança no cenário macroeconômico do Brasil (desvalorização cambial, redução das taxas

Leia mais

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma 1 IDC - Equipe Pietro Delai Reinaldo Sakis João Paulo Bruder Luciano Ramos Gerente de Pesquisa e Consultoria -Enterprise Gerente de Pesquisa

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

É viável terceirizar o ambiente de backup de dados?

É viável terceirizar o ambiente de backup de dados? É viável terceirizar o ambiente de backup de dados? Na era da informação, o próprio nome sugere que o ativo mais valioso da organização são os dados que geram as informações. Em alguns casos esses dados

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Positivo Informática registra volume recorde de 442,5 mil PCs no 2T09

Positivo Informática registra volume recorde de 442,5 mil PCs no 2T09 Positivo Informática registra volume recorde de 442,5 mil PCs no 2T09 Curitiba, 23 de julho de 2009 A Positivo Informática S.A. (Bovespa: POSI3), maior fabricante de computadores do Brasil e líder no segmento

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Oportunidades de Patrocínio. cloudstackday. 12/02/2015 São Paulo. Auditório István Jancsó Universidade de São Paulo

Oportunidades de Patrocínio. cloudstackday. 12/02/2015 São Paulo. Auditório István Jancsó Universidade de São Paulo Oportunidades de Patrocínio 12/02/2015 São Paulo Auditório István Jancsó Universidade de São Paulo Situação do mercado brasileiro de TI O Brasil vive um déficit de mão-de-obra qualificada, especialmente

Leia mais

Positivo Informática registra volume de 425,7 mil PCs no 1T10, crescimento de 31,8%

Positivo Informática registra volume de 425,7 mil PCs no 1T10, crescimento de 31,8% Positivo Informática registra volume de 425,7 mil PCs no 1T10, crescimento de 31,8% Curitiba, 22 de abril de 2010 A Positivo Informática S.A. (BM&FBovespa: POSI3), maior fabricante de computadores do Brasil

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009 Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil 6 de outubro de 2009 1 Agenda Estado da Indústria Nacional de Informática Estímulos à Indústria Nacional

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

Marcelo Pereira Bergamaschi

Marcelo Pereira Bergamaschi Marcelo Pereira Bergamaschi Bergamaschi Graduado em Bacharelado em Matemática UNISANTA - 1986 Pós-graduado em Ciência da Computação UNISANTA - 1991 Pós-graduado em Sistemas de Informação UFU - 2002 Mestre

Leia mais

Apresentação Corporativa. Junho 2012

Apresentação Corporativa. Junho 2012 Apresentação Corporativa Junho 2012 Seção I Visão Geral do Negócio Positivo Informática: Uma História de Sucesso e Crescimento Tecnologia para as escolas no Brasil Forte posicionamento no Governo: preço,

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Coeficientes de Abertura Comercial

Coeficientes de Abertura Comercial Coeficientes de Abertura Comercial 4º trimestre de 2011 PEC Unidade de Política Econômica PAD Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Brasília, 19 de março de 2012 2ªDivulgação dos coeficientes

Leia mais

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 1 BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Celulose de Mercado Ao longo de 1999 e parte do ano 2000 os preços da celulose foram crescentes, num cenário de demanda aquecida

Leia mais

VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: BRASIL DATA: 26.05.14

VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: BRASIL DATA: 26.05.14 VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: BRASIL DATA: 26.05.14 VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: EMPRESAS DATA: 23.05.14 Varejo e siderurgia preparam-se para vendas mais fracas Por Renato Rostás e Tatiane Bortolozi

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Folha On Line - SP 24/08/2008 Dinheiro Online

Folha On Line - SP 24/08/2008 Dinheiro Online Folha On Line - SP 24/08/2008 Dinheiro Online Petrobras pode ter 10% do PIB em 2020 (ROBERTO MACHADO) O peso da Petrobras na economia brasileira pode dobrar na próxima década, chegando a cerca de 10% do

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Estado da Nação das TIC em Angola

Estado da Nação das TIC em Angola Estado da Nação das TIC em Angola CIO AGENDA ANGOLA 2013 AS TI TI COMO ALAVANCA DE CRESCIMENTO DO NEGÓCIO 21 de Maio, Hotel Sana Epic, Luanda Gabriel Coimbra General Manager, IDC Angola gcoimbra@idc.com

Leia mais

nos EUA, e a acentuada queda nos preços das memórias dinâmicas de acesso aleatório (conhecidas como D-Ram). Os PCs e outros equipamentos digitais

nos EUA, e a acentuada queda nos preços das memórias dinâmicas de acesso aleatório (conhecidas como D-Ram). Os PCs e outros equipamentos digitais TOSHIBA CORPORATION De origem japonesa, a Toshiba Corporation atua há mais de 120 anos na produção e venda de produtos eletrônicos dotados de alta tecnologia. Foi fundada em 1875 e desde então atende a

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Tendências da 3ª Plataforma de Tecnologia e Big Data

Tendências da 3ª Plataforma de Tecnologia e Big Data Tendências da 3ª Plataforma de Tecnologia e Big Data GUGST Maio 2014 Alexandre Campos Silva IDC Brazil Consulting Director (11) 5508 3434 - ( (11) 9-9292-2414 Skype: AlexandreCamposSilva Twitter: @xandecampos

