Efeito da bioencapsulação de ácidos graxos essenciais em Artemia sp. utilizada na alimentação de pós-larvas de Bijupirá (Rachycentron canadum)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeito da bioencapsulação de ácidos graxos essenciais em Artemia sp. utilizada na alimentação de pós-larvas de Bijupirá (Rachycentron canadum)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL CURSO DE MESTRADO Efeito da bioencapsulação de ácidos graxos essenciais em Artemia sp. utilizada na alimentação de pós-larvas de Bijupirá (Rachycentron canadum) JOSE LUIZ SANCHES GONCALVES JUNIOR CRUZ DAS ALMAS BAHIA JULHO 2010

2 Efeito da bioencapsulação de ácidos graxos essenciais em Artemia sp. utilizada na alimentação de pós-larvas de Bijupirá (Rachycentron canadum) JOSE LUIZ SANCHES GONCALVES JUNIOR Biólogo Faculdade de Tecnologia e Ciências, 2006 Dissertação submetida ao Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre em Ciência Animal, ênfase em Alimentação e Nutrição de Organismos Aquáticos Orientador: Leandro Portz Co-orientador: José Jerônimo de Souza Filho CRUZ DAS ALMAS BAHIA JULHO 2010

3 FICHA CATALOGRÁFICA G635 Gonçalves Junior, José Luiz Sanches. Efeito da bioencapsulação de ácidos graxos essenciais em artêmia sp. utilizada na alimentação de pós-larvas de bijupirá(rachycentron canadum). / José Luiz Sanches Gonçalves Júnior. _ Cruz das Almas BA, f.; il. Orientador: Leandro Portz. Co-orientador: José Jerônimo de Souza Filho. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas, Área de Concentração: Ciência Animal. 1.Piscicultura. 2.Peixes - Alimentação. I. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia II. Título. CDD 639.3

4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL CURSO DE MESTRADO COMISSÃO EXAMINADORA DA DEFESA DA DISSERTAÇÃO DE JOSE LUIZ SANCHES GONCALVES JUNIOR Prof. Ph.D. Leandro Portz Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (Orientador) Prof. Dr. Jose Arlindo Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Prof. Dr. Ricardo Castelo Branco Albinati Universidade Federal da Bahia CRUZ DAS ALMAS BAHIA JULHO 2010

5 DEDICATÓRIA Dedico com carinho e amor ao meu herói (pai), minha luz (mãe) e irmã, que sempre me apoiaram. Dedico a todos os amigos e familiares que estiveram juntos neste sonho, acreditando em minha capacidade. À minha namorada Rosiane, pela paciência, compreensão, dedicação e carinho durante esta jornada.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela saúde e por ter me guiado ao final desta jornada. Agradeço aos meus pais, irmã, familiares e amigos pelo apoio e ensinamentos da vida. A uma grande pessoa chamada Rogério Arapiraca, que através da natação me ensinou a ter determinação e força de vontade pelos meus ideais. A minha segunda mãe Virginia Guimarães, que sempre me orientou e me indicou os caminhos certos. Ao meu orientador, pelo aprendizado, orientação, apoio e paciência. Ao meu co-orientador, chefe e amigo Jerônimo, pela ajuda, convivência sadia, risadas, conhecimento técnico e de vida. Agradeço à Bahia Pesca, que disponibilizou a estrutura, as pós-larvas e a liberação do horário de trabalho para o mestrado. Aos Funcionários da Fazenda Oruabo: Beijinho, Íris, Pintor, Siri, Roque (Quingue), Pin, D. Lúcia, D. Ivone (Neném), Pintor, Bargada, Mongol (ordinário), Deco (Del), Dedinho, Gildasio, Neneu, Gado, Seu Zé, D. Cristina, Zé Roberto, Eliane, Flavio (Xô), Reginaldo (Nanico), Fully (Sacanagem) e Carlos Eduardo (Tico), que ajudaram e me incentivaram de forma direta e indireta na condução do experimento. À Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e ao curso de Mestrado em Ciência Animal pela oportunidade de realização do curso. À Profª Dra. Janice Druzian, da Faculdade de Farmácia, da Universidade Federal da Bahia por oferecer o LAPESCA para realização das análises e paciência. Ao pessoal do LAPESCA que me ajudou e contribuiu para realização das análises. Em especial Aline Casais Tavares pela amizade, ajuda nas análises e paciência. Ao aluno de Engenharia de Pesca da UFRB, Leandro S. Neves pela acolhida na república e parceria. Ao colega de Mestrado, Washington Tavechio pela força companheirismo e ajuda. À minha grande amiga e companheira Rosiane, que durante esta fase esteve do meu lado me apoiando e incentivando na realização deste sonho. E a todos de sua família que contribuíram indiretamente.

7 SUMÁRIO Página RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO 1 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 7 Capítulo 1 EFEITO DA BIOENCAPSULAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ESSENCIAIS EM Artemia sp., ALIMENTADA COM PRODUTOS COMERCIAIS 11 Capítulo 2 INCORPORAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ESSENCIAIS EM PÓS-LARVAS DE BIJUPIRÁ (Rachycentron canadum), ALIMENTADAS COM Artemia sp. ENRIQUECIDA 28 CONSIDERAÇÕES FINAIS 50 ANEXO A 51 ANEXO B 58

8 EFEITO DA BIOENCAPSULAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ESSENCIAIS EM Artemia sp. UTILIZADA NA ALIMENTAÇÃO DE PÓS-LARVAS DE BIJUPIRÁ (Rachycentron canadum) Autor: Jose Luiz Sanches Goncalves Junior Orientador: Leandro Portz RESUMO: O presente estudo teve como objetivo avaliar o efeito da bioencapsulação de ácidos graxos essenciais em artêmia na alimentação de póslarvas de Bijupirá (Rachycentron canadum) em sistema fechado de produção de larvas. Para o presente estudo os tratamentos foram definidos como 1:1 de ω3 Yeast 60 e Red Papper (TR-1 = RED+YEAST) e 1:1 de ω3 Yeast 60 e Algamac 3050 (TR-2 = A3050+YEAST), respectivamente, avaliado os perfis de ácidos graxos essenciais nos produtos, nas artêmias e nas pós-larvas de bijupirá. As pós-larvas de bijupirá foram alimentadas quatro vezes ao dia em uma densidade de 1 artemia/ml entre o 10º ao 18º DAE exclusivamente com artêmia oriundas dos dois tratamentos. Os produtos comerciais TR-1 e TR-2 bem como as artêmias enriquecidas por eles apresentaram perfis significativamente diferentes (p<0,05) para o ácido linoléico, DHA, totais de AGPI, n-3 AGPI, n-6 AGPI e DHA/EPA. O ácido graxo linolênico ARA e EPA não apresentaram correlação significativa entre os tratamentos na artêmia. E as pós-larvas alimentadas com artêmia enriquecida com TR-2 apresentaram um aumento significativo no DHA e no total de n-3 AGPI em relação às pós-larvas alimentadas com artêmia enriquecida com TR-1. Os resultados obtidos neste estudo indicam a baixa eficiência na incorporação de DHA e a relação DHA/EPA na artêmia alimentada com TR-1, sugerindo uma retroconversão desse ácido graxo para EPA. Entretanto, as pós-larvas de bijupirá possuem uma alta incorporação de ácidos graxos essências, após um período de alimentação com artêmia enriquecida. Diferente de outras espécies de peixes marinhos o bijupirá não evidencia o alongamento da cadeia dos ácidos graxos essenciais, mas preferencialmente retenção no tecido das pós-larvas. Palavras-chave: Ácidos graxos, enriquecimento, incorporação, larvicultura.

9 EFFECT OF THE ENRICHMENT OF ESSENTIAL FATTY ACID IN Artemia sp. USED IN FEED FOR POST-LARVAE COBIA (Rachycentron canadum) Autor: Jose Luiz Sanches Goncalves Junior Orientador: Leandro Portz Abstract: The present study had as objective evaluates the effect of the enrichment of essential fatty acids in Artemia in the feeding of Cobia fish larvae (Rachycentron canadum) in closed water system. In the present study the treatments were defined as 1:1 of n3 Yeast 60 and Red Papper (TR-1 = RED+YEAST) and 1:1 of n3 Yeast 60 and Algamac 3050 (TR-2 = A3050+YEAST), respectively, appraised the profiles of essential fatty acids in the products, and Cobia larvae. The fish larvae were fed four times a day in a density of 1 artemia/ml among the 10th to 18th DAE exclusively with artemia originating from of the two treatments. The commercial products TR-1 and TR-2 as well as the enriched artemia by them presented profiles significantly different (p <0,05) for the linoleic acid, DHA, total of AGPI, n-3 AGPI, n-6 AGPI and DHA/EPA. The linolenic acid, ARA and EPA didn't present significant correlation among the treatments in the artemia enrichment. And the post-larvae fed with artemia enriched with TR-2 presented a significant increase in DHA and in the n-3 total AGPI as post-larvae fed with artemia enriched with TR-1. The results obtained in this study indicate the low efficiency in the incorporation of DHA and the relationship DHA/EPA in the artemia fed with TR-1, suggesting a conversion of that fatty acid EPA. However, the cobia possess a high incorporation of essential fatty acids, after a feeding period with artemia enriched. Different from other species of sea fish the cobia doesn't evidence the prolongation of the chain of the essential fatty acids, but preferentially retention in the tissue of the post-larvae. Key-words: Fatty acids, enrichment, incorporation, larviculture.

10 INTRODUÇÃO O Bijupirá (Rachycentron canadum Linnaeus, 1766) é um peixe marinho cosmopolita, pelágico, migrador e que durante os períodos de desova (primavera e verão) utiliza costas e baías ao longo da zona tropical, subtropical e em águas temperadas com exceção aparente do Oceano Pacifico Oriental (BRIGGS, 1960). Destaca-se no mundo pela facilidade de adaptação a desovas naturais, com altas taxas de fecundidade e um grande potencial zootécnico, podendo alcançar 5-6 kg no período de um ano em cultivos realizados em sistema de tanques redes no mar (ARNOLD et al., 2002; LIAO et al., 2004). No Brasil o bijupirá se distribui em todo o litoral, em especial no Nordeste, onde foi realizada a primeira desova de bijupirá do Brasil pela Bahia Pesca, na Bahia em 2006 (CARVALHO FILHO, 2006). Esta espécie merece atenção especial para a fase de pós-larvas, fase esta considerada a mais critica do cultivo, pois depende do alimento exógeno vivo para sua nutrição, sendo os mais utilizados para este fim os rotíferos (Brachionus sp.) e o microcrustáceo (Artemia spp.) (HASSLER; RAINVILLE, 1975; FAULK; HOLT, 2003, 2005; FAULK et al., 2007a; BENETTI et al., 2008). Com o avanço da tecnologia na alimentação das pós-larvas de peixes marinho, esta pode ser melhorada através da técnica de bioencapsulação (enriquecimento) do alimento vivo com dietas que atendam as exigências nutricionais, sendo esta técnica de fundamental importância para o sucesso da larvicultura (LAVENS; SORGELOOS, 1996; HOFF; SNELL, 1999). Durante a fase de larvicultura de peixes carnívoros marinhos ocorre uma transição gradativa na alimentação, onde o rotífero é oferecido como primeiro alimento exógeno, sendo substituído gradualmente por náuplio de artêmia. Durante a transição do alimento vivo, as pós-larvas de peixes marinhos necessitam de dietas ricas em nutrientes essenciais, sendo necessária a técnica de enriquecimento utilizando-se a Artemia salina como veículo (MERCHIE, 1996).

11 Nas fases de náuplio e metanáuplio, o microcrustáceo Artemia spp. é um dos alimentos vivos mais utilizados na alimentação de peixes marinhos. Isto porque é de fácil obtenção através de cistos, é resistente a amplas faixas de parâmetros abióticos, à manipulação e a enfermidades, tem grande aceitabilidade, suporta altas densidades, são de fácil digestibilidade, um tamanho que varia de 400 a 600 micra e possuem uma movimentação ativa, ideal para estimular a captura pela pós-larva e se mantêm por um maior período de dias na alimentação, comparado com outros organismos como os rotíferos (LAVENS; SORGELOOS, 1996; HOFF; SNELL, 1999). A Artemia sp. apresenta um valor nutricional baixo para as pós-larvas de peixes marinhos; oito horas após a eclosão, os náuplios entram na fase de metanáuplios, passando a se alimentar de pequenas partículas. Assim, para obteção de um valor nutricional ideal as artêmias utilizadas na alimentação inicial das pós-larvas de peixes marinhos, são submetidas ao processo de bioencapsulamento (enriquecimento) com nutrientes (LAVENS; SORGELOOS, 1996). O bioencapsulamento da Artemia sp. tem como função principal incorporar ao metanáuplio quantidades específicas de nutrientes essenciais como aminoácidos, ácidos graxos essenciais, vitaminas, imunonutrientes e probióticos, e assim, serem indiretamente biodisponibilizados às pós-larvas de peixes como alimento.. O enriquecimento deve ser capaz de suprir as exigências nutricionais e microbiológicas da espécie de peixe em estudo, através da transferência bioquímica e microbiológica, fazendo com que o melhoramento tenha um impacto positivo na sobrevivência, crescimento e no desenvolvimento das pós-larvas de peixes marinhos em larvicultura (LAVENS; SORGELOOS, 1996; HOFF; SNELL, 1999).

12 REVISÃO BIBLIOGRAFICA O Bijupirá, Rachycentron canadum (Linnaeus, 1766), é o único representante da família Rachycentridae. É um peixe marinho cosmopolita, pelágico, migrador e que durante os períodos de desova (primavera e verão) utiliza costas e baías ao longo da zona tropical, subtropical e em águas temperadas com exceção aparente do Oceano Pacifico Oriental (BRIGGS, 1960; SHAFFER; NAKAMURA, 1989). A espécie se destaca dentre os peixes marinhos tropicais, por possuir larga distribuição geográfica, elevada qualidade da carne, crescimento rápido (CHOU et al., 2001; LIAO et al., 2004; BENETTI et al., 2007), fecundidade elevada, facilidade de desova induzida e natural em cativeiro (FRANKS et al., 2001; ARNOLD et al., 2002), resistência a doenças e boa adaptação ao confinamento nos tanques (SCHWARZ, 2004). O processo de larvicultura do bijupirá vem sendo estudado por diversos pesquisadores (FAULK; HOLT, 2003, 2005; FAULK et al., 2007; HOLT et al., 2007; BENETTI et al., 2008). O bijupirá merece atenção especial para a fase de pós-larvas, fase esta considerada a mais critica do cultivo, pois depende do alimento exógeno vivo para sua nutrição, sendo os mais utilizados para este fim os rotíferos (Brachionus sp.) e o microcrustáceo (Artemia spp.) (HASSLER; RAINVILLE, 1975; FAULK; HOLT, 2003, 2005; FAULK et al., 2007a; BENETTI et al., 2008). Segundo KUBITZA (1997) as pós-larvas de peixes apresentam trato-digestivo rudimentar por ocasião da transição entre o vitelo (alimento endógeno) e alimento externo. O alimento vivo (rotífero e artêmia) são os primeiros alimentos externos para as pós-larvas da maioria dos peixes cultivados. Enzimas digestivas presentes nestes organismos são liberadas pela ação física das pós-larvas durante a captura e a ingestão. Estas enzimas desencadeiam a hidrólise das proteínas do próprio alimento vivo ingerido e estimulam a secreção de enzimas pelo trato digestivo das pós-larvas, facilitando os processos de digestão e absorção dos nutrientes.

13 FAULK; HOLT, (2005) conduziram estudos para determinar os efeitos do enriquecimento de rotíferos e artêmia utilizando microalgas e dietas comerciais, no crescimento e sobrevivência de pós-larvas de bijupirá, e avaliando os benefícios da adição de microalgas no tanque de cultivo. FAULK et al., (2007) cultivaram pós-larvas em sistema de recirculação de água para melhorias no controle da temperatura e qualidade da água na criação. HOLT et al., (2007) revisaram a larvicultura de bijupirá para determinar as necessidades de produção, focando os resultados recentes de desovas, larvicultura e iniciativas para futuros estudos na área. BENETTI et al., (2008) testaram a eficácia de protocolos experimentais, incorporando o uso de probiótico, profilaxia, diminuição no uso de microalgas, e inclusão de dietas comerciais para o enriquecimento do alimento vivo. Na produção de pós-larvas de muitas espécies de peixes marinhos, tais como: pargo (Pagrus pagrus), garoupas (Epinephelus spp), robalos (Centropomus spp), vermelhos (Lutjanus spp), robalo europeu (Dicentrarchus labrax), atuns (Thunnus spp) podem ser oferecidos rotíferos Brachionus plicatili como alimento vivo inicial, e, posteriormente, Artemia sp. e Artemia salina (Branchipus stagnalis), após um período inicial com um alimento vivo menor. Entretanto, as larvas dos peixes marinhos são cultivadas geralmente utilizando apenas Artemia sp. na dieta, como alimento vivo por um período de tempo muito mais longo (MERCHIE, 1996). O bijupirá tem o inicio de sua alimentação com o rotífero Brachionus plicatilis, que vai do 3º ao 7º dia após a eclosão (DAE), havendo a transição do rotífero para o náuplio de Artemia sp. a partir do 7º ao 8º DAE. Após o 8 DAE, as póslarvas de bijupirá começam a se alimentar da Artemia sp. enriquecida, até ser realizado o desmame (FAULK; HOLT, 2005). Pós-larvas de peixes marinhos, ao contrário da maioria das espécies de água doce, não possuem as enzimas necessárias para a síntese dos ácidos eicosapentenóico (EPA, C-20:5 ω-3), e docosahexenóico (DHA, C-22:6 ω-3), a partir de seu precursor de cadeia mais curta, o ácido linolênico (C-18:3 ω-3). Em vista disso, é essencial que os ácidos graxos, conhecidos como poli-insaturados (AGPI s ω-3), sejam fornecidos através da dieta. Esta exigência é considerada uma característica típica da nutrição de pós-larvas de peixes marinhos (SARGENT et al., 1989; WATANABE, 1993). A inclusão de uma pequena

14 quantidade (0,5 a 1% do peso seco) do ácido araquidônico (ARA, C-20:4 ω-6) em dietas utilizadas para larvicultura foi associada a maiores taxas de sobrevivência e maior resistência das larvas de Sparus aurata e Scophthalmus maximus ao estresse causado pela mudança de salinidade ou manipulação (CASTELL et al., 1994; SARGENT et al., 1999; BESSONART et al., 1999; KOVEN et al., 2001). Segundo LAVENS; SORGELOOS, (1996) os náuplios e os metanáuplios de Artemia sp. normalmente apresentam um valor nutricional reduzido para as póslarvas de peixes marinhos quando fornecidas oito horas após a eclosão onde os náuplios entrarão na fase de metanáuplio, passando a se alimentar de pequenas partículas. Assim, para obter um maior valor nutricional das artêmias utilizadas na alimentação inicial das pós-larvas de peixes marinhos, são realizados processos de bioencapsulamento dos nutrientes para uma posterior biodisponibilização indireta dos nutrientes as pós-larvas. A utilização de AGPI no enriquecimento da artêmia foi realizada para ter um efeito significativo na larvicultura dos peixes marinhos, e conduzir ao aumento da sobrevivência e da variabilidade dos peixes na larvicultura, tornando-se, assim, importante no desenvolvimento da produção comercial. Além disso, a resistência das pós-larvas ao manejo, melhoria da pigmentação, redução nas deformidades, melhora nas inflações da bexiga natatória e aumento na natação, tem sido correlacionada diretamente com o enriquecimento de AGPI na dieta das póslarvas (MERCHIE, 1996). Um dos aspectos mais importantes para o desenvolvimento das pós-larvas de peixe marinho diz respeito ao fornecimento de ácidos graxos poli-insaturados (AGPI s) incluindo o ácido araquidônico (ARA, C-20:4 ω-6), o ácido eicosapentenóico (EPA, C-20:5 ω-3) e o ácido docosahexenóico (DHA, C-22:6 ω- 3) (SARGENT et al.,1989; KANAZAWA, 1993; WATANABE, 1993; REITAN et al., 1994; LAVENS; SORGELOOS, 1996; BARRETO; CAVALCANTI, 1997; HOFF; SNELL, 1999). Estes ácidos não são sintetizados pelas pós-larvas de peixes marinhos e possuem um importante papel na estrutura, função e manutenção das membranas celulares, resistência ao estresse, desenvolvimento e funcionamento adequado do sistema nervoso e visual das pós-larvas de peixes marinhos (MERCHIE, 1996).

15 Em resultados publicados por FAULK; HOLT, (2003) a composição dos ácidos graxos nos ovos e larvas de bijupirá Rachycentron canadum apresentaram altos níveis de DHA, EPA e ARA, que constituem aproximadamente 80% dos ácidos graxos poli-insaturados. Dessa forma, este trabalho tem como objetivo avaliar o efeito da bioencapsulação de ácidos graxos essenciais em Artemia sp. na alimentação de pós-larvas de Bijupirá (Rachycentron canadum) em sistema fechado de produção de larvas. As metodologias e os resultados são apresentados nos capítulos a seguir: Capítulo 1: Efeito da bioencapsulação de ácidos graxos essenciais em Artemia sp., alimentada com produtos comerciais; e Capítulo 2: Incorporação de ácidos graxos essenciais por pós-larvas de Bijupirá (Rachycentron canadum), alimentadas com Artemia sp. enriquecida.

16 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARNOLD, C.R. et al.. Spawning of cobia Rachycentron canadum in captivity. J. World Aquac. Soc. v. 33(2), , BARRETO, O. J.; CAVALCANTI, D. G., Enriquecimento de alimentos vivos para alimentação de larvas de organismos marinhos: uma breve revisão. B. Inst. Pesca, São Paulo, 24 (único): , BENETTI, D.D. et al. Aquaculture of Cobia (Rachycentron canadum) in the Americas and the Caribbean. In: Liao, I.C., Leano, E.M. (Eds.), Cobia Aquaculture: Research, Development, and Commercial Production. Asian Fisheries Society, Manilla, Philippines, World Aquaculture Society, Louisiana, USA, The Fisheries Society of Taiwan, Keelung, Taiwan, and National Taiwan Ocean University, Keelung, Taiwan, p , BENETTI, D.D. et al. Intensive larval husbandry and fingerling production of cobia Rachycentron canadum, Aquaculture, doi: /j.aquaculture BESSONART, M. et al. Effect of dietary arachidonic acid levels on growth and survival of gilthead sea bream (Sparus aurata). Aquaculture v. 179, BRIGGS, J.C., Fishes of worldwide (circumtropical) distribution. Copeia. V. 3 p , CARVALHO FILHO, J. O êxito da primeira desova do bijupirá. Panorama da Aqüicultura. V. 16, n 97, 40-45, CASTELL, J. D. et al. Effects of purified diets containing different combinations of arachidonic and docosahexaenoic acid on survival, growth and fatty acid composition of juvenile turbot (Scophthalmus maximus). Aquaculture, v. 128, p , 1994.

17 CHOU, R.-L. et al. Optimal dietary protein and lipid levels for juvenile cobia (Rachycentron canadum). Aquaculture, v. 193, p , FAULK, C.K. et al. Ontogeny of the gastrointestinal tract and selected digestive enzymes in cobia Rachycentron canadum (L.). Journal of Fish Biology v. 70, p , 2007b. FAULK, C.K.; HOLT, G.J. Lipid nutrition and feeding of cobia Rachycentron canadum larvae. Journal of the World Aquaculture Society, v. 34, p , Advances in rearing cobia Rachycentron canadum larvae in recirculating aquaculture systems: live prey enrichment and greenwater culture. Aquaculture, v. 249, p , FAULK, C.K. et al. Growth and survival of larval and juvenile cobia Rachycentron canadum in a recirculating raceway system. Aquaculture, v. 270, p , 2007a. FRANKS, J.S. et al. Spontaneous spawning of cobia, Rachycentron canadum, induced by human chorionic gonadotropin (HCG), with comments on fertilization, hatching, and larval development. Proc. Caribb. Fish. Inst. v. 52, p , HASSLER, W.W.; RAINVILLE, R.P. Techniques for hatching and rearing cobia, Rachycentron canadum, through larval and juvenile stages. University of North Carolina Sea Grant College Program, UNC-SG-75-30, Raleigh, North Carolina. P. 26, HOFF, F. H., SNELL, T. W. Plankton culture manual, 5 th edition. Flórida: Nelsen, J. (Ed.), p. 160, HOLT, G.J. et al. A review of the larvae culture of cobia Rachycentron canadum, a warm water marine fish. Aquaculture, v. 268, p , 2007.

18 KANAZAWA A. Importance of dietary docosahexaenoic acid on growth and survival of fish larvae. In: Lee CS, Su MS, Liao IC. (Eds), Finfish Hatchery in Asia: Proceeding of finfish Hatchery in Asia 91. TML Conference Proceeding 3, p , KOVEN, W. et al. Advances in the development of microdiets for gilthead seabream, Sparus aurata: a review. Aquaculture, v. 194, p , KUBITZA, F. Nutrição e Alimentação dos Peixes. ESALQ-USP, Brasil. p. 74, LAVENS, P; SORGELOOS, P. (eds.). Manual on the production and use of live food for aquaculture. FAO Fisheries Technical Paper. No Rome, FAO. p. 295, LIAO, I.C. et al. Cobia culture in Taiwan: current status and problems. Aquaculture, v. 237, p , MERCHIE, G. Use of nauplii and meta-nauplii, p In: Manual on the production and use of live food for aquaculture. FAO Fisheries Technical Paper No Lavens, P. & Sorgeloos, P. (Eds.), p. 295, SARGENT, J. R. et al. The lipds. In: Haver, J. (Ed.), Fish Nutrition, 2 nd ed. NY, Academic Press, p , SARGENT, J. et al. Recent developments in the essential fatty acid nutrition of fish. Aquaculture, v. 177, p , SCHWARZ, M.H. Fingerling production still bottleneck for cobia culture. Glob. Aquac. Advocate 7(1), p , 2004.

19 SHAFFER, R.V.; NAKAMURA, E.L., Synopysis of biological data on the cobia, Rachycentron canadum. (Pisces:Rachycentridae). FAO Fisheries Synop. 153 (NMFS/S 153). U.S. Dep. Commer. NOAA Tech. Rep. NMFS 82. p. 21, WATANABE, T. Importance of Docosahexaenoic Acid in Marine Larval Fish. Journal of the Word Aquaculture Society, v. 24, p , 1993.

20 CAPÍTULO 1 EFEITO DA BIOENCAPSULAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ESSENCIAIS EM Artemia sp., ALIMENTADA COM PRODUTOS COMERCIAIS Artigo submetido ao comitê editorial do periódico cientifico Anais da Academia Brasileira de Ciências

21 Efeito da bioencapsulação de acido graxo essencial em Artemia sp. Alimentada com produtos comerciais Jose Luiz Sanches Gonçalves Junior I,III ; Leandro Portz II ; José Jerônimo de Sousa Filho III ; Aline Casais Tavares IV I Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Rua Rui Barbosa, 710, Centro, , Cruz das Almas, BA, Brasil. II Universidade Federal do Paraná (UFPR), Rua Pioneiro, 2153, Jd. Dallas, Palotina, PR, Brasil III Bahia Pesca, Av. Adhemar de Barros, 967, Ondina Salvador, BA, Brasil IV Laboratório de Pescados e Cromatografia Aplicada (LAPESCA), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Rua Barão do Jeremoabo, 147, Ondina, Salvador, BA, Brasil Palavra-chave: Ácidos graxos. Alimentação. Enriquecimento. Incorporação. Incorporação de acido graxo essencial em Artemia sp.. Zootecnia / Recursos Pesqueiros Jose Luiz Sanches Goncalves Junior, End. Av. Luiz Viana Filho, 6151, Ed. Ipanema, AP. 304, Paralela, Salvador, BA, Brasil. Tel: /

22 ABSTRACT: In marine fish hatchery the transition period of the live prey feed, they are necessary strategies for essential nutrients incorporation on diets, being necessary the enrichment technique with Artemia as vehicle. In the present study two types of treatments were accomplished for the enrichment to a rate of 0,6 g/106/artemia for a period of 12:00, totaling 24:00 of enrichment to a density of 150 Artemia/ml maintained in 35 psu and 28,4±0,5 ºC. The treatments were defined like 1:1 of n3 Yeast 60 and Red Papper (TR-1 = RED+YEAST) and 1:1 of n-3 Yeast 60 and Algamac 3050 (TR-2 = A3050+YEAST), respectively and appraised the profiles of acids essential fatty acids of the products and Artemia. The commercial products TR-1 and TR-2 as well as the enrichment Artemia for them, presented profiles significantly different (p <0,05) for the acid linoleic, DHA, total of AGPI, n-3 AGPI, n-6 AGPI and DHA/EPA. The fatty acid linolenic, ARA and EPA didn't present significant correlation among the treatments. The low efficiency in the incorporation of DHA and relationship DHA/EPA in TR-1 being used commercial enrichments; they suggest a retro conversion of that fatty acid for EPA. Key-words: Enrichment. Feeding. Fatty acids. Incorporation.

23 INTRODUÇÃO Na produção de pós-larvas de muitas espécies de peixes marinhos, tais como: pargo (Pagrus pagrus), garoupas (Epinephelus spp), robalos (Centropomus spp), vermelhos (Lutjanus spp), robalo europeu (Dicentrarchus labrax), atuns (Thunnus spp) podem ser oferecidos rotíferos Brachionus plicatili como alimento vivo inicial, e, posteriormente, Artemia sp. e Artemia salina (Branchipus stagnalis), após um período inicial com um alimento vivo menor. Entretanto, as larvas dos peixes marinhos são cultivadas geralmente utilizando apenas Artemia sp. na dieta, como alimento vivo por um período de tempo muito mais longo (Merchie 1996). Durante a fase de larvicultura de peixes carnívoros marinhos ocorre uma transição gradativa na alimentação, onde o rotífero é oferecido como primeiro alimento exógeno, sendo substituído gradualmente por náuplio de artêmia. Durante a transição do alimento vivo, as pós-larvas de peixes marinhos necessitam de dietas ricas em nutrientes essenciais, sendo necessária a técnica de enriquecimento utilizando-se a Artemia salina como veículo (Merchie 1996). Com o avanço da tecnologia na alimentação das pós-larvas de peixes marinho, esta pode ser melhorada através da técnica de bioencapsulação (enriquecimento) do alimento vivo com dietas que atendam as exigências nutricionais, sendo esta técnica de fundamental importância para o sucesso da larvicultura (Lavens and Sorgeloos 1996, Hoff and Snell 1999). Nas fases de náuplio e metanáuplio, o microcrustáceo Artemia spp. é um dos alimentos vivos mais utilizados na alimentação de peixes marinhos. Isto porque é de fácil obtenção através de cistos, é resistente a amplas faixas de parâmetros abióticos, à manipulação e a enfermidades, tem grande aceitabilidade, suporta altas densidades, são de fácil digestibilidade, um tamanho que varia de 400 a 600 micra e possuem uma movimentação ativa, ideal para estimular a captura pela pós-larva e se mantêm por um maior período de dias na alimentação, comparado com outros organismos como os rotíferos (Lavens and Sorgeloos 1996, Hoff and Snell 1999). A Artemia sp. apresenta um valor nutricional baixo para as pós-larvas de peixes marinhos; oito horas após a eclosão, os náuplios entram na fase de

24 metanáuplios, passando a se alimentar de pequenas partículas. Assim, para obteção de um valor nutricional ideal as artêmias utilizadas na alimentação inicial das pós-larvas de peixes marinhos, são submetidas ao processo de bioencapsulamento com nutrientes (Lavens and Sorgeloos 1996). O bioencapsulamento da Artemia sp. tem como função principal incorporar ao metanáuplio quantidades específicas de nutrientes essenciais como aminoácidos, ácidos graxos essenciais, vitaminas, imunonutrientes e probióticos, e assim, serem indiretamente biodisponibilizados às pós-larvas de peixes como alimento. O enriquecimento deve ser capaz de suprir as exigências nutricionais e microbiológicas da espécie de peixe em estudo, através da transferência bioquímica e microbiológica, fazendo com que o melhoramento tenha um impacto positivo na sobrevivência, crescimento e no desenvolvimento das pós-larvas de peixes marinhos em larvicultura (Lavens and Sorgeloos 1996, Hoff and Snell 1999). Um dos aspectos mais importantes para o desenvolvimento das pós-larvas de peixe marinho diz respeito ao fornecimento de ácidos graxos poli-insaturados (AGPI s) incluindo o ácido araquidônico (ARA, C-20:4 ω-6), o ácido eicosapentenóico (EPA, C-20:5 ω-3) e o ácido docosahexenóico (DHA, C-22:6 ω- 3) (Sargent et al. 1989, Kanazawa 1993, Watanabe 1993, Reitan et al. 1994, Lavens and Sorgeloos 1996, Barreto and Cavalcanti 1997, Hoff and Snell 1999). Os AGPI s e ARA s, possuem um importante papel na estrutura e função da manutenção das membranas, resistência ao esforço, desenvolvimento e funcionamento adequado do sistema nervoso e visual das pós-larvas (Merchie 1996). O presente estudo tem como objetivo avaliar diferentes estratégias de enriquecimentos sobre o perfil de ácidos graxos essenciais incorporados pelas Artemias sp. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi desenvolvido no Laboratório de Piscicultura Marinha da Fazenda Experimental Oruabo, Bahia Pesca S.A., Secretaria de Agricultura do Estado da Bahia, localizado no distrito de Acupe, Município de Santo Amaro BA Brasil. As análises laboratoriais foram realizadas no Laboratório de Pescados e

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQ Título: A importância da dureza total e seus íons na criação do beijupira. Autores:

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3 EM TILÁPIAS DO NILO (Oreochromis niloticus)

INCORPORAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3 EM TILÁPIAS DO NILO (Oreochromis niloticus) INCORPORAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3 EM TILÁPIAS DO NILO (Oreochromis niloticus) Beatriz Costa e Silva 1 ; Hevelyse Munise Celestino dos Santos 2 ; Paula Fernandes Montanher 1 ; Joana Schuelter Boeing

Leia mais

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829)

ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) UNIVERSIDADE DO AMAZONAS Faculdade de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos ESTUDO DA FREQÜÊNCIA ALIMENTAR DO PIRARUCU, Arapaima gigas (CUVIER, 1829) André Lima Gandra Dissertação

Leia mais

URI - CAMPUS ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS

URI - CAMPUS ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS URI - CAMPUS ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS PRODUÇÃO ENZIMÁTICA DE MONOGLICERÍDEOS A PARTIR DE ÓLEO DE OLIVA NA PRESENÇA DE SURFACTANTE KARINA

Leia mais

COMPOSIÇÂO QUÍMICA E ÁCIDOS GRAXOS EM CHIA (Salvia hispânica L.)

COMPOSIÇÂO QUÍMICA E ÁCIDOS GRAXOS EM CHIA (Salvia hispânica L.) COMPOSIÇÂO QUÍMICA E ÁCIDOS GRAXOS EM CHIA (Salvia hispânica L.) Beatriz Costa e Silva 1 ; Hevelyse Munise Celestino dos Santos 2 ; Paula Fernandes Montanher 1 ; Joana Schuelter Boeing 1 ; Jesuí Vergílio

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

CRIAÇÃO DE BIJUPIRÁ EM SISTEMA DE RECIRCULAÇÃO DE ÁGUA

CRIAÇÃO DE BIJUPIRÁ EM SISTEMA DE RECIRCULAÇÃO DE ÁGUA CRIAÇÃO DE BIJUPIRÁ EM SISTEMA DE RECIRCULAÇÃO DE ÁGUA Luís André Sampaio Universidade Federal do Rio Grande - FURG Instituto de Oceanografia Laboratório de Piscicultura Estuarina e Marinha sampaio@mikrus.com.br

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil

Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil Artur N. Rombenso, Viviana Lisboa y Luís A. Sampaio Introdução Cultivo de Cobia de 3 a 4 Kg. A maricultura no Brasil tem um modesto desenvolvimento

Leia mais

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011)

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011) PROJETO SOED Relatório do primeiro ano de formação na UFSC Genyess R.A.S.Vieira (Março - Dezembro de 2011) Florianópolis, 2012 A cidade de Florianópolis, é a cidade capital do estado Santa Catarina, localizado

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 Introdução O cérebro humano representa apenas 2% do nosso peso total, mas usa aproximadamente 20% do oxigênio consumido por todo nosso corpo quando está em repouso. Ele é um órgão complexo que

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS-FANAT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA-DQ

FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS-FANAT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA-DQ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE-UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS-FANAT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA-DQ TÍTULO: Uso de águas mães na adaptação do beijupirá: influência da salinidade

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 CASSANEGO, Daniela Buzatti 2 ; MATTANNA, Paula 2 ; GUSSO, Ana Paula 2 ;

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO.

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. Izamara Maria Fachim Rauber 1 IZAMARA_MARIA_FACHIM_RAUBER.doc,

Leia mais

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS Escola de Engenharia Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de

Leia mais

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO EM ÁCIDOS GRAXOS, QUÍMICA E ANÁLISE SENSORIAL DA CARNE DE CAVALO

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO EM ÁCIDOS GRAXOS, QUÍMICA E ANÁLISE SENSORIAL DA CARNE DE CAVALO Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO EM ÁCIDOS GRAXOS, QUÍMICA E ANÁLISE SENSORIAL DA CARNE DE CAVALO Ivane Benedetti Tonial 1 ; Ana

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COMPOSIÇÃO EM ÁCIDOS GRAXOS DA FARINHA DE CABEÇA DE SARDINHA E FARINHA DE FOLHAS DE CENOURA, FONTES DE ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3, VISAO O APROVEITAMENTO

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

Ingredientes: Óleo de chia. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de chia. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0100.001-9 Concentração: 500 mg e 1000 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

PRODUÇÃO NÃO-CATALÍTICA DE ÉSTERES ETÍLICOS DE SOJA COM ADIÇÃO DE CO 2 COMO CO-SOLVENTE EM MODO CONTÍNUO

PRODUÇÃO NÃO-CATALÍTICA DE ÉSTERES ETÍLICOS DE SOJA COM ADIÇÃO DE CO 2 COMO CO-SOLVENTE EM MODO CONTÍNUO URI - CAMPUS ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS PRODUÇÃO NÃO-CATALÍTICA DE ÉSTERES ETÍLICOS DE SOJA COM ADIÇÃO DE CO 2 COMO CO-SOLVENTE EM MODO CONTÍNUO

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES Metodologias aplicadas na avaliação de problemas locomotores em frangos de corte e poedeiras têm uma importância cada vez maior dentro da cadeia produtiva.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Estimativa da eclosão e biomassa total no cultivo de Artemia sp. (CRUSTACEA, BRANCHIOPODA, ANOSTRACA) submetida a diferentes dietas Jean Michel

Leia mais

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Qualidade e valor nutricional da carne de coelho Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Vila Real, 25 de Novembro de 2011 Proteínas Funções das proteínas. Aminoácidos; aminoácidos essenciais. Valor

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

Valor nutricional da carne

Valor nutricional da carne Composição do tecido muscular Valor nutricional da carne Espécie Água % Proteína % Lipídios % Cinzas % Bovinos 70-73 20-22 4-8 1 Suínos 68-70 19-20 9-11 1,4 Ana Maria Bridi Departamento de Zootecnia Universidade

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

ÓLEO DE CHIA REGISTRO:

ÓLEO DE CHIA REGISTRO: Ficha técnica ÓLEO DE CHIA REGISTRO: Registro no M.S. nº 6.5204.0100.001-9 CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171286926 EMBALAGEM: Plástica, metálica e vidro. APRESENTAÇÃO COMERCIALIZADA: Embalagem de lata metálica

Leia mais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Raquel Rodrigues Santos Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA Prof. Salomão profsalomao@gmail.com PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM Sem Mês Início Término CH 1ª FEV 7 11 3 ASSUNTO: ASPECTOS

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

Abstract. Introduction. M.E.B. Seiffert 1, V.R. Cerqueira 1 and L.A.S. Madureira 2. Departamento de Aquicultura, Centro de Ciências Agrárias, and 2

Abstract. Introduction. M.E.B. Seiffert 1, V.R. Cerqueira 1 and L.A.S. Madureira 2. Departamento de Aquicultura, Centro de Ciências Agrárias, and 2 Brazilian Journal of Medical and Biological Research (2001) 34: 645-651 Dietary (n-3) HUFA in fat snook larvae ISSN 0100-879X 645 Effect of dietary (n-3) highly unsaturated fatty acids on growth and survival

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II CAMILA FAIONATO FRANCO¹, EMÍLIO CARLOS NARDINI², BASÍLIO GOMES

Leia mais

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro Perder Gordura e Preservar o Músculo Michelle Castro 25 de Novembro de 2012 Principais Tópicos 1. Processos catabólicos associados a dietas hipocalóricas. 2. Contextualização/compreensão do porquê da existências

Leia mais

ENSAIO DE TOXICIDADE COM EXTRATO DO ÓLEO 3-SPS-41D-TFR-01 CÓDIGO LET 3215 (MÉTODO ANDERSON) UTILIZANDO Mysidopsis juniae (CRUSTACEA-MYSIDACEA)

ENSAIO DE TOXICIDADE COM EXTRATO DO ÓLEO 3-SPS-41D-TFR-01 CÓDIGO LET 3215 (MÉTODO ANDERSON) UTILIZANDO Mysidopsis juniae (CRUSTACEA-MYSIDACEA) 1 ENSAIO DE TOXICIDADE COM EXTRATO DO ÓLEO 3-SPS-41D-TFR-01 CÓDIGO LET 3215 (MÉTODO ANDERSON) UTILIZANDO Mysidopsis juniae (CRUSTACEA-MYSIDACEA) SOLICITANTE: CENPES/PDEDS/AMA/PETROBRAS Centro de Pesquisa

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle INFORMAÇÕES BÁSICAS Título do projeto: Nutrilápia - Elaboração de um Software de formulação de ração destinado à Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM NUTRIÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM NUTRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM NUTRIÇÃO GORDURA DIETÉTICA E LIPIDÍOS SÉRICOS ALYNE CRISTINE SOUZA DA SILVA Dissertação apresentada ao colegiado do Programa de

Leia mais

Lipídios. Dra. Aline Marcellini

Lipídios. Dra. Aline Marcellini Lipídios Dra. Aline Marcellini LIPÍDEOS Nutrição = 9 Kcal/g Grande diversidade de moléculas. Palatabilidade e retenção de voláteis. Definição: compostos insolúveis em água e solúveis em solventes orgânicos.

Leia mais

ÔMEGAS PARA O QUE SERVEM?

ÔMEGAS PARA O QUE SERVEM? TM ÔMEGAS PARA O QUE SERVEM? Permitem as células do corpo a sintetizar hormônios reprodutivos Aumentam a resposta inflamatória e anti-inflamatória em células e tecidos Participam do processo de contrações

Leia mais

DIABETES MELLITUS E RESISTÊNCIA À INSULINA

DIABETES MELLITUS E RESISTÊNCIA À INSULINA DIABETES MELLITUS E RESISTÊNCIA À INSULINA MALDONADO, Rafael Resende RESUMO: PALAVRAS-CHAVE: Mellittus. ABSTRACT: - KEYWORDS: 1. INTRODUÇÃO relacionados ao aumento da glicemia, re nos hábitos alimentares

Leia mais

Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe. 58059-900, PB, Brasil.

Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe. 58059-900, PB, Brasil. Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe Pontes, A.S.G.C. 1 (IC), Vasconcelos, A.F.F. 1,2 (PQ); Bicudo, T.C. 1 (PQ) Santos, I.M.G. 1 (PQ);

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus Cristhian Roberto Hartmann¹, Anderson Sloboda 1, Álvaro Célio Grocholski 1, Luiz Henrique da Silva 2, Moreira, Luiz Sérgio 3, Adolfo JATOBÁ 4. ¹Bolsista 170/2014

Leia mais

Aula prática sobre influência do factor ambiental salinidade no metabolismo de bivalves

Aula prática sobre influência do factor ambiental salinidade no metabolismo de bivalves Aula prática sobre influência do factor ambiental salinidade no metabolismo de bivalves Objectivo da aula: Demonstrar o efeito de um factor ambiental salinidade sobre as comportamento fisiológico de bivalves

Leia mais

Nome do Produto: 100% Whey Protein Gold Standard - Optimum Nutrition

Nome do Produto: 100% Whey Protein Gold Standard - Optimum Nutrition Nome do Produto: 100% Whey Protein Gold Standard - Optimum Nutrition Apresentação do Produto: Potes 2lbs, 5lbs e 10lbs Descrição do Produto: 100% Whey Protein é derivado do soro do leite (livre de lactose)

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro BOAS PRÁTICAS DE MANEJO NA ALIMENTAÇÃO DE PEIXES Prof. Dr. Dalton José Carneiro PRINCIPAIS FATORES DETERMINANTES DO DESEMPENHO NUTRICIONAL DAS DIETAS FORMULADAS PARA ORGANISMOS AQUÁTICOS Interdependência

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo José Maria de OLIVEIRA Júnior 1 ; Gian Nascimento 2 ; Rafael Mendonça de Carvalho ² ; Wanderson Bahia Paulineli²;

Leia mais

Desenvolvimento da produção de peixes em mar aberto no Brasil: possibilidades e desafios

Desenvolvimento da produção de peixes em mar aberto no Brasil: possibilidades e desafios Revista Brasileira de Zootecnia 2011 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Desenvolvimento da produção de peixes em mar aberto no Brasil: possibilidades e desafios Ronaldo Olivera

Leia mais

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS Vander Bruno dos Santos Zootecnista, Dr. PqC do Pólo Regional Alta Sorocabana/APTA vander@apta.sp.gov.br

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

O objeto de pesquisa que se pretende investigar é, portanto inicialmente, um estudo bibliográfico sobre o uso do Concreto de Alto Desempenho.

O objeto de pesquisa que se pretende investigar é, portanto inicialmente, um estudo bibliográfico sobre o uso do Concreto de Alto Desempenho. CAD: CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO OLIVEIRA, João Miguel Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Professor Orientador: Hugo Cardoso Esteves RESUMO Trabalho foca uma apresentação do Concreto de

Leia mais

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Roberta de Souza Chun Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso

Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso Rafael Paradella Freitas Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores;

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores; PESQUISAS COM ANIMAIS VERTEBRADOS As regras a seguir foram desenvolvidas baseadas em regulamentações internacionais para ajudar aos alunos pesquisadores a proteger o bem-estar de ambos, o animal pesquisado

Leia mais

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA METABOLISMO BASAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL Profª. Alcinira Furtado Farias METABOLISMO BASAL Conjunto de processos por meio dos quais o organismo vivo recolhe e transforma as

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Uma enzima, extraída da secreção de um órgão abdominal de um cão, foi purificada, dissolvida em uma solução fisiológica com ph 8 e distribuída em seis tubos de ensaio. Nos tubos 2, 4 e 6, foi

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE DO EXTRATO METANÓLICO DE Caesalpinia Pyramidalis, SUBMETIDO À RADIAÇÃO GAMA, FRENTE À ARTEMIAS SALINAS.

AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE DO EXTRATO METANÓLICO DE Caesalpinia Pyramidalis, SUBMETIDO À RADIAÇÃO GAMA, FRENTE À ARTEMIAS SALINAS. 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE DO EXTRATO

Leia mais

Empresas com Fundos de Private Equity Possuem Maior Valor e Remuneram Melhor Seus Executivos? Evidencia do Mercado Brasileiro

Empresas com Fundos de Private Equity Possuem Maior Valor e Remuneram Melhor Seus Executivos? Evidencia do Mercado Brasileiro Pedro Taranto Monteiro de Barros Empresas com Fundos de Private Equity Possuem Maior Valor e Remuneram Melhor Seus Executivos? Evidencia do Mercado Brasileiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação.

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. NUTRIÇÃO DE GATOS DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3 Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. Introdução Nutrição veterinária é a ciência que tem por objetivo descobrir

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões SNatural Ambiente Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões Apostila 3: Aeração em Viveiros de Camarões e Peixes Aeração de Tanques pequenos em Série Apostila 1: Teoria de Aeração Apostila 2:

Leia mais

Influência da Temperatura e da Salinidade no Cultivo da Microalga Dunaliella tertiolecta em Fotobiorreator Airlift

Influência da Temperatura e da Salinidade no Cultivo da Microalga Dunaliella tertiolecta em Fotobiorreator Airlift Influência da Temperatura e da Salinidade no Cultivo da Microalga Dunaliella tertiolecta em Fotobiorreator Airlift Nicéia Chies Da Fré 1, Luce Helena Kochen 1, Tobias Dierings 1, Géssica Marchese Roman

Leia mais

Produção de juvenis do linguado Paralichthys orbignyanus: efeito da duração do período de co-alimentação durante o desmame

Produção de juvenis do linguado Paralichthys orbignyanus: efeito da duração do período de co-alimentação durante o desmame Ciência 2334 Rural, Santa Maria, v.38, n.8, p.2334-2338, nov, 2008Rocha et al. ISSN 0103-8478 Produção de juvenis do linguado Paralichthys orbignyanus: efeito da duração do período de co-alimentação durante

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

Carne suína: um parceiro do cardápio saudável. Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas

Carne suína: um parceiro do cardápio saudável. Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas Carne suína: um parceiro do cardápio saudável Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas Por que comer carne? Para a manutenção da saúde, é necessária a perfeita reposição

Leia mais

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno COLESTEROL A n a L a u r a B u e n o Esteróides são álcoois de alto peso molecular. São compostos lipossolúveis muito importantes na fisiologia humana. Os esteróis possuem uma estrutura básica chamada

Leia mais

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD Evandro Rodrigues de Britto Biólogo pela Faculdade Nacional de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil; Pós-Graduado em

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Daniel Catunda Marreco Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP Laerte Dagher Cassoli 1, Paulo F. Machado 2 Clínica do Leite ESALQ /USP Piracicaba, SP 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO Autores : Josué Rubens Schmoeller¹, Cesar Ademar Hermes² Identificação autores: 1 Bolsista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Introdução. Material e Métodos

Introdução. Material e Métodos INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE ANIMAIS NA UNIDADE EXPERIMENTAL E O TIPO DE COMEDOURO SOBRE AS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E COMPOSIÇÃO DE CARCAÇA DE SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO Eriane de Paula (1), Francisco Carlos

Leia mais

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA.

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. Eduardo Sanches Stuchi Pesquisador Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Diretor Científico da Estação Experimental

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais