O ICMS E OS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DESTINADOS AO EXTERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ICMS E OS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DESTINADOS AO EXTERIOR"

Transcrição

1 O ICMS E OS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DESTINADOS AO EXTERIOR Sonia Maria de Oliveira Pirajá 1 1-Introdução 2- Breve digressão histórica 3- Serviços de comunicação destinados ao exterior posições doutrinárias 4- Sistema tributário e a denominação econômica 5- Conceito de prestação de serviço nas telecomunicações 6- Os serviços de comunicação na modalidade longa distância e a EC nº 42/03 7- Telecomunicações como serviço redes e sistemas 8- Responsabilidade pelo recolhimento. 9- Considerações finais. 1. INTRODUÇÃO Os serviços de comunicação experimentaram, ao longo dos últimos anos, uma transformação estrutural, cuja essência situa-se no rompimento da idéia monopolista na exploração dessa atividade, dando lugar à exploração em regime de competição privada, ensejando o surgimento de grandes operadoras de serviços de telecomunicações, tanto na telefonia local como de longa distância. Viu-se, assim, a passagem das telecomunicações como monopólio público para a esfera de concorrência regulada, atribuindo aos particulares o direito de exercício dessas atividades, mediante concessões, permissões ou autorizações, sob permanente controle estatal. 1 Procuradora do Estado de São Paulo desde 1991, em exercício na Procuradoria Fiscal, Especialista em Direito Tributário pela PUC/SP, Especialista em Direito do Estado pela Escola Superior da Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, Monitora em Direito Tributário junto à Escola Superior da PGE Tributário, 1

2 Assim, as empresas de telecomunicações angariaram largo espaço de atuação e obtenção de receitas; criaram mecanismos de execução e comercialização de suas atividades, baseadas em redes de serviços de telecomunicações alheias, conjuntamente com suas próprias redes. Na mesma proporção passaram a responder por considerável cifra na arrecadação do ICMS. No entanto, os Estados estão enfrentando inúmeras controvérsias sobre a tributação incidente nas telecomunicações, especialmente no que tange à modalidade de longa distância, discutindo-se: (i) a hipótese de incidência do ICMS na prestação de serviços de comunicações iniciados no Brasil e concluídos no exterior; (ii) se as prestadoras locais, utilizando-se de redes comutadas de terceiros, responderiam por esse tributo. Desta forma, o objeto do presente estudo é examinar a incidência do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os serviços destinados ao exterior, tendo em vista o art. 155, 2º, X, a da CF, com nova redação dada pela EC nº 3, de e EC nº 42, de , bem como o art. 3º, II e 32 da LC nº 87/96. Palavras chave: ICMS na modalidade longa distância, responsabilidade pelo imposto, exploração industrial. 2. BREVE DIGRESSÃO HISTÓRICA A Constituição Federal previu a competência dos Estados para instituir imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior ( art. 155, II da CF/88). No art. 155, 2º, inciso X, alínea a, da CF/88, estabeleceu-se que o ICMS não incidiria sobre as operações que destinassem ao exterior produtos industrializados (excluídos os semi-elaborados definidos em Lei Complementar) sem fazer nenhuma menção aos serviços de comunicação. No entanto, ao dispor no inciso XII do par. 2º do art. 155, que a Lei Complementar definiria os elementos de incidência do ICMS, a CF/88 possibilitou a exclusão da incidência do imposto à exportação de serviços para o exterior. 2

3 Com fundamento no art. 34, par. 8º do ADCT da CF/88 sobreveio o Convênio ICM nº 66/88, que estabeleceu todas as regras necessárias à incidência do imposto, sem, no entanto, dispor sobre a não-incidência do ICMS nas exportações de serviços ao exterior. Na vigência desse Convênio, foi editado outro Convênio (nº 04, de ), onde, na cláusula terceira, determinou o recolhimento do Estado em que situasse o equipamento terminal da operadora. Seguindo essa sistemática, em , foi editado o Convênio ICMS nº 27/94, determinando a redução da base de cálculo do ICMS na prestação de serviços de telecomunicações internacionais para 13% (treze por cento). Finalmente em , editou-se a LC nº 87/96, que dispôs: Art. 3º O imposto não incide sobre: (...) II operações e prestações que destinem ao exterior mercadorias, inclusive produtos primários e produtos industrializados semi-elaborados, ou serviços: (...) Art. 32. A partir da data da publicação desta Lei Complementar: I o imposto não incidirá sobre operações que destinem ao exterior mercadorias, inclusive produtos primários e produtos industrializados semi-elaborados, bem como sobre prestações de serviços para o exterior. Em 1998, sobreveio outro Convênio (nº 126), revogando o Convênio ICMS 04/89, ao dispor sobre questões relativas à incidência do ICMS nos serviços de comunicações. Da mesma forma o Convênio nº 07/2000, revogou a redução da base de cálculo imposta nas ligações internacionais. Feita esta breve digressão, temos que a matéria está veiculada, na atualidade, perante as regras do art. 3º, inciso II, e 32, inciso I, da LC nº 87/96, em consonância com a regra matriz de competência estatuída no nosso texto constitucional ( art. 155, II e X, a da CF/88), com nova redação dada pela EC nº 3, de e EC nº 42, de

4 3- SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DESTINADOS AO EXTERIOR POSIÇÕES DOUTRINÁRIAS O tema em questão é objeto de divergências doutrinárias, onde a primeira corrente chamada de subjetiva sustenta a aplicação desses dispositivos somente se e quando o tomador do serviço de comunicação (o contratante e não o destinatário da ligação) estivesse localizado no exterior. Por sua vez a segunda corrente, denominada de objetiva, aduz em seu abono, a aplicabilidade desses dispositivos também quando o tomador estivesse aqui situado e sua ligação destinasse ao exterior. A primeira corrente, subjetiva, encontra seu fundamento de validade no aspecto subjetivo e geográfico, ou seja, o ponto situado no exterior vale apenas para caracterizar o serviço como de longa distância internacional. Isto porque o tomador do serviço está se servindo de uma linha telefônica situada no Brasil, e a operadora coloca à disposição os meios necessários para que a comunicação se estabeleça e o usuário dela se utiliza, independentemente se este está no País ou fora dele. Seguindo essa corrente a Procuradoria da Fazenda Nacional editou o Parecer PGFN-CAT nº 381, de , a saber: (...) não podemos dizer que há uma prestação de serviço destinada ao exterior. A ligação telefônica é que tem como destinatário alguém fora do território nacional, mas essa prestação se dá internamente. O tomador do serviço é quem está utilizando a linha telefônica paga, no Brasil, mais especificamente na unidade federada de onde a ligação é originária, o valor correspondente a toda prestação e à empresa ( ou empresas já que, dependendo da origem da ligação, ela pode ser efetivada pelas diferentes companhias telefônicas que exploram internamente os serviços de comunicações) operadora, que coloca a disposição do usuário todo o aparato para que a comunicação ocorra, presta um serviço ao tomador que está localizado no País. O destinatário da ligação não participa desta relação jurídica, então formada entre tomador e prestador do serviço de comunicação, nem lhe é prestado qualquer serviço. A referência feita quanto ao ponto situado no exterior vale apenas para caracterizar o serviço como 4

5 longa distância internacional, pois somente quando houver a interligação entre dois pontos situados, um no Brasil, e outro no exterior, a comunicação se realiza. Já a segunda corrente, nominada de objetiva, parte do pressuposto de que a LC nº 87/96, no art. 3º, inciso II, impede a incidência do ICMS, que a matéria é exclusivamente jurídica e não econômica. Neste sentido Ives Gandra da Silva Martins: 2 como se percebe, os dois serviços (transportes e comunicações) sujeitos ao ICMS, mesmo que iniciados no Brasil, se concluídos no exterior, não estão sujeitos ao ICMS. Tanto o transporte que inicia no País e é concluído no exterior, quanto a comunicação cujo usuário final está no exterior, não podem estar sujeitos ao ICMS (...) E, a partir da LC nº 87/96, quanto aos serviços iniciados no Brasil e concluídos no exterior, o próprio art. 3º, inciso II, impede a incidência do ICMS, repitase, sobre os únicos dois serviços outorgados à competência impositiva dos Estados No entanto, a interpretação que está sendo dada com fito de excluir a incidência do ICMS na prestação de serviços de comunicação internacional encontra obstáculos nas premissas básicas do sistema tributário brasileiro e que serão de forma sintética a seguir abordadas. 4. SISTEMA TRIBUTÁRIO E A DENOMINAÇÃO ECONÔMICA A primeira premissa que podemos extrair do nosso sistema tributário é a unidade do sistema onde as entidades políticas federadas não são só autônomas, mas integrantes da República Federativa. Isto ocorre porque as normas nacionais valem para todo o território nacional, alcançando todas as pessoas que nele estejam e que são de cumprimento obrigatório pelos Estados, Municípios, Distrito Federal e Territórios. 3 Ainda, como complemento dessa unidade, encontramos uma hierarquia de leis tributárias e a não admissibilidade de invasão de competência tributária ou subtração de receitas por meio de isenções não autorizadas. 2 Revista Dialética de Direito Tributário n. 73/159 5

6 A outra premissa básica do sistema tributário nacional é a discriminação constitucional de rendas tributárias através de impostos denominados pelo seu objeto econômico. De fato, os impostos no sistema tributário nacional são denominados por expressões econômicas, fundamentadas em figuras da microeconomia. A nomenclatura dos impostos deixou de ser jurídica (de termos jurídicos) para ser econômica (de termos econômicos), como se vê agasalhado na forma de agrupamento dos impostos no nosso sistema tributário, a exemplo, impostos sobre patrimônio e renda; impostos sobre produção e circulação e etc. Daí o primeiro contraponto na interpretação sobre a matéria, com referência ao ICMS na prestação de serviços de comunicação, onde vê-se que o objeto relevante é o fator econômico e não definição exclusivamente jurídica. Sob a perspectiva do direito financeiro, tributo é uma receita derivada, que advém do patrimônio do particular para fazer frente às despesas do Estado. Assim, já nos ensinava Geraldo Ataliba a receita derivada provém do patrimônio do particular. É o tributo. 4 Do acima exposto temos que o sistema constitucional tributário é sem dúvida um sistema de tributação, onde a própria Constituição aponta as competências tributárias privativas de cada pessoa política. Isso significa que nenhuma norma infraconstitucional, pode ir além ou aquém dos marcos constitucionais. Roque Antonio Carrazza preleciona que por exigência do princípio federativo, nem a União pode invadir a competência tributária dos Estados, nem estes a da União... é defeso apossarem das competências tributárias uns dos outros. Demais disso, a União não pode estipular nem mesmo por meio de lei como os Estados exercitarão suas 3 OLIVEIRA, Regis Fernandes: HORVATH Estevão. Manual de direito financeiro. 5. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p OLIVEIRA, Regis Fernandes: HORVATH Estevão. Manual de direito financeiro. 5. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p

7 competências tributárias, que este é tema acerca do qual eles próprios, com a autonomia que possuem, devem decidir. 5 Somando-se essas assertivas, vê-se que sob o aspecto material a lei complementar há de ficar circunscrita a determinadas matérias, com exclusão de outras. Essa posição já foi externada pelo STF na ADI 1.789/DF. Rel. Min. Celso de Mello: Só cabe a lei complementar, no sistema do direito brasileiro, quando formalmente reclamada a sua edição por norma constitucional explícita. Decidir se determinado serviço é tributável, ou não, em face da lei complementar, diz respeito a interpretação e aplicação desta lei, sem possibilidade de ofensa à regra de competência inserta naquele preceito constitucional. 6 Assim, a exegese que se pretende atribuir a LC 87/96 (art. 3º), não encontra respaldo no nosso ordenamento jurídico, já que o modelo de Sistema Tributário Constitucional está baseado na repartição de competências federativas, o que impede a subtração de receita pública, por meio de interpretação ampliativa. 5. CONCEITO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO NAS TELECOMUNICAÇÕES O art. 155, II, da Constituição Federal estabelece competência aos Estados e ao Distrito Federal para a instituição do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços (...) de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior. Com advento da EC nº 42/03, acresceu-se nova redação ao inciso X alínea a, do art. 155 da CF/88. Por sua vez, o art. 2º, III, da LC nº 87/96, nos diz que o ICMS incide sobre prestações onerosas de serviços de comunicação, por qualquer meio, inclusive a geração, a emissão, a recepção, a transmissão, (...) de comunicação de qualquer natureza. O que 5 CARRAZZA, Roque Antonio. Curso de direito Constitucional tributário Malheiros Editores, p TRIGUEIRO, Min. Oswaldo: RT, vol. 456, p

8 demonstra que a hipótese de incidência do ICMS é a prestação a terceiros, mediante contraprestação econômica de um serviço de comunicação. Neste sentido Guilherme Cezaroti, nos diz que o ICMS não incide sobe a comunicação propriamente dita, mas sobre a colocação à disposição de outrem dos meios necessários para que a comunicação ocorra. 7 Mais adiante enfatiza: a prestação de serviço de comunicação só ocorre quando há a junção simultânea de serviço e do processo comunicacional, de modo que a atividade a ser realizada pelo prestador tenha como objetivo possibilitar a comunicação entre o emissor e terceira pessoa, mediante remuneração. O emissor da mensagem é o tomador do serviço de comunicação, que contrata o prestador para colocar à disposição os meios que tornem possível a transmissão da mensagem ao destinatário. O receptador da mensagem não é parte do contrato de prestação de serviço de comunicação, mas sua presença é necessária para que ocorra a comunicação. 8 Serviço não é representado pela mera atividade, mas sim, pela atividade em favor de terceiros, mediante paga, é o que já nos dizia o Ministro Moreira Alves em direito, o sentido normal da expressão serviço é atividade que se realiza para terceiros. 9 É um bem imaterial, incorpóreo, objeto de circulação econômica. No mesmo sentido Luciana Angeiras presta serviço de comunicação a pessoa que coloca à disposição os meios físicos necessários à concretização do vínculo comunicacional. 10 Como ainda, Roque Antonio Carrazza o serviço de comunicação tributável por meio do ICMS se perfaz com a só colocação à disposição do usuário dos meios e modos aptos à transmissão e recepção de mensagens CEZAROTI, Guilherme. Revista dialética de direito tributário nº 83, p Ob. Cit. p.49 9 STF, RE nº , AC de , in JSTF, Lex, vol.68, p ANGEIRAS, Luciana. Tributação dos provedores de acesso à Internet: O direito na era virtual. Luis Eduardo Schoueri. Rio de Janeiro: Forense. 2001, p CARRAZZA, Roque Antonio. Curso de direito constitucional tributário. São Paulo: Malheiros, 1997, p

9 Não poderia ser de outra forma, já que na hipótese de incidência de serviços de telecomunicações, como diz Pedro Gonçalves o serviço de telecomunicações prestado pelo operador não tem por objeto o transporte de informações, mas o acesso a um sistema que, por si só, efectua o transporte. 12 Conforme acima demonstrado, o processo de comunicação envolve a transmissão de uma mensagem, por meio de um canal, emissor para o receptador, que possuem os elementos necessários para decodificar a mensagem. Prestação de serviço de comunicação consiste na atividade de colocar à disposição do usuário os meios necessários à transmissão e recepção de mensagem. Misabel Abreu Machado Derzi, nos mostra a distinção: 1. A prestação de serviços configura uma utilidade ( material ou imaterial), com execução de obrigação de fazer e não de dar coisa; 2. Deve ser prestada a terceiro, excluindo-se os serviços que a pessoa executa em seu próprio benefício, como transporte de mercadoria de um estabelecimento a outro da mesma pessoa; 3. Executado sem vínculo de subordinação jurídica, mas em caráter independente, razão pela qual excluem-se os serviços prestados pelos empregados a seus empregadores e pelos serviços públicos; 4. Deve ser habitual e não meramente eventual; 5. Assim como ser objeto de circulação econômica, executado com objetivo de lucro, excluindo -se os serviços gratuitos ou de cortesia, beneficentes ou a preços baixos, como alimentação servida a empregados gratuitamente ou a preço de custo; 6. Finalmente, o serviço deve ser prestado em regime de direito privado ( por pessoa física ou jurídica, empresa pública ou sociedade de economia mista): se público, haverá imunidade, exceto para aquele serviço dado em concessão ou permissão a terceiros GONÇALVES, Pedro. Direito das telecomunicações. Coimbra: Almedina, 1999, p DERZI, Misabel, in BALEEIRO. Aliomar. Direito tributário brasileiro. Rio de Janeiro: Forense. 1999, p.49 9

10 6. OS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA E A EC Nº 42/03 A primeira observação sobre o tema consiste em que a EC nº 42/03, ao dar nova redação ao art. 155, par. 2º, X, a da CF/88, não utilizou a expressão serviços prestados a tomadores localizados no exterior, mas apenas serviços prestados a destinatários no exterior, o que nos leva a interpretar que destinatário no exterior é quem recebe a ligação e não aquele que contrata. Essa interpretação vai de encontro a definição do serviço de ligação internacional dada pela LGT, que não atribuiu qualquer relevância à localização da parte contratante. Assim, em face da qualificação dada pela LGT, a interpretação que venha alterar essa definição encontra óbice no art. 110 do CTN. Ainda, esse critério da destinação ou fluxo que se dá ao serviço, objeto do contrato, vai de encontro com a sistemática do ICMS, na medida em que sempre se levou em conta o fluxo desses serviços e não a localização das partes contratantes, como podemos deduzir na própria interpretação histórica da tributação dos serviços de telecomunicações, na medida em que sempre se levou em conta o fluxo desses serviços e não a localização das partes contratantes, tal como o CTN considerava o fato gerador do antigo ISC 14 ; o Convênio ICM nº 04/89 dava importância ao ponto de origem dos serviços, colocando em relevo o local em que estava situado o equipamento terminal da operadora que auferisse receita com a prestação de serviço. 7. TELECOMUNICAÇÕES COMO SERVIÇO REDES E SISTEMAS Antes de tudo, consigne-se que redes de telecomunicações constituem circuitos de interligação de centrais telefônicas, com finalidades de interligarem todos os titulares de redes abertas ao publico, visando maior universalização do sistema e impedimento de duplicidade de infra-estruturas, possibilitando a comunicação entre ausentes. 14 Imposto de Transmissão e Recebimento de Mensagem 10

11 A necessidade de comercialização de meios e serviços entre as redes interligadas fez surgir a figura da revenda, que consiste na execução e comercialização de atividades de telecomunicações baseadas em redes e serviços de telecomunicações alheias, em conjunto com a gestão operacional de redes de telecomunicações próprias 15, ou seja, trata-se de contratação de redes de terceiros, os quais da mesma forma que prestam serviços diretamente aos seus usuários finais, podem igualmente atuar no seguimento industrial, conforme hipótese expressa na LGT, regulada pela ANATEL sob a denominação de exploração industrial. 16 Como se vê, o escopo da utilização de redes alheias visa alcançar maior competitividade na prestação dos serviços de telecomunicações, em escala industrial. Neste sentido, Helena de Araújo Lopes Xavier 17, nos diz do ponto de vista tributário, essas modalidades de revenda reconduzem-se, porém, às hipóteses típicas de tributação, notadamente no que concerne às hipóteses de incidência tributária específicas da prestação de serviços de telecomunicações (como é, por exemplo, o caso da contribuição para FUST e do ICMS sobre prestação de serviços de comunicação). 8. RESPONSABILIDADE PELO RECOLHIMENTO Auferir a responsabilidade pelo pagamento do tributo é tarefa a ser somada com a adequada compreensão e qualificação dos contratos de interconexão de redes e no correto entendimento da natureza do serviço que envolve o conceito de telecomunicação. Por questão lógica de raciocínio, precisamos conhecer primeiramente o conceito de telecomunicação que envolve a comunicação propriamente dita no nosso sistema brasileiro. E a forma mais basilar é considerá-la como qualquer transmissão, recepção ou emissão de sinais que permite a comunicação entre ausentes. Assim, as telecomunicações prestam-se a criar sistemas complexos identificados entre redes a permitir a comunicação 15 XAVIER, Helena de Araujo Lopes. A tributação da revenda de serviços de telecomunicações. S. Paulo. Thomson. 2004, p Cf. arts. 154, LGT e 61, RST 17 Ob. cit. p

12 entre pessoas a distância, através meios próprios para tal fim. Fala-se em meios próprios para tal fim, na medida em que toda a comunicação pressupõe emissor, receptor, mensagem e canal de transmissão de mensagem, que entre ausentes, o canal transmissor se perfaz com a interação de meios, é o objeto dos chamados serviços de comunicação, onde, na via telefonia, são meios físicos inseridos na forma de redes ou sistemas denominados de infra-estrutura de telecomunicações. Neste sentido a nossa LGT (Lei nº 9.472/97) define o conceito de telecomunicações, como o conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação, complementando no seu par. 1º, que Telecomunicação é a transmissão, emissão ou recepção, por fio, radioeletricidade, meios ópticos ou qualquer processo eletromagnético, de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza. Essa disposição legal demonstra que tudo isso serve a permitir concretizar atos de comunicação, mediante prestações de serviços próprias para tal fim. Concluindo-se que se trata de um meio, um instrumento necessário para garantir o direito de comunicação (através de redes e sistemas), ou seja, toda a comunicação via telefonia exige um complexo de meios físicos, sob a forma de redes e sistemas, ao qual se denomina de infra-estrutura de telecomunicações. Heleno Taveira Tôrres nos ensina que o serviço de telefonia tem por objeto a exploração comercial do transporte endereçado de voz, em tempo real, com origem e destino em pontos terminais da mesma rede ou, pela interconexão, com pontos terminais de redes distintas, visando a garantir o direito de todos à comunicação. Daí o art. 60, da LGT, definir o serviço de telecomunicações como sendo o conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação 18. Mais adiante ressalta não se tome a oferta como simples disposição contratual, mas como conclusão dos serviços prestados, pela disponibilidade de meios para prover a comunicação, ainda Este serviço consistirá na colocação de meios suficientes e 18 TôRRES, Heleno Taveira. Direito Tributário das Telecomunicações. SP/São Paulo: Thomson IOB. 2004, p

13 eficazes para propiciar a vontade humana de interação comunicativa. 19 A própria interpretação histórica tal como a Norma nº 05/79, aprovada pela Portaria nº 663, de 18 de julho de 1979, do Ministério das Comunicações, já tinha por objetivo regular as condições gerais de prestação do serviço telefônico público, dispondo sobre direitos e obrigações entre Prestadora, Usuário, Assinante e Locatário. Essa regulamentação legal, deixa-nos perceber que o chamador, quando fazia telefonemas, seja lá para onde fosse não mantinha relação jurídica com nenhuma outra prestadora de serviço telefônico público que não aquela cuja área de atuação (área de concessão) compreendia a local no qual estava instalada a linha telefônica por ele utilizada. Assim, qualquer um que se utilizasse de uma linha telefônica, fosse para uma chamada local, ou nacional ou internacional, mantinha relação jurídico tão-somente com a empresa que prestava regularmente o serviço telefônico público na localidade ou região prestadora. Conseqüentemente, o chamador que tirasse proveito de uma linha telefônica instalada pela operadora local, na sua área de concessão, não importava o local para onde seria dirigida a chamada, mantinha relação jurídica única e exclusivamente com a mesma. Esta, por sua vez, para alcançar alguém no exterior, utilizava-se de redes compartilhadas de outras empresas do gênero, tal qual na atualidade se diz em revendas, ou seja, exploração industrial, o que configuraria incidência do imposto de ICMS, na modalidade em questão. Mesmo porque nos ensina ainda, Heleno Taveira Tôrres que: Para fins de incidência tributária, não importa, contudo, a relação entre o Estado e as titulares de concessões ou operadoras de telecomunicações, quanto à disponibilidade de meios, mas sim a situação jurídica das operações, no seio das relações entre usuários e demais operadoras do tráfego local e internacional. Neste plano, importa unicamente a efetivação dos serviços prestados (service provision), para fins de incidência do ICMS (...) 19 Ob. Cit. p

14 Nessa última acepção, o serviço prestado consiste em permitir ao usuário acesso à rede, garantido o seu uso efetivo, que pode ser feito em rede local ou mediante interconexões, nacionais e internacionais, como exige a própria LGT, no seu art. 155: Para desenvolver a competição, as empresas prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo deverão, nos caos e condições fixados pela Agência, disponibilizar suas redes a outras prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo. Mas disponibilizar aqui tem sentido bem definido, de permissão para operar negócios jurídicos típicos, a título de contratos de interconexão, para fins de prestação de serviços em favor das demais prestadoras de serviços de telecomunicações, mediante remuneração previamente concertada. 20 Mais adiante, deixa claro que a relação entre as operadoras de telecomunicações na prestação dos serviços de telecomunicações são efetivos negócios jurídicos de interconexão, tratando-se de contratos típicos sujeito à intervenção administrativa. Veja-se; A interconexão é a ligação física e funcional entre redes de telecomunicações, constituída a partir de contratos típicos firmados entre operadoras e os titulares de redes públicas de telecomunicações, para permitir que os usuários possam se comunicar entre si ou acessar diferentes operadores de rede de serviços, em reciprocidade. Com a liberação desses serviços e fomento à livre concorrência entre as operadoras e prestadoras de serviços dos contratos administrativos, regidos pelo direito administrativo, passou-se aos contratos mercantis, regulados pelo direito privado, para fins de identificação e qualificação dos contratos de interconexão de redes de telecomunicações. (...) Firmados e autorizado o Acordo de Interconexão, este gera obrigações recíprocas, com remuneração garantida pelos mecanismos de preços de interconexão, mediante um mecanismo de contabilidade separada de custos Ob. cit. p

15 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS 1. Ao se reconhecer a existência de redes compartilhadas numa escala industrial, visando dar suporte aos serviços de comunicação, por prestadoras licenciadas, ainda que destinados ao exterior, admite-se a incidência do ICMS, posto que a EC nº 42/03, apenas usou a expressão serviços prestados a destinatários no exterior e não a tomadores localizados no exterior, o que nos faz crer que a opção do legislador foi pelo critério da localização, ou origem do serviço prestado. 2. A intermediação de terceiros, criando meios físicos para a melhoria das relações comunicativas, no intuito competitivo, configura a hipótese de incidência do ICMS, na medida em que se está executando uma obrigação de fazer, com fito de lucro e na forma de exploração industrial. 3. Para fins tributários, não importa a relação entre o Estado e as titulares de concessões ou operadoras de telecomunicações, quanto à disponibilidade de meios, mas sim a relação jurídica entre as prestadoras e os usuários, no sentido de permitir aos usuários acesso à rede, garantido o seu uso efetivo, que pode ser feito em rede local ou mediante interconexões, nacionais e internacionais. 4. A EC Nº 42/03, não utilizou a expressão serviços prestados a tomadores localizados no exterior, da mesma forma a LC nº 87/96. Por isso a desoneração do ICMS, por meio de interpretação ampliativa do texto, encontra óbice no sistema de repartição de competências tributárias. 5. Atuando a prestadora (integradora ou intermediária) num sistema condominial; com interligação de redes, tal como a nominada figura da revenda, mediante exercício de uma atividade mercantil; prestando a seus clientes, a título oneroso, o serviço que possibilita a comunicação entre ausentes, responde pelo recolhimento do imposto do ICMS. 21 Ob. cit. p

16 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANGEIRAS, Luciana. Tributação dos Provedores de Acesso à Internet: O direito na era virtual. Luis Eduardo Schoueri. Rio de Janeiro: Forense CARRAZZA, Antonio Roque, Curso de Direito Constitucional Tributário, 20ª Ed.. São Paulo: Malheiros, CEZAROTI, Guilherme. Revista dialética de direito tributário nº 83. DERZI, Misabel, in BALEEIRO. Aliomar. Direito tributário brasileiro. Rio de Janeiro: Forense GONÇALVES, Pedro. Direito das telecomunicações. Coimbra: Almedina, OLIVEIRA, Regis Fernandes: HORVATH Estevão. Manual de direito financeiro. 5. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, Revista Dialética de Direito Tributário n. 73/159 STF, RE nº , AC de , in JSTF, Lex, vol.68. TÔRRES, Heleno, Direito tributário e direito privado. São Paulo: RT, TRIGUEIRO, Min. Oswaldo: RT, vol XAVIER, Helena de Araujo Lopes. A tributação da revenda de serviços de telecomunicações. S. Paulo. Thomson

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 14.710/01/2ª Impugnação: 40.010105776-02 Impugnante: CTBC Celular S.A. Proc. S. Passivo: José Roberto Camargo/Outros PTA/AI: 01.000138911-28 Inscrição Estadual: 702.042559.0063 Origem: AF/Uberlândia

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

VOIP e o ICMS-comunicação

VOIP e o ICMS-comunicação VOIP e o ICMS-comunicação Elaborado em 02.2007. Fernando Awensztern Pavlovsky Bacharel em Direito pela Fundação Armando Álvares Penteado. Especialista em Direito Tributário pela Pontifícia Universidade

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário.

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário. Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Tributos Federais Carga Horária: 56 h/a 1- Ementa Repartição de competência

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO.

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. Júlio Yuri Rodrigues Rolim Advogado OAB/CE 27.575 O Imposto sobre Circulação de Mercadorias

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA ART. 32. O IMPOSTO, DE COMPETÊNCIA DOS MUNICÍPIOS, SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA TEM COMO FATO GERADOR A PROPRIEDADE, O DOMÍNIO

Leia mais

Direito Tributário Constitucional

Direito Tributário Constitucional Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Direito Tributário Constitucional Carga Horária: 32 h/a 1- Ementa Repartição

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br ICMS no Contrato de Demanda Reservada de Potência de Energia Elétrica Tenille Gomes Freitas* 1. ICMS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre

Leia mais

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho Guerra Fiscal : Definição Práticas competitivas entre entes de uma mesma federação em busca de investimentos privados.

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ICMS: REDUÇÃO DE BASE DE CÁLCULO PARA O VOIP E A RECENTE DECISÃO DO TJSP

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ICMS: REDUÇÃO DE BASE DE CÁLCULO PARA O VOIP E A RECENTE DECISÃO DO TJSP ICMS: REDUÇÃO DE BASE DE CÁLCULO PARA O VOIP E A RECENTE DECISÃO DO TJSP Rubya Floriani dos Anjos rubyafloriani@gmail.com Doutoranda, Mestre e Especialista em Direito Tributário pela PUC/SP Professora

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 4ª PARTE CARACTERÍSTICAS CONSTITUCIONAIS DOS IMPOSTOS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete

Leia mais

RESPOSTA DAS QUESTÕES:

RESPOSTA DAS QUESTÕES: A ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE RADIOCOMUNICAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO (AERESP) Rua Vergueiro, 2.087 2 andar Vila Mariana São Paulo SP A/C Dane Marcos Avanzi (PRESIDENTE) ESTUDO DE CASO ALCANCE E OS EFEITOS

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E PREMISSAS

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E PREMISSAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E PREMISSAS 1.1 Justificativa - p. 51 1.2 Objetivo - p. 53 1.3 Pressuposto metodológico e delimitação do objeto - p. 54 1.4 O fenômeno jurídico - p. 58 1.4.1 Direito e regra jurídica

Leia mais

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

A TRIBUTAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS PROVEDORAS DA INTERNET

A TRIBUTAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS PROVEDORAS DA INTERNET A TRIBUTAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS PROVEDORAS DA INTERNET ELIANA CALMON ALVES Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Constituição Federal determina que sobre a prestação de serviços de comunicação

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail. PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 2ª parte COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com SISTEMA TRIBUTÁRIO RIO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 2. Competência

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A não-incidência do ICMS sobre os serviços de transporte de mercadorias destinadas ao exterior Marcos Spada Aliberti* 1. INTRODUÇÃO. O legislador complementar, visando dar maior

Leia mais

Política tributária do setor de telecomunicações linhas gerais Gabriel Boavista Laender

Política tributária do setor de telecomunicações linhas gerais Gabriel Boavista Laender Política tributária do setor de telecomunicações linhas gerais Gabriel Boavista Laender Antecedentes: a tragédia do Fundo Nacional de Telecomunicações O Código Brasileiro de Telecomunicações CBT, quando

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

Substituição tributária de ICMS - Energia Elétrica. Prof. Júlio M. de Oliveira

Substituição tributária de ICMS - Energia Elétrica. Prof. Júlio M. de Oliveira Substituição tributária de ICMS - Energia Elétrica Prof. Júlio M. de Oliveira Breve Histórico Constituição Federal de 1967 (EC 1/69) Operações com energia elétrica sujeitas apenas ao IMPOSTO ÚNICO SOBRE

Leia mais

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS GUIA COMPLEMENTAR - SIMPLES NACIONAL Introdução - Casos de Emissão do DAS Complementar - Geração do DAS Após o

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 8º SEMESTRE/NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO

Leia mais

Exceção: Art. 156, 3º, II, CF c/c LC 116/03 Vedação da incidência de ISS na exportação de serviços para o exterior.

Exceção: Art. 156, 3º, II, CF c/c LC 116/03 Vedação da incidência de ISS na exportação de serviços para o exterior. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 12 Professor: Mauro Lopes Monitora: Carolina Meireles (continuação) 8) Princípio da vedação de isenção heterônoma Art. 151,

Leia mais

É o relatório, passa-se a opinar.

É o relatório, passa-se a opinar. São Paulo, 18 de outubro de 2013. A ABMI ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DA MUSICA INDEPENDENTE Ref: Parecer EC75-2013 Transmitido para o endereço eletrônico: lpegorer@abmi.com.br Prezada Sra. Luciana, O breve parecer

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Incidência Tributária sobre operações comerciais envolvendo software Fabiano Pereira dos Santos I Introdução; II Conceito de software; III A questão tributária; IV - Jurisprudência;

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

Professor Kiyoshi Harada Advogado. Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro

Professor Kiyoshi Harada Advogado. Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro CONSULTA A Consulente vem promovendo a operação de venda de lubrificantes (óleo protetivo derivado

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL Artigo 1 A Constituição Federal passa a vigorar com os seguintes artigos alterados ou acrescidos: Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal: XVI estabelecer

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 19/09/2013 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 759.244 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS (Revista do CIEE/Nacional Agosto/2014) Considerações Iniciais Em nosso ordenamento jurídico a competência tributária é definida pela Constituição. Os entes tributantes (União, Estados,

Leia mais

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O 06/02/2007 SEGUNDA TURMA RECURSO EXTRAORDINÁRIO 461.968-7 SÃO PAULO RELATOR RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRIDO(A/S) : MIN. EROS GRAU : ESTADO DE SÃO PAULO : PGE-SP - MANOEL

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO GETRI

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO GETRI 1 Interessado: 6ª DRRE/ARIQUEMES. EMENTA: Diferencial de alíquota. Bens do ativo fixo. Produtor rural. Leasing. Incidência do ICMS na opção de compra. 1. DO RELATÓRIO: A 6ª DRRE, com suporte no disposto

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) Fonte: elaboração própria abril de 2013 EMENTA: CONTEXTO LEGISLATIVO. OS PRINCIPAIS SETORES. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. CRITÉRIO

Leia mais

A Tributação dos Serviços Prestados pelas Provedoras da Internet

A Tributação dos Serviços Prestados pelas Provedoras da Internet A Tributação dos Serviços Prestados pelas Provedoras da Internet Eliana Calmon Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Constituição Federal determina que sobre a prestação de serviços de comunicação

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO O OBJETO E A DINÂMICA DAS INCIDÊNCIAS E NÃO INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS

RESUMO EXPANDIDO O OBJETO E A DINÂMICA DAS INCIDÊNCIAS E NÃO INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS RESUMO EXPANDIDO O OBJETO E A DINÂMICA DAS INCIDÊNCIAS E NÃO INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS Ronaldo Vieira Fragoso ronaldo-vf@sefaz.go.gov.br UNIFAN RESUMO Partindo da estrutura lógico-formal da norma de incidência

Leia mais

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Leandro Chiarello de Souza E-MAIL: leandrosouza@conection.com.br Período/ Fase: 5ª

Leia mais

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 I. TELECOMUNICAÇÕES Incidência: Prestação de serviços de comunicação, por qualquer meio,

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS:

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS: DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS Não existe posicionamento formal de nosso Supremo Tribunal Federal acerca da quantidade de espécies tributárias vigentes hoje em dia, alguns autores

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA, sobre o Projeto de Lei do Senado n 501, de 2013 Complementar, que altera a Lei Complementar n 116, de 31 de

Leia mais

3 aulas - Aula expositiva

3 aulas - Aula expositiva Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2013/01 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO I PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 8º EN UNIDADE

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (ADI) Nº 4.376 PARECER FAVORÁVEL DA PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA (PGR) INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290-7º conj. 71/72 01318-902 - São Paulo - SP Fone/fax: 3105-8206/3241-5348 Expediente das 9 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br CURSO DE

Leia mais

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1)

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1) É com grande satisfação que inicio minha jornada no site da Editora Ferreira. Neste espaço, iremos abordar o Direito Tributário com um único objetivo: obter, nesta disciplina, uma ótima pontuação em qualquer

Leia mais

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Seminário de Licenciamento Ambiental de Destinação Final de Resíduos Sólidos Brasília, DF - Novembro de 2005 Coleta de resíduos

Leia mais

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO Eduardo Augusto Cordeiro Bolzan 1 As farmácias de manipulação, aqui entendidos aqueles estabelecimentos de aviamento, manipulação 2 de

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 21 - Data 17 de setembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. JORNAL. FORMA DE TRIBUTAÇÃO.

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO

INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290 7º conjs. 71/72 01318-902 São Paulo SP Fone/fax: 3105-8206 Expediente das 13 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br DIREITO TRIBUTÁRIO Curso

Leia mais

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO 08/10/2013 Para as desonerações tributárias, as entidades podem ser divididas em dois campos: 1) as imunes 2) as isentas 2 IMUNIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito Tributário II Carga horária semestral: 64 horas Semestre/ano: 2º semestre de 2013 Turma/Turno: 2798/A

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Imposto Sobre Circulação De Mercadorias E Serviços * Vanessa Pavani Mello O critério material do ICMS O ICMS está previsto na CF no artigo 155, inciso II, e inserido na competência

Leia mais

IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES RELATIVAS À CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS ICMS EFEITOS JURÍDICOS SOBRE BONIFICAÇÕES E DESCONTOS

IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES RELATIVAS À CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS ICMS EFEITOS JURÍDICOS SOBRE BONIFICAÇÕES E DESCONTOS IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES RELATIVAS À CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS ICMS EFEITOS JURÍDICOS SOBRE BONIFICAÇÕES E DESCONTOS I INTROITO: DO ICMS SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIA. 1.1. DAS CARACTERÍSTICAS DO ICMS.

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais. Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais. Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor Outubro-2010 ESTADO BRASILEIRO SUBSIDIÁRIO COM A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA;

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA; DOS IMPOSTOS (CONTINUAÇÃO) IMPOSTO SOBRE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA ENCONTRA-SE PREVISTO NO ARTIGO 153, INCISO III, DA C.F.. CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

Curso de atualização do Instituto Brasileiro de Direito Tributário (IBDT) 21.8.2010

Curso de atualização do Instituto Brasileiro de Direito Tributário (IBDT) 21.8.2010 JOSÉ LUIS RIBEIRO BRAZUNA Advogado em São Paulo, Mestre em Direito Tributário pela USP e Juiz do Tribunal de Impostos e Taxas de São Paulo - TIT ISS Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza Curso de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada*

Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada* Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada* Vários artigos sobre assunto já escrevemos. A única forma de acabar com as guerras fiscais deflagradas sob diferentes espécies incentivos fiscais

Leia mais

ICMS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

ICMS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES Artigo apresentado no II ENCONTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS ENET promovido pelo Instituto de Direito Tributário de Londrina de 19 a 21/09/07 (Selecionado pela Comissão Organizadora). ICMS NA PRESTAÇÃO DOS

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO Av. Brig. Luiz Antonio, 290-7º conj. 71/72 01318-902 - São Paulo - SP Fone/fax: 3105-8206/3241-5348 Expediente das 9 às 18h E-mail: ibdt@ibdt.com.br CURSO DE

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA No Brasil, a tributação decorre da utilização de uma série de normas jurídicas distintas. O conjunto dessas regras jurídicas, de diversos tipos, forças e finalidades,

Leia mais

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL Registro nº. 6803/2013 PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 Parecer público. Retenção de tributos federais sobre o montante a ser pago pelo fornecimento de energia elétrica.

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS Ives Gandra da Silva Martins Marilene Talarico Martins Rodrigues SUMÁRIO: Considerações Iniciais. Imunidades como Limitação ao Poder de Tributar. Imunidade das Instituições - Educacionais

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 456.650 - PR (2003/0223462-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO R.P/ACÓRDÃO : MINISTRO FRANCIULLI NETTO EMBARGANTE : ESTADO DO PARANÁ PROCURADOR : CÉSAR AUGUSTO BINDER

Leia mais

NÃO INCIDÊNCIAS O imposto não incide sobre: I operações com livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão; II operações e

NÃO INCIDÊNCIAS O imposto não incide sobre: I operações com livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão; II operações e ICMS - IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual,

Leia mais

Imunidade Tributária e Isenções de Impostos

Imunidade Tributária e Isenções de Impostos Imunidade Tributária e Isenções de Impostos Tomáz de Aquino Resende Procurador de Justiça Coordenador do Centro de Apoio ao Terceiro Setor de Minas Gerais Primeiro, é necessário estabelecermos a diferença

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

Pronunciamento CPC 30 Receitas: reconhecimento para fins fiscais e demais aspectos ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS.

Pronunciamento CPC 30 Receitas: reconhecimento para fins fiscais e demais aspectos ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. Pronunciamento CPC 30 Receitas: reconhecimento para fins fiscais e demais aspectos ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. Índice 1. Normas Contábeis e Normas de Tributação Dois Corpos Distintos de Linguagem e de

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Imunidades e Isenções

Imunidades e Isenções Imunidades e Isenções 1. Noções gerais: Incidência: Há incidência quando ocorrer o fato gerador do tributo. Não-incidência: se dá quando ocorrer fatos não abordados na hipótese de incidência do tributo

Leia mais

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores 26 Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores Alexandre herlin É consabido que a saúde é direito de todos e dever do Estado, pois assim prescreve o artigo 196 da Constituição Federal. Entretanto, com

Leia mais

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009 PARECER: 42 / 2009 ASSUNTO: Consulta sobre necessidade ou não de apresentação de nota fiscal de serviços ou de circulação de mercadorias para o recebimento de pagamento de valores de locação de automóvel

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS.

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. Elaborado em 07/2008 Gerson Tarosso Advogado. Sócio fundador do escritório

Leia mais

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa 2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa classificação, entretanto, apresentaremos a seguir aquela que

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935 Ementa: CONSULTA À LEGISLAÇÃO - TRIBUTAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL (LEASING) E SEUS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS RELACIONADOS. 1. Relatório A encaminhou a esta Gerência de Tributação,

Leia mais