Leia mais

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Desafios para a Expansão das Exportações de TI ENAEX 2011. Antonio Gil Presidente

Desafios para a Expansão das Exportações de TI ENAEX 2011. Antonio Gil Presidente Desafios para a Expansão das Exportações de TI ENAEX 2011 Antonio Gil Presidente São Paulo, Agosto 2011 Sobre a BRASSCOM VISÃO Posicionar o Brasil como um dos cinco maiores centros de TI do mundo. MISSÃO

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Perspectivas para o Setor de TI

Perspectivas para o Setor de TI Perspectivas para o Setor de TI Irecê Loureiro Maio / 2013 BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952: empresa pública de propriedade da União Papel fundamental como investidor em equityatravés da BNDESPare

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

Como se preparar para o fenômeno da Consumerização

Como se preparar para o fenômeno da Consumerização Como se preparar para o fenômeno da Consumerização Anderson B. Figueiredo Gerente Pesquisa & Consultoria IDC Brasil Agosto/2013 2 Presença em mais de 110 países ao redor do mundo; Mais de 1.000 analistas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Economia, Estado da Indústria e Perspectivas. Apresentação para: SIMPESC. Joinville Março de 2010

Economia, Estado da Indústria e Perspectivas. Apresentação para: SIMPESC. Joinville Março de 2010 INDÚSTRIA PETROQUÍMICA E DE PLÁSTICOS Economia, Estado da Indústria e Perspectivas Apresentação para: SIMPESC Joinville Março de 2010 MaxiQuim Assessoria de Mercado Criada em 1995 Base em Porto Alegre

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

Otimismo desenvolvedoras de softwares

Otimismo desenvolvedoras de softwares Otimismo nas nuvens Ambiente favorável alavanca negócios das empresas desenvolvedoras de softwares, que investem em soluções criativas de mobilidade e computação em nuvem para agilizar e agregar flexibilidade

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

04 de maio de 2015. A Carteira Dinâmica apresentou valorização de 5,03% em abril, acumulando alta de 5,24% em 2015

04 de maio de 2015. A Carteira Dinâmica apresentou valorização de 5,03% em abril, acumulando alta de 5,24% em 2015 A apresentou valorização de 5,03% em abril, acumulando alta de 5,24% em 2015 Período: 04/05 a 08/05 Com base em análises fundamentalistas, apresentamos alternativas de investimento no curto prazo. Acreditamos

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

Mercado projeta crescimento sólido

Mercado projeta crescimento sólido Indicadores Mercado projeta crescimento sólido Receitas de serviços de Marketing Direto em 2009 atingem R$ 21,7 bilhões e crescem 11,3% com relação ao ano anterior. Projeção do mercado é de evolução de

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Posicionando-se para o futuro da computação em nuvem no Brasil

Posicionando-se para o futuro da computação em nuvem no Brasil Posicionando-se para o futuro da computação em nuvem no Brasil A parceria estratégica global estabelecida entre a Capgemini e a EMC acelera o desenvolvimento e o fornecimento de soluções de última geração

Leia mais

XP FIA BDR NÍVEL 1. Análise do Trimestre

XP FIA BDR NÍVEL 1. Análise do Trimestre XP FIA BDR NÍVEL 1 O XP FIA BDR NÍVEL I é um Fundo de Ações que tem como objetivo proporcionar ganhos de capital no longo prazo a seus cotistas, através de gestão ativa no mercado acionário internacional,

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

FRATTINI. Associados. Econômico. Agosto/14

FRATTINI. Associados. Econômico. Agosto/14 Agosto/14 Sumário ECONOMIA MELHORES & MAIORES 2014 ECONOMIA Inflação PIB Fonte: Veja, Julho 2014 Fonte: Veja, Julho 2014 Inflação Inflação continua preocupando em 2015. Fonte: Itaú BBA, Julho/14 Inflação

Leia mais

SUPORTE DA TI A MELHORIA DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

SUPORTE DA TI A MELHORIA DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL SUPORTE DA TI A MELHORIA DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Referência Tecnologia da Informação para Gestão : Transformando os negócios na Economia Digital. Bookman, sexta edição, 2010. 2 FAZENDO NEGÓCIOS NA

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível Crise? Como sua empresa lida com os desafios? Essa é a questão que está no ar em função das mudanças no cenário econômico mundial. A resposta a essa pergunta pode determinar quais serão as companhias mais

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior Es ecial Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior MARCELO SAKATE economia brasileira atingiu

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

Tendências Dominantes na Apropriação de Tecnologias de Informação e Comunicação por Organizações Brasileiras. Raul Colcher raul.colcher@questera.

Tendências Dominantes na Apropriação de Tecnologias de Informação e Comunicação por Organizações Brasileiras. Raul Colcher raul.colcher@questera. Tendências Dominantes na Apropriação de Tecnologias de Informação e Comunicação por Organizações Brasileiras Raul Colcher raul.colcher@questera.com Fonte: ABES, 2013 Mercado Brasileiro de TI Os últimos

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014. São Paulo, 12 de fevereiro de 2015

Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014. São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 Ressalva sobre declarações futuras Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015 Resultados 1T15 08 de maio de 2015 2 Principais destaques do 1T15 Crescimento da receita líquida de 23%, sendo de 2 dígitos em todas unidades de negócio no comparativo ano vs. ano, favorecidas por 83%

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais