UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI MILTON DA SILVA NETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI MILTON DA SILVA NETO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI MILTON DA SILVA NETO CONVERGÊNCIA: Plataformas, conteúdos e a tecnologia para o novo espectador e os novos formatos de narrativa SÃO PAULO 2011

2 MILTON DA SILVA NETO CONVERGÊNCIA: Plataformas, conteúdos e a tecnologia para o novo espectador e os novos formatos de narrativa Dissertação de Mestrado apresentada à Banca Examinadora, como exigência para a obtenção do título de Mestre do Programa de Mestrado em Comunicação, área de concentração em Mediação, Tecnologia e Processos Sociais, Comunicação Contemporânea da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação do Prof. Dr. Vicente Gosciola. SÃO PAULO 2011

3

4 MILTON DA SILVA NETO CONVERGÊNCIA: Plataformas, conteúdos e a tecnologia para o novo espectador e os novos formatos de narrativa Dissertação de Mestrado apresentado à Banca Examinadora, como exigência para a obtenção do título de Mestre do Programa de Mestrado em Comunicação, área de concentração em Mediação, Tecnologia e Processos Sociais, Comunicação Contemporânea da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação do Prof. Dr. Vicente Gosciola. Aprovado em 15 /04 / 2011 Prof. Dr. Vicente Gosciola Prof. Dr. Almir Antonio Rosa ALMIR ALMAS Prof. Dr. Maria Ignês Carlos Magno

5 RESUMO O trabalho tem como objetivo explorar os diferentes tipos de convergência, assim como a distribuição do conteúdo nos diferentes suportes. As convergências de meios e conteúdos são fruto do desenvolvimento tecnológico, assim como uma mudança comportamental do espectador. Devido ao grande número de telas disponíveis para o consumo de conteúdo audiovisual, ocorreu uma mudança na dinâmica econômica da distribuição de conteúdo, assim como o desenvolvimento de novas experiências e narrativas. Palavras-chave: Comunicação, Convergência, Janelas de exibição, Narrativa estendida, Consumo de conteúdo.

6 6 ABSTRACT The essay purpose is to explore the different aspects of convergence and the content distribution role in different platforms. Media and content convergences are the result of technical development, as well as, viewers behavior change. Due to the multiple screens available for the audiovisual consumption, occurred a change in the content distribution economic dynamic, in addition of the development of new experiences and narratives. Key-words: Convergence, Windows of Exhibition, Extended Narratives, Content Consumption.

7 7 Sumário INTRODUÇÃO CONVERGÊNCIA CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA Plataformas distintas com conteúdo migrando entre elas O CONTEÚDO E AS JANELAS DE EXIBIÇÃO Cinema Home Vídeo TV Aberta TV por Assinatura Web Celular Distânca entre as janelas se encurtando CONCOMITANTEMENTE A CONVERGÊNCIA, A ADEQUAÇÃO TV Everywhere As telas trabalhando simultaneamente PRODUÇÃO DE CONTEÚDO Produção de conteúdo e as diversas telas Narrações transmidiáticas: As narrações estendidas e suas relações Narrativa em longo prazo na televisão Um significado maior da narrativa MUDANÇAS DE HÁBITO...67 CONCLUSÃO...71 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...72

8 8 LISTA DE QUADROS Quadro 1 As diferentes janelas de exibição...25 Quadro 2 Maior variedade de opções...26 Quadro 3 Código Da Vinci em diferentes plataformas...54 Quadro 4 Construção de diferentes universos...60 Quadro 5 Antes e depois de Lost...65 Quadro 6 Ilustração sobre fragmentação na distribuição de conteúdo...67 Quadro 7 Nova cadeia de distribuição de conteúdo...68

9 9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Página web Samsung...27 Figura 2 Página web LG para televisão com função Netcast...28 Figura 3 Promoção de conteúdo disponível nos televisores LG...28 Figura 4 Oferta de filmes e séries para compra ou aluguel digital da Saraiva...33 Figura 5 Exemplo de oferta de Episódios disponíveis para aluguel digital...33 Figura 6 Exemplo de serviço gratuito de vídeos por streaming...33 Figura 7 Exemplo de filme disponível gratuitamente...34 Figura 8 Evento de show ao vivo disponível online por streaming...34 Figura 9 Exemplo de serviço disponível pela Oi...35 Figura 10 Telas do serviço YouTube para dispositivos móveis...36 Figura 11 Exemplo I de tela com informações adicionais Figura 12 Exemplo II de tela com informações adicionais Figura 13 Aplicativo Grey s Anatomy para experiência simultânea... 48

10 10 INTRODUÇÃO No decorrer da história da humanidade, acompanhamos diversas mudanças políticas, tecnológicas, sociais, econômicas e comportamentais, entre outras; mas nunca a humanidade esteve tão conectada e com tantos meios de comunicação disponíveis convergindo. As tecnologias da Era Digital trouxeram novas formas de interação e, de certo modo, forçaram uma grande parcela da população a se conectar, se adaptando a um novo cotidiano em que novidades aparecem de forma acelerada e o mundo virtual se torna um lugar comum. A convergência de meios passa a ser determinante nesse novo cenário, temos dois aspectos que aumentam a velocidade das mudanças, o advento das novas tecnologias, assim como o perfil dessa nova geração. Atualmente, a nova geração é muito importante para as novas tecnologias porque, diferentemente de outras épocas, em que algumas tecnologias estavam atreladas ao conhecimento técnico, hoje existe uma preocupação no que se refere à usabilidade e acesso. Os jovens estão experimentando, ajudando constantemente de forma direta ou indireta no aprimoramento de novos modelos, produtos e serviços. Tomemos como exemplo os sites de comunidades virtuais, que representam um valor extraordinário no quesito participação na internet, mas não necessariamente têm modelos financeiros definidos. Mesmo assim, estão em franca expansão. O investimento contínuo é norteado pela crença de que surgirão modelos econômicos consistentes que justificarão sua continuidade. Os jovens aparecem como representantes principais da Era Digital e estamos num momento de reflexão e aprendizado. Em artigo de Marc Prensky, de 2001 O consumo de mídia das novas gerações, os Nativos Digitais, por ele denominado, representam a primeira geração

11 11 de jovens que passaram suas vidas inteiras envoltas e utilizando computadores, videogames, mp3 players, câmeras de vídeo, celulares e outros brinquedos e ferramentas da Era Digital. De acordo com o autor, a mudança foi tão dramática que não representa somente uma mudança incremental da geração passada, na qual alguns hábitos, costumes ou comportamentos são atualizados, mas ocorreu sim uma descontinuidade,... um evento que muda as coisas tão fundamentalmente que não existe volta.... Seguindo a linha de Prensky, os representantes dessa geração pensam e processam as informações fundamentalmente diferente dos seus antecessores (PRENSKY, 2001). Temos um novo espectador, consumidor que tem novos hábitos e que de certa forma, força uma mudança das outras gerações que antecedem a sua. Assim como sua audiência, a indústria de mídia e entretenimento vem sofrendo importantes transformações com o advento das novas tecnologias. Está se expandindo as formas de distribuição de conteúdo, devido ao desenvolvimento de novos suportes como o telefone celular, tablets e TVs conectadas. A mudança não é somente tecnológica, mas também e talvez principalmente comportamental. O conteúdo no seu formato original passa a migrar para as novas plataformas propiciando diferentes experiências por parte do espectador. Se pensarmos na transformação dos diferentes meios, há não muito tempo atrás, em Junho de 1999, Shawn Fanning, com apenas 19 anos, começou uma pequena revolução quando terminou seu programa Napster que permitia o compartilhamento de arquivos de música. A indústria da música sofreu um grande revés quando deu as costas para o fenômeno do compartilhamento de arquivos na rede, mostrando que não estava preparada para a Era Digital, na qual o conteúdo de áudio, vídeo e texto são apenas combinações de zeros e uns. A música, que sempre foi objeto de desejo dos consumidores, começou a transitar pela rede de forma gratuita: os usuários abriram suas discotecas e apreciaram a troca colaborativa de conteúdo. Houve uma grande demora por parte da indústria da música em detectar esse fenômeno como uma tendência de massa; considerando que era relativa a um determinado grupo de pessoas e que seria

12 12 facilmente cessada com a imposição dos grandes conglomerados de mídia, detentores tradicionais desse mercado. Numa ação entre Davi contra Golias, o primeiro site de troca de arquivos no formato mp3 massificado, o Napster, teve suas portas virtuais fechadas quando seu idealizador, Shawn Fanning, foi processado e condenado a pagar milhões de dólares em royalties às gravadoras. Ao mesmo tempo em que o Napster estava sofrendo ações legais contra o serviço que estava provendo, de indexação e facilitação de troca de arquivos, outros sites começaram a aparecer, e o desafio da indústria continua com o número de vendas caindo de forma acentuada, gerando impacto direto em seus faturamentos. Napster teve um impacto brutal numa indústria de mais de 50 anos, o programa saiu do perímetro do Campus da Universidade e em poucos meses passou a ser usado por mais de 85 milhões de pessoas ao redor do mundo. (WALTERS, 2009) Depois de assistir os desfechos, a indústria de conteúdo audiovisual, entendendo que medidas radicais deveriam ser tomadas contra a troca de conteúdo gratuito, começou a desenvolver serviços, ou formas de disponibilizar seu conteúdo, de maneira legal, tentando atender a esse novo espectador. Para tanto, vem se empenhando no desenvolvimento de novos modelos de negócios, procurando trabalhar de forma colaborativa com novos players não tradicionais e, por fim, tentando aproveitar essas novas plataformas para produzir conteúdos específicos e criar maneiras de fidelizar essa audiência. Com essa mudança de comportamento e consumo de conteúdo em novos suportes, temos o conteúdo disponibilizado e audiência em diversas telas e não somente sua tradicional ou de origem. O objetivo do estudo aqui apresentado é descrever como os conteúdos estão fluindo entre as diferentes plataformas e o impacto da convergência. Contemplando não somente o papel de cada uma das janelas de exibição e seus respectivos suportes, como também colocar alguns conceitos de convergência, sejam eles tecnológicos ou de conteúdo e as novas narrativas que vem se desenvolvendo.

13 13 O primeiro capítulo abordará os diferentes aspectos da convergência e a evolução dos suportes e meios de distribuição de conteúdo, utilizando diferentes referências bibliográficas e suas opiniões sobre o tema. No segundo capítulo, temos a migração do conteúdo entre as diferentes plataformas, considerando os avanços tecnológicos e a disponibilidade dos conteúdos nas diferentes telas (televisão, celular e computador). O caminho percorrido pelos conteúdos audiovisuais nas diferentes janelas de exibição (Cinema, Home Vídeo, TV Aberta, TV por Assinatura, Web e Celular), assim como a relação entre as janelas e as distâncias entre elas são os assuntos do terceiro capítulo, intitulado O conteúdo e as janelas de exibição. O capítulo quatro conta que independentemente da força da convergência tecnológica, a adoção das novas tecnologias giram muito em função da adoção das mesmas, através da adequação e experiências que elas propiciam aos usuários. São apresentados conceitos como TV Everywhere e o de diferentes telas trabalhando simultaneamente. No quinto capítulo, A produção de conteúdo, temos um pouco sobre a produção do conteúdo audiovisuais e as diferentes telas, abordando também o que são as narrativas transmidiáticas, relação entre os meios e alguns exemplos atuais. No capítulo que precede a conclusão, temos alguns exemplos da dificuldade da mudança de hábitos de consumo de mídia, considerando não somente o ambiente teórico, mas o que na prática está se observando com as mudanças na cadeia de

14 14 distribuição de conteúdo, convergência e a forma como o espectador está interagindo com as diferentes telas. A conclusão do trabalho é na realidade a constatação de que o tema por ser muito atual, desperta mais questionamentos do que conclusões.

15 15 1. Convergência Podemos considerar a convergência sob diferentes aspectos: existe a convergência de suportes, de conteúdo dentre outras. Não necessariamente temos um consenso. No que tange à convergência de funcionalidade num único suporte, a Cheskin Research constatou em relatório de 2002:... a velha idéia da convergência era a de que todos os aparelhos iriam convergir num único aparelho central que faria tudo para você. O que estamos vendo hoje é o hardware divergindo, enquanto o conteúdo converge... (JENKINS, 2008, p.41) Apesar de essa afirmação ter sido considerada verdade durante muitos anos, devido principalmente à dificuldade do ponto de vista comercial, e não tecnológico, a convergência dos aparelhos tende a se tornar realidade com a flexibilização de modelos e a demanda dos usuários para que isso aconteça. Notório é o sucesso recente de aparatos como smart phones e tablets que sintetizam a convergência nos respectivos aparelhos, sendo capazes de fazer ligações de telefone, vídeo conferencia, permitir acesso a internet, armazenarem e reproduzirem conteúdo em áudio e vídeo, além de servirem para visualizarem arquivos de diferentes natureza. A evolução dos consoles de games também tem mostrado essa grande evolução, se tornando praticamente um local de concentração de diferentes tipos de conteúdo, incluindo acesso à internet. A evolução tecnológica está tendo um papel determinante na convergência de hardware, mas, como constatado pela Cheskin Research, o conteúdo vem convergindo de maneira rápida e seu consumo está acontecendo nos mais diferentes suportes. Até suportes já não tão novos estão sofrendo uma releitura e sua definição tende a ser mais ampla. Tomemos como exemplo a televisão: o que seria a definição de televisão? Podemos restringir a seu modo de recepção? A maneira como o conteúdo audiovisual é programado? Tomando-se como base os novos aparelhos de TV lançados recentemente, percebemos que a definição se torna

16 16 necessariamente mais ampla; televisores estão se assemelhando a monitores de computador e se sofisticando com processadores capazes de gravar conteúdos, ler cartões de memória, rodar pequenos aplicativos, com conexão à internet e interface diferenciada. Por outro lado, os computadores e tablets estão já receptores de televisão tradicionais e disponibilizando os canais aberto através desses aparelhos. No que tange ao conteúdo, canais de televisão, a interpretação das autoridades também estão mudando, recentemente, a Itália foi o primeiro país ocidental a equiparar o YouTube a canal de televisão, considerando a sua responsabilidade editorial, mesmo se por meio de algoritmos. (LONGO, 2010) Por esse motivo, necessitamos entender de uma maneira mais abrangente cada um dos suportes, seus desenvolvimentos e a questão da convergência. Sobre esse último, Henry Jenkins define de uma maneira mais ampla que: Por convergência, refiro-me ao fluxo de conteúdo através de múltiplos suportes midiáticos, a cooperação entre múltiplos mercados midiáticos e ao comportamento migratório de públicos dos meios de comunicação que vão a quase qualquer parte em busca de experiências de entretenimento que desejam. Convergência é uma palavra que consegue definir transformações tecnológicas, mercadológicas, culturais e sociais, dependendo de quem está falando e do que imaginam estar falando. (JENKINS, 2008, p.27) Jenkins acrescenta que considera que a convergência não se dá nos aparelhos, ele dá maior complexidade ao processo constatando que a convergência altera a relação entre as tecnologias existentes, mercados e públicos, salientando que é um processo e não um ponto final. Segundo o autor, assim sendo, a mudança é radical; não é somente comportamental, mas também cultural. Atualmente, com a convergência de meios/ mídias (suportes) e a possibilidade de termos conteúdos distribuídos em diferentes plataformas, o telespectador não se restringe, por exemplo, somente à tela da TV, mas também pode assistir a conteúdos tradicionalmente de televisão no computador e no celular. A audiência passa a estar vinculada ao conteúdo e não necessariamente restrita a

17 17 um meio. Por isso, os grandes grupos de mídia estão preocupados em ter diversos pontos de contato com a sua audiência, por meio dos diversos suportes. Não é raro hoje que empresas de mídia, tradicionalmente do ramo televisivo, tenham um site na internet com o seu conteúdo disponível e que estejam também desenvolvendo ou disponibilizando seu conteúdo para aparelhos móveis. Um ponto que merece nota é que, no Brasil, a escolha do sistema de TV digital colabora muito para a adoção de novas tecnologias e consumo de conteúdo nos celulares. A escolha do sistema permite a recepção de canais de televisão aberta de forma gratuita a todos os usuários que tiverem um aparelho de celular com essa funcionalidade. Como sabemos, culturalmente o brasileiro tem uma forte ligação com a televisão e sua programação, e essa agora caberá no seu bolso, na tela do seu celular. Todos esses meios coexistem num intrincado sistema de entrega de conteúdo que expandiu as escolhas do público. (apud LAWSON-BORDERS, 2003, p.94) Conforme pontuado por Forreste Carr em artigo de Gracie Lawson-Borders, Integrating New and Old Media:, Uma das verdades básicas sobre convergência é que nem toda a história ou informação útil que incita uma plataforma é adequada para outra. Algumas vezes, uma boa história de jornal é somente boa como uma boa história de jornal, não apropriada para a TV. (apud LAWSON- BORDERS, 2003, p.94) Do ponto de vista do espectador, a adequação e relevância superaram a simples migração de conteúdo entre as plataformas, existindo a necessidade de avaliação antes de simplesmente a disponibilidade do conteúdo em determinado suporte. Seguindo o conceito de Jenkins sobre a convergência e transformações:... a convergência representa uma transformação cultural, à medida que consumidores são incentivados a procurar novas informações e fazer conexões em meio a conteúdos midiáticos dispersos... (JENKINS, pg 27).

18 18 Percebemos que realmente ocorreu um avanço tecnológico, mas grande revolução foi comportamental. A forma de interação com os meios mudou substancialmente e alguns conceitos desconhecidos começaram a se tornar lugar comum. A conveniência, quando o usuário tem acesso ao conteúdo em diferentes suportes, no momento em que desejar (por demanda), é um aspecto importante, além disso, a interatividade com o conteúdo ou com outros usuários/ telespectadores fez com que a relação conteúdo/ usuário mudasse radicalmente. Sola Pool em Technologies of Freedom, coloca que a convergência é um processo em constante desenvolvimento; provavelmente o entendimento do conceito também tende a se alterar a medida que novos suportes aparecem ou ocorram novas demandas sobre determinado conteúdo por parte de seus consumidores. A forma em que os suportes interagem, os conteúdos são trabalhados e integrados nesses meios se alteram de acordo com os hábitos dos seus usuários. Para entendimento mais amplo, não podemos excluir também o fator econômico, o sucesso ou insucesso de determinada convergência, ou migração passa também pelo modelo econômico vigente e a disponibilidade financeira do seu consumidor. Convergência não significa perfeita estabilidade ou unidade. Ela opera como uma força constante pela unificação, mas sempre em dinâmica tensão com a transformação... não existe uma lei imutável da convergência crescente; o processo de transformação é mais complicado que isso. (apud JENKINS, 2008, pg.36) A conveniência diz respeito ao suporte em que o conteúdo será consumido; dependendo de diferentes fatores, como disponibilidade de tempo, local e o próprio acesso a diferentes suportes. De acordo com o estudo State of the Media Democracy, da empresa de consultoria Deloitte, usuários de internet estão mais apaixonados do que nunca por

19 19 seus aparelhos de televisão e prontos para a convergência de TV e online. Na média, 65% dos usuários de internet nos Estados Unidos gostariam de ter seus televisores com internet, número superior ao apresentado em 2006 de 47%. (EMARKETER, 2009). Segundo a empresa de pesquisa Futurescape, em cinco anos, 40% dos lares nos Estados Unidos terão ao menos um televisor conectado a internet, da mesma forma a Samsung, fabricante de televisores, estima que em 2014, 70% dos seus televisores de sua linha já terão possibilidade de receber uma conexão de banda larga. (FRIEDMAN, 2010) De acordo com Noshir Contractor, citado no artigo de Sheila Seles, existem 3 estágios de adoção de novas tecnologias: substituição, ampliação e reconfiguração. Por Substituição, que é a primeira fase, entende-se que uma nova tecnologia vai substituir outra. Num segundo momento, temos a Ampliação, em que a tecnologia se torna mais fácil de usar e ganha escala, ficando mais acessível. No último estágio, encontramos a Reconfiguração, em que a nova tecnologia desenvolve características, funções e usabilidades próprias. A indústria do entretenimento é uma das indústrias tradicionais que se viu obrigada a repensar o seu negócio a partir das tecnologias que foram surgindo. Não nos esqueçamos, ou não podemos esquecer o que aconteceu com outras indústrias, como a de música que com o advento dos formatos digitais e a troca de arquivos teve que correr atrás, repensar o que era seu negócio e diferentes modelos de negócios. Apesar de considerarmos as diferentes plataformas, no que se refere ao conteúdo, existe já o entendimento que as mesmas são meios de distribuição somente, forma de acesso do nosso usuário, espectador ou fã a diferentes conteúdos.

20 20 Pode parecer hoje um conceito de fácil entendimento, mas se levarmos em consideração os modelos de negócios, alocação de recursos, indústria e estrutura é uma mudança relativamente drástica na forma de se pensar. Curiosamente, se discorrermos sobre a história dos meios e empresas que fazem parta da sua cadeia de valor, vamos constatar, que de alguma forma algumas empresas já entendiam que as convergências iriam acontecer, ou até mesmo forçaram para que ocorresse, dando um tom mercadológico e financeiro. A RCA que foi fundada em 1919 (Radio Corporation of America) nos Estados Unidos para controlar as patentes da General Electric, Westinghouse e United Fruit, passou por diversas transformações, até ser proprietária, entre outros sócios, de cadeias de cinema, estações de rádio e um dos maiores canais de televisão do mundo que é a NBC, sem levar em consideração que durante sua história vendeu a Blue Network que veio a ser outra gigante do mundo televisivo que é a ABC. Enquanto isso, desenvolvia sua divisão de aparelhos eletroeletrônicos, com televisores invadindo as salas de estar norte-americanas e sendo uma das grandes fabricantes de computadores durante os anos 60. Grandes empresas vêm se enganando nos seus exercícios de futurologia, como por exemplo, o presidente da própria NBC em 1955, David Sarnoff declarando que: "Televisão nunca será uma mídia de entretenimento". Apesar da afirmativa, David foi um dos grandes executivos que comandou o canal do conglomerado da RCA, de maneira bem sucedida, e depois teve em seu filho Robert Sarnoff outro grande líder no comando da empresa. (BOBSAMERICA, HOFMAN, 2009 e WIKIPEDIA) Durante a NATPE (National Association of Television Program Executives) 2011, o presidente da NBC, Jeff Zucker, tem mostrado apoio a distribuição de conteúdo através das plataformas online, especialmente porque existe um modelo de negócios que é a publicidade. Além de simplesmente disponibilizar o conteúdo online, o executivo defende o conceito do TV Everywhere, e explica Os consumidores aproveitarem o conteúdo em qualquer tela é de interesse da indústria. O próximo desafio é que o TV Everywhere seja tecnicamente viável. (FREDERICO, 2011)

21 21 2. Convergência tecnológica Quando o número de plataformas era limitado, era muito fácil reconhecer a diferença entre os suportes, como, por exemplo, Cinema, Televisão e Rádio. Inclusive para muitos autores eram suportes e conteúdos completamente distintos. De acordo com Sandy Flitterman-Lewis : Filmes são vistos na tela grande, silenciosamente, ambientes escurecidos, onde os feixes de luz são projetados de trás em direção a uma luminosa superfície em frente. Existe uma coletividade forçada e anônima da audiência, porque, para qualquer exibição, todos os espectadores estão fisicamente presentes ao mesmo tempo em um relativo espaço fechado do cinema. Em contraste a essa espécie de casulo envolvente é a fragmentação, dispersão, e natureza variada da recepção de televisão. A escuridão é dissolvida, o anonimato removido. (apud BOLTER e GRUSIN, 1999, p. 186) Um dos aspectos colocados por Jay David Bolter e Richard Grusin em Remediation Understanding new media é que o cinema permite que o espectador fique temporariamente fora do dia-a-dia e dos aspectos culturais, sociais, econômicos e culturais. No caso da televisão, de modo geral, não conseguimos essa dissociação temporária. As duas mídias produzem experiências distintas. Apesar dessa aparente distinção, acaba existindo uma certa rivalidade entre os meios. Na definição dos autores, mídia é:... o que remidia. È aquela que se apropria de técnicas, formas e significado social de outras mídias e tenta rivalizar ou remodelá-las em nome do real. Uma mídia em nossa cultura não pode operar nunca de forma isolada, porque necessita entrar em relações de respeito e rivalidade com outra mídia... nós não podemos reconhecer o poder representativo de uma mídia exceto com referência à outra... (BOLTER e GRUSIN, 2000, pg 98) De acordo com os autores (BOLTER e GRUSIN, 2000), uma nova mídia surge quando se coloca como substituta da anterior e, para isso, utiliza-se do real ou

22 22 do autêntico, mesmo que as definições dessas palavras possam variar, para que justifiquem o seu surgimento. No caso da televisão, um dos pontos de diferenciação e superioridade seria a possibilidade de ela poder ter transmissões ao vivo, coisa que não pode acontecer com o cinema. Nessa tentativa de diferenciação, cada uma das mídias desenvolveu conteúdos ou experiências específicas para que o espectador pudesse desfrutar do conteúdo de maneira mais efetiva. Em algumas ocasiões, a distinção de conteúdos deixa de ser válida, como para filmes, por exemplo. Os filmes inicialmente foram concebidos como obras cinematográficas, para consumo nos cinemas. Devido ao seu grande valor como entretenimento e grande investimento de produção, o conteúdo de filmes seguiu o caminho de distribuição em diferentes suportes, inicialmente com a televisão e, depois, para consumo como produto em fita - para compra ou aluguel - DVD, computador, etc. Com o advento das novas tecnologias, esse processo se acelerou e também expandiu, entrando na cadeia os tocadores de disco Blu-Ray e distribuição dos arquivos digitais para download ou para serem assistidos via streaming. Portanto, a grande estrela é o conteúdo, podendo ser apreciado em diferentes equipamentos. 2.1 Plataformas distintas com conteúdos migrando entre elas A disponibilidade do mesmo conteúdo em diferentes suportes, não é em si necessariamente a convergência, mas fez com que o cinema e a televisão deixassem de ser o único lugar de consumo de conteúdo audiovisual e fizeram com que começassem a desaparecer as barreiras entre tipos de conteúdos e as diferenças entre as plataformas. Não podemos deixar de esquecer que para Jenkins a convergência não é um evento tecnológico, ou diferentes funções de diferentes aparelhos num só, no que ele chama de aparelho Black Box, mas até o oposto a isso (JENKINS. 2008). Jenkins entende convergência a forma que o conteúdo é produzido, marquetiado e consumido. A respeito disso, a literatura é vasta enumerando diferentes aparelhos

23 23 que são capazes de acumular funções, que originalmente eram restritas a outras plataformas. A forma de consumo ou interação com essas plataformas eram estudadas de maneira funcional e específica sobre aquela plataforma, a grande mudança é como as pessoas estão se apropriando das diferentes tecnologias, possibilidades e como estão as utilizando. Em entrevista a Brian David Johnson, Henry Jenkins coloca que na sua opinião, o mundo está evoluindo para que cada estória seja contada através de cada plataforma de mídia disponível, expandindo as oportunidades da estória circular. (JOHNSON, pg ). Temos conteúdos audiovisuais que podem utilizar diferentes técnicas ou linguagens, como linguagem cinematográfica ou televisiva; sem necessariamente serem exclusivos para uma plataforma. Minisséries televisivas inclusive têm se apropriado da linguagem cinematográfica, sendo filmadas em película. O que muitas vezes passa ser o ponto de referência para a natureza do conteúdo é o grau de investimento como mencionado por Drew Davidson, especialista em cross-media,... uma produção de Hollywood é bem mais cara que uma televisiva..., mas isso também não é a única forma de se avaliar a origem de determinado conteúdo. (MACHADO, Setembro, 2010) Como forma de exercício, podemos considerar que o estréia do conteúdo em determinada plataforma é o que caracteriza a sua natureza, televisiva ou cinematográfica por exemplo, mas esse passa a ser um critério mercadológico e não muito efetivo se considerarmos que alguns filmes estão estreando de forma simultânea em diferentes plataformas e a alguns conteúdos estão sendo produzidos exclusivamente para web ou para celular.

24 24 Independente das janelas ou do fluxo, o conteúdo em si é o grande atrativo, de acordo com Jenkins: O conteúdo de um meio pode mudar (como ocorreu quando a televisão substituiu o rádio como meio de contar histórias, deixando o rádio livre para se tornar a principal vitrine do rock & roll), seu público pode mudar (como ocorre quando as histórias em quadrinhos saem de voga nos anos 1950, para entrar num nicho, hoje) e seu status social pode subir ou cair (como ocorre quando o teatro se desloca de um formato popular para um formato de elite), mas uma vez que um meio se estabelece, ao satisfazer alguma demanda humana essencial, ele continua a funcionar dentro de um sistema maior de opções de comunicação. (JENKINS, 2008, p. 39) 3. O conteúdo e as janelas de exibição A indústria do entretenimento construiu uma cadeia de valor que o conteúdo audiovisual percorre. O objetivo do desenvolvimento dessa cadeia é meramente comercial, tendo como primeiro objetivo a amortização do investimento feito em determinada obra audiovisual. Essa cadeia de valor é comumente conhecida como Janelas de Exibição, assim definida por Harold L. Voguel: Os filmes são normalmente primeiro distribuídos no mercado que gera maior faturamento marginal no menor período de tempo. Então, eles vão em cascata em direção do menor valor de contribuição marginal por unidade. Isso historicamente significa lançamento em cinema, seguido por licenciamento para programadoras e distribuidoras de TV paga, home vídeo, emissoras de televisão e, finalmente, TVs locais.. (VOGUEL, 2001, p.83) De acordo com o quadro 1, podemos acompanhar as diferentes janelas, assim como seu desenvolvimento durante o tempo:

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos White Paper 24 de Setembro de 2014 Rede IPTV DX - Clubes Desportivos Alcançando e realizando o potencial do torcedor móvel IPTV Móvel para Clubes Desportivos - DX - 1 O negócio de mídia e venda para torcedores

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global O CONSUMIDOR MOBILE Uma visão global A PRÓXIMA POTÊNCIA EM MÍDIA Quando a primeira chamada foi realizada por um telefone móvel em 1973, o protótipo utilizado tinha bateria com duração de 30 minutos e levava

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

O Modelo DX sumário executivo

O Modelo DX sumário executivo White Paper O Modelo DX sumário executivo INTRODUÇÃO 2 O MODELO BROADCAST 3 MODELO TRADICIONAL DE BROADCAST 3 O MODELO DX 4 NOVOS MODELOS DE RECEITA 5 O MODELO DX PARA TELAS COLETIVAS 6 1 www.dx.tv.br

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO Em nenhum momento de toda a história dos meios de comunicação modernos houve tantas mudanças fundamentais na distribuição e mensuração da mídia. Com o surgimento da transmissão

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Android. Escolhe o dispositivo Android certo!

Android. Escolhe o dispositivo Android certo! Android O Android é a plataforma mais popular do mundo das telecomunicações. Podemos usar todos os aplicativos do Google, existem mais de 600.000 aplicativos e jogos disponíveis no Google Play para nos

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND

TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND julho/2012 Case de Sucesso TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail comunicacao@it4cio.com. PERFIL Terra é parte da Telefônica

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS 1. Sobre a Sétima A SÉTIMA quer ajudar os realizadores, artistas, coletivos de audiovisual, distribuidoras e produtoras, que não

Leia mais

Introdução redes sociais mulheres Digg

Introdução redes sociais mulheres Digg O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. (Tsvi Bisk, Center for Strategic Futurist Thinking, 2008) A Sophia Mind,

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

NET, Claro e Embratel se unem para transformar a oferta de telecomunicações e entretenimento no Brasil

NET, Claro e Embratel se unem para transformar a oferta de telecomunicações e entretenimento no Brasil NET, Claro e Embratel se unem para transformar a oferta de telecomunicações e entretenimento no Brasil Empresas investem na integração das suas redes e lançam a mais completa oferta convergente de serviços

Leia mais

Jogadores de videogame participam da E3

Jogadores de videogame participam da E3 Jogadores de videogame participam da E3 ESCRITO POR James Getomer Michael Okimoto PUBLICADO Junho 2014 RESUMO Você não está na lista de um evento exclusivo? Sem problemas. Para participar, você só precisa

Leia mais

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda.

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda. COMÉRCIO ELETRÔNICO Introdução O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos e formas de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA Cronograma de Evolução da Mídia Audiovisual no Brasil Gráfico representativo do desenvolvimento de mídia audiovisual no Brasil década a década A

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

QUESTÕES SOBRE WINDOWS 7

QUESTÕES SOBRE WINDOWS 7 Informática Windows 7 QUESTÕES SOBRE WINDOWS 7 1) Considerando a figura exibida acima, ao repousar o ponteiro do mouse sobre o ícone doword, aparecerão três miniaturas, representando arquivos desse programa

Leia mais

5 Conclusões. 5.1. Sumário do estudo

5 Conclusões. 5.1. Sumário do estudo 5 Conclusões 5.1. Sumário do estudo Esta pesquisa procurou estimar o futuro das transmissões de vídeo online e os novos formatos desse mercado como o conteúdo audiovisual e seus grandes desafios em relação

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS NET

GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS NET GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS NET 1 SEJA BEM-VINDO à net! Caro cliente, Este guia foi desenvolvido para você conhecer um pouco mais sobre os produtos e serviços NET que estão à sua disposição. Aproveite

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO EM Dezembr o 2013 Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 RESUMO Em um período em que os profissionais de marketing acham que seu trabalho mudou mais em dois anos

Leia mais

Desde que entrou no mercado de smartphones, em 2007, esse é o trunfo da Apple perante a concorrência.

Desde que entrou no mercado de smartphones, em 2007, esse é o trunfo da Apple perante a concorrência. 20/12/2011-07h51 Casamento entre sistema e aparelhos é o trunfo da Apple LEONARDO MARTINS COLABORAÇÃO PARA A FOLHA Apesar da importância cada vez maior do software, o bom casamento entre o sistema operacional

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação.

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. O que é o Windows Movie Maker? O Windows Movie Maker é um programa de computador que permite criar vídeos ou editar os que já existem e transformá-los

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Entenda os formatos mais populares de vídeo

Entenda os formatos mais populares de vídeo Entenda os formatos mais populares de vídeo Com o grande crescimento da internet banda larga no país muitos internautas estão cada vez mais tendo contato com arquivos de vídeo, tanto na visualização online

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil. Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil

The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil. Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil etailbrazil.com 2014 O mercado está se ajustando a uma realidade multi-canal não excludente,

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para:

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para: MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! Precisa-se de mão de obra para: Marketing Vendas Distribuição Finanças Localização Desenvolvimento de novos negócios Programação... MUITOS CAMPOS ABERTOS,

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

13ª EDIÇÃO OUT 2013 F/RADAR PANORAMA DO BRASIL NA INTERNET

13ª EDIÇÃO OUT 2013 F/RADAR PANORAMA DO BRASIL NA INTERNET 13ª EDIÇÃO OUT 2013 F/RADAR PANORAMA DO BRASIL NA INTERNET AGENDA METODOLOGIA PANORAMA GERAL GRANDES APRENDIZADOS F/RADAR METODOLOGIA TÉCNICA Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal em pontos de fluxo

Leia mais

Solução para Central ACTIVE Leucotron. Opere seu ramal usando seu próprio computador!

Solução para Central ACTIVE Leucotron. Opere seu ramal usando seu próprio computador! Solução para Central ACTIVE Leucotron Opere seu ramal usando seu próprio computador! O software Contact Phone é rápido e fácil de usar, reúne todas as facilidades de um terminal KS físico mais os recursos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido Microsoft PowerPoint 2013 apresenta uma aparência diferente das versões anteriores; desse modo, criamos este guia para ajudá-lo a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

Fluxo de Mídias Sociais Integradas

Fluxo de Mídias Sociais Integradas Fev/ 2011 FETAMCE Fluxo de Mídias Sociais Integradas Ivonísio Mosca de Carvalho Filho Panorama / Cenário Qual o cenário atual da Internet? Você sabia que o que você imagina para daqui a 10 anos provavelmente

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Oficina: comunicação interna. 07 de novembro de 2013

Oficina: comunicação interna. 07 de novembro de 2013 Oficina: comunicação interna 07 de novembro de 2013 A Comunicação Interna é o esforço de comunicação desenvolvido por uma empresa, órgão ou entidade para estabelecer canais que possibilitem o relacionamento,

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

APACI - ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CINEASTAS

APACI - ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CINEASTAS À Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. Excelentíssimos Senhores, Senador Wellington Salgado, presidente desta Comissão, Senador Flexa Ribeiro, autor do PLS 280/2007, demais

Leia mais

Análise Comparativa entre Provedores de Internet 3G, no Estado do Acre.

Análise Comparativa entre Provedores de Internet 3G, no Estado do Acre. Análise Comparativa entre Provedores de Internet 3G, no Estado do Acre. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO Vamos aqui fazer uma comparação entre planos de internet 3G, (oferta/demanda), e tentar

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

play Guia de uso no Computador

play Guia de uso no Computador play Guia de uso no Computador 1 Bem-vindo Agora, com seu Vivo Play, você se diverte na hora em que der vontade. São milhares de filmes, séries e shows só esperando você dar um play. Você pausa, volta,

Leia mais

Usuários na web Em 2015, a internet alcançará 42,4% da população...

Usuários na web Em 2015, a internet alcançará 42,4% da população... Usuários na web Em 2015, a internet alcançará 42,4% da população... Serão mais de 3 bi de usuários Crescimento no próximo ano será de 6,2% Pela 1ª vez, a internet vai alcançar mais de 2 em cada 5 pessoas

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Introdução do Jornalismo Móvel

Introdução do Jornalismo Móvel Introdução do Jornalismo Móvel Semana 1: Visão geral das plataformas móveis, tendências e futuro Instrutor Técnico Móvel: Will Sullivan Instrutora Brasileira: Lorena Tárcia http://visual.ly/reaching-50-million-users

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico DESTAQUES 2007 O Estudo sobre Comércio Eletrônico da TIC Domicílios 2007 apontou que: Quase a metade das pessoas que já utilizaram a internet declarou ter realizado

Leia mais

O mercado de e-commerce e como torná-lo mais rentável usando o marketing digital. Julia Lopes - gerente de parcerias de canais

O mercado de e-commerce e como torná-lo mais rentável usando o marketing digital. Julia Lopes - gerente de parcerias de canais O mercado de e-commerce e como torná-lo mais rentável usando o marketing digital Julia Lopes - gerente de parcerias de canais Dados de e-commerce no Brasil dimensionando o mercado Faturamento do e-commerce

Leia mais

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Programa Sonora Eletrônica 1 Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO O uso e a produção áudio-visual no jornalismo hoje, não depende mais exclusivamente

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA ERA DO BIG DATA

COMUNICAÇÃO NA ERA DO BIG DATA COMUNICAÇÃO NA ERA DO BIG DATA Sorria, você está sendo monitorado Numa sociedade em que praticamente tudo é digital, nossos passos podem e são rastreados, monitorados, compilados e analisados para fins,

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking Perspectivas, impactos e desafios Nilton Omura (nilton.omura@br.ey.com) Abril, 2012 As condições estruturais para viabilizar a massificação de smartphones e tablets no Brasil estão criadas, e irão transformar

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

A era dos múltiplos núcleos chegou para ficar e com ela surgiram muitas dúvidas. Conheça hoje os detalhes dos novos processadores da Intel.

A era dos múltiplos núcleos chegou para ficar e com ela surgiram muitas dúvidas. Conheça hoje os detalhes dos novos processadores da Intel. Imprimir Quais as diferenças entre os processadores Intel Core i3, i5 e i7? Por Fabio Jordão Fonte: www.baixaki.com.br/info/3904-quais-as-diferencas-entre-os-processadores-intel-core-i3-i5-e-i7-.htm Quinta-Feira

Leia mais

SEJA BEM-VINDO à net!

SEJA BEM-VINDO à net! 1 SEJA BEM-VINDO à net! Caro cliente, Este manual foi desenvolvido especialmente para você conhecer um pouco mais sobre os produtos e serviços NET que estão à sua disposição. Aproveite ao máximo tudo o

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

A escolha do padrão de TV digital no Brasil

A escolha do padrão de TV digital no Brasil OPINIÃO A escolha do padrão de TV digital no Brasil Wellington Pereira A televisão sempre foi objeto de cobiça e esteve presente, com destaque, nos lares dos brasileiros. Mais de 90% das residências no

Leia mais

10 Análise dos recursos internos

10 Análise dos recursos internos 177 10 Análise dos recursos internos Essa seção do trabalho tem como objetivo fazer a análise dos recursos internos das duas empresas pesquisadas, Globo e Vivo. Como referencial teórico será utilizado

Leia mais

Painel de Controle e Configurações

Painel de Controle e Configurações Painel de Controle e Configurações Painel de Controle FERRAMENTAS DO PAINEL DE CONTROLE: - Adicionar Hardware: Você pode usar Adicionar hardware para detectar e configurar dispositivos conectados ao seu

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla 6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla O mercado brasileiro de dispositivos móveis em breve ganhará mais uma grande plataforma. Anunciado oficialmente

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO Com a popularização da banda larga, uma das tecnologias que ganhou muita força foi o VOIP (Voz sobre IP). Você com certeza já deve ter ouvido

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013 Crie seu mecanismo de engajamento: ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO Novembro 2013 parte 2 O RESUMO A jornada de decisão do consumidor já foi uma linha reta, mas agora é um caminho circular e em desenvolvimento.

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Certificação para Parceiros de Canais Axis

Certificação para Parceiros de Canais Axis Axis Communications' Academy Certificação para Parceiros de Canais Axis O mais novo requisito para Parceiros de Soluções também é um dos seus melhores benefícios. Axis Certification Program o padrão mundial

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Se você está começando a explorar o marketing digita com o YouTube, então você, certamente, já notou o quão poderosos são os vídeos.

Se você está começando a explorar o marketing digita com o YouTube, então você, certamente, já notou o quão poderosos são os vídeos. Eu fico muito feliz por você ter baixado esse ebook, nele você vai encontrar um método fantástico de atrair clientes através de uma plataforma incrível, que desenvolvi depois de milhares de testes dentro

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

A TECNOLOGIA REINVENTOU COMO CONSUMIDORES ASSISTEM TV

A TECNOLOGIA REINVENTOU COMO CONSUMIDORES ASSISTEM TV A TECNOLOGIA REINVENTOU COMO CONSUMIDORES ASSISTEM TV Como deve ser a resposta da Medição de Audiência? O DESAFIO NÃO É A FALTA DE DADOS DE AUDIÊNCIA. O DESAFIO É COMBINAR OS DADOS DE UMA FORMA QUE NOS

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais