Certificação - Software Embarcado -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Certificação - Software Embarcado -"

Transcrição

1 Certificação - Software Embarcado - CTA IFI - CAvC ESW Set 2005

2 Tópicos Referências Siglas Introdução Descrição Conformidade Integração RCE Contexto de Atuação Casos Reais / Conclusão Informações Adicionais CTA-IFI-CAvC-ESW 2

3 Referências AC B Document RTCA/DO-178B AC Document RTCA/DO-254, Design Assurance Guidance for Airborne Electronic Hardware FAA Order b Type Certification FAA Order Software Approval Guidelines FAR/RBHA Equipment, Systems and Installations FAA JOBAID Rev 1 CTA-IFI-CAvC-ESW 3

4 Referências RTCA DO-178B - Software Considerations in Airborne Systems and Equipment Certification RTCA DO-200A - Standards for Processing Aeronautical Data. RTCA DO Design Assurance Guidance for Airborne Electronic Hardware RTCA DO Requirements Specification for Avionics Computer Resource (ACR) SAE ARP4754 Certification Consideration for Highly Integrated or Complex Aircraft Systems CTA-IFI-CAvC-ESW 4

5 Siglas CIA Change Impact Analysis CRI Certification Review Item DA Diretriz de Aeronavegabilidade DO Document FAA Federal Aviation Administration FAR Federal Aviation Regulation FCAR Ficha de Controle de Assuntos Relevantes IP Issue Paper CTA-IFI-CAvC-ESW 5

6 Siglas PSAC Plan of Software Aspects of Certification RBHA Requisito Brasileiro para Homologação Aeronáutica RCE Representante Credenciado de Engenharia RTCA Radio Technical Commission for Aeronautics SAS Software Accomplishment Summary SCI Software Configuration Index SDD Software Design Document CTA-IFI-CAvC-ESW 6

7 Introdução RCE Por serem considerados representantes da CAvC, os RC devem nortear-se pelos mesmos requisitos, instruções, e interpretações utilizadas pelos funcionários da FDH, assim como pelos procedimentos descritos nos MPH aplicáveis. (item 1.9 do Cap 1 do MPH 110). OBS: Visitar o endereço abaixo para informações sobre RCEs: CTA-IFI-CAvC-ESW 7

8 Introdução Histórico: A preocupação com o software embarcado surgiu na década de 80 Aumento do uso de software nos sistemas eletrônicos e motores Necessidade das empresas em cumprirem com a aeronavegabilidade Evolução: ED-35 (1980) -> DO-178 (1982) -> DO-178A (1985) > DO-178B (1992) Em estudo a DO-178C (previsão 2008) CTA-IFI-CAvC-ESW 8

9 Introdução Base Legal: Diferentemente dos sistemas elétricos, mecânicos, etc, o software não possui um requisito, como os inseridos nos RBHA/FAR 23, 25, 27, 29 e 33 (23/25/27/ ) exceto para o 33.28(e) Reunião Preliminar CTA FCAR (FAA IP/ EASA CRI / TCCA IP) Normas do fabricante (aceitas pelas Autoridades) RTCA DO-178B / ED-12B CTA-IFI-CAvC-ESW 9

10 Introdução Características do software: Não está sujeito aos problemas de hw: Degradação ou envelhecimento por ação do tempo Probabilidade de Falhas Interferências internas/externas Variações conforme o meio/ambiente utilizado Comportamento indesejável / intermitente Parar de responder a comandos Obsolescência (componentes descontinuados) CTA-IFI-CAvC-ESW 10

11 Descrição Fluxo de Certificação de Software Aplicação Reunião Preliminar SW Certif? S FIM S Aprovado? 1 N Reunião Setorial N Ensaios (sistemas) Define Atividades 1 Requer Auditoria? N Define Envolvim (FAA Jobaid) S CTA-IFI-CAvC-ESW 11

12 Descrição - Aplicação Carta: Define a data para aplicação da base de certificação Define requisitos publicados e em vigor até essa data Define documentos diversos que serão utilizados no processo de certificação Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 12

13 Descrição Reunião Preliminar Reunião Geral: Apresentação dos sistemas Apresentação da base de certificação Apresentação das atividades Apresentação do cronograma das atividades principais Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 13

