PROF. DR.PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROF. DR.PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP"

Transcrição

1 ENTERITES VIRAIS PROF. DR.PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP

2 1. IMPORTÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA 2. IMPORTÂNCIA EM BOVINOS 3. DEFINIÇÃO 4. DISTRIBUIÇÃO E FORMAS DE OCORRÊNCIA 5. ETIOLOGIA 6. FISIOPATOLOGIA 7. SINAIS E SINTOMAS 8. CADEIA EPIDEMIOLÓGICA 9. DIAGNÓSTICO 10. PREVENÇÃO E CONTROLE 11. TRATAMENTO ENTERITES VIRAIS 12. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

3 AGENTE INFECCIOSO MUITO PEQUENO? O QUE É UM VÍRUS? COMPLEXO PROTÉICO MUITO GRANDE? SIMPLISTA ANTROPOCÊNTRICA CONSERVADORA VIVO? PARASITA?

4 VIRION X VÍRUS Virion: partícula viral com proteínas estruturais e genoma Vírus: expressão completa do genoma viral no interior da célula: transcrição, tradução, replicação A célula infectada torna-se o vírus!

5 FATOS PARTÍCULAS VIRAIS SÃO A MAIS NUMEROSA ENTIDADE BIOLÓGICA NA TERRA GENOMA HUMANO: % DE DNA VIRAL RETROVÍRUS: PLACENTAÇÃO EM MAMÍFEROS; NIDAÇÃO DO EMBRIÃO VÍRUS x CÉLULAS: EVOLUÇÃO DE MEMBRANA CELULAR ENZIMAS MITOCRONDRIAIS: ORIGEM VIRAL NÚCLEO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS: VÍRUS DNA ORIGEM DA VIDA: RNAs CIRCUNDADOS POR VESÍCULAS*

6 ENTERITES VIRAIS 1. IMPORTÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA QUAIS AS DOENÇAS INFECCIOSAS DE MAIOR FREQÜÊNCIA EM SERES HUMANOS?? A CADA 24 h: 200 MILHÕES DE PESSOAS COM GASTROENTERITES UBIQUITÁRIA EM CRIANÇAS < 5 ANOS A CADA ANO: MORTES INFANTIS POR ROTAVÍRUS

7 ENTERITES VIRAIS 1. IMPORTÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA ZOONOSES CLÁSSICAS (ROTAVÍRUS) ZOONOSES POTENCIAIS (CORONAVÍRUS)

8 2. IMPORTÂNCIA ENTERITES VIRAIS QUAIS AS DOENÇAS INFECCIOSAS DE MAIOR FREQÜÊNCIA EM BOVINOS, SUÍNOS ETC?? NEONATOS RETARDO NO CRESCIMENTO MORTALIDADE ADULTOS PRODUÇÃO DE LEITE GANHO DE PESO PERDA DE CONDIÇÃO CORPORAL ADULTOS/ NEONTATOS INFECÇÕES SECUNDÁRIAS CUSTO COM TRATAMENTOS

9 3. DEFINIÇÃO ENTIDADE MÓRBIDA INFECTO-CONTAGIOSA DO SISTEMA DIGESTÓRIO QUE ACOMETE PRINCIPALMENTE ANIMAIS NEONATOS, MANIFESTANDO-SE SOB A FORMA DE VARIADOS GRAUS DE ENTERITE, CAUSADA POR VÍRUS DOS GÊNEROS CORONAVIRUS, ROTAVIRUS, ADENOVIRUS, BREDAVIRUS E PARVOVIRUS. ENTERITES VIRAIS

10 ENTERITES VIRAIS 4. DISTRIBUIÇÃO E FORMAS DE OCORRÊNCIA DISTRIBUIÇÃO: MUNDIAL MAIS COMUM: ENDÊMICA ADULTOS: EPIDÊMICA

11 ENTERITES VIRAIS 4. DISTRIBUIÇÃO E FORMAS DE OCORRÊNCIA TENDÊNCIA SAZONAL DE DIARRÉIAS VIRAIS: TEMPERATURAS*** UV UMIDADE ESTRESSE TÉRMICO DENSIDADE POPULACIONAL

12 X ETIOLOGIA BACTERIANA OCORRÊNCIA DE DIARRÉIA EM NEONATOS ETIOLOGIA VIRAL PRIMAVERA VERÃO INVERNO OUTONO

13 5. ETIOLOGIA ROTAVÍRUS ENTERITES VIRAIS

14 5. ETIOLOGIA ROTAVÍRUS ENTERITES VIRAIS FAMÍLIA REOVIRIDAE GÊNEROS ROTAVIRUS COLTIVIRUS SEADORNAVIRUS AQUAREOVIRUS CYPOVIRUS ENTOMOREOVIRUS FIJIVIRUS PHYTOREOVIRUS ORYZAVIRUS ORTHOREOVIRUS ORBIVIRUS 7 SOROGRUPOS/ESPÉCIES VIRAIS (A, B, C, D, E, F, G) SOROGRUPO A > IMPORTÂNCIA EM MAMÍFEROS

15 ENTERITES VIRAIS 5. ETIOLOGIA ROTAVÍRUS dsrna SEGMENTADO SENTIDO NEGATIVO Ñ ENVELOPADO NM CAPSÍDEO DUPLO PROTEÍNA P PROTEÍNA G

16 5. ETIOLOGIA ENTERITES VIRAIS ROTAVÍRUS SOROGRUPO A 12 TIPOS DE PROTÉINA G 14 TIPOS DE PROTEÍNA P sorotipos CONSEQÜÊNCIAS? IMUNIDADE SOROTIPO-ESPECÍFICA

17 ROTAVÍRUS REASSORTMENT/ REARRANJOS GENÉTICOS: DIVERSIDADE GENÉTICA G6P G10P1 - G6P1

18 5. ETIOLOGIA CORONAVÍRUS ENTERITES VIRAIS

19 5. ETIOLOGIA CORONAVÍRUS ENTERITES VIRAIS

20

21

22 5. ETIOLOGIA ENTERITES VIRAIS ADENOVÍRUS ASTROVÍRUS TOROVÍRUS PARVOVÍRUS

23 ENTERITES VIRAIS 6. FISIOPATOLOGIA

24

25

26 ENTERITES VIRAIS 6. FISIOPATOLOGIA Dobras, vilosidades e microvilosidades intestinais Dobras

27 ENTERITES VIRAIS Vilosidades

28 ENTERITES VIRAIS Microvilosidades

29 ENTERITES VIRAIS

30 REPLICAÇÃO EM ENTERÓCITOS APOPTOSE/ NECROSE rotavírus Coronavírus bovino Parvovírus*** EXFOLIAÇÃO ATROFIA DE VILOSIDADES PERDA DE CÉLULAS DAS CRIPTAS REPOSIÇÃO POR ENTERÓCITOS IMATUROS PRESSÃO OSMÓTICA INTRA-LUMINAL Β-GALACTOSIDASE FUNÇÃO SECRETÓRIA ACÚMULO DE ÁGUA INTRA-LUMINAL *** Rotavírus: proteína nãoestrutural 4:enterotoxina DIGESTÃO E ABSORÇÃO DE GLICOSE SECREÇÃO Na, Cl e bicarbonato

31 DIARRÉIA ENTERITES VIRAIS 7. SINAIS E SINTOMAS 7.1 NEONATOS AUMENTO DA FREQÜÊNCIA, FLUIDEZ E VOLUME FECAL DISENTERIA DESIDRATAÇÃO DIARRÉIA + ELIMINAÇÃO DE TECIDO ENTÉRICO, SANGUE HIPERTERMIA INAPETÊNCIA *SINTOMAS RESPIRATÓRIOS

