PERFIL DE PRESCRIÇÃO DOS INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES NA REDE MÉDICOS-SENTINELA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DE PRESCRIÇÃO DOS INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES NA REDE MÉDICOS-SENTINELA"

Transcrição

1 PERFIL DE PRESCRIÇÃO DOS INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES NA REDE MÉDICOS-SENTINELA Zilda Mendes Estatística, MSc, Centro de Estudos e Avaliação em Saúde (CEFAR) Tlf.: (+351) Fax: (+351) José Augusto Simões Médico-sentinela, Unidade de Saúde Familiar Marquês de Marialva, Cantanhede, Universidade de Aveiro; José Marinho Falcão Médico epidemiologista, Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge; Ana da Costa Miranda Médica epidemiologista, consultora do CEFAR Teresa Brandão Médica-sentinela, Centro de Saúde dos Olivais, Lisboa; Armando Brito de Sá Médico-sentinela, Unidade de Saúde Familiar Rodrigues Miguéis, professor da Faculdade de Medicina de Lisboa; Fernando Ferreira Médico-sentinela, coordenador da Unidade de Saúde Familiar de Sto. André de Canidelo. 24 Resumo Objectivos: Os inibidores da bomba de protões (IBP) são dos medicamentos mais prescritos em Portugal e com consumo superior à média da União Europeia. O uso excessivo destes fármacos está a ser analisado pelo INFARMED, que alerta para os riscos adjacentes à sua toma sem justificação clínica. Este estudo teve como objectivo principal caracterizar o perfil de prescrição dos IBP na rede de médicos-sentinela. Métodos: Foi realizado um estudo transversal. A informação foi recolhida por 34 médicos de clínica geral, entre os dias 26 de Maio e 6 de Junho de Foram identificados 318 doentes e caracterizadas as suas prescrições durante a consulta ou aquando da renovação de receituário. Resultados: Sessenta e sete por cento dos doentes eram do sexo feminino, 70 por cento tinham idade superior a 60 anos e 70 por cento tinham menos de quatro anos de escolaridade. Metade das prescrições era de omeprazol, 20 mg por toma. Cerca de três quartos dos doentes já não estavam a tomar o medicamento pela primeira vez (doentes prevalentes) e, destes, 50 por cento estavam a tomar IBP há pelo menos um ano. Em metade das prescrições, a duração prevista do tratamento não tinha limite definido. O principal motivo da prescrição foi protecção gástrica (36 por cento), seguido da gastrite (29 por cento) e do refluxo gastro- -esofágico (13 por cento). Conclusões: Os resultados obtidos contribuíram para o conhecimento do perfil de prescrição dos IBP em Portugal, verificando-se globalmente o cumprimento das orientações internacionais no que respeita ao motivo conducente à prescrição do IBP. No entanto, alguns aspectos merecem especial atenção, nomeadamente os respeitantes à duração da terapêutica, sendo que em aproximadamente metade dos doentes não é definido na prescrição um limite da duração da terapêutica, o que poderá levar ao uso desnecessário desta classe terapêutica, com todos os riscos associados. Palavras-chave: Inibidores da bomba de protões, perfil de prescrição, rede médicos-sentinela, Portugal. Abstract Objectives: Proton Pump Inhibitors (PPI) are the most commonly prescribed class of therapeutic agents in Portugal where it s consumption has been reported to be greater than the average European one. The Portuguese national authority for the evaluation of Medicinal Products (INFARMED) has undergone extensive investigation regarding the excessive use of PPI and the health risks associated with inappropriate prescribing. The aim of this study was to characterize the prescribing pattern of PPI by a sentinel network of general practitioners (GP). Methods: A total of 34 sentinel GP participated in the study and enrolled 318 patients, between 26 May and 6 June 2008, to whom was prescribed at least one PPI. Results: A cross-sectional study was performed. Sixty-seven percent of the patients were female, 70% were older than 60 years and 70% had completed only primary school. Half of the prescriptions were for omepra-

2 zole 20mg/day. For approximately ¾ of the patients this was not the first time a PPI was prescribed and 50% of these had been taking the PPI for at least one year. Fifty percent of the prescriptions did not include specific instructions about the duration of therapy. The main diagnosis that led to PPI prescription were prophylaxis against gastric mucosal damage (36%), followed by gastritis (29%) and gastroesophageal reflux disease (13%). Conclusions: This study was a contribution to the characterization of the prescribing pattern of PPI in Portugal and has shown that the main international guidelines regarding the reasons behind the prescription of PPI are being assured. However, some issues are still concerning, namely the specific instructions about the duration of therapy with approximately half of patients being prescribed a PPI without instructions when to stop therapy. Key Words: Proton pump inhibitors, prescribing pattern, sentinel general practitioners network, Portugal. Introdução Os inibidores da bomba de protões (IBP) são uma das classes terapêuticas mais prescritas em todo o mundo, uma vez que combinam uma elevada eficácia com uma baixa toxicidade 1. Muitos estudos mostram consistentemente que os IBP são demasiado prescritos a nível mundial, quer nos cuidados de saúde primários quer nos secundários Estima-se que entre 25 e 70 por cento dos doentes que estão a tomar estes fármacos não têm qualquer indicação para o fazer 1. Em Portugal, de acordo com os dados do Sistema de Informação sobre Consumo de Medicamentos do CEFAR (sistema criado com base numa amostra de cerca de 75 por cento das farmácias portuguesas), entre 2004 e 2008, a utilização destes fármacos cresceu acima dos 60 por cento em doses diárias definidas (DDD). De acordo com as estatísticas do INFARMED, o subgrupo farmacoterapêutico dos antiácidos e antiulcerosos teve um crescimento em preço de venda ao público (PVP) de 13,5 por cento e em embalagens dispensadas de 20,2 por cento no mesmo período 11,12. De notar que o crescimento na despesa, apesar de elevado, foi bastante inferior ao crescimento em volume. Tal deveu-se às medidas legislativas implementadas em Portugal para redução dos custos, nomeadamente abaixamento nos PVP, quer dos medicamentos de marca quer dos medicamentos genéricos. Neste mercado, a dispensa de genéricos representa cerca de 30 por cento do total de IBP dispensados (em valor). Por outro lado, o mercado de IBP genéricos representa cerca de 10 por cento do total de genéricos dispensados em Portugal. O primeiro genérico dos IBP (omeprazol) foi comercializado em Portugal no ano 2000 e actualmente constitui a substância activa com maior encargo para o Serviço Nacional de Saúde português, representando 45,5 por cento da despesa com antiácidos e antiulcerosos 12. Nos quatro anos após a introdução do omeprazol no mercado, as prescrições dos IBP duplicaram, embora os motivos pelos quais este aumento ocorreu não sejam óbvias 1. Estão disponíveis no mercado medicamentos alternativos, igualmente eficazes e menos dispendiosos, tais como os antagonistas dos receptores H2, embora com um perfil de segurança diferente, essencialmente devido à existência de um maior número de interacções com outros fármacos. No entanto, as prescrições dos IBP têm superado as de todos os outros agentes reguladores da acidez gástrica e representam mais de 90 por cento dos gastos com o tratamento da dispepsia 1. Os IBP custam muito mais do que os outros agentes, pelo que, em parte, este foi um dos motivos que levou vários países à elaboração de directrizes de prescrição. O National Institute for Health and Clinical Excellence (NICE) publicou as suas orientações sobre os IBP em 2000, as quais foram revistas e actualizadas em As recomendações do NICE vão no sentido de se adaptar a terapêutica a cada caso, mas preconizando sempre que possível uma diminuição da dose utilizada e a toma apenas quando necessário. As recomendações para o uso dos IBP a longo prazo são relativamente selectivas. Por exemplo, as recomendações do NICE para o refluxo gastro-esofágico apontam para a prescrição de um IBP na dose padrão durante um ou dois meses 13. Se os sintomas reaparecerem após o tratamento inicial, é recomendado que se prescreva um IBP na menor dose possível, para ser utilizada quando necessário on-demand, com vista a controlar os sintomas, e por um número limitado de renovações 13. Para os doentes a utilizar anti-inflamatórios não-esteróides (AINE) e com o diagnóstico de úlcera péptica, deve interromper-se o uso de AINE sempre que possível e prescrever uma dose padrão de IBP ou de antagonistas dos receptores H2 durante dois meses 13. Em doentes de alto risco (ulceração anterior) e para quem a continuação de terapêutica com AINE é necessária, deve prescrever-se um IBP para protecção gástrica ou um AINE COX-2 selectivo 13. Embora se possa assumir uma prescrição exagerada, que ocorrerá principalmente nos cuidados de saúde primários, as provas de uma utilização inadequada dos IBP nos cuidados secundários também é abundante. Em estudos realizados com doentes internados em hospitais e a tomarem IBP na Austrália 2, Irlanda 4 e Reino Unido 3, 63, 33 e 67 por cento dos doentes, respectivamente, não preenchiam os critérios do seu país para tomarem 25

3 26 o fármaco. Numa série de doentes internados a nível hospitalar no Michigan, Estados Unidos, 20 por cento estavam a tomar um IBP desde a admissão hospitalar e a outros 40 por cento foram prescritos IBP durante a sua permanência hospitalar (principalmente por motivo de profilaxia). Na alta, metade estava a tomar um IBP, mais do dobro do que os que estavam medicados aquando da admissão 5. Neste estudo, 90 por cento dos doentes não necessitavam de tomar estes fármacos, a não ser os que tinham tido refluxo gastro-esofágico alguma vez no passado, situação que é aceite como uma indicação para a toma de IBP 5. Também foram identificados alguns problemas na interface entre os cuidados de saúde primários e os cuidados secundários. Num estudo da Nova Zelândia constatou- -se que 40 por cento eram doentes do hospital que estavam medicados com IBP de forma inadequada 6. Dois terços desses doentes ainda estavam a tomar a medicação da alta e, mais ainda, faziam-no seis meses depois. No Reino Unido, a sugestão de um período de tratamento com IBP foi proposto em uma de cada cinco cartas de alta hospitalar 3. Em apenas um terço dessas cartas era indicada uma data para essa prescrição ser revista e apenas em metade era especificado por que é que o fármaco tinha sido iniciado. A maioria dos estudos no âmbito dos cuidados de saúde primários foi realizada na Europa. Por exemplo, numa coorte de doentes suecos que estavam medicados com IBP por mais de quatro anos, 27 por cento foram incapazes de interromper completamente a medicação 7. Uma auditoria clínica a um serviço de urgência médica de um hospital do País de Gales concluiu que a um quarto dos doentes era prescrito um IBP. No entanto, apenas em metade dos doentes a indicação para a prescrição era adequada 8. A auditoria clínica foi repetida seis meses após as orientações do NICE terem sido amplamente divulgadas pelos profissionais locais. Esta nova auditoria constatou a mesma proporção de doentes a quem foram prescritos IBP e, uma vez mais, apenas metade destes tinham uma indicação adequada 8. Os IBP foram um grande avanço terapêutico. Especialmente a longo prazo, transformaram a vida de doentes anteriormente com sintomas intratáveis de refluxo gastro-esofágico e as suas complicações associadas e também se revelaram uma preciosa ajuda para os doentes que estão em risco iatrogénico de patologia do tracto gastrointestinal superior. A curto prazo, um IBP também é uma boa opção para o tratamento de uma ampla gama de condições gastro-pépticas. Mas estes fármacos estão claramente a ser sobreutilizados 1. Alguns apontam a combinação de uma elevada eficácia com uma alta segurança como a justificação para a sua utilização preferencial a outros fármacos, como os antagonistas dos receptores H No entanto, os efeitos secundários dos IBP não devem ser ignorados. É relatado um aumento na prevalência de pneumonia por Campylobacter enteritis, bem como uma duplicação do risco de infecção por Clostridium difficile 17 e a nefrite intersticial aguda e a osteoporose, que, sendo pouco comuns, são reconhecidos efeitos do tratamento com IBP 18. No entanto, estes efeitos secundários são raros. O efeito adverso da prescrição dos IBP sobre os orçamentos da saúde ao redor do mundo é que é o verdadeiro problema 1. Também em Portugal, o uso excessivo destes fármacos está a ser analisado pelo INFARMED, que alerta para os riscos adjacentes à sua toma sem justificação clínica 19. Tendo em conta que não existem artigos de estudos publicados em Portugal sobre a utilização destes fármacos, e dado o aumento da despesa e do seu consumo nos últimos anos, pretende-se com este estudo contribuir para um melhor conhecimento dos motivos e da caracterização da prescrição de IBP. Participantes e Métodos Desenho do Estudo Com vista a dar resposta ao objectivo do estudo, foi adoptado um modelo transversal, tendo em conta que se pretendia descrever a situação no momento. População e Amostra A população-alvo deste estudo foi constituída pelos utentes das listas de médicos da rede de médicos-sentinela aos quais tenha sido prescrito, durante o período de estudo, um IBP (omeprazol, lansoprazol, pantoprazol, esomeprazol ou rabeprazol). A rede de médicos-sentinela é composta por médicos de família que participam voluntariamente em programas anuais de notificação contínua de doenças e situações relacionadas, bem como em projectos de investigação clínica e epidemiológica 20. Esta rede de vigilância epidemiológica é composta por cerca de 150 médicos distribuídos pelos 18 distritos do território do Continente e pelas Regiões Autónomas. A população efectiva sob observação é em média de 1500 utentes por médico. Uma vez que o perfil de prescrição destes fármacos é desconhecido, o cálculo da dimensão da amostra máxima para este estudo foi efectuado com base na estimava de uma proporção de 50 por cento para um intervalo de confiança de 95 por cento. Foi igualmente tida em consideração neste cálculo uma média dez doentes observados por médico durante duas semanas (resultado do ensaio piloto). Tendo em conta estes pressupostos, foi estimada uma amostra com dimensão de 370 doentes, para um erro de 5 por cento. Critérios de Inclusão e Período de Estudo À totalidade dos médicos que compõem a rede sentine-

4 la foi solicitado o preenchimento de um questionário, entre os dias 26 de Maio e 6 de Junho de Foram incluídos no estudo todos os doentes a quem fosse prescrito um IBP durante o referido período. Instrumento de Notação O questionário para recolha de informação tinha quatro componentes: 1) Caracterização do doente (sexo, idade e escolaridade); 2) Caracterização da prescrição actual do IBP (princípio activo, dose por toma, frequência da toma, primeira utilização, duração da terapêutica até ao presente, no caso de doente prevalente e duração da terapêutica a partir da data da prescrição actual); 3) Indicação da prescrição actual (codificada posteriormente de acordo com a classificação internacional de doenças, CID-10); e 4) Utilização actual de terapêutica concomitante (que possa ter levado à prescrição do IBP). Definição de Conceitos Duração da terapêutica sem limite definido sempre que o médico considerava que o tratamento deveria ser realizado, «indeterminadamente», «durante anos», «ad eternum» ou «para sempre» (pergunta aberta). Duração da terapêutica com limite definido sempre que o médico impunha um limite para a toma do medicamento (dias/semanas ou meses). Ensaio Piloto Foi realizado previamente um ensaio piloto numa amostra aleatória de 15 médicos, dos quais nove responderam ao questionário, num total de 69 doentes. A estes médicos-sentinela foi também solicitada opinião sobre o instrumento de notação e questões adicionais que contribuíssem para os objectivos do estudo. No final foi adicionada uma questão: «Confirmação por endoscopia do diagnóstico», para caracterizar a fiabilidade do diagnóstico. Validação da Informação e Análise de Dados Os dados foram introduzidos em base de dados e validadas as inconsistências da informação por cruzamento exaustivo de várias variáveis. A questão sobre o diagnóstico que levou à prescrição actual do IBP foi codificada, de acordo com a classificação internacional de doenças, CID-10, por um elemento equipa de investigação. Com vista à validação desta classificação, outro elemento classificou todos os questionários de forma independente do primeiro. Todas as codificações discordantes foram analisadas em conjunto e decididas por consenso. A análise estatística foi realizada em SAS Guide v. 4.0, tendo em conta um planeamento prévio aprovado pela equipa de investigação. Foi realizada uma análise descritiva dos dados, frequências absolutas e relativas para as variáveis nominais e cálculo de medidas de localização e dispersão para as variáveis, idade e anos de escolaridade. Para todas as proporções, bem como médias e medianas, foram calculados os respectivos intervalos de confiança em 95 por cento. O teste de ajustamento do qui-quadrado foi elaborado para avaliar o ajuste da distribuição das proporções de dispensa por princípio activo comparativamente ao universo das dispensas de IBP realizadas nas farmácias em Maio e Junho de O teste de qui-quadrado para tabelas de contingência foi utilizado para avaliar a independência entre duas variáveis nominais e o teste da mediana para avaliar diferenças na idade dos doentes quando estratificados por outras variáveis. Resultados A proporção de participação dos médicos neste estudo foi de 22,7 por cento, correspondendo a 34 médicos-sentinela. A informação solicitada mediante questionário estruturado foi efectuada a 318 doentes, isto é, uma média de 9-10 doentes por médico (mínimo 1 e máximo 22). Caracterização dos Doentes A caracterização sociodemográfica dos doentes revelou que 67,2 por cento eram do sexo feminino, com idade média de 64 anos. A maioria dos doentes (68,9 por cento) a quem foi prescrito um IBP tinha idade igual ou superior a 60 anos, enquanto 20,8 por cento eram analfabetos e, para os restantes, a mediana dos anos de escolaridade situou-se nos quatro anos, conforme consta da Tabela 1. Os doentes analfabetos tinham idade superior a 64 anos e apenas 11 doentes tinham mais do que 12 anos de escolaridade. Caracterização da Prescrição dos IBP A distribuição das prescrições por denominação comum internacional (DCI) nesta amostra de doentes é semelhante ao padrão de dispensas observado durante os meses de Maio e Junho de 2008 nas farmácias (fonte: Sistema de Informação sobre Consumo de Medicamentos em ambulatório (SICMED-CEFAR)). No entanto, apresenta algumas diferenças (p=0,0091), conforme Tabela 2. A amostra em estudo apresenta uma maior proporção de prescrições de lanzoprazol (27,4 por cento versus 21,8 por cento) e uma menor proporção de pantoprazol (10,7 por cento versus 15,0 por cento) e esomeprazol (5,4 por cento versus 8,2 por cento). Cerca de metade das prescrições eram de omeprazol e na sua maioria (93,1 por cento) foi prescrito 20 mg por toma (Tabela 3). No momento do estudo, 77 por cento dos doentes não estavam a tomar o IBP pela primeira vez (doentes prevalentes), variando esta percentagem entre os 61,9 por cento para o rabeprazol e os 85,3 por cento para o pantoprazol (diferença não estatisticamente significativa; p=0,2425). Para estes doentes para quem a prescrição do IBP já não era a primeira (doentes prevalentes), a mediana da duração 27

5 Tabela 1 - Caracterização sociodemográfica dos doentes em estudo Variável Sexo (nr=1) Masculino Feminino n % [IC 95%] ,8 [27,6-38,0] 67,2 [62,0-72,4] Tabela 2 - Distribuição por substância na amostra e nas dispensas do universo farmácias Substância (nr=0) Omeprazol n % [IC 95%] ,0 [45,7-54,3] Dispensas nas farmácias em Maio e Junho de 2008 (embalagens) % 50,2 Idade (nr=3) Lanzoprazol 87 27,4 [24,1-30,6] ,8 Média (desvio padrão) 64 (15,6) [62,3-65,7] Pantoprazol 34 10,7 [8,7-12,7] ,0 Mediana (amplitude) 67 (8-67) [65-69] Classes de idade Rabeprazol 21 6,6 [5,0-8,2] ,8 18 anos anos ,0 [0,0-2,1] 7,6 [4,7-10,5] Esomeprazol 17 5,4 [3,9-6,8] , anos 60 anos Escolaridade (nr=10) Analfabeto Com escolaridade Anos de escolaridade (mediana) nr = não respondentes anos 22,5 [17,9-27,1] 68,9 [63,8-74,0] 20,8 [16,3-25,3] 79,2 [74,7-83,7] do tratamento situava-se nos 12 meses, isto é, 50 por cento dos doentes prevalentes desta amostra já tomavam o IBP há pelo menos 12 meses. Da totalidade dos doentes em estudo, 47,3 por cento vai tomar o IBP sem limite de tratamento definido (referido no próprio questionário, em questão aberta, como duração da terapêutica «indeterminadamente», «durante anos», «ad eternum» ou «para sempre»). Em 75,6 por cento dos casos, a frequência da toma era diária. Para os princípios activos mais prescritos, a proporção de doentes a quem foi prescrito o tra- Tabela 3 - Caracterização da prescrição do inibidor da bomba de protões Substância Omeprazol Lanzoprazol Pantoprazol Esomeprazol Global n Prevalentes (n; %) Há quanto tempo toma (mediana) 125; 78,6% (18 meses) 64; 73,6% (9 meses) 29; 85,3% (12 meses) Rabeprazol 21 13; 61,9% (8 meses) ; 81,3% (10 meses) 244; 77,0% (12 meses) Dose por toma (mg) Moda (amplitude) Duração do tratamento actual (mediana*) 20 (10-60) 49,0% sem limite definido 30 (15-30) 48,8% sem limite definido 40 (10-40) 55,9% sem limite definido 20 (10-20) 23,8% sem limite definido 20 (10-40) 35,3% sem limite definido 47,3% sem limite definido * Mediana calculada de entre os restantes doentes com duração da terapêutica definida na prescrição. Não respondentes à questão «Há quanto tempo toma», nos prevalentes=5. Não respondentes à questão da dose por toma=0. Não respondentes à questão «Durante quanto tempo vai tomar»= tamento sem limite definido foi cerca de 50 por cento, enquanto para o rabeprazol e esomeprazol esta proporção foi ligeiramente inferior. No entanto, estas diferenças não são estatisticamente significativas (p=0,1410). Para os restantes doentes (52,7 por cento), a duração do tratamento prescrito tinha limite definido, isto é, a mediana da duração do tratamento situou-se nos dois meses, independentemente da substância prescrita. A Figura 1 mostra em maior detalhe a duração da toma da medicação nos doentes prevalentes até ao momento actual, bem como a duração da terapêutica instituída a partir da prescrição actual.

6 Para os doentes que já tomavam a medicação anteriormente (doentes prevalentes), cerca de um quarto faziam-no há mais de dois anos e 21,1 por cento entre um e dois anos. Em 47,3 por cento dos doentes, a duração prevista para o tratamento prescrito não tinha limite temporal. Nos restantes, com limite temporal definido, a duração foi de 2-3 meses para 21,1 por cento da amostra em estudo e até um mês para 17,9 por cento dos doentes. Tabela 4 - Caracterização do motivo da prescrição (global e por sexo) Motivo da Prescrição* (nr=2) Relativamente à idade dos doentes, apenas para a protecção gástrica, gastrite e dispepsia se encontraram diferenças significativas na mediana das idades (Figura 2). Os doentes a fazer protecção gástrica medicados com IBP são mais idosos do que os doentes que não estão a fazer protecção gástrica (70 anos versus 64 anos) e os Código CID10 n %* [IC 95%] % Feminino % Masculino p Figura 1 Caracterização da duração da toma nos doentes prevalentes (n=244, em cima) e caracterização da duração prevista para o tratamento a partir da prescrição actual (em baixo) Protecção gástrica (incluindo AINE) ** ,4 [30,2-40,7] 35,6 35,6 0,9956 Gastrite k29.x 90 28,5 [23,5-33,5] 28,0 29,8 0, ;27,2% 38;16,4% Doença de refluxo Epigastralgia K21.x 40 12,7 [9,0-16,3] 14,2 9,6 0,2486 R ,2 [5,2-11,3] 7,6 9,6 0,5376 Esofagite k ,3 [4,4-10,1] 5,7 10,6 0, ;17,2% Dispepsia K ,0 [3,4-8,6] 6,6 4,8 0, ;21,1% 42;18,1% Úlcera K25 a k ,4 [2,2-6,7] 4,7 3,9 0,7175 * Questão de resposta múltipla. ** Código inexistente, grupo criado especificamente para este estudo. 29 <=3 meses 4-6meses meses meses > 24 meses 16;5,1% 27;8,6% 66;21,1% 148;47,3% 56;17,9% doentes com diagnóstico de dispepsia são também mais idosos do que os doentes sem diagnóstico de dispepsia (69 anos versus 67 anos). Para os doentes com diagnóstico de gastrite, a relação é inversa, isto é, os doentes que apresentaram esta patologia têm uma mediana de idade quatro anos inferior à dos doentes que não têm gastrite (60 versus 64 anos). Conforme mostra a Figura 3, a proporção de doentes com confirmação do diagnóstico por endoscopia variou de acordo com o diagnóstico, sendo mais elevada para os doentes com dispepsia, esofagite e úlcera. Sem limite definido <=1mês 2-3 meses 4-6 meses > 6 meses Figura 2 - Caracterização da idade por motivo da prescrição Caracterização do Motivo da Prescrição A protecção gástrica foi o principal motivo para a prescrição do IBP (35,4 por cento; IC 95 por cento: [30,2%-40,7%]), seguindo-se-lhe a gastrite e a doença de refluxo (Tabela 4). A doença de refluxo foi mais frequente nas mulheres comparativamente aos homens (14,2 por cento versus 9,6 por cento) e a esofagite foi mais frequente nos homens do que nas mulheres (10,6 por cento versus 5,7 por cento). No entanto, nenhuma das diferenças encontradas é estatisticamente significativa (p>0,05) Idade (mediana) Sim Não Sim Não Sim Não Protecção gástrica (incluindo AINE): p=0,0002 Gastrite: p=0,0489 Dispepsia: p=0,0483

7 Comparação entre Doentes Incidentes e Prevalentes A Tabela 5 sumariza as diferenças encontradas entre os doentes incidentes e prevalentes na utilização destes fármacos, tendo-se constatado existirem diferenças sig- Variável Incidentes n (%) Tabela 5 - Comparação entre doentes incidentes e prevalentes relativamente ao fármaco prescrito Prevalentes n (%) p 30 Figura 3 - Caracterização da confirmação do diagnóstico por endoscopia 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 Gastrite Refluxo Esofagite Dispepsia Úlcera nificativas para as variáveis idade, tipo de diagnóstico, frequência e duração da prescrição. Os doentes que vão tomar pela primeira vez este fármaco são mais jovens do que os restantes (p<0,0001), a frequência do tratamento é maioritariamente (95,8 por cento) diária (p<0,0001) e o tratamento prescrito, na sua maioria (94,5 por cento), tinha duração definida na prescrição (p<0,0001). A doença de refluxo foi mais prevalente em doentes que já não estavam a tomar o IBP pela primeira vez (p=0,0144) e a epigastralgia foi mais frequente nos doentes incidentes (p=0,0007). Analisando mais detalhadamente a prescrição por grupos de diagnóstico (Tabela 6), verifica-se que a maioria das prescrições efectuadas tinha duração da terapêutica sem limite definido (reportado pelo médico como tratamento para realizar «indeterminadamente», «durante anos», «ad eternum» ou «para sempre») nas situações de protecção gástrica, doença de refluxo e dispepsia. Também nestas prescrições, a quase totalidade dos doentes era prevalente (acima dos 93 por cento). Nas situações em que a prescrição tinha limite de duração definida, esta situou-se maioritariamente entre 1-4 meses (mediana da duração). Foram excepção os doentes prevalentes com doença de refluxo, cuja mediana da duração do tratamento se situou nos nove meses, e o único doente incidente com dispepsia ao qual foi prescrito o tratamento com uma duração definida de seis meses. Não foi possível realizar análises mais detalhadas, uma vez que o número de doentes incidentes é muito pequeno para realizar outras estratificações. Caracterização da Medicação Concomitante A maioria dos doentes encontrava-se medicada com outros fármacos [61,8 por cento; IC 95 por cento:56,3-67,3]. Sexo (nr=1) Masculino 26 (25,0) 78 (75,0) Feminino 47 (22,2) 165 (77,8) 0,5749 Idade (nr=3) Média (desvio padrão) 56,1 (18,7) 66,5 (13,7) Mediana (amplitude) 57 (16-89) 68 (8-90) 0,0008 Classes de idade < 18 anos 1 (33,3) 2 (66,7) anos 12 (50,0) 12 (50,0) anos 27 (38,6) 43 (61,4) 60 anos 31 (14,3) 186 (85,7) <0,0001 Diagnóstico (nr=2) Protecção gástrica (incluindo AINE) 22 (30,1) 90 (37,2) 0,2698 Gastrite 16 (21,9) 74 (30,6) 0,1511 Doença de refluxo 3 (4,1) 36 (14,9) 0,0144 Epigastralgia 13 (17,8) 13 (5,4) 0,0007 Esofagite 5 (6,9) 18 (7,4) 0,8654 Dispepsia 2 (2,7) 17 (7,0) 0,1777 Úlcera 2 (2,7) 12 (5,0) 0,4200 Substância (nr=0) Omeprazol 34 (21,4) 125 (78,6) Lanzoprazol 23 (26,4) 64 (73,6) Pantoprazol 5 (14,7) 29 (85,3) Outro 11 (29,7) 26 (70,3) 0,3796 Frequência de toma (nr=10) Diária 68 (95,8) 170 (71,7) Quando necessário 3 (4,2) 67 (28,3) <0,0001 Duração do tratamento (nr=5) Sem limite definido 4 (5,5) 144 (60,3) Com limite definido 69 (94,5) 95 (39,8) <0,0001 (mediana) (1,4 meses) (3 meses) Não respondentes à questão prevalente ou incidente=1. Destes, a medicação mais frequente refere-se a AINE (56,5 por cento) e ácido acetilsalicílico ou antiagregantes plaquetários (16,3 por cento), conforme mostra a Figura 4. Dos doentes que não estavam a tomar medicação que possa ter levado à prescrição do IBP, apenas um não apresentava como diagnóstico uma patologia gástrica e estava a tomar o IBP para protecção gástrica (doente de 79 anos com discrasia sanguínea). Da totalidade dos doentes, 7,9 por cento estavam a tomar o IBP para protecção gástrica, sem estarem, concomitantemente, a fazer terapêutica com AINE.

8 Tabela 6 - Caracterização da prescrição do inibidor da bomba de protões por categoria de diagnóstico Duração da terapêutica Protecção gástrica (nr=2) Incidentes n (%) Prevalentes n (%) Sem limite definido 2 (3,2) 60 (96,8) Com limite definido 20 (41,7) 28 (58,3) (mediana) (1 mês) Gastrite (nr=1) Sem limite definido 2 (5,0) 38 (95,0) Com limite definido 14 (28,6) 35 (71,4) (mediana) (1 mês) (3 meses) Doença de refluxo (nr=2) Sem limite definido 0 (0,0) 22 (100,0) Com limite definido 3 (18,8) 13 (81,3) (mediana) (1 mês) (9 meses) Epigastralgia (nr=0) Sem limite definido 0 (0,0) 8 (100,0) Com limite definido 13 (72,2) 5 (27,8) (mediana) Esofagite (nr=0) Sem limite definido 0 (0,0) 8 (100,0) Com limite definido 5 (33,3) 10 (66,7) (mediana) (3 meses) (3-5 meses) Dispepsia (nr=0) Sem limite definido 1 (6,3) 15 (93,8) Com limite definido 1 (33,3) 2 (66,7) (mediana) (6 meses) (4 meses) Úlcera (nr=1) Sem limite definido 0 (0,0) 4 (100,0) Com limite definido 2 (22,2) 7 (77,8) (mediana) (3,7 meses) Figura 4 - Caracterização da medicação concomitante que possa ter levado à prescrição do inibidor da bomba de protões (nr=0) AINES Sim 61,8% AINES + A.c Acetilsalicílico ou Anti Agregante Outros Não 38,2% 14,7% 56,5% 16,3% 7,1% 5,4% A.c Acetilsalicílico ou Anti Agregante Corticosteroides Discussão Contribuir para a caracterização do perfil de prescrição dos inibidores da bomba de protões (IBP) na rede de médicos-sentinela constituiu o objectivo principal deste estudo. A pertinência do presente estudo justifica-se pela existência de um aumento substancial da prescrição de IBP ao nível dos cuidados de saúde, traduzindo- -se por conseguinte num aumento considerável dos encargos do Serviço Nacional de Saúde português 12. Os padrões de prescrição obtidos neste estudo poderão não corresponder exactamente à realidade do país, devido à existência de limitações bem conhecidas, nomeadamente no que respeita, desde logo, à população de médicos seleccionada para a realização do mesmo. Com efeito, o facto de os prescritores pertencerem à rede de médicossentinela rede voluntária de médicos de Medicina Geral e Familiar que trabalham em centros de saúde constitui por si só um viés, na medida em que poderão apresentar um padrão de prescrição sistematicamente diferente do praticado por outros médicos de Medicina Geral e Familiar ou clínicos de outras especialidades, porventura reflexo da possibilidade dos utentes da rede terem características diferentes e de, no caso concreto, não serem representativos da população total de doentes a fazer terapêutica com IBP. Por outro lado, o facto de os médicos terem conhecimento que se encontram a participar num estudo com vista à caracterização do perfil de prescrição pode representar um viés de notificação pela possibilidade de cada médico participante não reportar algumas prescrições de IBP durante o período do estudo ou pelo facto de alterar o seu padrão habitual de prescrição. Da totalidade de médicos pertencentes à rede de médicos-sentinela, apenas 22,7 por cento aceitaram participar no estudo, correspondendo a um total de 318 doentes. Com esta amostra foi possível estimar proporções com um erro entre os 5-6 por cento. A protecção gástrica foi o principal motivo que conduziu à prescrição do IBP, seguindo-se a gastrite e a doença de refluxo gastro- -esofágico. Os resultados obtidos são concordantes com as orientações do NICE apenas no que respeita à utilização de IBP como terapêutica de primeira abordagem em situações de refluxo gastro-esofágico e dispepsia e em doentes a fazer terapêutica com anti-inflamatórios nãoesteróides (AINE) 13. Contudo, salienta-se que dos doentes a quem foi prescrito um IBP, cerca de um terço estava a fazê-lo sem diagnóstico de qualquer patologia gástrica associada, sendo que a maioria fazia terapêutica diária com omeprazol. A isto acresce o facto de que, deste grupo de doentes, 2,5 por cento não se encontravam a fazer, concomitantemente, terapêutica com AINE. 31

9 32 Os doentes foram ainda caracterizados quanto à medicação concomitante que possa ter levado à prescrição do IBP. A maioria dos doentes encontrava-se sob terapêutica com outros fármacos, sendo que mais de metade fazia terapêutica com AINE, isoladamente ou em combinação com o ácido acetilsalicílico ou outro antiagregante plaquetar. A administração concomitante de um IBP e um antiagregante plaquetar, especificamente o clopidogrel, foi recentemente alvo de vários estudos com o objectivo de avaliar a segurança desta associação. A importância desta questão levou a que a Agência Europeia do Medicamento (EMEA) emitisse um comunicado alertando para a possibilidade de interacção com diminuição da actividade antiagregante plaquetar do clopidogrel por inibição da sua conversão à forma biologicamente activa pelo IBP, de onde resultaria um aumento do risco de enfarte do miocárdio e complicações cardíacas, recomendando assim que a administração concomitante destes dois fármacos fosse limitada a situações extraordinárias e apenas quando absolutamente necessário. Em Portugal, estas recomendações foram adoptadas pelo INFAR- MED, I.P. 21. Todavia, em Junho de 2009, a Food and Drug Administration (FDA), nos Estados Unidos, adoptou uma posição divergente, emitindo um parecer no sentido de se reavaliar a necessidade de iniciar ou continuar o tratamento com IBP em doentes a fazer terapêutica com clopidogrel até resultados de novos estudos no domínio da farmacocinética estarem disponíveis 22. Em Novembro de 2009, a FDA emitiu um novo comunicado, com base em novos estudos, alertando para a existência de uma interacção entre o omeprazol e o clopidogrel, com redução do seu efeito antiagregante plaquetar em aproximadamente 50 por cento, quando existe administração concomitante destes dois fármacos 23. No entanto, nem todos os estudos publicados sobre a utilização concomitante de um IBP e o clopidogrel apresentaram resultados concordantes. Alguns autores sugerem que o efeito antiagregante plaquetar do clopidogrel e a sua influência nos eventos cardíacos poderão estar associados a polimorfismos genéticos que afectam a sua bioactivação 24. Entre os doentes submetidos à terapêutica com IBP, cerca de três quartos eram utilizadores prevalentes e, destes, cerca de metade tomava há pelo menos 12 meses, tendo-se verificado que a utilização desta classe terapêutica com a finalidade de protecção gástrica e de duração prolongada foi significativamente mais frequente nos doentes prevalentes. Ainda no que respeita à duração da terapêutica com os IBP verificou-se que para aproximadamente metade dos doentes não foi estabelecido um limite temporal para a terapêutica, sendo que para os restantes a mediana da duração da terapêutica situou-se nos dois meses, independentemente da substância activa prescrita. Esta análise foi também diferenciada para doentes incidentes e prevalentes. Nos doentes incidentes, ou seja, aqueles que iniciavam a terapêutica com IBP, em 94,5 por cento dos casos foi estabelecido um limite temporal para a terapêutica e apenas em 5,5 por cento destes não foi indicado o fim da terapêutica. Por outro lado, em 60,3 por cento dos doentes prevalentes não foi estabelecido um limite temporal para o fim da terapêutica. A terapêutica prolongada com IBP em doentes crónicos com dispepsia e doença de refluxo gastro-esofágico (DRGE) ainda não está completamente esclarecida. As recomendações do NICE vão no sentido de se adaptar a terapêutica a cada caso, mas preconizando uma diminuição, sempre que possível, da dose utilizada e a toma apenas quando necessário. Estas orientações terapêuticas recomendam ainda uma duração mínima de um mês para a terapêutica empírica com IBP no tratamento de dispepsia de causa não identificada e de um a dois meses no tratamento da DRGE de causa não identificada. No caso de recorrência dos sintomas após o período inicial de tratamento recomenda-se a prescrição de um IBP na dose mínima suficiente para controlar os sintomas, com um número limitado de prescrições 13. O não cumprimento e/ou a inexistência de instruções específicas quanto à duração da terapêutica com IBP podem conduzir a que alguns médicos prescrevam para lá do tempo necessário, contribuindo assim para o uso inadequado desta classe terapêutica e aumentando o risco de reacções adversas e de interacções, bem como os custos em saúde associados. Em Portugal, a crescente preocupação com a utilização excessiva desta classe terapêutica tem por base os dados disponibilizados pelo INFARMED, que reflectem um decréscimo da despesa associada aos antagonistas dos receptores H2, com um aumento simultâneo da dispensa em volume com os IBP 19,25. Esta tendência de crescimento relativa ao consumo dos IBP, nomeadamente do omeprazol, tem-se mantido ao longo dos anos, acompanhando também a tendência verificada noutros países. Um trabalho conduzido na Austrália demonstrou uma diminuição da proporção de prescrições de antagonistas dos receptores H2 de 67 por cento em 2000 para apenas 10 por cento em As razões para esta alteração no padrão de prescrição dos modificadores da secreção gástrica não são ainda totalmente claras. Alguns estudos apontam para a superioridade terapêutica dos IBP (rápido início de acção, não indução de tolerância, reduzidas interacções medicamentosas e sem eliminação renal) sobre os antagonistas dos receptores H2 27. Decorrente da inexistência da caracterização da totalidade da terapêutica concomitante, não foi possível avaliar as situações em que a utilização de outras alternativas terapêuticas, menos dispendiosas, estariam também indicadas, nomeadamente os antagonistas H2, desconhecendo-se porventura o risco de potenciais in-

10 teracções medicamentosas resultantes desta utilização. Por outro lado, encontra-se recentemente comercializado em Portugal um IBP não sujeito a prescrição médica, o omeprazol 10 mg, sendo que o pantoprazol foi também alvo recente de switch centralizado para MNSRM (medicamento não sujeito a receita médica), aguardando-se para breve a sua comercialização. Além de uma dispensa criteriosa que promova o uso racional destes fármacos, o que implica a existência de orientações com vista ao apoio à dispensa diferencial, revela-se de extrema importância a realização de estudos com a finalidade de caracterizar o seu padrão de utilização neste contexto. Conclusão Os resultados deste estudo contribuíram para o conhecimento do perfil de prescrição dos IBP em Portugal. A maioria dos doentes a quem foi prescrito um inibidor da bomba de protões (77 por cento) era de utilizadores prevalentes. Em 35,4 por cento dos casos, a prescrição foi efectuada para protecção gástrica. Nos restantes doentes, a gastrite e a doença de refluxo foram as patologias mais relevantes (41,2 por cento do total de doentes). O omeprazol foi a substância mais frequentemente prescrita (50 por cento), na dosagem 20 mg. Na maioria dos doentes incidentes (94,5 por cento), a duração da terapêutica estava definida e com uma mediana de 1,4 meses de tratamento. Nos doentes prevalentes, em cerca de 60 por cento das situações a duração da terapêutica não tinha limite temporal definido e em 71 por cento a toma era diária. Este facto, aliado à elevada proporção de doentes prevalentes a fazer terapêutica por tempo superior a dois anos, deve merecer especial atenção. De ressaltar, no entanto, que os resultados deste estudo demonstram o cumprimento das normas internacionais de orientação terapêutica, nas situações clínicas onde estas existem, pelo menos no que respeita ao motivo da prescrição. Referências Bibliográficas 1. Forgacs I, Loganayagam A. Overprescribing proton pump inhibitors. Is expensive and not evidence based. BMJ. 2008;336: Naunton M, Peterson GM, Bleasel MD. Overuse of proton pump inhibitors. J Clin Pharm Ther. 2000;25: Walker NM, McDonald J. An evaluation of the use of proton pump inhibitors. Pharm World Sci. 2001;23: Mat Saad AZ, Collins N, Lobo MM, O Connor HJ. Proton pump inhibitors: a survey of prescribing in an Irish general hospital. Int J Clin Pract. 2005;59: Pham CQD, Regal RE, Bostwick TR, Knauf KS. Acid suppressive therapy use on an inpatient internal medicine service. Ann Pharmacother. 2006;40: Grant K, Al-Adhami N, Tordoff J, Livesey J, Barbezat G, Reith D. Continuation of proton pump inhibitors from hospital to community. Pharm World Sci. 2006;28: Bjornsson E, Abrahamsson H, Simren M, et al. Discontinuation of proton pump inhibitors in patients on long term therapy: a double blind, placebo controlled trial. Aliment Pharmacol Ther. 2006;24: Batuwitage B, Kingham JCG, Morgan NE, Bartlett RL. Inappropriate prescribing of proton pump inhibitors in primary care. Postgrad Med J. 2007;83: Van Zanten, SV. Dyspepsia and reflux in primary care: rough DIA- MOND of a trial. Lancet. 2009;373: Van Marrewijk CJ, Mujakovic S, Fransen GA, et al. Effect and cost-effectiveness of step-up versus step-down treatment with antacids, H2-receptor antagonists, and proton pump inhibitors in patients with new onset dyspepsia (DIAMOND study): a primarycare-based randomised controlled trial. Lancet. 2009;373: INFARMED. Estatística do Medicamento Lisboa: INFARMED. 12. INFARMED. Estatística do Medicamento Lisboa: INFARMED. 13. Newcastle Guideline Development and Research Unit. Dyspepsia: management of dyspepsia in adults in primary care. Londres: National Institute for Clinical Excellence, Murthy SK, Kauldher S, Targownik LE. Physicians approaches to the use of gastroprotective strategies in low-risk non-steroidal antiinflammatory drug users. Aliment Pharmacol Ther. 2006;23: Hochman JS, Shah NR. What Price Pain Relief? Circulation. 2006;113: Targownik LE, Thomson PA. Gastroprotective strategies among NSAID users. Guidelines for appropriate use in chronic illness. Can Fam Physician. 2006;52: Dial S, Delaney J, Barkun A, Suissa S. Use of gastric acid-suppressive agents and the risk of community-acquired Clostridium difficile-associated disease. JAMA. 2005;294: Yang Y, Lewis J, Epstein S, Metz D. Long-term proton pump inhibitor therapy and risk of hip fracture. JAMA. 2006;296: Alves A, Furtado C. Mercado de Medicamentos em Portugal: Análise da Evolução da Utilização e da Despesa entre 2003 e 2006 na 10ª Conferência Nacional de Economia da Saúde; 23 de Novembro de 2007; Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (Portugal). 20. Falcão, JM. Médicos Sentinela: 9 passos em frente. Saúde em Números. 1990;5(3): European Medicines Agency (EMEA). Public statement on possible interaction between clopidogrel and proton pump inhibitors. Disponível em EPAR/Plavix/ en.pdf, acedido em Novembro de Food and Drug Administration (FDA). Early communication about an ongoing safety review of clopidogrel bisulfate. Disponível em mationforpatientsandproviders/drugsafetyinformationforheathcare- Professionals/ucm htm, acedido em Novembro de Food and Drug Administration (FDA). Information on Clopidogrel Bisulfate (marketed as Plavix). Disponível em Drugs/DrugSafety/PostmarketDrugSafetyInformation for PatientsandProviders/ucm htm, acedido em Dezembro de Mega JL, Close SL, Wiviott SD, et al. Cytochrome P-450 Polymor- 33

11 phisms and Response to Clopidogrel. N Engl J Med. 2009;360: Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde I.P. (INFARMED). Análise do crescimento da despesa no mercado total de medicamentos de Disponível em pt/portal/page/portal/infarmed/monitorizacao_do_mer- CADO/OBSERVATORIO/INTRODUCAO_DE_FICHEIROS/estudo_despesa.pdf, acedido em Novembro de Barozzi N, Tett SE. Gastroprotective Drugs in Australia: Utilization Patterns Between 1997 and 2006 in Relation to NSAID Prescribing. Clin Ther. 2009;31: Kahrilas PJ. Gastroesophageal Reflux Disease. N Engl J Med. 2008;359: Agradecimentos Um agradecimento especial a todos os médicos-sentinela que tornaram possível este estudo enviando a informação necessária sobre os seus doentes a fazer terapêutica com inibidores de bomba de protões e à Direcção da Associação Nacional das Farmácias como entidade financiadora do estudo. Às Dras. Inês Pereira, Carla Torre e Suzete Costa pela revisão do manuscrito e contributo para a redacção da discussão. 34

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS 1Maria Isabel Ribeiro; 2 Carlos Ferreira; 2 Duarte Loio & 2 Luís Salsas 1Professora do Instituto Politécnico de Bragança, Investigadora do CETRAD e colaboradora

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º /XI/2ª Altera o regime legal da prescrição de medicamentos, no sentido de generalizar a prescrição por Denominação Comum Internacional (DCI), nos termos do artigo

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO CIENTÍFICA DO LOSEC E NOMES ASSOCIADOS (VER ANEXO I)

RESUMO DA AVALIAÇÃO CIENTÍFICA DO LOSEC E NOMES ASSOCIADOS (VER ANEXO I) ANEXO II CONCLUSÕES CIENTÍFICAS E FUNDAMENTOS PARA A ALTERAÇÃO DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO, DA ROTULAGEM E DO FOLHETO INFORMATIVO APRESENTADOS PELA EMEA 19 CONCLUSÕES CIENTÍFICAS RESUMO

Leia mais

Serviços - pressão de Inverno

Serviços - pressão de Inverno Serviços - pressão de Inverno Data: 11/08/2004 Autor: Cláudia Conceição (claudiac@esoterica.pt) Este documento procura mostrar, a partir de publicações que, pelo menos para alguns serviços, parece haver

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

Princípios orientadores para a política do medicamento

Princípios orientadores para a política do medicamento Princípios orientadores para a política do medicamento Aprovado pela Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica Objectivos: Neste documento da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica (CNFT) discutem-se

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n. FAQ s Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.º 02/INFARMED/ACSS Versão Versão Data FAQ s Introduzidas FAQ s Retificadas 1.0 2012-06-01

Leia mais

Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira

Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira Um dos principais objetivos da Farmacovigilância, seja qual for

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 27 de Outubro de 2008

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 27 de Outubro de 2008 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 27 de Outubro de 2008 Disciplina: Medicina II Prof.: Dr. Mário Rosa Tema da Aula Teórica: Prescrição Racional Autor(es): Joana Rebelo e Rita Anjos Equipa Revisora: Temas

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS. Exposição de motivos.

PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS. Exposição de motivos. PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS Exposição de motivos. 1. Os medicamentos, no âmbito da política de saúde, assumem uma particular relevância não apenas pelos benefícios

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe Conta Satélite da Saúde 21-212Pe 21 de junho de 213 Em 212 a despesa corrente em saúde voltou a diminuir Em 212, a despesa corrente em saúde voltou a diminuir significativamente (-5,5), após ter registado

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo

Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo VÍDEO 01 Identificação: L. R. Data Nascimento: 23/11/1981 Idade: 28 anos Sexo: feminino Profissão: Agente de Turismo História Clínica: Desde os 19 anos apresenta quadro dispéptico. Em 2001 foi medicada

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO DOS MEDICAMENTOS EM PORTUGAL: ACESSIBILIDADE AOS MEDICAMENTOS COM NOVAS MOLÉCULAS OU NOVAS INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS

FINANCIAMENTO PÚBLICO DOS MEDICAMENTOS EM PORTUGAL: ACESSIBILIDADE AOS MEDICAMENTOS COM NOVAS MOLÉCULAS OU NOVAS INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS ACESSIBILIDADE AOS MEDICAMENTOS COM NOVAS MOLÉCULAS OU NOVAS INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS Abril de 2010 Execução: Financiamento: Execução Condições de acesso ao estudo Exigo é uma empresa de consultoria para

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Prevalência da automedicação na população urbana portuguesa

Prevalência da automedicação na população urbana portuguesa Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences vol. 40, n. 1, jan./mar., 2004 Prevalência da automedicação na população urbana portuguesa Zilda Mendes 1 *, Ana

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico

Doença do Refluxo Gastroesofágico Doença do Refluxo Gastroesofágico Gustavo Rigon Narciso Agosto 2014 Definições Inicialmente era sinônimo de esofagite e hérnia de hiato. Posteriormente foi definida como uma desordem de motilidade associada

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada.

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada. Análise especializada Política do medicamento, dispositivos médicos e avaliação de tecnologias em saúde Exmos. Senhores, O processo de elaboração do Plano Nacional de Saúde pode ser considerado um bom

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar Piedade Ferreira/Rute Reis Infarmed 26 Outubro 2006 Objectivos 2006 Controlo do consumo de medicamentos Milhares Euros

Leia mais

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001 Comité da Protecção Social Comité da Protecção Social Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social Outubro de 2001 Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón 30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS Uma actividade com 50 anos Centros de Informação de Medicamentos Resposta à necessidade de rápido acesso

Leia mais

INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES Estado da Arte

INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES Estado da Arte 1 Cadernos Otorrinolaringologia. CLÍNICA, INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO CLÍNICA FARMACOLÓGICA INIBIDORES DA BOMBA DE PROTÕES Estado da Arte Rita Oliveira, Ana Margarida Freitas, Teresa Aires Pereira. Farmacêuticas

Leia mais

Conclusões científicas

Conclusões científicas Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a alteração do Resumo das Características do Medicamento, da Rotulagem e do Folheto Informativo apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos 7 Conclusões

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BENZODIAZEPINAS EM PORTUGAL CONTINENTAL ENTRE 2000 E 2007

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BENZODIAZEPINAS EM PORTUGAL CONTINENTAL ENTRE 2000 E 2007 284 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE BENZODIAZEPINAS EM PORTUGAL CONTINENTAL ENTRE 2000 E 2007 José Manuel Fraga Santos Guedes Licenciado em Ciências Farmacêuticas Faculdade de Ciências da Saúde UFP 11488@ufp.edu.pt

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

NORMA DE BOA PRÁTICA CLÍNICA

NORMA DE BOA PRÁTICA CLÍNICA NÚMERO: 001/2010 DATA: 30/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Prescrição da Osteodensitometria na Osteoporose do Adulto Osteodensitometria Médicos do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

A - Informação acerca do Doente e do Medicamento

A - Informação acerca do Doente e do Medicamento NÚMERO: 014/2015 DATA: 17/12/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Processo de Gestão da Medicação Segurança do doente; segurança na medicação; processo de gestão da medicação Direções Clínicas

Leia mais

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*)

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) NOTAS DE INVESTIGAÇÃO Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) ANA MARGARIDA CAVALEIRO (**) JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (***) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 101/94, de 19 de Abril 1 Rotulagem e folheto informativo (Revogado pelo Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto)

Decreto-Lei n.º 101/94, de 19 de Abril 1 Rotulagem e folheto informativo (Revogado pelo Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto) 1 Rotulagem e folheto informativo (Revogado pelo Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto) O Decreto-Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, introduziu, pela primeira vez, de forma clara, regras respeitantes

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR DCI RALTITREXEDO Medicamento PVH PVH com IVA Titular de AIM TOMUDEX Embalagem contendo 1 frasco com pó para solução injectável

Leia mais

Segurança dos Dados Clínicos do Utente

Segurança dos Dados Clínicos do Utente Segurança dos Dados Clínicos do Utente Francisco Parente Sessão de Abertura - Jornadas Saúde Coimbra, 14 de Junho - 2005 Introdução ao tema Evolução para o Processo Clínico Electrónico (PCE); Segurança

Leia mais

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica ETAPA DE MINIMIZAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica O Plano de Contingência dos Açores para a Pandemia da Gripe (PCA) prevê mecanismos para garantir

Leia mais

Qualidade dos Serviços Clínicos

Qualidade dos Serviços Clínicos X Qualidade dos Serviços Clínicos ÍNDICE SECÇÃO I SISTEMAS DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE...2 1. Sistema de Gestão da Qualidade...2 2. Sistema de Gestão Ambiental...3 3. Monitorização e avaliação dos

Leia mais

Resultados. Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses. 21. Novembro. 2011

Resultados. Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses. 21. Novembro. 2011 Resultados Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses 21. Novembro. 2011 Características do questionário Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSPSC) Agency

Leia mais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais Artig tigo 4º_ página 67 A mortalidade por VIH/SIDA em Portugal: alterações da estrutura etária Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas

Leia mais

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Os ensaios clínicos são estudos de investigação realizados em voluntários humanos para responder a questões científicas específicas. Especialmente

Leia mais

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas e de saúde. Com

Leia mais

Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões de utilização e despesa em Portugal Continental entre 2000 e 2011

Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões de utilização e despesa em Portugal Continental entre 2000 e 2011 Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões de utilização e despesa em Portugal Continental entre 2000 e 2011 Título: Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões

Leia mais

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia Business Research Unit (UNIDE-IUL) / Instituto Universitário de Lisboa Ed. ISCTE-IUL, Av. Forças Armadas 1649-026 Lisbon Portugal Phone: 210 464 019 E-mail: bru-unide@iscte.pt Internet: http://www.bru-unide.iscte.pt/

Leia mais

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS Departamento da Qualidade na Saúde Maio 2015 Ficha Técnica Relatório elaborado pelo Departamento da Qualidade na Saúde Ano: 2015 Condução

Leia mais

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica IP/08/641 Bruxelas, 25 de Abril de 2008 Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica A Comissão Europeia publicou hoje as conclusões de um

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Rastreio em Saúde Mental a uma amostra de utilizadores da. consulta sem diagnóstico de perturbação mental

Rastreio em Saúde Mental a uma amostra de utilizadores da. consulta sem diagnóstico de perturbação mental Rastreio em Saúde Mental a uma amostra de utilizadores da consulta sem diagnóstico de perturbação mental JOSÉ AUGUSTO RODRIGUES SIMÕES Assistente Graduado de Clínica Geral, no Centro de Saúde de Góis MANUEL

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 23/2012 Brasília, maio de 2012. Princípio Ativo: cloridrato de memantina. Nomes Comerciais 1 : Ebix,Clomenac,Heimer,Zider,Alois. Medicamento de Referência: Ebix. Medicamentos Similares:

Leia mais

NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014

NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014 NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Hospitais Segurança do Doente Conselhos de Administração

Leia mais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais NOTA TÉCNICA 66/2014 Solicitante: Dra. Patricia Santos Firmo Juíza de Direito Data: 09/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais Processo

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

Í N D I C E G E R A L. v i i A B R E V I A T U R A S E S I G L A S. v i i i L I S T A D E T A B E L A S E F I G U R A S ix

Í N D I C E G E R A L. v i i A B R E V I A T U R A S E S I G L A S. v i i i L I S T A D E T A B E L A S E F I G U R A S ix Í N D I C E : Í N D I C E G E R A L. v i i A B R E V I A T U R A S E S I G L A S. v i i i L I S T A D E T A B E L A S E F I G U R A S ix R E S U M O. x A B S T R A C T... xi I - I N T R O D U Ç Ã O - 1

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DR. RICARDO JORGE

INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DR. RICARDO JORGE www.onsa.pt INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DR. RICARDO JORGE A DOR NA POPULAÇÃO PORTUGUESA ALGUNS ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS Relatório Sara Rabiais (Estatista) Paulo Jorge Nogueira (Estatista) José Marinho

Leia mais

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 27 de Outubro de 2009 9:21 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5 NÚMERO: 003/2015 DATA: 11/03/2015 ASSUNTO: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Cuidados de Saúde Primários PALAVRAS-CHAVE: Segurança do Doente; avaliação da cultura de segurança PARA: Agrupamentos

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

A VIGILÂNCIA DE DISPOSITIVOS MÉDICOS: Conceitos e Objectivos

A VIGILÂNCIA DE DISPOSITIVOS MÉDICOS: Conceitos e Objectivos A VIGILÂNCIA DE DISPOSITIVOS MÉDICOS: Conceitos e Objectivos Miguel Antunes Departamento de Vigilância de Produtos de Saúde (DGREE-VPS) (miguel.antunes@infarmed.pt) MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Suporte à Autogestão na Doença Crónica. SelfManagementSupport@ensp.unl.pt

Suporte à Autogestão na Doença Crónica. SelfManagementSupport@ensp.unl.pt Suporte à Autogestão na Doença Crónica SelfManagementSupport@ensp.unl.pt !" #$ # Tantos Doentes, Tão Pouco Tempo Distribuição de Necessidades em Saúde (Kaiser Permanente) COMUNIDADE SUPORTE AUTOGESTÃO

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

INQUÉRITO ÀS EMPRESAS SPIN-OFFS DE INVESTIGAÇÃO

INQUÉRITO ÀS EMPRESAS SPIN-OFFS DE INVESTIGAÇÃO Instituto Nacional de Engenharia Tecnologia e Inovação, IP INQUÉRITO ÀS EMPRESAS SPIN-OFFS DE INVESTIGAÇÃO Relatório do Projecto REBASPINOFF Cláudia Rodrigues Pedro Videira Margarida Fontes Maio 2007 DMS

Leia mais

Agenda de Investigação em Cuidados Continuados Integrados

Agenda de Investigação em Cuidados Continuados Integrados Agenda de Investigação em Cuidados Continuados Integrados Autores: Manuel José Lopes Universidade de Évora Felismina Rosa Parreira Mendes Universidade de Évora Os Cuidados Continuados Integrados (CCI)

Leia mais

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde Introdução...3 Prescrição...4 Análise da prescrição...5 1. Receita eletrónica...5 1.1. Número da receita...5 1.2. Identificação do prescritor...6

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos Patient Safety 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica Susana Ramos Junho 2008 : Projectos de Acreditação nos Hospitais 1999 Manual da Qualidade: Normas e Critérios área da Saúde Normas - Gestão

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO Jonas Ricardo Munhoz 1 Johnny Trovó Rota 1 Raquel Soares Tasca 2 Marco Antonio Costa 2 Os estudos da utilização

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 401/2014 Parkinson

RESPOSTA RÁPIDA 401/2014 Parkinson RESPOSTA RÁPIDA 401/2014 Parkinson SOLICITANTE Drª Regina Célia Silva Neves Juíza de Direito - Comarca de Itaúna - MG. NÚMERO DO PROCESSO 0338.14.5932-4 DATA 20/07/2014 SOLICITAÇÃO DEGNAR VILAÇA DORNAS

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS MARTOS, Natália Martinez; HALBE, Ricardo natymm@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: O número

Leia mais

ARTIGOS. Versão para impressão. Trayenta (linagliptina) Fact Sheet

ARTIGOS. Versão para impressão. Trayenta (linagliptina) Fact Sheet Versão para impressão ARTIGOS 16/09/2011 Infográficos Trayenta (linagliptina) Fact Sheet 1. Trayenta (linagliptina) 2. Inibidores da DPP-4 3. Principal diferencial da linagliptina em relação às outras

Leia mais

Mestrado integrado de Medicina. Estágio de Saúde Pública

Mestrado integrado de Medicina. Estágio de Saúde Pública Mestrado integrado de Medicina 2014/2015 Estágio de Saúde Pública saudepublica.fmuc@gmail.com Área de Clínica Geral e Saúde Pública (Coordenador científico: Prof. Doutor Salvador Massano Cardoso) Coordenação

Leia mais

Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013)

Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013) Dispepsia Resumo de diretriz NHG M36 (terceira revisão, janeiro 2013) Mattijs Numans, Niek de Wit, Jos Dirven, Corien Heemstra-Borst, Gerard Hurenkamp, Mieke Scheele, Jako Burgers, Roeland Geijer, Egbert

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E COMPARAÇÃO DA POPULAÇÃO INTERNADA EM DOIS HOSPITAIS DE DIA DO CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA Gustavo Jesus 1 ; Rui Durval 2

CARACTERIZAÇÃO E COMPARAÇÃO DA POPULAÇÃO INTERNADA EM DOIS HOSPITAIS DE DIA DO CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA Gustavo Jesus 1 ; Rui Durval 2 CARACTERIZAÇÃO E COMPARAÇÃO DA POPULAÇÃO INTERNADA EM DOIS HOSPITAIS DE DIA DO CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA Gustavo Jesus 1 ; Rui Durval 2 1 Médico interno de psiquiatria no Centro Hospitalar

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

GRIPE DAS AVES. Preocupações e conhecimentos da população. Abril Novembro de 2005. Uma nota preliminar

GRIPE DAS AVES. Preocupações e conhecimentos da população. Abril Novembro de 2005. Uma nota preliminar GRIPE DAS AVES Preocupações e conhecimentos da população Abril Novembro de 2005 Uma nota preliminar JANEIRO DE 2006 GRIPE DAS AVES Preocupações e conhecimentos da população Abril Novembro de 2005 José

Leia mais

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand)

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos. (Jean Rostand) Pensamento Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand) AGRADECIMENTOS Os meus primeiros agradecimentos, vão para a minha mãe por estar sempre presente e acreditar em mim, para o meu pai, pelas

Leia mais

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt ISSN: 2183-0673 Portugal em números 2013 Programa Nacional para as www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal em números 2013 ISSN: 2183-0673 Periodicidade:

Leia mais

SOBRE A UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE SISTEMAS NO PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS. Maria da Conceição M. O. CUNHA 1

SOBRE A UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE SISTEMAS NO PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS. Maria da Conceição M. O. CUNHA 1 SOBRE A UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE SISTEMAS NO PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS Maria da Conceição M. O. CUNHA 1 RESUMO Para além de constituir um elemento essencial à vida sobre a terra, a água é também

Leia mais

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida 2 Fase conceptual da investigação 2.1. Objectivos e perguntas de partida Investigação científica Deve iniciar-se com a formulação de um problema O objectivo da investigação é a solução desse problema.

Leia mais

Anexo I. Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado

Anexo I. Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado Conclusões científicas Tendo em conta o relatório de avaliação do PRAC sobre os RPS para

Leia mais

Alguns aspectos relacionados com a segurança alimentar no concelho de Lisboa

Alguns aspectos relacionados com a segurança alimentar no concelho de Lisboa Alguns aspectos relacionados com a segurança alimentar no concelho de Lisboa MARIA DO ROSÁRIO NOVAIS MARIA ISABEL SANTOS CRISTINA BELO CORREIA O Laboratório de Microbiologia dos Alimentos do Instituto

Leia mais

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 02 - de 05/01/2015 a 11/01/2015

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 02 - de 05/01/2015 a 11/01/2015 Resumo Parceiros Rede de hospitais para a vigilância clínica e laboratorial em Unidades de Cuidados Intensivos Contatos: Departamento de Epidemiologia do INSA, tel 217526488 Laboratório Nacional de Referência

Leia mais