Coletânea de Exercícios Operações Unitárias V FAT Prof. Alexandre Rodrigues Tôrres

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coletânea de Exercícios Operações Unitárias V FAT 04-07959 Prof. Alexandre Rodrigues Tôrres artorres.uerj@gmail.com"

Transcrição

1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Tecnologia - DEQA Curso de Engenharia de Produção Coletânea de Exercícios Operações Unitárias V FAT Prof. Alexandre Rodrigues Tôrres Sumário dos exercícios Exercício 1 Princípios Fundamentais...2 Exercício 2 Princípios Fundamentais...3 Exercício 3 Princípios Fundamentais...4 Exercício 4 Princípios Fundamentais...5 Exercício 5 Princípios Fundamentais...6 Exercício 6 - Destilação...7 Exercício 7 - Destilação...9 Exercício 8 - Destilação...10 Exercício 9 - Destilação...11 Exercício 10 - Destilação...12 Exercício 11 - Destilação...15 Exercício 12 - Destilação...16 Exercício 13 - Destilação...20 Exercício 14 - Destilação...21 Exercício 15 - Destilação...22 Exercício 16 - Destilação...23 Exercício 17 - Destilação...24 Exercício 18 - Destilação...25 Exercício 19 - Destilação...26 Exercício 20 - Destilação...27 Exercício 21 - Destilação...28 Exercício 22 - Destilação...29 Exercício 23 - Absorção...30 Exercício 24 - Absorção...31 Exercício 25 - Absorção...32 Exercício 26 - Absorção...33 Exercício 27 - Absorção...35 Exercício 28 - Extração...36 Exercício 29 - Extração...37 Exercício 30 - Extração...38 Exercício 31 - Extração...39 Exercício 32 - Extração...40 Exercício 33 - Adsorção...41 Exercício 34 - Adsorção...42 Exercício 35 - Adsorção...43 C:\Documents and Settings\Alexandre\Meus documentos\documentos\operacoesunitarias5\exercicios\coletaneas\coletanea_exercicios.doc

2 Exercício 1 Princípios Fundamentais Determine os valores da correntes 7, 9 e 10 no seguinte sistema de moinhos e classificadores, sendo m 1 = 150 kg/h, m 3 = 85 kg/h, m 5 = 75 kg/h e m 11 = 10 kg/h e estabelecendo que m 10 = ¼ m Moinho 1 Moinho 2 Moinho Página 2 de 43

3 Exercício 2 Princípios Fundamentais Uma corrente é composta de 50 kg/h de benzeno e 50 kg/h de tolueno. Determine: (a) a vazão molar de cada componente; (b) a fração molar de cada componente; (c) a vazão molar da corrente. Página 3 de 43

4 Exercício 3 Princípios Fundamentais Para a mesma corrente do EX02, determine a entalpia molar para aquela composição a 115 C, sabendo que a capacidade térmica a pressão constante para seus componentes é dada por uma equação do tipo c p = a + b.t + c.t 2 + d.t 3 (T ref = K), para c p em J/(mol. K), com os coeficientes da tabela abaixo: Líquido Vapor Coeficiente Benzeno Tolueno Benzeno Tolueno a b c x x x x10-4 d x x10-7 Página 4 de 43

5 Exercício 4 Princípios Fundamentais No processo representado pelo fluxograma abaixo, é realizada no reator a seguinte reação: P, T CH + 4H 4CH + CH Considerando a reação e o fluxograma de processo complete os campos marcados na tabela de controle do processo. F H B J E Tambor de Flash 2 A C G Reator Tambor de Flash 1 D Correntes (Frações Molares) Comp. Subst. A B C D E F G H J 1 CH C 4 H , C 8 H H Vazões Molares [kmol/h] n1 n4 n n Total nt V.Mássica mt PM Página 5 de 43

6 Exercício 5 Princípios Fundamentais No processo de extração supercrítica é utilizado o CO 2, em altíssima pressão, para extrair componentes sensíveis à temperatura elevada. Este processo é utilizado para a extração de óleos a partir da casca de frutos cítricos. A vantagem clara deste processo é que a pressão e temperatura normais o CO 2 é um gás praticamente inerte. Analise o processo descrito pelo fluxograma abaixo e, tendo como base os princípios das operações unitárias, responda as questões abaixo. S-105 S-102 (Sólidos) S-104 (Extrato) V-101 S-106 Tambor de Flash S-101 (CO2) ESC-101 Extrator Supercrítico S-101 (Resíduo) (a) Por qual corrente sai o CO 2 após a extração? E o óleo de interesse? Qual sua pureza? (b) Quais os possíveis arranjos no fluxograma que podem melhorar o desempenho econômico do processo? Página 6 de 43

7 Exercício 6 - Destilação Para resolver, de preferência, com a ajuda do MathCAD. (a) Deduzir as Equações 13-12, e do Perry s Chemical Engineers Handbook; (b) Calcular a Pressão de Vapor segundo a equação de Wagner para o Benzeno e o Tolueno puros, comparando com os dados experimentais fornecidos. (c) Calcular o ELV para o sistema binário Benzeno e Tolueno, a várias temperaturas, e comparar com os dados experimentais fornecidos. (d) Usando o simulador de Flash, levantar a Curva VEB para o sistema binário P=1,033 bar, tendo a carga a composição z benz =0,65. (e) Propor uma estratégia / algoritmo para otimização das condições de separação em um tambor de FLASH para o sistema binário Benzeno/Tolueno nas condições do item d. Realizar os cálculos, apresentando os resultados acompanhados de breve discussão. Página 7 de 43

8 Tabela de dados experimentais do ELV - Benzeno (1) e Tolueno (2) (Fonte:DANNER): P pressão [bar]; T temperatura [K]; x fração molar na fase líquida ; y fração molar na fase vapor P T x1 y Tabela de dados de Pressão de Vapor - Benzeno e Tolueno Dados de: Stull,D.R.; "Vapor Pressure of Pure Substances"; Ed. The DOW Chemical Company, Midland, Michigan, Coluna 1: Pressão de vapor [mmhg]; Coluna 2: Temperatura [ C] para o Benzeno (C6H6) Coluna 3: Temperatura C para o Tolueno (C7H8) D Dados do REID - Temperatura (coluna 1) [K] e Pressão Crítica (coluna 2) [bar] (linha 1 - Benzeno; linha 2 Tolueno) PROPC Coeficientes da Equação de Wagner por coluna - a, b, c, d): (linha 1 - Benzeno; linha 2 Tolueno) CW Equação de Wagner: PVAP pressão de vapor[bar] ; T temperatura [K]; TC - temperatura crítica [K]; PC - pressão crítica {bar] PVAP( abcdtpctc,,,,,, ) PC. TC exp. T. a 1 T TC. b 1 T TC 1.5. c 1 T TC 3. d 1 T TC 6 Página 8 de 43

9 Exercício 7 - Destilação Em uma indústria química é feita uma reação na qual emprega-se um solvente C volátil. Sabendo que a reação tem rendimento de 70% e pode ser representada pela equação química: A Indique um esquema de separação do produto final B. As substâncias A e B são líquidas. Faça considerações sobre suas volatilidades. B Página 9 de 43

10 Exercício 8 - Destilação Para realizar uma modificação no processo necessita-se de uma corrente de Benzeno com pureza melhor que 95% molar, vazão de C. Dispõe-se na planta de uma corrente composta da mistura de Benzeno e Tolueno, com 25% molar de Tolueno, vazão de C. Em uma reunião foi sugerido utilizar um tambor de flash para purificar esta corrente. Faça um esboço de uma avaliação técnica da sugestão incluindo um estudo de custos / benefícios. Página 10 de 43

11 Exercício 9 - Destilação Faça um estudo da curva de vaporização em função da temperatura, para uma alimentação correspondente a 30 % molar em tolueno, de uma corrente de mistura benzeno e tolueno de 150 kmol/min. Utilize o digrama de fase T-x-y para os cálculos necessários. A partir deste estudo identifique: (a) a temperatura na qual a fração vaporizada é de 0.2; (b) a temperatura correspondente ao ponto de bolha; (c) a temperatura correspondente ao ponto de orvalho. Página 11 de 43

12 Exercício 10 - Destilação A partir de um processo de separação por membranas um componente tóxico e retirado de um produto de aplicação farmacêutica. O solvente responsável pela separação deve ser purificado para retornar ao processo. A volatilidade do solvente é bem mais elevada do que a do componente tóxico. Faça um esboço de um processo de separação. Considere todas as correntes do processo proposto. Comente sua decisão procurando justificá-la. Página 12 de 43

13 Diagrama de Fases (T-x-y) Sistema Binário: Benzeno(1) e P= bar Temperatura [K] Fração molar - Benzeno (1) Página 13 de 43

14 Curva de Equilíbrio (y-x) Sistema Binário: Benzeno(1) e P = bar Fração molar do benzeno no vapor y Fração molar do benzeno no líquido x1 Página 14 de 43

15 Exercício 11 - Destilação Um tambor de flash recebe uma alimentação de 50 kg/h de benzeno e 50 kg/h de tolueno. As condições para o flash isotérmico são: T F = 366 K e P F = bar. Responda aos itens abaixo. V F V-101 L Tambor de Flash (a) Com o auxílio do diagrama de fases (T-x-y) resolva o flash descrito calculando V, L e as composições das fases; (b) Marque na Curva de Equilíbrio (x-y) a reta de operação do flash em questão; (c) Compare os valores de concentração dos componentes, em ambas as fases, obtidos nos tópicos (a) e (b); (d) Utilizando como modelo para a variação da pressão de vapor com a temperatura a Equação de Antoine, dada abaixo, monte um sistema de equações algébricas que respondem pelo flash acima, no equilíbrio estacionário e termodinâmico; (e) Resolva o sistema determinando as concentrações de ambos os componentes nas duas fases (x 1, x 2, y 1 e y 2 ) mais L e V. b T + c Equação de Antoine: P vap = exp a [P]= bar; [T]= K Coeficientes da Eq. de Antoine Benzeno Tolueno a b c Página 15 de 43

16 Exercício 12 - Destilação Considere uma mistura de ácido benzóico(1) e ciclohexeno(2). A vazão disponível, da mistura que contém 20% molar de ácido benzóico, é de 9014,16 kg h 1. Existe um trocador de calor na planta que pode aquecer esta mistura até 400 K e depois será possível levá-la a tambor de flash. Responda em ordem o que é solicitado abaixo: (a) Qual a vazão molar total? Massas molares: (b) Quais as vazões molares de cada componente? M (c) Analisando o gráfico da Figura 1, qual é o componente mais volátil? (d) Qual a temperatura de ebulição dos dois componentes? (e) Com os recursos disponibilizados na planta, o que pode ser feito? Por quê? (f) Qual a concentração de ácido benzóico nas correntes de vapor e de líquido? (g) Quais as vazões molares de vapor e líquido na saída do flash? (h) Qual seria a temperatura necessária para um flash onde a fração vaporizada fosse de f V = 0,76? (i) Como relacionar a volatilidade relativa e a curva de equilíbrio? (j) Existe muita diferença em considerar o modelo de equilíbrio com a volatilidade relativa média ou a real (função da temperatura)? (k) Quais as diferenças entre realizar este processo de forma isotérmica e adiabática? A troca de isotérmico para adiabático acarretaria em conseqüências em sua operação? Página 16 de 43

17 Pressão de Vapor [bar] ácido benzóico ciclohexeno Temperaura [K] Figura ART 2000 alpha(t) αm Temperatura [K] Figura 2 Página 17 de 43

18 ART 540 P = bar 530 z1 F Temperatura [K] vtpb i 1 vtpo i T F xg i 1 Fração Molar de Ácido benzóico Figura 3 Página 18 de 43

19 ART 1.2 P = bar y Eq. Modelo alpha médio y=x Eq. Modelo alpha=f(t) x Figura 4 Página 19 de 43

20 Exercício 13 - Destilação Uma torre de destilação foi projetada para a separação de benzeno e tolueno a uma pressão de 1 atm. A carga da torre, cuja vazão é de 8057 kg/h e composição de 82.5 % molar de benzeno, é introduzida na torre a 45 C e o vapor de topo sai a 84 C, que é condensado totalmente no condensador de topo, produzindo líquido no ponto de bolha. A razão de refluxo de projeto é de 1,5:1. O líquido sai da torre, no seu último estágio, a 105 C e é vaporizado parcialmente no refervedor, cuja a temperatura de equilíbrio é de 107 C. Calcular: (a) vazões molares das correntes: D, B, L 0, V 1, L N e V N+1 ; (b) carga térmica do condensador de topo; (c) carga térmica do refervedor; (d) considerando a carga (F) com f v = -2.9 ( x 1 = 0.825, T F = 313 K) ) calcule o número de estágios teóricos necessários, utilizando o método gráfico McCabe - Thiele.(f v é fração vaporizada no flash da corrente de alimentação F) Página 20 de 43

21 Exercício 14 - Destilação Uma torre de destilação fracionada deve ser projetada para separar a mistura benzeno / tolueno à pressão de 1 atm. As condições de carga são: composição 60% molar de benzeno, à temperatura de 92,6 C. A razão de refluxo é de 2,0. O vapor de topo da torre fracionada é parcialmente condensado, no condensador de topo, sendo o tambor de topo mantido a 82,2 C. O destilado é retirado na fase de vapor. A vazão de carga é 100 lb mol/h. A razão de benzeno no resíduo não deve ser maior que 6% de benzeno que entra na torre. Considerando uma eficiência global de 70%, determinar, o n de pratos reais necessários para se conseguir a separação, e qual deve ser o prato de carga.. Qual é a temperatura do topo da torre? Página 21 de 43

22 Exercício 15 - Destilação Um efluente industrial pode ser considerado uma mistura binária. O componente mais volátil desta mistura está em menor proporção (aproximadamente 5% molar) e tem alto valor comercial. Existe uma chance deste componente ser recuperado por um processo de destilação fracionada. Faça um esboço do fluxograma do processo. Faça comentários sobre as seções de enriquecimento e esgotamento de sua coluna de destilação. Considere a corrente de efluente em questão sendo alimentada na torre como vapor saturado e faça um esboço no diagrama y-x da aplicação do Método McCabe-Thiele. Comente a questão da razão de refluxo. Página 22 de 43

23 Exercício 16 - Destilação Uma destilação em batelada de benzeno e tolueno foi realizada a partir de uma mistura contendo 60% molar de benzeno. Foram retiradas em momentos diferentes e subseqüentes as correntes S-102, S-103 e S-104. Partindo da informação que no início da destilação foram adicionados 100 kmol da mistura, responda as questões: S-102 S-103 S-104 S-101 C-101 S-105 Destilador (a) Como os componentes estarão distribuídos nas correntes? (b) Escreva a expressão para a quantidade final de benzeno no resíduo? (c) Quais dados no gráfico abaixo pertencem ao tolueno? Fração molar no Refervedor % Destilada Página 23 de 43

24 Exercício 17 - Destilação Um engenheiro estudava a destilação fracionada de benzeno e tolueno. Este profissional teve que fazer uma viagem de emergência e encontra-se em local de difícil comunicação. O único registro é o gráfico encontrado abaixo. Deduz-se que a retirada de topo é somente de vapor. Responda as questões abaixo: (a) Qual o sistema analisado? Faça um esboço do sistema (b) Qual a condição da carga? (f V e z A ) (c) Quais as concentrações nas saídas e a razão de refluxo? (G, B e R D ) (d) Quais as vazões molares de saída G e B? (e) Qual o número de pratos teóricos na coluna? Página 24 de 43

25 Exercício 18 - Destilação Uma mistura líquida de benzeno e tolueno é destilada em uma torre de destilação kpa. A alimentação contém 45 % molar de benzeno e entra na torre a K, constituindo 100 kmol/h. O destilado obtido corresponde a uma temperatura no topo da torre de K e a temperatura de equilíbrio do refervedor é de K. No topo está instalado um condensador total e a razão de refluxo é de 4:1. Calcule as vazões de destilado e retirada de fundo líquida. Pelo método gráfico determine o n.º de estágios teóricos necessários na coluna. Determine o n.º de estágios mínimo do sistema. Página 25 de 43

26 Exercício 19 - Destilação Analisando o diagrama de equilíbrio para a mistura etilbenzeno e octano, comente as principais dificuldades que ocorreriam na tentativa de separá-los, com a mesma concentração na corrente de alimentação, em uma coluna projetada para a mistura benzeno e tolueno. Utilize um dos problemas resolvidos para comparação. Curva de Equilíbrio Octano & bar Temperatura [K] Fração molar - Benzeno (1) Página 26 de 43

27 Exercício 20 - Destilação Considere um processo onde se pretende retirar ácido acético escolhendo um dos seguintes compostos como solvente: a água (Sistema I - SI) ou o benzeno (Sistema II - SII). Com base nos diagramas de equilíbrio T-x-y anexos, responda as seguintes questões, sempre justificando. (a) Qual o sistema mais apropriado considerando a posterior separação das misturas formadas por destilação? (b) Se fosse possível optar pelo flash, qual dos dois sistemas daria o melhor resultado? (c) No caso do processo escolhido ser o de destilação, qual sistema, formado pela torre de destilação, condensador e refervedor, teria o melhor desempenho para a mesma pureza de ácido acético recuperado? (d) Faça uma análise global do problema, considerando também os aspectos ambientais, e faça a sua escolha: qual o sistema mais apropriado? Curva de Equilíbrio Benzeno (1) Ácido Acético bar Curva de Equilíbrio Água (1) Ácido Acético bar Temperatura [K] Temperatura [K] Fração molar - Benzeno (1) Fração molar - Água (1) Página 27 de 43

28 Exercício 21 - Destilação Uma torre de destilação foi projetada para a separação de benzeno e tolueno a uma pressão de 1 atm. A carga da torre, cuja vazão é de 500 kmol/h (F) e composição de 60% molar de benzeno, é introduzida na torre a 89.3 C (362.5 K). O vapor do topo da torre (V 1 ) sai a 82 C, que é condensado totalmente no condensador de topo, produzindo líquido no ponto de bolha (D). A razão de refluxo de projeto é de 2:1. O líquido sai da torre, no seu último estágio, a 108 C e é vaporizado parcialmente no refervedor, cuja a temperatura de equilíbrio é de 109 C (B). Pede-se: (a) A temperatura do destilado de topo (D), se a concentração de benzeno nesta corrente é 96.6%molar; (b) A concentração de benzeno na corrente de resíduo de fundo (B); (c) Quais os valores de B e D em kmol/h; (d) Sabendo que a carga térmica do refervedor é de 1.54x10 9 J/h, a entalpia das correntes do sistema estão na tabela abaixo, calcule a carga térmica do condensador; (e) O número de estágios teóricos do sistema de destilação fracionada; (f). O número de estágios teóricos na coluna de destilação; (g) A relação entre a razão de refluxo e a razão de refluxo mínima. Correntes Temperatura [ ºC ] Composição [% molar de benzeno] Entalpia [ J / mol ] D T D E+3 B 109? 1.667E+4 F E+4 Observações: 1E+4 = 1 x 10 4, verifique as unidades utilizadas. Página 28 de 43

29 Exercício 22 - Destilação Um sistema de destilação fracionada separa benzeno e tolueno a partir de uma corrente que totaliza 100 kmol/h. No diagrama y-x, fornecido em anexo, foi construído o gráfico segundo o método McCabe - Thiele que corresponde a este sistema. Baseando-se neste gráfico e, quando necessário, no diagrama T-x-y, responda: (a) Qual a fração molar do tolueno na alimentação (carga) da coluna? (b) Qual a fração molar do benzeno no destilado de fundo (refervedor)? (c) Em qual estágio da coluna ocorre a alimentação do sistema? (d) Qual é o número de estágios teóricos necessários na coluna? (e) Qual a razão de refluxo? (f) Qual a vazão de destilado no topo em kmol/h? (g) Qual a Temperatura de equilíbrio do 3º (terceiro) estágio da coluna? (h) Qual a condição (em termos de equilíbrio de fases) da corrente de alimentação? Página 29 de 43

30 Exercício 23 - Absorção Através de uma coluna de pratos absorve-se a acetona, contida em uma mistura com ar, com óleo não volátil. O gás que entra na coluna contém 25% molar de acetona, e o óleo que entra está isento de acetona. Absorve-se 90% da acetona contida no ar e o licor concentrado, no fundo da torre, contém 20% molar de acetona. A massa molecular média do óleo pode ser considerada 220 g /mol. A relação de equilíbrio é dada pela equação: y( x) = 1,9 x (a) Faça um estudo da vazão mínima de solvente necessária para tratar 1000 kg/h da mistura gasosa; (b).construa a linha de operação, pela equação já definida, e determine o número de estágios ideais. Página 30 de 43

31 Exercício 24 - Absorção Em uma coluna de absorção recheada de anéis cerâmicos de Rasching de 1/2, deseja-se recuperar, com água, 98% do gás amoníaco, NH 3, contido em uma mistura gasosa binária com ar. A concentração de NH 3 medida na corrente a ser tratada foi de 6% v.v.. A absorção se 26 C e 760 mmhg, e a vazão da corrente a ser tratada é de 1000 kg/h. O ar nestas condições é considerado inerte. Calcular: (a) A quantidade mínima de solvente necessária, considerando a água pura; (b) A concentração do líquido na saída da coluna se a quantidade de água empregada for 10 vezes a vazão mínima; (c) O diâmetro da torre, sendo o fator de projeto igual a 0.6; (d) O número de estágios necessários para realizar esta operação, caso a coluna empregada seja de pratos ; (e) A altura do recheio se a altura da unidade de transferência é igual a H OG = 0,40 m ; Observações: Considerar que a curva de equilíbrio seja expressa pela equação de uma reta (solução diluída), e igual a: µ H2O = 1 cpoise ρ H2O = 1 g/cm 3 = 62.4 lb/ft 3. yx ( ) = x R = cal / ( mol. K) = atm.cm 3 / (mol. K) = atm.ft 3 / (lbmol. R) Página 31 de 43

32 Exercício 25 - Absorção Uma coluna de absorção de uma planta química recupera 99% da amônia contida em uma corrente de ar. A coluna foi projetada para trabalhar a 25ºC e 760 mmhg. A corrente de gás que entra na coluna tem 3% molar de amônia e uma vazão de 1000 kg/h (35,12 kmol/h). A coluna está recheada com anéis cerâmicos de Rasching de 1/2. Está sendo operada utilizando água pura como solvente para absorção da amônia. Sabendo que a torre tem 0,352 m de diâmetro, responda: (a) Qual a vazão mínima de solvente? (b) Qual a concentração de amônia na saída de fundo de solvente se for utilizada uma vazão de solvente 15 vezes maior que a vazão mínima de solvente? (c) Para a vazão de solvente de 15 vezes a vazão mínima de solvente, qual será a condição da torre em termos de afastamento da condição de inundação? (Anéis de Rasching de ½ tem um c f = 580 e a = 400 m 2 / m 3 ) (d) Haveria alteração desta condição se fosse substituído o recheio? Página 32 de 43

33 Exercício 26 - Absorção Uma coluna de absorção recupera 80 % da amônia contida em uma corrente com ar. A concentração de NH 3 nesta corrente é de 8 moles para cada 100 moles de ar. Utiliza-se para absorver uma corrente de água que não contém NH 3. A corrente de entrada do gás corresponde a 108 kmol/h e a equação de equilíbrio a y 0.3 (a) Qual a concentração, em razão molar, de NH 3 no gás de saída? (b) Qual a vazão mínima de solvente? (c) Qual a relação L op S L = x. min se for considerada a reta de operação correspondente ao gráfico abaixo? S op (d) Qual a concentração, em razão molar, de NH 3 no líquido que sai da coluna para L S? Página 33 de 43

34 YXg ( ) 0.08 Yop( Xg) Ymin( Xg) Xg 0.4 Página 34 de 43

35 Exercício 27 - Absorção Deseja-se reter 98 % de todo o SO 2 contido em uma corrente de ar em uma torre de absorção. A concentração de SO 2 na corrente a 30 C é de 10 % molar. A solubilidade do SO 2 em água, a 30 C, é dada pela expressão: y = x para a pressão total igual a 1,0133 bar. Deseja-se inicialmente utilizar água como solvente de absorção na coluna construída. A corrente total de saída corresponde a 200 kmol/h. (a) Qual a vazão mínima de solvente, se a água utilizada como solvente tiver 0,1 % molar de SO 2? (b) Quais os efeitos esperados da solubilização do SO 2 na água? (c) O que poderia ser adicionado à água para melhorar o desempenho do sistema de absorção (d) Na tabela abaixo, escolha um dos recheios disponíveis, justifique a sua escolha listando as características do recheio escolhido e seu impacto no sistema Recheio Material a [m 2 /m 3 ] cf R$/m 3 sela Berl 1 cerâmica anel de Pall 1 cerâmica anel de Pall 1 polipropileno anel de Raschig 1 aço Página 35 de 43

36 Exercício 28 - Extração Uma unidade de extração em contra corrente é utilizada para separar acetona (A) de uma mistura com água (C), através da extração com MIBK (B) a uma temperatura de 25 C. A alimentação consiste de uma mistura de 15% de acetona e 85% de água em massa. É utilizada uma massa igual de solvente puro na alimentação da corrente de extração. (a) Como determinar as concentrações no extrato e rafinado finais? (b) Quantos estágios ideais são necessários para se extrair 95% da acetona presente na corrente de alimentação? (c) Qual a composição do extrato na saída da bateria de misturadores decantadores? Página 36 de 43

37 Exercício 29 - Extração Uma corrente de 30% de acetona em água, com uma vazão de 1000 kg/h é tratada em corrente cruzada com MIK (ou MIBK - metil isobutilcetona). Utiliza-se para calcular o ELL o diagrama de equilíbrio que define o sistema de solventes parcialmente miscíveis para água - acetona - MIK. Em todos os estágios é utilizado solvente de extração puro, no caso o MIK. Determine: (a) o número de estágios necessários para que, com uma vazão de solvente de 500 kg/h, seja possível recuperar no mínimo 90% da acetona que entra no sistema; (b) a vazão de solvente que garante uma recuperação de 98% no mesmo número de estágios do item anterior. Página 37 de 43

38 Exercício 30 - Extração Uma corrente de 100 kg/h de uma solução de acetaldeído em tolueno, com composição de 5% em peso de acetaldeído, é submetida a um processo de extração em corrente cruzada. Emprega-se como co-solvente a água com uma vazão de 30kg/h em cada estágio de separação. Considere que: a água e o tolueno são completamente imiscíveis; a relação de equilíbrio, expressa em razões mássicas, é dada pela expressão: Y' = 220. X ' onde Y é a razão mássica entre o soluto (acetaldeído) e o solvente (tolueno) e X a razão mássica entre o soluto e o cosolvente (água); a água empregada é pura. Pede-se então para calcular: (a) a razão de recuperação de acetaldeído em um estágio; (b) compare o resultado com a operação em dois estágio utilizando em cada 15 kg/h de água; Página 38 de 43

39 Exercício 31 - Extração Estão disponíveis 1000 kg/h de uma solução aquosa de ácido benzóico, com concentração igual a 0.3% em peso de ácido. Para separar o ácido benzóico submete-se esta solução a um processo de extração a 20 C, utilizando como solvente o benzeno. Os dados de equilíbrio disponíveis para o sistema ácido benzóico (A), benzeno (B) e água (C), a 20 C, são: X' Y' X e Y são as razões mássicas de ácido benzóico nas fases aquosa e orgânica respectivamente. 2 Y' = *( X') * X' C.C.= (a) Calcule a recuperação em um processo de extração com corrente cruzada, com 3 estágios de equilíbrio, utilizando como solvente em cada estágio 600 kg/h de benzeno puro; (b) Calcule a recuperação em um processo de extração em contra corrente, com 3 estágios de equilíbrio, utilizando como solvente 1800 kg/h de benzeno puro; (c) Compare e comente os resultados para os dois processos. Página 39 de 43

40 Exercício 32 - Extração Deseja-se concentrar o soluto A em uma fase aquosa composta principalmente pela água e denominada co-solvente C. O soluto A encontra-se inicialmente solubilizado no solvente orgânico. A partir da análise dos diagramas dos Sistemas I e II que são caracterizados pelos solventes orgânicos B1 e B2, responda as seguintes questões: (a) Qual a relação de solubilidade entre A, C e B1 ou B2? (b) Qual sistema é o mais adequado para utilização como desejado? (c) Considerando a densidade de B1 como 0,83, a de B2 como 0,86 e a da água 1,00, faça um diagrama indicando a distribuição das fases para o sistema selecionado. Página 40 de 43

41 Exercício 33 - Adsorção Foi montada uma coluna de adsorção com carvão ativo de alta porosidade. A coluna tem 5 m de altura e 50 cm de diâmetro, sendo que 3/4 deste volume está preenchido com o adsorvente. Pretende-se tratar uma corrente que contém fenol por adsorção neste equipamento. Os dados de equilíbrio correspondente a este sistema estão relacionados na tabela abaixo: C [kg/m 3 ] X 0,322 0,150 0,117 0,122 0,039 0,094 0,0061 0,059 0,0011 0,045 Onde: C é a concentração de fenol ma fase líquida e X é a razão mássica do fenol na fase sólida em relação à massa de carvão ativo. Se a concentração de fenol na corrente a ser tratada for de 0,08 kg de fenol por m 3, calcule: (a) A capacidade total de retenção de fenol na coluna construída, considerando a massa específica aparente do carvão ativo igual a 0,25 g/cm3. Página 41 de 43

42 Exercício 34 - Adsorção Em uma coluna de adsorção com carvão ativo de alta porosidade e com massa específica aparente igual a 0,25 g/cm 3. A coluna tem 5 m de altura e 112,83 cm de diâmetro, sendo que 4/5 deste volume está preenchido com o adsorvente. Pretende-se tratar por adsorção uma corrente que contém fenol e água neste equipamento, sendo a concentração de fenol na corrente a ser tratada de 0,05 kg de fenol por m 3. Os dados de equilíbrio correspondente a este sistema estão relacionados na tabela abaixo: C o [kg/m 3 ] X 0,322 0,150 0,117 0,122 0,039 0,094 0,0061 0,059 0,0011 0,045 Onde: C o é a concentração inicial de fenol na fase líquida e X é a razão mássica do fenol na fase sólida em relação à massa de carvão ativo. Sabendo que o sistema é alimentado com uma vazão de 0,5 m3/h, responda: (a) Qual a capacidade total de retenção de fenol na coluna, em kg de fenol como adsorbato? (b) Qual o tempo de operação em dias? Página 42 de 43

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Operações Unitárias II

Operações Unitárias II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Operações Unitárias II Evaporação Professor Paul Fernand Milcent Monitora Patrícia Carrano Moreira Pereira 2013 Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Fontes de energia... 2 1.2.

Leia mais

Capítulo 2 - BALANÇOS DE MASSA SEM REAÇÃO QUÍMICA

Capítulo 2 - BALANÇOS DE MASSA SEM REAÇÃO QUÍMICA Capítulo 2 - BALANÇOS DE MASSA SEM REAÇÃO QUÍMICA 2.1 O Conceito de Balanço de Massa O Balanço de Massa (BM) é uma restrição imposta pela natureza.! A lei da conservação de massa nos diz que a massa não

Leia mais

Material Condutividade térmica (Kcal/s)/(m. C) Cobre 9,2.10-2

Material Condutividade térmica (Kcal/s)/(m. C) Cobre 9,2.10-2 7 TRANSFERÊNCIA DE CALOR O calor é a forma de energia que se propaga de uma região a uma temperatura mais alta para outra região de temperatura mais baixa. A energia transferida pelo fluxo de calor não

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I OPERAÇÕES POR ESTÁGIOS ABSORÇÃO I PROFESSOR: DR. ROMILDO BRITO CAMPINA

Leia mais

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE ÓLEO DE PALMA UTILIZANDO OS SOFTWARES ASPEN HYSYS E DWSIM.

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE ÓLEO DE PALMA UTILIZANDO OS SOFTWARES ASPEN HYSYS E DWSIM. SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE ÓLEO DE PALMA UTILIZANDO OS SOFTWARES ASPEN HYSYS E DWSIM. Elinéia Castro COSTA PRODERNA/ITEC/UFPA elineia_castro@yahoo.com.br Nélio Teixeira MACHADO TERM@/FEQ/ITEC/UFPA

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH E DESTILAÇÃO BINÁRIOS

EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH E DESTILAÇÃO BINÁRIOS Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH E DESTILAÇÃO BINÁRIOS

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura A substância pura Composição química invariável e homogênea. Pode existir em mais de uma fase, porém sua composição química é a mesma em todas as fases. Equilíbrio Vapor-líquido-sólido

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

Autor: Artur Franceschini Richter UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Autor: Artur Franceschini Richter UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG07053 - TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Comparativo de Simulações Estacionárias de Colunas

Leia mais

OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO

OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO Willy Rodrigo de Araujo 1 ; Rivana Mabel Lucena Oliveira 2 ; Cynthia Vasconcelos de Araujo 3 ; Romildo Brito 4 ; Heleno Júnior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. EQE 482- Operações Unitárias II. Prática: h

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. EQE 482- Operações Unitárias II. Prática: h UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE QUÍMICA Código Disciplina/Nome: Tipo: Disciplina Obrigatória EQE 482- Operações Unitárias II Carga Horária Teórica : 60h Prática: h Cursos : Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO EM BATELADA

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO EM BATELADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

Autora: Laís Floriano de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Autora: Laís Floriano de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG07053 - TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Desenvolvimento de Cur vas Operaciona is para uma

Leia mais

Departamento de Engenharia Química Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Departamento de Engenharia Química Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Química Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Operações Unitárias II, 2005/2006 nas aulas Teórico-Práticas Nota Introdutória O conjunto de problemas aqui

Leia mais

8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO

8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO 8 PRESSÃO DE VAPOR, SATURAÇÃO, CONDENSAÇÃO E VÁCUO Um gás que existe abaixo de sua temperatura crítica é normalmente chamado de VAPOR, porque pode condensar. SE O VAPOR E O LÍQUIDO DE UM COMPONENTE PURO

Leia mais

DIAGRAMA DE FASES BINÁRIO. META Estudar o Diagrama de Fases de uma solução binária formada por líquidos parcialmente miscíveis.

DIAGRAMA DE FASES BINÁRIO. META Estudar o Diagrama de Fases de uma solução binária formada por líquidos parcialmente miscíveis. DIAGRAMA DE FASES BINÁRIO Aula 8 META Estudar o Diagrama de Fases de uma solução binária formada por líquidos parcialmente miscíveis. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: neste experimento, nos

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas

Leia mais

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

Operações Unitárias CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS

Operações Unitárias CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS CURSO DE FORMAÇÃO DE OPERADORES DE REFINARIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1 2 Operações Unitárias OPERAÇÕES UNITÁRIAS VALTER ROITMAN Equipe Petrobras Petrobras / Abastecimento UN s: Repar, Regap, Replan, Refap,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FELIPE DE OLIVEIRA BRITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FELIPE DE OLIVEIRA BRITO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FELIPE DE OLIVEIRA BRITO AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA PRESSÃO, TEMPERATURA E CONDIÇÕES DE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Os processos para tratamento de águas são de grande importância para a obtenção de água potável, para o condicionamento de águas com características adequadas à indústria química

Leia mais

ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS

ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS 1 ENGENHARIA DE PROCESSOS DE SEPARAÇÃO 1.1 Introdução 1.2 Processos de Separação 1.3 Mecanismos de Separação 1.3.1 Separação por Adição ou Criação de Fase 1.3.2 Separação

Leia mais

Diagramas de Fase. Objetivos:

Diagramas de Fase. Objetivos: 1 Diagramas de Fase Objetivos: Interpretar diagramas de fases de substâncias puras Deslocamento da fronteira entre as fases Interpretar diagramas de fases de compostos Diagramas de misturas líquidas Diagramas

Leia mais

ESTUDO EXPERIMENTAL DOS EQUILÍBRIOS ENTRE FASES COM APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DE TERMODINÂMICA PARA ENGENHARIA

ESTUDO EXPERIMENTAL DOS EQUILÍBRIOS ENTRE FASES COM APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DE TERMODINÂMICA PARA ENGENHARIA ESTUDO EXPERIMENTAL DOS EQUILÍBRIOS ENTRE FASES COM APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DE TERMODINÂMICA PARA ENGENHARIA Antônio Ricardo Alencar Reis, Allan Miguel Franco de Amorim, Carlson Pereira de

Leia mais

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP CONCEITOS FUNDAMENTAIS Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em Universidade função do que Santa desejamos Cecília Santos estudar / SP termodinamicamente. Tudo que se situa fora do

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

RECUPERADOR DE AROMA. Tanques decantadores para separação fase água e óleo

RECUPERADOR DE AROMA. Tanques decantadores para separação fase água e óleo RECUPERADOR DE AROMA Os voláteis presentes nos processos de concentração de produtos orgânicos, geralmente de baixa temperatura, são coletados em suas origens, concentrados, condensados, resfriados e,

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES 5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES SÃO EQUIPAMENTOS MUITO USADOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA VÁRIAS FUNÇÕES, ENTRE ELAS: MISTURA OU SEPARAÇÃO DE FASES DISSOLUÇÃO AQUECIMENTO NEUTRALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO

Leia mais

Processos Unitários Orgânicos PUO. Introdução. Prof. MSc. Marcos Villela Barcza

Processos Unitários Orgânicos PUO. Introdução. Prof. MSc. Marcos Villela Barcza Processos Unitários Orgânicos PUO Introdução Prof. MSc. Marcos Villela Barcza 1- Processo Químico: Processos Unitários Orgânicos PU191 Prof. MSc. Marcos Villela Barcza INTRODUÇÃO É utilizado para formação

Leia mais

Propriedades Físicas das Soluções

Propriedades Físicas das Soluções Propriedades Físicas das Soluções Solução (def): é uma mistura homogénea de duas ou mais substâncias. Solvente: componente da solução do mesmo estado físico, por exemplo água numa solução aquosa Soluto:

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

CAPÍTULO 4 - BALANÇOS MATERIAIS.

CAPÍTULO 4 - BALANÇOS MATERIAIS. 4.3 Procedimentos para os Cálculos de Balanços Materiais. O primeiro passo em cálculos é o de entender o problema. (I) Desenhe um diagrama do processo, mostrando todas as informações relevantes. Escolha

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE POTIGUAR UNP PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL - MPEPG

UNIVERSIDADE POTIGUAR UNP PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL - MPEPG UNIVERSIDADE POTIGUAR UNP PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL - MPEPG DANILO YURI ALVES DE LIMA INFERÊNCIA DO TEOR 85% ASTM DO DIESEL NATAL

Leia mais

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos SOLUÇÕES Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos uma MISTURA Quando na mistura tiver apenas

Leia mais

EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH & DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTES

EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH & DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTES Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH & DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTES

Leia mais

3 a 10. 6 - Você terá 04 (quatro) horas para responder às questões discursivas e de impressões sobre a prova.

3 a 10. 6 - Você terá 04 (quatro) horas para responder às questões discursivas e de impressões sobre a prova. Instruções CADERNO DE QUESTÕES 1- Você está recebendo o seguinte material: a) este caderno com o enunciado das 10 (dez) questões discursivas e das questões relativas às suas impressões sobre a prova, assim

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

08-05-2015. Sumário. Do Sol ao aquecimento. A energia no aquecimento/arrefecimento de sistemas 04/05/2015

08-05-2015. Sumário. Do Sol ao aquecimento. A energia no aquecimento/arrefecimento de sistemas 04/05/2015 Sumário Do Sol ao Aquecimento Unidade temática 1 Mudanças de estado físico. Variação de entalpia. Atividade Prático-Laboratorial APL 1.4 Balanço energético num sistema termodinâmico. Resolução de exercícios:

Leia mais

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas.

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Ar Úmido Ar úmido significa uma mistura de ar seco (substância pura) mais vapor d água. É assumida que essa mistura comporta-se

Leia mais

PACOTE COMPUTACIONAL EM EXCEL PARA ANÁLISE, PROJETO, E CORREÇÃO DO MÉTODO McCABE-THIELE EM COLUNAS DE DESTILAÇÃO BINÁRIA

PACOTE COMPUTACIONAL EM EXCEL PARA ANÁLISE, PROJETO, E CORREÇÃO DO MÉTODO McCABE-THIELE EM COLUNAS DE DESTILAÇÃO BINÁRIA PACOTE COMPUTACIONAL EM EXCEL PARA ANÁLISE, PROJETO, E CORREÇÃO DO MÉTODO McCABE-THIELE EM COLUNAS DE DESTILAÇÃO BINÁRIA Sara Regina Osipi sara.osipi@gmail.com Aluizio Torres da Silva Jr. aluiziotsj@gmail.com

Leia mais

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Físico-Química 2 Termodinâmica Química 2 Profa. Claudia de Figueiredo Braga Diagramas de Fases Diagramas de fases: Uma das formas mais compactas de exibir

Leia mais

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA Prof Cazuza 1 (Uff 2012) O ciclo de Stirling é um ciclo termodinâmico reversível utilizado em algumas máquinas térmicas Considere o ciclo de Stirling para 1 mol de um gás ideal monoatônico ilustrado no

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo:

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo: - Resumo do Capítulo 0 de Termodinâmica: Capítulo - PROPRIEDADES DE UMA SUBSTÂNCIA PURA Nós consideramos, no capítulo anterior, três propriedades familiares de uma substância: volume específico, pressão

Leia mais

Ciências Físico-Químicas Ano Lectivo 2010/2011

Ciências Físico-Químicas Ano Lectivo 2010/2011 Ciências Físico-Químicas Ano ectivo 2010/2011 Nome 7.º Ano Turma Número Mudanças de estado físico, ponto de fusão, ponto de ebulição e concentração mássica 1. Indique, justificando, se a temperatura a

Leia mais

Reações químicas e combustão

Reações químicas e combustão Reações químicas e combustão Introdução Reações químicas: Relacionam componentes antes e depois da reação Diversas aplicações termodinâmicas Aplicação de princípios termod. => considerar mudanças composição

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... *

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO Antes de verificarmos como ocorrem as mudanças de estado físico de uma substância, vamos caracterizar cada um dos estados aqui estudados.

Leia mais

QUÍMICA TESTES EXERCÍCIOS DE SOLUBILIDADE SÉRIE CASA

QUÍMICA TESTES EXERCÍCIOS DE SOLUBILIDADE SÉRIE CASA QUÍMICA Prof. Borges TESTES EXERCÍCIOS DE SOLUBILIDADE SÉRIE CASA 1. (Fuvest-SP) Descargas industriais de água pura aquecida podem provocar a morte de peixes em rios e lagos porque causam: a) o aumento

Leia mais

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Propriedades Coligativas...1 Exercícios...3 Gabarito...5 Propriedades coligativas Propriedades

Leia mais

Processos em Engenharia: Processos de Separação

Processos em Engenharia: Processos de Separação Processos em Engenharia: Processos de Separação Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 10 p.1/44

Leia mais

Propriedade Coligativas das Soluções

Propriedade Coligativas das Soluções Capítulo 9 Propriedade Coligativas das Soluções 1. (IME) Um instrumento desenvolvido para medida de concentração de soluções aquosas não eletrolíticas, consta de: a) um recipiente contendo água destilada;

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA B. R. Rodrigues 1, A. P. Meneguelo 2, P. H. H. Araújo 3 1-3 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia

Leia mais

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas 2º ANO QUÍMICA 1 1 mol 6,02.10 23 partículas Massa (g)? Massa molar Cálculo do número de mols (n) Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 51 a 120, marque, em cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção da

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS QUÍMICOS II PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS DEFINIÇÃO: É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA SIMPLIFICADA POR MEIO DE FIGURAS E LETRAS, DE ESTRUTURA E DO FUNCIONAMENTO DE INSTALAÇÕES DE PROCESSAMENTO. CLASSIFICAÇÃO:

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA 2 1 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 Pg.756-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 3 Separação Química Princípios de uma separação. Uma mistura

Leia mais

SPIRO, T. G.; STIGLIANI, W. M. Química ambiental. São Paulo: Pearson. 2009 (adaptado).

SPIRO, T. G.; STIGLIANI, W. M. Química ambiental. São Paulo: Pearson. 2009 (adaptado). 1. (Enem 2014) O principal processo industrial utilizado na produção de fenol é a oxidação do cumeno (isopropilbenzeno). A equação mostra que esse processo envolve a formação do hidroperóxido de cumila,

Leia mais

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas.

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Composição de uma Mistura de Gases A especificação do estado de uma

Leia mais

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado.

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico

Leia mais

2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório

2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório 39 2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório 2.1 Introdução Apresenta-se neste capítulo uma breve análise dos princípios básicos do

Leia mais

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores 1 - Introdução A cinética química e o projeto de reatores estão no coração de quase todos os produtos químicos industriais. É, principalmente, o conhecimento da cinética química e o projeto do reator que

Leia mais

Química Geral PROF. LARISSA ROCHA ALMEIDA - CURSINHO VITORIANO 1

Química Geral PROF. LARISSA ROCHA ALMEIDA - CURSINHO VITORIANO 1 Química Geral AULA 1 PROPRIEDADES GERAIS DA MATÉRIA E CONCEITOS INICIAIS PROF. LARISSA ROCHA ALMEIDA - CURSINHO VITORIANO 1 Tópicos Matéria Energia Diagrama de Mudança de Fases Ciclo da Água Universo e

Leia mais

Propriedades de substâncias puras, simples e compressíveis

Propriedades de substâncias puras, simples e compressíveis Propriedades de substâncias puras, simples e compressíveis Duas propriedades independentes definem o estado termodinâmico de uma substância Pode-se, portanto, determinar-se as outras propriedades, desde

Leia mais

Propriedades coligativas

Propriedades coligativas Química Aula de Revisão 9 3 os anos Décio ago/09 Nome: Nº: Turma: Propriedades coligativas Objetivo O objetivo dessa ficha é dar continuidade à revisão do 3º ano Química, dos assuntos mais significativos.

Leia mais

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron.

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron. Cálculos Químicos MASSA ATÔMICA Na convenção da IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada) realizada em 1961, adotou-se como unidade padrão para massa atômica o equivalente a 1/12 da massa

Leia mais

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011)

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) 2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) (1) Considerando o sistema mostrado na Figura 1: (a) Projete a tubulação através da abordagem da velocidade econômica; (b) Selecione uma bomba mostrando todos

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte

Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte não existe atração nem repulsão no gás ideal U = 0 q = - w q rev = nrtln(v f /V i ) q rev

Leia mais

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K)

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K) Termodinâmica I Ano Lectivo 2007/08 1º Ciclo-2ºAno/2º semestre (LEAmb LEAN MEAer MEMec) 2º Exame, 11/Julho /2008 P1 Nome: Nº Sala Problema 1 (2v+2v+1v) Considere um sistema fechado constituído por um êmbolo

Leia mais

Introdução. Gerais. Funcionais. Propriedades. da Matéria Organolépticas. Específicas. Químicas. Físicas. Química. Rômulo

Introdução. Gerais. Funcionais. Propriedades. da Matéria Organolépticas. Específicas. Químicas. Físicas. Química. Rômulo Introdução Gerais Propriedades Funcionais da Matéria Organolépticas Específicas s Físicas Propriedades Gerais São propriedades comuns a todo tipo de matéria massa extensão impenetrabilidade divisibilidade

Leia mais

Professora Sonia Exercícios Sobre SeparaÇão de misturas (Análise imediata)

Professora Sonia Exercícios Sobre SeparaÇão de misturas (Análise imediata) Exercícios Sobre SeparaÇão de misturas (Análise imediata) 01. Preencha os quadros a seguir com a descrição da utilização de cada equipamento de laboratório: 1 02. (Cesgranrio) Numa das etapas do tratamento

Leia mais

ETILAMINAS Processo Contínuo (Fase Vapor)

ETILAMINAS Processo Contínuo (Fase Vapor) ETILAMINAS Processo Contínuo (Fase Vapor) Matéria-prima - Álcool etílico e amônia (nova e reciclada), são vaporizados e a seguir, adicionado hidrogênio; Etanol: T entrada = 410 420ºC NH 3 : P = 5 a 20

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno UNESP- 2013- Vestibular de Inverno 1-Compostos de crômio têm aplicação em muitos processos industriais, como, por exemplo, o tratamento de couro em curtumes e a fabricação de tintas e pigmentos. Os resíduos

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32 QUÍMICA QUESTÃO 31 Considerando a Tabela Periódica e as propriedades dos elementos químicos, assinale a alternativa correta A) Um metal é uma substância dúctil e maleável que conduz calor e corrente elétrica

Leia mais

Exercícios 3º ano Química -

Exercícios 3º ano Química - Exercícios 3º ano Química - Ensino Médio - Granbery 01-ufjf-2003- Cada vez mais se torna habitual o consumo de bebidas especiais após a prática de esportes. Esses produtos, chamados bebidas isotônicas,

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFC Universidade Federal de anta Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento FLUIDIZAÇÃO A fluidização baseia-se fundamentalmente na circulação

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

Questão 69 Questão 70

Questão 69 Questão 70 Questão 69 Questão 0 Alguns polímeros biodegradáveis são utilizados em fios de sutura cirúrgica, para regiões internas do corpo, pois não são tóxicos e são reabsorvidos pelo organismo. Um desses materiais

Leia mais

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor.

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor. Módulo IV Propriedades de Substâncias Puras: Relações P-V-T e Diagramas P-V, P-T e T-V, Título, Propriedades Termodinâmicas, Tabelas Termodinâmicas, Energia Interna, Entalpia, Calores Espercíficos c v

Leia mais

03/04/2016 AULAS 11 E 12 SETOR A

03/04/2016 AULAS 11 E 12 SETOR A AULAS 11 E 12 SETOR A 1 Propriedade coligativa das soluções: são aquelas que depende unicamente do número de partículas dissolvidas. Ou seja: a adição de um soluto não-volátil a uma solução provoca mudanças

Leia mais

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas 01. (Uepg) Quanto às características das substâncias puras e das misturas, assinale o que for correto. 01) Misturas sólidas homogêneas não podem

Leia mais

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3)

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3) química 2 Questão 37 Questão 38 abendo-se que a amônia (N 3) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (2 2) não possui isômeros. ua molécula apresenta polaridade,

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 13 TARDE MAO / 2010 ENGENHERO(A) DE PROCESSAMENT OCESSAMENTO JÚNOR CONHECMENTOS OS ESPECÍFCOS LEA ATENTAMENTE AS NSTRUÇÕES ABAXO 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com os

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

Propriedades volumétricas de fluidos puros

Propriedades volumétricas de fluidos puros Propriedades volumétricas de fluidos puros Objetivos Compreender o comportamento PVT de fluidos puros Estudar equações de estado para descrever o comportamento PVT de fluidos reais Equações do tipo virial

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA. Prof. João Neto

ESTEQUIOMETRIA. Prof. João Neto ESTEQUIOMETRIA Prof. João Neto 1 Lei de Lavoisier Leis Ponderais Lei de Dalton Lei de Proust 2 Fórmula molecular Fórmula mínima Tipos de Fórmulas Fórmula eletrônica ou de Lewis Fórmula Centesimal Fórmula

Leia mais