Exercícios de Teoria da Computação Autómatos finitos não deterministas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercícios de Teoria da Computação Autómatos finitos não deterministas"

Transcrição

1 Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores - LEIC Licenciatura em Engenharia de Redes de Comunicações - LERC Exercícios de Teoria da Computação Autómatos finitos não deterministas Secção Ciência da Computação Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico 2008/2009

2 1 Linguagens reconhecidas por autómatos finitos não deterministas Considere o seguinte autómato finito não determinista sem movimentos-ɛ A = (Q, I, δ, q 0, F ) Q = {p, q, r} I = {0, 1, 2} δ(p, 0) = {q}, δ(p, 1) = {p, q} δ(p, 2) = {p} δ(q, 1) = {q, r} δ(r, 2) = {r} δ(q, 0) = δ(q, 2) = δ(r, 0) = δ(r, 1) = q 0 = p F = {q, r}. Verifique se as seguintes sequências fazem parte da linguagem reconhecida pelo autómato A: (i) 11 (ii) 10 (iii) 120 (iv) 212 (v) 2112 (vi) 2212 (vii) Considere o seguinte autómato finito não determinista sem movimentos-ɛ A = (Q, I, δ, q 0, F ) Q = {p, q, r} I = {x, y, z} δ(p, y) = δ(p, z) = δ(q, x) = {p} δ(r, z) = {q} δ(r, y) = {r} δ(p, x) = δ(q, z) = {q, r} δ(q, y) = δ(r, x) = q 0 = p F = {r}. Verifique se as seguintes sequências fazem parte da linguagem reconhecida pelo autómato A: (i) xy (ii) zx (iii) xxz (iv) yxy (v) 2112 (vi) zyxx (vii) xzxx 3. Considere o autómato finito não determinista A ɛ = ({q 0, q 1, q 2 }, {0, 1, 2}, δ, q 0, {q 2 }) δ ɛ q 0 {q 0 } {q 1 } q 1 {q 1 } {q 2 } q 2 {q 2 } 2

3 Verifique se as sequências (i) 00 (ii) 012 (iii) 022 (iv) 122 (v) 2112 fazem parte da linguagem reconhecida por A ɛ e caracterize a linguagem reconhecida pelo autómato. 4. Considere o autómato finito não determinista A ɛ = ({q 0, q 1, q 2, q 3, q 4, q 5 }, {0, 1, a, b}, δ, q 0, {q 5 }) δ 0 1 a b ɛ q 0 {q 1, q 2 } q 1 {q 3 } {q 1 } q 2 {q 4 } {q 2 } q 3 {q 5 } q 4 {q 5 } q 5 Verifique se as sequências (i) 110 (ii) 101 (iii) ba (iv) abb fazem parte da linguagem reconhecida por A ɛ e caracterize a linguagem reconhecida pelo autómato. 5. Verifique se as sequências (i) ɛ (ii) cc (iii) aba (iv) abb fazem parte da linguagem reconhecida pelo autómato A ɛ = ({q 0, q 1, q 2, q 3 }, {a, b, c}, δ, q 0, {q 2, q 3 }) δ a b c ɛ q 0 {q 1 } {q 3 } q 1 {q 1, q 2 } {q 1 } q 2 {q 0 } q 3 {q 3 } e caracterize a linguagem reconhecida por este autómato. 6. Verifique se as sequências (i) ɛ (ii) 01 (iii) 011 (iv) 1aba fazem parte da linguagem reconhecida pelo autómato A ɛ = ({q 0, q 1, q 2, q 3 }, {0, 1, a, b}, δ, q 0, {q 2 }) 3

4 δ 0 1 a b ɛ q 0 {q 0 } {q 1 } q 1 {q 1 } {q 0 } {q 2 } q 2 {q 3 } {q 2 } q 3 {q 2 } {q 3 } e caracterize a linguagem reconhecida por este autómato. 2 Concepção de autómatos finitos não deterministas Seja L o conjunto das palavras sobre o alfabeto {0, 1} que têm 1 na penúltima posição. (a) Defina um autómato finito não determinista cuja linguagem seja L. (b) Defina um autómato finito determinista cuja linguagem seja L. 2. Seja L o conjunto das das palavras sobre o alfabeto {0, 1} que têm 1 na antepenúltima posição. (a) Defina um autómato finito não determinista cuja linguagem seja L. (b) Defina um autómato finito determinista cuja linguagem seja L. 3. Seja L o conjunto das sequências não vazias de a s, b s e c s nas quais o último símbolo ocorre pelo menos duas vezes em toda a sequência. Defina um autómato finito não determinista cuja linguagem seja L. Verifique se as seguintes sequências fazem parte da linguagem reconhecida pelo autómato: (i) aca (ii) bbc (iii) abcb 4. Seja L o conjunto das sequências não vazias de a s, b s e c s nas quais o último símbolo ocorre uma única vez em toda a sequência. Defina um autómato finito não determinista cuja linguagem seja L. Verifique se as seguintes sequências fazem parte da linguagem reconhecida pelo autómato: (i) aca (ii) bbc (iii) accb 5. Seja L a linguagem constituída pelas palavras sobre o alfabeto {0, 1, 2} do tipo α 1 α 2 α 3 onde α 1 {0}, α 2 {1} +, α 3 {2} e se α 1 é ɛ então α 2 é Defina um autómato finito não determinista A, com três estados, L A = L. 6. Seja L a linguagem constituída pelas palavras sobre {a, b, c} do tipo αβ onde α é uma sequência não vazia e β {a} + ou β {b} +. Defina um autómato finito não determinista A, com três estados, L A = L. 4

5 3 Eliminação dos movimentos ɛ (a) Considere o autómato finito não determinista sem movimentos ɛ A = ({q 0, q 1, q 2 }, {0, 1, 2}, δ A, q 0, {q 0, q 2 }) δ A q 0 {q 0, q 1, q 2 } {q 1, q 2 } {q 2 } q 1 {q 1, q 2 } {q 2 } q 2 {q 2 } Caracterize a linguagem de A e compare-a com a linguagem do autómato finito não determinista do exercício 3 da secção Compare os dois autómatos. (b) Considere o autómato finito não determinista sem movimentos ɛ A = ({q 0, q 1, q 2, q 3, q 4, q 5 }, {0, 1, a, b}, δ A, q 0, {q 5 }) δ 0 1 a b q 0 {q 3, q 5 } {q 1 } {q 4, q 5 } {q 2 } q 1 {q 3, q 5 } {q 1 } q 2 {q 4, q 5 } {q 2 } q 3 q 4 q 5 Caracterize a linguagem de A e compare-a com a linguagem do autómato finito não determinista do exercício 4 da secção Compare os dois autómatos. (c) Proponha um algoritmo que a partir de um autómato finito não determinista, A ɛ, construa um autómato finito não determinista sem movimentos ɛ, A, L A = L A ɛ. 2. Use um algoritmo que conheça para construir autómatos finitos não deterministas sem movimentos ɛ que reconheçam as linguagens dos autómatos finitos não deterministas referidos nos exercícios 3, 4, 5 e 6 da secção 4 Eliminação do não determinismo (a) Seja I = {a, b} e considere os autómatos A = (Q A, I, δ A, q0 A, F A) no qual se tem Q A = {q 0, q 1 }, q0 A = q 0, F A = {q 1 } e δ A a b q 0 {q 0, q 1 } {q 1 } q 1 5

6 D = (Q D, I, δ D, q D 0, F D) no qual se tem Q D = {q 0, q 1, q 0 q 1, }, q D 0 = q 0, F D = {q 1, q 0 q 1 } e δ D a b q 0 q 0 q 1 q 1 q 1 q 0 q 1 q 0 q 1 q 1 Caracterize as linguagens L A e L D. Compare os autómatos A e D. (b) Seja I = {0, 1, 2} e considere os autómatos A = (Q A, I, δ A, q A 0, F A) no qual se tem Q A = {q 0, q 1, q 2, q 3 }, q A 0 = q 0, F A = {q 3 } e δ A q 0 {q 1, q 2, q 3 } q 1 {q 1, q 3 } q 2 {q 2, q 3 } q 3 {q 3 } D = (Q D, I, δ D, q D 0, F D) no qual se tem Q D = {q 0, q 3, q 1 q 3, q 2 q 3, q 1 q 2 q 3, }, q D 0 = q 0, F D = {q 3, q 1 q 3, q 2 q 3, q 1 q 2 q 3 } e δ D q 0 q 1 q 2 q 3 q 3 q 3 q 1 q 3 q 1 q 3 q 3 q 2 q 3 q 3 q 2 q 3 q 1 q 2 q 3 q 1 q 3 q 3 q 2 q 3 Caracterize as linguagens L A e L D. Compare os autómatos A e D. (c) Proponha um algoritmo que a partir de um autómato finito não determinista sem movimentos-ɛ A construa um autómato finito determinista D L D = L A. 2. Use um algoritmo que conheça para construir autómatos finitos deterministas que reconheçam as linguagens dos autómatos finitos não deterministas referidos nos exercícios (a) 1a e 1b. (b) 1 e 2 da secção (c) 1, 2, 3, 4, 5 e 6 da secção 2. 6

7 5 Reunião, concatenação e fecho de Kleene de linguagens (a) Esboce um algoritmo que a partir de dois autómatos finitos não deterministas A 1 e A 2 construa autómato finito não determinista A L A = L A1 L A2. (b) Usando o algoritmo proposto defina um autómato finito cuja linguagem seja L A1 L A2 em que δ p {p, q} {p} {p} A 1 = ({p, q, r}, {0, 1, 2}, δ 1, p, {r}) e q {r} r {r} {r} {r} A 2 = ({s, t, u, v}, {0, 1, 2}, δ 2, s, {v}) e δ s {t} t {t} {u} u {u} {v} v {v} (c) Usando o algoritmo proposto defina dois autómatos finitos cuja linguagem seja L A1 L A2 onde A 1 é o autómato apresentado no exercício 1 da secção 1 e A 2 é o autómato apresentado no exercício 5 da secção (d) Usando o algoritmo proposto defina dois autómatos finitos cujas linguagem seja L A1 L A2 onde A 1 é o autómato apresentado no exercício 2 da secção 1 e A 2 é o autómato apresentado no exercício 5 da secção (e) Tirando partido do algoritmo proposto defina um autómato finito cuja linguagem seja o conjunto das sequências de a s e b s e c s que verifiquem pelo menos um dos seguintes requisitos: (i) não têm a s consecutivos; (ii) têm um número ímpar de c s. (f) Tirando partido do algoritmo proposto defina um autómato finito cuja linguagem seja o conjunto das sequências de a s e b s e c s que verifiquem pelo menos um dos seguintes requisitos: (i) têm pelo menos dois a s; (ii) têm um número par de c s. 2. (a) Esboce um algoritmo que a partir de dois autómatos finitos não deterministas A 1 e A 2 construa um autómato finito não determinista A L A = L A1 L A2. (b) Usando o algoritmo proposto defina dois autómatos finitos cujas linguagens sejam, respectivamente, L A1 L A2 e L A2 L A1 onde A 1 e A 2 são os autómatos apresentados no exercício 1b desta secção. 7

8 (c) Usando o algoritmo proposto defina dois autómatos finitos cujas linguagens sejam, respectivamente, L A1 L A2 e L A2 L A1 onde A 1 é o autómato apresentado no exercício 1 da secção 1 e A 2 é o autómato apresentado no exercício 5 da secção (d) Usando o algoritmo proposto defina dois autómatos finitos cujas linguagens sejam, respectivamente, L A1 L A2 e L A2 L A1 onde A 1 é o autómato apresentado no exercício 2 da secção 1 e A 2 é o autómato apresentado no exercício 5 da secção 3. (a) Esboce um algoritmo que a partir de um autómato finito não determinista A construa um autómato finito não determinista A L A = (L A ). (b) Usando o algoritmo proposto defina dois autómatos finitos cujas linguagem sejam respectivamente, (L A1 ) e (L A2 ) onde A 1 e A 2 são os autómatos apresentados no exercício 1b desta secção. (c) Usando o algoritmo proposto defina um autómato finito cuja linguagem sejam (L A ) onde A é i. o autómato apresentado no exercício 1 da secção ii. o autómato apresentado no exercício 2 da secção iii. o autómato A ɛ apresentado no exercício 3 da secção iv. o autómato A ɛ apresentado no exercício 5 da secção v. o autómato apresentado no exercício 1b da secção 4. 6 Soma, composição sequencial e iteração de autómatos Construa o autómato soma(a 1, A 2 ) e relacione a linguagem deste autómato com as linguagens dos autómatos A 1 e A 2 em que (a) A 1 e A 2 são os autómatos apresentados no exercício 1b da secção 5. (b) A 1 é o autómato apresentado no exercício 1 da secção 1 e A 2 é o autómato apresentado no exercício 5 da secção (c) A 1 é o autómato apresentado no exercício 2 da secção 1 e A 2 é o autómato apresentado no exercício 5 da secção 2. Tirando partido da operação de soma de autómatos defina um autómato finito cuja linguagem seja o conjunto das sequências de a s e b s e c s que verifiquem pelo menos um dos seguintes requisitos: (i) não têm a s consecutivos; (ii) têm um número ímpar de c s. 3. Tirando partido da operação de soma de autómatos defina um autómato finito cuja linguagem seja o conjunto das sequências de a s e b s e c s que verifiquem pelo menos um dos seguintes requisitos: (i) têm pelo menos dois a s; (ii) têm um número par de c s. 4. Construa o autómato compseq(a 1, A 2 ) e relacione a linguagem deste autómato com as linguagens dos autómatos A 1 e A 2 em que 8

9 (a) A 1 e A 2 são os autómatos apresentados no exercício 1b da secção 5. (b) A 1 é o autómato apresentado no exercício 1 da secção 1 e A 2 é o autómato apresentado no exercício 5 da secção (c) A 1 é o autómato apresentado no exercício 2 da secção 1 e A 2 é o autómato apresentado no exercício 5 da secção 5. Construa o autómato iteração(a) e relacione a linguagem deste autómato com a linguagem do autómato A onde A é (a) o autómato apresentado no exercício 1 da secção (b) o autómato apresentado no exercício 2 da secção (c) o autómato A ɛ apresentado no exercício 3 da secção (d) o autómato A ɛ apresentado no exercício 5 da secção (e) o autómato apresentado no exercício 1b da secção 4. 9

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Linguagens e Expressões Regulares 2 2 Autómatos de Estados Finitos

Leia mais

1 Autómatos finitos deterministas

1 Autómatos finitos deterministas 1 Autómatos finitos deterministas 1.1 Autómato finito determinista Um alfabeto é um conjunto finito. Uma linguagem sobre um alfabeto I é um subconjunto de I. Usa-se simplesmente a designação linguagem

Leia mais

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ).

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). Alfabeto e palavras Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). {A,...,Z}, {α, β,... }, {a,b}, {0,1}, ASCII Palavra de Σ sequência finita de símbolos do alfabeto Σ Σ = {a, b} aabba a aaaaaaaa Comprimento

Leia mais

Exercícios de Teoria da Computação Autómatos, gramáticas e expressões regulares

Exercícios de Teoria da Computação Autómatos, gramáticas e expressões regulares Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores - LEIC Licenciatura em Engenharia de Redes de Comunicação e Informação - LERCI Exercícios de Teoria da Computação Autómatos, gramáticas e expressões

Leia mais

Roteiro da Aula 3. Sintaxe. 2 Exemplos. 4 Propriedades de Fechamento. Teoria da. 116360 Aula 3. Roteiro

Roteiro da Aula 3. Sintaxe. 2 Exemplos. 4 Propriedades de Fechamento. Teoria da. 116360 Aula 3. Roteiro 636 da Finitos Nãoterminísticos Finitos Não-terminísticos Sintaxe Semântica 2 3 4 5 636 Finitos Nãoterminísticos Sintaxe Semântica Não-terminismo Determinístico Exatamente uma trajetória sobre uma w Σ.

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Linguagens Formais e Autômatos Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A Teoria das Linguagens Formais foi originariamente desenvolvida na década de 1950 com

Leia mais

Autómatos Finitos Determinísticos

Autómatos Finitos Determinísticos Ficha 2 Autómatos Finitos Determinísticos 2.1 Introdução Se olharmos, de forma simplificada, para um computador encontramos três componentes principais: a) A unidade de processamento central b) As unidades

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Apostila 03 Linguagens Livres de Contexto

Apostila 03 Linguagens Livres de Contexto Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO Seção 5.1 Problemas indecidíveis Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima 1 Na aula passada... A MT é indecidível (usando diagonalização)

Leia mais

BCC242. Alfabeto, Strings, Linguagens. Registro aqui o agradecimento à Profa. Lucília por ceder slides que fazem parte deste material.

BCC242. Alfabeto, Strings, Linguagens. Registro aqui o agradecimento à Profa. Lucília por ceder slides que fazem parte deste material. BCC242 Alfabeto, Strings, Linguagens Registro aqui o agradecimento à Profa. Lucília por ceder slides que fazem parte deste material. Exemplo: Máquina de Venda A máquina de venda retorna uma cocacola por

Leia mais

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Problemas & Algoritmos Para resolver um problema através dum computador é necessário encontrar em primeiro lugar uma maneira de descrevê-lo

Leia mais

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.1/dim0330 1/36 Autômatos a pilha David Déharbe UFRN/DIMAp Campus Universitário, Lagoa Nova, 59072-970 Natal,

Leia mais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais Processamento Estatístico da Linguagem Natural Aula 5 Professora Bianca (Sala 302 Bloco E) bianca@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bianca/peln/ O que queremos Algo que faça automaticamente um mapeamento

Leia mais

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação P L A N O D E E N S I N O

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação P L A N O D E E N S I N O Pró-Reitoria de Ensino de Graduação P L A N O D E E N S I N O Curso: Ciência da Computação Unidade Curricular: Linguagem Formais e Autômatos Modalidade: Presencial (X ) Semipresencial ( ) Período: 4º Ano/

Leia mais

Autómatos finitos não determinísticos (AFND)

Autómatos finitos não determinísticos (AFND) Autómatos finitos não determinísticos (AFND) [HMU00](Cap 2.3) Computações não determinísticas: o estado seguinte não é univocamente determinado pelo estado actual.num autómato finito (não-determínistico):

Leia mais

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2 Estrutura de Repetição. Ex. 2 A ESTRUTURA Enquanto faça{} É MELHOR UTILIZADA PARA SITUAÇÕES ONDE O TESTE DE CONDIÇÃO (V OU F) PRECISA SER VERIFICADO NO INÍCIO DA ESTRUTURA DE REPETIÇÃO.

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

PROVA MODELO 2015. Duração da prova: 120 minutos

PROVA MODELO 2015. Duração da prova: 120 minutos Página 1 de 8 Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 3 anos, Decreto-Lei n.º 64/006, de 1 de março AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE

Leia mais

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa 1 Linguagens Formais: Construir Frases Exercício 1 Para cada uma das gramáticas G seguintes, (a) descreva a linguagem L(G) gerada

Leia mais

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V.

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V. Capítulo 2 Definição de Linguagens 2.1 Linguagens Formais Definição 2.1 (Alfabeto) Um conjunto finito e não vazio de símbolos arbitrários é designado por um alfabeto, e é denotado por V. Os elementos de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Disciplina de Algoritmos e Programação Profa: Juliana Kaizer Vizzotto Lista de Exercícios Vetores Para a implementação de programas que solucionem os problemas a seguir

Leia mais

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber

Curso de C. Introdução. Copyright @ 2005 by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber Curso de C Introdução Introdução Roteiro: Recordando Algoritmos Linguagem de Programação O computador Instruções de Máquina Níveis de Abstração Compilação Algoritmos Recordando: Algoritmo: conjunto finito

Leia mais

Máquinas de Turing. Juliana Kaizer Vizzotto. Disciplina de Teoria da Computação. Universidade Federal de Santa Maria

Máquinas de Turing. Juliana Kaizer Vizzotto. Disciplina de Teoria da Computação. Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Disciplina de Teoria da Computação Roteiro Definição Formal de Máquina de Turing Mais exemplos Definição Formal de Máquina de Turing Uma máquina de Turing é uma 7-upla,

Leia mais

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador Compiladores Análise lexical (1) Expressões Regulares 1 2 Plano da aula 1. Motivação do uso de E.R. e definições Linguagens, tokens, lexemas... 2. Regras de formação e exemplos

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

Complexidade de Algoritmos

Complexidade de Algoritmos Complexidade de Algoritmos Classes de Complexidades de Problemas Prof. Osvaldo Luiz de Oliveira Estas anotações devem ser complementadas por apontamentos em aula. Tempo polinomial Um algoritmo A, com entrada

Leia mais

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados Processamento da Informação Teoria Algoritmos e Tipos de dados Semana 01 Prof. Jesús P. Mena-Chalco 24/04/2013 (*) Slides adaptados das aulas do Prof. Harlen Costa Batagelo Algumas definições de algoritmo

Leia mais

Técnico em Informática

Técnico em Informática Técnico em Informática Desenvolvimento de Software, I e II Administração de Administrativos em Processamento de Análise de Científica Design Digital Engenharia da Engenharia de Física - Opção Informática

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP Algoritmos e Programação Ricardo Argenton Ramos Baseado nos slides do professor Jadsonlee da Silva Sá Ementa Conceito de algoritmo. Lógica de programação e programação estruturada. Linguagem de definição

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Capítulo 6. Autômatos com Pilha 6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Nos exemplos da seção anterior, vimos que os autômatos com pilha existem para

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TERMINOLOGIA BÁSICA ALGORITMO Um algoritmo pode ser visto como uma seqüência de ações expressas em termos

Leia mais

Introdução às Máquinas de Turing (TM)

Introdução às Máquinas de Turing (TM) Comparação com computadores: Introdução às Máquinas de Turing (TM) um modelo matemático simples de um computador Semelhanças: lê e escreve em posições arbitrarias de memoria Diferenças: sem limite no tamanho

Leia mais

Gramáticas Livres de Contexto

Gramáticas Livres de Contexto Gramáticas Livres de Contexto 25 de novembro de 2011 Definição 1 Uma Regra (ou produção) é um elemento do conjunto V (V Σ). Sendo que V é um conjunto finito de elementos chamados de variáveis e Σ um conjunto

Leia mais

Linguagem Formais e Autômatos

Linguagem Formais e Autômatos Linguagem Formais e Autômatos Apresentação da disciplina, metodologia de ensino, conteúdos, avaliações e bibliografia Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

Programação 1. Rafael Vargas Mesquita. http://www.ci.ifes.edu.br ftp://ftp.ci.ifes.edu.br/informatica/mesquita/

Programação 1. Rafael Vargas Mesquita. http://www.ci.ifes.edu.br ftp://ftp.ci.ifes.edu.br/informatica/mesquita/ Programação 1 Rafael Vargas Mesquita http://www.ci.ifes.edu.br ftp://ftp.ci.ifes.edu.br/informatica/mesquita/ Pseudo Código Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome

Leia mais

Programação 1. Rafael Vargas Mesquita. http://www.ci.ifes.edu.br ftp://ftp.ci.ifes.edu.br/informatica/mesquita/

Programação 1. Rafael Vargas Mesquita. http://www.ci.ifes.edu.br ftp://ftp.ci.ifes.edu.br/informatica/mesquita/ Programação 1 Rafael Vargas Mesquita http://www.ci.ifes.edu.br ftp://ftp.ci.ifes.edu.br/informatica/mesquita/ Definições Básicas Lógica de programação é a técnica de desenvolver algoritmos (sequências

Leia mais

Aula 10 Introdução à Algoritmos. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.

Aula 10 Introdução à Algoritmos. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu. Aula 10 Introdução à Algoritmos Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.br/~brunogomes Agenda da Aula Introdução aos Algoritmos: Conceitos Iniciais; Programa

Leia mais

Transformação sobrenome + nome em nome completo utilizando Máquina de Turing

Transformação sobrenome + nome em nome completo utilizando Máquina de Turing Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Computabilidade e Complexidade de Algoritmos Prof. Ney Laert Vilar Calazans

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT. Lista de Exercícios 01.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT. Lista de Exercícios 01. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT Curso de Bacharel em Ciência da Computação Disciplina: Matemática Discreta Professor: Rafael Stubs Parpinelli ) Diga se é verdadeiro

Leia mais

1 O que são e para que servem?

1 O que são e para que servem? Introdução às Expressões Regulares Mario Luiz Bernardinelli (mariolb@gmail.com) August 24, 2010 Abstract Regular Expressions (ERs) are special text strings for describing a search pattern. They are very

Leia mais

PROGRAMADOR JAVA. Aula 0 20 semanas. Instrutor : Léo Billi Email : leo.billi@gmail.com

PROGRAMADOR JAVA. Aula 0 20 semanas. Instrutor : Léo Billi Email : leo.billi@gmail.com Aula 0 20 semanas Instrutor : Léo Billi Email : leo.billi@gmail.com Bem-vindos Para que não sabe, quer dizer iniciantes. Noobs Informática A arte de processar dados A História A História A arte de processar

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Outras Máquinas de Turing

Outras Máquinas de Turing Capítulo 10 Outras Máquinas de Turing 10.1. Pequenas variações da TM padrão 10.2. MT s com dispositivos de armazenamento mais complexos 10.3. MT s não-determinísticas 10.4. A Máquina de Turing Universal

Leia mais

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007

Projeto de Compiladores. FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Projeto de Compiladores FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira joaoferreira@fir.br 5 e 6 de março de 2007 Agenda da Aula Resposta exercício da aula passada Revisão As Fases de Um Compilador Analisador

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Curso de Ciência da Computação Disciplina: Estruturas de Dados Profª. Raquel Marcia Müller

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Curso de Ciência da Computação Disciplina: Estruturas de Dados Profª. Raquel Marcia Müller 1 Listas Lineares Dentre as estruturas de dados não primitivas, as listas lineares são as de manipulação mais simples. Uma lista linear agrupa informações referentes a um conjunto de elementos que, de

Leia mais

Linguagens, Gramáticas e Máquinas

Linguagens, Gramáticas e Máquinas Linguagens, Gramáticas e Máquinas 1 INTRODUÇÃO Pode-se olhar um computador como uma máquina M que tem as propriedades descritas a seguir. A cada instante, M tem um "estado interno", M lê alguma "entrada",

Leia mais

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, Universidade do Porto Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2006-2008 http://www.dcc.fc.up.pt/mi

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra de Amo Solução da Lista de Exercícios n o 6 - Problemas Indecidiveis Exercicio 7-5.5 do

Leia mais

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 5 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Conjuntos Primeiro(First) e Seguidor(Follow) 2 Na aula de hoje Análise Sintática Análise Sintática Descendente Recursividade Fatoração 3

Leia mais

Aula 01 Parte 03 Computadores e Algoritmos. Prof. Filipe Wall Mutz

Aula 01 Parte 03 Computadores e Algoritmos. Prof. Filipe Wall Mutz Aula 01 Parte 03 Computadores e Algoritmos Prof. Filipe Wall Mutz Agenda Estrutura de um Computador Digital Algoritmos Refinamentos sucessivos Estrutura de um Computador Digital Memória Unidade de Entrada

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 11. Plano de estudos: 1º semestre curricular (1º ano/1º semestre) QUADRO N.º 2 CRÉD ITOS Álgebra Linear A CB semestral 140 T:30, TP: 30 5 Cálculo I CB semestral 140 T:30, TP:30 5 Tópicos de Matemática

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Matemática e suas Tecnologias Matemática

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Matemática e suas Tecnologias Matemática Atividade extra Exercício 1 Considere o produto dos números naturais ímpares, 19 17 15... 3 1: Como pode ser reescrito utilizando fatorial? (a) 19! (b) 19! 20! (c) 19! 18 16... 2 (d) 19! 20 Exercício 2

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

;(define conta-folhas ; (lambda ( ) ; (cond ; ( ( ) ) ; ( (and ) ) ; ( else ; ) ) ))

;(define conta-folhas ; (lambda ( ) ; (cond ; ( ( ) ) ; ( (and ) ) ; ( else ; ) ) )) ; ICC 00.2 PROVA 3 ; Gabarito ; QUESTAO 1 (1 ponto) (árvores binárias) ; Complete os espaços em branco na definição abaixo de maneira que ; a função receba uma Árvore Binária de números e retorne o número

Leia mais

3. Tipos de Dados, Constantes e Variáveis.

3. Tipos de Dados, Constantes e Variáveis. 3. Tipos de Dados, Constantes e Variáveis. O computador realiza a sua tarefa trabalhando as informações contidas em sua memória, essas podem ser classificadas em dois tipos básicos: as instruções e os

Leia mais

Fiabilidade dos Sistemas Informáticos

Fiabilidade dos Sistemas Informáticos Fiabilidade dos Sistemas Informáticos Verificação de Programas Imperativos Lógica de Hoare e outros métodos baseado em Pré/Pós-Condições e Invariantes Simão Melo de Sousa Computer Science Department University

Leia mais

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente 1º TERMO NOTURNO - 2009 31/03/09 3ª feira 20:50 h A ADMINISTRAÇÃO 01/04/09 4ª feira 19:00 h A1/A2 INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO 02/04/09 5ª feira 19:00 h A1 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA I 02/04/09 5ª feira 20:50

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

Atividade 11. Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos

Atividade 11. Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos Atividade 11 Caça ao Tesouro Autômatos de Estados Finitos Sumário Freqüentemente programas de computador precisam processar uma seqüência de símbolos como letras ou palavras em um documento, ou até mesmo

Leia mais

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO Operação de Software Aplicativo Científica Engenharia da Produção Engenharia de Engenharia de Produção Matemática Aplicada às Matemática Aplicada e Científica Matemática com Tecnologia em - Ênfase em Gestão

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos SLIDE 1 Professor Júlio Cesar da Silva juliocesar@eloquium.com.br site: http://eloquium.com.br/ twitter: @profjuliocsilva facebook: https://www.facebook.com/paginaeloquium

Leia mais

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON Computadores e Programação Engª Biomédica Departamento de Física Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2003/2004 FICHA 1 AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON 1.1. Objectivos

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente 1º TERMO NOTURNO - 2013 23/09/13 2ª feira 08:20 h B1 (DP) ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO I 23/09/13 2ª feira 19:00 h A1 ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO I 24/09/13 3ª feira 19:00 h A COMUNICAÇÃO

Leia mais

1. Funções Computáveis

1. Funções Computáveis 1. Funções Computáveis 1.1 Algoritmos ou Procedimentos Efectivos 1.2 A máquina URM - Unlimited Register Machine 1.3 Funções computáveis por URM 1.4 Predicados decidíveis e problemas 1.5 Computabilidade

Leia mais

1.1. Organização de um Sistema Computacional

1.1. Organização de um Sistema Computacional 1. INTRODUÇÃO 1.1. Organização de um Sistema Computacional Desde a antiguidade, o homem vem desenvolvendo dispositivos elétricoeletrônicos (hardware) que funciona com base em instruções e que são capazes

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO RAUL PILLA COMPONENTE CURRICULAR: Matemática PROFESSORA: Maria Inês Castilho. Conjuntos

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO RAUL PILLA COMPONENTE CURRICULAR: Matemática PROFESSORA: Maria Inês Castilho. Conjuntos ESCOL ESTDUL DE ENSINO MÉDIO UL PILL COMPONENTE CUICUL: Matemática POFESSO: Maria Inês Castilho Noções básicas: Conjuntos 1º NOS DO ENSINO MÉDIO Um conjunto é uma coleção qualquer de objetos, de dados,

Leia mais

ACEF/1213/12477 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1213/12477 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1213/12477 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1213/12477 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

Aula prática de Cálculo Usando a planilha Excel

Aula prática de Cálculo Usando a planilha Excel Aula prática de Cálculo Usando a planilha Excel Prof. Ulysses Sodré Profa. Sônia Ferreira L. Toffoli Londrina-PR, 27 de Junho de 2007, arquivo: excel001.tex 1 Alça de preenchimento no Excel Ao selecionar

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Engenharia Informática, Ensino da Informática, Matemática Aplicada e Matemática /Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Engenharia Informática, Ensino da Informática, Matemática Aplicada e Matemática /Informática Modelos de Dados 1 - Introdução 2 - Modelo Relacional 2.1. Estrutura de Dados Relacional 2.1.1. Modelo Conceptual de Dados Um modelo conceptual de dados é a representação de um conjunto de objectos e das

Leia mais

Multiplicando Ideias EE Profa. Clorinda Tritto Giangiacomo Sala 12 Sessão 1

Multiplicando Ideias EE Profa. Clorinda Tritto Giangiacomo Sala 12 Sessão 1 Multiplicando Ideias EE Profa. Clorinda Tritto Giangiacomo Sala 12 Sessão 1 Professoras Apresentadoras: Carla Janaina Bravo Rosilene Maria de Melo Realização: Foco A sequência didática de Matemática, Multiplicando

Leia mais

Metodos de Programação

Metodos de Programação Metodos de Programação Métodos de Programação Introdução Informática, Computador, Algoritmo Informática: Ciência do processamento da informação Computador: Máquina que serve para processar informação Algoritmo:

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Resolução 012/2010 da Pró-Reitoria de Graduação CAPÍTULO I - DO CONCEITO Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto LFA - PARTE 2 Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária João Luís Garcia Rosa LFA-FEC-PUC-Campinas 2002 R. Gregory Taylor: http://starbase.cs.trincoll.edu/~rtaylor/thcomp/

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO 1 ESTRUTURAS DE CONTROLE

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO 1 ESTRUTURAS DE CONTROLE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO 1 ESTRUTURAS DE CONTROLE 2015.2 Morganna Carmem Diniz Resumo Para implementar a solução de um problema no computador (Algoritmo) é preciso encontrar uma sequência finita de passos

Leia mais

$XWyPDWRV)LQLWRV'HWHUPLQLVWDV$)' A= (Q, È, G,q 0,F)

$XWyPDWRV)LQLWRV'HWHUPLQLVWDV$)' A= (Q, È, G,q 0,F) &DStWXOR,,$XWyPDWRV)LQLWRV $XWyPDWRV)LQLWRV'HWHUPLQLVWDV$)' 'HILQLomR: Um $XWyPDWR)LQLWR'HWHUPLQLVWD é um quíntuplo ordenado, onde: A= (Q, È, G,q 0,F) Q é um conjunto finito, não vazio, de HVWDGRV, È é

Leia mais

Algoritmos e Programação de Computadores I. Prof. Eduardo

Algoritmos e Programação de Computadores I. Prof. Eduardo Algoritmos e Programação de Computadores I Prof. Eduardo Professor Eduardo Machado Real - Mestrado em Ciência da Computação - Especialização em Desenvolvimento de Aplicação para a World Wide Web - Licenciatura

Leia mais

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Prof. Diego Mello da Silva Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Formiga 19 de fevereiro de 2013 diego.silva@ifmg.edu.br (IFMG) Matemática

Leia mais

Fundamentos em Informática (Sistemas de Numeração e Representação de Dados)

Fundamentos em Informática (Sistemas de Numeração e Representação de Dados) 1 UNIVERSIDADE DO CONTESTADO / UnC CAMPUS CONCÓRDIA/SC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Fundamentos em Informática (Sistemas de Numeração e Representação de Dados) (Apostila da disciplina elaborada pelo

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Bioinformática Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões da prova discursiva.

Leia mais

ICC - Aula 6. Ivan da Silva Sendin. November 17, 2014. Bits, portas logicas, flip-flops,... Numeros e Simbolos Exercicios

ICC - Aula 6. Ivan da Silva Sendin. November 17, 2014. Bits, portas logicas, flip-flops,... Numeros e Simbolos Exercicios ICC - Aula 6 Ivan da Silva Sendin November 17, 2014 Só existem 10 tipos de pessoas: as que entendem números binários e as que não entendem Bits 0 e 1 portas logicas operadores lógicos Circuitos f : {0,

Leia mais

ECO039 Linguagens Formais

ECO039 Linguagens Formais Prof a.dra.thatyana de Faria Piola Seraphim Universidade Federal de Itajubá thatyana@unifei.edu.br Introdução ˆ As três principais áreas da teoria da computação (Autômatos, Computabilidade e Complexidade)

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Figura 1 - O computador

Figura 1 - O computador Organização e arquitectura dum computador Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Representação da informação no computador... 4 3. Funcionamento básico dum computador... 5 4. Estrutura do processador...

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PAULO ROBERTO LIMA

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PAULO ROBERTO LIMA UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PAULO ROBERTO LIMA UM SOFTWARE EDUCACIONAL PARA CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE FORMALISMOS UTILIZADOS NA GERAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SENTENÇAS DE UMA LINGUAGEM REGULAR São José

Leia mais

Requisitos de Titulação Processo Seletivo de Docentes, N.º 064/09/2011

Requisitos de Titulação Processo Seletivo de Docentes, N.º 064/09/2011 Requisitos de Titulação Processo Seletivo de Docentes, N.º 064/09/2011 1. Aplicativos Informatizados da Administração (Administração) (EII) Administração / Ciências Administrativas (qualquer modalidade)

Leia mais

André Aziz. André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br)

André Aziz. André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) André Aziz André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) 1 O que é programação; O que é algoritmo; O ambiente de desenvolvimento; Primeiro programa em C; DEINFO/UFRPE 2 O que significa a palavra programar? DEINFO/UFRPE

Leia mais

DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net.

DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net. DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net A regra da cadeia (Entregar os exercícios [16] e [18] até o dia 06/08/2003) [01]

Leia mais