EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO"

Transcrição

1 DIARREIA AGUDA EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO PROF. DR. ULYSSES FAGUNDES NETO Instituto de Gastroenterologia Pediátrica de São Paulo (I-Gastroped)

2 Diarreia foi responsável, em 2008, por das mortes em crianças menores de 5 anos. Esta cifra representa 15% do total de dentre as crianças falecidas nesta faixa etária em todo o mundo (Lancet 2010). DIARREIA AGUDA

3 DIARREIA AGUDA DEFINIÇÃO DIARREIA AGUDA É UMA SÍNDROME DE MÁ ABSORÇÃO E/OU SECREÇÃO DE ÁGUA E ELETRÓLITOS DE ETIOLOGIA PRESUMIVELMENTE INFECCIOSA. PROVOCA DIMINUIÇÃO DA CONSISTÊNCIA DAS FEZES, QUE SE TORNAM LÍQUIDAS, E AUMENTO NA FREQUÊNCIA DAS EVACUAÇÕES (+ 3 EM 24 HORAS).

4 DIARREIA AGUDA DEFINIÇÃO TRATA-SE DE UMA ENFERMIDADE POTENCIALMENTE AUTO-LIMITADA USUALMENTE COM DURAÇÃO QUE VARIA DE 4 A 6 DIAS, NÃO ULTRAPASSANDO 14 DIAS. CASO OCORRA PERSISTÊNCIA DA DIARREIA, ALÉM DESTE PERÍODO, É MUITO PROVÁVEL A COEXISTÊNCIA DE ALGUM TIPO DE INTOLERÂNCIA ALIMENTAR.

5 DIARREIA AGUDA DEFINIÇÃO A DIARREIA AGUDA SE CARACTERIZA CLINICAMENTE POR DIMINUIÇÃO DA CONSISTÊNCIA DAS FEZES, QUE SE TORNAM LÍQUIDAS, PODENDO OU NÃO CONTER MUCO E SANGUE, ASSOCIADA AO AUMENTO DO NÚMERO DE EVACUAÇÕES. VALE RESSALTAR QUE O PROCESSO INFECCIOSO GERALMENTE VEM ACOMPANHADO DE FEBRE E VÔMITOS, OS QUAIS OCORREM EM FREQUÊNCIA E INTENSIDADE VARIÁVEIS.

6 DIARREIA AGUDA ETIOLOGIA OS AGENTES INFECCIOSOS PODEM SER BACTÉRIAS, VÍRUS OU PARASITAS. OS LOCAIS NO TRATO DIGESTIVO DA AÇÃO PATOGÊNICA DO AGENTE INFECCIOSO PODEM SER: 1- SEGMENTO SUPERIOR: DUODENO E JEJUNO 2- PORÇÃO INFERIOR: ÍLEO TERMINAL E COLON.

7 DIARREIA AGUDA ETIOLOGIA NO SEGMENTO SUPERIOR DO TRATO DIGESTIVO A AÇÃO DO AGENTE INFECCIOSO PODE: 1- PROVOCAR LESÃO DIRETA, DE GRAU VARIÁVEL, SOBRE A MUCOSA INTESTINAL: diferentes cepas diarreiogênicas de Escherichia coli, Rotavirus, Norovirus, Cryptosporidium, Giardia lamblia, Ciclospora, Microsporidia

8

9

10 A) Identificação da E. coli O119:B14 pela coloração da imunoperoxidase em um espécime de biópsia retal B) Identificação da E. coli O119:B14 pela coloração da hematoxilina-eosina em um espécime de biópsia retal

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24 DIARREIA AGUDA ETIOLOGIA NO SEGMENTO SUPERIOR DO TRATO DIGESTIVO A AÇÃO DO AGENTE INFECCIOSO PODE: 2- LIBERAR UMA TOXINA: TERMO-LÁBIL (Vibrio cholera, Escherichia coli LT) OU TERMO-ESTÁVEL (Escherichia coli ST) EM AMBAS AS SITUAÇÕES OCORRERÁ SECREÇÃO DE ÁGUA E ELETRÓLITOS.

25

26 DIARREIA AGUDA ETIOLOGIA NA PORÇÃO INFERIOR DO TRATO DIGESTIVO A AÇÃO DO AGENTE INFECCIOSO PROVOCA UM PROCESSO INFLAMATÓRIO ACARRETANDO COLITE. NESTA SITUAÇÃO, ALÉM DA SECREÇÃO DE ÁGUA E ELETRÓLITOS, USUALMENTE TAMBÉM OCORRE SANGRAMENTO DA MUCOSA COLÔNICA, RESULTANDO EM DISENTERIA. SHIGELLA, SALMONELLA, YERSINEA, CAMPYLOBACTER, Entamoeba histolytica, Escherichia coli enteroinvasora e enterohemorrágica SÃO OS PRINCIPAIS AGENTES CAUSADORES DE COLITE.

27

28 EPIDEMIOLOGIA DIARREIA AGUDA

29

30

31

32

33

34

35

36

37 EPIDEMIOLOGIA DA DIARREIA AGUDA EM BRASÍLIA Conclusões EPEC foi o agente enteropatogênico mais prevalente (42%) seguido de Rotavirus (16%). EPEC O111 foi sorogrupo mais prevalente (12,5%). EPEC foi responsável pelas maiores taxas de fracasso da TRO (26%) em comparação com os outros agentes enteropatogênicos (10%).

38 EPIDEMIOLOGIA DA DIARREIA AGUDA EM BRASÍLIA Conclusões EPEC provocou intolerância à Lactose em 31% dos pacientes, significativamente mais frequente que outros agentes enteropatogênicos (9,8%). Diarreia persistente foi significativamente mais frequente nos pacientes portadores de EPEC (28,4%) do que nos pacientes portadores de outros agentes enteropatogênicos (6,9%). O seguimento clínico revelou cura em 88% dos pacientes, perderam contato 9,5% e apenas 2,4% dos pacientes veio a falecer.

39 EPIDEMIOLOGIA

40 EPIDEMIOLOGIA OBJETIVOS ESTUDO CASO-CONTROLE DA ETIOLOGIA DA DIARREIA AGUDA E SEU RESPECTIVO EFEITO SOBRE O ESTADO NUTRICIONAL DE LACTENTES ACOMPANHADOS CLINICAMENTE DURANTE 1 MÊS, NATAL RN.

41 EPIDEMIOLOGIA PACIENTES 103 CASOS DIARREIA <14 DIAS; IDADE MÉDIA 8,7±4,2 MESES 103 CONTROLES ASSINTOMÁTICOS PAREADOS POR IDADE; IDADE MÉDIA 8,6±4,4 MESES MÉTODO CULTURA DE FEZES PESQUISA DE ROTAVIRUS

42 EPIDEMIOLOGIA TRATAMENTO 1- DESIDRATAÇÃO LEVE A MODERADA: SOLUÇÃO DE REIDRATAÇÃO ORAL (SRO) 2- DESIDRATAÇÃO GRAVE: HIDRATAÇÃO IV SRO 3- REALIMENTAÇÃO: 3 A 4 HORAS COM A MESMA DIETA 4- MONITORAÇÃO DE INTOLERÂNCIA ALIMENTAR AGRAVO DA DIARREIA E PERDA DE PESO >5% EM 24 HORAS 5- SEGUIMENTO CLÍNICO: HORAS APÓS A ALTA, 14 E 30 DIAS

43 EPIDEMIOLOGIA

44 EPIDEMIOLOGIA

45 EPIDEMIOLOGIA SEGUIMENTO CLÍNICO DURANTE 30 DIAS = 77 PACIENTES FORAM SEGUIDOS 73 (94,8%) PACIENTES CURADOS 4 (5,2%) DIARREIA PERSISTENTE 3 EAEC NENHUM FALECIMENTO

46 EPIDEMIOLOGIA

47 EPIDEMIOLOGIA CONCLUSÕES 1- A AUSÊNCIA DO ALEITAMENTO NATURAL NA MAIORIA DOS CASOS REAFIRMA-SE COMO UM IMPORTANTE FATOR DE RISCO EM LACTENTES MENORES DE 6 MESES. 2- ROTAVIRUS MOSTROU SER O AGENTE ETIOLÓGICO MAIS PREVALENTE. ESTE FATO SALIENTA A IMPORTÂNCIA DA VACINAÇÃO EM LARGA ESCALA CONTRA ESTE VÍRUS. 3- O TRATAMENTO APROPRIADO DA DIARREIA AGUDA ASSOCIADO A UM SEGUIMENTO CLÍNICO RIGOROSO ATÉ A CURA DO PROCESSO MINIMIZA SEU RISCO DE MORTE E OS EFEITOS DOS EVENTUAIS DANOS NUTRICIONAIS.

48 DIARREIA AGUDA MÉTODOS DIAGNÓSTICOS 1) CULTURA DE FEZES PARA BACTÉRIAS ENTEROPATOGÊNICAS 2) PESQUISA DE TROFOZOITAS DE GIARDIA NA SECREÇÃO JEJUNAL 3) PESQUISA DE AMEBA E GIARDIA NAS FEZES 1) PESQUISA DE TOXINAS DE CLOSTRIDIUM NAS FEZES 2) PESQUISA DE OUTROS POTENCIAIS PATÓGENOS NAS FEZES

49

50 AVALIAÇÃO CLÍNICA HISTÓRICO EXAME FÍSICO AVALIAR HIDRATAÇÃO FORMA DE INÍCIO, FREQUÊNCIA E QUANTIDADE CARACTERÍSTICAS: MUCO E SANGUE ANTECEDENTES PESSOAIS INDÍCIOS EPIDEMIOLÓGICOS PESO E ALTURA TEMPERATURA FREQUÊNCIA CARDÍACA E RESPIRATÓRIA ASPECTO GERAL NÍVEL DE CONSCIÊNCIA MEMBRANAS MUCOSAS E LÁGRIMAS OLHOS ENCOVADOS ELASTICIDADE DA PELE ENCHIMENTO CAPILAR DEPRESSÃO DA FONTANELA

51 AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DESIDRATAÇÃO (DHE) OBSERVE CONDIÇÃO OLHOS LÁGRIMAS BOCA E LÍNGUA ALERTA NORMAIS PRESENTES ÚMIDAS IRRITADO ENCOVADOS AUSENTES SECA COMATOSO MUITO ENCOVADOS AUSENTES MUITO SECAS SEDE BEBE SEDENTO BEBE MAL EXAMINE SINAL DA PREGA ELÁSTICA INELÁSTICA INELÁSTICA PULSO ENCHIMENTO CAPILAR CHEIO NORMAL - 3S RÁPIDO PREJUDICADO (3-5S) MUITO DÉBIL MUITO PREJUDICADO (+5S) CONCLUSÃO HIDRATADO DHE LEVE A MODERADA DHE GRAVE TRATAMENTO DOMICILIAR TRO AMBULATORIAL HIDRATAÇÃO IV

52

53 TERAPIA DE REIDRATAÇÃO ORAL (TRO) PROPRIEDADES DA SOLUÇÃO DE REIDRATAÇÃO ORAL (SRO) RECOMENDADAS PELAS OMS E UNICEF: 1) OSMOLARIDADE TOTAL ENTRE 200 E 310 mmol/l 2) CONCENTRAÇÕES EQUIMOLARES DE GLICOSE E SÓDIO 3) CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE NÃO SUPERIOR A 20 g/l (111 mmol/l)

54 TERAPIA DE REIDRATAÇÃO ORAL (TRO) PROPRIEDADES DA SOLUÇÃO DE REIDRATAÇÃO ORAL (SRO) RECOMENDADAS PELAS OMS E UNICEF: 4) CONCENTRAÇÃO DE SÓDIO ENTRE 60 E 90 meq/l 5) CONCENTRAÇÃO DE POTÁSSIO ENTRE 15 E 25 meq/l 6) CONCENTRAÇÃO DE CITRATO ENTRE 8 E 12 mmol/l 7) CONCENTRAÇÃO DE CLORETO ENTRE 50 E 80 meq/l

55 TERAPIA DE REIDRATAÇÃO ORAL COMPOSIÇÃO DA SOLUÇÃO REIDRATAÇÃO ORAL ORIGINAL (1975) MODIFICADA (2002) SÓDIO POTÁSSIO CLORO CITRATO GLICOSE OSMOLARIDADE

56 TRATAMENTO 1- NUTRICIONAL REALIMENTAÇÃO PRECOCE, 3 A 4 HORAS APÓS A REIDRATAÇÃO COM A DIETA HABITUAL MONITORAR POSSÍVEL INTOLERÂNCIA ALIMENTAR PARTICULARMENTE EM LACTENTES <6 MESES E DESNUTRIDOS SUPLEMENTAÇÃO COM ZINCO: 14 DIAS <6 MESES: 10 MG/DIA >6 MESES: 20 MG/DIA

57 TRATAMENTO 2- MEDICAMENTOSO ANTI-EMÉTICOS APENAS SE ALTAMENTE NECESSÁRIOS PARA POSSIBILITAR O EMPREGO DA TRO: ONDANSETRONA 0,2 MG/KG/DIA CADA 8 HORAS. DROGAS ANTI-SECRETORAS NECESSITAM NOVOS ESTUDOS PARA AVALIAR SUA EFICÁCIA E SEGURANÇA: RACECADOTRIL (INIBIDOR DA ENCEFALINASE) NITRAZOXINIDE ARP1 (TERAPIA BIOLÓGICA)

58 TRATAMENTO ANTIBIÓTICOS GIARDIA METRONIDAZOL AMEBÍASE METRONIDAZOL SHIGELLA CIPROFLOXACINA

59 TRATAMENTO PROBIÓTICOS TRABALHO DE META-ANÁLISE, PUBLICADO EM 2006, AVALIANDO 4 ESTUDOS DE ENSAIOS RANDOMIZADOS CONTROLADOS DEMONSTRARAM UM BENEFÍCIO ESTATISTICAMENTE SIGNIFICATIVO NO EMPREGO DOS SEGUINTES PROBIÓTICOS: Lactobacillus rhamnosus GG Sacaromyces boulardii

60 TERAPIA DE REIDRATAÇÃO ORAL (TRO) TRATA-SE INDISCUTIVELMENTE DO MAIS SIGNIFICANTE PROGRESSO NO MANEJO DA DIARREIA AGUDA NA INFÂNCIA DURANTE AS ÚLTIMAS 4 DÉCADAS QUANTO AO CONTROLE DA DESIDRATAÇÃO. EM 2007, ESTIMOU-SE TER PREVENIDO A MORTE DE 50 MILHÕES DE CRIANÇAS EM TODO O UNIVERSO.

61 TERAPIA DE REIDRATAÇÃO ORAL (TRO) TEM SIDO CAPAZ DE RESOLVER DE FORMA SEGURA E EFICAZ MAIS DE 90% DOS CASOS DE DESIDRATAÇÃO. FOI ACLAMADA PELO THE LANCET COMO O MAIS IMPORTANTE AVANÇO TERAPÊUTICO DO SÉCULO XX.

62

63

64 PROFILAXIA ROTAVIRUS TEM CAUSADO ENTRE A MORTES ENTRE AS CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS A CADA ANO. COMPARAÇÃO ENTRE AS DUAS VACINAS LICENCIADAS ANTI-ROTAVÍRUS ESTRUTURA GENÉTICA COMPOSIÇÃO GENOTIPOS ESQUEMA DE VACINAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PROTEÇÃO ROTATEQ ROTAVIRUS WC3 BOVINO 5 HUMANOS G1, 2, 3, 4 E (P8) 3 DOSES: 2, 4, 6 MESES ORAL 85% ROTARIX ROTAVÍRUS HUMANO ROTAVÍRUS HUMANO SIMPLES G1 (P8) 2 DOSES: 2-4 MESES ORAL 95%

65

66

67

68 Caso Clínico

69

70

71

72

73

74

75

76 Escherichia coli Descoberta por Theodore Escherich, em 1885, denominando-a Bacterium coli comune pela sua ocorrência universal no intestino grosso de indivíduos sadios. Suspeita de patogenicidade: Caldo de cultura da E. coli injetada em alça isolada de coelhos provocava acúmulo de fluidos e eletrólitos.

77 O Microbiologista John Bray (esquerda), o Pediatra Thomas Beavan (centro) e o Biólogo J. Stevenson (direita) no dia da homenagem em 1968.

78

79 Escherichia coli O microbiologista Luis Rachid Trabulsi foi o pioneiro, no Brasil em 1961, a descrever as cepas enteropatogências de Escherichia coli como causa de diarreia em lactentes. Em 17 de 80 lactentes internadas com gastroenterite foram isolados os seguintes sorogrupos de Escherichia coli: O119, O111, O126, O26 e O55.

80

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS Aderbal Sabra MD. PhD. Cientista Visitante e Staff Senior ICISI Georgetown University USA Professor de Pediatria, Gastroenterologia e Alergia

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com Palestrante Marco Vinicius da Silva Melo Enfermeiro Obstetra/Ginecologia Enfermeiro do Trabalho MBA em Auditoria em Serviços de Saúde Docência do Ensino Superior TEMA: PROTOCOLO DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA

Leia mais

Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações

Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações 147 Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações Visita domiciliar de APS Monitorização do crescimento Imunizações Terapia de reidratação oral Planejamento familiar Módulo 6: Qualidade do

Leia mais

Monitorização de Doenças Diarréicas Agudas MDDA

Monitorização de Doenças Diarréicas Agudas MDDA Monitorização de Doenças Diarréicas Agudas MDDA A Doença Diarréica Aguda (DDA) é reconhecida como importante causa de morbimortalidade no Brasil, mantendo relação direta com as: precárias condições de

Leia mais

Diarreia aguda em adultos e crianças: uma perspectiva mundial

Diarreia aguda em adultos e crianças: uma perspectiva mundial World Gastroenterology Organisation Global Guideline Diarreia aguda em adultos e crianças: uma perspectiva mundial Fevereiro de 2012 Equipe de revisão Prof. M. Farthing (Presidente, Reino Unido) Prof.

Leia mais

Educação Médica Continuada Curso de Antibioticoterapia 2013. Danise Senna Oliveira HSPE São Paulo

Educação Médica Continuada Curso de Antibioticoterapia 2013. Danise Senna Oliveira HSPE São Paulo Educação Médica Continuada Curso de Antibioticoterapia 2013 DIARRÉIA AGUDA Danise Senna Oliveira HSPE São Paulo Desafio 1. Sexo masculino, 47 anos, 1 semana com diarréia, fezes com sangue visível nos últimos

Leia mais

Diarréia Aguda e Desidratação. Suzy S. Cavalcante

Diarréia Aguda e Desidratação. Suzy S. Cavalcante Diarréia Aguda e Desidratação Suzy S. Cavalcante Doença diarréica MORTALIDADE entre < 5 anos de idade 1979 4,5 milhões/ano 2002 1,6 milhões/ano 2004 1,5 milhões/ano MORTALIDADE por diarréia 8 em cada 10

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

Diarréia aguda Sessão Clínica do Departamento de Pediatria Unidade Metabólica

Diarréia aguda Sessão Clínica do Departamento de Pediatria Unidade Metabólica Diarréia aguda Sessão Clínica do Departamento de Pediatria Unidade Metabólica Almir Ferreira Junior Daniela Nunes Silva Luciano Dourado Melissa Falcão Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina

Leia mais

Vacina para Rotavírus

Vacina para Rotavírus Vacina para Rotavírus Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância Instituto Butantan Pesquisador Instituto da Criança HC / FMUSP Epidemiologia da Infecção por Rotavírus

Leia mais

DOENÇA DIARREICA AGUDA. Edição nº 9, fevereiro / 2014 Ano III. DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09

DOENÇA DIARREICA AGUDA. Edição nº 9, fevereiro / 2014 Ano III. DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09 NOME DO AGRAVO CID-10: DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09 A doença diarreica aguda (DDA) é uma síndrome clínica de diversas etiologias (bactérias, vírus e parasitos) que se caracteriza por alterações

Leia mais

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Bibiana Rubin Especialista em Clínica Terapêutica Nutricional Mestre em Saúde Coletiva Nutricionista Clínica CTI/HCPA Não há conflitos de interesse. Diarréia do Paciente

Leia mais

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio REIDRAMAX I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio Forma farmacêutica e Apresentação Pó para solução oral

Leia mais

Clostridium difficile: quando valorizar?

Clostridium difficile: quando valorizar? Clostridium difficile: quando valorizar? Sofia Bota, Luís Varandas, Maria João Brito, Catarina Gouveia Unidade de Infecciologia do Hospital D. Estefânia, CHLC - EPE Infeção a Clostridium difficile Diarreia

Leia mais

A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses

A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses rotavírus A vacina rotavirus foi lançada no Brasil exclusivamente na rede privada, aplicada em 3 doses Existem 02 vacinas contra o Rotavírus no Brasil 1. O que é rotavírus? O rotavírus é um vírus da família

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA MINISTÉRIO DA SAÚDE - MS SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SVS DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - DEVIT COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS - CGDT Vigilância Epidemiológica das Doenças

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

OMS GRUPO MUNDIAL DE TRABALHO PARA CONTROLO DA CÓLERA Primeiras medidas para gestão de um surto de diarreia aguda.

OMS GRUPO MUNDIAL DE TRABALHO PARA CONTROLO DA CÓLERA Primeiras medidas para gestão de um surto de diarreia aguda. OMS GRUPO MUNDIAL DE TRABALHO PARA CONTROLO DA CÓLERA Primeiras medidas para gestão de um surto de diarreia aguda. Este folheto destina-se a prestar orientação nos primeiros dias de um surto Existem deus

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Farmacoterapia da Obstipação

Farmacoterapia da Obstipação Farmacoterapia da Obstipação João Rocha Farmacoterapia do Tracto Gastro-Intestinal PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS Obstipação Problema: Hipocondria utilização não-racional do medicamento 1 Obstipação

Leia mais

Doenças de Transmissão Alimentar

Doenças de Transmissão Alimentar Doenças de Transmissão Alimentar Norma S. Lázaro nslazaro@ioc.fiocruz.br LABENT/IOC/FIOCRUZ- RJ Perigos microbiológicos aos alimentos fungos, vírus, v bactérias, parasitas Importância dos microrganismos

Leia mais

Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde SUS MANUAL DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS

Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde SUS MANUAL DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde SUS MANUAL DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS SUMÁRIO Apresentação...3 Introdução...5 1. Conceito...7

Leia mais

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas

Monitoramento das Doenças Diarréicas icas Agudas SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Monitoramento das Doenças Diarréicas

Leia mais

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose POLYDRAT Pharmascience Laboratórios Ltda SOLUÇÃO ORAL cloreto de sódio 2,34 mg/ml, cloreto de potássio 1,49 mg/ml, citrato de sódio dihidratado 1,96 mg/ml, glicose 19,83 mg/ml Polydrat cloreto de sódio,

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

Atendimento de retorno

Atendimento de retorno Algumas crianças doentes têm de retornar para que o médico as veja de novo. Terá de ser dito às mães quando elas devem regressar para a consulta de retorno. Nessa consulta, o médico pode ver se a criança

Leia mais

Submódulo 6.1: Infecções Oportunistas: Doenças Gastrointestinais

Submódulo 6.1: Infecções Oportunistas: Doenças Gastrointestinais Submódulo 6.1: Infecções Oportunistas: Doenças Gastrointestinais O presente submódulo aborda três temas, nomeadamente: Doenças gastrointestinais: Doenças oportunistas que se manifestam na boca Outras

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Gastroenterocolite Aguda

Gastroenterocolite Aguda TE-5 REMESSA DE documentos de CAIXA, EXTRA-CAIXA E CONTABILIDADE PARA MICROFILMAGEM DIBAN/DPSAG - Depto. de Processos e Suporte às Agências Tipo Documental Gastroenterocolite Aguda Pronto-atendimento do

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Diarreia aguda. clínica médica

Diarreia aguda. clínica médica Antônio Carlos Moraes Gastroenterologista. Membro da Federação Brasileira de Gastroenterologia. Chefe do Serviço de Clínica Médica do Hospital Copa D Or Rio de Janeiro. clínica médica Fernando M. M. Castro

Leia mais

IMPACTO DA VACINAÇÃO CONTRA ROTAVÍRUS NO ATENDIMENTO DE DIARRÉIAS NO MUNICÍPIO DE CURITIBA Autores: Cléa Elisa Lopes Ribeiro, Lílian Yuriko Uratani, Marion Burger, Angela Kikomoto Instituição: Secretaria

Leia mais

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml HIDRAFIX 90 Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 0,98 mg/ml glicose 20 mg/ml 16 HIDRAFIX 90 cloreto de

Leia mais

Gastroenterite Aguda

Gastroenterite Aguda Gastroenterite Aguda Rosa Maria Lima 1,2 e Jorge Amil Dias 2 RESUMO A gastroenterite aguda (GEA) na criança é, ainda, uma das causas mais comuns de hospitalização e importante problema de saúde pública,

Leia mais

HOSPITAL MUNICIPAL INFANTIL MENINO JESUS - PMSP PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR

HOSPITAL MUNICIPAL INFANTIL MENINO JESUS - PMSP PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR 1 PROTOCOLO SOBRE DIARRÉIAS AGUDAS DIAGNÓSTICO PRINCIPAL (CID10) A09 HOSPITAL MUNICIPAL INFANTIL MENINO JESUS - PMSP PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR Diarréia e gastroenterite de origem infecciosa

Leia mais

http:// www.insa.pt _ consumo de água de nascentes naturais Um problema de saúde pública. _DSA Departamento de Saúde Ambiental 2010 _Nascentes Naturais 01 _Introdução A convicção, ainda hoje frequente

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

A Deficiência de Vitamina A

A Deficiência de Vitamina A Oficina de trabalho: Carências Nutricionais: Desafios para a Saúde Pública A Deficiência de Vitamina A O QUE É VITAMINA A A vitamina A é um micronutriente que pode ser encontrado no leite materno, alimentos

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Av. Anhanguera 5195 St. Coimbra Goiânia-GO

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios Laxantes e Diarréia e obstipação são comuns na população em geral Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios rios Laxantes Muitas vezes sem a necessidade de medicação Porem esses sintomas podem

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc. Gastrite, Úlcera, Diarréia, Prisão de ventre (constipação) Cólica, Vermes. Anamnese: Tipo de dor ou desconforto:

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Microbiologia Clínica

Microbiologia Clínica Microbiologia Clínica A descoberta dos microrganismos Lentes 200 a 300 X As primeiras observações: Leeuwenhoek (em 1677) 1 Leeuwenhoek: microrganismos ("animálculos ) Pasteur (1822-1895) 2 A geração espontânea

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

AIDPI PARA O ENSINO MÉDICO

AIDPI PARA O ENSINO MÉDICO Atenção Integrada às Doencas Prevalentes na Infância - AIDPI AIDPI PARA O ENSINO MÉDICO Colaboradores: Antonio José Ledo Alves da Cunha Eduardo Jorge da Fonseca Lima Maria Anice S. Fontenele e Silva Maria

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS

ASPECTOS GERAIS DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS ASPECTOS GERAIS DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS Aspectos epidemiológicos O perfil epidemiológico das doenças transmitidas por alimentos no Brasil ainda é pouco conhecido. Somente alguns estados

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Folha:

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Folha: 1 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: Revisão: Folha: POP 09/10/2014 1/10 039/2014 Elaboração: 28/04/2014 Próxima revalidação: --------------- Título: INVESTIGAÇÃO DE SURTO POR DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS

Leia mais

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira Momento II ASF Região Sul Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira CICLO DE VIDA DA CRIANÇA O ciclo de vida da criança compreende um ser que vivencia

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

Fluxograma do Manejo da Estase

Fluxograma do Manejo da Estase Fluxograma do Manejo da Estase Estase Gástrica é qualquer volume mensurado através da SNE/SNG Enfermagem verificar resíduo gástrico (estase) a cada 06 horas. Registra volume drenado. Menor que Maior que

Leia mais

World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines: Diarréia Aguda em Adultos

World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines: Diarréia Aguda em Adultos World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines: Diarréia Aguda em Adultos Seções: 1. Definições 2. Patogênese 3. Fatores de Risco 4. Diagnóstico & Diagnóstico Diferencial 5. Estratégias de Tratamento

Leia mais

Qualidade da Água e Saúde Pública

Qualidade da Água e Saúde Pública Qualidade da Água e Saúde Pública Principais doenças de origem microbiana difundidas através de águas contaminadas Doença Agente Causa da doença Origem Bactérias Cólera Vibrio cholerae Enterotoxina.ingestão

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 2,34 mg/ml cloreto de potássio 1,49 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 1,96 mg/ml glicose 19,83 mg/ml 6 cloreto

Leia mais

C. perfringens tipos B e C Idade < 10 dias Enterotoxemia hemorrágica grave Mycobacterium paratuberculosis

C. perfringens tipos B e C Idade < 10 dias Enterotoxemia hemorrágica grave Mycobacterium paratuberculosis Diagnóstico diferencial das Diarréias nos Bovinos Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha DMV/EV/UFG Diarréia Inflamação da mucosa intestinal Dor abdominal; Desequilíbrio hidroeletrolítico; Desequilíbrio ácido-básico.

Leia mais

Espectro da Vigilância de Doenças Provenientes de Alimentos

Espectro da Vigilância de Doenças Provenientes de Alimentos Espectro da Vigilância de Doenças Provenientes de Alimentos Romulo Colindres, MD, MPH GSS Nível 1 Rio de Janeiro, Setembro 2005 Objetivos Revisar pontos básicos da vigilância Definição Passos Propósito

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria TRIAGEM NEONATAL Fibrose Cística Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria Fibrose Cística - Definição Mucoviscidose ou Doença do Beijo Salgado Doença genética mais comum em caucasianos Afeta sexo feminino

Leia mais

Do Epidemiological Bulletin, Vol. 22 No. 4, December 2001

Do Epidemiological Bulletin, Vol. 22 No. 4, December 2001 Do Epidemiological Bulletin, Vol. 22 No. 4, December 2001 Definições de Caso: Doença Meningocócica e Meningite Viral Doença Meningocócica Razão para a Vigilância A doença meningocócica ocorre esporadicamente

Leia mais

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g.

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g. Material Técnico Probióticos Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

INFORME TÉCNICO DE DOENÇA DIARREICA AGUDA

INFORME TÉCNICO DE DOENÇA DIARREICA AGUDA INFORME TÉCNICO DE DOENÇA DIARREICA AGUDA Introdução A DDA Doença Diarreica Aguda é uma síndrome, causada por diferentes agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos), cuja manifestação predominante

Leia mais

Do D enças a d o T rato Gastrointestinal

Do D enças a d o T rato Gastrointestinal Doenças do Trato Gastrointestinal Trato gastrointestinal Colonização do TGI Ocorre ao nascimento e, durante toda a vida do indivíduo. Colonização por novos micro-organismos pode ocorrer diariamente com

Leia mais

Capítulo 24. Diarréia Aguda e Desidratação. Luciana Rodrigues Silva

Capítulo 24. Diarréia Aguda e Desidratação. Luciana Rodrigues Silva Capítulo 24 Diarréia Aguda e Desidratação Luciana Rodrigues Silva A diarréia aguda na infância representa um problema de saúde de grande magnitude em nosso meio, particularmente nas crianças de baixa idade

Leia mais

Intolerância à Lactose

Intolerância à Lactose Intolerância à Lactose A intolerância à lactose é a condição que se refere aos sintomas decorrentes da má digestão da lactose. Esta situação ocorre quando o organismo não produz lactase suficiente, uma

Leia mais

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc...

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Protozoários Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Estrutura: Realizam as funções vitais: Locomoção e respiração; Obtenção de alimentos; Digestão; Excreção; Reprodução.

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Hidratação e Choque hipovolêmico

Hidratação e Choque hipovolêmico Hidratação e Choque hipovolêmico Dr. Marcelo Ruiz Lucchetti Médico da Enfermaria de Pediatria do HUAP Médico do Centro de Tratamento de Queimados Infantil do HMSA Líquidos Corporais Fisiologia Composição

Leia mais

PEDIALYTE 45 Zinco cloreto de sódio gliconato de zinco glicose monoidratada citrato de sódio diidratado citrato de potássio monoidratado

PEDIALYTE 45 Zinco cloreto de sódio gliconato de zinco glicose monoidratada citrato de sódio diidratado citrato de potássio monoidratado MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO PEDIALYTE 45 Zinco cloreto de sódio gliconato de zinco glicose monoidratada citrato de sódio diidratado citrato de potássio monoidratado APRESENTAÇÃO

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

CÓLERA CID 10: A 00.9

CÓLERA CID 10: A 00.9 SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA PROMOÇÃO E PREVENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSIVEIS E NÃO TRANSMISSIVEIS GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMISSIVEIS ÁREA DE ASSESSORAMENTO

Leia mais

Saúde Pública como Área de Residência em Medicina Veterinária

Saúde Pública como Área de Residência em Medicina Veterinária Saúde Pública como Área de Residência em Medicina Veterinária Prof. Ass. Dr. José Paes de Almeida Nogueira Pinto Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia UNESP, campus de Botucatu Ideias O Veterinário

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS EOSINOFILIA RELACIONADA COM A ENTAMOEBA COLI Dayane Santos de Oliveira. 1 ; Flavia Alves da Conceição¹ Henrique de Oliveira Medeiros¹ Eliana Alvarenga de Brito 2 1; Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente

Leia mais

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Comprimidos 2 mg DIAFURAN cloridrato de loperamida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: DIAFURAN Nome genérico: cloridrato de loperamida

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores.

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores. 1 DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR Ana Flávia Machado Teixeira Resumo As doenças microbianas de origem alimentar são transmitidas por ingestão de alimentos e água contaminados por microrganismos

Leia mais

DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS: CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NO MUNICÍPIO DE MATIAS BARBOSA-MG (Relato de Estudo)

DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS: CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NO MUNICÍPIO DE MATIAS BARBOSA-MG (Relato de Estudo) DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS: CASOS NOTIFICADOS DE DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NO MUNICÍPIO DE MATIAS BARBOSA-MG (Relato de Estudo) 1 INTRODUÇÃO Silvia Maria Cortês Ouchi 1 Andressa Aparecida Soares Neto 2

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Saúde Coletiva INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Profª Ma. Andressa Menegaz e Profª Ma. Ana Cássia Lira de Amorim O que é EPIDEMIOLOGIA?

Leia mais

Dr. Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília

Dr. Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília Dr. Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília PARALISIA PERIÓDICA Constitui um grupo heterogêneo de doenças genéticas pertencente ao grupo das canalopatias. Ocorre distúrbio nos canais iônicos

Leia mais