14 Descrição Reunião Setorial Apresentação específica dos sistemas de software Desenvolvimento Certificado Modificado TSO (Sistema HW/SW) Apresentação do cronograma das atividades de software Plano Certif. SW Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 14

15 Descrição Define Atividades Plano de Certificação Delegações (RCEs) Condições Especiais (FCAR) Relatórios (Certificação e Desenvolvimento) Envolvimento (auditorias) Créditos Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 15

16 Descrição SW Certificado? Plano de Certificação Análise de Falhas Redundância Funcionalidades Integração Critérios Utilizados Normas Condições Especiais Histórico em Serviço (BS e AD) Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 16

17 Descrição Requer Auditoria? Plano de Certificação Desenvolvimento Complexidade/Novidade Outras Autoridades Análise de Falhas Condições Especiais (FCAR) Existentes Novos Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 17

18 Descrição Define Envolvimento JOBAID Define Etapas (DO-178B) SOI#1 - Planejamento SOI#2 Desenvolvim. SOI#3 Teste e Verificação SOI#4 - Revisão Envolvimento com outras Autoridades e DER/RCEs Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 18

19 Descrição Define Envolvimento Estabelece Plano e Agendas de Trabalho Desktop review On site review Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 19

20 Descrição - Envolvimento Preocupações: Rastreabilidade Controle de Configuração Procedimentos Integração Particionamento Modificação pelo usuário Manutenção Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 20

21 Descrição - Envolvimento Preocupações: Ferramentas Monitores Desenvolvimento prévio Processadores Dissimilaridade Uso da CPU Interações entre níveis Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 21

22 Descrição Auditoria & Certif Documentos (conforme DO-178B): Documentos submetidos para Certificação: PSAC: plano de certificação, descrição do sistema, métodos de desenvolvimento, ferramentas, etc SCI: identifica produto, código, ciclo de vida, software previamente desenvolvido, check de integridade, etc SAS: diferenças com PSAC, identificação, modificações, características (memória, limites), problemas não resolvidos, etc CTA-IFI-CAvC-ESW 22

23 Descrição Auditoria & Certif Outros (apoio às auditorias): SW Verification Plan SW Development Plan SW Config Management Plan SW Quality Assurance Plan Standards for SW Development Safety Assessment SW Requirements Data SW Design Description CTA-IFI-CAvC-ESW 23

24 Descrição Auditoria & Certif Outros (apoio às auditorias) cont.: Source Code SW Verification Results Problem Reports SW Config Management Records SW Quality Assurance Records SW Verification Cases and Procedures SW Conformity Records SW Life Cycle CTA-IFI-CAvC-ESW 24

25 Descrição Auditoria & Certif Etapa 1 - Planejamento (JOBAID) Deve atender: Requisitos de Sistemas - funcionalidades Análise de Segurança criticalidade A (10-9 ): Catastrófico afeta vôo/pouso seguro B (10-7 ): Severo reduz capacidade da aeronave C (10-5 ): Major reduz a operação da aeronave D (<10-5 ): Minor não reduz significativamente operação da aeronave E (<10-3 ): Sem efeito - não afeta operação da aeronave Condições especiais (FCAR, IP, CRI, etc) Processos CTA-IFI-CAvC-ESW 25

26 Descrição Auditoria & Certif Etapa 2 - Desenvolvimento (JOBAID) Utilização de linguagens de programação / compiladores (C, C++,ADA) Ferramentas de Desenvolvimento e Testes Controle de Revisão/Configuração Procedimentos Condições especiais (FCAR, IP, CRI, etc) CTA-IFI-CAvC-ESW 26

27 Descrição Auditoria & Certif Etapa 3 - Testes (JOBAID) Validam: Requisitos de software (sistemas) Integração SW-HW (sistema e aeronave) Aeronave Safe for Flight Condições especiais (FCAR, IP, CRI, etc) Ferramentas: Estações de trabalho Simuladores Processos Problemas CTA-IFI-CAvC-ESW 27

28

29 Descrição Auditoria & Certif Etapa 4 - Revisão (JOBAID) Deve verificar: Cumprimento com objetivos iniciais (DO-178B, Minutas de Reuniões, etc) Solução para os itens abertos: Findings DO-178B Sistema / Requisito Problem Reports / Change Request Abertos Auditoria CTA-IFI-CAvC-ESW 29

30 Conformidade - Instalação Objetivos: Garantir que o software aprovado, esteja na mesma configuração/versão na aeronave Cumprimento com o planos, normas e requisitos Rastrear configurações, em caso de incidentes ou acidentes Verificar ambiente de ensaio (RIG, Simulador, Aeronave, Laboratório, etc) Estabelecer uma configuração certificável Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 30

31 Conformidade - Instalação Métodos: P/Ns Convencionais: identificação no próprio equipamento P/Ns Eletrônicos: display, laptop ou equipamento de suporte Fluxo de Certificação de Software Para ambos os métodos, deve ser utilizada documentação técnica aprovada (SAS, DDP ou outros, conforme acordado com o fabricante) CTA-IFI-CAvC-ESW 31

32 Integração SW/HW Sis/ANV Objetivo: Verificar que o mesmo, quando integrado a outros sistemas, funciona corretamente (requisto de sistema / aeronave áreas multidisciplinares) Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 32

33 Integração SW/HW Aprova Requisitos de sistemas atendidos Desvios não afetam segurança Limitações conhecidas (Manual de Vôo) PSAC, SCI e SAS aprovados TSO Silver/Black Label Fluxo de Certificação de Software CTA-IFI-CAvC-ESW 33

34 Integração SW/HW Obs Durante Desenvolvimento Red Label (completo, parcial) Controle de Configuração e Conformidade -> SAS/SCI Ensaios (definição das partes/módulos) Reportar ajustes, correções Evolução (análise, controle de configuração, etc) Pós aprovação ( Silver/Black Label ) CIA (software, sistemas e aeronave) PSAC, SAS, SCI CTA-IFI-CAvC-ESW 34

35 RCE Contexto de Atuação Elo entre a CAvC e Empresa Coordenar e planejar atividades Propor procedimentos Interagir com outras áreas de sistemas Analisar/aprovar relatórios Acompanhar e identificar pontos críticos e/ou impactos para certificação CTA-IFI-CAvC-ESW 35

36 RCE Contexto de Atuação Acompanhar reuniões técnicas Testemunhar ensaios Participar do loop : BS, DCA, OE, MMEL, AFM, Conformidade, Ensaios Reportar atividades mensalmente CTA-IFI-CAvC-ESW 36

37 RCE Contexto de Atuação Req. CAcV / ESW AUTORIDADE RCE líder REQUERENTE RCE PRP RCE LDG RCE INT RCE AVC RCE AMS RCE ELS RCE FCS RCE AFCS RCE FUE CTA-IFI-CAvC-ESW 37

38 RCE Contexto de Atuação Aut CAcV / ESW AUTORIDADE RCE REQUERENTE Empresa CTA-IFI-CAvC-ESW 38

39 Casos Reais 1/2 tories.html (exemplos abaixo) Ariane 5 Explodes After Lift-Off - Software error in the inertial guidance system; 500 scientists spent more than 10 years and $500 million to develop the Cluster satellites, which now are lost. Air Canada Boeing 767 Crash Lands - Wrong units caused flaw in fuel calculation; all people survived. Nose of plane severely damaged. Plane was later repaired DC-8 Cargo Plane Crashes - Wrong unit caused flaw in calculating the power supply to the engines; 3 dead CTA-IFI-CAvC-ESW 39

40 Casos Reais 2/2 Airbus A320 Crashes - Pilot pushed the wrong button, setting the plane's engines on idle; 2 people killed Another Airbus A320 Crashes - Confusing interface causes pilots to mistake flight-pathangle for vertical speed modes of descent; 87 people killed. U.S.S. Vincennes Shoots Down Passenger Airliner - Inadequate Aegis interface does not display altitude information; 290 people killed. CTA-IFI-CAvC-ESW 40

41 Conclusão O processo de certificação de software visa, sumariamente, verificar/validar a implementação dos requisitos de software, provenientes dos requisitos de sistemas. Não tem por objetivo verificar se os mesmos requisitos são, ou não, adequados. CTA-IFI-CAvC-ESW 41

42 Informações Adicionais links: pprovals/air_software/ livros: Arquitetura de Software (Mendes, Antônio) Engenharia de Software (Pressman, Roger) CTA-IFI-CAvC-ESW 42

43 Informações Adicionais ESW: Criada em Out/2002 Equipe: Edson Cury Benedito M. S. Mário Márcio Célio Oliveira Tel.: 0xx Fax: 0xx CTA-IFI-CAvC-ESW 43

Safety Ariane 5 European Space Agency(ESA) - 1996

Safety Ariane 5 European Space Agency(ESA) - 1996 Realização Apoio Patrocínio Qualificações de Software para VANTs: Visão geral da RTCA DO-178B Marina Mendonça Natalino Zenun Motivação Uso crescente e Complexidade Tecnologia está mudando rapidamente Tem

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência-Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO ENSAIOS DE CERTIFICAÇÃO MPH-800 AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

Leia mais

TRATAMENTO DE DEAD CODES EM SOFTWARE DE USO AERONÁUTICO

TRATAMENTO DE DEAD CODES EM SOFTWARE DE USO AERONÁUTICO TRATAMENTO DE DEAD CODES EM SOFTWARE DE USO AERONÁUTICO Renner Costa Martins 1, Sergio Roberto Matiello Pellegrino 2, Jony Santellano 3 1 ITA, Praça Marechal Eduardo Gomes, 50, São José dos Campos, São

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 91-002 Aprovação: Portaria nº 2471/SPO, de 17 de setembro de 2015. Assunto: Uso de informação aeronáutica em formato digital - Electronic Flight Bag (EFB). Origem: SPO 1.

Leia mais

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice Gerência de Programas Gerência de Engenharia Gerência de Regulamentação Gerência de Inspeção e Produção 01 REUNIÃO DE FAMILIARIZAÇÃO Reunião para estabelecer parceria com o requerente. É uma oportunidade

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL AERONAVE EA500 (ECLIPSE AEROSPACE INC., ICAO EA50) RIO DE JANEIRO, BRASIL ORIGINAL OUTUBRO, 2012 ANAC, Rio de Janeiro, Brasil 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 2. RESUMO DESCRITIVO

Leia mais

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS CIRCULAR DE INFORMAÇÃO Assunto: CONTROLE DE FORNECEDOR PELO FABRICANTE AERONÁUTICO 1 - OBJETIVO Data:

Leia mais

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Rogério Possi Junior Engenheiro de Aeronavegabilidade Continuada Agência Nacional de Aviação Civil Palavras Chave: Aeronavegabilidade, Dificuldades em Serviço, Segurança

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência-Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO APROVAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS, EXCETO AERONAVES, MOTORES DE

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-200 Revisão 02

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-200 Revisão 02 Assunto: MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-200 Revisão 02 CERTIFICAÇÃO DE PROJETO DE TIPO BRASILEIRO Revogação: Esta revisão substitui a revisão 01, de 11 de maio de 2009. Este MPR contém as informações necessárias

Leia mais

O novo requisito 25.1302

O novo requisito 25.1302 O novo requisito 25.1302 Homero Montandon Piloto de Ensaio em Voo Agência Nacional de Aviação Civil Palavras Chave: Segurança de Voo, Erro Humano, Requisito de Aeronavegabilidade, Certificação de Aeronave.

Leia mais

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal.

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL ANAC GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS GGCP PROCESSOS DE HOMOLOGAÇÃO SUPLEMENTAR DE TIPO (HST) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Nota: As informações apresentadas

Leia mais

Nota: Para obter o texto do FAR Part 31, acesse: http://ecfr.gpoaccess.gov/cgi/t/text/text-idx?&c=ecfr&tpl=/ecfrbrowse/title14/14tab_02.

Nota: Para obter o texto do FAR Part 31, acesse: http://ecfr.gpoaccess.gov/cgi/t/text/text-idx?&c=ecfr&tpl=/ecfrbrowse/title14/14tab_02. RBHA 31 RBHA 31 REQUISITOS DE AERONAVEGABILIDADE. BALÕES LIVRES TRIPULADOS ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 31, APROVADO PELA PORTARIA Nº 288/DGAC DE 6 DE AGOSTO DE 1990, PUBLICADA NO DOU DE 04 DE SETEMBRO

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Norma NBR de Diretrizes para a Integração do SGSO com outros Sistemas

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 8 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 8-17/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência-Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO VALIDAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO DE TIPO DE MOTORES E HÉLICES IMPORTADOS

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM FEV/08 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

Engenharia de Sistemas de Computador

Engenharia de Sistemas de Computador Engenharia de Sistemas de Computador Sistema é um conjunto ou disposição de elementos que é organizado para executar certo método, procedimento ou controle ao processar informações. Assim, o que é um Sistema????????

Leia mais

INSPEÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS AERONÁUTICOS

INSPEÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS AERONÁUTICOS AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos INSPEÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS AERONÁUTICOS MPH-310 AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência

Leia mais

Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: O que um BIAC faz?

Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: O que um BIAC faz? Proposta de Criação e Gerenciamento do documento Boletim Informativo de Aeronavegabilidade Continuada BIAC Ph.D. Eng. Renato Crucello Passos Grupo de Aeronavegabilidade Continuada PAC Agência Nacional

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS Aprovação: Resolução nº 87, de 11 de maio de 2009, publicado no Diário Oficial da União N 88, S/1, p. 145, de 12/05/2009. Assunto: Publicações técnicas: obtenção, controle e

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM ABR/07 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos -

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - - A VEM - A VARIG ENGENHARIA E MANUTENÇÃO - VEM é uma empresa especializada em manutenção

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

http://127.0.0.1:8080/cgi-bin/wxis.exe?isisscript=phl82/033.xis&campo=titulo&opc=i...

http://127.0.0.1:8080/cgi-bin/wxis.exe?isisscript=phl82/033.xis&campo=titulo&opc=i... Página 1 de 114 Instituto Federal de São Paulo - Campus São Carlos Inventário do acervo Relatório emitido em: 17-01-2013 Nota: Clicando sobre o nome de cada coluna é possível alterar a ordem de seus elementos.

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR

CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR C.T.I. 99-01 - EDICÃO 1 ASSUNTO: CERTIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE NAVEGAÇÃO GPS EM HELICÓPTEROS OPERANDO EM CONDIÇÕES IFR EM ROTA E ÁREA TERMINAL INCLUINDO

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Página 1 de 5 Page 1 of 5 Data de validade: Validity date: Solicitante: Applicant: Equipamento elétrico: Electrical apparatus: Tipo de proteção: Type of protection: 12-05-2018 Excel Produtos Eletrônicos

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Página 1 de 5 Page 1 of 5 Data de validade: Validity date: Solicitante: Applicant: Equipamento elétrico: Electrical apparatus: Tipo de proteção: Type of protection: Marcação: Marking: 20-05-2016 PR Electronics

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

2º Encontro GE-SP ITIL 05.03.2005

2º Encontro GE-SP ITIL 05.03.2005 ITIL (IT Infrastructure Library) ITIL - Information Technology Infrastructure Library Uma Introdução 2º Encontro GE-SP ITIL 05.03.2005 05/03/2005 GE-SP ITIL 1 Apresentadores Carlos Teixeira - Automidia

Leia mais

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA TELEFONE 218423500 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 03/06 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA 22 de Janeiro FAX 218410612 ais@inac.pt Qualificação

Leia mais

Auditoria de organizações prestadoras de serviços

Auditoria de organizações prestadoras de serviços QSP Informe Reservado Nº 63 Outubro/2006 Auditoria de organizações prestadoras de serviços Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado

Leia mais

Nota de Aplicação Como utilizar o controlador HX como conversor CODI ABNT para MODBUS RTU ou TCP / IP

Nota de Aplicação Como utilizar o controlador HX como conversor CODI ABNT para MODBUS RTU ou TCP / IP Nota de Aplicação Como utilizar o controlador HX como conversor CODI ABNT para MODBUS RTU ou TCP / IP É utilizar os controladores HX600 / 900 / 901 como conversor CODI ABNT para MODBUS. Schneider Electric

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 135.21-001 Aprovação: Assunto: Portaria nº 1.631/SAR, de 16 de agosto de 2012, publicada no Diário Oficial da União N 160, Seção 1, página 3, de 17 de agosto de 2012. Instruções

Leia mais

Brazilian airworthiness regulation perspectives

Brazilian airworthiness regulation perspectives Brazilian airworthiness regulation perspectives Roberto Honorato ICAO & LACAC UAS SEMINAR - 2012 Regulatory Framework LAW Law 7.565/86 Law 11.182/05 General provisions RBAC Regulamentos Brasileiros de

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL DIVISÃO DE AERONAVEGABILIDADE E ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL DIVISÃO DE AERONAVEGABILIDADE E ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL DIVISÃO DE AERONAVEGABILIDADE E ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL - NORMATIVA IAC 3152 CADERNETAS DE

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

Aeronavegabilidade Continuada. O modelo Embraer. 20 de Agosto de 2009. Rafael Gustavo Fassina Marques

Aeronavegabilidade Continuada. O modelo Embraer. 20 de Agosto de 2009. Rafael Gustavo Fassina Marques Aeronavegabilidade Continuada O modelo Embraer 20 de Agosto de 2009 Rafael Gustavo Fassina Marques Fonte: Arquivo Embraer Aeronavegabilidade Continuada Objetivo Apresentar os conceitos, definições e atividades

Leia mais

O que é Homologação?

O que é Homologação? O que é Homologação? Em relação a produto aeronáutico, significa a confirmação, pela autoridade competente, de que o produto está em conformidade com os requisitos estabelecidos pela autoridade aeronáutica;

Leia mais

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE Rev. Abril 2011 1 1 - Objetivo Orientar o fornecedor requerente

Leia mais

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com Co-simulação gráfica André Pereira Gerente de Marketing Técnico A revolução da energia digital Meça(Entenda o problema) Adquira Analise Apresente Implemente Prototipe Melhore(Crie soluções) Projete 2 NI

Leia mais

Luiz Fernado Rust Especialista Senior Inmetro Brasil

Luiz Fernado Rust Especialista Senior Inmetro Brasil Luiz Fernado Rust Especialista Senior Inmetro Brasil 19 a 21 de outubre de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Agenda Processo de Homologação de Medidores Centralizados Demandas Controle metrológico

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 8 Favor colocar

Leia mais

Teste de Software. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Laboratório de Programação http://wylliams.wordpress.com

Teste de Software. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Laboratório de Programação http://wylliams.wordpress.com Teste de Software Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Laboratório de Programação http://wylliams.wordpress.com Agenda Fundamentos do Teste de Software Porque é necessário testar? O que é

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-5 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Serviços Gerenciados de Segurança de perímetro Firewall Dell SonicWALL

Serviços Gerenciados de Segurança de perímetro Firewall Dell SonicWALL 1/8 Serviços Gerenciados de Segurança de perímetro Firewall Dell SonicWALL www.alertasecurity.com.br +55 11 3105.8655 2/8 SUMÁRIO Visão Geral: Porque contratar os Serviços Gerenciados da Alerta Security

Leia mais

Estudo e Definição de uma Metodologia de Teste de Software no Contexto de Sistemas Embarcados Críticos

Estudo e Definição de uma Metodologia de Teste de Software no Contexto de Sistemas Embarcados Críticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA JACSON RODRIGUES BARBOSA Estudo e Definição de uma Metodologia de Teste de Software no Contexto de Sistemas Embarcados Críticos Goiânia 2011 UNIVERSIDADE

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Gestão de Mudanças na BASF. Werner E. Kleiber

Gestão de Mudanças na BASF. Werner E. Kleiber Comissão Segurança de Processo - Abiquim Werner E. Kleiber Por que a Gestão de Mudanças é tão importante? Requerido para todos os sites da BASF pelo Sistema de Gestão Atuação Responsável - RCMS (Responsible

Leia mais

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A.

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Este RBHA-E deve ser colocado junto ao RBHA 121 e revoga o RBHA-E 92 Este arquivo contém o texto do RBHA-E 92A no formato

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 4 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol 2 ICMP Internet Control Message Protocol IP funciona

Leia mais

Organização Brasileira para o Desenvolvimento da Certificação Aeronáutica

Organização Brasileira para o Desenvolvimento da Certificação Aeronáutica SISTEMAS DEGERENCIAMENTO ERENCIAMENTO DASEGURANÇA OPERACIONAL PERACIONAL(SGSO) SAFETYMANAGEMENTSYSTEMS(SMS) 2º Simpósio de Segurança de Vôo 31/julho/2009 APRESENTADOR: JOSÉ LUIZ ROCHA BELDERRAIN Formado

Leia mais

Testes de Software Fases. Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins

Testes de Software Fases. Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins Testes de Software Fases Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins Tópicos Testes de Unidades Testes de Integração Testes de Aceitação e de Sistemas Testes de Regressão Testes de Unidades Visam

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

Introdução a Engenharia de Software. Alterações na aula do Prof. Reinaldo Bianchi Alterado por: Antonio Carlos Souza ADS - IFBA

Introdução a Engenharia de Software. Alterações na aula do Prof. Reinaldo Bianchi Alterado por: Antonio Carlos Souza ADS - IFBA Introdução a Engenharia de Software Alterações na aula do Prof. Reinaldo Bianchi Alterado por: Antonio Carlos Souza ADS - IFBA Bibliografia Engenharia de Software, Roger Pressman, Makron Books: o mais

Leia mais

18 JUL 2003 IAC 121-1001 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

18 JUL 2003 IAC 121-1001 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !" #$ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N O 904/STE, DE 13 DE JUNHO DE 2003. Aprova a Instrução de Aviação Civil - IAC que trata dos padrões mínimos de Estação de Linha

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM AGO/2011 Nº 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

Integração na Coleta de dados de Segurança Operacional Gerência Executiva de Segurança Operacional

Integração na Coleta de dados de Segurança Operacional Gerência Executiva de Segurança Operacional Integração na Coleta de dados de Segurança Operacional Gerência Executiva de Segurança Operacional O QUE SOMOS? Nome: Alexsandro Silva Função: Gerente de Qualidade Operacional Atividades: Responsável pelo

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Modelos de Ciclo de Vida Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Ciclo de Vida A Engenharia de

Leia mais

Segurança de Vôo na Certificação Civil

Segurança de Vôo na Certificação Civil 2º Simpósio de Segurança de Vôo SSV 2009 Lições Aprendidas Relacionadas à Segurança de Vôo na Certificação Civil (Airworthiness Certification: Lessons Learned with Flight Safety Issues) LUIZ JETHER H.VASCONCELOS

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR Acompanhe o ritmo de aceleração dos ciclos de lançamento. Descubra a automatização com um toque humano EXECUTE UM TESTE 26032015 Com a Borland, tanto analistas de negócios

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Prof. Guido Carim Júnior

Prof. Guido Carim Júnior Sistema de Gestão da Segurança Operacional (SGSO) : fundamentos e requisitos Prof. Guido Carim Júnior 28 de maio de 2010 Objetivo Apresentar os fundamentos de um sistema de gestão (de segurança) como meio

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT MANUAL DO CLIENTE CONSTAT 2013 Todos os direitos reservados à Constat. Distribuição ou repasse a terceiros não autorizados. Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512 Fone (51) 3025.6699 www.constat.com.br

Leia mais

DADO TÉCNICO - Informação que suporta e/ou descreve a modificação ou reparo, incluindo o seguinte:

DADO TÉCNICO - Informação que suporta e/ou descreve a modificação ou reparo, incluindo o seguinte: TERMOS E DEFINIÇÕES DE MANUTENÇÃO AERONAVEGÁVEL - Condição em que a aeronave, célula, motor (es), hélice(s), acessórios e componentes em geral, se encontram de acordo com o projeto de tipo e em condições

Leia mais

COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES

COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES GABINETE DE SEGURANÇA DO AEROPORTO DE LISBOA - 2014 1 COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES COMPONENTES DO SMS SMS COMPONENTES DO SMS CORRIGIR... CORRIGIR... CORRIGIR... CORRIGIR... SUMÁRIO Introdução

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

Outsourcing de TI Field Service

Outsourcing de TI Field Service Outsourcing de TI Field Service Metodologia de Solução As soluções ofertadas pela IT2B são desenvolvidas em compliance com as melhores práticas e metodologias de mercado, visando sempre o sucesso da operação

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

ASPECTOS DE FATORES HUMANOS NA QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PARA MANUTENÇÃO

ASPECTOS DE FATORES HUMANOS NA QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PARA MANUTENÇÃO ASPECTOS DE FATORES HUMANOS NA QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PARA MANUTENÇÃO 6 º SIMPÓSIO DE SEGURANÇA DE VOO INSTITUTO DE PESQUISAS E ENSAIOS EM VOO (IPEV) - - - - - - - - - - Anais do 6º Simpósio de Segurança

Leia mais