Outras Máquinas de Turing

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Outras Máquinas de Turing"

Transcrição

1 Capítulo 10 Outras Máquinas de Turing Pequenas variações da TM padrão MT s com dispositivos de armazenamento mais complexos MT s não-determinísticas A Máquina de Turing Universal Autómatos linearmente limitados 429

2 10.1. Pequenas variações sobre a MT Definição Autómatos equivalentes Sejam C 1 e C 2 duas classes de autómatos. Se para todo o M 1 em C 1 existe um M 2 em C 2 tal que L (M 1 ) = L (M 2 ) diz-se que C 2 é pelo menos tão poderoso como C 1. Se reversamente para todo o autómato M 2 em C 2 existe um autómato M 1 em C 1 tal que L (M 2 ) = L (M 1 ) então C 1 e C 2 são equivalentes. 430

3 Autómatos equivalentes C 1 C 2 L (M 1 ) = L (M 2 ) M 1 M 2 1 M 1 L (M 2 )=L L (M 1 ) M 2 431

4 Máquinas de Turing com a opção de ficar Máquinas de Turing com várias bandas na fita MT com fita semi-infinitainfinita A MT off-line MT com armazenamento mais complexo MT com fitas múltiplas l MT multidimensionais 432

5 10.3. MT não-determinísticas i Uma MT não-determinística define-se do mesmo modo que uma determinística excepto a função de transição 1 que é : Q 2 Q {L,R } O contradomínio de é um conjunto de transições possíveis, podendo a MT escolher qualquer uma delas. 1 em vez de função de transição, deve falar-se aqui em mapeamentos (mappings) i )de transição. 433

6 Uma MT não-determinística aceita a cadeia w de uma linguagem L se existir alguma sequência de movidas possível tal que q w x q 0 x 1 f 2, x 1, x 2 * sendo q f um estado final. 434

7 a transição não-determinística (q 0, a) = {(q 1, c, L), (q 2, e, R)} permite as movidas q 0 aba q 1 cba q 0 aba eq 2 ba sendo a TM que escolhe uma delas. MT não-determinística não é mais poderosa do que uma MT determinística 435

8 10.4. Uma Máquina de Turing Universal MT M u reprogramável. Entrada: descrição de qualquer máquina de Turing M uma cadeia w Simula a computação de M com w. 436

9 Uma descrição possível de uma MT genérica conjunto dos estados Q = {q 1,q 2,, q n } q 1, estado inicial q 2, estado final único alfabeto da fita = {a 1, a 2,..., a m }, a 1 representa o carácter branco ( blank ) 437

10 - codificação unária dos estados q 1 = 1, q 2 = 11, q 3 = 111, de a 1 = 1, a 2 = 11, a 3 = 111, das movidas: L = 1, R = 11 - o zero, 0, usa-se como separador dos 1 s : a função de transição da MT é codificada numa fita (q 1, a 2 ) = (q 2, a 4, R) (q 2, a 3 ) = (q 1, a 2, L)

11 Deste modo qualquer MT tem uma codificação finita como uma cadeia de {0, 1} +. Dada uma codificação de uma M, pode-se descodificá-la difi de modo único. 439

12 Máquina de Turing Universal Fita 2: estado actual de M Fita 1 : descrição de M Fita 3: réplica da fita de M R/W b a c b b a R R/W M u UNIDADE DE CONTROLO 440

13 Funcionamento da MT Universal 1º lê a fita 2 o estado actual de M 2º lê a fita 3 a fita de M os argumentos de 3º procura na fita 1 os argumentos de, e lê o resultado da transição (alteração da fita de M, novo estado de M, nova posição da cabeça de M). 4º actualiza a fita 2 (estado para onde transita) 5º actualiza a fita 3 (conteúdo, posição da cabeça R/W ) 6º volta a 1º. 441

14 Poderá uma MT Universal ser implementada por uma MT padrão?? Existirá uma máquina de Turing que, dado qualquer programa, possa fazer a computação especificada por ele?? Para a tabela de estados de uma MT universal: p 442

15 Quantas máquinas de Turing existem? As máquinas de Turing podem codificar-se com 0 s e1 s Quantas máquinas de Turing é possível construir? Será possível enumerá-las? 443

16 Definição 10.3 Enumeração S conjunto de cadeias em. Um procedimento de enumeração em S é uma máquina de Turing que pode efectuar a sequência de movidas q 0 q s x 1 # s 1 q s x 2 # s 2 q s x 3 # s 3... com x i * - {#}, s i S, de tal modo que qualquer s em S é ordenada d num número finito it de movidas. x i está relacionado com a ordem de s i na contagem resultante. O estado q s significa ifi que a cadeia s i pertence a S. 444

17 Exemplo. Ordem própria Seja o alfabeto = {a, b, c}. Será S = + contável? A enumeração produz os elementos por uma certa ordem. Ordem alfabética? Que aconteceria? Ordem dependente do comprimento da cadeia? a, b, c, 1 caráter aa, ab, ac, ba, bb, bc, ca, cb, cc, 2 caracteres aaa, aab, aac, aba, abb, abc,... 3 caracteres Esta ordenação (contagem) chama-se ordem própria (proper order). 445

18 Teorema 10.3 O conjunto de todas as máquinas de Turing é contável (embora infinito).... Uma MT pode codificar-se numa cadeia finita de 0 s e 1 s 1s, ordenável por ordem própria. 446

19 10.5. Autómatos linearmente limitados (linear bounded automata) MT em que só se pode usar a parte da fita ocupada pela entrada. Chamam-se autómatos linearmente limitados, linear bounded automata (LBA). Para delimitar a fita usada utilizam-se dois caracteres especiais: o marcador de limite à esquerda, [ o marcador de limite à direita, ] 447

20 Definição de LBA Um autómato linearmente limitado é uma MT não-determinística Com as restrições: M = ( Q,,,, q0,, F) tem que conter os símbolos especiais [ e ], ], (q i, [) só pode conter elementos do tipo (q j, [, R ) (q i, ]) só pode conter elementos do tipo (q j, ], L ) 448

21 Definição: Linguagem g aceite por um LBA Uma cadeia w é aceite por um autómato linearmente limitado (LBA) se for possível encontrar uma sequência de movidas q 0 [w] [ x 1 q f x 2 ] para alguma q f F, x 1, x 2 *. A linguagem aceite pelo LBA é o conjunto de todas as cadeias que aceita. Os LBA são mais poderosos do que os NPDA ( e menos poderosos do que a MT padrão). 449

22 Ver no DEM exemplos de LBA: Ex , aceita a n b n c n Ex , aceita a n, n primo. Ex , aceita a n.n, n > 0 O é o marcador da esquerda ( [ ) e o da direita (])) (Ver Taylor, pp ). 592) 450

23 Bibliografia An Introduction to Formal Languages and Automata, Peter Linz, 3rd Ed., Jones and Bartelett Computer Science, Models of Computation and Formal Languages, R. Gregory Taylor, Oxford University Press, Introduction to Automata Theory, Languages and Computation, 2nd Ed., John Hopcroft, Rajeev Motwani, Jeffrey Ullman, Addison Wesley, Elements for the Theory of Computation, Harry Lewis and Christos Papadimitriou, 2nd Ed., Prentice Hall, Introduction th the Theory of Computation, Michael Sipser, PWS Publishing Co, (Alan Turing Home Page) history/mathematicians/turing.html 451

Os limites da computação algorítmica

Os limites da computação algorítmica Capítulo 12 Os limites da computação algorítmica 12.1. Problemas que não podem ser resolvidos pelas MT. 12.2. Problemas indecidíveis para LRE 12.3. Problema da correspondência de Post 12.4. Problemas indecidíveis

Leia mais

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto Capítulo 5 Linguagens livres de contexto 5.1. Gramáticas livres de contexto 5.2. Parsing e ambiguidade 5.3. CFG e linguagens de programação 221 5.1. 1Gramáticas ái livres de contexto na parte esquerda

Leia mais

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ).

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). Alfabeto e palavras Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). {A,...,Z}, {α, β,... }, {a,b}, {0,1}, ASCII Palavra de Σ sequência finita de símbolos do alfabeto Σ Σ = {a, b} aabba a aaaaaaaa Comprimento

Leia mais

7.1. Autómatos de pilha não-determinísticos (NPDA) 7.3. Autómatos de pilha determinísticos e linguagens livres de contexto determinísticas.

7.1. Autómatos de pilha não-determinísticos (NPDA) 7.3. Autómatos de pilha determinísticos e linguagens livres de contexto determinísticas. Capítulo 7 Autómatos de pilha 7.1. Autómatos de pilha não-determinísticos (NPDA) 7.2. Autómatos de pilha e linguagens livres de contexto 7.3. Autómatos de pilha determinísticos e linguagens livres de contexto

Leia mais

Linguagem (formal) de alfabeto Σ

Linguagem (formal) de alfabeto Σ Linguagem (formal) de alfabeto Σ Linguagem é qualquer subconjunto de Σ, i.e. qualquer conjunto de palavras de Σ Σ = {a, b} {aa, ab, ba, bb} ou {x x {a, b} e x = 2} {a, aa, ab, ba, aaa, aab, aba,...} ou

Leia mais

Autómatos finitos não determinísticos (AFND)

Autómatos finitos não determinísticos (AFND) Autómatos finitos não determinísticos (AFND) [HMU00](Cap 2.3) Computações não determinísticas: o estado seguinte não é univocamente determinado pelo estado actual.num autómato finito (não-determínistico):

Leia mais

Alfabeto, Cadeias, Operações e Linguagens

Alfabeto, Cadeias, Operações e Linguagens Linguagens de Programação e Compiladores - Aula 3 1 Alfabeto, Cadeias, Operações e Linguagens 1.Conjuntos Para representar um determinado conjunto é necessário buscar uma notação para representá-lo e ter

Leia mais

Revisões de Conjuntos

Revisões de Conjuntos Revisões de Conjuntos {, {a}, {b}, {a, b}} a A a pertence a A, a é elemento de A a {a, b, c} a / A a não pertence a A d / {a, b, c} A B A contido em B, A subconjunto de B x A x B {a, b} {b, c, a} A B A

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Linguagens e Expressões Regulares 2 2 Autómatos de Estados Finitos

Leia mais

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação P L A N O D E E N S I N O

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação P L A N O D E E N S I N O Pró-Reitoria de Ensino de Graduação P L A N O D E E N S I N O Curso: Ciência da Computação Unidade Curricular: Linguagem Formais e Autômatos Modalidade: Presencial (X ) Semipresencial ( ) Período: 4º Ano/

Leia mais

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO Seção 5.1 Problemas indecidíveis Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima 1 Na aula passada... A MT é indecidível (usando diagonalização)

Leia mais

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.1/dim0330 1/36 Autômatos a pilha David Déharbe UFRN/DIMAp Campus Universitário, Lagoa Nova, 59072-970 Natal,

Leia mais

MT como calculadoras de funções parciais

MT como calculadoras de funções parciais MT como calculadoras de funções parciais Uma máquina de Turing pode ser vista como uma calculadora de funções parciais dos inteiros nos inteiros: f : N k p N Suponhamos que os inteiros estão codificados

Leia mais

Introdução às Máquinas de Turing (TM)

Introdução às Máquinas de Turing (TM) Comparação com computadores: Introdução às Máquinas de Turing (TM) um modelo matemático simples de um computador Semelhanças: lê e escreve em posições arbitrarias de memoria Diferenças: sem limite no tamanho

Leia mais

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador Compiladores Análise lexical (1) Expressões Regulares 1 2 Plano da aula 1. Motivação do uso de E.R. e definições Linguagens, tokens, lexemas... 2. Regras de formação e exemplos

Leia mais

Resumo. Sistemas e Sinais Máquinas de Estados Finitos. Máquina de Estados Finitos. Esta Aula

Resumo. Sistemas e Sinais Máquinas de Estados Finitos. Máquina de Estados Finitos. Esta Aula Resumo Sistemas e Sinais Máquinas de Estados Finitos lco@ist.utl.pt Estrutura das máquinas de estados finitos. Diagrama de estados. Tabela de actualização. Máquinas não-determinísticas. Simulação e bi-simulação.

Leia mais

Conceitos Básicos. Vocabulário Cadeias Linguagens Expressões Regulares Problema X Linguagem

Conceitos Básicos. Vocabulário Cadeias Linguagens Expressões Regulares Problema X Linguagem Conceitos Básicos Vocabulário Cadeias Linguagens Expressões Regulares Problema X Linguagem Alfabeto ou Vocabulário: Conjunto finito não vazio de símbolos. Símbolo é um elemento qualquer de um alfabeto.

Leia mais

Gramáticas ( [HMU00], Cap. 5.1)

Gramáticas ( [HMU00], Cap. 5.1) Gramáticas ( [HMU00], Cap. 5.1) Vimos que a seguinte linguagem não é regular L = {0 n 1 n n 0} Contudo podemos fácilmente dar uma definição indutiva das suas palavras: 1. ɛ L 2. Se x L então 0x1 L L é

Leia mais

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Capítulo 6. Autômatos com Pilha 6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Nos exemplos da seção anterior, vimos que os autômatos com pilha existem para

Leia mais

Máquinas Universais. Departamento de Ciência de Computadores da FCUP MC Aula 23 1

Máquinas Universais. Departamento de Ciência de Computadores da FCUP MC Aula 23 1 Máquinas Universais Um modelo de computação diz-se universal se todo o problema efectivamente computável o for nesse modelo. Um modelo universal é suficientemente poderoso para se aceitar a si próprio:

Leia mais

Máquinas de Turing. Juliana Kaizer Vizzotto. Disciplina de Teoria da Computação. Universidade Federal de Santa Maria

Máquinas de Turing. Juliana Kaizer Vizzotto. Disciplina de Teoria da Computação. Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Disciplina de Teoria da Computação Roteiro Definição Formal de Máquina de Turing Mais exemplos Definição Formal de Máquina de Turing Uma máquina de Turing é uma 7-upla,

Leia mais

Linguagem Formais e Autômatos

Linguagem Formais e Autômatos Linguagem Formais e Autômatos Apresentação da disciplina, metodologia de ensino, conteúdos, avaliações e bibliografia Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PAULO ROBERTO LIMA

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PAULO ROBERTO LIMA UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ PAULO ROBERTO LIMA UM SOFTWARE EDUCACIONAL PARA CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE FORMALISMOS UTILIZADOS NA GERAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SENTENÇAS DE UMA LINGUAGEM REGULAR São José

Leia mais

Transformação sobrenome + nome em nome completo utilizando Máquina de Turing

Transformação sobrenome + nome em nome completo utilizando Máquina de Turing Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Computabilidade e Complexidade de Algoritmos Prof. Ney Laert Vilar Calazans

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO: Fundamentos da Computação CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação DISCIPLINA: Fundamentos da Computação CÓDIGO: 4610H CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula VALIDADE: a partir de

Leia mais

Elementos de Matemática Discreta

Elementos de Matemática Discreta Elementos de Matemática Discreta Prof. Marcus Vinícius Midena Ramos Universidade Federal do Vale do São Francisco 9 de junho de 2013 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Marcus

Leia mais

Exercicios. 7.2 Quais das seguintes afirmações são verdadeiras? Justifica. (d) abcd L((a(cd) b) )

Exercicios. 7.2 Quais das seguintes afirmações são verdadeiras? Justifica. (d) abcd L((a(cd) b) ) Exercicios 7.1 Escreve expressões regulares para cada uma das seguintes linguagens de Σ = {a, b}: (a) palavras com não mais do que três as (b) palavras com um número de as divisível por três (c) palavras

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação MODALIDADE: PRESENCIAL ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: DEINFO

PLANO DE ENSINO. CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação MODALIDADE: PRESENCIAL ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: DEINFO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Site: http://www.bsi.ufrpe.br E-mail: coordenacao@bsi.ufrpe.br

Leia mais

Tratamentos Tempo de Armazenamento T F secagem 0 mês 6 meses ( C) (m 3 /minuto/t) (hora) D 1 D 2 D 3 Médias D 1 D 2 D 3 Médias 42 26,9 0 10,4 10,8

Tratamentos Tempo de Armazenamento T F secagem 0 mês 6 meses ( C) (m 3 /minuto/t) (hora) D 1 D 2 D 3 Médias D 1 D 2 D 3 Médias 42 26,9 0 10,4 10,8 Tratamentos Tempo de Armazenamento T F secagem 0 mês 6 meses ( C) (m 3 /minuto/t) (hora) D 1 D 2 D 3 Médias D 1 D 2 D 3 Médias 42 26,9 0 10,4 10,8 10,9 10,7 12,8 11,6 12,0 12,1 4 11,1 10,6 10,9 10,9 13,1

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Linguagens Formais e Autômatos Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A Teoria das Linguagens Formais foi originariamente desenvolvida na década de 1950 com

Leia mais

Autómatos de Pilha. Cada transição é caracterizada pelo estado, símbolo que está ser lido e o elemento no topo da pilha. dados de entrada.

Autómatos de Pilha. Cada transição é caracterizada pelo estado, símbolo que está ser lido e o elemento no topo da pilha. dados de entrada. Autómatos de Pilha Um autómato de pilha (não determinístico) (AP) é um autómato finito não determinístico com transições ɛ, acrescido de uma memória infinita a pilha mas em que o modo de acesso à informação

Leia mais

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto LFA - PARTE 2 Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária João Luís Garcia Rosa LFA-FEC-PUC-Campinas 2002 R. Gregory Taylor: http://starbase.cs.trincoll.edu/~rtaylor/thcomp/

Leia mais

Modelagem de uma Vending Machine utilizando um Autômato Finito com Saída

Modelagem de uma Vending Machine utilizando um Autômato Finito com Saída Modelagem de uma Vending Machine utilizando um Autômato Finito com Saída Ailton Sérgio Bonifácio Yandre Maldonado e Gomes da Costa Mestrado em Ciência da Computação - FACCAR/UFRGS ailton@uel.br, yandre@din.uem.br

Leia mais

Apostila 01 Fundamentação da Teoria da Computação e Linguagens Formais

Apostila 01 Fundamentação da Teoria da Computação e Linguagens Formais Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais Processamento Estatístico da Linguagem Natural Aula 5 Professora Bianca (Sala 302 Bloco E) bianca@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bianca/peln/ O que queremos Algo que faça automaticamente um mapeamento

Leia mais

Roteiro da Aula 3. Sintaxe. 2 Exemplos. 4 Propriedades de Fechamento. Teoria da. 116360 Aula 3. Roteiro

Roteiro da Aula 3. Sintaxe. 2 Exemplos. 4 Propriedades de Fechamento. Teoria da. 116360 Aula 3. Roteiro 636 da Finitos Nãoterminísticos Finitos Não-terminísticos Sintaxe Semântica 2 3 4 5 636 Finitos Nãoterminísticos Sintaxe Semântica Não-terminismo Determinístico Exatamente uma trajetória sobre uma w Σ.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Máquina de Turing Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa yandre@din.uem.br Teoria da Computação Ciência da Computação

Leia mais

Turma A - Segundas e Quartas das 8h30min - 10h10min Turma B - Segundas e Quartas das 10h30min - 12h10min

Turma A - Segundas e Quartas das 8h30min - 10h10min Turma B - Segundas e Quartas das 10h30min - 12h10min UNIVERSIDADE DEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TEÓRICA 2 Semestre 2008 04/08/2008 a 12/12/2008 DISCIPLINA: TEORIA DA COMPUTAÇÃO N CÓDIGO: INF05501. Horário:

Leia mais

Autômatos Finitos Não-Determinísticos para Diagnóstico de Falhas em Sistemas de Potência

Autômatos Finitos Não-Determinísticos para Diagnóstico de Falhas em Sistemas de Potência Autômatos Finitos Não-Determinísticos para Diagnóstico de Falhas em Sistemas de Potência Ricardo Linden1 Victor Navarro Araújo Lemos da Silva2 Resumo: Este artigo apresenta uma proposta de uma aplicação

Leia mais

Gramáticas Livres de Contexto

Gramáticas Livres de Contexto Gramáticas Livres de Contexto 25 de novembro de 2011 Definição 1 Uma Regra (ou produção) é um elemento do conjunto V (V Σ). Sendo que V é um conjunto finito de elementos chamados de variáveis e Σ um conjunto

Leia mais

Linguagens, Gramáticas e Máquinas

Linguagens, Gramáticas e Máquinas Linguagens, Gramáticas e Máquinas 1 INTRODUÇÃO Pode-se olhar um computador como uma máquina M que tem as propriedades descritas a seguir. A cada instante, M tem um "estado interno", M lê alguma "entrada",

Leia mais

ÁLGEBRA BOOLEANA. Foi um modelo formulado por George Boole, por volta de 1850.

ÁLGEBRA BOOLEANA. Foi um modelo formulado por George Boole, por volta de 1850. ÁLGEBRA BOOLEANA Foi um modelo formulado por George Boole, por volta de 1850. Observando a lógica proposicional e a teoria de conjuntos verificamos que elas possuem propriedades em comum. Lógica Proposicional

Leia mais

Que tipo de problemas são insolúveis por computador? Todos eles são teóricos?? A resposta é não!

Que tipo de problemas são insolúveis por computador? Todos eles são teóricos?? A resposta é não! Que tipo de problemas são insolúveis por computador? Todos eles são teóricos?? A resposta é não! Por exemplo, se dermos como entrada para um processo de verificação da corretude de programas um programa

Leia mais

Autómatos Finitos Determinísticos

Autómatos Finitos Determinísticos Ficha 2 Autómatos Finitos Determinísticos 2.1 Introdução Se olharmos, de forma simplificada, para um computador encontramos três componentes principais: a) A unidade de processamento central b) As unidades

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios 2004/2...

Terceira Lista de Exercícios 2004/2... UFLA Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciência da Computação COM162 Linguagens Formais e Autômatos Prof. Rudini Sampaio Monitor: Rodrigo Pereira dos Santos Terceira Lista de Exercícios 2004/2

Leia mais

Máquinas de Turing: uma introdução

Máquinas de Turing: uma introdução Máquinas de Turing: uma introdução Nelma Moreira Armando Matos Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, Universidade do Porto email: {nam,acm}@ncc.up.pt 1996 Revisão: Maio 2001 1

Leia mais

EXPERIMENTO ALEATÓRIO : Experimento que pode fornecer diferentes resultados, embora seja repetido toda vez da mesma maneira.

EXPERIMENTO ALEATÓRIO : Experimento que pode fornecer diferentes resultados, embora seja repetido toda vez da mesma maneira. EXPERIMENTO ALEATÓRIO : Experimento que pode fornecer diferentes resultados, embora seja repetido toda vez da mesma maneira. ESPAÇO AMOSTRAL : O conjunto de todos os resultados possíveis de um experimento

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra Aparecida de Amo Lista de Exercícios n o 2 Exercícios sobre Modelos de Máquinas de Turing

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Máquina de Turing Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa yandre@din.uem.br Teoria da Computação Ciência da Computação

Leia mais

Web site. Objetivos gerais. Introdução. http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados. Profa. Patrícia Dockhorn Costa

Web site. Objetivos gerais. Introdução. http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados. Profa. Patrícia Dockhorn Costa Web site http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados Estruturas de Dados Aula 1: Introdução e conceitos básicos Profa. Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br 01/03/2010

Leia mais

2 Máquinas de Estados em Jogos Eletrônicos

2 Máquinas de Estados em Jogos Eletrônicos 2 Máquinas de Estados em Jogos Eletrônicos Máquinas de Estados são um conceito importante em várias áreas da ciência. Em particular, a engenharia e a computação utilizam Máquinas de Estados como ferramentas

Leia mais

Databases. Dependências Funcionais

Databases. Dependências Funcionais Databases Dependências Funcionais P. Serendero, 2011-13 Referências e exemplos tirados de diversas fontes, excetuando aqueles relacionados com embarcações Dependências Funcionais (DF) Uma Base de Dados,

Leia mais

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis.

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis. 3. Tabelas de Hash As tabelas de hash são um tipo de estruturação para o armazenamento de informação, de uma forma extremamente simples, fácil de se implementar e intuitiva de se organizar grandes quantidades

Leia mais

Teoria de Linguagens 2 o semestre de 2015 Professor: Newton José Vieira Primeira Lista de Exercícios Entrega: até 16:40h de 15/9.

Teoria de Linguagens 2 o semestre de 2015 Professor: Newton José Vieira Primeira Lista de Exercícios Entrega: até 16:40h de 15/9. Pós-Graduação em Ciência da Computação DCC/ICEx/UFMG Teoria de Linguagens 2 o semestre de 2015 Professor: Newton José Vieira Primeira Lista de Exercícios Entrega: até 16:40h de 15/9. Observações: Pontos

Leia mais

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa 1 Linguagens Formais: Construir Frases Exercício 1 Para cada uma das gramáticas G seguintes, (a) descreva a linguagem L(G) gerada

Leia mais

Capítulo 1: Alfabetos, cadeias, linguagens

Capítulo 1: Alfabetos, cadeias, linguagens Capítulo 1: Alfabetos, cadeias, linguagens Símbolos e alfabetos. Um alfabeto é, para os nossos fins, um conjunto finito não vazio cujos elementos são chamados de símbolos. Dessa maneira, os conceitos de

Leia mais

Expressões Regulares e Gramáticas Regulares

Expressões Regulares e Gramáticas Regulares Universidade Católica de Pelotas Escola de informática 053212 Linguagens Formais e Autômatos TEXTO 2 Expressões Regulares e Gramáticas Regulares Prof. Luiz A M Palazzo Março de 2007 Definição de Expressão

Leia mais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais O que é a Disciplina? Disciplina de Projeto e Análise de Algoritmos Esta é uma disciplina de Algoritmos em nível de Pós-Graduação! Temas a serem abordados:

Leia mais

Álgebra Booleana. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

Álgebra Booleana. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Álgebra Booleana Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Histórico George Boole (1815-1864) Considerado um dos fundadores da Ciência da Computação, apesar de computadores não existirem em seus dias.

Leia mais

Máquinas Universais. Máquina de Turing. Celso Olivete Júnior.

Máquinas Universais. Máquina de Turing. Celso Olivete Júnior. Máquinas Universais Máquina de Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br http://www2.fct.unesp.br/docentes/dmec/olivete/ Roteiro Hipótese de Church - Máquinas Universais: Máquina de Máquina de : Noção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TEORIA DA COMPUTAÇÃO Aula 02 Introdução à Teoria da Computação Prof.ª Danielle Casillo Linguagem: é uma forma precisa de expressar

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos 02/2015. LFA Aula 02. introdução 28/09/2015. Celso Olivete Júnior.

Linguagens Formais e Autômatos 02/2015. LFA Aula 02. introdução 28/09/2015. Celso Olivete Júnior. LFA Aula 02 Linguagens regulares - introdução 28/09/2015 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br 1 Na aula passada... Visão geral Linguagens regulares expressões regulares autômatos finitos gramáticas

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

SCC Capítulo 1 Linguagens Regulares e Autômatos Finitos

SCC Capítulo 1 Linguagens Regulares e Autômatos Finitos SCC-505 - Capítulo 1 Linguagens Regulares e Autômatos Finitos João Luís Garcia Rosa 1 1 Departamento de Ciências de Computação Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens Formais e Autômatos

Teoria da Computação Linguagens Formais e Autômatos 1 Prof. Diógenes Furlan Teoria da Comutação Linguagens Formais e Autômatos Módulo 2 2015 2 Autômato de Pilha Modelo reconhecedor de alavras ara LLCs. Modelo da Máuina fita de entrada cabeça de leitura

Leia mais

CAPÍTULO 6 SIMPLIFICAÇÃO DE GRAMÁTICAS LIVRES DE CONTEXTO E FORMAS NORMAIS

CAPÍTULO 6 SIMPLIFICAÇÃO DE GRAMÁTICAS LIVRES DE CONTEXTO E FORMAS NORMAIS CAPÍTULO 6 SIMPLIFICAÇÃO DE GRAMÁTICAS LIVRES DE CONTEXTO E FORMAS NORMAIS 6.1 Introdução 215 6.2 Métodos para transformar gramáticas 215 6.2.1 Eliminação do carácter 216 6.2.2 Uma regra geral para substituir

Leia mais

Limitações dos Computadores

Limitações dos Computadores Limitações dos Computadores Baseado em Computers Ltd. What they really can t do, David Harel. Oxford University Press, 2000. Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 2004/07

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Teoria da Computação. Unidade 3 Máquinas Universais. Referência Teoria da Computação (Divério, 2000)

Teoria da Computação. Unidade 3 Máquinas Universais. Referência Teoria da Computação (Divério, 2000) Teoria da Computação Referência Teoria da Computação (Divério, 2000) 1 L={(0,1)*00} de forma que você pode usar uma Máquina de Turing que não altera os símbolos da fita e sempre move a direita. MT_(0,1)*00=({0,1},{q

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra de Amo Solução da Lista de Exercícios n o 6 - Problemas Indecidiveis Exercicio 7-5.5 do

Leia mais

Gramática. Gramática. Gramática

Gramática. Gramática. Gramática Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa yandre@din.uem.br Prof. Yandre Maldonado - 2 Mecanismo gerador que permite definir formalmente uma linguagem; Através de uma gramática

Leia mais

TEORIA DAS LINGUAGENS 3. GRAMÁTICAS INDEPENDENTES DE CONTEXTO

TEORIA DAS LINGUAGENS 3. GRAMÁTICAS INDEPENDENTES DE CONTEXTO LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO TEORIA DAS LINGUAGENS 3. GRAMÁTICAS INDEPENDENTES DE CONTEXTO José Carlos Costa Dep. Matemática e Aplicações Universidade do Minho Braga, Portugal 31 de Maio de 2010

Leia mais

1.1. Organização de um Sistema Computacional

1.1. Organização de um Sistema Computacional 1. INTRODUÇÃO 1.1. Organização de um Sistema Computacional Desde a antiguidade, o homem vem desenvolvendo dispositivos elétricoeletrônicos (hardware) que funciona com base em instruções e que são capazes

Leia mais

Expressões regulares

Expressões regulares Expressões regulares IBM1088 Linguagens Formais e Teoria da Computação Evandro Eduardo Seron Ruiz evandro@usp.br Universidade de São Paulo E.E.S. Ruiz (USP) LFA 1 / 38 Frase do dia A vida é uma luta inteira

Leia mais

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V.

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V. Capítulo 2 Definição de Linguagens 2.1 Linguagens Formais Definição 2.1 (Alfabeto) Um conjunto finito e não vazio de símbolos arbitrários é designado por um alfabeto, e é denotado por V. Os elementos de

Leia mais

Programação Estruturada

Programação Estruturada Programação Estruturada Professor Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br http://professor.ifsertao-pe.edu.br/nicolas.trigo/ EMENTA Programação Estruturada 2 1 CONTEÚDO Introdução

Leia mais

$XWyPDWRV)LQLWRV'HWHUPLQLVWDV$)' A= (Q, È, G,q 0,F)

$XWyPDWRV)LQLWRV'HWHUPLQLVWDV$)' A= (Q, È, G,q 0,F) &DStWXOR,,$XWyPDWRV)LQLWRV $XWyPDWRV)LQLWRV'HWHUPLQLVWDV$)' 'HILQLomR: Um $XWyPDWR)LQLWR'HWHUPLQLVWD é um quíntuplo ordenado, onde: A= (Q, È, G,q 0,F) Q é um conjunto finito, não vazio, de HVWDGRV, È é

Leia mais

2. DISCIPLINA REQUISITO (RECOMENDAÇÃO) 3. INDICAÇÃO DE CONJUNTO (BCC) Obrigatória TEORIA: 60 LABORATÓRIO: 30

2. DISCIPLINA REQUISITO (RECOMENDAÇÃO) 3. INDICAÇÃO DE CONJUNTO (BCC) Obrigatória TEORIA: 60 LABORATÓRIO: 30 Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166 1. CÓDIGO E NOME DA DISCIPLINA MC3106 - LINGUAGENS FORMAIS E

Leia mais

Árvores (ordenadas) Departamento de Ciência de Computadores da FCUP MC Aula 11 1

Árvores (ordenadas) Departamento de Ciência de Computadores da FCUP MC Aula 11 1 Árvores (ordenadas) Recordemos que, uma árvore é grafo (não dirigido) em que o número de vértices excede em 1 o número de arcos. Um vértice é acessível a todos os outros: a raiz. Os vértices que são acessíveis

Leia mais

Computabilidade e Teoria da Recursão

Computabilidade e Teoria da Recursão Armando Matos Nelma Moreira Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, email: {acm,nam}@ncc.up.pt Conteúdo 1 Máquinas de Turing 2 1.1 Máquinas de Turing calculadoras de funções parciais.................

Leia mais

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 1. Introdução Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 A Máquina de Turing, idealizada por Alan Turing, em 1936, é uma máquina teórica simples capaz de calcular qualquer função matemática.

Leia mais

Projeto de máquina de Turing com múltiplas fitas reconhecedora de número primo

Projeto de máquina de Turing com múltiplas fitas reconhecedora de número primo Projeto de máquina de Turing com múltiplas fitas reconhecedora de número primo CCO 410 Aspectos Formais da Computação Prof.º Wanderley Lopes de Souza Universidade Federal de São Carlos Diego Luiz Cavalca

Leia mais

Estrutura de Dados. Unidade VI. -Tabela Hash -Grafos. Prof. Ms. Amilton Souza Martha

Estrutura de Dados. Unidade VI. -Tabela Hash -Grafos. Prof. Ms. Amilton Souza Martha Estrutura de Dados Unidade VI -Tabela Hash -Grafos Prof. Ms. Amilton Souza Martha Tabela Hash - Conceitos Um dos maiores problemas encontrados, quando se estuda a alocação de estruturas de dados, é o tempo

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico. I. Conjuntos

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico. I. Conjuntos I. Conjuntos 1. Introdução e notações 1.1. Relação de pertença 1.2. Modos de representar um conjunto 1.3. Classificação de conjuntos quanto ao número de elementos 1.4. Noção de correspondência 2. Relações

Leia mais

Índice. Modelos e Procedimentos

Índice. Modelos e Procedimentos Sumário Introdução ao projecto de lógica sequencial. Índice Modelos e Procedimentos Abstracção de elementos com estado Formas de lógica sequencial Representação de Máquinas de Estados Finitas Parte da

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof.ª Danielle Casillo Nome: Teoria da Computação Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: segundas e quintas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Programação de Computadores em C

Programação de Computadores em C Programação de Computadores em C Primeira edição Carlos Camarão Universidade Federal de Minas Gerais Doutor em Ciência da Computação pela Universidade de Manchester, Inglaterra Lucília Figueiredo Universidade

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275 A. Sistemas de Numeração. Para se entender a linguagem do computador (o Código de Máquina), é necessário conhecer um pouco da teoria dos números. Não é uma tarefa tão difícil quanto pode parecer. Sabendo-se

Leia mais

Máquinas de Turing 1

Máquinas de Turing 1 Máquinas de Turing 1 Agenda Máquinas de Turing (TM) Alan Turing Motivação Tese de Church-Turing Definições Computação Configuração de TM Reconhecedores vs. Decisores 2 Alan Turing Alan Turing é um dos

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br G03 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof: hlima@cbpf.br Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Organização do curso Introdução à eletrônica digital

Leia mais

Inteiros. Inteiros. Congruência. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006.

Inteiros. Inteiros. Congruência. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006. Inteiros Inteiros. Congruência. Referência: Capítulo: 4 Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006 1 Números reais A relação binária em R é uma ordem parcial

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos (BBC242) Professor: Anderson Almeida Ferreira DECOM-UFOP

Linguagens Formais e Autômatos (BBC242) Professor: Anderson Almeida Ferreira DECOM-UFOP Linguagens Formais e Autômatos (BBC242) Professor: Anderson Almeida Ferreira DECOM-UFOP Ementa Gramáticas. Linguagens Regulares, Livres-de-Contexto e Sensíveis-ao- Contexto. Tipos de Reconhecedores. Operações

Leia mais

Algoritmos não se aprendem: Copiando algoritmos Estudando algoritmos Algoritmos só se aprendem: Construindo algoritmos Testando algoritmos

Algoritmos não se aprendem: Copiando algoritmos Estudando algoritmos Algoritmos só se aprendem: Construindo algoritmos Testando algoritmos 1. INTRODUÇÃO A ALGORITMOS O uso de algoritmos é quase tão antigo quanto a matemática. Com o passar do tempo, entretanto, ele foi bastante esquecido pela matemática. Com o advento das máquinas de calcular

Leia mais

Máquina de Turing e máquina de Turing universal

Máquina de Turing e máquina de Turing universal Máquina de Turing e máquina de Turing universal Rodrigo Santos de Souza 1 Universidade Católica de Pelotas - UCPel Mestrado em Ciência da Computação Disciplina de Teoria da Computação Prof. Antônio Carlos

Leia mais

CT-200 Fundamentos de Linguagens Formais e Automata - Aula 01 - In...

CT-200 Fundamentos de Linguagens Formais e Automata - Aula 01 - In... 1 de 14 14/3/2010 09:28 CT-200 Fundamentos de Linguagens Formais e Automata Aula 01 - Introdução Primeira aula (updated just now by YourName) Orientações Gerais: Horários e Avaliação Horários: 3 tempos

Leia mais