A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol"

Transcrição

1 A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o presente do indicativo em português e espanhol Talita Vieira Moço (USP) Introdução Nesta ocasião apresentaremos algumas das observações que fizemos num estudo contrastivo das formas de representação de eventos atuais cujo desenvolvimento, ou parte dele, tem lugar em um intervalo de tempo coincidente com o da enunciação. As formas lingüísticas que materializam esse sentido aqui observadas são as perífrases [estar + gerúndio] e a forma simples do presente do indicativo no português brasileiro (PB) e no espanhol. O motivo do interesse pela comparação desse aspecto nas duas línguas foi a percepção de uma equivalência irregular entre fragmentos de falas de filmes em língua espanhola e suas respectivas traduções ao português. Como se verá ao longo deste trabalho, ainda que a representação da atualidade do evento se dê majoritariamente pela forma perifrástica em ambas línguas, revelando muitos pontos de aproximação entre os sistemas, há também algumas nãocorrespondências, idiossincrasias de cada língua que tentamos descrever. 1. Tempo e aspecto Nessa tentativa de compreender como se materializa em cada língua a expressão dos eventos concomitantes ao fazer enunciativo, nos deparamos com uma das propriedades sintático-semânticas das formas verbais, possivelmente presente no 3366

2 sistema cognitivo dos falantes no momento de seleção da forma mais apropriada à interpretação que fazem do evento que querem expressar, mas pouco ou nada descrita nos livros escolares. Trata-se do aspecto verbal, categoria relacionada à maneira como o falante concebe ou apresenta a constituição interna da situação expressada pelo verbo. Diferenciando-se da categoria do tempo que localiza o evento verbal em referência a algum outro, relacionando-o como anterior, simultâneo ou posterior ao momento da enunciação ou ao momento em que ocorre outro evento o aspecto se ocupa do tempo enquanto propriedade inerente ou interna a qualquer evento, por mais breve que seja este, e mostra o evento como tal e como este se desenvolve ou se distribui no tempo (DE MIGUEL, 1999, p ). Para compreender essa categoria, assumimos o conceito de que essa propriedade verbal está constituída pelas características semânticas dos verbos, enquanto itens lexicais, em sua interação, no caso das perífrases, com as informações do auxiliar e com os argumentos do verbo principal, formando uma rede complexa de elementos sintático-semânticos que permitem ao enunciador adotar diferentes pontos de vista com respeito ao predicado, algo que se designa com o termo composicionalidade da categoria aspecto (CASTILHO, 2002, p. 85). Para as formas de que nos ocupamos, decidimos adotar o termo aspecto progressivo, referindo-nos àquele que representa uma fase do desenvolvimento de um evento que começou em um momento anterior à enunciação e que coincide com o instante da fala, podendo, inclusive, superá-lo. 2. Sobre a forma simples Tanto na bibliografia sobre o espanhol como nos trabalhos sobre o português, muito já se comentou sobre a menor capacidade expressiva das formas 3367

3 simples para representação desse desenvolver durativo, estando essas encarregadas, principalmente, da orientação de tempo, ou seja, de estabelecer a relação entre o momento do evento referido pelo verbo e o momento de referência (GROPPI; MALCUORI, 1990, p. 161). É justamente essa característica do presente simples de não necessariamente expressar com exatidão a coincidência entre o momento do evento e o momento da enunciação, que o habilita, por exemplo, expressar eventos anteriores ou posteriores ao fazer enunciativo: 1a) Cervantes publica la primera parte del Quijote en b) Cervantes publica a primeira parte do Quixote em a) Termino la carrera el año que viene. 2b) Eu termino a faculdade no ano que vem. Outra possibilidade expressiva do presente nas duas línguas é a representação de eventos mais ou menos desligados do momento preciso do tempo cronológico, ainda que vigentes no momento da enunciação. 3a) Dos y dos son cuatro. 3b) Dois e dois são quatro. 4a) El aceite flota en el agua. 4b) O óleo bóia na água. Alguns autores consideram que em casos assim não se trata tanto de enunciar um ato, falar da ação em si, quanto de expressar um traço que descreve uma situação, uma característica inerente ao sujeito (MATTE BON, 2004, p. 15). Nesses exemplos, embora tenhamos o presente do indicativo como tempo flexional, não 3368

4 temos necessariamente a categoria de tempo atualizada em presente, ou seja, não se estabelece relação entre o momento do evento e o momento enunciativo, e sim se representa a extensão de uma característica (3) e a reiteração de um processo (4) ou de uma ação, como neste exemplo: 5a) Marta pinta. 5b) A Marta pinta. Temos, então, diante da baixa informação temporal dessas formas de presente simples, a forte expressão do aspecto ilimitado ou habitual, que, quando relacionado a atividades que se repetem, pode, em alguns casos, levar à paráfrase dos enunciados por orações predicativas: A Marta é pintora. 3. Estar + gerúndio e a simetria entre as línguas No par de orações seguinte, no entanto, além da atualização temporal que nos permite saber que o desenvolvimento do evento se mantém durante a enunciação, a informação aspectual nos diz que se trata de um evento específico, em que uma das fases do desenvolvimento se encontra com o instante da enunciação. 6a) Marta está pintando. 6b) A Marta (es)tá pintando. Para melhor comparar as duas formas, além dessa análise semântica, podemos observar os contextos sintáticos em que em geral aparece cada uma delas. Em relação aos pares de orações (5) e (6), ao observarmos os sintagmas nominais que em geral aparecem junto ao núcleo, vemos uma regência diferente em 3369

5 relação ao grau de determinação de seus complementos. O par (5) seleciona SNs indeterminados e rege, com pouca ou nenhuma freqüência, ao menos no PB, SNs determinados quando se pretende transmitir a atualização progressiva, isto é, o desenvolver de um evento específico: 5a ) Marta pinta cuadros. 5b ) A Marta pinta quadros. 5c)?Marta pinta este cuadro [ahora]. 5d) *A Marta pinta esse quadro [agora] reiteratividade?progressividade *progressividade Enquanto isso, o par (6) aceita as duas possibilidades expressando, no entanto, eventos de naturezas distintas: 6a ) Marta está pintando cuadros [últimamente]. 6b ) A Marta está pintando quadros [ultimamente]. 6c) Marta está pintando este cuadro [ahora]. 6d) A Marta está pintando esse quadro [agora]. reiteratividade progressividade Em (6ab ), temos a informação de um evento que se dá de maneira repetida desde um momento anterior à enunciação e que, ainda que não apareça marcado com adjuntos temporais como últimamente/ ultimamente, costuma relacionar-se a um passado recente, ou seja, é menos ilimitada que a reiteração expressada pela forma simples. Temos, então, o aspecto reiterativo, do qual não nos ocuparemos neste trabalho. Nos outros exemplos (6cd), no entanto, a referência é mais definida: tratase não de reiteração, ou seja, da série de eventos parecidos ou iguais que possa ser 3370

6 pintar, e sim de um único evento que se desenvolve gradativamente, sendo que uma das fases que o compõe coincide com o instante em que se representa lingüisticamente a ação de pintar. 4. Idiossincrasias Como vimos, a observação do grau de transitividade dos núcleos verbais e das características dos sintagmas com funções argumentais (por exemplo, o grau de referencialidade do objeto direto) nos exemplos anteriores nos mostrou grandes semelhanças entre as duas línguas. Há casos, no entanto, em que uma certa assimetria se manifesta, como se vê nesta tira de Mafalda: Nela temos um evento progressivo representado pela forma simples em espanhol, possibilidade restringida pela outra língua, já que uma oração como O que você faz? não corresponderia à intenção do falante de indagar subitamente o que significa a atitude da menina ao tentar limpar o olho do pai com um lenço de papel. Nesse caso, provavelmente a pergunta seria: O que você (es)tá fazendo?, uma vez que o uso da forma simples em PB, representa na quase totalidade dos casos o aspecto ilimitado ou habitual a que nos referimos. 3371

7 O exemplo tomado das tiras da Mafalda ilustra um contexto sintático freqüente na realização da forma simples em algumas construções presentes em nosso corpus. Alguns dos exemplos que mostravam a forma simples em espanhol em casos em que a tradução ao PB só admite a forma perifrástica são, além das orações com o verbo hacer, outras sentenças interrogativas encabeçadas por uma estrutura que-: 7a) Dé qué te ries? 7b) Do que você (es)tá rindo? 8a) Qué buscas? 8b) O que você (es)tá procurando? 9a) Qué dicen? 9b) O que eles (es)tão dizendo/ falando? A observação sintática dos exemplos nos levou a considerar também a baixa transitividade dos lexemas verbais, um possível contribuinte para a manutenção da forma simples na expressão da progressividade do evento em espanhol. Em alguns dos exemplos temos um núcleo que não seleciona argumento interno: 10a) Voy. 10b) (Es)tou indo. 10c) Já vou. E em outro temos uma oração constituída apenas pelo núcleo verbal, ou seja, uma sentença cujo núcleo não projeta nenhum espaço argumental, característica comum a alguns verbos meteorológicos. 3372

8 11a) Afuera llueve. 11b) Lá fora (es)tá chovendo. 5. Considerações finais Como se pode ver, é grande a proximidade entre os dois sistemas focalizados aqui em relação ao uso de ambas formas: tanto em PB quanto em espanhol o presente simples vincula, em grande parte das ocorrências, o aspecto ilimitado de um evento que se mantém no momento da enunciação, enquanto a forma perifrástica expressa, entre outros valores aspectuais não citados neste trabalho, a reiteratividade de um evento dinâmico que teve início em um instante de tempo anterior e que se mantém no momento da enunciação, e a progressividade, ou seja, o desenvolver de uma fase de um evento que coincide com o instante em que está sendo enunciado. No entanto, em espanhol, em algumas situações em que a enunciação permite a atualização aspectual progressiva de um evento dinâmico, a forma simples assume o lugar que em PB, com lexemas verbais que expressam situações dotadas de dinamismo, praticamente só é ocupado pela forma perifrástica. É possível que para uma melhor descrição dessa questão seja necessária uma ainda maior introspecção nos estudos sintático-semânticos dedicados à categoria aspecto e suas relações de composicionalidade com os constituintes das sentenças, uma questão à qual nos estamos dedicando na nova etapa de nossa pesquisa. Referências 3373

9 CASTILHO, Ataliba. O aspecto verbal no português falado. In: CASTILHO, Ataliba (Org.). Gramática do português falado. Campinas: Editora da Unicamp, v. 8. p DE MIGUEL, Elena. El aspecto léxico. In: BOSQUE, Ignácio; DEMONTE, Violeta. Gramática descriptiva de la lengua española. Madrid: Real Academia Española/ Ed. Espasa Calpe, p MALCUORI, Marisa; GROPPI, Mirta. Un punto de interés para el estudio comparativo: el presente perifrástico. In: SILVA, P. C. da (Org.). Língua, literatura e a integração hispano-americana. Porto Alegre: Sec. Ed. da Universidade/ UFRGS, p MATTE BON, Francisco. Gramática comunicativa del español. Madrid: Edelsa, p Nota 1 Exemplo tomado e adaptado de Matte Bon (op. cit., p. 17). 3374

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO

REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (1359-1367) REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO Solange Mendes OLIVEIRA (Universidade Federal de Santa

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

Pretérito Perfeito Composto do Indicativo

Pretérito Perfeito Composto do Indicativo Pretérito Perfeito Composto do Indicativo Pretérito perfeito composto formas Forma-se o Pretérito perfeito composto do indicativo com o verbo auxiliar ter no presente do indicativo e o particípio passado

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA META Apresentar questões problemáticas relativas à transitividade verbal pela gramática tradicional; propor novo modelo de transitividade verbal.

Leia mais

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no prefaciamento dos dicionários Verli PETRI vpetri@terra.com.br Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) O processo de prefaciamento/apresentação

Leia mais

O VALOR ASPECTUAL NAS METÁFORAS VERBAIS: (RE)CONHECENDO UM MUNDO CONHECIDO 1

O VALOR ASPECTUAL NAS METÁFORAS VERBAIS: (RE)CONHECENDO UM MUNDO CONHECIDO 1 583 O VALOR ASPECTUAL NAS METÁFORAS VERBAIS: (RE)CONHECENDO UM MUNDO CONHECIDO 1 Thabyson Sousa Dias (UFT) thabyson.sd@uft.edu.br Este estudo tem por objetivo analisar e descrever metáforas com verbo de

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira Cleide Coelho MARTINS 1, Lucielena Mendonça de LIMA 2 cleidecmartins@gmail.com INTRODUÇÃO Quando aprendemos ou ensinamos uma

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A SOCIOLINGUÍSTICA COMO ATIVIDADE NO CURRICULO ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia Furtado de Mendonça Cyranka (UFJF) lucia.cyranka@uol.com.br Lívia Nascimento Arcanjo (UFJF) Simone Rodrigues Peron (UFJF)

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO

O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO Luciana de Carvalho 1 Este estudo propõe refletir sobre o funcionamento discursivo

Leia mais

O aspecto iterativo em sentenças com a perífrase estar + gerúndio no português do Brasil e no espanhol do México

O aspecto iterativo em sentenças com a perífrase estar + gerúndio no português do Brasil e no espanhol do México O aspecto iterativo em sentenças com a perífrase estar + gerúndio no português do Brasil e no espanhol do México Anne Katheryne E. Maggessy (UFRJ)1 Resumo: Este estudo se orienta dentro do quadro teórico

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE

TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE Mundo, maio/2014 O golpe de 1964, que completou meio século, é passado e presente simultaneamente. Passado: o golpe se inscreve na geopolítica da Guerra

Leia mais

TRUQUE: DESLIGUE OS AVISOS DE E-MAIL

TRUQUE: DESLIGUE OS AVISOS DE E-MAIL semelhança de um alerta externo de nova mensagem, terão impacto negativo na profundidade com que mergulha num dado assunto. O caminho para otimizar a focalização passa, pois, e também, por uma boa perceção

Leia mais

O JOGO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO ENSINO DA MATEMÁTICA

O JOGO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO ENSINO DA MATEMÁTICA 1 O JOGO COMO INSTRUMENTO FACILITADOR NO ENSINO DA MATEMÁTICA Caique Melo de Oliveira Universidade do Estado da Bahia Uneb (Campus IX) caiquemelo@outlook.com Américo Júnior Nunes da Silva 1 Universidade

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

O futuro do subjuntivo do português e do espanhol: descrição, confronto, interferência e fossilização 1

O futuro do subjuntivo do português e do espanhol: descrição, confronto, interferência e fossilização 1 O futuro do subjuntivo do português e do espanhol: descrição, confronto, interferência e fossilização 1 Marta A. Oliveira Balbino Reis (UEL) Introdução Temos como objetivo discorrer sobre o trabalho que

Leia mais

Concurso de Monitoria Estudantil

Concurso de Monitoria Estudantil UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIAS E LINGUAGENS Edital 03/2011/DTL/IM/UFRRJ Concurso de Monitoria Estudantil O Chefe do Departamento de

Leia mais

Gramática e ensino do português

Gramática e ensino do português Ação de formação Gramática e ensino do português Filomena Viegas Funções sintáticas na frase Sujeito [[Os meus primos] vivem em Santarém. [Esse rapaz alto que tu conheces] estudou no Porto. Chegaram [os

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA COMO ELEMENTO PRESENTE EM TEXTOS QUE RETRATAM O LINGUAJAR GAÚCHO

A REPRESENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA COMO ELEMENTO PRESENTE EM TEXTOS QUE RETRATAM O LINGUAJAR GAÚCHO INTRODUÇÃO A REPRESENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA COMO ELEMENTO PRESENTE EM TEXTOS QUE RETRATAM O LINGUAJAR GAÚCHO Juliane Tatsch 1 Esse trabalho é um recorte da pesquisa de mestrado em desenvolvimento na

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo) Questão Muito do pioneirismo das ideias de Saussure advém do fato de o autor ter sido o primeiro a mencionar a natureza social da língua, como se pode observar no seguinte excerto do Curso de Linguística

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

Capítulo III Metodologia e Contextualização da Pesquisa

Capítulo III Metodologia e Contextualização da Pesquisa 37 Capítulo III Metodologia e Contextualização da Pesquisa É preciso ter paciência disse a raposa. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim, assim, na relva. Eu te olharei com o canto do olho e tu

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

Só o governo pode garantir o desenvolvimento.

Só o governo pode garantir o desenvolvimento. ENTREVISTA Só o governo pode garantir o desenvolvimento. O ministro Eros Grau PERFIL INFORMAÇÕES PESSOAIS NOME COMPLETO Eros Roberto Grau DATA DE NASCIMENTO 19 de agosto de 1940 LOCAL DE NASCIMENTO Santa

Leia mais

OS PRONOMES PESSOAIS ÁTONOS NA INTERLÍNGUA ORAL DOS APRENDIZES BRASILEIROS DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

OS PRONOMES PESSOAIS ÁTONOS NA INTERLÍNGUA ORAL DOS APRENDIZES BRASILEIROS DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA OS PRONOMES PESSOAIS ÁTONOS NA INTERLÍNGUA ORAL DOS APRENDIZES BRASILEIROS DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA BÁRBARA BALDARENA MORAIS Centro de Comunicação e Letras Universidade Presbiteriana Mackenzie

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática Módulo 3 Unidade 10 Sistemas Lineares Para início de conversa... Diversos problemas interessantes em matemática são resolvidos utilizando sistemas lineares. A seguir, encontraremos exemplos de alguns desses

Leia mais

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO DE ATIVIDADE Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Edição de um filme a partir de fotografias ANIVERSÁRIO GEMEOS / 7

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Estudo de Unidades fraseológicas e seus sentidos metafóricos em dois Dicionários Bilíngües Español-Português, Português- Espanhol.

Estudo de Unidades fraseológicas e seus sentidos metafóricos em dois Dicionários Bilíngües Español-Português, Português- Espanhol. Estudo de Unidades fraseológicas e seus sentidos metafóricos em dois Dicionários Bilíngües Español-Português, Português- Espanhol. Ana María Barrera Conrad Sackl Universidad Federal de Santa Catarina (UFSC)

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Verbos, verbos e mais

Verbos, verbos e mais Verbos, verbos e mais verbos CONHECIMENTO EXPLÍCITO DA LÍNGUA Indicações para utilização dos materiais Foi nossa intenção, ao produzir estes materiais, abordar de forma integrada diferentes domínios do

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias Rosana do Carmo Novaes Pinto 1 Desde 1999, venho defendendo a relevância

Leia mais

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS Valeria Fernandes Nunes Mestranda em Linguística (UERJ) valeriafernandesrj@hotmail.com RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência

Leia mais

VAMOS ESTUDAR OS VERBOS

VAMOS ESTUDAR OS VERBOS VAMOS ESTUDAR OS VERBOS Autores: Ana Catarina; Andreia; Bibiana; Pedro Cardoso. Ano/Turma: 6º A Ano Lectivo: 2007/2008 Índice. 1 Introdução... 2 Pág. Primeira Parte 1-OS VERBOS 1.1 Conceito.. 3 1.2 Tempo.

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2. Exercícios Semana 4. 1) Complete os diálogos usando o tempo verbal mais adequado:

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2. Exercícios Semana 4. 1) Complete os diálogos usando o tempo verbal mais adequado: Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 4 Revisão Tempos verbais: 1) Complete os diálogos usando o tempo verbal mais adequado: 1 2 2) Revisão verbos SABER, PODER e QUERER: 3)

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1 OBMEP 00 Nível 1 1 QUESTÃO 1 Como Leonardo da Vinci nasceu 91 anos antes de Pedro Américo, ele nasceu no ano 14 91 = 145. Por outro lado, Portinari nasceu 451 anos depois de Leonardo da Vinci, ou seja,

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

OS GÊNEROS ORAIS NO ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA: ANÁLISE DE ATIVIDADES DE COMPREENSÃO ORAL

OS GÊNEROS ORAIS NO ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA: ANÁLISE DE ATIVIDADES DE COMPREENSÃO ORAL OS GÊNEROS ORAIS NO ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA: ANÁLISE DE ATIVIDADES DE COMPREENSÃO ORAL Viviane Cristina POLETTO-LUGLI (UEM FAFIJAN) ISBN: 978-85-99680-05-6 REFERÊNCIA: POLETTO-LUGLI, Viviane Cristina.

Leia mais

DESCRIÇÃO E ARGUMENTAÇÃO EM CLASSIFICADOS DE IMÓVEIS Renata G. Palmeira (UERJ)

DESCRIÇÃO E ARGUMENTAÇÃO EM CLASSIFICADOS DE IMÓVEIS Renata G. Palmeira (UERJ) A CIDMAR TEODORO PAIS DESCRIÇÃO E ARGUMENTAÇÃO EM CLASSIFICADOS DE IMÓVEIS Renata G. Palmeira (UERJ) INTRODUÇÃO A ideia para o presente trabalho, que está sendo desenvolvido como projeto de Iniciação Científica

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

O Fenômeno El Niño : Percepção e Cognição dos Habitantes e Alunos do Ensino Médio de Rio Claro-SP Brasil

O Fenômeno El Niño : Percepção e Cognição dos Habitantes e Alunos do Ensino Médio de Rio Claro-SP Brasil O Fenômeno El Niño : Percepção e Cognição dos Habitantes e Alunos do Ensino Médio de Rio Claro-SP Brasil OLIVEIRA, Lívia (Professora Titular Departamento de Geografia- UNESP Rio Claro São Paulo- Brasil)

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A PROGRESSÃO REFERENCIAL EM DEPOIMENTOS DE ORKUT Lorena Santana Gonçalves (UFES) ls.goncalves@hotmail.com Maria da Penha Pereira Lins (UFES) penhalins@terra.com.br 1. Apresentação Inseridos numa perspectiva

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

MARIA SUZANA DE STEFANO MENIN **

MARIA SUZANA DE STEFANO MENIN ** OS DIREITOS HUMANOS NA SALA DE AULA: A ÉTICA COMO TEMA TRANSVERSAL * MARIA SUZANA DE STEFANO MENIN ** lisses F. de Araújo e Júlio Groppa Aquino são autores do livro Direitos humanos em sala de aula que

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO

O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO 642 O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO Carolina Garcia de Carvalho Silva UFJF/CAPES Maria Cristina Lobo Name UFJF 0 Introdução Este trabalho propõe-se a investigar

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016 Período: 1.º Ano Número total de aulas previstas: 39 Competências Compreensão oral: compreender textos orais, de natureza diversificada e de acessibilidade adequada ao Compreensão escrita: compreender

Leia mais

Gerúndio versus Infinitivo Gerundivo: Brasil e Portugal em contraste nos séculos XIX e XX

Gerúndio versus Infinitivo Gerundivo: Brasil e Portugal em contraste nos séculos XIX e XX Gerúndio versus Infinitivo Gerundivo: Brasil e Portugal em contraste nos séculos XIX e XX Núbia Graciella Mendes Mothé 1 1 Faculdade de Letras Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) nubiamothe@gmail.com

Leia mais

TRATAMIENTO DE LOS ASPECTOS CONFLICTIVOS DEL ESPAÑOL PARA LUSOHABLANTES. Centro de Formação Continua de Professores FLUC

TRATAMIENTO DE LOS ASPECTOS CONFLICTIVOS DEL ESPAÑOL PARA LUSOHABLANTES. Centro de Formação Continua de Professores FLUC TRATAMIENTO DE LOS ASPECTOS CONFLICTIVOS DEL ESPAÑOL PARA LUSOHABLANTES Acão de Formação nº18 de 2012/2013 (CCPFC/ACC-73656/13) Centro de Formação Continua de Professores FLUC Formadoras: Mestre Elena

Leia mais

FERNÁNDEZ, Francisco Moreno. Qué español enseñar? Madrid: Arco/Libros, 2000. 95 p.

FERNÁNDEZ, Francisco Moreno. Qué español enseñar? Madrid: Arco/Libros, 2000. 95 p. FERNÁNDEZ, Francisco Moreno. Qué español enseñar? Madrid: Arco/Libros, 2000. 95 p. Adja Balbino de Amorim BARBIERI DURÃO Universidade Estadual de Londrina O livro resenhado Qué español enseñar?, de Francisco

Leia mais

ANPAD CURSO LÓGICA 1

ANPAD CURSO LÓGICA 1 01. Três amigas, Tânia, Janete e Angélica, estão sentadas lado a lado em um teatro. Tânia sempre fala a verdade, Janete às vezes fala a verdade e Angélica nunca fala a verdade. A que está sentada à esquerda

Leia mais

Professora: Lícia Souza

Professora: Lícia Souza Professora: Lícia Souza Morfossintaxe: a seleção e a combinação de palavras Observe que, para combinar as palavras loucamente, louco e loucura com outras palavras nas frases de modo que fiquem de acordo

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE

DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE Antonio Veimar da Silva 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar os conhecimentos

Leia mais

INFINITIVO PERIFRÁSTICO EM PB: UMA ESTRUTURA INOVADORA?

INFINITIVO PERIFRÁSTICO EM PB: UMA ESTRUTURA INOVADORA? INFINITIVO PERIFRÁSTICO EM PB: UMA ESTRUTURA INOVADORA? Jacqueline Sousa Borges de Assis 1 jac@araxa.cefetmg.br RESUMO: O fato de o infinitivo perifrástico (verbo auxiliar+estar+-ndo/ estar+-ndo) constituir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO Joaquim Cesar Cunha dos Santos ATIVIDADE 07 DISCIPLINA:

Leia mais

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Tassiana Quintanilha de Souza (G CLCA UENP/CJ) Denise da Silva de Oliveira (Orientadora CLCA UENP/CJ) RESUMO: Este artigo visa discorrer sobre a formatação

Leia mais

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA Nome: Dilma Célia Mallard Scaldaferri GT do Ensino de História e Educação Área temática: Teoria, historiografia e metodologia - Simpósio 37 O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA...

Leia mais

Guião E. 1.º MOMENTO Intervenientes e tempos

Guião E. 1.º MOMENTO Intervenientes e tempos Proposta de Guião para uma Prova Disciplina: Espanhol, Nível de Iniciação, 11.º ano (A2) Domínio de Referência: Viajes y Transportes Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião E 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Índice Página PROGRAMAS ACADÊMICOS E PROFISSIONAIS OFERECIDOS POR UM MESMO DEPARTAMENTO...2 PROPOSTA DE PROGRAMA...2 COMO COPIAR E COLAR...2 CADASTRO DOCENTE...2 ATIVIDADE DOCENTE...2

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende Nosso trabalho fala da argumentação e como utilizamos recursos argumentativos dentro da linguagem, e esta argumentação traz tanto efeitos positivos

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A PRODUÇÃO DA "HIPERCORREÇÃO", EM TEXTOS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REFLETINDO SOBRE A PRODUÇÃO DA HIPERCORREÇÃO, EM TEXTOS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REFLETINDO SOBRE A PRODUÇÃO DA "HIPERCORREÇÃO", EM TEXTOS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Elizete Beatriz Azambuja (UNICAMP e UEG) liazambuja@ibest.com.br Este texto faz parte das reflexões que estou fazendo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS PROVAS As provas do processo seletivo simplificado

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

CANÇÃO DO FOLCLORE CAPIXABA QUEBRA QUEBRA GABIROBA

CANÇÃO DO FOLCLORE CAPIXABA QUEBRA QUEBRA GABIROBA CANÇÃO DO FOLCLORE CAPIXABA QUEBRA QUEBRA GABIROBA RELATÓRIO DE PESQUISA SOBRE CANÇÃO DO FOLCLORE CAPIXABA MÚSICA: QUEBRA QUEBRA GABIROBA GRUPO: HAROLDO FREITAS SILVA MÁRCIA F. PEREIRA FAUSTINI PATRÍCIA

Leia mais

SUBSTÂNCIA, MATÉRIA E ESSÊNCIA NA METAFÍSICA DE ARISTÓTELES

SUBSTÂNCIA, MATÉRIA E ESSÊNCIA NA METAFÍSICA DE ARISTÓTELES SUBSTÂNCIA, MATÉRIA E ESSÊNCIA NA METAFÍSICA DE ARISTÓTELES Rodrigo Jungmann Doutor em Filosofia Professor adjunto do DFL/UFS Resumo: Neste artigo, empreendemos um estudo da categoria aristotélica de substância,

Leia mais

79 Português para Estrangeiros: Territórios e fronteiras.

79 Português para Estrangeiros: Territórios e fronteiras. Tentando transpor a fronteira sintática da regência verbal entre o português e o espanhol Rosane Margareth Kath TRULLÉN (The Language Club, Florianópolis - Brasil) Introdução A enorme proximidade verificada

Leia mais

trata de um problema com a cor. Se você examinar cuidadosamente as 24 peças, verá que as quatro reconstruídas têm outro tipo de madeira.

trata de um problema com a cor. Se você examinar cuidadosamente as 24 peças, verá que as quatro reconstruídas têm outro tipo de madeira. js Isso aconteceu quando comecei a sentir necessidade de introduzir o espaço real. O Muro blanco, de 1952-53, por exemplo [17], que ainda é uma construção serial, pode ser associado a Rotación, de 1952.

Leia mais

Abordagem da Cultura no Ensino do Espanhol dentro e fora da Sala de Aula III PARTE

Abordagem da Cultura no Ensino do Espanhol dentro e fora da Sala de Aula III PARTE III PARTE 1.- Exemplos de prática pedagógica desenvolvida na Escola Secundária do Sabugal tendo em conta a componente cultural 1.1.- Dentro da sala de aula A prática pedagógica desenvolvida na nossa escola,

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIS Como vimos no módulo 1, para que nós possamos extrair dos dados estatísticos de que dispomos a correta análise e interpretação, o primeiro passo deverá ser a correta

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra A PROIBIÇÃO DA DESPEDIDA ARBITRÁRIA NAS LEGISLAÇÕES NACIONAIS: UMA PERSPECTIVA DE DIREITO COMPARADO * Halton Cheadle ** Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra para mim estar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM

A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Érica Pereira Anjos dos Santos Graduanda em Pedagogia Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Francisca Campelo de Oliveira Graduanda

Leia mais

TEMPO NA FRASE E TEMPO NO TEXTO: AS TEORIAS DE REICHENBACH E DE ROJO E VEIGA *

TEMPO NA FRASE E TEMPO NO TEXTO: AS TEORIAS DE REICHENBACH E DE ROJO E VEIGA * TEMPO NA FRASE E TEMPO NO TEXTO: AS TEORIAS DE REICHENBACH E DE ROJO E VEIGA * Raquel Meister Ko. Freitag ** Resumo: Este artigo apresenta um estudo comparativo das teorias de Reichenbach (1947) e de Rojo

Leia mais

Liberdade e Autonomia no Estudo

Liberdade e Autonomia no Estudo Liberdade e Autonomia no Estudo Externato Infante D. Henrique Serviço de Psicologia gab.psicologia@alfacoop.pt 2011/2012 Quando eu era aluno (a) DANTES. Mudam-se os tempos mudam-se as vontades. Luís Vaz

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 FUVEST 2003 Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 Q.01 BR. Contribuindo para o cinema brasileiro rodar cada vez melhor. A Petrobras Distribuidora sempre investiu na cultura do País e acreditou no potencial

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA EM AULAS DE FÍSICA DO ENSINO MÉDIO: ANALISANDO EPISÓDIOS DE AULAS SOBRE ENERGIA POR MEIO DA ABORDAGEM HISTÓRICO CULTURAL

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA EM AULAS DE FÍSICA DO ENSINO MÉDIO: ANALISANDO EPISÓDIOS DE AULAS SOBRE ENERGIA POR MEIO DA ABORDAGEM HISTÓRICO CULTURAL IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA EM AULAS DE FÍSICA DO ENSINO MÉDIO: ANALISANDO EPISÓDIOS DE

Leia mais

Curso Oracle SQL Expert - Certificação 1Z0-047

Curso Oracle SQL Expert - Certificação 1Z0-047 Curso Oracle SQL Expert - Certificação 1Z0-047 O Curso Oracle SQL Expert - Certificação 1Z0-047 é um treinamento voltado para pessoals que estão no mercado de trabalho de Tecnologia da Informação ou desejam

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

Afinal o que são e como se calculam os quartis? Universidade do Algarve Departamento de Matemática

Afinal o que são e como se calculam os quartis? Universidade do Algarve Departamento de Matemática Afinal o que são e como se calculam os quartis? Susana Fernandes Mónica Pinto Universidade do Algarve Departamento de Matemática Introdução Imaginemos que queremos calcular os quartis de um conjunto de

Leia mais