Mirta GROPPI (USP) Doutoranda do Curso de P6s-Gradu~o do Departamento de Filologia e Ungua PortuguSs. Bolsista docnpq.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mirta GROPPI (USP) Doutoranda do Curso de P6s-Gradu~o do Departamento de Filologia e Ungua PortuguSs. Bolsista docnpq."

Transcrição

1 Mirta GROPPI (USP) ABSTRACT: The purpose of this paper is to consider the preverbal or postverbal position of the cutic pronouns in two Spanish texts of the fifteenth century. I claim that the position of the cutics depends on the movement of the verb to T or to C, and I relate this analysis to the properties of the CP layer proposed by Rizzi (1995J. KEY WORDS: elitie position, eomplementizer layer, V-movement. O. a fenomeno da eoloeacao dos elitieos nas lfnguas romanicas tern atrafdo a atencao desde 0 seculo passado. Na verdade, tinha ja preoeupado Gonzalo Correas que, em 1626 qualifieava de "intoleravel" "10 que dizen algunos inadvertidos", reprobando assim 0 uso do elitieo em inicio de sentenca1. Diz Correas: "La rregla es que si el verba eomienza la habla, los pronombres se Ie posponen" (Gonzalo Correas, [1626]1954:288). 0 fato e que a observacao de Correas eonstitui urn apreciavel documento para sabermos que a gramatica do espanhol tinha sofrido uma mudanca que os textos dos "bons escritores" que seguissem os eonselhos de Correas nao poderiam nos revelar. 1. Se nas primeiras observacoes sobre a distribuicao dos pronomes atonos das Hnguas romanicas 0 fenomeno era associado, talvez de maneira primordial, a earaeterfstieas fonol6gieas, hoje ja se sabe que, do ponto de vista sintcitieo, esses elementos se caraeterizam por aparecerem em adjuncao Ii flexao. Os trabalhos atuais se centram em propor uma anaiise explieativa do comportamento dos elfticos nas diversas lfnguas. o exame dos clfticos e especialmente interessante quando eomparadas lfnguas como 0 portugues europeu (PE), 0 portugues brasileiro (PB) e 0 espanhol (E) que, aparentemente muito pr6ximas, parecem ter seguido eaminhos diferentes a respeito da gramatiea dos cliticos. Enquanto 0 PE moderno estendeu 0 usa da enelise - estou me Doutoranda do Curso de P6s-Gradu~o do Departamento de Filologia e Ungua PortuguSs. Bolsista docnpq. 1 Robert Granberg faz esta cit~io de G. Correas, na sua tese (1988:146).

2 baseando em dad os de Galves (1996) de Martins (1994)- a sentencas declarativas com sujeito referencial (A Maria deu-lhe esse livro ontem (Galves, op.cit.), 0 espanhol, desde Correas ate hoje, regularizou 0 uso da pr6clise com toda sentenca fmita que nao for imperativa afrrmativa, e mantem a enclise, sem exceeoes, para infmitivos, gerundios e imperativos. Por sua parte, 0 PB, confrontado com estas duas Ifnguas, apresenta uma reducao importante no uso dos cliticos e uma preferencia pela pr6ctise. Aqui YOU fazer algumas observacoes sobre 0 emprego dos clfticos em dois fragmentos de textos narrativos do seculo XV: Arcipreste de Talavera, Alfonso Martinez de Toledo (1438), Parte II, Capitulo I. e La Celestina, Fernando de Rojas (1499), Auto IV. 2 o prop6sito e observar a distribuicao dos pronomes atonol nesses textos e considerar a possibilidade de analise desses dados a luz de propostas recentes na area da sintaxe. Para a analise sintlitica levamos em consideracao, especialmente, os trabalhos de Chomsky (1995), Rizzi (1995), Galves (1994 e 1996) e Martins (1994). A respeito da descricao do uso dos cllticos no espanhol medieval e classico foram considerados os trabalhos de R. Menendez Pidal (1964) e Granberg (1988). Vai ser examinada a proposta de Martins (op. cit.) no que diz respeito a diferenca no movimento do verba e do clitico na enclise e na pr6ctise. Porem, vamos optar pela proposta de Rizzi (op.cit.) sobre as categorias funcionais que e pertinente considerar. 0 atrativo da proposta de Rizzi reside, ao meu ver, por um 1000, na nao proliferacao das categorias funcionais, sendo CP e IP as categorias blisicas, e por outro lado, no fato de que 0 autor apresenta, numa analise apurada de certos fatos sintaticos que sustentam a sua proposta, urna visao homogenea e coerente dos tracos dessas categorias funcionais e da sua intervencao na deriv~ao das sentencas. 2. A. Martins (op. cit.) apresenta a seguinte analise para a diferenca entre enclise e pr6clise: "Sendo Agrs a posicao a esquerda da qual os chticos se adjungem, os chticos precedem 0 verba se 0 verba nao sobe para alem de Agrs. Se 0 verba se move, adicionalmente, para S, a ordem verbo-chtico econsequentemente derivada" (Martins, op.cit.:341 ). Martins segue Laka 4 na proposta de uma categoria funcional 1: que seria a expressad sintlitica das operacoes de afirmacao e negacao proposicional. 0 nueleo afrrmativo de 1: no PE seria realizado por urn morfema abstrato associado a urn traco V forte que seria necessario verificar por confronto comum elemento da categoria V. Isso expticaria o movimentode V ate 1:na sintaxe nessa lingua. Se assumirmos, seguindo Chomsky (1995), que nao hli categorias Agr projetando na computacao da sentenca, poderfamos entender que 0 micleo pertinente na proposta 2 Poi usada a edi~io de Ram6n Menendez Pidal (1942). J VamO$limitar as obseiv~ as ocorrencias de pronomes cliticos nao reflexivos. 41Lab, "Negative Ponting in Romance: Movement to t". Ms. University of Rochester.

3 de Martins e T ja que, segundo a autora, 0 clftico aparece em adjun~ao a esquerda da categoria funcionalligada a flexao, e a diferen~a da ordem corresponde a uma diferen~a no movirnento do verbo que, na enclise, sobe para urn n6 mais alto daquele ate 0 qual chega nas ocorrencias de pr6clise: 1) enelise: [Antonio1[1eu-02 :EP :E 2) pr6clise: [Antonio [ :EP :E [ tl t2 TP [101ey6 TP Martins apresenta a diferen~a entre 0 PE e 0 E atuais como uma diferen~a entre tra~os fortes e tra~os fracos: "Assirn, em frases declarativas, em espanhol, :E tern tra~os- V fracos sem que tenha conteudo lexical. No portugues, por outro lado, :E rnanteve tra~os-v fortes...". (Martins, op.cit.:343). Os textos do E do seculo XV que you considerar apresentam contrastes como 0 seguinte: 3) endlirolos yo y lievamelos el huerco (Arcipreste de Talavera) 4) yo te juro que... (Arcipreste de Talavera) 5) Figmaseme que eras hermosa (La Celestina) 6) Vezina honrrada, tu raz6n y ofrecimiento me mueven a compassi6n (La Celestina) A assimetria entre 3) e 5) por urn lado e 4) e 6) pelo outro impedem uma analise unificada para as senten~as deelarativas do espanhol da epoca. E necessariodar conta da diferen~a na posi~ao dos chticos em rela~ao ao V segundo a senten~a apresente ou nao urn sujeito lexical antes do V. Para procurar uma analise adequada vamos considerar a proposta de Rizzi (1995). 3. Rizzi propoe considerar a representa~ao estrutural da elausula esta constitufda por tres camadas estruturais: a) Uma camada lexical. 0 nueleo desta camada e 0 V e nela temos os elementos ligados por rela~oes theta. b) Uma camada que corresponde as especifica~oes flexionais do V e portanto, 0 nucleo e flexao (T). c) Uma camada que corresponde ao mleleo complementizador (C), onde sao alojados operadores, elementos como pronomes interrogativos e relativos, t6picos e elementos focalizados 5 5 Diz 0 autor: "We can think of the complementizer system as the interface between a propositional content (expressed by IP) and the superordinate structures (a higher clawe r. possibley, the articulation of sicourse, if we consider a root clause (op.cit.). 190

4 Esta Ultimacamada contem 0 que Rizzi chama de "sistema complementizador", e define como uma interface entre 0 conteudo proposicional expressado por IP e urna estrutura mais alta, seja urna sentenca matriz, seja 0 discurso. 0 sistema CP expressa dois tipos de infonnacoes: 1) uma informacao que tern a ver com a estrutura mais alta, isto e, uma sentenca pode ser selecionada por uma estrutura mais alta como sendo urna sentenca declarativa, uma pergunta, urna exclamacao uma relativa, urna comparativa, urna expressao adverbial de urn certo tipo. Neste sentido, a informacao contida no CP e uma. especificacao de "ror~" ou de tipo de elciusula,expressada por morfologia ou por algum operador alojado no CPo 2} 0 segundo tipo de informacao que 0 sistema CP expressa esta relacionado com o conteudo do IP complemento. A eleicao do complementizador reflete em certas propriedades do sistema verbal da sentenca, que vai conter uma forma verbal finita ou uma nao finita. Segundo Rizzi, entao, C vai expressar "finitude" (finiteness). A distincao de Modo e urn eonteudorelacionado de maneira definidora as formas finitas, portanto, diferenciador da oposicao formas finitas/formas infinitas. 4. Vamos voltar para a consideracao dos dados, em principio, dos exemplos de 3} ate 6} apresentados acima. A posicao do elitieo e reveladora do movimento do verbo, uma vez que 0 elitico aparece, nos nossos exemplos' em adjacencia estrita ao V e a hip6tese e a de que 0 elitico e adjungido a flexao. Levando em eonsideracao a proposta de Rizzi e a analise de Martins, vou propor a interpretacao de que, nas sentencas do espanhol medieval e elassico eom verbo na primeira posicao, 0 V ehega ate 0 n6 C para a verificacao dos tracos de "forca" e "finitude". que caracterizam as sentencas "independentes". A presenca desses tracos (abstratos) na eategoria C, no espanhol medieval, fazia com que urna relacao de predicacao em CP fosse necessaria para que a interpretacao de "proposicao" fosse possivel. Como era satisfeita essa relacao de predicacao que, ao subir ate CP verificava 0 traco que possibilitava a interpretacao de proposicao? Quando urn sujeito lexical eheca a sua relacao com a flexao em TP, e depois sobe para verificar 0 traco ''proposicao'' em CP, na relacao especificador/nueleo (speclheaif) com 0 nucleo C, temos urna cadeia que permite a interpretacao de predicacao em CP: 7} [[turazon y ofrecimiento]l [C[ tl [me [mueven a compassion... CP TPT 1" Quando nao temos urn sujeito lexical capaz de ehecar 0 tracopertinente da categoria C, entao e 0 V que sobe ate C e satisfaz a verifieacao necessaria:

5 8) [pro [lievamelos CP C [[el huerco TP [tel [tv... T T" Como e possivel que, se uma vez e 0 sujeito que pode estabelecer essa rela~ao de verific~ao, na outra seja 0 V que tern essa capacidade? Isso e possivel no E porque os flexivos contidos no V tern caracterfsticas de pronome. A flexao verbal com tra~os de mimero e pessoa no verbo espanhol funciona como verdadeiro pronome. As senten~as sem sujeito lexical nos textos examinados do E do seculo XV parecem ser tao abundantes como nos textos do E moderno. 9) Item. si una gallina pro pierden, pro van de casa en casa conturbando toda la vesindat. (Arcipreste de Talavera) A flexao em C possibilita a interpreta~ao de uma predica~ao em C, e uma predica- ~ao em CP constitui uma proposi~ao com 0 tr~o de "for~a" (ou tipo de clausula) correspondente: declarativo, imperativo, exclamativo, interrogativo. Uma lingua V-2 que nao tenha urna flexao verbal com tra~o pronominal vai ter que preencher 0 Spec/CP com algurn elemento "topicalizado", isto e, capaz de ser interpretado como t6pico da senten~a. para que seja verificado 0 tra~o de C que exige urna rela~ao de predica~ao dentro de sua proje~ao para que a interpreta~ao de proposi~ao seja obtida. E como se as lfuguas chamados "V 2" exigissem que 0 EPP fosse satisfeito em CP para se obter essa interpreta~ao de proposi~ao. Esta analise parece dar conta dos dados que indicam, nessas linguas urn CP com C preenchido pelo V e 0 Spec de CP com urn elemento que pode ser 0 sujeito ou urn outro elemento topicalizado, enquanto 0 V do sobe a C nas senten~as subordinadas com C preenchido pelo complementizador. Se 0 n6 C e preenchido com urn complementizador lexical, indicador de subordina~ao, isto e, marca de que a predica~ao seguinte foi selecionada por um verba mais alto como elemento de sua predica~ao, esse CP subordinado nao tem 0 contelido de "proposi~ao" independente. Os exemplos a seguir foram tirados de Rizzi (1990:375): 10) "a... {dass {Johann gestem ein Buch gelesen hat 11 that Johann yesterday a book read has b. {Johann hat {t gestem einbuch gelesen Injlll Johann has yesterday a book read c.{gestern hat {Johann t ein Buch gelesen Inflll Yesterday has Johann a book read" Esta anilise e valida para as linguas conhecidas como V-2 e para 0 E medieval (v: 11 infra), sendo que a diferen~a entre elas esta no tipo de flexao do verba mas nao nas caracterfsticas da categoria funcional C. ]a 0 E moderno se afasta desta analise pelo fato de T conter 0 tra~o que possibilita a interpreta~ao da predica~ao como proposi~ao.

6 [~ CP C [JXO [rrelocallo (.Al'cipmedeTala\6'a) TP T 5. Nos textos examinados ainda encontramos ocorrenclas da ordem V-cl nas sentencas com verba no imperativo. As senten cas com imperativos sao incompativeis com a negacao, sendo enta~ expressadas atraves do modo subjuntivq as sentencas negativas com conteudo imperativo. Isso significa que a presenca da negacao implica numa restricao sobre 0 movimento d(}verbo, fate que pode ser tambem constatado nas senteneas declarativas. Isso confirma umaanluise de movimento do V ate 0 nueleo C nas senteneas afirmativas, tanto deelarativas quanto imperativas, acarretado sempre pela necessidade de checagem do traco "forea" relacionado a interpretaeao de uma proposieacl. 12) Hija, Melibea, [qu'dese esta muger honrrada contigo (La Celestina) CP. 13) [v'anlo [mis ojos [tv e [non [pro [se tarde! CP TP T Neg TP T RESUMO: 0 prop6sito do trabalho e considerar a posi~iio pre ou p6sverbal dos pronomes clfticos em dois textos espanh6is dos seculo xv. A posi~iio do cl(tico e relacionada com 0 movimento do Vpara C ou T, e a analise leva em conta a proposta de Rizzi (1995). PALA VRAS-CHA VB: cilticos, enclise, pr6clise, CP, movimento do V. GALVES, C. (1996) Do portugus.. classico ao portuguss europeu modemo: uma an&iise minimalista. Ms. UNICAMP. GRANBERG, R. A. (1988) Objecto Pronoum Position in Medieval and Early Modem Spanish. Disserta~o de Doutoramento. UCLA. MARTINFZ DE TOLEDO, A.(1943) Arcipreste de Talavera. Em R. MENENDEZ PIDAL (ed) (1943) Espasa.Calpe: Buenos Aires.

7 RIZZI, L (1990) Speculations on Verb Second. Em 1. MASCAR6 e M. NESPOR (edj) (1990) Grammar in Progress. Paris: Dordred1t. " (1995) The Pine Structure of the Left Periphery. Ms. Univ. de Geneve.

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa ABSTRACT: This paper presents a study of arbitrary null objects in Brazilian Portuguese. The main focus of this research is to discuss the relations of verbal transitivity and intransitivity in the subcategorization

Leia mais

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE CO~CA~AOCOORDENADA PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE DAFALA Edson Campos MAlA (UNICAMP) ABSTRACT: This paper aims at investigating certain syntactic restrictions such as pronominal

Leia mais

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn "parser

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn parser PARSER: UM ANALISADOR SINTATICO E SEMANTICO PARA SENTEN«;AS DO PORTUGlltS Joao Luis Garcia ROSA (PUCCAMP) ABSTRACT: This work aims at the analysis and implementation 0/ a semantic parser for oral portuguese

Leia mais

Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul

Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul A FOCALIZAÇÃO DO SUJEITO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Sandra QUAREZEMIN (Universidade Federal de Santa Catarina) ABSTRACT: This paper describes

Leia mais

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE [FOO] É QUE / [FOO] QUE X WH É QUE / WH QUE Mariana RESENES (UFS) ABSTRAT: Our aim in this paper is to show that sentences formed by [focus]that... are not derived from clefts [focus] is that, parallel

Leia mais

PADROES ENTONACIONAIS DO PORTUGU~S E DO ESPANHOL: ESTUDO CONTRASTIVO E INSTRUMENTAL

PADROES ENTONACIONAIS DO PORTUGU~S E DO ESPANHOL: ESTUDO CONTRASTIVO E INSTRUMENTAL PADROES ENTONACIONAIS DO PORTUGU~S E DO ESPANHOL: ESTUDO CONTRASTIVO E INSTRUMENTAL ABSTRACT: This paper presents an instrumental analysis of some Portuguese intonation patterns contrasting them with their

Leia mais

Faculdade de Letras UFRJ Rio de Janeiro - Brasil

Faculdade de Letras UFRJ Rio de Janeiro - Brasil 02 a 05 setembro 2013 Faculdade de Letras UFRJ Rio de Janeiro - Brasil SIMPÓSIO - Conhecimento linguístico, aquisição e perda de categorias funcionais INDÍCE DE TRABALHOS (em ordem alfabética) A emergência

Leia mais

KEYWORDS: Classical Portuguese; fronted-object; CLLD; Topicalization structure; diachronic change

KEYWORDS: Classical Portuguese; fronted-object; CLLD; Topicalization structure; diachronic change MUDANÇAS DIACRÔNICAS NA FORMAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE TOPICALIZAÇÃO DE OBJETO DO PORTUGUÊS CLÁSSICO (DIACHRONIC CHANGES IN THE FORMATION OF THE OBJECT TOPICALIZATION STRUCTURES IN CLASSICAL PORTUGUESE) Alba

Leia mais

COLOCAÇÃO PRONOMINAL

COLOCAÇÃO PRONOMINAL COLOCAÇÃO PRONOMINAL COLOCAÇÃO PRONOMINAL Na utilização prática da língua, a colocação dos pronomes oblíquos é determinada pela eufonia, isto é pela boa sonoridade da frase. Por isso, em certos casos,

Leia mais

FOCALIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO

FOCALIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (4-13) FOCALIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO Carlos MIOTO (Universidade Federal de Santa Catarina/CNPq) ABSTRACT: This paper analyses the various types of focus

Leia mais

O fenômeno da interpolação na história da colocação de clíticos em português

O fenômeno da interpolação na história da colocação de clíticos em português Projeto O fenômeno da interpolação na história da colocação de clíticos em português Candidata aprovada no processo seletivo de mestrado 2001 da Universidade Estadual de Campinas: Cristiane Namiuti I.

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA Camila Nunes de Souza 1 Grande parte das gramáticas apresenta os verbos modais como unidades, fragmentando, definindo

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

Colégio ABC de Educação Infantil Ensino Fundamental. Série: 6º Ano do Ensino Fundamental - Turma ( AB ) ATENÇÃO: Vocês são capazes!

Colégio ABC de Educação Infantil Ensino Fundamental. Série: 6º Ano do Ensino Fundamental - Turma ( AB ) ATENÇÃO: Vocês são capazes! ABC de Educação Infantil Série: 6º Ano do - Turma ( AB ) L. Portuguesa 28.01.2013 ( Segunda- Feira) Ciências 30.01.2013 ( Quarta-Feira) Classes Gramaticais - Substantivo - Adjetivo - Artigo - Numeral -

Leia mais

COLÉGIO S MARQUÊS DE MONTE ALEGRE

COLÉGIO S MARQUÊS DE MONTE ALEGRE TURMA: 7º ANO A - MANHÃ MATEMÁTICA Preposição, tempos verbais, verbo To Be (past) Numerais (anos) Uso da 3ª pessoa do singular Question tag, in / into Pretérito Perfecto do Indicativo Reglas de Eufonia

Leia mais

DOMINIOS PRos6DICOS E A RESOLm;Ao DE CHOQUES DE ACENTO NO PORTUGUaS BRASILEIRO

DOMINIOS PRos6DICOS E A RESOLm;Ao DE CHOQUES DE ACENTO NO PORTUGUaS BRASILEIRO DOMINIOS PRos6DICOS E A RESOLm;Ao DE CHOQUES DE ACENTO NO PORTUGUaS BRASILEIRO ABSTRACT: This work aims to outline an analysis of the relation between stress clash resolution in Brazilian Portuguese and

Leia mais

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario ABSTRACT: This paper argues that stative predicates cannot occur with subject oriented secondary predicates. We are assuming a view that

Leia mais

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque EU GOSTO DE DOCE E EU VI A ELE NA PERSPECTIVA DA TEORIA DO CASO Daniel Mateus O Connell 1 INTRODUÇÃO O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque diferente. Até então, as pesquisas

Leia mais

Português. Índice de aulas. Tipologias textuais

Português. Índice de aulas. Tipologias textuais Índice de aulas Tipologias textuais Texto narrativo em prosa Ação Personagens Narrador Espaço Tempo Modalidades do discurso A consequência dos semáforos, de António Lobo Antunes História sem palavras,

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

O parâmetro do sujeito nulo na Aquisição do Português L2

O parâmetro do sujeito nulo na Aquisição do Português L2 Estudos da Língua(gem) Estudos em Aquisição de L1 e L2 O parâmetro do sujeito nulo na Aquisição do Português L2 Null subject parameter in L2 Portuguese Acquisition Gildete Rocha Xav i e r Universidade

Leia mais

SOCIOLlNGOfSTICA E DIALETOLOGIA III Dia 29 - Local: CEL14-14:00-18:00 Coordenador(a): Sebostiao Carlos Leite Gonyolves

SOCIOLlNGOfSTICA E DIALETOLOGIA III Dia 29 - Local: CEL14-14:00-18:00 Coordenador(a): Sebostiao Carlos Leite Gonyolves SOCIOLlNGOfSTICA E DIALETOLOGIA III Dia 29 - Local: CEL14-14:00-18:00 Coordenador(a): Sebostiao Carlos Leite Gonyolves A EXPREssAo DO FUTURO Denise Gas!>enJerth. Elvine Siemens Duck. Edson Fagundes as

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática O verbo O verbo O que é? Palavra variável em pessoa, número, tempo, modo e voz que exprime um processo, isto é, aquilo que se passa no tempo. Pode exprimir: Ação Estado Mudança de estado Fenômeno natural

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas

Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas Juanito Avelar Instituto de Estudos da Linguagem Universidade Estadual de Campinas juanitoavelar@uol.com.br Resumo. À luz da Morfologia

Leia mais

2 Revisão de literatura

2 Revisão de literatura 21 2 Revisão de literatura Realizaremos nessa primeira parte deste capítulo a apresentação disponível para alunos e professores em livros didáticos de PL2E e em Gramáticas (não apenas nas tradicionais,

Leia mais

o COMPORTAMENTO DA CATEGORIA VAZIA NA POSI<;AO DE SUJEITO EM ORA<;OES RELATIV AS DO PORTUGutS DO BRASIL

o COMPORTAMENTO DA CATEGORIA VAZIA NA POSI<;AO DE SUJEITO EM ORA<;OES RELATIV AS DO PORTUGutS DO BRASIL Daniela JAKUBASZKO (USP - CNPq) o COMPORTAMENTO DA CATEGORIA VAZIA NA POSI

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão : 08 19 25 A questão 08 do código 07, que corresponde à questão 19 do código 08 e à questão 25 do código 09 Assinale a alternativa incorreta em relação à regência nominal. a) São poucos os cargos

Leia mais

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor.

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor. ABSTRACT: Following the tradition of English grammar, some authors have distinguished between count and non-count nouns in Portuguese. The present paper resumes this discussion and develops the hypothesis

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DE ESTUDOS DA DISCIPLINA DE ESPANHOL

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DE ESTUDOS DA DISCIPLINA DE ESPANHOL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DE ESTUDOS DA DISCIPLINA DE ESPANHOL ESPANHOL 3º CICLO GRUPO DISCIPLINAR 350 ANO LETIVO 2014-2015 Turmas: 7º9 Docente: Sérgio Simão Couto PLANO DE ESTUDOS DA DISCIPLINA DE

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 MOTIVO ALEGADO PELO CANDIDATO: alternativa

Leia mais

Luciani Ester TENANI (Universidade Estadual Paulista/SJRP - Universidade de Campinas)

Luciani Ester TENANI (Universidade Estadual Paulista/SJRP - Universidade de Campinas) Luciani Ester TENANI (Universidade Estadual Paulista/SJRP - Universidade de Campinas) ABSTRACT: Jokes are seen as texts that have some linguistic strategies, whose explanation can be relevant to study

Leia mais

figuram nas palavras; ja as propostas nao-estruturalistas procuram verificar as formas pelas quais a estrutura morfol6gica pode ser vista como objeto

figuram nas palavras; ja as propostas nao-estruturalistas procuram verificar as formas pelas quais a estrutura morfol6gica pode ser vista como objeto ABSTRACT: The goal of this paper is to argue that the appreciative and evaluative suffixes in the Portuguese have two distinct realities: one that does not change and others that change the grammatical

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o presente do indicativo em português e espanhol Talita Vieira Moço (USP) Introdução Nesta ocasião apresentaremos algumas das observações

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

3. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Areane Kanawati Prof. o Felipe Lopes

3. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Areane Kanawati Prof. o Felipe Lopes 3. o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Areane Kanawati Prof. o Felipe Lopes Unidade IV Trabalho A trajetória humana, suas produções e manifestações 2 Aula 10.1 Conteúdo O emprego verbal: Formas pessoais (indicativo,

Leia mais

OS SISTEMAS TEMPORAlS EM "MOMENTO NUM CAFE", DE MANUEL BANDEIRA

OS SISTEMAS TEMPORAlS EM MOMENTO NUM CAFE, DE MANUEL BANDEIRA OS SISTEMAS TEMPORAlS EM "MOMENTO NUM CAFE", DE MANUEL BANDEIRA Vera Lucia Massoni XAVIER DA SILVA (Universidade Rio Preto) Estadual PaulistalSao Jose do ABSTRACT: In this paper we examine the temporal

Leia mais

CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER

CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER Vejamos os exemplos de concordância do verbo ser: 1. A cama eram (ou era) umas palhas. Isto são cavalos do ofício. A pátria não é ninguém: são todos. (Rui Barbosa).

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

COLÉGIO AFAM SÃO MIGUEL Conteúdo Processo Seletivo 2014

COLÉGIO AFAM SÃO MIGUEL Conteúdo Processo Seletivo 2014 ENSINO FUNDAMENTAL I 2º ANO PORTUGUÊS: Famílias silábicas simples e formação de palavras; Auto-ditado; Reconhecer e aplicar vogais e consoantes; Completar palavras com vogais e consoantes; letra cursiva

Leia mais

Colocação pronominal. Colocação pronominal. Ênclise Próclise Mesóclise

Colocação pronominal. Colocação pronominal. Ênclise Próclise Mesóclise Colocação pronominal Colocação pronominal Ênclise Próclise Mesóclise 1 Ênclise colocação depois do verbo - tendência natural do português europeu: Fez-se um silêncio profundo na sala. Vai-te embora! Foi-se

Leia mais

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS PORTUGUÊS PARA CONCURSOS Sumário Capítulo 1 - Noções de fonética Fonema Letra Sílaba Número de sílabas Tonicidade Posição da sílaba tônica Dígrafos Encontros consonantais Encontros vocálicos Capítulo 2

Leia mais

Por ser um tópico gramatical abordado de modo estritamente normativo, a

Por ser um tópico gramatical abordado de modo estritamente normativo, a 72 Os pronomes pessoais átonos e sua sintaxe de colocação nos livros didáticos Francisco Eduardo Vieira da Silva* Resumo: Neste artigo é verificada a forma como os livros didáticos abordam os pronomes

Leia mais

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016 Período: 1.º Ano Número total de aulas previstas: 39 Competências Compreensão oral: compreender textos orais, de natureza diversificada e de acessibilidade adequada ao Compreensão escrita: compreender

Leia mais

FLEXA.O PESSOAL EM GUATO 1

FLEXA.O PESSOAL EM GUATO 1 FLEXA.O PESSOAL EM GUATO 1 Adair Pimentel PalacIo UFPE Guato e uma lingua indigena brasileira falada por cerca de 50 das 220 remanescentes da tribo Guato, indios eanoeiros de Mato Grosso e Mato Grosso

Leia mais

VAMOS ESTUDAR OS VERBOS

VAMOS ESTUDAR OS VERBOS VAMOS ESTUDAR OS VERBOS Autores: Ana Catarina; Andreia; Bibiana; Pedro Cardoso. Ano/Turma: 6º A Ano Lectivo: 2007/2008 Índice. 1 Introdução... 2 Pág. Primeira Parte 1-OS VERBOS 1.1 Conceito.. 3 1.2 Tempo.

Leia mais

Evidências da reanálise da posição de tópico no português europeu

Evidências da reanálise da posição de tópico no português europeu Evidências da reanálise da posição de tópico no português europeu Edivalda Alves Araújo Universidade do Estado da Bahia (UNEB) edivaldaaraujo@uneb.br Resumo. A gramática do português europeu moderno, de

Leia mais

ORDEM DAS PALAVRAS E OS ADVÉRBIOS DITOS MONOSSILÁBICOS ÁTONOS

ORDEM DAS PALAVRAS E OS ADVÉRBIOS DITOS MONOSSILÁBICOS ÁTONOS ORDEM DAS PALAVRAS E OS ADVÉRBIOS DITOS MONOSSILÁBICOS ÁTONOS Flávio Martins de ARAÚJO (Universidade Federal de Santa Catarina) ABSTRACT: The main goal of this paper is to provide a description of the

Leia mais

Aula 1: Traços morfossintáticos

Aula 1: Traços morfossintáticos Aula 1: Traços morfossintáticos Quando pensamos nos elementos formativos da sintaxe, ou seja, com que tipos de elementos a sintaxe trabalha, pensamos automaticamente em palavras. Entretanto, essa não parece

Leia mais

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN Aula2 TALKING ABOUT PLACES IN TOWN META Apresentar a estrutura gramatical there be a qual representa o verbo haver em português - bem como trabalhar os adjetivos possessivos e vocabulário de suporte aos

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

CONTEÚDO AVALIAÇÕES IV UNIDADE / ENSINO FUNDAMENTAL II 6º ANO

CONTEÚDO AVALIAÇÕES IV UNIDADE / ENSINO FUNDAMENTAL II 6º ANO CONTEÚDO AVALIAÇÕES IV UNIDADE / ENSINO FUNDAMENTAL II 6º ANO DISCIPLINA / TURMA 2ª CHAMADA RECUPERAÇÃO FINAL 6º ANO A E B UNIDADES DE MEDIDA DE COMPRIMENTO PÁG. 261. TRANSFORMAÇÃO DAS UNIDADES DE MEDIDA

Leia mais

o meu trabalho e resultante das reflexoes que

o meu trabalho e resultante das reflexoes que A APRENDIZAGEM DE LfNGUA PORTUGUESA NA 5~ S~- RIE DO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU: UMA EXPERIBNCIA E PRIN- CfPIOS PARA UMA PROPOSTA DE ENSINO. Esta comunicacao pretende expor as linhas gerais de minha dissertacao

Leia mais

o RECORTE GEOGRAFICO E LINGVfsTICO NA URBANIZA~AO DA CIDADE DE SAO PAULO

o RECORTE GEOGRAFICO E LINGVfsTICO NA URBANIZA~AO DA CIDADE DE SAO PAULO o RECORTE GEOGRAFICO E LINGVfsTICO NA URBANIZA~AO DA CIDADE DE SAO PAULO Maria da Penha Marinovic DORO (USP/CNPq) ABSTRACT: The purpose 0/ this paper is to analyse the proposed corpus, a distinct hierarchical

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Uso de pronomes pessoais dos casos reto e oblíquo Uma articulação em usos orais e escritos

Uso de pronomes pessoais dos casos reto e oblíquo Uma articulação em usos orais e escritos 139 Uso de pronomes pessoais dos casos reto e oblíquo Uma articulação em usos orais e escritos Bárbara Cristina Damaceno Refosco * Resumo: este estudo tem por objetivo expor uma análise relativa ao uso

Leia mais

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 TITLE OF PAPER LANGUAGE & LINGUISTIC IV COURSE NUMBER IDE-PT202 TIME ALLOWED THREE (3) HOURS INSTRUCTIONS 1. ANSWER ALL QUESTIONS. 2. DO NOT WRITE

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA SCHER, Ana Paula. ReVEL na escola: Morfologia Distribuída. ReVEL, v. 13, n. 24, 2015. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA Ana Paula Scher 1 Universidade de São Paulo Os processos

Leia mais

O preenchimento de sujeito com verbos climáticos

O preenchimento de sujeito com verbos climáticos Revista Crátilo, 6(1):72-84, 2013 Centro Universitário de Patos de Minas http://cratilo.unipam.edu.br O preenchimento de sujeito com verbos climáticos Natival Almeida Simões Neto Graduando da Universidade

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

GRAMÁTICA PORTUGUESA 1 (Sintaxe-Semântica)

GRAMÁTICA PORTUGUESA 1 (Sintaxe-Semântica) FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA GRAMÁTICA PORTUGUESA 1 (Sintaxe-Semântica) José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO

Leia mais

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35 SUMÁRIO Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25 Prefácio de Rodolfo Ilari Introdução...31 Como consultar esta gramática...35 1. O que se entende por língua e por gramática...41

Leia mais

ASSUNTOS PARA RECUPERAÇÃO 6º ANO

ASSUNTOS PARA RECUPERAÇÃO 6º ANO ASSUNTOS PARA RECUPERAÇÃO 6º ANO ARTES - Ponto e linha...tipos de ponto e linha; - Cores quentes e frias; - Desenho...memória...cego...observação; - Abstracionismo. CIÊNCIAS - O ciclo da água; - Tectônica

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano Letivo 2014/2015 Português 3.º Ano DISCIPLINA DOMÍNIOS CONTEÚDOS INTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO PORTUGUÊS Pesquisa

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

(Versão preliminar, Favor não circular) CASO INERENTE, CASO DEFAULT E AUSÊNCIA DE PREPOSIÇÕES. Mary A. Kato (UNICAMP)

(Versão preliminar, Favor não circular) CASO INERENTE, CASO DEFAULT E AUSÊNCIA DE PREPOSIÇÕES. Mary A. Kato (UNICAMP) (Versão preliminar, Favor não circular) CASO INERENTE, CASO DEFAULT E AUSÊNCIA DE PREPOSIÇÕES Mary A. Kato (UNICAMP) 1. O problema Os complementos nominais e os complementos de verbos como gostar e precisar

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO 2015 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO 2015 Podemos sempre mais do que imaginamos. Me. Agathe Verhelle Caros Pais e Alunos, A Recuperação de Estudos oportuniza a participação em aulas e atividades sobre temas já estudados,

Leia mais

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso REFLEXÕES SOBRE A DESCRIÇÃO DE SUBSTANTIVOS E ADJETIVOS EM LIVROS DIDÁTICOS

Leia mais

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Nize Paraguassu Endereço Acadêmico: Departamento de Lingüística - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade

Leia mais

COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA

COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA Isabela Santos da Silva 1 Isnalda Berger de Figueiredo Alves Filha 2 70 RESUMO: O trabalho apresenta como tema a

Leia mais

AQUISIÇÃO DO PB COMO L2: O SUJEITO NULO 1

AQUISIÇÃO DO PB COMO L2: O SUJEITO NULO 1 AQUISIÇÃO DO PB COMO L2: O SUJEITO NULO 1 Gildete Rocha XAVIER Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS RESUMO Este estudo investiga a aquisição do sujeito nulo do Português Brasileiro como segunda

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

Introdução. AS INTERROGATIVAS Q DO PORTUGUÊS EUROpEU E DO PORTUGUÊS BRASILEIRO ATUAIS

Introdução. AS INTERROGATIVAS Q DO PORTUGUÊS EUROpEU E DO PORTUGUÊS BRASILEIRO ATUAIS AS INTERROGATIVAS Q DO PORTUGUÊS EUROpEU E DO PORTUGUÊS BRASILEIRO ATUAIS Carlos Mioto UFSC Mary A. Kato UNICAMP RESUMO Nosso objetivo é comparar a variação observada nas sentenças Q interrogativas do

Leia mais

Português. Índice de aulas. Tipologias textuais

Português. Índice de aulas. Tipologias textuais Índice de aulas Tipologias textuais Texto narrativo Introdução ao texto narrativo: ação, personagens, espaço e tempo Introdução ao texto narrativo: narrador e modalidades do discurso A Vida Mágica da Sementinha:

Leia mais

Período composto por subordinação

Período composto por subordinação Período composto por subordinação GRAMÁTICA MAIO 2015 Na aula anterior Período composto por coordenação: conjunto de orações independentes Período composto por subordinação: conjunto no qual um oração

Leia mais

Temario Serie 1. Introducción / Lección 1. Competencias: Gramática: Vocabulario: Las Introducciones. Nombres Tudo bem!

Temario Serie 1. Introducción / Lección 1. Competencias: Gramática: Vocabulario: Las Introducciones. Nombres Tudo bem! Temario Serie 1 Introducción / Lección 1 Introducciones Nombres Tudo bem! Las Introducciones > muito prazer, tudo bem, com licença Vocabulario: com licença por favor obrigado, obrigada muito prazer bom

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Loremi Loregian-Penkal 1 1 Departamento de Letras Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO) Rua Holanda, 293 84500-000 Irati PR

Leia mais

Curso Profissional 11º ano. Módulo III Lugares e Transportes

Curso Profissional 11º ano. Módulo III Lugares e Transportes Curso Profissional 11º ano Módulo III Lugares e Transportes 1. Competências visadas (a desenvolver no aluno) Compreensão oral: - Compreender o suficiente para resolver necessidades concretas, desde que

Leia mais

FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O OBJETO DIRETO, O OBJETO INDIRETO E O ADJUNTO CIRCUNSTANCIAL, NA CLASSIFICAÇÃO SINTÁTICA DOS TERMOS DA ORAÇÃO, DE MÁRIO PERINI Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ/FFP) INTRODUÇÃO

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA RECUPERAÇÃO DE MATEMÁTICA. 9 o ANO Horário: das 7:20 h às 12:15 h.

RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA RECUPERAÇÃO DE MATEMÁTICA. 9 o ANO Horário: das 7:20 h às 12:15 h. C A M 03 04 C A M RECUPERAÇÃO DE MATEMÁTICA RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 a PROVA MATEMÁTICA 1 DATA: 07/12/2015 Potências e Radicais Cálculo Algébrico (Fatoração e Produtos Notáveis) Equações do 2

Leia mais

UMAS TINTAS DE GERATIVA: conversa com quem não é do ramo 1

UMAS TINTAS DE GERATIVA: conversa com quem não é do ramo 1 UMAS TNTAS DE GERATA: conversa com quem não é do ramo 1 Dercir Pedro de OLERA (UFMS) A gramática gerativa tem perdido, gradativamente, seus seguidores nos últimos tempos. A prova disso é o grande número

Leia mais

DICAS DE PORTUGUÊS. Sidney Patrézio Reinaldo Campos Graduando em Ciência da Computação

DICAS DE PORTUGUÊS. Sidney Patrézio Reinaldo Campos Graduando em Ciência da Computação DICAS DE PORTUGUÊS Sidney Patrézio Reinaldo Campos Graduando em Ciência da Computação CONCORDÂNCIA NOMINAL Concordância nominal é o princípio de acordo com o qual toda palavra variável referente ao substantivo

Leia mais

6ª Série/Ensino Fundamental

6ª Série/Ensino Fundamental 6ª Série/Ensino Fundamental ROTEIRO DE ESTUDO PARA AS PROVAS DE RECUPERAÇÃO /DEZEMBRO 2013 CIÊNCIAS NATURAIS: 16/12/13 SEGUNDA FEIRA répteis; mamíferos. REDAÇÃO: 16/12/13 SEGUNDA FEIRA Leitura e interpretação

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

Curriculum Vitae. José Mario Botelho

Curriculum Vitae. José Mario Botelho Dados pessoais Nome Nome em citações bibliográficas Sexo Endereço profissional José Mario Botelho Curriculum Vitae José Mario Botelho BOTELHO, José Mario Masculino Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? *

Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? * Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? * 1.Nesta actividade, vamos estudar de que forma os verbos podem significar situações com durações diferentes. Quando consultamos o dicionário,

Leia mais

Conteúdo Provas Trimestrais 6º EF Datas Disciplina Conteúdo

Conteúdo Provas Trimestrais 6º EF Datas Disciplina Conteúdo 6º EF 10/11 2ª Redação Poema japonês, o Haikai e o poema visual. 11/11 3ª Capítulo 14 Água potável e saneamento básico Ciências Capítulo 15 Água e saúde 12/11-4ª Gramática Compreensão do texto Pronomes

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

Língua Portuguesa VERBO Parte I

Língua Portuguesa VERBO Parte I Língua Portuguesa VERBO Parte I Conceito geral: Verbo é a palavra que expressa ação, estado, mudança de estado ou indica fenômeno da natureza. Verbo Quando se pratica uma ação, a palavra que representa

Leia mais