32

33

34 7. SINAIS E SINTOMAS 7.2 ADULTOS ENTERITES VIRAIS DISENTERIA DE INVERNO WINTER DYSENTERY DIARRÉIA EPIZOÓTICA DE BOVINOS ADULTOS DIARRÉIA SANGUINOLENTA BOVINOS ADULTOS SURTOS ANUAIS 10 DIAS TENDÊNCIA SAZONAL INVERNO TAXA DE ATAQUE: 100% 90% PRODUÇÃO DE LEITE

35 ENTERITES VIRAIS 7. SINAIS E SINTOMAS 7.2 ADULTOS TEMPERATURA UV VIABILIDADE VIRAL TENDÊNCIA SAZONAL DENSIDADE POPULACIONAL > p(transmissão) ALTERAÇÕE EM ALIMENTAÇÃO ESTRESSE TÉRMICO: IgA

36 ENTERITES VIRAIS 8. CADEIA EPIDEMIOLÓGICA FONTES DE INFECÇÃO -NEONATOS, ADULTOS DOENTES*** -ADULTOS PORTADORES -RESERVATÓRIOS (SILVESTRES, DOMÉSTICOS) VIAS DE ELIMINAÇÃO -FEZES -SECREÇÕES RESPIRATÓRIAS VIAS DE TRANSMISSÃO -AEROSSÓIS -FÔMITES -VETORES MECÂNICOS PORTAS DE ENTRADA -MUCOSA ORAL -MUCOSA RESPIRATÓRIA SUSCEPTÍVEIS -NEONATOS < 1 MÊS -VACAS EM LACTAÇÃO -IMUNOSSUPRIMIDOS

37 9. DIAGNÓSTICO ENTERITES VIRAIS 9.1 ANATOMIA PATOLÓGICA DISTENSÃO GÁSTRICA LEITE COAGULADO DISTENSÃO INTESTINAL PAREDES INTESTINAIS ATROFIADAS CONGESTÃO DE MUCOSAS

38

39 9. DIAGNÓSTICO ENTERITES VIRAIS 9.2 HISTOPATOLOGIA NECROSE, ATROFIA E FUSÃO DE VILOSIDADES HIPERPLASIA DE CRIPTAS

40 9. DIAGNÓSTICO ENTERITES VIRAIS 9.2 HISTOPATOLOGIA NORMAL APÓS ENTERITE

41 9. DIAGNÓSTICO ENTERITES VIRAIS 9.2 HISTOPATOLOGIA NORMAL APÓS ENTERITE

42 9. DIAGNÓSTICO ENTERITES VIRAIS 9.2 HISTOPATOLOGIA NORMAL APÓS ENTERITE

43 9. DIAGNÓSTICO ENTERITES VIRAIS 9.3 DIAGNÓSTICO DIRETO COLHEITA DE AMOSTRAS 4ºC 1º DIA DE SINTOMAS partículas virais/ml de fezes RETO

44 9. DIAGNÓSTICO 9.3 DIAGNÓSTICO DIRETO MÉTODOS MICROSCOPIA ELETRÔNICA ISOLAMENTO VIRAL ELISA PCR ENTERITES VIRAIS

45 9. DIAGNÓSTICO ENTERITES VIRAIS 9.3 DIAGNÓSTICO DIRETO ELETROFORESE EM GEL DE POLIACRILAMIDA (PAGE): DIAGNÓSTICO DE ROTAVÍRUS EXTRAÇÃO DE RNA RNA SEGMENTADO

46 - GEL DE POLIACRILAMIDA +

47 9. DIAGNÓSTICO ENTERITES VIRAIS 9.4 DIAGNÓSTICO INDIRETO AMOSTRA: SORO 1 AMOSTRA ÚNICA SEM SIGNIFICADO DIAGNÓSTICO

48 FREQUÊNCIA DE ANTICORPOS ANTI-VÍRUS ENTÉRICOS

49 9. DIAGNÓSTICO ENTERITES VIRAIS 9.4 DIAGNÓSTICO INDIRETO 2 AMOSTRAS PAREADAS DE SORO INDICA INFECÇÃO RECENTE SE HOUVER SOROCONVERSÃO

50 9. DIAGNÓSTICO LABORATÓRIOS ENTERITES VIRAIS LABORATÓRIO DE VIROLOGIA VPS/FMVZ/USP: PROF. DR. JOSÉ ANTONIO JEREZ LABORATÓRIO DE BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA E SOROLOGIA VPS/FMVZ/USP

51 ENTERITES VIRAIS FATORES DE RISCO 9. DIAGNÓSTICO 9.5 FATORES DE RISCO FÊMEAS PRIMÍPARAS FALHA COLOSTRAL BEZERROS DE IDADES DIFERENTES LOCALIZAÇÃO DO BEZERREIRO COLEÇÕES DE ÁGUA VETORES OUTRAS CRIAÇÕES

52

53

54 9. DIAGNÓSTICO Escherichi coli Salmonella sp ENTERITES VIRAIS 9.6 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Clostridium perfringens Campylobacter sp Cryptosporidium parvum DIARRÉIAS NÃO-VIRAIS Eimeria sp Giardia sp ALTERAÇÕES EM DIETA STRESS

55 ENTERITES VIRAIS 10. PREVENÇÃO E CONTROLE 10.1 MEDIDAS APLICÁVIES ÀS FONTES DE INFECÇÃO DIAGNÓSTICO PERIÓDICO AMBIENTAÇÃO SEPARAÇÃO ENTRE IDADES SEPARAÇÃO DE ANIMAIS COM SINTOMAS

56 ENTERITES VIRAIS 10. PREVENÇÃO E CONTROLE 10.2 MEDIDAS APLICÁVIES ÀS VIAS DE TRANSMISSÃO DESTINO DE EXCRETAS HIGIENIZAÇÃO CONTROLE DE VETORES DESINFECÇÃO Rotavírus Coronavírus Fenol Formol Cloro β-propiolactona Etanol 95% Formol Cloro Iodo Amônio quaternário

57 ENTERITES VIRAIS 10. PREVENÇÃO E CONTROLE 10.3 MEDIDAS APLICÁVIES AOS SUSCEPTÍVEIS COLOSTRO (IgA) 1 AS HORAS PÓS-NASCIMENTO BANCO DE COLOSTRO -20 ºC

58 ENTERITES VIRAIS 10. PREVENÇÃO E CONTROLE 10.3 MEDIDAS APLICÁVIES AOS SUSCEPTÍVEIS VACINAÇÃO VACAS PRENHES***, 7º E 9º MESES DE GESTAÇÃO, IM IgA COLOSTRAL VACINAS*

59 11. TRATAMENTO ENTERITES VIRAIS REIDRATAÇÃO ORAL FLUIDOS ALCALINIZANTES

60 ENTERITES VIRAIS 12. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA KAPIKIAN, A. Z. Viral infections of the gastrointestinal tract. 2. ed. New York: Marcel-Dekker, p BRANDÃO, P. E.; BIRGEL JR.; E. H.; GREGORI, F.; ROSALES, C. A. R.; RUIZ, V. L. A.; JEREZ J.A. Bovine coronavirus detection in adult cows in Brazil. Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, v. 69, n. 2, p , JEREZ, J. A. Diarréias virais dos bezerros: rotavírus e coronavírus. Biológico, v.59, n.2, p.33-37, 1997.

1. A SMALL INFECTIOUS AGENT? A: THE SIZE DOES NOT DEFINE A VIRUS. Circovirus 20nm. Not so small. This definition is insufficient

1. A SMALL INFECTIOUS AGENT? A: THE SIZE DOES NOT DEFINE A VIRUS. Circovirus 20nm. Not so small. This definition is insufficient ENTERITES VIRAIS Prof. Dr. Paulo Eduardo Brandão Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade de São Paulo O QUE É UM VÍRUS?

Leia mais

C. perfringens tipos B e C Idade < 10 dias Enterotoxemia hemorrágica grave Mycobacterium paratuberculosis

C. perfringens tipos B e C Idade < 10 dias Enterotoxemia hemorrágica grave Mycobacterium paratuberculosis Diagnóstico diferencial das Diarréias nos Bovinos Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha DMV/EV/UFG Diarréia Inflamação da mucosa intestinal Dor abdominal; Desequilíbrio hidroeletrolítico; Desequilíbrio ácido-básico.

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS Aderbal Sabra MD. PhD. Cientista Visitante e Staff Senior ICISI Georgetown University USA Professor de Pediatria, Gastroenterologia e Alergia

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

Infermun em parvovirose canina

Infermun em parvovirose canina em parvovirose canina Redução do tempo de recuperação em cães infectados por Parvovirus e tratados com Departamento I+D. Laboratórios Calier, S.A. INTRODUÇÃO: A Parvovirose é uma das enfermidades entéricas

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução Capítulo 1 Enterite por Coronavírus Canino Veterinary Professional Services Mais informações da Merial sobre esse tema Eficácia da Vacina RECOMBITEK com Coronavírus Canino Vivo-modificado. M.C. Pardo e

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA REPLICAÇÃO VIRAL FABRÍCIO SOUZA CAMPOS* *Dr, MSc, Medico Veterinário

Leia mais

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica)

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Partículas infecciosas de tamanho pequeno e composição simples que multiplicam-se somente em células vivas (animais, plantas, insetos, peixes, bactérias, etc)

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi BMM-280-2009 Patogênese Viral Como os vírus causam doença no hospedeiro? Virulência =

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014 Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425 A Importância da Diarréia Epidêmica Suína Novembro, 2014 Grupo: Alexandre Nunes Mendes Bruno Bracco Donatelli Carlos Eduardo Cardoso Consentini

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

A maioria dos vírus mede entre 15 e 300 nanometros (nm);

A maioria dos vírus mede entre 15 e 300 nanometros (nm); Vírus são as menores entidades biológicas conhecidas; A maioria dos vírus mede entre 15 e 300 nanometros (nm); Um dos maiores vírus conhecidos, que causa a varíola humana, tem cerca 300 nm (0,3 µm), e

Leia mais

C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s

C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s Conceitos iniciais Parasita: organismo que vive em associação com outros e dos quais retiram os meios para a sua sobrevivência, normalmente prejudicando o organismo hospedeiro. Hospedeiro: organismo que

Leia mais

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br VÍRUS DISCIPLINA: BIOLOGIA 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS - 20 a 300 nm; Micrômetro Nanômetro UNIDADE REPRESENTAÇÃO / VALOR 1 μm = 0,001 milímetro 1 nm = 0,001 micrômetro - Ácido nucléico + proteína

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES DOENÇAS VIRAIS EM CÃES Cinomose Etiologia Doença que acomete vários sistemas do animal, sendo altamente contagiosa aos cães domésticos e muitos carnívoros selvagens (raposa, coiote, lobo, furão, etc, mas

Leia mais

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente:

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 1 Ano Disciplina: Biologia 1) Com que finalidade se classificam os seres vivos? 2) Considere os seguintes

Leia mais

Médico Veterinário. 12) A respeito da Vaccinia marque a alternativa que contenha a informação correta.

Médico Veterinário. 12) A respeito da Vaccinia marque a alternativa que contenha a informação correta. Médico Veterinário 11) Analise as frases abaixo e selecione a opção que contenha a sequência correta das denominações dadas aos eventos descritos a respeito da replicação dos vírus na célula. - Envolve

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia

Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia Instituto Federal de Santa Catarina Unidade Curricular: Microbiologia Curso Técnico em Biotecnologia VIROLOGIA Prof. Me Leandro Parussolo Introdução à Virologia Vírus (latim = veneno ); Classe de agentes

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

Comunicado Técnico 15

Comunicado Técnico 15 Comunicado Técnico 15 ISSN 2177-854X Agosto. 2011 Uberaba - MG Cuidados sanitários para a estação de monta Responsáveis: Dra. Raquel Abdallah da Rocha Oliveira E-mail: rrabdallah@hotmail.com Pós-doutora

Leia mais

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORMAÇÃO MEDIDAS DE BIOSEGURANÇA Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Descoberta: 1976 Dois focos simultâneos, emnzara, Sudão

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais

Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic/diaadia Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais Introdução A análise

Leia mais

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo)

ESTRUTURA VIRAL. Visualização: apenas ao ME. Não apresentam estrutura celular (acelulares) Estrutura básica: Cápsula protéica (capsídeo) VÍRUS CARACTERÍSTICAS Organismos acelulares Não possuem metabolismo Características vitais: Reprodução Evolução Possui grande capacidade proliferativa Só se reproduz no interior de células que estejam

Leia mais

IMPACTO DA VACINAÇÃO CONTRA ROTAVÍRUS NO ATENDIMENTO DE DIARRÉIAS NO MUNICÍPIO DE CURITIBA Autores: Cléa Elisa Lopes Ribeiro, Lílian Yuriko Uratani, Marion Burger, Angela Kikomoto Instituição: Secretaria

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS Profª Maria Luzia da Rosa e Silva Viroses em humanos Patogenicidade: capacidade de infectar o hospedeiro e causar doença infecção viral (1) injúria nos órgãos (2) manifestações

Leia mais

Ác. Nucleico. Simetria Envelope Tamanho Tipo Ac. nucleico. Família Virus Doença. Icosaédrica Ausente 50nm f.d.circular Papovaviridae HPV verrugas

Ác. Nucleico. Simetria Envelope Tamanho Tipo Ac. nucleico. Família Virus Doença. Icosaédrica Ausente 50nm f.d.circular Papovaviridae HPV verrugas Vírus: Pequenos parasitas intracelulares obrigatórios com genoma constituído por um só tipo de ácido nucléico que utilizam o aparato enzimático da célula hospedeira para síntese de seus componentes e sua

Leia mais

GLOSSÁRIO VIROLOGIA VETERINÁRIA

GLOSSÁRIO VIROLOGIA VETERINÁRIA GLOSSÁRIO VIROLOGIA VETERINÁRIA Adjuvante: substância ou formulação utilizada em vacinas não-replicativas para potencializar o efeito imunoestimulante do antígeno. Adsorção: etapa inicial do ciclo replicativo

Leia mais

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae Arboviroses Flaviviridae Flavivirus - único gênero Diversas espécies: f.amarela, dengue vírus

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

PESTE SUÍNA CLÁSSICA PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP

PESTE SUÍNA CLÁSSICA PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP PESTE PESTE SUÍNA CLÁSSICA 1. DEFINIÇÃO SUÍNA CLÁSSSICA/ HOG CHOLERA: ENFERMIDADE INFECTO-CONTAGIOSA DO SISTEMA LINFÁTICO E CIRCULATÓRIO DE SUÍDEOS, COM ALTAS

Leia mais

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR Itamar Crispim Simpósio Temático - 01/07 e 02/07 Local: Auditório do TECPAR das 8:00 às 18:00 horas 01 de Julho Abertura e Apresentação Institucional Dr. Samuel Goldenberg Doença de Chagas: realidade e

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Rotavírus ROTAVÍRUS O VÍRUS

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD PEDv Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Agroceres PIC Agradecimentos pelas informações Dr Albert Rovira,

Leia mais

PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP

PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP DOENÇA DE AUJESZKY PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP 1. DEFINIÇÃO DOENÇA INFECTO-CONTAGIOSA DO SISTEMA NERVOSO QUE ACOMETE DIVERSAS ESPÉCIES DE MAMÍFEROS DOMÉSTICOS, COM MAIOR PREVALÊNCIA ENTRE

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

VIRUS O QUE SÃO VIRUS São as menores entidades biológicas: têm DNA e proteínas. Medem entre 15 e 300 nm. São seres acelulares: São parasitas intracelulares obrigatórios: Só se reproduzem dentro de células.

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

ABRAVAS. Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens. www.abravas.org.br

ABRAVAS. Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens. www.abravas.org.br ABRAVAS Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens www.abravas.org.br Doenças em Animais Selvagens, porque estudá-las? Profa. Dra. Eliana Matushima Depto. de de Patologia FMVZ USP ermatush@usp.br

Leia mais

VÍRUS QUE AFETAM O TRATO RESPIRATÓRIO

VÍRUS QUE AFETAM O TRATO RESPIRATÓRIO Departamento de Microbiologia Disciplina de Virologia Básica VÍRUS QUE AFETAM O TRATO RESPIRATÓRIO Fabrício Souza Campos Mestrando do PPG em Microbiologia Agrícola e do Ambiente Adaptado Prof. Dr. Paulo

Leia mais

Replicação viral conceitos básicos

Replicação viral conceitos básicos REPLICAÇÃO VIRAL conceitos básicos Replicação - síntese de moléculas de ácido nucléico - processo de multiplicação dos vírus Infecção - (latim infere = penetrar) - processo replicativo viral como um todo

Leia mais

VIROLOGIA. 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite

VIROLOGIA. 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite Prof. Leandro Parussolo RUBÉOLA Rubéola Família:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS VÍRUS

CARACTERÍSTICAS DOS VÍRUS CAPÍTULO 2 p. 25 VÍRUS os seres de organização mais simples O rapaz acordou gripado. Escovou os dentes. Pouco comeu, apenas queijo. Quais são os seres vivos envolvidos nessa situação? GRIPE ESPANHOLA -1918

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

Introdução. Febre amarela. A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje

Introdução. Febre amarela. A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje Alta letalidade (em torno de 10%) Introdução Prof. Marco Antonio Zoonose endêmica,

Leia mais

INFECÇÕES BACTERIANAS

INFECÇÕES BACTERIANAS INFECÇÕES BACTERIANAS 1. Salmonelose (enterocolite), febre tifóide, febres entéricas Salmonella: Espécies x doenças: S. typhi (febre tifóide) S. paratyphi A, B, C (febres entéricas) Outras espécies (salmonelose)

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR MICOPLASMOSE AVIÁRIA Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR Mycoplasma gallisepticum, M.synoviae, M.meleagridis

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano 7 N o 21 Junho/99 Periódico técnico-informativo elaborado pela Embrapa Suínos e Aves

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano 7 N o 21 Junho/99 Periódico técnico-informativo elaborado pela Embrapa Suínos e Aves SUINOCULTURA DINÂMICA Ano 7 N o 21 Junho/99 Periódico técnico-informativo elaborado pela Embrapa Suínos e Aves Parvovirose Suína Jurij Sobestiansky 1 Nelson Mores 2 Paulo M. Roehe 3 Introdução Epidemiologia

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

BRUCELOSE BOVINA. Martin Schmachtenberg E.M. Emater Estrela

BRUCELOSE BOVINA. Martin Schmachtenberg E.M. Emater Estrela BRUCELOSE BOVINA Martin Schmachtenberg E.M. Emater Estrela Temas Abordados Definição Etiologia Epidemiologia Importância econômica Transmissão Patogenia Sinais clínicos Diagnóstico Controle Brucelose Bovina

Leia mais

Monografia do Produto

Monografia do Produto Monografia do Produto 1 2 Sumário INTRODUÇÃO... 4 HISTÓRICO DA DOENÇA POR ROTAVÍRUS... 6 Morfologia... 6 Estrutura...6 Classificação dos sorotipos...7 Transmissão...8 Patogênese...8 Perfil Clínico da Gastrenterite

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO DIARREIA AGUDA EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO PROF. DR. ULYSSES FAGUNDES NETO Instituto de Gastroenterologia Pediátrica de São Paulo (I-Gastroped) Diarreia foi responsável, em

Leia mais

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com APRESENTAÇÃO Site: virologia UFF http://www.proac.uff.br/virologia/ Livros:

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

Mal estar, febre de início súbito, cefaléia, dores musculares e, em casos graves, alterações hepáticas, renais e vasculares.

Mal estar, febre de início súbito, cefaléia, dores musculares e, em casos graves, alterações hepáticas, renais e vasculares. LEPTOSPIROSE Nomes populares Doença de Weil, Icterícia Infecciosa Agente causador Bactérias patogênicas do gênero Leptospira Espécies acometidas Roedores sinantrópicos (principal reservatório natural).

Leia mais

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena

Leia mais

Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Vírus que infectam Bactérias

Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Vírus que infectam Bactérias Seres muito simples: cápsula protéica envolvendo o material genético (DNA ou RNA) Estrutura de Vírus Menores que as menores células conhecidas Vírus que infectam Bactérias Exemplo: vírus que infectam a

Leia mais

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo O que é? A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo ou febre de Malta, é uma zoonose causada por microrganismos do gênero Brucella sendo que a infecção é quase sempre transmitida

Leia mais

Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves ROA

Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves ROA Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves ROA Intestino Delgado Anatomia Piloro válvula ileocólica 1,0 4,5 m Duodeno/jejuno/íleo Funções barreira superfície de absorção Digerir e absorver os nutrientes Excluir

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

ESTRUTURA DOS VÍRUSV

ESTRUTURA DOS VÍRUSV Departamento de Microbiologia Disciplina de Virologia Básica ESTRUTURA DOS VÍRUSV Fabrício Souza Campos Mestrando do PPG em Microbiologia Agrícola e do Ambiente Adaptado Prof. Dr. Paulo Roehe EXISTEM VÍRUS

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

A importância da Febre Aftosa em Saúde Pública.

A importância da Febre Aftosa em Saúde Pública. A importância da Febre Aftosa em Saúde Pública. Edviges Maristela Pituco Médica Veterinária E-mail pituco@biologico.sp.gov.br Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Sanidade Animal Instituto Biológico

Leia mais

Cartilha da Influenza A (H1N1)

Cartilha da Influenza A (H1N1) Cartilha da Influenza A (H1N1) Agosto 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA ADJUNTA DE ATENÇÃO INTEGRADA Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Micarla de Sousa Prefeita da Cidade do Natal

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por

Leia mais

Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012

Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012 CUIDADOS BÁSICOS COM CÃES E GATOS Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012 INTRODUÇÃO Relação animais seres humanos positiva ou negativa Formas de convivência:

Leia mais

Principais infecções virais do SNC. Prof. Eurico Arruda

Principais infecções virais do SNC. Prof. Eurico Arruda Principais infecções virais do SNC Prof. Eurico Arruda Tipos de passagem trans-endotelial SNC, músculos, pulmões, pele e tecido conjuntivo Plexo coróide, vilo intestinal, glomérulo, pâncreas e glândulas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Acompanhamento das gestantes vacinadas inadvertidamente (GVI) com a vacina dupla viral (sarampo e rubéola)

Leia mais

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Ariane Guerra Fernandes 1 Layanne Kelly Lima de Carvalho Rego 1 Liessia Thays de Araújo 1 Selonia Patrícia Oliveira

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS

ASPECTOS GERAIS DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS ASPECTOS GERAIS DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS Aspectos epidemiológicos O perfil epidemiológico das doenças transmitidas por alimentos no Brasil ainda é pouco conhecido. Somente alguns estados

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais