Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: O que um BIAC faz?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: O que um BIAC faz?"

Transcrição

1 Proposta de Criação e Gerenciamento do documento Boletim Informativo de Aeronavegabilidade Continuada BIAC Ph.D. Eng. Renato Crucello Passos Grupo de Aeronavegabilidade Continuada PAC Agência Nacional de Aviação Civil Gerência Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos GGCP

2 Tópicos Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: Necessidade do PAC; ANAC perante as Autoridades Estrangeiras. O que um BIAC faz? Quando usar; Quando não usar; Onde? e Como?, encontrar os Boletins Informativos; Benefícios vislumbrados; Próximos passos na implementação do BIAC.

3 Objetivos da Apresentação Apresentar os motivos que levaram a PAC/ANAC à propor a criação do BIAC; Familiarizar os Srs. com a proposta de criação e como será gerenciado a emissão de um BIAC; Mostrar os benefícios vislumbrados decorrentes da criação do BIAC.

4 Introdução Com o aumento de mais de 18% da atividade aérea no território nacional nos últimos 10 anos (mais de Aeronaves), o número de ocorrências de acidentes e incidentes têm crescido na mesma proporção do aumento da atividade aérea. É inaceitável para os usuários de transporte aéreo que ocorra um acidente de grandes proporções diariamente. INSEGURANÇA & MEDO DE VOAR

5 Introdução (cont.) Buscando melhorar a comunicação da ANAC com a comunidade aeronáutica, na divulgação de recomendações para a melhoria continuada da aeronavegabilidade das aeronaves, operadas e fabricadas no Brasil. PAC/ANAC, propõe a criação de uma ferramenta Boletim Informativo de Aeronavegabilidade Continuada BIAC como principal ferramenta de alerta e educação, cujas informações trarão recomendações a comunidade aeronáutica sobre a melhoria continuada da segurança de um determinado produto aeronáutico bem como divulgar condições inseguras em aeronaves experimentais.

6 Legislação Aeronavegabilidade Continuada De acordo com os RBHA/RBAC, é obrigatório o envios das informações à ANAC sobre defeitos, falhas e mau funcionamento pelos Fabricantes (21.3), operadores ( , , e ) e empresas de manutenção (145.63). Para cada relatório de mau funcionamento, falha ou defeito enviado à PAC, esta deve: analisar e em se detectando uma condição insegura, empenhar esforços junto ao fabricante da aeronave/autoridade do pais de origem para que ação sejam tomadas no intuito desta não se desenvolver no restante da frota em operação.

7 Grupo de Aeronavegabilidade Continuada PAC Responsabilidades: coleta de dados: relativos aos problemas operacionais, acidentes e incidentes ocorridos com as aeronaves certificadas pela ANAC/SAR/GGCP/PAC; Banco de Dados; Análise dos dados coletados; Elaboração da proposta de ações corretivas para evitar a repetição de tais ocorrências na frota: Emissão de Diretrizes de Aeronavegabilidade. Coordenação com fabricantes (Nacionais e Estrangeiros) e com outras autoridades de aviação civil, de procedimentos para recebimento e troca de informações relativas a dificuldades em serviço.

8 Grupo de Aeronavegabilidade Continuada PAC (Cont.) Com base nesta grande quantidade de informações recebidas, o PAC suportado pelo corpo técnico da ANAC, avalia se uma determinada ocorrência de falha, defeito ou mau funcionamento traz algum impacto na segurança de voo do restante das aeronaves do mesmo tipo e modelo em operação, decidindo assim pela emissão, ou não, de uma emenda ao RBHA /RBAC 39.

9 Sistema de Gerenciamento de Dificuldades em Serviço URs Operadores (RBHA 91) Oficinas (RBHA 145) Fabricantes (RBHA 21) Operadores (RBHA 135 e 121) Banco de Dados Comissões de investigação Análise Técnica Fabricante Autoridade estrangeira Eng. da ANAC Reunião de Segurança Emissão, ou não de uma DA

10 Questões 1 - Dúvidas se uma determinada condição insegura ocorrida em uma aeronave, pode ou não se desenvolver em outras aeronaves do mesmo modelo e tipo. Atualmente não existe uma ferramenta da Autoridade para informar os operadores quanto dá existência desta pseudo condição insegura aos outros operadores até que o processo de emissão de uma DA seja concluído. 2 - Quando um produto aeronáutico aprovado apresentou uma redução em suas margens de segurança, sem impacto significante na operação segura da aeronave. É interessante que a autoridade informe o operador, da aeronave desta redução de margens. 3 Quando da ocorrência de uma determinada condição onde a aeronave teve um comportamento nunca antes vivenciado (não foi experimentado na campanha de certificação). É interessante que a autoridade informe o operador, deste comportamento.

11 Questões (Cont.) 4 - Quando da aprovação de um Método Alternativo de Cumprimento com uma DA. Atualmente não há um meio de informar os operadores de que outros meios alternativos estão disponíveis. Ex: A utilização de uma inspeção boroscópica ao invés de uma desmontagem parcial de motor; Utilização de ultra-som ao invés se uma inspeção por partícula magnética ou raio-x. 5 - Aeronaves amadoras e/ ou experimentais, casos onde fossem descobertas condições inseguras. Atualmente, a ANAC não possui nenhum informativo que abrange os usuários destas aeronaves.

12 Atuais instrumentos de informações emitidos no Brasil Recomendações Investigação Relatórios de Divulgação Operacional (DIVOP): comunicado que busca divulgar informações ligadas a operação de aeronaves. Relatório (Preliminar/Final) de investigação de acidente aeronáutico. Operacional Boletim de Registro de Ocorrência Aeronáutica (BROA): divulgar informações pertinentes a incidentes/acidentes ocorridos (GGAP). Alerta de Voo: informações e recomendações de segurança para a Aviação Geral (GGAP). Produto Diretriz de Aeronavegabilidade (DA): instrução mandatória.? Atualmente a GGCP não dispõe de um documento para informar os operadores quando a aeronavegabilidade continuada de suas aeronaves.

13 Proposta de Criação de um BIAC Necessidades do PAC: Alertar os operadores de que uma determinada condição ocorreu, e que a ANAC ainda não tem evidências técnicas de que esta condição pode se desenvolver em outras aeronaves do mesmo tipo e modelo em operação; Informar que a aeronave teve alteração aquém daquilo especificado pelo projeto de tipo (desde que esta alteração não traga impacto na segurança de voo). Informar que o fabricante que uma determinada melhoria pode ser feita no intuito de aumentar a segurança do produto. Informar sobre um determinado comportamento da aeronave em certas condições de voo. Divulgar a aprovação de um AMOC para com o cumprimento com uma DA. Ex: método alternativo de execução de uma inspeção, etc. Melhorar o detalhamento de tarefas de manutenção (desde que estas não alterem o conteúdo técnico). Divulgar condições inseguras em aeronaves experimentais e/ou amadoras. Criar um link entre a PAC e os operadores, sob o ponto de vista de informá-los sobre a melhoria continuada da aeronavebagilidade dos seus produtos.

14 Proposta de Criação de um BIAC (Cont.) ANAC perante as Autoridades Estrangeiras: Alinhar com os atuais processos praticados pelas outras autoridades na melhoria continuada da aeronavegabilidade dos produtos aeronáuticos fabricados e em operação em seus respectivos territórios. Autoridade Operacionais Produto FAA SAFO Safety Alert for Operators SAIB Special Airworthiness Information Bulletin EASA FSA - Flight Safety Alert SIB Safety Information Bulletin ANAC Alerta de Vôo BIAC

15 O que um BIAC faz É uma ferramenta de alerta e educação e cujas informações trarão recomendações a comunidade aeronáutica sobre melhoria continuada da segurança de um determinado produto aeronáutico em operação, bem como, apontar condições inseguras em aeronaves experimentais. O público alvo de um BIAC se estende a todos aqueles que de algum modo utilizam o produto apreciado pelo BIAC corrrespondente. Um BIAC não é um requisito aeronáutico (emenda ao RBHA/RBAC 39) e por isso não é mandatório, devendo ser tratado como uma prática recomendada.

16 Quando aplicar um BIAC Quando existem dúvidas quanto da possibilidade de uma condição insegura se desenvolver em outros produtos do mesmo modelo e tipo, até que uma DA seja emitida; Quando um produto aeronáutico apresentou alteração nas margens de segurança inerentes ao seu Projeto de Tipo; Quando da aprovação de um AMOC, no intuito de fornecer um método alternativo; Para incluir melhor detalhamento em tarefas de manutenção, desde que estas não alterem o conteúdo técnico da tarefa. Informar aos operadores sobre um determinado comportamento ou característica da aeronave quando submetida a certas condições. Quando existem condições inseguras em aeronaves experimentais e amadoras. Que por não ter um Certificado de Tipo Aprovado, não são cobertos por emendas ao RBHA/RBAC 39.

17 Quando não é necessário a emissão de um BIAC Descrever falha ou mal funcionamento de um determinado componente sem que esta informação auxilie na melhoria da segurança de sua operação. Ex: descrever uma defeito, falha ou mau funcionamento onde comprovou-se ter havido sucessões de erros em procedimentos aprovados (erros de inspeção, manutenção, montagem, checks, etc.).

18 Quando não pode ser usado um BIAC Para corrigir condição insegura de um produto aeronáutico com Certificado de Tipo Aprovado, pois quando esta condição existir, uma DA deverá ser emitida; Para propor uma ação corretiva interina enquanto uma DA está sendo desenvolvida; Para esclarecer qualquer requisito especificado em uma DA. Se forem necessários esclarecimentos quanto ao conteúdo técnico de uma DA, esta deve ser revisada ou superada por outra; Para recomendar mudanças na Seção de Limitações do manual de vôo e na Seção de Limitações de Aeronavegabilidade do manual de manutenção ou no manual de manutenção do operador aprovado pela ANAC; Propor alteração em um procedimento descrito no manual de voo. Para referenciar/divulgar/recomendar alguma alteração do plano de manutenção de um determinado operador para outros operadores.

19 Onde encontrar os Boletins Informativos Os BIACs deverão constar da webpage da ANAC e da SAR, sendo estes disponibilizados oficialmente em lingua Portuguesa, podendo ser traduzidos para a lingua Inglesa dependendo da sua abrangência. E pretendido ainda que a ANAC distribua os textos dos BIACs emitidos, através de uma lista de s, onde desta irão constar as Autoridades Aeronáuticas (exemplo: FAA, EASA e TCCA), bem como o dos operadores interessados em receber tais informações (desde que solicitem e sejam cadastrados na lista de s). A ANAC irá disponibilizar na webpage da SAR, o MPR-920 Boletim Informativo de Aeronavegabilidade que será o procedimento utilizado pela PAC na elaboração e emissão de um BIAC.

20 Benefícios vislumbrados com a criação do BIAC ANAC: Possibilidade de redução da taxa de ocorrências aeronáutica através da melhoria continuada da segurança dos seus produtos; Paridade entre os documentos que a ANAC emite com as outras autoridade também emitem. SAR: Abertura de um meio de comunicação direto, do ponto de vista da melhoria da segurança dos produtos, com os operadores nacionais e estrangeiros e com outras autoridades aeronáuticas. GGCP: Criação de um meio de comunicação fácil e rápido, onde informações sobre melhoria nos produtos, novas soluções tecnológicas, estudos, etc., poderão ser divulgados à toda comunidade aeronáutica.

21 Benefícios vislumbrados com a criação do BIAC (cont.) PAC: Possibilidade de divulgar assuntos que não chegaram a ser considerados como caso para uma DA, mais que podem contribuir com a melhora da segurança da aeronaves em operação. Possibilidade de divulgar condições inseguras detectadas em aeronaves experimentais. Operadores: Receber informações relacionadas a melhoria continuada da aeronavegabilidade dos produtos que operam; Tomar ciencia, da concessão de métodos alternativos de cumprimentos com DA/AD; etc. Aeronaves experimentáis: Possibilidade de receber e divulgar informações relacionadas a aeronavegabilidade dos produtos que operam.

22 Benefícios vislumbrados com a criação do BIAC (cont.) Usuários dos serviços aéreos: Com a possibilidade de divulgar recomendações que melhoram a segurança de voo das aeronaves em operação, a ANAC busca reduzir o número absoluto de ocorrências de incidentes/acidentes. Redução do sentimento de Insegurança quanto ao uso do transporte aéreo devido a redução do número de incidentes/acidentes.

23 Próximos passos Publicação do MPR-920 Boletim Informativo de Aeronavegabilidade ; Criação de espaços nas webpages da ANAC e da SAR, para que o público externo tenha acesso o conteúdo do BIA emitidos; Criação de uma lista de s como meio de auxílio à divulgação das informações contidas nos BIAC; Divulgação à toda comunidade aeronáutica acerca da criação deste Boletim Informativo.

24 Tópicos Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: Necessidade do PAC; ANAC perante as Autoridades Estrangeiras. O que um BIAC faz? Quando usar; Quando não usar; Onde? e Como?, encontrar os Boletins Informativos; Benefícios vislumbrados; Próximos passos na implementação do BIAC.

25 Objetivos da Apresentação Apresentar os motivos que levaram a PAC/ANAC à propor a criação do BIAC; Familiarizar os Srs. com a proposta de criação e como será gerenciado a emissão de um BIAC; Mostrar os benefícios vislumbrados decorrentes da criação do BIAC.

26 ???...!!!

27 Contato Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) Superintendência de Aeronavegabilidade (SAR) Gerência Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos (GGCP GGCP) Av. Cassiano Ricardo, 521, Bloco B, 2º andar, Pq. Res.Aquarius Fax: 55 (12) , CEP São José dos Campos - SP, Brasil. Grupo de Aeronavegabilidade Continuada PAC Eng. Renato Crucello Passos Tel:

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL A ANAC mais perto de você

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL A ANAC mais perto de você AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL A ANAC mais perto de você Registro Aeronáutico Brasileiro Atribuições e Serviços Dezembro 2012 Objetivo Descrever brevemente a função do Registro Aeronáutico Brasileiro -

Leia mais

O que é Homologação?

O que é Homologação? O que é Homologação? Em relação a produto aeronáutico, significa a confirmação, pela autoridade competente, de que o produto está em conformidade com os requisitos estabelecidos pela autoridade aeronáutica;

Leia mais

Um Novo Modelo para Submissão de Ocorrências Aeronáuticas

Um Novo Modelo para Submissão de Ocorrências Aeronáuticas Um Novo Modelo para Submissão de Ocorrências Aeronáuticas Rogério Possi Junior Engenheiro de Aeronavegabilidade Continuada Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) Renato Crucello Passos Engenheiro de

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO é um sistema de informações especialista, concebido e desenvolvido para automatizar, integrar e dar suporte aos principais processos utilizados

Leia mais

Segurança Operacional no Brasil

Segurança Operacional no Brasil Rio de Janeiro, 28 de abril de 2014 Segurança Operacional no Brasil O futuro já chegou Carlos Eduardo Pellegrino Diretor de Operações de Aeronaves Estrutura Governamental Presidência CONAC Conselho Nacional

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 11 EMENDA nº 00 PROCEDIMENTOS E NORMAS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGULAMENTOS BRASILEIROS DA AVIAÇÃO CIVIL Aprovação: Resolução

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência-Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO VALIDAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO DE TIPO DE MOTORES E HÉLICES IMPORTADOS

Leia mais

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA 1.1 A presente Justificativa expõe as razões

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.9-001 Aprovação: Portaria ANAC nº 1523/SAR, de 11 de agosto de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 155, S/1, págs. 1-2, de 12 de agosto de 2011. Assunto: Instruções

Leia mais

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade brasileira Identificar os compromissos da ANAC relacionados

Leia mais

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS CIRCULAR DE INFORMAÇÃO Assunto: CONTROLE DE FORNECEDOR PELO FABRICANTE AERONÁUTICO 1 - OBJETIVO Data:

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS Aprovação: Resolução nº 87, de 11 de maio de 2009, publicado no Diário Oficial da União N 88, S/1, p. 145, de 12/05/2009. Assunto: Publicações técnicas: obtenção, controle e

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Aprovação: Portaria nº 7, de 2 de janeiro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 3 de janeiro de 2014, Seção 1, página 2. Assunto: Programa de Manutenção

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência-Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO APROVAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS, EXCETO AERONAVES, MOTORES DE

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV)

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) 20 DEZ 2004 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 1204/STE, DE 26

Leia mais

CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS

CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS Objetivo Descrever o processo de certificação operacional dos aeroportos no Brasil, regido pelo RBAC 139. Roteiro 1. Apresentar as recomendações da OACI e as normas

Leia mais

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária Helipontos em São Paulo: Segurança, Irregularidades e Caminhos para Regularização Anderson Ribeiro Correia Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Leia mais

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO CIVIL N 11 RBAC 11 PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL APROVAÇÃO: RESOLUÇÃO XX ANAC,

Leia mais

IS Nº 21.181-001 Revisão B

IS Nº 21.181-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21.181-001 Aprovação: Resolução nº 147, de 17 de março de 2010, publicada no Diário Oficial da União, N 54, Seção 1, p. 16, de 22/03/2010 Assunto: Revalidação de Certificados

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-030 Revisão 01

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-030 Revisão 01 Assunto: MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-030 Revisão 01 GESTÃO DA QUALIDADE INTERNA Revogação: Esta revisão substitui a revisão 00, de 30 de abril de 2009. Objetivo: Este MPR tem por objetivo estabelecer e

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 67-003 Aprovação: Portaria nº 1775/SPO, de 8 de julho de 2015. Assunto: Procedimentos para preenchimento online dos dados do Certificado Médico Aeronáutico no Sistema de

Leia mais

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. -0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Dispõe sobre os critérios e os procedimentos para promoção, organização e participação da ANAC em eventos internos e externos. A DIRETORIA DA AGÊNCIA

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA CONTINUADA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA CONTINUADA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE SEGURANÇA OPERACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE DIRETORIA DE OPERAÇÕES DE AERONAVES DIRETORIA DE AERONAVEGABILIDADE TERMO DE APROVAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 189, DE 24 DE MAIO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 189, DE 24 DE MAIO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 189, DE 24 DE MAIO DE 2011. Institui a Iniciativa Estratégica de Segurança Operacional para a Aviação Civil, cria o Grupo Brasileiro de Segurança Operacional e o Grupo Brasileiro de Segurança

Leia mais

Boletim de Aeronavegabilidade

Boletim de Aeronavegabilidade Edição Campo Grande/MS Número 004/2014 Em outubro de 2014, a Superintendência de Aeronavegabilidade SAR, por intermédio da Gerência Técnica de Aeronavegabilidade de Brasília (GTAR/DF) realizou a Ação de

Leia mais

O Sistema DCERTA como ferramenta de apoio à fiscalização

O Sistema DCERTA como ferramenta de apoio à fiscalização N 05 31 de maio de 2011 O Boletim Eletrônico de Capacitação é um informativo publicado quinzenalmente no portal da ANAC na internet e na intranet. O objetivo é divulgar as ações de capacitação que irão

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 61-001 Aprovação: Assunto: Portaria n o 2.363/SSO, de 1 de dezembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 231, S/1, pág. 2, de 2 de dezembro de 2011. Procedimentos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-900.50/SAR-SSO Revisão 00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-900.50/SAR-SSO Revisão 00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-900.50/SAR-SSO Revisão 00 Assunto: Aprovado por: Revogação: Conteúdo em ambiente de compartilhamento SharePoint dos Operadores Aéreos Portaria n o 860, de 7 de maio de 2012,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 39-001 Aprovação: Portaria nº 1.628/SAR, de 16 de agosto de 2012, publicada no Diário Oficial da União N 160, Seção 1, página 3, de 17 de agosto de 2012. Assunto: Diretrizes

Leia mais

Tarefas de manutenção críticas

Tarefas de manutenção críticas Tarefas de manutenção críticas NPA/CRD 2012-04 RMT.0222 (MDM.020) 10/06/2013 Sumário executivo O presente parecer analisa um problema de segurança relacionado com o risco de ocorrência de erros durante

Leia mais

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 REGULAMENTO (UE) N. o 593/2012 DA COMISSÃO de 5 de julho de 2012 que altera o Regulamento (CE) n. o 2042/2003 relativo à aeronavegabilidade permanente

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Rogério Possi Junior Engenheiro de Aeronavegabilidade Continuada Agência Nacional de Aviação Civil Palavras Chave: Aeronavegabilidade, Dificuldades em Serviço, Segurança

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR ANTECEDENTES A Organização de Aviação Civil Internacional

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Banco John Deere S.A No Banco John Deere S.A., a Gestão de Riscos é atribuição do Departamento de Gestão de Riscos e Compliance (DPRC), que se reporta diretamente ao

Leia mais

Notas de orientação 3: Registros de licenças

Notas de orientação 3: Registros de licenças Estas notas foram publicadas pela Secretaria Internacional da EITI para oferecer orientação para os países implementadores sobre como satisfazer os requisitos do Padrão da EITI. Aconselhamos os leitores

Leia mais

Certificação da solução para a bateria do 787 Mike Sinnett vice-presidente e engenheiro chefe do projeto 787 Abril de 2013

Certificação da solução para a bateria do 787 Mike Sinnett vice-presidente e engenheiro chefe do projeto 787 Abril de 2013 Certificação da solução para a bateria do 787 Mike Sinnett vice-presidente e engenheiro chefe do projeto 787 Abril de 2013 A solução para a bateria foi aprovada A Administração Federal de Aviação dos Estados

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado)

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) O Gerenciamento de Riscos é uma das áreas contidas no Gerenciamento de Projetos, e uma

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 21/11/28 Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 21/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SO / VC RESPONSÁVEL PELA DISTRIBUIÇÃO : (ÁREA)

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PRODUÇÃO DE NOTA TÉCNICA NO ÂMBITO DA SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

PROCEDIMENTOS PARA PRODUÇÃO DE NOTA TÉCNICA NO ÂMBITO DA SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS SIA MPR/SIA-006-R01 PROCEDIMENTOS PARA PRODUÇÃO DE NOTA TÉCNICA NO ÂMBITO DA SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A Setor Comercial

Leia mais

FLY CENTER ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL

FLY CENTER ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL Saudações a todos Devido as mudanças ocorridas no sistema de aviação civil segue em anexo as questões alteradas na matéria de SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL INTERNACIONAL E SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRO.

Leia mais

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal.

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL ANAC GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS GGCP PROCESSOS DE HOMOLOGAÇÃO SUPLEMENTAR DE TIPO (HST) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Nota: As informações apresentadas

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-900 Volume 02 Revisão 00 Assunto: MANUAL DO INSPETOR VOLUME 2 CERTIFICAÇÃO E PROCESSO DE SOLICITAÇÃO DE EMPRESA (MANUTENÇÃO) A Superintendência de Aeronavegabilidade SAR

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO MPR/SIA-601-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTO MPR/SIA-601-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTO MPR/SIA-601-R00 GESTÃO DA INSPEÇÃO AEROPORTUÁRIA 06/2013 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 03 de junho de 2013. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROPOSTA DE EMENDA 04 AO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 34 RBAC 34, INTITULADO REQUISITOS PARA DRENAGEM DE COMBUSTÍVEL E EMISSÕES DE ESCAPAMENTO DE AVIÕES

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC Programa 0630 Desenvolvimento da Aviação Civil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 0B09 Apoio a Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Produto: Entidade apoiada Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO. Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO. Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA José Eduardo Cardozo SECRETARIA EXECUTIVA Márcia

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Índice. Boas vindas...03. Missão COOPERFEMSA...04. O que é uma Cooperativa de Crédito Mútuo?...05. O que é a COOPERFEMSA?...06

Índice. Boas vindas...03. Missão COOPERFEMSA...04. O que é uma Cooperativa de Crédito Mútuo?...05. O que é a COOPERFEMSA?...06 Guia do Cooperado Índice Boas vindas...03 Missão COOPERFEMSA...04 O que é uma Cooperativa de Crédito Mútuo?...05 O que é a COOPERFEMSA?...06 Quais as vantagens para se associar?...07 De quem é a COOPERFEMSA?...08

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02/2013 CEFID

RESOLUÇÃO N 02/2013 CEFID RESOLUÇÃO N 02/2013 CEFID Dispõe sobre orientação para autores e avaliadores, para submissão e emissão de parecer quando da solicitação de gasto de recurso público para pagamento de empresa de tradução

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Esclarecimento à Sociedade

Esclarecimento à Sociedade PRESS RELEASE 21 de julho de 2007 Esclarecimento à Sociedade São Paulo, 21 de julho de 2007 Ainda sob o impacto da tragédia ocorrida na última terça-feira (17), a TAM vem a público mais uma vez para prestar

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e Seus Componentes Página 1/5 ÍNDICE Parte A: Generalidades..3 3.001 Aplicabilidade..3

Leia mais

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A.

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Este RBHA-E deve ser colocado junto ao RBHA 121 e revoga o RBHA-E 92 Este arquivo contém o texto do RBHA-E 92A no formato

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Define o Perfil do Administrador Responsável (Accountable Manager) e as Habilitações

Leia mais

Grécia Um Framework para gerenciamento de eventos científicos acadêmicos utilizando componentes

Grécia Um Framework para gerenciamento de eventos científicos acadêmicos utilizando componentes Grécia Um Framework para gerenciamento de eventos científicos acadêmicos utilizando componentes Resumo Este trabalho apresenta uma infra-estrutura para gerenciamento de eventos científicos acadêmicos na

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA ESTALEIRO ENSEADA 1/5 TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA 1. Objetivo Este procedimento estabelece a sistemática de levantamento de competências, promoção da conscientização e treinamento. 2. Aplicação

Leia mais

Anexo I - Cronograma de Eventos Realizados

Anexo I - Cronograma de Eventos Realizados Anexo I - Cronograma de Eventos Realizados EVENTO DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA PERMANENTE DE CAPACITAÇÃO ÁREA DEMANDANTE STATUS DO EVENTO DATA DE INÍCIO (PRESENCIAL) DATA DE TÉRMINO (PRESENCIAL) DATA DE INÍCIO

Leia mais

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ AIC N 21/10 23 SEP 2010 TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

A Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, de conformidade com a legislação em vigor, e

A Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, de conformidade com a legislação em vigor, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 12/2007 Dá nova redação à Resolução 10/2005 sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

ANAC oferece curso básico de Representação Institucional

ANAC oferece curso básico de Representação Institucional Ano 2 N 24 28 de junho de 2012 ANAC oferece curso básico de Representação Institucional Será realizado no período de 23 a 24 de julho, no Rio de Janeiro, o curso básico de Representação Institucional.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL A ANAC mais perto de você. Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL A ANAC mais perto de você. Belo Horizonte Dezembro de 2012 A ANAC mais perto de você Belo Horizonte Dezembro de 2012 Gerenciamento de Risco ANAC Ferramentas de Identificação de Perigos Gerenciamento de Risco Baseado em Dados O processo de Gerenciamento de Risco

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Ministério da Educação. UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Edital DIRPPG 19/2012

Ministério da Educação. UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Edital DIRPPG 19/2012 lwrpr Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE TECNOLOGICA. FEDERAL 00 PARANA Edital DIRPPG 19/2012 PROGRAMA

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

INSPEÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS AERONÁUTICOS

INSPEÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS AERONÁUTICOS AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos INSPEÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS AERONÁUTICOS MPH-310 AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-050 Revisão 01

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-050 Revisão 01 Assunto: MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-050 Revisão 01 PROCEDIMENTOS PARA DETERMINAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE Revogação: Esta revisão substitui a revisão 00, de 29 de

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-016-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-016-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-016-R00 CADASTRO DE OPERADORES AÉREOS DA SIA 02/2014 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 19 de fevereiro de 2014. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani 3 PÁGINA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !" """ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N o 034/DGAC, DE 19 DE JANEIRO DE 2000 Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe sobre alterações em vôos regulares e realização

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil Documento informativo Treinamento como ferramenta na mitigação de problemas ambientais

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL 43 Título: Aprovação: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 21 EMENDA nº 01 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO AERONÁUTICO Resolução nº 210, de 29 de novembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais