1º DIA - GRUPO II. Texto 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1º DIA - GRUPO II. Texto 1"

Transcrição

1 9 º DIA - GRUPO II Leia o texto abaixo. Ele servirá de referência para responder às questões de 0 a 0. Texto TARSILA Seu presente de aniversário. OSWALD Mas que coisa extraordinária! Eu vou telefonar para o Raul Bopp e pedir que ele venha imediatamente! TARSILA Afinal, você gostou ou não gostou? OSWALD É a melhor coisa que você fez na vida! Parece um selvagem, uma criatura do mato, um/ TARSILA (Emenda) Um antropófago? OSWALD É isso aí! Como vamos chamá-lo? TARSILA (Abre o dicionário de Montoya) Abaporu, na língua dos índios, é o homem que come carne humana. OSWALD Então, pronto. Está batizado. FOCO EM MÁRIO. MÁRIO Apaporu?! TARSILA Você gosta? O Raul Bopp achou esquisito, mas gostou muito. MÁRIO Eu também gosto muito. Como é que chegou a isso? TARSILA Também me pergunto! Esse pé, essa mão, essa cabecinha de alfinete, o cactos ao fundo! Parece personagem de história de assombração... MÁRIO Eu sou contra os palavras que literatizam o quadro prejudicando a sensação estética puramente plástica. Mas esse indígena tem cheiro forte de terra brasileira... OSWALD O índio é que era feliz! Vivia sem leis e sem reis. Não tinha polícia, recalques, nem Freud, nem vergonha de ficar pelado! Que tal se a gente voltasse a comer tudo de novo? O que você acha de lançar um movimento, hein, Mário? MÁRIO Outro movimento? OSWALD Um movimento nativista como nunca se viu! Contra o europeu que chegou trazendo a gramática, a catequese e a idéia do pecado! Foi isso que acabou com o Brasil, Mário! MÁRIO E TARSILA RIEM. OSWALD Vamos nos tornar antropofágicos e lançar oficialmente a Antropofagia Brasileira de Letras! [...] OSWALD Vocês não compreendem que é necessário vir tudo abaixo! Não atinaram para a ação nefanda da catequese e da submissão à cultura européia! Eles não têm nada pra dar pra gente! TARSILA Mas você se expressa na língua deles para dizer isso! E tem mais uma coisa: a primeira pessoa que falou de antropofagia foi o Mário! OSWALD O quê???!!! TARSILA Vamos tratar de engolir a Europa! O que não der pra digerir a gente cospe fora! Quem disse que o Brasil devia funcionar como um grande estômago quatro anos atrás!?! AMARAL, Maria Adelaide. TARSILA, São Paulo: Globo, 004 p. 46 e 50.

2 Questão 0 Analise as imagens a seguir. A tela Abaporu (98), referida no texto, inspirou o movimento antropofágico. O diálogo entre as personagens na peça Tarsila caracteriza esse movimento por meio da descrição do Abaporu. A tela A negra (9) é precursora da fase antropofágica. Observando os temas, as formas e a composição das imagens, explique por que a tela Antropofagia (99) dá continuidade ao movimento lançado em 98. Leia os textos abaixo. Eles também servirão de referência para responder às questões 0 e 0. Texto Pau Brasil Era uma vez uma floresta cheia de festa e balangandã Na noite fresca carnavalesca brilhava a estrela Aldebarã E nas quebradas da madrugada toda menina era cunhã Um belo dia uma menina achou no mato uma maçã Olhou a fruta meio de banda como se fosse coisa malsã Deu uma dentada, meteu o dente, e de repente, tchan-tchan-tchan-tchan Ouviu na mata a voz possante e extravagante do Deus Tupã Que então lhe disse: mas que tolice, minha menina, minha cunhã Uma maçã é uma maçã, é uma maçã, é uma maçã E a menina foi pra gandaia cantarolando Cubanacan. HIME, Francis. Pau Brasil. Rio de Janeiro: Biscoito Fino, 008. CD. Faixa 7. Texto O que foi dito no ano de 968 Eles gostam de se dizer antropofágicos, isto é, seguidores do modernista Oswald de Andrade. São os poetas concretos e os músicos da tropicália e o que querem é criar uma nova linguagem. Os concretos, na faixa restrita dos livros, da poesia. Os tropicalistas, na faixa mais larga do consumo, através de discos, festivais e programas de TV. VEJA. São Paulo, set Edição comemorativa de 40 anos. p. 4. (Adaptado). O Manifesto Antropofágico buscava revelar a identidade brasileira por meio do sincretismo de raças e culturas. A tela revela essa temática pela deglutição da tela Abaporu, representante da figura do índio, e da tela A negra, resgatando a cultura africana. Soma-se a isso a forma (a técnica) de composição cubista, de origem européia. Obs.: O candidato pode ainda ressaltar outros elementos: as cores ditas caipiras, a composição de imagens de um país tropical (a bananeira, o cactos).

3 Questão 0 a) Analisando o texto, explique por que a canção Pau Brasil (texto ) pode ser considerada como integrante do movimento da Tropicália. b) Que ato praticado pela personagem, no texto, sugere a construção da temática antropofágica? Justifique. a) Segundo o texto, os tropicalistas queriam criar uma nova linguagem, o que nos permite incluir a canção Pau Brasil nesse contexto. Nela, o autor mescla com a linguagem padrão diversas expressões de origem indígena (Aldebarã, cunhã, tupã etc) ou coloquiais (quebradas, meio de banda, meteu o dente etc.). b) O ato de a menina morder a maçã, símbolo do pecado original, sugere a idéia de deglutição da cultura européia pelo índio, essência da temática antropofágica. Questão 0 a) A música Pau Brasil (texto ) reafirma a crítica de Oswald tece às ações dos europeus na formação da cultura brasileira (texto ). Relacione trechos dessa música à crítica de Oswald a respeito da linguagem herdada dos europeus. b) A expressão Um belo dia instaura uma mudança na organização seqüencial do texto. Explique que mudança é essa. a) Os versos Um belo dia uma menina achou no mato uma maçã/olhou pra fruta meio de banda como se fosse coisa malsã fazem referência à idéia de pecado que, segundo Oswald, o europeu introduziu no país. A fala de Tupã, todavia, destitui a maçã das conotações pecaminosas que lhe foram atribuídas pela cultura cristã e ocidental, portanto opõe-se à ação nefanda da catequese e da submissão à cultura européia, corroborando a proposta antropofágica de engolir a Europa. b) Os três primeiros versos, anteriores ao emprego da expressão Um belo dia, são predominantemente descritivos, utilizando verbos no pretérito imperfeito; retratam o mundo indígena, livre da influência cultural do europeu. A partir do 4º verso, o texto passa a apresentar uma estrutura narrativa, com verbos no pretérito perfeito; assim, mostra o índio entrando em contato, assimilando a cultura européia. Considere a ilustração de uma campanha publicitária e a tela Auto-retrato em manteau rouge para responder às questões 04 e 05. Conforme a propaganda do perfume, Tarsila tem sua embalagem inspirada na obra Manteau Rouge, alusiva a um casaco, ou manto, vermelho usado pela artista num jantar oferecido a Santos Dumont, em Paris. O look vibrante de Tarsila impressionou tanto os convidados, a ponto de a musa do movimento modernista se transformar no centro de atenções da festa. Ao sair do evento, pintou o auto-retrato e deu-lhe título em francês. Auto-retrato em manteau rouge foi pintado em 9.

4 Questão 04 Considerando que a peça publicitária é uma releitura da obra Auto-retrato em manteau rouge, explique por que a propaganda se configura como uma homenagem tanto a Tarsila do Amaral quanto ao público feminino. Tarsila é homenageada por ter a releitura de seu auto-retrato estampado na embalagem do perfume e também por a chamada do anúncio associá-la a uma mulher de poder e atitude. Já a homenagem ao público feminino ocorre de duas formas: o perfume confere a elas um pouco do glamour atribuído a Tarsila; a chamada do anúncio coloca-as na mesma condição de Tarsila, ou seja, a de mulheres de poder e atitude. Questão 05 No campo da publicidade, é comum a utilização de obras de arte em anúncios para a divulgação de diferentes produtos. Explique por que obras de arte são utilizadas como recurso para persuadir o consumidor a usar um determinado produto. As obras de arte trazem um caráter elitista para o produto. O consumidor deve acreditar que usando tal produto ele passará a fazer parte dessa elite. Questão 06 Leia os fragmentos dos poemas À beira de teu corpo, do livro Nova antologia poética, de Afonso Felix de Sousa, e In extremis, do livro Melhores poemas, de Olavo Bilac. À beira de teu corpo II Com teus olhos que já não me fitam, o que vês que não me contas, como se tua vida e tua morte nada tivessem a ver comigo, não fossem da conta de quem te pôs neste mundo e tenta agora conter o pranto por te ter posto neste mundo para tão cedo e, antes de mim, dele partires? O que olhas, que não me explicas, a mim que tentava explicar-te até o inexplicável, e se tens a boca entreaberta como a querer falar de alguma coisa, de algum espanto, e, curvado sobre teu corpo, eu colo o ouvido à tua boca, e nada ouço, e nada dizes? Apalpo-te. Sinto o gelo em tua testa. Olho-te nos olhos que talvez percorram as paisagens de um mundo que aos poucos devassas, ou de um relance apenas devassaste, e é um segredo, e não me contas. SOUSA, Afonso Felix de. Nova antologia poética. Goiânia: Cegraf/UFG, 99. p. 6. In extremis Nunca morrer assim! Nunca morrer num dia Assim! de um sol assim! Tu, desgrenhada e fria, Fria! postos nos meus os teus olhos molhados, E apertando nos teus os meus dedos gelados... E um dia assim! de um sol assim! E assim a esfera Toda azul, no esplendor do fim da primavera! Asas, tontas de luz, cortando o firmamento! Ninhos cantando! Em flor a terra toda! O vento Despencando os rasais, sacudindo o arvoredo... 4

5 [...] Eu, com o frio a crescer no coração, tão cheio De ti, até no horror do derradeiro anseio! Tu, vendo retorcer-se amarguradamente, A boca que beijava a tua boca ardente, A boca que foi tua! BILAC, Olavo. Melhores poemas. Seleção Marisa Lajolo. São Paulo: Global, 00. p. 9. Em ambos os textos, o eu lírico dirige-se a uma segunda pessoa do discurso em um momento extremo. a) Explicite quem é essa segunda pessoa e em que momento o eu lírico encontra-se. b) Qual a atitude do eu lírico de cada poema em relação à circunstância poetizada? a) A segunda pessoa do texto de Afonso Felix de Sousa é o filho morto. O eu-lírico encontra-se junto ao corpo do filho em um velório. No texto de Olavo Bilac a ª pessoa é a amada que está junto ao leito do eu-lírico. b) O eu-lírico do texto 0 sofre pela perda do filho amado e lamenta sua partida. O eu lírico do texto 0 está próximo da morte e lamenta perder o amor da amada e a beleza da natureza. Questão 07 Um dos fatos históricos que motivam o enredo de Memorial de Aires, de Machado de Assis, é a Abolição da Escravatura, ocorrida no Brasil Império. Nesse contexto, o autor apresenta-nos a viúva Fidélia relacionando-se com as conseqüências desse fato histórico. Com base em tais dados, responda: a) Que atitude Fidélia toma em relação à fazenda Santa-Pia? b) Que opiniões o narrador emite sobre a Abolição da Escravatura e sobre a atitude humanista de Fidélia? a) Fidélia toma a decisão de doar a fazenda Santa-Pia aos libertos. b) Sobre a Abolição da Escravatura, Aires mostra-se a favor, sem entusiasmo. Quanto à atitude humanista de Fidélia, Aires, diplomaticamente, aprova. Comentário: Sobre a atitude de Fidélia, percebemos a ironia machadiana que ressalta o descaso da elite, já que a Lei havia sido assinada e a insubmissão frente às ações do Estado. Questão 08 Leia o fragmento abaixo, extraído no romance A confissão, de Flávio Carneiro. [...] e aquela sensação de que um furação havia passado por mim e já ia longe, distante, sem perigo algum, então me lembro, jamais poderia esquecer, me lembro da imagem de Agnes deitada no tapete, dormindo, quer dizer, eu pensava que ela estivesse dormindo, até me dar conta do que de fato acontecera e já estava previsto deste o início, não pudera evitar, me lembro do rosto tranqüilo de Agnes, morrera com um leve sorriso no rosto, tão bonito o rosto de Agnes naquela manhã [...]. CARNEIRO, Flávio. A confissão. Rio de Janeiro: Rocco, 006. p. 8. O romance A confissão está estruturado em 0 capítulos, sendo que, do capítulo 5º de cujo final foi extraído o fragmento acima para o 6º, o narrador revela uma descoberta sobre si mesmo. Com base na leitura da obra, responda: a) Que revelação o narrador faz sobre sua nova identidade? b) Que sentimento o protagonista percebe ter perdido? c) Qual a relação entre a metamorfose que a personagem sofre e o desfecho do livro? 5

6 a) A revelação de que pode assimilar, sugar a identidade, a memória e a vida da mulher com a qual ele mantém relação sexual levando-a em seguida à morte. b) Ele percebe ter perdido a capacidade de ter medo. c) Ele precisa resgatar o medo perdido para sentir-se novamente um ser humano. Isso justifica a razão do seqüestro da Senhora. Questão 09 Observe a reprodução da pintura Aplicação do castigo de açoite, de Jean-Baptiste Debret ( ), e leia o poema Desenho de Debret, do livro Nova antologia poética, de Afonso Felix de Sousa. DEBRET, Jean-Baptiste. Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. 4.ed. Tradução Sérgio Milhet. São Paulo: Livraria Martins, 965. Tomo I, v. I e II. P. 45. Desenho de Debret Esmaecidos o ângulo da igreja, a cruz altaneira. Esmaecidos o casarão senhorial, os populares, o soldado, como se fora outro o mundo do outro lado da praça pública. De súbito ergue-se o açoite, ergue-se com dedos inflamados, que vibram no ar fazendo em volta um vivo colorido. E há então os escravos que amarrados aguardam o açoite, E há os já açoitados a lembrarem caveiras em transe, e há o escravo que açoita e um dia foi também açoitado, e usa de toda a força porque um dia será de novo açoitado. E há, antes de tudo, estas negras nádegas que sangram. SOUSA, Afonso Felix de. Nova antologia poética. Goiânia: Cegraf/UFG, 99. p. 98. Em seu texto, Afonso Felix, poeta brasileiro do século XX, interpreta poeticamente a pintura de Debret, artista plástico francês que registrou aspectos da realidade brasileira na primeira metade do século XIX. a) O poema evidencia uma divisão entre dois espaços físicos e sociais presentes no quadro. Transcreva o verso que sintetiza essa divisão. b) No desenho de Debret e na interpretação poética de Afonso Felix, é central um tema recorrente em uma das fases do Romantismo. Qual é esse tema e por que a sua representação poética e pictórica aproxima-se do Romantismo? a) O verso Como se fora outro o mundo do outro lado da praça pública divide o espaço físico e social. Comentário: De um lado, a Igreja e os Casarões senhoriais, representando as camadas ricas. De outro, a praça com a figura dos negros sofrendo os castigos corporais. b) A pintura de Debret e o texto de Afonso Felix de Sousa revelam a denúncia de caráter social centrada na figura do negro. Liga-se, portanto, ao tema da ª geração romântica denominada de social, condoreira e hugoana, com abordagem também centrada na figura do negro. 6

7 Questão 0 A peça Tarsila, de Maria Adelaide Amaral, e o conto Amor e morte na página dezessete, do livro O leopardo é um animal delicado, de Marina Colasanti, escritos no início e no final do século XX, respectivamente, exploram triângulos amorosos diferentes. a) Que papel a protagonista desempenha em cada triângulo? b) No que se refere à triangulação amorosa, de que modo das protagonistas rompem com a expectativa de comportamento feminino de suas épocas? Comentário da questão: A questão 0 traz um enunciado problemático. A obra Tarsila, de Maria Adelaide Amaral, não foi escrita no início do século XX. Subentende-se que o enunciado queira dizer que as obras são ambientadas no início e no final do século XX. a) Tarsila, protagonista da obra homônima, é traída pelo marido Oswald de Andrade, e Selena, do Conto de Marina Colasanti, é quem trai o marido. b) Ambas as protagonistas revelam um perfil de mulheres avançadas, feministas. Tarsila, por não se revelar como uma mulher submissa e que aceita passivamente a traição, decide romper a união com Oswald de Andrade. Selena adota um perfil avançado de mulher por assumir um papel que seria tipicamente masculino, o da traição. Questão A dissolução do alumínio metálico em ácido clorídrico produz hidrogênio gasoso conforme a reação química abaixo. Al + HCl AlCl + H ( s) ( aq) ( aq) ( g ) Um aparato foi construído para que todo gás produzido nessa reação química seja utilizado para mover um pistão em um cilindro contra uma pressão externa constante, conforme esboçado na abaixo. H HCl + Al Pistão - Cilindro A) Calcule o número de mols de H que serão produzidos pela dissolução completa de 70kg de alumínio no ácido a 00K. B) Calcule o trabalho mecânico (em Joules ) realizado pelo gás a 00K. Considere o hidrogênio um gás ideal. Dados: Constante universal dos gases Massa molar do Al é 7g/mol R 8,J/K mol A) Al( ) + HCl( ) AlCl s aq ( aq) + H ( g ) 70 0 n 7 mol de 4 Al = nal = 0 mols de Al 4 0 mols de Al,5mol de H Al x 7

8 4,5 0 mols x = de H B) τ= pv ( f Vi ) V0 = 0 τ= pvf Sabemos que PV = nrt, então: 4 τ=δ nrt =,5 0 8, 00 7 τ=,7 0 J Questão Considere a célula como uma esfera cuja membrana que separa o fluido extracelular do líquido no seu interior tem raio externo R e e raio interno R i e densidade superficial de cargas externa +σ e interna σ. A diferença de potencial entre o meio externo e o interno é denominada de potencial da membrana, o qual, na ausência de influências externas, como ocorre na maioria das células, permanece inalterado e por isso recebe a designação de potencial de repouso. Q e Q i R e R i A) Escreva a expressão das cargas das esferas em função de seus raios e da densidade superficial de cargas σ. B) Escreva a expressão para a diferença de potencial V = Ve Vi em função da densidade superficial de cargas σ e da espessura d = Re Ri, da membrana. C) Para uma espessura d = 90Å e um potencial de repouso de 70mV, qual é a densidade superficial de cargas σ da membrana, considerando que a constante dielétrica k da membrana é 0? A constante dielétrica é a constante relativa da permissividade elétrica do meio em relação à do vácuo dada por k = εε 0. Dados: Permissividade do vácuo -0 Å = 0 m A) Para a esfera externa: Qe 4 Re ( ) Q e > 0 Para a esfera interna: Q 4 R Q < 0 i =+ π σ ( ) = π ( σ ) ( ) i i ε 0 9,0 0 F m B) O potencial da esfera externa vale: ( Q + Q ) 4πR σ 4πR σ ( Re Ri ) e i e i Ve = = =σ 4σε R 4πε R ε R 0 e 0 e 0 e O potencial da esfera interna vale: Qe Qi 4πReσ 4πRi σ Vi = + = 4πε R 4πε R 4πε R 4πε R 0 e 0 i 0 e 0 i 8

9 σ V = R R ( ) i e i ε0 Observe que o potencial resultante em cada esfera é a soma algébrica dos potenciais criados por ambas as cargas independentemente. Assim: σ σ V = Ve Vi = ( Re Ri ) ( Re Ri) ε R ε ( ) 0 e 0 σ R + R V = R R e i e i ε0 Re σ R V = d, e como d Ri : R i ε0 e σ V d ε0 Observação: Poderíamos ter considerado o campo elétrico dentro da membrana uniforme desde o princípio, já que, a sua espessura é bem menor que seu raio. No entanto, teríamos com isso que aplicar a relação: σ U = d ε0 Válida para um capacitor plano de placas paralelas com densidade de cargas σ, o que não parece ser o caminho esperado pela banca. C) Dado V = 70mV e d = 90Å, e sabendo que, ε= kε 0 : d Considerando: V = σ k ε 0 0 σ = C σ = 70 m Questão O microscópio ótico é composto de duas lentes convergentes, de aumentos lineares transversais deferentes, dispostas de forma a produzirem imagens ampliadas de objetos muito pequenos, como as células vivas e as bactérias. Na construção do instrumento foi utilizada uma lente objetiva (próxima do objeto) com distância focal de 4,0mm e uma lente ocular (próxima do olho do observador) com distância focal maior. A disposição das lentes foi feita conforme a figura esquemática fora de escala onde é mostrada a posição da imagem () l conjugada pela objetiva. Considerando que a imagem virtual conjugada pela ocular será vista a 40mm da lente, calcule: Observador foc 76 mm,0 mm ( I ) foc fob fob Lente ocular Lente objetiva Objeto sobre a lâmina 9

10 A) a posição do objeto em relação à objetiva; B) o aumento linear transversal da objetiva; C) a distância focal da lente ocular; D) o aumento linear transversal do instrumento; E) o tamanho do objeto se a imagem vista pelo observador corresponde a 4,0mm. a) Observe a figura. Nela chamamos a objetiva de L e para ela podemos escrever: = +, portanto: f d d d o o i = d o d o ( ) = 4 64 = 4,mm b) i di 64 A = = = = 40 o d 4, o c) Considerando que a imagem virtual conjugada pela ocular será vista a 40 mm da lente (a 40 mm da ocular): = f 40 f =,6mm d) O aumento linear transversal total de: d i d i A= Aob Aoc = = d o d = 800 o 4, e) i 4 A = = = 800 o = 0,005mm = 5μ m o o Questão 4 A chamada equação dos fabricantes de lentes (equação de Halley) permite determinar os elementos geométricos de uma lente de n e o meio em que a lente faces esféricas, uma vez conhecidos a distância focal da lente ( f ), os índices de refração da lente ( ) está ( n ). Esta equação é a seguinte: n = + f n R R 4 Considere uma lente de distância focal f = 4cm, com índice de refração n =, imersa no ar, e admita que a velocidade da luz no ar é igual à velocidade no vácuo. Se a espessura da lente é de cm e a distância entre os centros ( C e C ) é de 5cm, determine os raios R e R. 0

11 cm R C C R Da equação de Halley e sabendo que n = : n f n R R = + 4 = + 4 R R = + 4 R R 4 R + R = R R () Da figura dada podemos escrever: R+ R = 5 R + R = 6 (): De () e (): 6 = 4 R 6 R ( ) R = ou R = 4 Voltando em (): R = cm R = 4cm R = 4cm R = cm Questão 5 A secretária de Vigilância da Saúde, do Ministério da Saúde brasileiro, publicou um manual sobre procedimentos de enfermagem para o atendimento ao paciente com suspeita de dengue. Esse manual indica a prova do laço como um exame obrigatório em todos os casos suspeitos de dengue. Para a aplicação dessa prova, deve-se obedecer aos seguintes procedimentos: I. Desenhar um quadrado de,5cm de lado (ou uma área ao redor da falange distal do polegar) no antebraço da pessoa e verificar a pressão arterial (deitada ou sentada); II. Calcular o valor médio entre a pressão arterial sistólica e a pressão arterial diastólica; III. Insuflar novamente o manguito até o valor médio e manter por cinco minutos em adultos (em crianças, minutos) ou até o aparecimento de petéquias ou equimoses (pequenas manchas vermelhas na pele); IV. Contar o número de petéquias no quadrado. A prova será positiva se houver 0 ou mais petéquias em adultos e 0 ou mais em crianças. Brasil.Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretoria Técnica de Gestão. Dengue: manual de enfermagem adulto e criança. Brasília: Ministério da Saúde, 008.p.. (Adaptado)

12 Considere estas informações, para responder ao que se pede. a) Na realização desse exame, utilizou-se o polegar para traçar a área na qual seriam contadas as petéquias. O desenho traçado tinha o formato aproximado de um semicírculo justaposto a um quadrado, como mostra a figura a seguir. Calcule e raio aproximado desse semicírculo para que a área da região formada pelo quadrado e o semicírculo seja igual à área de um quadrado de lado,5cm. b) Ao se realizar a prova do laço em um adulto, foi utilizado, por engano, um quadrado de lado 5cm. Considerando que a quantidade de petéquias por cm determina se o resultado do exame é positivo ou negativo, determine a quantidade mínima N que devem ser contadas, neste caso, para que o exame dê resultado positivo. de petéquias ( ) a) Cálculo da área S de um quadrado de lado,5cm : ( ),5cm 6,5cm S = = () Seja R o raio do semicírculo da figura abaixo R R ( ) π π () S = R + R = R + 4 De () e (): R π + 4 = 6,5cm Fazendo π,4 :,4 R + 4 6,5cm R 5,75 6, 5cm R, 04cm b) Um quadrado de lado 5cm tem área igual a quatro vezes a área de um quadrado de lado,5cm. Logo, o número de petéquias nessa nova prova do laço também deve ser quatro vezes o número da prova estabelecida no procedimento descrito no enunciado. Do exposto: N = 4 0= 80

13 Questão 6 A figura abaixo representa duas circunferências, C e C, dispostas simetricamente em relação ao eixo x, com raio r = cm e centros nos pontos ( ) 0, O = e ( ) O = 0,, respectivamente. y C O A B D x O C C Considere um ponto qualquer A C e o ponto C C, simétrico a A, em relação ao eixo x. O segmento AC é a diagonal do quadrado ABCD, perpendicular ao eixo x. Diante do exposto, a) determine as coordenadas dos vértices do quadrado ABCD que possui área máxima; b) calcule a área do quadrado ABCD em função do ângulo α, indicado na figura. a) A área máxima do quadrado ABCD é obtida quando sua diagonal também é máxima, ou seja, os pontos A e C estão o mais distante possível. Como A e C estão sobre C e C e são simétricos em relação ao eixo x, devemos ter: A = ( 0, 4) e C = ( 0, 4) Por simetria, B = ( 4,0) e D = ( 4,0). b) Cálculo das ordenadas de A e de C : y A = cosα= cosα y = + cosα= + cosα C y y A A x y C C Seja d a distância de A até C :

14 ( ) d = y y = cosα + cosα A C d = 6 cosα Lembrando que d é a diagonal do quadrado ABCD e denominando S sua área: ( α) d d d 6 cos S = = = ( ) S = cosα Função que confirma o que fizemos no item a, pois S é máxima para cosα =, ou seja, º DIA - GRUPO I α =π+ kπ, k. Questão A fermentação faz parte do processo industrial de produção de etanol, a partir da cana-de-açúcar. Nesse processo, ocorre a liberação de dióxido de carbono, cujo monitoramento pode ser feito por borbulhamento desse gás em uma solução aquosa de hidróxido de bário, produzindo um precipitado branco. Considerando estas informações: A) Escreva a equação química que representa a formação do precipitado. B) Sabendo-se que o Kps do precipitado formado é 8, 0 9, qual a concentração dos íons formados? CO + Ba OH BaCO + H O. A) ( g ) ( ) ( ) ( s) ( l) aq + B) BaCO ( ) Ba ( ) + CO s aq ( aq) smol/l smol/l smol/l ( ) ( ) Kps = Ba CO = s s = s + s = Kps = = mol/l + 5 Assim Ba = CO = 9 0 mol/l. Questão A hemodiálise é um processo de remoção de substâncias do sangue de pessoas com insuficiência renal, realizada através de um aparelho, o dialisador, como mostra o esquema simplificado a seguir: local II dialisado local IV sangue do paciente dialisador membrana semipermeável local I dialisado local III sangue do paciente 4

15 Considere as seguintes substâncias presentes no sangue e no dialisador: K +, Na +, Cl e HCO. A) Identifique em quais locais do esquema a concentração destes sais é maior. B) Identifique e explique o fenômeno físico-químico que está atuando no dialisador. A) Observando o esquema proposto pode-se chegar às seguintes conclusões: Local III (sangue do paciente antes da diálise) maior concentração dos íons K +, Na +, Cl e HCO. Local IV (sangue do paciente após a diálise) menor concentração de íons no sangue em relação ao local III. Local II solução do dialisador antes de receber os íons do sangue. Local I solução do dialisador após o contato com o sangue através da membrana. Assim, no circuito do sangue a concentração de íons é maior em III, e no circuito do dialisador a concentração de íons é maior em I. B) O dialisador atua removendo os íons do sangue por difusão. Essa máquina contém uma membrana semipermeável constituída geralmente de papel celofane, sob a forma de serpentina ou folhas paralelas. O sangue flui por um lado da membrana enquanto uma solução de diálise adequada o conecta pelo outro lado, conforme o esquema fornecido. As substâncias tendem a difundir do líquido em que se encontram em maior concentração para o líquido em que se encontram em menor concentração. Portanto, se a concentração de uma substância for maior no plasma que no líquido dialisador, haverá transferência da substância do plasma para o líquido dialisador com a conseqüente filtração seletiva dos íons (diálise). Questão O teor de vitamina C em amostras pode ser determinado através de titulação com solução de iodo, o qual é reduzido a ânions iodeto, conforme equação química a seguir: + CHO I CHO I + H A solução titulada torna-se azul quando toda vitamina C tiver reagido. A) Represente o equipamento necessário para realizar esse experimento. B) Determine a massa, em mg, de vitamina C em uma amostra que consumiu, 0 ml de solução de iodo a % ( / ) mv. A) Bureta - Solução de I ( solução titulante) Suporte Universal Erlenmeyer - Solução a ser titulada ( solução de vitamina C) B) Determinando a massa de I que reagiu na solução padrão, tem-se: g de I 00mL solução x ml de solução x = 0,0g de I. Pela equação balanceada, pode-se determinar a relação estequiométrica entre a vitamina C e o I : + CHO I CHO I + H. 5

16 mol de CHO mol de I 76g 5,8g y 0,0g Questão 4 y = 0,008g de CHO = 0,8mg de CHO Um laboratório recebeu três cilindros de gás com as seguintes especificações medidas a 5º C : pressão de 9,778 atm e volume de 5m. Sabendo que o cilindro A contém nitrogênio, o B contém argônio e o C contém 5kg de um gás desconhecido, pergunta-se: A) Qual é a massa de gás contida nos cilindros A e B? B) Qual é o gás contido no cilindro C, sabendo-se que sua fórmula molecular contém apenas C e H? Dados: R = 0,08atm LK mol A) N Ar Gás desconhecido A B C Pela lei da Avogadro pode-se afirmar que o número de mol de gases nos três cilindros é o mesmo, já que estão confinados em cilindros de mesmo volume e a uma mesma temperatura e pressão. Assim, pode-se calcular a massa de N em A e a massa de Ar em B. Cilindro A mrt.. PV. = nrt.. = M 9,778 atm 5000L 8 g m = atm L 0,08 98K mol K mol m = 5600,6 g de N m 56kg de N Cilindro B mrt.. PV. = M 9,778 atm 5000L 9,9g mol m = atm L 0,08 98K K mol m = 7989,8 g de Ar m 79,8kg de Ar B) Conhecendo a massa do gás presente em cilindro C pode-se determinar sua massa molar. mrt.. PV = nrt.. = M 5000g 0,08atm L 98K M = = 5,99g/mol 6g/mol 9,778atm 5000L K mol Como o composto contém apenas carbono e hidrogênio e sua massa molecular é igual a 6u, a única possibilidade para sua fórmula molecular é CH. Questão 5 A teoria da repulsão por pares de elétrons da camada de valência ( VSEPR ) é um modelo para previsão da estrutura tridimensional das moléculas. Considere as moléculas de NH e de H O. A) Determine suas geometrias moleculares, considerando os pares de elétrons não-ligantes. B) Estime os ângulos de ligação dos pares de elétrons ligantes e justifique sua resposta. 6

17 A) NH (amônia) H N H H Geometria = piramidal HO (água) H O B) Ângulos H Geometria = angular H N H 07 H Teórico = 09º 8' Real (aproximado)=07º O H 05 H Teórico = 09º 8' Real (aproximado)=05º Os ângulos verdadeiros estimados são menores por causa da repulsão entre os pares eletrônicos dos elétrons (não-ligantes e ligantes) Obs.: Considerando a distribuição dos pares eletrônicos ligantes e não ligantes da camada de valência, ter-se-á um arranjo espacial tetraédrico em ambos os casos. Questão 6 A cromatografia em coluna é um processo de separação baseado na interação intermolecular de substâncias com as fases estacionária e móvel. Considere um experimento em que o fator determinantes é a interação entre a fase estacionária (sílica gel) e as substâncias fenol e naftaleno, representadas a seguir: Si O H Si O H O O H Si Si O O O Si sílica gel OH fenol naftaleno Determine a seqüência em que os compostos sairão da coluna cromatográfica e justifique sua resposta. 7

18 fenol OH OH OH OH Silica Coluna cromatográfica naftaleno OH OH OH Silica O fenol é atraído mais intensamente pela sílica devido a formação de ligações de hidrogênio (pontes de hidrogênio). O naftaleno praticamente não sofre atração, por ser uma substância apolar. Assim, o naftaleno passará mais rapidamente pela coluna cromatográfica. º DIA - GRUPO III e IV Questão Uma empresa fabrica dois tipos de produtos, P e P. No mês em que ela obteve o maior faturamento com a fabricação desses dois produtos, a razão entre a quantidade produzida do produto P e o total produzido foi igual a 0,7. Considerando que nesse mês a empresa produziu.500 unidades do produto P, calcule a quantidade produzida do produto P. P Quantidade Total de produtos T P Quantidade Total de produtos P Quantidade Total de produtos P = P + P () T P 0,7 P = () T P = 500 unidades () Substituindo () e () na equação (), tem-se: PT = 0,7 PT ,8 P T = 500 P T = 500 unidades Voltando em (): P = 0,7 P T P = 0,7 500 P = 9000 unidades 8

19 Questão O resultado de uma eleição para prefeito, na qual concorriam os candidatos A, B, C e D, foi apresentado em um jornal, segundo o gráfico a seguir. O gráfico apresenta o resultado da eleição contabilizando somente os votos válidos (total de votos menos a quantidade de votos brancos e nulos). Eleição para prefeito/008 Votos válidos (em %) Legenda Candidato A (78,6%) Candidato B (4,%) Candidato C (4,%) Candidato B (,8%) No decorrer da notícia, ao enfocar o resultado do candidato eleito, o texto informava que o candidato A recebeu 74,67% do total de votos. Com base nessas informações, calcule a porcentagem de votos brancos e nulos dessa eleição, em relação à quantidade total de votos. Sejam: NA: número de votos do candidato A. NT : número total de votos. X : número de votos brancos e nulos. Equacionando: NA= 74,67% NT = 0,7467 NT () ( ) NA = 78,6% NT X = 0,786NT 0,786X () De () e (): 0,7467NT = 0,786NT 0,786X 0,786 X = 0,09 NT 0,09 X = NT 0,786 X = 0,05 NT X = 5% NT Portanto, 5% é a porcentagem pedida. Questão O CPTEC/INPE (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) faz uma previsão de chuva em determinada cidade, indicando em cada dia a probabilidade de ocorrência de um volume de chuva acima de 5 mm. A tabela a seguir mostra essas probabilidades para quatro dias, na cidade de Goiânia. Dia Dia Dia Dia Probabilidade Considere que a probabilidade de chover em determinado dia é independente da ocorrência ou não de chuva nos demais dias apresentados na tabela acima e calcule a probabilidade de não chover acima de 5 mm em cada um dos quatro dias. 9

20 Sejam P, P, P e P4 as probabilidades de não chover acima de 5 mm em cada um dos dias,, e 4, respectivamente: 0 70 P = = P = = P = = P4 = = Questão 4 A figura A mostrada abaixo representa um copo na forma de um tronco de cone reto, cujos raios das bases são R e R e cuja geratriz tem comprimento L. Ao rolar esse copo sobre uma superfície horizontal, sem escorregar, ele descreve uma coroa circular, conforme a figura B apresentada abaixo. Figura A Figura B R L R Obtenha uma expressão para a área de coroa circular descrita pelo copo na Figura B, em função dos raios das bases e da geratriz do tronco de cone. Figura Figura x R L x L x R Da Figura () temos: Raio do círculo maior, RMA = x+ L; Raio do círculo menor, R = x. Da Figura () temos: x = x+ L x= R L R R L ME = R R R R R R ME ( ) ( ) Cálculo do raio do círculo maior: R L R L RMA = L+ x= L+ RMA = R R R R Seja Acc a área perdida: ( ) ( ) 0

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Processo Seletivo

Processo Seletivo Processo Seletivo 2009-1 GRUPO 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO Língua Portuguesa UFG CADERNO DE QUESTÕES 14/12/2008 Literatura Brasileira Física Matemática SÓ

Leia mais

Processo Seletivo 2009-1

Processo Seletivo 2009-1 Processo Seletivo 2009-1 GRUP 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GIÁS PRÓ-REITRIA DE GRADUAÇÃ CENTR DE SELEÇÃ Química SÓ ABRA QUAND AUTRIZAD 1. Após autorização, verifique se este caderno está completo ou se contém

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

Prova para Classificação de Bolsas 2013. Identificação do Candidato

Prova para Classificação de Bolsas 2013. Identificação do Candidato PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DOUTORADO ASSOCIAÇÃO AMPLA UEL/UEPG/UNICENTRO Prova para Classificação de Bolsas 2013 Identificação do Candidato Nome: Data: 07/03/2013. Candidato N o : Prezado (a)

Leia mais

Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo.

Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo. Capacitores e Dielétricos Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo. Imaginemos uma configuração como a de um capacitor em que os

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Projeto Minha Identidade

Projeto Minha Identidade Projeto Minha Identidade Esta apostila é a primeira a ser desenvolvida com as crianças do Espaço Voar e tem como objetivo fortalecer o senso de identidade da criança como indivíduo, oferecendo situações

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (,0 pontos) Avaliador evisor Vários fenômenos físicos podem ser explicados pela propagação retilínea da luz em meios homogêneos. Essa hipótese é conhecida como o modelo do raio luminoso da

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

IN EXTREMIS. * Nota do organizador. É de notar que o poema foi escrito com o autor ainda moço.

IN EXTREMIS. * Nota do organizador. É de notar que o poema foi escrito com o autor ainda moço. IN EXTREMIS Nunca morrer assim! Nunca morrer num dia Assim! de um sol assim! Tu, desgrenhada e fria, Fria! postos nos meus os teus olhos molhados, E apertando nos teus os meus dedos gelados... E um dia

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

Simulado OBM Nível 2

Simulado OBM Nível 2 Simulado OBM Nível 2 Gabarito Comentado Questão 1. Quantos são os números inteiros x que satisfazem à inequação? a) 13 b) 26 c) 38 d) 39 e) 40 Entre 9 e 49 temos 39 números inteiros. Questão 2. Hoje é

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

Hoje estou elétrico!

Hoje estou elétrico! A U A UL LA Hoje estou elétrico! Ernesto, observado por Roberto, tinha acabado de construir um vetor com um pedaço de papel, um fio de meia, um canudo e um pedacinho de folha de alumínio. Enquanto testava

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Pelo princípio da independência dos movimentos, na horizontal, temos: V. = 0, o corpo se comporta como em queda livre, por isso: F g.

Pelo princípio da independência dos movimentos, na horizontal, temos: V. = 0, o corpo se comporta como em queda livre, por isso: F g. Questão 01 008 Um astronauta, de pé sobre a superfície da Lua, arremessa uma pedra, horizontalmente, a partir de uma altura de 1,5 m, e verifica que ela atinge o solo a uma distância de 15 m. Considere

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton.

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton. CAPÍTULO 8 As Leis de Newton Introdução Ao estudarmos queda livre no capítulo cinco do livro 1, fizemos isto sem nos preocuparmos com o agente Físico responsável que provocava a aceleração dos corpos em

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Refletindo sobre a digestão

Refletindo sobre a digestão Atividade de Aprendizagem 6 Refletindo sobre a digestão Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Ser humano e saúde Tema Obtenção, transformação e utilização de energia pelos seres vivos Conteúdos Sistema

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos F.02 Espelhos Planos e Esféricos 2º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Lista 04 Questão 01) Obedecendo às condições de Gauss, um espelho esférico fornece, de um objeto retilíneo de

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA Prova boa, com questões claras e nível superior ao do ano passado. Nota-se, no entanto, a falta de uma revisão criteriosa, feita por algum professor da área, que não tenha

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. x v média. t t. x x

TIPO-A FÍSICA. x v média. t t. x x 12 FÍSICA Aceleração da gravidade, g = 10 m/s 2 Constante gravitacional, G = 7 x 10-11 N.m 2 /kg 2 Massa da Terra, M = 6 x 10 24 kg Velocidade da luz no vácuo, c = 300.000 km/s 01. Em 2013, os experimentos

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS

UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS Frutos-1 Impact0 LIÇÃO 12 VIVENDO A VIDA COM DEUS UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS 9-11 Anos HISTÓRIA BÍBLICA João 1:12; I Pedro 3:15, 18 A Bíblia nos ensina

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Resolução Comentada - Química

Resolução Comentada - Química Resolução Comentada - Química UFTM 2013 1 Fase Vestibular UFTM 2013 1 Resolução Prova de Química Tipo 1 Questão 76 A soja é considerada um dos alimentos mais completos em termos de propriedades nutricionais,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA UFJF CNCURS VESTIBULAR 2011-2 GABARIT DA PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA Questão 1 Sabe-se que compostos constituídos por elementos do mesmo grupo na tabela periódica possuem algumas propriedades químicas semelhantes.

Leia mais

FÍSICA - Grupos H e I - GABARITO

FÍSICA - Grupos H e I - GABARITO 1 a QUESTÃO: (,0 pontos) Avaliador Revisor Um sistema básico de aquecimento de água por energia solar está esquematizado na figura abaixo. A água flui do reservatório térmico para as tubulações de cobre

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

Leis Históricas da Estequiometria

Leis Históricas da Estequiometria Estequiometria A proporção correta da mistura ar-combustível para o motor de uma carro de corrida pode ser tão importante quanto a habilidade do piloto para ganhar a corrida. As substâncias químicas, como

Leia mais

A 'BC' e, com uma régua, obteve estas medidas:

A 'BC' e, com uma régua, obteve estas medidas: 1 Um estudante tinha de calcular a área do triângulo ABC, mas um pedaço da folha do caderno rasgou-se. Ele, então, traçou o segmento A 'C' paralelo a AC, a altura C' H do triângulo A 'BC' e, com uma régua,

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32 QUÍMICA Questão 3 Em 9,9 g de um sal de cálcio encontra-se 0,5 mol desse elemento. Qual a massa molar do ânion trivalente que forma esse sal? Dado: Ca 40 g/mol. (A) 39 g/mol. (B) 278 g/mol. (C) 63,3 g/mol.

Leia mais

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão.

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão. QUÍMICA QUESTÃ 01 Aparelhos eletrônicos sem fio, tais como máquinas fotográficas digitais e telefones celulares, utilizam, como fonte de energia, baterias recarregáveis. Um tipo comum de bateria recarregável

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

ɸ E = ΣE.A (5) 14/04/2015. Bacharelado em Engenharia Civil. Física III

ɸ E = ΣE.A (5) 14/04/2015. Bacharelado em Engenharia Civil. Física III Bacharelado em Engenharia Civil Física III Prof a.: M.Sc. Mariana de Faria Gardingo Diniz FLUXO DE CAMPO ELÉTRICO Imagine que as linhas de campo da figura abaixo representem um campo elétrico de cargas

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

Duplo sentido e ironia / Maria Irma Hadler Coudry. Caro Aluno:

Duplo sentido e ironia / Maria Irma Hadler Coudry. Caro Aluno: 1 Caro Aluno: Essa atividade pós-exibição é a quinta, de um conjunto de 7 propostas, que têm por base o primeiro episódio do programa de vídeo Viagem ao cérebro. As atividades pós-exibição são compostas

Leia mais

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNICAMP Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS Professores responsáveis: Prof. Dr. Adriana Vitorino Rossi Prof. Márcia Zanchetta

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4 Lei de Gauss Considere uma distribuição arbitrária de cargas ou um corpo carregado no espaço. Imagine agora uma superfície fechada qualquer envolvendo essa distribuição ou corpo. A superfície é imaginária,

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP CURSO: Agronomia DISCIPLINA: Química Geral ASSUNTO: Soluções e Unidades de Concentração 1 1. TIPOS MAIS COMUNS DE SOLUÇÃO Solução

Leia mais

Copie as questões abaixo uma a uma e vá respondendo.(deixe espaço para separar as questões)

Copie as questões abaixo uma a uma e vá respondendo.(deixe espaço para separar as questões) Senhores Pais e/ou Responsáveis, Estamos encaminhando as tarefas para realização durante o recesso da Copa, para que seu filho não perca a continuidade do desenvolvimento, tendo em vista que logo teremos

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

B) (até três pontos) Para os pares de espécies apresentados em i, ii e iii, tem-se, respectivamente, Al +, F - e Li.

B) (até três pontos) Para os pares de espécies apresentados em i, ii e iii, tem-se, respectivamente, Al +, F - e Li. Química 1. O raio atômico (ou iônico) é uma propriedade periódica que exerce grande influência na reatividade dos átomos (ou dos íons). A) Explique, em termos de carga nuclear efetiva, a variação apresentada

Leia mais

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA REVISÃO QUÍMICA Profº JURANDIR QUÍMICA DADOS 01. (ENEM 2004) Em setembro de 1998, cerca de 10.000 toneladas de ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) foram derramadas pelo navio Bahamas no litoral do Rio Grande

Leia mais

Lista de exercícios 15 Transformações gasosas

Lista de exercícios 15 Transformações gasosas Lista de exercícios 15 Transformações gasosas 01. Desenhe a curva correspondente (numa dada temperatura) para a transformação isotérmica, explique o porquê desta denominação. 02. Desenhe a curva correspondente

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA 2 1 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 Pg.756-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 3 Separação Química Princípios de uma separação. Uma mistura

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

Bom trabalho! DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL. SÉRIE: 2 a EM NOME COMPLETO:

Bom trabalho! DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL. SÉRIE: 2 a EM NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FÍSICA PROFESSOR: Erich/ André DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2 a EM Circule a sua turma: Funcionários: 2 o A 2ºB Anchieta:2 o NOME COMPLETO:

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1 MAT 01167 Equações Diferenciais LISTA Resolva: 1. x y y = x sen x. y + y tan x = x sen x cos x, y0) =. x + 1) dy dx x y = 1 4. y = e x + y 1, y0) = 1 5. x y + x + x + ) dy dx = 0 ) x 6. Resolva a equação

Leia mais

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36 MATEMÁTICA Se Amélia der R$ 3,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia. Se Maria der um terço do que tem a Lúcia, então esta ficará com R$ 6,00 a mais do que Amélia. Se Amélia perder a metade

Leia mais

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 11 Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 4 ), para que a água esteja em conformidade com

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais